SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Parágrafo
O parágrafo é o conjunto de frases que formam uma sequência com sentido,
com lógica. Pode ser assinalado graficamente, como exposto acima, ou ainda
oralmente, quando se faz uma pausa maior dos fatos ou quando iniciamos um
novo assunto.

Os parágrafos são as estruturas que compõe um texto e podem ser: longos,
médios e curtos, dependendo do tipo de produção textual.

Longos: estão mais presentes em textos científicos e acadêmicos, os quais
exigem uma explicação mais complexa, com exemplos e especificações.

Médios: livros, revistas, jornais são exemplos de onde encontrar esse tipo de
parágrafo.

Curtos: estão presentes em chamada de notícia, artigos, cartas sociais,
editoriais, livros infantis, por exemplo.

O tópico frasal sempre está presente nos parágrafos, pois é o foco central
através do qual as ideias se norteiam e se encaixam.

Existem alguns tipos de parágrafos que acompanham o tipo de texto: O
narrativo apresentará parágrafos que relatam uma série de ações e diálogos;
no descritivo, os parágrafos estarão envoltos em adjetivos, comparações,
argumentos detalhados do que está sendo descrito. Já nos textos dissertativos,
os parágrafos estarão divididos, geralmente, entre o que introduz os que
desenvolvem as ideias e o que finaliza a exposição dos argumentos.

O importante é visualizar se no texto há uma coesão (ligação semântica) entre
os parágrafos e se há coerência no que se diz, ou seja, uma sequência de
ideias que possuem sentido e caminham para uma conclusão.

Parágrafos muito longos não são muito recomendados - a não ser nos tipos de
texto que necessitam de maiores detalhes - pois confundem e dispersam a
atenção do leitor. Em uma dissertação, por exemplo, o ideal é transmitir um
argumento de cada vez, de modo conciso e simples!




                                                                                1
A Redação do parágrafo
      Em uma redação, o parágrafo serve para dividir os assuntos
desenvolvidos no texto. O parágrafo - padrão é aquele que tem uma ideia como
núcleo e a apresenta, desenvolve e conclui.

       Em muitos casos o Parágrafo, apresenta em sua estrutura uma
introdução, um desenvolvimento e uma conclusão.

      Na INTRODUÇÃO, aparece uma frase-núcleo, ou seja, um tópico frasal
que desencadeará o texto. Tópico Frasal é a motivação composta por um
bloco de palavras, suficiente para desencadear o parágrafo. Pode ser uma
declaração, uma interrogação, uma exclamação.

Deve caracterizar-se pela simplicidade, rapidez, síntese e por ser capaz de
realmente levar à construção do parágrafo.

      No DESENVOLVIMENTO, aparecem os argumentos, inicialmente
apresentados na introdução, são desmembrados e ordenados.(1.2.3....)

     Na CONCLUSÃO, ocorre um fechamento que retoma a ideia inicial de
modo coeso e coerente.

      Parágrafo é uma unidade de composição constituída por um ou mais de
um período, em que se desenvolve determinada ideia central, a que se
agregam outras, intimamente relacionadas pelo sentido e logicamente
decorrentes dela.

       Para ter UNIDADE, o parágrafo precisa ter uma ideia principal forte,
clara, explícita em que todos os demais períodos devem estar ligados a essa
ideia. O parágrafo é indicado por um afastamento da margem esquerda da
folha.

       Esse processo facilita ao autor de um texto, ajustar de forma mais clara
as ideias principais de seu texto, permitindo assim ao leitor uma melhor
compreensão sobre o desenvolvimento dos textos nos seus diferentes
estágios.



Como construir o parágrafo
      Da mesma forma que o texto, o parágrafo também tem uma estrutura.
Pois, existe nele uma introdução, um desenvolvimento e, às vezes, escondida
ou subentendida uma conclusão. Para que haja coerência no parágrafo, é
necessário que as ideias sejam apresentadas dentro de uma ordemlógica.


                                                                             2
       A ordem das ideias deve obedecer a alguns critérios:
           1. Sequência cronológica (datas anteriores apresentadas antes das
              posteriores).
           2. Sequência espacial ( norte, sul, leste. oeste).
           3. Sequência conforme uma classificação mencionada: ( o primeiro,
              o segundo, o terceiro... Um, dois, três...)
           4. Sequência de raciocínio: as causas provocam efeitos; os efeitos
              possuem causas.
      Na redação de um parágrafo, devem-se observar algumas
características para que o texto tenha qualidade. E quais são essas
qualidades?
      O parágrafo deve ter unidade: as ideias e frases devem ser coerentes.
Isto é, as frases devem estar intimamente inter-relacionadas de tal modo que
todas se relacionem ao tema.
          As frases podem ser ligadas por elementos de coesão conforme o
sentido que expressam.
          Retomando alguns elementos coesivos....

