SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
INTRODUÇÃO
A aprendizagem de uma língua estrangeira nos dias atuais constitui-se veículo
poderoso para se estar inserido no mundo globalizado. Todos nós queremos estar presentes
em tudo que há de mais novo e moderno; queremos acompanhar as tendências mundiais, ter
acesso a mais e mais informações nos diversos setores – educacional, tecnológico, científico
etc. Sabemos que, ao mencionar língua estrangeira, destacamos o Inglês como uma língua de
fundamental importância na nossa vida, pois é ela que facilitará a inclusão do indivíduo no
mundo moderno, por ser o idioma mais adotado em todo o mundo como língua estrangeira.
No que diz respeito à educação no Brasil, o ensino de Inglês requer cuidados especiais na
forma de ensiná-la. Nesse aspecto, inclui-se a importância da leitura no ensino dessa
disciplina, pois esta habilidade será a mais utilizada na vida acadêmica em nosso país.
Com o objetivo de contribuir para a educação na cidade de Apodi/RN, já que se
percebe que há deficiências nas escolas, quanto ao desempenho satisfatório dos discentes no
aprendizado de Língua Inglesa, foi desenvolvido este trabalho de caráter bibliográfico,
apresentado em três capítulos. No primeiro, abordamos a importância do aprendizado de
línguas estrangeiras, enfatizando o estudo da Língua Inglesa e apresentando os principais
métodos de ensino em uma perspectiva histórica. No segundo capítulo, focalizamos o ensino
de leitura em Inglês, discutindo estratégias e apresentando as fases de leitura. No terceiro,
apresentamos proposta de textos com atividades enfocando as fases de pré-leitura, leitura e
pós-leitura, para serem trabalhadas em sala de aula no nível médio, como material
suplementar.
CAPÍTULO I
ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA.
1.1 A Importância da Aprendizagem de Línguas Estrangeiras
Aprender uma língua estrangeira vai muito além da necessidade de se estar inserido
em um mundo que exige cada vez mais o conhecimento de uma segunda língua. A começar
pela presença de uma língua estrangeira obrigatória nos exames de vestibulares, em qualquer
que seja o curso no qual o candidato pretenda ingressar. A aprendizagem da língua estrangeira
atualmente é tão importante quanto aprender uma profissão; é uma possibilidade de aumentar
de o estudante aumentar sua auto-percepção como ser ativo e social, capaz de se engajar e
engajar outros no discurso, de forma a poder agir no mundo social. No âmbito educacional,
podemos destacar sua função interdisciplinar, na qual outras disciplinas, tais como História,
Geografia, passam a ter outro significado se apresentadas em atividades conjugadas com o
ensino de língua estrangeira.
Sua permanência no currículo escolar deixou de ser questão de discussão nos meios
acadêmicos, pois, de acordo com os PCNs, a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional prevê língua estrangeira como disciplina obrigatória no ensino fundamental a partir
da quinta série. A discussão agora é que língua estrangeira incluir no currículo escolar.
Quanto à escolha da língua, seja Espanhol, Francês, Inglês, ou qualquer outra que estiver em
questão, os critérios para sua inclusão no currículo escolar devem ser pautados em “Uma
reflexão sobre o seu uso efetivo pela população” (PCNs, p.20).
No cenário atual, o ensino Inglês torna-se indispensável para a formação do aluno. A
escolha de uma língua estrangeira moderna recai sobre a Língua Inglesa, pelo
multiculturalismo que ela representa, sendo a língua oficial ou semi-oficial em mais de 60
diferentes países. Portanto, hoje o Inglês é um instrumento de comunicação de grande
eficiência em quase todo o mundo por ser a língua da informação científica, além de ser o
idioma da tecnologia e das relações internacionais. Há muito o Inglês deixou de ser exclusivo
de uma nação ou representar apenas uma cultura, considerando que diferentes países e
diferentes culturas se expressam por meio desse idioma. Há no mundo, hoje, mais falantes não
nativos de Inglês do que falantes nativos. O Inglês está presente na Internet, nas transações
comerciais, na música, isto é, é o idioma internacional que vem conquistando cada vez mais
10
usuários, proporcionando a estes a ampliação de seus horizontes. Segundo Totis (1991, p.16),
“(...) qualquer pessoa que não se dispuser a conhecer bem a Língua Inglesa estará privada da
participação no mundo contemporâneo como um todo (...)”. A essa questão podemos
acrescentar o aspecto lingüístico-psicológico, pois a aprendizagem de uma língua estrangeira
ajuda a compreender-se melhor a língua materna em seus mecanismos, auxiliando no
desenvolvimento de certos processos cognitivos que são aprofundados através da
aprendizagem de uma língua estrangeira.
