SlideShare uma empresa Scribd logo
MARIA
NA DEVOÇÃO E
LITURGIA
NA BÍBLIA
NOS DOGMAS
MARIAMARIA
1.1 NA DEVOÇÃO
• Essa devoção não tem dono;
• O povo divulga, o povo modifica;
• Tem um aspecto comunitário e cultural muito
forte;
ORIGEM DOS TÍTULOS:
• APARIÇÕES
• NECESSIDADES HUMANAS
• PASSAGENS DA VIDA DE MARIA
RamónRamón
GimenezGimenez
RamónRamón
GimenezGimenez
1.2 NA LITURGIA
• O culto a Maria na Liturgia é mais
definido;
• mas não é fossilizada;
• também vai assumindo formas diferentes ,
de acordo com as novas situações.
Hoje na liturgia temos:
• Memória
• Festas
• Solenidades
Os padres, os ministros das celebrações devem
aproveitar as celebrações para ajudar o povo a conhecer
mais e melhor a mãe de Jesus.
2. NA BÍBLIA
Maria de Nazaré e os Evangelhos:
 nos Evangelhos tudo gira em torno de Jesus,
 ele é o centro;
 Quando fala de Maria, fazem em relação a Jesus;
 cada Evangelista tem um plano teológico para sua
obra;
 cabe a Lucas e João o mérito de mostrar as
qualidades humanas e espirituais de Maria.
 Por fim, o livro do Apocalipse apresenta Maria
como imagem da comunidade cristã, que experimenta
nesse mundo o sofrimento, a perseguição, mas
também a glória do ressuscitado.
2.1 MARIA NO EVANGELHO DE LUCAS
Normalmente dizemos que Maria é importante porque
é a mãe de Jesus. Lucas nos mostra que Maria tem
muitas outras qualidades.
2.1.1 A PERFEITA DISCÍPULA DO SENHOR
 Jesus chama discípulos, cooperadores da missão;
 na explicação da parábola da boa semente diz:
“O que está na boa terra são os que ouvem a palavra num
coração leal e bom, guardam-na e produzem fruto pela
perseverança” (Lc8,15)
OUVIR, ACOLHER, FRUTIFICAR
a) A anunciação: Maria acolhe a proposta de Deus
 a anunciação não só prepara o nascimento de Jesus,
mas também mostra a vocação de Maria e sua
resposta generosa.
 O anjo começa com uma saudação: Alegre-se Maria
(Lc 1 , 28)
 Maria recebe um nome especial: “Cheia de graça”.
 A seguir, diz-se que “o Senhor está contigo”
 Diante da proposta de Deus, o seu “sim” ecoa forte.
 Toda disponível a Deus, Maria une a liberdade com a
vontade: Eis aqui a servidora do Senhor. Faça-se em
mim segundo a vossa palavra(Lc 1,37)
 essa entrega do coração a Deus tem um nome muito
simples: FÉ
 Maria não somente ouviu, mas escutou a palavra,
acolheu-a no coração.
b) Maria medita a palavra no coração
 Maria nos ensina a cultivar a interioridade. Guardar
as coisas no coração, meditar e buscar sentido nos
acontecimentos e preparar-se para o que vai acontecer;
 Lucas nos fala 2 vezes que Maria guarda no coração
os acontecimentos e procura descobrir o seu sentido.
 na primeira vez, depois do nascimento de
Jesus (Lc 2,19)
 na segunda, “Vocês não sabiam que
devo estar junto do meu Pai?” (Lc 2, 46-49)
 No começo e no fim da vida familiar
de Jesus, quer dizer que isso era
constante em Maria.
c) Maria, a árvore que dá bons frutos
 Depois da Anunciação Maria sai
às pressas para visitar sua parenta Isabel
 A fé torna Maria fértil de corpo e alma
 Quando os familiares de Jesus vão procurá-lo e
não conseguem alcançá-lo por causa da multidão,
Jesus diz: “A minha mãe e os meus irmãos são os que
ouvem a palavra de Deus e a põem em prática.”
(Lc8,21)
 quando afirmam para Jesus: “Feliz aquela que te
trouxe no útero e te amamentou.” Jesus respondeu:
“Antes, bem-aventurados os que ouvem a palavra de
Deus e a observam.”(Lc 11,27)
2. Maria, a peregrina na fé
“Eis que esse menino causará a queda e a elevação de
muitas pessoas. Será um sinal de contradição, - e para
você, uma espada traspassará sua alma – e assim serão
revelados os pensamentos de muitos corações. (Lc2,34)
“Pois a palavra de Deus é viva, eficaz e mais penetrante
do que qualquer espada de dois gumes. Julga as
disposições e as intenções do coração. E não há
criatura oculta à sua presença.” (Hb 4,12s)
 Maria foi constantemente provocada pelas
