SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
OS PROCESSOS METODOLÓGICOS DA
PESQUISA CIENTÍFICA: PAPER
Diego Fellipe da Silva Queiroz
Josevany Soares
Max William Moreira de Carvalho
Roldiner Rodrigo Costa da Silva
Professor-Tutor Externo: Geferson Oliveira
Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI VI
Gestão de Tecnologia da Informação (GTI 173) – Seminário Interdisciplinar I
18/06/17
RESUMO
Os trabalhos científicos possuem um conjunto de normas e regras a serem seguidos e
objetivam comunicar uma observação ou uma idéia a um grupo de indivíduos potencialmente
interessados. Esses indivíduos podem então fazer uso da observação ou fazer avançar a ideia
mediante as suas próprias observações. Neste trabalho mostraremos os procedimentos
metodológicos da pesquisa científica objetivando a análise dos processos para a elaboração
de um paper. Foram estudados os processos metodológicos da pesquisa científica,
compreendendo seis passos de investigação: escolha de um tema, formulação de problema,
construção de hipóteses, coleta de dados, análise e interpretação de dados e conclusão do
resultado da pesquisa. Analisamos o conceito de Paper e sua estrutura para publicação
impressa e seus elementos. A prática desenvolvida foi a de cunho documental, realizando a
pesquisa em bibliotecas públicas, arquivos digitais e consultando arquivos de diferentes
tipos. Cada etapa foi realizada dentro do cronograma estipulado, obedecendo a orientação,
os estudos preliminares, o planejamento, a execução e a análise. O conhecimento dos
métodos auxiliaram na elaboração do trabalho científico, fornecendo para os acadêmicos
uma melhor compreensão sobre sua natureza e objetivos, podendo auxiliar para melhorar a
produtividade e a qualidade do trabalho. Conforme a organização do grupo, realizamos a
busca do material, efetuamos anotações, ordenamos e analisamos as anotações pra
iniciarmos o desenvolvimento do trabalho. Foram analisados autores que se fundamentam no
referencial crítico-dialético e apresentam reflexões sobre legitimação da pesquisa científica,
tais como: Lakatos e Marconi (2003), Gil (2002), Neto (2002) e sites relacionados ao tema.
Palavras-chave: Procedimentos metodológicos. Pesquisa Científica. Paper.
1 INTRODUÇÃO
Toda pesquisa deve ser trabalhada baseada em uma metodologia que norteará o
pesquisador quanto às decisões e caminhos que serão tomados na elaboração do trabalho
científico. Portanto, este esclarecimento é base para que outros pesquisadores sigam os passos
trilhados e possam aprimorar ou mesmo identificar erros e impropriedades. Partindo dessa
premissa, o trabalho apresentado objetiva analisar, identificar e utilizar os procedimentos
metodológicos da pesquisa científica, buscando a compreensão de seus processos sistemáticos
na construção de um paper. Primeiramente buscou-se informar o que é o processo pedagógico
e a sua função na construção da pesquisa científica e definir as etapas de investigação de uma
pesquisa.
Em continuidade buscamos o conceito de paper, discutindo seu propósito e suas
fundamentações. A relevância deste trabalho está voltada para a realidade de haver
desconhecimento, por parte de acadêmicos, como este sendo um instrumento pedagógico,
contribuindo para o processo ensino-aprendizagem e apresenta os passo metodológicos para a
produção de documentos com a característica de paper. Entendemos que cada trabalho
científico, a seu modo, atua na produção de conhecimentos, constituindo uma oportunidade
para integrar alunas e alunos em projetos e grupos de pesquisas, sob a coordenação de
professores e professoras.
Durante a construção e organização deste trabalho foi feito um levantamento
bibliográfico de conhecimento científico e utilizou-se, também, artigos e trabalhos científicos
publicados em livros e revistas especializados na internet.
2 DESENVOLVIMENTO
2.1 PROCESSO METODOLÓGICO
Os procedimentos metodológicos têm por objetivo guiar o pesquisador no caminho que
será percorrido durante a pesquisa, na qual ele buscará mostrar a relação da teoria com a
prática. Procedimento é o modo como algo é executado, ou seja, a maneira como é feito o
processo de determinada coisa.Através dele você descreve como fazer, o tipo de pesquisa vai
estar trabalhando, quais instrumentos serão utilizados para coletar e interpretar os dados que
te ajudarão na solução do problema.
O proceder metodológico (LOPES et al., 2006), representa a escolha do método
(dedutivo, indutivo, etc.), das tipologias de pesquisa, podendo ser: pesquisa experimental,
teórica, exploratória, explicativa, bibliográfica, documental, qualitativa, quantitativa, etc., bem
como das técnicas de pesquisa a serem utilizadas (questionário, entrevista, formulário, painel,
observação, documentos, etc.).
2.2 PESQUISA CIENTÍFICA
Para Ander-Agg (apud MARCONI; LAKATOS, 2003, p. 155), a pesquisa é “um
procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou
dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento”. É um procedimento formal,
com método de pensamento reflexivo, que requer um tratamento científico e se constitui no
caminho para conhecer a realidade ou para descobrir verdades parciais. A Pesquisa Científica
envolve procedimentos racionais e sistemáticos. Com esses procedimentos objetiva-se obter
respostas para os problemas de pesquisa.
Para que a pesquisa seja considerada científica, ela terá que apresentar um conjuntos de
métodos e técnicas denominados Metodologia Científica. Caso isso não ocorra haverá
problemas na hora da defesa do trabalho. Esse é um dos aspectos fundamentais que a banca
avaliadora analisa ao ler o trabalho e verificar o que está sendo dito pelo autor da pesquisa.
O desenvolvimento de uma pesquisa compreende seis passos de investigação:
2.2.1 Escolha do tema para investigação
Tema é o assunto que se deseja estudar e pesquisar. Escolher o tema significa ter que
selecionar um assunto de acordo com as inclinações, possibilidades, aptidões e tendências do
pesquisador e encontrar um objeto que mereça ser investigado cientificamente.
Conforme Severino (2007) o tema deve refletir uma tentativa de resolver um
problema que se coloca diante do pesquisador. Ele deve ser preciso, bem determinado e
