SlideShare uma empresa Scribd logo
FEUDALISMO
O feudalismo foi um sistema econômico, social político e cultural
predominantemente na Idade Média.
ORIGEM e CARACTERÍSTICAS:
• O processo de decadência do Império Romano, a partir do século III, está
na origem do feudalismo.
• Os bárbaros, ao ocuparem vastas regiões da Europa Ocidental,
estabeleceram um clima de insegurança na população que levou
gradativamente a uma drástica redução da atividade comercial e da vida
urbana.
• Assim, o ocidente europeu passou a contar com uma população
predominantemente rural, concentrada em torno de poderosos proprietários
de terra, capazes de lhe oferecer proteção, e vivendo à base de uma
agricultura de subsistência.
• As invasões árabes dos séculos VII e VIII, intensificaram a ruralização.
• Após os árabes a Europa foi invadida por outros povos, destacando-se os
normandos (vikings) e os magiares (húngaros).
Esse fato tornou a vida agrária nos feudos com seus castelos a única forma
de organização social significativa da Europa medieval.
CARACTERÍSTICAS :
Ruralização da
Sociedade;
Enfraquecimento
comercial;
Sociedade
hierarquizada;
Dependência pessoal;
 Defesa Privada;
Sistema deSistema de
produção feudalprodução feudal
FragmentaçãoFragmentação dodo
poder Centralpoder Central
Supremacia da Igreja
Católica;
Clericalização da
sociedade;
A SOCIEDADE FEUDALA SOCIEDADE FEUDAL
Classe
dominante
Clero e Nobreza – decisões, direção e direitos.
Formado pelos senhores feudais e o alto clero.
Sociedade estamental – ísto é, composta de estamentos (camadas), posições
sociais rígidas. A mobilidade social era reduzida.
Como regra, se o indivíduo nascia na camada servil, nela permanecia até o
fim de seus dias, o mesmo ocorrendo para aquele que pertencesse à
camada senhorial.
Camada produtiva,
dominada pelos senhores
Servos, vilões – deveres e obrigações em
troca da proteção dos senhores
Sociedade Feudal : SOCIEDADE
TRINITÁRIA
SERVOS
NOBREZA
CLERO
TRABALHAM
LUTAM
ORAM
IDADE MÉDIA
A Igreja deteve um poderA Igreja deteve um poder
extraordinário em funçãoextraordinário em função
da posse sobre grandeda posse sobre grande
parte das propriedadesparte das propriedades
rurais, as quais eramrurais, as quais eram
obtidas através de doações,obtidas através de doações,
heranças e tributos pagosheranças e tributos pagos
pelos cristãospelos cristãos..
SUSERANOS E VASSALOSSUSERANOS E VASSALOS
Havia uma relação de dependência entre os nobres, com a doação do
benefício, ou feudo, que quase sempre era a concessão de uma propriedade,
mas também podia ser o direito de explorar rendas ou cobrar pedágios em
estradas.
Etapas do contrato:
• Homenagem – o vassalo, ajoelhado e sem armas, declarava a
vontade de entrar para a clientela do senhor.
• fidelidade – era o juramento de manter-se fiel ao suserano.
• Investidura –– entregava-se ao vassalo um objeto que
simbolizava o feudo.
AUXÍLIO
CONSELHO
PROTEÇÃO
SUSTENTO
O Feudalismo
• SUSERANO – quem doava o benefício
• VASSALO – recebia o benefício.
PRINCIPAIS TRIBUTOS PAGOS PELOS SERVOSPRINCIPAIS TRIBUTOS PAGOS PELOS SERVOS
TALHA – porcentagem da produção das terras trabalhadas;
