SlideShare uma empresa Scribd logo
O Que é Um Seminário
O que é um seminário
O processo de transmissão/aquisição da cultura, apesar de todo o avanço tecnológico
observado na área científica, ainda é fundamentalmente realizado através da leitura. Há,
contudo, entre os professores universitários, a mesma queixa generalizada: os alunos
não têm o hábito da leitura. O fato é que os estudantes não estão habituados a encarar a
leitura como um processo mais abrangente, que envolva o leitor com o autor, não
conseguindo prestar atenção, entender e analisar o que lêem. Tendo isso em vista, criou-
se a "metodologia do trabalho científico" como um instrumento para aprimorar a
aquisição de conhecimento nos meios universitário.
Podemos visualizar a "metodologia do trabalho científico" em duas partes. A primeira
parte enfatiza a importância da leitura, técnicas para elaboração dos trabalhos de
graduação, técnicas de pesquisa bibliográfica, fases de pesquisa bibliográfica, partes que
compõem um trabalho de graduação, normas para redação dos trabalhos e a elaboração
de seminários. A segunda parte traz informações sobre métodos e técnicas de pesquisa,
pesquisa de campo e relatório de pesquisa.
A presença de tantas regras, detalhes, indicações rígidas para digitação e formatação do
texto, que parecem cercear a liberdade do aluno em pensar e escrever sem nenhuma
exigência metodológica, faz com que o estudo de metodologia científica nas
universidades raramente seja bem aceito pelos alunos. Mas não podemos nos esquecer
que a metodologia científica objetiva bem mais do que levar o aluno a elaborar projetos,
a desenvolver um trabalho monográfico ou um artigo científico como requisito final e
conclusivo de um curso acadêmico. Ela almeja levar o aluno a comunicar-se de forma
correta, inteligível, demonstrando um pensamento estruturado, plausível e convincente,
através de regras que facilitam e estimulam à prática da leitura, da análise e
interpretação de textos e conseqüentemente a formação de juízo de valor, crítica ou
apreciação com argumentação plausível e coerente. As regras e passos metodológicos
que são ensinados nas universidades, visam à inserção do estudante no mundo
acadêmico-científico desenvolvendo nele hábitos que o acompanharão por toda a sua
vida, como o gosto pela leitura e o espírito crítico maduro e responsável.
A metodologia científica ajuda os alunos na experiência de sentirem-se cidadãos, livres
e responsáveis e os auxilia a administrar suas emoções, a exercitar o bom senso e a
enfrentar desafios na conquista de suas metas.
O QUE É SEMINÁRIO
Se fossemos procurar um conceito de seminário, encontraríamos inúmeros conceitos
formulados por diversos professores doutores em metodologia científica. Porém,
acredito que o conceito de Lakatos[1] apresentado em seu manual de metodologia
científica nos é cabido suficientemente para entendermos o que é um seminário.
Segundo o autor citado o seminário é uma técnica de aprendizagem que inclui pesquisa,
discussão e debate.
O seminário não é feito somente para o professor, mas essencialmente para a turma de
alunos. Ele não é uma leitura de um texto, mas sim uma troca de idéias entre quem
apresenta e quem o assistem. Geralmente os organizadores apresentam um tema com o
apoio de um texto distribuído entre os assistentes e usa o recurso de figuras, mapas,
transparências, recortes de revistas ou jornais, vídeos, entre outros.
ORGANIZAÇÃO DA VIDA DE ESTUDO
Ensino superior exige nova postura de estudo, explorando-se o que aprendeu em estudos
anteriores. Doravante o resultado do processo depende do aluno, exigindo condições de
aprendizagem de maior autonomia na efetivação da aprendizagem. Exige maior
independência em relação aos subsídios da estrutura de ensino e dos recursos que a
instituição oferece. Vida acadêmica exige postura de auto-atividade didática, crítica e
rigorosa, requer um novo estilo de estudo em que a presença física às aulas e o
cumprimento de tarefas mecânicas não mais é satisfatório.
1.Instrumentos de trabalho.
Segundo Antonio Joaquim Severino[2] o objetivo da formação universitária é fornecer
competências e habilidades, necessitando de fundamentação teórica das ciências, das
artes e das técnicas.
É Necessário formar uma biblioteca pessoal especializada e qualificada na área de
formação com livros, dicionário, textos introdutórios e clássicos da área, revistas
especializadas.Exercem papel propedêutico (ensinamentos introdutórios ou básicos de
uma disciplina): criam um contexto, um quadro teórico geral a partir do qual se pode
desenvolver a aprendizagem e a maturação do pensamento. Textos complementam a
exposição dos professores, possibilitam a comparação de idéias de diferentes autores e
fornecem instrumental de trabalho na área bem como o vocabulário básico.
2.Exploração dos instrumentos de trabalho.
As idéias principais das informações debatidas nas aulas devem ser anotadas e ao
retornar para casa o aluno deve reconstruí-las em textos sintéticos do assunto abordado.
Tomar nota não significa anotar palavra por palavra, pois isto atrapalha a concentração
do aluno para pensar no que está sendo dito. Registre expressões que traduzam as idéias
fundamentais mediante a elaboração de algumas categorias básicas. Preste atenção na
fala do professor e compreenda o que está sendo dito. Se algum conceito anotado ficou
impreciso recorra à pesquisa bibliográfica sobre o assunto para completá-lo. Faça um
resumo com as principais contribuições da exposição. Ao se fazer isso, não existe a
preocupação em decorar ou memorizar, antes em aprender de forma inteligente e
racional: pesquisando, comparando informações e adquirindo maior familiaridade com
o assunto.
3.A disciplina do estudo.
Apesar da rigidez da proposta de metodologia de estudo esta é eficiente. Pressupõe
organização da vida de estudos tornando-a produtiva.
Falta de tempo exige grande organização do aluno para o estudo em casa, indispensável
para um aproveitamento mais inteligente do curso de graduação. Essencial é aproveitar
sistematicamente o tempo disponível, com uma ordenação de atividades. Estabeleça um
horário para estudo em casa, respeitando suas condições físicas e psíquicas, compra
rigorosamente para manter um ritmo de estudo.
Vencida a fase de aquecimento, a produção do trabalho se tornará eficiente, fluente e
