SlideShare uma empresa Scribd logo
PARA LER O MUNDO
DANIELLE FERREIRA TEIXEIRA ROSA
CATEGORIA DO PTE: PROJETO INTRAEMPREENDEDOR
ORIENTADORA: JOYSI MORAES
NITERÓI, 2023
1
SUMÁRIO
1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2
2. CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO 3
3. DIAGNÓSTICO 4
4. PROPOSTA 5
5. PLANO DE COMUNICAÇÃO 8
6. PLANEJAMENTO DOS RECURSOS 9
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS 11
8. REFERÊNCIAS 11
2
1. SUMÁRIO EXECUTIVO
O presente projeto pretende, após análise minuciosa e vivência cotidiana, expor as causas do
exacerbado índice de alunos iletrados no ambiente educacional público, mais particularmente
nas escolas estaduais do Rio de Janeiro. Assim, será possível intervir de maneira objetiva,
propondo uma estratégia unificada, contextualizada e viável na prática escolar. Identificamos
franca oportunidade neste momento crucial e pós pandêmico, onde urge repensar estratégias
e objetivos pretendidos na educação brasileira. Temos, portanto, que quaisquer que sejam tais
objetivos, é primordial dotar o corpo estudantil da habilidade de leitura e escrita no âmbito da
comunicação eficaz e produtiva.
Compreendemos que, em primeira instância, a proposta pareça audaz. Contudo, não a torna
menos urgente ou imprescindível. Isto posto que, sem o domínio da leitura e escrita, é
impossível progredir no desenvolvimento das habilidades e competências desejadas nos
conteúdos curriculares, estabelecidos pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Dessa
forma, busca-se impactar ou eliminar esse problema que afeta nossas escolas e salas de aula.
Ensinar adequadamente é munir o cidadão de ferramenta poderosa e eficaz no combate ao
cerne da desigualdade social predominante e vergonhosamente enraizada em nosso país.
Além da equipe pedagógica formalmente composta, é desejável que todos os funcionários da
escola estejam envolvidos nesse projeto, para que nenhuma oportunidade de aprendizado seja
perdida. Dessa forma, a escola poderá ser caracterizada como um corpo trabalhando em total
sintonia. As habilidades e formações dos profissionais que compõem o quadro docente
certamente serão indispensáveis.
As estratégias percorrerão um longo caminho, desde a identificação dos diferentes níveis de
letramento - referindo-se aos ditos analfabetos funcionais, alunos que apenas copiam, entre
outros - até o uso de ferramentas, digitais ou não, e possíveis melhorias profissionais obtidas
por meio de parcerias estabelecidas.
Os objetivos claramente definidos na utilização das estratégias é conscientizar toda a
comunidade escolar da gravidade do problema, necessitando de ação imediata e,
principalmente, propondo um planejamento que abarque esses alunos, não excluindo-os além
do que já o são socialmente. Enfim, necessitamos de recursos estruturais, transformando o
próprio ambiente numa ferramenta de letramento, além das ferramentas supracitadas, tanto
digitais quanto analógicas.
3
2. CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO
Nome da organização: Colégio Estadual Thomaz Gomes
Histórico da organização:
O Colégio Estadual Thomaz Gomes foi fundado em 1944. Não possui Ato de Criação.
Tem uma Escritura Pública de Doação de Terreno ao Estado do Rio de Janeiro em 29/06/47
com Nº de Ordem 5955 de 11/07/44. Em 1968 passa de Grupo Escolar Thomaz Gomes para
Escola Estadual Thomaz Gomes através da Port. nº 1021/68. Em 1986 passou para Colégio
Estadual Thomaz Gomes através do Decreto nº 9048 de 07/07/86. Não se sabe a origem de
seu nome, pois não consta nos arquivos escolares, nem no Cartório local. Como na época era
comum denominar escola de acordo com os antigos proprietários de terras, acredita-se que
seu nome tenha a origem do 1º proprietário desta. Inicialmente atendendo alunos do que seria
o atual Ensino Fundamental, no primeiro e segundo segmentos, do 1° ao 9° anos.
Posteriormente reduzido ao atendimento das turmas regulares do Ensino Médio.
Atualmente atende ao Novo Ensino Médio Regular e Integral, além da Educação para
Jovens e Adultos do Novo Ensino Médio em turno noturno.
Fundação, em 1944.
4
Alteração em 1986.
Atualmente
5
Missão:
Prestar serviço à sociedade, preparando o indivíduo para se inserir no mundo em que
vive, interpretando e pensando a realidade como um todo, de forma autônoma, tornando-o
capaz de criticar e desenvolver expectativas e projetos em relação à sociedade.
Visão:
Por estar inserida na sociedade a escola, como entidade educacional e social, deve
compreender a educação como fator de mediação de um projeto social, ou seja, por si, ele nem
redime nem reproduz inteiramente a sociedade, mas serve de meio, ao lado de outros meios,
para realizar o projeto de uma sociedade, mais justa e igualitária. Nosso objetivo é educar os
novos cidadãos para que estes exerçam a cidadania plena, consciente e capaz de implementar
mudanças verdadeiras na sociedade.
Valores:
Buscar a melhoria da qualidade de ensino, para que haja também melhoria na
qualidade de vida e nas relações humanas.
Exercitar a democracia e a cidadania, através do movimento de ação-reflexão-ação,
buscando a participação e o comprometimento do grupo, traçando metas e alcançando
objetivos.
Descentralizar as decisões para que todos construam executem coletivamente, uma
proposta educativa baseada na realidade da comunidade escolar.
Introduzir questionamentos, visando à mudança nos procedimentos e atitudes da
comunidade escolar, ao longo do processo ensino aprendizagem.
Planejar e executar projetos, envolvendo pais, alunos, professores e funcionários
Melhorar o processo de ensino e aprendizagem, de modo que os alunos usufruam da
escola para aprender, construir, crescer e conviver.
Criar um espaço para que professores possam refletir sobre ensinar e aprender
Proporcionar situações de aprendizagem, vivenciando os valores morais e auxiliando
os indivíduos na formação de uma sociedade mais justa e humana.
6
Infraestrutura:
01 sala de direção
01 secretaria
01 sala de professores
02 banheiros para professores
01 sala de coordenação pedagógica
01 laboratório informática
01 cozinha
01 quadra
05 banheiros (Masculino, Feminino, portadores NE e funcionários e professores)
08 salas de aula