correspondia, em geral, a mais da metade da produção.
CORVÉIA – trabalho gratuito nas terras do senhor, de 2 a 3
dias por semana.
BANALIDADES – pagamento pelo uso de instrumentos de
trabalho pertencentes ao senhor e das dependências comuns do
feudo, como moinhos, fornos, celeiros, pontes, etc.
Deveres dos Servos
Corvéia
Trabalho gratuito de 3 a 5 dias por
Semana no Manso Senhorial.
Talha
Dar parte da produção (3/4 dia) ao
Suserano.
Banalidades
Pagamento, em espécie, pela
utilização
de instrumentos do Feudo.
Tostão
De Pedro
Dar 10 por cento da produção feudal
para a Igreja Católica.
Captação Imposto anual pago pelo simples fato
De estar vivo.
ORGANIZAÇÃO DOS FEUDOS
Feudo Senhorial
Domínio senhorial – onde
ficava o castelo com terras
de uso exclusivo do senhor
Feudo Servil
Terras servil – composto por
vários lotes, arrendados aos
servos
Feudo comunal
Terras comuns – composto
por bosques e pastos
usados tanto pelo senhor
como pelos servos
As terras dos feudos
• Reserva senhorial: terras
que pertenciam
exclusivamente ao senhor
feudal.
• Campos abertos: terras de
uso comum. compreendiam
bosques e pastos, havia uma
posse coletiva da terra
• Manso servil ou tenência:
terras utilizadas pelos
servos, das quais eles
retiravam seu próprio
sustento e recursos para
cumprir as obrigações
feudais.
ECONOMIA DE SUBSISTÊNCIA
Obrigados a pagar diversos tributos aos seus senhores, em
produtos ou em serviços, os servos não estavam estimulados a
produzir mais, pois, quanto mais produzissem, mais
acabavam pagando. Dessa forma, não tinham interesse de
aperfeiçoar as técnicas.
Para evitar, contudo o rápido esgotamento da terra, fonte de
sobrevivência dos feudos, adotou-se o sistema de rotação das
culturas.
ECONOMIA MEDIEVALECONOMIA MEDIEVAL
• A economia agrícola.
• Existiam moedas na Idade Média, porém
eram pouco utilizadas.
• As trocas de produtos e mercadorias eram
comuns
• Rural
• Auto-suficiente
PODER LOCALPODER LOCAL
Os senhores feudais tinham mais forças do que o rei.
Cada feudo possuía seu próprio exército, composto
principalmente pelos cavaleiros nobres, que eram guerreiros
regulares, e por servos convocados, se houvesse necessidade.
A cavalaria medieval, constituía um verdadeiro exército
particular, fundada nos ideais de honra, lealdade e heroísmo. Ser
cavaleiro era ambição de todos os jovens nobres.
O treinamento começa a partir dos sete anos de idade, quando
serviam de pajens de um senhor, momento em que aprendiam
montaria e manejo de armas. Em seguida, tornavam-se
escudeiros, acompanhando os senhores cavaleiros nas guerras e
nas caçadas.
O Feudalismo
Finalmente, perto dos 20 anos, depois de
demonstrar habilidades e virtudes guerreiras,
eram sagrados cavaleiros numa grandiosa
festa no castelo real, cumprindo um minucioso
ritual.
Assim, econômica e
militarmente fortes, os
senhores feudais
detinham também o
controle político local,
constituindo-se no
único poder efetivo
durante a Idade
Média, garantindo
seus interesses e
privilégios e anulando
quase inteiramente o
poder do rei.
Fim.
COLÉGIO ESTADUAL LAURENTINO MARTINS RODRIGUES
Santa Rita do Novo Destino - Goiás
Professor: Frederico Marques Sodré

