SlideShare uma empresa Scribd logo
AMissãodaIgreja
ComoformarDiscípulosMissionáriosparajesus?
C a t e q u e s e , C a m i n h o p a r a o d i s c i p u l a d o
Um caminho para formar
discípulos-missionários
Iniciação à Vida Cristã
A catequese não é uma supérflua introdução na fé, um verniz ou
um cursinho de admissão à Igreja. É um processo exigente, um
itinerário prolongado de preparação e compreensão vital, de
acolhimento dos grandes segredos da fé (mistérios), da vida
nova revelada em Cristo Jesus e celebrada na Liturgia (DNC 37)
1 – Tornar-se cristão significa assumir ‘‘uma vida nova‘‘, isto é para um
grande projeto de vida.
2 – Para os primeiros cristãos foi preciso uma mudança radical de vida ao
assumir o seguimento de Jesus (At 2, 42-47).
3 – A pessoa que aderia a Jesus mudava o seu jeito de ser. Assumia uma
nova identidade, a ponto de dar a própria vida por Jesus Cristo.
4 – A formação da fé, dos primeiros séculos passava pelo catecumenato,
com tempos e etapas bem definidos, para o crescimento da fé.
5 – A partir do ano 313 o cristianismo passou de uma religião perseguida a
uma ‘‘religião tolerada‘‘. Igreja e estado civil de mãos dadas: tempo
chamado de cristandade.
6 – Com o tempo, a Cetequese deixou de ser feita pelos Sacerdotes.
Tudo virou costume: batizar, casar, ir à missa...
7 – ‘‘Temos alguns católicos batizados, mas poucos evangelizados‘‘.
8 – Temos também, muitos cristãos convictos de sua fé que vivem
na prática a Palavra, celebração e a missão.
9 – Precisamos nos alegrar por tantos jovens que procuram a crisma,
e outros o sacramento do batismo.
Este é o tempo de mudanças, mas também de graça e oportunidades.
O que fazer, então?
10 – É preciso olhar para a proposta de iniciação à vida cristã das
primeiras comunidades e adaptá-la às necessidades presentes.
11 – Iniciação é um processo pelo qual a pessoa vai experimentando
o mistério da fé em Jesus Cristo. É a passagem para um modo novo
de viver.
Este processo é gradativo e permanente. Toda a comunidade
caminha junto, num entendimento de adesão a Jesus Cristo.
INICIAÇÃOÀVIDACRISTÃ
PORQUÊ?
“Tarde te amei, Beleza tão antiga e tão nova,
tarde te amei! Tu estavas dentro de mim e eu
te buscava fora de mim.(...) Brilhaste e
resplandeceste diante de mim, e expulsaste
dos meus olhos a cegueira. Exaltaste o teu
Espírito e aspirei o teu perfume, e desejei-te.
Saboreei-te, e agora tenho fome e sede de ti.
Tocaste-me, e abrasei-me na tua paz”.
(Santo Agostinho, confissões X,27,38).
MissãodaIgreja O catequista participa da missão que a
Igreja recebeu de Jesus ao concluir sua
trajetória terrena, antes de deixar este
mundo e voltar para o Pai: formar
discípulos, batizá-los em nome do
Pai e do Filho e do Espírito Santo e
ensinar-lhes a observar os
ensinamentos de Jesus. (Mt 28, 19-20)
O Documento de Aparecida
convoca a Igreja a iniciar, com
renovado ardor e entusiasmo,
centrado na vocação fundamental
de todo o cristão: ser discípulo
missionáriodeJesusCristo.
Destaca a iniciação cristã como a
“maneira prática de colocar alguém
em contato com Jesus Cristo e
iniciá-lo no discipulado”. E afirma
que “ser discípulo é dom destinado a
crescer”, por isso, salienta a
importância do ”itinerário catequético
permanente”.
 Como fazer da catequese um verdadeiro
caminho de discipulado?
 Será que a nossa catequese é um verdadeiro
caminho de discipulado?
 Quais as novas linguagens que
precisamos utilizar para que o
seguimento de Jesus e o
caminho de discipulado sejam
significativos e portadores de
