SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
BIODIVERSIDADE
BIODIVERSIDADE
SIGNIFICA:
“a variabilidade de organismos vivos de todas as
origens, compreendendo, dentre outros, os
ecossistemas terrestres, marinhos e outros
ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos de
que fazem parte; compreendendo ainda a
diversidade dentro de espécies, entre espécies e de
ecossistemas”.
BIODIVERSIDADE
O Brasil é o país com a maior biodiversidade, quer se considere o
número (riqueza) e a abundância relativa (equitabilidade) das espécies,
quer se considere a variabilidade local, a complementaridade biológica
entre habitats ou a diversidade de ecossistemas e biomas. Temos cerca
de 7.000 espécies de vertebrados, 60.000 espécies de angiospermas, 2
milhões de espécies de invertebrados e um número incalculável de
espécies de microrganismos. Temos a maior Floresta Tropical do mundo
(Floresta Amazônica), a Floresta Tropical com os maiores índices de
biodiversidade/área (Mata Atlântica), uma vegetação de savana com os
mais altos índices de endemismos (Cerrado) e a maior planície alagável
do mundo (Pantanal).
BIODIVERSIDADE
Qual a importância da Biodiversidade?
A conservação e o uso sustentável da
biodiversidade, assim como a possibilidade de
produção de bens e serviços ambientais e da
geração de emprego e renda representam as
melhores formas de valorizar e proteger nosso
patrimônio ambiental.
BIODIVERSIDADE
FUNÇÕES AMBIENTAIS
A realização de vários processos ecológicos que ocorrem na natureza
depende, direta ou indiretamente, dos seres vivos e de suas relações. As
formações vegetais (florestas, campos naturais, matas de galeria etc.)
desempenham um papel essencial na manutenção do equilíbrio ecológico e
climático do planeta, sendo que os benefícios da intensa atividade biológica
que ocorre nas florestas, por exemplo, podem ter efeitos globais, fazendo-se
sentir em outros continentes. As florestas realizam grandes serviços
ambientais, que precisam ser conhecidos e valorizados. As copas e raízes
das árvores regulam os fluxos de água e amenizam as diferenças de
temperatura entre o solo e a atmosfera, colaborando na manutenção do
equilíbrio e da estabilidade necessários para a manutenção da vida no
planeta.
BIODIVERSIDADE
As florestas e outras formas de vegetação produzem bens e
serviços ambientais essenciais para a conservação da
diversidade de vida, manutenção dos rios, lagos e depósitos
de água, conservação do solo, contenção da erosão e
regularização do clima, além de proporcionar recreação e lazer.
A vegetação típica das áreas costeiras, os manguezais,
também tem função protetora. Ela reduz o impacto das ondas
sobre o litoral, assim como é criadouro para muitos animais.
Quando essa vegetação é retirada, as ondas provocam
erosão, fazendo com que o mar avance sobre as faixas de
terra e a produção de pescados fica prejudicada.
BIODIVERSIDADE
FUNÇÕES SOCIOECONÔMICAS
A biodiversidade também tem um importante papel econômico, pois os produtos da flora
e da fauna constituem uma imensa riqueza de recursos que a humanidade utiliza para
sustentar um sistema de produção cada vez mais sofisticado capaz de gerar emprego e
renda para as populações locais. Quase todos os produtos que utilizamos cotidianamente,
à exceção dos minérios e derivados de petróleo, são produtos de origem vegetal ou
animal e constituem o acervo da biodiversidade do planeta. Nesse conjunto incluem-se a
madeira das árvores, os frutos, a carne e outros alimentos, óleos e essências (usados na
fabricação de alimentos e cosméticos), medicamentos, borracha, fibras e uma infinidade
de outros bens úteis para o homem.
BIODIVERSIDADE
EMPREGO E RENDA
A utilização dos recursos florestais representa importante fonte de renda e emprego na
Amazônia, permitindo uma economia de subsistência que atinge uma população de cerca de
dois milhões de agricultores familiares e 500 mil extrativistas. As atividades extrativistas
movimentam uma renda de cerca de R$ 1.000,00 por família ao ano. Quando se implantam
atividades que não geram grandes impactos sobre as florestas e que podem agregar valor aos
bens que ela pode nos fornecer, quem ganha é o ambiente, os habitantes da floresta e toda a
sociedade. A utilização dos recursos florestais na região Nordeste representa importante fonte
de renda na região do semi-árido, com a geração de mais de 700 mil empregos,