específico. Nessa escolha deve-se responder a pergunta: “O que será explorado?”. É
importante que o tema aborde um tema relevante para a área de formação do pesquisador e
pensar sempre qual é a relevância do tema a ser tratado para a área de formação. Outro ponto
importante na escolha do tema é que o pesquisador sinta afinidade com o tema a ser
desenvolvido. Não adianta pesquisar sobre algo que você não tem interesse, pois é esse
interesse que vai garantir a motivação desde o início até a finalização do trabalho.
2.2.2 Formulação do problema.
Problema é uma dificuldade, teórica ou prática, para a qual se deve buscar uma solução.
Definir um problema significa especificá-lo em detalhes precisos e exatos. Faz-se necessário
que o pesquisador tenha a clara ideia do problema que deseja resolver, pois caso contrário sua
pesquisa ficará sem direcionamento à efetivação dos resultados que se almeja obter. O
problema deve ser formulado, de preferência em forma interrogativa (O que? Como?). Outro
aspecto que também deve ser levado em consideração é que o problema não surge do nada,
mas sim como fruto de leitura e/ou observação do que se pretende pesquisar. Severino (2007)
aponta que “esta etapa pode iniciar-se com uma apresentação em que se coloca
inicialmente a gênese do problema, ou seja, como o autor chegou a ele, explicitando-
se os motivos mais relevantes que levaram à abordagem do assunto [...]”.
O problema pode tomar diferentes formas, de acordo com o objetivo do trabalho. Pode
ser entendido como uma questão que desperta interesse e curiosidade, cujas informações
parecem não ser suficientes para a solução. O problema constitui o elemento fundamental
para um projeto de pesquisa. Se não houver uma pergunta, não haverá projeto de pesquisa. Se
houver duas perguntas, em consequência, haverá dois projetos de pesquisa. A determinação
do problema é essencial.
2.2.3 Construção de hipóteses de trabalho
Hipótese é uma proposição que se faz na tentativa de verificar a validade de resposta
existente para um problema, suscetível de ser declarada verdadeira ou falsa. É uma suposição
que antecede a constatação de dos fatos e tem como característica uma formulação provisória.
É função da hipótese propor explicações para certos fatos e ao mesmo tempo orientar a busca
de outras informações. Para Gil (2002), a hipótese é a tentativa de oferecer uma solução
possível mediante uma proposição, ou seja, uma expressão verbal suscetível de ser declarada
verdadeira ou falsa. Em resumo, uma hipótese de trabalho deve ser: uma afirmação; simples;
sujeita à negação.
A utilização de uma hipótese é necessária para que a pesquisa apresente resultados úteis,
ou seja, atinja níveis de interpretação mais altos. Praticamente não há regras para a
formulação de hipóteses de trabalho de pesquisa científica, mas é necessário que haja
embasamento teórico e que ela seja formulada de tal maneira que possa servir de guia na
tarefa da investigação.
2.2.4 Coleta dos dados
Esta é a etapa que em que se inicia a aplicação dos instrumentos e das técnicas
selecionadas, a fim de se efetuar a coleta dos dados previstos. É uma tarefa cansativa e sempre
requer mais tempo do que o esperado. Exige paciência, esforço pessoal e cuidadoso registro
dos dados. Segundo Fachin (2006) coleta de dados é o conjunto de preceitos ou processos
utilizados por uma ciência ou arte para atingir um objetivo, dentro de um planejamento.
Outro aspecto importante é o entrosamento das tarefas organizacionais e administrativas
com as científicas, obedecendo aos prazos estipulados, aos orçamentos previstos e ao preparo
do pessoal. O rigor na aplicação dos instrumentos de pesquisa é fator fundamental para evitar
erros e defeitos resultantes de entrevistadores inexperientes ou informantes tendenciosos. Os
procedimentos variam de acordo com as circunstâncias ou com o tipo de investigação. Em
linhas gerais, as técnicas de coleta de dados na pesquisa são: Coleta Documental; Medidas de
Opiniões e de Atitudes; Observação; Técnicas Mercadológicas; Entrevista; Testes;
Questionário; Sociometria; Formulário; Análise de Conteúdo; História de vida.
Após a coleta dos dados, eles são elaborados e classificados de forma sistemática. Antes
da análise e interpretação , os dados devem seguir os seguintes passos: seleção, codificação,
tabulação. O objetivo dessa organização sistemática é possibilitar respostas, explicações ao
problema de investigação.
2.2.5 Análise e interpretação dos dados
Análise e interpretação são dias atividades distintas, mas estreitamente relacionadas,
constituindo-se no núcleo central da pesquisa.
Análise é a tentativa de evidenciar as relações existentes entre o fenômeno estudado e
outros fatores. A elaboração da análise (ou explicação) é realizada em três níveis:
a) Interpretação – Verifica a relação entre as variáveis, a fim de ampliar os
conhecimentos sobre o fenômeno.
b) Explicação – Esclarece a origem da variável.
c) Especificação – Explicita até que ponto as relações entre as variáveis são
válidas (como, onde e quando).
Na análise (LAKATOS, 2003) o pesquisador procura estabelecer as relações necessárias
entre os dados obtidos e as hipóteses formuladas. Esta análise é essencial para que o pesquisador
organize todo o material coletado durante a pesquisa, para posteriormente analisá-los com maior
profundidade.
Interpretação é a atividade que procura dar um significado mais amplo às respostas.
Significa expor o verdadeiro significado do material apresentado, em relação aos objetivos
propostos e ao tema. Mesmo com dados válidos, é a eficácia da análise e da interpretação que
determinará o valor da pesquisa. Segundo Marconi e Lakatos (2003), a interpretação é a
exposição do verdadeiro significado do material apresentado, em relação aos objetivos
propostos e ao tema.
2.2.6 Conclusões do resultado da pesquisa
Essa última fase do planejamento e organização da pesquisa explicita os resultados
finais e de relevância. É uma exposição factual sobre o que foi investigado, analisado,
interpretado, comentado e explicitado com precisão e clareza.
Em geral, não se restringe a simples conceitos pessoais, mas apresenta raciocínio sobre
o resultado, evidenciando os aspectos válidos e aplicáveis.
