SlideShare uma empresa Scribd logo
3º ENCONTRO
A Confirmação
Qual é o lugar da confirmação no designio divino da salvação?
Na Antiga Aliança, os profetas anunciaram a comunicação
do Espírito do Senhor ao Messias esperado e a todo o povo
messiânico. Toda a vida e missão de Jesus se desenvolvem
numa total comunhão com o Espírito Santo. Os Apóstolos
recebem o Espírito Santo no Pentecostes e anunciam “as
grandes obras de Deus” (At 2,11). Comunicam aos neófitos,
através da imposição das mãos, o dom do mesmo Espírito.
Ao longo dos séculos, a Igreja continuou a viver do Espírito e
a comunicá-lo aos seus filhos.
Introdução
 Antes do dia de Pentecostes, os apóstolos
tinham medo, e depois pregam a palavra de
Deus com decisão; os que eram incultos e
ignorantes, depois falam dos mistérios de Deus.
Esta mudança tão surpreendente produz-se,
porque naquele dia receberam a plenitude do
Espírito Santo.
 De maneira semelhante, os fiéis recebem
também a plenitude do Espírito Santo no
sacramento da confirmação.
Ideais principais
O Sacramento da Confirmação
Nascemos espiritualmente no momento em que somos
batizados; a partir desse momento, passamos a participar da
vida divina da Santíssima Trindade e começamos a viver a
vida sobrenatural. Ao praticarmos as virtudes da fé, da
esperança e da caridade, e ao unirmo-nos a Cristo na sua
Igreja para prestar culto a Deus, crescemos também em
graça e bondade. Mas nessa etapa da vida espiritual,
concentramo-nos principalmente em nós mesmos. Tendemos
a estar preocupados com as necessidades da nossa própria
alma, com os nossos esforços por “sermos bons”.
E recebemos a Confirmação ou Crisma. Com ela, chega-nos uma
graça que aprofunda e robustece a nossa fé, para que seja
suficientemente forte não só para as necessidades próprias, como
também para as dos outros, com os quais procuraremos compartilhá-la.
Com o despertar da adolescência, uma criança começa a assumir,
paulatina e progressivamente, as responsabilidades da idade adulta.
Começa a ver o seu lugar no quadro completo da família, e também no
da sociedade. De forma parecida, o cristão crismado começa a ver
cada vez com maior clareza a sua responsabilidade para com Cristo e
o seu próximo. Compromete-se profundamente com o bem de Cristo
no mundo, que é a Igreja, com o bem de Cristo no próximo. Neste
sentido, a Confirmação é um crescimento espiritual.
Para que possamos assumir essa responsabilidade para com a Igreja e
para com o próximo, tanto por ações como pelos sentimentos, o
sacramento da Confirmação ou Crisma confere-nos uma graça e um poder
especiais. Assim, como a “marca” do Batismo nos faz participar na função
sacerdotal de Cristo e nos dá o poder de nos unirmos a Cristo na sua
homenagem a Deus, a Confirmação vincula-nos mais perfeitamente à
Igreja, enriquecidos com a especial força do Espírito Santo, e torna-nos
mais estritamente obrigados à fé que, como verdadeiras testemunhas de
Cristo, devemos difundir e defender tanto por palavras como por obras.
Agora compartilhamos com Cristo a sua missão de estender o Reino,
de adicionar novas almas ao Corpo Místico de Cristo. As nossas palavras
e atos já não se dirigem meramente à santificação pessoal, mas vão, além
disso, fazer com que a verdade de Cristo se torne real e viva para aqueles
que nos rodeiam.
A Confirmação é o sacramento que aperfeiçoa a
graça batismal, dá o Espírito Santo para enraizar-nos
mais profundamente na filiação divina, incorpora-nos
mais firmemente a Cristo, torna mais sólida a nossa
vinculação com a Igreja, associa-nos mais à sua
missão e ajuda-nos a dar testemunho da fé cristã
pela palavra, acompanhada das obras.
Não sabemos exatamente quando foi que Jesus, na sua vida
pública, instituiu o sacramento da Confirmação. É uma das “muitas
coisas que Jesus fez” de que nos fala São João e que não estão
escritas nos Evangelhos. Sabemos da sua existência pela Tradição da
Igreja, isto é, pela doutrina da Igreja transmitida até nós desde os
tempos do Senhor por meio dos Apóstolos, inspirados pelo Espírito
Santo. E a tradição tem a mesma autoridade que a Sagrada Escritura,
como fonte de verdade divina.
O ministro ordinário da Confirmação é o Bispo. Em alguns casos,
porém, pode fazê-lo um sacerdote, por concessão do direito geral – por
exemplo, em perigo de morte – ou por indulto ou delegação especial.
No rito atual, costuma haver junto do bispo um ou vários
sacerdotes concelebrantes. Depois da saudação do bispo –
“A paz esteja convosco” – e de uma oração pedindo o dom do
Espírito Santo, tem lugar a celebração da palavra de Deus,
com uma ou várias leituras da Sagrada Escritura. Após essas
leituras os confirmandos são chamados pelo nome e
permanecem diante do bispo, que lhes dirige umas palavras,
comentando a grandeza e o significado do sacramento.
Depois de se vincar a relação da Confirmação com o
Batismo pela renovação das promessas batismais, vem a
parte essencial da cerimônia, que consta da imposição das
mãos e da unção com o santo crisma.
