SlideShare uma empresa Scribd logo
INICIAÇÃO
CRISTÃ
OBRIGADO!
TORNAR-SE CRISTÃO NASCER DE NOVO
DEIXAR QUE O
NOVO FAÇA
PARTE DE NÓS
É MAIS DO QUE
“FICAR SABENDO”
É ASSUMIR A
NOVIDADE COMO
ALGO QUE NOS MOVE
A AGIR.
A CATEQUESE
NA HISTÓRIA
I. CATEQUESE NO COMEÇO DO CRISTIANISMO:
BUSCA DA IDENTIDADE NO MEIO DO MUNDO
PAGÃO (SEC. I - V)
DESPERTAVA PARA O SEGUIMENTO DE JESUS
CRISTO, COMO PROCESSO DE CONVERSÃO;
VIVÊNCIA FRATERNA NA COMUNIDADE;
CELEBRAÇÃO LITÚRGICA CENTRADA NA
PARTILHA DA PALAVRA E DO PÃO;
CUIDADO COM A VIDA DOS NECESSITADOS
CONTEÚDO CENTRAL:
SUA MENSAGEM
SALVÍFICA
A MISSÃO DE
JESUS
PESSOA DE JESUS CRISTO
SER CRISTÃO COMPORTAVA UMA IDENTIDADE
ESPECÍFICA, ESTA IDENTIDADE INCLUÍA
ESSENCIALMENTE A CONVERSÃO A JESUS
CRISTO
E SE CONFIRMAVA PELA CONVIVÊNCIA CRISTÃ
QUE PASSAVA AO CONVERTIDO,
CONHECIMENTOS
CADA VEZ MAIS PROFUNDOS E AMPLOS DA FÉ,
EXIGÊNCIAS E, SOBRETUDO, ESTÍMULOS DE
VIVÊNCIA DOS VALORES CRISTÃOS.
II. A CATEQUESE NA IDADE MÉDIA: A
IDENTIDADE CRISTÃ GERA A CRISTANDADE
(SEC. V - XVI)
COMO A RELIGIÃO CRISTÃ
FOI IMPOSTA COMO OFICIAL,
TODOS ERAM, DE CERTA
FORMA, OBRIGADOS A
ACATÁ-LA.
AS CELEBRAÇÕES SAIRAM DAS
CATACUMBAS E RESIDENCIAS
E FORAM PARA
AS CATEDRAIS
A CATEQUESE JÁ NÃO CONSISTIA TANTO
NUMA INICIAÇÃO À COMUNIDADE DE FÉ.
III. A CATEQUESE NA IDADE MODERNA:
BUSCA DE IDENTIDADE CATÓLICA FACE AO
PROTESTANTISMO (DO SEC. XVI AO VATICANO II)
A CATEQUESE PASSOU A
VALORIZAR MAIS A
APRENDIZAGEM INDIVIDUAL, NA
QUAL JÁ NÃO ERA
TÃO MARCANTE A LIGAÇÃO COM
A COMUNIDADE
POR QUE CATEQUESE COMO INSTRUÇÃO?
A)PREOCUPAÇÃO COM A CLAREZA E A EXATIDÃO
DAS FORMULAÇÕES DOUTRINAIS;
B) DESCOBERTA DA IMPRENSA E A DIFUSÃO DAS
ESCOLAS;
C) INFLUÊNCIA DO ILUMINISMO.
O MELHOR CRISTÃO ERA
AQUELE QUE MAIS SABIA
SOBRE RELIGIÃO E NÃO
AQUELE QUE SE
COMPROMETIA COM A VIDA
E A VIVÊNCIA DA FÉ;
A ATENÇÃO ERA DADA ÀS
CRIANÇAS E NÃO AOS
ADULTOS;
O CATECISMO TORNOU-SE
UM REFERENCIAL DE
SEGURANÇA SOBRE AS
QUESTÕES DE FÉ.
A CATEQUESE PASSOU A SER DOUTRINA.
IV. EDUCAÇÃO PARA A FÉ E A VIDA (DO
VATICANO II AOS NOSSOS DIAS)
FRENTE A UMA CATEQUESE FRIA E TEÓRICA, É
PRECISO VOLTAR ÀS FONTES E APRESENTÁ-LA COM
UM NOVO ROSTO ADEQUADO PARA OS NOSSOS
TEMPOS
APÓS O VATICANO II, A
IGREJA ABRE SUAS
PORTAS PARA O NOVO E
RENOVA SUA PRESENÇA
NO MUNDO COMO SINAL
DO REINO.
EM 1983, A CATEQUESE GANHA UM GRANDE IMPULSO
COM O DOCUMENTO 26: “CATEQUESE RENOVADA”.
CATEQUESE: “ É UM PROCESSO DE
EDUCAÇÃO COMUNITÁRIA, PERMANENTE,
PROGRESSIVA, ORDENADA, ORGÂNICA E
SISTEMÁTICA DA FÉ. SUA FINALIDADE É A
MATURIDADES DA FÉ, NUM COMPROMISSO
PESSOAL E COMUNITÁRIO DE LIBERTAÇÃO
INTEGRAL, QUE DEVE ACONTECER JÁ AQUI E
CULMINAR NO REINO DEFINITIVO” (CR 318)
COMO FAZER CATEQUESE...
Queremos uma catequese de
Iniciação Cristã, não apenas de
instrução cristã.
FUNDAMENTAÇÃO
iniciação nos mistérios da fé, seja na forma de
catecumenato batismal para os não batizados,
seja na forma de catecumenato pós-batismal para
os batizados não suficientemente catequizados.”
(DAp 288)
“A IC consiste em colocar alguém em
contato com Jesus Cristo (querigma) para
ser seu discípulo. A IC, propriamente
falando, refere-se à primeira
“A paróquia precisa ser o lugar onde se
assegura a IC e terá como tarefa
irrenunciável: iniciar na vida cristã os adultos
batizados a infância e não suficientemente
evangelizados; educar na fé as crianças
batizadas em um processo que os leva a
completar sua iniciação cristã; iniciar os não
batizados que, havendo escutado o querigma,
querem abraçar a fé. Nesta tarefa, o estudo
e a assimilação do RICA é referência
necessária e apoio seguro” (DAP293)
A Iniciação Cristã não se reduz à intimidade
com Jesus Cristo, mas deve ter reflexos e
influências vitais na própria existência, levando
à participação da comunidade, que no seu
conjunto deve dar TESTEMUNHO DO
