SlideShare uma empresa Scribd logo
NOVO TESTAMENTO - www.grafia.in
PERÍODO INTERTESTAMENTAL
• ANTIGO TESTAMENTO ESTABELECIDO.
• 400 ANOS DE SILÊNCIO CANÔNICO.
• “NOVO TESTAMENTO” (Hebreus 8:13 –
Mateus 26:28)
NOVO TESTAMENTO
• Domínio romano sobre Israel.
• Templo e Sinagoga.
• Expectativas Messiânicas.
• Língua do Novo Testamento.
• Os Escritos da Igreja Primitiva.
GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO
• FARISEUS – A classe pobre e média de
Israel.
• Recebiam Todo o Antigo Testamento.
• Consideravam [na prática] a tradição oral
superior às Escrituras (Cf. Marcos 7).
• Paulo teve origem no Farisaísmo (At 23:6).
GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO
• A sinagoga era seu grande palco.
• Criam na predestinação, imortalidade da
alma, na ressurreição, e a vinda de um
Messias libertador político.
• Dos Fariseus vieram os Escribas.
• “Fariseu” virou sinônimo de hipocrisia religiosa
hoje em dia.
GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO
• SADUCEUS – Era formada pela
classe alta de Israel.
• Limitados ao Templo.
• Religiosidade pouco formal.
• Aceitavam apenas o Pentateuco.
OS SADUCEUS
• Negavam a imortalidade da alma.
• Negavam a existência de espíritos
(anjos ou demônios).
• Será que podemos compará-los
aos teólogos liberais?
GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO
• ZELOTES – Grupo sociopolítico.
• Continuação dos Macabeus.
• Um movimento de libertação
política-religiosa.
• Simão, discípulo do Senhor havia
sido zelote (Mateus 10:4).
GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO
• ESSÊNIOS – Não aparecem no
NT, mas, são da mesma época.
• Separatistas, viviam longe da
comunidade judaica.
• Criam em espíritos.
OS ESSÊNIOS
• Tinham uma vaga concepção de
ressurreição individual.
• Criam numa iminência messiânica e
afirmavam que viviam nos últimos dias.
• Certa vez Paulo pôs os Fariseus contra
os Saduceus por questões doutrinárias
(Atos 22:30-23:11).
ORDEM DOS LIVROS
DO NOVO
TESTAMENTO
LIVRO MT MC LC JO AT RM 1CO 2CO GL EF FP CL 1TS 2TS 1TM 2TM TT FL HB TG 1PE 2PE 1JO 2JO 3JO JD AP
DATA 50 65
58-
59
a.
80
62-
70
57
55
-
57
56 52-57 60
60
-
61
61 51 51
62
-
63
67
-
68
66 61 70
45-
49
64
65
-
67
Ap.
85
Ap.
85
Ap.
85
68-
75
Ap.
96
ORDEM 2 16 9 21 14 8 6 7 5 10 11 12 3 4 13 18 17 12 20 1 15 16 22 23 24 19 25
LIVRO MT MC LC JO AT RM 1CO 2CO GL EF FP CL 1TS 2TS 1TM 2TM TT FL HB TG 1PE 2PE 1JO 2JO 3JO JD AP
DATA 50 65
58-
59
a.
80
62-
70
57
55
-
57
56
52-
57
60
60
-
61
61 51 51
62
-
63
67
-
68
66 61 70
45-
49
64
65
-
67
Ap.
85
Ap.
85
Ap.
85
68-
75
Ap.
96
LIVRO
TG MT 1TS 2TS GL 1CO 2CO RM LC EF FP
CL
FL
1TM AT 1PE
2PE
MC
TT 2TM JD HB JO 1JO 2JO 3JO AP
DATA
45-
49
50 51 51
52-
57
55
-
57
56 57
58-
59
60
60-
61 61
62
-
63
62-
70 64
65
-
67
66
67
-
68
68-
75
70
a.
80
Ap.
85
Ap.
85
Ap.
85
Ap.
96
ORDEM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25
ORDEM DE APRESENTAÇÃO
ORDEM CRONOLÓGICA
COMO FICARIA NA BÍBLIA?
LIVROS DO NOVO TESTAMENTO
• EVANGELHOS (4)
• LIVRO HISTÓRICO (1)
• EPÍSTOLAS PAULINAS
(13)EPÍSTOLAS
• PASTORAIS (3)
• EPÍSTOLAS GERAIS (8)
• APOCALIPSE (1)
OS EVANGELHOS
EVANGELHOS
• MATEUS
• MARCOS
• LUCAS
• JOÃO
• LIVROS HISTÓRICOS
• ATOS DOS APÓSTOLOS
EPÍSTOLAS PAULINAS
• ROMANOS
• 1 E 2 CORÍNTIOS
• GÁLATAS
• EFÉSIOS
• FILIPENSES
• COLOSSENSES
• 1,2 TESSALONICENSES
• FILEMOM
• EPÍSTOLAS PASTORAIS
• 1 E 2 TIMÓTEO
• TITO
EPÍSTOLAS GERAIS
• TIAGO
• 1 E 2 PEDRO
• 1, 2 E 3 JOÃO
• JUDAS
• APOCALIPSE
Mateus – o Evangelho do rei dos reis
MENSAGEM – A rejeição do Rei dos
judeus estende as bênçãos do Reino
prometido a todas as nações na
expectativa de seu estabelecimento
definitivo (Carlos O. C. Pinto)..
AUTORIA E DATA
• Desde o século II Mateus
(9:9; 10:3) a quem Marcos
e Lucas chamam de Levi
(Mc 2:14; Lc 5:27).
• Por volta do ano 50.
DESTINATÁRIO
• Localização incerta dos
destinatários.
• Escreveu para judeus:
• Frequentes alusões ao
Antigo Testamento.
DESTINATÁRIO
• Ausência de explicações sobre
expressões e costumes judaicos.
• Ênfase nas reivindicações messiânicas.
• Ênfase no Reino dos céus.
• Certamente eram judeus de fala grega
que precisavam saber sobre a chegada
do Messias.
DESTINATÁRIO
A palavra “Rei” aparece neste livro
20 vezes e a palavra “Reino”
aparece 55 vezes.
O livro é formado por cinco grandes
discursos:
1) O sermão do monte (5-7).
DESTINATÁRIO
2) O apostolado cristão (10:5-42.
3) O reino dos céus (13:3-52).
4) A vida da comunidade cristã
(18:3-35).
5) O final dos tempos (24:4-
25:46).
DESTINATÁRIO
• Para alguns estudiosos como Carlos Osvaldo C.
Pinto, este foi o primeiro evangelho a ser escrito.
• Inicia com uma genealogia de Jesus.
• Os evangelhos são biografias? Para Craig
Blomberg, sim.
• Há 23 vezes a expressão “para que se
cumprisse”, neste evangelho.
Marcos – o Evangelho da ação
MENSAGEM – O padrão do
discipulado cristão se encontra no
Servo de Deus, cujo serviço
autentica sua mensagem, e cuja
vida é um sacrifício por toda a
humanidade (Carlos O. C. Pinto).
AUTORIA E DATA
• João Marcos foi filho de Maria (At 12:12),
missionário em treinamento com Paulo (At
13:5, 13), primo e ministro com Barnabé (Cl
4:10; At 15:36-39), companheiro de Paulo em
seus últimos anos de ministério (2 Tm 4:11), e
filho “espiritual” de Pedro (1 Pedro 5:13).
• Por volta do ano 65.
DESTINATÁRIO
• Leitores romanos.
• Apenas uma citação do Antigo
Testamento com fórmula introdutória
(1:2-3).
• Traduz termos aramaicos (5:41 – Talitá
Cumi; 7:11 – corbã; 7:34 – Efatá; 9:43 –
Inferno).
DESTINATÁRIO
• Explica costumes judaicos;
• 7:1-3 – lavar as mãos;
• 14:12 – cordeiro pascal;
• Explica a topografia de Jerusalém – Monte das
Oliveiras em frente ao Templo;
• Traduz palavras gregas para o latim (15:16 –
Palácio/pretório);
• Traduz palavras latinas para o grego (15:15
flagellare; 15:39 conturio);
DESTINATÁRIO
• Menciona líderes da Igreja em Roma
(Alexandre e Rufo 15:21 cf. Rm 16:13).
• Usa um centurião como testemunha de
que Jesus é o Filho de Deus (15:39).
O propósito deste evangelho é responder à
pergunta “quem é este Jesus”.
DESTINATÁRIO
Menciona líderes da Igreja em Roma
(Alexandre e Rufo 15:21 cf. Rm 16:13).
• MARCOS 4:41 “E SENTIRAM UM
GRANDE TEMOR, E DIZIAM
UNS AOS OUTROS: MAS, QUEM
É ESTE, QUE ATÉ O VENTO E
MAR LHE OBEDECEM?”.
MARCOS 8:27-30:
MARCOS 8:27-30: “ENTÃO, JESUS E OS SEUS DISCÍPULOS
PARTIRAM PARA AS ALDEIAS DE CESARÉIA DE FILIPE; E,
NO CAMINHO, PERGUNTOU-LHES: QUEM DIZEM OS
HOMENS QUE SOU EU? E RESPONDERAM: JOÃO BATISTA,
OUTROS: ELIAS; MAS OUTROS: ALGUM DOS PROFETAS.
ENTÃO, LHES PERGUNTOU: MAS VÓS, QUEM DIZEIS QUE
EU SOU? RESPONDENDO, PEDRO LHE DISSE: TU ÉS O
CRISTO. ADVERTIU-OS JESUS DE QUE A NINGUÉM
DISSESSEM TAL COISAA SEU RESPEITO”.
Quem é este jesus?
Para os demônios:
• O santo de Deus (1:24) “Que temos nós contigo, Jesus Nazareno?
Vieste para desturir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus!”
• O Filho de Deus (3:11) “Também os espíritos imundos, quando o
viam, prostravam-se diante dele e exclamavam Tu és o Filho de
Deus!”
• Filho do Deus altíssimo (5:6-7) “Quando, de longe, viu Jesus,
correu e o adorou, exclamando com alta voz: Que tenho eu contigo,
Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Conjuro-te por Deus que não me
atormentes!”
Quem é este jesus?
Para o povo em geral:
• O poderoso misericordioso que purifica o leproso (1:40-
41) “Aproximou-se dele um leproso rogando-lhe, de joelhos.
Se quiseres, podes purificar-me. Jesus, profundamente
compadecido, estendeu a mão, tocou-o e disse-lhe: Quero,
fica limpo!”
• João Batista, Elias ou um dos profetas (8:28) “E
responderam: João Batista outros: Elias; mas outros: Algum
dos profetas”.
Quem é este jesus?
• Um bom mestre (10:17) “E, pondo-se Jesus a caminho, correu um
homem ao seu encontro e, ajoelhando-se, perguntou-lhe: Bom Mestre,
que farei para herdar a vida eterna?”
• Filho de Davi (10:47-48) “E, ouvindo que era Jesus, o Nazareno, pôs-se a
clamar: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim! E muitos o
repreendiam, para que se calasse; mas ele cada vez gritava mais: Filho
de Davi, tem misericórdia de mim!”
• O bendito do SENHOR (11:9) “Tanto os que iam adiante dele como os
que vinham depois clamavam: Hosana! Bendito o que vem em nome do
Senhor!”
Quem é este jesus?
• Um mentiroso derrotado (14:65) “Puseram-se alguns a cuspir nele, a cobrir-
lhe o rosto, a dar-lhe murros e a dizer-lhe: Profetiza! E os guardas o tomaram
a bofetadas”.
• (15:19-20) “Davam-lhe na cabeça com um caniço, cuspiam nele e, pondo-se
de joelhos, o adoravam. Depois de o terem escarnecido, despiram-lhe a
púrpura e o vestiram com as suas próprias vestes. Então, conduziram Jesus
para fora, com o fim de o crucificarem”.
• (15:29-32) “Os que iam passando, blasfemavam dele, meneando a cabeça e
dizendo: Ah! Tu que destróis o santuário e, em três dias, o reedificas!Salva-te
a ti mesmo, descendo da cruz!”
Quem é este jesus?
Para as autoridades religiosas:
• Um blasfemo que não pode perdoar pecados (2:7) “Por
que fala ele deste modo? Isto é blasfêmia! Quem pode
perdoar pecados, senão um, que é Deus?”.
• Um comilão e beberrão (2:16) “Os escribas dos fariseus,
vendo-o comer em companhia dos pecadores e
publicanos, perguntavam aos discípulos dele: Por que
come [e bebe] ele com os publicanos e pecadores?”.
Quem é este jesus?
Para as autoridades religiosas:
• Um profanador do sábado (2:24) “Advertiram-no os fariseus:
Vê! Por que fazem o que não é lícito aos sábados?”
• Alguém que pode curar (5:22-23) “Eis que se chegou a ele
um dos principais da sinagoga, chamado Jairo, e, vendo-o,
prostrou-se a seus pés e insistentemente lhe suplicou: Minha
filhinha está à morte; vem impõe as mãos sobre ela, para que
seja salva, e viverá”.
Quem é este jesus?
Para as autoridades religiosas:
• Um homem normal (6:2-3) “Chegando o sábado, passou
a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se
maravilhavam, dizendo: Donde vêm a este estas coisas?
Que sabedoria é esta que lhe foi dada? E como se fazem
tais maravilhas por suas mãos? Não é este o carpinteiro,