Rito da Confirmação
O bispo impõe as mãos sobre todos os confirmandos
e diz: “Deus todo-poderoso, Pai de Nosso Senhor Jesus
Cristo, que pela água e pelo Espírito Santo, fizestes
renascer estes vossos servos, libertando-os do pecado,
enviai-lhes o Espírito Santo Paráclito; dai-lhes, Senhor, o
espírito de sabedoria e inteligência, o espírito de
conselho e fortaleza, o espírito de ciência e piedade, e
enchei-os do espírito do vosso temor. Por Nosso senhor
Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo”.
A unção com o crisma, que se faz a seguir, é a parte
essencial do rito. É nesse momento que se confere o
sacramento da Confirmação. A própria unção com o crisma
é a imposição de mãos sacramental.
Cada confirmando aproxima-se do bispo. Colocando a
mão direita sobre o ombro do confirmando, a pessoa que o
apresenta diz o nome deste ao bispo. Também pode
declará-lo o próprio confirmando. O bispo mergulha o
polegar no crisma e marca o confirmando na fronte com o
sinal da cruz, dizendo: “N..., recebe, por este sinal, o Dom
do Espírito Santo”. E o confirmando responde: “Amém”.
O significado da Confirmação
O crisma é um dos três óleos que o bispo benze todos os anos na sua
Missa de Quinta-feira Santa. Os outros dois são: o óleo dos catecúmenos
(usado no Batismo) e o óleo dos enfermos (usado na Unção dos
Enfermos). Todos os santos óleos são de azeite puro de oliveira. Já
desde a antiguidade o azeite de oliveira era considerado como uma
substância fortificante, tanto que muitos atletas costumavam untar o
corpo com ele, antes de participarem de um certame atlético. O
significado dos santos óleos que são utilizados na administração dos
sacramentos é, pois, patente: o azeite significa o efeito fortificante da
graça de deus. Além da benção especial e diferente que cada óleo
recebe, o crisma tem outra particularidade: é misturado com bálsamo,
uma substância aromática que se extrai dessa árvore. No Crisma, o
bálsamo simboliza a “fragrância” da virtude, o bom odor, a atração que
deverá desprender-se da vida daquele que põe em movimento as graças
da Confirmação.
A cruz que se traça sobre a fronte do confirmando é outro
símbolo poderoso, se realmente o entendemos e pomos em
prática. É muito fácil sabê-lo. Basta perguntar-nos: “Vivo de
verdade como se trouxesse uma cruz visível gravada na
minha fronte, que me marca como homem ou mulher de
Cristo? Nas minhas atitudes e no meu relacionamento com
os que me rodeiam, em todas as minhas ações, proclamo:
Isto é o que significa ser cristão, isto é o que quer dizer viver
segundo o Evangelho?”
Sem o Batismo, não podemos ir para o céu. Sem
a Confirmação sim, mas o nosso caminho até ele
será mais difícil. Na verdade, sem a Confirmação, é
muito fácil extraviar-se por completo, muito fácil
perder a fé. Esta é a razão pela qual todo o batizado
tem a obrigação de receber também a Confirmação,
logo que tiver essa oportunidade.
Todos temos necessidade da graça da Confirmação.
Tanto que é pecado não receber este sacramento se há
ocasião disso, um pecado que seria mortal se a recusa
se devesse ao desprezo por esse sacramento. Os pais
que, por descuido, impedem que os seus filhos sejam
confirmados, cometem um sério pecado de negligência.
Enquanto na Igreja oriental é costume confirmar as
crianças quando são batizadas, a tradição da Igreja latina
requer que a pessoa esteja devidamente preparada para
renovar as promessas do batismo e possa melhor assumir as
responsabilidades apostólicas da vida cristã.
Tanto no caso dos jovens como no de adultos, é
necessário um padrinho, ou madrinha, indiferentemente,
contanto que não seja pai ou mãe do confirmando, que tenha
feito dezesseis anos, seja católico praticante e confirmado, e
esteja disposto a fazer tudo quanto esteja ao seu alcance
para que o afilhado chegue a uma vida católica plena. O
Catecismo da Igreja Católica recomenda que seja o mesmo
padrinho do Batismo, para marcar bem a unidade dos dois
sacramentos.
A especial graça sacramental da Confirmação é um
fortalecimento da fé. Torna-nos fortes contra as tentações e a
perseguição; aumenta as nossas forças para chegarmos a
ser testemunhas ativas de Cristo. A Confirmação produz
também na nossa alma um aumento dessa fonte de vida
básica que é a graça santificante. Deus não pode aumentar o
que não está presente; por isso, quem vai receber o
sacramento da Confirmação deve fazê-lo em estado de
graça. Receber a Confirmação em pecado mortal seria
abusar do sacramento: seria cometer o grave pecado de
sacrilégio. No entanto, a recepção do sacramento seria
válida. No momento em que essa pessoa recebesse a
absolvição dos seus pecados, as graças latentes da
Confirmação reviveriam nela.
Perguntas
www.conhecendominhafe.blogspot.com.br
1. Qual o rito essencial da Confirmação?
2. Qual é o efeito da Confirmação?
3. Quem pode receber este sacramento?
4. Quem é o ministro da Confirmação?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
Rafael Maciel
 