EVANGELHO.
Temos uma multidão de iniciados
ontologicamente (ser) na fé, mas
não existencialmente!
Temos um modelo de pastoral de
conservação ou manutenção, mais
do que de avanços e conquistas.
Aparecida nos convida a “abandonarmos as
ultrapassadas estruturas que já não favoreçam
a transmissão da fé” e a uma “conversão
pastoral e renovação missionária...”( DAp 375)
Assumir a IC exige não somente uma renovação
da catequese, mas também uma reestruturação
de toda a vida pastoral da paróquia.
“É preciso ajudar as pessoas a
conhecer Jesus Cristo, fascinar-se por
Ele e optar por seguí-lo” (DAGAE 42)
O Catecumenato descrito no RICA não
é só pra adultos não batizados, mas
também para batizados, não
plenamente iniciados ou que querem
aprofundar a própria iniciação.
Trata-se de alterar a
própria estrutura da
tradicional “preparação para
os sacramentos”
(sacramentalização) e
propor um novo paradigma
evangelizador-catequético.
A IC é um processo exigente: um itinerário prolongado
de preparação e compreensão vital, de acolhimento
dos grandes segredos da fé (mistérios), da VIDA
NOVA (com todas as suas consequências pessoais e
sociais) revelada em Cristo Jesus e celebrada na
Liturgia.
O catequista hoje é chamado
a ser um mistagogo.
RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE
ADULTOS – RICA
Aqui são descritos os ritos do catecumenato, mas
não os conteúdos catequéticos. (METODOLOGIA)
O importante é perceber como no catecumenato a
formação acontece inseparavelmente unido à prática
da vida cristã.
1) Catequese articulada com a liturgia: as
celebrações ajudam a assimilar os conteúdos da
catequese, ensinam prazerosamente as formas e
os caminhos da oração, aproximam dos símbolos,
ações e tempos do mistério litúrgico e
introduzem, gradativamente, no culto e vivência
de toda a comunidade.
2) Outro elemento importante
é o “itinerário espiritual”
realizado por etapas e através
do acompanhamento pessoal de
alguns membros da comunidade
(introdutores). São estes que acompanham
os catecúmenos, que dão testemunho
perante a comunidade sobre o
amadurecimento e crescimento do
catecúmeno.
POR SER UM LIVRO LITÚRGICO, NÃO
ENCONTRAMOS NO RICA AS ORIENTAÇÕES
DETALHADAS SOBRE OS CONTEÚDOS DA
CATEQUESE EM CADA TEMPO DO
CATECUMENATO, NEM DETALHES PASTORAIS
PARA SUA IMPLANTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO
(PARA TANTO CONFERIR: COM ADULTOS
CATEQUESE ADULTA, 102)
Etapas Pré-
Catecumenato
Catecumenato Purificação
e
Iluminação
Mistagogia
Duração 2 a 3 meses
(Introdutor)
Cerca de 09
meses
(Em turmas:
Catequista)
Quaresma
(5 semanas)
Tempo Pascal
(7 semanas)
Conteúdos Querigma
(Anuncio
Evangélico)
 História da
Salvação
 Credo
 Sacramentos
 Mandamentos
 Pai Nosso
Preparação
imediata
Catequese
sacramental
eliturgica
Finalidade Despertar a fé
e a conversão
Aprofundar a fé Amadurecer
as decisões
Integrar-se na
comunidade
Celebrações Encontros Cel. da Palavra
Exorcismos
menores
Bênçãos
3 Escrutínios
Entrega do
Credo e do
Pai Nosso
Eucaristias
comunitárias
Funções Acolhida Conversão Iluminação Contemplação
Categoria Pré-
catecúmenos
ou
simpatizantes
ou
interessados
Catecúmenos ou
ouvintes
Eleitos Neófitos
Entrada,recepçãoouadmissãonocatecumenato
Eleição,inscriçãodonome
CelebraçãodosSacramentos:VigíliaPascal
4 tempos:
Pré-catecumenato: tempo da primeira evangelização. Faz-se um
anúncio inicial e global de Cristo e do seu Evangelho.
Catecumenato: é o tempo de aprofundamento da fé, da conversão, da
participação na comunidade, à medida que vão sendo trabalhados com
os candidatos os vários elementos do mistério, da vida, da liturgia e
da oração cristã.
Purificação e iluminação: é um período de aprofundamento espiritual
em preparação ao Tríduo Pascal.
Mistagogia: é tempo de aprofundamento na compreensão do mistério