filho de Maria irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não
vivem aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se
nele”.
Quem é este jesus?
Para as autoridades religiosas:
• Um homem impotente de fazer um sinal do céu
(8:11-12) “E, saindo os fariseus, puseram-se a
discutir com ele; e, tentando-o, pediram-lhe um
sinal do céu. Jesus, porém, arrancou do íntimo do
seu espírito um gemido e disse: Por que pede esta
geração um sinal? Em verdade vos digo que a esta
geração não se lhe dará sinal algum”.
Quem é este jesus?
Para as autoridades religiosas:
• Um blasfemo que se diz Filho do Deus bendito (14:61-64)
“Ele, porém, guardou silêncio e nada respondeu. Tornou a
interrogá-lo o sumo sacerdote e lhe disse: És tu o Cristo, o
Filho do Deus Bendito? Jesus respondeu: Eu sou, e vereis o
Filho do Homem assentado à direita do Todo-Poderoso e vindo
com as nuvens do céu. Então, o sumo sacerdote rasgou as
suas vestes e disse: Que mais necessidade temos de
testemunhas? Ouvistes a blasfêmia; que vos parece? E todos o
julgaram réu de morte”.
Quem é este jesus?
Para as autoridades políticas:
• Para Herodes é João que ele havia decapitado
(6:16) “Herodes, porém, ouvindo isto, disse. É
João, a quem eu mandei decapitar, que ressurgiu”.
• Para Pilatos é o Rei dos judeus (15:2) “Pilatos o
interrogou: És tu o rei dos judeus? Respondeu
Jesus: Tu o dizes”.
Quem é este jesus?
Para as autoridades políticas:
• Para a família de Jesus:
• Jesus foi um fanático religioso (3:21) “E,
quando os parentes de Jesus ouviram isto,
saíram para o prender; porque diziam Está
fora de si”.
Quem é este jesus?
Para os discípulos:
• O que controla até mesmo a fúria da
tempestade (4:41) “E eles, possuídos
de grande temor diziam uns aos outros:
Quem é este que até o vento e o mar
lhe obedecem?”.
Quem é este jesus?
Para os discípulos:
 Podia parecer um fantasma, mas é aquele que os
socorre (6:48-50) “E, vendo-os em dificuldade a remar,
porque o vento lhes era contrário, por volta da quarta vigília
da noite, veio ter com eles, andando por sobre o mar; e
queria tomar-lhes a dianteira. Eles, porém, vendo-o andar
sobre o mar, pensaram tratar-se de um fantasma e gritaram.
Pois todos ficaram aterrados à vista dele. Mas logo lhes
falou e disse: Tende bom ânimo! Sou eu. Não temais!”.
Quem é este jesus?
Para os discípulos:
• O Cristo, o Filho do Deus vivo
(8:29) “Então, lhes perguntou: Mas
vós, quem dizeis que eu sou
Respondendo, Pedro lhe disse: Tu és
o Cristo”.
Quem é este jesus?
Para os discípulos:
• O bendito rei que vem em nome do SENHOR (11:7-10)
“Levaram o jumentinho, sobre o qual puseram as suas
vestes, e Jesus o montou. E muitos estendiam as suas
vestes no caminho, e outros ramos que haviam cortado
dos campos. Tanto os que iam adiante dele como os que
vinham depois clamavam: Hosana! Bendito o que vem em
nome do Senhor! Bendito o reino que vem, o reino de Davi,
nosso pai! Hosana, nas maiores alturas!”
Quem é este jesus?
Para os discípulos:
• Merecedor de toda adoração (14:3) “Estando ele em
Betânia, reclinado à mesa, em casa de Simão, o leproso
veio uma mulher trazendo um vaso de alabastro com
preciosíssimo perfume de nardo puro; e, quebrando o
alabastro, derramou o bálsamo sobre a cabeça de Jesus”.
• Jesus também é chamado de mestre por várias
pessoas. A palavra “mestre” aparece 16 vezes neste
evangelho.
Quem é este jesus?
Para os discípulos:
• Havia três formas de dizer “mestre”. A primeira era simplesmente
chamando Jesus de professor “didaskalos” em grego. A segunda era
chamando-o de rabi, que quer dizer “meu mestre”. E a terceira era
chamando-o de “raboni”, que é uma expressão de profunda
admiração, de alguém que está extasiado diante dele. Foi com esta
expressão que o cego Bartimeu se referiu a Jesus em 11:51. Maria,
mãe de Jesus também o chamou assim em outra ocasião. A terceira
forma é “Rabi” usado por Judas em 14:45 significa “meu grande
mestre!”. Era como se Judas dissesse: “Minha autarquia!”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
Os demônios:
• Prostração diante dele (3:11) “Também os espíritos
imundos, quando o viam, prostravam-se diante dele e
exclamavam Tu és o Filho de Deus!”.
• (5:6) “Quando, de longe, viu Jesus, correu e o adorou”.
• Obediência (7:29-30) “Então, lhe disse: Por causa desta
palavra, podes ir; o demônio já saiu de tua filha. Voltando
ela para casa, achou a menina sobre a cama, pois o
demônio a deixara”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
O povo em geral:
• Testemunhou de Jesus (1:45). “Mas, tendo ele saído, entrou
a propalar muitas coisas e a divulgar a notícia, a ponto de não
mais poder Jesus entrar publicamente em qualquer cidade,
mas permanecia fora, em lugares ermos; e de toda parte
vinham ter com ele”.
• Medo e admiração (5:33) “Então, a mulher, atemorizada e
tremendo, cônscia do que nela se operara, veio, prostrou-se
diante dele e declarou-lhe toda a verdade”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
O povo em geral:
• Medo e admiração (5:33) “Então, a mulher,
atemorizada e tremendo, cônscia do que nela se
operara, veio, prostrou-se diante dele e declarou-lhe
toda a verdade”.
• (5:42) “Imediatamente, a menina se levantou e pôs-
se a andar; pois tinha doze anos. Então, ficaram
todos sobremaneira admirados”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
O povo em geral:
• Admiração (6:2) “Chegando o sábado, passou a ensinar na
sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se maravilhavam, dizendo:
Donde vêm a este estas coisas? Que sabedoria é esta que
lhe foi dada? E como se fazem tais maravilhas por suas
mãos?”.
• (7:37) “Maravilhavam-se sobremaneira, dizendo: Tudo ele
tem feito esplendidamente bem; não somente faz ouvir os
surdos, como falar os mudos”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
O povo em geral:
• Espanto (9:15) “E logo toda a multidão, ao ver Jesus,
tomada de surpresa, correu para ele e o saudava”.
• Reverência (10:17) “E, pondo-se Jesus a caminho,
correu um homem ao seu encontro e, ajoelhando-se,
perguntou-lhe: Bom Mestre, que farei para herdar a
vida eterna?”
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
O povo em geral:
• Profundo respeito (10:51). Bartimeu que chamou Jesus
de Raboni. “Perguntou-lhe Jesus: Que queres que eu te
faça? Respondeu o cego: Mestre, que eu torne a ver”.
• Total escárnio e desrespeito (14:65) “Puseram-se
alguns a cuspir nele, a cobrir-lhe o rosto, a dar-lhe
murros e a dizer-lhe: Profetiza! E os guardas o tomaram
a bofetadas”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
O povo em geral:
• (15:19-20) “Davam-lhe na cabeça com um caniço,
cuspiam nele e, pondo-se de joelhos, o adoravam.
Depois de o terem escarnecido, despiram-lhe a
púrpura e o vestiram com as suas próprias vestes.
Então, conduziram Jesus para fora, com o fim de o
crucificarem”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
As autoridades religiosas:
• Incredulidade (2:7) “Por que fala ele deste modo? Isto é
blasfêmia! Quem pode perdoar pecados, senão um, que é
Deus?”
• (6:6) “Admirou-se da incredulidade deles. Contudo, percorria as
aldeias circunvizinhas, a ensinar”.
• Censura (2:16) “Os escribas dos fariseus, vendo-o comer em
companhia dos pecadores e publicanos, perguntavam aos
discípulos dele: Por que come [e bebe] ele com os publicanos e
pecadores?”
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
As autoridades religiosas:
• Se acharam superiores (2:24) “Advertiram-no os fariseus: Vê! Por que
fazem o que não é lícito aos sábados?”
• Adoração (5:22) “Eis que se chegou a ele um dos principais da
sinagoga, chamado Jairo, e, vendo-o, prostrou-se a seus pés”
• Disputa (8:11) “E, saindo os fariseus, puseram-se a discutir com ele; e,
tentando-o, pediram-lhe um sinal do céu”.
• Inveja e medo (11:18) “E os principais sacerdotes e escribas ouviam
estas coisas e procuravam um modo de lhe tirar a vida; pois o temiam,
porque toda a multidão se maravilhava de sua doutrina”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
As autoridades religiosas:
• Ódio (14:1) “Dali a dois dias, era a Páscoa e a Festa dos Pães
Asmos; e os principais sacerdotes e os escribas procuravam como o
prenderiam, à traição, e o matariam”.
• Zombaria (15:31-32) “De igual modo, os principais sacerdotes com
os escribas, escarnecendo, entre si diziam: Salvou os outros, a si
mesmo não pode salvar-se; desça agora da cruz o Cristo, o rei de
Israel, para que vejamos e creiamos. Também os que com ele foram
crucificados o insultavam”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
Os discípulos:
• TEMOR (4:41) “E eles, possuídos de grande temor
diziam uns aos outros: Quem é este que até o vento
e o mar lhe obedecem?”.
• ASSOMBRADOS E MARAVILHADOS (6:51) “E
subiu para o barco para estar com eles, e o vento
cessou. Ficaram entre si atônitos”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
Os discípulos:
• ADORAÇÃO (11:7-11) “Levaram o jumentinho, sobre o qual puseram
as suas vestes, e Jesus o montou. E muitos estendiam as suas
vestes no caminho, e outros ramos que haviam cortado dos campos.
Tanto os que iam adiante dele como os que vinham depois
clamavam: Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor!Bendito
o reino que vem, o reino de Davi, nosso pai! Hosana, nas maiores
alturas!E, quando entrou em Jerusalém no templo tendo observado
tudo, como fosse já tarde, saiu para Betânia com os doze”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
Os discípulos:
• TOTAL ENTREGA (14:3) “Estando ele em Betânia, reclinado à mesa, em
casa de Simão, o leproso veio uma mulher trazendo um vaso de alabastro
com preciosíssimo perfume de nardo puro; e, quebrando o alabastro,
derramou o bálsamo sobre a cabeça de Jesus”.
• OS DISCÍPULOS HOMENS FORAM COVARDES (14:31) “Mas ele insistia
com mais veemência: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de
nenhum modo te negarei. Assim disseram todos”.
• (14:50) “Então, deixando-o, todos fugiram”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