01 sala de multimidia
Corpo de funcionários:
Total – 34
Onde 25 são professores
Perfil dos alunos:
Alunos na faixa etária entre de 14 e 18 anos, matriculados nas 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino
Médio Regular e Integral, além da Modalidade de Educação de Jovens e Adultos do Novo
Ensino Médio. Esta última funcionando no turno da noite.
Diretrizes pedagógicas:
A educação consiste em conduzir a pessoa para o seu pleno desenvolvimento como ser, em
prepara o individua para a vida adulta visando a sua realização futura. É tarefa do educador
levar o educando para uma posição que o habilite a resolver seus problemas e a viver em
sociedade.
7
O modismo, muitas vezes, no afã de utilizar o que é diferente, leva à aceitação de princípios,
que ainda não comprovados a sua eficácia, leva a insatisfação dos resultados. Por outro lado,
o medo de mudanças cria conflitos com a realidade em que as mudanças se fazem necessárias
e inevitáveis.
O processo educativo deve proporcionar a emancipação e a autonomia, para que os alunos
passem a pensar e agir por si mesmo, sendo sujeitos do seu conhecimento.
Por isso a importância do professor para resgatar o papel da escola, como elemento
imprescindível na sociedade. Nesse processo o professor cresce junto com o aluno,
atualizando-se para formar alunos que possam ocupar seu lugar na história.
Aprendizagem e desenvolvimento se dão na interação, por isso exigem troca e cooperação
mútua. A transdisciplinaridade mantém um diálogo constante com os outros conhecimentos e
por isso é extremamente proveitosa no processo ensino-aprendizagem, onde alunos e
professores são parceiros no saber e no aprender.
“A atividade docente, por sua natureza e contato cotidiano com os alunos, é a principal fonte
de aprendizagem, de formação de cidadania, do gosto pelo saber e pela permanência do aluno
na Unidade Escolar” -(Art.34-Regimento Escolar).
Toda comunidade escolar é responsável pela disciplina e ordem da Unidade Escolar de forma
a buscar um ambiente propício ao desenvolvimento harmônico do processo educativo. (Parag.
Único do Art.32 –Regimento Escolar).
8
3. DIAGNÓSTICO
A diagnose aqui exposta é refletida partindo da observação dos Resultados do Censo Escolar
e Ideb no período pré e pós-pandêmicos. Desta forma perceberemos, com riqueza de detalhes,
que a pandemia em si mesma não foi a causa de tamanho problema no letramento da população
do município atendido, mas agravou-a determinantemente.
Sigamos, portanto, aos indicadores analisados e respectivos resultados. Observando a
planilha, teremos a verificação de que a Formação Docente, desde a Educação Infantil até o
Ensino Fundamental, nos Anos Iniciais e Finais, considerando os dados fornecidos pelo INEP
- Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – não atendem a
necessidade para traçar o perfil do profissional que ocupa essas salas de aula. Ressalto ainda,
que o profissional Alfabetizador – termo repudiado, mas que me permito usar, sem
necessariamente atrelá-lo às metodologias ultrapassadas – precisa ser formado. A Educação
Superior não garante a qualidade ou habilidade deste raro e precioso trabalhador.
Prosseguimos com o elemento Esforço Docente, que sintetiza em uma única medida -
formando um paralelo antagônico ao exposto acima - aspectos do trabalho do professor que
contribuem para a sobrecarga no exercício da profissão. Para tal, foram utilizadas as
informações de números de turnos de trabalho, escolas e etapas de atuação, além da
quantidade de alunos atendidos na Educação Básica. Vejamos a figura:
Fonte:
Além disso, poderemos ainda apontar a Média de Alunos por Turma, considerando apenas
o que testemunhamos na referida escola, com salas de aula lotadas além de sua capacidade
laborativa. Temos uma média de 40-46 alunos por turma, com raríssimas exceções. Para nem
citar da falta de climatização até recursos financeiros para materiais básicos.
9
Agora observemos os dados relativos à aprendizagem na Rede Municipal e no CE Thomaz
Gomes em 2019 e sua progressão negativa até 2021.
10
11
12
Fonte: https://qedu.org.br/escola/33016070-ce-thomaz-gomes/ideb
Observemos, ainda, a distorção idade – série, identificada em 2022 e que tende ao
agravamento, considerando o público que receberemos em 2024 – conhecendo dados da Rede
Municipal de Carapebus.
13
Diante de tais dados, cabe-nos ainda perceber que o cerne do problema se concentra no Ensino
Fundamental, nos Anos Iniciais e Finais. Este aluno não é alcançado e letrado no período
desejado e objetivado, resultando num elevado números de discentes analfabetos completos
ou funcionais no Ensino Médio. Para estudo mais aprofundado, sugiro ainda a leitura dos
resultados da Ação Alfabetiza Brasil, realizada pelo INEP. Poderemos ainda refletir sobre
os Resultados que serão encontrados no SAEB 2023 – Sistema de Avaliação da Educação
Básica - que medirá o avanço da alfabetização no Brasil.
Os principais desafios, portanto, a serem considerados, é letrar e alfabetizar os tais já neste
segmento educacional. Não bastará, portanto, identificar, mas conscientizar o estudante e
familiares da necessidade de uma prática pedagógica específica. A Formação Docente será
outro desafio a ser enfrentado, pois o profissional licenciado não costuma ter este perfil e nem
desejo de adotá-lo. A falta de Recursos Financeiros também será e grande impacto negativo
para esta tarefa.
Foram utilizadas pesquisas na intermete para apropriação dos dados da Educação Pública
Nacional ( https://www.gov.br/inep/pt-br ), particularizando o município no qual a escola está
inserida. A autora também faz parte da Coordenação Pedagógica do Ensino Fundamental,
Anos Finais da cidade e vivencia tais fatos hodierna e cotidianamente. Razão pela qual
inquietou-se a traçar este Projeto Tecnológico, numa tentativa cidadã de intervir na situação
constatada.
No contexto epistemológico, é importante ressaltar que a alfabetização é uma prática de
letramento, não sendo, portanto, sinônimo. De acordo com Soares (1999), a palavra letramento
é uma tradução da palavra inglesa literacy (“condição de ser letrado)4. Nesse caso, letrado
assume o significado de educado; ou seja, aquele que tem a habilidade de ler e escrever5. A
