SlideShare uma empresa Scribd logo
A PESSOA DE
JESUS CRISTO
PROJETO DE FORMAÇÃO -SAJ
“Quem diz o povo que eu sou?
( Lc 9,18c)
João Batista
Elias
Algum dos profetas
E hoje, para nossa
sociedade, quem é
Jesus?
“ E vós, quem dizeis que eu sou?” (Lc
9,20b)
“O Messias de Deus”
Pedro
E nós que somos chamados a
ser seus discípulos e suas
discípulas no Séc XXI, quem
dizemos que é Jesus?
Precisamos conhecer Jesus... Quem é
ele... Como se comportava... O que ele
ensinou...Qual sua espiritualidade...
1. Uma revolução...1. Uma revolução...
Jesus vivia num mundo judeu, mas com fortes influências
greco-romanas.
Luxo e corrupção
Jesus não foi um reformador.... Ele virou o
mundo de pernas para o ar...
A sua revolução foi mais social do
que política.
valores
Revolução social  vira de pernas para o ar as
relações sociais existentes entre as pessoas.
Revolução política  muda as relações de
poder de uma sociedade, derrubando um
governo e substituindo-o.
Virando o mundo de pernas para o ar...
Ensinamentos de Jesus vinha subverter quase tudo aquilo que
constituía um dado adquirido:
Dar a outra face.... Em vez da vingança;
Amar os inimigos... Em vez de odiá-los;
Fazer o bem a quem se odeia;
Abençoar aqueles que nos insultam;
Perdoar a todos setenta vezes sete;
O Sermão da Montanha
Ainda mais revolucionário o discurso sobre o rico e o pobre.
Jesus proclama:
“Felizes vós, os pobres...” (Lc 6,20)
Teologia da retribuição
Rico  abençoado por Deus;
Pobre  amaldiçoado por Deus
Igual dignidade...
Nisso Jesus era inflexível
Todos os seres humanos tem a mesma dignidade e valor
Inclusive mulheres e crianças
Sua relação de amizade com as mulheres
era tão livre que escandalizava.
Deixai vir a mim as crianças.
Histórias subversivas...
Mito Uma história que confirma o status quo,
reconciliando as suas aparentes contradições;
Parábola Uma história que ataca o status quo, revelando
as suas contradições.
Fariseu e o publicano (Lc 18, 9-14)
Bom samaritano (Lc 10,30-37)
Trabalhadores da vinha (Mt 20,1-16)
Relativizando a Lei...
A espiritualidade da época de Jesus baseada na Lei...
Jesus também a virou de pernas para o ar.
Jesus era perfeitamente livre para transgredir a lei, sempre
que observá-la fosse nocivo para as pessoa.
O que importava para Jesus eram as pessoas e suas
necessidades.
O Reino de pernas para o ar...
Vivia-se a espera pelo Messias
Era esperado o libertador que estabeleceria o Reinado de Deus
Jesus tinha uma ideia muito diferente do que era o Reino de Deus
Imagem: família feliz,
transbordante de amor
Fruto da experiência de Deus como Abbá.
Ninguém pode pertencer ao Reino-família de Deus e continuar a
preferir a sua família convencional.
Não quer dizer que Jesus veja o Reino-família como toda a
raça humana. Quem não aceita viver o AMOR se exclui.
Assim, a nova Família de Deus pode dividir e provocar
conflitos.
A Família de Deus reúne-se em torno da mesa. (Jesus diversas vezes à
mesa)
partilha
O Reino de Deus é uma realidade
presente. A comunidade é fermento.
O que esperamos já está no meio de nós.
O Messias de pernas para o ar...
Jesus: extremamente relutante em permitir que o chamem de Messias.
Servo
Jesus não é o Messias conquistador e triunfante que viria esmagar e
matar os opressores de Israel.
Ele é que foi morto RESSURREIÇÃO
Virar o mundo para o lado certo...
Jesus chama a atenção em um mundo cheio de distorções e ilusões do
ego.
Parece ser um mundo impraticável para muitos dos seus
“Os judeus pedem sinais e os gregos andam em busca da sabedoria,
nós pregamos um Messias crucificado, escândalo para os judeus e
loucura para os gentios... Portanto, o que é tido como loucura de
Deus é mais sábio que os seres humanos.”
(1Cor 1,22-23.25)
De onde vem essa sabedoria?
2. Um profeta e um místico2. Um profeta e um místico
Falar claramente...
A espiritualidade Jesus assemelha-se a dos profetas.
Se levantam no meio do povo para denunciar as
práticas do seu próprio povo e dos seus próprios
governantes.
Provoca uma tensão.
Ler os sinais...
Profetas são capazes de predizer o futuro, não como quem lê a sina,
mas como pessoas que aprenderam a ler os sinais do seu tempo.
Ler os sinais do seu tempo terá sido, certamente, uma parte integrante
da espiritualidade de Jesus.
“Mas, quando virdes Jerusalém sitiada por exércitos, ficai sabendo
que a sua ruína está próxima.”
(Lc 21,20)
O mensageiro de Deus...
Ele não começa a sua mensagem com as palavras:
”O Senhor Deus diz”
Jesus diz: “Eu porém, vos digo”.
É a experiência mística da união com Deus que lhes permite falar em
nome de Deus.
Jesus é um homem de ação, por trás de todas as suas atividades está
uma vida constante de oração.
Recomenda que se reze na intimidade do próprio quarto
Os anos contemplativos...
Jesus passou muitos anos tentando entender o significado das