Os discípulos:
• TRAIÇÃO (14:44-45) “Ora, o traidor tinha-lhes dado esta senha: Aquele a
quem eu beijar, é esse; prendei-o e levai-o com segurança. E, logo que
chegou, aproximando-se, disse-lhe: Mestre! E o beijou”.
• PEDRO O NEGOU (14:71) “Ele, porém, começou a praguejar e a jurar:
Não conheço esse homem de quem falais!”.
• AS MULHERES FORAM FIÉIS ATÉ O FIM (15:40-41) “Estavam também
ali algumas mulheres, observando de longe; entre elas, Maria Madalena,
Maria, mãe de Tiago, o menor, e de José, e Salomé; as quais, quando
Jesus estava na Galiléia, o acompanhavam e serviam; e, além destas,
muitas outras que haviam subido com ele para Jerusalém”.
Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus?
Os discípulos:
• ANUNCIARAM SEU NOME (16:20) “E
eles, tendo partido, pregaram em toda
parte, cooperando com eles o Senhor e
confirmando a palavra por meio de sinais,
que se seguiam”.
CONCLUSÃO
 Os grupos tem diferentes visões sobre
quem é Jesus.
 Apenas os demônios acertam todas as
vezes e tomam as atitudes corretas neste
evangelho.
 Quem é Jesus para você?
 Quais atitudes você tomado diante dele?
LUCAS – O Evangelho do filho do homem
• MENSAGEM – A mensagem
soberana do reino foi estendida a
todas as nações por meio da
rejeição de Israel para com Jesus, o
Filho do Homem, como o seu
Messias.
AUTORIA E DATA
Homem, como o seu Messias.
• À semelhança dos outros evangelho a autoria é
anônima.
• Homem culto, profunda pesquisa (Lc 1:1-4).
• Dedicatória semelhante à de Atos a Teófilo.
• À semelhança dos outros evangelho a autoria é
anônima.
• Homem culto, profunda pesquisa (Lc 1:1-4).
• Dedicatória semelhante à de Atos a Teófilo.
AUTORIA E DATA
•Marcião, o herege o classifica
como Lucano (c. 150).
•O Cânon Muratoriano também o
faz.
•Por volta dos anos 58-59.
, como o seu Messias.
DESTINATÁRIO
Homem, como o seu Messias.
• Público predominantemente gentio.
• Expressões gregas substituem títulos
hebraicos/aramaicos.
• A Genealogia de Jesus vai até Adão e
não até Abraão.
• A maioria das citações do VT vem da
LXX.
DESTINATÁRIO
• Este é o terceiro dos
evangelhos sinóticos
(syn+ópticos)= vistos juntos,
parecidos.
Características
Homem, como o seu Messias.
 Este é o terceiro dos evangelhos sinóticos
(syn+ópticos)= vistos juntos, parecidos.
 Lucas é o Evangelho da Alegria. A palavra “agaliasis”
aparece por 16 vezes nos evangelhos, sendo 8 em Lucas
(8 em atos também).
 Lucas 2:10: “Mas o anjo lhes disse: Não Temais, porque
vos trago novas de grande alegria para todo o povo”.
 Lucas 24:52: “Depois de o adorar, eles voltaram com
grande alegria para Jerusalém”.
O Evangelho tem muita “música”.
Homem, como o seu Messias.
• Zacarias - Magnificat (1:46-55)
• Maria - Benedictus (1:68-79)
• Anjos - Glória in Excelsis (2:14)
• Simeão – Nunc Dimitis “Agora podes
despedir” (2:28-32).
• Música na festa pelo filho que voltou
(15:25).
O Evangelho possui muitas parábolas:
 Vinho novo (5:36-39)
 Dois cegos (6:39)
 O Semeador (8:4-15)
 A candeia (8:16-18)
 O Rico insensato (12:16-21)
O Evangelho possui muitas parábolas:
Homem, como o seu Messias.
• Servo vigilante (12:35-40)
• Figueira infrutífera (13:6-9)
• O grão de mostarda e o fermento (13:18-21)
• Os primeiros lugares (14:7-14)
• O Grande jantar (14:15-24)
• A dracma perdida (15:1-10)
O Evangelho possui muitas parábolas:
Homem, como o seu Messias.
• O filho que volta (15:11-32)
• O administrador infiel (16:1-13)
• O rico e Lázaro (16:19-31)
• O juiz iníquo (18:1-6)
• A oração do fariseu e do publicano
(18:9-14)
O Evangelho possui muitas parábolas:
• Os dez servos e as dez minas
(19:11-27)
• Os agricultores maus (20:9-18)
• A figueira e as árvores (21:29-33)
O Evangelho resgata o valor das mulheres:
Homem, como o seu Messias.
• Maria
• Isabel
• Ana
• A sogra de Pedro
• A viúva de Naim
• A pecadora que ungiu os pés do Senhor
• Mulheres que sustentavam o ministério de Jesus
• A filha de Jairo
O Evangelho resgata o valor das mulheres:
Homem, como o seu Messias.
• Marta e Maria
• Uma mulher curada no Sábado
• Uma mulher que tem dez dracmas
• Uma mulher que clama ao juiz iníquo
• A oferta da viúva pobre
• Testemunhas da ressurreição.
O Evangelho usa heróis improváveis:
Homem, como o seu Messias.
•Mulheres.
•Um pecador que volta para a casa
do pai.
•Um Publicano.
•Os pobres.
JOÃO – O Evangelho do deus eterno
Homem, como o seu Messias.
• MENSAGEM – A encarnação do Filho de
Deus revela sua glória divina àqueles
que, a despeito da oposição
generalizada, desfrutam graça e verdade
mediante a fé em Jesus como a provisão
divina para o pecado do mundo.
AUTORIA E DATA
Homem, como o seu Messias.
• O autor alega ter sido testemunha
ocular dos eventos (1:14; 19:35; 21:24-25).
• Conhece os ritos judaicos:
• Purificação (2:6)
• Detalhes da festa dos Tabernáculos
(7.37; 8:12)
AUTORIA E DATA
Homem, como o seu Messias.
• Costumes da Páscoa (19:31-33)
• Conhece teologia judaica:
• Legislação sobre o sábado (6:10)
• Conceito de hereditariedade de
culpa (9:2)
AUTORIA E DATA
Homem, como o seu Messias.
• Conhece a geografia de Israel
detalhes da arquitetura da Jerusalém:
• Conhecia as duas Betânias (1:28;
12:1)
• Proximidade entre Enon e Salim
(3:23)
AUTORIA E DATA
Homem, como o seu Messias.
• Detalhes da planta do Tanque de Betesda (5:1-2)
• O autor demonstra que era uma dos discípulos
(2:11-12):
• “Esse sinal, em Caná da Galileia, foi o primeiro que
Jesus fez. Ele manifestou a sua glória, e os seus
discípulos creram nele. Depois disso, ele desceu
para Cafarnaum com sua mãe, seus irmãos e seus
discípulos; e ficaram ali poucos dias”.
AUTORIA E DATA
Homem, como o seu Messias.
• 12:16: “Os seus discípulos, porém, a princípio
não entenderam isso. Mas quando Jesus foi
glorificado, eles se lembraram de que essas
coisas estavam escritas a respeito dele e assim
lhe aconteceram”.
• 13:22: “Então, os discípulos se entreolharam,
sem saber de quem ele falava”.
• Foi escrito por volta dos anos 70-80.
DESTINATÁRIO
Homem, como o seu Messias.
• O destinatário é nebuloso, mas a
tradição cristã aponta para cristãos de
Éfeso, de acordo com Irineu e Eusébio.
• Cristãos que precisavam de
confirmação na fé e poderiam
evangelizar:
DESTINATÁRIO
Homem, como o seu Messias.
• 20:31-31: “Jesus, na verdade, realizou na
presença de seus discípulos ainda muitos
outros sinais que não estão registrados
neste livro. Estes, porém, foram
registrados para que possais crer que
Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para
que, crendo, tenhais vida em seu nome”.
Diferenças entre este evangelho e os sinóticos
Homem, como o seu Messias.O Evangelho de João Os Evangelhos Sinóticos
Pouco Movimento Muito Movimento
Centralizado na Judéia Centrado na Galileia
Ênfase na pessoa de Jesus Ênfase no Reino
Jesus como Filho de Deus Jesus como homem, Filho de Davi
Ênfase em discursos Ênfase em narrativas
Muito material editorial Pouco Material Editorial
Longos Pronunciamentos de Jesus Pronunciamentos breves de Jesus
Ênfase no significado de Jesus Ênfase na história de Jesus
Sinais, creiam e vida
Homem, como o seu Messias.
• Os milagres são aqui chamados de sinais.
• A palavra creiam aparece 98 vezes e é traduzida
por crer e confiar.
• A vida é o resultado da fé em Deus, a vida
eterna.
• Nos sinais está a revelação de Deus; na fé, a
reação que eles estão preparados para produzir;
na vida, o resultado da fé.
Os sete Sinais
Homem, como o seu Messias.
TÍTULO PASSAGEM ÁREA DO PODER
Transformação da água em vinho 2:1-11 Qualidade
Cura do filho de um nobre 4:46-54 Espaço
Cura de um homem paralítico 5:1-9 Tempo
Alimentação dos cinco mil 6:1-14 Quantidade
Andando sobre as águas 6:16-21 Lei natural
Cura do cego 9:1-12 Infortúnio
Ressurreição de Lázaro 11:1-46 Morte
Os sete Sinais
Homem, como o seu Messias.QUALIDADE PASSAGEM
1. O PÃO DA VIDA 6:35
2. A LUZ DO MUNDO 8:12; 9:5
3. A PORTA DAS OVELHAS 10:7
4. O BOM PASTOR 10:11, 14
5. A RESSURREIÇÃO E A VIDA 11:25
6. O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA 14:6
7. A VIDEIRA VERDADEIRA 15:1
Falácias linguísticas
• Tempo de Deus X Tempo do Homem.
• Ágape = amor de Deus.
• Pedro entristeceu por um amor diferente a
Jesus.
• Tempo de Deus X Tempo do Homem:
• Kairós X Chronos.
• Kairós = Tempo indeterminado.
• Chronos = Tempo datado.
Falácias linguísticas
• João 7:6: “Então lhes disse Jesus: O meu tempo ainda
não chegou; mas o vosso tempo está sempre presente”.
• Kairós 2 X
• João 5:4: “Pois um anjo do Senhor descia de tempos em
tempos ao tanque” Kairós.
• João 5:6: “Vendo-o deitado e sabendo que vivia assim
há muito tempo” Chronos – 38 anos.
• Ágape = amor de Deus
• João 3:35: “O Pai ama o Filho e entregou todas as coisas
nas suas mãos” agapao.
Falácias linguísticas
• João 5:20: “Porque o Pai ama o Filho e mostra-lhe tudo o que ele
mesmo faz...” fileo.
• Ágape = amor de Deus
• 2 Timóteo 4:10: “pois Demas, por amar este mundo, abandonou-
me...” agapao.
• Pedro entristeceu por um amor diferente a Jesus. Agapao,
agapao, fileo.
• João 21:17: “E pela terceira vez lhe perguntou: Simão, filho de
João, tu me amas? Pedro entristeceu-se por lhe ter perguntado
pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes
de todas as coisas e sabes que te amo...”.
ATOS – A igreja guiada pelo espírito
Homem, como o seu Messias.
• MENSAGEM – A mensagem
soberana do Reino iniciada por
Jesus encontra culminação
autorizada em sua proclamação
por todo o mundo gentio.
AUTORIA E DATA
• A mais antiga tradição da
Igreja aponta para Lucas
• Deve ter sido escrito entre
62-70.
DESTINATÁRIO
• Foi escrito para o mesmo
destinatário do Evangelho
de Lucas, Teófilo.
Características do livro
• Atos dos Apóstolos ou do Espírito
Santo?
• O texto base é Atos 1:8
• Pedro = Jerusalém e Judeia
• Filipe = Samaria
• Paulo = Confins da Terra
CARACTERÍSTICAS DO LIVRO
• Escolha do 12º apóstolo (Cap. 1)
• Descida do Espírito Santo (Cap. 2)
• Conversões em Massa
• Muitos milagres
• Enfrentamento da perseguição
• Livro sem fechamento
NOVO TESTAMENTO – www.grafia.in