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultosApostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Antonio Cardoso
 
Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
Jean
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
José Luiz Silva Pinto
 
O catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católicaO catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católica
Catequese Anjos dos Céus
 
Formação de Pais Sobre Eucaristia
Formação de Pais Sobre EucaristiaFormação de Pais Sobre Eucaristia
Formação de Pais Sobre Eucaristia
Gulyver Palestras e Treinamentos
 
Os sacramentos - 1ª reunião de crismandos e padrinhos
Os sacramentos  -  1ª reunião de crismandos e padrinhosOs sacramentos  -  1ª reunião de crismandos e padrinhos
Os sacramentos - 1ª reunião de crismandos e padrinhos
Catequese Panatis
 
Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02
Rubens Júnior
 
Catequese dinâmica
Catequese dinâmicaCatequese dinâmica
Catequese dinâmica
jcsa.media
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.pptLiturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Nuno Melo
 
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
25  Os Setes Sacramentos Da Igreja25  Os Setes Sacramentos Da Igreja
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
p1guarei
 
Formação do batismo
Formação do batismoFormação do batismo
Formação do batismo
Henrique Avelar
 
A espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequistaA espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequista
Francisco Rodrigues
 
Catequese renovada
Catequese renovadaCatequese renovada
Catequese renovada
Luiz Vicente Gargiulo
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Samuel Elanio
 
Apresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristãApresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristã
eusouaimaculada
 
Curso de batismo
Curso de batismoCurso de batismo
Curso de batismo
Melonita
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
Francisco Rodrigues
 
