SlideShare uma empresa Scribd logo
MistagogiaCaminho para o Mistério
• A palavra “mistagogia” e seus derivados, mistagogo,
mistagógico, vêm do grego: a raiz myst – que significa
mistério, o oculto, e agagein, guiar, conduzir.
O que é Mistagogia?
Tudo que ajuda a conduzir ao mistério
Mistério de Cristo, celebrado na liturgia e
vivido na existência cristã
• Na verdade o que nos guia e faz entrar
em sintonia com o mistério salvador de
Cristo é o Espírito Santo.
• Também se pode chamar mistagogia à
dinâmica interior e à pedagogia com
que a própria celebração litúrgica e os
seus agentes nos ajudam a celebrar em
profundidade e, depois, a viver esses
mistério.
Jesus Cristo, primeiro
mistagogo - centro da catequese!
• Jesus foi chamado pelas multidões de Rabi =
Mestre
• Mistagogo: Alguém que conduz para dentro do
mistério
• Ensinava com a vida, com autoridade
• Jesus instruía com discursos, parábolas, frases de
sabedoria
• Ele ensinou sobre o Reino de Deus!
• Ensinou a valorizar os pobres
Jesus, mistagogo da humanidade
• Iniciação ao Mistério e acompanhamento no
caminho;
• Experiência de Revelação e Relação com o
Mistério;
• Jesus é o Mestre e educador por excelência;
(Em Paedagogus – Celemente apresenta Cristo como educador
da humanidade – em aproximação com a paideia helênica:
formação do ser humano em sua plenitude)
• Forma uma comunidade que cresce na dimensão
mistagógica;
• A pedagogia de Jesus é marcada pela proximidade,
pelo encontro pessoal, pela escuta da realidade
pessoal e do contexto em que se insere.
• Jesus utilizava palavras, gestos, sinais, elementos
culturais para anunciar o Reino
Catequeses mistagógias
Nos primeiros séculos eram famosas
as “catequeses mistagógicas”, que
os bispos como Cirilo de Jerusalém,
João Crisóstomo, Ambrósio de Milão
e Teodoro de Mopsuéstia, dirigiam
aos neófitos, na semana da Páscoa,
depois de celebrados os
sacramentos da iniciação cristã, para
ajudá-los a penetrar em
profundidade no que tinham
celebrado.
Imersão batismal – das catequeses
de São Cirilo de Jerusalém
Depois disto fostes conduzidos pela mão à santa piscina do divino
batismo, como Cristo da cruz ao sepulcro que está à vossa frente. E cada
qual foi perguntado se cria no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. E
fizestes a profissão salutar, e fostes imersos três vezes na água e em
seguida emergistes, significando também com isto, simbolicamente, o
sepultamento de três dias de Cristo. E assim como nosso Salvador passou
três dias e três noites no coração da terra , do mesmo modo vós, com a
primeira imersão, imitastes o primeiro dia de Cristo na terra, e com a
imersão, a noite. Como aquele que está na noite nada enxerga e ao
contrário o que está no dia tudo enxerga na luz, assim vós na imersão,
como na noite, nada enxergastes; mas na emersão, de novo vos
encontrastes no dia. E no mesmo momento morrestes e nascestes. Esta
água salutar tanto foi vosso sepulcro como vossa mãe. E o que Salomão
disse em outras circunstâncias, sem dúvida, pode ser adaptado a vós: «Há
tempo para nascer, e tempo para morrer». Mas para vós foi o inverso:
tempo para morrer, e tempo para nascer. Um só tempo produziu ambos os
efeitos e o vosso nascimento ocorre com vossa morte.
Mistério
• Mistério pode ser ainda aquelas grandes
perguntas sem resposta que satisfaça
plenamente, ou racionalmente...
• Ou é o que há para um povo, ou grupo de
mais sagrado, seu mistério mais profundo.
Quem nem todos tem acesso, apenas os
iniciados.
• Em sentido cristão, é a presença escondida
de Deus revelada progressivamente a seu
povo, num processo de aliança, ao longo
da história.
Mas e a vida
Ela é maravilha ou é
sofrimento?
Ela é alegria ou lamento?
O que é? O que é?
Meu irmão
(Gonzaguinha –
O que é, O que é? )
Aquilo que existia desde o princípio,
o que ouvimos, o que vimos com
nossos olhos,
o que contemplamos
e o que nossas mãos apalparam:
- falamos da Palavra, que é a Vida.
Porque a Vida se manifestou,
nós a vimos, dela damos testemunho,
e lhes anunciamos a Vida Eterna.
Ela estava voltada para o Pai
e se manifestou a nós.
Isso que vimos e ouvimos,
nós agora o anunciamos a vocês,
para que vocês estejam em comunhão
conosco.
E a nossa comunhão é com o Pai
e com o seu Filho Jesus Cristo.
(1Jo 1, 1-3)
Caminhada para o Mistério Pascal
• “A mistagogia é uma progressiva introdução no mistério pascal de
Cristo, vivido na experiência comunitária” (Doc 107, n. 60)
• Mistério Pascal: vida, morte e ressureição de Jesus, o Cristo, como
revelação do mistério de Deus, e de seu desígnio para com a
humanidade, que envolve afinal o mistério de cada pessoa humana.
(BUYST e FRANCISCO, 2004)
• O Mistério Pascal é central na vida de Jesus e na vida cada cristão e
cristã, pois somos iniciados nele para viver e celebrar nossa Páscoa.
• O Mistério Pascal de Cristo é sempre atualizado.
• Com o RICA, a mistagogia fica consagrada como essencial no
processo de IVC. Nesse sentido , iniciar é um processo muito mais
profundo e existencial que ensinar. (Doc 107, n. 122)
Devoção popular e mistagogia
• Reconhecer os valores dentro das devoções
populares;
• Ver na religiosidade popular um lugar de
encontro com Cristo
• Desafios de superar a busca das curas a todo
custo e da mera tradição social.
• Precisamos partir do vigoroso substrato da fé
popular para aprofundar o mistério de Cristo e
amadurecer na fé.
Os caminhos
da mistagogia
Formação mistagógica
• Formação associada com prática
celebrativa
• Itinerário formativo para uma sintonia
com o Mistério de Cristo
• Mistagogia com pedagogia que deve
perpassar a ação evangelizadora
• Todo itinerário da catequese é
considerado de maneira mistagógica, na
maneira em que os catequizandos(as)
catecúmenos(as) vão tendo contato com
o mistério revelado em Cristo.
Tempo de mistagogia
• Quarto tempo do processo de IVC
• Caminho da iniciação cristã depois do
catecumenato e da celebração dos
sacramentos
• Semanas seguintes ao tempo pascal
• Favorecer aos neófitos tempo experiência
dos sacramentos e da vida comunitária.
• Tempo para perceber a comunicação da
graça de Deus nos símbolos presentes na
liturgia.
Catequese querigmática
(A Alegria do Evangelho)
• Voltamos a descobrir que também na catequese tem um
