SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Apresentação elaborada pelo Prof. Ewerton Rezer
Gindri. http://lattes.cnpq.br/8103979449307433
O conto literário
Sobre o conto, adverte-nos Machado de
Assis
“É gênero difícil, a despeito da sua
aparente facilidade, e creio que essa
mesma aparência lhe faz mal, afastando-
se dele os escritores, e não lhe dando,
penso eu, o público toda a atenção de
que ele é muitas vezes credor.”
(Machado de Assis, Instinto de Nacionalidade, 1873)
 O que é conto?
 Houve alterações na forma conto, ao longo da
história?
 Há uma teoria específica para o conto, ou ele se
insere na teoria da narrativa?
 O se pode chamar de “conto contemporâneo”?
Mario de Andrade dirá que...
“Conto é tudo o que o autor chamar de conto.”
Será????
A história do conto, nas suas linhas
mais gerais, pode se esboçar a partir
deste critério de invenção, que foi se
desenvolvendo. Antes, a criação do conto
e sua transmissão oral. Depois, seu
registro escrito. E posteriormente, a
criação por escrito de contos, quando o
narrador assumiu esta função: de
contador-criador-escritor de contos,
afirmando, então, o seu caráter literário.
(Gotlib, 2006, p. 13)
“...esta voz que fala ou escreve só
se afirma enquanto contista quando
existe um resultado de ordem estética, ou
seja: quando consegue construir um
conto que ressalte os seus próprios
valores enquanto conto, nesta que já é, a
esta altura, a arte do conto, do conto
literário. Por isso, nem todo contador de
estórias é um contista.” (Gotlib, 2006, p.
13)
Em face da história, rio sem fim que
vai arrastando tudo e todos no seu
curso, o contista é um pescador de
momentos singulares cheios de
significação. (Bosi, 1975, p. 09)
“Propp reconhece duas fases na
evolução do conto. Uma primeira, sua
pré-história, em que o conto e o relato
sagrado — conto/mito/rito — se
confundiam. Entende mito no sentido de
“relato sobre a divindade ou seres divinos
em cuja realidade o povo crê” (p. 30).”
(Gotlib, 2006, p. 23)
Uma segunda fase de que fala
Propp é a da história mesma do conto,
quando ele se libera da religião e passa a
ter vida própria. O relato sagrado torna-se
profano. (Gotlib, 2006, p. 24)
O que caracteriza o conto é o seu
movimento enquanto uma narrativa através
dos tempos. O que houve na sua “história”
foi uma mudança de técnica, não uma
mudança de estrutura: o conto permanece,
pois, com a mesma estrutura do conto
antigo; o que muda é a sua técnica. Esta é a
proposta, discutível, de A. L. Bader (1945), que
se baseia na evolução do modo tradicional
para o modo moderno de narrar. Segundo o
modo tradicional, a ação e o conflito passam
pelo desenvolvimento até o desfecho, com
crise e resolução final. Segundo o modo
Antes, havia um modo de narrar que
considerava o mundo como um todo e
conseguia representá-lo. Depois, Perde-
se este ponto de vista fixo; e passasse a
duvidar do Poder de representação da
palavra: cada um representa
parcialmente uma parte do mundo que,
às vezes, é uma minúscula parte de uma
realidade só dele.
A teoria de Poe sobre o conto recai
no princípio de uma relação: entre a
extensão do conto e a reação que ele
consegue provocar no leitor ou o efeito
que a leitura lhe causa.
Segundo a Teoria de Poe, a
Composição literária causa, pois, um
efeito, um estado de “excitação” ou de
“exaltação da alma”. E como “todas as
excitações intensas”, elas “são
necessariamente transitórias”. Logo, é
preciso dosar a obra, de forma a permitir
sustentar esta excitação durante um
determinado tempo. Se o texto for longo
demais ou breve demais, esta excitação
ou efeito ficará diluído. Torna-se
imprescindível, então, a leitura de uma só
Dessa forma, o pensamento de Poe,
e o de Cortazar, apontam para “uma
característica básica na construção do
conto: a economia dos meios
narrativos. Trata-se de conseguir, com o
mínimo de meios, o máximo de efeitos.
Em consequência desta brevidade,
Tchekhov também considera necessário
ao conto causar o efeito ou o que chama
de impressão total no leitor, que “deve
sempre ser mantido em suspense”.
“...o bom contista é aquele cuja escolha
possibilita essa fabulosa abertura do
pequeno para o grande, do individual e
circunscrito para a essência mesma da
condição humana” (Julio Cortázar, em
“Alguns aspectos do conto”, p. 155).
É justamente por esta capacidade
de corte no fluxo da vida que o conto
ganha eficácia, segundo alguns teóricos,
na medida em que, breve, flagra o
momento presente, captando-o na sua
momentaneidade, sem antes nem depois.
“Nesse combate que se trava entre um
texto apaixonante e o leitor, o romance
ganha sempre por pontos, enquanto
que o conto deve ganhar por knock-
out” (Cortázar, p. 152).
“Um conto é significativo quando
quebra seus próprios limites com essa
explosão de energia espiritual que
ilumina bruscamente algo que vai
muito além da pequena e às vezes
miserável história que conta” (p. 153).
Proteiforme, o conto não só consegue
abraçar a temática toda do romance,
como põe em jogo os princípios de
composição que regem a escrita
moderna em busca do texto sintético e
do convívio de tons, gêneros e
significados. (Bosi, 1975, p. 07)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
ma.no.el.ne.ves
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Estética da recepção
Estética da recepçãoEstética da recepção
Estética da recepção
Ana Paula
 