1.2 Métodos e Abordagens: retrospectiva histórica
1.2.1 O Método da Gramática e da Tradução – MGT
O Método da Gramática e da Tradução surgiu na Europa em uma época em que o
Latim tinha grande importância no mundo. Foi primeiro conhecido nos Estados Unidos como
Método Prussiano, apesar de ter recebido muitas críticas, o MGT é um dos mais antigos no
mundo, e um dos mais utilizados ao longo dos anos no ensino de línguas. Segundo Leffa
(1988: 213), [...] A AGT tem sido a metodologia com mais tempo de uso na história do Ensino
de Línguas, e a que mais tem recebido críticas. Surgiu com o interesse pelas culturas gregas e
latinas na época do Renascimento e continua sendo empregada até hoje [...].
Como o nome sugere, este método enfatiza o ensino da gramática da língua-alvo,
sendo sua técnica principal a prática da tradução e da versão. Toda informação necessária para
construir uma frase, entender um texto ou apreciar um autor, é dada por meio da língua
materna do aluno. Os três passos essenciais para aprendizagem da língua são: a) memorização
prévia de uma lista de palavras; b) conhecimento das regras necessárias para juntar essas
palavras em frases; c) exercícios de tradução e versão.
Principais características:
1. As aulas são ministradas na língua materna do aluno, havendo pouco uso ativo
da língua-alvo.
2. A leitura dos textos clássicos difíceis é feita em estágios iniciais.
3. A tradução da língua-alvo para a língua materna é um exercício típico.
4. Pouca atenção é dada ao conteúdo dos textos, que são tratados como exercício
de análise gramatical.
5. Pouca ou nenhuma ênfase é dada à pronúncia.
6. Não é preciso que o professor saiba falar a língua-alvo.
11
1.2.2 O Método Direto – MD
Surgido no final do século XIX, o Método Direto, um dos mais conhecidos, é o que
tem causado mais controvérsias. O princípio fundamental do MD era o de que a
aprendizagem da língua estrangeira deveria se dar em contato direto com a língua em estudo.
A língua materna deveria ser excluída da sala de aula. A transmissão dos significados dava-se
por meio de gestos, gravuras, fotos, simulação, enfim, tudo o que pudesse facilitar a
compreensão, sem jamais recorrer à tradução. Embora frequentemente apontado como
resultante de uma reação contra o MGT, o fato é que muitas pessoas vêm aprendendo línguas
estrangeiras por este método desde o Império Romano.
De acordo com Richards & Rodgers (1986), as principais características do Método
Direto são:
1. O conhecimento era transmitido pela língua alvo.
2. Faz uso de atividades de perguntas e respostas no desenvolvimento da
habilidade comunicativa.
3. Ensinava a gramática de maneira indutiva.
4. Todo o conhecimento era transmitido de maneira indutiva.
5. Adquiria-se vocabulário através de demonstrações e associações de idéias.
6. O ensino era centrado na compreensão oral e auditiva.
7. Dava-se ênfase a pronúncia e a gramática.
1.2.3 O Método de Leitura-ML
Divulgado a partir de 1920, esse método restringe deliberadamente a meta do ensino
de línguas ao treinamento das habilidades de compreensão de leitura. Para isso, procura-se
criar o máximo de condições que propiciem a leitura, tanto dentro como fora da sala de aula.
Como o desenvolvimento do vocabulário é considerado importante, trata-se de expandi-lo o
mais rápido possível. Procurava-se utilizar textos com aspectos e construções morfológicas
simples e mais comuns da língua, procurando, assim, facilitar a compreensão.
A gramática restringe-se ao necessário para a compreensão da leitura, enfatizando os
aspectos morfológicos e construções sintáticas mais comuns. Os exercícios mais usados para a
aprendizagem da gramática são os de transformação de frases. Ocasionalmente, exercícios de
tradução para a língua materna são utilizados.
As principais características do método são:
12
1. Os objetivos, em ordem de prioridade, são a) habilidade de leitura e b) o
conhecimento atual e histórico do país onde a língua-alvo é falada.