papel fundamental o primeiro anúncio ou querigma, que
deve ocupar o centro da atividade evangelizadora e de toda
a tentativa de renovação eclesial.
• Retornar e ampliar o primeiro anúncio
• Na boca do catequista, volta a ressoar sempre o primeiro
anúncio: “Jesus Cristo ama-te, deu a sua vida para te salvar,
e agora vive contigo todos os dias para te iluminar,
fortalecer, libertar”.
• Não devemos esquecer e nem substituir esse primeiro
anúncio, pois é fundamental
• O anúncio do querigma exige que o evangelizador tenha:
proximidade, abertura ao diálogo, paciência, acolhimento
cordial que não condena.
Catequese mistagógica hoje
A iniciação mistagógica, significa essencialmente duas coisas:
I) a necessária progressividade da experiência formativa na qual
intervém toda a comunidade
II) Uma renovada valorização dos sinais litúrgicos da iniciação cristã.
O encontro catequético é um anúncio da Palavra e está centrado nela,
mas precisa sempre duma ambientação adequada e duma motivação
atraente, do uso de símbolos eloquentes, da sua inserção num amplo
processo de crescimento e da integração de todas as dimensões da
pessoa num caminho comunitário de escuta e resposta.
Tempo de Mistagogia
segundo o RICA
Terminada a etapa de iniciação aos
sacramentos, a comunidade unida aos
neófitos que pela meditação do
Evangelho e pela participação da
Eucaristia, quer pela prática da
caridade, vai progredindo no
conhecimento mais profundo do
mistério pascal e na sua vivência cada
vez maior. É este o último tempo da
iniciação, o tempo da mistagogia dos
neófitos. (RICA, n.37, p. 26)
Indicações para o tempo de mistagogia
(Conforme o RICA)
• Conhecimento mais completo e frutuoso: Novas explanações e sobretudo a experiência
dos sacramentos recebidos.
• Crescer no novo senso da fé, da Igreja e do mundo.
• Como novas plantas.
• Tempo de um relacionamento mais estreito com os outros fiéis: tempo da comunidade
• “Missas pelos neófitos” ou missas dominicais da Páscoa (incentivados à participar,
lembrados na homilia e, se oportuno, na oração dos fiéis)
• (Leituras dominicais do ano A)
• Celebração de encerramento do tempo do pascal, inclusive com festividades externas
• No aniversário do batismo dos neófitos: Uma reunião para agradecer a Deus, partilhar
experiências e renovar as forças
• Reunir uma vez por ano os neófitos em celebração Eucarística com comunhão sob as
duas espécies.
Tempo da mistagogia no itinerário
catequético da CNBB
Objetivo: Temáticas:
Viver a vida
em comunidade
a partir dos
mistérios celebrados
• Batismo: vida nova e plena em Jesus Cristo (Ef
4, 17 - 31)
• Crisma: Ser Cristão na força do Espírito Santo
(1Cor 12, 1-11)
• Eucaristia: fonte e cume da vida cristã (Lc 24,
13-35; Jo 13, 1-17)
Leitura orante da Palavra de Deus e partilha de
vida.
ADULTOS
Objetivo: Temáticas:
Levar à plena
Compreensão e vivência
do Mistério Pascal
celebrado
• Vida nova e plena em Jesus Cristo
• Participação nas celebrações comunitárias
Leitura orante da Palavra de Deus e partilha de
vida.
CATEQUIZANDOS ADULTOS
Objetivo: Temáticas:
Aprofundar as celebrações pascais
como família-igreja na partilha dos
dons do pão e do vinho
• Sentido das festas pascais celebradas
• A iniciação à vida eucarística
CRIANÇAS
Objetivo: Temáticas:
Experimentar os mistérios
celebrados e vive-los
como comunidade cristã
que partilha os dons
do pão e do vinho
• Sentido das festas pascais celebradas
• Celebração da Crisma/Confirmação quando
possível
• Participação nas celebrações comunitárias
Leitura orante da Palavra de Deus e partilha de
vida.
ADOLESCENTES/JOVENS
Celebração de envio missionário
Conclusão do itinerário (Domingo de pentecostes)
Objetivo Passos
Enviar para o serviço à
comunidade e à sociedade,
como discípulo missionário,
em vista do permanente
amadurecimento na fé
• Proclamação da Palavra
• Entrega de um símbolo (sal, semente,
fermento, luz, sandálias, etc...)
• Oração de Envio
• Inserção pastoral e nos serviços
comunitários.
• Integração num grupo de reflexão,
pastoral, comunitário...
• Leitura orante da Palavra como prática
permanente de amadurecimento na fé
ADULTOS, ADULTOS CATEQUIZANDOS, ADOLESCENTES/JOVENS
Celebração de envio missionário
(Domingo de pentecostes)
Objetivo Passos
Enviar para o testemunho cristão,
como discípulo missionário, em vista
do crescimento na fé
• Proclamação da Palavra
• Entrega de um símbolo (sal,
semente, fermento, luz, sandálias,
etc...)
• Oração de Envio
CRIANÇAS
Vivência missionária
(12 meses)
Objetivo Passos
Vivenciar na prática cotidiana
a proposta de Jesus Cristo
assumida durante o processo
catequético
• Leitura orante semanal da Palavra
de Deus
• Integração em um grupo de
reflexão
• Participação em grupos de
perseverança
• Inserção em propostas
missionárias e serviços
comunitários (adaptadas às
crianças)
• Realização de encontros/ retiros
• Utilização das mídias virtuais para
evangelizar
CRIANÇAS
JESUS CRISTO IGREJA VIDA
Através da vida da
Igreja
(Liturgia,
sacramentos,
caridade)
O que Ele diz para
minha vida?
Meu encontro com a
Boa-Notícia
(vida interrogada pelo
evangelho – Celebrações
dominicais)
Através das
pessoas que
testemunham sua
fé em Jesus Cristo
O que Ele diz para
minha vida?
O que está mudando?
Amizade com
Jesus que faz
verdadeira nossa
amizade
Através da
descoberta
vocação que Jesus
me chama
Descobrindo o mistério
da vida no Amor (Igreja)
Dou passos na
integração da Fé com
a Vida, diante da
Igreja e Sociedade
TRADIÇÃO RECITAÇÃO
Seguir Participar da Relacionar Fé e
AdaptadodapropostadeItinerárioparaMistagogia(em3tempos)
DiocesedeMilão–apesentadoporPietroAngeloMuroni(2013)p.100
Método mistagógico
• Três elementos do método mistagógico (SARTORE, 1992):
I - Valorização dos sinais (gestos, palavras) logo que
experimentado;
II – Interpretação dos ritos à luz da Bíblia, na perspectiva
histórica da salvação;
III – Abertura ao compromisso cristão e eclesial, expressão da
vida nova em Cristo
Quatro passos da Mistagogia
• 1- Sentido cotidiano
Seu sentido na cultura atual, partir daquilo que em nosso cotidiano se relaciona com o gesto, Ex.:
uso do óleo na nossa sociedade, excesso ou falta de água...
• 2 - Memorial bíblico
Contato entre a Palavra de Deus e os sinais, para revelar o que representam na história da salvação.