palavra letramento (letra + mento) possui o sufixo mento indicando o resultado de uma ação,
portanto, pode-se definir letramento como, de acordo com Soares (1999) “o resultado da ação
de “letrar-se” sendo assim:
LETRAMENTO é o resultado da ação de ensinar e aprender as práticas
sociais de leitura e escrita é o estado ou condição que adquire um grupo
social ou indivíduo como consequência de ter-se apropriado da escrita e de
suas práticas sociais. (SOARES, 1999, p. 4)
A autora ressalta a diferença entre apropriar-se da escrita e da leitura, do ato de ter aprendido
a ler e escrever. Para ela, aprender a ler e escrever refere-se à aquisição de uma tecnologia, a
codificar (escrever) e decodificar (ler) a língua escrita. Já a apropriação dessas habilidades é
o ato de tornar a escrita “própria”, sendo assim, de assumi-la como sua “propriedade”.
14
O letramento, nessa concepção, pode ser entendido como a ação de ensinar e aprender as
práticas sociais de comunicação para agir no/sobre o mundo, e como resultado o sujeito terá
se apropriado de práticas sociais relacionadas à leitura e à escrita. É preciso enfatizar, porém,
que se apropriar da escrita não é o mesmo que aprender a ler e a escrever, isso porque ser
alfabetizado não é sinônimo de ser letrado. Ser alfabetizado significa saber ler e escrever, ou
seja, é ter-se apropriado do código escrito. Já ser letrado é saber usar socialmente a prática da
leitura e da escrita, é fazer da escrita algo próprio.
Por isso, este projeto tem como foco a investigação, análise e intervenção de como os
processos de letramento se concretizarão nesta instituição até a terceira série do Ensino Médio.
A seguir, detalharemos no Fluxograma o que nos norteará nas etapas de todo o processo.
INÍCIO
APLICAR questionário de
múltipla escolha para os pais/
responsáveis na matrícula
sobre alfabetização e
letramento. (Secretaria)
CONTABILIZAR,
ANALISAR E
CLASSIFICAR (não-
alfabetizados;
alfabetizados
funcionais (copistas),
iletrados; letrados) os
dados levantados.
(Secretaria)
DESENVOLVER
Planejamento
Pedagógico com os
professores para as
diversas
classificações obtidas.
(Coord. Pedagógica)
EXECUTAR
levantamento das
ferramentas,
recursos e estrutura
necessários para a
execução da
metodologia.
(Direção Geral)
PRODUZIR Material
impresso e digital
adequado às Práticas
que serão
desenvolvidas.
COMUNICAR à
Comunidade Escolar
quanto ao
imprescindível
acompanhamento da
família: Redes Socias
e Rádio do Município.
(Formar Equipe de
Mídia: 2 Professores
e 2 alunos)
PROMOVER Reunião
de Responsáveis com
Presença e Apoio do
Conselho Tutelar.
Trabalhar e intensificar
a conscientização da
emergência da
alfabetização e
letramento.
(Toda a Equipe)
VERIFICAR se
classificações iniciais
se confirmam em sala
de aula?
IDENTIFICAR
adequadamente para
uso adequado da
metodologia e
materiais.
PROCEDER à
execução das Fases
Observar os
indicadores
AVALIAR os alunos
envolvidos por meio
de relatórios dos
professores para
observar se poderão
ser promovidos.
FIM
NÃO
SIM
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
4. PROPOSTA
Fase 1
Objetivos Metas Indicadores
Capacitar docentes
especificamente para
alfabetizar e letrar no
Ensino Médio.
Desenvolver competência
alfabetizadora e de letramento
no profissional que está em sala
de aula.
25 Professores aprovados
no curso da plataforma
AVAMEC e produzindo
materiais dirigidos a este
público especifico.
Formas de acompanhamento da fase
Utilizando a ferramenta digital AVAMEC
(https://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/seb/curso/15577/informacoes)
Utilizando a ferramenta digital AVAMEC e todo material e atividades propostas, além
das avaliações e notas alcançadas. A profissional responsável desempenhará a função de
mediadora no curso.
https://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/seb/curso/14540/informacoes
https://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/seb/curso/15577/informacoes
Impactar ou erradicar o analfabetismo e o não letramento no Ensino Médio do C.E.
Thomaz Gomes.
1
ATIVIDADE 1:
Práticas de Alfabetização
Formação de Professores em Neuroeducação
Utilizar o material e metodologia proposta na plataforma para realizar a Formação dos
docentes. Neuroeducação é um campo de estudo que une os princípios da neurociência
cognitiva à prática educacional. Assim, o objetivo é entender como o cérebro funciona em
relação ao aprendizado e como esse conhecimento pode ser aplicado para melhorar os
métodos de ensino.
Duração Responsável
Início em: 01/02/2024
Danielle Ferreira Teixeira Rosa –
Coordenadora Pedagógica.
Término em: 03/05/2024
Equipe
Professora de Língua Portuguesa Viviane Rangel
Professora de Ciências da Natureza Natália Rapozo
Professora de Ciências Humanas Helena Carvalho
Professor de Matemática Marcelo Martins
Disciplinas trabalhadas Parceiros envolvidos
Linguagens, Matemática e Ciências da
Natureza e Humanas.
Profissionais citados acima e plataforma
AVAMEC
Resultados esperados
Espera-se munir o professor para o enfrentamento ao quadro de analfabetismo ou falta de
letramento nos aspectos em que se apresentarem. Desta forma, possibilitando aos alunos o
verdadeiro acesso à educação.
Formas de registro
Fotografar os profissionais em sala de aula no curso de formação; entrevistar os alunos
envolvidos no projeto; registrar a presenças em Atas de Conselho de Classe e na própria
Formação; relatar a respostas dos profissionais e alunos envolvidos no projeto antes
durante e depois do desenvolvimento; vídeos produzidos pelos próprios alunos e
professores nas salas de aula.
2
Fase 2
Objetivos Metas Indicadores
Dar suporte e ferramentas
aos profissionais da
instituição para
desenvolverem o projeto.
Garantir os recursos necessários
para produção de materiais
contextualizados e objetivos,
elaborados pelo corpo docente
para eficácia do projeto.
Diminuição do quadro de
infrequência dos discentes
de 25% para 0;
112 alunos
satisfatoriamente
alfabetizados e letrados ao
término do ano letivo de
2024.
Formas de acompanhamento da fase
Imprimir e arquivar portfólio de todo material impresso e registrar os acessos às
plataformas e aplicativos digitais utilizados em sala de aula por meio de pequenos vídeos.
