SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
Baixar para ler offline
SUBTEMA
S3
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA
ORGANISMO
HUMANO EM RISCO
MISSÃO: CORPO HUMANO 9
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Devo ser capaz de
• Explicar a importância da cadeia de sobrevivência no aumento da taxa de
sobrevivência em paragem cardiovascular.
• Efetuar o exame do paciente (adulto e pediátrico) com base na abordagem inicial do
ABC (airway, breathing and circulation).
• Implementar procedimentos do alarme em caso de emergência e executar
procedimentos de suporte básico de vida (adulto e pediátrico), seguindo os algoritmos
do European Resuscitation Council.
• Simular medidas de socorro à obstrução grave e ligeira da via aérea e demonstrar a
posição lateral de segurança.
Aprendizagens Essenciais
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Suporte básico de vida
Conjunto de procedimentos que permite reconhecer situações em que
a vítima não respira, pedir ajuda e iniciar as manobras que mantêm
a circulação e a oxigenação dos órgãos “nobres” (cérebro e coração),
até à chegada de ajuda diferenciada.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Cadeia de sobrevivência
Sequência de procedimentos que permitem recuperar a vida de
vítimas de paragem cardiorrespiratória.
LIGAR 112
Perante uma
ocorrência deve
reconhecer-se a
gravidade da
situação e saber
ativar o sistema,
ligando o 112.
REANIMAR
Iniciar de imediato
manobras de
SBV, permitindo
ganhar tempo até
à chegada de
socorro
diferenciado.
DESFIBRILHAR
Restabelecimento
do ritmo cardíaco,
através da
desfibrilhação.
ESTABILIZAR
Profissionais de
saúde através do
Suporte
Avançado de
Vida otimizam a
sua recuperação.
Link YouTube
D.A.E.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Algoritmo de Suporte Básico de Vida
Adulto Pediátrico
Condições de segurança Condições de segurança
Estado de consciência Estado de consciência
Permeabilizar a via aérea Permeabilizar a via aérea
Ver, Ouvir e Sentir (10 segundos) Ver, Ouvir e Sentir (10 segundos)
Ligar 112 5 insuflações iniciais
30 compressões torácicas Ligar 112*
Se estiver acompanhado, pedir para
ligar 112 logo que se verifica que a
vítima não responde. Se estiver
sozinho, ligar 112 após 5 insuflações.
2 insuflações Manter SBV (15:2)
Manter SBV (30:2) Continuar até:
• A vítima recuperar, chegada de
ajuda diferenciada, exaustão.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Suporte Básico de Vida Adulto
1
Assegurar que a vítima e os
presentes estão em segurança.
2
Avaliar o estado de consciência
da vítima.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Suporte Básico de Vida adulto
3
Permeabilizar a via aérea,
desapertando a roupa à volta do
pescoço da vítima, removendo
eventuais corpos estranhos que se
encontrem na boca; executando a
técnica de extensão da cabeça e
elevação do mento.
4
VER - se ocorrem movimentos
torácicos. OUVIR - se existem
ruídos de saída de ar pela boca ou
pelo nariz da vítima. SENTIR - na
face, se há saída de ar pela boca
ou pelo nariz da vítima.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Suporte Básico de Vida adulto
5
Ligar 112 se a vítima não responde
e não respira normalmente.
6
Manter suporte básico de vida
(SBV) efetuando 30 compressões
alternando com duas insuflações.
Para aplicar corretamente compressões
torácicas num adulto:
• coloca-te ao lado da vítima;
• certifica-te que a vítima está deitada de costas,
sobre uma superfície plana e firme;
• afasta-te ou remove as roupas que cobrem o
tórax da vítima;
• coloca a base de uma mão no centro do tórax;
• coloca a outra mão sobre a primeira
entrelaçando os dedos;
• coloca os braços e cotovelos esticados, com os
ombros na direção das mãos;
• aplica 30 compressões sobre o esterno,
deprimindo-o 5 cm a 6 cm a cada compressão;
• no final de cada compressão, garante que o
tórax retoma a sua posição inicial, aliviando toda
a pressão sem remover as mãos do tórax;
• aplica compressões de forma rítmica a uma
frequência de pelo menos 100 por minuto, mas
não mais do que 120 por minuto;
• nunca interrompas as compressões mais do
que 10 segundos.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Suporte Básico de Vida adulto
7
Iniciar insuflações, para isso,
pode ser usada uma máscara de
bolso.
8
Manter o SBV efetuando 30
compressões alternando com duas
insuflações.
Para insuflar, adequadamente, uma
vítima adulta:
• coloca-te ao lado da vítima;
• permeabiliza a VA;
• realiza duas insuflações na vítima, mantendo
a VA permeável:
– com a mão na testa da vítima, comprime
as narinas da vítima;
– respira normalmente e sela os lábios ao
redor da boca da vítima;
– enquanto insuflas, observa se existe a
elevação do tórax da vítima. Cada
insuflação deve ser suficiente para
provocar elevação do tórax como numa
respiração normal (se o tórax não se
elevar, repete as manobras de
permeabilização da VA);
– aplica uma segunda insuflação,
observando se existe elevação do tórax;
– caso uma ou ambas as tentativas de
insuflação se revelem ineficazes, deves
avançar de imediato para as compressões
torácicas.
Link YouTube
Suporte Básico de Vida
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Suporte Básico de Vida Pediátrico
1
Assegurar que a vítima e os
presentes estão em segurança.
2
Avaliar o estado de consciência
da vítima.
3
Permeabilizar a via aérea.
4
Ver, ouvir e sentir.
5
Realizar 5 insuflações iniciais se
a criança não respirar
normalmente, manter a
permeabilização da via aérea
6
Ligar 122, se a vítima não
responde e não respira
normalmente. Sempre que
possível, usar a função alta voz.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Suporte Básico de Vida Pediátrico
7
Iniciar compressões torácicas
Deve seguir-se os seguintes procedimentos:
• certifica-te que a vítima está deitada de
costas, sobre uma superfície plana e firme;
• afasta-te ou remove as roupas que cobrem
o tórax da vítima;
• comprime 1/3 da altura do tórax:
– em lactentes de acordo com o seu
tamanho, comprimir o tórax usando dois
dedos indicadores.
– em crianças, comprimir o tórax com
apenas uma das mãos.
– em crianças com o tórax semelhante
ao do adulto, proceder de modo
semelhante ao de um adulto.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Suporte Básico de Vida Pediátrico
8
Manter suporte básico de vida (SBV)
Manter 15 compressões torácicas, com a
extensão da cabeça e elevação do queixo.
Efetuar duas insuflações eficazes. Manter
compressões e insuflações numa relação de
15:2.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Obstrução grave e ligeira da via aérea | criança
Obstrução da Via Aérea
Ova ligeira
Tosse eficaz
Encorajar a TOSSE
Vigiar
Ova grave
Tosse ineficaz
Consciente Inconsciente
Até 5 pancadas
interescapulares
alternando com
até 5 compressões
abdominais
Ligar 112
Iniciar Reanimação
Cardiorrespiratória,
observando a cavidade
oral antes das
ventilações
na qual
deve-se
na qual
deve-se avaliar
deve-se deve-se
deve-se
Link YouTube
Desobstrução da Via Aérea
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Pancadas interescapulares
• Aplicar no caso de vítima
consciente.
• Efetuar até cinco pancadas
interescapulares.
Para aplicar as pancadas
interescapulares deve-se:
• colocar-se ao lado e ligeiramente por
detrás da vítima, com uma das
pernas encostadas de modo a ter
apoio;
• passar o braço por baixo da axila da
vítima, suportando-a ao nível do
tórax com uma mão e mantendo-a
inclinada para a frente, numa
posição em que o objeto possa sair
livremente pela boca devido à ação
das pancadas;
• aplicar até cinco pancadas com a
base da outra mão, entre as
omoplatas, isto é, na região
interescapular;
• efetuar cada pancadas com a força
adequada à remoção da obstrução;
• verificar se a obstrução foi resolvida
após cada pancada aplicada.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Compressões abdominais
• Aplicar (até 5 compressões) no
caso de vítima consciente.
• Alternar com as pancadas
interescapulares.
Para aplicar as compressões
abdominais deve-se:
• colocar-se por trás da vítima e
circundar o abdómen da vítima com os
braços;
• fechar o punho de uma mão;
• posicionar o punho acima da cicatriz
umbilical, com o polegar voltado contra
o abdómen da vítima;
• sobrepor a segunda mão à já aplicada;
• aplicar uma compressão rápida para
dentro e para cima;
• repetir as compressões até que o
objeto seja expelido da via aérea;
• aplicar cada nova compressão, até
cinco, como um movimento separado e
distinto.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Obstrução grave e ligeira da via aérea | criança
Obstrução da Via Aérea