Segundo Máttar Neto (2002), é a parte onde se apresentam considerações apoiadas no
desenvolvimento. A conclusão não deve introduzir dados novos, mas reorganizar as
informações e interpretações discutidas durante o desenvolvimento do texto, de forma a ter
um papel de fechamento.
3 PAPER: INSTRUMENTO PEDAGÓGICO
O Paper é uma modalidade pouco utilizada nas instituições de ensino superior para
avaliar seus estudantes no tocante da pesquisa científica, mas algumas instituições pedem esse
tipo de trabalho. O Paper é um pequeno artigo científico a respeito de um tema pré-
determinado. Sua elaboração consiste na discussão e divulgação de idéias, fatos, situações,
métodos, técnicas, processos ou resultados de pesquisas científicas (bibliográfica, documental,
experimental ou de campo), relacionadas a assuntos pertinentes a uma área de estudo.
Para Medeiros (2004, p. 254), um paper é o desenvolvimento de um ponto de vista
acerca de um tema, uma tomada de posição definida e a expressão dos pensamentos em forma
original. Para Roth (1994, p. 02 apud MEDEIROS, 2008, p. 213), paper é um documento que
se baseia em pesquisa bibliográfica e em descobertas pessoais. Caso o autor apenas tenha
compilado informações sem fazer avaliações ou interpretações sobre elas, o produto de seu
trabalho será um relatório.
3.1 ESTRUTURA DO PAPER
Para que o conteúdo do paper seja bem trabalhado e fundamentado sugere-se que o
mesmo tenha entre 8 e 10 páginas. Como o paper deve ser sempre fundamentado
cientificamente, deve-se utilizar no mínimo 3 autores na pesquisa. Antes de começar a
escrever o artigo, é preciso que o autor primeiro reúna as informações e conhecimentos
necessários por meio de livros, artigos e outros documentos de valor científico. Em seguida,
deve-se organizar um roteiro básico das ideias, iniciando com a apresentação geral do assunto
e dos propósitos do trabalho, seguidos da indicação das partes principais do tema e suas
subdivisões e, por fim, destacando os aspectos a serem enfatizados no trabalho. Conforme
especificado na NBR 6022:2003 da ABNT, a estrutura do paper é composta de elementos
pré-textuais, textuais e pós-textuais. Dentre os elementos pré-textuais não serão exigidos capa,
folha de rosto e sumário, mas serão exigidos os seguintes: título e subtítulo (se houver), nome
do autor, resumo e palavras-chave. O resumo deve ter o título alinhado à esquerda, digitado
com letras maiúsculas, sem destaque. As palavras-chave, são separadas do texto por um
espaço simples e,separadas entre si,por ponto, conforme especifica a NBR 6028: 2002 da
ABNT. Os elementos textuais são a introdução, o desenvolvimento e as considerações finais.
A introdução, conforme especifica a NBR 14724: 2011da ABNT recebe a numeração
correspondente ao primeiro tópico do texto, é digitado com letras maiúsculas e em negrito,
deve apresentar uma visão geral do que é o trabalho. O desenvolvimento é escrito logo após a
introdução, tendo-se o cuidado de enumerar os itens e subitens, segundo a NBR 6024:2012 da
ABNT. As considerações finais seguem logo após o último tópico do desenvolvimento. Deve
conter as informações que vão concluir o argumento, corresponde a dedução lógica do
assunto, deve responder ao objetivo do estudo de modo breve, objetivo e sintético, bem como
as limitações do estudo. Os elementos pós-textuais compreendem as referências, as notas, o
glossário, apêndices e anexos.
3.2 ESTRUTURA GRÁFICA
A configuração da página é: margens superior e esquerda 3 cm; margens inferior e
direta 3 cm. O parágrafo deve ter as seguintes dimensões: 1,25 cm na primeira linha, 1,5 cm
entre linhas, com exceção do resumo que não possui recuo na primeira linha e utiliza
espaçamento simples. A fonte a ser utilizada é Arial ou Times New Roman, tamanho12,
exceto para as citações longas, notas de rodapé, quadros e tabelas que devem ser digitados em
tamanho 10, conforme normas específicas. A paginação deve ser feita conforme especificado
na NBR 14724: 2011 da ABNT, no canto superior direito da folha em fonte tamanho 10. A
impressão deve ser feita em papel A4, cor branca.
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS
O entendimento dos diferentes tipos de estudos científicos e suas classificações são
fundamentais para que obtenha resultado satisfatório ao final de uma pesquisa. Este estudo
buscou a compreensão dos processos metodológicos na elaboração do paper, enfatizando as
etapas de construção da pesquisa científica. Concluiu-se que sua estrutura não se diferencia
em muito de outros trabalhos científicos e são utilizados como avaliação de trabalho final de
disciplinas de Cursos de Especialização, de Mestrado e de Doutorado, apresentações em
congressos e publicações periódicas, contribuindo para o processo ensino-aprendizagem, haja
vista sendo um procedimento didático-metodológico.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia
científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.
GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa.4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.
NETO, João Augusto Máttar . Metodologia Científica na era da Informática. 3.ed. São Paulo:
Saraiva, 2002.
LOPES, Jorge et al. O fazer do trabalho científico em ciências sociais aplicadas. Recife:
Universitária da UFPE, 2006.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23ª ed. rev. e atual. São
Paulo: Cortez, 2007.
FACHIN, O. Fundamentos de Metodologia. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.
BEUREN, Ilse Maria et al. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e
prática. São Paulo: Atlas, 2008.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724, apresentação de
trabalhos acadêmicos: procedimento. Rio de Janeiro, 2011.
_____. NBR 6022, apresentação de artigo científico: procedimento. Rio de Janeiro, 2003.
_____. NBR 6028, apresentação de resumos: procedimentos. Rio de janeiro, 2002.
_____. NBR 6024, apresentação de numeração progressiva das seções em documentos:
procedimento. Rio de Janeiro, 2012.
tccnasnormasdaabnt.com.br/comunicação-cientifica-paper/
www.ebah.com.br/content/ABAAAfgyIAA/paper-trabalho-cientifico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
 