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução ao Livro de Isaías
Introdução ao Livro de IsaíasIntrodução ao Livro de Isaías
Introdução ao Livro de Isaías
Robson Santana
 
CURSO EETAD -
CURSO EETAD - CURSO EETAD -
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmosLivros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
RODRIGO FERREIRA
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
Moisés Sampaio
 
5. levítico
5. levítico5. levítico
5. levítico
mbrandao7
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
Respirando Deus
 
1. Antigo Testamento: Introdução
1. Antigo Testamento: Introdução1. Antigo Testamento: Introdução
1. Antigo Testamento: Introdução
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
Rubens Sohn
 
Cristologia aula02
Cristologia aula02Cristologia aula02
Cristologia aula02
Pastor W. Costa
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
Alberto Nery
 
Ezequiel lição 8
Ezequiel   lição 8Ezequiel   lição 8
Ezequiel lição 8
Ricardo Gondim
 
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Livros Históricos
Livros  HistóricosLivros  Históricos
Livros Históricos
Moisés Sampaio
 
Panorama do AT - Obadias
Panorama do AT - ObadiasPanorama do AT - Obadias
Panorama do AT - Obadias
Respirando Deus
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
Rosana Eugenio Dos Santos
 

Mais procurados (20)

Introdução ao Livro de Isaías
Introdução ao Livro de IsaíasIntrodução ao Livro de Isaías
Introdução ao Livro de Isaías
 
CURSO EETAD -
CURSO EETAD - CURSO EETAD -
CURSO EETAD -
 
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmosLivros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
 
28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
 
5. levítico
5. levítico5. levítico
5. levítico
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
 
1. Antigo Testamento: Introdução
1. Antigo Testamento: Introdução1. Antigo Testamento: Introdução
1. Antigo Testamento: Introdução
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
 
Cristologia aula02
Cristologia aula02Cristologia aula02
Cristologia aula02
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
 
Ezequiel lição 8
Ezequiel   lição 8Ezequiel   lição 8
Ezequiel lição 8
 
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS HISTÓRICOS (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
 
Livros Históricos
Livros  HistóricosLivros  Históricos
Livros Históricos
 
Panorama do AT - Obadias
Panorama do AT - ObadiasPanorama do AT - Obadias
Panorama do AT - Obadias
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 

Destaque

Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Síntese do novo testamento I
Síntese do novo testamento ISíntese do novo testamento I
Síntese do novo testamento I
Francelia Carvalho Oliveira
 
Hare krishna
Hare krishnaHare krishna
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Como estudar a bíblia
Como estudar a bíbliaComo estudar a bíblia
Como estudar a bíblia
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblicoO que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2   2016.1 tarde e noiteNovo testamento 2   2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Budismo
BudismoBudismo
A importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igrejaA importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igreja
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Desenvolvimento Regional - 5a aula
Desenvolvimento Regional - 5a aulaDesenvolvimento Regional - 5a aula
Desenvolvimento Regional - 5a aula
Márcio Melânia
 
Subsídio para a 1ª lição
Subsídio para a 1ª liçãoSubsídio para a 1ª lição
Subsídio para a 1ª lição
Daladier Lima
 
Panorama do nt 2
Panorama do nt 2Panorama do nt 2
Panorama do nt 2
Lisanro Cronje
 
Introdução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamentoIntrodução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamento
João Áquila Lima Dos Santos
 
Panorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - GálatasPanorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - Gálatas
Respirando Deus
 
Panorama do NT - Introdução
Panorama do NT - IntroduçãoPanorama do NT - Introdução
Panorama do NT - Introdução
Respirando Deus
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Erivelton Rodrigues Nunes
 

Destaque (17)

Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Síntese do novo testamento I
Síntese do novo testamento ISíntese do novo testamento I
Síntese do novo testamento I
 
Hare krishna
Hare krishnaHare krishna
Hare krishna
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Como estudar a bíblia
Como estudar a bíbliaComo estudar a bíblia
Como estudar a bíblia
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblicoO que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
 
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2   2016.1 tarde e noiteNovo testamento 2   2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
A importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igrejaA importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igreja
 
Desenvolvimento Regional - 5a aula
Desenvolvimento Regional - 5a aulaDesenvolvimento Regional - 5a aula
Desenvolvimento Regional - 5a aula
 
Subsídio para a 1ª lição
Subsídio para a 1ª liçãoSubsídio para a 1ª lição
Subsídio para a 1ª lição
 
Panorama do nt 2
Panorama do nt 2Panorama do nt 2
Panorama do nt 2
 
Introdução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamentoIntrodução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamento
 
Panorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - GálatasPanorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - Gálatas
 
Panorama do NT - Introdução
Panorama do NT - IntroduçãoPanorama do NT - Introdução
Panorama do NT - Introdução
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
 

Semelhante a Novo testamento 1 noite 2016.1

Introdução à Escatologia
Introdução à EscatologiaIntrodução à Escatologia
Introdução à Escatologia
Djalma C. Filho
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Robson Rocha
 
scatologiaeapocalipsedeclaraodoutrinriacbb-131014084114-phpapp01.pptx
scatologiaeapocalipsedeclaraodoutrinriacbb-131014084114-phpapp01.pptxscatologiaeapocalipsedeclaraodoutrinriacbb-131014084114-phpapp01.pptx
scatologiaeapocalipsedeclaraodoutrinriacbb-131014084114-phpapp01.pptx
LucianoMachado52
 
Hernandes Dias Lopes - Estudos no Livro de Apocalipse (1).pdf
Hernandes Dias Lopes - Estudos no Livro de Apocalipse (1).pdfHernandes Dias Lopes - Estudos no Livro de Apocalipse (1).pdf
Hernandes Dias Lopes - Estudos no Livro de Apocalipse (1).pdf
Bio7rsEmbalagens
 
Analise conjunta sobre o milênio - Escatologia - Prof: Fábio LIma
Analise conjunta sobre o milênio - Escatologia - Prof: Fábio LImaAnalise conjunta sobre o milênio - Escatologia - Prof: Fábio LIma
Analise conjunta sobre o milênio - Escatologia - Prof: Fábio LIma
Fábio Lima
 
4 história do cristianismo -4ª aula
4  história do cristianismo -4ª aula4  história do cristianismo -4ª aula
4 história do cristianismo -4ª aula
PIB Penha
 
Estudos no livro de apocalipse
Estudos no livro de apocalipseEstudos no livro de apocalipse
Estudos no livro de apocalipse
Nanaxara da Silva
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
Marcia oliveira
 
