SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Prof.ª.: Érika Sinara
OBJETIVOS DA DISCIPLINA
• Proporcionar conhecimentos teóricos e práticos referentes à língua portuguesa,
possibilitando, dessa forma, leitura e produção de textos variados que motivem, por
excelência a boa atuação do educando na vida profissional.
• Efetivar a prática da leitura e da produção de textos acadêmicos.
• Refletir acerca da estrutura composicional dos referidos textos.
• Apresentar as características gerais referentes à elaboração de tais textos.
O PROCESSO COMUNICATIVO E SEUS
ELEMENTOS
 Fonte: de onde parte a mensagem.
 Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para
Maria, em seu nome, para dizer que a ama. Maria leu o e-mail. No caso acima, Pedro é a
fonte, pois a mensagem partiu dele.
 Emissor: é quem transmite a mensagem.
 Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para
Maria, em seu nome, para dizer que a ama. No caso acima, João é o emissor, uma vez que
ele está passando a mensagem.
O PROCESSO COMUNICATIVO E SEUS ELEMENTOS
 Mensagem: é a ideia que se quer transmitir.
Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para Maria, em
seu nome, para dizer que a ama. No caso acima, a mensagem é “eu te amo”.
 Canal: é o meio pelo qual se passa a mensagem. Pode ser natural (meios sensoriais) ou
tecnológico (todo e qualquer recurso que não use o corpo).
Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para Maria, em
seu nome, para dizer que a ama. No caso acima, o canal é tecnológico.
 Ex.: Pedro fez um coração no ar para Maria. No caso acima, o canal é natural.
O PROCESSO COMUNICATIVO E SEUS ELEMENTOS
 Código: é um conjunto de sinais estruturados usados por uma comunidade linguística.
Pode ser verbal (usa a palavra escrita ou falada) ou não- -verbal (sinais, cores, desenhos,
entre outros recursos).
Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para
Maria, em seu nome, para dizer que a ama. No caso acima, o código é verbal, tendo em vista
que a mensagem foi escrita.
Ex.: Pedro fez um coração no ar para Maria. No caso acima, o código é não-verbal, pois a
mensagem foi transmitida por meio de um sinal.
O PROCESSO COMUNICATIVO E SEUS ELEMENTOS
 Receptor ou recebedor: é aquele que recebe a mensagem e tem o importante
papel de repassá-la, quando for o caso, para o destinatário.
Ex.: Pedro pediu para Joana dizer a Maria que a ama. No caso acima, Joana é o
receptor porque repassará a mensagem de Pedro para Maria.
 Destinatário: é a quem a mensagem se destina.
Ex.: Pedro pediu para Joana dizer a Maria que a ama. No caso acima, Maria é o
destinatário, pois a mensagem é para ela e não para Joana.
FATORES QUE PODEM ATRAPALHAR A COMUNICAÇÃO
 Ruído – é qualquer intervenção que atrapalhe a transmissão de uma mensagem. Ex.: Som
alto, televisão ligada, roupas extravagantes.
 Entropia – é uma mensagem desordenada, que não tem início nem fim. Muitas vezes não
tem sentido. Ex.: Pegar eu Maria.
 Redundância – é a repetição da mesma mensagem com outras palavras. Ao mesmo tempo
que ela tenta assegurar a compreensão da mensagem, pode passar também que o emissor
não domina outro assunto ou não acredita na capacidade de compreensão de seu ouvinte.
Ex.: Eu e minha irmã repartimos o chocolate em METADES IGUAIS.“
"Adoro tomar CANJA DE GALINHA."
QUALIDADES DE UM BOM TEXTO