Freud apresentação
Freud apresentaçãoFreud apresentação
Freud apresentação
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Jean piaget
 
Freud Ppt
Freud PptFreud Ppt
Freud Ppt
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Apresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesApresentação abnt citações
Apresentação abnt citações
 
Aula 04 - O Projeto de Pesquisa
Aula 04 - O Projeto de PesquisaAula 04 - O Projeto de Pesquisa
Aula 04 - O Projeto de Pesquisa
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
Teorias de freud
Teorias de freudTeorias de freud
Teorias de freud
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 

Semelhante a Os processos metodológicos da pesquisa científica

Metodolog. pesquisa cientifica
Metodolog. pesquisa cientificaMetodolog. pesquisa cientifica
Metodolog. pesquisa cientificaclaudia murta
 
Apresentação metodologia
Apresentação metodologiaApresentação metodologia
Apresentação metodologiaGestaoconstcivil
 
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.pptPALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.pptPauloHenriqueMartins51
 
Aula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científicaAula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científicaMarina Atzingen
 
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveis
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveisProjecto de elaboração de projetos de energia renováveis
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveisMrioRondinho
 
APRESENTAÇÃO DO PAPER SEMINARIO INTERDISCIPLINAR.pptx
APRESENTAÇÃO DO PAPER SEMINARIO INTERDISCIPLINAR.pptxAPRESENTAÇÃO DO PAPER SEMINARIO INTERDISCIPLINAR.pptx
APRESENTAÇÃO DO PAPER SEMINARIO INTERDISCIPLINAR.pptxGermirDias1
 
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth FantauzziComo elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth FantauzziElizabeth Fantauzzi
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Metodologia de pesquisa: ASPECTORS TEÓRICOS E PRATICOS ptx
Metodologia de pesquisa: ASPECTORS TEÓRICOS E PRATICOS ptxMetodologia de pesquisa: ASPECTORS TEÓRICOS E PRATICOS ptx
Metodologia de pesquisa: ASPECTORS TEÓRICOS E PRATICOS ptxprofjanainagimenes
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ipUNICEP
 
Artigo e pesquisa
Artigo e pesquisaArtigo e pesquisa
Artigo e pesquisaMarcos2rr
 
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico MilitarTCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico MilitarHudson Junior
 
Fontes De Informação Científica
Fontes De Informação CientíficaFontes De Informação Científica
Fontes De Informação Científicabsararangua
 