Ova ligeira
Tosse eficaz
Encorajar a TOSSE
Vigiar
Ova grave
Tosse ineficaz
Consciente Inconsciente
Até 5 pancadas
interescapulares
alternando com
até 5 compressões
abdominais
(torácicas, no
lactente)
Ligar 112
Iniciar Reanimação
Cardiorrespiratória
5 insuflações
na qual na qual
deve-se avaliar
deve-se
deve-se deve-se
deve-se
deve-se
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
OVA grave e vítima consciente | lactente
No lactente (com idade inferior a 1 ano), em caso de OVA grave e vítima
consciente não são executadas as compressões abdominais, mas sim
compressões torácicas
Pancadas interescapulares em lactentes Compressões torácicas em lactentes
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Posição lateral de segurança
Para colocar uma vítima em PLS deve-se:
• ajoelhar ao lado da vítima;
• remover corpos estranhos do corpo da
vítima, que ao posiciona-la podem causar
lesões;
• assegurar que as pernas da vítima estão
estendidas;
Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima
inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Posição lateral de segurança
Para colocar uma vítima em PLS deve-se:
• colocar o braço mais perto (do seu lado)
em ângulo reto com o corpo e com o
cotovelo dobrado e a palma da mão
virada para cima;
Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima
inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Posição lateral de segurança
Para colocar uma vítima em PLS deve-se:
• segurar o braço mais afastado cruzando o
tórax e fixar o dorso dessa mão na face
do seu lado;
Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima
inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Posição lateral de segurança
Para colocar uma vítima em PLS deve-se:
• com a outra mão levantar a perna do lado
oposto acima do joelho dobrando-a e
deixando o pé pousado no chão;
• enquanto uma mão apoia a cabeça a
outra puxa a perna do lado oposto rolando
a vítima para o seu lado;
Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima
inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Posição lateral de segurança
Para colocar uma vítima em PLS deve-se:
• estabilizar a perna para que a anca e o
joelho formem ângulos retos;
• efetuar a inclinação da cabeça para trás
assegurando a permeabilidade da VA;
• ajustar a mão debaixo do queixo, para
manter a extensão;
• reavaliar regularmente a respiração.
Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima
inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea.
Link YouTube
Posição Lateral de Segurança
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Abordagem inicial do ABC (airway, breathing and circulation)
Avaliar a passagem
do ar na via aérea,
garantindo que não
existe obstrução
Avaliar a ventilação
da vítima.
Avaliar a circulação
sanguínea e se
existem hemorragias.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Abordagem inicial do ABC (airway, breathing and circulation)
Via aérea (Airway)
As principais causas de obstrução da via aérea são:
• relaxamento dos músculos da orofaringe em pacientes inconscientes;
• presença de corpos estranhos, de sangue ou de restos alimentares.
Podemos encontrar obstrução na via aérea, observando a agitação da vítima,
assim como a alteração ou ausência de resposta verbal. Outros sinais que podem
indiciar a obstrução da via aérea são a cianose ou a respiração ruidosa.
O que podes fazer na
fase A – Airway?
• Extensão da cabeça
da vítima;
• PLS da vítima.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Abordagem inicial do ABC (airway, breathing and circulation)
Ventilação (Breathing)
Depois de permeabilizada a via aérea, torna-se fundamental a avaliação da
ventilação da vítima.
O que podes fazer na fase B – Breathing?
• Posicionar melhor o paciente para
beneficiar da ventilação com elevação do
tronco.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Abordagem inicial do ABC (airway, breathing and circulation)
Circulação (Circulation)
Alguns parâmetros são fundamentais na avaliação inicial da circulação:
• modificações na coloração da pele (por exemplo, a palidez);
• sudorese (transpiração);
• extremidades frias (mãos e pés).
É também importante a determinação dos pontos onde, eventualmente, ocorram
as hemorragias e efetuar o seu controlo.
O que podes fazer na fase C – Circulation?
• Em caso de hemorragia, elevar o membro e
fazer compressão manual direta ou indireta.
• Fazer o controlo de temperatura, tapando a
vítima com uma manta.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Procedimentos a implementar para um correto alarme
em caso de emergência
1 | ONDE?
Indicação da
localização exata
e, sempre que
possível, de pontos
de referência
2 | O QUÊ?
Indicação da
localização exata
e, sempre que
possível, de pontos
de referência
3 | QUEM?
Indicação da
localização exata
e, sempre que
possível, de pontos
de referência
4 | COMO?
Indicação da
localização exata
e, sempre que
possível, de pontos
de referência
O QUE NÃO FAZER!
• Nunca desligar a chamada
de emergência até que te
digam o que fazer!
• Não fazer chamadas
falsas para o 112. Usa este
número apenas em caso de
emergência.
Link YouTube
SNS 24 ou INEM
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Em síntese
SUBTEMA
S3
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA
ORGANISMO
HUMANO EM RISCO
MISSÃO: CORPO HUMANO 9
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
1 | A primeira etapa da cadeia de sobrevivência é ...
A | estabilizar.
B | ligar 112.
C | desfibrilhar.
D | reanimar.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
1 | A primeira etapa da cadeia de sobrevivência é ...
A | estabilizar.
B | ligar 112.
C | desfibrilhar.
Próxima pergunta
D | reanimar.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
1 | A primeira etapa da cadeia de sobrevivência é ...
Tentar novamente
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
2 | Segundo o algoritmo de Suporte Básico de Vida a
primeira ação a ter é ...
A | efetuar compressões torácicas.
B | permeabilizar a via aérea.
C | garantir condições de segurança.
D | efetuar insuflações.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
2 | Segundo o algoritmo de Suporte Básico de Vida a
primeira ação a ter é ...
A | efetuar compressões torácicas.
B | permeabilizar a via aérea.
C | garantir condições de segurança.
D | efetuar insuflações. Próxima pergunta
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
2 | Segundo o algoritmo de Suporte Básico de Vida a
primeira ação a ter é ...
Tentar novamente
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
3 | A imagem representa ...
A | pancadas interescapulares.
B | compressões abdominais.
C | compressões torácicas.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
3 | A imagem representa ...
A | pancadas interescapulares.
B | compressões abdominais.
Próxima pergunta
C | compressões torácicas.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
3 | A imagem representa ...
Tentar novamente
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
4 | No caso de socorro de vítimas de uma obstrução da via
aérea grave, em que a vítima está inconsciente deve-se ...
A | encorajar a tosse.
B | aplicar 5 compressões abdominais.
C | aplicar 5 pancadas interescapulares.
D | ligar para o 112.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
A | encorajar a tosse.
B | aplicar 5 compressões abdominais.
C | aplicar 5 pancadas interescapulares.
D | ligar para o 112. Próxima pergunta
4 | No caso de socorro de vítimas de uma obstrução da via
aérea grave, em que a vítima está inconsciente deve-se ...
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
Tentar novamente
4 | No caso de socorro de vítimas de uma obstrução da via
aérea grave, em que a vítima está inconsciente deve-se ...
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
5 | Quando se liga o 112 a primeira informação a
fornecer deverá ser ...
A | o número de telemóvel de quem liga.
B | a localização exata da ocorrência.
C | a explicação da situação observada.
D | a indicação da idade da vítima.
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
5 | Quando se liga o 112 a primeira informação a
fornecer deverá ser ...
A | o número de telemóvel de quem liga.
B | a localização exata da ocorrência.
C | a explicação da situação observada.
D | a indicação da idade da vítima. Terminar
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9
Testa o que sabes
5 | Quando se liga o 112 a primeira informação a
fornecer deverá ser ...
Tentar novamente
SUBTEMA
S3
3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA
ORGANISMO
HUMANO EM RISCO
MISSÃO: CORPO HUMANO 9