Concisão: Ser conciso significa não abusar das palavras
para expressar uma ideia. Dentro do texto, é
recomendável ir direto ao assunto e eliminar tudo o que
for desnecessário e inútil.
Clareza: Consiste na expressão de ideias de forma que
estas possam ser compreendidas com maior rapidez pelo
leitor. Ser claro significa ser coerente, evitando
desobedecer as normas da língua portuguesa, construir
parágrafos longos ou usar vocabulário impreciso.
Elegância: É preciso utilizar a norma culta para exprimir
suas ideias e pensamentos.
Nunca use gírias, frases prontas ou ditos populares – isso
pode prejudicar a sua pontuação.
Coesão
A mensagem somente expressará clareza
caso as ideias estejam ordenadas e dispostas
entre si de maneira satisfatória. Para tanto,
faz-se necessário que haja uma perfeita e
harmoniosa ligação entre os parágrafos,
caracterizada por meio do encadeamento
semântico (relativo ao significado) e do
encadeamento sintático (representado pelos
mecanismos que unem uma oração à outra).
QUALIDADES DE UM BOM TEXTO
Aliteração – repetição do mesmo som. Ex.: O suave
som de sua voz soa muito bem. emenda de vogais –
na sequência frasal, se escolhermos palavras que
terminam e começam com a mesma vogal, damos
um tom deselegante ao texto. Ex.: Ela a avisou do
perigo.
Cacofonia – repetição de sons desagradáveis ou
formação de palavras chulas na sequência frásica.
Ex.: A boca dela é muito bonita.
Rima – é a combinação sonora geralmente no final da
palavra. Ex.: O coração grandão do Pedrão ganhou o
amorzão de Maria.
Repetição de palavras – usar o mesmo termo no texto,
sem substituí-lo, demonstra falta de vocabulário. Ex.:
Maria é uma boa aluna. Maria estuda todos os dias
um pouco de cada conteúdo. Maria é bem-
conceituada com os professores e Maria terá,
certamente, um futuro brilhante.
Excesso de que – orações muito longas apresentam
vários que, deixando o texto arrastado. Ex.: Eu disse
que gostaria que ela pedisse seu presente logo e que
isso iria facilitar a vida dele.
Exemplos de cacofonia
•"Vi ela" = (viela)
•"Amo ela" = (moela)
•"A boca dela" = (cadela)
•"Uma mão lava outra" = (mamão)
•"Ela tinha" = (latinha)
•"Na vez passada..." = (vespa)
•"Ela te tinha contado..." = (tetinha)
Exemplos de rima
Amor é um fogo que arde sem se ver; - A
É ferida que dói, e não se sente; - B
É um contentamento descontente; - B
É dor que desatina sem doer. - A
interpoladas ou
intercaladas:
combinam-se numa
ordem oposta,
seguindo o
esquema ABBA.
ATIVIDADE 1
O atual momento político do país
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
É a capacidade que possuímos de expressar nossos pensamentos, ideias, opiniões e sentimentos.
A linguagem pode ser:
Verbal: faz uso das palavras para comunicar algo.
Não Verbal: é aquela que utiliza outros métodos de comunicação, que não são as palavras. Dentre elas
estão a linguagem de sinais, as placas e sinais de trânsito, a linguagem corporal, uma figura, a expressão
facial, um gesto, etc.
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
Função Referencial ou Denotativa
Palavra-chave: referente
Transmite uma informação objetiva sobre a realidade. Dá prioridade aos dados concretos, fatos
e circunstâncias. É a linguagem característica das notícias de jornal, do discurso científico e de