Escrituras nos sinais dos tempos.
O que ele era chamado a ser e fazer.
Podemos ver a luta de Jesus no deserto
TER
PODER
PRAZER
A união de Jesus com Deus era uma realidade que ele ia tomando
consciência à medida que ia crescendo em sabedoria e estatura.
A mística de Jesus...
Experiência de união ou comunhão com
Deus
Abbá (Paizinho) intimidade
Ensina seus discípulos a fazer o mesmo
Jesus se via como o filho que aprende imitando o Pai. (Lc 6,36)
Se achamos difícil viver o que Jesus viveu é porque não
experimentamos Deus como Abbá.
A tradição místico-profeta...
Há não muito tempo se separava o espiritual da ação social.
Os que tinham fome de espiritualidade pareciam não ter sede de
justiça.
Hoje é impensável que alguém pudesse ser profeta sem ter tido
alguma experiência de Deus, pudesse ser um místico sem denunciar
claramente as injustiças do seu tempo
Uma espiritualidade místico-profética
para todos...
Na história de Israel os profetas eram raros. O objetivo de Jesus era
tornar o espírito de profecia acessível a toda gente.
Jesus não se vê como o único que tem o direito de chamar Deus de
Abbá... Ele ensina seus discípulos a chamarem assim também.
Karl Rahner (grande teólogo do Séc XX) diz:
“o cristão do futuro ou será um místico, ou
deixará de existir.”
3. Uma espiritualidade de
cura
Há mais episódios de curas atribuídos a Jesus do que a qualquer outra
pessoa ligada à tradição judaica.
Alguns cristãos sentem-se muito embaraçados pelo fato
de Jesus operar curas.
As curas de Jesus são holísticas... do ser humano
de maneira integral
Cura holística...
O seu modo de tratar as pessoas exercia um poderoso efeito de
cura sobre aquelas que tinham sido acusadas vezes sem conta em
sua vida.
Ao virar o mundo de pernas para o ar, Jesus produziu um alívio
indescritível àqueles que se sentiam sobrecarregados pelo julgo
religioso e social.
Através das parábolas e expressões fortes Jesus
tentava abrir os olhos dos seus contemporâneos,
ajudando-os a ver o mundo de forma diferente.
Ver as coisas como elas realmente são, é que nos faz
livres e nos cura.
Uma espiritualidade de cura...
Embora fosse um crítico radical da sociedade em que vivia, Jesus
nunca julgava ninguém, tampouco acusava ou condenava indivíduo
algum.
Nunca o encontramos fazendo sermões de moral.
Os doentes e o perdidos...
Jesus via que era necessário atos de cura e não acusações.
Jesus via pessoas feridas e corações quebrantados, confusão e medo e
não o pecado e a culpa.
Jesus para descrever a situação do ser humano a imagem de
que estava “perdida”
Lucas 15: o filho perdido, a ovelha perdida, a moeda perdida.
Não eram só os pobres que viviam um estado de insegurança e
ansiedade (os ricos, escribas, fariseus também).
Jesus se sentia tocado por todos os necessitados, fosse qual fosse
a sua mágoa e a sua dor.
Para além da culpa e das acusações...
Jesus ao falar para os fariseus e escribas condena seu orgulho, a
sua arrogância, a sua hipocrisia... no entanto,
não aponta o dedo a nenhum indivíduo.
Ele não condena nem mesmo os indivíduos romanos. Cura o servo do
centurião romano.
E na cruz: “Perdoa-lhes, Pai,
porque não sabem o que fazem.” (Lc23,34)
Dois tipos de juízo...
“Não julgueis para não serdes julgados”.(Mt 7,1)
“Julgai por vós mesmos”. (Lc 12,57)
Imputação
de culpas.
Análise do que é
certo e errado
Jesus era um crítico do mundo em que vivia. Mas isso não o tornou
amargurado e ressentido. Não condenava ninguém.
Jovem rico Mc 10,18-25.
Para Jesus o indivíduo era único e importante. Por isso ele podia
falar em deixar 99 para partir em busca do que andava perdido (Lc
15,3-6)
Perdão incondicional...
O fato de Jesus amar a todos sem condição e por isso perdoar os
pecados de todos de forma incondicional
fazia parte da vivência de Jesus.
A mulher adultera (Jo 8,3-11)
No entender de Jesus, fosse qual fosse
o grau de culpa que alguém pudesse
ter, era uma questão de perdão, não de
condenação.
Relações que curam...
Era amando as pessoas que Jesus as curava.
Além da comunhão plena que ele sentia com todos que
encontrava, Jesus tinha muitos amigos íntimos.
As amizades íntimas não são contrárias ao amor universsl, a
menos que se tornem de algum modo exclusivas.
Jesus experimentou o amor que alguns tinham por ele como
mais uma manifestação do amor assombroso de Deus.
Hemorroisa (Mc 5,25-34)
Podemos seguir os passos de Jesus?
Precisamos ser curados, tanto individualmente como
humanidade.
Jesus nos ensina que é na relação com
Deus (Abbá)
e com o outro (irmão) que nos tornamos
discípulos.
Assim poderemos responder ao
questionamento de Jesus:
“E vós, quem dizeis que eu
sou?”(Lc9320b)
Ramon Gimenez
ramonbh@ymail.com
ramon-gimenez.webnode.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaidaA cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaida
Sergio Menezes
 