A santissima trindade
A santissima trindadeA santissima trindade
A santissima trindade
Pr Neto
 

Mais procurados (20)

Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
 
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultosApostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultos
 
Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
 
O catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católicaO catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católica
 
Formação de Pais Sobre Eucaristia
Formação de Pais Sobre EucaristiaFormação de Pais Sobre Eucaristia
Formação de Pais Sobre Eucaristia
 
Os sacramentos - 1ª reunião de crismandos e padrinhos
Os sacramentos  -  1ª reunião de crismandos e padrinhosOs sacramentos  -  1ª reunião de crismandos e padrinhos
Os sacramentos - 1ª reunião de crismandos e padrinhos
 
Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02
 
Catequese dinâmica
Catequese dinâmicaCatequese dinâmica
Catequese dinâmica
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
 
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.pptLiturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
 
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
25  Os Setes Sacramentos Da Igreja25  Os Setes Sacramentos Da Igreja
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
 
Formação do batismo
Formação do batismoFormação do batismo
Formação do batismo
 
A espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequistaA espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequista
 
Catequese renovada
Catequese renovadaCatequese renovada
Catequese renovada
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Apresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristãApresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristã
 
Curso de batismo
Curso de batismoCurso de batismo
Curso de batismo
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
 
A santissima trindade
A santissima trindadeA santissima trindade
A santissima trindade
 

Destaque

Os sacramentos da igreja - Aula 12
Os sacramentos da igreja - Aula 12Os sacramentos da igreja - Aula 12
Os sacramentos da igreja - Aula 12
Rubens Júnior
 
A unção comóleo
A unção comóleoA unção comóleo
A unção comóleo
Nilson Barbosa
 
Aula sinais e símbolos
Aula   sinais e símbolosAula   sinais e símbolos
Aula sinais e símbolos
Cíntia Dal Bello
 
Simbolos
SimbolosSimbolos
Simbolos
Samuel Elanio
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Os símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicosOs símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicos
Juliana Cristina M. Muniz
 
Preparação para batismo
Preparação para batismoPreparação para batismo
Preparação para batismo
Luciane tonete
 

Destaque (7)

Os sacramentos da igreja - Aula 12
Os sacramentos da igreja - Aula 12Os sacramentos da igreja - Aula 12
Os sacramentos da igreja - Aula 12
 
A unção comóleo
A unção comóleoA unção comóleo
A unção comóleo
 
Aula sinais e símbolos
Aula   sinais e símbolosAula   sinais e símbolos
Aula sinais e símbolos
 
Simbolos
SimbolosSimbolos
Simbolos
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Os símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicosOs símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicos
 
Preparação para batismo
Preparação para batismoPreparação para batismo
Preparação para batismo
 

Semelhante a Os sacramentos da igreja - Aula 03

Aula26 130816134324-phpapp01
Aula26 130816134324-phpapp01Aula26 130816134324-phpapp01
Aula26 130816134324-phpapp01
Gildemar Silva
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Teologia do Batismo - Raimundo Pereirapdf
Teologia do Batismo - Raimundo PereirapdfTeologia do Batismo - Raimundo Pereirapdf
Teologia do Batismo - Raimundo Pereirapdf
RaimundoPereira49
 
Preparação para o Crisma.pptx
Preparação para o Crisma.pptxPreparação para o Crisma.pptx
Preparação para o Crisma.pptx
Adão Silva
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Livrinho sacramento do batismo
Livrinho sacramento do batismoLivrinho sacramento do batismo
Livrinho sacramento do batismo
torrasko
 
Somos Servos - Junho de 2014
Somos Servos - Junho de 2014Somos Servos - Junho de 2014
Somos Servos - Junho de 2014
Charlie Maria
 
Rica
RicaRica
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na IgrejaOs Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Walben
 
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Introdução aos sacramentos   09.04.13Introdução aos sacramentos   09.04.13
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Daiane Costa
 
Pastoral do batismal 01
Pastoral do batismal 01Pastoral do batismal 01
Pastoral do batismal 01
torrasko
 
