SlideShare uma empresa Scribd logo
Produção Audiovisual
Parte 3 – Roteiro para Audiovisual
CEFET-RJ Campus Maria da Graça
Narrativa
- Narrativa clássica
- Desconstrução da narrativa
(quebra com as regras de seqüência linear do tempo,
seqüências embaralhadas e ordem invertida dos quadros)
- Paradigmas
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
ESTRUTURA DA NARRATIVA CLÁSSICA
Início: Personagem e objetivo (1º.ato)
Geralmente no início de algum filme os personagens principais são apresentados e
contextualizados. São apresentadas características físicas, psicológicas e sociais. Com
algumas definições, já é possível vislumbrar os objetivos de cada personagem, coerentes
com suas personalidades, em relação a história contada no filme. Eles podem permanecer
os mesmos até o final ou serem alterados de acordo com a trajetória da história.
Meio: Obstáculo (2º.ato)
Os obstáculos que impedem a concretização de objetivos específicos são apresentados como
forma de entreter e prender a atenção do espectador. Justifica a razão de existir do filme.
São os obstáculos que promovem e justificam as ações dos personagens de acordo com
seus objetivos.
Fim: Solução (3º.ato)
Após os obstáculos serem apresentados, a solução para cada um deles é apresentada.
É o final do filme, que mostra se a solução foi concretizada. Filmes clássicos geralmente
terminam com finais felizes.
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Narrativa Clássica Aristotélica:
Estrutura em três atos: início, meio e fim. Manuais de roteiro.
Ex: Syd Field, exposição, conflito e resolução
A Jornada do Herói:
- O Herói de Mil Faces, Joseph Campbell (1949) e
A Jornada do Escritor, de Christopher Vogler (1990)
- Influenciou o cinema de Hollywood, Disney,
George Lucas e Spielberg (Star Wars)
- Estrutura de arquétipos baseada em Carl Jung
e na mitologia grega
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Arquétipos
Herói: Aquele que se sacrifica por um bem coletivo. (e Anti-Herói)
Mentor: Figura mais experiente que motiva e fornece dons ou ferramentas para o
Herói durante sua Jornada.
Guardião de Limiar: Personagem ou situações que impedem a entrada do Herói na
Jornada. Limite entre o cotidiano do Herói e sua aventura.
Arauto: Anuncia para o Herói o chamado à aventura. Pode ser o Mentor, o Vilão
ou simplesmente um objeto como, por exemplo, uma carta.
Camaleão: Personagem com personalidade dúbia, nunca se sabe ao certo se ele está
do lado do bem ou do mal. Por exemplo, o aliado que se revela inimigo no final ou o
inimigo que salva o Herói em algum momento.
Sombra: Normalmente é o Vilão da história e deseja a destruição do Herói.
Personificação dos monstros internos de medos e traumas do subconsciente.
Pícaro: Personagem de alívio cômico para equilibrar a seriedade da história. Serve
também para derrubar o status quo do Herói e quebrar seu orgulho.
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Estágio Um: Mundo Comum
Cotidiano do Herói, sua zona de conforto.
Estágio Dois: Chamado à Aventura
Herói recebe um chamado a uma aventura inesperada.
Estágio Três: Recusa do Chamado
Herói normalmente recusa ao chamado pois prefere ficar em sua zona de
conforto.
Estágio Quatro: Encontro com o Mentor
Herói encontra um Mentor que o motiva e fornece dons para a aventura.
Estágio Cinco: Travessia do Primeiro Limiar
Herói enfrenta os guardiões entre seu mundo comum e o mundo da aventura.
Estágio Seis: Testes, Aliados, Inimigos
Herói conhece o mundo especial, suas regras, amigos, inimigos e enfrenta
diversos testes.
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Estágio Sete: Aproximação da Caverna Oculta
Neste momento o herói se aproxima da grande provação
Estágio Oito: Provação
Na grande provação o herói chega no limite entre a vida e a morte na luta contra
o Vilão, mas é salvo milagrosamente.
Estágio Nove: Recompensa (Apanhando a Espada)
Por vencer a provação, Herói conquista uma recompensa.
Estágio Dez: Caminho de Volta
Voltando para casa o herói se depara com uma ameaça muito maior. Aqui ele
morre.
Estágio Onze: Ressurreição
Como recompensa pelo seu sacrifício, o herói ressucita dos mortos e vence a
grande ameaça final, tornando-se um ser superior.
Estágio Doze: Retorno com o Elixir
O herói então volta para casa (mundo comum) ou fica no mundo especial,
porém agora como uma nova pessoa, com novos conceitos e totalmente diferente
do que era no início.
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Elaboração de roteiro
- Storyline
- Argumento / sinopse
- Escaleta
- Primeiro tratamento
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Storyline
- Conta a história principal do filme
- Resumo em poucas linhas da ação principal da história
- Conflito, espinha dramática da trama
- Começo, meio e fim
Exemplos:
-“Era uma vez um príncipe cujo pai, o rei, foi assassinado por seu
próprio irmão com o fim de ficar com o trono. Este crime conduziu o
jovem a uma crise existencial que deu em uma onda de mortes,
incluindo a sua.” Hamlet, de Shakespeare
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Argumento
- Uma página
- Desenvolvimento dos personagens principais
(caráter, motivações, objetivos)
- Localização da história no tempo e no espaço
“...começa aqui, passa por ali e termina aqui...”
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Fichas de cenas (escaleta)
-Uma ficha para cada cena
Int-ext; locação; dia-noite
Descrição da cena e personagens
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Roteiro (primeiro tratamento)
Formatação: roteiro literário e roteiro de TV
Roteiro literário:
Int-ext; locação; dia-noite
Ação
Personagem
Fala
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
CEFET-RJ - Coordenação de Artes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro
O Ciclista
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno
Diógenes Zigar
 
