SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Trabalho realizado por: Beatriz Passos
nº1, Andreia Buty nº6, Carina Gomes
nº10, Jandira Vaz nº16
• Taxa de Fecundidade: A taxa de fecundidade é o número de
nascimentos por cada 1000 mulheres em idade fértil, ou seja, entre
os 15 e os 49 anos de idade. A taxa de fecundidade pode ser
calculada para diversas idades
• Nado-Vivo: O nado-vivo é a criança que nasce com vida.
Através do gráfico conseguimos observar que o nascimento dos nados-vivos tem vindo
aumentar fora do casamento. A partir de 2000 observamos um aparecimento de pais
que não são casados mas têm filhos em comum e habitam na mesma residência, essa
forma de vida tem aumentado pouco ao longo dos últimos anos. No mesmo ano
também temos casos iniciantes de casais que têm filhos mas os filhos não vivem ou
com o pai ou com a mãe, sendo esta uma situação não muito comum, pois as
percentagens não têm uma grande evolução ao longo dos anos .
Quanto à natalidade em todas as faixas etárias, denotamos uma diminuição
relativamente aos anos que evoluem, dos 15 aos 44 anos.
Reparamos que a faixa etária que inicialmente tinha maior numero de nascimentos
seria dos 25-29 anos, chegando mesmo aos quase 200%. Contudo, numa época mais
recente da de hoje em dia, em 2015, reparamos que a faixa etária onde os nascimentos
se acentuam é dos 30 -34 anos de idade.
A idade média da mãe quanto ao nascimento do primeiro filho aumentou entre
1960 até aos dias atuais de 2015. A idade média dos primeiros filhos era os 25
anos em 1960 e nas décadas seguintes diminui situando-se entre os 23 e 24
anos, tendo , então, a partir do ano 2000 aumentado de ano para ano, até
chegar hoje à idade média de 30,2 anos da mãe em relação ao nascimento do
primeiro filho.
Com a observação deste gráfico pode-se verificar que a cada 5 anos, entre
1995 e 2015, os nados-vivos de mães residentes em Portugal têm vindo a
diminuir em todas as condições perante o trabalho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Piramades populacionais
Piramades populacionaisPiramades populacionais
Piramades populacionaisunesp
 
Estrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãOEstrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãOguest0cc75a5
 
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociaisPoliticas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociaisJosimar Nunes
 
População e povoamento
População e povoamentoPopulação e povoamento
População e povoamentoAna Ribeiro
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etáriasPocarolas
 
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraRansição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraAtividades Diversas Cláudia
 
Políticas demográficas
Políticas demográficasPolíticas demográficas
Políticas demográficasAndre Huang
 
Evolução da pop. e ind. demográficos 8º ano - 12 13
Evolução da pop. e ind. demográficos 8º ano -  12 13Evolução da pop. e ind. demográficos 8º ano -  12 13
Evolução da pop. e ind. demográficos 8º ano - 12 13Gina Espenica
 
Evolução população portuguesa
Evolução população portuguesaEvolução população portuguesa
Evolução população portuguesaLuigi J. Montieri
 
Comportamentos DemográFicos
Comportamentos DemográFicosComportamentos DemográFicos
Comportamentos DemográFicosPaula Tomaz
 
Indicadores demográficos
Indicadores demográficosIndicadores demográficos
Indicadores demográficosPocarolas
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGabriel Silva
 
resumos geografia 8 ano 1 periodo
resumos geografia 8 ano 1 periodoresumos geografia 8 ano 1 periodo
resumos geografia 8 ano 1 periodoJoão Ramalhosa
 
Revisão capítulo 05 7º ano parte 2
Revisão capítulo 05 7º ano parte 2Revisão capítulo 05 7º ano parte 2
Revisão capítulo 05 7º ano parte 2professoraivani
 
Analise do indicador de desenvolvimento emprego
Analise do indicador de desenvolvimento empregoAnalise do indicador de desenvolvimento emprego
Analise do indicador de desenvolvimento empregoMayjö .
 

Mais procurados (19)

Piramades populacionais
Piramades populacionaisPiramades populacionais
Piramades populacionais
 
1º Va Grupo 03
1º Va   Grupo 031º Va   Grupo 03
1º Va Grupo 03
 
Estrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãOEstrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãO
 
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociaisPoliticas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
 
População e povoamento
População e povoamentoPopulação e povoamento
População e povoamento
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etárias
 
Laura; Eva PTM
Laura; Eva PTMLaura; Eva PTM
Laura; Eva PTM
 
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraRansição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
 
Políticas demográficas
Políticas demográficasPolíticas demográficas
Políticas demográficas
 
Indicadores Demograficos
Indicadores DemograficosIndicadores Demograficos
Indicadores Demograficos
 