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 10_mch9_sbv.pptx

M10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptxM10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptxsoniaalmeida38
 
Suporte básico de vida em Pediatria 2023
Suporte básico de vida em Pediatria 2023Suporte básico de vida em Pediatria 2023
Suporte básico de vida em Pediatria 2023JosMata25
 
Abordagem Primeiros Socorros.pdf
Abordagem Primeiros Socorros.pdfAbordagem Primeiros Socorros.pdf
Abordagem Primeiros Socorros.pdfHernandesAbinoFrana
 
UFCD_3564_SBVP_PosiçãoRecuperação_OVA.pptx
UFCD_3564_SBVP_PosiçãoRecuperação_OVA.pptxUFCD_3564_SBVP_PosiçãoRecuperação_OVA.pptx
UFCD_3564_SBVP_PosiçãoRecuperação_OVA.pptxJooCarlosCalado
 
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - PRIMEIROS SOCORROS.ppt
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - PRIMEIROS SOCORROS.pptCONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - PRIMEIROS SOCORROS.ppt
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - PRIMEIROS SOCORROS.pptRenataPinto44
 
M9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxM9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxsoniaalmeida38
 
Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-MILLE19
 
Informativo sindiconet 2014_novembro
Informativo sindiconet 2014_novembroInformativo sindiconet 2014_novembro
Informativo sindiconet 2014_novembrosindiconet
 
PRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICOPRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICOMarco Lamim
 
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt....................................
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt....................................PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt....................................
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt....................................LUMendes14
 
