Pesquisa ação

4.277 visualizações

Publicada em

Método de pesquisa

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.277
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
209
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa ação

  1. 1. PESQUISA AÇÃOAndré OrtheyCarla CristinaDominique Adam
  2. 2. O que é?• É um processo de amadurecimento de ideias – com a finalidade de entender melhor qual é o problema de pesquisa.• É importante estar aberto a novos pensamentos, teorias, para filtrar aquelas que realmente servem para seu projeto.• A PA distingue-se claramente da pesquisa científica tradicional porque altera ao mesmo tempo o que está sendo pesquisado e é limitada pelo contexto e pela ética da prática.
  3. 3. Dimensões principais• Ontológica: pretende-se conhecer a realidade social, foco da pesquisa, de forma a transformá-la;• Epistemológica: é incompatível com uma abordagem positivista uma vez que requer um aprofundamento na intersubjetividade da dialética do coletivo. Este tipo de pesquisa não pensa-se neutro ou autônomo em relação à realidade social.• Metodológica: privilegia uma metodologia que instaure no grupo uma dinâmica de princípios e práticas dialógicas, participativas e transformadoras.
  4. 4. Histórico
  5. 5. Principais campos de aplicação
  6. 6. Pesquisa Ação• Pesquisa e ação podem e devem caminhar juntas quando se pretende a transformação da prática. A direção, o sentido e a intencionalidade dessa transformação serão o eixo da caracterização da abordagem da pesquisa-ação.• PA colaborativa A função do pesquisador será a de fazer parte e cientificizar um processo de mudança anteriormente desencadeado pelos sujeitos do grupo.• PA crítica Deve gerar um processo de ação-relfexão coletivo. Com vistas à emancipação dos sujeitos e das condições que o coletivo considera opressivas, essa pesquisa vai assumindo o caráter de criticidade.• PA estratégica Quando a transformação é previamente planejada, sem a participação dos sujeitos, e apenas o pesquisador acompanhará os efeitos e avaliará os resultados de sua aplicação.
  7. 7. From Usability Lab to “Design Collaboratorium”:Reframing Usability Practice Jacob Buur e Susanne Bødker• Este artigo apresenta um processo exploratório em que três empresas de usabilidade, com a ajuda de pesquisadores de HCI trabalharam para reenquadrar o próprio processo de trabalho.• Design colaborativo - engenheiros, designers, profissionais de usabilidade trabalham juntos.• Esta reformulação de modo de trabalho tem como objetivo mostrar como os erros de usabilidade trazem um feedback tardio para o designer, e podem ser evitados se houver a colaboração destes e de outros profissionais durante o processo.
  8. 8. Proposição de um modelo de referência para odesign de Serviços ecoeficientes em sistemasproduto-serviço. Jairo da Costa Junior Etapas da fase de planejamento da pesquisa-ação. Fonte: Baseado em (TURRIONI; MELLO, 2011).
  9. 9. Ciclos de coleta de dados da pesquisa-ação. Fonte: Baseado em(TURRIONI; MELLO, 2011).
  10. 10. Etapa de Análise de dados e planejamento das ações da pesquisa-ação.Fonte: Baseado em (TURRIONI; MELLO, 2011).
  11. 11. Infográfico 2
  12. 12. Referências BibliográficasAMÉLIA, M.; FRANCO, S. Pedagogia da Pesquisa-Ação The pedagogy of actionresearch. , p. 483–502, 2005.BUUR, J.; BØDKER, S. From usability lab to “design collaboratorium”: reframing usabilitypractice. Proceedings of the 3rd conference on Designing …, p. 297–307, 2000.Disponível em: <http://dl.acm.org/citation.cfm?id=347768>. Acesso em: 16/3/2013.BYRNE, E. Using Action Research in Information Systems Design to Address Change :A South African Health Information Systems Case Study. , p. 131–141, 2005.DAVID, M. Problems of participation: The limits of action research. International Journalof Social Research Methodology, v. 5, n. 1, p. 11–17, 2002. Disponível em:<http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/13645570110098037>. .GRUBBS, J. W. A Community of Voices: Using Allegory as an Interpretive Device inAction Research on Organizational Change. Organizational Research Methods, v. 4, n.4, p. 376–392, 2001. Disponível em:<http://orm.sagepub.com/cgi/doi/10.1177/109442810144004>. .
  13. 13. Referências BibliográficasHUXHAM, C.; VANGEN, S. Researching Organizational Practice through ActionResearch: Case Studies and Design Choices. Organizational Research Methods, v. 6,n. 3, p. 383–403, 2003. Disponível em:<http://orm.sagepub.com/cgi/doi/10.1177/1094428103254454>. Acesso em: 11/3/2013.JUNIOR, Jairo da Costa. Serviços Ecoeficientes Em Sistemas Produto-Serviço. Curitiba2012.,2012.SCHAFFER, B. S.; RIORDAN, C. M. A Review of Cross-Cultural Methodologies forOrganizational Research: A Best- Practices Approach. 2003.SCHAFFER, B. S.; RIORDAN, C. M. A Review of Cross-Cultural Methodologies forOrganizational Research: A Best- Practices Approach. 2003.

×