Evolução da pop. e ind. demográficos 8º ano - 12 13
Evolução da pop. e ind. demográficos 8º ano -  12 13Evolução da pop. e ind. demográficos 8º ano -  12 13
Evolução da pop. e ind. demográficos 8º ano - 12 13
 
Evolução população portuguesa
Evolução população portuguesaEvolução população portuguesa
Evolução população portuguesa
 
Comportamentos DemográFicos
Comportamentos DemográFicosComportamentos DemográFicos
Comportamentos DemográFicos
 
Indicadores demográficos
Indicadores demográficosIndicadores demográficos
Indicadores demográficos
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
resumos geografia 8 ano 1 periodo
resumos geografia 8 ano 1 periodoresumos geografia 8 ano 1 periodo
resumos geografia 8 ano 1 periodo
 
Nova semente
Nova sementeNova semente
Nova semente
 
Revisão capítulo 05 7º ano parte 2
Revisão capítulo 05 7º ano parte 2Revisão capítulo 05 7º ano parte 2
Revisão capítulo 05 7º ano parte 2
 
Analise do indicador de desenvolvimento emprego
Analise do indicador de desenvolvimento empregoAnalise do indicador de desenvolvimento emprego
Analise do indicador de desenvolvimento emprego
 

Destaque

An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...Ana Isabel Falé
 
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1TheBreakingHell
 
Caspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersCaspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersAna Isabel Falé
 
Argumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisArgumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisJulieta Martins
 

Destaque (11)

An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
 
Indicadores de Família
Indicadores de FamíliaIndicadores de Família
Indicadores de Família
 
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
 
Indicadores da Família
Indicadores da Família   Indicadores da Família
Indicadores da Família
 
Indicadores da Família
Indicadores da FamíliaIndicadores da Família
Indicadores da Família
 
Indicadores da Família
Indicadores da Família Indicadores da Família
Indicadores da Família
 
Degas 1834 - 1917
Degas 1834 - 1917Degas 1834 - 1917
Degas 1834 - 1917
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
Caspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersCaspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchers
 
Impressionismo
Impressionismo Impressionismo
Impressionismo
 
Argumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisArgumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informais
 

Semelhante a Indicadores de Família

Familia em Portugal
Familia em PortugalFamilia em Portugal
Familia em Portugalturma12c
 
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Idalina Leite
 
Ana; Andreia; Marcos PTM
Ana; Andreia; Marcos PTMAna; Andreia; Marcos PTM
Ana; Andreia; Marcos PTMjoaofranco1994
 
Ana; Andreia; Marcos_PTM
Ana; Andreia; Marcos_PTMAna; Andreia; Marcos_PTM
Ana; Andreia; Marcos_PTMjoaofranco1994
 
Matematica projeto sexualidade
Matematica projeto sexualidadeMatematica projeto sexualidade
Matematica projeto sexualidadeweldcarlos
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosIdalina Leite
 
Portifólio - SAE (2009-2015)
Portifólio - SAE (2009-2015)Portifólio - SAE (2009-2015)
Portifólio - SAE (2009-2015)Rafael Braga
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do BrasilChristie Freitas
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxSvioCarvalho10
 
Populacão brasileira - Rumo a estabilidade.ppt
Populacão brasileira - Rumo a estabilidade.pptPopulacão brasileira - Rumo a estabilidade.ppt
Populacão brasileira - Rumo a estabilidade.pptANAPAULACARDOSODONAS1
 
Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoNilberte Correia
 
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptxGeografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptxSusanaViana14
 
Geografia cn2
Geografia cn2Geografia cn2
Geografia cn2cavip
 
ABERTAS AS PORTAS DA ESPERANÇA PARA OS NOSSOS “BRASILEIRINHOS”!
ABERTAS AS PORTAS DA ESPERANÇA PARA OS NOSSOS “BRASILEIRINHOS”!ABERTAS AS PORTAS DA ESPERANÇA PARA OS NOSSOS “BRASILEIRINHOS”!
ABERTAS AS PORTAS DA ESPERANÇA PARA OS NOSSOS “BRASILEIRINHOS”!Nit Portal Social
 

Semelhante a Indicadores de Família (20)

Familia em Portugal
Familia em PortugalFamilia em Portugal
Familia em Portugal
 
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
 
Ana; Andreia; Marcos PTM
Ana; Andreia; Marcos PTMAna; Andreia; Marcos PTM
Ana; Andreia; Marcos PTM
 
Ana; Andreia; Marcos_PTM
Ana; Andreia; Marcos_PTMAna; Andreia; Marcos_PTM
Ana; Andreia; Marcos_PTM
 
1º Va Grupo 03
1º Va   Grupo 031º Va   Grupo 03
1º Va Grupo 03
 
Portugal 2016
Portugal 2016Portugal 2016
Portugal 2016
 
Nota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindical
Nota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindicalNota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindical
Nota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindical
 
