SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
INDICADORES DE FAMÍLIA
• Trabalho realizado por: Andreia
Bernardo; Luiléne Tavares; Sandra
Conceição e Soraia Monteiro
• Ano/turma: 12ºH2
• Disciplina: Sociologia
INTRODUÇÃO
No âmbito do trabalho “indicadores de família”
escolhemos a variável “família”. Como análise completa
iremos:
• Elaborar um power point original com estes dados
(gráfico);
• Indicar a meta informação;
• Após a apresentação dos dados de cada indicador,
realizar uma análise descritiva dos mesmos.
FAMÍLIA
QUANTAS FAMÍLIAS EXISTEM, POR NÚMERO DE
PESSOAS?
Meta informação (Pordata)
Família Clássica - Conjunto de pessoas que residem no mesmo alojamento e que
têm relações de parentesco (de direito ou de facto) entre si, podendo ocupar a
totalidade ou parte do alojamento. Considera-se também como família clássica
qualquer
pessoa independente que ocupe uma parte ou a totalidade de uma unidade
de alojamento.
FAMÍLIAS CLÁSSICAS POR NÚMERO DE
INDIVÍDUOS
• Entre os anos de 1960 a
2011, famílias com mais de
seis pessoas, tende a
diminuir ao longo dos anos.
• Já o valor do número de
indivíduos que vivem
sozinhos tende a aumentar
com o passar dos anos.
ANÁLISE DE DADOS
QUANTOS SÃO OS AGREGADOS FAMILIARES DE CASAIS, COM
OU SEM FILHOS, DE FAMÍLIAS MONOPARENTAIS OU DE APENAS
UMA PESSOA?
Meta informação (Pordata)
Agregados domésticos privados - Conjunto de pessoas que residem no mesmo
alojamento e cujas despesas fundamentais ou básicas são suportadas em
conjunto, independentemente da existência ou não de laços de parentesco; ou a
pessoa
que ocupa integralmente um alojamento ou que, partilhando-o com outros,
não satisfaz a condição anterior.
AGREGADOS DOMÉSTICOS PRIVADOS
• A variável “casais sem filhos”,
apresentou tendência de
entre 1992 e 2013.
• Os anos 2014, 2015 e 2016
apresentam valores altos.
• A variável “casais com filhos”
teve sempre valores altos
atingindo o seu auge em 2002
mantendo os valores entre
1.400.000 milhares de casos.
• Já a variável “família
monoparental” apresentou
valores baixos de 1992 a 2002,
mas a partir de 2012
ANÁLISE DE DADOS
QUANTOS SÃO OS AGREGADOS FAMILIARES EM QUE
SÓ UM DOS PAIS VIVE COM OS FILHOS?
Meta informação (Pordata)
O agregado doméstico privado inclui quem partilha a casa e as principais
despesas, podendo os indivíduos ter ou não laços familiares. Também se
incluem neste conceito as pessoas que vivem sozinhas. Os agregados domésticos
privados são geralmente designados agregados familiares.
AGREGADOS DOMÉSTICOS PRIVADOS
MONOPARENTAIS
• Respetivamente à variável
“agregados domésticos
privados monoparentais”, o
sexo feminino sempre foi o
dominante tendo uma
diferença extrema em relação
ao sexo masculino (estes
nunca passaram dos 58.000
mil), atingindo o seu auge em
2012 e mantendo-se no
restantes anos.
ANÁLISE DE DADOS
QUANTOS IDOSOS VIVEM SOZINHOS?
Meta informação (Pordata)
O agregado doméstico privado inclui quem partilha a casa e as principais
despesas, podendo os indivíduos ter ou não laços familiares. Também se incluem
neste conceito as pessoas que vivem sozinhas. Os agregados domésticos privados
são geralmente designados agregados familiares.
AGREGADOS DOMÉSTICOS PRIVADOS
UNIPESSOAIS: DE INDIVÍDUOS COM 65+ANOS
• Em relação à variável “agregados
domésticos privados unipessoais”
o número de indivíduos não
exerce uma significativa mudança
ao longo dos anos de 1999 a 2016,
possuindo um pequeno aumento
de 1999 a 2010 mantendo-se
constante nos seguintes anos.
ANÁLISE DE DADOS
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais de Ana Isabel Falé

Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoAna Isabel Falé
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteAna Isabel Falé
 
Caspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersCaspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersAna Isabel Falé
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaAna Isabel Falé
 
Orações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoOrações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoAna Isabel Falé
 
Orações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasOrações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasAna Isabel Falé
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraAna Isabel Falé
 
Ft ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisFt ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisAna Isabel Falé
 
Amor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisaoAmor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisaoAna Isabel Falé
 

Mais de Ana Isabel Falé (18)

Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18
 
Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18 Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18
 
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
 
Narrativa Épica
Narrativa ÉpicaNarrativa Épica
Narrativa Épica
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
 