especialmente no período de estiagem. Apenas na cadeia de produção de erva mate, que se
desenvolve principalmente nos estados da região Sul, existem mais 800 mil pessoas
envolvidas.
BIODIVERSIDADE
Estima-se que 25% dos medicamentos comerciais sejam extraídos de plantas medicinais.
Para se protegerem dos seus inimigos naturais, as plantas produzem compostos químicos
secundários, que são potenciais para esses medicamentos.
Os povos indígenas e populações tradicionais detêm o conhecimento sobre o uso dessas
plantas.
BIODIVERSIDADE
A destruição das reservas florestais prejudica a circulação natural de energia, vento, chuva,
sedimentos e nutrientes, interrompendo o ciclo da vida e diminuindo a disponibilidade de água.
Isso contribui para o crescente fenômeno de desertificação, que, segundo a ONU, já atinge 41%
das terras do planeta. O avanço é de 60 mil km2 por ano, uma área equivalente a 20% do estado
de Goiás.
POPULAÇÕES INDÍGENAS
A proteção e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos naturais existentes nas Terras
Indígenas têm importância estratégica para o futuro dos povos indígenas do Brasil. A falta de
controle e de conhecimento sobre fatores de degradação ambiental, muitas vezes de efeito
acelerado, tem colaborado para o aumento da vulnerabilidade das Terras Indígenas. Em muitas
delas, as condições ambientais foram gravemente deterioradas ou estão em processo de
degradação, devido a invasões, espoliação dos recursos naturais ou, ainda, em decorrência das
alterações ambientais ocorridas em seu entorno, com reflexos diretos sobre a cultura e auto-
sustentabilidade indígena.
BIODIVERSIDADE
LAZER E TURISMO
Os ambientes naturais proporcionam diversas formas de recreação e lazer, que envolvem
desde a prática de atividades físicas leves, como uma caminhada por uma bela trilha, até as
mais arrojadas como canoagem, rapel e escaladas. Contemplar belas paisagens, observar
animais em vida livre, seus abrigos, ninhos e locais de descanso e alimentação, fazer
piqueniques protegidos pela sombra das árvores e colher frutos são atividades que ajudam a
integrar o ser humano e a natureza, e que estimulam a sociedade a adotar uma conduta de
respeito ao meio ambiente e a reivindicar a proteção de mais áreas em Unidades de
Conservação, impedindo a alteração de suas feições naturais.
BIODIVERSIDADE
BIODIVERSIDADE
O Brasil é o único país do mundo a herdar seu nome de uma árvore. Durante muitos
anos, o Pau-Brasil, uma árvore da Mata Atlântica, foi fonte de riqueza para os
portugueses, que extraíam dela um pigmento vermelho muito utilizado para tingir
tecidos. Hoje sua madeira ainda é utilizada para a fabricação de violinos, mas a árvore
está ameaçada de extinção. Estima-se que na caatinga vivem cerca de 44 espécies de
lagartos, nove espécies de lagartos sem pés, 47 espécies de serpentes, quatro de
quelônios (jabutis e cágados), três de jacaré e 47 de anfíbios anuros (rãs, sapos e
pererecas). Duas espécies estão no limite da extinção: a ararinha azul (Cyanopsita
spixii), dizimada pelo tráfico de animais silvestres, e a arara azul de Lear
(Anodorhinchus leari), cuja pequena população, estimada em cerca de 400 indivíduos,
segundo o último censo do Ibama, realizado em 2002, vive pressionada pela destruição
do hábitat e pela apanha ilegal.
BIODIVERSIDADE
A Amazônia abriga cerca de 10 a 15 milhões de espécies de insetos, 311 de mamíferos,
163 de anfíbios, 1.000 de aves, 465 de répteis e mais de 1.500 de peixes.
Afauna inclui desde primatas de grande porte, como o macaco-aranha (Ateles sp.), animais
herbívoros, como a anta (Tapirus terrestris), e grandes predadores, como a onça pintada
(Panthera onça).
Existem catalogadas no Pantanal 665 espécies de aves, 95 de mamíferos, 260 de peixes, 162
de répteis e 40 de anfíbios.
BIODIVERSIDADE
Reconhecido como a savana mais rica do mundo em biodiversidade, o cerrado brasileiro
apresenta riquíssima flora, com mais de 10 mil espécies de plantas, sendo 4.400 endêmicas.
A fauna apresenta 837 espécies de aves, 67 gêneros de mamíferos, abrangendo 161
espécies e 19 endêmicas, 150 espécies de anfíbios, das quais 45 endêmicas, 120 espécies de
répteis, sendo 24 endêmicas.
BIODIVERSIDADE
A fauna da Mata Atlântica é extremamente rica, incluindo várias espécies bem conhecidas,