cristão, de comunhão com a comunidade dos fiéis e de participação na
missão da Igreja.
3 celebrações que marcam a passagem
de uma etapa para outra:
1)Celebração da eleição: é feita no início da
Quaresma. Após esta celebração, os catecúmenos
passam a ser chamados de “os eleitos”. O rito
ressalta a importância da comunidade eclesial no ato
de acolher esses dons que Deus faz à sua Igreja.
2)Celebração dos sacramentos de iniciação cristã:
batismo, confirmação,Eucaristia.É o coroamento da
iniciação cristã e o início da nova vida.
3)Entrada: após o pré catecumenato, o candidato
pede à Igreja o dom da fé, virtude que deverá ser
acompanhada sempre pela conversão, manifestada na
mudança de mentalidade e adoção dos costumes e
valores evangélicos.
Exorcismos menores:
As orações constam, normalmente, de quatro partes: do
memorial salvífico, onde se recorda algum acontecimento
salvífico ou atributo divino; aparecem as súplicas para
proteger-se do mal e em seguida as súplicas de modo
positivo; a oração é concluída com a finalidade salvífica a
realizar-se em favor do catecúmeno. O objetivo dessas
preces é pedir que o Espírito ajude os catecúmenos no seu
crescimento interior ou que esses estejam abertos à ação
do Espírito nesse tempo.
Escrutínios
O que se procura com eles é orientar os
propósitos e estimular as vontades, para que os
Catecúmenos se unam mais estreitamente a
Cristo e reavivam seu desejo de amar a Deus.
Entregas
Entrega (em latim, traditio, que quer dizer
“transmissão) aos catecúmenos ou eleitos dos
documentos que contêm sinteticamente o conteúdo
da fé professada pela Igreja e da oração que os
primeiros discípulos aprenderam do Senhor.
Entrega do Símbolo da Fé: depois do primeiro
escrutínio
Entrega do Pai Nosso: depois do terceiro escrutínio
Ou ambos em outro momento no catecumenato.
Os responsáveis pelo processo... (RICA 41-48)
Comunidade: deve acolher e ajudar os candidatos e os catecúmenos
durante todo o processo da iniciação;
Introdutor (a): Conhece, ajuda, acompanha com zelosa atenção e
é testemunha dos candidatos;
Padrinho (madrinha): acompanha o candidato no dia da eleição, na
celebração dos sacramentos e no tempo da mistagogia;
Bispo: estabelece e dirige o catecumenato em toda a diocese;
O Presbítero: presta assistência pastoral e pessoal aos
catecúmenos;
O Diácono: exerce sua função no desenvolvimento do catecumenato;
O Catequista: importante para o progresso de crescimento dos
catecúmenos e o desenvolvimento da comunidade; deve ter parte
ativa nos ritos.
Como começar?
1. Formar uma equipe inter-pastoral (Batismo, Crisma,
Eucaristia, Liturgia, ...)
2. Estudar as orientações da Arquidiocese, o RICA e outros
documentos que são publicados. Começar a estudar é o
mais importante, no momento.
3. Escolher, com a anuência do Pároco, as pessoas de várias
pastorais e movimentos, com perfil para serem
introdutores.
4. Organizar um breve curso para envolver
os introdutores no processo:
A meta da Iniciação Cristã;
O RICA e suas etapas;
O que é Catecumenato;
O acompanhamento espiritual e a atitude do
Introdutor;
A Sagrada Escritura;
5. Formar os catequistas na ótica do catecumenato.
Introdutores e catequistas devem ter reuniões
periódicas para trocarem experiência sobre o período
do pré-catecumenato.
6. Marcar as datas dos ritos, e envolver os
catecúmenos e catequizandos para que eles
possam se sentir responsáveis pelo processo.
7. Estar aberto para receber os candidatos
durante todo o ano. Daí a importância dos
introdutores em todas as pastorais,
associações e movimentos.
OBRIGADO!
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Catequese renovada
Catequese renovadaCatequese renovada
Catequese renovada
Luiz Vicente Gargiulo
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
fagundes_daniel
 
