SlideShare uma empresa Scribd logo
As várias faces do “Ópio do Povo”
Para uma melhor compreensão do tema proposto, inicia-se este texto com sua fonte
primária, do autor Marx, o qual aponta que “A religião é o ópio do povo”. Com isso queria dizer
que ela serve como um anestésico para o sofrimento enfrentado pelos trabalhadores. Afinal, foi no
contexto da Revolução Industrial que fora escrito.
O ópio é uma droga com efeito anestésico. Seu consumo torna mais tolerável doenças
dolorosas ou situações de grande sofrimento físico. Ao afirmar que “a religião é o ópio do povo”,
Marx está referindo-se a esse “conforto”, ao consolo e à justificação que ela causa ao homem.
Para Karl Marx, é o ser humano quem faz a religião, mas a religião não faz o ser humano.
Nas suas palavras, conforme Lowi (2018), “A religião é o suspiro da criatura oprimida, o
coração do mundo sem coração e o espírito das condições sem espírito. Ela é o ópio do povo.”
Reforça.
Marx parece sugerir com essa análise que essas crenças religiosas oferecem algum
conforto aos trabalhadores explorados. A esperança de um futuro de felicidade eterna é “o suspiro
da criatura oprimida”, um alívio momentâneo do sofrimento diário, que o faz conformar-se.
Nessa perspectiva, segundo Marx, a religião é adotada porque serve a uma necessidade
psicológica das classes mais desfavorecidas da sociedade. Pessoas em condições de vida
miseráveis como os trabalhadores ingleses (cita como exemplo) têm uma motivação forte para
acreditar que isso tudo que fala a religião é verdade. Pois essa crença tem um efeito anestésico:
torna o sofrimento suportável.
Em seu livro sobre Ludwig Börne, de 1940, Heine se refere ao papel narcótico da
religião de maneira positiva – com uma pitada de ironia: “Bendita seja uma religião, que goteja
sobre o amargo cálice da humanidade sofredora algumas doces e soporíferas gotas de ópio
espiritual, algumas gotas de amor, fé e esperança”.
Moeses Hess, (apud LOWI, 2018) em seus ensaios publicados na Suíça em 1843, adota
uma posição mais crítica – mas não livre de ambiguidade: “A religião pode render suportável… a
consciência infeliz da servidão… da mesma forma que o ópio é uma grande ajuda nas doenças
dolorosas”.
Com efeito, ele se debruçou inicialmente sobre o cristianismo primitivo, religião dos
pobres, excluídos, condenados, perseguidos e oprimidos. Os primeiros cristãos eram originários
das últimas fileiras da sociedade: escravos, libertos privados de seus direitos e pequenos
camponeses submersos em dívidas.
A religião e outras ideologias contribuem para fazer o trabalhador aceitar sua condição
miserável, ao invés de optar pela revolta.
Por que trabalhadores que viviam na miséria não se revoltavam contra o Estado e exigiam
uma vida melhor? Aqui entra a outra função da religião: manter todos submissos.
Nesse caso, a existência da religião é explicada por atender aos interesses da classe
dominante em manter todos pacíficos. A religião é difundida entre os trabalhadores pelos empresários
porque encoraja/sugere um comportamento humilde. Dessa forma, manipulado as crenças dos
trabalhadores, os patrões são capazes de mantê-los submissos. (Pensava Marx).
Para Ataíde (2021), dizer que o povo é alienado não é exatamente depreciá-lo. Esta
afirmação quer dizer, na maioria das vezes, que os mais pobres não têm consciência de sua
situação social, ou que pelo menos não se rebelam contra ela, como seria de se esperar. A questão
é colocada de tal modo, no entanto, como se a causa da alienação estivesse nas diversões
populares. É o que sugere uma frase muito presente na internet e pichada em muros de diversos
países: "enquanto te exploram, tu gritas gol". O que isso parece indicar é que, se o povo não
tivesse futebol ou novela, por exemplo, aí sim ele teria consciência de sua miséria e exploração.
Além da religião, apresentada por Marx como o ópio do povo, nota-se também outras variáveis que
também são ópio do povo, tais como: A política do pão e circo que milenarmente acontece e até os dias atuais
continua sendo esse ópio do conformismo, distração, alienação e diversão. O analfabetismo expresso em contrastes
e elevados índices também denota ser um forte vestígio de um ópio que vai além das religiões abrangendo classes
diversas.
Termina-se este texto com o seguinte questionamento: Porque o povo é alienado? Se o povo é
explorado e alienado nestes quatro aspectos descritos por Marx, por que ele não tem consciência
disso? A resposta é que não existe conhecimento imediato da realidade social. E por desconhecer, não
reage, não se manifesta. (Grifo meu). Na visão de um ateu, a religião é o ópio do povo. Na visão de um
cristão que abraça a fé, é a esperança. Na visão de um filósofo, um caso a estudar, pois tem vestígio de ciência e
ideologia.
Referências
Elster, John. Marx, Hoje. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.
LOWI, Michael. Ópio do povo? Marxismo crítico e religião. 2018.
Glauber Ataide-dezembro 03, 2021. Por que o povo é alienado?
https://www.filosofiaepsicanalise.org/2021/12/por-que-o-povo-e-alienado.html. Acesso em
10/10/2023.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a As várias faces do ópio do Povo.pdf