Cena do fidalgo_-_questionario
Cena do fidalgo_-_questionarioCena do fidalgo_-_questionario
Cena do fidalgo_-_questionario
Maria Gonçalves
 
Alto barca do inferno auto da moralidade
Alto barca do inferno  auto da moralidadeAlto barca do inferno  auto da moralidade
Alto barca do inferno auto da moralidade
watilde
 
D9 abi 108_c4_parvo
D9 abi 108_c4_parvoD9 abi 108_c4_parvo
D9 abi 108_c4_parvo
miguelribeiro
 
D9 abi 089_introdução
D9 abi 089_introduçãoD9 abi 089_introdução
D9 abi 089_introdução
miguelribeiro
 
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
DavidMonteiro65
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
claudiagandra
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Sonia Ramos
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Marisa Ferreira
 
D9 abi quadro_sintese
D9 abi quadro_sinteseD9 abi quadro_sintese
D9 abi quadro_sintese
miguelribeiro
 
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do infernoQuestões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
ma.no.el.ne.ves
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
rafabebum
 
Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)
inesislinda
 
Apostila literatura
Apostila literaturaApostila literatura
Apostila literatura
resolvidos
 
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Gabriel Lima
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
anafilipasampaiofreitas
 
CONTOS SOMBRIOS DE NATAL_LIVRO ANTIGO COM HISTÓRIAS FANTÁSTICAS DE HORROR
CONTOS SOMBRIOS DE NATAL_LIVRO ANTIGO COM HISTÓRIAS FANTÁSTICAS DE HORRORCONTOS SOMBRIOS DE NATAL_LIVRO ANTIGO COM HISTÓRIAS FANTÁSTICAS DE HORROR
CONTOS SOMBRIOS DE NATAL_LIVRO ANTIGO COM HISTÓRIAS FANTÁSTICAS DE HORROR
Rogério S. de Farias
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
Carla Scala
 

Mais procurados (20)

2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno
 
Cena do fidalgo_-_questionario
Cena do fidalgo_-_questionarioCena do fidalgo_-_questionario
Cena do fidalgo_-_questionario
 
Alto barca do inferno auto da moralidade
Alto barca do inferno  auto da moralidadeAlto barca do inferno  auto da moralidade
Alto barca do inferno auto da moralidade
 