Aula 1 - SUPORTE BÁSICO DE VIDA 2021.pdf
Aula 1 - SUPORTE BÁSICO DE VIDA 2021.pdfAula 1 - SUPORTE BÁSICO DE VIDA 2021.pdf
Aula 1 - SUPORTE BÁSICO DE VIDA 2021.pdfMARCELODOSSANTOSOLIV3
 
afogamento.pptx
afogamento.pptxafogamento.pptx
afogamento.pptxJunioHb
 
Informativo condomundo novembro
Informativo condomundo novembroInformativo condomundo novembro
Informativo condomundo novembrosindiconet
 

Semelhante a 10_mch9_sbv.pptx (20)

M10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptxM10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptx
 
Suporte básico de vida em Pediatria 2023
Suporte básico de vida em Pediatria 2023Suporte básico de vida em Pediatria 2023
Suporte básico de vida em Pediatria 2023
 
Abordagem Primeiros Socorros.pdf
Abordagem Primeiros Socorros.pdfAbordagem Primeiros Socorros.pdf
Abordagem Primeiros Socorros.pdf
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Ufcd 9646 ova_pediatria
Ufcd 9646 ova_pediatriaUfcd 9646 ova_pediatria
Ufcd 9646 ova_pediatria
 
UFCD_3564_SBVP_PosiçãoRecuperação_OVA.pptx
UFCD_3564_SBVP_PosiçãoRecuperação_OVA.pptxUFCD_3564_SBVP_PosiçãoRecuperação_OVA.pptx
UFCD_3564_SBVP_PosiçãoRecuperação_OVA.pptx
 
1º socorros
1º socorros1º socorros
1º socorros
 
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - PRIMEIROS SOCORROS.ppt
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - PRIMEIROS SOCORROS.pptCONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - PRIMEIROS SOCORROS.ppt
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - PRIMEIROS SOCORROS.ppt
 
M9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxM9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptx
 
Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-
 
Emergências
EmergênciasEmergências
Emergências
 
Informativo sindiconet 2014_novembro
Informativo sindiconet 2014_novembroInformativo sindiconet 2014_novembro
Informativo sindiconet 2014_novembro
 
PRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICOPRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICO
 
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt....................................
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt....................................PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt....................................
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt....................................
 
Suporte básico 1
Suporte básico 1Suporte básico 1
Suporte básico 1
 
Aula 1 - SUPORTE BÁSICO DE VIDA 2021.pdf
Aula 1 - SUPORTE BÁSICO DE VIDA 2021.pdfAula 1 - SUPORTE BÁSICO DE VIDA 2021.pdf
Aula 1 - SUPORTE BÁSICO DE VIDA 2021.pdf
 
primeiros socorros
primeiros socorrosprimeiros socorros
primeiros socorros
 
afogamento.pptx
afogamento.pptxafogamento.pptx
afogamento.pptx
 
Informativo condomundo novembro
Informativo condomundo novembroInformativo condomundo novembro
Informativo condomundo novembro
 
Apostila 1º socorros
Apostila 1º socorrosApostila 1º socorros
Apostila 1º socorros
 

Mais de mariagrave

biof12_subdom_2_1.pptx powerpoint sobre
biof12_subdom_2_1.pptx  powerpoint sobrebiof12_subdom_2_1.pptx  powerpoint sobre
biof12_subdom_2_1.pptx powerpoint sobremariagrave
 
12biofoco_pptdominio2_capitulo2jjjj.pptx
12biofoco_pptdominio2_capitulo2jjjj.pptx12biofoco_pptdominio2_capitulo2jjjj.pptx
12biofoco_pptdominio2_capitulo2jjjj.pptxmariagrave
 
18_mch9_complementar_identidade.pptx power
18_mch9_complementar_identidade.pptx power18_mch9_complementar_identidade.pptx power
18_mch9_complementar_identidade.pptx powermariagrave
 
Concessive clauses.pptx em inglês resumido
Concessive clauses.pptx em inglês resumidoConcessive clauses.pptx em inglês resumido
Concessive clauses.pptx em inglês resumidomariagrave
 
ae_mamb8_ppt_recursos_naturaissobre a divisão dos recursos naturais..pptx
ae_mamb8_ppt_recursos_naturaissobre a divisão dos recursos naturais..pptxae_mamb8_ppt_recursos_naturaissobre a divisão dos recursos naturais..pptx
ae_mamb8_ppt_recursos_naturaissobre a divisão dos recursos naturais..pptxmariagrave
 
ae_mamb8_ppt_explor_recursos_nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnturais.pptx
ae_mamb8_ppt_explor_recursos_nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnturais.pptxae_mamb8_ppt_explor_recursos_nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnturais.pptx
ae_mamb8_ppt_explor_recursos_nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnturais.pptxmariagrave
 
ae_mt7_ppt_est_int_terra.pptx vvvvvvvvvvvvvvv
ae_mt7_ppt_est_int_terra.pptx vvvvvvvvvvvvvvvae_mt7_ppt_est_int_terra.pptx vvvvvvvvvvvvvvv
ae_mt7_ppt_est_int_terra.pptx vvvvvvvvvvvvvvvmariagrave
 
aencsi6_ppt_patogenicos.pptx hhhhhhhhhhhhhhhhhh
aencsi6_ppt_patogenicos.pptx hhhhhhhhhhhhhhhhhhaencsi6_ppt_patogenicos.pptx hhhhhhhhhhhhhhhhhh
aencsi6_ppt_patogenicos.pptx hhhhhhhhhhhhhhhhhhmariagrave
 
aencsi6_ppt_higiene.pptx bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
aencsi6_ppt_higiene.pptx bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbaencsi6_ppt_higiene.pptx bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
aencsi6_ppt_higiene.pptx bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbmariagrave
 
mch9_sistema_linfatico.pptx eeeeeeeeeeeeeeeeeeeee
mch9_sistema_linfatico.pptx eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeemch9_sistema_linfatico.pptx eeeeeeeeeeeeeeeeeeeee
mch9_sistema_linfatico.pptx eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeemariagrave
 