Interpretar os ritos com seus símbolos à luz da Bíblia. Olhas as imagens presentes nos dois
testamentos, comparar se possível. Ver as leituras bíblicas das celebrações dos sacramentos.
• 3 - Sentido litúrgico
Introduzir no sentido dos sinais contidos nos ritos. Aprofundar o significado e o efeito dos símbolos
nos ritos da celebração litúrgica. Lembras gestos, símbolos, palavras.
• 4 - Compromisso cristão
É o sentido para a vida. Lembrar o compromisso cristão que brota com a celebração dos
sacramentos.
1
1 - Elaborado pelo NUCAP tomando por base o n. 64 da exortação apostólica o
Sacramento da Caridade de Bento XVI
Roteiro de Vivência Litúrgica 1 (estilo celebração -
NUCAP)
• Ritos iniciais (acolhida em nome da Trindade, pedido de perdão e
oração)
• Liturgia da Palavra (um ou mais textos bíblicos ligados ao símbolo
refletido)
No momento da partilha partindo do texto bíblico, refletir sobre o
sentido usual do símbolo, sentido bíblico e aplicação ritual
• Rito com aplicação do símbolo (preces, uma breve monição ou canto
evidenciando o sentido do símbolo, acompanhado de um gesto)
• Bênção final e despedida (em consonância com o símbolo meditado)
Roteiro de Vivência Litúrgica 2 (em grupos)
• Refrão meditativo
• Leitura bíblica (também pode ser acompanhada de textos litúrgicos e
catequéticos [patrísticos] – ex.: catequeses mistagógicas )
• Reflexão e partilha (Ex.: que mensagem essa leitura nos traz? Que
clima acompanha essa celebração que estamos refletindo? Qual o
tempo litúrgico?...)
• Rito (uma parte do rito é tomada pelo grupo que analisa o rito,
verifica como fazer, divide tarefas e se prepara para fazer “como se
fosse” diante dos outros grupos).
• Avaliação (os integrantes do grupo partilham o que sentiram e os
demais podem pontuar o que foi bom e o que precisa melhorar)
Mistagogia da Música Litúrgica
• Precisamos levar em consideração o cárter de acesso ao Mistério presente na nossa
música litúrgica.
• Ione Buyst e Joaquim Fonseca propõem três passos para um caminho mistagógico com a
música ritual.
• Organizar os ministros(as) do canto e outras pessoas, deixar claro que não se trata
exclusivamente de ensaio dos cantos (mas também de um momento orante);
I – Descrição e análise da ação ritual
II – Aprofundamento do acontecimento da celebrado na ação ritual, e sua raiz bíblica
III – Experiência da salvação acontecendo para nós hoje, na e a partir da ação ritual
Cada um desses momentos é intercalado com momentos de ensaio do canto escolhido
Preferencialmente com os salmos, pode-se faz o estilo de esquema da Leitura Orante
Laboratório Litúrgico
1 - Preparando o corpo (Trabalho
corporal):
Respiração consciente, ou outros exercícios
2 - Enraizamento social do rito
(Como o povo faz?; Por quê?)
3 - Momento de vivência
Breve conversa sobre o rito escolhido
Distribuir as partes e tarefas dentro do rito
Realização da parte do rito
Observações sobre aquilo que se fez
Realização por outro grupo
Novas observações
4 – Conversa sobre os três pontos
(fazer, saber e saborear)
Gesto corporal,
Sentido teológico-litúrgico,
Atitude espiritual
Roteiro de análise ritual das celebrações do RICA
• Em que etapa do catecumenato está previsto este rito?
• Em que contexto (catequético e litúrgico) acontece?
• Em que local?
• Qual é a sequência e quais são os elementos do rito (cantos, monições, leituras bíblias, gestos,
posturas, ações simbólicas, palavras que acompanham o gesto, orações...)?
• Quem faz o que em relação a quem (participação da assembleia, dos catecúmenos, dos ministros
e ministras)?
• Qual é o sentido teológico (+ referência à história da salvação) implícito neste rito?
Coloque-se no lugar do catecúmeno. Tentem explicar (com base nos textos e outras indicações do
ritual):
a) disposição interior que exige;
b) a experiência realizada pelo Espírito Santo através do rito;
c) os frutos da vivência do rito para a vida – o mesmo pode ser explicitado em relação à assembleia
e aos ministros e ministras.
• A introdução e as rubricas do ritual explicitam a mistagogia deste rito? Como?
Sugestões de símbolos e ritos para serem
analisados
PORTA Instituição de catecúmenos / início da catequese
PALAVRA Entrega da Bíblia no catecumenato/ catequese; procissão com Evangeliário; proclamação das
leituras; ambão.
CRUZ Assinalação com cruz no catecumenato/catequese; Sinal da Cruz; Cruz processional; Bênção
de cruzes
ÁGUA Bênção da água batismal; Batismo; Aspersão; Bênção da fonte batismal
FOGO Acendimento do Círio Pascal, acendimento de velas, entrega da vela no batismo
MÃOS Imposição das mãos (exorcismos e escrutínios, crisma, celebrações na catequese), bênção
OLÉO Unções (antes do batismo, crisma)
PÃO E VINHO Ritos da liturgia Eucaristia, consagração do altar
Materiais de apoio:
• Símbolos na Liturgia (Ione Buyst - Paulinas);
• Mistagogia: A partir do documento da CNBB n. 107 (NUCAP - Paulinas);
• DVD – Iniciação à vida cristã: Catequese com estilo catecumenal (Paulinas)
• Mistagogia da Eucarístia (Gilbert Ostdiek, OFM – Ed. Vozes)
Referências
ALDAZÁBAL, José. Vocabulário básico de liturgia. São Paulo: Paulinas, 2013.
BUYST, Ione. O segredo dos ritos: ritualidade e sacramentalidade da liturgia cristã. São Paulo:
Paulinas, 2011.
______. Símbolos na Liturgia. São Paulo: Paulinas, 1998.
BUYST, Ione; FONSECA, Joaquim. Música ritual e mistagogia. São Paulo: Paulus, 2008.
CNBB. Itinerário catequético: Iniciação à Vida Cristã - Um Processo de Inspiração Catecumenal.
Brasília: Edições CNBB, 2014.
COSTA, Rosemary Fernandes da. Mistagogia hoje: o resgate da experiência mistagógica dos
primeiros séculos da Igreja para a evangelização e catequese atuais. São Paulo: Paulus, 2014.
PAPA FRANCISCO. Evagelli Gaudium. Brasília: Edições CNBB, 2013.
NUCAP. Mistagogia a partir do documento da CNBB n. 107. São Paulo : Paulinas, 2018
PARO, Thiago Aparecido Faccini. Celebrações do RICA: conhecer para bem celebrar. Petrópolis:
Vozes, 2017.
SAGRADA CONGREGAÇÃO PARA O CULTO DIVINO. Ritual da iniciação cristã de adultos. São Paulo:
Paulus, 2001.
CIRILO DE JERUSALÉM. Catequeses Mistagógicas. Disponível em:
https://www.ecclesia.com.br/biblioteca/ pais_da_igreja/s-cirilo-de-jerusalem-catequeses-
mistagogicas.html#conteudo. Acesso em: 08 jan. 2019