31_março_2017 aula presencial.pptx
31_março_2017 aula presencial.pptx31_março_2017 aula presencial.pptx
31_março_2017 aula presencial.pptxRobsonDorival1
 
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científicaComo elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científicaroupanova
 
A elaboração de preojeto de pesquisa
A elaboração de preojeto de pesquisaA elaboração de preojeto de pesquisa
A elaboração de preojeto de pesquisaAdriano Silva
 

Semelhante a Os processos metodológicos da pesquisa científica (20)

Metodolog. pesquisa cientifica
Metodolog. pesquisa cientificaMetodolog. pesquisa cientifica
Metodolog. pesquisa cientifica
 
Apresentação metodologia
Apresentação metodologiaApresentação metodologia
Apresentação metodologia
 
SLIDE FAEPI.pdf
SLIDE FAEPI.pdfSLIDE FAEPI.pdf
SLIDE FAEPI.pdf
 
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.pptPALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
 
Aula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científicaAula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científica
 
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveis
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveisProjecto de elaboração de projetos de energia renováveis
Projecto de elaboração de projetos de energia renováveis
 
Tecnicas de pesquisa em administracao
Tecnicas de pesquisa em administracaoTecnicas de pesquisa em administracao
Tecnicas de pesquisa em administracao
 
APRESENTAÇÃO DO PAPER SEMINARIO INTERDISCIPLINAR.pptx
APRESENTAÇÃO DO PAPER SEMINARIO INTERDISCIPLINAR.pptxAPRESENTAÇÃO DO PAPER SEMINARIO INTERDISCIPLINAR.pptx
APRESENTAÇÃO DO PAPER SEMINARIO INTERDISCIPLINAR.pptx
 
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth FantauzziComo elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
Como elaborar um projeto de pesquisa - profa. Elizabeth Fantauzzi
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Metodologia de pesquisa: ASPECTORS TEÓRICOS E PRATICOS ptx
Metodologia de pesquisa: ASPECTORS TEÓRICOS E PRATICOS ptxMetodologia de pesquisa: ASPECTORS TEÓRICOS E PRATICOS ptx
Metodologia de pesquisa: ASPECTORS TEÓRICOS E PRATICOS ptx
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ip
 
Artigo e pesquisa
Artigo e pesquisaArtigo e pesquisa
Artigo e pesquisa
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
 
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico MilitarTCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
 
Fontes De Informação Científica
Fontes De Informação CientíficaFontes De Informação Científica
Fontes De Informação Científica
 
31_março_2017 aula presencial.pptx
31_março_2017 aula presencial.pptx31_março_2017 aula presencial.pptx
31_março_2017 aula presencial.pptx
 
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científicaComo elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
Como elaborar-um-projeto-de-pesquisa-de-iniciação-científica
 
A elaboração de preojeto de pesquisa
A elaboração de preojeto de pesquisaA elaboração de preojeto de pesquisa
A elaboração de preojeto de pesquisa
 
Aula 1 - Iniciando um projeto de pesquisa
Aula 1 - Iniciando um projeto de pesquisaAula 1 - Iniciando um projeto de pesquisa
Aula 1 - Iniciando um projeto de pesquisa
 