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffffmariagrave
 
Cadeia de sobrevivência.pptx ddddddddddd
Cadeia de sobrevivência.pptx dddddddddddCadeia de sobrevivência.pptx ddddddddddd
Cadeia de sobrevivência.pptx dddddddddddmariagrave
 
ae_mt7_ppt_ciclo_rochas.pptx powerpointe
ae_mt7_ppt_ciclo_rochas.pptx powerpointeae_mt7_ppt_ciclo_rochas.pptx powerpointe
ae_mt7_ppt_ciclo_rochas.pptx powerpointemariagrave
 
6_mch9_sangue.pptxlllllllllllllllllllllllllllllll
6_mch9_sangue.pptxlllllllllllllllllllllllllllllll6_mch9_sangue.pptxlllllllllllllllllllllllllllllll
6_mch9_sangue.pptxlllllllllllllllllllllllllllllllmariagrave
 
ae_mamb8_ppt_evolucao_terra.ppçççççççççççççççççççççççççtx
ae_mamb8_ppt_evolucao_terra.ppçççççççççççççççççççççççççtxae_mamb8_ppt_evolucao_terra.ppçççççççççççççççççççççççççtx
ae_mamb8_ppt_evolucao_terra.ppçççççççççççççççççççççççççtxmariagrave
 
ae_mamb8_ppt_solo.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
ae_mamb8_ppt_solo.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxae_mamb8_ppt_solo.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
ae_mamb8_ppt_solo.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxmariagrave
 
ae_mamb8_ppt_celula.pptxçççççççççççççççççççççççççççççççççççççç
ae_mamb8_ppt_celula.pptxççççççççççççççççççççççççççççççççççççççae_mamb8_ppt_celula.pptxçççççççççççççççççççççççççççççççççççççç
ae_mamb8_ppt_celula.pptxççççççççççççççççççççççççççççççççççççççmariagrave
 
Características da Terra favoráveis à vida.pptx
Características da Terra favoráveis à vida.pptxCaracterísticas da Terra favoráveis à vida.pptx
Características da Terra favoráveis à vida.pptxmariagrave
 
15_mch9_reprodutor2.pptxhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
15_mch9_reprodutor2.pptxhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh15_mch9_reprodutor2.pptxhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
15_mch9_reprodutor2.pptxhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhmariagrave
 
16_mch9_genetica.pptx mmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
16_mch9_genetica.pptx mmmmmmmmmmmmmmmmmmmm16_mch9_genetica.pptx mmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
16_mch9_genetica.pptx mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmariagrave
 

Mais de mariagrave (20)

biof12_subdom_2_1.pptx powerpoint sobre
biof12_subdom_2_1.pptx  powerpoint sobrebiof12_subdom_2_1.pptx  powerpoint sobre
biof12_subdom_2_1.pptx powerpoint sobre
 
12biofoco_pptdominio2_capitulo2jjjj.pptx
12biofoco_pptdominio2_capitulo2jjjj.pptx12biofoco_pptdominio2_capitulo2jjjj.pptx
12biofoco_pptdominio2_capitulo2jjjj.pptx
 
18_mch9_complementar_identidade.pptx power
18_mch9_complementar_identidade.pptx power18_mch9_complementar_identidade.pptx power
18_mch9_complementar_identidade.pptx power
 
Concessive clauses.pptx em inglês resumido
Concessive clauses.pptx em inglês resumidoConcessive clauses.pptx em inglês resumido
Concessive clauses.pptx em inglês resumido
 
ae_mamb8_ppt_recursos_naturaissobre a divisão dos recursos naturais..pptx
ae_mamb8_ppt_recursos_naturaissobre a divisão dos recursos naturais..pptxae_mamb8_ppt_recursos_naturaissobre a divisão dos recursos naturais..pptx
ae_mamb8_ppt_recursos_naturaissobre a divisão dos recursos naturais..pptx
 
ae_mamb8_ppt_explor_recursos_nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnturais.pptx
ae_mamb8_ppt_explor_recursos_nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnturais.pptxae_mamb8_ppt_explor_recursos_nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnturais.pptx
ae_mamb8_ppt_explor_recursos_nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnturais.pptx
 
ae_mt7_ppt_est_int_terra.pptx vvvvvvvvvvvvvvv
ae_mt7_ppt_est_int_terra.pptx vvvvvvvvvvvvvvvae_mt7_ppt_est_int_terra.pptx vvvvvvvvvvvvvvv
ae_mt7_ppt_est_int_terra.pptx vvvvvvvvvvvvvvv
 
aencsi6_ppt_patogenicos.pptx hhhhhhhhhhhhhhhhhh
aencsi6_ppt_patogenicos.pptx hhhhhhhhhhhhhhhhhhaencsi6_ppt_patogenicos.pptx hhhhhhhhhhhhhhhhhh
aencsi6_ppt_patogenicos.pptx hhhhhhhhhhhhhhhhhh
 
aencsi6_ppt_higiene.pptx bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
aencsi6_ppt_higiene.pptx bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbaencsi6_ppt_higiene.pptx bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
aencsi6_ppt_higiene.pptx bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
mch9_sistema_linfatico.pptx eeeeeeeeeeeeeeeeeeeee
mch9_sistema_linfatico.pptx eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeemch9_sistema_linfatico.pptx eeeeeeeeeeeeeeeeeeeee
mch9_sistema_linfatico.pptx eeeeeeeeeeeeeeeeeeeee
 
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
 
Cadeia de sobrevivência.pptx ddddddddddd
Cadeia de sobrevivência.pptx dddddddddddCadeia de sobrevivência.pptx ddddddddddd
Cadeia de sobrevivência.pptx ddddddddddd
 
ae_mt7_ppt_ciclo_rochas.pptx powerpointe
ae_mt7_ppt_ciclo_rochas.pptx powerpointeae_mt7_ppt_ciclo_rochas.pptx powerpointe
ae_mt7_ppt_ciclo_rochas.pptx powerpointe
 