palavras e atitudes de Jesus, que eram
tão diferentes das pessoas de seu tempo.
Faz parte da fé aqueles momentos de
escuridão, em que a razão se cala e alma
se entrega a Deus.
2.2 MARIA EM JOÃO
 Maria aparece duas vezes no evangelho
de João. Ela atua na realização do primeiro
sinal de Jesus em Caná e permanece ao Pé
da cruz.
 ao colocar Maria no início e no final da
missão de Jesus, João está dizendo que ela
tem um lugar especial, pois se faz presente
nos momentos mais importantes.
a) Maria em Caná: o vinho novo (Jo2,1-11)
 Maria se dirige a Jesus, fazendo-lhe um discreto pedido:
“Eles não tem mais vinho”.
 Jesus acha que não é ainda o momento oportuno de
começar sua missão.
 Maria diz: “Façam tudo o que disser a vocês”
 Segundo João, Maria não só realiza a vontade de Deus na
sua vida, mas também orienta os outros a fazerem o que
Deus lhes pede.
 Qual o resultado da ação de Jesus, devido à intervenção de
Maria? João nos fala que Jesus “manifestou sua glória e
seus discípulos creram nele.
 O primeiro sinal, de Caná, abre caminho para a aventura da
fé.
 O relato sobre Caná nos mostra Maria como a mãe da
comunidade cristã, que estimula os servidores e amigos de
Jesus a realizarem sua vontade.
b) Maria ao pé da cruz: a comunidade cristã
 Maria que apareceu no início de sua missão,
em Caná, ajudando seus discípulos a
acreditarem nele, volta de novo à cena.
 O gesto de “permanecer de pé” significa
persistência, constância e adesão.
 Caná e cruz não aconteceram somente uma
vez. Estão se realizando ainda.
2.3 Maria no apocalipse
 A mulher do Apocalipse 12 era, em primeiro
lugar, a comunidade cristã, perseguida pelas
forças políticas e religiosas da época. Mas a
Igreja, no correr do tempo, encontrou no
texto muitas semelhanças com Maria. E passou
a usar esse texto para mostrar como ela já
participa da glória de Deus.
3. Maria nos dogmas
a) O dogma de “Maria, Mãe de Deus”
 Concílio de Éfeso (431)
 Os cristãos estavam discutindo sobre a humanidade e a
divindade de Jesus e concluíram também algo a
respeito de Maria. Ela não é mãe somente da parte
humana de Jesus Cristo, mas de toda a sua pessoa de
Filho de Deus encarnado.
 3 lições: pensar que tipo de mãe foi Maria e como sua
missão ajudou a missão de Jesus;
compreender como Maria se relaciona com Deus;
como sua missão materna diz respeito a cada um de nós
b) O dogma da virgindade de Maria
 O dogma da virgindade de Maria
tem 3 partes:
→ a concepção virginal
→ a opção celibatária de Maria
→ a virgindade no parto
Interpretações da Concepção Virginal
• Literal: aconteceu conforme está
contado na bíblia
• Metafórica: o importante é a
mensagem, o fato não interessa. A
concepção de Jesus é um presente de
Deus para a humanidade
.• Real Simbólica: A concepção de Jesus
e seu nascimento são uma nova criação,
fruto do dom de Deus e da resposta
humana. A concepção virginal vai além da
questão sexual, mas é real.
c) O dogma da Imaculada Conceição
 O fato de Maria ser Imaculada não lhe tira o esforço de
ser peregrina na fé, pois isso faz parte da sua situação de
ser humano, que necessita crescer e aprender. Maria não
nasce prontinha. Também é aprendiz da vida.
 O dogma da Imaculada afirma que Maria é préredimida
por Cristo.
d) O dogma da Assunção
 Cremos que Maria já está glorificada
junto de Deus, toda inteira. Ela antecipa
o que está prometido para cada um de
nós: participar do banquete da Vida,
trazendo consigo o amor e seus frutos.
Maria
Virgem da Conceição, Vós
fostes aquela Senhora,
que entrastes no Céu
vestida de sol, calçada de
lua, coroada de estrelas e
cercada de anjos. Vós
prometestes ao Anjo
Gabriel que havíeis de
socorrer a todo aquele
que invocasse vosso Santo
Nome.
Agora é a ocasião.
Valei-me senhora da
Conceição.
Bem Aventurada Nhá Chica
RAMÓN GIMENEZ
ramonbh@ymail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
fagundes_daniel
 
