SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
1
ESTADO DO MARANHÃO
PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM JARDIM
ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA FREI ANTONIO SINIBLADI
CNPJ N.° 01.916.542/0001-71
PRAÇA MIGUEL MEIRELES – BOM JARDIM – MA
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
(PPP)
BOM JARDIM – MA
2014
1
IDENTIFICAÇÃO
Nome da escola: EMEB frei Antonio Sinibaldi
Endereço: Praça Miguel Meireles
Turnos de funcionamento: Matutino e Vespertino
EQUIPE GESTORA:
Diretor(a): Irismar Sousa Soares
Diretor(a) adjunto: Maria Raimunda Almeida Leite
Supervisor(a) do turno Matutino: Ângela Maria di Carvalho da Silva e Antonia
Livany Castro
Supervisor(a) do turno Vespertino: Auricelma Oliveira de Sousa Silva
Professores do turno Matutino:
Aldenora de Alcobaça Peres
Claudiane de Jesus Oliveira Santos
Cleudimar Pereira dos Santos
Cristiane Vieira da Silva
Edinalva Almeida Sousa
Cristiane de Fátima Costa Pinto
Antonio Reis dos Santos Costa
Jesus Lene da Silva Sousa
João Borba Costa
José dos Santos Machado Maranhão
Keila Magalhãs Lima
Izulene Conceição e Conceição
Meirelane Soares Matias Ribeiro
Nargylla Layanne Moreira Bezerra
Ronissy Alves Alencar
Professores do turno Vespertino:
Antonia Eliete de Moraes
Antonio Charleir dos Santos Vaz
Cássia Mesquita Duarte
Cleudimar Pereira dos Santos
Francivaldo da Silva Castro
Isvan da Conceição e Conceição
Manoel Natal Alves Feitosa
Maria Marlene da Silva Costa
Meirelane Soares Matias Ribeiro
Solange Rodrigues Almeida Santos
Telma de Jesus Sousa Viana
Secretária Geral:
Ellen Rhuanna da Silva Meireles
Agentes Administrativos:
Antonia Cleuma Gomes Araujo
João Paulo do Vale da Silva
Vanessa Costa e Silva
Gabrielle Martins Silva
Auxiliar Operacionais de Serviços Gerais:
Antonia Hildarlene Pereira Leite
Luziana Rodrigues da Silva
Maria Deciane Viana Costa
Maria Zita B. Oliveira
Regilene Ferreira Lima
Roseane Feitosa Silva
Simone G. da Silva
Fernanda Gomes Sousa
Vigias:
Adonias Barroso Gomes
Antonio Anderson Martins Moura
Francisco da Conceição Nascimento
Isaac Costa Alves
1- JUSTIFICATIVA
O Projeto Político Pedagógico é um instrumento que
possibilita cada instituição inovar sua prática pedagógica na medida
em que apresenta novos caminhos para as situações que precisam
ser modificadas. Sendo assim, a Escola Municipal de Educação
Básica Frei Antonio Sinibaldi necessita de mudanças que tragam
benefícios em todos os seus aspectos. Diante disso, pensou-se na
elaboração coletiva do Projeto Político Pedagógico, instrumento
norteador das ações que irão ajudar na melhoria de todo trabalho
pedagógico envolvendo os docentes, discentes, corpo
administrativo e a comunidade.
O objetivo do PPP em 2012 é iniciar uma nova etapa em
nossa educação, buscando mudanças na Escola com o propósito
de alcançar novas metas de ensino que venham a contribuir com
um melhor aprendizado para os alunos.
Portanto, ele permitirá uma nova concepção sobre o cotidiano,
observando tanto o que já foi realizado, como o que poderá ser
feito, com base nos objetivos aqui propostos.
Sabemos que existirão dificuldades, pelo fato de estarmos
iniciando este projeto e a própria está um tanto distante, sem querer
participar de maneira mais pratica na luta pelo desenvolvimento de
um trabalho educacional que trará benefícios positivo para todo o
corpo envolvido.
Por isso que, a escola por não ser uma instituição que
trabalha sozinha, buscamos com a ajuda desse projeto, uma nova
visão da comunidade a favor da educação de seus filhos.
2- HISTÓRICO
O Colégio Municipal Frei Antonio Sinibaldi foi fundado em
1986, na gestão do prefeito Antonio Muniz Alves, situada à Praça
Miguel Meireles, no Bairro Vila Meireles. Recebeu este nome em
homenagem ao Frei Antonio Sinibaldi, que por um ato histórico,
morreu para salvar de afogamento alguns jovens. Atualmente o
colégio oferece o Ensino Fundamental Regular de nove anos,
conforme lei vigente, sua estrutura física é composta 11 salas de
aula, 1 cantina, 1 secretária, 1 almoxarifado, 1 depósito de material
de limpeza, 2 banheiros, 1 sala de recursos pedagógicos, 1 pátio, 1
auditório, 1 sala de informática, todas as dependências com boas
condições de funcionamento exceto a sala de informática que ainda
não dispõe dos computadores para funcionar. A escola tem 51
funcionários sendo: 1 Diretora Geral, 1 Diretora Adjunto, 3
Supervisores, 31 Professores, 1 Secretária, 2 Agentes
Administrativos, 4 Vigias, 8 AOSGs. O numero de matricula atual é
de 542 alunos, sendo distribuídos nos respectivos turnos: matutino
295 alunos e vespertino 247 alunos.
3- MISSÃO
A Escola Municipal de Educação Básica Frei Antonio Sinibaldi
tem a missão de desenvolver um trabalho de qualidade, oferecendo
uma constante melhoria das condições educacionais em nossa
comunidade, cujo objetivo está voltado para uma educação plena
do educando, para que o mesmo se torne um cidadão crítico e
capaz para a sociedade em que está inserido.
4- VISÃO
4.1- Visões de Mundo
O mundo está em constantes mudanças; o desenvolvimento
cientifica, a globalização, a tecnologia, a competitividade e o
excesso de informações fazem parte dessas transformações.
Exigindo dos indivíduos uma qualificação eficaz que atenda às
exigências do mundo atual. Nesse contexto, cabe à escola
acompanhar essas transformações possibilitando a inclusão dos
indivíduos no meio social.
4.2-Visão de Sociedade
Vivemos na era do conhecimento, no qual a sociedade vem
passando por constantes mudanças sociais, políticas, econômicas e
culturais. Estas mudanças exigem indivíduos autônomos, críticos,
criativos, aptos a desempenhar um papel significativo no meio em
que está inserido. Portanto, esta escola pretende formar cidadãos
capazes de atuar plenamente nesta sociedade de constantes
transformações.
4.3- Visão de Escola
A Escola como uma instituição sistematizada tem um papel
importante na inserção do sujeito no mundo conhecimento.
Construir uma escola democrática que valoriza as diferenças
e aposta na autonomia de profissionais e alunos, demanda
mudanças de conhecimentos, de atitudes, de valores, etc.
Isso significa adotar uma nova forma de pensar a organização
escolar e a aprendizagem implicando no envolvimento de toda a
comunidade escolar e na incorporação de uma pedagogia
dinamizadora, democrática e flexiva, que venha a mudar a realidade
no âmbito escolar.
Nesse contexto, a escola tem que ser fato, um espaço sócio-
cultural e isto remete a compreendê-la na dinâmica da cultura,
levando em conta o fazer, a ação e a construção de valores no
cotidiano escolar, pelos sujeitos sociais e históricos que a compões.
Assim, a escola precisa interagir com a comunidade tornando-se
um referencial de saber e conhecimento, devendo ser consciente do
seu papel de parceria na transformação da realidade.
4.4- Visão de Conhecimento
As inovações no mundo da ciência e da tecnologia têm
gerado um repensar no sistema educacional, implicando romper
com práticas e métodos que vem habilitando o individuo a
desenvolver uma formação técnica.
Diante deste contexto, pretende-se promover um ensino que
supere esta formação, possibilitando-o a tornar-se um sujeito pleno,
capaz de aprender a conhecer, aprender fazendo, aprender a viver,
aprender a ser, para que possa superar desafios e resolver
situações conflitantes em seu cotidiano.
4.5- Visão de Futuro
Pretendemos promover na escola uma educação de
qualidade que visa um trabalho coletivo, transparente num ambiente
de respeito, no qual todos são tratados com igualdade, formando
cidadãos críticos, participativos, capazes de agir positivamente no
meio em que vivem.
5- VALORES
1 – Integração: escola e comunidade trabalhem de forma
integrada, ou seja, estejam envolvidos num só objetivo de
proporcionar uma boa educação.
2- Socialização: criar condições estratégicas que favoreça
uma socialização de forma eficaz, entre escola, família e
comunidade.
3- Diálogo: íntegro entre educando e educador, para que haja
uma socialização entre ambos, troca de idéias, opiniões
críticas, proporcionando dessa maneira, qualidade no
processo ensino-aprendizagem.
4 - Respeito mútuo: respeito aos colegas, aos professores,
as famílias e ao patrimônio público.
5 - Transparência: pretende-se que toda a comunidade
escolar participe das tomadas de decisões e do
funcionamento da escola em todos os aspectos: burocrático,
pedagógico e financeiro.
6- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Em decorrência das constantes transformações sociais,
políticas, culturais e econômicas, a escola exerce um papel
preponderante na inserção dos indivíduos no meio social. É sob
essa ótica cabe à instituição de ensino promover a aprendizagem e
a formação para o exercício da cidadania plena. Nesta perspectiva,
para que a escola possa cumprir sua missão social, é essencial que
esteja bem estruturada e administrada. Deste modo, torna-se
relevante valorizar os anseios e os interesses da comunidade na
qual está inserida.
Estudos têm mostrado que não há ensino sem que ocorra
aprendizagem e esta não acontece senão pela transformação, pela
ação facilitadora do professor e, sobretudo, pelo processo constante
de busca do conhecimento que deve sempre partir do aluno. Na
contemporaneidade aborda-se um ensino que desperte o interesse
do educando, inserir no cotidiano escolar uma aprendizagem
prazerosa e significativa implica profundas mudanças no ato
pedagógico. Neste sentido, tornam-se relevante a ruptura de
estruturas organizativas conservadoras, por conseguinte, a inserção
de ações democráticas e participativas conservadoras, por
conseguinte, a inserção de ações democráticas e participativas no
âmbito escolar.E sob esse prisma torna-se primordial que a escola
redefina suas ações, dando possibilidades aos alunos de
desenvolverem plenamente suas potencialidades, bem como a
oportunidade de todos que integram a comunidade escolar
participarem ativamente da tomada de decisões e no funcionamento
da organização escolar.
Nesta perspectiva, o anseio do educando passa ser a força
que comanda o processo educativo, suas experiências e
descobertas constitui o motor de seu crescimento. Cabendo ao
professor o papel de um gerador de situações instigadoras e
eficazes. É Nesse cenário que pretendemos construir uma escola
verdadeiramente democrática, comprometida com uma
aprendizagem significativa e prazerosa, que procuramos
fundamentar essa proposta pedagógica. Para isso buscou-se
fundamentos em perspectiva teóricas derivadas das idéias de
Piaget, Vygotsky, Wallon e Freinet, Emilia Ferreiro entre outros que
vem contribuindo para o processo de aquisição do conhecimento.
Nesta concepção, denominada interacionista, o individuo age
sobre o meio, de acordo com suas capacidades e significações já
elaboradas abrindo-se para novos conhecimentos modificando sua
forma de agir. Na busca desta interação, homem e mundo se
constituem por intermédio de linguagens. São essas linguagens que
permeiam as relações que estão em nossa cultura.
Portanto, o professor exerce um papel importante nesse
processo de interação do sujeito com o meio, ele será o mediador
do conhecimento, o aluno será o protagonista de sua
aprendizagem, ele constrói e reconstrói os conhecimentos a partir
de sua interação com o meio.
7- OBJETIVOS
7.1- Geral
* Elevar a qualidade do ensino bem como desenvolver ações
que leve o educando a posicionar-se de maneira crítica e
responsável, estabelecendo um maior comprometimento político e
cultural para a construção de uma escola de qualidade.
7.2- Específicos
* Desenvolver Projetos pedagógicos que visam melhorar a
qualidade do ensino da escola.
* Inserir na escola, métodos que resgatam valores culturais na
comunidade escolar;
* Construir no espaço escolar condições democráticas e
atrativas que beneficiem alunos, funcionários e a comunidade.
* Resgatar valores essenciais para uma melhor qualidade de
vida no meio social;
* Promover qualificação de professores e demais funcionários;
* Elevar auto-estima da comunidade escolar.
8- PERFIL DA ESCOLA
Nome: Escola Municipal de Educação Básica Frei Antonio
Sinbaldi