Os processos metodológicos da pesquisa científica

  • 1. OS PROCESSOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA CIENTÍFICA: PAPER Diego Fellipe da Silva Queiroz Josevany Soares Max William Moreira de Carvalho Roldiner Rodrigo Costa da Silva Professor-Tutor Externo: Geferson Oliveira Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI VI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI 173) – Seminário Interdisciplinar I 18/06/17 RESUMO Os trabalhos científicos possuem um conjunto de normas e regras a serem seguidos e objetivam comunicar uma observação ou uma idéia a um grupo de indivíduos potencialmente interessados. Esses indivíduos podem então fazer uso da observação ou fazer avançar a ideia mediante as suas próprias observações. Neste trabalho mostraremos os procedimentos metodológicos da pesquisa científica objetivando a análise dos processos para a elaboração de um paper. Foram estudados os processos metodológicos da pesquisa científica, compreendendo seis passos de investigação: escolha de um tema, formulação de problema, construção de hipóteses, coleta de dados, análise e interpretação de dados e conclusão do resultado da pesquisa. Analisamos o conceito de Paper e sua estrutura para publicação impressa e seus elementos. A prática desenvolvida foi a de cunho documental, realizando a pesquisa em bibliotecas públicas, arquivos digitais e consultando arquivos de diferentes tipos. Cada etapa foi realizada dentro do cronograma estipulado, obedecendo a orientação, os estudos preliminares, o planejamento, a execução e a análise. O conhecimento dos métodos auxiliaram na elaboração do trabalho científico, fornecendo para os acadêmicos uma melhor compreensão sobre sua natureza e objetivos, podendo auxiliar para melhorar a produtividade e a qualidade do trabalho. Conforme a organização do grupo, realizamos a busca do material, efetuamos anotações, ordenamos e analisamos as anotações pra iniciarmos o desenvolvimento do trabalho. Foram analisados autores que se fundamentam no referencial crítico-dialético e apresentam reflexões sobre legitimação da pesquisa científica, tais como: Lakatos e Marconi (2003), Gil (2002), Neto (2002) e sites relacionados ao tema. Palavras-chave: Procedimentos metodológicos. Pesquisa Científica. Paper. 1 INTRODUÇÃO Toda pesquisa deve ser trabalhada baseada em uma metodologia que norteará o pesquisador quanto às decisões e caminhos que serão tomados na elaboração do trabalho científico. Portanto, este esclarecimento é base para que outros pesquisadores sigam os passos
  • 2. trilhados e possam aprimorar ou mesmo identificar erros e impropriedades. Partindo dessa premissa, o trabalho apresentado objetiva analisar, identificar e utilizar os procedimentos metodológicos da pesquisa científica, buscando a compreensão de seus processos sistemáticos na construção de um paper. Primeiramente buscou-se informar o que é o processo pedagógico e a sua função na construção da pesquisa científica e definir as etapas de investigação de uma pesquisa. Em continuidade buscamos o conceito de paper, discutindo seu propósito e suas fundamentações. A relevância deste trabalho está voltada para a realidade de haver desconhecimento, por parte de acadêmicos, como este sendo um instrumento pedagógico, contribuindo para o processo ensino-aprendizagem e apresenta os passo metodológicos para a produção de documentos com a característica de paper. Entendemos que cada trabalho científico, a seu modo, atua na produção de conhecimentos, constituindo uma oportunidade para integrar alunas e alunos em projetos e grupos de pesquisas, sob a coordenação de professores e professoras. Durante a construção e organização deste trabalho foi feito um levantamento bibliográfico de conhecimento científico e utilizou-se, também, artigos e trabalhos científicos publicados em livros e revistas especializados na internet. 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 PROCESSO METODOLÓGICO Os procedimentos metodológicos têm por objetivo guiar o pesquisador no caminho que será percorrido durante a pesquisa, na qual ele buscará mostrar a relação da teoria com a prática. Procedimento é o modo como algo é executado, ou seja, a maneira como é feito o processo de determinada coisa.Através dele você descreve como fazer, o tipo de pesquisa vai estar trabalhando, quais instrumentos serão utilizados para coletar e interpretar os dados que te ajudarão na solução do problema. O proceder metodológico (LOPES et al., 2006), representa a escolha do método (dedutivo, indutivo, etc.), das tipologias de pesquisa, podendo ser: pesquisa experimental, teórica, exploratória, explicativa, bibliográfica, documental, qualitativa, quantitativa, etc., bem
  • 3. como das técnicas de pesquisa a serem utilizadas (questionário, entrevista, formulário, painel, observação, documentos, etc.). 2.2 PESQUISA CIENTÍFICA Para Ander-Agg (apud MARCONI; LAKATOS, 2003, p. 155), a pesquisa é “um procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento”. É um procedimento formal, com método de pensamento reflexivo, que requer um tratamento científico e se constitui no caminho para conhecer a realidade ou para descobrir verdades parciais. A Pesquisa Científica envolve procedimentos racionais e sistemáticos. Com esses procedimentos objetiva-se obter respostas para os problemas de pesquisa. Para que a pesquisa seja considerada científica, ela terá que apresentar um conjuntos de métodos e técnicas denominados Metodologia Científica. Caso isso não ocorra haverá problemas na hora da defesa do trabalho. Esse é um dos aspectos fundamentais que a banca avaliadora analisa ao ler o trabalho e verificar o que está sendo dito pelo autor da pesquisa. O desenvolvimento de uma pesquisa compreende seis passos de investigação: 2.2.1 Escolha do tema para investigação Tema é o assunto que se deseja estudar e pesquisar. Escolher o tema significa ter que selecionar um assunto de acordo com as inclinações, possibilidades, aptidões e tendências do pesquisador e encontrar um objeto que mereça ser investigado cientificamente. Conforme Severino (2007) o tema deve refletir uma tentativa de resolver um problema que se coloca diante do pesquisador. Ele deve ser preciso, bem determinado e específico. Nessa escolha deve-se responder a pergunta: “O que será explorado?”. É importante que o tema aborde um tema relevante para a área de formação do pesquisador e pensar sempre qual é a relevância do tema a ser tratado para a área de formação. Outro ponto importante na escolha do tema é que o pesquisador sinta afinidade com o tema a ser desenvolvido. Não adianta pesquisar sobre algo que você não tem interesse, pois é esse interesse que vai garantir a motivação desde o início até a finalização do trabalho.
