SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Métodos Qualitativos
Aplicados à Administração
Pesquisa-ação
Introdução
(Contexto, Definição, Origem e Tipologias)
 Anos 70/80 – Insatisfação resultados
pesquisa positivista x práticas sociais
 Reflexão sobre o conhecimento cientifico a
partir do estudo das praticas reais.
 Surgimento de Movimentos Sociais e de
Direitos Civis
 Surgem diferentes esforços de pesquisa
participativa nas ciências sociais
 Proposta de aproximar o pesquisador, objeto
e sujeito de pesquisa.
Contexto
 Final dos Anos 40 - Kurt Lewin (psicólogo) surge
como precursor do uso da pesquisa voltada à
ação, com o objetivo do aprimoramento das
práticas dos profissionais (FRENCH, 2009).
 Eden e Huxhan (1996), ressaltam que durante a
mesma época, Collier se utilizou um sistema de
intervenção colaborativa muito próxima a proposta
atual de pesquisa ação. Existe na literatura vários
autores que contribuíram para a construção da
pesquisa ação durante todo o tempo.
 Com o intuito de juntar os conceitos de
reorganização sociotécnica com a metodologia de
pesquisa de intervenção afim de ir aumentar a
produtividade industrial sem conexões ideológicas,
esse conceito ganhou força nos EUA
Surgimento
 “Estratégia de pesquisa cientifica voltada
para a ação e intervenção do pesquisador
nas práticas de grupos sociais e
organizacionais, com o objetivo de
proporcionar mudança, melhorias,
emancipação social e a construção
colaborativa do conhecimento a partir da
reflexão sobre essa práticas e mudanças”
(FRANZOLINI, J, et. Al, 2013)
 A pesquisa-ação é entendida como:
investigação colaborativa.
Definição
 Forma de estudo qualitativo, muito especifica, envolvendo
pesquisador, membro da organização e participantes,
interesse em agir bom base na intervenção e mudanças
propostas (EDEN; HUXMAN, 1996)
 Proposta intervencionista de pesquisa, preocupada com as
praticas e praticantes inseridos em um contexto especifico,
requerentes por melhorias de mudanças (COUGHLAN, 2007;
THIOLLENT, 1997)
 Uma experiência que se passa no mundo real, onde
pesquisadores são agentes de acontecimentos deliberados de
caráter irreversível
 Forma de trabalho de campo, utilizando múltiplas técnicas de
pesquisa, através de três elementos centrais (ação, pesquisa
e participação). Exige-se do pesquisador experiência com o
ambiente de trabalho e conhecimento de várias alteravas de
coleta e análise de informação e resultados.
Variações
sobre o tema
 Integração da teoria e prática
 Distingue-se pelo ciclo interativo de
identificação de problemas, diagnóstico,
planejamento, intervenção e avaliação dos
resultados de ação para aprender e planejar
intervenções subsequentes
 Compreensão interpretativa das "teorias em
uso", em oposição às "teorias adotadas“
 Um processo de construção, teste e
modificação de hipóteses dentro de contextos
organizacionais, de modo a resolver
problemas.
Outros
conceitos
importantes
 Pesquisa-ação;
 Pesquisa participativa;
 Aprendizagem de ações;
 Ciência da ação;
 Inquérito de ação de desenvolvimento;
 Inquérito cooperativo.
(Raelin, 1999)
Tipos de
Pesquisa em
categorização de
estratégia de ação
 Experimental
Estudar as coisas através da mudança delas e depois de ver os efeitos dessas
mudanças de modo que o teste rigoroso das hipóteses não seja sacrificado, nem a
relação com a prática perdida. Experimentar algo através de rigor cientifico
 Indutiva
Tentar acessar indutivamente as culturas dos participantes da pesquisa, em seus
contextos naturais.
 Pesquisa de ação participativa
Compreender as práticas existentes como construções sociais; tornar-se
consciente do seu próprio papel na produção e reprodução dessas práticas;
interpretar essas práticas como mutáveis; identificar como eles podem intervir na
evolução de suas organizações e da sociedade.
 Participativa
Realidades subjetivas desses participantes da "ordem superior" são acessadas,
avaliadas e desenvolvidas à luz de sua reflexão sobre suas próprias necessidades
percebidas: um processo no qual o pesquisador da ação atua como facilitador.
 Desconstrutiva