D9 abi 108_c4_parvo
D9 abi 108_c4_parvoD9 abi 108_c4_parvo
D9 abi 108_c4_parvo
 
D9 abi 089_introdução
D9 abi 089_introduçãoD9 abi 089_introdução
D9 abi 089_introdução
 
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
 
D9 abi quadro_sintese
D9 abi quadro_sinteseD9 abi quadro_sintese
D9 abi quadro_sintese
 
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do infernoQuestões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)
 
Apostila literatura
Apostila literaturaApostila literatura
Apostila literatura
 
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
 
CONTOS SOMBRIOS DE NATAL_LIVRO ANTIGO COM HISTÓRIAS FANTÁSTICAS DE HORROR
CONTOS SOMBRIOS DE NATAL_LIVRO ANTIGO COM HISTÓRIAS FANTÁSTICAS DE HORRORCONTOS SOMBRIOS DE NATAL_LIVRO ANTIGO COM HISTÓRIAS FANTÁSTICAS DE HORROR
CONTOS SOMBRIOS DE NATAL_LIVRO ANTIGO COM HISTÓRIAS FANTÁSTICAS DE HORROR
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
 

Destaque

Oficina de Audiovisual CEFET-RJ
Oficina de Audiovisual CEFET-RJOficina de Audiovisual CEFET-RJ
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ
Luciano Dias
 
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
Luciano Dias
 
Roteiro Audiovisual
Roteiro AudiovisualRoteiro Audiovisual
Roteiro Audiovisual
Luciano Dias
 
Operação de Câmera de Vídeo
Operação de Câmera de VídeoOperação de Câmera de Vídeo
Operação de Câmera de Vídeo
Luciano Dias
 
Mostra de Arte
Mostra de ArteMostra de Arte
Mostra de Arte
Luciano Dias
 
Sjb vista pcem[1]
Sjb vista pcem[1]Sjb vista pcem[1]
Sjb vista pcem[1]
wladimir
 
Arte Barroca na Europa
Arte Barroca na EuropaArte Barroca na Europa
Arte Barroca na Europa
Luciano Dias
 
Montagem e Edição de Vídeo
Montagem e Edição de VídeoMontagem e Edição de Vídeo
Montagem e Edição de Vídeo
Luciano Dias
 
Equipes e Fases da Produção Audiovisual
Equipes e Fases da Produção AudiovisualEquipes e Fases da Produção Audiovisual
Equipes e Fases da Produção Audiovisual
Luciano Dias
 
Tipos de Documentários
Tipos de DocumentáriosTipos de Documentários
Tipos de Documentários
Luciano Dias
 
ePitch - Como fazer um pitch - Campus Party 2016
ePitch - Como fazer um pitch - Campus Party 2016ePitch - Como fazer um pitch - Campus Party 2016
ePitch - Como fazer um pitch - Campus Party 2016
Ricardo Moraes
 
Linguagem de cinema
Linguagem de cinemaLinguagem de cinema
Linguagem de cinema
Dany Pereira
 
Oficina Movie maker
Oficina Movie makerOficina Movie maker
Oficina Movie maker
oficina-blog
 
Cinema vai à escola
Cinema vai à escolaCinema vai à escola
Cinema vai à escola
Mari_Saracchini
 
Blue headed parrot
Blue headed parrotBlue headed parrot
Blue headed parrot
Marcioveras
 
Arte Colonial Brasileira
Arte Colonial BrasileiraArte Colonial Brasileira
Arte Colonial Brasileira
Luciano Dias
 
Produção de Vídeos com o Celular - Dicas para um ótimo trabalho
Produção de Vídeos com o Celular - Dicas para um ótimo trabalhoProdução de Vídeos com o Celular - Dicas para um ótimo trabalho
Produção de Vídeos com o Celular - Dicas para um ótimo trabalho
Suintila Valiño Pedreira
 
Teoria das Cores
Teoria das CoresTeoria das Cores
Teoria das Cores
Luciano Dias
 
Oficina de producao_de_video
Oficina de producao_de_videoOficina de producao_de_video
Oficina de producao_de_video
Bernardete Motter
 