Critérios valorativos
Critérios valorativosCritérios valorativos
Critérios valorativos
 
Notas dos argumentos
Notas dos argumentosNotas dos argumentos
Notas dos argumentos
 
Caspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersCaspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchers
 
Fernando Martinho
Fernando MartinhoFernando Martinho
Fernando Martinho
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
 
Orações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoOrações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correção
 
Orações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasOrações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivas
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
 
Fcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoalFcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoal
 
Ft ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisFt ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionais
 
Conetores enunciativos
Conetores enunciativosConetores enunciativos
Conetores enunciativos
 
Amor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisaoAmor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisao
 

Último

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 

Último (20)

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 

Indicadores familiares: agregados domésticos e idosos solitários

  • 1. INDICADORES DE FAMÍLIA • Trabalho realizado por: Andreia Bernardo; Luiléne Tavares; Sandra Conceição e Soraia Monteiro • Ano/turma: 12ºH2 • Disciplina: Sociologia
  • 2. INTRODUÇÃO No âmbito do trabalho “indicadores de família” escolhemos a variável “família”. Como análise completa iremos: • Elaborar um power point original com estes dados (gráfico); • Indicar a meta informação; • Após a apresentação dos dados de cada indicador, realizar uma análise descritiva dos mesmos. FAMÍLIA
  • 3. QUANTAS FAMÍLIAS EXISTEM, POR NÚMERO DE PESSOAS? Meta informação (Pordata) Família Clássica - Conjunto de pessoas que residem no mesmo alojamento e que têm relações de parentesco (de direito ou de facto) entre si, podendo ocupar a totalidade ou parte do alojamento. Considera-se também como família clássica qualquer pessoa independente que ocupe uma parte ou a totalidade de uma unidade de alojamento.
  • 4. FAMÍLIAS CLÁSSICAS POR NÚMERO DE INDIVÍDUOS • Entre os anos de 1960 a 2011, famílias com mais de seis pessoas, tende a diminuir ao longo dos anos. • Já o valor do número de indivíduos que vivem sozinhos tende a aumentar com o passar dos anos. ANÁLISE DE DADOS
  • 5. QUANTOS SÃO OS AGREGADOS FAMILIARES DE CASAIS, COM OU SEM FILHOS, DE FAMÍLIAS MONOPARENTAIS OU DE APENAS UMA PESSOA? Meta informação (Pordata) Agregados domésticos privados - Conjunto de pessoas que residem no mesmo alojamento e cujas despesas fundamentais ou básicas são suportadas em conjunto, independentemente da existência ou não de laços de parentesco; ou a pessoa que ocupa integralmente um alojamento ou que, partilhando-o com outros, não satisfaz a condição anterior.
  • 6. AGREGADOS DOMÉSTICOS PRIVADOS • A variável “casais sem filhos”, apresentou tendência de entre 1992 e 2013. • Os anos 2014, 2015 e 2016 apresentam valores altos. • A variável “casais com filhos” teve sempre valores altos atingindo o seu auge em 2002 mantendo os valores entre 1.400.000 milhares de casos. • Já a variável “família monoparental” apresentou valores baixos de 1992 a 2002, mas a partir de 2012 ANÁLISE DE DADOS
  • 7. QUANTOS SÃO OS AGREGADOS FAMILIARES EM QUE SÓ UM DOS PAIS VIVE COM OS FILHOS? Meta informação (Pordata) O agregado doméstico privado inclui quem partilha a casa e as principais despesas, podendo os indivíduos ter ou não laços familiares. Também se incluem neste conceito as pessoas que vivem sozinhas. Os agregados domésticos privados são geralmente designados agregados familiares.
  • 8. AGREGADOS DOMÉSTICOS PRIVADOS MONOPARENTAIS • Respetivamente à variável “agregados domésticos privados monoparentais”, o sexo feminino sempre foi o dominante tendo uma diferença extrema em relação ao sexo masculino (estes nunca passaram dos 58.000 mil), atingindo o seu auge em 2012 e mantendo-se no restantes anos. ANÁLISE DE DADOS
  • 9. QUANTOS IDOSOS VIVEM SOZINHOS? Meta informação (Pordata) O agregado doméstico privado inclui quem partilha a casa e as principais despesas, podendo os indivíduos ter ou não laços familiares. Também se incluem neste conceito as pessoas que vivem sozinhas. Os agregados domésticos privados são geralmente designados agregados familiares.
  • 10. AGREGADOS DOMÉSTICOS PRIVADOS UNIPESSOAIS: DE INDIVÍDUOS COM 65+ANOS • Em relação à variável “agregados domésticos privados unipessoais” o número de indivíduos não exerce uma significativa mudança ao longo dos anos de 1999 a 2016, possuindo um pequeno aumento de 1999 a 2010 mantendo-se constante nos seguintes anos. ANÁLISE DE DADOS
  • 11. FIM