ATIVIDADE 2: Materiais e Ferramentas Digitais na Sala de Aula
Oferecer suporte, materiais impressos e ferramentas digitais para o trabalho dos
professores em sala de aula.
https://porvir.org/ferramentas-interativas-auxiliam-na-alfabetizacao/
https://drive.google.com/drive/folders/1lokYf19kGNZNdQfwN4jyq2el9r37qO8x?usp=sh
aring
Duração Responsável
Início em: 05/2024
Direção Geral, Adjunta, Secretaria Escolar e
Coordenação Pedagógica.
Término em: 12/2024
Equipe
Direção Geral Rosilene Lima
Direção Adjunta Renilda Simeão
Coordenação Pedagógica Danielle Rosa
Disciplinas trabalhadas Parceiros envolvidos
Todos os componentes
curriculares.
3
Resultados esperados
Provocar interesse por parte dos alunos utilizando dispositivos móveis no processo de
ensino-aprendizagem, impactando o desinteresse e desmotivação.
Formas de registro
Produzir portfólio impresso dos materiais para arquivamento e modelo ou base para
aperfeiçoamento de futuros projetos.
Fase 3
Objetivos Metas Indicadores
Provocar interesse dos
alunos utilizando recursos
digitais.
Ampliar o entendimento das
mídias e recursos digitais para
os alunos a fim de que os
utilizem para o benefício de seu
aprendizado.
Erradicar a evasão
escolar e elevar índice
Ideb de 3,98 para 5.
Formas de acompanhamento da fase
Professores produzem relatório previamente formatado e distribuído pela Coordenação
Pedagógica quanto aos resultados alcançados nas turmas.
4
ATIVIDADE 3:
FERRAMENTAS DIGITAIS
Utilizar a plataforma GPT como ampliador e corretor de vocabulário, além de ferramenta
de letramento.
https://portalconteudoaberto.com.br/professor/o-chat-gpt-na-educacao-a-ultima-das-
grandes-ondas-tecnologicas-ate-agora/
Duração Responsável
Início em: 07/2024
Todos os professores alocados nas turmas e
Monitoramento pela Coordenação Pedagógica.
Término em: 12/2024
Equipe
Professores de todos os Componentes
curriculares
Corpo Docente
Coordenação Pedagógica Danielle Rosa
Disciplinas trabalhadas Parceiros envolvidos
Todo o componente curricular.
Resultados esperados
Ampliar e enriquecer o vocabulário e estruturação dos alunos em letramento nos mais
variados gêneros textuais.
Formas de registro
Exposição dos trabalhos dos alunos nos murais espalhados por toda a escola.
5
Cronograma do projeto:
Fases Atividades Jan Fev. Mar Abr. Mai Jun. Jul Ago. Set Out Nov. Dez
1 Ativ. 1
2 Ativ. 2
3 Ativ. 3
6
5. PLANO DE COMUNICAÇÃO
Observar os resultados obtidos no Conselho de Classe Final, no ano de 2023, além de apontar
os dados de reprovação e aspectos de desinteresse e até mesmo indisciplina por parte dos
alunos e trazer ao Corpo Discente a reflexão da necessidade urgente de alteração e
dinamização da prática pedagógica para erradicação do analfabetismo e iletramento na
instituição. Mostra de vídeos em que os atores envolvidos na comunidade escolar elaboraram
e executaram ações educacionais bem-sucedidas.
Para sensibilização dos demais (Responsáveis e Alunos) realizar a Reunião de Responsáveis
na segunda semana de aulas, após o Acolhimento.
Evento de lançamento do projeto: Reunião de Pais e Responsáveis.
Demais ações de comunicação:
Fase do projeto:
Tipo de
comunicação e
canal de
comunicação
utilizado:
Breve indicação da
proposta da
mensagem:
Responsável pela
comunicação:
FASE 1
Salas de Aula.
Páginas do
Facebook e
Instagram.
WhatsApp dos
Representantes de
Turma. Rádio
Popular Municipal
e Rádio Escolar.
Reativar Blog da
Escola.
Venha Ler o
Mundo conosco!
Equipe de
Marketing e
Multimidia
formada por 2
professores e 2
alunos.
FASE 2 Idem Letramento Digital Idem
FASE 3 Idem
Amadurecendo o
domínio do Mundo
Digital
Idem
7
6. PLANEJAMENTO DOS RECURSOS
Todo o Projeto foi pensado utilizando os poucos, porém existentes recursos disponíveis na
instituição. O objetivo é não depender de verbas que hodiernamente não chegam ou não
podem ser usadas por questões burocráticas. Observe-se, portanto, que os elementos
necessários serão abaixo elencados:
ELETRICIDADE;
SALAS DE AULA;
PAPÉIS PARA IMPRESSÃO;
COPIADORA;
MANUTENÇÃO DA COPIADORA;
RECARGA DE TONNER;
5 COMPUTADORES, 15 TABLETS (Tablet PC, 5 MP 13 MP 256 GB ROM Tablet
de 10,1 Polegadas 8 GB RAM 1,5 GHz Octa Core) E CELULARES;
INTERNETE;
SALA MULTIMÍDIA.
Ressalvo, ainda, que a razão para não propor formalmente o uso da Biblioteca como atividade
a ser desenvolvida é ter sido “perdida” neste ano, transformando-se em mais uma sala de aula
para atender à demanda de alunos aguardando vagas para cursar o ano letivo de 2023.
Portanto, não temos segurança de que a teremos como parte da estrutura novamente.
Necessidade de recursos por categoria Valores
Obras e instalações -
Material permanente (Dispositivos) R$ 5.100,00
Material de consumo (Papel, tonner) R$ 20.000,00
Gastos com locomoção -
Serviços de terceiros (Manutenção) - R$ 8.000,00
Gastos com pessoal -
Total de recursos necessários R$ 33.100,00
8
Fontes de recursos: SEEDUC
Estimativa de horas dedicadas ao projeto: Ano Letivo.
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Conclui-se à urgência do desenvolvimento deste projeto como primazia a quaisquer outros
objetivos que se deseje alcançar. Tanto alfabetização no domínio dos signos linguísticos
quanto letramento adequado dos discentes no Ensino Médio, constituem fator imprescindível
para cidadania, garantia de acesso à educação plena e qualidade de vida. A educação
qualitativa é, antes de tudo, uma arma eficaz contra as desigualdades e ferramenta de
transformação.
Cumpre-se, ainda, evidenciar que este projeto deseja principiar e não encerrar toda e qualquer
prática pedagógica neste âmbito. Inversamente, pretende aperfeiçoar-se a cada etapa
percorrida, quantas vezes forem necessárias.
REFERÊNCIAS
https://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/9018/2/CT_COLET_%202013_2_01.
pdf
https://portalconteudoaberto.com.br/professor/neuroeducacao/
https://www.1000respostas.com/artigo/vantagens-computacao-alfabetizacao-
a44c8f414f38081e?utm_content=params%3Aad%3DdirN%26qo%3DserpIndex%26o
%3D1673073%26ag%3Dfw59&ueid=DAC14365-F008-4D43-B4C7-
05B46C281353&utm_source=grs-expanded-v1
https://portalconteudoaberto.com.br/professor/o-chat-gpt-na-educacao-a-ultima-das-
grandes-ondas-tecnologicas-ate-agora/