qualquer exposição de conceitos. Coloca em evidência o referente, ou seja, o assunto ao qual a
mensagem se refere.
Exemplo:
Numa cesta de vime temos um cacho de uvas, uma maçã, uma laranja, uma banana e um
morango. (Este texto informa o que há dentro da cesta, logo, há função referencial).
Função Expressiva ou Emotiva
Palavra-chave: emissor
Reflete o estado de ânimo do emissor, os seus sentimentos e emoções. Um dos indicadores da função
emotiva num texto é a presença de interjeições e de alguns sinais de pontuação, como as reticências e
o ponto de exclamação.
Exemplos:
a) Ah, que coisa boa! b) Tenho um pouco de medo... c) Nós te amamos!
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
Função Apelativa ou Conativa
Palavra-chave: receptor
Seu objetivo é influenciar o receptor ou destinatário, com a intenção de convencê-lo de algo ou dar-lhe ordens.
Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de tu e você, ou o nome da pessoa, além dos vocativos e
imperativo. É a linguagem usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao
consumidor.
Exemplos:
a) Você já tomou banho?
b) Mãe, vem cá!
c) Não perca esta promoção!
ATIVIDADE 2
Função Fática
Palavra-chave: canal
Tem por finalidade estabelecer, prolongar ou interromper a comunicação. É aplicada em situações
em que o mais importante não é o que se fala, nem como se fala, mas sim o contato entre o emissor
e o receptor. Fática quer dizer "relativa ao fato", ao que está ocorrendo. Aparece geralmente nas
fórmulas de cumprimento: Como vai, tudo certo?; ou em expressões que confirmam que alguém
está ouvindo ou está sendo ouvido: sim, claro, sem dúvida, entende?, não é mesmo? É a linguagem
das falas telefônicas, saudações e similares.
Exemplo:
Alô? Está me ouvindo?
Função Metalinguística
Palavra-chave: código
Esta função refere-se à metalinguagem, que
ocorre quando o emissor explica um código
usando o próprio código. É a poesia que fala
da poesia, da sua função e do poeta, um
texto que comenta outro texto. As gramáticas
e os dicionários são exemplos de
metalinguagem.
Exemplo:
Frase é qualquer enunciado linguístico com
sentido acabado.
(Para dar a definição de frase, usamos uma
frase.)
Função Poética
Palavra-chave: mensagem
É aquela que põe em evidência a forma da mensagem, ou
seja, que se preocupa mais em como dizer do que com o
que dizer. O escritor, por exemplo, procura fugir das
formas habituais e expressão, buscando deixar mais
bonito o seu texto, surpreender, fugir da lógica ou
provocar um efeito humorístico. Embora seja própria da
obra literária, a função poética não é exclusiva da poesia
nem da literatura em geral, pois se encontra com
frequência nas expressões cotidianas de valor metafórico
e na publicidade.
Exemplos:
a) “... a lua era um desparrame de prata”.
(Jorge Amado)
NORMA CULTA NORMA COLOQUIAL
Eu a vi ontem no cinema Eu vi ela ontem no cinema
Rua estreita; beco.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Texto normativo
Texto normativoTexto normativo
Texto normativo
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Os tipos de textos
Os tipos de textosOs tipos de textos
Os tipos de textos
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Slide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientificoSlide sobre artigo cientifico
Slide sobre artigo cientifico
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 