TEMPOS DA CATEQUESE_CATEQUESE CONFORME AS IDADES.pptx
TEMPOS DA CATEQUESE_CATEQUESE CONFORME AS IDADES.pptxTEMPOS DA CATEQUESE_CATEQUESE CONFORME AS IDADES.pptx
TEMPOS DA CATEQUESE_CATEQUESE CONFORME AS IDADES.pptx
Manuela Siqueira
 
O catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católicaO catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católica
Francisco Rodrigues
 
Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
Jean
 
Eucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola VivencialEucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola Vivencial
José Vieira Dos Santos
 
Ordem e Matrimonio
Ordem e MatrimonioOrdem e Matrimonio
Ordem e Matrimonio
garzella
 
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Rubens Júnior
 
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovensCatequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Fábio Vasconcelos
 
Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)
Afonso Murad (FAJE)
 
Ativação ministerios
Ativação ministeriosAtivação ministerios
Ativação ministerios
Carlos Cirleno Neves
 
Organização da catequese
Organização da catequeseOrganização da catequese
Organização da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Rodrigo F Menegatti
 
Documento 19 - CNBB
Documento 19 - CNBBDocumento 19 - CNBB
Documento 19 - CNBB
Flávia Valéria Duarte Silva
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
Adriano Pascoa
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Presentepravoce SOS
 
Os Cinco Ministérios
Os Cinco MinistériosOs Cinco Ministérios
Os Cinco Ministérios
Nathalia Gonçalves
 
Vocação e missão_do_catequista 03out15
Vocação e missão_do_catequista 03out15Vocação e missão_do_catequista 03out15
Vocação e missão_do_catequista 03out15
Paróquia Pardilhó
 
Aula 6 eclesiologia
Aula 6   eclesiologiaAula 6   eclesiologia
Aula 6 eclesiologia
magnao2
 
Finalidade da catequese no DNC cj
Finalidade da catequese no DNC cjFinalidade da catequese no DNC cj
Finalidade da catequese no DNC cj
Catequista Josivaldo
 

Mais procurados (20)

Catequese renovada
Catequese renovadaCatequese renovada
Catequese renovada
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
 
TEMPOS DA CATEQUESE_CATEQUESE CONFORME AS IDADES.pptx
TEMPOS DA CATEQUESE_CATEQUESE CONFORME AS IDADES.pptxTEMPOS DA CATEQUESE_CATEQUESE CONFORME AS IDADES.pptx
TEMPOS DA CATEQUESE_CATEQUESE CONFORME AS IDADES.pptx
 
O catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católicaO catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católica
 
Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
 
Eucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola VivencialEucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola Vivencial
 
Ordem e Matrimonio
Ordem e MatrimonioOrdem e Matrimonio
Ordem e Matrimonio
 
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
 
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovensCatequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
 
Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)
 
Ativação ministerios
Ativação ministeriosAtivação ministerios
Ativação ministerios
 
Organização da catequese
Organização da catequeseOrganização da catequese
Organização da catequese
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
 
Documento 19 - CNBB
Documento 19 - CNBBDocumento 19 - CNBB
Documento 19 - CNBB
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
 
Os Cinco Ministérios
Os Cinco MinistériosOs Cinco Ministérios
Os Cinco Ministérios
 
Vocação e missão_do_catequista 03out15
Vocação e missão_do_catequista 03out15Vocação e missão_do_catequista 03out15
Vocação e missão_do_catequista 03out15
 
Aula 6 eclesiologia
Aula 6   eclesiologiaAula 6   eclesiologia
Aula 6 eclesiologia
 
Finalidade da catequese no DNC cj
Finalidade da catequese no DNC cjFinalidade da catequese no DNC cj
Finalidade da catequese no DNC cj
 

Destaque

Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - AracajuAlerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Liana Plentz
 
CFC Pará de Minas
CFC Pará de MinasCFC Pará de Minas
CFC Pará de Minas
MagicoGimenez
 
Falar em publico
Falar em publicoFalar em publico
Falar em publico
Ramon Gimenez
 
Ano liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmosAno liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmos
Ramon Gimenez
 
Historia da catequese
Historia da catequese Historia da catequese
Historia da catequese
Ramon Gimenez
 
Panda E O Tesouro Dos 5 Sentidos Ppt
Panda E O Tesouro Dos 5 Sentidos   PptPanda E O Tesouro Dos 5 Sentidos   Ppt
Panda E O Tesouro Dos 5 Sentidos Ppt
Joana Sobrenome
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Diego Allan Oliveira
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Fabrício Ottoni
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
Andrea Dalforno
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
Camilo Almendra
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
MATARANGAS
 
Treinamento - Trabalho em Equipe
Treinamento - Trabalho em EquipeTreinamento - Trabalho em Equipe
Treinamento - Trabalho em Equipe
Vinicius Souza
 
Apresentação tema trabalho em equipe
Apresentação tema trabalho em equipeApresentação tema trabalho em equipe
Apresentação tema trabalho em equipe
Renan Kaltenegger
 
Trabalho Em Equipe
Trabalho Em EquipeTrabalho Em Equipe
Trabalho Em Equipe
aavbatista
 