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
Si Leão
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Catequistas: missão na comunidade
Catequistas: missão na comunidadeCatequistas: missão na comunidade
Catequistas: missão na comunidade
Fábio Vasconcelos
 
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/20121º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
Adriano de Paula
 
Sacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônioSacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônio
familiaregsul4
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Jean
 
Ano Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptxAno Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptx
DELSOCORREIA
 
A santa missa parte por parte
A santa missa parte por parteA santa missa parte por parte
A santa missa parte por parte
Francisco Rodrigues
 
O que é catequese
O que é catequeseO que é catequese
O que é catequese
Francisco Rodrigues
 
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximoQuaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Bernadetecebs .
 
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhosA CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
Catequista Josivaldo
 
Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
Samuel Elanio
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Samuel Elanio
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
mbsilva1971
 
Folheto batismo
Folheto batismoFolheto batismo
Folheto batismo
torrasko
 
CNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação práticaCNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação prática
IRINEU FILHO
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
Os sacramento do batismo
Os sacramento do batismoOs sacramento do batismo
Os sacramento do batismo
torrasko
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
iaymesobrino
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
Juliana Cristina M. Muniz
 

Mais procurados (20)

O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
 
Catequistas: missão na comunidade
Catequistas: missão na comunidadeCatequistas: missão na comunidade
Catequistas: missão na comunidade
 
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/20121º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
 
Sacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônioSacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônio
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Ano Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptxAno Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptx
 
A santa missa parte por parte
A santa missa parte por parteA santa missa parte por parte
A santa missa parte por parte
 
O que é catequese
O que é catequeseO que é catequese
O que é catequese
 
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximoQuaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
 
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhosA CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
 
Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
 
Folheto batismo
Folheto batismoFolheto batismo
Folheto batismo
 
CNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação práticaCNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação prática
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
Os sacramento do batismo
Os sacramento do batismoOs sacramento do batismo
Os sacramento do batismo
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 

Semelhante a Mistagogia: caminho para o mistério

Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptxComo formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Nuno Melo
 
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconatoCATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
Lucio Souza
 
METODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.pptMETODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.ppt
ssuser9cb078
 
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequeseNatureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
BlogMaterialdeCatequ
 
O Que é Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
O Que é  Iniciação Cristã (1) - Barra.pptxO Que é  Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
O Que é Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
IvaneideRodrigues6
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
fagundes_daniel
 
CAMINHO DA Mistagogia INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ
CAMINHO DA Mistagogia INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃCAMINHO DA Mistagogia INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ
CAMINHO DA Mistagogia INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ
jardelrodrigues29
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptxAula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
rafaelcorrea749
 
nossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanentenossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanente
freivalentimpesente
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
leandroandrade607647
 
Say-Yes-.-apresentação-do-projeto-Diocese-do-PORTO.ppt
Say-Yes-.-apresentação-do-projeto-Diocese-do-PORTO.pptSay-Yes-.-apresentação-do-projeto-Diocese-do-PORTO.ppt
Say-Yes-.-apresentação-do-projeto-Diocese-do-PORTO.ppt
alessandraoliveira324
 
Identidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em PdfIdentidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em Pdf
Alexandrebn
 
Identidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em PdfIdentidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em Pdf
Alexandre
 
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de AdultosRitual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
João Pereira
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Homilia – e realidade sacramental
Homilia – e realidade sacramentalHomilia – e realidade sacramental
Homilia – e realidade sacramental
José Luiz Silva Pinto
 
APRESENTAÇÃO - Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com as ...
APRESENTAÇÃO - Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com as ...APRESENTAÇÃO - Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com as ...
APRESENTAÇÃO - Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com as ...
BlogMaterialdeCatequ
 

Semelhante a Mistagogia: caminho para o mistério (20)

Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptxComo formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
 
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconatoCATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
 
METODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.pptMETODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.ppt
 
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequeseNatureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
 
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
 
O Que é Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
O Que é  Iniciação Cristã (1) - Barra.pptxO Que é  Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
O Que é Iniciação Cristã (1) - Barra.pptx
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
 
CAMINHO DA Mistagogia INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ
CAMINHO DA Mistagogia INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃCAMINHO DA Mistagogia INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ
CAMINHO DA Mistagogia INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptxAula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
 
nossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanentenossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanente
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
 
Say-Yes-.-apresentação-do-projeto-Diocese-do-PORTO.ppt
Say-Yes-.-apresentação-do-projeto-Diocese-do-PORTO.pptSay-Yes-.-apresentação-do-projeto-Diocese-do-PORTO.ppt
Say-Yes-.-apresentação-do-projeto-Diocese-do-PORTO.ppt
 
Identidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em PdfIdentidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em Pdf
 
Identidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em PdfIdentidade Da C Atequese Em Pdf
Identidade Da C Atequese Em Pdf
 
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de AdultosRitual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
 
Homilia – e realidade sacramental
Homilia – e realidade sacramentalHomilia – e realidade sacramental
Homilia – e realidade sacramental
 
APRESENTAÇÃO - Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com as ...
APRESENTAÇÃO - Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com as ...APRESENTAÇÃO - Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com as ...
APRESENTAÇÃO - Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com as ...
 