Destaque

Portugues instrumental ifes
Portugues instrumental ifesPortugues instrumental ifes
Portugues instrumental ifesMarli Santos
 
Apresentação da Disciplina
Apresentação da DisciplinaApresentação da Disciplina
Apresentação da DisciplinaRobson Santos
 
Elaboração de textos técnicos
Elaboração de textos técnicosElaboração de textos técnicos
Elaboração de textos técnicosRosangela Costa
 
Conjunções e Preposições
Conjunções e PreposiçõesConjunções e Preposições
Conjunções e PreposiçõesRobson Santos
 
Modelos de documentos
Modelos de documentosModelos de documentos
Modelos de documentosDiana Pilatti
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...Antônio Fernandes
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagemCarla Souto
 
Plano de aula carla
Plano de aula carlaPlano de aula carla
Plano de aula carlacarla macedo
 
Por ins comunicação implícitos
Por ins comunicação  implícitosPor ins comunicação  implícitos
Por ins comunicação implícitosclaudianavegante
 
Meu primeiro beijo – antonio barreto
Meu primeiro beijo – antonio barretoMeu primeiro beijo – antonio barreto
Meu primeiro beijo – antonio barretoJulie Carla Santos
 
Anotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
Anotacao Semântica em Documentos Não EstruturadosAnotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
Anotacao Semântica em Documentos Não EstruturadosCelso Fontes
 
Grupo 6 perguntas de estratégias de leitura texto meu primeiro beijo
Grupo 6 perguntas de estratégias de leitura texto meu primeiro beijoGrupo 6 perguntas de estratégias de leitura texto meu primeiro beijo
Grupo 6 perguntas de estratégias de leitura texto meu primeiro beijoSurley123
 

Destaque (20)

Portugues instrumental ifes
Portugues instrumental ifesPortugues instrumental ifes
Portugues instrumental ifes
 
Slide de portugues(1)
Slide de portugues(1)Slide de portugues(1)
Slide de portugues(1)
 
Slide curso portugues instrumental novo acordo ortografico
Slide curso portugues instrumental   novo acordo ortograficoSlide curso portugues instrumental   novo acordo ortografico
Slide curso portugues instrumental novo acordo ortografico
 
Apresentação da Disciplina
Apresentação da DisciplinaApresentação da Disciplina
Apresentação da Disciplina
 
Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1
 
Elaboração de textos técnicos
Elaboração de textos técnicosElaboração de textos técnicos
Elaboração de textos técnicos
 
Conjunções e Preposições
Conjunções e PreposiçõesConjunções e Preposições
Conjunções e Preposições
 
Teorias da Comunicacao - Communication Theories
Teorias da Comunicacao - Communication TheoriesTeorias da Comunicacao - Communication Theories
Teorias da Comunicacao - Communication Theories
 
Modelos de documentos
Modelos de documentosModelos de documentos
Modelos de documentos
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Tipologia documental
Tipologia documentalTipologia documental
Tipologia documental
 
Discurso dissertativo
Discurso dissertativoDiscurso dissertativo
Discurso dissertativo
 
Plano de aula carla
Plano de aula carlaPlano de aula carla
Plano de aula carla
 
Por ins comunicação implícitos
Por ins comunicação  implícitosPor ins comunicação  implícitos
Por ins comunicação implícitos
 
Ementa do curso
Ementa do cursoEmenta do curso
Ementa do curso
 
Meu primeiro beijo – antonio barreto
Meu primeiro beijo – antonio barretoMeu primeiro beijo – antonio barreto
Meu primeiro beijo – antonio barreto
 
Anotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
Anotacao Semântica em Documentos Não EstruturadosAnotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
Anotacao Semântica em Documentos Não Estruturados
 
A Estrutura da Linguagem SQL
A Estrutura da Linguagem SQLA Estrutura da Linguagem SQL
A Estrutura da Linguagem SQL
 
Grupo 6 perguntas de estratégias de leitura texto meu primeiro beijo
Grupo 6 perguntas de estratégias de leitura texto meu primeiro beijoGrupo 6 perguntas de estratégias de leitura texto meu primeiro beijo
Grupo 6 perguntas de estratégias de leitura texto meu primeiro beijo
 

Semelhante a Português instrumental I

Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   AmostraApostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - AmostraAntônio Carlos Zeferino
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da LinguagemJaiza Nobre
 
Língua portuguesa 6º ano
Língua portuguesa 6º anoLíngua portuguesa 6º ano
Língua portuguesa 6º anosmssergio
 
Funções de linguagem.
Funções de linguagem.Funções de linguagem.
Funções de linguagem.Lara Lídia
 
Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da LinguagemElementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da LinguagemEwerton Gindri
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagemjohnypakato
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPLTaissccp
 
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoLinguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoefcamargo1968
 
(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressãoDaniCustodio
 

Semelhante a Português instrumental I (20)

Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   AmostraApostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Língua portuguesa 6º ano
Língua portuguesa 6º anoLíngua portuguesa 6º ano
Língua portuguesa 6º ano
 
Funções de linguagem.
Funções de linguagem.Funções de linguagem.
Funções de linguagem.
 
Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da LinguagemElementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem
 
O Processo de Comunicação
O Processo de ComunicaçãoO Processo de Comunicação
O Processo de Comunicação
 
Funcoes da-linguagem
Funcoes da-linguagemFuncoes da-linguagem
Funcoes da-linguagem
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
 
Portugues lucas
Portugues lucasPortugues lucas
Portugues lucas
 
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoLinguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
 
Aula de linguagens
Aula de linguagensAula de linguagens
Aula de linguagens
 
Aula de linguagens
Aula de linguagensAula de linguagens
Aula de linguagens
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão
 
Funções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptxFunções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptx
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
 

Mais de Sinara Lustosa

Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadasSinara Lustosa
 
Educação e Redes Sociais
Educação e Redes SociaisEducação e Redes Sociais
Educação e Redes SociaisSinara Lustosa
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaSinara Lustosa
 
Recursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicosRecursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicosSinara Lustosa
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoSinara Lustosa
 
Agricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrialAgricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrialSinara Lustosa
 

Mais de Sinara Lustosa (8)

Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadas
 
Educação e Redes Sociais
Educação e Redes SociaisEducação e Redes Sociais
Educação e Redes Sociais
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de Energia
 
Recursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicosRecursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicos
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Espanhol primeiro ano
Espanhol primeiro anoEspanhol primeiro ano
Espanhol primeiro ano
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Agricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrialAgricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrial
 

Último

trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 

Último (20)

trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 

Português instrumental I

  • 2. OBJETIVOS DA DISCIPLINA • Proporcionar conhecimentos teóricos e práticos referentes à língua portuguesa, possibilitando, dessa forma, leitura e produção de textos variados que motivem, por excelência a boa atuação do educando na vida profissional. • Efetivar a prática da leitura e da produção de textos acadêmicos. • Refletir acerca da estrutura composicional dos referidos textos. • Apresentar as características gerais referentes à elaboração de tais textos.
  • 3. O PROCESSO COMUNICATIVO E SEUS ELEMENTOS  Fonte: de onde parte a mensagem.  Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para Maria, em seu nome, para dizer que a ama. Maria leu o e-mail. No caso acima, Pedro é a fonte, pois a mensagem partiu dele.  Emissor: é quem transmite a mensagem.  Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para Maria, em seu nome, para dizer que a ama. No caso acima, João é o emissor, uma vez que ele está passando a mensagem.
  • 4. O PROCESSO COMUNICATIVO E SEUS ELEMENTOS  Mensagem: é a ideia que se quer transmitir. Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para Maria, em seu nome, para dizer que a ama. No caso acima, a mensagem é “eu te amo”.  Canal: é o meio pelo qual se passa a mensagem. Pode ser natural (meios sensoriais) ou tecnológico (todo e qualquer recurso que não use o corpo). Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para Maria, em seu nome, para dizer que a ama. No caso acima, o canal é tecnológico.  Ex.: Pedro fez um coração no ar para Maria. No caso acima, o canal é natural.
  • 5. O PROCESSO COMUNICATIVO E SEUS ELEMENTOS  Código: é um conjunto de sinais estruturados usados por uma comunidade linguística. Pode ser verbal (usa a palavra escrita ou falada) ou não- -verbal (sinais, cores, desenhos, entre outros recursos). Ex.: Pedro não tem computador. Por isso, ele pediu que João escrevesse um e-mail para Maria, em seu nome, para dizer que a ama. No caso acima, o código é verbal, tendo em vista que a mensagem foi escrita. Ex.: Pedro fez um coração no ar para Maria. No caso acima, o código é não-verbal, pois a mensagem foi transmitida por meio de um sinal.
  • 6. O PROCESSO COMUNICATIVO E SEUS ELEMENTOS  Receptor ou recebedor: é aquele que recebe a mensagem e tem o importante papel de repassá-la, quando for o caso, para o destinatário. Ex.: Pedro pediu para Joana dizer a Maria que a ama. No caso acima, Joana é o receptor porque repassará a mensagem de Pedro para Maria.  Destinatário: é a quem a mensagem se destina. Ex.: Pedro pediu para Joana dizer a Maria que a ama. No caso acima, Maria é o destinatário, pois a mensagem é para ela e não para Joana.
  • 7. FATORES QUE PODEM ATRAPALHAR A COMUNICAÇÃO  Ruído – é qualquer intervenção que atrapalhe a transmissão de uma mensagem. Ex.: Som alto, televisão ligada, roupas extravagantes.  Entropia – é uma mensagem desordenada, que não tem início nem fim. Muitas vezes não tem sentido. Ex.: Pegar eu Maria.  Redundância – é a repetição da mesma mensagem com outras palavras. Ao mesmo tempo que ela tenta assegurar a compreensão da mensagem, pode passar também que o emissor não domina outro assunto ou não acredita na capacidade de compreensão de seu ouvinte. Ex.: Eu e minha irmã repartimos o chocolate em METADES IGUAIS.“ "Adoro tomar CANJA DE GALINHA."
  • 8. QUALIDADES DE UM BOM TEXTO Concisão: Ser conciso significa não abusar das palavras para expressar uma ideia. Dentro do texto, é recomendável ir direto ao assunto e eliminar tudo o que for desnecessário e inútil. Clareza: Consiste na expressão de ideias de forma que estas possam ser compreendidas com maior rapidez pelo leitor. Ser claro significa ser coerente, evitando desobedecer as normas da língua portuguesa, construir parágrafos longos ou usar vocabulário impreciso. Elegância: É preciso utilizar a norma culta para exprimir suas ideias e pensamentos. Nunca use gírias, frases prontas ou ditos populares – isso pode prejudicar a sua pontuação. Coesão A mensagem somente expressará clareza caso as ideias estejam ordenadas e dispostas entre si de maneira satisfatória. Para tanto, faz-se necessário que haja uma perfeita e harmoniosa ligação entre os parágrafos, caracterizada por meio do encadeamento semântico (relativo ao significado) e do encadeamento sintático (representado pelos mecanismos que unem uma oração à outra).