Código: 21073180 - Censos Escolares,
Níveis de Ensino: Ensino Fundamental de Nove Anos
Turno de Funcionamento: matutino e vespertino.
Números de salas de aula: 11
Números de banheiro: 05
Números de almoxarifados: 02
Números de cantinas: 01
Números de secretarias: 01
Números de Sala de Professores: 01
Números de Laboratório de informática: 01
Números de Auditórios: 01
Números de Lavanderia: 01
Números de diretores: 01
Números de diretor adjunto: 01
Números de secretários: 01
Números de agentes administrativos: 02
Números de professores: 25
Números de supervisores: 03
Números de alunos do turno matutino: 295
Números e alunos do turno vespertino: 247
Total de alunos: 542
9- SITUAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCOLA
9.1 – Diagnóstico da realidade escolar
• Ensino Fundamental
Em 2010 a escola funcionou do 1.º ao 5.º ano nos turnos:
• Matutino: 1.º ao 3.º com faixa etária de 06 a 10 anos, com
uma matricula final de 153 alunos.
• Vespertino de 4.º ao 5.º ano com faixa etária de 11 a 15
anos com uma matricula final de 325 alunos.
Em 2011 a demanda foi maior, funcionou do 1.º ao 3.º ano
noturno matutino e do 4.º ao 5.º ano no turno vespertino
ficando com o total geral de 588 alunos.
9.2 – Situação da rede física, mobiliária e equipamento.
Sua estrutura física mobiliaria e equipamentos da escola se
encontram em bom estado de conservação. A escola adquiriu
equipamento e recursos pedagógicos através de recursos do PDDE
– Programa Dinheiro Direto na Escola e do PDE – Plano de
Desenvolvimento da Escola, em 2010, 2011 e 2012, além do apoio
da Secretaria Municipal de Educação.
9.3 – Organização do Ensino
9.3.1 – Planejamento Escolar
O Planejamento Escolar acontece no decorrer do ano
letivo com a participação dos professores, supervisores e diretor.
No inicio do ano faz-se o Plano de Curso no qual, se define os
objetivos, seleciona conteúdos e procedimentos que irão facilitar a
compreensão e aquisição do conhecimento.
No segundo momento, faz-se o Plano Mensal, onde os
professores discutem juntamente com a coordenação, definindo os
objetivos a serem alcançados como também os procedimentos,
recursos e instrumentos avaliativos, bem como os projetos
aplicados de acordo com as necessidades e prioridades dos
educandos.
Por último, faz-se uma rotina semanal que será incluída os
conteúdos trabalhados durante a semana, bem como as outras
atividades que visam dinamizar as aulas.
9.3.2 – Planejamento Curricular
O Plano Curricular proposto pela Escola Municipal de
Educação Básica Frei Antonio Sinibaldi, está organizado com base
no Sistema Brasileiro LDB 9.394/96 e na Lei 10.639 que, contempla
a historia da África e a cultura Afro-Brasileira e Indígena, e a Lei
11.769/08 que trata obrigatoriedade do ensino da música na
educação básica e nos Parâmetros Curriculares Nacionais, a LDB
estabelece obrigatoriedade do estudo da Língua Portuguesa,
Matemática, História, Geografia, Ciências, Ensino Religioso, Artes e
Educação Física.
Através do currículo, a escola proporciona o
desenvolvimento de competência e habilidades, oferecendo uma
educação com experiências pedagógicas possibilitando na
formação do caráter de cidadania do educando.
9.3.3 – Avaliação
De acordo com os Parâmetros Curriculares, a avaliação
deve ser compreendida como “um conjunto de ações organizadas
com a finalidade de obter informações sobre o que o aluno
aprendeu, de que forma e em quais condições”. Dessa maneira,
compreende-se a avaliação como um processo investigativo que
possibilite a intervenção pedagógica. Ela deve ser então uma
ferramenta de “mão dupla”. Tanto o aluno quanto o professor são
avaliados no decorrer do processo. Só assim, a prática educativa
poderá ser analisada, bem como o aluno poderá ter o domínio de
seu saber. Daí a necessidade de ocorrer durante todo o percurso de
ensino-aprendizagem.
A prática educativa que adotamos acontece da seguinte
forma: primeiro faz-se uma avaliação diagnostica, que acontecerá
no inicio do ano letivo com o objetivo de identificar os
conhecimentos prévios dos alunos, analisando suas dificuldades
para a tomada de decisões. Em seguida, no decorrer do ano letivo
utilizar-se a avaliação processual, que acontece no processo
ensino-aprendizagem. Essa avaliação tem como objetivo
acompanhar o desempenho dos alunos em todos os aspectos nas
atividades propostas, como: trabalhos, pesquisas, produção de
textos, exercícios, participação, avaliação oral e escrita, partindo do
principio de que o sujeito está em formação adotamos uma
avaliação formativa e democrática que liberta as pessoas.
9.3.4 – Gestão
No contexto em que se encontra a escola, ela vem sendo
obrigada a repensar o seu papel diante das constantes mudanças
sociais, políticas e econômicas que ocorrem na sociedade.
Em virtude destas transformações a escola exerce um
papel preponderante na inserção dos sujeitos no meio social.
Entretanto, para que a escola possa de fato cumprir sua missão é
essencial que valorize os interesses e anseios da comunidade na
qual está inserida.
Baseando-se nestes anseios da comunidade, a gestão da
Escola Municipal de Educação Básica Frei Antonio Sinibaldi,
pretende-se trabalhar coletivamente instigando todos que integram
a comunidade escolar, diretores, coordenadores pedagógicos,
docentes e discentes, funcionários, pais e a comunidade a
participarem ativamente da tomada de decisões e no funcionamento
da organização escolar.
Neste contexto, todos serão protagonistas do processo
educativo, por estarem assumindo responsabilidades e
compartilhando de um mesmo ideal.
Sendo assim, pretendemos trabalhar uma pratica de
gestão eficiente que requer de todos o compromisso na busca de
soluções dos problemas que poderão ocorrer durante o processo
educativo, seja ele de ensino-aprendizagem ou administrativo. Pois,
a gestão deve ser uma atividade pela qual são mobilizados os
meios e os procedimentos para atingir os objetivos da instituição.
9.4 – Valorização dos Profissionais
9.4.1- Professores
A valorização dos profissionais da educação dar-se
através de uma boa relação entre todos que compõem a
comunidade escolar, num ambiente de amor, respeito e
solidariedade entre as pessoas, incentivos com formação
continuada dentro do seu espaço de trabalho condizentes com suas
necessidades.
9.4.2 – Pessoal Administrativo
Nosso maior objetivo é envolver todo o corpo
administrativo em cursos e palestras de relação interpessoais, com
o intuito de sensibilizá-los para as atividades individuais e coletivas
e para um bom desenvolvimento dos trabalhos no âmbito escolar.
9.5 – Integração, Escola, Família e Comunidade
A escola como espaço que proporciona uma educação
formal, tem como principio básica a elevação do ensino, tendo uma
atitude de respeito para com as pessoas que a compõem.
Sendo assim, pretendemos elaborar uma proposta que
valorize a cultura a qual será trabalhada na escola, visando assim
promover eventos como: apresentação de danças populares,
bumba-meu-boi, feira de ciências, gincanas, olimpíadas, dentre
outros que venha favorecer essa integração escola, família e
comunidade.
Diante do exposto, vale enfatizar o papel da família nesse
processo, por ser parte interessada e também por contribuir no
desenvolvimento da criança no mundo do conhecimento,
acompanhando, incentivando e resgatando valores em conjunto
com a comunidade escolar.
Para que todos os segmentos possam participar, será
elaborado um calendário escolar no qual será feita a mobilização
através de avisos e convites com o propósito de torná-los mais
próximos da escola.
9.6 – Áreas do conhecimento
LÍNGUA PORTUGUESA
No Ensino Fundamental, espera-se que os alunos
adquiram progressivamente uma competência em relação à
linguagem, que lhes possibilite resolver problemas da vida
cotidiana, ter acesso aos bens culturais e alcançar a participação
plena no mundo letrado. Para que essa expectativa se concretize, o
ensino de Língua Portuguesa deverá organizar-se de modo que os
alunos sejam capazes de:
• Expandir o uso da linguagem em instâncias privadas e
utilizá-la com eficácia em instâncias públicas, sabendo
assumir a palavra e produzir textos, tanto orais como
escritos, coerentes, coesos e adequados a seus
destinatários, aos objetivos a que se propõem e aos
assuntos tratados;
• Utilizar diferentes registros, inclusive os mais formais da
variedade lingüística valorizada socialmente, sabendo
adequá-los às circunstancias da situação comunicativa de
quem participam;
• Conhecer e respeitar as diferentes variedades lingüísticas
do português falado;
• Compreender os textos orais e escritos com os quais se
defrontam em diferentes situações de participação social,
interpretando-os corretamente e inferindo as intenções de
quem os produz;
• Valer-se da linguagem para melhorar a qualidade de suas
relações pessoais, sendo capazes de expressar seus
sentimentos, experiências, ideais e opiniões, bem como de
acolher, interpretar e considerar os dos outros,
contrapondo-os quando necessários;
• Conhecer e analisar criticamente os usos da língua como
veículo de valores e preconceitos de classe, credo, gênero
ou etnia.
Em virtude do baixo desempenho dos discentes na leitura e
na escrita, as aulas na E.M.E.B. Frei Antonio Sinibaldi, será
ministrada assim: Língua Portuguesa 8 (oito) aulas semanais,
totalizando uma carga horária anual de 320 horas aula.
MATEMÁTICA
Os objetivos de Matemática são concebidos para que o aluno
possa compreender, transformar com competências e habilidades o
mundo que está à sua volta, estimulando o interesse, a curiosidade,
o espírito de investigação.
• Fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos
e qualitativos do ponto do conhecimento, selecionando e
organizando informações relevantes para interpretá-las e
avaliá-las criticamente;
• Resolver situações-problema, sabendo validar estratégias
e resultados, desenvolvendo formas de raciocínio e
processos, como dedução, indução, intuição, utilizando
conceitos e procedimentos matemáticos, bem como
instrumentos tecnológicos disponíveis;
• Comunicar-se matematicamente, ou seja, descrever,
representar e apresentar resultados com precisão e
argumentar sobre suas conjecturas, fazendo uso da
linguagem oral e estabelecendo relações entre ela e
diferentes representações matemáticas;
• Estabelecer conexões entre temas matemáticos de
diferentes campos e entre esses temas e conhecimentos
de outras áreas curriculares.
Na disciplina de Matemática haverá 05 (cinco) aulas semanais
contabilizando uma carga horária anual de 200 horas.
CIÊNCIAS
Os Objetivos de Ciências são concebidos para que o aluno
desenvolva competências que lhe permitam compreender o mundo
e atuar como individuo e como cidadão.
• Compreender a natureza como um todo dinâmica, sendo o
ser humano parte integrante e agente de transformações
do mundo em que vive;
• Formular questões, diagnosticar e propor soluções para
problemas reais a partir de elementos das Ciências
Naturais, colocando em prática, conceitos, procedimentos
e atitudes desenvolvidas no aprendizado escolar;
• Valorizar o trabalho em grupo, sendo capaz de ação critica
e cooperativa para a construção coletiva do conhecimento;
• Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e
adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básica
da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em
relação à sua saúde e à saúde coletiva.
Na área de Ciências durante a semana haverá 3 (três) aulas
com um total de 120 horas aula anualmente.
GEOGRAFIA
• Perceber-se integrante, dependente e agente
transformador do ambiente, identificando seus elementos e
as intenções entre eles, contribuindo ativamente para a
melhoria no meio ambiente;
• Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva
nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como
forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas;
• Conhecer e comparar a presença da Natureza na
paisagem local, com as manifestações da natureza
presentes em outras paisagens.
• Compreender as conseqüências das transformações da
natureza causadas pela ação humana presente na
paisagem urbana e rural;