Escuta zé ninguém!
Escuta zé ninguém!Escuta zé ninguém!
Escuta zé ninguém!
Luana Andrade Coutinho
 
O poder da ideologia
O poder da ideologiaO poder da ideologia
O poder da ideologia
Kelly Ane
 
Os delirios da razao magali gouveia engel
Os delirios da razao   magali gouveia engelOs delirios da razao   magali gouveia engel
Os delirios da razao magali gouveia engel
WILSON CUNHA ANDRADE
 
Revista nepp grito de alerta pronta faltam imagens
Revista nepp grito de alerta pronta faltam imagensRevista nepp grito de alerta pronta faltam imagens
Revista nepp grito de alerta pronta faltam imagens
Geraldo Souza
 
Resenha-Resenha do livro Jardim das Aflições – Olavo de Carvalho – Carcarás –...
Resenha-Resenha do livro Jardim das Aflições – Olavo de Carvalho – Carcarás –...Resenha-Resenha do livro Jardim das Aflições – Olavo de Carvalho – Carcarás –...
Resenha-Resenha do livro Jardim das Aflições – Olavo de Carvalho – Carcarás –...
ELIAS OMEGA
 
Cap 04 sociologia
Cap 04   sociologiaCap 04   sociologia
Cap 04 sociologia
Jesanias Rodrigues
 
Seminário ciência política e teoria do estado
Seminário   ciência política e teoria do estadoSeminário   ciência política e teoria do estado
Seminário ciência política e teoria do estado
Ruben Simoes
 
O homem integral livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
O homem integral  livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimirO homem integral  livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
O homem integral livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
Antonio SSantos
 
HABERMAS FÉ E SABER
HABERMAS FÉ E SABERHABERMAS FÉ E SABER
HABERMAS FÉ E SABER
Jeanette Soares
 
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
Rafael Monteiro Moyses
 
Jacob holzmann netto_-_espiritismo_e_marxismo_-_pense
Jacob holzmann netto_-_espiritismo_e_marxismo_-_penseJacob holzmann netto_-_espiritismo_e_marxismo_-_pense
Jacob holzmann netto_-_espiritismo_e_marxismo_-_pense
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Locke
LockeLocke
Vidanaofascista
VidanaofascistaVidanaofascista
Vidanaofascista
Alexandre Isaac
 
A ideia genialDeus_miolo_final (1)
A ideia genialDeus_miolo_final (1)A ideia genialDeus_miolo_final (1)
A ideia genialDeus_miolo_final (1)
Kassump WaKamone
 
Do sono dogmático revisado
Do sono dogmático revisadoDo sono dogmático revisado
Do sono dogmático revisado
Jusemara
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
roberto mosca junior
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
blogdofernando
 
A visão do outro na literatura antijesuítica
A visão do outro na literatura antijesuíticaA visão do outro na literatura antijesuítica
A visão do outro na literatura antijesuítica
Alex Santos
 
A década da utopia
A década da utopiaA década da utopia
A década da utopia
Edenilson Morais
 
Direito a literatura candido
Direito a literatura candidoDireito a literatura candido
Direito a literatura candido
Letras Unip
 

Semelhante a As várias faces do ópio do Povo.pdf (20)

Escuta zé ninguém!
Escuta zé ninguém!Escuta zé ninguém!
Escuta zé ninguém!
 
O poder da ideologia
O poder da ideologiaO poder da ideologia
O poder da ideologia
 
Os delirios da razao magali gouveia engel
Os delirios da razao   magali gouveia engelOs delirios da razao   magali gouveia engel
Os delirios da razao magali gouveia engel
 
Revista nepp grito de alerta pronta faltam imagens
Revista nepp grito de alerta pronta faltam imagensRevista nepp grito de alerta pronta faltam imagens
Revista nepp grito de alerta pronta faltam imagens
 
Resenha-Resenha do livro Jardim das Aflições – Olavo de Carvalho – Carcarás –...
Resenha-Resenha do livro Jardim das Aflições – Olavo de Carvalho – Carcarás –...Resenha-Resenha do livro Jardim das Aflições – Olavo de Carvalho – Carcarás –...
Resenha-Resenha do livro Jardim das Aflições – Olavo de Carvalho – Carcarás –...
 