vida nova para os catequizando?
Responder ao chamado de Jesus e
colocar-se a caminho, seguindo seus
passos, movido pela força do seu
Espírito.
É entrar na dinâmica do discipulado.
Ser cristão é simplesmente seguir uma
pessoa que nos atrai a si e conquista o
nosso coração: Jesus Cristo.
E aceitar seus ensinamentos, a
doutrina da Igreja, seus Dogmas...
DISCIPULADO Para fazer da catequese um
caminho de discipulado...
Discipulado é um processo
transformador.
Possui o objetivo de assimilar os
ensinamentos de Jesus e
tornar-se semelhante a Ele,
dando continuidade a seu projeto.
EVANGELIZAÇÃO
e
CATEQUESE
O novo cristão é primeiro evangelizado,
isto é, recebe o primeiro anúncio da
pessoa de Jesus Cristo, morto e
ressuscitado, e do Reino de Deus.
A pessoa ouve o anúncio e é conduzida
a encontrar-se com Jesus Cristo. “A fé
vem da pregação” (Rm 10,17).
A catequese é a educação da fé, ou
seja, aprofunda de modo sistemático
o conhecimento de Jesus Cristo.
“Na prática, a catequese (...) deve ter em conta o
fato de que muitas vezes não se verificou a
primeira evangelização.
Certo número de crianças batizadas na
primeira infância chegam à catequese paroquial
sem terem recebido qualquer outra iniciação na
fé, e sem terem ainda uma adesão explícita e
pessoal a Jesus Cristo (...).
Sucede também que numerosos pré-
adolescentes e adolescentes (...) permanecem
ainda, por longo tempo, hesitantes em
comprometer toda a sua vida com Jesus Cristo
(...).
Os próprios adultos não estão livres das
tentações da dúvida ou do abandono da fé”.(CT,
n. 19)
O DISCÍPULO nasce do anúncio da pessoa de Jesus Cristo e do encontro forte
e pessoal com Ele, um encontro que depois deve tornar-se também
comunitário.
E o discípulo sente em si o impulso missionário: levar a boa notícia a outros.
Do discípulo nasce o MISSIONÁRIO.
É indispensável que os próprios
catequistas sejam discípulos e
missionários para poderem
formar nesta direção seus
catequizandos.
Lugares de encontro
pessoal e comunitário com
Jesus Cristo
(DAp. n. 246-264)
“Cristo está sempre presente na sua igreja,
especialmente nas ações litúrgicas.
• Está presente no sacrifício da Missa, quer na pessoa do ministro - «O
que se oferece agora pelo ministério sacerdotal é o mesmo que se ofereceu
na Cruz» - quer e sobretudo sob as espécies eucarísticas.
• Está presente com o seu dinamismo nos Sacramentos, de modo que,
quando alguém batiza, é o próprio Cristo que batiza.
• Está presente na sua Palavra, pois é Ele que fala ao ser lida na Igreja a
Sagrada Escritura.
• Está presente, enfim, quando a Igreja reza e canta, Ele que
prometeu: «Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, Eu estou
no meio deles» (Mt. 18,20)”. (SC 7)
Duas faces do mesmo mistério
C
A
T
E
Q
U
E
S
E
L
I
T
U
R
G
I
A
AMADURECIMENTO E VIVÊNCIA DA FÉ
JESUS
ENSINA
JESUS
CELEBRA
A Catequese e a Liturgia são formas essenciais da vida da Igreja.
Liturgia: uma das fontes da Catequese
Ambas se encontram no centro da vida cristã,
que é o mistério Pascal de Jesus Cristo; a
experiência mais profunda da ação
libertadora na história da humanidade.
Metodologia
(catequese iniciática – com utilização das duas
fontes)
**Atos 8, 26-40
(Filipe e o etíope)
A fonte na qual a catequese busca a sua
mensagem é a Sagrada Escritura.
A fonte na qual a catequese saboreia o
mistério, é a Liturgia, fonte da memória
celebrada do mistério pascal de Cristo e
expressão da vida da Igreja.
O DNC destaca que duas fontes regam a
catequese: Bíblia e Liturgia.
“Como posso entender as Escrituras,