              Elementos de coesão                           Ideias que expressam

Mas, porém, todavia, contudo, no entanto,                       Adversidade
entretanto.
Enquanto, ao passo que, à proporção que, à                       Proporção
medida que
Tanto quanto, como, assim como, do que.                         Comparação

Embora, ainda que, se bem que, mesmo que.                        Concessão

Porque, visto que, uma vez que, já que.                            Causa

Consequentemente, por conseguinte, de modo                      Consequência
que.

Logo, portanto, desse modo, assim, então.                        Conclusão



       Evitar a redação de frases muitos longas, como também somente o uso
de frases curtas. A variação no comprimento das frases do parágrafo é um
procedimento para realçar as ideias.

                                                                               3
A simplicidade deve prevalecer sobre a linguagem rebuscada.
       Evitar repetições de palavras e ideias.
       Evitar ambiguidades.
       Observar a norma culta da língua portuguesa: cuidar ortografia,
concordância, regência, etc.
       Evitar fragmentos de frases: escrever frases sempre com sentido
completo. Exemplo: "Embora não tenhamos vendido muito." Observe-se que a
frase ficou inacabada; é um fragmento apenas. Estaria completa com a oração
principal: "Embora não tenhamos vendido muito, recebemos elogios do diretor”.
Agora que já vimos a teoria sobre Tópicos Frasais e Parágrafos, vamos
exercitar um pouco. Leia o texto abaixo, e depois responda ao que se pede:


                             Eu sei, mas não devia
       Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a
morar em apartamento de fundos e a não ter outra vista que não seja as
janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para
fora. E porque não olha para fora logo se acostuma a não abrir de todo as
cortinas. E porque não abre as cortinas logo se acostuma a acender mais cedo
a luz. E a medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a
amplidão.
        A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na
hora. A tomar café correndo porque está atrasado. A ler jornal no ônibus
porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá
pra almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque
está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.
       A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E aceitando
a guerra, aceita seus mortos e que haja número para os mortos. E aceitando os
números aceita não acreditar nas negociações de paz. E não aceitando as
negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa
duração.
       A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não
posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser
ignorado quando precisava tanto ser visto.
       A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que
necessita. A lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do
que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem.
E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar
mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas que se cobra.
        A gente se acostuma a andar na rua e a ver cartazes. A abrir as
revistas e a ver anúncios. A ligar a televisão e a ver comerciais. A ir ao
cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado,
lançado na infindável catarata dos produtos.


                                                                                4
A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e
cheiro de cigarro. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos
levam na luz natural. Às bactérias da água potável. À contaminação da água do
mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter
galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a
não ter sequer uma planta.
       A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer. Em doses
pequenas, tentando não perceber, vai se afastando uma dor aqui, um
ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio a gente senta na
primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada a gente
só molha os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se
consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o
que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre
sono atrasado.
       A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a
pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se da faca
e da baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida
que aos poucos se gasta e, que gasta, de tanto acostumar, se perde de si
mesma.
                                                         Marina Colassanti (SP)
                                  EXERCICIOS

   1. Releia o 1º parágrafo e observe a UNIDADE de sentidos desse
      parágrafo e do texto como um todo, depois diga o que a autora faz
      nesse parágrafo e no decorrer de todo o texto.

   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   ____________________________________________________

   2. Observe que em cada parágrafo as ideias secundárias estão ligadas por
      uma afinidade temática, retire-as de cada parágrafo.

   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   ____________________________________________



                                                                             5
3. No 9º parágrafo, temos a conclusão. A autora apresenta o MOTIVO, que
      nos leva a aceitar essas coisas, e a CONSEQUÊNCIA dessa aceitação,
      retire, então, do parágrafo os motivos e as consequências.

   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _________________________________

   4. Releiam o 6º parágrafo e a partir dele, produzam um parágrafo sobre os
      EFEITOS DA TECNOLOGIA EM NOSSAS VIDAS.

      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      __________________________________________________________
      _________________________________________________________

   5. Criem uma frase que resuma as ideias centrais contidas em cada
      parágrafo.

   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   _____________________________________________________________
   ___________________________________________


      REESCREVA O PARÁGRAFO A SEGUIR, COLOCANDO AS IDEIAS
EM ORDEM:
            No entanto, nenhuma criança dessa idade vai falar, por exemplo, :
“uma menina chegou aqui amanhã”. Pois toda e qualquer língua é fácil para
                                                                            6
quem nasceu e cresceu rodeado por ela. O que ela não conhece são as
sutilezas, sofisticações e irregularidades no uso dessas regras, coisa que só a
leitura e o estudo podem lhe dar. Está provado e comprovado que uma criança
entre três e quatro anos de idade já domina perfeitamente as regras
gramaticais de sua língua.
        (SOARES, M.B.Técnicas de Redação. São Paulo: Ao Livro Técnico,
1978)
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
___________________________________________________________


Mais um pouco de atividades sobre tópico frasal e parágrafos:


Vamos ver a estrutura de um parágrafo, analisando o texto a seguir:
A língua: uma produção social

       (...) A língua é produzida socialmente. Sua produção e reprodução é fato
cotidiano, localizado no tempo e no espaço da vida dos homens: uma questão
dentro da vida e da morte, do prazer e do sofrer. Numa sociedade como a
brasileira – que, por sua dinâmica econômica e política, divide e individualiza
as pessoas, isola-as em grupos, distribui a miséria entre a maioria e concentra
os privilégios nas mãos de poucos -, a língua não poderia deixar de ser, entre
outras coisas, também a expressão dessa mesma situação.