Mais de Fábio Vasconcelos

Habermas linguagem
Habermas linguagemHabermas linguagem
Habermas linguagem
Fábio Vasconcelos
 
Youcat: como celebramos os mistérios cristãos
Youcat: como celebramos os mistérios cristãosYoucat: como celebramos os mistérios cristãos
Youcat: como celebramos os mistérios cristãos
Fábio Vasconcelos
 
Advento: tempo de espera
Advento: tempo de esperaAdvento: tempo de espera
Advento: tempo de espera
Fábio Vasconcelos
 
Mistagogia da eucaristia vi
Mistagogia da eucaristia viMistagogia da eucaristia vi
Mistagogia da eucaristia vi
Fábio Vasconcelos
 
Mistagogia da eucaristia iv
Mistagogia da eucaristia ivMistagogia da eucaristia iv
Mistagogia da eucaristia iv
Fábio Vasconcelos
 
Mistagogia da eucaristia iii
Mistagogia da eucaristia iiiMistagogia da eucaristia iii
Mistagogia da eucaristia iii
Fábio Vasconcelos
 
Mistagogia da Eucaristia II
Mistagogia da Eucaristia IIMistagogia da Eucaristia II
Mistagogia da Eucaristia II
Fábio Vasconcelos
 
Mistagogia da eucaristia
Mistagogia da eucaristiaMistagogia da eucaristia
Mistagogia da eucaristia
Fábio Vasconcelos
 
Onde celebrar
Onde celebrarOnde celebrar
Onde celebrar
Fábio Vasconcelos
 
A missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa franciscoA missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa francisco
Fábio Vasconcelos
 
Teilhard Chardin e o ser amazônico
Teilhard Chardin e o ser amazônicoTeilhard Chardin e o ser amazônico
Teilhard Chardin e o ser amazônico
Fábio Vasconcelos
 
Filosofia e crise: Crise do racionalismo e crise européia.
Filosofia e crise: Crise do racionalismo e crise européia. Filosofia e crise: Crise do racionalismo e crise européia.
Filosofia e crise: Crise do racionalismo e crise européia.
Fábio Vasconcelos
 
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amorEntregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Fábio Vasconcelos
 
Ética e relações de gênero
Ética e relações de gêneroÉtica e relações de gênero
Ética e relações de gênero
Fábio Vasconcelos
 
Tendência pedagógica histórico crítica
Tendência pedagógica histórico críticaTendência pedagógica histórico crítica
Tendência pedagógica histórico crítica
Fábio Vasconcelos
 
Ética epicurista
Ética epicuristaÉtica epicurista
Ética epicurista
Fábio Vasconcelos
 
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovensCatequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Fábio Vasconcelos
 
Ofício de romaria ao círio de nazaré
Ofício de romaria ao círio de nazaréOfício de romaria ao círio de nazaré
Ofício de romaria ao círio de nazaré
Fábio Vasconcelos
 
Catequese rito de eleição e inscrição do nome
Catequese rito de eleição e inscrição do nomeCatequese rito de eleição e inscrição do nome
Catequese rito de eleição e inscrição do nome
Fábio Vasconcelos
 
Freud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesaFreud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesa
Fábio Vasconcelos
 

Mais de Fábio Vasconcelos (20)

Habermas linguagem
Habermas linguagemHabermas linguagem
Habermas linguagem
 
Youcat: como celebramos os mistérios cristãos
Youcat: como celebramos os mistérios cristãosYoucat: como celebramos os mistérios cristãos
Youcat: como celebramos os mistérios cristãos
 
Advento: tempo de espera
Advento: tempo de esperaAdvento: tempo de espera
Advento: tempo de espera
 
Mistagogia da eucaristia vi
Mistagogia da eucaristia viMistagogia da eucaristia vi
Mistagogia da eucaristia vi
 
Mistagogia da eucaristia iv
Mistagogia da eucaristia ivMistagogia da eucaristia iv
Mistagogia da eucaristia iv
 
Mistagogia da eucaristia iii
Mistagogia da eucaristia iiiMistagogia da eucaristia iii
Mistagogia da eucaristia iii
 
Mistagogia da Eucaristia II
Mistagogia da Eucaristia IIMistagogia da Eucaristia II
Mistagogia da Eucaristia II
 
Mistagogia da eucaristia
Mistagogia da eucaristiaMistagogia da eucaristia
Mistagogia da eucaristia
 
Onde celebrar
Onde celebrarOnde celebrar
Onde celebrar
 
A missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa franciscoA missa segundo o papa francisco
A missa segundo o papa francisco
 
Teilhard Chardin e o ser amazônico
Teilhard Chardin e o ser amazônicoTeilhard Chardin e o ser amazônico
Teilhard Chardin e o ser amazônico
 
Filosofia e crise: Crise do racionalismo e crise européia.
Filosofia e crise: Crise do racionalismo e crise européia. Filosofia e crise: Crise do racionalismo e crise européia.
Filosofia e crise: Crise do racionalismo e crise européia.
 
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amorEntregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
 
Ética e relações de gênero
Ética e relações de gêneroÉtica e relações de gênero
Ética e relações de gênero
 
Tendência pedagógica histórico crítica
Tendência pedagógica histórico críticaTendência pedagógica histórico crítica
Tendência pedagógica histórico crítica
 
Ética epicurista
Ética epicuristaÉtica epicurista
Ética epicurista
 
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovensCatequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
Catequese IVC - Reflexão para Retiro com jovens
 
Ofício de romaria ao círio de nazaré
Ofício de romaria ao círio de nazaréOfício de romaria ao círio de nazaré
Ofício de romaria ao círio de nazaré
 
Catequese rito de eleição e inscrição do nome
Catequese rito de eleição e inscrição do nomeCatequese rito de eleição e inscrição do nome
Catequese rito de eleição e inscrição do nome
 
Freud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesaFreud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesa
 

Último

controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
mfixa3824
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 