• Adotar atitudes de respeito na preservação do meio-
ambiente como garantia à qualidade de vida.
Na disciplina de Geografia haverá 2 (duas) aulas semanais,
num total de 80 horas cada, anualmente.
HISTÓRIA
O conjunto das proposições aqui expressos responde à
necessidade de referenciais, a partir dos quais o sistema
educacional do país se organize a fim de garantir que, respeitadas
as diversidades culturais, regionais, étnicas, religiosas e políticas,
que atravessam uma sociedade múltipla, estratificada e complexa, a
educação possa atuar decisivamente no processo de construção da
cidadania.
• Conhecer e valorizar a pluralidade do Patrimônio
sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais
de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer
discriminação baseada em diferenças culturais de classe
social, de crenças, de sexo e etnia ou outras características
individuais e sociais;
• Compreender a cidadania como participação social e
política, assim como exercício de direitos e deveres
políticos, civis, e sociais, adotando no dia-a-dia atitudes de
solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças,
respeitando o outro e exigindo para si mesmo respeito;
• Conhecer características fundamentais do Brasil nas
dimensões sociais, materiais e culturais como meio para
construir progressivamente a nação de identidade nacional
e pessoal e o sentimento de pertinência ao País;
• Conhecer a história do seu estado e município;
• Comparar acontecimentos no tempo, tendo como
referencia os conceitos de anterioridade e posterioridade.
Na disciplina de História haverá 2(duas) aulas semanais, num
total de 80 horas cada, anualmente.
ARTES
O objetivo da arte no cotidiano na escola é aprofundar a
sensibilidade do aluno através da vivencia de novas experiências,
onde a forma criativa esteja presente como um dado relevante para
a construção do saber, resgatando suas experiências anteriores.
Compreendemos que toda criança está pronta para criar de
acordo com os princípios que fundamentam o trabalho em arte-
educação.
• Desenvolver o potencial criador da criança, através da
percepção, imaginação e fantasia;
• Desenvolver a capacidade de ver, observar, interpretar e
refletir sobre o trabalho criador;
• Incentivar a criança um olhar atento da natureza;
• Desenvolver a sensibilidade da criança, mediante a
exploração e experimentação de diversos materiais;
• Respeitar a cultura vivenciada da criança, permitindo que
esta contribua para o seu crescimento pessoal e,
conseqüentemente do grupo;
• Proporcionar o contato com a arte e o conhecimento dela,
através dos artistas e suas obras, a fim de perceber o
caráter universal da expressão artística, contextualizando o
período histórico em que a arte está sendo inserida;
• Reconhecer a importância da arte para o homem e seu
compromisso com a tradição e a contemporaneidade;
• Construir com a crença um espaço afetivo e acolhedor,
para que ela edifique uma relação de autoconfiança com a
sua produção e a do outro;
• Exteriorizar os sentimentos através da livre expressão
criadora;
• Proporcionar o conhecimento da arte, através de visitas a
museus, centros e patrimônios culturais, a fim de que a
criança sistematize o saber em arte.
No que diz respeito à disciplina de Arte, será aplicada 2 (duas)
aulas semanais, num total de 80 horas cada, anualmente.
ENSINO RELIGIOSO
O Ensino Religioso de matricula facultativa é parte integrante
da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos horários
normais das escolas publicas de ensino fundamental, assegurando
o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas
quaisquer forma de proselitismo.
• Adotar atitudes de respeito pelas diferenças entre as
pessoas, respeito esse, necessário ao convívio numa
sociedade democrática e pluralista;
• Adotar no dia-a-dia atitudes de solidariedade, cooperação e
repúdio às injustiças e discriminações;
• Adotar atitudes de justiças, respeito e afetividade para com
a família e o próximo.
Já no que se refere ao Ensino Religioso será ministrada
apenas 1 (uma)aula por semana. Fechando um total de 40 horas
aula durante o ano letivo.
EDUCAÇÃO FÍSICA
O trabalho com Educação Física tem sua importância
justificada pelo fato e favorecer o desenvolvimento de habilidades
corporais e a participação em atividades culturais, como danças,
jogos, lutas, esportes, com finalidades competitivas e recreativas,
estimulando o convívio social, o autoconhecimento, autovalorização
e a expressão de sentimentos, afetos e emoções.
• Participar de praticas corporais diversas, construindo
noções das diferenças individuais através dos
desempenhos nas atividades;
• Reconhecer o valor da diversidade das praticas corporais
da nossa cultura popular, usufruindo desse conteúdo para
o enriquecimento de seu repertorio pessoal e corporal;
• Adotar hábitos de saúde que considerem a importância de
uma alimentação balanceada, de horas suficientes de sono
e de atividades corporais, reconhecendo os benefícios
sobre sua saúde e dos demais;
• Conhecer o seu próprio corpo, força, altura e postura,
sabendo das estruturas básicas, em termo de peso, força,
altura e postura, sabendo das limitações impostas pelo
crescimento e maturação, a fim de não se expor ou
submeter à carga excessiva de esforço e trabalho
muscular, preservando sua integridade física e psicológica;
• Participar ativamente da organização dos espaços, dos
materiais e dos grupos para pratica de atividades lúdicas.
As aulas de Educação Física, será trabalhada na escola com
2(duas)aulas semanais com atividades culturais: danças, jogos,
esporte e brincadeiras, com a carga horária anual de 80 horas.
9.7 – Especificidades do Ensino Fundamental
Os princípios e finalidades do ensino na Escola Municipal de
Educação básica Frei Antonio Sinibaldi, são organizados de acordo
com a Lei N.º 11.274 que amplia o Ensino Fundamental para nove
anos de duração com matrícula de crianças de seis anos de idade,
em consonância com o disposto no artigo 32 da lei de Diretrizes e
Bases da educação que define:
I. O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como
meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo;
II. A compreensão do ambiente natural e social do sistema
político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se
fundamenta a sociedade;
III. O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem,
tendo em vista a aquisição de conhecimentos, habilidades e a
formação de atitudes e valores;
IV. O fortalecimento dos vínculos da família, dos laços de
solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta
a vida social.
9.8– Atividades Didáticas
As atividades didáticas são métodos usados para atingir a
aprendizagem dos alunos, a partir dos objetivos relacionados
anteriormente faz-se necessária uma reflexão sobre os
procedimentos a serem adotados durante o processo de ensino-
aprendizagem.
O estudo deve possibilitar aos alunos a compreensão da
linguagem como uma atividade humana, histórica e social,
constituinte do sujeito que possibilita a significação do mundo, a
representação da realidade, a comunicação e a expressão de idéias
e sentimentos, um processo de interlocução que se realiza nas
práticas sociais e que tem uma estreita relação com o pensamento.
Deve inserir-se no processo de atividades didáticas, de
maneira que possa planejar e promover situações que possibilitem
a expansão da capacidade do aluno de reproduzir e interpretar sua
própria realidade.
Através da atividade devemos buscar no curso de nosso
trabalho:
• Considerar o conhecimento prévio dos nossos alunos;
• Valorizar o sentimento individual e coletivo;
• Favorecer aloés de pesquisas a partir do trabalho por
projetos;
• Propiciar a apreciação pela leitura, o posicionamento critico
e a manifestação livre de expressão;
• Auxiliar o desenvolvimento do pensamento lógico, da
formulação de conceitos e do encadeamento de idéias, ou
seja, a competência textual dos alunos.
10- CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA
A E.M.E.B. Frei Antonio Sinibaldi disponibiliza de profissionais
que atendam às necessidades cognitivas dos alunos do ensino
fundamental de nove anos.
A clientela da escola é formada por uma maioria menos
privilegiada da sociedade com pouca oportunidade de lazer e
cultura.
A escola enfrenta dificuldades, pois não dispõe de espaço
físico para realização de atividades culturais, prejudicando desta
forma o desenvolvimento dos trabalhos da escola.
10.1 – Organização administrativa
A organização administrativa da escola está em consonância
com o regimento interno da rede de ensino.
a) Diretoria
As gestões devem ser compreendidas com um processo
coletivo que engloba a discussão, planejamento, tomada de
decisão, execução, acompanhamento e avaliação do projeto
pedagógico.
Compete ao diretor de acordo com as diretrizes da política
educacional do município e legislação em vigor:
• Coordenar e participar da elaboração, execução e
avaliação do projeto político pedagógico da escola e zelar
pelo cumprimento dos acordos coletivos;
• Coordenar o funcionamento da escola, a proposição de
projetos institucionais, a execução das deliberações
coletiva e do conselho da escola, articulando com as
demais escolas da rede e com a Secretaria Municipal de
Educação;
• Promover a integração de todos os membros da
comunidade escolar;
• Representar oficialmente o estabelecimento perante as
autoridades;
• Viabilizar parcerias com ONG’s empresas públicas e
privadas, e outras instituições de ensino;
• Convocar, presidir e coordenar reuniões com corpo
docente e administrativo encontros de planejamento e
formação;
• Assinar os documentos escolares em conjunto com o
secretário (a), quando necessário;
• Regularizar a vida escolar dos alunos com base na
legislação especifica;
• Assegurar o cumprimento do calendário escolar, dos dias
letivos e cargas horárias;
• Tomar decisões que atendam aos interesses educacionais
em parceria com o diretor adjunto, quando houver.
b) Secretaria
A secretaria é o setor encarregado do registro e escrituração
escolar.
A secretaria funcionará sob orientação e coordenação do
secretário que contará com a participação de agentes
administrativos.
O cargo de secretário é exercido por funcionário com
formação mínima em Ensino Médio, que excederá suas funções
mediante portaria da SEMED e de acordo com legislação em vigor.
O secretário terá a seu encargo o serviço de escrituração,
arquivo, fichário e correspondência da escola de forma a manter
sempre atualizados os livros e documentos relativos à vida escolar
do aluno, docentes e demais servidores.
c) Serviços Gerais
Compete ao pessoal auxiliar operacional de serviços gerais:
• Realizar a limpeza e zelar pela higiene, conservação e
manutenção do prédio escolar de suas instalações
equipamentos e materiais.
• Acatar ordens da administração referente a horário e
distribuição de serviços;
• Auxiliar no atendimento e organização dos horários de
entrada, saída e recreio;
• Colaborar na elaboração e execução do projeto político
pedagógico da escola.
d) Compete ao vigia
• Executar atividades previstas no projeto político
pedagógico da escola, conforme a natureza do seu
trabalho;
• Proceder à abertura e fechamento do prédio no horário
regulamentar;
• Executar outras tarefas de interesse do serviço a critério
da administração da escola;
• Controlar a entrada e saída dos alunos;
• Encaminhar à direção toda a correspondência recebida;
• Zelar pela segurança de alunos, professores e
funcionários no estabelecimento escolar;
• Prestar informações às pessoas que se dirigem ao
estabelecimento de ensino e encaminhá-las quando
necessário ao setor solicitado.
e) Serviço de coordenação pedagógica
O serviço de coordenação pedagógica é um processo
contínuo, sistemático, dinâmico e integrado em todo o currículo,
com as funções básicas de assessoramento, planejamento,
coordenação e avaliação das ações educativas, visando à formação
continuada do professor e ao desenvolvimento integral do aluno.
Coordenação pedagógica deverá ser exercida por
especialistas em educação aprovado em concurso publico.
Competem ao coordenador pedagógico as ações didático-