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of WorkTEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
Volker Hirsch
 

Destaque (15)

Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - AracajuAlerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
 
CFC Pará de Minas
CFC Pará de MinasCFC Pará de Minas
CFC Pará de Minas
 
Falar em publico
Falar em publicoFalar em publico
Falar em publico
 
Ano liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmosAno liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmos
 
Historia da catequese
Historia da catequese Historia da catequese
Historia da catequese
 
Panda E O Tesouro Dos 5 Sentidos Ppt
Panda E O Tesouro Dos 5 Sentidos   PptPanda E O Tesouro Dos 5 Sentidos   Ppt
Panda E O Tesouro Dos 5 Sentidos Ppt
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Treinamento - Trabalho em Equipe
Treinamento - Trabalho em EquipeTreinamento - Trabalho em Equipe
Treinamento - Trabalho em Equipe
 
Apresentação tema trabalho em equipe
Apresentação tema trabalho em equipeApresentação tema trabalho em equipe
Apresentação tema trabalho em equipe
 
Trabalho Em Equipe
Trabalho Em EquipeTrabalho Em Equipe
Trabalho Em Equipe
 
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of WorkTEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
 

Semelhante a PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ

Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequista Josivaldo
 
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptxINICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
Julio Cesar
 
Preparando a paróquia para trabalhar com a IVC.pptx
Preparando a paróquia para trabalhar com a IVC.pptxPreparando a paróquia para trabalhar com a IVC.pptx
Preparando a paróquia para trabalhar com a IVC.pptx
JosWolney
 
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequeseNatureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 
Chaves de Leitura do Documento 107 da CNBB.pptx
Chaves de Leitura do Documento 107 da CNBB.pptxChaves de Leitura do Documento 107 da CNBB.pptx
Chaves de Leitura do Documento 107 da CNBB.pptx
LuizHonorio4
 
Palestra 1 - Pe Léo.pdf
Palestra 1 - Pe Léo.pdfPalestra 1 - Pe Léo.pdf
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptxComo formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Nuno Melo
 
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham VidaPara Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Luís Miguel Rodrigues
 
História da catequese
História da catequeseHistória da catequese
História da catequese
Francisco Rodrigues
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
História da Iniciação à vida cristã desde a origem
História da Iniciação à vida cristã desde a origemHistória da Iniciação à vida cristã desde a origem
História da Iniciação à vida cristã desde a origem
JosWolney
 
Capítulo 3 espiritualidade da rcc
Capítulo 3   espiritualidade da rccCapítulo 3   espiritualidade da rcc
Capítulo 3 espiritualidade da rcc
Klaus Newman
 
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdfA-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
SouzaRoberto
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Introdução a Catequese
Introdução a CatequeseIntrodução a Catequese
Introdução a Catequese
Alexandre
 
O Que é Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
O Que é  Iniciação Cristã (1) - Barra.pptxO Que é  Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
O Que é Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
IvaneideRodrigues6
 
Concílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 AnosConcílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 Anos
Rubens Júnior
 

Semelhante a PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ (20)

Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
 
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptxINICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
 
Preparando a paróquia para trabalhar com a IVC.pptx
Preparando a paróquia para trabalhar com a IVC.pptxPreparando a paróquia para trabalhar com a IVC.pptx
Preparando a paróquia para trabalhar com a IVC.pptx
 
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequeseNatureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
 
Chaves de Leitura do Documento 107 da CNBB.pptx
Chaves de Leitura do Documento 107 da CNBB.pptxChaves de Leitura do Documento 107 da CNBB.pptx
Chaves de Leitura do Documento 107 da CNBB.pptx
 
Palestra 1 - Pe Léo.pdf
Palestra 1 - Pe Léo.pdfPalestra 1 - Pe Léo.pdf
Palestra 1 - Pe Léo.pdf
 
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptxComo formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
 
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham VidaPara Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham Vida
 
História da catequese
História da catequeseHistória da catequese
História da catequese
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
História da Iniciação à vida cristã desde a origem
História da Iniciação à vida cristã desde a origemHistória da Iniciação à vida cristã desde a origem
História da Iniciação à vida cristã desde a origem
 
Capítulo 3 espiritualidade da rcc
Capítulo 3   espiritualidade da rccCapítulo 3   espiritualidade da rcc
Capítulo 3 espiritualidade da rcc
 
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdfA-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
 
Introdução a Catequese
Introdução a CatequeseIntrodução a Catequese
Introdução a Catequese
 
O Que é Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
O Que é  Iniciação Cristã (1) - Barra.pptxO Que é  Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
O Que é Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
 
Concílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 AnosConcílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 Anos
 

Mais de Ramon Gimenez

Maria
MariaMaria
Evangelho segundo Marcos
Evangelho segundo MarcosEvangelho segundo Marcos
Evangelho segundo Marcos
Ramon Gimenez
 
Biblia na catequese
Biblia na catequeseBiblia na catequese
Biblia na catequese
Ramon Gimenez
 