Consiste em descontruir ações organizacionais de forma reflexiva. Incentivando a
resistência e o espaço para narrativas alternativas, sem advogar qualquer
preferência. Questionar o familiar.
Tipos de
Pesquisa-Ação
Outras
tipologias
propostas
French (2009) – três características da pesquisa-
ação
Técnica – analise de viabilidade prática
Prática – aproximação pesquisador e praticante
Emancipatória – envolvimento de todos
Outras características importantes;
Colaboração – interação entre pesquisadores e
participantes
Solução de problemas –
Mudança
Desenvolvimento da teoria
French (2009)
Usa a ação como parte integral da pesquisa, integrando
pensamento e ação;
Está concentrada nos valores profissionais do pesquisador e
não em considerações metodológicas;
Permite aos praticantes pesquisar sua própria atividade
profissional;
Ajuda a melhorar a pratica no local de trabalho;
Ajuda os gestores em seu desenvolvimento profissional, através
do exame critico de suas ações e crenças próprias;
Capacita os gestores em competências multidisciplinares e a
trabalhar além de limitações técnicas, culturais e funcionais
Ajuda os gestores a implementar a mudança efetivamente
É focada no problema, especifico do contexto e orientada ao
futuro
Ajuda desenvolver um entendimento holístico da situação
Pode ser usada uma variedade de métodos de coleta de dados.
Benefícios e
Aplicação do
Método
Reflexão inicial
exploratória
Planejamento
ou pesquisa
aprofundada
• Mudança
Ação • Aprendizagem
Observação,
reflexão e
avaliação das
ações
• Relatório de
Pesquisa
Construção do conhecimento
As etapas do
processo de
pesquisa-ação
Critérios de
Validação da
Pesquisa-ação
 Participantes: o critério de inclusão, não
participação ou exclusão
 Engajamento: métodos e ferramentas empregados
para engajar as pessoas
 Autoridade: reflexão sobre quem autorizou ou
apoiou
 Relacionamentos: Análise de relações entre
indivíduos e entre a situação enfocada e seu
ambiente
 Aprendizagem: Registro de intervenções (ou não
intervenções) acordadas, o progresso dos
participantes e aprendizados gerados.
(Macke, 2010), (Thilelent, 1997)
Critério Descrição
Validade
Construtiva
Definir os tipos e formas de
mensurar as mudanças
Múltiplas fontes de evidencia
Cadeia de evidência
Revisão do rascunho de relatório
por pessoas chave
Validade Interna Relação de causa-efeito
Validade Externa Generalização Analítica
Expandir e generalizar teorias
Confiabilidade Repetição
Critérios para
mensuração de
validade cientifica
na pesquisa-ação
 Thiollent (1997, p33.), afirma que, a pesquisa ação
propicia um sentimento comum que todos os
participantes empresam sobre o desejo de
mudança, os problemas e as possíveis soluções.
 Atualmente, a pesquisa-ação é usada em uma
grande variedade de trabalhos em ciências sociais,
mais especificamente em áreas como
desenvolvimento organizacional, educação, saúde
e assistência social. (FRENCH, 2009),
Atualmente,
Pesquisa feita entre 2001 e 2010 nos eventos vinculados à
Anpad e periódicos da área
30 artigos em eventos
25 EnANPAD – Encontro da ANPAD
4 EnEO – Encontro de Estudos Organizacionais
Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica
4 artigos em periódicos
1 BAR – Brazilian Administration Review
1 Revista Produção
1 RAM- Revista de Administração Mackenize
1 REAd – Revista Eletrônica de Administração
 Pouco recorrente em estudos dessa área
 Desequilíbrio entre eventos e periódicos
 EnANPAD – como a principal fonte desse tipo de artigo
 No estudo dos anos, percebe-se uma não regularidade de
estudos com esse método.
Análise Bibliomética
– O uso da
Pesquisa-ação em
Administração do
Brasil -
Referências:
CASSEL, C.; JOHNSON, P. Action research: explaining the
diversity. In: Human Relations, Vol. 59, N.6, 2006, p. 783-814.
FRANZOLINI, J.; MINGHINI, L.; LOURENÇO, M. Pesquisa ação.
In: TAKAHASHI, A. (Org.) Pesquisa Qualitativa em Administração:
Fundamentos, Métodos e Usos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2013,
pp. 223-258.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
Ética na pesquisa científica
Ética na pesquisa científicaÉtica na pesquisa científica
Ética na pesquisa científica
 