      Miséria social e miséria da língua confundem-se. Uma engendra a outra,
formando o quadro triste da vida brasileira, vale dizer, o quadro deprimente da
fala brasileira. A economia desumana praticada no Brasil mata antes de
nascerem milhares de futuros falantes.
                                                                              7
A taxa de mortalidade infantil do Brasil é uma das maiores do mundo, a
voz de milhares de brasileiros é calada antes mesmo de conseguir dar o
primeiro choro. Mas alguns ainda conseguem chegar até os dois anos e aí
apropriar-se de um instrumental importante, a língua, a linguagem.

Para os sobreviventes começa uma nova luta. Uma boa parte não terá muito
tempo para falar. No mercado da miséria, alguns reais a mais no salário
representarão certamente alguns anos de sobrevida.

      Por exemplo, segundo o IBGE, 1984, para quem ganha até um salário
mínimo, a esperança de vida é de cinquenta anos e oito meses, mas para
quem ganha mais de cinco salários mínimos, a esperança de vida aumenta
para sessenta e nove anos e seis meses.

      Portanto, salários mínimos a mais representam anos de vida a mais.
Vemos que conseguir falar, hoje, já é uma proeza fantástica para a multidão
que não desfruta das riquezas econômicas (que ela mesma produz).

      Agora, as perguntas se seguem: esses sobreviventes conseguem
mesmo falar? Não meramente grunhir uns sons para suprir necessidades
básicas; falar mesmo, dizer o mundo, suas vidas, seus desejos, prazeres; dizer
coisas para transformar, dizer o seu sofrimento e suas causas, dizer o quefazer
para mudar, lutar.

GERALDI, João Wanderley (org). O texto na sala de aula. Ed. Ática. São
Paulo. SP. 2004. pág. 10-14)

                                EXERCÍCIOS

     1) Retire do texto apresentado a ideia central.
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
__________________________________________________

     2) Quais são os temas apresentado pelo autor, lembrem-se, tema não é
        o mesmo que titulo.
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_____________________
                                                                              8
3) Que tipo de sequência o autor utilizou para escrever o texto?
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
____________________________________




                                                                    9
Referências
AZEREDO, J. C. Iniciação à sintaxe do português. Rio:Jorge Zahar, 1993.

CETEB. Centro de Ensino Tecnológico de Brasília. Conhecendo nosso
idioma: As Palavras e suas Relações. Brasília, DF, 2005.

FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. 11.ed. São Paulo: Ática,
2009. (Série Princípios; 206).

FIGUEIREDO, L .C. A redação pelo parágrafo. Brasília: Ed. UNB, 1995.

FIORIN, José Luiz e SAVIOLI, Francisco Platão. Lições de texto: leitura e
redação. São Paulo: Ática, 2001.

GERALDI, JoãoWanderley (org). O texto na sala de aula. Ed. Ática. São
Paulo. SP. 2004. pág. 10-14).

KLEIMAN, Angela. Texto e Leitor: Aspectos cognitivos da Leitura. Campinas:
Ed. Pontes, 1989.

KOCK, Ingedore Grunfeld Villaça; TRAVAGLIA, Luis Carlos. A coerência
textual. 17.ed. São Paulo: Contexto, 2009.

KOCH, Ingedore.     Coesão   e    coerência textual.   S.   Paulo:Ática,   série
Princípios.2000

VALENÇA, Ana; CARDOSO, Denise Porto; MACHADO, Sonia Maria. Roteiro
de redaçao: Lendo e argumentando. São Paulo: Scipione, 1996.




                                                                             10
11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoElaine Maia
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textualLuis Carlos Santos
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoCicero Luciano
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Cláudia Heloísa
 
Tópico frasal - parágrafos
Tópico frasal - parágrafosTópico frasal - parágrafos
Tópico frasal - parágrafosGedalias .
 
Inferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoInferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoAna Lúcia Moura Neves
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poemaionasilva
 
Gênero textual narrativo
Gênero textual narrativoGênero textual narrativo
Gênero textual narrativoPaulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
 
Anúncio publicitário (exercícios)
Anúncio publicitário (exercícios)Anúncio publicitário (exercícios)
Anúncio publicitário (exercícios)
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
 
Texto normativo
Texto normativoTexto normativo
Texto normativo
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Tópico frasal - parágrafos
Tópico frasal - parágrafosTópico frasal - parágrafos
Tópico frasal - parágrafos
 
Inferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoInferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendido
 
Conectivos
ConectivosConectivos
Conectivos
 
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANOINTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
Conto de enigma
Conto de enigmaConto de enigma
Conto de enigma
 
Gênero textual narrativo
Gênero textual narrativoGênero textual narrativo
Gênero textual narrativo
 
Tipos de linguagem
Tipos de linguagemTipos de linguagem
Tipos de linguagem
 

Destaque

Atividades de matemática e portugues 2009
Atividades de matemática e portugues 2009Atividades de matemática e portugues 2009
Atividades de matemática e portugues 2009Ruan Diniz
 
2apresentação e organização do curso o curso
2apresentação e organização do curso o curso2apresentação e organização do curso o curso
2apresentação e organização do curso o cursoadriana cavalcanti
 
Estruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafosEstruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafosTio Pablo Virtual
 
Estruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafosEstruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafosTio Pablo Virtual
 
Sugestão de atividades língua portuguesa
Sugestão de atividades   língua portuguesaSugestão de atividades   língua portuguesa
Sugestão de atividades língua portuguesajosivaldopassos
 
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- DescritoresAtividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- DescritoresMarina Alessandra
 
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova BrasilProva de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova BrasilCláudia Santos
 
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -Eunice Mendes de Oliveira
 
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e a neve c
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e  a neve   cAtividade 3 5_eunice slides a formiga e  a neve   c
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e a neve cEunice Mendes de Oliveira
 
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2Eunice Mendes de Oliveira
 
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aulaPNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aulaElieneDias
 

Destaque (20)

Atividades de matemática e portugues 2009
Atividades de matemática e portugues 2009Atividades de matemática e portugues 2009
Atividades de matemática e portugues 2009
 
2apresentação e organização do curso o curso
2apresentação e organização do curso o curso2apresentação e organização do curso o curso
2apresentação e organização do curso o curso
 
Atividades
AtividadesAtividades
Atividades
 
Atividades práticas word
Atividades práticas wordAtividades práticas word
Atividades práticas word
 
Estruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafosEstruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafos
 
Estruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafosEstruturação dos parágrafos
Estruturação dos parágrafos
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
 
Piadas atividades de paragrafação
Piadas atividades de paragrafaçãoPiadas atividades de paragrafação
Piadas atividades de paragrafação
 
Sugestão de atividades língua portuguesa
Sugestão de atividades   língua portuguesaSugestão de atividades   língua portuguesa
Sugestão de atividades língua portuguesa
 
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- DescritoresAtividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
 
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova BrasilProva de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
 
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
Avaliacao bimestral-de-lingua-portuguesa 5
 
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
 
Dona Licinha conto1
Dona Licinha    conto1Dona Licinha    conto1
Dona Licinha conto1
 
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e a neve c
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e  a neve   cAtividade 3 5_eunice slides a formiga e  a neve   c
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e a neve c
 
Falarcomdeu sco
Falarcomdeu scoFalarcomdeu sco
Falarcomdeu sco
 
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
 
Mensagem dia dos pais
Mensagem dia dos paisMensagem dia dos pais
Mensagem dia dos pais
 
Eunice
EuniceEunice
Eunice
 
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aulaPNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
 

Semelhante a Iii aula parágrafo

Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdfInterpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdfgabrielbrumdias
 
7 regras para escrever
7 regras para escrever7 regras para escrever
7 regras para escreverDavid Oliveira
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textualNato EBel
 
Redação discursiva
Redação discursivaRedação discursiva
Redação discursivaErica Surmay
 
Agente Penitenciário - Aula 1 Interpretação e Redação
Agente Penitenciário - Aula 1   Interpretação e RedaçãoAgente Penitenciário - Aula 1   Interpretação e Redação
Agente Penitenciário - Aula 1 Interpretação e RedaçãoProfFernandaBraga
 
Regras gerais de escrita
Regras gerais de escritaRegras gerais de escrita
Regras gerais de escritaCarlos Lerina
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativocomplementoindirecto
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoSinara Lustosa
 
Como fazer um artigo de opinião
Como fazer um artigo de opiniãoComo fazer um artigo de opinião
Como fazer um artigo de opiniãoStephane Rodrigues
 
Curso de Redação- Parte 4/4
Curso de Redação- Parte 4/4Curso de Redação- Parte 4/4
Curso de Redação- Parte 4/4ABCursos OnLine
 
Redacao e producao_textual
Redacao e producao_textualRedacao e producao_textual
Redacao e producao_textualdenipinheiro
 

Semelhante a Iii aula parágrafo (20)