pedagógicas da escola, com ênfase nos princípios norteadores da
educação nacional e no projeto político pedagógico da escola.
11- QUADRO DEMONSTRATIVO DA SITUAÇÃO
ESCOLAR
Situação do aspecto físico, mobiliário e equipamento.
Quadro I – Demonstrativo da rede escolar conforme a
existência de ambiente/2013.
AMBIENTE
QUANTITATIVO
Existente Necessário
Diretoria 01
Secretaria 01
Sala de Aula 11 -
Almoxarifado 01 -
Banheiros 05 -
Cozinha 01 -
Pátio aberto 01 -
Auditório 01 01
Refeitório - 01
Quadra de esporte - 01
Quadro II – Demonstrativo da rede escolar conforme a
existência de ambiente/2014.
AMBIENTE
QUANTITATIVO
Existente Necessário
Diretoria 01
Secretaria 01
Sala de Aula 11 -
Almoxarifado 01 -
Banheiros 05 -
Cozinha 01 -
Pátio aberto 01 -
Auditório 01 01
Refeitório - 01
Quadra de esporte - 01
Quadro III – Demonstrativo aspecto
físico/ano/turma/2013/2014 .
ANO
MATUTINO E VESPERTINO
Ensino Fundamental
N.º Salas N.º Turmas
2013 11 22
2014 11 22
Houve um crescimento em relação a matricula de 2013 para
2014 com o crescimento de turmas – Sim
série – 2º e 3º ano.
Quadro III – Demonstrativo de mobiliário e equipamento
existente / 2013/2014
ESPECIFICAÇÃO
QUANTITATIVO
Existente Necessário
Cadeiras com braço 308 350
Cadeiras de plástico - -
Mesas pequenas 11 15
Estantes de aço 04 06
Impressora 02 -
Armários de aço 06 -
Birô de madeira 02
Birô de madeira com duas
gavetas
02 -
Mimeógrafo 01 -
Microssistem 01 04
Caixa amplificada 01 02
Bebedouro com duas
torneiras
03 04
Freezer horizontal 01 02
Televisão - 03
Aparelho de DVD 02 03
Armários de aço c/ 08 portas 03 01
Armários de aço c/ 12 portas - -
Geladeira 01 01
Fogão Industrial 01 01
Computador 21 -
Impressora 02 02
Microfones 01 02
Máquina de xerox 01 -
Data show 01 02
Arquivo office 05 06
Câmera digital 01 -
Mural de aço 03 -
Situação do atendimento escolar.
Quadro IV – Demonstrativo do crescimento da matricula por nível
2013 – Matutino e Vespertino
Níveis Ano Série N.º de
Turmas
Matricula
inicial
Matricula
Final
Ensino
Fundamental
2013
1.º 04 120 102
2.º 03 79 70
3.º 04 115 98
4.º 03 89 80
5.º 08 256 210
TOTAL 22 659 560
Fonte: Ata de Resultado Final - 2013
Quadro IV – Demonstrativo do crescimento da matricula por nível
2014 – Matutino e Vespertino
Níveis Ano Série N.º de
Turmas
Matricula
inicial
Matricula
Final
Ensino
Fundamental
2014
1.º 04 102 97
2.º 04 95 86
3.º 03 89 79
4.º 04 104 94
5.º 07 204 193
TOTAL 22 505 549
Fonte: Ata de Resultado Final - 2014
Qualidade de Ensino.
Quadro V – Demonstrativo da taxa de aprovação – 2013- matutino e
vespertino.
Séries
Matricula
Inicial
Matricula
Final
Alunos
Aprovados
%
1.º 120 102 102 100%
2.º 79 78 78 100%
3.º 118 100 84 84%
4.º 89 80 73 91%
5.º 256 210 185 88%
Fonte: Ata de Resultado Final - 2013
Quadro VI – Demonstrativo da taxa de reprovação – 2014- matutino
e vespertino.
Séries
Matricula
Inicial
Matricula
Final
Alunos
reprovados
%
1.º 102 97 - -
2.º 95 86 - -
3.º 89 79 16 20%
4.º 104 94 15 15%
5.º 204 193 26 13%
Fonte: Ata de Resultado Final – 2014
Quadro VII – Demonstrativo dos alunos do 1.º ao 5.º ano, conforme
alcance dos critérios avaliativos por disciplina – 2013 matutino e
vespertino.
DISCIPLINAS
Séri
e
Especificação PR
T
MT
M
GG
F
HS
T
CN
C
AR
T
E.R
1.º
Acima do Nível 18 18 17 19 23 20 29
No Nível 61 75 79 75 74 77 69
Abaixo do Nível
2.º
Acima do Nível 28 27 34 30 30 16 28
No Nível 56 58 49 54 55 69 57
Abaixo do Nível
3.º
Acima do Nível 16 13 12 17 16 12 12
No Nível 46 50 34 47 50 64 60
Abaixo do Nível 14 15 12 11 12 01 04
4.º
Acima do Nível 12 11 11 15 23 28 19
No Nível 64 69 67 66 58 64 72
Abaixo do Nível 15 14 12 11 11 01 02
5.º
Acima do Nível 46 44 46 53 48 53 56
No Nível 120 122 129 121 120 136 130
Abaixo do Nível 25 23 15 17 19 01 01
Fonte: Ata de Resultado Final - 2013
Situação do magistério e demais servidores.
Quadro VIII – Demonstrativo de cargos e funções de magistério por
formação 2010 – Matutino e Vespertino.
QUANTIDADE
Magistério Superior
Completo
Superior
Incompleto
Especialização Total
01 04 02 18 25
Quadro IX – Demonstrativo de cargos e funções administrativas por
formação 2010 – Matutino e Vespertino.
CARGO
FORMAÇÃO
Fund.
Incomp.
Fund.
Compl.
Médio
Incom.
Médio
Compl.
Superior
Incomp.
Superior
Compl.
Total
Diretora 01 01
Vice-Diretora 01 01
Supervisora 03 03
Ag. Administ. 01 01 02
Secretária 01 01
AOSG 05 02 07
Vigia 02 02 04
12- METAS E AÇÕES
Dimensão Pedagógica
Meta: Melhorar o desempenho acadêmico do aluno.
N.º AÇÕES
01 Reuniões de pais e mestre para apresentação do
desempenho dos alunos por meio de fichas de
acompanhamento.
02 Atendimento individual aos pais e alunos de acordo com
suas necessidades.
03 Desenvolver projeto de Leitura do 1º ao 5º ano
04 Projeto de matemática: “Brincando de aprender matemática”.
05 Realizar projetos de Higiene
06 Realizar palestras sobre: “Bullying; Higiene Pessoal”.
07 Organizar um mural para divulgar notícias, eventos e
trabalhos realizados pelos alunos.
08 Projeto Alimentação.
09 Desenvolver atividades que envolvam as quatro operações,
utilizando jogos pedagógicos e outros materiais.
10 Realizar uma olimpíada de matemática local com premiação
para os alunos e professores.
11 Realizar palestras incentivando a família a participar da vida
escolar dos seus filhos.
12 Promover o aluno com distorção idade série.
13 Aplicar avaliação com os alunos com distorção idade série.
14 Informar a comunidade escolar sobre os resultados obtidos.
15 Definir os objetivos de cada disciplina série/ano no P.P.P
16 Desenvolver um projeto educativo sobre a preservação do
patrimônio escolar.
17 Realizar encontro com o corpo docente para discutir as
necessidades de adotar diferentes recursos.
18 Implantar um projeto que vise estimular os estudantes mais
adiantados do 5.º ano auxiliarem as turmas do 3.º ano.
19 Realizar visitas aos alunos.
Dimensão Administrativa
Meta: Implantar um sistema de Organização de Ações.
N.º AÇÕES
01 Manter em ordem a documentação escolar dos alunos.
02 Realizar bimestralmente reuniões com pais para informá-los
o processo de ensino-aprendizagem dos filhos.
03 Cumprir o calendário escolar.
04 Elaborar relatório final para avaliar as atividades
desenvolvidas no decorrer do ano.
05 Divulgar a comunidade os projetos desenvolvidos na escola.
06 Manter informados todos os segmentos da escola sobre os
assuntos abordados nas reuniões da SEMED.
07 Elaborar um relatório no final de cada ano para avaliar o
PPP.
08 Adequar o laboratório de informática.
Dimensão Cultural
Meta: Integrar a família e a escola a partir de eventos culturais
N.º AÇÕES
01 Divulgar a cultura a partir de seminários, danças, musicas e
feira cultural.
02 Promover uma gincana cultural no dia do estudante.
03 Promover um dia da família na escola.
04 Formar um grupo de dança com os alunos do 4.º e 5.º ano.
05 Formar um coral com os alunos do 1.º ao 3.º ano.
06 Realizar um torneio esportivo com os alunos de 4.º e 5.º ano.
07 Promover uma competição entre as turmas sobre os
conhecimentos assimilados mensalmente.
08 Realizar uma feira de ciências.
09 Promover eventos culturais da nossa região
Dimensão Financeira
Meta: Gerenciar de forma democrática os recursos financeiros
destinados á escola.
N.º AÇÕES
01 Definir com a comunidade escolar as necessidades e
prioridades da escola para aplicação dos recursos
financeiros.
02 Planejar coletivamente a aplicação dos recursos financeiros.
03 Fazer exposições em murais dos registros ou notas fiscais
dos recursos adquiridos pelos programas.
04 Prestar conta com a comunidade escolar sobre os recursos
financeiros repassado pelo programa.
13- AVALIAÇÃO E ACOPANHAMENTO DA EXECUÇÃO
DO PPP
Partindo do principio de que o projeto Político Pedagógico
nunca está pronto e acabado. Trata-se de um documento flexível,
que está sempre sendo avaliado por todos que compõem a
comunidade escolar e que pode sofrer alterações no decorrer do
processo, uma vez que a clientela muda-se a cada ano bem como
os anseios da comunidade.
Diante do exposto, pretendemos reunirmos mensalmente com
professores, diretores e supervisores para acompanhar, executar as
metas e ações estabelecidas e ainda, traçarmos estratégias visando
assim um bom desempenho deste projeto.
13.1 – Aprendizagem do Aluno
A aprendizagem do aluno é o nosso objetivo maior, ele é o
centro de todas as ações desenvolvidas no decorrer do processo
ensino-aprendizagem, tendo como mediador o professor, que irá ao
longo da vida escolar do aluno estabelecer métodos e técnicas que
venha favorecer o desenvolvimento pleno do mesmo.
Sendo assim, o professor também é o grande protagonista
nesse processo, pois, cabe a ele na sua rotina elevar o nível de
ensino trabalhando de forma contextualizada, partindo dos
conhecimentos prévios dos educandos e conseqüentemente, possa
alcançar uma aprendizagem significativa e prazerosa que tanto se
almeja.
A aprendizagem do aluno será acompanhada de forma
processual e continua, levando em consideração os aspectos
quantitativos e qualitativos. No que se refere ao qualitativo,
considera-se a pontualidade, assiduidade, capacidade de liderança,
atividades sociais, participação nas atividades escolares,
criatividade, capacidade de criticar e receber críticas.
Já no que se refere aos aspectos quantitativos, adotamos a
avaliação oral e escrita que ocorrem bimestralmente, trabalhos
individuais e coletivos, pesquisas, seminários, ficha de
acompanhamento do desempenho do aluno dentre outros que
venha contribuir para o desenvolvimento do educando e por ser
essenciais no âmbito escolar.
14- CONSIDERAÇÕES FINAIS
A Escola que assumimos é um espaço em que as pessoas
possam dialogar duvidar, discutir, questionar e compartilhar
saberes. Onde há lugar para transformações, contradições,
colaboração e criatividade. Uma escola autônoma, onde todos os
educadores possam pensar refletir e avaliar o processo de
construção do conhecimento, que não deve ser tratado de forma
dogmática e esvaziado de significado.
O educador deve saber “ouvir” a escola, estar atento aos
conhecimentos e necessidades, construindo conhecimentos através
da leitura da realidade.
A Escola exigida pelos novos tempos deve reconstruir-se em
seu contexto imediato e concreto, onde os cidadãos vivem o seu
cotidiano. Isto significa repensá-la em suas dimensões de espaço
cultural instituído como expressão das políticas da educação
vigente, de grupos de toda uma comunidade educativa, que pensa,
repensa organizada e conduz o processo de construção do
conhecimento coletivamente e da própria formação em que se
integram as praticas efetivas e a ciência que delas se infere para
conduzi-las com maior segurança.
Acreditamos que o Projeto-Político-Pedagógico, de nossa
escola, representa um desafio importante na caminhada que busca
efetivamente uma educação de qualidade, alicerçada nos valores
educacionais vigentes.
15- REFERÊNCIAS
CARNEIRO, Moaci Alves. LDB fácil: leitura critica
compreensiva: artigo a artigo.
Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.
CORIA-SABINI, Maria Aparecida. Psicologia Aplicada À
Educação. São Paulo: EPU: 1986.
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das
Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de Historia e
Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília – DF – Junho –
2005.
LIMA, Adriana Flávia Santos de Oliveira. Pré-Escola e
Alfabetização. Petrópolis, RJ: 1987.
LUCK, Heloisa ET AL... A Escola Participativa: O trabalho
do gestor escolar. Rio de Janeiro: Vozes: 2005.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Secretaria de
ensino Fundamental.
Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: 1997
OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação infantil:
fundamentos e métodos. São Paulo: Abril: 2001
PELLEGRINI, Denise. Aprenda com eles e ensine melhor.
Revista Nova Escola. São Paulo: Abril: 2001.
SESC. Departamento Nacional. Proposta Pedagógica do
Ensino Fundamental (1.ª a 4.ª série), RJ: 2003
VEIGA, Ilma. Passos Alencastro. Projeto Político-
Pedagógico da Escola: uma construção possível.
Campinas, SP: 2002.
ANEXOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Cejar Ribeiro
 