se não há alguém que me explique?”
(At 8,31)
CATEQUESE
Explicitação
do Mistério
LITURGIA
Celebração
do Mistério
• A catequese como educação da fé e a liturgia como
celebração da fé, são duas funções da missão
evangelizadora da Igreja.
• A catequese, sem a liturgia, esvazia-se da dimensão
do mistério e reduz-se a um amontoado de
ensinamentos e teorias sobre Deus e a Igreja, mas sem
significado profundo para vida de missão do Cristão.
• A liturgia é fonte inesgotável da catequese, não só pela
riqueza de seu conteúdo, mas pela sua natureza de síntese e
cume da vida cristã: enquanto celebração ela é ao mesmo
tempo anúncio e vivência dos mistérios salvíficos.
• Nela se encontram a ação santificadora de Deus e a
expressão orante da fé da comunidade. As celebrações
litúrgicas, com a riqueza de suas palavras e ações, mensagens
e sinais, podem ser consideradas uma “catequese em ato”.
É tarefa fundamental da catequese iniciar
eficazmente os catequizandos nos sinais
litúrgicos e através deles introduzi-los no mistério
pascal, para serem Discípulos Missionários.
O mistério de Cristo anunciado na
catequese é assimilado e saboreado
através da ritualidade, do simbolismo,
do ritmo que a liturgia imprime, pelo
seu caráter mistagógico.
Catequese e liturgia, integram os elementos
essenciais da formação do discípulo
missionário, dando-lhe a autenticidade
necessária para responder com alegria e
disponibilidade sua missão: as experiências
com a Palavra, com os Sacramentos e com
a comunidade, conferem a catequese um
caráter iniciático e mistagógico.
Aliturgia é fonte da catequese, porque também é nela “que se tomam
as leituras que são explicadas na homilia, e os salmos que se cantam,
as preces, as orações e hinos litúrgicos são penetrados do seu
espírito, e dela recebem seus significado as ações e os sinais”
Formação
dos
Discípulos
Missionários
Encontro
Conversão
Discipulad
o
Comunhão
Missão
É a experiência viva, o
encantamento pela pessoa de
Jesus Cristo.
O encontro com Jesus deve
renovar-se constantemente pelo
testemunho pessoal.
É o desejo e o esforço de mudar,
crescer, ser melhor. É o abandono
do pecado e a opção pelo
seguimento de Jesus.
A pessoa amadurece
constantemente no conhecimento,
amor e seguimento de Jesus.
Para isso é importante a
catequese permanente e a vida
sacramental.
O cristão é, antes de tudo, um
irmão que faz comunhão fraterna
na família, na igreja e na vida. É a
vivência da fraternidade,
solidariedade e caridade.
Ir ao povo, às pessoas, às casas,
às comunidades e além das
fronteiras. Discipulado e missão
são inseparáveis.
DESAFIOS
1. Recuperar a centralidade do mistério pascal de
Cristo na catequese e na vida dos catequizandos
2. Recuperar a liturgia como momento celebrativo
da história da salvação
3. Recuperar a liturgia como exercício do
sacerdócio de Cristo e do sacerdócio batismal
4. Recuperar a dimensão celebrativa da liturgia,
como ação ritual e simbólica
5. Recuperar a dimensão comunitária da liturgia
6. Recuperar a participação dominical na eucaristia
como coração da vida cristã
7. Aprofundar o conhecimento da Palavra de Deus
na catequese
8. Recuperar a espiritualidade pascal ao longo do
ano litúrgico, como caminho pedagógico para o
mistério celebrado
9. Aprofundar a dimensão litúrgica como vivência
do Mistério de Deus, que se experimenta na
mediação do simbólico
10. Formação sólida de Catequistas na Palavra, na
Liturgia e na vivência da Fé para serem
efetivamente Discípulos Missionários
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx

Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistério
Fábio Vasconcelos
 
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham VidaPara Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Luís Miguel Rodrigues
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptxINICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
Julio Cesar
 
Palestra 1 - Pe Léo.pdf
Palestra 1 - Pe Léo.pdfPalestra 1 - Pe Léo.pdf
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
fagundes_daniel
 
METODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.pptMETODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.ppt
ssuser9cb078
 
nossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanentenossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanente
freivalentimpesente
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
leandroandrade607647
 
Formação de catequistas
Formação de catequistasFormação de catequistas
Formação de catequistas
Catequese Anjos dos Céus
 
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdfA-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
SouzaRoberto
 
Itinerário catecumenal
Itinerário catecumenalItinerário catecumenal
Itinerário catecumenal
Sergio Cabral
 
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
Ramon Gimenez
 
História da Iniciação à vida cristã desde a origem
História da Iniciação à vida cristã desde a origemHistória da Iniciação à vida cristã desde a origem
História da Iniciação à vida cristã desde a origem
JosWolney
 
introdutores.pptx
introdutores.pptxintrodutores.pptx
introdutores.pptx
Eisenhower Souza
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
Rodrigo Oliveira
 

Semelhante a Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx (20)

Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistério
 
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham VidaPara Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham Vida
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptxINICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
 
Palestra 1 - Pe Léo.pdf
Palestra 1 - Pe Léo.pdfPalestra 1 - Pe Léo.pdf
Palestra 1 - Pe Léo.pdf
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
 
METODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.pptMETODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.ppt
 
nossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanentenossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanente
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
 
Formação de catequistas
Formação de catequistasFormação de catequistas
Formação de catequistas
 
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdfA-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
 
Itinerário catecumenal
Itinerário catecumenalItinerário catecumenal
Itinerário catecumenal
 
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
 
História da Iniciação à vida cristã desde a origem
História da Iniciação à vida cristã desde a origemHistória da Iniciação à vida cristã desde a origem
História da Iniciação à vida cristã desde a origem
 
introdutores.pptx
introdutores.pptxintrodutores.pptx
introdutores.pptx
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
 

Mais de Nuno Melo

Diácono Ícone de Cristo Servo na Palavra
Diácono Ícone de Cristo Servo na PalavraDiácono Ícone de Cristo Servo na Palavra
Diácono Ícone de Cristo Servo na Palavra
Nuno Melo
 
Aula 5 - Novos caminhos das UC no Brasil e no Mundo
Aula 5 - Novos caminhos das UC no Brasil e no MundoAula 5 - Novos caminhos das UC no Brasil e no Mundo
Aula 5 - Novos caminhos das UC no Brasil e no Mundo
Nuno Melo
 
Formação sobre Motivação para Catequistas.pptx
Formação sobre Motivação para Catequistas.pptxFormação sobre Motivação para Catequistas.pptx
Formação sobre Motivação para Catequistas.pptx
Nuno Melo
 
Via Sacra do Amor.pdf
Via Sacra do Amor.pdfVia Sacra do Amor.pdf
Via Sacra do Amor.pdf
Nuno Melo
 
CARBONO.pptx
CARBONO.pptxCARBONO.pptx
CARBONO.pptx
Nuno Melo
 
eutrofizao.ppt
eutrofizao.ppteutrofizao.ppt
eutrofizao.ppt
Nuno Melo
 
material_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.pptmaterial_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.ppt
Nuno Melo
 
IntroducaoLimnologia.pptx
IntroducaoLimnologia.pptxIntroducaoLimnologia.pptx
IntroducaoLimnologia.pptx
Nuno Melo
 
Livro de peregrinações 2023.pdf
Livro de peregrinações 2023.pdfLivro de peregrinações 2023.pdf
Livro de peregrinações 2023.pdf
Nuno Melo
 
Características dos seres vivos 3.ppt
Características dos seres vivos 3.pptCaracterísticas dos seres vivos 3.ppt
Características dos seres vivos 3.ppt
Nuno Melo
 