Metodos e tecnicas de pesquisa
Metodos e tecnicas de pesquisaMetodos e tecnicas de pesquisa
Metodos e tecnicas de pesquisa
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
 
Modelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em wordModelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em word
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
 
Apresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaApresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativa
 
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDEEDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica   Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
 
Apresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoApresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científico
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 

Semelhante a Pesquisa-acao

pesquisa ação.pdf
pesquisa ação.pdfpesquisa ação.pdf
pesquisa ação.pdfRafael Poiate
 
Pesquisa Participante e Intervenção Formativa
Pesquisa Participante e Intervenção FormativaPesquisa Participante e Intervenção Formativa
Pesquisa Participante e Intervenção FormativaUTFPR
 
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesignPesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesignCezar de Costa
 
Aula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científicaAula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científicaMarina Atzingen
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaadriano09
 
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativaPesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativaUFES
 
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveis
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveisProjecto de elaboração de projetos de energia renováveis
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveisMrioRondinho
 
Estudo de caso planejamento e método
Estudo de caso  planejamento e métodoEstudo de caso  planejamento e método
Estudo de caso planejamento e métodoRosane Domingues
 
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisaPRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisaEpic UFMG
 

Semelhante a Pesquisa-acao (20)

Pesquisa-ação
Pesquisa-açãoPesquisa-ação
Pesquisa-ação
 
pesquisa ação.pdf
pesquisa ação.pdfpesquisa ação.pdf
pesquisa ação.pdf
 
Pesquisa acao david_tripp
Pesquisa acao david_trippPesquisa acao david_tripp
Pesquisa acao david_tripp
 
Pesquisa Participante e Intervenção Formativa
Pesquisa Participante e Intervenção FormativaPesquisa Participante e Intervenção Formativa
Pesquisa Participante e Intervenção Formativa
 
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesignPesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
 
Pesquisação
PesquisaçãoPesquisação
Pesquisação
 
Pesq ação colab
Pesq ação colabPesq ação colab
Pesq ação colab
 
Ipc
IpcIpc
Ipc
 
Aula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científicaAula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científica
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
 
Pesquisa-ação: uma metodologia de consultoria
Pesquisa-ação: uma metodologia de consultoriaPesquisa-ação: uma metodologia de consultoria
Pesquisa-ação: uma metodologia de consultoria
 
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativaPesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
 
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveis
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveisProjecto de elaboração de projetos de energia renováveis
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveis
 
Ferramentas para metodologias participativas parte 1
Ferramentas para metodologias participativas parte 1Ferramentas para metodologias participativas parte 1
Ferramentas para metodologias participativas parte 1
 
Estudo de caso planejamento e método
Estudo de caso  planejamento e métodoEstudo de caso  planejamento e método
Estudo de caso planejamento e método
 
Estudo de Caso
Estudo de CasoEstudo de Caso
Estudo de Caso
 
Elogio da prática como fonte de teoria
Elogio da prática como fonte de teoriaElogio da prática como fonte de teoria
Elogio da prática como fonte de teoria
 
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisaPRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
 
113631 41331
113631 41331113631 41331
113631 41331
 

Último

Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 

Último (20)

Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 

Pesquisa-acao

  • 1. Métodos Qualitativos Aplicados à Administração Pesquisa-ação
  • 3.  Anos 70/80 – Insatisfação resultados pesquisa positivista x práticas sociais  Reflexão sobre o conhecimento cientifico a partir do estudo das praticas reais.  Surgimento de Movimentos Sociais e de Direitos Civis  Surgem diferentes esforços de pesquisa participativa nas ciências sociais  Proposta de aproximar o pesquisador, objeto e sujeito de pesquisa. Contexto
  • 4.  Final dos Anos 40 - Kurt Lewin (psicólogo) surge como precursor do uso da pesquisa voltada à ação, com o objetivo do aprimoramento das práticas dos profissionais (FRENCH, 2009).  Eden e Huxhan (1996), ressaltam que durante a mesma época, Collier se utilizou um sistema de intervenção colaborativa muito próxima a proposta atual de pesquisa ação. Existe na literatura vários autores que contribuíram para a construção da pesquisa ação durante todo o tempo.  Com o intuito de juntar os conceitos de reorganização sociotécnica com a metodologia de pesquisa de intervenção afim de ir aumentar a produtividade industrial sem conexões ideológicas, esse conceito ganhou força nos EUA Surgimento
  • 5.  “Estratégia de pesquisa cientifica voltada para a ação e intervenção do pesquisador nas práticas de grupos sociais e organizacionais, com o objetivo de proporcionar mudança, melhorias, emancipação social e a construção colaborativa do conhecimento a partir da reflexão sobre essa práticas e mudanças” (FRANZOLINI, J, et. Al, 2013)  A pesquisa-ação é entendida como: investigação colaborativa. Definição
  • 6.  Forma de estudo qualitativo, muito especifica, envolvendo pesquisador, membro da organização e participantes, interesse em agir bom base na intervenção e mudanças propostas (EDEN; HUXMAN, 1996)  Proposta intervencionista de pesquisa, preocupada com as praticas e praticantes inseridos em um contexto especifico, requerentes por melhorias de mudanças (COUGHLAN, 2007; THIOLLENT, 1997)  Uma experiência que se passa no mundo real, onde pesquisadores são agentes de acontecimentos deliberados de caráter irreversível  Forma de trabalho de campo, utilizando múltiplas técnicas de pesquisa, através de três elementos centrais (ação, pesquisa e participação). Exige-se do pesquisador experiência com o ambiente de trabalho e conhecimento de várias alteravas de coleta e análise de informação e resultados. Variações sobre o tema
  • 7.  Integração da teoria e prática  Distingue-se pelo ciclo interativo de identificação de problemas, diagnóstico, planejamento, intervenção e avaliação dos resultados de ação para aprender e planejar intervenções subsequentes  Compreensão interpretativa das "teorias em uso", em oposição às "teorias adotadas“  Um processo de construção, teste e modificação de hipóteses dentro de contextos organizacionais, de modo a resolver problemas. Outros conceitos importantes
  • 8.  Pesquisa-ação;  Pesquisa participativa;  Aprendizagem de ações;  Ciência da ação;  Inquérito de ação de desenvolvimento;  Inquérito cooperativo. (Raelin, 1999) Tipos de Pesquisa em categorização de estratégia de ação
  • 9.  Experimental Estudar as coisas através da mudança delas e depois de ver os efeitos dessas mudanças de modo que o teste rigoroso das hipóteses não seja sacrificado, nem a relação com a prática perdida. Experimentar algo através de rigor cientifico  Indutiva Tentar acessar indutivamente as culturas dos participantes da pesquisa, em seus contextos naturais.  Pesquisa de ação participativa Compreender as práticas existentes como construções sociais; tornar-se consciente do seu próprio papel na produção e reprodução dessas práticas; interpretar essas práticas como mutáveis; identificar como eles podem intervir na evolução de suas organizações e da sociedade.  Participativa Realidades subjetivas desses participantes da "ordem superior" são acessadas, avaliadas e desenvolvidas à luz de sua reflexão sobre suas próprias necessidades percebidas: um processo no qual o pesquisador da ação atua como facilitador.  Desconstrutiva Consiste em descontruir ações organizacionais de forma reflexiva. Incentivando a resistência e o espaço para narrativas alternativas, sem advogar qualquer preferência. Questionar o familiar. Tipos de Pesquisa-Ação