O que é catequese
O que é catequeseO que é catequese
O que é catequese
Francisco Rodrigues
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Rodrigo Ribeiro
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
Catequese Anjos dos Céus
 
Mariologia - Dogmas
Mariologia - DogmasMariologia - Dogmas
Mariologia - Dogmas
Camila Pascoal
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Missa parte por parte
Missa parte por parteMissa parte por parte
Missa parte por parte
Nahor Lopes de Souza Junior
 
Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)
Afonso Murad (FAJE)
 
Cursoparaobreiros
Cursoparaobreiros Cursoparaobreiros
Cursoparaobreiros
Sara Ribeiro
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
iaymesobrino
 
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovensEvangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Ulisses
 
DISCIPULADO NA ESCOLA DOMINICAL: O DESAFIO DE UMA EBD RELACIONAL
DISCIPULADO NA ESCOLA DOMINICAL: O DESAFIO DE UMA EBD RELACIONALDISCIPULADO NA ESCOLA DOMINICAL: O DESAFIO DE UMA EBD RELACIONAL
DISCIPULADO NA ESCOLA DOMINICAL: O DESAFIO DE UMA EBD RELACIONAL
Joary Jossué Carlesso
 
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Ser cristão   objetivo primeiro da catequeseSer cristão   objetivo primeiro da catequese
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
Francisco Rodrigues
 
Santíssima Trindade
Santíssima TrindadeSantíssima Trindade
Santíssima Trindade
CatequesedoSagrado
 
Reuniao de pais 19 de março pronto
 Reuniao de pais 19 de março pronto Reuniao de pais 19 de março pronto
Reuniao de pais 19 de março pronto
Mara Maria Junckes
 
14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA
Catequese Anjos dos Céus
 
2º encontro catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º encontro  catequese -  Igreja-Missa-Biblia2º encontro  catequese -  Igreja-Missa-Biblia
2º encontro catequese - Igreja-Missa-Biblia
Catequese Anjos dos Céus
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
José Luiz Silva Pinto
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
José Vieira Dos Santos
 

Mais procurados (20)

A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
 
O que é catequese
O que é catequeseO que é catequese
O que é catequese
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
 
Mariologia - Dogmas
Mariologia - DogmasMariologia - Dogmas
Mariologia - Dogmas
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
 
Missa parte por parte
Missa parte por parteMissa parte por parte
Missa parte por parte
 
Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)
 
Cursoparaobreiros
Cursoparaobreiros Cursoparaobreiros
Cursoparaobreiros
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovensEvangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
 
DISCIPULADO NA ESCOLA DOMINICAL: O DESAFIO DE UMA EBD RELACIONAL
DISCIPULADO NA ESCOLA DOMINICAL: O DESAFIO DE UMA EBD RELACIONALDISCIPULADO NA ESCOLA DOMINICAL: O DESAFIO DE UMA EBD RELACIONAL
DISCIPULADO NA ESCOLA DOMINICAL: O DESAFIO DE UMA EBD RELACIONAL
 
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Ser cristão   objetivo primeiro da catequeseSer cristão   objetivo primeiro da catequese
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
 
Santíssima Trindade
Santíssima TrindadeSantíssima Trindade
Santíssima Trindade
 
Reuniao de pais 19 de março pronto
 Reuniao de pais 19 de março pronto Reuniao de pais 19 de março pronto
Reuniao de pais 19 de março pronto
 
14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA
 
2º encontro catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º encontro  catequese -  Igreja-Missa-Biblia2º encontro  catequese -  Igreja-Missa-Biblia
2º encontro catequese - Igreja-Missa-Biblia
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
 

Destaque

Maria e a revelação bíblica1
Maria e a revelação bíblica1Maria e a revelação bíblica1
Maria e a revelação bíblica1
Patricio Darvisson
 
Maria no evangelho de lucas (2012)
Maria no evangelho de lucas (2012)Maria no evangelho de lucas (2012)
Maria no evangelho de lucas (2012)
Afonso Murad (FAJE)
 
