SlideShare uma empresa Scribd logo
Escravos e GladiadoresTrabalho realizado por:Rafael Baptista Nº24
ÍndiceIntroduçãoEscravatura na Roma antigaEscravosRegrasEmancipaçãoGladiadores romanosVida como gladiador (o treino; alimentação)CombatesCategoriasCuriosidadesConclusãoCybergrafia e Bibliografia
IntroduçãoEscravos tornavam-se os prisioneiros da guerra.Estima-se que mais de 30% da população da Roma Antiga era escrava.Gladiador era um lutador escravo, treinado na Roma Antiga. O nome "Gladiador" provém da espada curta usada por este lutador (gladius).
Escravatura na Roma Antiga
EscravosOs escravos eram os prisioneiros de guerra que chegavam a Roma, em grande número. Normalmente tinham cor de pele ou língua diferentes das dos amos.Trabalhavam, sobretudo, nos campos, nas minas e nas obras públicas, contribuindo, assim, para o desenvolvimento económico de Roma. Alguns desses escravos, especialmente os de origem grega, eram muito cultos, tornando-se mestres e pedagogos dos romanos. Alguns escravos conseguiam obter a sualiberdade, podendo mesmo ascender à ordem equestre se tivessem sucesso nos negócios.
Escravos (cont.)A escravidão na Roma Antiga implicava uma quase absoluta redução nos direitos daqueles que ostentavam essa condição, convertidos em simples propriedades dos seus donos.As revoltas de escravos, tal como a de fim da década de 70 a.C foram duramente reprimidas.Os romanos consideravam a escravidão como infame, e um soldado romano preferia suicidar-se antes de cair escravo de um povo bárbaro, ou seja, não  romano.
RegrasUm escravo era um bem que era possuído, despojado de qualquer direito; o amo possuía o direito sobre a sua vida e a sua morte. O termo "manus" simbolizava o domínio do amo sobre o escravo, do mesmo modo que o domínio do marido sobre a sua esposa. O status social de um homem era medido em função do número de escravos que possuía. Todas as crianças nascidas de mulheres escravas tornavam-se também escravas.
Os escravos trabalhavam todos os dias excepto durante as festividades das saturnais de Dezembro e os Compitalia de Janeiro.EmancipaçãoNa Roma Antiga, quando um escravo era emancipado pelo seu amo tornava-se num liberto, um homem quase livre. Não tinha todos os direitos do homem livre, mas as suas crianças seriam totalmente livres.
Gladiadores Romanos
Vida como gladiadorOs gladiadores eram escolhidos entre os prisioneiros de guerra e escravos.Com o passar do tempo, se reunissem muitas vitórias, tornavam-se heróis populares.Os gladiadores mais bem sucedidos ganhavam, além da popularidade, muito dinheiro e, com o tempo, podiam largar a carreira de forma honrosa. Estes privilegiados ganhavam uma pensão do império e um gládio (espada de madeira simbólica).
Vida como gladiador (cont.)O TreinoRealicado em escolas especiais conhecidas como ludus.
Em Roma existiam quatro escolas, sendo a maior Ludus Magnos que era conectada com o coliseu por um túnel subterrâneo.
No intervalo das lutas eles tinham um tratamento especial que envolvia grandes cuidados médicos e treino cuidadoso.
No geral, eles não lutavam mais que três vezes por ano. Vida como gladiador (cont.)AlimentaçãoOs gladiadores eram, em grande parte, vegetarianos. Alimentavam basicamente de feijões e cevada. A carne era um alimento caro, motivo pelo qual eram vegetarianos.
CombatesOs gladiadores lutavam entre si nas arenas (a mais famosa era o Coliseu de Roma), para entreter o público, utilizando espadas, escudos, redes, tridentes, lanças, etc.Participavam também nas lutas montados em cavalos ou usando bigas (carros romanos puxados por cavalos), e muitas vezes colocados na arena para enfrentar feras (leões, onças e outros animais selvagens).Quem presidia dava a ordem para que o derrotado morresse ou não, frequentemente influenciado pela reacção dos espectadores do duelo.Alguns levantavam o polegar para salvar o lutador, outros discordavam e diziam que era a mão fechada que deveria ser erguida.
CategoriasTrácios: eram os mais fracos. Usavam um capacete como protecção que cobria toda cabeça, um escudo quadrado e caneleiras. Atacavam com espadas curvas (sicas).Retiários: empunhavam um tridente e eram os mais desprotegidos. Carregavam também uma rede e uma faca curta. Eram os únicos aos quais era permitido recuar em combate.Murmillos: eram os oponentes dos trácios e retiários. Usavam um grande escudo numa mão e na outra uma espada curta.Secutores: apresentavam semelhanças com os murmillos. O seu capacete era arredondado para não prender na rede dos Retiários, seus oponentes.Dimachaeri: usava duas espadas e era o elemento mais bem treinado.
CuriosidadesEram comuns nas lutas as participações de anões. Lutavam entre si e também em equipas contra gladiadores normais.Existiam também gladiadoras mulheres, que lutavam com um seio exposto, pois usavam as mesmas vestimentas dos gladiadores homens.O imperador Domiciano gostava de ver lutas entre anões e mulheres.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
Elton Zanoni
 