09 vida de maria de nazaré
09 vida de maria de nazaré09 vida de maria de nazaré
09 vida de maria de nazaré
Rafaella Vasconcellos
 
Maria de nazaré a educadora de jesus
Maria de nazaré a educadora de jesusMaria de nazaré a educadora de jesus
Maria de nazaré a educadora de jesus
Cláudio Fajardo
 
A vinha - Ensinamentos da Parábola dos Trabalhadores da Vinha
A vinha - Ensinamentos da Parábola dos Trabalhadores da VinhaA vinha - Ensinamentos da Parábola dos Trabalhadores da Vinha
A vinha - Ensinamentos da Parábola dos Trabalhadores da Vinha
Candice Gunther
 
Os sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médicoOs sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médico
nelmarvoc
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Izabel Cristina Fonseca
 
Evangeliza - Maria de Nazaré, Mãe de Jesus
Evangeliza - Maria de Nazaré,  Mãe de JesusEvangeliza - Maria de Nazaré,  Mãe de Jesus
Evangeliza - Maria de Nazaré, Mãe de Jesus
Antonino Silva
 
A missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoA missão de jesus cristo
A missão de jesus cristo
Emanuel Costa
 
Maria nas bodas de Caná e na cruz
Maria nas bodas de Caná e na cruzMaria nas bodas de Caná e na cruz
Maria nas bodas de Caná e na cruz
Afonso Murad (FAJE)
 
A036 EAE DM - O SERMÃO DO MONTE 20170503
A036 EAE DM - O SERMÃO DO MONTE 20170503A036 EAE DM - O SERMÃO DO MONTE 20170503
A036 EAE DM - O SERMÃO DO MONTE 20170503
Daniel de Melo
 
Eae 55 Ascensão
Eae 55 AscensãoEae 55 Ascensão
Eae 55 Ascensão
PatiSousa1
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
PatiSousa1
 
João batista 1
João batista 1João batista 1
João batista 1
Sergio Menezes
 
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇABEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
Sergio Menezes
 
Lição 13 a ressurreição de jesus
Lição 13   a ressurreição de jesusLição 13   a ressurreição de jesus
Lição 13 a ressurreição de jesus
Regio Davis
 
Os apóstolos de jesus
Os apóstolos de jesusOs apóstolos de jesus
Os apóstolos de jesus
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
LIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃOLIBERTAÇÃO
JESUS, MESTRE DA EDUCAÇÃO
JESUS, MESTRE DA EDUCAÇÃOJESUS, MESTRE DA EDUCAÇÃO
JESUS, MESTRE DA EDUCAÇÃO
Jorge Luiz dos Santos
 