  • 4. 2.2.2 Formulação do problema. Problema é uma dificuldade, teórica ou prática, para a qual se deve buscar uma solução. Definir um problema significa especificá-lo em detalhes precisos e exatos. Faz-se necessário que o pesquisador tenha a clara ideia do problema que deseja resolver, pois caso contrário sua pesquisa ficará sem direcionamento à efetivação dos resultados que se almeja obter. O problema deve ser formulado, de preferência em forma interrogativa (O que? Como?). Outro aspecto que também deve ser levado em consideração é que o problema não surge do nada, mas sim como fruto de leitura e/ou observação do que se pretende pesquisar. Severino (2007) aponta que “esta etapa pode iniciar-se com uma apresentação em que se coloca inicialmente a gênese do problema, ou seja, como o autor chegou a ele, explicitando- se os motivos mais relevantes que levaram à abordagem do assunto [...]”. O problema pode tomar diferentes formas, de acordo com o objetivo do trabalho. Pode ser entendido como uma questão que desperta interesse e curiosidade, cujas informações parecem não ser suficientes para a solução. O problema constitui o elemento fundamental para um projeto de pesquisa. Se não houver uma pergunta, não haverá projeto de pesquisa. Se houver duas perguntas, em consequência, haverá dois projetos de pesquisa. A determinação do problema é essencial. 2.2.3 Construção de hipóteses de trabalho Hipótese é uma proposição que se faz na tentativa de verificar a validade de resposta existente para um problema, suscetível de ser declarada verdadeira ou falsa. É uma suposição que antecede a constatação de dos fatos e tem como característica uma formulação provisória. É função da hipótese propor explicações para certos fatos e ao mesmo tempo orientar a busca de outras informações. Para Gil (2002), a hipótese é a tentativa de oferecer uma solução possível mediante uma proposição, ou seja, uma expressão verbal suscetível de ser declarada verdadeira ou falsa. Em resumo, uma hipótese de trabalho deve ser: uma afirmação; simples; sujeita à negação. A utilização de uma hipótese é necessária para que a pesquisa apresente resultados úteis, ou seja, atinja níveis de interpretação mais altos. Praticamente não há regras para a formulação de hipóteses de trabalho de pesquisa científica, mas é necessário que haja
  • 5. embasamento teórico e que ela seja formulada de tal maneira que possa servir de guia na tarefa da investigação. 2.2.4 Coleta dos dados Esta é a etapa que em que se inicia a aplicação dos instrumentos e das técnicas selecionadas, a fim de se efetuar a coleta dos dados previstos. É uma tarefa cansativa e sempre requer mais tempo do que o esperado. Exige paciência, esforço pessoal e cuidadoso registro dos dados. Segundo Fachin (2006) coleta de dados é o conjunto de preceitos ou processos utilizados por uma ciência ou arte para atingir um objetivo, dentro de um planejamento. Outro aspecto importante é o entrosamento das tarefas organizacionais e administrativas com as científicas, obedecendo aos prazos estipulados, aos orçamentos previstos e ao preparo do pessoal. O rigor na aplicação dos instrumentos de pesquisa é fator fundamental para evitar erros e defeitos resultantes de entrevistadores inexperientes ou informantes tendenciosos. Os procedimentos variam de acordo com as circunstâncias ou com o tipo de investigação. Em linhas gerais, as técnicas de coleta de dados na pesquisa são: Coleta Documental; Medidas de Opiniões e de Atitudes; Observação; Técnicas Mercadológicas; Entrevista; Testes; Questionário; Sociometria; Formulário; Análise de Conteúdo; História de vida. Após a coleta dos dados, eles são elaborados e classificados de forma sistemática. Antes da análise e interpretação , os dados devem seguir os seguintes passos: seleção, codificação, tabulação. O objetivo dessa organização sistemática é possibilitar respostas, explicações ao problema de investigação. 2.2.5 Análise e interpretação dos dados Análise e interpretação são dias atividades distintas, mas estreitamente relacionadas, constituindo-se no núcleo central da pesquisa. Análise é a tentativa de evidenciar as relações existentes entre o fenômeno estudado e outros fatores. A elaboração da análise (ou explicação) é realizada em três níveis: a) Interpretação – Verifica a relação entre as variáveis, a fim de ampliar os conhecimentos sobre o fenômeno. b) Explicação – Esclarece a origem da variável.
  • 6. c) Especificação – Explicita até que ponto as relações entre as variáveis são válidas (como, onde e quando). Na análise (LAKATOS, 2003) o pesquisador procura estabelecer as relações necessárias entre os dados obtidos e as hipóteses formuladas. Esta análise é essencial para que o pesquisador organize todo o material coletado durante a pesquisa, para posteriormente analisá-los com maior profundidade. Interpretação é a atividade que procura dar um significado mais amplo às respostas. Significa expor o verdadeiro significado do material apresentado, em relação aos objetivos propostos e ao tema. Mesmo com dados válidos, é a eficácia da análise e da interpretação que determinará o valor da pesquisa. Segundo Marconi e Lakatos (2003), a interpretação é a exposição do verdadeiro significado do material apresentado, em relação aos objetivos propostos e ao tema. 2.2.6 Conclusões do resultado da pesquisa Essa última fase do planejamento e organização da pesquisa explicita os resultados finais e de relevância. É uma exposição factual sobre o que foi investigado, analisado, interpretado, comentado e explicitado com precisão e clareza. Em geral, não se restringe a simples conceitos pessoais, mas apresenta raciocínio sobre o resultado, evidenciando os aspectos válidos e aplicáveis. Segundo Máttar Neto (2002), é a parte onde se apresentam considerações apoiadas no desenvolvimento. A conclusão não deve introduzir dados novos, mas reorganizar as informações e interpretações discutidas durante o desenvolvimento do texto, de forma a ter um papel de fechamento. 3 PAPER: INSTRUMENTO PEDAGÓGICO O Paper é uma modalidade pouco utilizada nas instituições de ensino superior para avaliar seus estudantes no tocante da pesquisa científica, mas algumas instituições pedem esse tipo de trabalho. O Paper é um pequeno artigo científico a respeito de um tema pré-