A origem do homem americano
A origem do homem americanoA origem do homem americano
A origem do homem americano
Edilson Elaine Rossi
 
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º anoCap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
MyMariane
 
Primeiras civilizações
Primeiras civilizaçõesPrimeiras civilizações
Primeiras civilizações
Carla Freitas
 
Revolucao neolitica
Revolucao neoliticaRevolucao neolitica
Revolucao neolitica
Diabzie
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
Carla Freitas
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
O Recruta
O RecrutaO Recruta
O Recruta
Ana MF
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Marcia Fernandes
 
Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
cattonia
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
Lucilia Fonseca
 
Origem do homem
Origem do homemOrigem do homem
Origem do homem
Maksud Rangel
 
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maia
eiprofessor
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
Lucio Oliveira
 
Antigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípciaAntigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípcia
Carlos Pinheiro
 
Periodo Neolitico
Periodo NeoliticoPeriodo Neolitico
Periodo Neolitico
João Marcelo
 
A idade dos metais 6-ano
A idade dos metais 6-anoA idade dos metais 6-ano
A idade dos metais 6-ano
Lucas Degiovani
 
Mali
MaliMali

Mais procurados (20)

Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
 
A origem do homem americano
A origem do homem americanoA origem do homem americano
A origem do homem americano
 
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º anoCap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
 
Primeiras civilizações
Primeiras civilizaçõesPrimeiras civilizações
Primeiras civilizações
 
Revolucao neolitica
Revolucao neoliticaRevolucao neolitica
Revolucao neolitica
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
O Recruta
O RecrutaO Recruta
O Recruta
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
 
Origem do homem
Origem do homemOrigem do homem
Origem do homem
 
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maia
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
 
Antigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípciaAntigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípcia
 
Periodo Neolitico
Periodo NeoliticoPeriodo Neolitico
Periodo Neolitico
 
A idade dos metais 6-ano
A idade dos metais 6-anoA idade dos metais 6-ano
A idade dos metais 6-ano
 
Mali
MaliMali
Mali
 

Destaque

Escravidão na Roma Antiga
Escravidão na Roma AntigaEscravidão na Roma Antiga
Escravidão na Roma Antiga
João Nachtigall
 
Trabalho de Historia 1V3 Ejllr
Trabalho de Historia 1V3 EjllrTrabalho de Historia 1V3 Ejllr
Trabalho de Historia 1V3 Ejllr
Lúcia Dantas
 
Escravidão em roma
Escravidão em romaEscravidão em roma
Escravidão em roma
Jainny F.
 
VestuáRio Na Roma Antiga
VestuáRio Na Roma AntigaVestuáRio Na Roma Antiga
VestuáRio Na Roma Antiga
Sílvia Mendonça
 
Moda Romana
Moda RomanaModa Romana
Moda Romana
guestf342e
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
HCA_10I
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Vítor Santos
 
Gladiadores do poder
Gladiadores do poderGladiadores do poder
Gladiadores do poder
Sebastião Luiz Alves
 
Trabalho de História Jessica Esquiver e Colegas do 1V3
Trabalho de História Jessica Esquiver e Colegas do 1V3Trabalho de História Jessica Esquiver e Colegas do 1V3
Trabalho de História Jessica Esquiver e Colegas do 1V3
Lúcia Dantas
 
Encontros com viriato final
Encontros com viriato finalEncontros com viriato final
Encontros com viriato final
FernandoMarques
 