Noção de Texto
Noção de TextoNoção de Texto
Noção de Texto
 
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdfInterpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
 
7 regras para escrever
7 regras para escrever7 regras para escrever
7 regras para escrever
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
 
Redação discursiva
Redação discursivaRedação discursiva
Redação discursiva
 
Texto dissertativo.pptx
Texto dissertativo.pptxTexto dissertativo.pptx
Texto dissertativo.pptx
 
Redação.DOCX
Redação.DOCXRedação.DOCX
Redação.DOCX
 
Redação.PDF
Redação.PDFRedação.PDF
Redação.PDF
 
Apostila producao de textos
Apostila producao de textosApostila producao de textos
Apostila producao de textos
 
Agente Penitenciário - Aula 1 Interpretação e Redação
Agente Penitenciário - Aula 1   Interpretação e RedaçãoAgente Penitenciário - Aula 1   Interpretação e Redação
Agente Penitenciário - Aula 1 Interpretação e Redação
 
Regras gerais de escrita
Regras gerais de escritaRegras gerais de escrita
Regras gerais de escrita
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Como fazer um artigo de opinião
Como fazer um artigo de opiniãoComo fazer um artigo de opinião
Como fazer um artigo de opinião
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
 
Topico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdfTopico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdf
 
Dicas para um bom texto jornalístico
Dicas para um bom texto jornalísticoDicas para um bom texto jornalístico
Dicas para um bom texto jornalístico
 
Curso de Redação- Parte 4/4
Curso de Redação- Parte 4/4Curso de Redação- Parte 4/4
Curso de Redação- Parte 4/4
 
Como realizar o fichamento
Como realizar o fichamentoComo realizar o fichamento
Como realizar o fichamento
 
Redacao e producao_textual
Redacao e producao_textualRedacao e producao_textual
Redacao e producao_textual
 

Mais de Agassis Rodrigues

O que significa ter um direito
O que significa ter um direitoO que significa ter um direito
O que significa ter um direitoAgassis Rodrigues
 
Estatuto criança adolescente_comentado
Estatuto criança adolescente_comentadoEstatuto criança adolescente_comentado
Estatuto criança adolescente_comentadoAgassis Rodrigues
 
Defesa da defensoria do para
Defesa da defensoria do paraDefesa da defensoria do para
Defesa da defensoria do paraAgassis Rodrigues
 
Constituição federal anotada - stf
Constituição federal   anotada - stfConstituição federal   anotada - stf
Constituição federal anotada - stfAgassis Rodrigues
 
Como fazer uma redação dissertativa argumentativa
Como fazer uma redação dissertativa argumentativaComo fazer uma redação dissertativa argumentativa
Como fazer uma redação dissertativa argumentativaAgassis Rodrigues
 
44361736 lei-11-340-lei-maria-da-penha-comentada
44361736 lei-11-340-lei-maria-da-penha-comentada44361736 lei-11-340-lei-maria-da-penha-comentada
44361736 lei-11-340-lei-maria-da-penha-comentadaAgassis Rodrigues
 
Vale transporte como funciona
Vale transporte como funcionaVale transporte como funciona
Vale transporte como funcionaAgassis Rodrigues
 
Ada pelegrini-grinover-antonio-carlos-de-araujo-cintra-candido-rangel-dinamar...
Ada pelegrini-grinover-antonio-carlos-de-araujo-cintra-candido-rangel-dinamar...Ada pelegrini-grinover-antonio-carlos-de-araujo-cintra-candido-rangel-dinamar...
Ada pelegrini-grinover-antonio-carlos-de-araujo-cintra-candido-rangel-dinamar...Agassis Rodrigues
 
Aula iv fluxos reais e monetários
Aula iv fluxos reais e monetáriosAula iv fluxos reais e monetários
Aula iv fluxos reais e monetáriosAgassis Rodrigues
 
Aula iii estrutura de mercado
Aula iii estrutura de mercadoAula iii estrutura de mercado
Aula iii estrutura de mercadoAgassis Rodrigues
 

Mais de Agassis Rodrigues (20)

Termo ciência fabiola
Termo ciência fabiolaTermo ciência fabiola
Termo ciência fabiola
 
Reunião 13 08
Reunião 13 08Reunião 13 08
Reunião 13 08
 
Resumo acesso a justiça
Resumo acesso a justiçaResumo acesso a justiça
Resumo acesso a justiça
 
O que significa ter um direito
O que significa ter um direitoO que significa ter um direito
O que significa ter um direito
 
Manual tecnicas redacao
Manual tecnicas redacaoManual tecnicas redacao
Manual tecnicas redacao
 
Guia trabalho acadêmico
Guia trabalho acadêmicoGuia trabalho acadêmico
Guia trabalho acadêmico
 
Estatuto criança adolescente_comentado
Estatuto criança adolescente_comentadoEstatuto criança adolescente_comentado
Estatuto criança adolescente_comentado
 