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo BilacProjeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
bilac02
 
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco pazPPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
Veronica Mesquita
 
Formação pela escola
Formação pela escolaFormação pela escola
Formação pela escola
Vilma souza
 
Atividades realizadas no âmbito do teip3 boas práticas
Atividades realizadas no âmbito do teip3   boas práticasAtividades realizadas no âmbito do teip3   boas práticas
Atividades realizadas no âmbito do teip3 boas práticas
ProgramaEscolasTEIP
 
Artigo ivania freitas
Artigo  ivania freitasArtigo  ivania freitas
Artigo ivania freitas
Lenny Capinan
 
Agenda 21 2009 2010
Agenda 21   2009 2010Agenda 21   2009 2010
Agenda 21 2009 2010
jhenifer99
 
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira CamargosProjeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Paula Tannus
 
Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013
Lucio Lira
 

Mais procurados (20)

Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio SinibaldiProjeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
 
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
 
Ed integral
Ed integralEd integral
Ed integral
 
Livro "Tendências da Educação Integral" (110 pg.)
Livro "Tendências da Educação Integral" (110 pg.)Livro "Tendências da Educação Integral" (110 pg.)
Livro "Tendências da Educação Integral" (110 pg.)
 
Projeto Político Pedagógico (PPP) Escola professora Dinare Feitosa
Projeto Político Pedagógico (PPP) Escola  professora Dinare Feitosa Projeto Político Pedagógico (PPP) Escola  professora Dinare Feitosa
Projeto Político Pedagógico (PPP) Escola professora Dinare Feitosa
 
PPP do Ens. Fundamental
PPP do Ens. FundamentalPPP do Ens. Fundamental
PPP do Ens. Fundamental
 
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
 
Mara Proposta de Trabalho Jairo
Mara  Proposta de Trabalho JairoMara  Proposta de Trabalho Jairo
Mara Proposta de Trabalho Jairo
 
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
 
Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013 Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013
 
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo BilacProjeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
 
O trabalho do_assistente_social_na_educacao
O trabalho do_assistente_social_na_educacaoO trabalho do_assistente_social_na_educacao
O trabalho do_assistente_social_na_educacao
 
II Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SP
II Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SPII Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SP
II Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SP
 
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco pazPPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
 
Formação pela escola
Formação pela escolaFormação pela escola
Formação pela escola
 
Atividades realizadas no âmbito do teip3 boas práticas
Atividades realizadas no âmbito do teip3   boas práticasAtividades realizadas no âmbito do teip3   boas práticas
Atividades realizadas no âmbito do teip3 boas práticas
 
Artigo ivania freitas
Artigo  ivania freitasArtigo  ivania freitas
Artigo ivania freitas
 
Agenda 21 2009 2010
Agenda 21   2009 2010Agenda 21   2009 2010
Agenda 21 2009 2010
 
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira CamargosProjeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
 
Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013
 

Semelhante a PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015

Plano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santoPlano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santo
Lucio Lira
 
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Marcos Lima
 
Projeto político pedagógico
Projeto político pedagógicoProjeto político pedagógico
Projeto político pedagógico
mauriliojr
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Jesica Hencke
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Jesica Hencke
 
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SP
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SPReferencial Curricular das Escolas de Franca-SP
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SP
eliscabral
 
Relatoriopppunicid
RelatoriopppunicidRelatoriopppunicid
Relatoriopppunicid
lillianmello
 

Semelhante a PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015 (20)

Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014
Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014
Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014
 
Plano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santoPlano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santo
 
Ppp
PppPpp
Ppp
 
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdfPTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
 
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
 
Estagio gestão
Estagio gestãoEstagio gestão
Estagio gestão
 
Projeto político pedagógico
Projeto político pedagógicoProjeto político pedagógico
Projeto político pedagógico
 
Artigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorArtigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino Superior
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
 
didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2
 
Artigo mídias na educação
Artigo mídias na educaçãoArtigo mídias na educação
Artigo mídias na educação
 
Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1
 
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SP
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SPReferencial Curricular das Escolas de Franca-SP
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SP
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
 
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal   plano quadrienalEe. santa rita do pontal   plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
 
Relatoriopppunicid
RelatoriopppunicidRelatoriopppunicid
Relatoriopppunicid
 
Slide dossiê- ccta
Slide   dossiê- cctaSlide   dossiê- ccta
Slide dossiê- ccta
 
nada
nadanada
nada
 

Mais de Adilson P Motta Motta

VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptxVALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
Adilson P Motta Motta
 

Mais de Adilson P Motta Motta (20)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMACRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
 
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
 
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
 
As várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdfAs várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdf
 
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdfpdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
 
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdfProjeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
 
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdfLEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
 
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdfDESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
 
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEMINTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
 
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdfLEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
 
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptxVALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
 
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
 
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdfDICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
 
A gramática do texto.ppt
A gramática do texto.pptA gramática do texto.ppt
A gramática do texto.ppt
 
A importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.pptA importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.ppt
 
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
Breve Resumo -  Novo Ensino MédioBreve Resumo -  Novo Ensino Médio
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
 
Frases à cidadania
Frases à cidadaniaFrases à cidadania
Frases à cidadania
 
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - maRegimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
 
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-20131º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
 
25 bilhoes aos municipios
25 bilhoes aos municipios25 bilhoes aos municipios
25 bilhoes aos municipios
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 

PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015

  • 1. 1 ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM JARDIM ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA FREI ANTONIO SINIBLADI CNPJ N.° 01.916.542/0001-71 PRAÇA MIGUEL MEIRELES – BOM JARDIM – MA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) BOM JARDIM – MA 2014 1
  • 2. IDENTIFICAÇÃO Nome da escola: EMEB frei Antonio Sinibaldi Endereço: Praça Miguel Meireles Turnos de funcionamento: Matutino e Vespertino EQUIPE GESTORA: Diretor(a): Irismar Sousa Soares Diretor(a) adjunto: Maria Raimunda Almeida Leite Supervisor(a) do turno Matutino: Ângela Maria di Carvalho da Silva e Antonia Livany Castro Supervisor(a) do turno Vespertino: Auricelma Oliveira de Sousa Silva Professores do turno Matutino: Aldenora de Alcobaça Peres Claudiane de Jesus Oliveira Santos Cleudimar Pereira dos Santos Cristiane Vieira da Silva Edinalva Almeida Sousa Cristiane de Fátima Costa Pinto Antonio Reis dos Santos Costa Jesus Lene da Silva Sousa João Borba Costa José dos Santos Machado Maranhão Keila Magalhãs Lima
  • 3. Izulene Conceição e Conceição Meirelane Soares Matias Ribeiro Nargylla Layanne Moreira Bezerra Ronissy Alves Alencar Professores do turno Vespertino: Antonia Eliete de Moraes Antonio Charleir dos Santos Vaz Cássia Mesquita Duarte Cleudimar Pereira dos Santos Francivaldo da Silva Castro Isvan da Conceição e Conceição Manoel Natal Alves Feitosa Maria Marlene da Silva Costa Meirelane Soares Matias Ribeiro Solange Rodrigues Almeida Santos Telma de Jesus Sousa Viana Secretária Geral: Ellen Rhuanna da Silva Meireles Agentes Administrativos: Antonia Cleuma Gomes Araujo João Paulo do Vale da Silva Vanessa Costa e Silva Gabrielle Martins Silva
  • 4. Auxiliar Operacionais de Serviços Gerais: Antonia Hildarlene Pereira Leite Luziana Rodrigues da Silva Maria Deciane Viana Costa Maria Zita B. Oliveira Regilene Ferreira Lima Roseane Feitosa Silva Simone G. da Silva Fernanda Gomes Sousa Vigias: Adonias Barroso Gomes Antonio Anderson Martins Moura Francisco da Conceição Nascimento Isaac Costa Alves
  • 5.
  • 6. 1- JUSTIFICATIVA O Projeto Político Pedagógico é um instrumento que possibilita cada instituição inovar sua prática pedagógica na medida em que apresenta novos caminhos para as situações que precisam ser modificadas. Sendo assim, a Escola Municipal de Educação Básica Frei Antonio Sinibaldi necessita de mudanças que tragam benefícios em todos os seus aspectos. Diante disso, pensou-se na elaboração coletiva do Projeto Político Pedagógico, instrumento norteador das ações que irão ajudar na melhoria de todo trabalho pedagógico envolvendo os docentes, discentes, corpo administrativo e a comunidade. O objetivo do PPP em 2012 é iniciar uma nova etapa em nossa educação, buscando mudanças na Escola com o propósito de alcançar novas metas de ensino que venham a contribuir com um melhor aprendizado para os alunos. Portanto, ele permitirá uma nova concepção sobre o cotidiano, observando tanto o que já foi realizado, como o que poderá ser feito, com base nos objetivos aqui propostos. Sabemos que existirão dificuldades, pelo fato de estarmos iniciando este projeto e a própria está um tanto distante, sem querer participar de maneira mais pratica na luta pelo desenvolvimento de um trabalho educacional que trará benefícios positivo para todo o corpo envolvido. Por isso que, a escola por não ser uma instituição que trabalha sozinha, buscamos com a ajuda desse projeto, uma nova visão da comunidade a favor da educação de seus filhos.
  • 7. 2- HISTÓRICO O Colégio Municipal Frei Antonio Sinibaldi foi fundado em 1986, na gestão do prefeito Antonio Muniz Alves, situada à Praça Miguel Meireles, no Bairro Vila Meireles. Recebeu este nome em homenagem ao Frei Antonio Sinibaldi, que por um ato histórico, morreu para salvar de afogamento alguns jovens. Atualmente o colégio oferece o Ensino Fundamental Regular de nove anos, conforme lei vigente, sua estrutura física é composta 11 salas de aula, 1 cantina, 1 secretária, 1 almoxarifado, 1 depósito de material de limpeza, 2 banheiros, 1 sala de recursos pedagógicos, 1 pátio, 1 auditório, 1 sala de informática, todas as dependências com boas condições de funcionamento exceto a sala de informática que ainda não dispõe dos computadores para funcionar. A escola tem 51 funcionários sendo: 1 Diretora Geral, 1 Diretora Adjunto, 3 Supervisores, 31 Professores, 1 Secretária, 2 Agentes Administrativos, 4 Vigias, 8 AOSGs. O numero de matricula atual é de 542 alunos, sendo distribuídos nos respectivos turnos: matutino 295 alunos e vespertino 247 alunos. 3- MISSÃO A Escola Municipal de Educação Básica Frei Antonio Sinibaldi tem a missão de desenvolver um trabalho de qualidade, oferecendo uma constante melhoria das condições educacionais em nossa comunidade, cujo objetivo está voltado para uma educação plena do educando, para que o mesmo se torne um cidadão crítico e capaz para a sociedade em que está inserido.
  • 8. 4- VISÃO 4.1- Visões de Mundo O mundo está em constantes mudanças; o desenvolvimento cientifica, a globalização, a tecnologia, a competitividade e o excesso de informações fazem parte dessas transformações. Exigindo dos indivíduos uma qualificação eficaz que atenda às exigências do mundo atual. Nesse contexto, cabe à escola acompanhar essas transformações possibilitando a inclusão dos indivíduos no meio social. 4.2-Visão de Sociedade Vivemos na era do conhecimento, no qual a sociedade vem passando por constantes mudanças sociais, políticas, econômicas e culturais. Estas mudanças exigem indivíduos autônomos, críticos, criativos, aptos a desempenhar um papel significativo no meio em que está inserido. Portanto, esta escola pretende formar cidadãos capazes de atuar plenamente nesta sociedade de constantes transformações. 4.3- Visão de Escola A Escola como uma instituição sistematizada tem um papel importante na inserção do sujeito no mundo conhecimento. Construir uma escola democrática que valoriza as diferenças e aposta na autonomia de profissionais e alunos, demanda mudanças de conhecimentos, de atitudes, de valores, etc.
  • 9. Isso significa adotar uma nova forma de pensar a organização escolar e a aprendizagem implicando no envolvimento de toda a comunidade escolar e na incorporação de uma pedagogia dinamizadora, democrática e flexiva, que venha a mudar a realidade no âmbito escolar. Nesse contexto, a escola tem que ser fato, um espaço sócio- cultural e isto remete a compreendê-la na dinâmica da cultura, levando em conta o fazer, a ação e a construção de valores no cotidiano escolar, pelos sujeitos sociais e históricos que a compões. Assim, a escola precisa interagir com a comunidade tornando-se um referencial de saber e conhecimento, devendo ser consciente do seu papel de parceria na transformação da realidade. 4.4- Visão de Conhecimento As inovações no mundo da ciência e da tecnologia têm gerado um repensar no sistema educacional, implicando romper com práticas e métodos que vem habilitando o individuo a desenvolver uma formação técnica. Diante deste contexto, pretende-se promover um ensino que supere esta formação, possibilitando-o a tornar-se um sujeito pleno, capaz de aprender a conhecer, aprender fazendo, aprender a viver, aprender a ser, para que possa superar desafios e resolver situações conflitantes em seu cotidiano. 4.5- Visão de Futuro Pretendemos promover na escola uma educação de qualidade que visa um trabalho coletivo, transparente num ambiente
  • 10. de respeito, no qual todos são tratados com igualdade, formando cidadãos críticos, participativos, capazes de agir positivamente no meio em que vivem. 5- VALORES 1 – Integração: escola e comunidade trabalhem de forma integrada, ou seja, estejam envolvidos num só objetivo de proporcionar uma boa educação. 2- Socialização: criar condições estratégicas que favoreça uma socialização de forma eficaz, entre escola, família e comunidade. 3- Diálogo: íntegro entre educando e educador, para que haja uma socialização entre ambos, troca de idéias, opiniões críticas, proporcionando dessa maneira, qualidade no processo ensino-aprendizagem. 4 - Respeito mútuo: respeito aos colegas, aos professores, as famílias e ao patrimônio público. 5 - Transparência: pretende-se que toda a comunidade escolar participe das tomadas de decisões e do funcionamento da escola em todos os aspectos: burocrático, pedagógico e financeiro. 6- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Em decorrência das constantes transformações sociais, políticas, culturais e econômicas, a escola exerce um papel preponderante na inserção dos indivíduos no meio social. É sob essa ótica cabe à instituição de ensino promover a aprendizagem e
  • 11. a formação para o exercício da cidadania plena. Nesta perspectiva, para que a escola possa cumprir sua missão social, é essencial que esteja bem estruturada e administrada. Deste modo, torna-se relevante valorizar os anseios e os interesses da comunidade na qual está inserida. Estudos têm mostrado que não há ensino sem que ocorra aprendizagem e esta não acontece senão pela transformação, pela ação facilitadora do professor e, sobretudo, pelo processo constante de busca do conhecimento que deve sempre partir do aluno. Na contemporaneidade aborda-se um ensino que desperte o interesse do educando, inserir no cotidiano escolar uma aprendizagem prazerosa e significativa implica profundas mudanças no ato pedagógico. Neste sentido, tornam-se relevante a ruptura de estruturas organizativas conservadoras, por conseguinte, a inserção de ações democráticas e participativas conservadoras, por conseguinte, a inserção de ações democráticas e participativas no âmbito escolar.E sob esse prisma torna-se primordial que a escola redefina suas ações, dando possibilidades aos alunos de desenvolverem plenamente suas potencialidades, bem como a oportunidade de todos que integram a comunidade escolar participarem ativamente da tomada de decisões e no funcionamento da organização escolar. Nesta perspectiva, o anseio do educando passa ser a força que comanda o processo educativo, suas experiências e descobertas constitui o motor de seu crescimento. Cabendo ao professor o papel de um gerador de situações instigadoras e eficazes. É Nesse cenário que pretendemos construir uma escola verdadeiramente democrática, comprometida com uma aprendizagem significativa e prazerosa, que procuramos
  • 12. fundamentar essa proposta pedagógica. Para isso buscou-se fundamentos em perspectiva teóricas derivadas das idéias de Piaget, Vygotsky, Wallon e Freinet, Emilia Ferreiro entre outros que vem contribuindo para o processo de aquisição do conhecimento. Nesta concepção, denominada interacionista, o individuo age sobre o meio, de acordo com suas capacidades e significações já elaboradas abrindo-se para novos conhecimentos modificando sua forma de agir. Na busca desta interação, homem e mundo se constituem por intermédio de linguagens. São essas linguagens que permeiam as relações que estão em nossa cultura. Portanto, o professor exerce um papel importante nesse processo de interação do sujeito com o meio, ele será o mediador do conhecimento, o aluno será o protagonista de sua aprendizagem, ele constrói e reconstrói os conhecimentos a partir de sua interação com o meio. 7- OBJETIVOS 7.1- Geral * Elevar a qualidade do ensino bem como desenvolver ações que leve o educando a posicionar-se de maneira crítica e responsável, estabelecendo um maior comprometimento político e cultural para a construção de uma escola de qualidade. 7.2- Específicos * Desenvolver Projetos pedagógicos que visam melhorar a qualidade do ensino da escola.
  • 13. * Inserir na escola, métodos que resgatam valores culturais na comunidade escolar; * Construir no espaço escolar condições democráticas e atrativas que beneficiem alunos, funcionários e a comunidade. * Resgatar valores essenciais para uma melhor qualidade de vida no meio social; * Promover qualificação de professores e demais funcionários; * Elevar auto-estima da comunidade escolar. 8- PERFIL DA ESCOLA Nome: Escola Municipal de Educação Básica Frei Antonio Sinbaldi Código: 21073180 - Censos Escolares, Níveis de Ensino: Ensino Fundamental de Nove Anos Turno de Funcionamento: matutino e vespertino. Números de salas de aula: 11 Números de banheiro: 05 Números de almoxarifados: 02 Números de cantinas: 01 Números de secretarias: 01 Números de Sala de Professores: 01 Números de Laboratório de informática: 01 Números de Auditórios: 01 Números de Lavanderia: 01 Números de diretores: 01 Números de diretor adjunto: 01 Números de secretários: 01 Números de agentes administrativos: 02
  • 14. Números de professores: 25 Números de supervisores: 03 Números de alunos do turno matutino: 295 Números e alunos do turno vespertino: 247 Total de alunos: 542 9- SITUAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCOLA 9.1 – Diagnóstico da realidade escolar • Ensino Fundamental Em 2010 a escola funcionou do 1.º ao 5.º ano nos turnos: • Matutino: 1.º ao 3.º com faixa etária de 06 a 10 anos, com uma matricula final de 153 alunos. • Vespertino de 4.º ao 5.º ano com faixa etária de 11 a 15 anos com uma matricula final de 325 alunos. Em 2011 a demanda foi maior, funcionou do 1.º ao 3.º ano noturno matutino e do 4.º ao 5.º ano no turno vespertino ficando com o total geral de 588 alunos. 9.2 – Situação da rede física, mobiliária e equipamento. Sua estrutura física mobiliaria e equipamentos da escola se encontram em bom estado de conservação. A escola adquiriu equipamento e recursos pedagógicos através de recursos do PDDE – Programa Dinheiro Direto na Escola e do PDE – Plano de Desenvolvimento da Escola, em 2010, 2011 e 2012, além do apoio da Secretaria Municipal de Educação.
  • 15. 9.3 – Organização do Ensino 9.3.1 – Planejamento Escolar O Planejamento Escolar acontece no decorrer do ano letivo com a participação dos professores, supervisores e diretor. No inicio do ano faz-se o Plano de Curso no qual, se define os objetivos, seleciona conteúdos e procedimentos que irão facilitar a compreensão e aquisição do conhecimento. No segundo momento, faz-se o Plano Mensal, onde os professores discutem juntamente com a coordenação, definindo os objetivos a serem alcançados como também os procedimentos, recursos e instrumentos avaliativos, bem como os projetos aplicados de acordo com as necessidades e prioridades dos educandos. Por último, faz-se uma rotina semanal que será incluída os conteúdos trabalhados durante a semana, bem como as outras atividades que visam dinamizar as aulas. 9.3.2 – Planejamento Curricular O Plano Curricular proposto pela Escola Municipal de Educação Básica Frei Antonio Sinibaldi, está organizado com base no Sistema Brasileiro LDB 9.394/96 e na Lei 10.639 que, contempla a historia da África e a cultura Afro-Brasileira e Indígena, e a Lei 11.769/08 que trata obrigatoriedade do ensino da música na educação básica e nos Parâmetros Curriculares Nacionais, a LDB estabelece obrigatoriedade do estudo da Língua Portuguesa,
  • 16. Matemática, História, Geografia, Ciências, Ensino Religioso, Artes e Educação Física. Através do currículo, a escola proporciona o desenvolvimento de competência e habilidades, oferecendo uma educação com experiências pedagógicas possibilitando na formação do caráter de cidadania do educando. 9.3.3 – Avaliação De acordo com os Parâmetros Curriculares, a avaliação deve ser compreendida como “um conjunto de ações organizadas com a finalidade de obter informações sobre o que o aluno aprendeu, de que forma e em quais condições”. Dessa maneira, compreende-se a avaliação como um processo investigativo que possibilite a intervenção pedagógica. Ela deve ser então uma ferramenta de “mão dupla”. Tanto o aluno quanto o professor são avaliados no decorrer do processo. Só assim, a prática educativa poderá ser analisada, bem como o aluno poderá ter o domínio de seu saber. Daí a necessidade de ocorrer durante todo o percurso de ensino-aprendizagem. A prática educativa que adotamos acontece da seguinte forma: primeiro faz-se uma avaliação diagnostica, que acontecerá no inicio do ano letivo com o objetivo de identificar os conhecimentos prévios dos alunos, analisando suas dificuldades para a tomada de decisões. Em seguida, no decorrer do ano letivo utilizar-se a avaliação processual, que acontece no processo ensino-aprendizagem. Essa avaliação tem como objetivo acompanhar o desempenho dos alunos em todos os aspectos nas atividades propostas, como: trabalhos, pesquisas, produção de