Hernandes Dias Lopes - Estudos no livro de Apocalipse
Hernandes Dias Lopes - Estudos no livro de ApocalipseHernandes Dias Lopes - Estudos no livro de Apocalipse
Hernandes Dias Lopes - Estudos no livro de Apocalipse
paulovydall
 
O Ministério de Evangelista Lição 8 2°Trimestre de 2014
O Ministério de Evangelista Lição 8 2°Trimestre de 2014 O Ministério de Evangelista Lição 8 2°Trimestre de 2014
O Ministério de Evangelista Lição 8 2°Trimestre de 2014
Pr. Andre Luiz
 
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
32148989
 
Estudo Livro de Apocalipse - aula II
Estudo Livro de Apocalipse - aula IIEstudo Livro de Apocalipse - aula II
Estudo Livro de Apocalipse - aula II
Daniel de Carvalho Luz
 
Paralelismo moises e Jesus
Paralelismo moises e JesusParalelismo moises e Jesus
Paralelismo moises e Jesus
Bruno Da Montanha
 
EMAD lição 05 Segunda Aula
EMAD   lição 05 Segunda AulaEMAD   lição 05 Segunda Aula
EMAD lição 05 Segunda Aula
Atevaldo Fernandes do Nascimento
 
BIBLILOGIA rossi.pdf
BIBLILOGIA rossi.pdfBIBLILOGIA rossi.pdf
BIBLILOGIA rossi.pdf
Rossi Aguiar Aguiar
 
História da igreja i
História da igreja iHistória da igreja i
História da igreja i
Sérgio Miguel
 
188 Respostas Reveladas do Apocalipse Bíblico - Por: Jair/Teólogo/2016
188 Respostas Reveladas do Apocalipse Bíblico - Por: Jair/Teólogo/2016188 Respostas Reveladas do Apocalipse Bíblico - Por: Jair/Teólogo/2016
188 Respostas Reveladas do Apocalipse Bíblico - Por: Jair/Teólogo/2016
Jair de Barros
 
Panorama do AT Resumo.pdf
Panorama do AT Resumo.pdfPanorama do AT Resumo.pdf
Panorama do AT Resumo.pdf
FernandaRoma4
 
Aconselhamento Cristão.pptx
Aconselhamento Cristão.pptxAconselhamento Cristão.pptx
Aconselhamento Cristão.pptx
CarlosAzevedo109
 
07.1 corintios comentário esperança
07.1 corintios   comentário esperança07.1 corintios   comentário esperança
07.1 corintios comentário esperança
josimar silva
 

Semelhante a Novo testamento 1 noite 2016.1 (20)

Introdução à Escatologia
Introdução à EscatologiaIntrodução à Escatologia
Introdução à Escatologia
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
 
scatologiaeapocalipsedeclaraodoutrinriacbb-131014084114-phpapp01.pptx
scatologiaeapocalipsedeclaraodoutrinriacbb-131014084114-phpapp01.pptxscatologiaeapocalipsedeclaraodoutrinriacbb-131014084114-phpapp01.pptx
scatologiaeapocalipsedeclaraodoutrinriacbb-131014084114-phpapp01.pptx
 
Hernandes Dias Lopes - Estudos no Livro de Apocalipse (1).pdf
Hernandes Dias Lopes - Estudos no Livro de Apocalipse (1).pdfHernandes Dias Lopes - Estudos no Livro de Apocalipse (1).pdf
Hernandes Dias Lopes - Estudos no Livro de Apocalipse (1).pdf
 
Analise conjunta sobre o milênio - Escatologia - Prof: Fábio LIma
Analise conjunta sobre o milênio - Escatologia - Prof: Fábio LImaAnalise conjunta sobre o milênio - Escatologia - Prof: Fábio LIma
Analise conjunta sobre o milênio - Escatologia - Prof: Fábio LIma
 
4 história do cristianismo -4ª aula
4  história do cristianismo -4ª aula4  história do cristianismo -4ª aula
4 história do cristianismo -4ª aula
 
Estudos no livro de apocalipse
Estudos no livro de apocalipseEstudos no livro de apocalipse
Estudos no livro de apocalipse
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
 
Hernandes Dias Lopes - Estudos no livro de Apocalipse
Hernandes Dias Lopes - Estudos no livro de ApocalipseHernandes Dias Lopes - Estudos no livro de Apocalipse
Hernandes Dias Lopes - Estudos no livro de Apocalipse
 
O Ministério de Evangelista Lição 8 2°Trimestre de 2014
O Ministério de Evangelista Lição 8 2°Trimestre de 2014 O Ministério de Evangelista Lição 8 2°Trimestre de 2014
O Ministério de Evangelista Lição 8 2°Trimestre de 2014
 
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
 
Estudo Livro de Apocalipse - aula II
Estudo Livro de Apocalipse - aula IIEstudo Livro de Apocalipse - aula II
Estudo Livro de Apocalipse - aula II
 
Paralelismo moises e Jesus
Paralelismo moises e JesusParalelismo moises e Jesus
Paralelismo moises e Jesus
 
EMAD lição 05 Segunda Aula
EMAD   lição 05 Segunda AulaEMAD   lição 05 Segunda Aula
EMAD lição 05 Segunda Aula
 
BIBLILOGIA rossi.pdf
BIBLILOGIA rossi.pdfBIBLILOGIA rossi.pdf
BIBLILOGIA rossi.pdf
 
História da igreja i
História da igreja iHistória da igreja i
História da igreja i
 
188 Respostas Reveladas do Apocalipse Bíblico - Por: Jair/Teólogo/2016
188 Respostas Reveladas do Apocalipse Bíblico - Por: Jair/Teólogo/2016188 Respostas Reveladas do Apocalipse Bíblico - Por: Jair/Teólogo/2016
188 Respostas Reveladas do Apocalipse Bíblico - Por: Jair/Teólogo/2016
 
Panorama do AT Resumo.pdf
Panorama do AT Resumo.pdfPanorama do AT Resumo.pdf
Panorama do AT Resumo.pdf
 
Aconselhamento Cristão.pptx
Aconselhamento Cristão.pptxAconselhamento Cristão.pptx
Aconselhamento Cristão.pptx
 
07.1 corintios comentário esperança
07.1 corintios   comentário esperança07.1 corintios   comentário esperança
07.1 corintios comentário esperança
 

Mais de Bruno Cesar Santos de Sousa

A formação da bíblia
A formação da bíbliaA formação da bíblia
A formação da bíblia
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Principais Tipos de Sermão
Principais Tipos de SermãoPrincipais Tipos de Sermão
Principais Tipos de Sermão
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A corrida da vida cristã
A corrida da vida cristãA corrida da vida cristã
A corrida da vida cristã
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
O papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de AtosO papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de Atos
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Bruno Cesar Santos de Sousa
 

Mais de Bruno Cesar Santos de Sousa (18)

A formação da bíblia
A formação da bíbliaA formação da bíblia
A formação da bíblia
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
 
Principais Tipos de Sermão
Principais Tipos de SermãoPrincipais Tipos de Sermão
Principais Tipos de Sermão
 
A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx
 
A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
 
A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8
 
Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
 
A corrida da vida cristã
A corrida da vida cristãA corrida da vida cristã
A corrida da vida cristã
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
 
O papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de AtosO papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de Atos
 
A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
 
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
 
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Novo testamento 1 noite 2016.1