como os mico-leões (ao lado desenho do mico-leãodourado) e muriquis, primatas dos
gêneros Leontopithecus e Brachyteles, respectivamente. Algumas delas tornaram-se tão
raras que integram a lista de fauna em vias de extinção. São cerca de 1.361 espécies (567
endêmicas), sendo 261 de mamíferos, 620 de aves, 220 de répteis e 260 de anfíbios.
Destas, 253 espécies só ocorrem nesse bioma.
BIODIVERSIDADE
DESMATAMENTO
•A atividade madeireira pode ser legal e sustentável, mas não quando acontece o
desmatamento. Além de não promover a sustentabilidade, na maioria das vezes, o
desmatamento não aproveita adequadamente a madeira, assim como os produtos
não- madeireiros.
•A principal causa do desmatamento no Brasil é conversão das áreas florestais para
cultivo de pastagens e para a expansão das áreas agrícolas para produção de grãos
como a soja. Mal manejadas, estas áreas muitas vezes são abandonadas depois de
esgotada sua fertilidade inicial, o que permitiu ao Brasil acumular, somente na
Amazônia brasileira, mais de 16 milhões de hectares de áreas degradadas.
BIODIVERSIDADE
Manejo sustentável
O manejo sustentável de produtos madeireiros e não madeireiros colabora para o
desenvolvimento social e econômico, gerando emprego e renda para as
populações. Além da produtividade, o manejo sustentável visa a redução dos
desperdícios e a manutenção da diversidade biológica, além de possibilitar a
diminuição de acidentes de trabalho.
BIODIVERSIDADE
Rastros da destruição
Desde os anos 90 foram destruídos 16,1 milhões de hectares de cobertura vegetal ao
ano, 15,2 milhões nos trópicos. Entre 1990 e 2000, os maiores desmatamentos
ocorreram em países pobres como Argentina, Brasil, Congo, Indonésia, México,
Nigéria e Sudão. Essa mesma pesquisa mostrou que a principal causa da degradação
ambiental é a conversão das florestas para a agricultura, incêndios e o uso excessivo
dos recursos das matas. A organização ainda alerta para o fato de que as atividades
ilegais que degradam os recursos das florestas, principalmente nos países em
desenvolvimento, crescem a cada ano.
OS RECURSOS DA FAUNA
A fauna silvestre é outro exemplo de recurso natural com potencial de uso sustentável,
principalmente pelas populações tradicionais das florestas. O uso pode ser ordenado de
forma racional e fundamentado nos princípios da sustentabilidade. Dessa forma
estariam assegurados o rendimento econômico da exploração e também a perpetuidade
das populações de animais silvestres. A implantação desse sistema é viável, porém,
depende da organização das populações em associações ou cooperativas e da criação
de normas de manejo dentro de parâmetros técnicos e legais, capazes de proteger
espécies ameaçadas de extinção e conservar aquelas de interesse econômico por meio
do uso controlado.
BIODIVERSIDADE
LEI DE CRIMES AMBIENTAIS
Criada em 12 de fevereiro de 1998, a Lei de Crimes Ambientais (Lei no 9.605)
estabelece sanções penais para aqueles que praticarem atos contra a fauna e a flora.
Com isso, pretende-se inibir a caça e a pesca sem licença, o contrabando de animais, o
abuso e maus-tratos a animais silvestres e domésticos, a destruição de lavouras,
pomares, rebanhos e florestas nativas ou plantadas, e até o condenável hábito de soltar
balões ou outras práticas capazes de provocar incêndios ou gerar poluição em níveis
que possam causar danos à saúde humana ou ao meio ambiente.
BIODIVERSIDADE
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Biodiversidade. Disponível
<www.mma.gov.br/estruturas/sedr.../idec%2004%20biodiversidade%20b.pdf>.Acesso em: 24 set. 2018.
em:
SILVA, Ana Tereza Reis da. A conservação da biodiversidade entre os saberes da tradição e a ciência . Estud.
av., São Paulo , v. 29, n. 83, p. 233-259, Apr. 2015 . Available from
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142015000100233&lng=en&nrm=iso>.
Acesso em 24 Set. 2018.
FRANCO, José Luiz de Andrade. O conceito de biodiversidade e a história da biologia da conservação: da
preservação da wilderness à conservação da biodiversidade. História, Franca , v. 32, n. 2, p. 21-48, Dec. 2013
. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-
90742013000200003&lng=en&nrm=iso>.Acesso em 24 Set. 2018.
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 conceitos de ecologia
Aula 1   conceitos de ecologiaAula 1   conceitos de ecologia
Aula 1 conceitos de ecologia
Grupo UNIASSELVI
 
Fluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matériaFluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matéria
Carlos Priante
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01
Ilsoflavio
 

Mais procurados (20)

Ameaças à Biodiversidade
Ameaças à BiodiversidadeAmeaças à Biodiversidade
Ameaças à Biodiversidade
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
Dinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesDinâmica de Populações
Dinâmica de Populações
 
Aula Unidades de Conservação
Aula Unidades de ConservaçãoAula Unidades de Conservação
Aula Unidades de Conservação
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Aula 1 conceitos de ecologia
Aula 1   conceitos de ecologiaAula 1   conceitos de ecologia
Aula 1 conceitos de ecologia
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
Ecologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaEcologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma Amazônia
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Fluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matériaFluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matéria
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato MarchesiniUnidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01
 

Semelhante a BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx

Bioma Mata atlântica
Bioma Mata atlânticaBioma Mata atlântica
Bioma Mata atlântica
Felipe Batista
 
Biodiversidade 3 ano- prof reginaldo
Biodiversidade  3 ano- prof reginaldoBiodiversidade  3 ano- prof reginaldo
Biodiversidade 3 ano- prof reginaldo
stjamesmkt
 
Trabalho gustavo, jonatan e gabriel
Trabalho gustavo, jonatan e gabrielTrabalho gustavo, jonatan e gabriel
Trabalho gustavo, jonatan e gabriel
Escola Costa e Silva
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
leila Cardoso
 
Artigo - animais ameaçados em extinçao
Artigo - animais ameaçados em extinçaoArtigo - animais ameaçados em extinçao
Artigo - animais ameaçados em extinçao
netoalvirubro
 
A conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagensA conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagens
Uelson E E
 

Semelhante a BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx (20)

Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Biodiversidade Brasileira
Biodiversidade BrasileiraBiodiversidade Brasileira
Biodiversidade Brasileira
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Biodiversidade biologia
Biodiversidade   biologiaBiodiversidade   biologia
Biodiversidade biologia
 
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
 
Bioma Mata atlântica
Bioma Mata atlânticaBioma Mata atlântica
Bioma Mata atlântica
 
Biodiversidade 3 ano- prof reginaldo
Biodiversidade  3 ano- prof reginaldoBiodiversidade  3 ano- prof reginaldo
Biodiversidade 3 ano- prof reginaldo
 
A biodiversidade brasileira
A biodiversidade brasileiraA biodiversidade brasileira
A biodiversidade brasileira
 
AULA - BIOMAS - PARTE 1
AULA - BIOMAS -  PARTE 1AULA - BIOMAS -  PARTE 1
AULA - BIOMAS - PARTE 1
 
Trabalho gustavo, jonatan e gabriel
Trabalho gustavo, jonatan e gabrielTrabalho gustavo, jonatan e gabriel
Trabalho gustavo, jonatan e gabriel
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
AULA - BIOMAS - PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdf
AULA - BIOMAS -  PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdfAULA - BIOMAS -  PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdf
AULA - BIOMAS - PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdf
 
Principais biomas brasileiros
Principais biomas brasileirosPrincipais biomas brasileiros
Principais biomas brasileiros
 
Biodiversidade (1).pptx
Biodiversidade (1).pptxBiodiversidade (1).pptx
Biodiversidade (1).pptx
 
Bioma Savana slide.pptx
Bioma Savana slide.pptxBioma Savana slide.pptx
Bioma Savana slide.pptx
 
Artigo - animais ameaçados em extinçao
Artigo - animais ameaçados em extinçaoArtigo - animais ameaçados em extinçao
Artigo - animais ameaçados em extinçao
 
A conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagensA conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagens
 

Mais de Frederico Marques Sodré

Mais de Frederico Marques Sodré (20)

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptxINTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
 
Slide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo DestinoSlide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo Destino
 
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
 
Mapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República VelhaMapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República Velha
 
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIIIMapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
 
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoMapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
A origem da filosofia
A origem da filosofiaA origem da filosofia
A origem da filosofia
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O Populismo no Brasil
O Populismo no BrasilO Populismo no Brasil
O Populismo no Brasil
 
O Feudalismo
O FeudalismoO Feudalismo
O Feudalismo
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 

BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx

  • 2. BIODIVERSIDADE SIGNIFICA: “a variabilidade de organismos vivos de todas as origens, compreendendo, dentre outros, os ecossistemas terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos de que fazem parte; compreendendo ainda a diversidade dentro de espécies, entre espécies e de ecossistemas”.
  • 3. BIODIVERSIDADE O Brasil é o país com a maior biodiversidade, quer se considere o número (riqueza) e a abundância relativa (equitabilidade) das espécies, quer se considere a variabilidade local, a complementaridade biológica entre habitats ou a diversidade de ecossistemas e biomas. Temos cerca de 7.000 espécies de vertebrados, 60.000 espécies de angiospermas, 2 milhões de espécies de invertebrados e um número incalculável de espécies de microrganismos. Temos a maior Floresta Tropical do mundo (Floresta Amazônica), a Floresta Tropical com os maiores índices de biodiversidade/área (Mata Atlântica), uma vegetação de savana com os mais altos índices de endemismos (Cerrado) e a maior planície alagável do mundo (Pantanal).
  • 4. BIODIVERSIDADE Qual a importância da Biodiversidade? A conservação e o uso sustentável da biodiversidade, assim como a possibilidade de produção de bens e serviços ambientais e da geração de emprego e renda representam as melhores formas de valorizar e proteger nosso patrimônio ambiental.
  • 5. BIODIVERSIDADE FUNÇÕES AMBIENTAIS A realização de vários processos ecológicos que ocorrem na natureza depende, direta ou indiretamente, dos seres vivos e de suas relações. As formações vegetais (florestas, campos naturais, matas de galeria etc.) desempenham um papel essencial na manutenção do equilíbrio ecológico e climático do planeta, sendo que os benefícios da intensa atividade biológica que ocorre nas florestas, por exemplo, podem ter efeitos globais, fazendo-se sentir em outros continentes. As florestas realizam grandes serviços ambientais, que precisam ser conhecidos e valorizados. As copas e raízes das árvores regulam os fluxos de água e amenizam as diferenças de temperatura entre o solo e a atmosfera, colaborando na manutenção do equilíbrio e da estabilidade necessários para a manutenção da vida no planeta.
  • 6. BIODIVERSIDADE As florestas e outras formas de vegetação produzem bens e serviços ambientais essenciais para a conservação da diversidade de vida, manutenção dos rios, lagos e depósitos de água, conservação do solo, contenção da erosão e regularização do clima, além de proporcionar recreação e lazer. A vegetação típica das áreas costeiras, os manguezais, também tem função protetora. Ela reduz o impacto das ondas sobre o litoral, assim como é criadouro para muitos animais. Quando essa vegetação é retirada, as ondas provocam erosão, fazendo com que o mar avance sobre as faixas de terra e a produção de pescados fica prejudicada.
  • 7. BIODIVERSIDADE FUNÇÕES SOCIOECONÔMICAS A biodiversidade também tem um importante papel econômico, pois os produtos da flora e da fauna constituem uma imensa riqueza de recursos que a humanidade utiliza para sustentar um sistema de produção cada vez mais sofisticado capaz de gerar emprego e renda para as populações locais. Quase todos os produtos que utilizamos cotidianamente, à exceção dos minérios e derivados de petróleo, são produtos de origem vegetal ou animal e constituem o acervo da biodiversidade do planeta. Nesse conjunto incluem-se a madeira das árvores, os frutos, a carne e outros alimentos, óleos e essências (usados na fabricação de alimentos e cosméticos), medicamentos, borracha, fibras e uma infinidade de outros bens úteis para o homem.
  • 8. BIODIVERSIDADE EMPREGO E RENDA A utilização dos recursos florestais representa importante fonte de renda e emprego na Amazônia, permitindo uma economia de subsistência que atinge uma população de cerca de dois milhões de agricultores familiares e 500 mil extrativistas. As atividades extrativistas movimentam uma renda de cerca de R$ 1.000,00 por família ao ano. Quando se implantam atividades que não geram grandes impactos sobre as florestas e que podem agregar valor aos bens que ela pode nos fornecer, quem ganha é o ambiente, os habitantes da floresta e toda a sociedade. A utilização dos recursos florestais na região Nordeste representa importante fonte de renda na região do semi-árido, com a geração de mais de 700 mil empregos, especialmente no período de estiagem. Apenas na cadeia de produção de erva mate, que se desenvolve principalmente nos estados da região Sul, existem mais 800 mil pessoas envolvidas.