Pessoa de jesus
Pessoa de jesusPessoa de jesus
Pessoa de jesus
Ramon Gimenez
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Ramon Gimenez
 
O que é ser um lider
O que é ser um liderO que é ser um lider
O que é ser um lider
Ramon Gimenez
 

Mais de Ramon Gimenez (6)

Maria
MariaMaria
Maria
 
Evangelho segundo Marcos
Evangelho segundo MarcosEvangelho segundo Marcos
Evangelho segundo Marcos
 
Biblia na catequese
Biblia na catequeseBiblia na catequese
Biblia na catequese
 
Pessoa de jesus
Pessoa de jesusPessoa de jesus
Pessoa de jesus
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
O que é ser um lider
O que é ser um liderO que é ser um lider
O que é ser um lider
 

Último

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 

Último (10)

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 

PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ

  • 3. TORNAR-SE CRISTÃO NASCER DE NOVO DEIXAR QUE O NOVO FAÇA PARTE DE NÓS É MAIS DO QUE “FICAR SABENDO” É ASSUMIR A NOVIDADE COMO ALGO QUE NOS MOVE A AGIR.
  • 5. I. CATEQUESE NO COMEÇO DO CRISTIANISMO: BUSCA DA IDENTIDADE NO MEIO DO MUNDO PAGÃO (SEC. I - V) DESPERTAVA PARA O SEGUIMENTO DE JESUS CRISTO, COMO PROCESSO DE CONVERSÃO;
  • 6. VIVÊNCIA FRATERNA NA COMUNIDADE; CELEBRAÇÃO LITÚRGICA CENTRADA NA PARTILHA DA PALAVRA E DO PÃO; CUIDADO COM A VIDA DOS NECESSITADOS
  • 7. CONTEÚDO CENTRAL: SUA MENSAGEM SALVÍFICA A MISSÃO DE JESUS PESSOA DE JESUS CRISTO
  • 8. SER CRISTÃO COMPORTAVA UMA IDENTIDADE ESPECÍFICA, ESTA IDENTIDADE INCLUÍA ESSENCIALMENTE A CONVERSÃO A JESUS CRISTO E SE CONFIRMAVA PELA CONVIVÊNCIA CRISTÃ QUE PASSAVA AO CONVERTIDO, CONHECIMENTOS CADA VEZ MAIS PROFUNDOS E AMPLOS DA FÉ, EXIGÊNCIAS E, SOBRETUDO, ESTÍMULOS DE VIVÊNCIA DOS VALORES CRISTÃOS.
  • 9. II. A CATEQUESE NA IDADE MÉDIA: A IDENTIDADE CRISTÃ GERA A CRISTANDADE (SEC. V - XVI) COMO A RELIGIÃO CRISTÃ FOI IMPOSTA COMO OFICIAL, TODOS ERAM, DE CERTA FORMA, OBRIGADOS A ACATÁ-LA.
  • 10. AS CELEBRAÇÕES SAIRAM DAS CATACUMBAS E RESIDENCIAS E FORAM PARA AS CATEDRAIS
  • 11. A CATEQUESE JÁ NÃO CONSISTIA TANTO NUMA INICIAÇÃO À COMUNIDADE DE FÉ.
  • 12. III. A CATEQUESE NA IDADE MODERNA: BUSCA DE IDENTIDADE CATÓLICA FACE AO PROTESTANTISMO (DO SEC. XVI AO VATICANO II) A CATEQUESE PASSOU A VALORIZAR MAIS A APRENDIZAGEM INDIVIDUAL, NA QUAL JÁ NÃO ERA TÃO MARCANTE A LIGAÇÃO COM A COMUNIDADE
  • 13. POR QUE CATEQUESE COMO INSTRUÇÃO? A)PREOCUPAÇÃO COM A CLAREZA E A EXATIDÃO DAS FORMULAÇÕES DOUTRINAIS; B) DESCOBERTA DA IMPRENSA E A DIFUSÃO DAS ESCOLAS; C) INFLUÊNCIA DO ILUMINISMO.
  • 14. O MELHOR CRISTÃO ERA AQUELE QUE MAIS SABIA SOBRE RELIGIÃO E NÃO AQUELE QUE SE COMPROMETIA COM A VIDA E A VIVÊNCIA DA FÉ;
  • 15. A ATENÇÃO ERA DADA ÀS CRIANÇAS E NÃO AOS ADULTOS; O CATECISMO TORNOU-SE UM REFERENCIAL DE SEGURANÇA SOBRE AS QUESTÕES DE FÉ.
  • 16. A CATEQUESE PASSOU A SER DOUTRINA.
  • 17. IV. EDUCAÇÃO PARA A FÉ E A VIDA (DO VATICANO II AOS NOSSOS DIAS) FRENTE A UMA CATEQUESE FRIA E TEÓRICA, É PRECISO VOLTAR ÀS FONTES E APRESENTÁ-LA COM UM NOVO ROSTO ADEQUADO PARA OS NOSSOS TEMPOS APÓS O VATICANO II, A IGREJA ABRE SUAS PORTAS PARA O NOVO E RENOVA SUA PRESENÇA NO MUNDO COMO SINAL DO REINO.
  • 18. EM 1983, A CATEQUESE GANHA UM GRANDE IMPULSO COM O DOCUMENTO 26: “CATEQUESE RENOVADA”.
  • 19. CATEQUESE: “ É UM PROCESSO DE EDUCAÇÃO COMUNITÁRIA, PERMANENTE, PROGRESSIVA, ORDENADA, ORGÂNICA E SISTEMÁTICA DA FÉ. SUA FINALIDADE É A MATURIDADES DA FÉ, NUM COMPROMISSO PESSOAL E COMUNITÁRIO DE LIBERTAÇÃO INTEGRAL, QUE DEVE ACONTECER JÁ AQUI E CULMINAR NO REINO DEFINITIVO” (CR 318)
  • 21. Queremos uma catequese de Iniciação Cristã, não apenas de instrução cristã.
  • 23. iniciação nos mistérios da fé, seja na forma de catecumenato batismal para os não batizados, seja na forma de catecumenato pós-batismal para os batizados não suficientemente catequizados.” (DAp 288) “A IC consiste em colocar alguém em contato com Jesus Cristo (querigma) para ser seu discípulo. A IC, propriamente falando, refere-se à primeira
