SlideShare uma empresa Scribd logo
Prática da orientação educacional no
processo de avaliação: :
LIMITES E POSSIBILIDADES PARA MEDIR E
AVALIAR, CONCEITOS BÁSICOS:
AS DIVERSAS CONCEPÇÕES DA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA OU
CLASSIFICATÓRIA, DIALÉTICA,
LIBERTADORA, MULTIRREFERENCIAL,
MEDIADORA E SEUS SIGNIFICADOS E
IMPACTOS NA PRÁTICA DO TRABALHO
PEDAGÓGICO
By PresenterMedia.com
O OE pode e deve propor melhorias no
método de avaliação atual, como deve
auxiliar os professores a diagnosticar
qual a melhor avaliação para
determinada turma (ou grupo de
alunos).
Avaliação escolar
A avaliação abrange três
dimensões:
• o desempenho do aluno;
• o desempenho do professor;
• a adequação do programa.
3
Tipos de avaliação
Avaliação diagnóstica
Avaliação formativa
Avaliação somativa
Classificatória=exames
Avaliação mediadora
Avaliação por competência
4
Luckesi
Hoffmann
Libâneo
PerrenoudHernández
Hamurabi
R.C.
Haydt
AVALIAÇÃO
EXAMINAR AVALIAR
É UM PARADIGMA ARCAICO É UM NOVO PARADIGMA
SELETIVO E CLASSIFICATÓRIO MEDIADORA
EXCLUDENTE INCLUDENTE
PUNITIVO E PREMIATIVO JUSTA
AUTORITÁRIA DEMOCRÁTICA
REPROVATÓRIA SOCIO AFETIVO
REPRODUTORA FORMATIVO
EXAMINAR AVALIAR
QUANTITATIVA QUALITATIVA
PONTUAL PROCESSUAL
ESTÁTICO DINÂMICO
NÃO AJUDA O LUMINOUS A
DESENVOLVEREM-SE
AJUDA A SE DESENVOLVER
VISÃO UNILATERAL E UNIDIMENSIONAL; À VISÃO DIALÓGICA E DE NEGOCIAÇÃO
DE PRIVILÉGIO A HOMOGENEIDADE E A
REPETIÇÃO
RESPEITO À INDIVIDUALIDADE,
CONFIANÇA NA CAPACIDADE DE TODOS E
A SOCIALIZAÇÃO
INTENÇÃO DE APRESENTAÇÃO E
JUSTIFICAÇÃO DE RESULTADOS;
INTENÇÃO DE ACOMPANHAMENTO
PERMANENTE, DE MEDIAÇÃO, DE
INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PARA A
MELHORIA DA APRENDIZAGEM;
• O que é uma avaliação na perspectiva
amorosa, afetiva, acolhedora?
De acordo com Luckesi entender a avaliação da
aprendizagem escolar como um ato amoroso,
na medida em que a avaliação tem por
objetivo diagnosticar e incluir o educando,
pelos mais variados meios, no curso da
aprendizagem satisfatória, que integre todas
as suas experiências de vida.
9
Oe aula 04
Para Jussara Hoffmann
–A avaliação é reflexão transformada em ação.
Ação essa, que nos impulsiona para novas
reflexões. Reflexão permanente do educador
sobre a realidade, e acompanhamento , passo a
passo do educando, na sua trajetória de
construção de conhecimento. (p.18)
11
12
Para Perrenoud (1999)
–A avaliação da aprendizagem, no novo paradigma,
é um processo mediador na construção do
currículo e se encontra intimamente relacionada à
gestão da aprendizagem dos alunos;
–Na avaliação da aprendizagem, o professor não
deve permitir que os resultados das provas
periódicas, geralmente de caráter classificatório,
sejam supervalorizados em detrimento de suas
observações diárias, de caráter diagnóstico.
–A avaliação é um processo que deve estar a
serviço das individualizações da aprendizagem.
13
Para que a avaliação no processo
de formação possa expressar
concretamente as competências
desenvolvidas pelos indivíduos, é
preciso que a formação e a
'avaliação por competências'
sejam coerentemente planejadas
em conjunto. Neste caso, a
avaliação cumpre com suas três
funções básicas: diagnóstica,
formativa e acreditativa
(Hernández, 1998).
14
Avaliação por competências
‘avaliação por competências’ define-se como
um processo com vários grandes passos, a
saber:
a) definição de objetivos;
b) levantamento de evidências;
c) comparação das evidências com os
objetivos;
d) julgamento (competente ou não
competente).
15
1. Avaliação Processual – É a avaliação
continua, com prevalência dos aspectos
qualitativos sobre quantitativos.
2. Avaliação Pontual – É a avaliação de
resultado. Exame.
FIM DO BLOCO 1
Princípios da avaliação
Integralidade
Funcionalidade
Orientação
Sistematicidade
Princípios da avaliação
Integralidade - A avaliação deve
perceber o estudante como um
todo, considerando todos os
envolvidos no processo.
Princípios da avaliação
Funcionalidade – Relaciona a
avaliação aos objetivos
educacionais.
Princípios da avaliação
Orientação – Direciona a prática
escolar. Ela não pode assumir um
caráter excludente.
Princípios da avaliação
Sistematicidade – A avaliação deve
ser muito bem planejada,
integrando todo o trabalho
educativo.
Seguem abaixo, as principais características da
avaliação escolar conforme Libâneo:
1. Reflete a unidade objetivos-conteúdos-
métodos
2. Possibilita a revisão do plano de ensino
3. Ajuda a desenvolver capacidades e
habilidades
4. Volta-se para a atividade dos alunos
5. Deve ser objetiva
6. Ajuda na percepção do professor
7. Reflete valores e expectativas do professor
em relação aos alunos
Verificação
Qualificação
Apreciação
Qualitativa
Esse autor ainda nos traz como tarefas da avaliação a
verificação, a qualificação e a apreciação qualitativa.
1. Verificação – Coleta de dados por meio de
provas, exercícios e tarefas ou outros meios
auxiliares.
2. Qualificação – Comprovação dos resultados
alcançados e conforme o caso, atribuição de
notas.
3. Apreciação Qualitativa – Avaliação
propriamente dita, referindo-se aos padrões
de desempenho esperados.
Regina Celia Haydt
Funções da avaliação
Diagnóstica
Formativa
Somativa
27
FUNÇÃO DIAGNÓSTICA
É realizada no início do processo para direcionar o
trabalho do professor.
Nessa fase são estudados e levantados os
conhecimentos prévios dos alunos para que o professor
possa verificar como colocará em prática o seu
planejamento, de forma a atender as características dos
alunos.
FUNÇÃO FORMATIVA OU PROCESSUAL
É realizada durante o processo para acompanhar
o desenvolvimento dos alunos.
A função formativa proporciona ao professor e
aos estudantes as informações necessárias para
corrigir as possíveis falhas, estimulando todos a
continuarem o trabalho. Nessa fase encontra-se
o famoso feedback que reorienta os envolvidos
em suas tarefas de forma positiva.
FUNÇÃO SOMATIVA (CLASSIFICATÓRIA)
É realizada ao final do processo, classificando
os alunos quanto ao nível de
desenvolvimento. Esta fase oferece também
as informações necessárias para o registro das
atividades que foram desempenhadas pelos
alunos.
Libâneo classifica a avaliação em três
funções:
1. Pedagógico-didática,
2. diagnóstica
3. controle.
PEDAGÓGICO-DIDÁTICA
Está relacionada ao cumprimento dos
objetivos educacionais. Essa avaliação
ajuda na compreensão acerca do
alcance dos objetivos educacionais..
DIAGNÓSTICA