  • 9. BIODIVERSIDADE Estima-se que 25% dos medicamentos comerciais sejam extraídos de plantas medicinais. Para se protegerem dos seus inimigos naturais, as plantas produzem compostos químicos secundários, que são potenciais para esses medicamentos. Os povos indígenas e populações tradicionais detêm o conhecimento sobre o uso dessas plantas.
  • 10. BIODIVERSIDADE A destruição das reservas florestais prejudica a circulação natural de energia, vento, chuva, sedimentos e nutrientes, interrompendo o ciclo da vida e diminuindo a disponibilidade de água. Isso contribui para o crescente fenômeno de desertificação, que, segundo a ONU, já atinge 41% das terras do planeta. O avanço é de 60 mil km2 por ano, uma área equivalente a 20% do estado de Goiás.
  • 11. POPULAÇÕES INDÍGENAS A proteção e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos naturais existentes nas Terras Indígenas têm importância estratégica para o futuro dos povos indígenas do Brasil. A falta de controle e de conhecimento sobre fatores de degradação ambiental, muitas vezes de efeito acelerado, tem colaborado para o aumento da vulnerabilidade das Terras Indígenas. Em muitas delas, as condições ambientais foram gravemente deterioradas ou estão em processo de degradação, devido a invasões, espoliação dos recursos naturais ou, ainda, em decorrência das alterações ambientais ocorridas em seu entorno, com reflexos diretos sobre a cultura e auto- sustentabilidade indígena. BIODIVERSIDADE
  • 12. LAZER E TURISMO Os ambientes naturais proporcionam diversas formas de recreação e lazer, que envolvem desde a prática de atividades físicas leves, como uma caminhada por uma bela trilha, até as mais arrojadas como canoagem, rapel e escaladas. Contemplar belas paisagens, observar animais em vida livre, seus abrigos, ninhos e locais de descanso e alimentação, fazer piqueniques protegidos pela sombra das árvores e colher frutos são atividades que ajudam a integrar o ser humano e a natureza, e que estimulam a sociedade a adotar uma conduta de respeito ao meio ambiente e a reivindicar a proteção de mais áreas em Unidades de Conservação, impedindo a alteração de suas feições naturais. BIODIVERSIDADE
  • 14. O Brasil é o único país do mundo a herdar seu nome de uma árvore. Durante muitos anos, o Pau-Brasil, uma árvore da Mata Atlântica, foi fonte de riqueza para os portugueses, que extraíam dela um pigmento vermelho muito utilizado para tingir tecidos. Hoje sua madeira ainda é utilizada para a fabricação de violinos, mas a árvore está ameaçada de extinção. Estima-se que na caatinga vivem cerca de 44 espécies de lagartos, nove espécies de lagartos sem pés, 47 espécies de serpentes, quatro de quelônios (jabutis e cágados), três de jacaré e 47 de anfíbios anuros (rãs, sapos e pererecas). Duas espécies estão no limite da extinção: a ararinha azul (Cyanopsita spixii), dizimada pelo tráfico de animais silvestres, e a arara azul de Lear (Anodorhinchus leari), cuja pequena população, estimada em cerca de 400 indivíduos, segundo o último censo do Ibama, realizado em 2002, vive pressionada pela destruição do hábitat e pela apanha ilegal.
  • 15. BIODIVERSIDADE A Amazônia abriga cerca de 10 a 15 milhões de espécies de insetos, 311 de mamíferos, 163 de anfíbios, 1.000 de aves, 465 de répteis e mais de 1.500 de peixes. Afauna inclui desde primatas de grande porte, como o macaco-aranha (Ateles sp.), animais herbívoros, como a anta (Tapirus terrestris), e grandes predadores, como a onça pintada (Panthera onça). Existem catalogadas no Pantanal 665 espécies de aves, 95 de mamíferos, 260 de peixes, 162 de répteis e 40 de anfíbios.
  • 16. BIODIVERSIDADE Reconhecido como a savana mais rica do mundo em biodiversidade, o cerrado brasileiro apresenta riquíssima flora, com mais de 10 mil espécies de plantas, sendo 4.400 endêmicas. A fauna apresenta 837 espécies de aves, 67 gêneros de mamíferos, abrangendo 161 espécies e 19 endêmicas, 150 espécies de anfíbios, das quais 45 endêmicas, 120 espécies de répteis, sendo 24 endêmicas.