Mais procurados (20)

O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Implícitos...
Implícitos...Implícitos...
Implícitos...
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
 
Generos jornalisticos
Generos jornalisticosGeneros jornalisticos
Generos jornalisticos
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Análise 'A cartomante'
Análise 'A cartomante'Análise 'A cartomante'
Análise 'A cartomante'
 
Aula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptxAula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptx
 
Notícia e reportagem
Notícia e reportagemNotícia e reportagem
Notícia e reportagem
 
Estética da recepção
Estética da recepçãoEstética da recepção
Estética da recepção
 
Gêneros e suportes textuais
Gêneros e suportes textuaisGêneros e suportes textuais
Gêneros e suportes textuais
 
Análise de Textos
Análise de TextosAnálise de Textos
Análise de Textos
 
Mangá
Mangá Mangá
Mangá
 
Romantismo na Europa
Romantismo na EuropaRomantismo na Europa
Romantismo na Europa
 

Destaque

O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
Maria Rebelo
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasil
hipolitus
 

Destaque (20)

Contos literários
Contos literáriosContos literários
Contos literários
 
Contos para o ensino médio
Contos para o ensino médioContos para o ensino médio
Contos para o ensino médio
 
O+conto+brasileiro
O+conto+brasileiroO+conto+brasileiro
O+conto+brasileiro
 
Carta de leitor
Carta de leitorCarta de leitor
Carta de leitor
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioQuestões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário
 
Memórias Postumas de Brás Cubas
Memórias Postumas de Brás CubasMemórias Postumas de Brás Cubas
Memórias Postumas de Brás Cubas
 
Narrativa Épica
Narrativa ÉpicaNarrativa Épica
Narrativa Épica
 
Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.
Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.
Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.
 
Texto literário e texto não literário 1 literatura oral e tradicional 7ano
Texto literário e texto não literário 1   literatura oral e tradicional 7anoTexto literário e texto não literário 1   literatura oral e tradicional 7ano
Texto literário e texto não literário 1 literatura oral e tradicional 7ano
 
Realismo em Portugal
Realismo em Portugal Realismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
 
Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis
Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis
Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasil
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
 

Semelhante a O conto literário

Micro ficção apresentação (2)
Micro ficção apresentação (2)Micro ficção apresentação (2)
Micro ficção apresentação (2)
Isabel Rosa
 
Capitulo 1 jordan bruno - ufpi
Capitulo 1   jordan bruno - ufpiCapitulo 1   jordan bruno - ufpi
Capitulo 1 jordan bruno - ufpi
Jordan Bruno
 
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispectorDesconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Lari Aveiro
 
Otelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom CasmurroOtelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom Casmurro
acheiotexto
 
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Silvana Oliveira
 
Apostila literatura brasileira uf paraná
Apostila literatura brasileira uf paranáApostila literatura brasileira uf paraná
Apostila literatura brasileira uf paraná
fledsongs
 
O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
Gladis Maia
 

Semelhante a O conto literário (20)

Atos de fingir
Atos de fingirAtos de fingir
Atos de fingir
 
Cronicas de rubens
Cronicas de rubensCronicas de rubens
Cronicas de rubens
 
Hipertexto mito
Hipertexto mitoHipertexto mito
Hipertexto mito
 
O jarro de prata
O jarro de prataO jarro de prata
O jarro de prata
 
Apostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreApostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libre
 
Literatura Brasileira
Literatura BrasileiraLiteratura Brasileira
Literatura Brasileira
 
Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010
 
Conto Em Fragmentos Newton de Castro Pontes e Edson Soares Martins
Conto Em Fragmentos   Newton de Castro Pontes e Edson Soares MartinsConto Em Fragmentos   Newton de Castro Pontes e Edson Soares Martins
Conto Em Fragmentos Newton de Castro Pontes e Edson Soares Martins
 