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf

Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
Rosinara Azeredo
 
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGAPPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
Ana Silva
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
170477
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
170477
 
A Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do ProfessorA Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do Professor
cefaprodematupa
 
E.m. jornalista alberto torres tra final
E.m. jornalista alberto torres tra finalE.m. jornalista alberto torres tra final
E.m. jornalista alberto torres tra final
Ester Resende
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Jesica Hencke
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Jesica Hencke
 
284-979-1-PB.pdf
284-979-1-PB.pdf284-979-1-PB.pdf
284-979-1-PB.pdf
Marília Vieira
 
PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015
PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015
PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015
Adilson P Motta Motta
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escola
Johnny Ribeiro
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
A escola
A escolaA escola
A escola
Vera Mln Silva
 
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Thais Araujo
 
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Marcos Lima
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
Jorci Ponce
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
Simony
SimonySimony
Artigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorArtigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino Superior
VALERIAOLIVEIRAAMORI
 
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio SinibaldiProjeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
Adilson P Motta Motta
 

Semelhante a PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf (20)

Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGAPPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
A Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do ProfessorA Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do Professor
 
E.m. jornalista alberto torres tra final
E.m. jornalista alberto torres tra finalE.m. jornalista alberto torres tra final
E.m. jornalista alberto torres tra final
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
 
284-979-1-PB.pdf
284-979-1-PB.pdf284-979-1-PB.pdf
284-979-1-PB.pdf
 
PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015
PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015
PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escola
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
 
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
Simony
SimonySimony
Simony
 
Artigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorArtigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino Superior
 
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio SinibaldiProjeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 

PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf

  • 1. PARA LER O MUNDO DANIELLE FERREIRA TEIXEIRA ROSA CATEGORIA DO PTE: PROJETO INTRAEMPREENDEDOR ORIENTADORA: JOYSI MORAES NITERÓI, 2023
  • 2. 1 SUMÁRIO 1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2 2. CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO 3 3. DIAGNÓSTICO 4 4. PROPOSTA 5 5. PLANO DE COMUNICAÇÃO 8 6. PLANEJAMENTO DOS RECURSOS 9 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS 11 8. REFERÊNCIAS 11
  • 3. 2 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O presente projeto pretende, após análise minuciosa e vivência cotidiana, expor as causas do exacerbado índice de alunos iletrados no ambiente educacional público, mais particularmente nas escolas estaduais do Rio de Janeiro. Assim, será possível intervir de maneira objetiva, propondo uma estratégia unificada, contextualizada e viável na prática escolar. Identificamos franca oportunidade neste momento crucial e pós pandêmico, onde urge repensar estratégias e objetivos pretendidos na educação brasileira. Temos, portanto, que quaisquer que sejam tais objetivos, é primordial dotar o corpo estudantil da habilidade de leitura e escrita no âmbito da comunicação eficaz e produtiva. Compreendemos que, em primeira instância, a proposta pareça audaz. Contudo, não a torna menos urgente ou imprescindível. Isto posto que, sem o domínio da leitura e escrita, é impossível progredir no desenvolvimento das habilidades e competências desejadas nos conteúdos curriculares, estabelecidos pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Dessa forma, busca-se impactar ou eliminar esse problema que afeta nossas escolas e salas de aula. Ensinar adequadamente é munir o cidadão de ferramenta poderosa e eficaz no combate ao cerne da desigualdade social predominante e vergonhosamente enraizada em nosso país. Além da equipe pedagógica formalmente composta, é desejável que todos os funcionários da escola estejam envolvidos nesse projeto, para que nenhuma oportunidade de aprendizado seja perdida. Dessa forma, a escola poderá ser caracterizada como um corpo trabalhando em total sintonia. As habilidades e formações dos profissionais que compõem o quadro docente certamente serão indispensáveis. As estratégias percorrerão um longo caminho, desde a identificação dos diferentes níveis de letramento - referindo-se aos ditos analfabetos funcionais, alunos que apenas copiam, entre outros - até o uso de ferramentas, digitais ou não, e possíveis melhorias profissionais obtidas por meio de parcerias estabelecidas. Os objetivos claramente definidos na utilização das estratégias é conscientizar toda a comunidade escolar da gravidade do problema, necessitando de ação imediata e, principalmente, propondo um planejamento que abarque esses alunos, não excluindo-os além do que já o são socialmente. Enfim, necessitamos de recursos estruturais, transformando o próprio ambiente numa ferramenta de letramento, além das ferramentas supracitadas, tanto digitais quanto analógicas.
  • 4. 3 2. CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO Nome da organização: Colégio Estadual Thomaz Gomes Histórico da organização: O Colégio Estadual Thomaz Gomes foi fundado em 1944. Não possui Ato de Criação. Tem uma Escritura Pública de Doação de Terreno ao Estado do Rio de Janeiro em 29/06/47 com Nº de Ordem 5955 de 11/07/44. Em 1968 passa de Grupo Escolar Thomaz Gomes para Escola Estadual Thomaz Gomes através da Port. nº 1021/68. Em 1986 passou para Colégio Estadual Thomaz Gomes através do Decreto nº 9048 de 07/07/86. Não se sabe a origem de seu nome, pois não consta nos arquivos escolares, nem no Cartório local. Como na época era comum denominar escola de acordo com os antigos proprietários de terras, acredita-se que seu nome tenha a origem do 1º proprietário desta. Inicialmente atendendo alunos do que seria o atual Ensino Fundamental, no primeiro e segundo segmentos, do 1° ao 9° anos. Posteriormente reduzido ao atendimento das turmas regulares do Ensino Médio. Atualmente atende ao Novo Ensino Médio Regular e Integral, além da Educação para Jovens e Adultos do Novo Ensino Médio em turno noturno. Fundação, em 1944.
  • 6. 5 Missão: Prestar serviço à sociedade, preparando o indivíduo para se inserir no mundo em que vive, interpretando e pensando a realidade como um todo, de forma autônoma, tornando-o capaz de criticar e desenvolver expectativas e projetos em relação à sociedade. Visão: Por estar inserida na sociedade a escola, como entidade educacional e social, deve compreender a educação como fator de mediação de um projeto social, ou seja, por si, ele nem redime nem reproduz inteiramente a sociedade, mas serve de meio, ao lado de outros meios, para realizar o projeto de uma sociedade, mais justa e igualitária. Nosso objetivo é educar os novos cidadãos para que estes exerçam a cidadania plena, consciente e capaz de implementar mudanças verdadeiras na sociedade. Valores: Buscar a melhoria da qualidade de ensino, para que haja também melhoria na qualidade de vida e nas relações humanas. Exercitar a democracia e a cidadania, através do movimento de ação-reflexão-ação, buscando a participação e o comprometimento do grupo, traçando metas e alcançando objetivos. Descentralizar as decisões para que todos construam executem coletivamente, uma proposta educativa baseada na realidade da comunidade escolar. Introduzir questionamentos, visando à mudança nos procedimentos e atitudes da comunidade escolar, ao longo do processo ensino aprendizagem. Planejar e executar projetos, envolvendo pais, alunos, professores e funcionários Melhorar o processo de ensino e aprendizagem, de modo que os alunos usufruam da escola para aprender, construir, crescer e conviver. Criar um espaço para que professores possam refletir sobre ensinar e aprender Proporcionar situações de aprendizagem, vivenciando os valores morais e auxiliando os indivíduos na formação de uma sociedade mais justa e humana.
  • 7. 6 Infraestrutura: 01 sala de direção 01 secretaria 01 sala de professores 02 banheiros para professores 01 sala de coordenação pedagógica 01 laboratório informática 01 cozinha 01 quadra 05 banheiros (Masculino, Feminino, portadores NE e funcionários e professores) 08 salas de aula 01 sala de multimidia Corpo de funcionários: Total – 34 Onde 25 são professores Perfil dos alunos: Alunos na faixa etária entre de 14 e 18 anos, matriculados nas 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio Regular e Integral, além da Modalidade de Educação de Jovens e Adultos do Novo Ensino Médio. Esta última funcionando no turno da noite. Diretrizes pedagógicas: A educação consiste em conduzir a pessoa para o seu pleno desenvolvimento como ser, em prepara o individua para a vida adulta visando a sua realização futura. É tarefa do educador levar o educando para uma posição que o habilite a resolver seus problemas e a viver em sociedade.
  • 8. 7 O modismo, muitas vezes, no afã de utilizar o que é diferente, leva à aceitação de princípios, que ainda não comprovados a sua eficácia, leva a insatisfação dos resultados. Por outro lado, o medo de mudanças cria conflitos com a realidade em que as mudanças se fazem necessárias e inevitáveis. O processo educativo deve proporcionar a emancipação e a autonomia, para que os alunos passem a pensar e agir por si mesmo, sendo sujeitos do seu conhecimento. Por isso a importância do professor para resgatar o papel da escola, como elemento imprescindível na sociedade. Nesse processo o professor cresce junto com o aluno, atualizando-se para formar alunos que possam ocupar seu lugar na história. Aprendizagem e desenvolvimento se dão na interação, por isso exigem troca e cooperação mútua. A transdisciplinaridade mantém um diálogo constante com os outros conhecimentos e por isso é extremamente proveitosa no processo ensino-aprendizagem, onde alunos e professores são parceiros no saber e no aprender. “A atividade docente, por sua natureza e contato cotidiano com os alunos, é a principal fonte de aprendizagem, de formação de cidadania, do gosto pelo saber e pela permanência do aluno na Unidade Escolar” -(Art.34-Regimento Escolar). Toda comunidade escolar é responsável pela disciplina e ordem da Unidade Escolar de forma a buscar um ambiente propício ao desenvolvimento harmônico do processo educativo. (Parag. Único do Art.32 –Regimento Escolar).