Último (20)

controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 

Mistagogia: caminho para o mistério

  • 2. • A palavra “mistagogia” e seus derivados, mistagogo, mistagógico, vêm do grego: a raiz myst – que significa mistério, o oculto, e agagein, guiar, conduzir. O que é Mistagogia? Tudo que ajuda a conduzir ao mistério Mistério de Cristo, celebrado na liturgia e vivido na existência cristã
  • 3. • Na verdade o que nos guia e faz entrar em sintonia com o mistério salvador de Cristo é o Espírito Santo. • Também se pode chamar mistagogia à dinâmica interior e à pedagogia com que a própria celebração litúrgica e os seus agentes nos ajudam a celebrar em profundidade e, depois, a viver esses mistério.
  • 4. Jesus Cristo, primeiro mistagogo - centro da catequese! • Jesus foi chamado pelas multidões de Rabi = Mestre • Mistagogo: Alguém que conduz para dentro do mistério • Ensinava com a vida, com autoridade • Jesus instruía com discursos, parábolas, frases de sabedoria • Ele ensinou sobre o Reino de Deus! • Ensinou a valorizar os pobres
  • 5. Jesus, mistagogo da humanidade • Iniciação ao Mistério e acompanhamento no caminho; • Experiência de Revelação e Relação com o Mistério; • Jesus é o Mestre e educador por excelência; (Em Paedagogus – Celemente apresenta Cristo como educador da humanidade – em aproximação com a paideia helênica: formação do ser humano em sua plenitude) • Forma uma comunidade que cresce na dimensão mistagógica; • A pedagogia de Jesus é marcada pela proximidade, pelo encontro pessoal, pela escuta da realidade pessoal e do contexto em que se insere. • Jesus utilizava palavras, gestos, sinais, elementos culturais para anunciar o Reino
  • 6. Catequeses mistagógias Nos primeiros séculos eram famosas as “catequeses mistagógicas”, que os bispos como Cirilo de Jerusalém, João Crisóstomo, Ambrósio de Milão e Teodoro de Mopsuéstia, dirigiam aos neófitos, na semana da Páscoa, depois de celebrados os sacramentos da iniciação cristã, para ajudá-los a penetrar em profundidade no que tinham celebrado.
  • 7. Imersão batismal – das catequeses de São Cirilo de Jerusalém Depois disto fostes conduzidos pela mão à santa piscina do divino batismo, como Cristo da cruz ao sepulcro que está à vossa frente. E cada qual foi perguntado se cria no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. E fizestes a profissão salutar, e fostes imersos três vezes na água e em seguida emergistes, significando também com isto, simbolicamente, o sepultamento de três dias de Cristo. E assim como nosso Salvador passou três dias e três noites no coração da terra , do mesmo modo vós, com a primeira imersão, imitastes o primeiro dia de Cristo na terra, e com a imersão, a noite. Como aquele que está na noite nada enxerga e ao contrário o que está no dia tudo enxerga na luz, assim vós na imersão, como na noite, nada enxergastes; mas na emersão, de novo vos encontrastes no dia. E no mesmo momento morrestes e nascestes. Esta água salutar tanto foi vosso sepulcro como vossa mãe. E o que Salomão disse em outras circunstâncias, sem dúvida, pode ser adaptado a vós: «Há tempo para nascer, e tempo para morrer». Mas para vós foi o inverso: tempo para morrer, e tempo para nascer. Um só tempo produziu ambos os efeitos e o vosso nascimento ocorre com vossa morte.
  • 8. Mistério • Mistério pode ser ainda aquelas grandes perguntas sem resposta que satisfaça plenamente, ou racionalmente... • Ou é o que há para um povo, ou grupo de mais sagrado, seu mistério mais profundo. Quem nem todos tem acesso, apenas os iniciados. • Em sentido cristão, é a presença escondida de Deus revelada progressivamente a seu povo, num processo de aliança, ao longo da história. Mas e a vida Ela é maravilha ou é sofrimento? Ela é alegria ou lamento? O que é? O que é? Meu irmão (Gonzaguinha – O que é, O que é? )
  • 9. Aquilo que existia desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com nossos olhos, o que contemplamos e o que nossas mãos apalparam: - falamos da Palavra, que é a Vida. Porque a Vida se manifestou, nós a vimos, dela damos testemunho, e lhes anunciamos a Vida Eterna. Ela estava voltada para o Pai e se manifestou a nós. Isso que vimos e ouvimos, nós agora o anunciamos a vocês, para que vocês estejam em comunhão conosco. E a nossa comunhão é com o Pai e com o seu Filho Jesus Cristo. (1Jo 1, 1-3)
  • 10. Caminhada para o Mistério Pascal • “A mistagogia é uma progressiva introdução no mistério pascal de Cristo, vivido na experiência comunitária” (Doc 107, n. 60) • Mistério Pascal: vida, morte e ressureição de Jesus, o Cristo, como revelação do mistério de Deus, e de seu desígnio para com a humanidade, que envolve afinal o mistério de cada pessoa humana. (BUYST e FRANCISCO, 2004) • O Mistério Pascal é central na vida de Jesus e na vida cada cristão e cristã, pois somos iniciados nele para viver e celebrar nossa Páscoa. • O Mistério Pascal de Cristo é sempre atualizado. • Com o RICA, a mistagogia fica consagrada como essencial no processo de IVC. Nesse sentido , iniciar é um processo muito mais profundo e existencial que ensinar. (Doc 107, n. 122)
  • 11. Devoção popular e mistagogia • Reconhecer os valores dentro das devoções populares; • Ver na religiosidade popular um lugar de encontro com Cristo • Desafios de superar a busca das curas a todo custo e da mera tradição social. • Precisamos partir do vigoroso substrato da fé popular para aprofundar o mistério de Cristo e amadurecer na fé.
  • 12. Os caminhos da mistagogia Formação mistagógica • Formação associada com prática celebrativa • Itinerário formativo para uma sintonia com o Mistério de Cristo • Mistagogia com pedagogia que deve perpassar a ação evangelizadora • Todo itinerário da catequese é considerado de maneira mistagógica, na maneira em que os catequizandos(as) catecúmenos(as) vão tendo contato com o mistério revelado em Cristo. Tempo de mistagogia • Quarto tempo do processo de IVC • Caminho da iniciação cristã depois do catecumenato e da celebração dos sacramentos • Semanas seguintes ao tempo pascal • Favorecer aos neófitos tempo experiência dos sacramentos e da vida comunitária. • Tempo para perceber a comunicação da graça de Deus nos símbolos presentes na liturgia.