Vermes.ppt
Vermes.pptVermes.ppt
Vermes.ppt
Nuno Melo
 
slides da ufra - zoologia Ctenophora.ppt
slides da ufra - zoologia Ctenophora.pptslides da ufra - zoologia Ctenophora.ppt
slides da ufra - zoologia Ctenophora.ppt
Nuno Melo
 
Aula 6 - Cnidaria.ppt
Aula 6 - Cnidaria.pptAula 6 - Cnidaria.ppt
Aula 6 - Cnidaria.ppt
Nuno Melo
 
Aula 4 - Protista.ppt
Aula 4 - Protista.pptAula 4 - Protista.ppt
Aula 4 - Protista.ppt
Nuno Melo
 
3 - Principios Ecológicos 2.pptx
3 - Principios Ecológicos 2.pptx3 - Principios Ecológicos 2.pptx
3 - Principios Ecológicos 2.pptx
Nuno Melo
 
Folder Confissão.pdf
Folder Confissão.pdfFolder Confissão.pdf
Folder Confissão.pdf
Nuno Melo
 
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.pptLiturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Nuno Melo
 
Artigo enfisema pulmonar
Artigo enfisema pulmonarArtigo enfisema pulmonar
Artigo enfisema pulmonar
Nuno Melo
 

Mais de Nuno Melo (18)

Diácono Ícone de Cristo Servo na Palavra
Diácono Ícone de Cristo Servo na PalavraDiácono Ícone de Cristo Servo na Palavra
Diácono Ícone de Cristo Servo na Palavra
 
Aula 5 - Novos caminhos das UC no Brasil e no Mundo
Aula 5 - Novos caminhos das UC no Brasil e no MundoAula 5 - Novos caminhos das UC no Brasil e no Mundo
Aula 5 - Novos caminhos das UC no Brasil e no Mundo
 
Formação sobre Motivação para Catequistas.pptx
Formação sobre Motivação para Catequistas.pptxFormação sobre Motivação para Catequistas.pptx
Formação sobre Motivação para Catequistas.pptx
 
Via Sacra do Amor.pdf
Via Sacra do Amor.pdfVia Sacra do Amor.pdf
Via Sacra do Amor.pdf
 
CARBONO.pptx
CARBONO.pptxCARBONO.pptx
CARBONO.pptx
 
eutrofizao.ppt
eutrofizao.ppteutrofizao.ppt
eutrofizao.ppt
 
material_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.pptmaterial_6969a6ad2a.ppt
material_6969a6ad2a.ppt
 
IntroducaoLimnologia.pptx
IntroducaoLimnologia.pptxIntroducaoLimnologia.pptx
IntroducaoLimnologia.pptx
 
Livro de peregrinações 2023.pdf
Livro de peregrinações 2023.pdfLivro de peregrinações 2023.pdf
Livro de peregrinações 2023.pdf
 
Características dos seres vivos 3.ppt
Características dos seres vivos 3.pptCaracterísticas dos seres vivos 3.ppt
Características dos seres vivos 3.ppt
 
Vermes.ppt
Vermes.pptVermes.ppt
Vermes.ppt
 
slides da ufra - zoologia Ctenophora.ppt
slides da ufra - zoologia Ctenophora.pptslides da ufra - zoologia Ctenophora.ppt
slides da ufra - zoologia Ctenophora.ppt
 
Aula 6 - Cnidaria.ppt
Aula 6 - Cnidaria.pptAula 6 - Cnidaria.ppt
Aula 6 - Cnidaria.ppt
 
Aula 4 - Protista.ppt
Aula 4 - Protista.pptAula 4 - Protista.ppt
Aula 4 - Protista.ppt
 
3 - Principios Ecológicos 2.pptx
3 - Principios Ecológicos 2.pptx3 - Principios Ecológicos 2.pptx
3 - Principios Ecológicos 2.pptx
 