Iconografia
IconografiaIconografia
Iconografia
Luciano Dias
 

Destaque (20)

Oficina de Audiovisual CEFET-RJ
Oficina de Audiovisual CEFET-RJOficina de Audiovisual CEFET-RJ
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ
 
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
 
Roteiro Audiovisual
Roteiro AudiovisualRoteiro Audiovisual
Roteiro Audiovisual
 
Operação de Câmera de Vídeo
Operação de Câmera de VídeoOperação de Câmera de Vídeo
Operação de Câmera de Vídeo
 
Mostra de Arte
Mostra de ArteMostra de Arte
Mostra de Arte
 
Sjb vista pcem[1]
Sjb vista pcem[1]Sjb vista pcem[1]
Sjb vista pcem[1]
 
Arte Barroca na Europa
Arte Barroca na EuropaArte Barroca na Europa
Arte Barroca na Europa
 
Montagem e Edição de Vídeo
Montagem e Edição de VídeoMontagem e Edição de Vídeo
Montagem e Edição de Vídeo
 
Equipes e Fases da Produção Audiovisual
Equipes e Fases da Produção AudiovisualEquipes e Fases da Produção Audiovisual
Equipes e Fases da Produção Audiovisual
 
Tipos de Documentários
Tipos de DocumentáriosTipos de Documentários
Tipos de Documentários
 
ePitch - Como fazer um pitch - Campus Party 2016
ePitch - Como fazer um pitch - Campus Party 2016ePitch - Como fazer um pitch - Campus Party 2016
ePitch - Como fazer um pitch - Campus Party 2016
 
Linguagem de cinema
Linguagem de cinemaLinguagem de cinema
Linguagem de cinema
 
Oficina Movie maker
Oficina Movie makerOficina Movie maker
Oficina Movie maker
 
Cinema vai à escola
Cinema vai à escolaCinema vai à escola
Cinema vai à escola
 
Blue headed parrot
Blue headed parrotBlue headed parrot
Blue headed parrot
 
Arte Colonial Brasileira
Arte Colonial BrasileiraArte Colonial Brasileira
Arte Colonial Brasileira
 
Produção de Vídeos com o Celular - Dicas para um ótimo trabalho
Produção de Vídeos com o Celular - Dicas para um ótimo trabalhoProdução de Vídeos com o Celular - Dicas para um ótimo trabalho
Produção de Vídeos com o Celular - Dicas para um ótimo trabalho
 
Teoria das Cores
Teoria das CoresTeoria das Cores
Teoria das Cores
 
Oficina de producao_de_video
Oficina de producao_de_videoOficina de producao_de_video
Oficina de producao_de_video
 
Iconografia
IconografiaIconografia
Iconografia
 

Semelhante a Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (2)

Animação 1 - Arquetipos
Animação 1 - ArquetiposAnimação 1 - Arquetipos
Animação 1 - Arquetipos
profealbattaiola
 
PUB3AN - Aula03
PUB3AN - Aula03PUB3AN - Aula03
PUB3AN - Aula03
Neca Boullosa
 
Como escrever um roteiro
Como escrever um roteiroComo escrever um roteiro
Como escrever um roteiro
Renata dos Passos
 
Roteiro 0008
Roteiro 0008Roteiro 0008
Roteiro 0008
Bruno G.
 
Dsg1004 2018-1-narrativa
Dsg1004 2018-1-narrativaDsg1004 2018-1-narrativa
Dsg1004 2018-1-narrativa
Marcelus Gaio
 
Roteiro ficção
Roteiro ficçãoRoteiro ficção
Roteiro ficção
Celso Viviani
 

Semelhante a Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (2) (6)

Animação 1 - Arquetipos
Animação 1 - ArquetiposAnimação 1 - Arquetipos
Animação 1 - Arquetipos
 
PUB3AN - Aula03
PUB3AN - Aula03PUB3AN - Aula03
PUB3AN - Aula03
 
Como escrever um roteiro
Como escrever um roteiroComo escrever um roteiro
Como escrever um roteiro
 