Apresenta os avanços e os problemas dos alunos
junto com a atuação do professor.
Ocorre em três fases
Início – Para sondar os conhecimentos;
Durante – Para acompanhar o desenvolvimento
dos professores e alunos;
Final – Para verificar o resultado do trabalho
desenvolvido.
Com essas informações o professor poderá
propor modificações durante o processo de
ensino e aprendizagem.
CONTROLE
Está relacionada aos meios e a frequência das
verificações e de qualificação dos resultados
escolares, permitindo também o diagnóstico das
situações didáticas.
Segundo Libâneo Essas três funções atuam de
forma interdependentes, não podendo ser
isoladas!
Outras formas de avaliação que já foram
indagadas em concursos,
Avaliação Informal: Faz parte do processo
desenvolvido pelo professor que consiste em
elogios, castigos, ameaças entre outros aspectos
em que o educador traça sobre o perfil do aluno
durante o processo de ensino.
Para Freitas, esse tipo de avaliação consiste na
construção, pelo professor, “de juízos gerais
sobre o aluno, cujo processo de constituição está
encoberto e é aparentemente assistemático”.
Avaliação formal: É formada por
instrumentos específicos de avaliação como
provas, trabalhos e tarefas organizadas.
Compõe-se das práticas “que envolvem o
uso de instrumentos explícitos de avaliação,
cujos resultados podem ser examinados
objetivamente pelo aluno, à luz de um
procedimento claro” (Freitas).
FIM DO BLOCO 2
FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO NAS
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS
• FUNÇÃO DA AVALIAÇÃO TRADICIONAL: É
exercida de forma classificatória com
memorização e reprodução através de provas e
exercícios.
• AVALIAÇÃO - ESCOLA NOVA: Há a valorização
dos aspectos afetivos (ATITUDES) , valores e
princípios. A auto avaliação está presente
priorizando o desenvolvimento individual do
aluno.
1. AVALIAÇÃO - TECNICISTA: É analisada através
do comportamento desejado. Há o apego aos
livros didáticos, a produtividade do aluno
com exercícios programados.
2. AVALIAÇÃO - LIBERTÁRIA: Não há uma
avaliação dos conteúdos.
3. AVALIAÇÃO - LIBERTADORA: Busca a
emancipação do grupo.
4. AVALIAÇÃO - HISTÓRICO-CRÍTICA: Existe a
tomada de decisão para a transformação da
sociedade. Função diagnóstica.
AVALIAÇÃO MULTIRREFERENCIAL
Jacques Ardoino. Ele foi o grande pensador e
criador da ideia da multirreferencialidade.
AVALIAÇÃO MULTIRREFERENCIAL: esse
tipo de avaliação conjuga várias
abordagens, disciplinas diversas, de tal
modo que uma ação não reduz a outra,
mas leva a uma compreensão diferente
daquela elaborada pelo método cartesiano.
Pluralidade e a heterogeneidade.
Nesse caso é a possibilidade de várias respostas
possíveis dentro de uma determinada análise.
INSTRUMENTOS DE MEDIDA E
AVALIAÇÃO COMO SUBSÍDIOS NO
TRABALHO DE ORIENTAÇÃO
EDUCACIONAL:
46
OE tem diversas funções e a avaliação um leque
de ações que o OE pode usar de forma
preventiva ou remediativa.
São preventivas aquelas ações do OE que visam,
antecipando os problemas que podem ocorrer,
tomar providências para que não ocorram.
Já as remediativas são aquelas que o OE deve
utilizar depois que os problemas tiverem
ocorrido.
E a observação, análise de cenário,
entrevistas, questionário, testes
sociométricos, testes vocacionais, o projeto
de pesquisa como caminho para
elaboração de medidas compõem-se alguns
dos critérios que estudaremos a seguir para
entender essa parte importante do
trabalho do OE.
ANÁLISE DE CENÁRIO:
ENTREVISTAS:
As entrevistas podem ser estratégia
tanto de diagnóstico como de ações e
que podem ser tanto remediativas
quanto preventivas, dependendo do
que seja o objetivo.
A entrevista com os alunos e/ou com seus
pais poderá ser marcada por convocação
do SOE ou por solicitação dos interessados.
Em algumas situações, podem ser
chamados professores ou outros
funcionários para tratar de assuntos
específicos.
• De acordo com a literatura que trata das entrevistas
no OE, estas devem ser agendadas. É necessário
também que a pessoa seja informada sobre o
tempo de duração delas, para que haja objetividade
na prestação das informações e aproveitamento do
tempo.
• As entrevistas precisam, ainda, ser conduzidas de
modo que se chegue a resultados satisfatórios, isto
é, que os objetivos pretendidos com elas sejam
alcançados.
•Na condução da entrevista, deve-se ter
uma postura adequada e somente fazer
intervenções verbais oportunas. É
importante que se ouça atentamente o
que é dito pelo aluno, pelo pai ou
responsável durante ela.
Igualmente relevante é prestar atenção à voz
de quem fala, às mudanças de entonação e
como e quando estas ocorrem, isto é, de que
a pessoa estava tratando no momento. Da
mesma forma, deve-se observar o
comportamento não verbal, o que inclui a
postura de quem fala, os gestos, as
expressões faciais, maneirismos e as
mudanças de posição, conforme o assunto
tratado.
Às vezes, a pessoa pensa uma coisa e,
consciente ou inconscientemente, diz
outra diferente. Por este motivo, é
preciso que o OE não se restrinja apenas
a ouvir o que o entrevistado fala, mas
que analise e registre como ele o faz.
•Acabada a entrevista, é necessário
que se faça um registro do que foi
tratado e colocá-lo na pasta do aluno,
do professor ou do funcionário, de
acordo com o que ocorreu. São
empregados em OE vários tipos de
entrevistas, com diferentes
finalidades.
De acordo com Lia Renata, na realização de
entrevistas, precisam ser tomados alguns
cuidados como:
- marcá-las em horários que não conflitem
com outras atividades;
- delimitar o tempo de sua duração;
- procurar sempre manter a objetividade;
- ética e discrição no trato das questões;
- organizar um breve roteiro para facilitar a sua
condução;
- providenciar, com antecedência, fichas, gráficos de
aproveitamento escolar e de frequência ou outros
materiais que possam ilustrar os problemas
tratados, e registrar, devidamente, o que tiver sido
conversado e decidido em cada entrevista, passando
para a ficha cumulativa, se houver, o que for
significativo.
- As solicitações devem ser impressas e assinadas.
- Eventuais retornos devem ser agendados.
• As entrevistas tanto podem ser solicitadas
pelos pais para pedir esclarecimentos,
orientação, ou falar sobre dificuldades
escolares ou problemas de relacionamento
de seus filhos, como podem ser convocadas
pelo OE, para tratar do baixo rendimento
escolar, dificuldades de aprendizagem,