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Márcio Martins
 
Natal palestra
Natal palestraNatal palestra
Natal palestra
Izabel Cristina Fonseca
 

Mais procurados (20)

A cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaidaA cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaida
 
09 vida de maria de nazaré
09 vida de maria de nazaré09 vida de maria de nazaré
09 vida de maria de nazaré
 
Maria de nazaré a educadora de jesus
Maria de nazaré a educadora de jesusMaria de nazaré a educadora de jesus
Maria de nazaré a educadora de jesus
 
A vinha - Ensinamentos da Parábola dos Trabalhadores da Vinha
A vinha - Ensinamentos da Parábola dos Trabalhadores da VinhaA vinha - Ensinamentos da Parábola dos Trabalhadores da Vinha
A vinha - Ensinamentos da Parábola dos Trabalhadores da Vinha
 
Os sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médicoOs sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médico
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
 
Evangeliza - Maria de Nazaré, Mãe de Jesus
Evangeliza - Maria de Nazaré,  Mãe de JesusEvangeliza - Maria de Nazaré,  Mãe de Jesus
Evangeliza - Maria de Nazaré, Mãe de Jesus
 
A missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoA missão de jesus cristo
A missão de jesus cristo
 
Maria nas bodas de Caná e na cruz
Maria nas bodas de Caná e na cruzMaria nas bodas de Caná e na cruz
Maria nas bodas de Caná e na cruz
 
A036 EAE DM - O SERMÃO DO MONTE 20170503
A036 EAE DM - O SERMÃO DO MONTE 20170503A036 EAE DM - O SERMÃO DO MONTE 20170503
A036 EAE DM - O SERMÃO DO MONTE 20170503
 
Eae 55 Ascensão
Eae 55 AscensãoEae 55 Ascensão
Eae 55 Ascensão
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
 
João batista 1
João batista 1João batista 1
João batista 1
 
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇABEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
 
Lição 13 a ressurreição de jesus
Lição 13   a ressurreição de jesusLição 13   a ressurreição de jesus
Lição 13 a ressurreição de jesus
 
Os apóstolos de jesus
Os apóstolos de jesusOs apóstolos de jesus
Os apóstolos de jesus
 
LIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃOLIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃO
 
JESUS, MESTRE DA EDUCAÇÃO
JESUS, MESTRE DA EDUCAÇÃOJESUS, MESTRE DA EDUCAÇÃO
JESUS, MESTRE DA EDUCAÇÃO
 
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
 
Natal palestra
Natal palestraNatal palestra
Natal palestra
 

Destaque

Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de VidaJesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
igmateus
 
Jesus Palestra
Jesus   PalestraJesus   Palestra
Jesus Palestra
Cláudio Luciano
 
Desenvolvendo sentimentos!
Desenvolvendo sentimentos!Desenvolvendo sentimentos!
Desenvolvendo sentimentos!
Leonardo Pereira
 
Biografia de Jesus Cristo
Biografia de Jesus CristoBiografia de Jesus Cristo
Biografia de Jesus Cristo
Manuel Pereira Gonçalves
 
Educação e Espiritismo
Educação e EspiritismoEducação e Espiritismo
Educação e Espiritismo
grupodepaisceb
 
Inesqueciveis licoes de_jesus
Inesqueciveis licoes de_jesusInesqueciveis licoes de_jesus
Inesqueciveis licoes de_jesus
Graça Maciel
 
Escutando sentimentos
Escutando sentimentosEscutando sentimentos
Escutando sentimentos
Dalila Melo
 
A educacao do espirito
A educacao do espiritoA educacao do espirito
A educacao do espirito
Leonardo Pereira
 
Quem é Jesus
Quem é JesusQuem é Jesus
Quem é Jesus
Jucieudo Costa
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
Marcelo Gonçalves
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
guested634f
 
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Graça Maciel
 
A Pedagogia do Afeto
A Pedagogia do Afeto A Pedagogia do Afeto
A Pedagogia do Afeto
Adilson P Motta Motta
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
Graça Martins
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 

Destaque (15)

Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de VidaJesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
Jesus: Roteiro de Luz, Espiritismo: Receita de Vida
 
Jesus Palestra
Jesus   PalestraJesus   Palestra
Jesus Palestra
 
Desenvolvendo sentimentos!
Desenvolvendo sentimentos!Desenvolvendo sentimentos!
Desenvolvendo sentimentos!
 