Roteiro 0008
Roteiro 0008Roteiro 0008
Roteiro 0008
 
Dsg1004 2018-1-narrativa
Dsg1004 2018-1-narrativaDsg1004 2018-1-narrativa
Dsg1004 2018-1-narrativa
 
Roteiro ficção
Roteiro ficçãoRoteiro ficção
Roteiro ficção
 

Mais de Luciano Dias

Parâmetros do Som
Parâmetros do SomParâmetros do Som
Parâmetros do Som
Luciano Dias
 
Arte Moderna - Vanguardas
Arte Moderna - VanguardasArte Moderna - Vanguardas
Arte Moderna - Vanguardas
Luciano Dias
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte Contemporânea
Luciano Dias
 
Roteiro de Documentário
Roteiro de DocumentárioRoteiro de Documentário
Roteiro de Documentário
Luciano Dias
 
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Luciano Dias
 
Literatura de Cordel
Literatura de CordelLiteratura de Cordel
Literatura de Cordel
Luciano Dias
 
Design: Bauhaus
Design: BauhausDesign: Bauhaus
Design: Bauhaus
Luciano Dias
 
Perspectiva Linear
Perspectiva LinearPerspectiva Linear
Perspectiva Linear
Luciano Dias
 
Arte Moderna - Cubismo
Arte Moderna - CubismoArte Moderna - Cubismo
Arte Moderna - Cubismo
Luciano Dias
 
Arte na Grécia Antiga
Arte na Grécia AntigaArte na Grécia Antiga
Arte na Grécia Antiga
Luciano Dias
 

Mais de Luciano Dias (10)

Parâmetros do Som
Parâmetros do SomParâmetros do Som
Parâmetros do Som
 
Arte Moderna - Vanguardas
Arte Moderna - VanguardasArte Moderna - Vanguardas
Arte Moderna - Vanguardas
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte Contemporânea
 
Roteiro de Documentário
Roteiro de DocumentárioRoteiro de Documentário
Roteiro de Documentário
 
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
 
Literatura de Cordel
Literatura de CordelLiteratura de Cordel
Literatura de Cordel
 
Design: Bauhaus
Design: BauhausDesign: Bauhaus
Design: Bauhaus
 
Perspectiva Linear
Perspectiva LinearPerspectiva Linear
Perspectiva Linear
 
Arte Moderna - Cubismo
Arte Moderna - CubismoArte Moderna - Cubismo
Arte Moderna - Cubismo
 
Arte na Grécia Antiga
Arte na Grécia AntigaArte na Grécia Antiga
Arte na Grécia Antiga
 

Último

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (2)