problemas de disciplina ou de questões na
família que estejam interferindo no
desempenho escolar.
FIM DO BLOCO 3
QUESTIONÁRIOS E TESTES
SOCIOMÉTRICOS:
Notas: testes sociométricos também são
conhecidos como técnica
sociométrica.
Psicoterapeuta Jacob Levy Moreno
Conceito
A palavra sociometria, derivada do latim, é
resultante da junção das
palavras socius (social) e metrum (medida).
Podemos então a partir da sua definição
etimológica, entender como referente ao
estabelecimento de medidas de variáveis
sociais, ou medição do grau de vinculação
entre indivíduos de um grupo.
A sociometria explora, mapeia e mensura
relações ou vínculos estabelecidos entre forças
sociais individuais, que por um olhar direto não é
perceptível, atuando em redes de interação no
seio de um grupo de uma determinada
organização (empresa, sala de aula, comunidade
partidária ou grupamento de militares). A
sociometria pode ser entendida também como o
estudo dos vínculos existentes entre indivíduos,
enquanto formadores sociais.
Técnica
A técnica sociométrica e o sociograma
(que é a sua representação gráfica)
permitem:
1- verificar como estão as relações sociais
no ambiente de trabalho;
2- reconhecer os líderes aceitos;
3- identificar as pessoas que, por algum
motivo, estão marginalizadas;
4- reconhecer as redes sociais: conjuntos específicos de
ligações entre um determinado conjunto de indivíduos.
a) Panelinhas: grupos informais relativamente
permanentes, envolvendo a amizade.
b) Estrelas: os indivíduos que fazem conexão entre dois
ou mais grupos, sem serem membros de qualquer um
deles.
C) Pontes: os indivíduos que servem de ligação ao
pertencer a dois ou mais grupos.
d) Isolados: os indivíduos que não estão conectados à
rede social.
Moreno propõe um instrumento, o teste
sociométrico, que consiste num questionário
com um número limitado de perguntas (até 5),
em que cada membro do grupo é interrogado
sobre as suas preferências em situações muito
concretas e por ordem de prioridades.
Os resultados do teste são registados num
quadro de dupla entrada, denominada por
matriz sociométrica, apresentando as suas
preferência e rejeições.
De acordo com a literatura, é
muito mais uma técnica do que
um teste, propriamente dito.
O que varia, nessa técnica, são as
instruções, passadas de acordo
com a finalidade para a qual o teste
esteja sendo aplicado, e a maneira
de lidar com os resultados.
• Os profissionais têm usado essa técnica
com sucesso e com certa constância, como
em terapias de grupo, na escolha de
chefes e na formação de equipes e de
grupos de trabalho.
• É usada em empresas e escolas, onde há
muitas aplicações para ela.
E nas escolas, como é usada?
Nesse caso, é usada na formação de
equipes de alunos para trabalhos em
grupos e para a descoberta ou
confirmação de lideranças. Também é
usada para diagnosticar problemas de
aprendizagem..
A sociometria também é bastante
válida em casos de turmas
indisciplinadas, turmas consideradas
difíceis pelo comportamento dos
alunos.
A sociometria pode ajudar a melhorar o
comportamento da turma, desde que seja utilizada de
maneira correta.
Como é uma técnica, os dados são coletados e passam
a ser usados como resultados de testes ou dados de
pesquisa, podendo ser tabulados de várias maneiras e
os resultados colocados em gráficos para melhor
visualização. Os dados são passados, primeiramente,
numa folha chamada de sociomatriz e desta para um
gráfico chamado sociograma
FOLHA= SOCIOMATRIZ
GRÁFICO= SOCIOGRAMA
Uma das grandes vantagens da sociometria é
que o teste pode ser repetido a intervalos
regulares, a fim de analisar a evolução das
interações e, se for o caso, verificar se as
intervenções do SOE estão surtindo efeito..
TESTES VOCACIONAIS
O trabalho de orientação vocacional se desenvolve
nos seguintes planos:
- Formação com os pais, alunos e professores de
uma mentalidade científica em torno da Orientação
Vocacional.
- Coleta de informações ocupacionais e
educacionais que a comunidade oferece, através de
plano conjunto desenvolvido por pais, professores e
alunos.
- Síntese geral da evolução da personalidade do
aluno, a partir do ensino fundamental.
A orientação vocacional é um processo
científico e objetivo.
Um conceito interessante sobre o que é a OV.
“Uma ciência que possibilita o conhecimento do
indivíduo, do meio social e de suas exigências, à
determinação específica das ocupações (profissão,
cargos, funções...), às possibilidades de formação e
de acesso às mesmas”.
APTIDÃO.
Aptidão é a capacidade de executar certas
operações que foram manifestamente adquiridas
pelo exercício. Assim, “aptidão”, para cortar
madeira, para tocar piano, para conduzir um
veículo.
O termo latino que que dá origem à capacidade
esclarece bem a diferença entre capacidade e
aptidão. Capacidade, capaz, vem do latim, CAP.
Capacidade de fazer alguma coisa.
Como a OV funciona?
• O primeiro passo consiste em descobrir as
características do indivíduo.
• Este processo, via de regra, envolve uma
cuidadosa entrevista planificada para revelar
os interesses, as experiências e as
preferências do indivíduo.
• Nas escolas, a ficha cumulativa deverá,
costumeiramente, conter muitas das informações
básicas desejadas. O OE usará essas informações –
suplementadas, caso necessário – para delinear
com maior clareza as características dos
estudantes orientadas para o trabalho. Na maioria
dos casos, testes padronizados serão usados para
fornecer estimativas mais precisas de suas
capacidades, realizações, interesses e dimensões
de personalidade.
Após agrupar tais dados, serão feitas
inferências sobre a natureza do
estudante, bem como predições sobre o
tipo de trabalho onde pode encontrar
satisfação e que possa desempenhar de
uma forma satisfatória.
• O segundo passo reclama uma análise de
exigências específicas de várias ocupações, assim
como o estabelecimento de julgamentos sobre
uma previsão a longo prazo para o emprego
nessas ocupações. Algumas vezes, esta análise
está baseada em dados psicométricos, que nos
informam o nível de capacidade e de aptidões
especiais de trabalhadores que estão exercendo
sua profissão.
FIM DO TEMA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Supervisor Escolar
Supervisor EscolarSupervisor Escolar
Supervisor Escolar
Graciane Volotao
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Silvia Marina Anaruma
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Marcelo Assis
 