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
Joemille Leal
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
Daniel Alves Bronstrup
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Eduard Henry
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
cattonia
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Reino de Axum
Reino de AxumReino de Axum
Reino de Axum
2dot4
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
Over Lane
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
Daniel Alves Bronstrup
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
ElvisJohnR
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
Claudenilson da Silva
 

Mais procurados (20)

1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃO
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Reino de Axum
Reino de AxumReino de Axum
Reino de Axum
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
 

Semelhante a O Feudalismo

Feudalismo.ppt
Feudalismo.pptFeudalismo.ppt
Feudalismo.ppt
FrancisRasseli
 
feudalismo-7o-ano.ppt formatura de edson
feudalismo-7o-ano.ppt formatura de edsonfeudalismo-7o-ano.ppt formatura de edson
feudalismo-7o-ano.ppt formatura de edson
Alanjones119642
 
7 feudalismo
7 feudalismo7 feudalismo
7 feudalismo
Lucas Cechinel
 
Feudalismo (1)
Feudalismo (1)Feudalismo (1)
Feudalismo 2
Feudalismo 2Feudalismo 2
Feudalismo 2
Jorge Basílio
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Luiz Neto
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
RafaelyLeite1
 
Modulo 13 feudalismo
Modulo 13  feudalismoModulo 13  feudalismo
Modulo 13 feudalismo
Giselle Cunha Barbosa Safatle
 
Modulo 13 feudalismo
Modulo 13  feudalismoModulo 13  feudalismo
Modulo 13 feudalismo
davincipatos
 
Idade média feudalismo
Idade média   feudalismoIdade média   feudalismo
Idade média feudalismo
Fatima Freitas
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
Elizeu filho
 
Sistema Feudal
Sistema FeudalSistema Feudal
Sistema Feudal
DesconFiles
 
O FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptxO FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptx
WirlanPaje2
 
A sociedade feudal
A sociedade feudalA sociedade feudal
A sociedade feudal
Nelia Salles Nantes
 
A sociedade feudal
A sociedade feudalA sociedade feudal
A sociedade feudal
Nelia Salles Nantes
 
Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)
Munis Pedro
 
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Feudalismo   trabalho  michelle, carol e curioniFeudalismo   trabalho  michelle, carol e curioni
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Patrícia Lima
 
Senhores Feudais - Prof.Altair Aguilar.
Senhores Feudais -  Prof.Altair Aguilar.Senhores Feudais -  Prof.Altair Aguilar.
Senhores Feudais - Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
Nivea Neves
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
Nivea Neves
 

Semelhante a O Feudalismo (20)

Feudalismo.ppt
Feudalismo.pptFeudalismo.ppt
Feudalismo.ppt
 
feudalismo-7o-ano.ppt formatura de edson
feudalismo-7o-ano.ppt formatura de edsonfeudalismo-7o-ano.ppt formatura de edson
feudalismo-7o-ano.ppt formatura de edson
 
7 feudalismo
7 feudalismo7 feudalismo
7 feudalismo
 
Feudalismo (1)
Feudalismo (1)Feudalismo (1)
Feudalismo (1)
 
Feudalismo 2
Feudalismo 2Feudalismo 2
Feudalismo 2
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
Modulo 13 feudalismo
Modulo 13  feudalismoModulo 13  feudalismo
Modulo 13 feudalismo
 
Modulo 13 feudalismo
Modulo 13  feudalismoModulo 13  feudalismo
Modulo 13 feudalismo
 
Idade média feudalismo
Idade média   feudalismoIdade média   feudalismo
Idade média feudalismo
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
Sistema Feudal
Sistema FeudalSistema Feudal
Sistema Feudal
 
O FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptxO FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptx
 
A sociedade feudal
A sociedade feudalA sociedade feudal
A sociedade feudal
 
A sociedade feudal
A sociedade feudalA sociedade feudal
A sociedade feudal
 
Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)
 
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Feudalismo   trabalho  michelle, carol e curioniFeudalismo   trabalho  michelle, carol e curioni
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
 
Senhores Feudais - Prof.Altair Aguilar.
Senhores Feudais -  Prof.Altair Aguilar.Senhores Feudais -  Prof.Altair Aguilar.
Senhores Feudais - Prof.Altair Aguilar.
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
 

Mais de Frederico Marques Sodré

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptxINTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
Frederico Marques Sodré
 
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
Frederico Marques Sodré
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
Frederico Marques Sodré
 
Slide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo DestinoSlide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo Destino
Frederico Marques Sodré
 
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Frederico Marques Sodré
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Frederico Marques Sodré
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Frederico Marques Sodré
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Frederico Marques Sodré
 
Mapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República VelhaMapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República Velha
Frederico Marques Sodré
 
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIIIMapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Frederico Marques Sodré
 
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoMapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Frederico Marques Sodré
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
Frederico Marques Sodré
 
A origem da filosofia
A origem da filosofiaA origem da filosofia
A origem da filosofia
Frederico Marques Sodré
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
Frederico Marques Sodré
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Populismo no Brasil
O Populismo no BrasilO Populismo no Brasil
O Populismo no Brasil
Frederico Marques Sodré
 

Mais de Frederico Marques Sodré (20)

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptxINTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
 
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
 
Slide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo DestinoSlide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo Destino
 
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
 
Mapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República VelhaMapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República Velha
 
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIIIMapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
 
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoMapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
A origem da filosofia
A origem da filosofiaA origem da filosofia
A origem da filosofia
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O Populismo no Brasil
O Populismo no BrasilO Populismo no Brasil
O Populismo no Brasil
 

Último

Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 

O Feudalismo

  • 2. O feudalismo foi um sistema econômico, social político e cultural predominantemente na Idade Média. ORIGEM e CARACTERÍSTICAS: • O processo de decadência do Império Romano, a partir do século III, está na origem do feudalismo. • Os bárbaros, ao ocuparem vastas regiões da Europa Ocidental, estabeleceram um clima de insegurança na população que levou gradativamente a uma drástica redução da atividade comercial e da vida urbana. • Assim, o ocidente europeu passou a contar com uma população predominantemente rural, concentrada em torno de poderosos proprietários de terra, capazes de lhe oferecer proteção, e vivendo à base de uma agricultura de subsistência. • As invasões árabes dos séculos VII e VIII, intensificaram a ruralização. • Após os árabes a Europa foi invadida por outros povos, destacando-se os normandos (vikings) e os magiares (húngaros). Esse fato tornou a vida agrária nos feudos com seus castelos a única forma de organização social significativa da Europa medieval.
  • 3. CARACTERÍSTICAS : Ruralização da Sociedade; Enfraquecimento comercial; Sociedade hierarquizada; Dependência pessoal;  Defesa Privada; Sistema deSistema de produção feudalprodução feudal FragmentaçãoFragmentação dodo poder Centralpoder Central Supremacia da Igreja Católica; Clericalização da sociedade;
  • 4. A SOCIEDADE FEUDALA SOCIEDADE FEUDAL Classe dominante Clero e Nobreza – decisões, direção e direitos. Formado pelos senhores feudais e o alto clero. Sociedade estamental – ísto é, composta de estamentos (camadas), posições sociais rígidas. A mobilidade social era reduzida. Como regra, se o indivíduo nascia na camada servil, nela permanecia até o fim de seus dias, o mesmo ocorrendo para aquele que pertencesse à camada senhorial. Camada produtiva, dominada pelos senhores Servos, vilões – deveres e obrigações em troca da proteção dos senhores
  • 5. Sociedade Feudal : SOCIEDADE TRINITÁRIA SERVOS NOBREZA CLERO TRABALHAM LUTAM ORAM
  • 6. IDADE MÉDIA A Igreja deteve um poderA Igreja deteve um poder extraordinário em funçãoextraordinário em função da posse sobre grandeda posse sobre grande parte das propriedadesparte das propriedades rurais, as quais eramrurais, as quais eram obtidas através de doações,obtidas através de doações, heranças e tributos pagosheranças e tributos pagos pelos cristãospelos cristãos..