Ano Mariano Apresentação
Ano Mariano ApresentaçãoAno Mariano Apresentação
Ano Mariano Apresentação
umbrasil
 
Virgem Maria Slide
Virgem Maria SlideVirgem Maria Slide
Maria, discípula e missionária
Maria, discípula e missionáriaMaria, discípula e missionária
Maria, discípula e missionária
ribamar123
 
Maria na devoção e na liturgia
Maria na devoção e na liturgiaMaria na devoção e na liturgia
Maria na devoção e na liturgia
Afonso Murad (FAJE)
 
Maria no Antigo Testamento (2012)
Maria no Antigo Testamento (2012)Maria no Antigo Testamento (2012)
Maria no Antigo Testamento (2012)
Afonso Murad (FAJE)
 
Um novo começo com maria
Um novo começo com mariaUm novo começo com maria
Um novo começo com maria
Afonso Murad (FAJE)
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Fábio Paiva
 
Campanha da fraternidade 2017 texto base - biomas brasileiros
Campanha da fraternidade 2017   texto base - biomas brasileirosCampanha da fraternidade 2017   texto base - biomas brasileiros
Campanha da fraternidade 2017 texto base - biomas brasileiros
Afonso Murad (FAJE)
 
Contribuição dos santuários para a evangelização
Contribuição dos santuários para a evangelizaçãoContribuição dos santuários para a evangelização
Contribuição dos santuários para a evangelização
Afonso Murad (FAJE)
 
Dogmas marianos- documento
Dogmas marianos- documentoDogmas marianos- documento
Dogmas marianos- documento
Camila Pascoal
 
Gestão participativa
Gestão participativaGestão participativa
Gestão participativa
NEAGERED
 
Indulgencia - Apresentação
Indulgencia - ApresentaçãoIndulgencia - Apresentação
Indulgencia - Apresentação
Lauro K. Saito
 
Maria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de JesusMaria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de Jesus
Antonino Silva
 
Aulas de escatologia. esquema
Aulas de escatologia. esquemaAulas de escatologia. esquema
Aulas de escatologia. esquema
Mw M
 
Gestão Colegiada
Gestão Colegiada Gestão Colegiada
Gestão Colegiada
UBIRAJARA COUTO LIMA
 
Esquema jesus nos 4 evangelhos
Esquema jesus nos 4 evangelhosEsquema jesus nos 4 evangelhos
Esquema jesus nos 4 evangelhos
Dalva Ignacio
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
Dogmas marianos
Dogmas marianosDogmas marianos
Dogmas marianos
Yolanda Escajadillo
 

Destaque (20)

Maria e a revelação bíblica1
Maria e a revelação bíblica1Maria e a revelação bíblica1
Maria e a revelação bíblica1
 
Maria no evangelho de lucas (2012)
Maria no evangelho de lucas (2012)Maria no evangelho de lucas (2012)
Maria no evangelho de lucas (2012)
 
Ano Mariano Apresentação
Ano Mariano ApresentaçãoAno Mariano Apresentação
Ano Mariano Apresentação
 
Virgem Maria Slide
Virgem Maria SlideVirgem Maria Slide
Virgem Maria Slide
 
Maria, discípula e missionária
Maria, discípula e missionáriaMaria, discípula e missionária
Maria, discípula e missionária
 
Maria na devoção e na liturgia
Maria na devoção e na liturgiaMaria na devoção e na liturgia
Maria na devoção e na liturgia
 
Maria no Antigo Testamento (2012)
Maria no Antigo Testamento (2012)Maria no Antigo Testamento (2012)
Maria no Antigo Testamento (2012)
 
Um novo começo com maria
Um novo começo com mariaUm novo começo com maria
Um novo começo com maria
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
 
Campanha da fraternidade 2017 texto base - biomas brasileiros
Campanha da fraternidade 2017   texto base - biomas brasileirosCampanha da fraternidade 2017   texto base - biomas brasileiros
Campanha da fraternidade 2017 texto base - biomas brasileiros
 
Contribuição dos santuários para a evangelização
Contribuição dos santuários para a evangelizaçãoContribuição dos santuários para a evangelização
Contribuição dos santuários para a evangelização
 
Dogmas marianos- documento
Dogmas marianos- documentoDogmas marianos- documento
Dogmas marianos- documento
 
Gestão participativa
Gestão participativaGestão participativa
Gestão participativa
 