2. De início o desenvolvimento do vocabulário era essencial, e rigorosamente
controlado, para ser expandido mais tarde.
3. Atenção mínima é dada à pronúncia.
4. Uso de exercícios escritos, com questionários baseados em textos.
5. Somente é ensinada a gramática relevante e útil à compreensão da leitura.
6. A tradução uma vez mais ganha seu lugar de destaque na sala de aula.
. 7. O professor não precisa ter boa influência oral na língua-alvo.
1.2.4 O Método Audiolingual-MA
Este método surgiu durante a Segunda Guerra Mundial quando o exército americano
necessitava de falantes fluentes de várias línguas estrangeiras e não os encontrou. A solução
foi produzir esses falantes de maneira mais rápida possível. Visto como uma reação dos
próprios americanos contra o ML, é chamado inicialmente de “Army Method” ou Método do
Exercito, que, com o tempo, depois de algumas modificações, evolui para o Método
Audiolingual.
O Método Audiolingual consiste em apresentar um modelo oral para o aluno, seja
através de gravações ou pelo próprio professor, seguido de intensa prática oral, estruturado na
psicologia behaviorista, podendo-se chamar de método dos drills.
Segundo Leffa (1988), o Método Audiolingual baseava-se nos seguintes princípios
fundamentais:
1. A língua é fala, e não a escrita: antes aprendemos a falar e não escrever, dando
ênfase à habilidade oral.
2. A língua é um conjunto de hábitos: sendo adquiridos através do estimulo de
perguntas e respostas, por meio do se pode aprender a língua sem buscar as regras
gramaticais.
3. Ensine a língua, não sobre a língua: a língua não deveria ser ensinada por meio de
explicações de regras, mas pela prática.
4. A língua é o que os falantes nativos dizem não o que alguém acha que eles
deveriam dizer: o correto não é apenas o que as regras descrevem como certo, mas
como os falantes utilizam a língua.
13
1.2.5 A Abordagem Comunicativa
A Abordagem Comunicativa surgiu na Europa, em reação ao Audiolingualismo.
Basicamente trata-se de uma reviravolta nas prioridades estabelecidas para o ensino de
línguas. Nele a aprendizagem é centrada no aluno, tanto em termos de conteúdo, quanto em
técnicas usadas em sala de aula. O papel do professor deixa de ser o de autoridade, e sim o de
distribuir conhecimento, assumindo o papel de orientador, e deve mostrar interesse nos
desejos dos alunos, motivando-os a participarem, acatando suas sugestões. Esse método é,
portanto, uma abordagem que entende língua como uso na sociedade, possibilitando o falante
interagir com a comunidade lingüística na qual está ou estará inserido.
De acordo com Cestaro (s/d) e Richards & Rogers (1986), as principais características
da Abordagem Comunicativa são:
1. O aluno procura descobrir as regras de funcionamento da língua por meio da
reflexão.
2. A aprendizagem é centrada no aluno no que diz respeito a técnicas usadas em
sala de aula.
3. As atividades eram realizadas em grupo.
4. O erro é visto como um processo natural da aprendizagem.
5. O professor deixa de ocupar o papel principal no processo de ensino e
aprendizagem e assume o papel de orientador.
6. Diálogos s são usados com a função de comunicação, e não de memorização.
7. A contextualização é uma premissa básica.
8. A língua nativa pode ser utilizada.
14
CAPÍTULO II
LEITURA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
2.1 A Priorização da Leitura e sua Importância
A prioridade do ensino de leitura em língua estrangeira é uma questão polêmica que
vem gerando discussões desde a década de 70 e, com a publicação dos Parâmetros
Curriculares Nacionais-PCNs para o ensino fundamental, ela foi reavivada.
Na atualidade, a leitura, no ensino de línguas estrangeiras, está sendo defendida por
muitos pensadores que, na sua maioria, acreditam que a única habilidade que pode ser
ensinada com sucesso, pois ela nos permite ter uma habilidade importante para nosso
desenvolvimento na aquisição de uma nova língua. A aprendizagem dessa língua, no caso
Língua Inglesa, é de grande relevância para que possamos interagir com o mundo, pois vemos
a sociedade globalizada, a interação entre países, o conhecimento cultural sendo
compartilhado por todos. Isso é fruto de um ensino amplo e baseado em estratégias que vêm
tendo sucesso nas suas abordagens.