  • 1. NOVO TESTAMENTO - www.grafia.in
  • 2. PERÍODO INTERTESTAMENTAL • ANTIGO TESTAMENTO ESTABELECIDO. • 400 ANOS DE SILÊNCIO CANÔNICO. • “NOVO TESTAMENTO” (Hebreus 8:13 – Mateus 26:28)
  • 3. NOVO TESTAMENTO • Domínio romano sobre Israel. • Templo e Sinagoga. • Expectativas Messiânicas. • Língua do Novo Testamento. • Os Escritos da Igreja Primitiva.
  • 4. GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO • FARISEUS – A classe pobre e média de Israel. • Recebiam Todo o Antigo Testamento. • Consideravam [na prática] a tradição oral superior às Escrituras (Cf. Marcos 7). • Paulo teve origem no Farisaísmo (At 23:6).
  • 5. GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO • A sinagoga era seu grande palco. • Criam na predestinação, imortalidade da alma, na ressurreição, e a vinda de um Messias libertador político. • Dos Fariseus vieram os Escribas. • “Fariseu” virou sinônimo de hipocrisia religiosa hoje em dia.
  • 6. GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO • SADUCEUS – Era formada pela classe alta de Israel. • Limitados ao Templo. • Religiosidade pouco formal. • Aceitavam apenas o Pentateuco.
  • 7. OS SADUCEUS • Negavam a imortalidade da alma. • Negavam a existência de espíritos (anjos ou demônios). • Será que podemos compará-los aos teólogos liberais?
  • 8. GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO • ZELOTES – Grupo sociopolítico. • Continuação dos Macabeus. • Um movimento de libertação política-religiosa. • Simão, discípulo do Senhor havia sido zelote (Mateus 10:4).
  • 9. GRUPOS RELIGIOSOS DO NOVO TESTAMENTO • ESSÊNIOS – Não aparecem no NT, mas, são da mesma época. • Separatistas, viviam longe da comunidade judaica. • Criam em espíritos.
  • 10. OS ESSÊNIOS • Tinham uma vaga concepção de ressurreição individual. • Criam numa iminência messiânica e afirmavam que viviam nos últimos dias. • Certa vez Paulo pôs os Fariseus contra os Saduceus por questões doutrinárias (Atos 22:30-23:11).
  • 11. ORDEM DOS LIVROS DO NOVO TESTAMENTO
  • 12. LIVRO MT MC LC JO AT RM 1CO 2CO GL EF FP CL 1TS 2TS 1TM 2TM TT FL HB TG 1PE 2PE 1JO 2JO 3JO JD AP DATA 50 65 58- 59 a. 80 62- 70 57 55 - 57 56 52-57 60 60 - 61 61 51 51 62 - 63 67 - 68 66 61 70 45- 49 64 65 - 67 Ap. 85 Ap. 85 Ap. 85 68- 75 Ap. 96 ORDEM 2 16 9 21 14 8 6 7 5 10 11 12 3 4 13 18 17 12 20 1 15 16 22 23 24 19 25 LIVRO MT MC LC JO AT RM 1CO 2CO GL EF FP CL 1TS 2TS 1TM 2TM TT FL HB TG 1PE 2PE 1JO 2JO 3JO JD AP DATA 50 65 58- 59 a. 80 62- 70 57 55 - 57 56 52- 57 60 60 - 61 61 51 51 62 - 63 67 - 68 66 61 70 45- 49 64 65 - 67 Ap. 85 Ap. 85 Ap. 85 68- 75 Ap. 96 LIVRO TG MT 1TS 2TS GL 1CO 2CO RM LC EF FP CL FL 1TM AT 1PE 2PE MC TT 2TM JD HB JO 1JO 2JO 3JO AP DATA 45- 49 50 51 51 52- 57 55 - 57 56 57 58- 59 60 60- 61 61 62 - 63 62- 70 64 65 - 67 66 67 - 68 68- 75 70 a. 80 Ap. 85 Ap. 85 Ap. 85 Ap. 96 ORDEM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 ORDEM DE APRESENTAÇÃO ORDEM CRONOLÓGICA COMO FICARIA NA BÍBLIA?
  • 13. LIVROS DO NOVO TESTAMENTO • EVANGELHOS (4) • LIVRO HISTÓRICO (1) • EPÍSTOLAS PAULINAS (13)EPÍSTOLAS • PASTORAIS (3) • EPÍSTOLAS GERAIS (8) • APOCALIPSE (1)
  • 14. OS EVANGELHOS EVANGELHOS • MATEUS • MARCOS • LUCAS • JOÃO • LIVROS HISTÓRICOS • ATOS DOS APÓSTOLOS
  • 15. EPÍSTOLAS PAULINAS • ROMANOS • 1 E 2 CORÍNTIOS • GÁLATAS • EFÉSIOS • FILIPENSES • COLOSSENSES • 1,2 TESSALONICENSES • FILEMOM • EPÍSTOLAS PASTORAIS • 1 E 2 TIMÓTEO • TITO
  • 16. EPÍSTOLAS GERAIS • TIAGO • 1 E 2 PEDRO • 1, 2 E 3 JOÃO • JUDAS • APOCALIPSE
  • 17. Mateus – o Evangelho do rei dos reis MENSAGEM – A rejeição do Rei dos judeus estende as bênçãos do Reino prometido a todas as nações na expectativa de seu estabelecimento definitivo (Carlos O. C. Pinto)..
  • 18. AUTORIA E DATA • Desde o século II Mateus (9:9; 10:3) a quem Marcos e Lucas chamam de Levi (Mc 2:14; Lc 5:27). • Por volta do ano 50.
  • 19. DESTINATÁRIO • Localização incerta dos destinatários. • Escreveu para judeus: • Frequentes alusões ao Antigo Testamento.
  • 20. DESTINATÁRIO • Ausência de explicações sobre expressões e costumes judaicos. • Ênfase nas reivindicações messiânicas. • Ênfase no Reino dos céus. • Certamente eram judeus de fala grega que precisavam saber sobre a chegada do Messias.
  • 21. DESTINATÁRIO A palavra “Rei” aparece neste livro 20 vezes e a palavra “Reino” aparece 55 vezes. O livro é formado por cinco grandes discursos: 1) O sermão do monte (5-7).
  • 22. DESTINATÁRIO 2) O apostolado cristão (10:5-42. 3) O reino dos céus (13:3-52). 4) A vida da comunidade cristã (18:3-35). 5) O final dos tempos (24:4- 25:46).
  • 23. DESTINATÁRIO • Para alguns estudiosos como Carlos Osvaldo C. Pinto, este foi o primeiro evangelho a ser escrito. • Inicia com uma genealogia de Jesus. • Os evangelhos são biografias? Para Craig Blomberg, sim. • Há 23 vezes a expressão “para que se cumprisse”, neste evangelho.
  • 24. Marcos – o Evangelho da ação MENSAGEM – O padrão do discipulado cristão se encontra no Servo de Deus, cujo serviço autentica sua mensagem, e cuja vida é um sacrifício por toda a humanidade (Carlos O. C. Pinto).
  • 25. AUTORIA E DATA • João Marcos foi filho de Maria (At 12:12), missionário em treinamento com Paulo (At 13:5, 13), primo e ministro com Barnabé (Cl 4:10; At 15:36-39), companheiro de Paulo em seus últimos anos de ministério (2 Tm 4:11), e filho “espiritual” de Pedro (1 Pedro 5:13). • Por volta do ano 65.
  • 26. DESTINATÁRIO • Leitores romanos. • Apenas uma citação do Antigo Testamento com fórmula introdutória (1:2-3). • Traduz termos aramaicos (5:41 – Talitá Cumi; 7:11 – corbã; 7:34 – Efatá; 9:43 – Inferno).
  • 27. DESTINATÁRIO • Explica costumes judaicos; • 7:1-3 – lavar as mãos; • 14:12 – cordeiro pascal; • Explica a topografia de Jerusalém – Monte das Oliveiras em frente ao Templo; • Traduz palavras gregas para o latim (15:16 – Palácio/pretório); • Traduz palavras latinas para o grego (15:15 flagellare; 15:39 conturio);
  • 28. DESTINATÁRIO • Menciona líderes da Igreja em Roma (Alexandre e Rufo 15:21 cf. Rm 16:13). • Usa um centurião como testemunha de que Jesus é o Filho de Deus (15:39). O propósito deste evangelho é responder à pergunta “quem é este Jesus”.
  • 29. DESTINATÁRIO Menciona líderes da Igreja em Roma (Alexandre e Rufo 15:21 cf. Rm 16:13). • MARCOS 4:41 “E SENTIRAM UM GRANDE TEMOR, E DIZIAM UNS AOS OUTROS: MAS, QUEM É ESTE, QUE ATÉ O VENTO E MAR LHE OBEDECEM?”.
  • 30. MARCOS 8:27-30: MARCOS 8:27-30: “ENTÃO, JESUS E OS SEUS DISCÍPULOS PARTIRAM PARA AS ALDEIAS DE CESARÉIA DE FILIPE; E, NO CAMINHO, PERGUNTOU-LHES: QUEM DIZEM OS HOMENS QUE SOU EU? E RESPONDERAM: JOÃO BATISTA, OUTROS: ELIAS; MAS OUTROS: ALGUM DOS PROFETAS. ENTÃO, LHES PERGUNTOU: MAS VÓS, QUEM DIZEIS QUE EU SOU? RESPONDENDO, PEDRO LHE DISSE: TU ÉS O CRISTO. ADVERTIU-OS JESUS DE QUE A NINGUÉM DISSESSEM TAL COISAA SEU RESPEITO”.
  • 31. Quem é este jesus? Para os demônios: • O santo de Deus (1:24) “Que temos nós contigo, Jesus Nazareno? Vieste para desturir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus!” • O Filho de Deus (3:11) “Também os espíritos imundos, quando o viam, prostravam-se diante dele e exclamavam Tu és o Filho de Deus!” • Filho do Deus altíssimo (5:6-7) “Quando, de longe, viu Jesus, correu e o adorou, exclamando com alta voz: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Conjuro-te por Deus que não me atormentes!”
  • 32. Quem é este jesus? Para o povo em geral: • O poderoso misericordioso que purifica o leproso (1:40- 41) “Aproximou-se dele um leproso rogando-lhe, de joelhos. Se quiseres, podes purificar-me. Jesus, profundamente compadecido, estendeu a mão, tocou-o e disse-lhe: Quero, fica limpo!” • João Batista, Elias ou um dos profetas (8:28) “E responderam: João Batista outros: Elias; mas outros: Algum dos profetas”.
  • 33. Quem é este jesus? • Um bom mestre (10:17) “E, pondo-se Jesus a caminho, correu um homem ao seu encontro e, ajoelhando-se, perguntou-lhe: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?” • Filho de Davi (10:47-48) “E, ouvindo que era Jesus, o Nazareno, pôs-se a clamar: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim! E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele cada vez gritava mais: Filho de Davi, tem misericórdia de mim!” • O bendito do SENHOR (11:9) “Tanto os que iam adiante dele como os que vinham depois clamavam: Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor!”
  • 34. Quem é este jesus? • Um mentiroso derrotado (14:65) “Puseram-se alguns a cuspir nele, a cobrir- lhe o rosto, a dar-lhe murros e a dizer-lhe: Profetiza! E os guardas o tomaram a bofetadas”. • (15:19-20) “Davam-lhe na cabeça com um caniço, cuspiam nele e, pondo-se de joelhos, o adoravam. Depois de o terem escarnecido, despiram-lhe a púrpura e o vestiram com as suas próprias vestes. Então, conduziram Jesus para fora, com o fim de o crucificarem”. • (15:29-32) “Os que iam passando, blasfemavam dele, meneando a cabeça e dizendo: Ah! Tu que destróis o santuário e, em três dias, o reedificas!Salva-te a ti mesmo, descendo da cruz!”
  • 35. Quem é este jesus? Para as autoridades religiosas: • Um blasfemo que não pode perdoar pecados (2:7) “Por que fala ele deste modo? Isto é blasfêmia! Quem pode perdoar pecados, senão um, que é Deus?”. • Um comilão e beberrão (2:16) “Os escribas dos fariseus, vendo-o comer em companhia dos pecadores e publicanos, perguntavam aos discípulos dele: Por que come [e bebe] ele com os publicanos e pecadores?”.
  • 36. Quem é este jesus? Para as autoridades religiosas: • Um profanador do sábado (2:24) “Advertiram-no os fariseus: Vê! Por que fazem o que não é lícito aos sábados?” • Alguém que pode curar (5:22-23) “Eis que se chegou a ele um dos principais da sinagoga, chamado Jairo, e, vendo-o, prostrou-se a seus pés e insistentemente lhe suplicou: Minha filhinha está à morte; vem impõe as mãos sobre ela, para que seja salva, e viverá”.
  • 37. Quem é este jesus? Para as autoridades religiosas: • Um homem normal (6:2-3) “Chegando o sábado, passou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se maravilhavam, dizendo: Donde vêm a este estas coisas? Que sabedoria é esta que lhe foi dada? E como se fazem tais maravilhas por suas mãos? Não é este o carpinteiro, filho de Maria irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não vivem aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se nele”.