Indulgencia - Apresentação
Indulgencia - ApresentaçãoIndulgencia - Apresentação
Indulgencia - Apresentação
 
Maria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de JesusMaria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de Jesus
 
Aulas de escatologia. esquema
Aulas de escatologia. esquemaAulas de escatologia. esquema
Aulas de escatologia. esquema
 
Gestão Colegiada
Gestão Colegiada Gestão Colegiada
Gestão Colegiada
 
Esquema jesus nos 4 evangelhos
Esquema jesus nos 4 evangelhosEsquema jesus nos 4 evangelhos
Esquema jesus nos 4 evangelhos
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
Indulgencia
 
Dogmas marianos
Dogmas marianosDogmas marianos
Dogmas marianos
 

Semelhante a Maria

Cat09
Cat09Cat09
LIÇÃO 11 - Maria, mãe de jesus - uma serva humilde
LIÇÃO 11 - Maria, mãe de jesus - uma serva humildeLIÇÃO 11 - Maria, mãe de jesus - uma serva humilde
LIÇÃO 11 - Maria, mãe de jesus - uma serva humilde
Natalino das Neves Neves
 
Maria no documento de aparecida
Maria no documento de aparecidaMaria no documento de aparecida
Maria no documento de aparecida
Afonso Murad (FAJE)
 
Maria no evangelho de lucas
Maria no evangelho de lucasMaria no evangelho de lucas
Maria no evangelho de lucas
Alencar Santana
 
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus — Uma Serva Humilde
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus — Uma Serva HumildeLição 11 - Maria, Mãe de Jesus — Uma Serva Humilde
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus — Uma Serva Humilde
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
A intercessão de maria (afonso murad)
A intercessão de maria (afonso murad)A intercessão de maria (afonso murad)
A intercessão de maria (afonso murad)
Afonso Murad (FAJE)
 
5 ra terceira semana para envio- Retiro de Advento/Natal 2013…
5 ra terceira semana para envio- Retiro de Advento/Natal 2013…5 ra terceira semana para envio- Retiro de Advento/Natal 2013…
5 ra terceira semana para envio- Retiro de Advento/Natal 2013…
Bernadetecebs .
 
Lição 7 - O Desafio dos Novas Teologias e Modismos
Lição 7 - O Desafio dos Novas Teologias e ModismosLição 7 - O Desafio dos Novas Teologias e Modismos
Lição 7 - O Desafio dos Novas Teologias e Modismos
Éder Tomé
 
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
Sergio Silva
 
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensinoFundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
Eduardo Braz
 
O diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison PereiraO diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison Pereira
MINISTERIO IPCA.
 
SLIDE maria.docx
SLIDE maria.docxSLIDE maria.docx
SLIDE maria.docx
NagilaRodrigues4
 
Grandes virtudes de maria
Grandes virtudes de mariaGrandes virtudes de maria
Grandes virtudes de maria
Paulo Nascimento
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
Marcos Masini
 
Lição 7: Mulheres na Bíblia Maria e eu
Lição 7: Mulheres na Bíblia Maria e euLição 7: Mulheres na Bíblia Maria e eu
Lição 7: Mulheres na Bíblia Maria e eu
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Lição 3 que é uma seita - 2º quadrimestre 2012 - ebd - religiões e religios...
Lição 3   que é uma seita - 2º quadrimestre 2012 - ebd - religiões e religios...Lição 3   que é uma seita - 2º quadrimestre 2012 - ebd - religiões e religios...
Lição 3 que é uma seita - 2º quadrimestre 2012 - ebd - religiões e religios...
Sergio Silva
 
E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
Moisés Sampaio
 
Lição 11 maria mãe de jesus - uma serva humilde
Lição 11  maria mãe de jesus - uma serva humildeLição 11  maria mãe de jesus - uma serva humilde
Lição 11 maria mãe de jesus - uma serva humilde
Pr. Andre Luiz
 
Devoção a maria - Ancoragem e perspectivas
Devoção a maria - Ancoragem e perspectivasDevoção a maria - Ancoragem e perspectivas
Devoção a maria - Ancoragem e perspectivas
Afonso Murad (FAJE)
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Dezemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Dezemb...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Dezemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Dezemb...
ParoquiaDeSaoPedro
 

Semelhante a Maria (20)

