Planejamento e rotinas nas aulas de matemática

12.548 visualizações

Publicada em

Matemática
Planejamento

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.548
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
71
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
168
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Notas introdutórias.
  • Notas introdutórias.
  • Notas introdutórias.
  • Notas introdutórias.
  • Um design de programação para períodos/objetivos opcionais.
  • Planejamento e rotinas nas aulas de matemática

    1. 1. PLANEJAMENTO E ROTINAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA Slides elaborados por Adriana Correia Coordenação geral: Bete Pimentel Adaptações e contribuições de Cristina Pauluci, Eliana Boscolo, Idelvandre, Isnary, Ítala Rizzo, Kelly Arduíno, Laís Alendes, Patrícia Infanger. PNAIC-Matemática / SME-Campinas / 2014
    2. 2. Pauta  Leitura deleite: “A professora e a maleta” – Lygia Bojunga  Retorno: avaliação do 1º semestre  Orientações sobre o SIMEC  Cronograma do curso  Organização do trabalho pedagógico – 2+2=4  Sugestão de atividades  Tarefa de Casa
    3. 3. Leitura Deleite A professora e a maleta Lygia Bojunga
    4. 4.  Avaliação do 1º semestre  Atividades práticas;  Construção de jogos e outros materiais;  Socialização de atividades entre os membros do grupo;  Realização de encontros semipresenciais.  Orientações sobre o SIMEC: http://simec.mec.gov.br/  Cronograma do curso
    5. 5. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO Ao focarmos o trabalho segundo as concepções da alfabetização matemática devemos conhecer e nos utilizar das diferentes formas de planejamento. Indo desde a organização da sala até o fechamento da aula, entendidos de forma articulada e que orientam a ação do professor alfabetizador.
    6. 6.  Muito desgaste sem planejamento.wmv
    7. 7.  Muitas vezes a ansiedade de alcançar um propósito traz atitudes sem planejamento, desgastando nossas forças e muitas vezes até frustrando nossos objetivos. Não se esqueça de planejar!
    8. 8. O PLANEJAMENTO  É a possibilidade de antecipação do que deverá ser feito na sala de aula ao longo de um ano (planejamento anual), ou ainda de maneira continuada com os planejamentos por trimestres e os semanais.  É um dos meios para se programar as ações docentes, um momento, inicialmente pensado no coletivo da escola.
    9. 9. O PLANEJAMENTO  Deve refletir um processo de racionalização, organização e coordenação do fazer pedagógico, articulando a atividade escolar, as práticas culturais e sociais da escola, os objetivos, os conteúdos, os métodos e o processo de avaliação.  Deve ter o trabalho coletivo da comunidade escolar como eixo estruturante.
    10. 10. O PLANEJAMENTO  Deve ser sempre flexível, o que não se confunde com improvisações ou falta de organização.  Faz parte de todo o desenvolvimento das atividades propostas e inclui a elaboração de outras que surgirão em decorrência das necessidades específicas de aprendizagem dos alunos e de seus interesses.
    11. 11. PLANEJAMENTO E A ORGANIZAÇÃO DA SALA  É preciso diversificar agrupamentos em duplas/trios/quartetos, etc.  É preciso acompanhar o trabalho de cada agrupamento ressaltando as diferentes resoluções e discussões acerca dos conteúdos trabalhados.  Em alguns momentos também é importante a realização de atividades individuais para que se analise a autonomia de cada estudante.
    12. 12. O FATOR “TEMPO” NO PLANEJAMENTO DAS AULAS DE MATEMÁTICA  O tempo dedicado às aulas de Matemática deve ser observado de forma criteriosa.  A organização do trabalho exige levar em conta a natureza das atividades e pensar em tempos maiores para ocasiões em que estão previstas sequências de atividades mais longas.
    13. 13. AS ATIVIDADES NA ROTINA DE SALA DE AULA  Sequenciais: contemplam uma sequência didática e/ou plano de aula.  Sistematização: finalização de uma sequência.  Ampliação: aprofundam um tema.  Permanente: típicas de um conteúdo e/ou organização do trabalho do professor.
    14. 14. ATIVIDADES PERMANENTES  Aquelas que se repetem de forma sistemática. Possibilitam o contato intenso com um tipo específico de atividade em cada ano da escolaridade e são particularmente apropriadas para comunicar certos aspectos atitudinais em relação à Matemática.
    15. 15. ATIVIDADES PERMANENTES Favorecerem a aproximação dos estudantes com textos que não leriam por si mesmos ou com a resolução de problemas do dia a dia que podem ser trazidos, a princípio, pelo professor e, depois, pelos próprios alunos. As atividades de cálculo mental certamente podem ser incluídas nessa modalidade de organização do trabalho escolar.
    16. 16. ATIVIDADES OCASIONAIS  Podem ser motivadas por um assunto de repercussão na mídia que tenha interesse para os alunos, cuja compreensão exija algum conteúdo matemático.
    17. 17. TIPOS DE ATIVIDADES PARA O TRABALHO COM A MATEMÁTICA ATIVIDADES DESCRIÇÃO Construção Implicam na produção de algo: desenho; construção/planificação de um sólido; produção de maquetes; produção de um jogo, etc. Comunicação e argumentação Atividades em que os alunos têm que colocar suas ideias/pontos de vista/explicar maneiras como resolveu problemas, exercícios. Atividades que estimulem os alunos a discutirem e entre si. Atividades que levem o aluno a descrever, argumentar, contar fatos, etc. Representação Atividades que levam os alunos a imaginar, representar, modelar, ampliar e reduzir, desenhar, copiar, planejar, esboçar, esquematizar, formular problemas. Tabela reformulada tendo como base BIGOGE(2009, 23-25)