Projeto de criação da Clínica Escola de Neuropsicopedagogia CEN
Projeto de criação da Clínica Escola de Neuropsicopedagogia CENProjeto de criação da Clínica Escola de Neuropsicopedagogia CEN
Projeto de criação da Clínica Escola de Neuropsicopedagogia CEN
JananaBragaBrennea
 
Metodo Paulo Freire slides
Metodo Paulo Freire slidesMetodo Paulo Freire slides
Metodo Paulo Freire slides
Sandra Maria Straube
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Cleyton Carvalho
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Ana Rita S de Souza
 
Psicologia da educação 1
Psicologia da educação 1Psicologia da educação 1
Psicologia da educação 1
Universidade Federal do Ceará
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
Cursos Profissionalizantes
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Shirley Lauria
 
Conselho Escolar
Conselho EscolarConselho Escolar
Conselho Escolar
Najara Nascimento
 
Metodos
MetodosMetodos
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
ELOI DE OLIVEIRA BATISTA
 
Plano de aula: prática esquecida pelo professor?
Plano de aula: prática esquecida pelo professor?Plano de aula: prática esquecida pelo professor?
Plano de aula: prática esquecida pelo professor?
Valeria Rios
 
COMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDECOMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDE
Valdiane Melo
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO -  SIMULADO COM 50 QUESTÕESALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO -  SIMULADO COM 50 QUESTÕES
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
Valdeci Correia
 
Luckesi avaliação
Luckesi avaliaçãoLuckesi avaliação
Luckesi avaliação
Rosita Pereira
 
Supervisão pedagógica princípios e práticas
Supervisão pedagógica princípios e práticasSupervisão pedagógica princípios e práticas
Supervisão pedagógica princípios e práticas
Ulisses Vakirtzis
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Anaí Peña
 
O que é gestão escolar césar tavares
O que é gestão  escolar césar tavaresO que é gestão  escolar césar tavares
O que é gestão escolar césar tavares
CÉSAR TAVARES
 

Mais procurados (20)

Supervisor Escolar
Supervisor EscolarSupervisor Escolar
Supervisor Escolar
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Projeto de criação da Clínica Escola de Neuropsicopedagogia CEN
Projeto de criação da Clínica Escola de Neuropsicopedagogia CENProjeto de criação da Clínica Escola de Neuropsicopedagogia CEN
Projeto de criação da Clínica Escola de Neuropsicopedagogia CEN
 
Metodo Paulo Freire slides
Metodo Paulo Freire slidesMetodo Paulo Freire slides
Metodo Paulo Freire slides
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
 
Psicologia da educação 1
Psicologia da educação 1Psicologia da educação 1
Psicologia da educação 1
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
 
Conselho Escolar
Conselho EscolarConselho Escolar
Conselho Escolar
 
Metodos
MetodosMetodos
Metodos
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Plano de aula: prática esquecida pelo professor?
Plano de aula: prática esquecida pelo professor?Plano de aula: prática esquecida pelo professor?
Plano de aula: prática esquecida pelo professor?
 
COMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDECOMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDE
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO -  SIMULADO COM 50 QUESTÕESALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO -  SIMULADO COM 50 QUESTÕES
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
 
Luckesi avaliação
Luckesi avaliaçãoLuckesi avaliação
Luckesi avaliação
 
Supervisão pedagógica princípios e práticas
Supervisão pedagógica princípios e práticasSupervisão pedagógica princípios e práticas
Supervisão pedagógica princípios e práticas
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
 
O que é gestão escolar césar tavares
O que é gestão  escolar césar tavaresO que é gestão  escolar césar tavares
O que é gestão escolar césar tavares
 

Semelhante a Oe aula 04

Tipos de avaliações
Tipos de avaliaçõesTipos de avaliações
Tipos de avaliações
Lauri Rene Reis Filho
 
Avaliacao formativa
Avaliacao formativaAvaliacao formativa
Avaliacao formativa
Marcelo Brito
 
M.s. mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
M.s.   mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3M.s.   mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
M.s. mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
lislieribeiro
 
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
SimoneHelenDrumond
 
28. simulado comentado avaliação.docx
28. simulado comentado avaliação.docx28. simulado comentado avaliação.docx
28. simulado comentado avaliação.docx
AlineMelo123
 
Aval formativa
Aval formativaAval formativa
Aval formativa
ziquinha
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
Claudia Elisabete Silva
 
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - reaA avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
Elizeu Gomes de Faria
 
Avaliacao como-processo-de-construcao
Avaliacao como-processo-de-construcaoAvaliacao como-processo-de-construcao
Avaliacao como-processo-de-construcao
Santilho Antonio Guimarães Neto
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
Marcos Ra
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
Ana Claudia Dalcin
 
Avaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorAvaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superior
Ana Claudia Dalcin
 
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia ...
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia   ...Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia   ...
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia ...
vinicius_lyma
 
08 avaliacao-e-registro
08 avaliacao-e-registro08 avaliacao-e-registro
08 avaliacao-e-registro
Joao Balbi
 