A leitura amplia os conhecimentos do ser humano e é por meio dela que o indivíduo
habilita-se a exercer os conhecimentos culturalmente construídos e, dessa forma, escala com
maior facilidade os novos degraus do ensino, e, em conseqüência, atingem também sua
realização profissional.
2.2 Estratégias de Leitura
As estratégias de leitura são as técnicas utilizadas em sala de aula pelo professor para
facilitar a compreensão textual das atividades de leitura. Sabemos que a leitura vai além do
texto e começa antes do contato com ele: a noção do texto é aplicada, abre-se para englobar
diferentes linguagens. A partir da leitura, o leitor realiza um diálogo com o objeto lido, seja
escrito, sonoro, uma imagem, uma situação envolvida nas expectativas do prazer, das
descobertas e do reconhecimento de suas vivências. Aprender a ler significa aprender a ler o
mundo, dar sentido a ele e a nós mesmos.
Solé (1998) afirma que as estratégias podem ajudar de diferentes formas na
compreensão de texto, como:
1. Entender os propósitos implícitos e explícitos da leitura.
15
2. Procurar ativar e apontar para a leitura os conhecimentos prévios do aluno, relevantes para
o conteúdo de leitura em questão, a partir de uma relação entre o conteúdo expresso pelo
texto e sua compatibilidade com o conhecimento prévio e com o “sentido comum”.
3. Buscar, na leitura, o fundamental, em detrimento do que pode parecer mais trivial (em
função dos propósitos perseguidos).
4. Buscar relacionar o conteúdo expresso pelo texto e sua compatibilidade com o
conhecimento prévio e com o “sentido comum”.
5. Verificar continuamente se a compreensão ocorre mediante a revisão e a recapitulação
periódica e a auto-interrogação.
6. Fazer uso de inferências de diversos tipos, como interpretações, hipóteses e previsões e
conclusões.
No que diz respeito às estratégias de leitura línguas estrangeiras no ensino médio, os
PCNs (Brasil, 2002) indicam algumas estratégias, das quais podemos ressaltar duas em
particular: skimming e scanning.
Skimming: Esta técnica consiste em ler superficialmente entre partes de um texto por
meio de elementos de coesão. Em uma rápida leitura na busca de se obter a idéia central do
texto, ou seja, através desta, o leitor tem capacidade de predizer o que o texto relata, sem a
necessidade de se prender a palavras e estruturas desconhecidas.
Scanning: Esta técnica consiste em uma leitura superficial para localização de dados
específicos. As atividades de scanning têm grande importância, pois o leitor, ao utilizar esta
técnica, por meio da leitura em busca de informações especificas, desenvolve sua
compreensão por meio de exercícios pós-textuais que são desenvolvidos sobre o assunto do
texto.
Dessa forma, vemos que o professor deve fazer o uso dessas técnicas em sala de aula
para que o aluno possa ter uma visão mais ampla do sentido do texto, pois devemos estimulá-
lo a fazer uso de seus conhecimentos e considerá-los como uma rica forma de se expressar.
2.3 Fases de Leitura
É importante trabalharmos as fases da leitura - pré-leitura, leitura e pós-leitura -
focando os conhecimentos dos alunos. É de suma importância salientar a necessidade que o
professor tem de fazer uma seleção de textos a serem trabalhados, de modo, que a seleção dos
textos seja feita em conjunto com a classe, tomando como base sua praticidade e utilidade
social.
16
2.3.1 Pré-Leitura
Esta fase é caracterizada pela participação dos alunos, visto que as atividades de pré-
leitura abrangem discussões, reflexões e sensibilização do aluno em relação aos possíveis
significados na leitura. Devemos ativar o conhecimento prévio e de mundo e estimula o aluno
a observar ilustrações, desenhos, fatos, mapas, tabelas, gráficos e outros. Também ativar o seu
pré-conhecimento em relação à organização textual, como identificar uma receita, um manual
de instruções ou uma propaganda, entre outros e, sem dúvida, evidenciar a leitura como uma
prática sócio-interacional.
2.3.2 Leitura
Conforme os PCNs (2002), “É nesta fase que o aluno tem de projetar os seus
conhecimentos de mundo e da organização textual nos elementos sistêmicos do texto”
(BRASIL, 2002). O aluno mantém uma relação entre seu conhecimento de mundo, de
organização textual e de elementos sistêmicos. O professor aciona as estratégias de leitura já
conhecidas pelo aluno em língua materna, destacando os elementos lingüísticos e lexicais
semelhantes/diferentes aos da língua materna.