  • 10. Outras tipologias propostas French (2009) – três características da pesquisa- ação Técnica – analise de viabilidade prática Prática – aproximação pesquisador e praticante Emancipatória – envolvimento de todos Outras características importantes; Colaboração – interação entre pesquisadores e participantes Solução de problemas – Mudança Desenvolvimento da teoria
  • 11. French (2009) Usa a ação como parte integral da pesquisa, integrando pensamento e ação; Está concentrada nos valores profissionais do pesquisador e não em considerações metodológicas; Permite aos praticantes pesquisar sua própria atividade profissional; Ajuda a melhorar a pratica no local de trabalho; Ajuda os gestores em seu desenvolvimento profissional, através do exame critico de suas ações e crenças próprias; Capacita os gestores em competências multidisciplinares e a trabalhar além de limitações técnicas, culturais e funcionais Ajuda os gestores a implementar a mudança efetivamente É focada no problema, especifico do contexto e orientada ao futuro Ajuda desenvolver um entendimento holístico da situação Pode ser usada uma variedade de métodos de coleta de dados. Benefícios e Aplicação do Método
  • 12. Reflexão inicial exploratória Planejamento ou pesquisa aprofundada • Mudança Ação • Aprendizagem Observação, reflexão e avaliação das ações • Relatório de Pesquisa Construção do conhecimento As etapas do processo de pesquisa-ação
  • 13. Critérios de Validação da Pesquisa-ação  Participantes: o critério de inclusão, não participação ou exclusão  Engajamento: métodos e ferramentas empregados para engajar as pessoas  Autoridade: reflexão sobre quem autorizou ou apoiou  Relacionamentos: Análise de relações entre indivíduos e entre a situação enfocada e seu ambiente  Aprendizagem: Registro de intervenções (ou não intervenções) acordadas, o progresso dos participantes e aprendizados gerados. (Macke, 2010), (Thilelent, 1997)
  • 14. Critério Descrição Validade Construtiva Definir os tipos e formas de mensurar as mudanças Múltiplas fontes de evidencia Cadeia de evidência Revisão do rascunho de relatório por pessoas chave Validade Interna Relação de causa-efeito Validade Externa Generalização Analítica Expandir e generalizar teorias Confiabilidade Repetição Critérios para mensuração de validade cientifica na pesquisa-ação
  • 15.  Thiollent (1997, p33.), afirma que, a pesquisa ação propicia um sentimento comum que todos os participantes empresam sobre o desejo de mudança, os problemas e as possíveis soluções.  Atualmente, a pesquisa-ação é usada em uma grande variedade de trabalhos em ciências sociais, mais especificamente em áreas como desenvolvimento organizacional, educação, saúde e assistência social. (FRENCH, 2009), Atualmente,
  • 16. Pesquisa feita entre 2001 e 2010 nos eventos vinculados à Anpad e periódicos da área 30 artigos em eventos 25 EnANPAD – Encontro da ANPAD 4 EnEO – Encontro de Estudos Organizacionais Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica 4 artigos em periódicos 1 BAR – Brazilian Administration Review 1 Revista Produção 1 RAM- Revista de Administração Mackenize 1 REAd – Revista Eletrônica de Administração  Pouco recorrente em estudos dessa área  Desequilíbrio entre eventos e periódicos  EnANPAD – como a principal fonte desse tipo de artigo  No estudo dos anos, percebe-se uma não regularidade de estudos com esse método. Análise Bibliomética – O uso da Pesquisa-ação em Administração do Brasil -
  • 17. Referências: CASSEL, C.; JOHNSON, P. Action research: explaining the diversity. In: Human Relations, Vol. 59, N.6, 2006, p. 783-814. FRANZOLINI, J.; MINGHINI, L.; LOURENÇO, M. Pesquisa ação. In: TAKAHASHI, A. (Org.) Pesquisa Qualitativa em Administração: Fundamentos, Métodos e Usos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2013, pp. 223-258.