SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Exemplo de um bom resumo:

Lendas da Via Láctea


A Via Láctea era imaginada como o caminho para casa de Zeus/Júpiter. Era
também considerada o percurso desordenado da corrida de Faetonte pelo Céu,
enquanto conduzia o carro do Sol. Os povos nórdicos acreditavam que a Via láctea
era o caminho seguido pelas almas para o céu.
Na Escócia antiga era a estrada prateada que conduzia ao castelo do rei do fogo.
Os índios primitivos acreditavam que a Via Láctea era o caminho que os espíritos
percorriam até às suas aldeias, no Sol. O seu caminho é marcado pelas estrelas,
que são fogueiras que os guiam ao longo do caminho.




Resumo:
Existem várias lendas acerca da Via Láctea. São vários os povos, desde os
Gregos, os Nórdicos e os Índios primitivos, que interpretam a Via Láctea como um
caminho, um rio celestial ou como guia das almas até ao céu.




Partindo dos exemplos que te demos, tenta agora fazer os teus próprios
resumos.

      Deves usar:
        As palavras-chave.
        As tuas próprias palavras.
        Uma linguagem objectiva e informativa.

      Não Deves:
        Mudar a ordem das ideias.
        Fazer juízos de valor.
        Ultrapassar um terço das palavras do texto original.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
denisecgomes
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
mauricio aquino
 
Estrutura do texto argumentativo
Estrutura do texto argumentativoEstrutura do texto argumentativo
Estrutura do texto argumentativo
7 de Setembro
 

Mais procurados (20)

AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Notícia gênero textual
Notícia gênero textualNotícia gênero textual
Notícia gênero textual
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
Modelo de artigo de recensao critica
Modelo de artigo de recensao criticaModelo de artigo de recensao critica
Modelo de artigo de recensao critica
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Exemplo de Relato Pessoal
Exemplo de Relato PessoalExemplo de Relato Pessoal
Exemplo de Relato Pessoal
 
Texto expositivo argumentativo
Texto expositivo argumentativoTexto expositivo argumentativo
Texto expositivo argumentativo
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Estrutura do texto argumentativo
Estrutura do texto argumentativoEstrutura do texto argumentativo
Estrutura do texto argumentativo
 

Destaque (9)

Trabalhando Com Resumo
Trabalhando Com ResumoTrabalhando Com Resumo
Trabalhando Com Resumo
 
Proposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docxProposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docx
 
1 resumo academico exemplo
1 resumo academico   exemplo1 resumo academico   exemplo
1 resumo academico exemplo
 
Como elaborar resumo
Como elaborar resumoComo elaborar resumo
Como elaborar resumo
 
Como fazer um resumo
Como fazer um resumoComo fazer um resumo
Como fazer um resumo
 
Normas Para O Resumo Simples
Normas Para O Resumo SimplesNormas Para O Resumo Simples
Normas Para O Resumo Simples
 
Técnicas úteis ao escrever uma síntese
Técnicas úteis ao escrever uma sínteseTécnicas úteis ao escrever uma síntese
Técnicas úteis ao escrever uma síntese
 
Como fazer um resumo (passo a passo)
Como fazer um resumo (passo a passo)Como fazer um resumo (passo a passo)
Como fazer um resumo (passo a passo)
 
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalhoDicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
 

Semelhante a Exemplo De Um Bom Resumo

Os drudas sacerdotes xamãs dos celtas
Os drudas sacerdotes xamãs dos celtasOs drudas sacerdotes xamãs dos celtas
Os drudas sacerdotes xamãs dos celtas
Francisco de Morais
 
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPciaAs Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
JNR
 
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte3
Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte3Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte3
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte3
Ariovaldo Cunha
 

Semelhante a Exemplo De Um Bom Resumo (17)

A história de um planeta blavatsky
A história de um planeta   blavatskyA história de um planeta   blavatsky
A história de um planeta blavatsky
 
34470786 albino-pereira-magno-mitologia
34470786 albino-pereira-magno-mitologia34470786 albino-pereira-magno-mitologia
34470786 albino-pereira-magno-mitologia
 
AULA 5_Cópia de Material complementar_ Escola de Mistérios _ Plano de Aulas_d...
AULA 5_Cópia de Material complementar_ Escola de Mistérios _ Plano de Aulas_d...AULA 5_Cópia de Material complementar_ Escola de Mistérios _ Plano de Aulas_d...
AULA 5_Cópia de Material complementar_ Escola de Mistérios _ Plano de Aulas_d...
 