  • 13. Catequese querigmática (A Alegria do Evangelho) • Voltamos a descobrir que também na catequese tem um papel fundamental o primeiro anúncio ou querigma, que deve ocupar o centro da atividade evangelizadora e de toda a tentativa de renovação eclesial. • Retornar e ampliar o primeiro anúncio • Na boca do catequista, volta a ressoar sempre o primeiro anúncio: “Jesus Cristo ama-te, deu a sua vida para te salvar, e agora vive contigo todos os dias para te iluminar, fortalecer, libertar”. • Não devemos esquecer e nem substituir esse primeiro anúncio, pois é fundamental • O anúncio do querigma exige que o evangelizador tenha: proximidade, abertura ao diálogo, paciência, acolhimento cordial que não condena.
  • 14. Catequese mistagógica hoje A iniciação mistagógica, significa essencialmente duas coisas: I) a necessária progressividade da experiência formativa na qual intervém toda a comunidade II) Uma renovada valorização dos sinais litúrgicos da iniciação cristã. O encontro catequético é um anúncio da Palavra e está centrado nela, mas precisa sempre duma ambientação adequada e duma motivação atraente, do uso de símbolos eloquentes, da sua inserção num amplo processo de crescimento e da integração de todas as dimensões da pessoa num caminho comunitário de escuta e resposta.
  • 15. Tempo de Mistagogia segundo o RICA Terminada a etapa de iniciação aos sacramentos, a comunidade unida aos neófitos que pela meditação do Evangelho e pela participação da Eucaristia, quer pela prática da caridade, vai progredindo no conhecimento mais profundo do mistério pascal e na sua vivência cada vez maior. É este o último tempo da iniciação, o tempo da mistagogia dos neófitos. (RICA, n.37, p. 26)
  • 16. Indicações para o tempo de mistagogia (Conforme o RICA) • Conhecimento mais completo e frutuoso: Novas explanações e sobretudo a experiência dos sacramentos recebidos. • Crescer no novo senso da fé, da Igreja e do mundo. • Como novas plantas. • Tempo de um relacionamento mais estreito com os outros fiéis: tempo da comunidade • “Missas pelos neófitos” ou missas dominicais da Páscoa (incentivados à participar, lembrados na homilia e, se oportuno, na oração dos fiéis) • (Leituras dominicais do ano A) • Celebração de encerramento do tempo do pascal, inclusive com festividades externas • No aniversário do batismo dos neófitos: Uma reunião para agradecer a Deus, partilhar experiências e renovar as forças • Reunir uma vez por ano os neófitos em celebração Eucarística com comunhão sob as duas espécies.
  • 17. Tempo da mistagogia no itinerário catequético da CNBB Objetivo: Temáticas: Viver a vida em comunidade a partir dos mistérios celebrados • Batismo: vida nova e plena em Jesus Cristo (Ef 4, 17 - 31) • Crisma: Ser Cristão na força do Espírito Santo (1Cor 12, 1-11) • Eucaristia: fonte e cume da vida cristã (Lc 24, 13-35; Jo 13, 1-17) Leitura orante da Palavra de Deus e partilha de vida. ADULTOS
  • 18. Objetivo: Temáticas: Levar à plena Compreensão e vivência do Mistério Pascal celebrado • Vida nova e plena em Jesus Cristo • Participação nas celebrações comunitárias Leitura orante da Palavra de Deus e partilha de vida. CATEQUIZANDOS ADULTOS
  • 19. Objetivo: Temáticas: Aprofundar as celebrações pascais como família-igreja na partilha dos dons do pão e do vinho • Sentido das festas pascais celebradas • A iniciação à vida eucarística CRIANÇAS
  • 20. Objetivo: Temáticas: Experimentar os mistérios celebrados e vive-los como comunidade cristã que partilha os dons do pão e do vinho • Sentido das festas pascais celebradas • Celebração da Crisma/Confirmação quando possível • Participação nas celebrações comunitárias Leitura orante da Palavra de Deus e partilha de vida. ADOLESCENTES/JOVENS
  • 21. Celebração de envio missionário Conclusão do itinerário (Domingo de pentecostes) Objetivo Passos Enviar para o serviço à comunidade e à sociedade, como discípulo missionário, em vista do permanente amadurecimento na fé • Proclamação da Palavra • Entrega de um símbolo (sal, semente, fermento, luz, sandálias, etc...) • Oração de Envio • Inserção pastoral e nos serviços comunitários. • Integração num grupo de reflexão, pastoral, comunitário... • Leitura orante da Palavra como prática permanente de amadurecimento na fé ADULTOS, ADULTOS CATEQUIZANDOS, ADOLESCENTES/JOVENS
  • 22. Celebração de envio missionário (Domingo de pentecostes) Objetivo Passos Enviar para o testemunho cristão, como discípulo missionário, em vista do crescimento na fé • Proclamação da Palavra • Entrega de um símbolo (sal, semente, fermento, luz, sandálias, etc...) • Oração de Envio CRIANÇAS
  • 23. Vivência missionária (12 meses) Objetivo Passos Vivenciar na prática cotidiana a proposta de Jesus Cristo assumida durante o processo catequético • Leitura orante semanal da Palavra de Deus • Integração em um grupo de reflexão • Participação em grupos de perseverança • Inserção em propostas missionárias e serviços comunitários (adaptadas às crianças) • Realização de encontros/ retiros • Utilização das mídias virtuais para evangelizar CRIANÇAS
  • 24. JESUS CRISTO IGREJA VIDA Através da vida da Igreja (Liturgia, sacramentos, caridade) O que Ele diz para minha vida? Meu encontro com a Boa-Notícia (vida interrogada pelo evangelho – Celebrações dominicais) Através das pessoas que testemunham sua fé em Jesus Cristo O que Ele diz para minha vida? O que está mudando? Amizade com Jesus que faz verdadeira nossa amizade Através da descoberta vocação que Jesus me chama Descobrindo o mistério da vida no Amor (Igreja) Dou passos na integração da Fé com a Vida, diante da Igreja e Sociedade TRADIÇÃO RECITAÇÃO Seguir Participar da Relacionar Fé e AdaptadodapropostadeItinerárioparaMistagogia(em3tempos) DiocesedeMilão–apesentadoporPietroAngeloMuroni(2013)p.100
  • 25. Método mistagógico • Três elementos do método mistagógico (SARTORE, 1992): I - Valorização dos sinais (gestos, palavras) logo que experimentado; II – Interpretação dos ritos à luz da Bíblia, na perspectiva histórica da salvação; III – Abertura ao compromisso cristão e eclesial, expressão da vida nova em Cristo