É evidente que, para o aluno atingir o nível de compreensão detalhada, o mais
complexo da leitura, ele terá que aprofundar o seu conhecimento sistêmico. Ele deverá
também aprender a descobrir o significado de palavras por meio de dicas/pistas e perceber
que nem todas as palavras são essenciais para se entender um texto.
2.3.3 Pós-Leitura
Nessa fase, o professor deverá criar atividades que levem o aluno a pensar sobre o
texto, criticando-o, embora a leitura crítica deva ser estimulada em todas as fases a fim de que
haja uma interação entre o mundo do leitor e as idéias do autor.
É importante destacar que, muitas vezes, essas estratégias divergem das atividades
propostas no material didático em que o ensino é usado apenas para avaliar, deixando assim
um problema: o livro didático, no processo de leitura, na maioria dos casos, é a única
ferramenta de que os alunos dispõem para manter um contato com uma língua estrangeira.
17
CAPÍTULO III
PROPOSTA PARA O ENSINO DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA
3.1 Considerações Preliminares
Neste capítulo, apresentamos proposta de 10 textos, selecionados e adaptados
para serem utilizados no ensino médio, como material suplementar de leitura. Os textos foram
retirados de duas fontes. Textos de 01 a 7, de Ferrari (1992), e os de 08 10, de Marques
(2001). Estes têm como principal objetivo facilitar a aprendizagem por parte dos estudantes,
como base em uma visão discursiva.
Os textos são complementados com atividades de pré-leitura, de leitura e pós-leitura.
Na fase da pré-leitura, sugerimos ao professor que, antes de iniciar o trabalho com cada texto,
faça oralmente as perguntas por nós elaboradas e/ou outras por ele construídas, pois estas têm
o objetivo de despertar o interesse do aluno quanto ao tema enfocado na aula..
Concluída a fase da pré-leitura, o professor deve levar a turma à leitura do texto
escolhido. Nessa ocasião, ele deve fazer uso da estratégia que melhor se adequar à turma com
a qual estiver trabalhando: leitura silenciosa, leitura em grupo, leitura individual etc. É
importante que o professor leia o texto, enquanto os alunos ouvem. Em um segundo
momento, ele lê o texto e os estudantes repetem a leitura. A seguir, pede que determinado
aluno leia parte do texto. Depois, outro aluno e, assim, sucessivamente, até que um número
considerável de estudantes tenha lido o texto.
Após a fase da leitura, o professor inicia o trabalho com atividades de pós-leitura.
Nessa fase, pode solicitar, a princípio, que os alunos identifiquem a mensagem geral do texto
ou que localize aspectos específicos deste. E, a seguir, leva os educandos a realizar as
atividades de pós-leitura: perguntas acerca do texto, preenchimento de lacunas etc.
É importante frisar que cada professor, de acordo com o contexto em que estiver
atuando, pode expandir as atividades por nós propostas e elaborar outras, tendo sempre em
mente o aluno e seu desenvolvimento intelectual.
Além das sugestões acima, é importante que o professor analise as sugestões abaixo a
fim de que, ao trabalhar os textos, faça uso delas. Isso, sem dúvida, contribuirá para que os
estudantes se sintam motivados para as aulas. Também aqui é necessário dar cara de texto.
Afinal, não se trata de receita de bolo. A “receita” abaixo deve vir, na medida do possível, em
forma de texto (parágrafo) e, sendo necessário, você numera as estratégias ou dicas.
18
Podemos resumir essas estratégias, de forma que teremos três dicas básicas, muito
úteis, que podem ser usadas para extrairmos as informações contidas em textos em uma língua
estrangeira. Em nosso caso, em Inglês. São elas:
1. Palavras repetidas.
2. Dicas tipográficas:
a) Palavras em itálico e/ou em negrito.
b) Números: 1980, R$ 20, 00, 55% etc.
c) Títulos.
d) Letras maiúsculas.
e) Nomes próprios: France, Europe, Geography, etc.
f) Parágrafos.
3. Palavras que são semelhantes em ambas as línguas.
É também importante que o professor faça uso dos conhecimentos de mundo e do
assunto abordado no texto, procurando aplicar as sugestões apresentadas por nós, isto é,
quanto às fases de leitura já mencionadas nesta monografia. Outro aspecto que deve ser
levado em consideração é o fato de as atividades propostas ensejarem o trabalho
interdisciplinar, pois acreditamos que o conhecimento se constrói, principalmente, a partir da
integração entre as várias áreas e disciplinas presentes na educação.