Artigo clenilson
Artigo clenilsonArtigo clenilson
Artigo clenilson
Ribeiro DE Sousa
 
AvaliaçãO
AvaliaçãOAvaliaçãO
AvaliaçãO
Maristela Couto
 
Supervisão
SupervisãoSupervisão
Supervisão
Helena Zanotto
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
Miriéli Bernardes
 
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazerA avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
Daniel Santos
 
Avaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpiAvaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpi
Robson Eugênio
 

Semelhante a Oe aula 04 (20)

Tipos de avaliações
Tipos de avaliaçõesTipos de avaliações
Tipos de avaliações
 
Avaliacao formativa
Avaliacao formativaAvaliacao formativa
Avaliacao formativa
 
M.s. mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
M.s.   mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3M.s.   mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
M.s. mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
 
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
 
28. simulado comentado avaliação.docx
28. simulado comentado avaliação.docx28. simulado comentado avaliação.docx
28. simulado comentado avaliação.docx
 
Aval formativa
Aval formativaAval formativa
Aval formativa
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
 
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - reaA avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
 
Avaliacao como-processo-de-construcao
Avaliacao como-processo-de-construcaoAvaliacao como-processo-de-construcao
Avaliacao como-processo-de-construcao
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Avaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorAvaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superior
 
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia ...
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia   ...Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia   ...
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia ...
 
08 avaliacao-e-registro
08 avaliacao-e-registro08 avaliacao-e-registro
08 avaliacao-e-registro
 
Artigo clenilson
Artigo clenilsonArtigo clenilson
Artigo clenilson
 
AvaliaçãO
AvaliaçãOAvaliaçãO
AvaliaçãO
 
Supervisão
SupervisãoSupervisão
Supervisão
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazerA avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
 
Avaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpiAvaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpi
 

Mais de Kualo Kala

Apostila afonso ferra
Apostila afonso ferraApostila afonso ferra
Apostila afonso ferra
Kualo Kala
 
50 questões daq bancacespe conhecimentos pedag
50 questões daq bancacespe conhecimentos pedag50 questões daq bancacespe conhecimentos pedag
50 questões daq bancacespe conhecimentos pedag
Kualo Kala
 
Administrador
AdministradorAdministrador
Administrador
Kualo Kala
 
Concep de educ
Concep de educConcep de educ
Concep de educ
Kualo Kala
 
A piscogênese da lingua escrita
A piscogênese da lingua escritaA piscogênese da lingua escrita
A piscogênese da lingua escrita
Kualo Kala
 
Orientacao educacional
Orientacao educacionalOrientacao educacional
Orientacao educacional
Kualo Kala
 
Lom
LomLom
A teoria e prática da orientação educacional
A teoria e prática da orientação educacionalA teoria e prática da orientação educacional
A teoria e prática da orientação educacional
Kualo Kala
 
A orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteA orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmente
Kualo Kala
 
Predicação verbal
Predicação verbalPredicação verbal
Predicação verbal
Kualo Kala
 
Sidney lingua portuguesa_regencia
Sidney lingua portuguesa_regenciaSidney lingua portuguesa_regencia
Sidney lingua portuguesa_regencia
Kualo Kala
 
Agente de transito_belford_roxo
Agente de transito_belford_roxoAgente de transito_belford_roxo
Agente de transito_belford_roxo
Kualo Kala
 
Orientador educacional bio rio barra mansa
Orientador educacional  bio rio barra mansaOrientador educacional  bio rio barra mansa
Orientador educacional bio rio barra mansa
Kualo Kala
 
A questão do magistério no plano nacional de educação
A questão do magistério no plano nacional de educaçãoA questão do magistério no plano nacional de educação
A questão do magistério no plano nacional de educação
Kualo Kala
 
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
Kualo Kala
 
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
Kualo Kala
 
22 exercícios - inequação produto e quociente (1)
22   exercícios - inequação produto e quociente (1)22   exercícios - inequação produto e quociente (1)
22 exercícios - inequação produto e quociente (1)
Kualo Kala
 

Mais de Kualo Kala (17)

Apostila afonso ferra
Apostila afonso ferraApostila afonso ferra
Apostila afonso ferra
 
50 questões daq bancacespe conhecimentos pedag
50 questões daq bancacespe conhecimentos pedag50 questões daq bancacespe conhecimentos pedag
50 questões daq bancacespe conhecimentos pedag
 
Administrador
AdministradorAdministrador
Administrador
 
Concep de educ
Concep de educConcep de educ
Concep de educ
 
A piscogênese da lingua escrita
A piscogênese da lingua escritaA piscogênese da lingua escrita
A piscogênese da lingua escrita
 
Orientacao educacional
Orientacao educacionalOrientacao educacional
Orientacao educacional
 
Lom
LomLom
Lom
 
A teoria e prática da orientação educacional
A teoria e prática da orientação educacionalA teoria e prática da orientação educacional
A teoria e prática da orientação educacional
 
A orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteA orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmente
 
Predicação verbal
Predicação verbalPredicação verbal
Predicação verbal
 
Sidney lingua portuguesa_regencia
Sidney lingua portuguesa_regenciaSidney lingua portuguesa_regencia
Sidney lingua portuguesa_regencia
 
Agente de transito_belford_roxo
Agente de transito_belford_roxoAgente de transito_belford_roxo
Agente de transito_belford_roxo
 
Orientador educacional bio rio barra mansa
Orientador educacional  bio rio barra mansaOrientador educacional  bio rio barra mansa
Orientador educacional bio rio barra mansa
 
A questão do magistério no plano nacional de educação
A questão do magistério no plano nacional de educaçãoA questão do magistério no plano nacional de educação
A questão do magistério no plano nacional de educação
 
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
 
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
 
22 exercícios - inequação produto e quociente (1)
22   exercícios - inequação produto e quociente (1)22   exercícios - inequação produto e quociente (1)
22 exercícios - inequação produto e quociente (1)
 