Biografia de Jesus Cristo
Biografia de Jesus CristoBiografia de Jesus Cristo
Biografia de Jesus Cristo
 
Educação e Espiritismo
Educação e EspiritismoEducação e Espiritismo
Educação e Espiritismo
 
Inesqueciveis licoes de_jesus
Inesqueciveis licoes de_jesusInesqueciveis licoes de_jesus
Inesqueciveis licoes de_jesus
 
Escutando sentimentos
Escutando sentimentosEscutando sentimentos
Escutando sentimentos
 
A educacao do espirito
A educacao do espiritoA educacao do espirito
A educacao do espirito
 
Quem é Jesus
Quem é JesusQuem é Jesus
Quem é Jesus
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
 
A Pedagogia do Afeto
A Pedagogia do Afeto A Pedagogia do Afeto
A Pedagogia do Afeto
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 

Semelhante a Pessoa de jesus

Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espíritaApresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
grupodepaisceb
 
Aprendendo com o evangelho
Aprendendo com o evangelhoAprendendo com o evangelho
Aprendendo com o evangelho
Helio Cruz
 
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
José Lima
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano B
José Lima
 
Aula de reposição 8,9,10
Aula de reposição 8,9,10Aula de reposição 8,9,10
Aula de reposição 8,9,10
Paulo Mattos
 
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Natalino das Neves Neves
 
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
Marcos Aurélio
 
Lição 8 jesus e as minorias ebd
Lição 8   jesus e as minorias ebdLição 8   jesus e as minorias ebd
Lição 8 jesus e as minorias ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
José Lima
 
Comentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano B
José Lima
 
Tu és Pedro
Tu és PedroTu és Pedro
Tu és Pedro
pr_afsalbergaria
 
Comentário: Domingo de Ramos - Ano A
Comentário: Domingo de Ramos - Ano AComentário: Domingo de Ramos - Ano A
Comentário: Domingo de Ramos - Ano A
José Lima
 
Evangelho Segundo o Espiritismo capitulo 2 itens 1 a 8
Evangelho Segundo o Espiritismo capitulo 2 itens 1 a 8Evangelho Segundo o Espiritismo capitulo 2 itens 1 a 8
Evangelho Segundo o Espiritismo capitulo 2 itens 1 a 8
Fernando Pinto
 
A Mulher Cananeia - Uma Mulher de Atitude
A Mulher Cananeia - Uma Mulher de AtitudeA Mulher Cananeia - Uma Mulher de Atitude
A Mulher Cananeia - Uma Mulher de Atitude
Obed Souza
 
Jesus e o evangelho á luz da psicologia profunda divaldo franco
Jesus e o evangelho á luz da psicologia profunda  divaldo francoJesus e o evangelho á luz da psicologia profunda  divaldo franco
Jesus e o evangelho á luz da psicologia profunda divaldo franco
Helio Cruz
 
Comentário: 4º Domingo da Páscoa - Ano B
Comentário: 4º Domingo da Páscoa - Ano BComentário: 4º Domingo da Páscoa - Ano B
Comentário: 4º Domingo da Páscoa - Ano B
José Lima
 
Um novo_dia
Um novo_diaUm novo_dia
Um novo_dia
pr_afsalbergaria
 
Um novo_dia
Um novo_diaUm novo_dia
Um novo_dia
pr_afsalbergaria
 
C1421 tu es_pedro
C1421 tu es_pedroC1421 tu es_pedro
C1421 tu es_pedro
penalvacastelo
 
Ética cristã slides aula 2
Ética cristã   slides aula 2Ética cristã   slides aula 2
Ética cristã slides aula 2
Jose Ventura
 

Semelhante a Pessoa de jesus (20)

Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espíritaApresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
 
Aprendendo com o evangelho
Aprendendo com o evangelhoAprendendo com o evangelho
Aprendendo com o evangelho
 
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano B
 
Aula de reposição 8,9,10
Aula de reposição 8,9,10Aula de reposição 8,9,10
Aula de reposição 8,9,10
 
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
 
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
 
Lição 8 jesus e as minorias ebd
Lição 8   jesus e as minorias ebdLição 8   jesus e as minorias ebd
Lição 8 jesus e as minorias ebd
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
 
Comentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano B
 
Tu és Pedro
Tu és PedroTu és Pedro
Tu és Pedro
 
Comentário: Domingo de Ramos - Ano A
Comentário: Domingo de Ramos - Ano AComentário: Domingo de Ramos - Ano A
Comentário: Domingo de Ramos - Ano A
 