3.2. Apresentação dos Textos
Texto 01
Pré-Leitura
1. De que tipo de jogo de baralho você mais gosta?
2. Quando você vai para uma fazenda, você costuma jogar baralho com seus amigos?
3. Quando alguém tenta trapacear no jogo de baralho o que acontece?
4. Você já se meteu em confusão por causa de jogo? Por quê?
5. Vocês já ouviram falar de um livro chamado A Revolução dos Bichos? Pois bem. O texto
que vocês vão ler é desse livro. Procurem ler esse livro ou ver o filme. São sensacionais.
6. Pesquise acerca do autor do livro e das razões por que ele o escreveu?
Leitura
19
ANIMAL FARM
An uproar of voices was coming from the farmhouse. They rushed back and
looked through the window again. Yes, a violent quarrel was in progress. There were
shouting, banging on the table, sharp suspicious glances, furious denials. The source of the
trouble appeared to be that Napoleon and Mr. Pilkington had each played an ace of spades
simultaneously.
Twelve voices were shouting in anger, and they were all alike. No question, now,
what had happened to the face of the pigs. The creatures outside looked from pig to man, and
from man to pig, and from pig to man again; but already it was impossible to say which was
which.
Pós-Leitura
* Choose the correct alternative.
1. According to the text:
a) Apparently they were quarreling about Napoleon’s and Mr. Pikington’s cheating at cards.
b) They were quarreling about the spades of aces which Napoleon and Mr. Pilkington had.
c) The creatures outside saw a violent and bloody scene through the window.
d) Mr. Pilkington and Napoleon were playing with spades.
e) They were quarreling in low voices.
2. According to the text:
a) There were twelve pigs there.
b) There faces of the pigs were red with anger.
c) The creatures outside were looking with anger from pig man.
d) There were six pigs and six men there.
e) Pigs and men looked alike.
Texto 02
Pré-Leitura
1. Você costuma escrever cartas para seus amigos?
20
2. Geralmente sobre o que você escreve?
3. Quando você escreve costuma falar sobre problemas familiares?
4. Quando você escreve é para pedir conselhos ou para desabafar?
Leitura
Dear Jennifer
I got married a short time ago and my husband and I are now in the midst of an
important discussion. Should we have children? To be honest with each other, we both have
doubts about the stability of the family as a unit in today’s society. We both came from
broken homes, and, to say the least, our families were not ideal. He and I really do want to
have children, though. Is there any guarantee that we can make it work? This is how I feel.
Sincerely.
“Afflicted”
Pós-Leitura
* Answer the questions:
a) What does afflict the sender?
b) How does she sign the letter?
c) What are her view and that of her husband regarding family as an institution?
d) What is the main reason for us to have such a vision?
e) What is Jennifer asked in the letter?
Texto 03
Pré-Leitura
1. Você já participou de um filme ou de qualquer outra apresentação na TV?
2. Você já se deparou com programas ou cenas de um filme na TV com pessoas pedindo
esmolas?
3. Você costuma ajudar essas pessoas?
4. Qual sua reação ao ver pessoas que podem mudar essa realidade e não fazem nada?
21
5. O texto fala de uma cidade Calcutá. Você sabe onde está localizada essa cidade? Conhece
alguém famoso de Calcutá?
Leitura
SOCIAL CONTRASTS
Calcutta, said Robert Clive, founder of Britain’s Indian Empire, is “the most
wicked place in the universe.” His words still ring true. The city’s elite live in luxurious
mansions attended by white-gloved servants. Meanwhile, the poorest of the poor barely
survive on the streets; some sell their blood just for a few pennies to get by. Yet something
about Calcutta’s grim conflicts and compelling contrasts attracts and inspires a yeasty mix of
poets, revolutionaries and romantics. Quips renowned movie director Satyajit Ray, a Calcutta
resident: “Who wants to make a film about Geneva?”
Pós-Leitura
A - Answer the question:
a) Whose words about Calcutta still ring true?
b) Where can white-gloved servant be found?
c) How do some of Calcutta’s poorest people manage to survive on the streets?
d) What makes a few groups of people specially attracted by Calcutta?
B – Discuta, pesquise e responda.