  • 7. SUSERANOS E VASSALOSSUSERANOS E VASSALOS Havia uma relação de dependência entre os nobres, com a doação do benefício, ou feudo, que quase sempre era a concessão de uma propriedade, mas também podia ser o direito de explorar rendas ou cobrar pedágios em estradas. Etapas do contrato: • Homenagem – o vassalo, ajoelhado e sem armas, declarava a vontade de entrar para a clientela do senhor. • fidelidade – era o juramento de manter-se fiel ao suserano. • Investidura –– entregava-se ao vassalo um objeto que simbolizava o feudo.
  • 10. • SUSERANO – quem doava o benefício • VASSALO – recebia o benefício. PRINCIPAIS TRIBUTOS PAGOS PELOS SERVOSPRINCIPAIS TRIBUTOS PAGOS PELOS SERVOS TALHA – porcentagem da produção das terras trabalhadas; correspondia, em geral, a mais da metade da produção. CORVÉIA – trabalho gratuito nas terras do senhor, de 2 a 3 dias por semana. BANALIDADES – pagamento pelo uso de instrumentos de trabalho pertencentes ao senhor e das dependências comuns do feudo, como moinhos, fornos, celeiros, pontes, etc.
  • 11. Deveres dos Servos Corvéia Trabalho gratuito de 3 a 5 dias por Semana no Manso Senhorial. Talha Dar parte da produção (3/4 dia) ao Suserano. Banalidades Pagamento, em espécie, pela utilização de instrumentos do Feudo. Tostão De Pedro Dar 10 por cento da produção feudal para a Igreja Católica. Captação Imposto anual pago pelo simples fato De estar vivo.
  • 12. ORGANIZAÇÃO DOS FEUDOS Feudo Senhorial Domínio senhorial – onde ficava o castelo com terras de uso exclusivo do senhor Feudo Servil Terras servil – composto por vários lotes, arrendados aos servos Feudo comunal Terras comuns – composto por bosques e pastos usados tanto pelo senhor como pelos servos
  • 13. As terras dos feudos • Reserva senhorial: terras que pertenciam exclusivamente ao senhor feudal. • Campos abertos: terras de uso comum. compreendiam bosques e pastos, havia uma posse coletiva da terra • Manso servil ou tenência: terras utilizadas pelos servos, das quais eles retiravam seu próprio sustento e recursos para cumprir as obrigações feudais.
  • 14. ECONOMIA DE SUBSISTÊNCIA Obrigados a pagar diversos tributos aos seus senhores, em produtos ou em serviços, os servos não estavam estimulados a produzir mais, pois, quanto mais produzissem, mais acabavam pagando. Dessa forma, não tinham interesse de aperfeiçoar as técnicas. Para evitar, contudo o rápido esgotamento da terra, fonte de sobrevivência dos feudos, adotou-se o sistema de rotação das culturas.
  • 15. ECONOMIA MEDIEVALECONOMIA MEDIEVAL • A economia agrícola. • Existiam moedas na Idade Média, porém eram pouco utilizadas. • As trocas de produtos e mercadorias eram comuns • Rural • Auto-suficiente
  • 16. PODER LOCALPODER LOCAL Os senhores feudais tinham mais forças do que o rei. Cada feudo possuía seu próprio exército, composto principalmente pelos cavaleiros nobres, que eram guerreiros regulares, e por servos convocados, se houvesse necessidade. A cavalaria medieval, constituía um verdadeiro exército particular, fundada nos ideais de honra, lealdade e heroísmo. Ser cavaleiro era ambição de todos os jovens nobres. O treinamento começa a partir dos sete anos de idade, quando serviam de pajens de um senhor, momento em que aprendiam montaria e manejo de armas. Em seguida, tornavam-se escudeiros, acompanhando os senhores cavaleiros nas guerras e nas caçadas.
  • 18. Finalmente, perto dos 20 anos, depois de demonstrar habilidades e virtudes guerreiras, eram sagrados cavaleiros numa grandiosa festa no castelo real, cumprindo um minucioso ritual.
  • 19. Assim, econômica e militarmente fortes, os senhores feudais detinham também o controle político local, constituindo-se no único poder efetivo durante a Idade Média, garantindo seus interesses e privilégios e anulando quase inteiramente o poder do rei. Fim.
  • 20. COLÉGIO ESTADUAL LAURENTINO MARTINS RODRIGUES Santa Rita do Novo Destino - Goiás Professor: Frederico Marques Sodré