05. sitchin, zecharia os reinos perdidos
05. sitchin, zecharia   os reinos perdidos05. sitchin, zecharia   os reinos perdidos
05. sitchin, zecharia os reinos perdidos
 
Alexandria
AlexandriaAlexandria
Alexandria
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Atlântida
AtlântidaAtlântida
Atlântida
 
Expansão marítima: aspectos culturais e tecnológicos
Expansão marítima:  aspectos culturais e tecnológicosExpansão marítima:  aspectos culturais e tecnológicos
Expansão marítima: aspectos culturais e tecnológicos
 
As origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipciaAs origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipcia
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Os drudas sacerdotes xamãs dos celtas
Os drudas sacerdotes xamãs dos celtasOs drudas sacerdotes xamãs dos celtas
Os drudas sacerdotes xamãs dos celtas
 
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPciaAs Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
 
Arcanos e Mitos Herméticos
Arcanos e Mitos HerméticosArcanos e Mitos Herméticos
Arcanos e Mitos Herméticos
 
O Amor Venceu - Zibia Gasparetto.pdf
O Amor Venceu - Zibia Gasparetto.pdfO Amor Venceu - Zibia Gasparetto.pdf
O Amor Venceu - Zibia Gasparetto.pdf
 
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte3
Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte3Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte3
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte3
 
Apresentação em power point hellowen
Apresentação em power point hellowenApresentação em power point hellowen
Apresentação em power point hellowen
 

Mais de Profmaria

Avaliação do P10L no ensino online em situação de emergência
Avaliação do P10L no ensino online em situação de emergênciaAvaliação do P10L no ensino online em situação de emergência
Avaliação do P10L no ensino online em situação de emergência
Profmaria
 
A escola primária no tempo do estado novo
A escola primária no tempo do estado novoA escola primária no tempo do estado novo
A escola primária no tempo do estado novo
Profmaria
 
Arte jogral vocacional e 5º ano
Arte jogral vocacional e 5º anoArte jogral vocacional e 5º ano
Arte jogral vocacional e 5º ano
Profmaria
 
Arte jogral vocacional e 5º ano
Arte jogral vocacional e 5º anoArte jogral vocacional e 5º ano
Arte jogral vocacional e 5º ano
Profmaria
 
Ler ou não ler
Ler ou não lerLer ou não ler
Ler ou não ler
Profmaria
 
Conteúdos port
Conteúdos portConteúdos port
Conteúdos port
Profmaria
 
Cultura dia 05 junho
Cultura dia 05 junhoCultura dia 05 junho
Cultura dia 05 junho
Profmaria
 
Programa sarau mar sophia e poesia
Programa sarau mar sophia e poesiaPrograma sarau mar sophia e poesia
Programa sarau mar sophia e poesia
Profmaria
 
Cultura dia 22 de maio
Cultura dia 22 de maioCultura dia 22 de maio
Cultura dia 22 de maio
Profmaria
 
Cultura dia 10 abril-2013
Cultura dia 10 abril-2013Cultura dia 10 abril-2013
Cultura dia 10 abril-2013
Profmaria
 
Relatóro pilp 2011
Relatóro pilp 2011Relatóro pilp 2011
Relatóro pilp 2011
Profmaria
 
Relatório pilp 2011
Relatório pilp 2011Relatório pilp 2011
Relatório pilp 2011
Profmaria
 
Relatóro pilp 2011
Relatóro pilp 2011Relatóro pilp 2011
Relatóro pilp 2011
Profmaria
 