    18. 18. ATIVIDADES DESCRIÇÃO Descoberta Atividades que levam o aluno a perceber regularidades que podem levá-lo a um resultado geral a partir de casos particulares. Investigação Atividades que levam mais tempo para resolução, requerem elaboração de esquemas e estratégias, realização de discussões coletivas. Muitas vezes há várias resoluções para um mesmo caso. Pesquisa Envolve a busca de informações que não constam nos livros didáticos (somente). Requer, algumas vezes, a realização de entrevistas e coletas de dados pelos alunos. Criatividade Atividades que dão oportunidade para se fazer uma produção pessoal, usando a imaginação e conhecimentos próprios. Projetos Atividades que envolvem a aplicação ao longo de um tempo, em etapas, baseadas em ações planejadas.
    19. 19. ATIVIDADES DESCRIÇÃO Medição Os alunos têm que obter uma informação a partir de um processo de medição (com ou sem o uso de instrumentos de medidas). Cálculo Tem o propósito de fornecer informação numérica, que responda perguntas de “quanto”. O cálculo pode ser exato ou aproximado; pode ser realizado por escrito, mentalmente ou com auxílio de instrumentos (ábacos, calculadoras, réguas de cálculo, computadores). Jogos São situações que requerem a obtenção de um resultado a partir de determinadas regras. Podem ser individuais e coletivos, manipuláveis ou digitais.
    20. 20. EXEMPLO DE ROTINA SEMANAL DE 1º ANO
    21. 21. EXEMPLO DE ROTINA SEMANAL DE 2º ANO
    22. 22. EXEMPLO DE ROTINA SEMANAL DE 3º ANO
    23. 23. FASES DO PLANEJAMENTO AÇÕES 1. Comece com a matemática Identifique os conceitos matemáticos. 2. Pense em seus alunos Relacione os conceitos a experiências prévias. 3. Escolha uma tarefa Escolha uma tarefa para explorar os conceitos estabelecidos no item 1. 4. Planeje a fase antes Determine como você introduzirá a tarefa. Pense em “boas” perguntas e instigações para propiciar reflexões aos estudantes. 5. Planeje a fase durante Pense em sugestões ou auxílios que você poderia dar enquanto os alunos trabalham. Considere extensões ou desafios. 6. Planeje a fase depois Como os estudantes informarão as suas descobertas. Determine como você coordenará a discussão. 7. Escreva o plano de aula Objetivos. Tarefas. O plano das três fases. Os materiais e a preparação. A avaliação.
    24. 24. A SEMANA NUMÉRICA  É INTERESSANTE ADOTAR UM QUADRO CHAMADO “SEMANA NUMÉRICA”, O QUAL O PROFESSOR POSSA COMPLETAR COM OS SEUS ALUNOS A PARTIR DE SEU TRABALHO EM SALA DE AULA E DAS VIVÊNCIAS DAS CRIANÇAS.
    25. 25. Usei números para... Quais foram as situações que usei os Números? Qual foi a situação que achei mais interessante? Localizar /identificar Número do prédio da minha prima; meu número na lista de chamada... Número do andar que mora a minha prima Estimar Preço da moto de corrida; copos de refrigerante que cada um tomou na festa... Preço da moto de corrida Quantificar Quantidade de pessoas na festa da escola; números de irmãos do meu vizinho. ........ Ordenar O meu time é o primeiro no campeonato; fui o último a sair... ..... Medir Medi a minha altura; Tenho 45 kg .... Calcular Dividi o total de pipas do pacote entre eu e meus 3 amigos .... Comparar Juliana é a mais alta da sala. ......
    26. 26. Tarefa em sala Ler o texto “Diferentes Formas de Planejamento” (Cad.1-Pág. 7 a 15). Reunidos em grupos discutam: 1) Segundo o texto, como deve ocorrer o planejamento e a seleção de conteúdos e procedimentos metodológicos matemáticos no que tange:  A) Planejamento anual (grupo 1).  B) Planejamento ao longo do período letivo (grupo 2).  Planejamento semanal (grupo 3).
    27. 27. 2) (Grupo 4) Leiam a narrativa da professora Mariana sobre o “Fio de Contas” e apontem os principais aspectos referentes ao planejamento que constam ao longo do desenvolvimento dessa atividade. 3) (Todos os grupos) Elaborem uma rotina semanal de trabalho com a matemática para 1º ou 2º ou 3º ano (lembrem-se de ficar atentas aos tipos de atividades que devem ser contempladas).
    28. 28. Logo após a realização das discussões nos grupos, socializaremos os pontos principais com todo o grupo.
    29. 29. TAREFA PARA 22/06/2014  Trazer o texto do Prof. Lorenzato (Cap. 5).  Elaborar uma rotina semanal de trabalho de L.P. e Matemática para a sua turma (entregar para a orientadora de estudos).
    30. 30. Bibliografia Os slides desta aula foram elaborados a partir de adaptações dos materiais:  Cadernos de apoio e aprendizagem: Matemática / Programa de Orientações curriculares. Livro do Professor. São Paulo: Fundação Padre Anchieta, 2010.  Van de Walle, John A. Matemática no Ensino Fundamental: formação de professores e aplicação em sala de aula. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.
    31. 31.  Caderno 1 do PNAIC-Matemática. Brasil- MEC.  Bigode, Antônio J. Lopes. Metodologia para o ensino da aritmética: competência numérica no cotidiano. 1ª Edição. São Paulo: FTD, 2009.

    ×