  • 7. determinado. Sua elaboração consiste na discussão e divulgação de idéias, fatos, situações, métodos, técnicas, processos ou resultados de pesquisas científicas (bibliográfica, documental, experimental ou de campo), relacionadas a assuntos pertinentes a uma área de estudo. Para Medeiros (2004, p. 254), um paper é o desenvolvimento de um ponto de vista acerca de um tema, uma tomada de posição definida e a expressão dos pensamentos em forma original. Para Roth (1994, p. 02 apud MEDEIROS, 2008, p. 213), paper é um documento que se baseia em pesquisa bibliográfica e em descobertas pessoais. Caso o autor apenas tenha compilado informações sem fazer avaliações ou interpretações sobre elas, o produto de seu trabalho será um relatório. 3.1 ESTRUTURA DO PAPER Para que o conteúdo do paper seja bem trabalhado e fundamentado sugere-se que o mesmo tenha entre 8 e 10 páginas. Como o paper deve ser sempre fundamentado cientificamente, deve-se utilizar no mínimo 3 autores na pesquisa. Antes de começar a escrever o artigo, é preciso que o autor primeiro reúna as informações e conhecimentos necessários por meio de livros, artigos e outros documentos de valor científico. Em seguida, deve-se organizar um roteiro básico das ideias, iniciando com a apresentação geral do assunto e dos propósitos do trabalho, seguidos da indicação das partes principais do tema e suas subdivisões e, por fim, destacando os aspectos a serem enfatizados no trabalho. Conforme especificado na NBR 6022:2003 da ABNT, a estrutura do paper é composta de elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais. Dentre os elementos pré-textuais não serão exigidos capa, folha de rosto e sumário, mas serão exigidos os seguintes: título e subtítulo (se houver), nome do autor, resumo e palavras-chave. O resumo deve ter o título alinhado à esquerda, digitado com letras maiúsculas, sem destaque. As palavras-chave, são separadas do texto por um espaço simples e,separadas entre si,por ponto, conforme especifica a NBR 6028: 2002 da ABNT. Os elementos textuais são a introdução, o desenvolvimento e as considerações finais. A introdução, conforme especifica a NBR 14724: 2011da ABNT recebe a numeração correspondente ao primeiro tópico do texto, é digitado com letras maiúsculas e em negrito, deve apresentar uma visão geral do que é o trabalho. O desenvolvimento é escrito logo após a introdução, tendo-se o cuidado de enumerar os itens e subitens, segundo a NBR 6024:2012 da ABNT. As considerações finais seguem logo após o último tópico do desenvolvimento. Deve
  • 8. conter as informações que vão concluir o argumento, corresponde a dedução lógica do assunto, deve responder ao objetivo do estudo de modo breve, objetivo e sintético, bem como as limitações do estudo. Os elementos pós-textuais compreendem as referências, as notas, o glossário, apêndices e anexos. 3.2 ESTRUTURA GRÁFICA A configuração da página é: margens superior e esquerda 3 cm; margens inferior e direta 3 cm. O parágrafo deve ter as seguintes dimensões: 1,25 cm na primeira linha, 1,5 cm entre linhas, com exceção do resumo que não possui recuo na primeira linha e utiliza espaçamento simples. A fonte a ser utilizada é Arial ou Times New Roman, tamanho12, exceto para as citações longas, notas de rodapé, quadros e tabelas que devem ser digitados em tamanho 10, conforme normas específicas. A paginação deve ser feita conforme especificado na NBR 14724: 2011 da ABNT, no canto superior direito da folha em fonte tamanho 10. A impressão deve ser feita em papel A4, cor branca. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O entendimento dos diferentes tipos de estudos científicos e suas classificações são fundamentais para que obtenha resultado satisfatório ao final de uma pesquisa. Este estudo buscou a compreensão dos processos metodológicos na elaboração do paper, enfatizando as etapas de construção da pesquisa científica. Concluiu-se que sua estrutura não se diferencia em muito de outros trabalhos científicos e são utilizados como avaliação de trabalho final de disciplinas de Cursos de Especialização, de Mestrado e de Doutorado, apresentações em congressos e publicações periódicas, contribuindo para o processo ensino-aprendizagem, haja vista sendo um procedimento didático-metodológico.
  • 9. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa.4.ed. São Paulo: Atlas, 2002. NETO, João Augusto Máttar . Metodologia Científica na era da Informática. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2002. LOPES, Jorge et al. O fazer do trabalho científico em ciências sociais aplicadas. Recife: Universitária da UFPE, 2006. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23ª ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007. FACHIN, O. Fundamentos de Metodologia. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. BEUREN, Ilse Maria et al. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2008. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724, apresentação de trabalhos acadêmicos: procedimento. Rio de Janeiro, 2011. _____. NBR 6022, apresentação de artigo científico: procedimento. Rio de Janeiro, 2003. _____. NBR 6028, apresentação de resumos: procedimentos. Rio de janeiro, 2002. _____. NBR 6024, apresentação de numeração progressiva das seções em documentos: procedimento. Rio de Janeiro, 2012. tccnasnormasdaabnt.com.br/comunicação-cientifica-paper/ www.ebah.com.br/content/ABAAAfgyIAA/paper-trabalho-cientifico