Carta pastoral ano da fé
Carta pastoral ano da féCarta pastoral ano da fé
Carta pastoral ano da fé
nuvemluminosa
 
SACRAMENTOS.pptx
SACRAMENTOS.pptxSACRAMENTOS.pptx
SACRAMENTOS.pptx
WilliamMartins858128
 
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por JesusOs Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Walben
 
Carismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivoCarismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivo
Tradição Católica no Brasil
 
Os sacramentos da igreja
Os sacramentos da igrejaOs sacramentos da igreja
Os sacramentos da igreja
Iria Coviello
 
Os Sacramentos
Os SacramentosOs Sacramentos
Os Sacramentos
JNR
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Presentepravoce SOS
 
4 Fase e 2 ANO - 2023.docx
4 Fase e 2 ANO - 2023.docx4 Fase e 2 ANO - 2023.docx
4 Fase e 2 ANO - 2023.docx
DuroFernandezChitofo
 
Mensagem de bento xvi para a quaresma 2011
Mensagem de bento xvi para a quaresma 2011Mensagem de bento xvi para a quaresma 2011
Mensagem de bento xvi para a quaresma 2011
Nuno Bessa
 

Semelhante a Os sacramentos da igreja - Aula 03 (20)

Aula26 130816134324-phpapp01
Aula26 130816134324-phpapp01Aula26 130816134324-phpapp01
Aula26 130816134324-phpapp01
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Teologia do Batismo - Raimundo Pereirapdf
Teologia do Batismo - Raimundo PereirapdfTeologia do Batismo - Raimundo Pereirapdf
Teologia do Batismo - Raimundo Pereirapdf
 
Preparação para o Crisma.pptx
Preparação para o Crisma.pptxPreparação para o Crisma.pptx
Preparação para o Crisma.pptx
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Livrinho sacramento do batismo
Livrinho sacramento do batismoLivrinho sacramento do batismo
Livrinho sacramento do batismo
 
Somos Servos - Junho de 2014
Somos Servos - Junho de 2014Somos Servos - Junho de 2014
Somos Servos - Junho de 2014
 
Rica
RicaRica
Rica
 
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na IgrejaOs Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
 
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Introdução aos sacramentos   09.04.13Introdução aos sacramentos   09.04.13
Introdução aos sacramentos 09.04.13
 
Pastoral do batismal 01
Pastoral do batismal 01Pastoral do batismal 01
Pastoral do batismal 01
 
Carta pastoral ano da fé
Carta pastoral ano da féCarta pastoral ano da fé
Carta pastoral ano da fé
 
SACRAMENTOS.pptx
SACRAMENTOS.pptxSACRAMENTOS.pptx
SACRAMENTOS.pptx
 
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por JesusOs Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
Os Sacramentos da Nova Lei Instituídos por Jesus
 
Carismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivoCarismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivo
 
Os sacramentos da igreja
Os sacramentos da igrejaOs sacramentos da igreja
Os sacramentos da igreja
 
Os Sacramentos
Os SacramentosOs Sacramentos
Os Sacramentos
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
 
4 Fase e 2 ANO - 2023.docx
4 Fase e 2 ANO - 2023.docx4 Fase e 2 ANO - 2023.docx
4 Fase e 2 ANO - 2023.docx
 
Mensagem de bento xvi para a quaresma 2011
Mensagem de bento xvi para a quaresma 2011Mensagem de bento xvi para a quaresma 2011
Mensagem de bento xvi para a quaresma 2011
 

Mais de Rubens Júnior

Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11
Rubens Júnior
 
Os sacramentos da igreja - Aula 10
Os sacramentos da igreja - Aula 10Os sacramentos da igreja - Aula 10
Os sacramentos da igreja - Aula 10
Rubens Júnior
 
Os sacramentos da igreja - Aula 09
Os sacramentos da igreja - Aula 09Os sacramentos da igreja - Aula 09
Os sacramentos da igreja - Aula 09
Rubens Júnior
 
Os sacramentos da igreja - Aula 08
Os sacramentos da igreja - Aula 08Os sacramentos da igreja - Aula 08
Os sacramentos da igreja - Aula 08
Rubens Júnior
 