  • 17. textos, exercícios, participação, avaliação oral e escrita, partindo do principio de que o sujeito está em formação adotamos uma avaliação formativa e democrática que liberta as pessoas. 9.3.4 – Gestão No contexto em que se encontra a escola, ela vem sendo obrigada a repensar o seu papel diante das constantes mudanças sociais, políticas e econômicas que ocorrem na sociedade. Em virtude destas transformações a escola exerce um papel preponderante na inserção dos sujeitos no meio social. Entretanto, para que a escola possa de fato cumprir sua missão é essencial que valorize os interesses e anseios da comunidade na qual está inserida. Baseando-se nestes anseios da comunidade, a gestão da Escola Municipal de Educação Básica Frei Antonio Sinibaldi, pretende-se trabalhar coletivamente instigando todos que integram a comunidade escolar, diretores, coordenadores pedagógicos, docentes e discentes, funcionários, pais e a comunidade a participarem ativamente da tomada de decisões e no funcionamento da organização escolar. Neste contexto, todos serão protagonistas do processo educativo, por estarem assumindo responsabilidades e compartilhando de um mesmo ideal. Sendo assim, pretendemos trabalhar uma pratica de gestão eficiente que requer de todos o compromisso na busca de soluções dos problemas que poderão ocorrer durante o processo educativo, seja ele de ensino-aprendizagem ou administrativo. Pois, a gestão deve ser uma atividade pela qual são mobilizados os meios e os procedimentos para atingir os objetivos da instituição.
  • 18. 9.4 – Valorização dos Profissionais 9.4.1- Professores A valorização dos profissionais da educação dar-se através de uma boa relação entre todos que compõem a comunidade escolar, num ambiente de amor, respeito e solidariedade entre as pessoas, incentivos com formação continuada dentro do seu espaço de trabalho condizentes com suas necessidades. 9.4.2 – Pessoal Administrativo Nosso maior objetivo é envolver todo o corpo administrativo em cursos e palestras de relação interpessoais, com o intuito de sensibilizá-los para as atividades individuais e coletivas e para um bom desenvolvimento dos trabalhos no âmbito escolar. 9.5 – Integração, Escola, Família e Comunidade A escola como espaço que proporciona uma educação formal, tem como principio básica a elevação do ensino, tendo uma atitude de respeito para com as pessoas que a compõem. Sendo assim, pretendemos elaborar uma proposta que valorize a cultura a qual será trabalhada na escola, visando assim promover eventos como: apresentação de danças populares, bumba-meu-boi, feira de ciências, gincanas, olimpíadas, dentre
  • 19. outros que venha favorecer essa integração escola, família e comunidade. Diante do exposto, vale enfatizar o papel da família nesse processo, por ser parte interessada e também por contribuir no desenvolvimento da criança no mundo do conhecimento, acompanhando, incentivando e resgatando valores em conjunto com a comunidade escolar. Para que todos os segmentos possam participar, será elaborado um calendário escolar no qual será feita a mobilização através de avisos e convites com o propósito de torná-los mais próximos da escola. 9.6 – Áreas do conhecimento LÍNGUA PORTUGUESA No Ensino Fundamental, espera-se que os alunos adquiram progressivamente uma competência em relação à linguagem, que lhes possibilite resolver problemas da vida cotidiana, ter acesso aos bens culturais e alcançar a participação plena no mundo letrado. Para que essa expectativa se concretize, o ensino de Língua Portuguesa deverá organizar-se de modo que os alunos sejam capazes de: • Expandir o uso da linguagem em instâncias privadas e utilizá-la com eficácia em instâncias públicas, sabendo assumir a palavra e produzir textos, tanto orais como escritos, coerentes, coesos e adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem e aos assuntos tratados;
  • 20. • Utilizar diferentes registros, inclusive os mais formais da variedade lingüística valorizada socialmente, sabendo adequá-los às circunstancias da situação comunicativa de quem participam; • Conhecer e respeitar as diferentes variedades lingüísticas do português falado; • Compreender os textos orais e escritos com os quais se defrontam em diferentes situações de participação social, interpretando-os corretamente e inferindo as intenções de quem os produz; • Valer-se da linguagem para melhorar a qualidade de suas relações pessoais, sendo capazes de expressar seus sentimentos, experiências, ideais e opiniões, bem como de acolher, interpretar e considerar os dos outros, contrapondo-os quando necessários; • Conhecer e analisar criticamente os usos da língua como veículo de valores e preconceitos de classe, credo, gênero ou etnia. Em virtude do baixo desempenho dos discentes na leitura e na escrita, as aulas na E.M.E.B. Frei Antonio Sinibaldi, será ministrada assim: Língua Portuguesa 8 (oito) aulas semanais, totalizando uma carga horária anual de 320 horas aula. MATEMÁTICA Os objetivos de Matemática são concebidos para que o aluno possa compreender, transformar com competências e habilidades o
  • 21. mundo que está à sua volta, estimulando o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação. • Fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitativos do ponto do conhecimento, selecionando e organizando informações relevantes para interpretá-las e avaliá-las criticamente; • Resolver situações-problema, sabendo validar estratégias e resultados, desenvolvendo formas de raciocínio e processos, como dedução, indução, intuição, utilizando conceitos e procedimentos matemáticos, bem como instrumentos tecnológicos disponíveis; • Comunicar-se matematicamente, ou seja, descrever, representar e apresentar resultados com precisão e argumentar sobre suas conjecturas, fazendo uso da linguagem oral e estabelecendo relações entre ela e diferentes representações matemáticas; • Estabelecer conexões entre temas matemáticos de diferentes campos e entre esses temas e conhecimentos de outras áreas curriculares. Na disciplina de Matemática haverá 05 (cinco) aulas semanais contabilizando uma carga horária anual de 200 horas. CIÊNCIAS Os Objetivos de Ciências são concebidos para que o aluno desenvolva competências que lhe permitam compreender o mundo e atuar como individuo e como cidadão.
  • 22. • Compreender a natureza como um todo dinâmica, sendo o ser humano parte integrante e agente de transformações do mundo em que vive; • Formular questões, diagnosticar e propor soluções para problemas reais a partir de elementos das Ciências Naturais, colocando em prática, conceitos, procedimentos e atitudes desenvolvidas no aprendizado escolar; • Valorizar o trabalho em grupo, sendo capaz de ação critica e cooperativa para a construção coletiva do conhecimento; • Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básica da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à sua saúde e à saúde coletiva. Na área de Ciências durante a semana haverá 3 (três) aulas com um total de 120 horas aula anualmente. GEOGRAFIA • Perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus elementos e as intenções entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria no meio ambiente; • Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas;
  • 23. • Conhecer e comparar a presença da Natureza na paisagem local, com as manifestações da natureza presentes em outras paisagens. • Compreender as conseqüências das transformações da natureza causadas pela ação humana presente na paisagem urbana e rural; • Adotar atitudes de respeito na preservação do meio- ambiente como garantia à qualidade de vida. Na disciplina de Geografia haverá 2 (duas) aulas semanais, num total de 80 horas cada, anualmente. HISTÓRIA O conjunto das proposições aqui expressos responde à necessidade de referenciais, a partir dos quais o sistema educacional do país se organize a fim de garantir que, respeitadas as diversidades culturais, regionais, étnicas, religiosas e políticas, que atravessam uma sociedade múltipla, estratificada e complexa, a educação possa atuar decisivamente no processo de construção da cidadania. • Conhecer e valorizar a pluralidade do Patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais de classe social, de crenças, de sexo e etnia ou outras características individuais e sociais;
  • 24. • Compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e deveres políticos, civis, e sociais, adotando no dia-a-dia atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si mesmo respeito; • Conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais como meio para construir progressivamente a nação de identidade nacional e pessoal e o sentimento de pertinência ao País; • Conhecer a história do seu estado e município; • Comparar acontecimentos no tempo, tendo como referencia os conceitos de anterioridade e posterioridade. Na disciplina de História haverá 2(duas) aulas semanais, num total de 80 horas cada, anualmente. ARTES O objetivo da arte no cotidiano na escola é aprofundar a sensibilidade do aluno através da vivencia de novas experiências, onde a forma criativa esteja presente como um dado relevante para a construção do saber, resgatando suas experiências anteriores. Compreendemos que toda criança está pronta para criar de acordo com os princípios que fundamentam o trabalho em arte- educação. • Desenvolver o potencial criador da criança, através da percepção, imaginação e fantasia;
  • 25. • Desenvolver a capacidade de ver, observar, interpretar e refletir sobre o trabalho criador; • Incentivar a criança um olhar atento da natureza; • Desenvolver a sensibilidade da criança, mediante a exploração e experimentação de diversos materiais; • Respeitar a cultura vivenciada da criança, permitindo que esta contribua para o seu crescimento pessoal e, conseqüentemente do grupo; • Proporcionar o contato com a arte e o conhecimento dela, através dos artistas e suas obras, a fim de perceber o caráter universal da expressão artística, contextualizando o período histórico em que a arte está sendo inserida; • Reconhecer a importância da arte para o homem e seu compromisso com a tradição e a contemporaneidade; • Construir com a crença um espaço afetivo e acolhedor, para que ela edifique uma relação de autoconfiança com a sua produção e a do outro; • Exteriorizar os sentimentos através da livre expressão criadora; • Proporcionar o conhecimento da arte, através de visitas a museus, centros e patrimônios culturais, a fim de que a criança sistematize o saber em arte. No que diz respeito à disciplina de Arte, será aplicada 2 (duas) aulas semanais, num total de 80 horas cada, anualmente. ENSINO RELIGIOSO
  • 26. O Ensino Religioso de matricula facultativa é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas publicas de ensino fundamental, assegurando o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer forma de proselitismo. • Adotar atitudes de respeito pelas diferenças entre as pessoas, respeito esse, necessário ao convívio numa sociedade democrática e pluralista; • Adotar no dia-a-dia atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças e discriminações; • Adotar atitudes de justiças, respeito e afetividade para com a família e o próximo. Já no que se refere ao Ensino Religioso será ministrada apenas 1 (uma)aula por semana. Fechando um total de 40 horas aula durante o ano letivo. EDUCAÇÃO FÍSICA O trabalho com Educação Física tem sua importância justificada pelo fato e favorecer o desenvolvimento de habilidades corporais e a participação em atividades culturais, como danças, jogos, lutas, esportes, com finalidades competitivas e recreativas, estimulando o convívio social, o autoconhecimento, autovalorização e a expressão de sentimentos, afetos e emoções. • Participar de praticas corporais diversas, construindo noções das diferenças individuais através dos desempenhos nas atividades;
  • 27. • Reconhecer o valor da diversidade das praticas corporais da nossa cultura popular, usufruindo desse conteúdo para o enriquecimento de seu repertorio pessoal e corporal; • Adotar hábitos de saúde que considerem a importância de uma alimentação balanceada, de horas suficientes de sono e de atividades corporais, reconhecendo os benefícios sobre sua saúde e dos demais; • Conhecer o seu próprio corpo, força, altura e postura, sabendo das estruturas básicas, em termo de peso, força, altura e postura, sabendo das limitações impostas pelo crescimento e maturação, a fim de não se expor ou submeter à carga excessiva de esforço e trabalho muscular, preservando sua integridade física e psicológica; • Participar ativamente da organização dos espaços, dos materiais e dos grupos para pratica de atividades lúdicas. As aulas de Educação Física, será trabalhada na escola com 2(duas)aulas semanais com atividades culturais: danças, jogos, esporte e brincadeiras, com a carga horária anual de 80 horas. 9.7 – Especificidades do Ensino Fundamental Os princípios e finalidades do ensino na Escola Municipal de Educação básica Frei Antonio Sinibaldi, são organizados de acordo com a Lei N.º 11.274 que amplia o Ensino Fundamental para nove anos de duração com matrícula de crianças de seis anos de idade, em consonância com o disposto no artigo 32 da lei de Diretrizes e Bases da educação que define:
  • 28. I. O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II. A compreensão do ambiente natural e social do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; III. O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos, habilidades e a formação de atitudes e valores; IV. O fortalecimento dos vínculos da família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. 9.8– Atividades Didáticas As atividades didáticas são métodos usados para atingir a aprendizagem dos alunos, a partir dos objetivos relacionados anteriormente faz-se necessária uma reflexão sobre os procedimentos a serem adotados durante o processo de ensino- aprendizagem. O estudo deve possibilitar aos alunos a compreensão da linguagem como uma atividade humana, histórica e social, constituinte do sujeito que possibilita a significação do mundo, a representação da realidade, a comunicação e a expressão de idéias e sentimentos, um processo de interlocução que se realiza nas práticas sociais e que tem uma estreita relação com o pensamento. Deve inserir-se no processo de atividades didáticas, de maneira que possa planejar e promover situações que possibilitem a expansão da capacidade do aluno de reproduzir e interpretar sua própria realidade.
  • 29. Através da atividade devemos buscar no curso de nosso trabalho: • Considerar o conhecimento prévio dos nossos alunos; • Valorizar o sentimento individual e coletivo; • Favorecer aloés de pesquisas a partir do trabalho por projetos; • Propiciar a apreciação pela leitura, o posicionamento critico e a manifestação livre de expressão; • Auxiliar o desenvolvimento do pensamento lógico, da formulação de conceitos e do encadeamento de idéias, ou seja, a competência textual dos alunos. 10- CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA A E.M.E.B. Frei Antonio Sinibaldi disponibiliza de profissionais que atendam às necessidades cognitivas dos alunos do ensino fundamental de nove anos. A clientela da escola é formada por uma maioria menos privilegiada da sociedade com pouca oportunidade de lazer e cultura. A escola enfrenta dificuldades, pois não dispõe de espaço físico para realização de atividades culturais, prejudicando desta forma o desenvolvimento dos trabalhos da escola. 10.1 – Organização administrativa