Evangelho Segundo o Espiritismo capitulo 2 itens 1 a 8
Evangelho Segundo o Espiritismo capitulo 2 itens 1 a 8Evangelho Segundo o Espiritismo capitulo 2 itens 1 a 8
Evangelho Segundo o Espiritismo capitulo 2 itens 1 a 8
 
A Mulher Cananeia - Uma Mulher de Atitude
A Mulher Cananeia - Uma Mulher de AtitudeA Mulher Cananeia - Uma Mulher de Atitude
A Mulher Cananeia - Uma Mulher de Atitude
 
Jesus e o evangelho á luz da psicologia profunda divaldo franco
Jesus e o evangelho á luz da psicologia profunda  divaldo francoJesus e o evangelho á luz da psicologia profunda  divaldo franco
Jesus e o evangelho á luz da psicologia profunda divaldo franco
 
Comentário: 4º Domingo da Páscoa - Ano B
Comentário: 4º Domingo da Páscoa - Ano BComentário: 4º Domingo da Páscoa - Ano B
Comentário: 4º Domingo da Páscoa - Ano B
 
Um novo_dia
Um novo_diaUm novo_dia
Um novo_dia
 
Um novo_dia
Um novo_diaUm novo_dia
Um novo_dia
 
C1421 tu es_pedro
C1421 tu es_pedroC1421 tu es_pedro
C1421 tu es_pedro
 
Ética cristã slides aula 2
Ética cristã   slides aula 2Ética cristã   slides aula 2
Ética cristã slides aula 2
 

Mais de Ramon Gimenez

PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
Ramon Gimenez
 
Ano liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmosAno liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmos
Ramon Gimenez
 
Maria
MariaMaria
Evangelho segundo Marcos
Evangelho segundo MarcosEvangelho segundo Marcos
Evangelho segundo Marcos
Ramon Gimenez
 
Biblia na catequese
Biblia na catequeseBiblia na catequese
Biblia na catequese
Ramon Gimenez
 
Falar em publico
Falar em publicoFalar em publico
Falar em publico
Ramon Gimenez
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Ramon Gimenez
 
Historia da catequese
Historia da catequese Historia da catequese
Historia da catequese
Ramon Gimenez
 
O que é ser um lider
O que é ser um liderO que é ser um lider
O que é ser um lider
Ramon Gimenez
 

Mais de Ramon Gimenez (9)

PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
 
Ano liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmosAno liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmos
 
Maria
MariaMaria
Maria
 
Evangelho segundo Marcos
Evangelho segundo MarcosEvangelho segundo Marcos
Evangelho segundo Marcos
 
Biblia na catequese
Biblia na catequeseBiblia na catequese
Biblia na catequese
 
Falar em publico
Falar em publicoFalar em publico
Falar em publico
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Historia da catequese
Historia da catequese Historia da catequese
Historia da catequese
 
O que é ser um lider
O que é ser um liderO que é ser um lider
O que é ser um lider
 

Último

Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 

Último (12)

Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 

Pessoa de jesus

  • 1. A PESSOA DE JESUS CRISTO PROJETO DE FORMAÇÃO -SAJ
  • 2. “Quem diz o povo que eu sou? ( Lc 9,18c) João Batista Elias Algum dos profetas
  • 3. E hoje, para nossa sociedade, quem é Jesus?
  • 4. “ E vós, quem dizeis que eu sou?” (Lc 9,20b) “O Messias de Deus” Pedro
  • 5. E nós que somos chamados a ser seus discípulos e suas discípulas no Séc XXI, quem dizemos que é Jesus? Precisamos conhecer Jesus... Quem é ele... Como se comportava... O que ele ensinou...Qual sua espiritualidade...
  • 6. 1. Uma revolução...1. Uma revolução... Jesus vivia num mundo judeu, mas com fortes influências greco-romanas. Luxo e corrupção Jesus não foi um reformador.... Ele virou o mundo de pernas para o ar...
  • 7. A sua revolução foi mais social do que política. valores
  • 8. Revolução social  vira de pernas para o ar as relações sociais existentes entre as pessoas. Revolução política  muda as relações de poder de uma sociedade, derrubando um governo e substituindo-o.
  • 9. Virando o mundo de pernas para o ar... Ensinamentos de Jesus vinha subverter quase tudo aquilo que constituía um dado adquirido: Dar a outra face.... Em vez da vingança; Amar os inimigos... Em vez de odiá-los; Fazer o bem a quem se odeia; Abençoar aqueles que nos insultam; Perdoar a todos setenta vezes sete; O Sermão da Montanha
  • 10. Ainda mais revolucionário o discurso sobre o rico e o pobre. Jesus proclama: “Felizes vós, os pobres...” (Lc 6,20) Teologia da retribuição Rico  abençoado por Deus; Pobre  amaldiçoado por Deus
  • 11. Igual dignidade... Nisso Jesus era inflexível Todos os seres humanos tem a mesma dignidade e valor Inclusive mulheres e crianças Sua relação de amizade com as mulheres era tão livre que escandalizava. Deixai vir a mim as crianças.
  • 12. Histórias subversivas... Mito Uma história que confirma o status quo, reconciliando as suas aparentes contradições; Parábola Uma história que ataca o status quo, revelando as suas contradições. Fariseu e o publicano (Lc 18, 9-14) Bom samaritano (Lc 10,30-37) Trabalhadores da vinha (Mt 20,1-16)
  • 13. Relativizando a Lei... A espiritualidade da época de Jesus baseada na Lei... Jesus também a virou de pernas para o ar. Jesus era perfeitamente livre para transgredir a lei, sempre que observá-la fosse nocivo para as pessoa. O que importava para Jesus eram as pessoas e suas necessidades.
  • 14. O Reino de pernas para o ar... Vivia-se a espera pelo Messias Era esperado o libertador que estabeleceria o Reinado de Deus Jesus tinha uma ideia muito diferente do que era o Reino de Deus Imagem: família feliz, transbordante de amor Fruto da experiência de Deus como Abbá.
  • 15. Ninguém pode pertencer ao Reino-família de Deus e continuar a preferir a sua família convencional. Não quer dizer que Jesus veja o Reino-família como toda a raça humana. Quem não aceita viver o AMOR se exclui. Assim, a nova Família de Deus pode dividir e provocar conflitos. A Família de Deus reúne-se em torno da mesa. (Jesus diversas vezes à mesa) partilha O Reino de Deus é uma realidade presente. A comunidade é fermento. O que esperamos já está no meio de nós.
  • 16. O Messias de pernas para o ar... Jesus: extremamente relutante em permitir que o chamem de Messias. Servo Jesus não é o Messias conquistador e triunfante que viria esmagar e matar os opressores de Israel. Ele é que foi morto RESSURREIÇÃO
  • 17. Virar o mundo para o lado certo... Jesus chama a atenção em um mundo cheio de distorções e ilusões do ego. Parece ser um mundo impraticável para muitos dos seus “Os judeus pedem sinais e os gregos andam em busca da sabedoria, nós pregamos um Messias crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os gentios... Portanto, o que é tido como loucura de Deus é mais sábio que os seres humanos.” (1Cor 1,22-23.25) De onde vem essa sabedoria?
  • 18. 2. Um profeta e um místico2. Um profeta e um místico Falar claramente... A espiritualidade Jesus assemelha-se a dos profetas. Se levantam no meio do povo para denunciar as práticas do seu próprio povo e dos seus próprios governantes. Provoca uma tensão.
  • 19. Ler os sinais... Profetas são capazes de predizer o futuro, não como quem lê a sina, mas como pessoas que aprenderam a ler os sinais do seu tempo. Ler os sinais do seu tempo terá sido, certamente, uma parte integrante da espiritualidade de Jesus. “Mas, quando virdes Jerusalém sitiada por exércitos, ficai sabendo que a sua ruína está próxima.” (Lc 21,20)
  • 20. O mensageiro de Deus... Ele não começa a sua mensagem com as palavras: ”O Senhor Deus diz” Jesus diz: “Eu porém, vos digo”. É a experiência mística da união com Deus que lhes permite falar em nome de Deus. Jesus é um homem de ação, por trás de todas as suas atividades está uma vida constante de oração. Recomenda que se reze na intimidade do próprio quarto