Último

Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 

Oe aula 04

  • 1. Prática da orientação educacional no processo de avaliação: : LIMITES E POSSIBILIDADES PARA MEDIR E AVALIAR, CONCEITOS BÁSICOS: AS DIVERSAS CONCEPÇÕES DA AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA OU CLASSIFICATÓRIA, DIALÉTICA, LIBERTADORA, MULTIRREFERENCIAL, MEDIADORA E SEUS SIGNIFICADOS E IMPACTOS NA PRÁTICA DO TRABALHO PEDAGÓGICO By PresenterMedia.com
  • 2. O OE pode e deve propor melhorias no método de avaliação atual, como deve auxiliar os professores a diagnosticar qual a melhor avaliação para determinada turma (ou grupo de alunos).
  • 3. Avaliação escolar A avaliação abrange três dimensões: • o desempenho do aluno; • o desempenho do professor; • a adequação do programa. 3
  • 4. Tipos de avaliação Avaliação diagnóstica Avaliação formativa Avaliação somativa Classificatória=exames Avaliação mediadora Avaliação por competência 4
  • 6. EXAMINAR AVALIAR É UM PARADIGMA ARCAICO É UM NOVO PARADIGMA SELETIVO E CLASSIFICATÓRIO MEDIADORA EXCLUDENTE INCLUDENTE PUNITIVO E PREMIATIVO JUSTA AUTORITÁRIA DEMOCRÁTICA REPROVATÓRIA SOCIO AFETIVO REPRODUTORA FORMATIVO
  • 7. EXAMINAR AVALIAR QUANTITATIVA QUALITATIVA PONTUAL PROCESSUAL ESTÁTICO DINÂMICO NÃO AJUDA O LUMINOUS A DESENVOLVEREM-SE AJUDA A SE DESENVOLVER VISÃO UNILATERAL E UNIDIMENSIONAL; À VISÃO DIALÓGICA E DE NEGOCIAÇÃO DE PRIVILÉGIO A HOMOGENEIDADE E A REPETIÇÃO RESPEITO À INDIVIDUALIDADE, CONFIANÇA NA CAPACIDADE DE TODOS E A SOCIALIZAÇÃO INTENÇÃO DE APRESENTAÇÃO E JUSTIFICAÇÃO DE RESULTADOS; INTENÇÃO DE ACOMPANHAMENTO PERMANENTE, DE MEDIAÇÃO, DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PARA A MELHORIA DA APRENDIZAGEM;
  • 8. • O que é uma avaliação na perspectiva amorosa, afetiva, acolhedora? De acordo com Luckesi entender a avaliação da aprendizagem escolar como um ato amoroso, na medida em que a avaliação tem por objetivo diagnosticar e incluir o educando, pelos mais variados meios, no curso da aprendizagem satisfatória, que integre todas as suas experiências de vida.
  • 9. 9
  • 11. Para Jussara Hoffmann –A avaliação é reflexão transformada em ação. Ação essa, que nos impulsiona para novas reflexões. Reflexão permanente do educador sobre a realidade, e acompanhamento , passo a passo do educando, na sua trajetória de construção de conhecimento. (p.18) 11
  • 12. 12
  • 13. Para Perrenoud (1999) –A avaliação da aprendizagem, no novo paradigma, é um processo mediador na construção do currículo e se encontra intimamente relacionada à gestão da aprendizagem dos alunos; –Na avaliação da aprendizagem, o professor não deve permitir que os resultados das provas periódicas, geralmente de caráter classificatório, sejam supervalorizados em detrimento de suas observações diárias, de caráter diagnóstico. –A avaliação é um processo que deve estar a serviço das individualizações da aprendizagem. 13
  • 14. Para que a avaliação no processo de formação possa expressar concretamente as competências desenvolvidas pelos indivíduos, é preciso que a formação e a 'avaliação por competências' sejam coerentemente planejadas em conjunto. Neste caso, a avaliação cumpre com suas três funções básicas: diagnóstica, formativa e acreditativa (Hernández, 1998). 14
  • 15. Avaliação por competências ‘avaliação por competências’ define-se como um processo com vários grandes passos, a saber: a) definição de objetivos; b) levantamento de evidências; c) comparação das evidências com os objetivos; d) julgamento (competente ou não competente). 15
  • 16. 1. Avaliação Processual – É a avaliação continua, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre quantitativos. 2. Avaliação Pontual – É a avaliação de resultado. Exame.
  • 20. Princípios da avaliação Integralidade - A avaliação deve perceber o estudante como um todo, considerando todos os envolvidos no processo.
  • 21. Princípios da avaliação Funcionalidade – Relaciona a avaliação aos objetivos educacionais.
  • 22. Princípios da avaliação Orientação – Direciona a prática escolar. Ela não pode assumir um caráter excludente.
  • 23. Princípios da avaliação Sistematicidade – A avaliação deve ser muito bem planejada, integrando todo o trabalho educativo.
  • 24. Seguem abaixo, as principais características da avaliação escolar conforme Libâneo: 1. Reflete a unidade objetivos-conteúdos- métodos 2. Possibilita a revisão do plano de ensino 3. Ajuda a desenvolver capacidades e habilidades 4. Volta-se para a atividade dos alunos 5. Deve ser objetiva 6. Ajuda na percepção do professor 7. Reflete valores e expectativas do professor em relação aos alunos
  • 25. Verificação Qualificação Apreciação Qualitativa Esse autor ainda nos traz como tarefas da avaliação a verificação, a qualificação e a apreciação qualitativa.
  • 26. 1. Verificação – Coleta de dados por meio de provas, exercícios e tarefas ou outros meios auxiliares. 2. Qualificação – Comprovação dos resultados alcançados e conforme o caso, atribuição de notas. 3. Apreciação Qualitativa – Avaliação propriamente dita, referindo-se aos padrões de desempenho esperados.
  • 27. Regina Celia Haydt Funções da avaliação Diagnóstica Formativa Somativa 27
  • 28. FUNÇÃO DIAGNÓSTICA É realizada no início do processo para direcionar o trabalho do professor. Nessa fase são estudados e levantados os conhecimentos prévios dos alunos para que o professor possa verificar como colocará em prática o seu planejamento, de forma a atender as características dos alunos.
  • 29. FUNÇÃO FORMATIVA OU PROCESSUAL É realizada durante o processo para acompanhar o desenvolvimento dos alunos. A função formativa proporciona ao professor e aos estudantes as informações necessárias para corrigir as possíveis falhas, estimulando todos a continuarem o trabalho. Nessa fase encontra-se o famoso feedback que reorienta os envolvidos em suas tarefas de forma positiva.
  • 30. FUNÇÃO SOMATIVA (CLASSIFICATÓRIA) É realizada ao final do processo, classificando os alunos quanto ao nível de desenvolvimento. Esta fase oferece também as informações necessárias para o registro das atividades que foram desempenhadas pelos alunos.
  • 31. Libâneo classifica a avaliação em três funções: 1. Pedagógico-didática, 2. diagnóstica 3. controle.
  • 32. PEDAGÓGICO-DIDÁTICA Está relacionada ao cumprimento dos objetivos educacionais. Essa avaliação ajuda na compreensão acerca do alcance dos objetivos educacionais..