Defesa da defensoria do para
Defesa da defensoria do paraDefesa da defensoria do para
Defesa da defensoria do para
 
Constituição federal anotada - stf
Constituição federal   anotada - stfConstituição federal   anotada - stf
Constituição federal anotada - stf
 
Como fazer uma redação dissertativa argumentativa
Como fazer uma redação dissertativa argumentativaComo fazer uma redação dissertativa argumentativa
Como fazer uma redação dissertativa argumentativa
 
C digo penal comentado
C digo penal comentadoC digo penal comentado
C digo penal comentado
 
44361736 lei-11-340-lei-maria-da-penha-comentada
44361736 lei-11-340-lei-maria-da-penha-comentada44361736 lei-11-340-lei-maria-da-penha-comentada
44361736 lei-11-340-lei-maria-da-penha-comentada
 
0027 primeiro aditamento
0027 primeiro aditamento0027 primeiro aditamento
0027 primeiro aditamento
 
Vale transporte como funciona
Vale transporte como funcionaVale transporte como funciona
Vale transporte como funciona
 
Ada pelegrini-grinover-antonio-carlos-de-araujo-cintra-candido-rangel-dinamar...
Ada pelegrini-grinover-antonio-carlos-de-araujo-cintra-candido-rangel-dinamar...Ada pelegrini-grinover-antonio-carlos-de-araujo-cintra-candido-rangel-dinamar...
Ada pelegrini-grinover-antonio-carlos-de-araujo-cintra-candido-rangel-dinamar...
 
Trabalho tgp
Trabalho tgpTrabalho tgp
Trabalho tgp
 
Mercado e concorrência
Mercado e concorrênciaMercado e concorrência
Mercado e concorrência
 
Aula iv fluxos reais e monetários
Aula iv fluxos reais e monetáriosAula iv fluxos reais e monetários
Aula iv fluxos reais e monetários
 
Aula iii estrutura de mercado
Aula iii estrutura de mercadoAula iii estrutura de mercado
Aula iii estrutura de mercado
 
Aula ii economia tópicos
Aula ii economia tópicosAula ii economia tópicos
Aula ii economia tópicos
 