Matematica projeto sexualidade
Matematica projeto sexualidadeMatematica projeto sexualidade
Matematica projeto sexualidade
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Portifólio - SAE (2009-2015)
Portifólio - SAE (2009-2015)Portifólio - SAE (2009-2015)
Portifólio - SAE (2009-2015)
 
Natalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18julNatalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18jul
 
1º Mc Grupo 03
1º Mc   Grupo 031º Mc   Grupo 03
1º Mc Grupo 03
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptx
 
Populacão brasileira - Rumo a estabilidade.ppt
Populacão brasileira - Rumo a estabilidade.pptPopulacão brasileira - Rumo a estabilidade.ppt
Populacão brasileira - Rumo a estabilidade.ppt
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de população
 
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptxGeografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
 
Geografia cn2
Geografia cn2Geografia cn2
Geografia cn2
 
ABERTAS AS PORTAS DA ESPERANÇA PARA OS NOSSOS “BRASILEIRINHOS”!
ABERTAS AS PORTAS DA ESPERANÇA PARA OS NOSSOS “BRASILEIRINHOS”!ABERTAS AS PORTAS DA ESPERANÇA PARA OS NOSSOS “BRASILEIRINHOS”!
ABERTAS AS PORTAS DA ESPERANÇA PARA OS NOSSOS “BRASILEIRINHOS”!
 

Mais de Ana Isabel Falé

Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoAna Isabel Falé
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteAna Isabel Falé
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaAna Isabel Falé
 
Orações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoOrações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoAna Isabel Falé
 
Orações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasOrações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasAna Isabel Falé
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraAna Isabel Falé
 
Ft ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisFt ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisAna Isabel Falé
 
Amor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisaoAmor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisaoAna Isabel Falé
 

Mais de Ana Isabel Falé (17)

Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18
 
Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18 Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18
 
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
 
Narrativa Épica
Narrativa ÉpicaNarrativa Épica
Narrativa Épica
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
 
Critérios valorativos
Critérios valorativosCritérios valorativos
Critérios valorativos
 
Notas dos argumentos
Notas dos argumentosNotas dos argumentos
Notas dos argumentos
 
Fernando Martinho
Fernando MartinhoFernando Martinho
Fernando Martinho
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
 
Orações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoOrações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correção
 
Orações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasOrações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivas
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
 
Fcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoalFcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoal
 
Ft ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisFt ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionais
 
Conetores enunciativos
Conetores enunciativosConetores enunciativos
Conetores enunciativos
 
Amor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisaoAmor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisao
 

Último

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 

Último (20)

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 

Indicadores de Família

  • 1. Trabalho realizado por: Beatriz Passos nº1, Andreia Buty nº6, Carina Gomes nº10, Jandira Vaz nº16
  • 2. • Taxa de Fecundidade: A taxa de fecundidade é o número de nascimentos por cada 1000 mulheres em idade fértil, ou seja, entre os 15 e os 49 anos de idade. A taxa de fecundidade pode ser calculada para diversas idades • Nado-Vivo: O nado-vivo é a criança que nasce com vida.
  • 3. Através do gráfico conseguimos observar que o nascimento dos nados-vivos tem vindo aumentar fora do casamento. A partir de 2000 observamos um aparecimento de pais que não são casados mas têm filhos em comum e habitam na mesma residência, essa forma de vida tem aumentado pouco ao longo dos últimos anos. No mesmo ano também temos casos iniciantes de casais que têm filhos mas os filhos não vivem ou com o pai ou com a mãe, sendo esta uma situação não muito comum, pois as percentagens não têm uma grande evolução ao longo dos anos .
  • 4. Quanto à natalidade em todas as faixas etárias, denotamos uma diminuição relativamente aos anos que evoluem, dos 15 aos 44 anos. Reparamos que a faixa etária que inicialmente tinha maior numero de nascimentos seria dos 25-29 anos, chegando mesmo aos quase 200%. Contudo, numa época mais recente da de hoje em dia, em 2015, reparamos que a faixa etária onde os nascimentos se acentuam é dos 30 -34 anos de idade.
  • 5. A idade média da mãe quanto ao nascimento do primeiro filho aumentou entre 1960 até aos dias atuais de 2015. A idade média dos primeiros filhos era os 25 anos em 1960 e nas décadas seguintes diminui situando-se entre os 23 e 24 anos, tendo , então, a partir do ano 2000 aumentado de ano para ano, até chegar hoje à idade média de 30,2 anos da mãe em relação ao nascimento do primeiro filho.
  • 6. Com a observação deste gráfico pode-se verificar que a cada 5 anos, entre 1995 e 2015, os nados-vivos de mães residentes em Portugal têm vindo a diminuir em todas as condições perante o trabalho