agradável. Recomenda-se distribui o tempo de estudo em vários dias durante a semana a
fim de revisar e preparar a matéria nos períodos imediatamente mais próximos das
aulas.
4.Sugestões para o estudo ou trabalhos em grupo.
Evite grupos numerosos, pois sempre causa a dispersão de alguns. Grupos acima de 04
pessoas requerem atenção cuidadosa. Estabeleça um horário acordado para o encontro
do grupo. Defina as tarefas, as etapas a serem vencidas e as formas de procedimento.
Quando um período de estudo ultrapassar a duas horas, faz-se necessário um pequeno
intervalo. Sejam francos com algum componente que não esteja contribuindo
efetivamente para a realização do trabalho: não carregue ninguém nas costas! Desta
forma, o trabalho acadêmico será mais eficiente e proveitoso.
ANÁLISE TEXTUAL
É o que você vai fazer assim que puser as mãos no texto. E aqui é preciso um cuidado
especial. Para entender o que vai ler, primeiro deve conhecer bem o texto e chamá-lo
pelo seu nome. É preciso saber se ele é um artigo de uma revista, um capítulo de um
livro, ou o que mais. Com o texto na mão, veja qual o seu tamanho e quantos tópicos ele
tem. Isso é importante para você dimensionar o tempo que vai levar lendo o texto.
Durante a leitura é preciso:
a) Marcar o texto: Fazer anotações nas margens. Inventar símbolos para marcar o que se
julga mais importante, que parágrafos deverão ser relidos depois, o que não foi
entendido, onde achar as idéias principais. Isso pode ser feito sublinhando linhas ou
parágrafos, fazendo marcas nas margens ou anotando suas observações nos cantos do
papel. Um livro da biblioteca, jamais poderá ser marcado desta forma, mas sim em uma
folha em branco, anotando o número da página e o parágrafo a que a nota se refere.
b) Levantar vocabulário: Anotar as palavras não entendidas e buscar seu significado
no dicionário.
c) Buscar informações complementares: Devem-se buscar informações
complementares sobre os fatos citados no texto, sobre as doutrinas e linhas de
pensamento apresentados e mesmo sobre o próprio autor.
d) Por fim, faça um esquema do texto.
A análise textual é a leitura que busca dar uma visão de conjunto do texto, nos permitir
buscar esclarecimentos sobre o autor, fatos, doutrinas e autores citados no texto, bem
como vocabulário utilizado no texto[3].
ANÁLISE TEMÁTICA
É o momento de se perguntar se realmente compreendemos a mensagem do autor no
texto. Aqui devemos recuperar o tema do texto, o problema que o autor coloca e a idéia
central e a secundárias do texto.
Normalmente isto é feito junto com o esquema do texto. Nele, se indicará cada um
desses itens acima, reconstruindo o raciocínio do autor do texto. [4]
FICHAMENTO
O Fichamento é uma forma de investigação que se caracteriza pelo ato de fichar
(registrar) todo o material necessário à compreensão de um texto ou tema. Para isso, é
preciso usar fichas que facilitam a documentação e preparam a execução do trabalho.
Não só, mas é também uma forma de assimilar criticamente os melhores textos num
curso universitário[5].
Um fichamento completo deve apresentar os seguintes dados:
a)Indicação bibliográfica – mostrando a fonte da leitura.
b)Resumo – sintetizando o conteúdo da obra. Trabalho que se baseia no esquema (na
introdução pode fazer uma pequena apresentação histórica ou ilustrativa).
c)Citações – apresentando as transcrições significativas da obra.
d)Comentários – expressando a compreensão crítica do texto, baseando-se ou não em
outros autores e outras obras.
e)Ideação – colocando em destaque as novas idéias que surgiram durante a leitura
reflexiva.
RESUMO
Segundo Antônio Joaquim Severino[6] em seu célebre manual de metodologia
científica resumir é apresentar de forma breve, concisa e seletiva certo conteúdo. Isto
significa reduzir a termos breves e precisos à parte essencial de um tema. Saber fazer
um bom resumo é fundamental no percurso acadêmico de um estudante em especial por
lhe permitir recuperar rapidamente idéias, conceitos e informações com as quais ele terá
de lidar ao longo de seu curso.
Em geral um bom resumo deve ser:
a) Breve e conciso: no resumo de um texto, por exemplo, devemos deixar de lado os
exemplos dados pelo autor, detalhes e dados secundários
b) Pessoal: um resumo deve ser sempre feito com suas próprias palavras. Ele é o
resultado da sua leitura de um texto
c) Logicamente estruturado: um resumo não é apenas um apanhado de frases soltas. Ele
deve trazer as idéias centrais (o argumento) daquilo que se está resumindo. Assim, as
idéias devem ser apresentadas em ordem lógica, ou seja, como tendo uma relação entre
elas. O texto do resumo deve ser compreensível.
RESENHA
Resenha[7] é um texto que serve para apresentar um outro (texto-base), desconhecido
do leitor. Para bem apresentá-lo, é necessário além de dar uma idéia resumida dos
assuntos tratados, apresentar o maior numero de informações sobre o texto.: fatores que,
ao lado de uma abordagem critica e de relações intertextuais, darão ao leitor os
requisitos mínimos para que ele se oriente quanto ao grau de interesse do texto-base.
Numa resenha é necessário se informar, pelo menos, o nome do autor, o nome do texto,
onde e quando foi publicado. Outras vezes nascerá a necessidade em querer ter acesso
ao texto resenhado e, para tanto, a necessidade dessas informações básicas. Elas podem
aparecer no corpo do texto ou no final , como uma citação bibliográfica. Se forem
apresentadas no corpo do texto, devem ser bem integradas à exposição dos assuntos
tratados.
RESENHA CRÍTICA
A resenha crítica é a apresentação do conteúdo de uma obra, acompanhada de uma
avaliação crítica. Expõe-se claramente e com certos detalhes o conteúdo da obra, o
propósito da obra e o método que segue para posteriormente desenvolver uma
apreciação crítica do conteúdo, da disposição das partes, do método, de sua forma ou
estilo e, se for o caso, da apresentação tipográfica, formulando um conceito do livro.
A resenha crítica consiste na leitura, resumo e comentário crítico de um livro ou texto.
Para a elaboração do comentário crítico, utilizam-se opiniões de diversos autores da
comunidade científica em relação às defendidas pelo autor e se estabelece todo tipo de
comparação com os enfoques, métodos de investigação e formas de exposição de outros
autores.