  • 24. “A paróquia precisa ser o lugar onde se assegura a IC e terá como tarefa irrenunciável: iniciar na vida cristã os adultos batizados a infância e não suficientemente evangelizados; educar na fé as crianças batizadas em um processo que os leva a completar sua iniciação cristã; iniciar os não batizados que, havendo escutado o querigma, querem abraçar a fé. Nesta tarefa, o estudo e a assimilação do RICA é referência necessária e apoio seguro” (DAP293)
  • 25. A Iniciação Cristã não se reduz à intimidade com Jesus Cristo, mas deve ter reflexos e influências vitais na própria existência, levando à participação da comunidade, que no seu conjunto deve dar TESTEMUNHO DO EVANGELHO.
  • 26. Temos uma multidão de iniciados ontologicamente (ser) na fé, mas não existencialmente! Temos um modelo de pastoral de conservação ou manutenção, mais do que de avanços e conquistas.
  • 27. Aparecida nos convida a “abandonarmos as ultrapassadas estruturas que já não favoreçam a transmissão da fé” e a uma “conversão pastoral e renovação missionária...”( DAp 375) Assumir a IC exige não somente uma renovação da catequese, mas também uma reestruturação de toda a vida pastoral da paróquia.
  • 28. “É preciso ajudar as pessoas a conhecer Jesus Cristo, fascinar-se por Ele e optar por seguí-lo” (DAGAE 42) O Catecumenato descrito no RICA não é só pra adultos não batizados, mas também para batizados, não plenamente iniciados ou que querem aprofundar a própria iniciação.
  • 29. Trata-se de alterar a própria estrutura da tradicional “preparação para os sacramentos” (sacramentalização) e propor um novo paradigma evangelizador-catequético.
  • 30. A IC é um processo exigente: um itinerário prolongado de preparação e compreensão vital, de acolhimento dos grandes segredos da fé (mistérios), da VIDA NOVA (com todas as suas consequências pessoais e sociais) revelada em Cristo Jesus e celebrada na Liturgia. O catequista hoje é chamado a ser um mistagogo.
  • 31. RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS – RICA Aqui são descritos os ritos do catecumenato, mas não os conteúdos catequéticos. (METODOLOGIA) O importante é perceber como no catecumenato a formação acontece inseparavelmente unido à prática da vida cristã.
  • 32. 1) Catequese articulada com a liturgia: as celebrações ajudam a assimilar os conteúdos da catequese, ensinam prazerosamente as formas e os caminhos da oração, aproximam dos símbolos, ações e tempos do mistério litúrgico e introduzem, gradativamente, no culto e vivência de toda a comunidade.
  • 33. 2) Outro elemento importante é o “itinerário espiritual” realizado por etapas e através do acompanhamento pessoal de alguns membros da comunidade (introdutores). São estes que acompanham os catecúmenos, que dão testemunho perante a comunidade sobre o amadurecimento e crescimento do catecúmeno.
  • 34. POR SER UM LIVRO LITÚRGICO, NÃO ENCONTRAMOS NO RICA AS ORIENTAÇÕES DETALHADAS SOBRE OS CONTEÚDOS DA CATEQUESE EM CADA TEMPO DO CATECUMENATO, NEM DETALHES PASTORAIS PARA SUA IMPLANTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO (PARA TANTO CONFERIR: COM ADULTOS CATEQUESE ADULTA, 102)
  • 35. Etapas Pré- Catecumenato Catecumenato Purificação e Iluminação Mistagogia Duração 2 a 3 meses (Introdutor) Cerca de 09 meses (Em turmas: Catequista) Quaresma (5 semanas) Tempo Pascal (7 semanas) Conteúdos Querigma (Anuncio Evangélico)  História da Salvação  Credo  Sacramentos  Mandamentos  Pai Nosso Preparação imediata Catequese sacramental eliturgica Finalidade Despertar a fé e a conversão Aprofundar a fé Amadurecer as decisões Integrar-se na comunidade Celebrações Encontros Cel. da Palavra Exorcismos menores Bênçãos 3 Escrutínios Entrega do Credo e do Pai Nosso Eucaristias comunitárias Funções Acolhida Conversão Iluminação Contemplação Categoria Pré- catecúmenos ou simpatizantes ou interessados Catecúmenos ou ouvintes Eleitos Neófitos Entrada,recepçãoouadmissãonocatecumenato Eleição,inscriçãodonome CelebraçãodosSacramentos:VigíliaPascal