  • 33. DIAGNÓSTICA Apresenta os avanços e os problemas dos alunos junto com a atuação do professor. Ocorre em três fases Início – Para sondar os conhecimentos; Durante – Para acompanhar o desenvolvimento dos professores e alunos; Final – Para verificar o resultado do trabalho desenvolvido. Com essas informações o professor poderá propor modificações durante o processo de ensino e aprendizagem.
  • 34. CONTROLE Está relacionada aos meios e a frequência das verificações e de qualificação dos resultados escolares, permitindo também o diagnóstico das situações didáticas. Segundo Libâneo Essas três funções atuam de forma interdependentes, não podendo ser isoladas!
  • 35. Outras formas de avaliação que já foram indagadas em concursos, Avaliação Informal: Faz parte do processo desenvolvido pelo professor que consiste em elogios, castigos, ameaças entre outros aspectos em que o educador traça sobre o perfil do aluno durante o processo de ensino. Para Freitas, esse tipo de avaliação consiste na construção, pelo professor, “de juízos gerais sobre o aluno, cujo processo de constituição está encoberto e é aparentemente assistemático”.
  • 36. Avaliação formal: É formada por instrumentos específicos de avaliação como provas, trabalhos e tarefas organizadas. Compõe-se das práticas “que envolvem o uso de instrumentos explícitos de avaliação, cujos resultados podem ser examinados objetivamente pelo aluno, à luz de um procedimento claro” (Freitas).
  • 38. FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS
  • 39. • FUNÇÃO DA AVALIAÇÃO TRADICIONAL: É exercida de forma classificatória com memorização e reprodução através de provas e exercícios. • AVALIAÇÃO - ESCOLA NOVA: Há a valorização dos aspectos afetivos (ATITUDES) , valores e princípios. A auto avaliação está presente priorizando o desenvolvimento individual do aluno.
  • 40. 1. AVALIAÇÃO - TECNICISTA: É analisada através do comportamento desejado. Há o apego aos livros didáticos, a produtividade do aluno com exercícios programados. 2. AVALIAÇÃO - LIBERTÁRIA: Não há uma avaliação dos conteúdos. 3. AVALIAÇÃO - LIBERTADORA: Busca a emancipação do grupo. 4. AVALIAÇÃO - HISTÓRICO-CRÍTICA: Existe a tomada de decisão para a transformação da sociedade. Função diagnóstica.
  • 42. Jacques Ardoino. Ele foi o grande pensador e criador da ideia da multirreferencialidade.
  • 43. AVALIAÇÃO MULTIRREFERENCIAL: esse tipo de avaliação conjuga várias abordagens, disciplinas diversas, de tal modo que uma ação não reduz a outra, mas leva a uma compreensão diferente daquela elaborada pelo método cartesiano.
  • 44. Pluralidade e a heterogeneidade. Nesse caso é a possibilidade de várias respostas possíveis dentro de uma determinada análise.
  • 45. INSTRUMENTOS DE MEDIDA E AVALIAÇÃO COMO SUBSÍDIOS NO TRABALHO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL:
  • 46. 46
  • 47. OE tem diversas funções e a avaliação um leque de ações que o OE pode usar de forma preventiva ou remediativa. São preventivas aquelas ações do OE que visam, antecipando os problemas que podem ocorrer, tomar providências para que não ocorram. Já as remediativas são aquelas que o OE deve utilizar depois que os problemas tiverem ocorrido.
  • 48. E a observação, análise de cenário, entrevistas, questionário, testes sociométricos, testes vocacionais, o projeto de pesquisa como caminho para elaboração de medidas compõem-se alguns dos critérios que estudaremos a seguir para entender essa parte importante do trabalho do OE.
  • 49. ANÁLISE DE CENÁRIO: ENTREVISTAS: As entrevistas podem ser estratégia tanto de diagnóstico como de ações e que podem ser tanto remediativas quanto preventivas, dependendo do que seja o objetivo.
  • 50. A entrevista com os alunos e/ou com seus pais poderá ser marcada por convocação do SOE ou por solicitação dos interessados. Em algumas situações, podem ser chamados professores ou outros funcionários para tratar de assuntos específicos.
  • 51. • De acordo com a literatura que trata das entrevistas no OE, estas devem ser agendadas. É necessário também que a pessoa seja informada sobre o tempo de duração delas, para que haja objetividade na prestação das informações e aproveitamento do tempo. • As entrevistas precisam, ainda, ser conduzidas de modo que se chegue a resultados satisfatórios, isto é, que os objetivos pretendidos com elas sejam alcançados.
  • 52. •Na condução da entrevista, deve-se ter uma postura adequada e somente fazer intervenções verbais oportunas. É importante que se ouça atentamente o que é dito pelo aluno, pelo pai ou responsável durante ela.
  • 53. Igualmente relevante é prestar atenção à voz de quem fala, às mudanças de entonação e como e quando estas ocorrem, isto é, de que a pessoa estava tratando no momento. Da mesma forma, deve-se observar o comportamento não verbal, o que inclui a postura de quem fala, os gestos, as expressões faciais, maneirismos e as mudanças de posição, conforme o assunto tratado.
  • 54. Às vezes, a pessoa pensa uma coisa e, consciente ou inconscientemente, diz outra diferente. Por este motivo, é preciso que o OE não se restrinja apenas a ouvir o que o entrevistado fala, mas que analise e registre como ele o faz.
  • 55. •Acabada a entrevista, é necessário que se faça um registro do que foi tratado e colocá-lo na pasta do aluno, do professor ou do funcionário, de acordo com o que ocorreu. São empregados em OE vários tipos de entrevistas, com diferentes finalidades.
  • 56. De acordo com Lia Renata, na realização de entrevistas, precisam ser tomados alguns cuidados como: - marcá-las em horários que não conflitem com outras atividades; - delimitar o tempo de sua duração; - procurar sempre manter a objetividade; - ética e discrição no trato das questões;
  • 57. - organizar um breve roteiro para facilitar a sua condução; - providenciar, com antecedência, fichas, gráficos de aproveitamento escolar e de frequência ou outros materiais que possam ilustrar os problemas tratados, e registrar, devidamente, o que tiver sido conversado e decidido em cada entrevista, passando para a ficha cumulativa, se houver, o que for significativo. - As solicitações devem ser impressas e assinadas. - Eventuais retornos devem ser agendados.
