SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Clique aqui para adicionar um título
Pesquisa-ação: ferramenta
metodológica para a pesquisa
qualitativa
Koerich MS, Backes DS, Sousa FGM, Erdmann AL, Alburquerque GL.
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa.
Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2009;11(3):717-23. Available
from: http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n3/v11n3a33.htm.
Grupo de Estudos e Pesquisas em Administração de Enfermagem e Saúde
(GEPADES), junto ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da
Universidade Federal de Santa Catarina.
RESUMO
A pesquisa-ação é um tipo de pesquisa interpretativa que
abarca um processo metodológico empírico. Compreende a
identificação do problema dentro de um contexto social e/ou
institucional, o levantamento de dados relativos ao
problema, à análise e significação dos dados levantados
pelos participantes, a identificação da necessidade de
mudança, o levantamento de possíveis soluções e por fim, a
intervenção e/ou ação propriamente dita no sentido de aliar
pesquisa e ação, simultaneamente. Face a pouca utilização
dessa metodologia nas práticas de saúde, esse estudo tem
por objetivo refletir e apresentar a pesquisa-ação enquanto
uma importante ferramenta metodológico-gerencial capaz
de aliar teoria e prática por meio de uma ação que visa a
transformação de uma determinada realidade.
CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES
Nessa perspectiva, a pesquisa-ação é
caracterizada como um tipo de pesquisa
social com base empírica, concebida e
realizada em estreita associação com uma
ação ou com a resolução de um problema
coletivo no qual os pesquisadores e os
participantes, representativos da situação
e/ou do problema, estão envolvidos de
forma cooperativa e participativa(3-5).
CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES
A pesquisa-ação visa fornecer aos
pesquisadores e grupos sociais os meios de
se tornarem capazes de responder com
maior eficiência aos problemas da situação
em que vivem, em particular sob a forma
de estratégias de ação transformadora e,
ainda, facilitar a busca de soluções face aos
problemas para os quais os procedimentos
convencionais têm contribuído pouco.
CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES
CONTEXTUALIZANDO A PESQUISA-
AÇÃO COMO FERRAMENTA
METODOLÓGICA
A condição para ser pesquisa-ação crítica
requer um mergulho na práxis do grupo social
em estudo, do qual se extraem as perspectivas
latentes e o não familiar que sustenta as
práticas, sendo as mudanças negociadas e
geridas no coletivo. Nessa direção, a pesquisa-
ação colaborativa, na maioria das vezes,
assume também o caráter de criticidade(4-5).
CONTEXTUALIZANDO A PESQUISA-
AÇÃO COMO FERRAMENTA
METODOLÓGICA
Considerando a importância atribuída à pesquisa interpretativista,
especialmente à pesquisa-ação, como possibilidade de intervir na realidade
de diferentes grupos sociais, buscamos informações, no banco de
dissertações e teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível
Superior (CAPES), na intenção de identificar sua utilização na área da saúde e
Enfermagem. Localizamos os trabalhos desenvolvidos entre 2003 e 2007, a
partir dos descritores: pesquisa-ação em saúde; pesquisa-ação em
enfermagem e; pesquisa-ação e educação popular. Assim, para o primeiro
descritor foram encontradas duas teses e uma dissertação; com o segundo,
dezessete teses e nenhuma dissertação; enquanto o terceiro mostrou
apenas uma tese. Isso indica uma utilização, ainda escassa, dessa
metodologia de pesquisa na área da saúde e coloca a Enfermagem como o
campo do saber em saúde que mais se apropria da pesquisa-ação para
produção de conhecimentos, aliando pesquisa e prática.
CONTEXTUALIZANDO A PESQUISA-
AÇÃO COMO FERRAMENTA
METODOLÓGICA
Outro aspecto interessante na busca por estudos que utilizaram
pesquisa-ação na Enfermagem foi a imensa concentração deles
(77%) em uma única instituição, a Universidade de São Paulo,
apontando para a necessidade de maior divulgação dessa
metodologia. Destaca-se que essa informação é restrita às teses
e dissertações catalogadas na CAPES sem considerar consulta às
publicações na forma de artigos científicos.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A função da universidade não pode restringir-se
ao ensino técnico-científico formal, mas também
em oferecer oportunidades para aplicar tais
conhecimentos na prática. O fazer na área da
saúde/enfermagem envolve, por excelência, um
agir interativo e intersubjetivo. Nessa perspectiva,
a pesquisa-ação se constitui numa importante
ferramenta metodológica pela possibilidade de
agregar valores, sentimentos, ações e, por ampliar
e estreitar a rede de interações entre sujeito-
objeto e teoria-prática.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa

Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunesTeoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
PROIDDBahiana
 
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativaA elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
Pascoal Lisian
 
Metodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicinaMetodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicina
gisa_legal
 
Metodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicinaMetodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicina
gisa_legal
 
Metodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicinaMetodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicina
gisa_legal
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
adriano09
 

Semelhante a Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa (20)

Pesquisa-ação
Pesquisa-açãoPesquisa-ação
Pesquisa-ação
 
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisaPRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
 
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdfrevisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
 
Pesquisação
PesquisaçãoPesquisação
Pesquisação
 
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesignPesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
 
MIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptxMIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptx
 
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunesTeoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
 
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativaA elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
A elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
 
Quest
QuestQuest
Quest
 
Usuários da informação sob a perspectiva fenomenológica: revisão de literatur...
Usuários da informação sob a perspectiva fenomenológica: revisão de literatur...Usuários da informação sob a perspectiva fenomenológica: revisão de literatur...
Usuários da informação sob a perspectiva fenomenológica: revisão de literatur...
 
Galvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdfGalvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdf
 
Metodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicinaMetodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicina
 
Metodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicinaMetodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicina
 
Metodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicinaMetodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicina
 
Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso.pdf
Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso.pdfAspectos das fortalezas e fragilidades no uso.pdf
Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso.pdf
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
 
Pesquisa ação
Pesquisa açãoPesquisa ação
Pesquisa ação
 
A Greve Estudantil de um curso de Psicologia como Metacontingência
A Greve Estudantil de um curso de Psicologia como MetacontingênciaA Greve Estudantil de um curso de Psicologia como Metacontingência
A Greve Estudantil de um curso de Psicologia como Metacontingência
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
 
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
 

Último

Último (20)

Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa

  • 1. Clique aqui para adicionar um título
  • 2. Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa Koerich MS, Backes DS, Sousa FGM, Erdmann AL, Alburquerque GL. Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2009;11(3):717-23. Available from: http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n3/v11n3a33.htm. Grupo de Estudos e Pesquisas em Administração de Enfermagem e Saúde (GEPADES), junto ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina.
  • 3. RESUMO A pesquisa-ação é um tipo de pesquisa interpretativa que abarca um processo metodológico empírico. Compreende a identificação do problema dentro de um contexto social e/ou institucional, o levantamento de dados relativos ao problema, à análise e significação dos dados levantados pelos participantes, a identificação da necessidade de mudança, o levantamento de possíveis soluções e por fim, a intervenção e/ou ação propriamente dita no sentido de aliar pesquisa e ação, simultaneamente. Face a pouca utilização dessa metodologia nas práticas de saúde, esse estudo tem por objetivo refletir e apresentar a pesquisa-ação enquanto uma importante ferramenta metodológico-gerencial capaz de aliar teoria e prática por meio de uma ação que visa a transformação de uma determinada realidade.
  • 4. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Nessa perspectiva, a pesquisa-ação é caracterizada como um tipo de pesquisa social com base empírica, concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo no qual os pesquisadores e os participantes, representativos da situação e/ou do problema, estão envolvidos de forma cooperativa e participativa(3-5).
  • 5. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES A pesquisa-ação visa fornecer aos pesquisadores e grupos sociais os meios de se tornarem capazes de responder com maior eficiência aos problemas da situação em que vivem, em particular sob a forma de estratégias de ação transformadora e, ainda, facilitar a busca de soluções face aos problemas para os quais os procedimentos convencionais têm contribuído pouco.
  • 7. CONTEXTUALIZANDO A PESQUISA- AÇÃO COMO FERRAMENTA METODOLÓGICA A condição para ser pesquisa-ação crítica requer um mergulho na práxis do grupo social em estudo, do qual se extraem as perspectivas latentes e o não familiar que sustenta as práticas, sendo as mudanças negociadas e geridas no coletivo. Nessa direção, a pesquisa- ação colaborativa, na maioria das vezes, assume também o caráter de criticidade(4-5).
  • 8. CONTEXTUALIZANDO A PESQUISA- AÇÃO COMO FERRAMENTA METODOLÓGICA Considerando a importância atribuída à pesquisa interpretativista, especialmente à pesquisa-ação, como possibilidade de intervir na realidade de diferentes grupos sociais, buscamos informações, no banco de dissertações e teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), na intenção de identificar sua utilização na área da saúde e Enfermagem. Localizamos os trabalhos desenvolvidos entre 2003 e 2007, a partir dos descritores: pesquisa-ação em saúde; pesquisa-ação em enfermagem e; pesquisa-ação e educação popular. Assim, para o primeiro descritor foram encontradas duas teses e uma dissertação; com o segundo, dezessete teses e nenhuma dissertação; enquanto o terceiro mostrou apenas uma tese. Isso indica uma utilização, ainda escassa, dessa metodologia de pesquisa na área da saúde e coloca a Enfermagem como o campo do saber em saúde que mais se apropria da pesquisa-ação para produção de conhecimentos, aliando pesquisa e prática.
  • 9. CONTEXTUALIZANDO A PESQUISA- AÇÃO COMO FERRAMENTA METODOLÓGICA Outro aspecto interessante na busca por estudos que utilizaram pesquisa-ação na Enfermagem foi a imensa concentração deles (77%) em uma única instituição, a Universidade de São Paulo, apontando para a necessidade de maior divulgação dessa metodologia. Destaca-se que essa informação é restrita às teses e dissertações catalogadas na CAPES sem considerar consulta às publicações na forma de artigos científicos.
  • 10. CONSIDERAÇÕES FINAIS A função da universidade não pode restringir-se ao ensino técnico-científico formal, mas também em oferecer oportunidades para aplicar tais conhecimentos na prática. O fazer na área da saúde/enfermagem envolve, por excelência, um agir interativo e intersubjetivo. Nessa perspectiva, a pesquisa-ação se constitui numa importante ferramenta metodológica pela possibilidade de agregar valores, sentimentos, ações e, por ampliar e estreitar a rede de interações entre sujeito- objeto e teoria-prática.