Cat09
Cat09Cat09
Cat09
 
LIÇÃO 11 - Maria, mãe de jesus - uma serva humilde
LIÇÃO 11 - Maria, mãe de jesus - uma serva humildeLIÇÃO 11 - Maria, mãe de jesus - uma serva humilde
LIÇÃO 11 - Maria, mãe de jesus - uma serva humilde
 
Maria no documento de aparecida
Maria no documento de aparecidaMaria no documento de aparecida
Maria no documento de aparecida
 
Maria no evangelho de lucas
Maria no evangelho de lucasMaria no evangelho de lucas
Maria no evangelho de lucas
 
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus — Uma Serva Humilde
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus — Uma Serva HumildeLição 11 - Maria, Mãe de Jesus — Uma Serva Humilde
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus — Uma Serva Humilde
 
A intercessão de maria (afonso murad)
A intercessão de maria (afonso murad)A intercessão de maria (afonso murad)
A intercessão de maria (afonso murad)
 
5 ra terceira semana para envio- Retiro de Advento/Natal 2013…
5 ra terceira semana para envio- Retiro de Advento/Natal 2013…5 ra terceira semana para envio- Retiro de Advento/Natal 2013…
5 ra terceira semana para envio- Retiro de Advento/Natal 2013…
 
Lição 7 - O Desafio dos Novas Teologias e Modismos
Lição 7 - O Desafio dos Novas Teologias e ModismosLição 7 - O Desafio dos Novas Teologias e Modismos
Lição 7 - O Desafio dos Novas Teologias e Modismos
 
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
 
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensinoFundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
 
O diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison PereiraO diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison Pereira
 
SLIDE maria.docx
SLIDE maria.docxSLIDE maria.docx
SLIDE maria.docx
 
Grandes virtudes de maria
Grandes virtudes de mariaGrandes virtudes de maria
Grandes virtudes de maria
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
Lição 7: Mulheres na Bíblia Maria e eu
Lição 7: Mulheres na Bíblia Maria e euLição 7: Mulheres na Bíblia Maria e eu
Lição 7: Mulheres na Bíblia Maria e eu
 
Lição 3 que é uma seita - 2º quadrimestre 2012 - ebd - religiões e religios...
Lição 3   que é uma seita - 2º quadrimestre 2012 - ebd - religiões e religios...Lição 3   que é uma seita - 2º quadrimestre 2012 - ebd - religiões e religios...
Lição 3 que é uma seita - 2º quadrimestre 2012 - ebd - religiões e religios...
 
E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
 
Lição 11 maria mãe de jesus - uma serva humilde
Lição 11  maria mãe de jesus - uma serva humildeLição 11  maria mãe de jesus - uma serva humilde
Lição 11 maria mãe de jesus - uma serva humilde
 
Devoção a maria - Ancoragem e perspectivas
Devoção a maria - Ancoragem e perspectivasDevoção a maria - Ancoragem e perspectivas
Devoção a maria - Ancoragem e perspectivas
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Dezemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Dezemb...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Dezemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Dezemb...
 

Mais de Ramon Gimenez

PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
Ramon Gimenez
 
Ano liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmosAno liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmos
Ramon Gimenez
 
Evangelho segundo Marcos
Evangelho segundo MarcosEvangelho segundo Marcos
Evangelho segundo Marcos
Ramon Gimenez
 
Biblia na catequese
Biblia na catequeseBiblia na catequese
Biblia na catequese
Ramon Gimenez
 
Pessoa de jesus
Pessoa de jesusPessoa de jesus
Pessoa de jesus
Ramon Gimenez
 
Falar em publico
Falar em publicoFalar em publico
Falar em publico
Ramon Gimenez
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Ramon Gimenez
 
Historia da catequese
Historia da catequese Historia da catequese
Historia da catequese
Ramon Gimenez
 
O que é ser um lider
O que é ser um liderO que é ser um lider
O que é ser um lider
Ramon Gimenez
 

Mais de Ramon Gimenez (9)

PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
 
Ano liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmosAno liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmos
 
Evangelho segundo Marcos
Evangelho segundo MarcosEvangelho segundo Marcos
Evangelho segundo Marcos
 
Biblia na catequese
Biblia na catequeseBiblia na catequese
Biblia na catequese
 
Pessoa de jesus
Pessoa de jesusPessoa de jesus
Pessoa de jesus
 
Falar em publico
Falar em publicoFalar em publico
Falar em publico
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Historia da catequese
Historia da catequese Historia da catequese
Historia da catequese
 