6_mch9_sangue.pptxlllllllllllllllllllllllllllllll
6_mch9_sangue.pptxlllllllllllllllllllllllllllllll6_mch9_sangue.pptxlllllllllllllllllllllllllllllll
6_mch9_sangue.pptxlllllllllllllllllllllllllllllll
 
ae_mamb8_ppt_evolucao_terra.ppçççççççççççççççççççççççççtx
ae_mamb8_ppt_evolucao_terra.ppçççççççççççççççççççççççççtxae_mamb8_ppt_evolucao_terra.ppçççççççççççççççççççççççççtx
ae_mamb8_ppt_evolucao_terra.ppçççççççççççççççççççççççççtx
 
ae_mamb8_ppt_solo.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
ae_mamb8_ppt_solo.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxae_mamb8_ppt_solo.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
ae_mamb8_ppt_solo.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
ae_mamb8_ppt_celula.pptxçççççççççççççççççççççççççççççççççççççç
ae_mamb8_ppt_celula.pptxççççççççççççççççççççççççççççççççççççççae_mamb8_ppt_celula.pptxçççççççççççççççççççççççççççççççççççççç
ae_mamb8_ppt_celula.pptxçççççççççççççççççççççççççççççççççççççç
 
Características da Terra favoráveis à vida.pptx
Características da Terra favoráveis à vida.pptxCaracterísticas da Terra favoráveis à vida.pptx
Características da Terra favoráveis à vida.pptx
 
15_mch9_reprodutor2.pptxhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
15_mch9_reprodutor2.pptxhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh15_mch9_reprodutor2.pptxhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
15_mch9_reprodutor2.pptxhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
 
16_mch9_genetica.pptx mmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
16_mch9_genetica.pptx mmmmmmmmmmmmmmmmmmmm16_mch9_genetica.pptx mmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
16_mch9_genetica.pptx mmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
 