Folder Confissão.pdf
Folder Confissão.pdfFolder Confissão.pdf
Folder Confissão.pdf
 
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.pptLiturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
 
Artigo enfisema pulmonar
Artigo enfisema pulmonarArtigo enfisema pulmonar
Artigo enfisema pulmonar
 

Último

21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 

Último (20)

21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 

Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx

  • 1. AMissãodaIgreja ComoformarDiscípulosMissionáriosparajesus? C a t e q u e s e , C a m i n h o p a r a o d i s c i p u l a d o
  • 2. Um caminho para formar discípulos-missionários Iniciação à Vida Cristã A catequese não é uma supérflua introdução na fé, um verniz ou um cursinho de admissão à Igreja. É um processo exigente, um itinerário prolongado de preparação e compreensão vital, de acolhimento dos grandes segredos da fé (mistérios), da vida nova revelada em Cristo Jesus e celebrada na Liturgia (DNC 37)
  • 3. 1 – Tornar-se cristão significa assumir ‘‘uma vida nova‘‘, isto é para um grande projeto de vida. 2 – Para os primeiros cristãos foi preciso uma mudança radical de vida ao assumir o seguimento de Jesus (At 2, 42-47). 3 – A pessoa que aderia a Jesus mudava o seu jeito de ser. Assumia uma nova identidade, a ponto de dar a própria vida por Jesus Cristo. 4 – A formação da fé, dos primeiros séculos passava pelo catecumenato, com tempos e etapas bem definidos, para o crescimento da fé. 5 – A partir do ano 313 o cristianismo passou de uma religião perseguida a uma ‘‘religião tolerada‘‘. Igreja e estado civil de mãos dadas: tempo chamado de cristandade.
  • 4. 6 – Com o tempo, a Cetequese deixou de ser feita pelos Sacerdotes. Tudo virou costume: batizar, casar, ir à missa... 7 – ‘‘Temos alguns católicos batizados, mas poucos evangelizados‘‘. 8 – Temos também, muitos cristãos convictos de sua fé que vivem na prática a Palavra, celebração e a missão. 9 – Precisamos nos alegrar por tantos jovens que procuram a crisma, e outros o sacramento do batismo.
  • 5. Este é o tempo de mudanças, mas também de graça e oportunidades. O que fazer, então? 10 – É preciso olhar para a proposta de iniciação à vida cristã das primeiras comunidades e adaptá-la às necessidades presentes. 11 – Iniciação é um processo pelo qual a pessoa vai experimentando o mistério da fé em Jesus Cristo. É a passagem para um modo novo de viver. Este processo é gradativo e permanente. Toda a comunidade caminha junto, num entendimento de adesão a Jesus Cristo.
  • 6. INICIAÇÃOÀVIDACRISTÃ PORQUÊ? “Tarde te amei, Beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! Tu estavas dentro de mim e eu te buscava fora de mim.(...) Brilhaste e resplandeceste diante de mim, e expulsaste dos meus olhos a cegueira. Exaltaste o teu Espírito e aspirei o teu perfume, e desejei-te. Saboreei-te, e agora tenho fome e sede de ti. Tocaste-me, e abrasei-me na tua paz”. (Santo Agostinho, confissões X,27,38).
  • 7. MissãodaIgreja O catequista participa da missão que a Igreja recebeu de Jesus ao concluir sua trajetória terrena, antes de deixar este mundo e voltar para o Pai: formar discípulos, batizá-los em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo e ensinar-lhes a observar os ensinamentos de Jesus. (Mt 28, 19-20)
  • 8. O Documento de Aparecida convoca a Igreja a iniciar, com renovado ardor e entusiasmo, centrado na vocação fundamental de todo o cristão: ser discípulo missionáriodeJesusCristo. Destaca a iniciação cristã como a “maneira prática de colocar alguém em contato com Jesus Cristo e iniciá-lo no discipulado”. E afirma que “ser discípulo é dom destinado a crescer”, por isso, salienta a importância do ”itinerário catequético permanente”.