Evidentemente, uma resenha crítica bem feita pode converter-se num pequeno artigo
científico e até mesmo num trabalho monográfico, podendo ser publicada em revistas
especializadas. A resenha crítica compreende uma abordagem objetiva (onde se
descreve o assunto ou algo que foi observado, sem emitir juízo de valor) e uma
abordagem subjetiva (apreciação crítica onde se evidenciam os juízos de valor de quem
está elaborando a resenha crítica).
A resenha facilita o trabalho do profissional ao trazer um breve comentário sobre a obra
e uma avaliação da mesma.
Na introdução o acadêmico deve apresentar o assunto de forma genérica até chegar ao
foco de interesse, ou ao ponto de vista o qual será focalizado. Uma vez apresentado o
foco de interesse, o acadêmico procura mostrar a importância do mesmo, a fim de
despertar o interesse do leitor. Por último, deixa-se claro, o caminho/método que orienta
o trabalho.
A descrição do assunto do livro, texto, artigo ou ensaio compreende a apresentação das
idéias principais e das secundárias que sustentam o pensamento do autor. Para facilitar a
descrição do assunto sugere-se a construção dos argumentos por progressão, que
consiste no relacionamento dos diferentes elementos, mas encadeados em seqüência
lógica, de modo a haver sempre umarelação evidente entre um elemento e o seu
antecedente. A apreciação crítica deve ser feita em termos de concordância ou
discordância, levando em consideração a validade ou a aplicabilidade do que foi
exposto pelo autor. Para fundamentar a apreciação crítica, deve-se levar em conta a
opinião de autores da comunidade científica, experiência profissional, a visão de mundo
e a noção histórica do país. Nas considerações finais, devem-se apresentar as principais
reflexões e constatações decorrentes do desenvolvimento do trabalho[8].
EXIGÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO
Como integrar a teoria ensinada nas faculdades com a realidade das empresas é uma
antiga questão em que ambas as partes vêm repensando seus papéis. Aprimorar e
adaptar o currículo acadêmico às exigências do mercado de trabalho é uma maneira de
ampliar a chance de o estudante ingressar na profissão que escolheu. Dessa forma, a
organização que aumenta o número de vagas para estagiários, absorve mais pessoas
competentes e tem um poderoso crédito de potenciais. Tal integração é essencial em
qualquer carreira, e na área de administração de empresas, especialmente em recursos
humanos, o estudante deve ir além de mostrar que domina os conceitos do mercado.
Vivenciar a teoria na prática no período da faculdade é uma experiência rica em
descobrimentos e surpresas. De acordo com Narcélio José dos Santos[9], para enfatizar
o aspecto empreendedor, durante os anos de estudo o aluno realiza trabalhos
acadêmicos para prepará-lo para uma condição de disciplina nas tarefas que um dia irá
realizar um dia já formado como profissional.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A responsabilidade pela formação científica está interrelacionada à formação
profissional. A sociedade demanda profissionais com sólida formação científica que,
valendo-se dos conhecimentos aprendidos, sejam capazes de ampliá-los, solucionando
até novos problemas que venham a encontrar no desempenho de suas atividades.
Entretanto, quando se fala sobre a formação profissional, tende-se a relacioná-la com o
mercado de trabalho.
A preocupação em atender às exigências do mercado de trabalho ganha tal proporção
que corremos o risco de pautar as atribuições da Universidade somente pelas exigências
desse. Ora, é claro que as instituições de ensino superior, quando se propõem a formar
profissionais, não podem não prestar atenção ao mercado de trabalho com suas
exigências atuais. Este, porém, em nossos dias, tende a ser cada vez mais restrito,
conservador, altamente competitivo, não somente pelo nível de exigência, mas também
pela tendência atual de organizar os processos de trabalho com o mínimo de mão-de-
obra. A Universidade corre o risco, dessa maneira, de formar profissionais de saída já
descartáveis e descartados.
Nesse sentido, a Universidade precisa não só de prestar atenção ao mercado de trabalho,
mas de ampliar sua visão na direção do campo de atuação profissional. Assim,
enquanto o mercado de trabalho consiste na oferta de empregos existente, o campo de
atuação profissional constitui, nas possibilidades de atuação do profissional na
sociedade. Essas possibilidades são percebidas, estruturadas e propostas com base em
pesquisas e investigações promovidas pela Universidade, por um lado, e pelas
atividades empreendedoras promovidas de forma acadêmica que capacite o aluno
universitário a este campo tão exigente de disciplina.
Assim sendo, o metodologia científica tem papel fundamental, pois capacita o aluno a
disciplina, pesquisa e construção de argumentos sólidos que o segure na realidade de
mercado de emprego atual.
BIBLIOGRAFIA LIVROS
1. LAKATOS, E.M. e MARCONI, M.A.- Fundamentos de Metodologia Científica. 2ª
ed. São Paulo: Atlas, 1990.
2. SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Cientifico. São Paulo:
Editora Cortez, 2002.
BIBLIOGRAFIA SITES
1.http://www.ucb.br/prg/comsocial/cceh/normas_leitura_textual.htm
2.http://www.abnt.org.br/default.asp?resolucao=800X600
3.http://pt.wikipedia.org/wiki/Resenha
http://www.ucb.br/prg/comsocial/cceh/normas_leitura_textual.htm
[1] E.M LAKATOS, Fundamentos de Metodologia Científica, passim.
[2]Antonio Joaquim SEVERINO. Metodologia do Trabalho Cientifico, p. 23.
[3] Disponível em <http://www.ucb.br/prg/comsocial/cceh/normas_leitura_textual.htm>
Acessado em 03 de junho de 2008.
[4] Ibid.
[5] Ibid.
[6] Op cit., p. 40.
[7] Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Resenha> Acessado em 03 de junho de
2008.
[8] Disponível em <http://www.abnt.org.br/default.asp?resolucao=800X600> Acessado
em 03 de junho de 2008.
[9] Narcélio José dos Santos é coordenador do módulo RH do curso de administração
da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC – SP).
Fonte: http://www.webartigos.com/articles/10729/1/o-que--um-seminrio/pagina1.html.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sugestões de temas para o pré projeto
  Sugestões de temas para o pré projeto  Sugestões de temas para o pré projeto
Sugestões de temas para o pré projeto
Wellington Alves
 