  • 9. 8 3. DIAGNÓSTICO A diagnose aqui exposta é refletida partindo da observação dos Resultados do Censo Escolar e Ideb no período pré e pós-pandêmicos. Desta forma perceberemos, com riqueza de detalhes, que a pandemia em si mesma não foi a causa de tamanho problema no letramento da população do município atendido, mas agravou-a determinantemente. Sigamos, portanto, aos indicadores analisados e respectivos resultados. Observando a planilha, teremos a verificação de que a Formação Docente, desde a Educação Infantil até o Ensino Fundamental, nos Anos Iniciais e Finais, considerando os dados fornecidos pelo INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – não atendem a necessidade para traçar o perfil do profissional que ocupa essas salas de aula. Ressalto ainda, que o profissional Alfabetizador – termo repudiado, mas que me permito usar, sem necessariamente atrelá-lo às metodologias ultrapassadas – precisa ser formado. A Educação Superior não garante a qualidade ou habilidade deste raro e precioso trabalhador. Prosseguimos com o elemento Esforço Docente, que sintetiza em uma única medida - formando um paralelo antagônico ao exposto acima - aspectos do trabalho do professor que contribuem para a sobrecarga no exercício da profissão. Para tal, foram utilizadas as informações de números de turnos de trabalho, escolas e etapas de atuação, além da quantidade de alunos atendidos na Educação Básica. Vejamos a figura: Fonte: Além disso, poderemos ainda apontar a Média de Alunos por Turma, considerando apenas o que testemunhamos na referida escola, com salas de aula lotadas além de sua capacidade laborativa. Temos uma média de 40-46 alunos por turma, com raríssimas exceções. Para nem citar da falta de climatização até recursos financeiros para materiais básicos.
  • 10. 9 Agora observemos os dados relativos à aprendizagem na Rede Municipal e no CE Thomaz Gomes em 2019 e sua progressão negativa até 2021.
  • 11. 10
  • 12. 11
  • 13. 12 Fonte: https://qedu.org.br/escola/33016070-ce-thomaz-gomes/ideb Observemos, ainda, a distorção idade – série, identificada em 2022 e que tende ao agravamento, considerando o público que receberemos em 2024 – conhecendo dados da Rede Municipal de Carapebus.
  • 14. 13 Diante de tais dados, cabe-nos ainda perceber que o cerne do problema se concentra no Ensino Fundamental, nos Anos Iniciais e Finais. Este aluno não é alcançado e letrado no período desejado e objetivado, resultando num elevado números de discentes analfabetos completos ou funcionais no Ensino Médio. Para estudo mais aprofundado, sugiro ainda a leitura dos resultados da Ação Alfabetiza Brasil, realizada pelo INEP. Poderemos ainda refletir sobre os Resultados que serão encontrados no SAEB 2023 – Sistema de Avaliação da Educação Básica - que medirá o avanço da alfabetização no Brasil. Os principais desafios, portanto, a serem considerados, é letrar e alfabetizar os tais já neste segmento educacional. Não bastará, portanto, identificar, mas conscientizar o estudante e familiares da necessidade de uma prática pedagógica específica. A Formação Docente será outro desafio a ser enfrentado, pois o profissional licenciado não costuma ter este perfil e nem desejo de adotá-lo. A falta de Recursos Financeiros também será e grande impacto negativo para esta tarefa. Foram utilizadas pesquisas na intermete para apropriação dos dados da Educação Pública Nacional ( https://www.gov.br/inep/pt-br ), particularizando o município no qual a escola está inserida. A autora também faz parte da Coordenação Pedagógica do Ensino Fundamental, Anos Finais da cidade e vivencia tais fatos hodierna e cotidianamente. Razão pela qual inquietou-se a traçar este Projeto Tecnológico, numa tentativa cidadã de intervir na situação constatada. No contexto epistemológico, é importante ressaltar que a alfabetização é uma prática de letramento, não sendo, portanto, sinônimo. De acordo com Soares (1999), a palavra letramento é uma tradução da palavra inglesa literacy (“condição de ser letrado)4. Nesse caso, letrado assume o significado de educado; ou seja, aquele que tem a habilidade de ler e escrever5. A palavra letramento (letra + mento) possui o sufixo mento indicando o resultado de uma ação, portanto, pode-se definir letramento como, de acordo com Soares (1999) “o resultado da ação de “letrar-se” sendo assim: LETRAMENTO é o resultado da ação de ensinar e aprender as práticas sociais de leitura e escrita é o estado ou condição que adquire um grupo social ou indivíduo como consequência de ter-se apropriado da escrita e de suas práticas sociais. (SOARES, 1999, p. 4) A autora ressalta a diferença entre apropriar-se da escrita e da leitura, do ato de ter aprendido a ler e escrever. Para ela, aprender a ler e escrever refere-se à aquisição de uma tecnologia, a codificar (escrever) e decodificar (ler) a língua escrita. Já a apropriação dessas habilidades é o ato de tornar a escrita “própria”, sendo assim, de assumi-la como sua “propriedade”.
  • 15. 14 O letramento, nessa concepção, pode ser entendido como a ação de ensinar e aprender as práticas sociais de comunicação para agir no/sobre o mundo, e como resultado o sujeito terá se apropriado de práticas sociais relacionadas à leitura e à escrita. É preciso enfatizar, porém, que se apropriar da escrita não é o mesmo que aprender a ler e a escrever, isso porque ser alfabetizado não é sinônimo de ser letrado. Ser alfabetizado significa saber ler e escrever, ou seja, é ter-se apropriado do código escrito. Já ser letrado é saber usar socialmente a prática da leitura e da escrita, é fazer da escrita algo próprio. Por isso, este projeto tem como foco a investigação, análise e intervenção de como os processos de letramento se concretizarão nesta instituição até a terceira série do Ensino Médio. A seguir, detalharemos no Fluxograma o que nos norteará nas etapas de todo o processo.
  • 16. INÍCIO APLICAR questionário de múltipla escolha para os pais/ responsáveis na matrícula sobre alfabetização e letramento. (Secretaria) CONTABILIZAR, ANALISAR E CLASSIFICAR (não- alfabetizados; alfabetizados funcionais (copistas), iletrados; letrados) os dados levantados. (Secretaria) DESENVOLVER Planejamento Pedagógico com os professores para as diversas classificações obtidas. (Coord. Pedagógica) EXECUTAR levantamento das ferramentas, recursos e estrutura necessários para a execução da metodologia. (Direção Geral) PRODUZIR Material impresso e digital adequado às Práticas que serão desenvolvidas. COMUNICAR à Comunidade Escolar quanto ao imprescindível acompanhamento da família: Redes Socias e Rádio do Município. (Formar Equipe de Mídia: 2 Professores e 2 alunos) PROMOVER Reunião de Responsáveis com Presença e Apoio do Conselho Tutelar. Trabalhar e intensificar a conscientização da emergência da alfabetização e letramento. (Toda a Equipe) VERIFICAR se classificações iniciais se confirmam em sala de aula? IDENTIFICAR adequadamente para uso adequado da metodologia e materiais. PROCEDER à execução das Fases Observar os indicadores AVALIAR os alunos envolvidos por meio de relatórios dos professores para observar se poderão ser promovidos. FIM NÃO SIM
  • 18. 4. PROPOSTA Fase 1 Objetivos Metas Indicadores Capacitar docentes especificamente para alfabetizar e letrar no Ensino Médio. Desenvolver competência alfabetizadora e de letramento no profissional que está em sala de aula. 25 Professores aprovados no curso da plataforma AVAMEC e produzindo materiais dirigidos a este público especifico. Formas de acompanhamento da fase Utilizando a ferramenta digital AVAMEC (https://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/seb/curso/15577/informacoes) Utilizando a ferramenta digital AVAMEC e todo material e atividades propostas, além das avaliações e notas alcançadas. A profissional responsável desempenhará a função de mediadora no curso. https://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/seb/curso/14540/informacoes https://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/seb/curso/15577/informacoes Impactar ou erradicar o analfabetismo e o não letramento no Ensino Médio do C.E. Thomaz Gomes.