O que é ser um lider
O que é ser um liderO que é ser um lider
O que é ser um lider
 

Último

1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 

Último (20)

1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 

Maria

  • 2. NA DEVOÇÃO E LITURGIA NA BÍBLIA NOS DOGMAS MARIAMARIA
  • 3. 1.1 NA DEVOÇÃO • Essa devoção não tem dono; • O povo divulga, o povo modifica; • Tem um aspecto comunitário e cultural muito forte;
  • 4. ORIGEM DOS TÍTULOS: • APARIÇÕES • NECESSIDADES HUMANAS • PASSAGENS DA VIDA DE MARIA
  • 7. 1.2 NA LITURGIA • O culto a Maria na Liturgia é mais definido; • mas não é fossilizada; • também vai assumindo formas diferentes , de acordo com as novas situações.
  • 8. Hoje na liturgia temos: • Memória • Festas • Solenidades Os padres, os ministros das celebrações devem aproveitar as celebrações para ajudar o povo a conhecer mais e melhor a mãe de Jesus.
  • 9. 2. NA BÍBLIA Maria de Nazaré e os Evangelhos:  nos Evangelhos tudo gira em torno de Jesus,  ele é o centro;  Quando fala de Maria, fazem em relação a Jesus;  cada Evangelista tem um plano teológico para sua obra;  cabe a Lucas e João o mérito de mostrar as qualidades humanas e espirituais de Maria.  Por fim, o livro do Apocalipse apresenta Maria como imagem da comunidade cristã, que experimenta nesse mundo o sofrimento, a perseguição, mas também a glória do ressuscitado.
  • 10. 2.1 MARIA NO EVANGELHO DE LUCAS Normalmente dizemos que Maria é importante porque é a mãe de Jesus. Lucas nos mostra que Maria tem muitas outras qualidades.
  • 11. 2.1.1 A PERFEITA DISCÍPULA DO SENHOR  Jesus chama discípulos, cooperadores da missão;  na explicação da parábola da boa semente diz: “O que está na boa terra são os que ouvem a palavra num coração leal e bom, guardam-na e produzem fruto pela perseverança” (Lc8,15) OUVIR, ACOLHER, FRUTIFICAR
  • 12. a) A anunciação: Maria acolhe a proposta de Deus  a anunciação não só prepara o nascimento de Jesus, mas também mostra a vocação de Maria e sua resposta generosa.
  • 13.  O anjo começa com uma saudação: Alegre-se Maria (Lc 1 , 28)  Maria recebe um nome especial: “Cheia de graça”.  A seguir, diz-se que “o Senhor está contigo”  Diante da proposta de Deus, o seu “sim” ecoa forte.  Toda disponível a Deus, Maria une a liberdade com a vontade: Eis aqui a servidora do Senhor. Faça-se em mim segundo a vossa palavra(Lc 1,37)  essa entrega do coração a Deus tem um nome muito simples: FÉ  Maria não somente ouviu, mas escutou a palavra, acolheu-a no coração.
  • 14. b) Maria medita a palavra no coração  Maria nos ensina a cultivar a interioridade. Guardar as coisas no coração, meditar e buscar sentido nos acontecimentos e preparar-se para o que vai acontecer;  Lucas nos fala 2 vezes que Maria guarda no coração os acontecimentos e procura descobrir o seu sentido.  na primeira vez, depois do nascimento de Jesus (Lc 2,19)  na segunda, “Vocês não sabiam que devo estar junto do meu Pai?” (Lc 2, 46-49)  No começo e no fim da vida familiar de Jesus, quer dizer que isso era constante em Maria.
  • 15. c) Maria, a árvore que dá bons frutos  Depois da Anunciação Maria sai às pressas para visitar sua parenta Isabel  A fé torna Maria fértil de corpo e alma  Quando os familiares de Jesus vão procurá-lo e não conseguem alcançá-lo por causa da multidão, Jesus diz: “A minha mãe e os meus irmãos são os que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática.” (Lc8,21)  quando afirmam para Jesus: “Feliz aquela que te trouxe no útero e te amamentou.” Jesus respondeu: “Antes, bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a observam.”(Lc 11,27)
  • 16. 2. Maria, a peregrina na fé “Eis que esse menino causará a queda e a elevação de muitas pessoas. Será um sinal de contradição, - e para você, uma espada traspassará sua alma – e assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. (Lc2,34) “Pois a palavra de Deus é viva, eficaz e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes. Julga as disposições e as intenções do coração. E não há criatura oculta à sua presença.” (Hb 4,12s)  Maria foi constantemente provocada pelas palavras e atitudes de Jesus, que eram tão diferentes das pessoas de seu tempo. Faz parte da fé aqueles momentos de escuridão, em que a razão se cala e alma se entrega a Deus.