  • 58. • As entrevistas tanto podem ser solicitadas pelos pais para pedir esclarecimentos, orientação, ou falar sobre dificuldades escolares ou problemas de relacionamento de seus filhos, como podem ser convocadas pelo OE, para tratar do baixo rendimento escolar, dificuldades de aprendizagem, problemas de disciplina ou de questões na família que estejam interferindo no desempenho escolar.
  • 60. QUESTIONÁRIOS E TESTES SOCIOMÉTRICOS: Notas: testes sociométricos também são conhecidos como técnica sociométrica.
  • 62. Conceito A palavra sociometria, derivada do latim, é resultante da junção das palavras socius (social) e metrum (medida). Podemos então a partir da sua definição etimológica, entender como referente ao estabelecimento de medidas de variáveis sociais, ou medição do grau de vinculação entre indivíduos de um grupo.
  • 63. A sociometria explora, mapeia e mensura relações ou vínculos estabelecidos entre forças sociais individuais, que por um olhar direto não é perceptível, atuando em redes de interação no seio de um grupo de uma determinada organização (empresa, sala de aula, comunidade partidária ou grupamento de militares). A sociometria pode ser entendida também como o estudo dos vínculos existentes entre indivíduos, enquanto formadores sociais.
  • 64. Técnica A técnica sociométrica e o sociograma (que é a sua representação gráfica) permitem: 1- verificar como estão as relações sociais no ambiente de trabalho; 2- reconhecer os líderes aceitos; 3- identificar as pessoas que, por algum motivo, estão marginalizadas;
  • 65. 4- reconhecer as redes sociais: conjuntos específicos de ligações entre um determinado conjunto de indivíduos. a) Panelinhas: grupos informais relativamente permanentes, envolvendo a amizade. b) Estrelas: os indivíduos que fazem conexão entre dois ou mais grupos, sem serem membros de qualquer um deles. C) Pontes: os indivíduos que servem de ligação ao pertencer a dois ou mais grupos. d) Isolados: os indivíduos que não estão conectados à rede social.
  • 66. Moreno propõe um instrumento, o teste sociométrico, que consiste num questionário com um número limitado de perguntas (até 5), em que cada membro do grupo é interrogado sobre as suas preferências em situações muito concretas e por ordem de prioridades. Os resultados do teste são registados num quadro de dupla entrada, denominada por matriz sociométrica, apresentando as suas preferência e rejeições.
  • 67. De acordo com a literatura, é muito mais uma técnica do que um teste, propriamente dito.
  • 68. O que varia, nessa técnica, são as instruções, passadas de acordo com a finalidade para a qual o teste esteja sendo aplicado, e a maneira de lidar com os resultados.
  • 69. • Os profissionais têm usado essa técnica com sucesso e com certa constância, como em terapias de grupo, na escolha de chefes e na formação de equipes e de grupos de trabalho. • É usada em empresas e escolas, onde há muitas aplicações para ela.
  • 70. E nas escolas, como é usada? Nesse caso, é usada na formação de equipes de alunos para trabalhos em grupos e para a descoberta ou confirmação de lideranças. Também é usada para diagnosticar problemas de aprendizagem..
  • 71. A sociometria também é bastante válida em casos de turmas indisciplinadas, turmas consideradas difíceis pelo comportamento dos alunos.
  • 72. A sociometria pode ajudar a melhorar o comportamento da turma, desde que seja utilizada de maneira correta. Como é uma técnica, os dados são coletados e passam a ser usados como resultados de testes ou dados de pesquisa, podendo ser tabulados de várias maneiras e os resultados colocados em gráficos para melhor visualização. Os dados são passados, primeiramente, numa folha chamada de sociomatriz e desta para um gráfico chamado sociograma
  • 73. FOLHA= SOCIOMATRIZ GRÁFICO= SOCIOGRAMA Uma das grandes vantagens da sociometria é que o teste pode ser repetido a intervalos regulares, a fim de analisar a evolução das interações e, se for o caso, verificar se as intervenções do SOE estão surtindo efeito..
  • 75. O trabalho de orientação vocacional se desenvolve nos seguintes planos: - Formação com os pais, alunos e professores de uma mentalidade científica em torno da Orientação Vocacional. - Coleta de informações ocupacionais e educacionais que a comunidade oferece, através de plano conjunto desenvolvido por pais, professores e alunos. - Síntese geral da evolução da personalidade do aluno, a partir do ensino fundamental.
  • 76. A orientação vocacional é um processo científico e objetivo. Um conceito interessante sobre o que é a OV. “Uma ciência que possibilita o conhecimento do indivíduo, do meio social e de suas exigências, à determinação específica das ocupações (profissão, cargos, funções...), às possibilidades de formação e de acesso às mesmas”.
  • 77. APTIDÃO. Aptidão é a capacidade de executar certas operações que foram manifestamente adquiridas pelo exercício. Assim, “aptidão”, para cortar madeira, para tocar piano, para conduzir um veículo. O termo latino que que dá origem à capacidade esclarece bem a diferença entre capacidade e aptidão. Capacidade, capaz, vem do latim, CAP. Capacidade de fazer alguma coisa.
  • 78. Como a OV funciona? • O primeiro passo consiste em descobrir as características do indivíduo. • Este processo, via de regra, envolve uma cuidadosa entrevista planificada para revelar os interesses, as experiências e as preferências do indivíduo.
  • 79. • Nas escolas, a ficha cumulativa deverá, costumeiramente, conter muitas das informações básicas desejadas. O OE usará essas informações – suplementadas, caso necessário – para delinear com maior clareza as características dos estudantes orientadas para o trabalho. Na maioria dos casos, testes padronizados serão usados para fornecer estimativas mais precisas de suas capacidades, realizações, interesses e dimensões de personalidade.
  • 80. Após agrupar tais dados, serão feitas inferências sobre a natureza do estudante, bem como predições sobre o tipo de trabalho onde pode encontrar satisfação e que possa desempenhar de uma forma satisfatória.
  • 81. • O segundo passo reclama uma análise de exigências específicas de várias ocupações, assim como o estabelecimento de julgamentos sobre uma previsão a longo prazo para o emprego nessas ocupações. Algumas vezes, esta análise está baseada em dados psicométricos, que nos informam o nível de capacidade e de aptidões especiais de trabalhadores que estão exercendo sua profissão.