  • 9.  Como fazer da catequese um verdadeiro caminho de discipulado?  Será que a nossa catequese é um verdadeiro caminho de discipulado?  Quais as novas linguagens que precisamos utilizar para que o seguimento de Jesus e o caminho de discipulado sejam significativos e portadores de vida nova para os catequizando?
  • 10. Responder ao chamado de Jesus e colocar-se a caminho, seguindo seus passos, movido pela força do seu Espírito. É entrar na dinâmica do discipulado. Ser cristão é simplesmente seguir uma pessoa que nos atrai a si e conquista o nosso coração: Jesus Cristo. E aceitar seus ensinamentos, a doutrina da Igreja, seus Dogmas...
  • 11. DISCIPULADO Para fazer da catequese um caminho de discipulado... Discipulado é um processo transformador. Possui o objetivo de assimilar os ensinamentos de Jesus e tornar-se semelhante a Ele, dando continuidade a seu projeto.
  • 12. EVANGELIZAÇÃO e CATEQUESE O novo cristão é primeiro evangelizado, isto é, recebe o primeiro anúncio da pessoa de Jesus Cristo, morto e ressuscitado, e do Reino de Deus. A pessoa ouve o anúncio e é conduzida a encontrar-se com Jesus Cristo. “A fé vem da pregação” (Rm 10,17). A catequese é a educação da fé, ou seja, aprofunda de modo sistemático o conhecimento de Jesus Cristo.
  • 13. “Na prática, a catequese (...) deve ter em conta o fato de que muitas vezes não se verificou a primeira evangelização. Certo número de crianças batizadas na primeira infância chegam à catequese paroquial sem terem recebido qualquer outra iniciação na fé, e sem terem ainda uma adesão explícita e pessoal a Jesus Cristo (...). Sucede também que numerosos pré- adolescentes e adolescentes (...) permanecem ainda, por longo tempo, hesitantes em comprometer toda a sua vida com Jesus Cristo (...). Os próprios adultos não estão livres das tentações da dúvida ou do abandono da fé”.(CT, n. 19)
  • 14. O DISCÍPULO nasce do anúncio da pessoa de Jesus Cristo e do encontro forte e pessoal com Ele, um encontro que depois deve tornar-se também comunitário. E o discípulo sente em si o impulso missionário: levar a boa notícia a outros. Do discípulo nasce o MISSIONÁRIO. É indispensável que os próprios catequistas sejam discípulos e missionários para poderem formar nesta direção seus catequizandos.
  • 15. Lugares de encontro pessoal e comunitário com Jesus Cristo (DAp. n. 246-264)
  • 16. “Cristo está sempre presente na sua igreja, especialmente nas ações litúrgicas. • Está presente no sacrifício da Missa, quer na pessoa do ministro - «O que se oferece agora pelo ministério sacerdotal é o mesmo que se ofereceu na Cruz» - quer e sobretudo sob as espécies eucarísticas. • Está presente com o seu dinamismo nos Sacramentos, de modo que, quando alguém batiza, é o próprio Cristo que batiza. • Está presente na sua Palavra, pois é Ele que fala ao ser lida na Igreja a Sagrada Escritura. • Está presente, enfim, quando a Igreja reza e canta, Ele que prometeu: «Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, Eu estou no meio deles» (Mt. 18,20)”. (SC 7)
  • 17. Duas faces do mesmo mistério C A T E Q U E S E L I T U R G I A AMADURECIMENTO E VIVÊNCIA DA FÉ
  • 19. A Catequese e a Liturgia são formas essenciais da vida da Igreja. Liturgia: uma das fontes da Catequese Ambas se encontram no centro da vida cristã, que é o mistério Pascal de Jesus Cristo; a experiência mais profunda da ação libertadora na história da humanidade.
  • 20. Metodologia (catequese iniciática – com utilização das duas fontes) **Atos 8, 26-40 (Filipe e o etíope)
  • 21. A fonte na qual a catequese busca a sua mensagem é a Sagrada Escritura. A fonte na qual a catequese saboreia o mistério, é a Liturgia, fonte da memória celebrada do mistério pascal de Cristo e expressão da vida da Igreja. O DNC destaca que duas fontes regam a catequese: Bíblia e Liturgia.