  • 30. A organização administrativa da escola está em consonância com o regimento interno da rede de ensino. a) Diretoria As gestões devem ser compreendidas com um processo coletivo que engloba a discussão, planejamento, tomada de decisão, execução, acompanhamento e avaliação do projeto pedagógico. Compete ao diretor de acordo com as diretrizes da política educacional do município e legislação em vigor: • Coordenar e participar da elaboração, execução e avaliação do projeto político pedagógico da escola e zelar pelo cumprimento dos acordos coletivos; • Coordenar o funcionamento da escola, a proposição de projetos institucionais, a execução das deliberações coletiva e do conselho da escola, articulando com as demais escolas da rede e com a Secretaria Municipal de Educação; • Promover a integração de todos os membros da comunidade escolar; • Representar oficialmente o estabelecimento perante as autoridades; • Viabilizar parcerias com ONG’s empresas públicas e privadas, e outras instituições de ensino;
  • 31. • Convocar, presidir e coordenar reuniões com corpo docente e administrativo encontros de planejamento e formação; • Assinar os documentos escolares em conjunto com o secretário (a), quando necessário; • Regularizar a vida escolar dos alunos com base na legislação especifica; • Assegurar o cumprimento do calendário escolar, dos dias letivos e cargas horárias; • Tomar decisões que atendam aos interesses educacionais em parceria com o diretor adjunto, quando houver. b) Secretaria A secretaria é o setor encarregado do registro e escrituração escolar. A secretaria funcionará sob orientação e coordenação do secretário que contará com a participação de agentes administrativos. O cargo de secretário é exercido por funcionário com formação mínima em Ensino Médio, que excederá suas funções mediante portaria da SEMED e de acordo com legislação em vigor. O secretário terá a seu encargo o serviço de escrituração, arquivo, fichário e correspondência da escola de forma a manter sempre atualizados os livros e documentos relativos à vida escolar do aluno, docentes e demais servidores. c) Serviços Gerais
  • 32. Compete ao pessoal auxiliar operacional de serviços gerais: • Realizar a limpeza e zelar pela higiene, conservação e manutenção do prédio escolar de suas instalações equipamentos e materiais. • Acatar ordens da administração referente a horário e distribuição de serviços; • Auxiliar no atendimento e organização dos horários de entrada, saída e recreio; • Colaborar na elaboração e execução do projeto político pedagógico da escola. d) Compete ao vigia • Executar atividades previstas no projeto político pedagógico da escola, conforme a natureza do seu trabalho; • Proceder à abertura e fechamento do prédio no horário regulamentar; • Executar outras tarefas de interesse do serviço a critério da administração da escola; • Controlar a entrada e saída dos alunos; • Encaminhar à direção toda a correspondência recebida; • Zelar pela segurança de alunos, professores e funcionários no estabelecimento escolar;
  • 33. • Prestar informações às pessoas que se dirigem ao estabelecimento de ensino e encaminhá-las quando necessário ao setor solicitado. e) Serviço de coordenação pedagógica O serviço de coordenação pedagógica é um processo contínuo, sistemático, dinâmico e integrado em todo o currículo, com as funções básicas de assessoramento, planejamento, coordenação e avaliação das ações educativas, visando à formação continuada do professor e ao desenvolvimento integral do aluno. Coordenação pedagógica deverá ser exercida por especialistas em educação aprovado em concurso publico. Competem ao coordenador pedagógico as ações didático- pedagógicas da escola, com ênfase nos princípios norteadores da educação nacional e no projeto político pedagógico da escola. 11- QUADRO DEMONSTRATIVO DA SITUAÇÃO ESCOLAR Situação do aspecto físico, mobiliário e equipamento. Quadro I – Demonstrativo da rede escolar conforme a existência de ambiente/2013. AMBIENTE QUANTITATIVO Existente Necessário
  • 34. Diretoria 01 Secretaria 01 Sala de Aula 11 - Almoxarifado 01 - Banheiros 05 - Cozinha 01 - Pátio aberto 01 - Auditório 01 01 Refeitório - 01 Quadra de esporte - 01 Quadro II – Demonstrativo da rede escolar conforme a existência de ambiente/2014. AMBIENTE QUANTITATIVO Existente Necessário Diretoria 01 Secretaria 01 Sala de Aula 11 - Almoxarifado 01 - Banheiros 05 - Cozinha 01 - Pátio aberto 01 - Auditório 01 01 Refeitório - 01 Quadra de esporte - 01
  • 35. Quadro III – Demonstrativo aspecto físico/ano/turma/2013/2014 . ANO MATUTINO E VESPERTINO Ensino Fundamental N.º Salas N.º Turmas 2013 11 22 2014 11 22 Houve um crescimento em relação a matricula de 2013 para 2014 com o crescimento de turmas – Sim série – 2º e 3º ano. Quadro III – Demonstrativo de mobiliário e equipamento existente / 2013/2014 ESPECIFICAÇÃO QUANTITATIVO Existente Necessário Cadeiras com braço 308 350 Cadeiras de plástico - - Mesas pequenas 11 15 Estantes de aço 04 06 Impressora 02 - Armários de aço 06 - Birô de madeira 02 Birô de madeira com duas gavetas 02 - Mimeógrafo 01 -
  • 36. Microssistem 01 04 Caixa amplificada 01 02 Bebedouro com duas torneiras 03 04 Freezer horizontal 01 02 Televisão - 03 Aparelho de DVD 02 03 Armários de aço c/ 08 portas 03 01 Armários de aço c/ 12 portas - - Geladeira 01 01 Fogão Industrial 01 01 Computador 21 - Impressora 02 02 Microfones 01 02 Máquina de xerox 01 - Data show 01 02 Arquivo office 05 06 Câmera digital 01 - Mural de aço 03 - Situação do atendimento escolar. Quadro IV – Demonstrativo do crescimento da matricula por nível 2013 – Matutino e Vespertino
  • 37. Níveis Ano Série N.º de Turmas Matricula inicial Matricula Final Ensino Fundamental 2013 1.º 04 120 102 2.º 03 79 70 3.º 04 115 98 4.º 03 89 80 5.º 08 256 210 TOTAL 22 659 560 Fonte: Ata de Resultado Final - 2013 Quadro IV – Demonstrativo do crescimento da matricula por nível 2014 – Matutino e Vespertino Níveis Ano Série N.º de Turmas Matricula inicial Matricula Final Ensino Fundamental 2014 1.º 04 102 97 2.º 04 95 86 3.º 03 89 79 4.º 04 104 94 5.º 07 204 193 TOTAL 22 505 549 Fonte: Ata de Resultado Final - 2014 Qualidade de Ensino.
  • 38. Quadro V – Demonstrativo da taxa de aprovação – 2013- matutino e vespertino. Séries Matricula Inicial Matricula Final Alunos Aprovados % 1.º 120 102 102 100% 2.º 79 78 78 100% 3.º 118 100 84 84% 4.º 89 80 73 91% 5.º 256 210 185 88% Fonte: Ata de Resultado Final - 2013 Quadro VI – Demonstrativo da taxa de reprovação – 2014- matutino e vespertino. Séries Matricula Inicial Matricula Final Alunos reprovados % 1.º 102 97 - - 2.º 95 86 - - 3.º 89 79 16 20% 4.º 104 94 15 15% 5.º 204 193 26 13% Fonte: Ata de Resultado Final – 2014 Quadro VII – Demonstrativo dos alunos do 1.º ao 5.º ano, conforme alcance dos critérios avaliativos por disciplina – 2013 matutino e vespertino.
  • 39. DISCIPLINAS Séri e Especificação PR T MT M GG F HS T CN C AR T E.R 1.º Acima do Nível 18 18 17 19 23 20 29 No Nível 61 75 79 75 74 77 69 Abaixo do Nível 2.º Acima do Nível 28 27 34 30 30 16 28 No Nível 56 58 49 54 55 69 57 Abaixo do Nível 3.º Acima do Nível 16 13 12 17 16 12 12 No Nível 46 50 34 47 50 64 60 Abaixo do Nível 14 15 12 11 12 01 04 4.º Acima do Nível 12 11 11 15 23 28 19 No Nível 64 69 67 66 58 64 72 Abaixo do Nível 15 14 12 11 11 01 02 5.º Acima do Nível 46 44 46 53 48 53 56 No Nível 120 122 129 121 120 136 130 Abaixo do Nível 25 23 15 17 19 01 01 Fonte: Ata de Resultado Final - 2013 Situação do magistério e demais servidores. Quadro VIII – Demonstrativo de cargos e funções de magistério por formação 2010 – Matutino e Vespertino. QUANTIDADE
  • 40. Magistério Superior Completo Superior Incompleto Especialização Total 01 04 02 18 25 Quadro IX – Demonstrativo de cargos e funções administrativas por formação 2010 – Matutino e Vespertino. CARGO FORMAÇÃO Fund. Incomp. Fund. Compl. Médio Incom. Médio Compl. Superior Incomp. Superior Compl. Total Diretora 01 01 Vice-Diretora 01 01 Supervisora 03 03 Ag. Administ. 01 01 02 Secretária 01 01 AOSG 05 02 07 Vigia 02 02 04 12- METAS E AÇÕES Dimensão Pedagógica Meta: Melhorar o desempenho acadêmico do aluno. N.º AÇÕES 01 Reuniões de pais e mestre para apresentação do desempenho dos alunos por meio de fichas de acompanhamento. 02 Atendimento individual aos pais e alunos de acordo com
  • 41. suas necessidades. 03 Desenvolver projeto de Leitura do 1º ao 5º ano 04 Projeto de matemática: “Brincando de aprender matemática”. 05 Realizar projetos de Higiene 06 Realizar palestras sobre: “Bullying; Higiene Pessoal”. 07 Organizar um mural para divulgar notícias, eventos e trabalhos realizados pelos alunos. 08 Projeto Alimentação. 09 Desenvolver atividades que envolvam as quatro operações, utilizando jogos pedagógicos e outros materiais. 10 Realizar uma olimpíada de matemática local com premiação para os alunos e professores. 11 Realizar palestras incentivando a família a participar da vida escolar dos seus filhos. 12 Promover o aluno com distorção idade série. 13 Aplicar avaliação com os alunos com distorção idade série. 14 Informar a comunidade escolar sobre os resultados obtidos. 15 Definir os objetivos de cada disciplina série/ano no P.P.P 16 Desenvolver um projeto educativo sobre a preservação do patrimônio escolar. 17 Realizar encontro com o corpo docente para discutir as necessidades de adotar diferentes recursos. 18 Implantar um projeto que vise estimular os estudantes mais adiantados do 5.º ano auxiliarem as turmas do 3.º ano.
  • 42. 19 Realizar visitas aos alunos. Dimensão Administrativa Meta: Implantar um sistema de Organização de Ações. N.º AÇÕES 01 Manter em ordem a documentação escolar dos alunos. 02 Realizar bimestralmente reuniões com pais para informá-los o processo de ensino-aprendizagem dos filhos. 03 Cumprir o calendário escolar. 04 Elaborar relatório final para avaliar as atividades desenvolvidas no decorrer do ano. 05 Divulgar a comunidade os projetos desenvolvidos na escola. 06 Manter informados todos os segmentos da escola sobre os assuntos abordados nas reuniões da SEMED. 07 Elaborar um relatório no final de cada ano para avaliar o PPP. 08 Adequar o laboratório de informática. Dimensão Cultural Meta: Integrar a família e a escola a partir de eventos culturais N.º AÇÕES 01 Divulgar a cultura a partir de seminários, danças, musicas e feira cultural. 02 Promover uma gincana cultural no dia do estudante. 03 Promover um dia da família na escola. 04 Formar um grupo de dança com os alunos do 4.º e 5.º ano. 05 Formar um coral com os alunos do 1.º ao 3.º ano.
  • 43. 06 Realizar um torneio esportivo com os alunos de 4.º e 5.º ano. 07 Promover uma competição entre as turmas sobre os conhecimentos assimilados mensalmente. 08 Realizar uma feira de ciências. 09 Promover eventos culturais da nossa região Dimensão Financeira Meta: Gerenciar de forma democrática os recursos financeiros destinados á escola. N.º AÇÕES 01 Definir com a comunidade escolar as necessidades e prioridades da escola para aplicação dos recursos financeiros. 02 Planejar coletivamente a aplicação dos recursos financeiros. 03 Fazer exposições em murais dos registros ou notas fiscais dos recursos adquiridos pelos programas. 04 Prestar conta com a comunidade escolar sobre os recursos financeiros repassado pelo programa. 13- AVALIAÇÃO E ACOPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DO PPP Partindo do principio de que o projeto Político Pedagógico nunca está pronto e acabado. Trata-se de um documento flexível, que está sempre sendo avaliado por todos que compõem a comunidade escolar e que pode sofrer alterações no decorrer do
  • 44. processo, uma vez que a clientela muda-se a cada ano bem como os anseios da comunidade. Diante do exposto, pretendemos reunirmos mensalmente com professores, diretores e supervisores para acompanhar, executar as metas e ações estabelecidas e ainda, traçarmos estratégias visando assim um bom desempenho deste projeto. 13.1 – Aprendizagem do Aluno A aprendizagem do aluno é o nosso objetivo maior, ele é o centro de todas as ações desenvolvidas no decorrer do processo ensino-aprendizagem, tendo como mediador o professor, que irá ao longo da vida escolar do aluno estabelecer métodos e técnicas que venha favorecer o desenvolvimento pleno do mesmo. Sendo assim, o professor também é o grande protagonista nesse processo, pois, cabe a ele na sua rotina elevar o nível de ensino trabalhando de forma contextualizada, partindo dos conhecimentos prévios dos educandos e conseqüentemente, possa alcançar uma aprendizagem significativa e prazerosa que tanto se almeja. A aprendizagem do aluno será acompanhada de forma processual e continua, levando em consideração os aspectos quantitativos e qualitativos. No que se refere ao qualitativo, considera-se a pontualidade, assiduidade, capacidade de liderança, atividades sociais, participação nas atividades escolares, criatividade, capacidade de criticar e receber críticas. Já no que se refere aos aspectos quantitativos, adotamos a avaliação oral e escrita que ocorrem bimestralmente, trabalhos individuais e coletivos, pesquisas, seminários, ficha de
  • 45. acompanhamento do desempenho do aluno dentre outros que venha contribuir para o desenvolvimento do educando e por ser essenciais no âmbito escolar. 14- CONSIDERAÇÕES FINAIS A Escola que assumimos é um espaço em que as pessoas possam dialogar duvidar, discutir, questionar e compartilhar saberes. Onde há lugar para transformações, contradições,
  • 46. colaboração e criatividade. Uma escola autônoma, onde todos os educadores possam pensar refletir e avaliar o processo de construção do conhecimento, que não deve ser tratado de forma dogmática e esvaziado de significado. O educador deve saber “ouvir” a escola, estar atento aos conhecimentos e necessidades, construindo conhecimentos através da leitura da realidade. A Escola exigida pelos novos tempos deve reconstruir-se em seu contexto imediato e concreto, onde os cidadãos vivem o seu cotidiano. Isto significa repensá-la em suas dimensões de espaço cultural instituído como expressão das políticas da educação vigente, de grupos de toda uma comunidade educativa, que pensa, repensa organizada e conduz o processo de construção do conhecimento coletivamente e da própria formação em que se integram as praticas efetivas e a ciência que delas se infere para conduzi-las com maior segurança. Acreditamos que o Projeto-Político-Pedagógico, de nossa escola, representa um desafio importante na caminhada que busca efetivamente uma educação de qualidade, alicerçada nos valores educacionais vigentes. 15- REFERÊNCIAS CARNEIRO, Moaci Alves. LDB fácil: leitura critica compreensiva: artigo a artigo.
  • 47. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. CORIA-SABINI, Maria Aparecida. Psicologia Aplicada À Educação. São Paulo: EPU: 1986. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de Historia e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília – DF – Junho – 2005. LIMA, Adriana Flávia Santos de Oliveira. Pré-Escola e Alfabetização. Petrópolis, RJ: 1987. LUCK, Heloisa ET AL... A Escola Participativa: O trabalho do gestor escolar. Rio de Janeiro: Vozes: 2005. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Secretaria de ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: 1997 OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Abril: 2001 PELLEGRINI, Denise. Aprenda com eles e ensine melhor. Revista Nova Escola. São Paulo: Abril: 2001. SESC. Departamento Nacional. Proposta Pedagógica do Ensino Fundamental (1.ª a 4.ª série), RJ: 2003 VEIGA, Ilma. Passos Alencastro. Projeto Político- Pedagógico da Escola: uma construção possível. Campinas, SP: 2002.