Estagio de observação
Estagio de observaçãoEstagio de observação
Estagio de observação
Bárbara Marcelly
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Edlauva Santos
 
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
Robson S
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
Maryanne Monteiro
 
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
Diego Moura
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
denisecgomes
 
Modelo projeto-mestrado
Modelo projeto-mestradoModelo projeto-mestrado
Modelo projeto-mestrado
pery-ap
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
Profissão Professor
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Apresentação estágio 1
Apresentação estágio 1Apresentação estágio 1
Apresentação estágio 1
Luis Alberto Bassoli
 
Projeto mulher contemporânea, conquistas e desafios
Projeto mulher contemporânea, conquistas e desafiosProjeto mulher contemporânea, conquistas e desafios
Projeto mulher contemporânea, conquistas e desafios
Elizangela Santos
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aula
Karlla Costa
 
Estágio nos anos iniciais
Estágio nos anos iniciaisEstágio nos anos iniciais
Estágio nos anos iniciais
Rosinara Azeredo
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
Rosangela Moreira
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slides
Dênia Cavalcante
 
Tcc exemplo - Esqueleto
Tcc   exemplo - EsqueletoTcc   exemplo - Esqueleto
Tcc exemplo - Esqueleto
Kátia Silva da Costa
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
Claudinéia da Silva de Oliveira
 
Ppp resumo
Ppp   resumoPpp   resumo
Ppp resumo
cmruibarbosa
 

Mais procurados (20)

Sugestões de temas para o pré projeto
  Sugestões de temas para o pré projeto  Sugestões de temas para o pré projeto
Sugestões de temas para o pré projeto
 
Estagio de observação
Estagio de observaçãoEstagio de observação
Estagio de observação
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
 
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
 
Modelo projeto-mestrado
Modelo projeto-mestradoModelo projeto-mestrado
Modelo projeto-mestrado
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
Apresentação estágio 1
Apresentação estágio 1Apresentação estágio 1
Apresentação estágio 1
 
Projeto mulher contemporânea, conquistas e desafios
Projeto mulher contemporânea, conquistas e desafiosProjeto mulher contemporânea, conquistas e desafios
Projeto mulher contemporânea, conquistas e desafios
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aula
 
Estágio nos anos iniciais
Estágio nos anos iniciaisEstágio nos anos iniciais
Estágio nos anos iniciais
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slides
 
Tcc exemplo - Esqueleto
Tcc   exemplo - EsqueletoTcc   exemplo - Esqueleto
Tcc exemplo - Esqueleto
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
 
Ppp resumo
Ppp   resumoPpp   resumo
Ppp resumo
 

Destaque

Propriedades periódicas
Propriedades periódicasPropriedades periódicas
Propriedades periódicas
isabelquirino
 
Quimica propriedades periodicas
Quimica propriedades periodicasQuimica propriedades periodicas
Quimica propriedades periodicas
Estude Mais
 
Exercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemExercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enem
Estude Mais
 
Química: 1º Bimestre - 1º ano
Química: 1º Bimestre - 1º anoQuímica: 1º Bimestre - 1º ano
Química: 1º Bimestre - 1º ano
Estude Mais
 
Teoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoTeoria da Evolução
Teoria da Evolução
Estude Mais
 
Introduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da químicaIntroduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da química
V
 

Destaque (6)

Propriedades periódicas
Propriedades periódicasPropriedades periódicas
Propriedades periódicas
 
Quimica propriedades periodicas
Quimica propriedades periodicasQuimica propriedades periodicas
Quimica propriedades periodicas
 
Exercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemExercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enem
 
Química: 1º Bimestre - 1º ano
Química: 1º Bimestre - 1º anoQuímica: 1º Bimestre - 1º ano
Química: 1º Bimestre - 1º ano
 
Teoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoTeoria da Evolução
Teoria da Evolução
 
Introduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da químicaIntroduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da química
 

Semelhante a O que é um seminario

INTRODUÇÃO A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
INTRODUÇÃO  A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptxINTRODUÇÃO  A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
INTRODUÇÃO A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
luandecarlossilvadea
 
Aula 1 MEES ACTO DE ESTUDAR.pptx
Aula 1 MEES ACTO DE ESTUDAR.pptxAula 1 MEES ACTO DE ESTUDAR.pptx
Aula 1 MEES ACTO DE ESTUDAR.pptx
BobbyGudManVI
 
Guião de mic revisto e corrigido
Guião de mic revisto e corrigidoGuião de mic revisto e corrigido
Guião de mic revisto e corrigido
johnbank1
 
16522716022012Introducao_a_Metodologia_Cientifica_Aula_8.pdf
16522716022012Introducao_a_Metodologia_Cientifica_Aula_8.pdf16522716022012Introducao_a_Metodologia_Cientifica_Aula_8.pdf
16522716022012Introducao_a_Metodologia_Cientifica_Aula_8.pdf
Rosário Pedro
 
SLIDE 1 - Educação a Distância no Brasil
SLIDE 1 - Educação a Distância no BrasilSLIDE 1 - Educação a Distância no Brasil
SLIDE 1 - Educação a Distância no Brasil
AndersonCosta163797
 
Manual de trabalhos_academicos_2
Manual de trabalhos_academicos_2Manual de trabalhos_academicos_2
Manual de trabalhos_academicos_2
sandra09121970
 
Normas abnt-2015
Normas abnt-2015Normas abnt-2015
Normas abnt-2015
Carla Fernandes Dos Santos
 
Metodologia do trabalho_escrito
Metodologia do trabalho_escritoMetodologia do trabalho_escrito
Metodologia do trabalho_escrito
Joelma Gusson
 
Modelo de Trabalho Acadêmico
Modelo de Trabalho AcadêmicoModelo de Trabalho Acadêmico
Modelo de Trabalho Acadêmico
Everton Zanini
 
Trabalho de Conclusão de Curso 2014 UFSCar - Claudinei Camolesi
Trabalho de Conclusão de Curso 2014   UFSCar - Claudinei CamolesiTrabalho de Conclusão de Curso 2014   UFSCar - Claudinei Camolesi
Trabalho de Conclusão de Curso 2014 UFSCar - Claudinei Camolesi
Claudinei Camolesi
 