Os sacramentos da igreja - Aula 07
Os sacramentos da igreja - Aula 07Os sacramentos da igreja - Aula 07
Os sacramentos da igreja - Aula 07
Rubens Júnior
 
Os sacramentos da igreja - Aula 06
Os sacramentos da igreja - Aula 06Os sacramentos da igreja - Aula 06
Os sacramentos da igreja - Aula 06
Rubens Júnior
 
Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05
Rubens Júnior
 
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Rubens Júnior
 
Concílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 AnosConcílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 Anos
Rubens Júnior
 

Mais de Rubens Júnior (9)

Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11Os sacramentos da igreja - Aula 11
Os sacramentos da igreja - Aula 11
 
Os sacramentos da igreja - Aula 10
Os sacramentos da igreja - Aula 10Os sacramentos da igreja - Aula 10
Os sacramentos da igreja - Aula 10
 
Os sacramentos da igreja - Aula 09
Os sacramentos da igreja - Aula 09Os sacramentos da igreja - Aula 09
Os sacramentos da igreja - Aula 09
 
Os sacramentos da igreja - Aula 08
Os sacramentos da igreja - Aula 08Os sacramentos da igreja - Aula 08
Os sacramentos da igreja - Aula 08
 
Os sacramentos da igreja - Aula 07
Os sacramentos da igreja - Aula 07Os sacramentos da igreja - Aula 07
Os sacramentos da igreja - Aula 07
 
Os sacramentos da igreja - Aula 06
Os sacramentos da igreja - Aula 06Os sacramentos da igreja - Aula 06
Os sacramentos da igreja - Aula 06
 
Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05
 
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04
 
Concílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 AnosConcílio Vaticano II - 50 Anos
Concílio Vaticano II - 50 Anos
 

Último

Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 

Último (12)

Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 

Os sacramentos da igreja - Aula 03

  • 2. Qual é o lugar da confirmação no designio divino da salvação? Na Antiga Aliança, os profetas anunciaram a comunicação do Espírito do Senhor ao Messias esperado e a todo o povo messiânico. Toda a vida e missão de Jesus se desenvolvem numa total comunhão com o Espírito Santo. Os Apóstolos recebem o Espírito Santo no Pentecostes e anunciam “as grandes obras de Deus” (At 2,11). Comunicam aos neófitos, através da imposição das mãos, o dom do mesmo Espírito. Ao longo dos séculos, a Igreja continuou a viver do Espírito e a comunicá-lo aos seus filhos.
  • 3. Introdução  Antes do dia de Pentecostes, os apóstolos tinham medo, e depois pregam a palavra de Deus com decisão; os que eram incultos e ignorantes, depois falam dos mistérios de Deus. Esta mudança tão surpreendente produz-se, porque naquele dia receberam a plenitude do Espírito Santo.  De maneira semelhante, os fiéis recebem também a plenitude do Espírito Santo no sacramento da confirmação.
  • 5. O Sacramento da Confirmação Nascemos espiritualmente no momento em que somos batizados; a partir desse momento, passamos a participar da vida divina da Santíssima Trindade e começamos a viver a vida sobrenatural. Ao praticarmos as virtudes da fé, da esperança e da caridade, e ao unirmo-nos a Cristo na sua Igreja para prestar culto a Deus, crescemos também em graça e bondade. Mas nessa etapa da vida espiritual, concentramo-nos principalmente em nós mesmos. Tendemos a estar preocupados com as necessidades da nossa própria alma, com os nossos esforços por “sermos bons”.
  • 6. E recebemos a Confirmação ou Crisma. Com ela, chega-nos uma graça que aprofunda e robustece a nossa fé, para que seja suficientemente forte não só para as necessidades próprias, como também para as dos outros, com os quais procuraremos compartilhá-la. Com o despertar da adolescência, uma criança começa a assumir, paulatina e progressivamente, as responsabilidades da idade adulta. Começa a ver o seu lugar no quadro completo da família, e também no da sociedade. De forma parecida, o cristão crismado começa a ver cada vez com maior clareza a sua responsabilidade para com Cristo e o seu próximo. Compromete-se profundamente com o bem de Cristo no mundo, que é a Igreja, com o bem de Cristo no próximo. Neste sentido, a Confirmação é um crescimento espiritual.
  • 7. Para que possamos assumir essa responsabilidade para com a Igreja e para com o próximo, tanto por ações como pelos sentimentos, o sacramento da Confirmação ou Crisma confere-nos uma graça e um poder especiais. Assim, como a “marca” do Batismo nos faz participar na função sacerdotal de Cristo e nos dá o poder de nos unirmos a Cristo na sua homenagem a Deus, a Confirmação vincula-nos mais perfeitamente à Igreja, enriquecidos com a especial força do Espírito Santo, e torna-nos mais estritamente obrigados à fé que, como verdadeiras testemunhas de Cristo, devemos difundir e defender tanto por palavras como por obras. Agora compartilhamos com Cristo a sua missão de estender o Reino, de adicionar novas almas ao Corpo Místico de Cristo. As nossas palavras e atos já não se dirigem meramente à santificação pessoal, mas vão, além disso, fazer com que a verdade de Cristo se torne real e viva para aqueles que nos rodeiam.
  • 8. A Confirmação é o sacramento que aperfeiçoa a graça batismal, dá o Espírito Santo para enraizar-nos mais profundamente na filiação divina, incorpora-nos mais firmemente a Cristo, torna mais sólida a nossa vinculação com a Igreja, associa-nos mais à sua missão e ajuda-nos a dar testemunho da fé cristã pela palavra, acompanhada das obras.
  • 9. Não sabemos exatamente quando foi que Jesus, na sua vida pública, instituiu o sacramento da Confirmação. É uma das “muitas coisas que Jesus fez” de que nos fala São João e que não estão escritas nos Evangelhos. Sabemos da sua existência pela Tradição da Igreja, isto é, pela doutrina da Igreja transmitida até nós desde os tempos do Senhor por meio dos Apóstolos, inspirados pelo Espírito Santo. E a tradição tem a mesma autoridade que a Sagrada Escritura, como fonte de verdade divina. O ministro ordinário da Confirmação é o Bispo. Em alguns casos, porém, pode fazê-lo um sacerdote, por concessão do direito geral – por exemplo, em perigo de morte – ou por indulto ou delegação especial.
  • 10. No rito atual, costuma haver junto do bispo um ou vários sacerdotes concelebrantes. Depois da saudação do bispo – “A paz esteja convosco” – e de uma oração pedindo o dom do Espírito Santo, tem lugar a celebração da palavra de Deus, com uma ou várias leituras da Sagrada Escritura. Após essas leituras os confirmandos são chamados pelo nome e permanecem diante do bispo, que lhes dirige umas palavras, comentando a grandeza e o significado do sacramento. Depois de se vincar a relação da Confirmação com o Batismo pela renovação das promessas batismais, vem a parte essencial da cerimônia, que consta da imposição das mãos e da unção com o santo crisma. Rito da Confirmação