  • 1. Produção Audiovisual Parte 3 – Roteiro para Audiovisual CEFET-RJ Campus Maria da Graça
  • 2. Narrativa - Narrativa clássica - Desconstrução da narrativa (quebra com as regras de seqüência linear do tempo, seqüências embaralhadas e ordem invertida dos quadros) - Paradigmas CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 3. ESTRUTURA DA NARRATIVA CLÁSSICA Início: Personagem e objetivo (1º.ato) Geralmente no início de algum filme os personagens principais são apresentados e contextualizados. São apresentadas características físicas, psicológicas e sociais. Com algumas definições, já é possível vislumbrar os objetivos de cada personagem, coerentes com suas personalidades, em relação a história contada no filme. Eles podem permanecer os mesmos até o final ou serem alterados de acordo com a trajetória da história. Meio: Obstáculo (2º.ato) Os obstáculos que impedem a concretização de objetivos específicos são apresentados como forma de entreter e prender a atenção do espectador. Justifica a razão de existir do filme. São os obstáculos que promovem e justificam as ações dos personagens de acordo com seus objetivos. Fim: Solução (3º.ato) Após os obstáculos serem apresentados, a solução para cada um deles é apresentada. É o final do filme, que mostra se a solução foi concretizada. Filmes clássicos geralmente terminam com finais felizes. CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 4. Narrativa Clássica Aristotélica: Estrutura em três atos: início, meio e fim. Manuais de roteiro. Ex: Syd Field, exposição, conflito e resolução A Jornada do Herói: - O Herói de Mil Faces, Joseph Campbell (1949) e A Jornada do Escritor, de Christopher Vogler (1990) - Influenciou o cinema de Hollywood, Disney, George Lucas e Spielberg (Star Wars) - Estrutura de arquétipos baseada em Carl Jung e na mitologia grega CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 5. Arquétipos Herói: Aquele que se sacrifica por um bem coletivo. (e Anti-Herói) Mentor: Figura mais experiente que motiva e fornece dons ou ferramentas para o Herói durante sua Jornada. Guardião de Limiar: Personagem ou situações que impedem a entrada do Herói na Jornada. Limite entre o cotidiano do Herói e sua aventura. Arauto: Anuncia para o Herói o chamado à aventura. Pode ser o Mentor, o Vilão ou simplesmente um objeto como, por exemplo, uma carta. Camaleão: Personagem com personalidade dúbia, nunca se sabe ao certo se ele está do lado do bem ou do mal. Por exemplo, o aliado que se revela inimigo no final ou o inimigo que salva o Herói em algum momento. Sombra: Normalmente é o Vilão da história e deseja a destruição do Herói. Personificação dos monstros internos de medos e traumas do subconsciente. Pícaro: Personagem de alívio cômico para equilibrar a seriedade da história. Serve também para derrubar o status quo do Herói e quebrar seu orgulho. CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 6. Estágio Um: Mundo Comum Cotidiano do Herói, sua zona de conforto. Estágio Dois: Chamado à Aventura Herói recebe um chamado a uma aventura inesperada. Estágio Três: Recusa do Chamado Herói normalmente recusa ao chamado pois prefere ficar em sua zona de conforto. Estágio Quatro: Encontro com o Mentor Herói encontra um Mentor que o motiva e fornece dons para a aventura. Estágio Cinco: Travessia do Primeiro Limiar Herói enfrenta os guardiões entre seu mundo comum e o mundo da aventura. Estágio Seis: Testes, Aliados, Inimigos Herói conhece o mundo especial, suas regras, amigos, inimigos e enfrenta diversos testes. CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 7. Estágio Sete: Aproximação da Caverna Oculta Neste momento o herói se aproxima da grande provação Estágio Oito: Provação Na grande provação o herói chega no limite entre a vida e a morte na luta contra o Vilão, mas é salvo milagrosamente. Estágio Nove: Recompensa (Apanhando a Espada) Por vencer a provação, Herói conquista uma recompensa. Estágio Dez: Caminho de Volta Voltando para casa o herói se depara com uma ameaça muito maior. Aqui ele morre. Estágio Onze: Ressurreição Como recompensa pelo seu sacrifício, o herói ressucita dos mortos e vence a grande ameaça final, tornando-se um ser superior. Estágio Doze: Retorno com o Elixir O herói então volta para casa (mundo comum) ou fica no mundo especial, porém agora como uma nova pessoa, com novos conceitos e totalmente diferente do que era no início. CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 8.
  • 9. Elaboração de roteiro - Storyline - Argumento / sinopse - Escaleta - Primeiro tratamento CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 10. Storyline - Conta a história principal do filme - Resumo em poucas linhas da ação principal da história - Conflito, espinha dramática da trama - Começo, meio e fim Exemplos: -“Era uma vez um príncipe cujo pai, o rei, foi assassinado por seu próprio irmão com o fim de ficar com o trono. Este crime conduziu o jovem a uma crise existencial que deu em uma onda de mortes, incluindo a sua.” Hamlet, de Shakespeare CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 11. Argumento - Uma página - Desenvolvimento dos personagens principais (caráter, motivações, objetivos) - Localização da história no tempo e no espaço “...começa aqui, passa por ali e termina aqui...” CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 12. Fichas de cenas (escaleta) -Uma ficha para cada cena Int-ext; locação; dia-noite Descrição da cena e personagens CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 13. Roteiro (primeiro tratamento) Formatação: roteiro literário e roteiro de TV Roteiro literário: Int-ext; locação; dia-noite Ação Personagem Fala CEFET-RJ - Coordenação de Artes