Am aulas de mic
Am  aulas de micAm  aulas de mic
Am aulas de mic
johnbank1
 
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
Tarcísio Pedro Chokombonge
 
Metodologia cientifica - projeto de pesquisa
Metodologia cientifica - projeto de pesquisaMetodologia cientifica - projeto de pesquisa
Metodologia cientifica - projeto de pesquisa
Alfeu Barreto
 
Metodologia científica 2
Metodologia científica 2Metodologia científica 2
Metodologia científica 2
Aldenei Barros
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
Alelis Gomes
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
Alelis Gomes
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
Alelis Gomes
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
Alelis Gomes
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
Alelis Gomes
 
Como elaborar um projeto de monografia
Como elaborar um projeto de monografiaComo elaborar um projeto de monografia
Como elaborar um projeto de monografia
Hotoniones da Silva
 

Semelhante a O que é um seminario (20)

INTRODUÇÃO A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
INTRODUÇÃO  A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptxINTRODUÇÃO  A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
INTRODUÇÃO A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
 
Aula 1 MEES ACTO DE ESTUDAR.pptx
Aula 1 MEES ACTO DE ESTUDAR.pptxAula 1 MEES ACTO DE ESTUDAR.pptx
Aula 1 MEES ACTO DE ESTUDAR.pptx
 
Guião de mic revisto e corrigido
Guião de mic revisto e corrigidoGuião de mic revisto e corrigido
Guião de mic revisto e corrigido
 
16522716022012Introducao_a_Metodologia_Cientifica_Aula_8.pdf
16522716022012Introducao_a_Metodologia_Cientifica_Aula_8.pdf16522716022012Introducao_a_Metodologia_Cientifica_Aula_8.pdf
16522716022012Introducao_a_Metodologia_Cientifica_Aula_8.pdf
 
SLIDE 1 - Educação a Distância no Brasil
SLIDE 1 - Educação a Distância no BrasilSLIDE 1 - Educação a Distância no Brasil
SLIDE 1 - Educação a Distância no Brasil
 
Manual de trabalhos_academicos_2
Manual de trabalhos_academicos_2Manual de trabalhos_academicos_2
Manual de trabalhos_academicos_2
 
Normas abnt-2015
Normas abnt-2015Normas abnt-2015
Normas abnt-2015
 
Metodologia do trabalho_escrito
Metodologia do trabalho_escritoMetodologia do trabalho_escrito
Metodologia do trabalho_escrito
 
Modelo de Trabalho Acadêmico
Modelo de Trabalho AcadêmicoModelo de Trabalho Acadêmico
Modelo de Trabalho Acadêmico
 
Trabalho de Conclusão de Curso 2014 UFSCar - Claudinei Camolesi
Trabalho de Conclusão de Curso 2014   UFSCar - Claudinei CamolesiTrabalho de Conclusão de Curso 2014   UFSCar - Claudinei Camolesi
Trabalho de Conclusão de Curso 2014 UFSCar - Claudinei Camolesi
 
Am aulas de mic
Am  aulas de micAm  aulas de mic
Am aulas de mic
 
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
Metodologiacientificajurema 101121114802-phpapp02
 
Metodologia cientifica - projeto de pesquisa
Metodologia cientifica - projeto de pesquisaMetodologia cientifica - projeto de pesquisa
Metodologia cientifica - projeto de pesquisa
 
Metodologia científica 2
Metodologia científica 2Metodologia científica 2
Metodologia científica 2
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
 
Alelis aula 1
Alelis aula 1Alelis aula 1
Alelis aula 1
 
Como elaborar um projeto de monografia
Como elaborar um projeto de monografiaComo elaborar um projeto de monografia
Como elaborar um projeto de monografia
 

Mais de Estude Mais

Exercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoExercício sobre Evolução
Exercício sobre Evolução
Estude Mais
 
Exercicios de estatistica
Exercicios de estatisticaExercicios de estatistica
Exercicios de estatistica
Estude Mais
 
Guia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de semináriosGuia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de seminários
Estude Mais
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enem
Estude Mais
 
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemCilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Estude Mais
 
Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enem
Estude Mais
 
Ecologia comunidades
Ecologia comunidadesEcologia comunidades
Ecologia comunidades
Estude Mais
 
Sucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomasSucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomas
Estude Mais
 
Melhoramento genetico
Melhoramento geneticoMelhoramento genetico
Melhoramento genetico
Estude Mais
 
Questoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesQuestoes do enem de portugues
Questoes do enem de portugues
Estude Mais
 
Populacoes Biologicas
Populacoes BiologicasPopulacoes Biologicas
Populacoes Biologicas
Estude Mais
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
Estude Mais
 
Regime liberal populista
Regime liberal populistaRegime liberal populista
Regime liberal populista
Estude Mais
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
Estude Mais
 
Exercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaExercicios de Matematica
Exercicios de Matematica
Estude Mais
 
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Estude Mais
 
Energia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemasEnergia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemas
Estude Mais
 
Exercicio de polinomios
Exercicio de polinomiosExercicio de polinomios
Exercicio de polinomios
Estude Mais
 
Exercicio de condutores em equilibro eletrostatico
Exercicio de condutores em equilibro eletrostaticoExercicio de condutores em equilibro eletrostatico
Exercicio de condutores em equilibro eletrostatico
Estude Mais
 
Exercicios de matematica financeira
Exercicios de matematica financeiraExercicios de matematica financeira
Exercicios de matematica financeira
Estude Mais
 

Mais de Estude Mais (20)

Exercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoExercício sobre Evolução
Exercício sobre Evolução
 
Exercicios de estatistica
Exercicios de estatisticaExercicios de estatistica
Exercicios de estatistica
 
Guia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de semináriosGuia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de seminários
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enem
 
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemCilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
 
Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enem
 
Ecologia comunidades
Ecologia comunidadesEcologia comunidades
Ecologia comunidades
 
Sucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomasSucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomas
 
Melhoramento genetico
Melhoramento geneticoMelhoramento genetico
Melhoramento genetico
 
Questoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesQuestoes do enem de portugues
Questoes do enem de portugues
 
Populacoes Biologicas
Populacoes BiologicasPopulacoes Biologicas
Populacoes Biologicas
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
 