  • 36. 4 tempos: Pré-catecumenato: tempo da primeira evangelização. Faz-se um anúncio inicial e global de Cristo e do seu Evangelho. Catecumenato: é o tempo de aprofundamento da fé, da conversão, da participação na comunidade, à medida que vão sendo trabalhados com os candidatos os vários elementos do mistério, da vida, da liturgia e da oração cristã. Purificação e iluminação: é um período de aprofundamento espiritual em preparação ao Tríduo Pascal. Mistagogia: é tempo de aprofundamento na compreensão do mistério cristão, de comunhão com a comunidade dos fiéis e de participação na missão da Igreja.
  • 37. 3 celebrações que marcam a passagem de uma etapa para outra: 1)Celebração da eleição: é feita no início da Quaresma. Após esta celebração, os catecúmenos passam a ser chamados de “os eleitos”. O rito ressalta a importância da comunidade eclesial no ato de acolher esses dons que Deus faz à sua Igreja. 2)Celebração dos sacramentos de iniciação cristã: batismo, confirmação,Eucaristia.É o coroamento da iniciação cristã e o início da nova vida. 3)Entrada: após o pré catecumenato, o candidato pede à Igreja o dom da fé, virtude que deverá ser acompanhada sempre pela conversão, manifestada na mudança de mentalidade e adoção dos costumes e valores evangélicos.
  • 38. Exorcismos menores: As orações constam, normalmente, de quatro partes: do memorial salvífico, onde se recorda algum acontecimento salvífico ou atributo divino; aparecem as súplicas para proteger-se do mal e em seguida as súplicas de modo positivo; a oração é concluída com a finalidade salvífica a realizar-se em favor do catecúmeno. O objetivo dessas preces é pedir que o Espírito ajude os catecúmenos no seu crescimento interior ou que esses estejam abertos à ação do Espírito nesse tempo.
  • 39. Escrutínios O que se procura com eles é orientar os propósitos e estimular as vontades, para que os Catecúmenos se unam mais estreitamente a Cristo e reavivam seu desejo de amar a Deus.
  • 40. Entregas Entrega (em latim, traditio, que quer dizer “transmissão) aos catecúmenos ou eleitos dos documentos que contêm sinteticamente o conteúdo da fé professada pela Igreja e da oração que os primeiros discípulos aprenderam do Senhor. Entrega do Símbolo da Fé: depois do primeiro escrutínio Entrega do Pai Nosso: depois do terceiro escrutínio Ou ambos em outro momento no catecumenato.
  • 41. Os responsáveis pelo processo... (RICA 41-48) Comunidade: deve acolher e ajudar os candidatos e os catecúmenos durante todo o processo da iniciação; Introdutor (a): Conhece, ajuda, acompanha com zelosa atenção e é testemunha dos candidatos; Padrinho (madrinha): acompanha o candidato no dia da eleição, na celebração dos sacramentos e no tempo da mistagogia; Bispo: estabelece e dirige o catecumenato em toda a diocese; O Presbítero: presta assistência pastoral e pessoal aos catecúmenos; O Diácono: exerce sua função no desenvolvimento do catecumenato; O Catequista: importante para o progresso de crescimento dos catecúmenos e o desenvolvimento da comunidade; deve ter parte ativa nos ritos.
  • 42. Como começar? 1. Formar uma equipe inter-pastoral (Batismo, Crisma, Eucaristia, Liturgia, ...) 2. Estudar as orientações da Arquidiocese, o RICA e outros documentos que são publicados. Começar a estudar é o mais importante, no momento. 3. Escolher, com a anuência do Pároco, as pessoas de várias pastorais e movimentos, com perfil para serem introdutores.
  • 43. 4. Organizar um breve curso para envolver os introdutores no processo: A meta da Iniciação Cristã; O RICA e suas etapas; O que é Catecumenato; O acompanhamento espiritual e a atitude do Introdutor; A Sagrada Escritura; 5. Formar os catequistas na ótica do catecumenato. Introdutores e catequistas devem ter reuniões periódicas para trocarem experiência sobre o período do pré-catecumenato.
  • 44. 6. Marcar as datas dos ritos, e envolver os catecúmenos e catequizandos para que eles possam se sentir responsáveis pelo processo. 7. Estar aberto para receber os candidatos durante todo o ano. Daí a importância dos introdutores em todas as pastorais, associações e movimentos.