04.13 uma historia de viriato
04.13   uma historia de viriato04.13   uma historia de viriato
04.13 uma historia de viriato
Masterliduina Moreira
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929  oficialCrise de 1929  oficial
Crise de 1929 oficial
Marcelo Ferreira Boia
 
Viriato
ViriatoViriato
Lusitanos
LusitanosLusitanos
Lusitanos
Eli_Eli96
 
O japão antigo
O japão antigoO japão antigo
O japão antigo
Nelia Salles Nantes
 
Biografia viriato cópia
Biografia viriato   cópiaBiografia viriato   cópia
Biografia viriato cópia
impferreira
 
Roma antiga resumo ilustrado rafa
Roma antiga resumo ilustrado rafaRoma antiga resumo ilustrado rafa
Roma antiga resumo ilustrado rafa
Lucas Nunes de Souza
 

Destaque (20)

Escravidão na Roma Antiga
Escravidão na Roma AntigaEscravidão na Roma Antiga
Escravidão na Roma Antiga
 
Trabalho de Historia 1V3 Ejllr
Trabalho de Historia 1V3 EjllrTrabalho de Historia 1V3 Ejllr
Trabalho de Historia 1V3 Ejllr
 
Escravidão em roma
Escravidão em romaEscravidão em roma
Escravidão em roma
 
VestuáRio Na Roma Antiga
VestuáRio Na Roma AntigaVestuáRio Na Roma Antiga
VestuáRio Na Roma Antiga
 
Moda Romana
Moda RomanaModa Romana
Moda Romana
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Gladiadores do poder
Gladiadores do poderGladiadores do poder
Gladiadores do poder
 
Trabalho de História Jessica Esquiver e Colegas do 1V3
Trabalho de História Jessica Esquiver e Colegas do 1V3Trabalho de História Jessica Esquiver e Colegas do 1V3
Trabalho de História Jessica Esquiver e Colegas do 1V3
 
Encontros com viriato final
Encontros com viriato finalEncontros com viriato final
Encontros com viriato final
 
04.13 uma historia de viriato
04.13   uma historia de viriato04.13   uma historia de viriato
04.13 uma historia de viriato
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929  oficialCrise de 1929  oficial
Crise de 1929 oficial
 
Viriato
ViriatoViriato
Viriato
 
Lusitanos
LusitanosLusitanos
Lusitanos
 
O japão antigo
O japão antigoO japão antigo
O japão antigo
 
Biografia viriato cópia
Biografia viriato   cópiaBiografia viriato   cópia
Biografia viriato cópia
 
Roma antiga resumo ilustrado rafa
Roma antiga resumo ilustrado rafaRoma antiga resumo ilustrado rafa
Roma antiga resumo ilustrado rafa
 

Semelhante a Escravos e gladiadores

Slide - Diversões Romanas
Slide - Diversões RomanasSlide - Diversões Romanas
Slide - Diversões Romanas
PIBID HISTÓRIA
 
Gladiador Fernanda 1VD
Gladiador Fernanda 1VDGladiador Fernanda 1VD
Gladiador Fernanda 1VD
Jackeline Póvoas
 
Primeiras Civilizações - Império Romano
Primeiras Civilizações - Império RomanoPrimeiras Civilizações - Império Romano
Primeiras Civilizações - Império Romano
Diego Bian Filo Moreira
 
As grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMAAs grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMA
Paulo Rogerio Corrêa
 
Roma antiga (2)
Roma antiga (2)Roma antiga (2)
Roma antiga (2)
Luís Emílio Racional
 
Escravidão em Roma.pdf
Escravidão em Roma.pdfEscravidão em Roma.pdf
Escravidão em Roma.pdf
JaquelinedaSilvaAlen
 
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
guestfe54e6
 
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
guestaff6858
 
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
guestcb09a4
 
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
guestece359
 
Roma
RomaRoma
A sociedade em roma
A sociedade em romaA sociedade em roma
A sociedade em roma
ceufaias
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Paula Ronan
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Paula Ronan
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Paula Ronan
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
Gilmar Rodrigues
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Paula Ronan
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Paula Ronan
 
Trabalho de história revista
Trabalho de história   revistaTrabalho de história   revista
Trabalho de história revista
Filipe Matos
 
Invasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngioInvasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngio
Fatima Freitas
 

Semelhante a Escravos e gladiadores (20)

Slide - Diversões Romanas
Slide - Diversões RomanasSlide - Diversões Romanas
Slide - Diversões Romanas
 
Gladiador Fernanda 1VD
Gladiador Fernanda 1VDGladiador Fernanda 1VD
Gladiador Fernanda 1VD
 
Primeiras Civilizações - Império Romano
Primeiras Civilizações - Império RomanoPrimeiras Civilizações - Império Romano
Primeiras Civilizações - Império Romano
 
As grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMAAs grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMA
 
Roma antiga (2)
Roma antiga (2)Roma antiga (2)
Roma antiga (2)
 
Escravidão em Roma.pdf
Escravidão em Roma.pdfEscravidão em Roma.pdf
Escravidão em Roma.pdf
 
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
 
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
 
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
 
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
Os Romanos Em Santiago Do CacéM Office 2003
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
A sociedade em roma
A sociedade em romaA sociedade em roma
A sociedade em roma
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Trabalho de história revista
Trabalho de história   revistaTrabalho de história   revista
Trabalho de história revista
 
Invasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngioInvasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngio
 

Mais de borgia

Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
borgia
 
Colonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismoColonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismo
borgia
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
borgia
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
borgia
 
A ind. eua
A ind. euaA ind. eua
A ind. eua
borgia
 
O barroco-
O barroco-O barroco-
O barroco-
borgia
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
borgia
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
borgia
 
A crise do império português no oriente
A crise do império português no orienteA crise do império português no oriente
A crise do império português no oriente
borgia
 
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
borgia
 
Aveiro+à+..
Aveiro+à+..Aveiro+à+..
Aveiro+à+..
borgia
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
borgia
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
borgia
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesa
borgia
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
borgia
 
S Bento da Porta Aberta
S  Bento da Porta AbertaS  Bento da Porta Aberta
S Bento da Porta Aberta
borgia
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
borgia
 

Mais de borgia (17)

Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
 
Colonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismoColonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismo
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
A ind. eua
A ind. euaA ind. eua
A ind. eua
 
O barroco-
O barroco-O barroco-
O barroco-
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
 
A crise do império português no oriente
A crise do império português no orienteA crise do império português no oriente
A crise do império português no oriente
 
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
 
Aveiro+à+..
Aveiro+à+..Aveiro+à+..
Aveiro+à+..
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesa
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
 
S Bento da Porta Aberta
S  Bento da Porta AbertaS  Bento da Porta Aberta
S Bento da Porta Aberta
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 