Regime liberal populista
Regime liberal populistaRegime liberal populista
Regime liberal populista
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Exercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaExercicios de Matematica
Exercicios de Matematica
 
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
 
Energia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemasEnergia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemas
 
Exercicio de polinomios
Exercicio de polinomiosExercicio de polinomios
Exercicio de polinomios
 
Exercicio de condutores em equilibro eletrostatico
Exercicio de condutores em equilibro eletrostaticoExercicio de condutores em equilibro eletrostatico
Exercicio de condutores em equilibro eletrostatico
 
Exercicios de matematica financeira
Exercicios de matematica financeiraExercicios de matematica financeira
Exercicios de matematica financeira
 

Último

Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

O que é um seminario

  • 1. O Que é Um Seminário O que é um seminário O processo de transmissão/aquisição da cultura, apesar de todo o avanço tecnológico observado na área científica, ainda é fundamentalmente realizado através da leitura. Há, contudo, entre os professores universitários, a mesma queixa generalizada: os alunos não têm o hábito da leitura. O fato é que os estudantes não estão habituados a encarar a leitura como um processo mais abrangente, que envolva o leitor com o autor, não conseguindo prestar atenção, entender e analisar o que lêem. Tendo isso em vista, criou- se a "metodologia do trabalho científico" como um instrumento para aprimorar a aquisição de conhecimento nos meios universitário. Podemos visualizar a "metodologia do trabalho científico" em duas partes. A primeira parte enfatiza a importância da leitura, técnicas para elaboração dos trabalhos de graduação, técnicas de pesquisa bibliográfica, fases de pesquisa bibliográfica, partes que compõem um trabalho de graduação, normas para redação dos trabalhos e a elaboração de seminários. A segunda parte traz informações sobre métodos e técnicas de pesquisa, pesquisa de campo e relatório de pesquisa. A presença de tantas regras, detalhes, indicações rígidas para digitação e formatação do texto, que parecem cercear a liberdade do aluno em pensar e escrever sem nenhuma exigência metodológica, faz com que o estudo de metodologia científica nas universidades raramente seja bem aceito pelos alunos. Mas não podemos nos esquecer que a metodologia científica objetiva bem mais do que levar o aluno a elaborar projetos, a desenvolver um trabalho monográfico ou um artigo científico como requisito final e conclusivo de um curso acadêmico. Ela almeja levar o aluno a comunicar-se de forma correta, inteligível, demonstrando um pensamento estruturado, plausível e convincente, através de regras que facilitam e estimulam à prática da leitura, da análise e interpretação de textos e conseqüentemente a formação de juízo de valor, crítica ou apreciação com argumentação plausível e coerente. As regras e passos metodológicos que são ensinados nas universidades, visam à inserção do estudante no mundo acadêmico-científico desenvolvendo nele hábitos que o acompanharão por toda a sua vida, como o gosto pela leitura e o espírito crítico maduro e responsável. A metodologia científica ajuda os alunos na experiência de sentirem-se cidadãos, livres e responsáveis e os auxilia a administrar suas emoções, a exercitar o bom senso e a enfrentar desafios na conquista de suas metas. O QUE É SEMINÁRIO Se fossemos procurar um conceito de seminário, encontraríamos inúmeros conceitos formulados por diversos professores doutores em metodologia científica. Porém, acredito que o conceito de Lakatos[1] apresentado em seu manual de metodologia científica nos é cabido suficientemente para entendermos o que é um seminário. Segundo o autor citado o seminário é uma técnica de aprendizagem que inclui pesquisa, discussão e debate.
  • 2. O seminário não é feito somente para o professor, mas essencialmente para a turma de alunos. Ele não é uma leitura de um texto, mas sim uma troca de idéias entre quem apresenta e quem o assistem. Geralmente os organizadores apresentam um tema com o apoio de um texto distribuído entre os assistentes e usa o recurso de figuras, mapas, transparências, recortes de revistas ou jornais, vídeos, entre outros. ORGANIZAÇÃO DA VIDA DE ESTUDO Ensino superior exige nova postura de estudo, explorando-se o que aprendeu em estudos anteriores. Doravante o resultado do processo depende do aluno, exigindo condições de aprendizagem de maior autonomia na efetivação da aprendizagem. Exige maior independência em relação aos subsídios da estrutura de ensino e dos recursos que a instituição oferece. Vida acadêmica exige postura de auto-atividade didática, crítica e rigorosa, requer um novo estilo de estudo em que a presença física às aulas e o cumprimento de tarefas mecânicas não mais é satisfatório. 1.Instrumentos de trabalho. Segundo Antonio Joaquim Severino[2] o objetivo da formação universitária é fornecer competências e habilidades, necessitando de fundamentação teórica das ciências, das artes e das técnicas. É Necessário formar uma biblioteca pessoal especializada e qualificada na área de formação com livros, dicionário, textos introdutórios e clássicos da área, revistas especializadas.Exercem papel propedêutico (ensinamentos introdutórios ou básicos de uma disciplina): criam um contexto, um quadro teórico geral a partir do qual se pode desenvolver a aprendizagem e a maturação do pensamento. Textos complementam a exposição dos professores, possibilitam a comparação de idéias de diferentes autores e fornecem instrumental de trabalho na área bem como o vocabulário básico. 2.Exploração dos instrumentos de trabalho. As idéias principais das informações debatidas nas aulas devem ser anotadas e ao retornar para casa o aluno deve reconstruí-las em textos sintéticos do assunto abordado. Tomar nota não significa anotar palavra por palavra, pois isto atrapalha a concentração do aluno para pensar no que está sendo dito. Registre expressões que traduzam as idéias fundamentais mediante a elaboração de algumas categorias básicas. Preste atenção na fala do professor e compreenda o que está sendo dito. Se algum conceito anotado ficou impreciso recorra à pesquisa bibliográfica sobre o assunto para completá-lo. Faça um resumo com as principais contribuições da exposição. Ao se fazer isso, não existe a preocupação em decorar ou memorizar, antes em aprender de forma inteligente e racional: pesquisando, comparando informações e adquirindo maior familiaridade com o assunto. 3.A disciplina do estudo. Apesar da rigidez da proposta de metodologia de estudo esta é eficiente. Pressupõe organização da vida de estudos tornando-a produtiva.