  • 19. 1 ATIVIDADE 1: Práticas de Alfabetização Formação de Professores em Neuroeducação Utilizar o material e metodologia proposta na plataforma para realizar a Formação dos docentes. Neuroeducação é um campo de estudo que une os princípios da neurociência cognitiva à prática educacional. Assim, o objetivo é entender como o cérebro funciona em relação ao aprendizado e como esse conhecimento pode ser aplicado para melhorar os métodos de ensino. Duração Responsável Início em: 01/02/2024 Danielle Ferreira Teixeira Rosa – Coordenadora Pedagógica. Término em: 03/05/2024 Equipe Professora de Língua Portuguesa Viviane Rangel Professora de Ciências da Natureza Natália Rapozo Professora de Ciências Humanas Helena Carvalho Professor de Matemática Marcelo Martins Disciplinas trabalhadas Parceiros envolvidos Linguagens, Matemática e Ciências da Natureza e Humanas. Profissionais citados acima e plataforma AVAMEC Resultados esperados Espera-se munir o professor para o enfrentamento ao quadro de analfabetismo ou falta de letramento nos aspectos em que se apresentarem. Desta forma, possibilitando aos alunos o verdadeiro acesso à educação. Formas de registro Fotografar os profissionais em sala de aula no curso de formação; entrevistar os alunos envolvidos no projeto; registrar a presenças em Atas de Conselho de Classe e na própria Formação; relatar a respostas dos profissionais e alunos envolvidos no projeto antes durante e depois do desenvolvimento; vídeos produzidos pelos próprios alunos e professores nas salas de aula.
  • 20. 2 Fase 2 Objetivos Metas Indicadores Dar suporte e ferramentas aos profissionais da instituição para desenvolverem o projeto. Garantir os recursos necessários para produção de materiais contextualizados e objetivos, elaborados pelo corpo docente para eficácia do projeto. Diminuição do quadro de infrequência dos discentes de 25% para 0; 112 alunos satisfatoriamente alfabetizados e letrados ao término do ano letivo de 2024. Formas de acompanhamento da fase Imprimir e arquivar portfólio de todo material impresso e registrar os acessos às plataformas e aplicativos digitais utilizados em sala de aula por meio de pequenos vídeos. ATIVIDADE 2: Materiais e Ferramentas Digitais na Sala de Aula Oferecer suporte, materiais impressos e ferramentas digitais para o trabalho dos professores em sala de aula. https://porvir.org/ferramentas-interativas-auxiliam-na-alfabetizacao/ https://drive.google.com/drive/folders/1lokYf19kGNZNdQfwN4jyq2el9r37qO8x?usp=sh aring Duração Responsável Início em: 05/2024 Direção Geral, Adjunta, Secretaria Escolar e Coordenação Pedagógica. Término em: 12/2024 Equipe Direção Geral Rosilene Lima Direção Adjunta Renilda Simeão Coordenação Pedagógica Danielle Rosa Disciplinas trabalhadas Parceiros envolvidos Todos os componentes curriculares.
  • 21. 3 Resultados esperados Provocar interesse por parte dos alunos utilizando dispositivos móveis no processo de ensino-aprendizagem, impactando o desinteresse e desmotivação. Formas de registro Produzir portfólio impresso dos materiais para arquivamento e modelo ou base para aperfeiçoamento de futuros projetos. Fase 3 Objetivos Metas Indicadores Provocar interesse dos alunos utilizando recursos digitais. Ampliar o entendimento das mídias e recursos digitais para os alunos a fim de que os utilizem para o benefício de seu aprendizado. Erradicar a evasão escolar e elevar índice Ideb de 3,98 para 5. Formas de acompanhamento da fase Professores produzem relatório previamente formatado e distribuído pela Coordenação Pedagógica quanto aos resultados alcançados nas turmas.
  • 22. 4 ATIVIDADE 3: FERRAMENTAS DIGITAIS Utilizar a plataforma GPT como ampliador e corretor de vocabulário, além de ferramenta de letramento. https://portalconteudoaberto.com.br/professor/o-chat-gpt-na-educacao-a-ultima-das- grandes-ondas-tecnologicas-ate-agora/ Duração Responsável Início em: 07/2024 Todos os professores alocados nas turmas e Monitoramento pela Coordenação Pedagógica. Término em: 12/2024 Equipe Professores de todos os Componentes curriculares Corpo Docente Coordenação Pedagógica Danielle Rosa Disciplinas trabalhadas Parceiros envolvidos Todo o componente curricular. Resultados esperados Ampliar e enriquecer o vocabulário e estruturação dos alunos em letramento nos mais variados gêneros textuais. Formas de registro Exposição dos trabalhos dos alunos nos murais espalhados por toda a escola.
  • 23. 5 Cronograma do projeto: Fases Atividades Jan Fev. Mar Abr. Mai Jun. Jul Ago. Set Out Nov. Dez 1 Ativ. 1 2 Ativ. 2 3 Ativ. 3
  • 24. 6 5. PLANO DE COMUNICAÇÃO Observar os resultados obtidos no Conselho de Classe Final, no ano de 2023, além de apontar os dados de reprovação e aspectos de desinteresse e até mesmo indisciplina por parte dos alunos e trazer ao Corpo Discente a reflexão da necessidade urgente de alteração e dinamização da prática pedagógica para erradicação do analfabetismo e iletramento na instituição. Mostra de vídeos em que os atores envolvidos na comunidade escolar elaboraram e executaram ações educacionais bem-sucedidas. Para sensibilização dos demais (Responsáveis e Alunos) realizar a Reunião de Responsáveis na segunda semana de aulas, após o Acolhimento. Evento de lançamento do projeto: Reunião de Pais e Responsáveis. Demais ações de comunicação: Fase do projeto: Tipo de comunicação e canal de comunicação utilizado: Breve indicação da proposta da mensagem: Responsável pela comunicação: FASE 1 Salas de Aula. Páginas do Facebook e Instagram. WhatsApp dos Representantes de Turma. Rádio Popular Municipal e Rádio Escolar. Reativar Blog da Escola. Venha Ler o Mundo conosco! Equipe de Marketing e Multimidia formada por 2 professores e 2 alunos. FASE 2 Idem Letramento Digital Idem FASE 3 Idem Amadurecendo o domínio do Mundo Digital Idem
  • 25. 7 6. PLANEJAMENTO DOS RECURSOS Todo o Projeto foi pensado utilizando os poucos, porém existentes recursos disponíveis na instituição. O objetivo é não depender de verbas que hodiernamente não chegam ou não podem ser usadas por questões burocráticas. Observe-se, portanto, que os elementos necessários serão abaixo elencados: ELETRICIDADE; SALAS DE AULA; PAPÉIS PARA IMPRESSÃO; COPIADORA; MANUTENÇÃO DA COPIADORA; RECARGA DE TONNER; 5 COMPUTADORES, 15 TABLETS (Tablet PC, 5 MP 13 MP 256 GB ROM Tablet de 10,1 Polegadas 8 GB RAM 1,5 GHz Octa Core) E CELULARES; INTERNETE; SALA MULTIMÍDIA. Ressalvo, ainda, que a razão para não propor formalmente o uso da Biblioteca como atividade a ser desenvolvida é ter sido “perdida” neste ano, transformando-se em mais uma sala de aula para atender à demanda de alunos aguardando vagas para cursar o ano letivo de 2023. Portanto, não temos segurança de que a teremos como parte da estrutura novamente. Necessidade de recursos por categoria Valores Obras e instalações - Material permanente (Dispositivos) R$ 5.100,00 Material de consumo (Papel, tonner) R$ 20.000,00 Gastos com locomoção - Serviços de terceiros (Manutenção) - R$ 8.000,00 Gastos com pessoal - Total de recursos necessários R$ 33.100,00
  • 26. 8 Fontes de recursos: SEEDUC Estimativa de horas dedicadas ao projeto: Ano Letivo. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Conclui-se à urgência do desenvolvimento deste projeto como primazia a quaisquer outros objetivos que se deseje alcançar. Tanto alfabetização no domínio dos signos linguísticos quanto letramento adequado dos discentes no Ensino Médio, constituem fator imprescindível para cidadania, garantia de acesso à educação plena e qualidade de vida. A educação qualitativa é, antes de tudo, uma arma eficaz contra as desigualdades e ferramenta de transformação. Cumpre-se, ainda, evidenciar que este projeto deseja principiar e não encerrar toda e qualquer prática pedagógica neste âmbito. Inversamente, pretende aperfeiçoar-se a cada etapa percorrida, quantas vezes forem necessárias. REFERÊNCIAS https://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/9018/2/CT_COLET_%202013_2_01. pdf https://portalconteudoaberto.com.br/professor/neuroeducacao/ https://www.1000respostas.com/artigo/vantagens-computacao-alfabetizacao- a44c8f414f38081e?utm_content=params%3Aad%3DdirN%26qo%3DserpIndex%26o %3D1673073%26ag%3Dfw59&ueid=DAC14365-F008-4D43-B4C7- 05B46C281353&utm_source=grs-expanded-v1 https://portalconteudoaberto.com.br/professor/o-chat-gpt-na-educacao-a-ultima-das- grandes-ondas-tecnologicas-ate-agora/