  • 38. Quem é este jesus? Para as autoridades religiosas: • Um homem impotente de fazer um sinal do céu (8:11-12) “E, saindo os fariseus, puseram-se a discutir com ele; e, tentando-o, pediram-lhe um sinal do céu. Jesus, porém, arrancou do íntimo do seu espírito um gemido e disse: Por que pede esta geração um sinal? Em verdade vos digo que a esta geração não se lhe dará sinal algum”.
  • 39. Quem é este jesus? Para as autoridades religiosas: • Um blasfemo que se diz Filho do Deus bendito (14:61-64) “Ele, porém, guardou silêncio e nada respondeu. Tornou a interrogá-lo o sumo sacerdote e lhe disse: És tu o Cristo, o Filho do Deus Bendito? Jesus respondeu: Eu sou, e vereis o Filho do Homem assentado à direita do Todo-Poderoso e vindo com as nuvens do céu. Então, o sumo sacerdote rasgou as suas vestes e disse: Que mais necessidade temos de testemunhas? Ouvistes a blasfêmia; que vos parece? E todos o julgaram réu de morte”.
  • 40. Quem é este jesus? Para as autoridades políticas: • Para Herodes é João que ele havia decapitado (6:16) “Herodes, porém, ouvindo isto, disse. É João, a quem eu mandei decapitar, que ressurgiu”. • Para Pilatos é o Rei dos judeus (15:2) “Pilatos o interrogou: És tu o rei dos judeus? Respondeu Jesus: Tu o dizes”.
  • 41. Quem é este jesus? Para as autoridades políticas: • Para a família de Jesus: • Jesus foi um fanático religioso (3:21) “E, quando os parentes de Jesus ouviram isto, saíram para o prender; porque diziam Está fora de si”.
  • 42. Quem é este jesus? Para os discípulos: • O que controla até mesmo a fúria da tempestade (4:41) “E eles, possuídos de grande temor diziam uns aos outros: Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?”.
  • 43. Quem é este jesus? Para os discípulos:  Podia parecer um fantasma, mas é aquele que os socorre (6:48-50) “E, vendo-os em dificuldade a remar, porque o vento lhes era contrário, por volta da quarta vigília da noite, veio ter com eles, andando por sobre o mar; e queria tomar-lhes a dianteira. Eles, porém, vendo-o andar sobre o mar, pensaram tratar-se de um fantasma e gritaram. Pois todos ficaram aterrados à vista dele. Mas logo lhes falou e disse: Tende bom ânimo! Sou eu. Não temais!”.
  • 44. Quem é este jesus? Para os discípulos: • O Cristo, o Filho do Deus vivo (8:29) “Então, lhes perguntou: Mas vós, quem dizeis que eu sou Respondendo, Pedro lhe disse: Tu és o Cristo”.
  • 45. Quem é este jesus? Para os discípulos: • O bendito rei que vem em nome do SENHOR (11:7-10) “Levaram o jumentinho, sobre o qual puseram as suas vestes, e Jesus o montou. E muitos estendiam as suas vestes no caminho, e outros ramos que haviam cortado dos campos. Tanto os que iam adiante dele como os que vinham depois clamavam: Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor! Bendito o reino que vem, o reino de Davi, nosso pai! Hosana, nas maiores alturas!”
  • 46. Quem é este jesus? Para os discípulos: • Merecedor de toda adoração (14:3) “Estando ele em Betânia, reclinado à mesa, em casa de Simão, o leproso veio uma mulher trazendo um vaso de alabastro com preciosíssimo perfume de nardo puro; e, quebrando o alabastro, derramou o bálsamo sobre a cabeça de Jesus”. • Jesus também é chamado de mestre por várias pessoas. A palavra “mestre” aparece 16 vezes neste evangelho.
  • 47. Quem é este jesus? Para os discípulos: • Havia três formas de dizer “mestre”. A primeira era simplesmente chamando Jesus de professor “didaskalos” em grego. A segunda era chamando-o de rabi, que quer dizer “meu mestre”. E a terceira era chamando-o de “raboni”, que é uma expressão de profunda admiração, de alguém que está extasiado diante dele. Foi com esta expressão que o cego Bartimeu se referiu a Jesus em 11:51. Maria, mãe de Jesus também o chamou assim em outra ocasião. A terceira forma é “Rabi” usado por Judas em 14:45 significa “meu grande mestre!”. Era como se Judas dissesse: “Minha autarquia!”.
  • 48. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? Os demônios: • Prostração diante dele (3:11) “Também os espíritos imundos, quando o viam, prostravam-se diante dele e exclamavam Tu és o Filho de Deus!”. • (5:6) “Quando, de longe, viu Jesus, correu e o adorou”. • Obediência (7:29-30) “Então, lhe disse: Por causa desta palavra, podes ir; o demônio já saiu de tua filha. Voltando ela para casa, achou a menina sobre a cama, pois o demônio a deixara”.
  • 49. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? O povo em geral: • Testemunhou de Jesus (1:45). “Mas, tendo ele saído, entrou a propalar muitas coisas e a divulgar a notícia, a ponto de não mais poder Jesus entrar publicamente em qualquer cidade, mas permanecia fora, em lugares ermos; e de toda parte vinham ter com ele”. • Medo e admiração (5:33) “Então, a mulher, atemorizada e tremendo, cônscia do que nela se operara, veio, prostrou-se diante dele e declarou-lhe toda a verdade”.
  • 50. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? O povo em geral: • Medo e admiração (5:33) “Então, a mulher, atemorizada e tremendo, cônscia do que nela se operara, veio, prostrou-se diante dele e declarou-lhe toda a verdade”. • (5:42) “Imediatamente, a menina se levantou e pôs- se a andar; pois tinha doze anos. Então, ficaram todos sobremaneira admirados”.
  • 51. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? O povo em geral: • Admiração (6:2) “Chegando o sábado, passou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se maravilhavam, dizendo: Donde vêm a este estas coisas? Que sabedoria é esta que lhe foi dada? E como se fazem tais maravilhas por suas mãos?”. • (7:37) “Maravilhavam-se sobremaneira, dizendo: Tudo ele tem feito esplendidamente bem; não somente faz ouvir os surdos, como falar os mudos”.
  • 52. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? O povo em geral: • Espanto (9:15) “E logo toda a multidão, ao ver Jesus, tomada de surpresa, correu para ele e o saudava”. • Reverência (10:17) “E, pondo-se Jesus a caminho, correu um homem ao seu encontro e, ajoelhando-se, perguntou-lhe: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?”
  • 53. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? O povo em geral: • Profundo respeito (10:51). Bartimeu que chamou Jesus de Raboni. “Perguntou-lhe Jesus: Que queres que eu te faça? Respondeu o cego: Mestre, que eu torne a ver”. • Total escárnio e desrespeito (14:65) “Puseram-se alguns a cuspir nele, a cobrir-lhe o rosto, a dar-lhe murros e a dizer-lhe: Profetiza! E os guardas o tomaram a bofetadas”.
  • 54. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? O povo em geral: • (15:19-20) “Davam-lhe na cabeça com um caniço, cuspiam nele e, pondo-se de joelhos, o adoravam. Depois de o terem escarnecido, despiram-lhe a púrpura e o vestiram com as suas próprias vestes. Então, conduziram Jesus para fora, com o fim de o crucificarem”.
  • 55. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? As autoridades religiosas: • Incredulidade (2:7) “Por que fala ele deste modo? Isto é blasfêmia! Quem pode perdoar pecados, senão um, que é Deus?” • (6:6) “Admirou-se da incredulidade deles. Contudo, percorria as aldeias circunvizinhas, a ensinar”. • Censura (2:16) “Os escribas dos fariseus, vendo-o comer em companhia dos pecadores e publicanos, perguntavam aos discípulos dele: Por que come [e bebe] ele com os publicanos e pecadores?”
  • 56. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? As autoridades religiosas: • Se acharam superiores (2:24) “Advertiram-no os fariseus: Vê! Por que fazem o que não é lícito aos sábados?” • Adoração (5:22) “Eis que se chegou a ele um dos principais da sinagoga, chamado Jairo, e, vendo-o, prostrou-se a seus pés” • Disputa (8:11) “E, saindo os fariseus, puseram-se a discutir com ele; e, tentando-o, pediram-lhe um sinal do céu”. • Inveja e medo (11:18) “E os principais sacerdotes e escribas ouviam estas coisas e procuravam um modo de lhe tirar a vida; pois o temiam, porque toda a multidão se maravilhava de sua doutrina”.
  • 57. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? As autoridades religiosas: • Ódio (14:1) “Dali a dois dias, era a Páscoa e a Festa dos Pães Asmos; e os principais sacerdotes e os escribas procuravam como o prenderiam, à traição, e o matariam”. • Zombaria (15:31-32) “De igual modo, os principais sacerdotes com os escribas, escarnecendo, entre si diziam: Salvou os outros, a si mesmo não pode salvar-se; desça agora da cruz o Cristo, o rei de Israel, para que vejamos e creiamos. Também os que com ele foram crucificados o insultavam”.
  • 58. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? Os discípulos: • TEMOR (4:41) “E eles, possuídos de grande temor diziam uns aos outros: Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?”. • ASSOMBRADOS E MARAVILHADOS (6:51) “E subiu para o barco para estar com eles, e o vento cessou. Ficaram entre si atônitos”.
  • 59. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? Os discípulos: • ADORAÇÃO (11:7-11) “Levaram o jumentinho, sobre o qual puseram as suas vestes, e Jesus o montou. E muitos estendiam as suas vestes no caminho, e outros ramos que haviam cortado dos campos. Tanto os que iam adiante dele como os que vinham depois clamavam: Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor!Bendito o reino que vem, o reino de Davi, nosso pai! Hosana, nas maiores alturas!E, quando entrou em Jerusalém no templo tendo observado tudo, como fosse já tarde, saiu para Betânia com os doze”.
  • 60. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? Os discípulos: • TOTAL ENTREGA (14:3) “Estando ele em Betânia, reclinado à mesa, em casa de Simão, o leproso veio uma mulher trazendo um vaso de alabastro com preciosíssimo perfume de nardo puro; e, quebrando o alabastro, derramou o bálsamo sobre a cabeça de Jesus”. • OS DISCÍPULOS HOMENS FORAM COVARDES (14:31) “Mas ele insistia com mais veemência: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de nenhum modo te negarei. Assim disseram todos”. • (14:50) “Então, deixando-o, todos fugiram”.