Iii aula parágrafo

  • 1. Parágrafo O parágrafo é o conjunto de frases que formam uma sequência com sentido, com lógica. Pode ser assinalado graficamente, como exposto acima, ou ainda oralmente, quando se faz uma pausa maior dos fatos ou quando iniciamos um novo assunto. Os parágrafos são as estruturas que compõe um texto e podem ser: longos, médios e curtos, dependendo do tipo de produção textual. Longos: estão mais presentes em textos científicos e acadêmicos, os quais exigem uma explicação mais complexa, com exemplos e especificações. Médios: livros, revistas, jornais são exemplos de onde encontrar esse tipo de parágrafo. Curtos: estão presentes em chamada de notícia, artigos, cartas sociais, editoriais, livros infantis, por exemplo. O tópico frasal sempre está presente nos parágrafos, pois é o foco central através do qual as ideias se norteiam e se encaixam. Existem alguns tipos de parágrafos que acompanham o tipo de texto: O narrativo apresentará parágrafos que relatam uma série de ações e diálogos; no descritivo, os parágrafos estarão envoltos em adjetivos, comparações, argumentos detalhados do que está sendo descrito. Já nos textos dissertativos, os parágrafos estarão divididos, geralmente, entre o que introduz os que desenvolvem as ideias e o que finaliza a exposição dos argumentos. O importante é visualizar se no texto há uma coesão (ligação semântica) entre os parágrafos e se há coerência no que se diz, ou seja, uma sequência de ideias que possuem sentido e caminham para uma conclusão. Parágrafos muito longos não são muito recomendados - a não ser nos tipos de texto que necessitam de maiores detalhes - pois confundem e dispersam a atenção do leitor. Em uma dissertação, por exemplo, o ideal é transmitir um argumento de cada vez, de modo conciso e simples! 1
  • 2. A Redação do parágrafo Em uma redação, o parágrafo serve para dividir os assuntos desenvolvidos no texto. O parágrafo - padrão é aquele que tem uma ideia como núcleo e a apresenta, desenvolve e conclui. Em muitos casos o Parágrafo, apresenta em sua estrutura uma introdução, um desenvolvimento e uma conclusão. Na INTRODUÇÃO, aparece uma frase-núcleo, ou seja, um tópico frasal que desencadeará o texto. Tópico Frasal é a motivação composta por um bloco de palavras, suficiente para desencadear o parágrafo. Pode ser uma declaração, uma interrogação, uma exclamação. Deve caracterizar-se pela simplicidade, rapidez, síntese e por ser capaz de realmente levar à construção do parágrafo. No DESENVOLVIMENTO, aparecem os argumentos, inicialmente apresentados na introdução, são desmembrados e ordenados.(1.2.3....) Na CONCLUSÃO, ocorre um fechamento que retoma a ideia inicial de modo coeso e coerente. Parágrafo é uma unidade de composição constituída por um ou mais de um período, em que se desenvolve determinada ideia central, a que se agregam outras, intimamente relacionadas pelo sentido e logicamente decorrentes dela. Para ter UNIDADE, o parágrafo precisa ter uma ideia principal forte, clara, explícita em que todos os demais períodos devem estar ligados a essa ideia. O parágrafo é indicado por um afastamento da margem esquerda da folha. Esse processo facilita ao autor de um texto, ajustar de forma mais clara as ideias principais de seu texto, permitindo assim ao leitor uma melhor compreensão sobre o desenvolvimento dos textos nos seus diferentes estágios. Como construir o parágrafo Da mesma forma que o texto, o parágrafo também tem uma estrutura. Pois, existe nele uma introdução, um desenvolvimento e, às vezes, escondida ou subentendida uma conclusão. Para que haja coerência no parágrafo, é necessário que as ideias sejam apresentadas dentro de uma ordemlógica. 2
  • 3. A ordem das ideias deve obedecer a alguns critérios: 1. Sequência cronológica (datas anteriores apresentadas antes das posteriores). 2. Sequência espacial ( norte, sul, leste. oeste). 3. Sequência conforme uma classificação mencionada: ( o primeiro, o segundo, o terceiro... Um, dois, três...) 4. Sequência de raciocínio: as causas provocam efeitos; os efeitos possuem causas. Na redação de um parágrafo, devem-se observar algumas características para que o texto tenha qualidade. E quais são essas qualidades? O parágrafo deve ter unidade: as ideias e frases devem ser coerentes. Isto é, as frases devem estar intimamente inter-relacionadas de tal modo que todas se relacionem ao tema. As frases podem ser ligadas por elementos de coesão conforme o sentido que expressam. Retomando alguns elementos coesivos.... Elementos de coesão Ideias que expressam Mas, porém, todavia, contudo, no entanto, Adversidade entretanto. Enquanto, ao passo que, à proporção que, à Proporção medida que Tanto quanto, como, assim como, do que. Comparação Embora, ainda que, se bem que, mesmo que. Concessão Porque, visto que, uma vez que, já que. Causa Consequentemente, por conseguinte, de modo Consequência que. Logo, portanto, desse modo, assim, então. Conclusão Evitar a redação de frases muitos longas, como também somente o uso de frases curtas. A variação no comprimento das frases do parágrafo é um procedimento para realçar as ideias. 3
  • 4. A simplicidade deve prevalecer sobre a linguagem rebuscada. Evitar repetições de palavras e ideias. Evitar ambiguidades. Observar a norma culta da língua portuguesa: cuidar ortografia, concordância, regência, etc. Evitar fragmentos de frases: escrever frases sempre com sentido completo. Exemplo: "Embora não tenhamos vendido muito." Observe-se que a frase ficou inacabada; é um fragmento apenas. Estaria completa com a oração principal: "Embora não tenhamos vendido muito, recebemos elogios do diretor”. Agora que já vimos a teoria sobre Tópicos Frasais e Parágrafos, vamos exercitar um pouco. Leia o texto abaixo, e depois responda ao que se pede: Eu sei, mas não devia Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos e a não ter outra vista que não seja as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E a medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão. A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar café correndo porque está atrasado. A ler jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá pra almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia. A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E aceitando a guerra, aceita seus mortos e que haja número para os mortos. E aceitando os números aceita não acreditar nas negociações de paz. E não aceitando as negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração. A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto. A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. A lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas que se cobra. A gente se acostuma a andar na rua e a ver cartazes. A abrir as revistas e a ver anúncios. A ligar a televisão e a ver comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos. 4