  • 17. BIODIVERSIDADE A fauna da Mata Atlântica é extremamente rica, incluindo várias espécies bem conhecidas, como os mico-leões (ao lado desenho do mico-leãodourado) e muriquis, primatas dos gêneros Leontopithecus e Brachyteles, respectivamente. Algumas delas tornaram-se tão raras que integram a lista de fauna em vias de extinção. São cerca de 1.361 espécies (567 endêmicas), sendo 261 de mamíferos, 620 de aves, 220 de répteis e 260 de anfíbios. Destas, 253 espécies só ocorrem nesse bioma.
  • 18. BIODIVERSIDADE DESMATAMENTO •A atividade madeireira pode ser legal e sustentável, mas não quando acontece o desmatamento. Além de não promover a sustentabilidade, na maioria das vezes, o desmatamento não aproveita adequadamente a madeira, assim como os produtos não- madeireiros. •A principal causa do desmatamento no Brasil é conversão das áreas florestais para cultivo de pastagens e para a expansão das áreas agrícolas para produção de grãos como a soja. Mal manejadas, estas áreas muitas vezes são abandonadas depois de esgotada sua fertilidade inicial, o que permitiu ao Brasil acumular, somente na Amazônia brasileira, mais de 16 milhões de hectares de áreas degradadas.
  • 19. BIODIVERSIDADE Manejo sustentável O manejo sustentável de produtos madeireiros e não madeireiros colabora para o desenvolvimento social e econômico, gerando emprego e renda para as populações. Além da produtividade, o manejo sustentável visa a redução dos desperdícios e a manutenção da diversidade biológica, além de possibilitar a diminuição de acidentes de trabalho.
  • 20. BIODIVERSIDADE Rastros da destruição Desde os anos 90 foram destruídos 16,1 milhões de hectares de cobertura vegetal ao ano, 15,2 milhões nos trópicos. Entre 1990 e 2000, os maiores desmatamentos ocorreram em países pobres como Argentina, Brasil, Congo, Indonésia, México, Nigéria e Sudão. Essa mesma pesquisa mostrou que a principal causa da degradação ambiental é a conversão das florestas para a agricultura, incêndios e o uso excessivo dos recursos das matas. A organização ainda alerta para o fato de que as atividades ilegais que degradam os recursos das florestas, principalmente nos países em desenvolvimento, crescem a cada ano.
  • 21. OS RECURSOS DA FAUNA A fauna silvestre é outro exemplo de recurso natural com potencial de uso sustentável, principalmente pelas populações tradicionais das florestas. O uso pode ser ordenado de forma racional e fundamentado nos princípios da sustentabilidade. Dessa forma estariam assegurados o rendimento econômico da exploração e também a perpetuidade das populações de animais silvestres. A implantação desse sistema é viável, porém, depende da organização das populações em associações ou cooperativas e da criação de normas de manejo dentro de parâmetros técnicos e legais, capazes de proteger espécies ameaçadas de extinção e conservar aquelas de interesse econômico por meio do uso controlado. BIODIVERSIDADE
  • 22. LEI DE CRIMES AMBIENTAIS Criada em 12 de fevereiro de 1998, a Lei de Crimes Ambientais (Lei no 9.605) estabelece sanções penais para aqueles que praticarem atos contra a fauna e a flora. Com isso, pretende-se inibir a caça e a pesca sem licença, o contrabando de animais, o abuso e maus-tratos a animais silvestres e domésticos, a destruição de lavouras, pomares, rebanhos e florestas nativas ou plantadas, e até o condenável hábito de soltar balões ou outras práticas capazes de provocar incêndios ou gerar poluição em níveis que possam causar danos à saúde humana ou ao meio ambiente. BIODIVERSIDADE
  • 23. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Biodiversidade. Disponível <www.mma.gov.br/estruturas/sedr.../idec%2004%20biodiversidade%20b.pdf>.Acesso em: 24 set. 2018. em: SILVA, Ana Tereza Reis da. A conservação da biodiversidade entre os saberes da tradição e a ciência . Estud. av., São Paulo , v. 29, n. 83, p. 233-259, Apr. 2015 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142015000100233&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 24 Set. 2018. FRANCO, José Luiz de Andrade. O conceito de biodiversidade e a história da biologia da conservação: da preservação da wilderness à conservação da biodiversidade. História, Franca , v. 32, n. 2, p. 21-48, Dec. 2013 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101- 90742013000200003&lng=en&nrm=iso>.Acesso em 24 Set. 2018.