  • 21. Os anos contemplativos... Jesus passou muitos anos tentando entender o significado das Escrituras nos sinais dos tempos. O que ele era chamado a ser e fazer. Podemos ver a luta de Jesus no deserto TER PODER PRAZER A união de Jesus com Deus era uma realidade que ele ia tomando consciência à medida que ia crescendo em sabedoria e estatura.
  • 22. A mística de Jesus... Experiência de união ou comunhão com Deus Abbá (Paizinho) intimidade Ensina seus discípulos a fazer o mesmo Jesus se via como o filho que aprende imitando o Pai. (Lc 6,36) Se achamos difícil viver o que Jesus viveu é porque não experimentamos Deus como Abbá.
  • 23. A tradição místico-profeta... Há não muito tempo se separava o espiritual da ação social. Os que tinham fome de espiritualidade pareciam não ter sede de justiça. Hoje é impensável que alguém pudesse ser profeta sem ter tido alguma experiência de Deus, pudesse ser um místico sem denunciar claramente as injustiças do seu tempo
  • 24. Uma espiritualidade místico-profética para todos... Na história de Israel os profetas eram raros. O objetivo de Jesus era tornar o espírito de profecia acessível a toda gente. Jesus não se vê como o único que tem o direito de chamar Deus de Abbá... Ele ensina seus discípulos a chamarem assim também. Karl Rahner (grande teólogo do Séc XX) diz: “o cristão do futuro ou será um místico, ou deixará de existir.”
  • 25. 3. Uma espiritualidade de cura Há mais episódios de curas atribuídos a Jesus do que a qualquer outra pessoa ligada à tradição judaica. Alguns cristãos sentem-se muito embaraçados pelo fato de Jesus operar curas. As curas de Jesus são holísticas... do ser humano de maneira integral
  • 26. Cura holística... O seu modo de tratar as pessoas exercia um poderoso efeito de cura sobre aquelas que tinham sido acusadas vezes sem conta em sua vida. Ao virar o mundo de pernas para o ar, Jesus produziu um alívio indescritível àqueles que se sentiam sobrecarregados pelo julgo religioso e social. Através das parábolas e expressões fortes Jesus tentava abrir os olhos dos seus contemporâneos, ajudando-os a ver o mundo de forma diferente. Ver as coisas como elas realmente são, é que nos faz livres e nos cura.
  • 27. Uma espiritualidade de cura... Embora fosse um crítico radical da sociedade em que vivia, Jesus nunca julgava ninguém, tampouco acusava ou condenava indivíduo algum. Nunca o encontramos fazendo sermões de moral.
  • 28. Os doentes e o perdidos... Jesus via que era necessário atos de cura e não acusações. Jesus via pessoas feridas e corações quebrantados, confusão e medo e não o pecado e a culpa. Jesus para descrever a situação do ser humano a imagem de que estava “perdida” Lucas 15: o filho perdido, a ovelha perdida, a moeda perdida. Não eram só os pobres que viviam um estado de insegurança e ansiedade (os ricos, escribas, fariseus também). Jesus se sentia tocado por todos os necessitados, fosse qual fosse a sua mágoa e a sua dor.
  • 29. Para além da culpa e das acusações... Jesus ao falar para os fariseus e escribas condena seu orgulho, a sua arrogância, a sua hipocrisia... no entanto, não aponta o dedo a nenhum indivíduo. Ele não condena nem mesmo os indivíduos romanos. Cura o servo do centurião romano. E na cruz: “Perdoa-lhes, Pai, porque não sabem o que fazem.” (Lc23,34)
  • 30. Dois tipos de juízo... “Não julgueis para não serdes julgados”.(Mt 7,1) “Julgai por vós mesmos”. (Lc 12,57) Imputação de culpas. Análise do que é certo e errado Jesus era um crítico do mundo em que vivia. Mas isso não o tornou amargurado e ressentido. Não condenava ninguém. Jovem rico Mc 10,18-25. Para Jesus o indivíduo era único e importante. Por isso ele podia falar em deixar 99 para partir em busca do que andava perdido (Lc 15,3-6)
  • 31. Perdão incondicional... O fato de Jesus amar a todos sem condição e por isso perdoar os pecados de todos de forma incondicional fazia parte da vivência de Jesus. A mulher adultera (Jo 8,3-11) No entender de Jesus, fosse qual fosse o grau de culpa que alguém pudesse ter, era uma questão de perdão, não de condenação.
  • 32. Relações que curam... Era amando as pessoas que Jesus as curava. Além da comunhão plena que ele sentia com todos que encontrava, Jesus tinha muitos amigos íntimos. As amizades íntimas não são contrárias ao amor universsl, a menos que se tornem de algum modo exclusivas. Jesus experimentou o amor que alguns tinham por ele como mais uma manifestação do amor assombroso de Deus. Hemorroisa (Mc 5,25-34)
  • 33. Podemos seguir os passos de Jesus? Precisamos ser curados, tanto individualmente como humanidade. Jesus nos ensina que é na relação com Deus (Abbá) e com o outro (irmão) que nos tornamos discípulos. Assim poderemos responder ao questionamento de Jesus: “E vós, quem dizeis que eu sou?”(Lc9320b)