  • 26. Quatro passos da Mistagogia • 1- Sentido cotidiano Seu sentido na cultura atual, partir daquilo que em nosso cotidiano se relaciona com o gesto, Ex.: uso do óleo na nossa sociedade, excesso ou falta de água... • 2 - Memorial bíblico Contato entre a Palavra de Deus e os sinais, para revelar o que representam na história da salvação. Interpretar os ritos com seus símbolos à luz da Bíblia. Olhas as imagens presentes nos dois testamentos, comparar se possível. Ver as leituras bíblicas das celebrações dos sacramentos. • 3 - Sentido litúrgico Introduzir no sentido dos sinais contidos nos ritos. Aprofundar o significado e o efeito dos símbolos nos ritos da celebração litúrgica. Lembras gestos, símbolos, palavras. • 4 - Compromisso cristão É o sentido para a vida. Lembrar o compromisso cristão que brota com a celebração dos sacramentos. 1 1 - Elaborado pelo NUCAP tomando por base o n. 64 da exortação apostólica o Sacramento da Caridade de Bento XVI
  • 27. Roteiro de Vivência Litúrgica 1 (estilo celebração - NUCAP) • Ritos iniciais (acolhida em nome da Trindade, pedido de perdão e oração) • Liturgia da Palavra (um ou mais textos bíblicos ligados ao símbolo refletido) No momento da partilha partindo do texto bíblico, refletir sobre o sentido usual do símbolo, sentido bíblico e aplicação ritual • Rito com aplicação do símbolo (preces, uma breve monição ou canto evidenciando o sentido do símbolo, acompanhado de um gesto) • Bênção final e despedida (em consonância com o símbolo meditado)
  • 28. Roteiro de Vivência Litúrgica 2 (em grupos) • Refrão meditativo • Leitura bíblica (também pode ser acompanhada de textos litúrgicos e catequéticos [patrísticos] – ex.: catequeses mistagógicas ) • Reflexão e partilha (Ex.: que mensagem essa leitura nos traz? Que clima acompanha essa celebração que estamos refletindo? Qual o tempo litúrgico?...) • Rito (uma parte do rito é tomada pelo grupo que analisa o rito, verifica como fazer, divide tarefas e se prepara para fazer “como se fosse” diante dos outros grupos). • Avaliação (os integrantes do grupo partilham o que sentiram e os demais podem pontuar o que foi bom e o que precisa melhorar)
  • 29. Mistagogia da Música Litúrgica • Precisamos levar em consideração o cárter de acesso ao Mistério presente na nossa música litúrgica. • Ione Buyst e Joaquim Fonseca propõem três passos para um caminho mistagógico com a música ritual. • Organizar os ministros(as) do canto e outras pessoas, deixar claro que não se trata exclusivamente de ensaio dos cantos (mas também de um momento orante); I – Descrição e análise da ação ritual II – Aprofundamento do acontecimento da celebrado na ação ritual, e sua raiz bíblica III – Experiência da salvação acontecendo para nós hoje, na e a partir da ação ritual Cada um desses momentos é intercalado com momentos de ensaio do canto escolhido Preferencialmente com os salmos, pode-se faz o estilo de esquema da Leitura Orante
  • 30. Laboratório Litúrgico 1 - Preparando o corpo (Trabalho corporal): Respiração consciente, ou outros exercícios 2 - Enraizamento social do rito (Como o povo faz?; Por quê?) 3 - Momento de vivência Breve conversa sobre o rito escolhido Distribuir as partes e tarefas dentro do rito Realização da parte do rito Observações sobre aquilo que se fez Realização por outro grupo Novas observações 4 – Conversa sobre os três pontos (fazer, saber e saborear) Gesto corporal, Sentido teológico-litúrgico, Atitude espiritual
  • 31. Roteiro de análise ritual das celebrações do RICA • Em que etapa do catecumenato está previsto este rito? • Em que contexto (catequético e litúrgico) acontece? • Em que local? • Qual é a sequência e quais são os elementos do rito (cantos, monições, leituras bíblias, gestos, posturas, ações simbólicas, palavras que acompanham o gesto, orações...)? • Quem faz o que em relação a quem (participação da assembleia, dos catecúmenos, dos ministros e ministras)? • Qual é o sentido teológico (+ referência à história da salvação) implícito neste rito? Coloque-se no lugar do catecúmeno. Tentem explicar (com base nos textos e outras indicações do ritual): a) disposição interior que exige; b) a experiência realizada pelo Espírito Santo através do rito; c) os frutos da vivência do rito para a vida – o mesmo pode ser explicitado em relação à assembleia e aos ministros e ministras. • A introdução e as rubricas do ritual explicitam a mistagogia deste rito? Como?
  • 32. Sugestões de símbolos e ritos para serem analisados PORTA Instituição de catecúmenos / início da catequese PALAVRA Entrega da Bíblia no catecumenato/ catequese; procissão com Evangeliário; proclamação das leituras; ambão. CRUZ Assinalação com cruz no catecumenato/catequese; Sinal da Cruz; Cruz processional; Bênção de cruzes ÁGUA Bênção da água batismal; Batismo; Aspersão; Bênção da fonte batismal FOGO Acendimento do Círio Pascal, acendimento de velas, entrega da vela no batismo MÃOS Imposição das mãos (exorcismos e escrutínios, crisma, celebrações na catequese), bênção OLÉO Unções (antes do batismo, crisma) PÃO E VINHO Ritos da liturgia Eucaristia, consagração do altar Materiais de apoio: • Símbolos na Liturgia (Ione Buyst - Paulinas); • Mistagogia: A partir do documento da CNBB n. 107 (NUCAP - Paulinas); • DVD – Iniciação à vida cristã: Catequese com estilo catecumenal (Paulinas) • Mistagogia da Eucarístia (Gilbert Ostdiek, OFM – Ed. Vozes)
  • 33. Referências ALDAZÁBAL, José. Vocabulário básico de liturgia. São Paulo: Paulinas, 2013. BUYST, Ione. O segredo dos ritos: ritualidade e sacramentalidade da liturgia cristã. São Paulo: Paulinas, 2011. ______. Símbolos na Liturgia. São Paulo: Paulinas, 1998. BUYST, Ione; FONSECA, Joaquim. Música ritual e mistagogia. São Paulo: Paulus, 2008. CNBB. Itinerário catequético: Iniciação à Vida Cristã - Um Processo de Inspiração Catecumenal. Brasília: Edições CNBB, 2014. COSTA, Rosemary Fernandes da. Mistagogia hoje: o resgate da experiência mistagógica dos primeiros séculos da Igreja para a evangelização e catequese atuais. São Paulo: Paulus, 2014. PAPA FRANCISCO. Evagelli Gaudium. Brasília: Edições CNBB, 2013. NUCAP. Mistagogia a partir do documento da CNBB n. 107. São Paulo : Paulinas, 2018 PARO, Thiago Aparecido Faccini. Celebrações do RICA: conhecer para bem celebrar. Petrópolis: Vozes, 2017. SAGRADA CONGREGAÇÃO PARA O CULTO DIVINO. Ritual da iniciação cristã de adultos. São Paulo: Paulus, 2001. CIRILO DE JERUSALÉM. Catequeses Mistagógicas. Disponível em: https://www.ecclesia.com.br/biblioteca/ pais_da_igreja/s-cirilo-de-jerusalem-catequeses- mistagogicas.html#conteudo. Acesso em: 08 jan. 2019