Último

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

10_mch9_sbv.pptx

  • 1. SUBTEMA S3 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA ORGANISMO HUMANO EM RISCO MISSÃO: CORPO HUMANO 9
  • 2. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Devo ser capaz de • Explicar a importância da cadeia de sobrevivência no aumento da taxa de sobrevivência em paragem cardiovascular. • Efetuar o exame do paciente (adulto e pediátrico) com base na abordagem inicial do ABC (airway, breathing and circulation). • Implementar procedimentos do alarme em caso de emergência e executar procedimentos de suporte básico de vida (adulto e pediátrico), seguindo os algoritmos do European Resuscitation Council. • Simular medidas de socorro à obstrução grave e ligeira da via aérea e demonstrar a posição lateral de segurança. Aprendizagens Essenciais
  • 3. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Suporte básico de vida Conjunto de procedimentos que permite reconhecer situações em que a vítima não respira, pedir ajuda e iniciar as manobras que mantêm a circulação e a oxigenação dos órgãos “nobres” (cérebro e coração), até à chegada de ajuda diferenciada.
  • 4. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Cadeia de sobrevivência Sequência de procedimentos que permitem recuperar a vida de vítimas de paragem cardiorrespiratória. LIGAR 112 Perante uma ocorrência deve reconhecer-se a gravidade da situação e saber ativar o sistema, ligando o 112. REANIMAR Iniciar de imediato manobras de SBV, permitindo ganhar tempo até à chegada de socorro diferenciado. DESFIBRILHAR Restabelecimento do ritmo cardíaco, através da desfibrilhação. ESTABILIZAR Profissionais de saúde através do Suporte Avançado de Vida otimizam a sua recuperação. Link YouTube D.A.E.
  • 5. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Algoritmo de Suporte Básico de Vida Adulto Pediátrico Condições de segurança Condições de segurança Estado de consciência Estado de consciência Permeabilizar a via aérea Permeabilizar a via aérea Ver, Ouvir e Sentir (10 segundos) Ver, Ouvir e Sentir (10 segundos) Ligar 112 5 insuflações iniciais 30 compressões torácicas Ligar 112* Se estiver acompanhado, pedir para ligar 112 logo que se verifica que a vítima não responde. Se estiver sozinho, ligar 112 após 5 insuflações. 2 insuflações Manter SBV (15:2) Manter SBV (30:2) Continuar até: • A vítima recuperar, chegada de ajuda diferenciada, exaustão.
  • 6. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Suporte Básico de Vida Adulto 1 Assegurar que a vítima e os presentes estão em segurança. 2 Avaliar o estado de consciência da vítima.
  • 7. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Suporte Básico de Vida adulto 3 Permeabilizar a via aérea, desapertando a roupa à volta do pescoço da vítima, removendo eventuais corpos estranhos que se encontrem na boca; executando a técnica de extensão da cabeça e elevação do mento. 4 VER - se ocorrem movimentos torácicos. OUVIR - se existem ruídos de saída de ar pela boca ou pelo nariz da vítima. SENTIR - na face, se há saída de ar pela boca ou pelo nariz da vítima.
  • 8. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Suporte Básico de Vida adulto 5 Ligar 112 se a vítima não responde e não respira normalmente. 6 Manter suporte básico de vida (SBV) efetuando 30 compressões alternando com duas insuflações. Para aplicar corretamente compressões torácicas num adulto: • coloca-te ao lado da vítima; • certifica-te que a vítima está deitada de costas, sobre uma superfície plana e firme; • afasta-te ou remove as roupas que cobrem o tórax da vítima; • coloca a base de uma mão no centro do tórax; • coloca a outra mão sobre a primeira entrelaçando os dedos; • coloca os braços e cotovelos esticados, com os ombros na direção das mãos; • aplica 30 compressões sobre o esterno, deprimindo-o 5 cm a 6 cm a cada compressão; • no final de cada compressão, garante que o tórax retoma a sua posição inicial, aliviando toda a pressão sem remover as mãos do tórax; • aplica compressões de forma rítmica a uma frequência de pelo menos 100 por minuto, mas não mais do que 120 por minuto; • nunca interrompas as compressões mais do que 10 segundos.
  • 9. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Suporte Básico de Vida adulto 7 Iniciar insuflações, para isso, pode ser usada uma máscara de bolso. 8 Manter o SBV efetuando 30 compressões alternando com duas insuflações. Para insuflar, adequadamente, uma vítima adulta: • coloca-te ao lado da vítima; • permeabiliza a VA; • realiza duas insuflações na vítima, mantendo a VA permeável: – com a mão na testa da vítima, comprime as narinas da vítima; – respira normalmente e sela os lábios ao redor da boca da vítima; – enquanto insuflas, observa se existe a elevação do tórax da vítima. Cada insuflação deve ser suficiente para provocar elevação do tórax como numa respiração normal (se o tórax não se elevar, repete as manobras de permeabilização da VA); – aplica uma segunda insuflação, observando se existe elevação do tórax; – caso uma ou ambas as tentativas de insuflação se revelem ineficazes, deves avançar de imediato para as compressões torácicas. Link YouTube Suporte Básico de Vida
  • 10. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Suporte Básico de Vida Pediátrico 1 Assegurar que a vítima e os presentes estão em segurança. 2 Avaliar o estado de consciência da vítima. 3 Permeabilizar a via aérea. 4 Ver, ouvir e sentir. 5 Realizar 5 insuflações iniciais se a criança não respirar normalmente, manter a permeabilização da via aérea 6 Ligar 122, se a vítima não responde e não respira normalmente. Sempre que possível, usar a função alta voz.
  • 11. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Suporte Básico de Vida Pediátrico 7 Iniciar compressões torácicas Deve seguir-se os seguintes procedimentos: • certifica-te que a vítima está deitada de costas, sobre uma superfície plana e firme; • afasta-te ou remove as roupas que cobrem o tórax da vítima; • comprime 1/3 da altura do tórax: – em lactentes de acordo com o seu tamanho, comprimir o tórax usando dois dedos indicadores. – em crianças, comprimir o tórax com apenas uma das mãos. – em crianças com o tórax semelhante ao do adulto, proceder de modo semelhante ao de um adulto.
  • 12. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Suporte Básico de Vida Pediátrico 8 Manter suporte básico de vida (SBV) Manter 15 compressões torácicas, com a extensão da cabeça e elevação do queixo. Efetuar duas insuflações eficazes. Manter compressões e insuflações numa relação de 15:2.
  • 13. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Obstrução grave e ligeira da via aérea | criança Obstrução da Via Aérea Ova ligeira Tosse eficaz Encorajar a TOSSE Vigiar Ova grave Tosse ineficaz Consciente Inconsciente Até 5 pancadas interescapulares alternando com até 5 compressões abdominais Ligar 112 Iniciar Reanimação Cardiorrespiratória, observando a cavidade oral antes das ventilações na qual deve-se na qual deve-se avaliar deve-se deve-se deve-se Link YouTube Desobstrução da Via Aérea
  • 14. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Pancadas interescapulares • Aplicar no caso de vítima consciente. • Efetuar até cinco pancadas interescapulares. Para aplicar as pancadas interescapulares deve-se: • colocar-se ao lado e ligeiramente por detrás da vítima, com uma das pernas encostadas de modo a ter apoio; • passar o braço por baixo da axila da vítima, suportando-a ao nível do tórax com uma mão e mantendo-a inclinada para a frente, numa posição em que o objeto possa sair livremente pela boca devido à ação das pancadas; • aplicar até cinco pancadas com a base da outra mão, entre as omoplatas, isto é, na região interescapular; • efetuar cada pancadas com a força adequada à remoção da obstrução; • verificar se a obstrução foi resolvida após cada pancada aplicada.
  • 15. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Compressões abdominais • Aplicar (até 5 compressões) no caso de vítima consciente. • Alternar com as pancadas interescapulares. Para aplicar as compressões abdominais deve-se: • colocar-se por trás da vítima e circundar o abdómen da vítima com os braços; • fechar o punho de uma mão; • posicionar o punho acima da cicatriz umbilical, com o polegar voltado contra o abdómen da vítima; • sobrepor a segunda mão à já aplicada; • aplicar uma compressão rápida para dentro e para cima; • repetir as compressões até que o objeto seja expelido da via aérea; • aplicar cada nova compressão, até cinco, como um movimento separado e distinto.