  • 3. Falta de tempo exige grande organização do aluno para o estudo em casa, indispensável para um aproveitamento mais inteligente do curso de graduação. Essencial é aproveitar sistematicamente o tempo disponível, com uma ordenação de atividades. Estabeleça um horário para estudo em casa, respeitando suas condições físicas e psíquicas, compra rigorosamente para manter um ritmo de estudo. Vencida a fase de aquecimento, a produção do trabalho se tornará eficiente, fluente e agradável. Recomenda-se distribui o tempo de estudo em vários dias durante a semana a fim de revisar e preparar a matéria nos períodos imediatamente mais próximos das aulas. 4.Sugestões para o estudo ou trabalhos em grupo. Evite grupos numerosos, pois sempre causa a dispersão de alguns. Grupos acima de 04 pessoas requerem atenção cuidadosa. Estabeleça um horário acordado para o encontro do grupo. Defina as tarefas, as etapas a serem vencidas e as formas de procedimento. Quando um período de estudo ultrapassar a duas horas, faz-se necessário um pequeno intervalo. Sejam francos com algum componente que não esteja contribuindo efetivamente para a realização do trabalho: não carregue ninguém nas costas! Desta forma, o trabalho acadêmico será mais eficiente e proveitoso. ANÁLISE TEXTUAL É o que você vai fazer assim que puser as mãos no texto. E aqui é preciso um cuidado especial. Para entender o que vai ler, primeiro deve conhecer bem o texto e chamá-lo pelo seu nome. É preciso saber se ele é um artigo de uma revista, um capítulo de um livro, ou o que mais. Com o texto na mão, veja qual o seu tamanho e quantos tópicos ele tem. Isso é importante para você dimensionar o tempo que vai levar lendo o texto. Durante a leitura é preciso: a) Marcar o texto: Fazer anotações nas margens. Inventar símbolos para marcar o que se julga mais importante, que parágrafos deverão ser relidos depois, o que não foi entendido, onde achar as idéias principais. Isso pode ser feito sublinhando linhas ou parágrafos, fazendo marcas nas margens ou anotando suas observações nos cantos do papel. Um livro da biblioteca, jamais poderá ser marcado desta forma, mas sim em uma folha em branco, anotando o número da página e o parágrafo a que a nota se refere. b) Levantar vocabulário: Anotar as palavras não entendidas e buscar seu significado no dicionário. c) Buscar informações complementares: Devem-se buscar informações complementares sobre os fatos citados no texto, sobre as doutrinas e linhas de pensamento apresentados e mesmo sobre o próprio autor. d) Por fim, faça um esquema do texto. A análise textual é a leitura que busca dar uma visão de conjunto do texto, nos permitir buscar esclarecimentos sobre o autor, fatos, doutrinas e autores citados no texto, bem como vocabulário utilizado no texto[3].
  • 4. ANÁLISE TEMÁTICA É o momento de se perguntar se realmente compreendemos a mensagem do autor no texto. Aqui devemos recuperar o tema do texto, o problema que o autor coloca e a idéia central e a secundárias do texto. Normalmente isto é feito junto com o esquema do texto. Nele, se indicará cada um desses itens acima, reconstruindo o raciocínio do autor do texto. [4] FICHAMENTO O Fichamento é uma forma de investigação que se caracteriza pelo ato de fichar (registrar) todo o material necessário à compreensão de um texto ou tema. Para isso, é preciso usar fichas que facilitam a documentação e preparam a execução do trabalho. Não só, mas é também uma forma de assimilar criticamente os melhores textos num curso universitário[5]. Um fichamento completo deve apresentar os seguintes dados: a)Indicação bibliográfica – mostrando a fonte da leitura. b)Resumo – sintetizando o conteúdo da obra. Trabalho que se baseia no esquema (na introdução pode fazer uma pequena apresentação histórica ou ilustrativa). c)Citações – apresentando as transcrições significativas da obra. d)Comentários – expressando a compreensão crítica do texto, baseando-se ou não em outros autores e outras obras. e)Ideação – colocando em destaque as novas idéias que surgiram durante a leitura reflexiva. RESUMO Segundo Antônio Joaquim Severino[6] em seu célebre manual de metodologia científica resumir é apresentar de forma breve, concisa e seletiva certo conteúdo. Isto significa reduzir a termos breves e precisos à parte essencial de um tema. Saber fazer um bom resumo é fundamental no percurso acadêmico de um estudante em especial por lhe permitir recuperar rapidamente idéias, conceitos e informações com as quais ele terá de lidar ao longo de seu curso. Em geral um bom resumo deve ser: a) Breve e conciso: no resumo de um texto, por exemplo, devemos deixar de lado os exemplos dados pelo autor, detalhes e dados secundários b) Pessoal: um resumo deve ser sempre feito com suas próprias palavras. Ele é o resultado da sua leitura de um texto
  • 5. c) Logicamente estruturado: um resumo não é apenas um apanhado de frases soltas. Ele deve trazer as idéias centrais (o argumento) daquilo que se está resumindo. Assim, as idéias devem ser apresentadas em ordem lógica, ou seja, como tendo uma relação entre elas. O texto do resumo deve ser compreensível. RESENHA Resenha[7] é um texto que serve para apresentar um outro (texto-base), desconhecido do leitor. Para bem apresentá-lo, é necessário além de dar uma idéia resumida dos assuntos tratados, apresentar o maior numero de informações sobre o texto.: fatores que, ao lado de uma abordagem critica e de relações intertextuais, darão ao leitor os requisitos mínimos para que ele se oriente quanto ao grau de interesse do texto-base. Numa resenha é necessário se informar, pelo menos, o nome do autor, o nome do texto, onde e quando foi publicado. Outras vezes nascerá a necessidade em querer ter acesso ao texto resenhado e, para tanto, a necessidade dessas informações básicas. Elas podem aparecer no corpo do texto ou no final , como uma citação bibliográfica. Se forem apresentadas no corpo do texto, devem ser bem integradas à exposição dos assuntos tratados. RESENHA CRÍTICA A resenha crítica é a apresentação do conteúdo de uma obra, acompanhada de uma avaliação crítica. Expõe-se claramente e com certos detalhes o conteúdo da obra, o propósito da obra e o método que segue para posteriormente desenvolver uma apreciação crítica do conteúdo, da disposição das partes, do método, de sua forma