Tiago trabalho
Tiago trabalhoTiago trabalho
Tiago trabalho
Profmaria
 
Resumo do conto o tesouro
Resumo do conto o tesouroResumo do conto o tesouro
Resumo do conto o tesouro
Profmaria
 

Mais de Profmaria (20)

Avaliação do P10L no ensino online em situação de emergência
Avaliação do P10L no ensino online em situação de emergênciaAvaliação do P10L no ensino online em situação de emergência
Avaliação do P10L no ensino online em situação de emergência
 
1
11
1
 
webinar "A Gramática é como as cerejas"
webinar "A Gramática é como as cerejas"webinar "A Gramática é como as cerejas"
webinar "A Gramática é como as cerejas"
 
A escola primária no tempo do estado novo
A escola primária no tempo do estado novoA escola primária no tempo do estado novo
A escola primária no tempo do estado novo
 
Arte jogral vocacional e 5º ano
Arte jogral vocacional e 5º anoArte jogral vocacional e 5º ano
Arte jogral vocacional e 5º ano
 
Arte jogral vocacional e 5º ano
Arte jogral vocacional e 5º anoArte jogral vocacional e 5º ano
Arte jogral vocacional e 5º ano
 
Ler ou não ler
Ler ou não lerLer ou não ler
Ler ou não ler
 
Conteúdos port
Conteúdos portConteúdos port
Conteúdos port
 
Cultura dia 05 junho
Cultura dia 05 junhoCultura dia 05 junho
Cultura dia 05 junho
 
Programa sarau mar sophia e poesia
Programa sarau mar sophia e poesiaPrograma sarau mar sophia e poesia
Programa sarau mar sophia e poesia
 
Cultura dia 22 de maio
Cultura dia 22 de maioCultura dia 22 de maio
Cultura dia 22 de maio
 
Sim 130 web
Sim 130 webSim 130 web
Sim 130 web
 
Cultura dia 10 abril-2013
Cultura dia 10 abril-2013Cultura dia 10 abril-2013
Cultura dia 10 abril-2013
 
O diálogo
O diálogoO diálogo
O diálogo
 
Relatóro pilp 2011
Relatóro pilp 2011Relatóro pilp 2011
Relatóro pilp 2011
 
Relatório pilp 2011
Relatório pilp 2011Relatório pilp 2011
Relatório pilp 2011
 
Relatóro pilp 2011
Relatóro pilp 2011Relatóro pilp 2011
Relatóro pilp 2011
 
Trabalho lp
Trabalho lpTrabalho lp
Trabalho lp
 
Tiago trabalho
Tiago trabalhoTiago trabalho
Tiago trabalho
 
Resumo do conto o tesouro
Resumo do conto o tesouroResumo do conto o tesouro
Resumo do conto o tesouro
 

Último

Último (8)

Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 

Exemplo De Um Bom Resumo

  • 1. Exemplo de um bom resumo: Lendas da Via Láctea A Via Láctea era imaginada como o caminho para casa de Zeus/Júpiter. Era também considerada o percurso desordenado da corrida de Faetonte pelo Céu, enquanto conduzia o carro do Sol. Os povos nórdicos acreditavam que a Via láctea era o caminho seguido pelas almas para o céu. Na Escócia antiga era a estrada prateada que conduzia ao castelo do rei do fogo. Os índios primitivos acreditavam que a Via Láctea era o caminho que os espíritos percorriam até às suas aldeias, no Sol. O seu caminho é marcado pelas estrelas, que são fogueiras que os guiam ao longo do caminho. Resumo: Existem várias lendas acerca da Via Láctea. São vários os povos, desde os Gregos, os Nórdicos e os Índios primitivos, que interpretam a Via Láctea como um caminho, um rio celestial ou como guia das almas até ao céu. Partindo dos exemplos que te demos, tenta agora fazer os teus próprios resumos. Deves usar: As palavras-chave. As tuas próprias palavras. Uma linguagem objectiva e informativa. Não Deves: Mudar a ordem das ideias. Fazer juízos de valor. Ultrapassar um terço das palavras do texto original.