Mimese III
Mimese IIIMimese III
Mimese III
 
APOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURAAPOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURA
 
Micro ficção apresentação
Micro ficção apresentaçãoMicro ficção apresentação
Micro ficção apresentação
 
Micro ficção apresentação (2)
Micro ficção apresentação (2)Micro ficção apresentação (2)
Micro ficção apresentação (2)
 
Capitulo 1 jordan bruno - ufpi
Capitulo 1   jordan bruno - ufpiCapitulo 1   jordan bruno - ufpi
Capitulo 1 jordan bruno - ufpi
 
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispectorDesconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
 
Otelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom CasmurroOtelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom Casmurro
 
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
 
Apostila literatura brasileira uf paraná
Apostila literatura brasileira uf paranáApostila literatura brasileira uf paraná
Apostila literatura brasileira uf paraná
 
Apostila literatura brasileira
Apostila literatura brasileiraApostila literatura brasileira
Apostila literatura brasileira
 
Mythologies, Roland Barthes
Mythologies, Roland BarthesMythologies, Roland Barthes
Mythologies, Roland Barthes
 
O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
 

Mais de Ewerton Gindri

Aspecto social da comunicação
Aspecto social da comunicaçãoAspecto social da comunicação
Aspecto social da comunicação
Ewerton Gindri
 
Variantes LingüíSticas Desfazendo EquíVocos
Variantes LingüíSticas   Desfazendo EquíVocosVariantes LingüíSticas   Desfazendo EquíVocos
Variantes LingüíSticas Desfazendo EquíVocos
Ewerton Gindri
 

Mais de Ewerton Gindri (20)

O campo semântico e a relação entre formas e sentidos
O campo semântico e a relação entre formas e sentidosO campo semântico e a relação entre formas e sentidos
O campo semântico e a relação entre formas e sentidos
 
Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da LinguagemElementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem
 
Escritas do romance na pós-modernidade
Escritas do romance na pós-modernidadeEscritas do romance na pós-modernidade
Escritas do romance na pós-modernidade
 
Pré modernismo – aula 01
Pré modernismo – aula 01Pré modernismo – aula 01
Pré modernismo – aula 01
 
Rev. norteamentos
Rev. norteamentosRev. norteamentos
Rev. norteamentos
 
O gênero textual crônica
O gênero textual crônicaO gênero textual crônica
O gênero textual crônica
 
A ética do gênero humano
A ética do gênero humanoA ética do gênero humano
A ética do gênero humano
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioQuestões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário
 
Resumão de língua portuguesa 2º ano
Resumão de língua portuguesa   2º anoResumão de língua portuguesa   2º ano
Resumão de língua portuguesa 2º ano
 
Condições de produção e circulação
Condições de produção e circulaçãoCondições de produção e circulação
Condições de produção e circulação
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
Imagem empresarial
Imagem empresarialImagem empresarial
Imagem empresarial
 
Aspecto social da comunicação
Aspecto social da comunicaçãoAspecto social da comunicação
Aspecto social da comunicação
 
Ética das emoções e do desejo
Ética das emoções e do desejoÉtica das emoções e do desejo
Ética das emoções e do desejo
 
Breve estudo sobre paráfrase e discurso
Breve estudo sobre paráfrase e discursoBreve estudo sobre paráfrase e discurso
Breve estudo sobre paráfrase e discurso
 
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluidoA pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
 
C:\Documents And Settings\Ewerton\Desktop\Planejamento Educacional E Ppp
C:\Documents And Settings\Ewerton\Desktop\Planejamento Educacional E PppC:\Documents And Settings\Ewerton\Desktop\Planejamento Educacional E Ppp
C:\Documents And Settings\Ewerton\Desktop\Planejamento Educacional E Ppp
 
Variantes LingüíSticas Desfazendo EquíVocos
Variantes LingüíSticas   Desfazendo EquíVocosVariantes LingüíSticas   Desfazendo EquíVocos
Variantes LingüíSticas Desfazendo EquíVocos
 
O Texto LiteráRio
O Texto LiteráRioO Texto LiteráRio
O Texto LiteráRio
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 