  • 5. A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta. A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai se afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada a gente só molha os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado. A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida que aos poucos se gasta e, que gasta, de tanto acostumar, se perde de si mesma. Marina Colassanti (SP) EXERCICIOS 1. Releia o 1º parágrafo e observe a UNIDADE de sentidos desse parágrafo e do texto como um todo, depois diga o que a autora faz nesse parágrafo e no decorrer de todo o texto. _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________________________________________________ 2. Observe que em cada parágrafo as ideias secundárias estão ligadas por uma afinidade temática, retire-as de cada parágrafo. _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________________________________________ 5
  • 6. 3. No 9º parágrafo, temos a conclusão. A autora apresenta o MOTIVO, que nos leva a aceitar essas coisas, e a CONSEQUÊNCIA dessa aceitação, retire, então, do parágrafo os motivos e as consequências. _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _________________________________ 4. Releiam o 6º parágrafo e a partir dele, produzam um parágrafo sobre os EFEITOS DA TECNOLOGIA EM NOSSAS VIDAS. __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ _________________________________________________________ 5. Criem uma frase que resuma as ideias centrais contidas em cada parágrafo. _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ___________________________________________ REESCREVA O PARÁGRAFO A SEGUIR, COLOCANDO AS IDEIAS EM ORDEM: No entanto, nenhuma criança dessa idade vai falar, por exemplo, : “uma menina chegou aqui amanhã”. Pois toda e qualquer língua é fácil para 6
  • 7. quem nasceu e cresceu rodeado por ela. O que ela não conhece são as sutilezas, sofisticações e irregularidades no uso dessas regras, coisa que só a leitura e o estudo podem lhe dar. Está provado e comprovado que uma criança entre três e quatro anos de idade já domina perfeitamente as regras gramaticais de sua língua. (SOARES, M.B.Técnicas de Redação. São Paulo: Ao Livro Técnico, 1978) _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ ___________________________________________________________ Mais um pouco de atividades sobre tópico frasal e parágrafos: Vamos ver a estrutura de um parágrafo, analisando o texto a seguir: A língua: uma produção social (...) A língua é produzida socialmente. Sua produção e reprodução é fato cotidiano, localizado no tempo e no espaço da vida dos homens: uma questão dentro da vida e da morte, do prazer e do sofrer. Numa sociedade como a brasileira – que, por sua dinâmica econômica e política, divide e individualiza as pessoas, isola-as em grupos, distribui a miséria entre a maioria e concentra os privilégios nas mãos de poucos -, a língua não poderia deixar de ser, entre outras coisas, também a expressão dessa mesma situação. Miséria social e miséria da língua confundem-se. Uma engendra a outra, formando o quadro triste da vida brasileira, vale dizer, o quadro deprimente da fala brasileira. A economia desumana praticada no Brasil mata antes de nascerem milhares de futuros falantes. 7
  • 8. A taxa de mortalidade infantil do Brasil é uma das maiores do mundo, a voz de milhares de brasileiros é calada antes mesmo de conseguir dar o primeiro choro. Mas alguns ainda conseguem chegar até os dois anos e aí apropriar-se de um instrumental importante, a língua, a linguagem. Para os sobreviventes começa uma nova luta. Uma boa parte não terá muito tempo para falar. No mercado da miséria, alguns reais a mais no salário representarão certamente alguns anos de sobrevida. Por exemplo, segundo o IBGE, 1984, para quem ganha até um salário mínimo, a esperança de vida é de cinquenta anos e oito meses, mas para quem ganha mais de cinco salários mínimos, a esperança de vida aumenta para sessenta e nove anos e seis meses. Portanto, salários mínimos a mais representam anos de vida a mais. Vemos que conseguir falar, hoje, já é uma proeza fantástica para a multidão que não desfruta das riquezas econômicas (que ela mesma produz). Agora, as perguntas se seguem: esses sobreviventes conseguem mesmo falar? Não meramente grunhir uns sons para suprir necessidades básicas; falar mesmo, dizer o mundo, suas vidas, seus desejos, prazeres; dizer coisas para transformar, dizer o seu sofrimento e suas causas, dizer o quefazer para mudar, lutar. GERALDI, João Wanderley (org). O texto na sala de aula. Ed. Ática. São Paulo. SP. 2004. pág. 10-14) EXERCÍCIOS 1) Retire do texto apresentado a ideia central. _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ __________________________________________________ 2) Quais são os temas apresentado pelo autor, lembrem-se, tema não é o mesmo que titulo. _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _____________________ 8
  • 9. 3) Que tipo de sequência o autor utilizou para escrever o texto? _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ ____________________________________ 9
  • 10. Referências AZEREDO, J. C. Iniciação à sintaxe do português. Rio:Jorge Zahar, 1993. CETEB. Centro de Ensino Tecnológico de Brasília. Conhecendo nosso idioma: As Palavras e suas Relações. Brasília, DF, 2005. FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. 11.ed. São Paulo: Ática, 2009. (Série Princípios; 206). FIGUEIREDO, L .C. A redação pelo parágrafo. Brasília: Ed. UNB, 1995. FIORIN, José Luiz e SAVIOLI, Francisco Platão. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 2001. GERALDI, JoãoWanderley (org). O texto na sala de aula. Ed. Ática. São Paulo. SP. 2004. pág. 10-14). KLEIMAN, Angela. Texto e Leitor: Aspectos cognitivos da Leitura. Campinas: Ed. Pontes, 1989. KOCK, Ingedore Grunfeld Villaça; TRAVAGLIA, Luis Carlos. A coerência textual. 17.ed. São Paulo: Contexto, 2009. KOCH, Ingedore. Coesão e coerência textual. S. Paulo:Ática, série Princípios.2000 VALENÇA, Ana; CARDOSO, Denise Porto; MACHADO, Sonia Maria. Roteiro de redaçao: Lendo e argumentando. São Paulo: Scipione, 1996. 10
  • 11. 11