Cap 04 sociologia
Cap 04   sociologiaCap 04   sociologia
Cap 04 sociologia
 
Seminário ciência política e teoria do estado
Seminário   ciência política e teoria do estadoSeminário   ciência política e teoria do estado
Seminário ciência política e teoria do estado
 
O homem integral livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
O homem integral  livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimirO homem integral  livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
O homem integral livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
 
HABERMAS FÉ E SABER
HABERMAS FÉ E SABERHABERMAS FÉ E SABER
HABERMAS FÉ E SABER
 
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf023 - O Mestre Dos Mestres - Analise  - Augusto Cury.pdf
023 - O Mestre Dos Mestres - Analise - Augusto Cury.pdf
 
Jacob holzmann netto_-_espiritismo_e_marxismo_-_pense
Jacob holzmann netto_-_espiritismo_e_marxismo_-_penseJacob holzmann netto_-_espiritismo_e_marxismo_-_pense
Jacob holzmann netto_-_espiritismo_e_marxismo_-_pense
 
Locke
LockeLocke
Locke
 
Vidanaofascista
VidanaofascistaVidanaofascista
Vidanaofascista
 
A ideia genialDeus_miolo_final (1)
A ideia genialDeus_miolo_final (1)A ideia genialDeus_miolo_final (1)
A ideia genialDeus_miolo_final (1)
 
Do sono dogmático revisado
Do sono dogmático revisadoDo sono dogmático revisado
Do sono dogmático revisado
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
 
A visão do outro na literatura antijesuítica
A visão do outro na literatura antijesuíticaA visão do outro na literatura antijesuítica
A visão do outro na literatura antijesuítica
 
A década da utopia
A década da utopiaA década da utopia
A década da utopia
 
Direito a literatura candido
Direito a literatura candidoDireito a literatura candido
Direito a literatura candido
 

Mais de Adilson P Motta Motta

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMACRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
Adilson P Motta Motta
 
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
Adilson P Motta Motta
 
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
Adilson P Motta Motta
 
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdfpdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
Adilson P Motta Motta
 
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdfProjeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Adilson P Motta Motta
 
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdfLEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
Adilson P Motta Motta
 
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdfDESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
Adilson P Motta Motta
 
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEMINTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
Adilson P Motta Motta
 
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdfLEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
Adilson P Motta Motta
 
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptxVALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
Adilson P Motta Motta
 
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
Adilson P Motta Motta
 
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdfDICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
Adilson P Motta Motta
 
A gramática do texto.ppt
A gramática do texto.pptA gramática do texto.ppt
A gramática do texto.ppt
Adilson P Motta Motta
 
A importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.pptA importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.ppt
Adilson P Motta Motta
 
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
Breve Resumo -  Novo Ensino MédioBreve Resumo -  Novo Ensino Médio
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
Adilson P Motta Motta
 
Frases à cidadania
Frases à cidadaniaFrases à cidadania
Frases à cidadania
Adilson P Motta Motta
 
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - maRegimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
Adilson P Motta Motta
 
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim  maProjeto programa educacao ambiental. bom jardim  ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
Adilson P Motta Motta
 
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-20131º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
Adilson P Motta Motta
 
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim MA.
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim   MA.Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim   MA.
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim MA.
Adilson P Motta Motta
 

Mais de Adilson P Motta Motta (20)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMACRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
 
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
 
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
 
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdfpdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
 
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdfProjeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
 
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdfLEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
 
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdfDESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
 
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEMINTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
 
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdfLEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
 
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptxVALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
 
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
 
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdfDICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
 
A gramática do texto.ppt
A gramática do texto.pptA gramática do texto.ppt
A gramática do texto.ppt
 
A importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.pptA importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.ppt
 
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
Breve Resumo -  Novo Ensino MédioBreve Resumo -  Novo Ensino Médio
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
 
Frases à cidadania
Frases à cidadaniaFrases à cidadania
Frases à cidadania
 
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - maRegimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
 
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim  maProjeto programa educacao ambiental. bom jardim  ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
 
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-20131º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
 
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim MA.
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim   MA.Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim   MA.
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim MA.
 