O conto literário

  • 1. Apresentação elaborada pelo Prof. Ewerton Rezer Gindri. http://lattes.cnpq.br/8103979449307433 O conto literário
  • 2. Sobre o conto, adverte-nos Machado de Assis “É gênero difícil, a despeito da sua aparente facilidade, e creio que essa mesma aparência lhe faz mal, afastando- se dele os escritores, e não lhe dando, penso eu, o público toda a atenção de que ele é muitas vezes credor.” (Machado de Assis, Instinto de Nacionalidade, 1873)
  • 3.  O que é conto?  Houve alterações na forma conto, ao longo da história?  Há uma teoria específica para o conto, ou ele se insere na teoria da narrativa?  O se pode chamar de “conto contemporâneo”? Mario de Andrade dirá que... “Conto é tudo o que o autor chamar de conto.” Será????
  • 4. A história do conto, nas suas linhas mais gerais, pode se esboçar a partir deste critério de invenção, que foi se desenvolvendo. Antes, a criação do conto e sua transmissão oral. Depois, seu registro escrito. E posteriormente, a criação por escrito de contos, quando o narrador assumiu esta função: de contador-criador-escritor de contos, afirmando, então, o seu caráter literário. (Gotlib, 2006, p. 13)
  • 5. “...esta voz que fala ou escreve só se afirma enquanto contista quando existe um resultado de ordem estética, ou seja: quando consegue construir um conto que ressalte os seus próprios valores enquanto conto, nesta que já é, a esta altura, a arte do conto, do conto literário. Por isso, nem todo contador de estórias é um contista.” (Gotlib, 2006, p. 13)
  • 6. Em face da história, rio sem fim que vai arrastando tudo e todos no seu curso, o contista é um pescador de momentos singulares cheios de significação. (Bosi, 1975, p. 09)
  • 7. “Propp reconhece duas fases na evolução do conto. Uma primeira, sua pré-história, em que o conto e o relato sagrado — conto/mito/rito — se confundiam. Entende mito no sentido de “relato sobre a divindade ou seres divinos em cuja realidade o povo crê” (p. 30).” (Gotlib, 2006, p. 23)
  • 8. Uma segunda fase de que fala Propp é a da história mesma do conto, quando ele se libera da religião e passa a ter vida própria. O relato sagrado torna-se profano. (Gotlib, 2006, p. 24)
  • 9. O que caracteriza o conto é o seu movimento enquanto uma narrativa através dos tempos. O que houve na sua “história” foi uma mudança de técnica, não uma mudança de estrutura: o conto permanece, pois, com a mesma estrutura do conto antigo; o que muda é a sua técnica. Esta é a proposta, discutível, de A. L. Bader (1945), que se baseia na evolução do modo tradicional para o modo moderno de narrar. Segundo o modo tradicional, a ação e o conflito passam pelo desenvolvimento até o desfecho, com crise e resolução final. Segundo o modo
  • 10. Antes, havia um modo de narrar que considerava o mundo como um todo e conseguia representá-lo. Depois, Perde- se este ponto de vista fixo; e passasse a duvidar do Poder de representação da palavra: cada um representa parcialmente uma parte do mundo que, às vezes, é uma minúscula parte de uma realidade só dele.
  • 11. A teoria de Poe sobre o conto recai no princípio de uma relação: entre a extensão do conto e a reação que ele consegue provocar no leitor ou o efeito que a leitura lhe causa.
  • 12. Segundo a Teoria de Poe, a Composição literária causa, pois, um efeito, um estado de “excitação” ou de “exaltação da alma”. E como “todas as excitações intensas”, elas “são necessariamente transitórias”. Logo, é preciso dosar a obra, de forma a permitir sustentar esta excitação durante um determinado tempo. Se o texto for longo demais ou breve demais, esta excitação ou efeito ficará diluído. Torna-se imprescindível, então, a leitura de uma só
  • 13. Dessa forma, o pensamento de Poe, e o de Cortazar, apontam para “uma característica básica na construção do conto: a economia dos meios narrativos. Trata-se de conseguir, com o mínimo de meios, o máximo de efeitos.
  • 14. Em consequência desta brevidade, Tchekhov também considera necessário ao conto causar o efeito ou o que chama de impressão total no leitor, que “deve sempre ser mantido em suspense”.
  • 15. “...o bom contista é aquele cuja escolha possibilita essa fabulosa abertura do pequeno para o grande, do individual e circunscrito para a essência mesma da condição humana” (Julio Cortázar, em “Alguns aspectos do conto”, p. 155).
  • 16. É justamente por esta capacidade de corte no fluxo da vida que o conto ganha eficácia, segundo alguns teóricos, na medida em que, breve, flagra o momento presente, captando-o na sua momentaneidade, sem antes nem depois.
  • 17. “Nesse combate que se trava entre um texto apaixonante e o leitor, o romance ganha sempre por pontos, enquanto que o conto deve ganhar por knock- out” (Cortázar, p. 152).
  • 18. “Um conto é significativo quando quebra seus próprios limites com essa explosão de energia espiritual que ilumina bruscamente algo que vai muito além da pequena e às vezes miserável história que conta” (p. 153).
  • 19. Proteiforme, o conto não só consegue abraçar a temática toda do romance, como põe em jogo os princípios de composição que regem a escrita moderna em busca do texto sintético e do convívio de tons, gêneros e significados. (Bosi, 1975, p. 07)