Escravos e gladiadores

  • 1. Escravos e GladiadoresTrabalho realizado por:Rafael Baptista Nº24
  • 2. ÍndiceIntroduçãoEscravatura na Roma antigaEscravosRegrasEmancipaçãoGladiadores romanosVida como gladiador (o treino; alimentação)CombatesCategoriasCuriosidadesConclusãoCybergrafia e Bibliografia
  • 3. IntroduçãoEscravos tornavam-se os prisioneiros da guerra.Estima-se que mais de 30% da população da Roma Antiga era escrava.Gladiador era um lutador escravo, treinado na Roma Antiga. O nome "Gladiador" provém da espada curta usada por este lutador (gladius).
  • 5. EscravosOs escravos eram os prisioneiros de guerra que chegavam a Roma, em grande número. Normalmente tinham cor de pele ou língua diferentes das dos amos.Trabalhavam, sobretudo, nos campos, nas minas e nas obras públicas, contribuindo, assim, para o desenvolvimento económico de Roma. Alguns desses escravos, especialmente os de origem grega, eram muito cultos, tornando-se mestres e pedagogos dos romanos. Alguns escravos conseguiam obter a sualiberdade, podendo mesmo ascender à ordem equestre se tivessem sucesso nos negócios.
  • 6. Escravos (cont.)A escravidão na Roma Antiga implicava uma quase absoluta redução nos direitos daqueles que ostentavam essa condição, convertidos em simples propriedades dos seus donos.As revoltas de escravos, tal como a de fim da década de 70 a.C foram duramente reprimidas.Os romanos consideravam a escravidão como infame, e um soldado romano preferia suicidar-se antes de cair escravo de um povo bárbaro, ou seja, não romano.
  • 7. RegrasUm escravo era um bem que era possuído, despojado de qualquer direito; o amo possuía o direito sobre a sua vida e a sua morte. O termo "manus" simbolizava o domínio do amo sobre o escravo, do mesmo modo que o domínio do marido sobre a sua esposa. O status social de um homem era medido em função do número de escravos que possuía. Todas as crianças nascidas de mulheres escravas tornavam-se também escravas.
  • 8. Os escravos trabalhavam todos os dias excepto durante as festividades das saturnais de Dezembro e os Compitalia de Janeiro.EmancipaçãoNa Roma Antiga, quando um escravo era emancipado pelo seu amo tornava-se num liberto, um homem quase livre. Não tinha todos os direitos do homem livre, mas as suas crianças seriam totalmente livres.
  • 10. Vida como gladiadorOs gladiadores eram escolhidos entre os prisioneiros de guerra e escravos.Com o passar do tempo, se reunissem muitas vitórias, tornavam-se heróis populares.Os gladiadores mais bem sucedidos ganhavam, além da popularidade, muito dinheiro e, com o tempo, podiam largar a carreira de forma honrosa. Estes privilegiados ganhavam uma pensão do império e um gládio (espada de madeira simbólica).
  • 11. Vida como gladiador (cont.)O TreinoRealicado em escolas especiais conhecidas como ludus.
  • 12. Em Roma existiam quatro escolas, sendo a maior Ludus Magnos que era conectada com o coliseu por um túnel subterrâneo.
  • 13. No intervalo das lutas eles tinham um tratamento especial que envolvia grandes cuidados médicos e treino cuidadoso.
  • 14. No geral, eles não lutavam mais que três vezes por ano. Vida como gladiador (cont.)AlimentaçãoOs gladiadores eram, em grande parte, vegetarianos. Alimentavam basicamente de feijões e cevada. A carne era um alimento caro, motivo pelo qual eram vegetarianos.
  • 15. CombatesOs gladiadores lutavam entre si nas arenas (a mais famosa era o Coliseu de Roma), para entreter o público, utilizando espadas, escudos, redes, tridentes, lanças, etc.Participavam também nas lutas montados em cavalos ou usando bigas (carros romanos puxados por cavalos), e muitas vezes colocados na arena para enfrentar feras (leões, onças e outros animais selvagens).Quem presidia dava a ordem para que o derrotado morresse ou não, frequentemente influenciado pela reacção dos espectadores do duelo.Alguns levantavam o polegar para salvar o lutador, outros discordavam e diziam que era a mão fechada que deveria ser erguida.
  • 16. CategoriasTrácios: eram os mais fracos. Usavam um capacete como protecção que cobria toda cabeça, um escudo quadrado e caneleiras. Atacavam com espadas curvas (sicas).Retiários: empunhavam um tridente e eram os mais desprotegidos. Carregavam também uma rede e uma faca curta. Eram os únicos aos quais era permitido recuar em combate.Murmillos: eram os oponentes dos trácios e retiários. Usavam um grande escudo numa mão e na outra uma espada curta.Secutores: apresentavam semelhanças com os murmillos. O seu capacete era arredondado para não prender na rede dos Retiários, seus oponentes.Dimachaeri: usava duas espadas e era o elemento mais bem treinado.
  • 17. CuriosidadesEram comuns nas lutas as participações de anões. Lutavam entre si e também em equipas contra gladiadores normais.Existiam também gladiadoras mulheres, que lutavam com um seio exposto, pois usavam as mesmas vestimentas dos gladiadores homens.O imperador Domiciano gostava de ver lutas entre anões e mulheres.
  • 18. ConclusãoCom este trabalho aprendi um pouco mais sobre a escravatura na Roma e como era a vida de um gladiador.Não gostei de saber que as crianças filhas de escravos se tornariam também escravas, porque elas não tinham culpa dos erros dos seus pais.Acho curioso que os gladiadores conseguissem conquistar o “público” ao ponto de estes influenciarem na decisão de poupar a sua vida.
  • 19. Cybergrafiahttp://www.suapesquisa.com/imperioromano/gladiadores.htmwww.wikipedia.orgBibliografiaOliveira, Ana; Cantanhede, Francisco; Catarino, Isabel; Torrão, Paula - História 7 - Editora Texto 2011