Último

educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 

Último (20)

educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 

As várias faces do ópio do Povo.pdf

  • 1. As várias faces do “Ópio do Povo” Para uma melhor compreensão do tema proposto, inicia-se este texto com sua fonte primária, do autor Marx, o qual aponta que “A religião é o ópio do povo”. Com isso queria dizer que ela serve como um anestésico para o sofrimento enfrentado pelos trabalhadores. Afinal, foi no contexto da Revolução Industrial que fora escrito. O ópio é uma droga com efeito anestésico. Seu consumo torna mais tolerável doenças dolorosas ou situações de grande sofrimento físico. Ao afirmar que “a religião é o ópio do povo”, Marx está referindo-se a esse “conforto”, ao consolo e à justificação que ela causa ao homem. Para Karl Marx, é o ser humano quem faz a religião, mas a religião não faz o ser humano. Nas suas palavras, conforme Lowi (2018), “A religião é o suspiro da criatura oprimida, o coração do mundo sem coração e o espírito das condições sem espírito. Ela é o ópio do povo.” Reforça. Marx parece sugerir com essa análise que essas crenças religiosas oferecem algum conforto aos trabalhadores explorados. A esperança de um futuro de felicidade eterna é “o suspiro da criatura oprimida”, um alívio momentâneo do sofrimento diário, que o faz conformar-se. Nessa perspectiva, segundo Marx, a religião é adotada porque serve a uma necessidade psicológica das classes mais desfavorecidas da sociedade. Pessoas em condições de vida miseráveis como os trabalhadores ingleses (cita como exemplo) têm uma motivação forte para acreditar que isso tudo que fala a religião é verdade. Pois essa crença tem um efeito anestésico: torna o sofrimento suportável. Em seu livro sobre Ludwig Börne, de 1940, Heine se refere ao papel narcótico da religião de maneira positiva – com uma pitada de ironia: “Bendita seja uma religião, que goteja sobre o amargo cálice da humanidade sofredora algumas doces e soporíferas gotas de ópio espiritual, algumas gotas de amor, fé e esperança”. Moeses Hess, (apud LOWI, 2018) em seus ensaios publicados na Suíça em 1843, adota uma posição mais crítica – mas não livre de ambiguidade: “A religião pode render suportável… a consciência infeliz da servidão… da mesma forma que o ópio é uma grande ajuda nas doenças dolorosas”. Com efeito, ele se debruçou inicialmente sobre o cristianismo primitivo, religião dos pobres, excluídos, condenados, perseguidos e oprimidos. Os primeiros cristãos eram originários das últimas fileiras da sociedade: escravos, libertos privados de seus direitos e pequenos camponeses submersos em dívidas. A religião e outras ideologias contribuem para fazer o trabalhador aceitar sua condição miserável, ao invés de optar pela revolta.
  • 2. Por que trabalhadores que viviam na miséria não se revoltavam contra o Estado e exigiam uma vida melhor? Aqui entra a outra função da religião: manter todos submissos. Nesse caso, a existência da religião é explicada por atender aos interesses da classe dominante em manter todos pacíficos. A religião é difundida entre os trabalhadores pelos empresários porque encoraja/sugere um comportamento humilde. Dessa forma, manipulado as crenças dos trabalhadores, os patrões são capazes de mantê-los submissos. (Pensava Marx). Para Ataíde (2021), dizer que o povo é alienado não é exatamente depreciá-lo. Esta afirmação quer dizer, na maioria das vezes, que os mais pobres não têm consciência de sua situação social, ou que pelo menos não se rebelam contra ela, como seria de se esperar. A questão é colocada de tal modo, no entanto, como se a causa da alienação estivesse nas diversões populares. É o que sugere uma frase muito presente na internet e pichada em muros de diversos países: "enquanto te exploram, tu gritas gol". O que isso parece indicar é que, se o povo não tivesse futebol ou novela, por exemplo, aí sim ele teria consciência de sua miséria e exploração. Além da religião, apresentada por Marx como o ópio do povo, nota-se também outras variáveis que também são ópio do povo, tais como: A política do pão e circo que milenarmente acontece e até os dias atuais continua sendo esse ópio do conformismo, distração, alienação e diversão. O analfabetismo expresso em contrastes e elevados índices também denota ser um forte vestígio de um ópio que vai além das religiões abrangendo classes diversas. Termina-se este texto com o seguinte questionamento: Porque o povo é alienado? Se o povo é explorado e alienado nestes quatro aspectos descritos por Marx, por que ele não tem consciência disso? A resposta é que não existe conhecimento imediato da realidade social. E por desconhecer, não reage, não se manifesta. (Grifo meu). Na visão de um ateu, a religião é o ópio do povo. Na visão de um cristão que abraça a fé, é a esperança. Na visão de um filósofo, um caso a estudar, pois tem vestígio de ciência e ideologia. Referências Elster, John. Marx, Hoje. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989. LOWI, Michael. Ópio do povo? Marxismo crítico e religião. 2018. Glauber Ataide-dezembro 03, 2021. Por que o povo é alienado? https://www.filosofiaepsicanalise.org/2021/12/por-que-o-povo-e-alienado.html. Acesso em 10/10/2023.