  • 16. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Obstrução grave e ligeira da via aérea | criança Obstrução da Via Aérea Ova ligeira Tosse eficaz Encorajar a TOSSE Vigiar Ova grave Tosse ineficaz Consciente Inconsciente Até 5 pancadas interescapulares alternando com até 5 compressões abdominais (torácicas, no lactente) Ligar 112 Iniciar Reanimação Cardiorrespiratória 5 insuflações na qual na qual deve-se avaliar deve-se deve-se deve-se deve-se deve-se
  • 17. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 OVA grave e vítima consciente | lactente No lactente (com idade inferior a 1 ano), em caso de OVA grave e vítima consciente não são executadas as compressões abdominais, mas sim compressões torácicas Pancadas interescapulares em lactentes Compressões torácicas em lactentes
  • 18. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Posição lateral de segurança Para colocar uma vítima em PLS deve-se: • ajoelhar ao lado da vítima; • remover corpos estranhos do corpo da vítima, que ao posiciona-la podem causar lesões; • assegurar que as pernas da vítima estão estendidas; Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea.
  • 19. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Posição lateral de segurança Para colocar uma vítima em PLS deve-se: • colocar o braço mais perto (do seu lado) em ângulo reto com o corpo e com o cotovelo dobrado e a palma da mão virada para cima; Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea.
  • 20. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Posição lateral de segurança Para colocar uma vítima em PLS deve-se: • segurar o braço mais afastado cruzando o tórax e fixar o dorso dessa mão na face do seu lado; Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea.
  • 21. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Posição lateral de segurança Para colocar uma vítima em PLS deve-se: • com a outra mão levantar a perna do lado oposto acima do joelho dobrando-a e deixando o pé pousado no chão; • enquanto uma mão apoia a cabeça a outra puxa a perna do lado oposto rolando a vítima para o seu lado; Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea.
  • 22. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Posição lateral de segurança Para colocar uma vítima em PLS deve-se: • estabilizar a perna para que a anca e o joelho formem ângulos retos; • efetuar a inclinação da cabeça para trás assegurando a permeabilidade da VA; • ajustar a mão debaixo do queixo, para manter a extensão; • reavaliar regularmente a respiração. Técnica que permite a estabilidade e a expansão torácica de uma vítima inconsciente, mantendo a permeabilidade da via aérea. Link YouTube Posição Lateral de Segurança
  • 23. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Abordagem inicial do ABC (airway, breathing and circulation) Avaliar a passagem do ar na via aérea, garantindo que não existe obstrução Avaliar a ventilação da vítima. Avaliar a circulação sanguínea e se existem hemorragias.
  • 24. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Abordagem inicial do ABC (airway, breathing and circulation) Via aérea (Airway) As principais causas de obstrução da via aérea são: • relaxamento dos músculos da orofaringe em pacientes inconscientes; • presença de corpos estranhos, de sangue ou de restos alimentares. Podemos encontrar obstrução na via aérea, observando a agitação da vítima, assim como a alteração ou ausência de resposta verbal. Outros sinais que podem indiciar a obstrução da via aérea são a cianose ou a respiração ruidosa. O que podes fazer na fase A – Airway? • Extensão da cabeça da vítima; • PLS da vítima.
  • 25. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Abordagem inicial do ABC (airway, breathing and circulation) Ventilação (Breathing) Depois de permeabilizada a via aérea, torna-se fundamental a avaliação da ventilação da vítima. O que podes fazer na fase B – Breathing? • Posicionar melhor o paciente para beneficiar da ventilação com elevação do tronco.
  • 26. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Abordagem inicial do ABC (airway, breathing and circulation) Circulação (Circulation) Alguns parâmetros são fundamentais na avaliação inicial da circulação: • modificações na coloração da pele (por exemplo, a palidez); • sudorese (transpiração); • extremidades frias (mãos e pés). É também importante a determinação dos pontos onde, eventualmente, ocorram as hemorragias e efetuar o seu controlo. O que podes fazer na fase C – Circulation? • Em caso de hemorragia, elevar o membro e fazer compressão manual direta ou indireta. • Fazer o controlo de temperatura, tapando a vítima com uma manta.
  • 27. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Procedimentos a implementar para um correto alarme em caso de emergência 1 | ONDE? Indicação da localização exata e, sempre que possível, de pontos de referência 2 | O QUÊ? Indicação da localização exata e, sempre que possível, de pontos de referência 3 | QUEM? Indicação da localização exata e, sempre que possível, de pontos de referência 4 | COMO? Indicação da localização exata e, sempre que possível, de pontos de referência O QUE NÃO FAZER! • Nunca desligar a chamada de emergência até que te digam o que fazer! • Não fazer chamadas falsas para o 112. Usa este número apenas em caso de emergência. Link YouTube SNS 24 ou INEM
  • 28. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Em síntese
  • 29. SUBTEMA S3 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA ORGANISMO HUMANO EM RISCO MISSÃO: CORPO HUMANO 9
  • 30. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 1 | A primeira etapa da cadeia de sobrevivência é ... A | estabilizar. B | ligar 112. C | desfibrilhar. D | reanimar.
  • 31. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 1 | A primeira etapa da cadeia de sobrevivência é ... A | estabilizar. B | ligar 112. C | desfibrilhar. Próxima pergunta D | reanimar.
  • 32. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 1 | A primeira etapa da cadeia de sobrevivência é ... Tentar novamente
  • 33. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 2 | Segundo o algoritmo de Suporte Básico de Vida a primeira ação a ter é ... A | efetuar compressões torácicas. B | permeabilizar a via aérea. C | garantir condições de segurança. D | efetuar insuflações.
  • 34. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 2 | Segundo o algoritmo de Suporte Básico de Vida a primeira ação a ter é ... A | efetuar compressões torácicas. B | permeabilizar a via aérea. C | garantir condições de segurança. D | efetuar insuflações. Próxima pergunta
  • 35. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 2 | Segundo o algoritmo de Suporte Básico de Vida a primeira ação a ter é ... Tentar novamente
  • 36. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 3 | A imagem representa ... A | pancadas interescapulares. B | compressões abdominais. C | compressões torácicas.
  • 37. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 3 | A imagem representa ... A | pancadas interescapulares. B | compressões abdominais. Próxima pergunta C | compressões torácicas.
  • 38. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 3 | A imagem representa ... Tentar novamente
  • 39. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 4 | No caso de socorro de vítimas de uma obstrução da via aérea grave, em que a vítima está inconsciente deve-se ... A | encorajar a tosse. B | aplicar 5 compressões abdominais. C | aplicar 5 pancadas interescapulares. D | ligar para o 112.
  • 40. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes A | encorajar a tosse. B | aplicar 5 compressões abdominais. C | aplicar 5 pancadas interescapulares. D | ligar para o 112. Próxima pergunta 4 | No caso de socorro de vítimas de uma obstrução da via aérea grave, em que a vítima está inconsciente deve-se ...
  • 41. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes Tentar novamente 4 | No caso de socorro de vítimas de uma obstrução da via aérea grave, em que a vítima está inconsciente deve-se ...
  • 42. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 5 | Quando se liga o 112 a primeira informação a fornecer deverá ser ... A | o número de telemóvel de quem liga. B | a localização exata da ocorrência. C | a explicação da situação observada. D | a indicação da idade da vítima.
  • 43. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 5 | Quando se liga o 112 a primeira informação a fornecer deverá ser ... A | o número de telemóvel de quem liga. B | a localização exata da ocorrência. C | a explicação da situação observada. D | a indicação da idade da vítima. Terminar
  • 44. 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA MISSÃO: CORPO HUMANO 9 Testa o que sabes 5 | Quando se liga o 112 a primeira informação a fornecer deverá ser ... Tentar novamente
  • 45. SUBTEMA S3 3.1 SUPORTE BÁSICO DE VIDA ORGANISMO HUMANO EM RISCO MISSÃO: CORPO HUMANO 9