ou estilo e, se for o caso, da apresentação tipográfica, formulando um conceito do livro. A resenha crítica consiste na leitura, resumo e comentário crítico de um livro ou texto. Para a elaboração do comentário crítico, utilizam-se opiniões de diversos autores da comunidade científica em relação às defendidas pelo autor e se estabelece todo tipo de comparação com os enfoques, métodos de investigação e formas de exposição de outros autores. Evidentemente, uma resenha crítica bem feita pode converter-se num pequeno artigo científico e até mesmo num trabalho monográfico, podendo ser publicada em revistas especializadas. A resenha crítica compreende uma abordagem objetiva (onde se descreve o assunto ou algo que foi observado, sem emitir juízo de valor) e uma abordagem subjetiva (apreciação crítica onde se evidenciam os juízos de valor de quem está elaborando a resenha crítica). A resenha facilita o trabalho do profissional ao trazer um breve comentário sobre a obra e uma avaliação da mesma. Na introdução o acadêmico deve apresentar o assunto de forma genérica até chegar ao foco de interesse, ou ao ponto de vista o qual será focalizado. Uma vez apresentado o foco de interesse, o acadêmico procura mostrar a importância do mesmo, a fim de despertar o interesse do leitor. Por último, deixa-se claro, o caminho/método que orienta o trabalho.
  • 6. A descrição do assunto do livro, texto, artigo ou ensaio compreende a apresentação das idéias principais e das secundárias que sustentam o pensamento do autor. Para facilitar a descrição do assunto sugere-se a construção dos argumentos por progressão, que consiste no relacionamento dos diferentes elementos, mas encadeados em seqüência lógica, de modo a haver sempre umarelação evidente entre um elemento e o seu antecedente. A apreciação crítica deve ser feita em termos de concordância ou discordância, levando em consideração a validade ou a aplicabilidade do que foi exposto pelo autor. Para fundamentar a apreciação crítica, deve-se levar em conta a opinião de autores da comunidade científica, experiência profissional, a visão de mundo e a noção histórica do país. Nas considerações finais, devem-se apresentar as principais reflexões e constatações decorrentes do desenvolvimento do trabalho[8]. EXIGÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Como integrar a teoria ensinada nas faculdades com a realidade das empresas é uma antiga questão em que ambas as partes vêm repensando seus papéis. Aprimorar e adaptar o currículo acadêmico às exigências do mercado de trabalho é uma maneira de ampliar a chance de o estudante ingressar na profissão que escolheu. Dessa forma, a organização que aumenta o número de vagas para estagiários, absorve mais pessoas competentes e tem um poderoso crédito de potenciais. Tal integração é essencial em qualquer carreira, e na área de administração de empresas, especialmente em recursos humanos, o estudante deve ir além de mostrar que domina os conceitos do mercado. Vivenciar a teoria na prática no período da faculdade é uma experiência rica em descobrimentos e surpresas. De acordo com Narcélio José dos Santos[9], para enfatizar o aspecto empreendedor, durante os anos de estudo o aluno realiza trabalhos acadêmicos para prepará-lo para uma condição de disciplina nas tarefas que um dia irá realizar um dia já formado como profissional. CONSIDERAÇÕES FINAIS A responsabilidade pela formação científica está interrelacionada à formação profissional. A sociedade demanda profissionais com sólida formação científica que, valendo-se dos conhecimentos aprendidos, sejam capazes de ampliá-los, solucionando até novos problemas que venham a encontrar no desempenho de suas atividades. Entretanto, quando se fala sobre a formação profissional, tende-se a relacioná-la com o mercado de trabalho. A preocupação em atender às exigências do mercado de trabalho ganha tal proporção que corremos o risco de pautar as atribuições da Universidade somente pelas exigências desse. Ora, é claro que as instituições de ensino superior, quando se propõem a formar profissionais, não podem não prestar atenção ao mercado de trabalho com suas exigências atuais. Este, porém, em nossos dias, tende a ser cada vez mais restrito, conservador, altamente competitivo, não somente pelo nível de exigência, mas também pela tendência atual de organizar os processos de trabalho com o mínimo de mão-de- obra. A Universidade corre o risco, dessa maneira, de formar profissionais de saída já descartáveis e descartados.
  • 7. Nesse sentido, a Universidade precisa não só de prestar atenção ao mercado de trabalho, mas de ampliar sua visão na direção do campo de atuação profissional. Assim, enquanto o mercado de trabalho consiste na oferta de empregos existente, o campo de atuação profissional constitui, nas possibilidades de atuação do profissional na sociedade. Essas possibilidades são percebidas, estruturadas e propostas com base em pesquisas e investigações promovidas pela Universidade, por um lado, e pelas atividades empreendedoras promovidas de forma acadêmica que capacite o aluno universitário a este campo tão exigente de disciplina. Assim sendo, o metodologia científica tem papel fundamental, pois capacita o aluno a disciplina, pesquisa e construção de argumentos sólidos que o segure na realidade de mercado de emprego atual. BIBLIOGRAFIA LIVROS 1. LAKATOS, E.M. e MARCONI, M.A.- Fundamentos de Metodologia Científica. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 1990. 2. SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Cientifico. São Paulo: Editora Cortez, 2002. BIBLIOGRAFIA SITES 1.http://www.ucb.br/prg/comsocial/cceh/normas_leitura_textual.htm 2.http://www.abnt.org.br/default.asp?resolucao=800X600 3.http://pt.wikipedia.org/wiki/Resenha http://www.ucb.br/prg/comsocial/cceh/normas_leitura_textual.htm [1] E.M LAKATOS, Fundamentos de Metodologia Científica, passim. [2]Antonio Joaquim SEVERINO. Metodologia do Trabalho Cientifico, p. 23. [3] Disponível em <http://www.ucb.br/prg/comsocial/cceh/normas_leitura_textual.htm> Acessado em 03 de junho de 2008. [4] Ibid. [5] Ibid. [6] Op cit., p. 40. [7] Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Resenha> Acessado em 03 de junho de 2008.
  • 8. [8] Disponível em <http://www.abnt.org.br/default.asp?resolucao=800X600> Acessado em 03 de junho de 2008. [9] Narcélio José dos Santos é coordenador do módulo RH do curso de administração da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC – SP). Fonte: http://www.webartigos.com/articles/10729/1/o-que--um-seminrio/pagina1.html.