  • 17. 2.2 MARIA EM JOÃO  Maria aparece duas vezes no evangelho de João. Ela atua na realização do primeiro sinal de Jesus em Caná e permanece ao Pé da cruz.  ao colocar Maria no início e no final da missão de Jesus, João está dizendo que ela tem um lugar especial, pois se faz presente nos momentos mais importantes.
  • 18. a) Maria em Caná: o vinho novo (Jo2,1-11)  Maria se dirige a Jesus, fazendo-lhe um discreto pedido: “Eles não tem mais vinho”.  Jesus acha que não é ainda o momento oportuno de começar sua missão.  Maria diz: “Façam tudo o que disser a vocês”  Segundo João, Maria não só realiza a vontade de Deus na sua vida, mas também orienta os outros a fazerem o que Deus lhes pede.  Qual o resultado da ação de Jesus, devido à intervenção de Maria? João nos fala que Jesus “manifestou sua glória e seus discípulos creram nele.  O primeiro sinal, de Caná, abre caminho para a aventura da fé.  O relato sobre Caná nos mostra Maria como a mãe da comunidade cristã, que estimula os servidores e amigos de Jesus a realizarem sua vontade.
  • 19. b) Maria ao pé da cruz: a comunidade cristã  Maria que apareceu no início de sua missão, em Caná, ajudando seus discípulos a acreditarem nele, volta de novo à cena.  O gesto de “permanecer de pé” significa persistência, constância e adesão.  Caná e cruz não aconteceram somente uma vez. Estão se realizando ainda.
  • 20. 2.3 Maria no apocalipse  A mulher do Apocalipse 12 era, em primeiro lugar, a comunidade cristã, perseguida pelas forças políticas e religiosas da época. Mas a Igreja, no correr do tempo, encontrou no texto muitas semelhanças com Maria. E passou a usar esse texto para mostrar como ela já participa da glória de Deus.
  • 21. 3. Maria nos dogmas a) O dogma de “Maria, Mãe de Deus”  Concílio de Éfeso (431)  Os cristãos estavam discutindo sobre a humanidade e a divindade de Jesus e concluíram também algo a respeito de Maria. Ela não é mãe somente da parte humana de Jesus Cristo, mas de toda a sua pessoa de Filho de Deus encarnado.  3 lições: pensar que tipo de mãe foi Maria e como sua missão ajudou a missão de Jesus; compreender como Maria se relaciona com Deus; como sua missão materna diz respeito a cada um de nós
  • 22. b) O dogma da virgindade de Maria  O dogma da virgindade de Maria tem 3 partes: → a concepção virginal → a opção celibatária de Maria → a virgindade no parto
  • 23. Interpretações da Concepção Virginal • Literal: aconteceu conforme está contado na bíblia • Metafórica: o importante é a mensagem, o fato não interessa. A concepção de Jesus é um presente de Deus para a humanidade .• Real Simbólica: A concepção de Jesus e seu nascimento são uma nova criação, fruto do dom de Deus e da resposta humana. A concepção virginal vai além da questão sexual, mas é real.
  • 24. c) O dogma da Imaculada Conceição  O fato de Maria ser Imaculada não lhe tira o esforço de ser peregrina na fé, pois isso faz parte da sua situação de ser humano, que necessita crescer e aprender. Maria não nasce prontinha. Também é aprendiz da vida.  O dogma da Imaculada afirma que Maria é préredimida por Cristo.
  • 25. d) O dogma da Assunção  Cremos que Maria já está glorificada junto de Deus, toda inteira. Ela antecipa o que está prometido para cada um de nós: participar do banquete da Vida, trazendo consigo o amor e seus frutos.
  • 27. Virgem da Conceição, Vós fostes aquela Senhora, que entrastes no Céu vestida de sol, calçada de lua, coroada de estrelas e cercada de anjos. Vós prometestes ao Anjo Gabriel que havíeis de socorrer a todo aquele que invocasse vosso Santo Nome. Agora é a ocasião. Valei-me senhora da Conceição. Bem Aventurada Nhá Chica