  • 11. O bispo impõe as mãos sobre todos os confirmandos e diz: “Deus todo-poderoso, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que pela água e pelo Espírito Santo, fizestes renascer estes vossos servos, libertando-os do pecado, enviai-lhes o Espírito Santo Paráclito; dai-lhes, Senhor, o espírito de sabedoria e inteligência, o espírito de conselho e fortaleza, o espírito de ciência e piedade, e enchei-os do espírito do vosso temor. Por Nosso senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo”.
  • 12. A unção com o crisma, que se faz a seguir, é a parte essencial do rito. É nesse momento que se confere o sacramento da Confirmação. A própria unção com o crisma é a imposição de mãos sacramental. Cada confirmando aproxima-se do bispo. Colocando a mão direita sobre o ombro do confirmando, a pessoa que o apresenta diz o nome deste ao bispo. Também pode declará-lo o próprio confirmando. O bispo mergulha o polegar no crisma e marca o confirmando na fronte com o sinal da cruz, dizendo: “N..., recebe, por este sinal, o Dom do Espírito Santo”. E o confirmando responde: “Amém”.
  • 13. O significado da Confirmação O crisma é um dos três óleos que o bispo benze todos os anos na sua Missa de Quinta-feira Santa. Os outros dois são: o óleo dos catecúmenos (usado no Batismo) e o óleo dos enfermos (usado na Unção dos Enfermos). Todos os santos óleos são de azeite puro de oliveira. Já desde a antiguidade o azeite de oliveira era considerado como uma substância fortificante, tanto que muitos atletas costumavam untar o corpo com ele, antes de participarem de um certame atlético. O significado dos santos óleos que são utilizados na administração dos sacramentos é, pois, patente: o azeite significa o efeito fortificante da graça de deus. Além da benção especial e diferente que cada óleo recebe, o crisma tem outra particularidade: é misturado com bálsamo, uma substância aromática que se extrai dessa árvore. No Crisma, o bálsamo simboliza a “fragrância” da virtude, o bom odor, a atração que deverá desprender-se da vida daquele que põe em movimento as graças da Confirmação.
  • 14. A cruz que se traça sobre a fronte do confirmando é outro símbolo poderoso, se realmente o entendemos e pomos em prática. É muito fácil sabê-lo. Basta perguntar-nos: “Vivo de verdade como se trouxesse uma cruz visível gravada na minha fronte, que me marca como homem ou mulher de Cristo? Nas minhas atitudes e no meu relacionamento com os que me rodeiam, em todas as minhas ações, proclamo: Isto é o que significa ser cristão, isto é o que quer dizer viver segundo o Evangelho?”
  • 15. Sem o Batismo, não podemos ir para o céu. Sem a Confirmação sim, mas o nosso caminho até ele será mais difícil. Na verdade, sem a Confirmação, é muito fácil extraviar-se por completo, muito fácil perder a fé. Esta é a razão pela qual todo o batizado tem a obrigação de receber também a Confirmação, logo que tiver essa oportunidade.
  • 16. Todos temos necessidade da graça da Confirmação. Tanto que é pecado não receber este sacramento se há ocasião disso, um pecado que seria mortal se a recusa se devesse ao desprezo por esse sacramento. Os pais que, por descuido, impedem que os seus filhos sejam confirmados, cometem um sério pecado de negligência.
  • 17. Enquanto na Igreja oriental é costume confirmar as crianças quando são batizadas, a tradição da Igreja latina requer que a pessoa esteja devidamente preparada para renovar as promessas do batismo e possa melhor assumir as responsabilidades apostólicas da vida cristã. Tanto no caso dos jovens como no de adultos, é necessário um padrinho, ou madrinha, indiferentemente, contanto que não seja pai ou mãe do confirmando, que tenha feito dezesseis anos, seja católico praticante e confirmado, e esteja disposto a fazer tudo quanto esteja ao seu alcance para que o afilhado chegue a uma vida católica plena. O Catecismo da Igreja Católica recomenda que seja o mesmo padrinho do Batismo, para marcar bem a unidade dos dois sacramentos.
  • 18. A especial graça sacramental da Confirmação é um fortalecimento da fé. Torna-nos fortes contra as tentações e a perseguição; aumenta as nossas forças para chegarmos a ser testemunhas ativas de Cristo. A Confirmação produz também na nossa alma um aumento dessa fonte de vida básica que é a graça santificante. Deus não pode aumentar o que não está presente; por isso, quem vai receber o sacramento da Confirmação deve fazê-lo em estado de graça. Receber a Confirmação em pecado mortal seria abusar do sacramento: seria cometer o grave pecado de sacrilégio. No entanto, a recepção do sacramento seria válida. No momento em que essa pessoa recebesse a absolvição dos seus pecados, as graças latentes da Confirmação reviveriam nela.
  • 20. www.conhecendominhafe.blogspot.com.br 1. Qual o rito essencial da Confirmação? 2. Qual é o efeito da Confirmação? 3. Quem pode receber este sacramento? 4. Quem é o ministro da Confirmação?