  • 22. “Como posso entender as Escrituras, se não há alguém que me explique?” (At 8,31) CATEQUESE Explicitação do Mistério
  • 24. • A catequese como educação da fé e a liturgia como celebração da fé, são duas funções da missão evangelizadora da Igreja. • A catequese, sem a liturgia, esvazia-se da dimensão do mistério e reduz-se a um amontoado de ensinamentos e teorias sobre Deus e a Igreja, mas sem significado profundo para vida de missão do Cristão.
  • 25. • A liturgia é fonte inesgotável da catequese, não só pela riqueza de seu conteúdo, mas pela sua natureza de síntese e cume da vida cristã: enquanto celebração ela é ao mesmo tempo anúncio e vivência dos mistérios salvíficos. • Nela se encontram a ação santificadora de Deus e a expressão orante da fé da comunidade. As celebrações litúrgicas, com a riqueza de suas palavras e ações, mensagens e sinais, podem ser consideradas uma “catequese em ato”.
  • 26. É tarefa fundamental da catequese iniciar eficazmente os catequizandos nos sinais litúrgicos e através deles introduzi-los no mistério pascal, para serem Discípulos Missionários.
  • 27. O mistério de Cristo anunciado na catequese é assimilado e saboreado através da ritualidade, do simbolismo, do ritmo que a liturgia imprime, pelo seu caráter mistagógico.
  • 28. Catequese e liturgia, integram os elementos essenciais da formação do discípulo missionário, dando-lhe a autenticidade necessária para responder com alegria e disponibilidade sua missão: as experiências com a Palavra, com os Sacramentos e com a comunidade, conferem a catequese um caráter iniciático e mistagógico.
  • 29. Aliturgia é fonte da catequese, porque também é nela “que se tomam as leituras que são explicadas na homilia, e os salmos que se cantam, as preces, as orações e hinos litúrgicos são penetrados do seu espírito, e dela recebem seus significado as ações e os sinais”
  • 30. Formação dos Discípulos Missionários Encontro Conversão Discipulad o Comunhão Missão É a experiência viva, o encantamento pela pessoa de Jesus Cristo. O encontro com Jesus deve renovar-se constantemente pelo testemunho pessoal. É o desejo e o esforço de mudar, crescer, ser melhor. É o abandono do pecado e a opção pelo seguimento de Jesus. A pessoa amadurece constantemente no conhecimento, amor e seguimento de Jesus. Para isso é importante a catequese permanente e a vida sacramental. O cristão é, antes de tudo, um irmão que faz comunhão fraterna na família, na igreja e na vida. É a vivência da fraternidade, solidariedade e caridade. Ir ao povo, às pessoas, às casas, às comunidades e além das fronteiras. Discipulado e missão são inseparáveis.
  • 32. 1. Recuperar a centralidade do mistério pascal de Cristo na catequese e na vida dos catequizandos
  • 33. 2. Recuperar a liturgia como momento celebrativo da história da salvação
  • 34. 3. Recuperar a liturgia como exercício do sacerdócio de Cristo e do sacerdócio batismal
  • 35. 4. Recuperar a dimensão celebrativa da liturgia, como ação ritual e simbólica
  • 36. 5. Recuperar a dimensão comunitária da liturgia
  • 37. 6. Recuperar a participação dominical na eucaristia como coração da vida cristã
  • 38. 7. Aprofundar o conhecimento da Palavra de Deus na catequese
  • 39. 8. Recuperar a espiritualidade pascal ao longo do ano litúrgico, como caminho pedagógico para o mistério celebrado
  • 40. 9. Aprofundar a dimensão litúrgica como vivência do Mistério de Deus, que se experimenta na mediação do simbólico
  • 41. 10. Formação sólida de Catequistas na Palavra, na Liturgia e na vivência da Fé para serem efetivamente Discípulos Missionários