  • 9. QUALIDADES DE UM BOM TEXTO Aliteração – repetição do mesmo som. Ex.: O suave som de sua voz soa muito bem. emenda de vogais – na sequência frasal, se escolhermos palavras que terminam e começam com a mesma vogal, damos um tom deselegante ao texto. Ex.: Ela a avisou do perigo. Cacofonia – repetição de sons desagradáveis ou formação de palavras chulas na sequência frásica. Ex.: A boca dela é muito bonita. Rima – é a combinação sonora geralmente no final da palavra. Ex.: O coração grandão do Pedrão ganhou o amorzão de Maria. Repetição de palavras – usar o mesmo termo no texto, sem substituí-lo, demonstra falta de vocabulário. Ex.: Maria é uma boa aluna. Maria estuda todos os dias um pouco de cada conteúdo. Maria é bem- conceituada com os professores e Maria terá, certamente, um futuro brilhante. Excesso de que – orações muito longas apresentam vários que, deixando o texto arrastado. Ex.: Eu disse que gostaria que ela pedisse seu presente logo e que isso iria facilitar a vida dele.
  • 10. Exemplos de cacofonia •"Vi ela" = (viela) •"Amo ela" = (moela) •"A boca dela" = (cadela) •"Uma mão lava outra" = (mamão) •"Ela tinha" = (latinha) •"Na vez passada..." = (vespa) •"Ela te tinha contado..." = (tetinha) Exemplos de rima Amor é um fogo que arde sem se ver; - A É ferida que dói, e não se sente; - B É um contentamento descontente; - B É dor que desatina sem doer. - A interpoladas ou intercaladas: combinam-se numa ordem oposta, seguindo o esquema ABBA.
  • 12. O atual momento político do país
  • 13. FUNÇÕES DA LINGUAGEM É a capacidade que possuímos de expressar nossos pensamentos, ideias, opiniões e sentimentos. A linguagem pode ser: Verbal: faz uso das palavras para comunicar algo. Não Verbal: é aquela que utiliza outros métodos de comunicação, que não são as palavras. Dentre elas estão a linguagem de sinais, as placas e sinais de trânsito, a linguagem corporal, uma figura, a expressão facial, um gesto, etc.
  • 14. FUNÇÕES DA LINGUAGEM Função Referencial ou Denotativa Palavra-chave: referente Transmite uma informação objetiva sobre a realidade. Dá prioridade aos dados concretos, fatos e circunstâncias. É a linguagem característica das notícias de jornal, do discurso científico e de qualquer exposição de conceitos. Coloca em evidência o referente, ou seja, o assunto ao qual a mensagem se refere. Exemplo: Numa cesta de vime temos um cacho de uvas, uma maçã, uma laranja, uma banana e um morango. (Este texto informa o que há dentro da cesta, logo, há função referencial).
  • 15. Função Expressiva ou Emotiva Palavra-chave: emissor Reflete o estado de ânimo do emissor, os seus sentimentos e emoções. Um dos indicadores da função emotiva num texto é a presença de interjeições e de alguns sinais de pontuação, como as reticências e o ponto de exclamação. Exemplos: a) Ah, que coisa boa! b) Tenho um pouco de medo... c) Nós te amamos! FUNÇÕES DA LINGUAGEM
  • 16. FUNÇÕES DA LINGUAGEM Função Apelativa ou Conativa Palavra-chave: receptor Seu objetivo é influenciar o receptor ou destinatário, com a intenção de convencê-lo de algo ou dar-lhe ordens. Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de tu e você, ou o nome da pessoa, além dos vocativos e imperativo. É a linguagem usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao consumidor. Exemplos: a) Você já tomou banho? b) Mãe, vem cá! c) Não perca esta promoção!
  • 17.
  • 19. Função Fática Palavra-chave: canal Tem por finalidade estabelecer, prolongar ou interromper a comunicação. É aplicada em situações em que o mais importante não é o que se fala, nem como se fala, mas sim o contato entre o emissor e o receptor. Fática quer dizer "relativa ao fato", ao que está ocorrendo. Aparece geralmente nas fórmulas de cumprimento: Como vai, tudo certo?; ou em expressões que confirmam que alguém está ouvindo ou está sendo ouvido: sim, claro, sem dúvida, entende?, não é mesmo? É a linguagem das falas telefônicas, saudações e similares. Exemplo: Alô? Está me ouvindo?
  • 20. Função Metalinguística Palavra-chave: código Esta função refere-se à metalinguagem, que ocorre quando o emissor explica um código usando o próprio código. É a poesia que fala da poesia, da sua função e do poeta, um texto que comenta outro texto. As gramáticas e os dicionários são exemplos de metalinguagem. Exemplo: Frase é qualquer enunciado linguístico com sentido acabado. (Para dar a definição de frase, usamos uma frase.) Função Poética Palavra-chave: mensagem É aquela que põe em evidência a forma da mensagem, ou seja, que se preocupa mais em como dizer do que com o que dizer. O escritor, por exemplo, procura fugir das formas habituais e expressão, buscando deixar mais bonito o seu texto, surpreender, fugir da lógica ou provocar um efeito humorístico. Embora seja própria da obra literária, a função poética não é exclusiva da poesia nem da literatura em geral, pois se encontra com frequência nas expressões cotidianas de valor metafórico e na publicidade. Exemplos: a) “... a lua era um desparrame de prata”. (Jorge Amado)
  • 21. NORMA CULTA NORMA COLOQUIAL Eu a vi ontem no cinema Eu vi ela ontem no cinema Rua estreita; beco.