  • 61. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? Os discípulos: • TRAIÇÃO (14:44-45) “Ora, o traidor tinha-lhes dado esta senha: Aquele a quem eu beijar, é esse; prendei-o e levai-o com segurança. E, logo que chegou, aproximando-se, disse-lhe: Mestre! E o beijou”. • PEDRO O NEGOU (14:71) “Ele, porém, começou a praguejar e a jurar: Não conheço esse homem de quem falais!”. • AS MULHERES FORAM FIÉIS ATÉ O FIM (15:40-41) “Estavam também ali algumas mulheres, observando de longe; entre elas, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, o menor, e de José, e Salomé; as quais, quando Jesus estava na Galiléia, o acompanhavam e serviam; e, além destas, muitas outras que haviam subido com ele para Jerusalém”.
  • 62. Qual atitude as pessoas tomaram diante de jesus? Os discípulos: • ANUNCIARAM SEU NOME (16:20) “E eles, tendo partido, pregaram em toda parte, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra por meio de sinais, que se seguiam”.
  • 63. CONCLUSÃO  Os grupos tem diferentes visões sobre quem é Jesus.  Apenas os demônios acertam todas as vezes e tomam as atitudes corretas neste evangelho.  Quem é Jesus para você?  Quais atitudes você tomado diante dele?
  • 64. LUCAS – O Evangelho do filho do homem • MENSAGEM – A mensagem soberana do reino foi estendida a todas as nações por meio da rejeição de Israel para com Jesus, o Filho do Homem, como o seu Messias.
  • 65. AUTORIA E DATA Homem, como o seu Messias. • À semelhança dos outros evangelho a autoria é anônima. • Homem culto, profunda pesquisa (Lc 1:1-4). • Dedicatória semelhante à de Atos a Teófilo. • À semelhança dos outros evangelho a autoria é anônima. • Homem culto, profunda pesquisa (Lc 1:1-4). • Dedicatória semelhante à de Atos a Teófilo.
  • 66. AUTORIA E DATA •Marcião, o herege o classifica como Lucano (c. 150). •O Cânon Muratoriano também o faz. •Por volta dos anos 58-59. , como o seu Messias.
  • 67. DESTINATÁRIO Homem, como o seu Messias. • Público predominantemente gentio. • Expressões gregas substituem títulos hebraicos/aramaicos. • A Genealogia de Jesus vai até Adão e não até Abraão. • A maioria das citações do VT vem da LXX.
  • 68. DESTINATÁRIO • Este é o terceiro dos evangelhos sinóticos (syn+ópticos)= vistos juntos, parecidos.
  • 69. Características Homem, como o seu Messias.  Este é o terceiro dos evangelhos sinóticos (syn+ópticos)= vistos juntos, parecidos.  Lucas é o Evangelho da Alegria. A palavra “agaliasis” aparece por 16 vezes nos evangelhos, sendo 8 em Lucas (8 em atos também).  Lucas 2:10: “Mas o anjo lhes disse: Não Temais, porque vos trago novas de grande alegria para todo o povo”.  Lucas 24:52: “Depois de o adorar, eles voltaram com grande alegria para Jerusalém”.
  • 70. O Evangelho tem muita “música”. Homem, como o seu Messias. • Zacarias - Magnificat (1:46-55) • Maria - Benedictus (1:68-79) • Anjos - Glória in Excelsis (2:14) • Simeão – Nunc Dimitis “Agora podes despedir” (2:28-32). • Música na festa pelo filho que voltou (15:25).
  • 71. O Evangelho possui muitas parábolas:  Vinho novo (5:36-39)  Dois cegos (6:39)  O Semeador (8:4-15)  A candeia (8:16-18)  O Rico insensato (12:16-21)
  • 72. O Evangelho possui muitas parábolas: Homem, como o seu Messias. • Servo vigilante (12:35-40) • Figueira infrutífera (13:6-9) • O grão de mostarda e o fermento (13:18-21) • Os primeiros lugares (14:7-14) • O Grande jantar (14:15-24) • A dracma perdida (15:1-10)
  • 73. O Evangelho possui muitas parábolas: Homem, como o seu Messias. • O filho que volta (15:11-32) • O administrador infiel (16:1-13) • O rico e Lázaro (16:19-31) • O juiz iníquo (18:1-6) • A oração do fariseu e do publicano (18:9-14)
  • 74. O Evangelho possui muitas parábolas: • Os dez servos e as dez minas (19:11-27) • Os agricultores maus (20:9-18) • A figueira e as árvores (21:29-33)
  • 75. O Evangelho resgata o valor das mulheres: Homem, como o seu Messias. • Maria • Isabel • Ana • A sogra de Pedro • A viúva de Naim • A pecadora que ungiu os pés do Senhor • Mulheres que sustentavam o ministério de Jesus • A filha de Jairo
  • 76. O Evangelho resgata o valor das mulheres: Homem, como o seu Messias. • Marta e Maria • Uma mulher curada no Sábado • Uma mulher que tem dez dracmas • Uma mulher que clama ao juiz iníquo • A oferta da viúva pobre • Testemunhas da ressurreição.
  • 77. O Evangelho usa heróis improváveis: Homem, como o seu Messias. •Mulheres. •Um pecador que volta para a casa do pai. •Um Publicano. •Os pobres.
  • 78. JOÃO – O Evangelho do deus eterno Homem, como o seu Messias. • MENSAGEM – A encarnação do Filho de Deus revela sua glória divina àqueles que, a despeito da oposição generalizada, desfrutam graça e verdade mediante a fé em Jesus como a provisão divina para o pecado do mundo.
  • 79. AUTORIA E DATA Homem, como o seu Messias. • O autor alega ter sido testemunha ocular dos eventos (1:14; 19:35; 21:24-25). • Conhece os ritos judaicos: • Purificação (2:6) • Detalhes da festa dos Tabernáculos (7.37; 8:12)
  • 80. AUTORIA E DATA Homem, como o seu Messias. • Costumes da Páscoa (19:31-33) • Conhece teologia judaica: • Legislação sobre o sábado (6:10) • Conceito de hereditariedade de culpa (9:2)
  • 81. AUTORIA E DATA Homem, como o seu Messias. • Conhece a geografia de Israel detalhes da arquitetura da Jerusalém: • Conhecia as duas Betânias (1:28; 12:1) • Proximidade entre Enon e Salim (3:23)
  • 82. AUTORIA E DATA Homem, como o seu Messias. • Detalhes da planta do Tanque de Betesda (5:1-2) • O autor demonstra que era uma dos discípulos (2:11-12): • “Esse sinal, em Caná da Galileia, foi o primeiro que Jesus fez. Ele manifestou a sua glória, e os seus discípulos creram nele. Depois disso, ele desceu para Cafarnaum com sua mãe, seus irmãos e seus discípulos; e ficaram ali poucos dias”.
  • 83. AUTORIA E DATA Homem, como o seu Messias. • 12:16: “Os seus discípulos, porém, a princípio não entenderam isso. Mas quando Jesus foi glorificado, eles se lembraram de que essas coisas estavam escritas a respeito dele e assim lhe aconteceram”. • 13:22: “Então, os discípulos se entreolharam, sem saber de quem ele falava”. • Foi escrito por volta dos anos 70-80.
  • 84. DESTINATÁRIO Homem, como o seu Messias. • O destinatário é nebuloso, mas a tradição cristã aponta para cristãos de Éfeso, de acordo com Irineu e Eusébio. • Cristãos que precisavam de confirmação na fé e poderiam evangelizar:
  • 85. DESTINATÁRIO Homem, como o seu Messias. • 20:31-31: “Jesus, na verdade, realizou na presença de seus discípulos ainda muitos outros sinais que não estão registrados neste livro. Estes, porém, foram registrados para que possais crer que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome”.
  • 86. Diferenças entre este evangelho e os sinóticos Homem, como o seu Messias.O Evangelho de João Os Evangelhos Sinóticos Pouco Movimento Muito Movimento Centralizado na Judéia Centrado na Galileia Ênfase na pessoa de Jesus Ênfase no Reino Jesus como Filho de Deus Jesus como homem, Filho de Davi Ênfase em discursos Ênfase em narrativas Muito material editorial Pouco Material Editorial Longos Pronunciamentos de Jesus Pronunciamentos breves de Jesus Ênfase no significado de Jesus Ênfase na história de Jesus
  • 87. Sinais, creiam e vida Homem, como o seu Messias. • Os milagres são aqui chamados de sinais. • A palavra creiam aparece 98 vezes e é traduzida por crer e confiar. • A vida é o resultado da fé em Deus, a vida eterna. • Nos sinais está a revelação de Deus; na fé, a reação que eles estão preparados para produzir; na vida, o resultado da fé.
  • 88. Os sete Sinais Homem, como o seu Messias. TÍTULO PASSAGEM ÁREA DO PODER Transformação da água em vinho 2:1-11 Qualidade Cura do filho de um nobre 4:46-54 Espaço Cura de um homem paralítico 5:1-9 Tempo Alimentação dos cinco mil 6:1-14 Quantidade Andando sobre as águas 6:16-21 Lei natural Cura do cego 9:1-12 Infortúnio Ressurreição de Lázaro 11:1-46 Morte
  • 89. Os sete Sinais Homem, como o seu Messias.QUALIDADE PASSAGEM 1. O PÃO DA VIDA 6:35 2. A LUZ DO MUNDO 8:12; 9:5 3. A PORTA DAS OVELHAS 10:7 4. O BOM PASTOR 10:11, 14 5. A RESSURREIÇÃO E A VIDA 11:25 6. O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA 14:6 7. A VIDEIRA VERDADEIRA 15:1
  • 90. Falácias linguísticas • Tempo de Deus X Tempo do Homem. • Ágape = amor de Deus. • Pedro entristeceu por um amor diferente a Jesus. • Tempo de Deus X Tempo do Homem: • Kairós X Chronos. • Kairós = Tempo indeterminado. • Chronos = Tempo datado.
  • 91. Falácias linguísticas • João 7:6: “Então lhes disse Jesus: O meu tempo ainda não chegou; mas o vosso tempo está sempre presente”. • Kairós 2 X • João 5:4: “Pois um anjo do Senhor descia de tempos em tempos ao tanque” Kairós. • João 5:6: “Vendo-o deitado e sabendo que vivia assim há muito tempo” Chronos – 38 anos. • Ágape = amor de Deus • João 3:35: “O Pai ama o Filho e entregou todas as coisas nas suas mãos” agapao.
  • 92. Falácias linguísticas • João 5:20: “Porque o Pai ama o Filho e mostra-lhe tudo o que ele mesmo faz...” fileo. • Ágape = amor de Deus • 2 Timóteo 4:10: “pois Demas, por amar este mundo, abandonou- me...” agapao. • Pedro entristeceu por um amor diferente a Jesus. Agapao, agapao, fileo. • João 21:17: “E pela terceira vez lhe perguntou: Simão, filho de João, tu me amas? Pedro entristeceu-se por lhe ter perguntado pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes de todas as coisas e sabes que te amo...”.
  • 93. ATOS – A igreja guiada pelo espírito Homem, como o seu Messias. • MENSAGEM – A mensagem soberana do Reino iniciada por Jesus encontra culminação autorizada em sua proclamação por todo o mundo gentio.
  • 94. AUTORIA E DATA • A mais antiga tradição da Igreja aponta para Lucas • Deve ter sido escrito entre 62-70.
  • 95. DESTINATÁRIO • Foi escrito para o mesmo destinatário do Evangelho de Lucas, Teófilo.
  • 96. Características do livro • Atos dos Apóstolos ou do Espírito Santo? • O texto base é Atos 1:8 • Pedro = Jerusalém e Judeia • Filipe = Samaria • Paulo = Confins da Terra
  • 97. CARACTERÍSTICAS DO LIVRO • Escolha do 12º apóstolo (Cap. 1) • Descida do Espírito Santo (Cap. 2) • Conversões em Massa • Muitos milagres • Enfrentamento da perseguição • Livro sem fechamento
  • 98. NOVO TESTAMENTO – www.grafia.in