1. O que a Índia tem em comum com o Brasil? Você sabe o que é BRIC?
2. Um estudioso referiu-se ao Brasil como BELÍNDIA? O que ele quis dizer com isso?
Texto 04
Pré-Leitura
1. Qual o seu relacionamento com seus vizinhos e com os filhos deles?
2. Eles costumam pedir coisas emprestadas?
3. E você também costuma pedir coisas emprestadas?
4. Quando você não quer emprestar, o que faz?
22
Leitura
NEIGHBORS... BORROW OR LEND?
Though we became firm friends with our new neighbors, we often had to be
irritated by them. We lent them so many things, that we never quite knew whether something
had been lost or borrowed. Our garden became an unsafe place: little boys dressed as
cowboys or Indians would leap up from behind bushes, point their wooden pistols at us to put
hands up.
Sometimes our lives were spared; at others, we were shot down pitilessly, in cool
blood, with a sharp “Bang Bang”.
Pós-Leitura
* Choose the correct alternative:
The authors were irritated because:
a) Their lives were being disturbed.
b) Their lives were in danger.
c) The Children would often terrify them.
d) Their garden was destroyed.
e) The children admired cowboys and Indians.
Texto 05
Pré-Leitura
1. Qual seu esporte favorito?
2. Você gosta de assistir a esportes violentos?
3. Você já presenciou cenas de morte no esporte?
4. Qual sua opinião sobre esse tipo de esporte?
5. Qual a importância dos esportes na vida das pessoas?
6. Em sua opinião, qual é o esporte mais popular no Brasil?
Leitura
23
FOOTBALL
Important members of football clubs think that buses full of visiting supporters
carrying pennants produce an inflammatory effect, and perhaps ought not to be admitted to
matches.
A certain club has barred flags from its ground, but has not stopped supporters
from carrying pennants; even a policeman could not say that a football match is not a problem
peculiar to Brazil alone. In many countries throughout the world, serious outbreaks of
violence occur at these events, and innocent spectators are often injured. Indeed, loss of life is
not unknown and from time to time referees are shot dead.
Pós-Leitura
A - Write true (T) or false (F) according to the text.
( ) Every bus full of supporters is an offensive weapon in Brazil
( ) When serious outbreaks occur, innocent spectators are usually injured.
( ) From time to time there is violence against referees
( ) Football is considered a violent game.
B - Choose the correct alternative:
The main idea of the text is:
a) Policemen carry weapons in soccer games
b) Fans are hurt during soccer games
c) Flags are prepared for soccer games
d) Weapons are used in soccer games
e) There is violence in soccer games
Texto 06
Pré-Leitura
1. Você costuma receber convites de amigos para ir a festas?
24
2. Quando seus amigos o convidam, você recusa ou aceita o convite? Por quê?
3. Quando você é convidado, mas seu (a) namorado (a) não o é, o que você faz?
Leitura
THE GUEST OR THE PARTY
The old man, the well-off uncle, arrived early to tea – it was the first of the month,
his regular day. But just before his coming, the young couple had themselves been invited to a
party for that same afternoon – a “good” party. They stood now in the hall wondering how it
would be possible, even at this late hour, to escape from their guest.
“After all, my any afternoon does for him”, said the wife, laying her hand on the
drawing-room door.
“But, darling, do remember – This is quite a red-letter day for the old boy, he gets
out so seldom.
“Exactly, that’s what I say. It’s all the same to him when he comes.”
“It would be idiotic to refuse to offend him.”
“It would be idiotic to refuse the Goodwins – it’s just luck our being asked at all,
and, if we refuse, they will not think of us again.
Pós-Leitura
Answer the question:
1. What did the old man use to do on the first of the month?
2. When had the young couple received an invitation to a party?
3. Where did the couple stand while wondering how to escape from their guest?
4. Why did the husband seem inclined to stay with the old man?
5. How did the wife feel about the invitation?
Texto 07
Pré-Leitura
1. Você já parou para pensar no que está acontecendo com o nosso Planeta?
25
2. O que você tem feito para preservar nosso Planeta?
3. O que você faz para se proteger das radiações solares?
4. Você está sempre alerta com o que está acontecendo com o nosso clima? O que fazer para
não aumentar o problema?
5. O que vocês sabem acerca de aquecimento global?
Leitura
PLANET EARTH
Three hundred miles above the surface of the Earth are two circular magnetic
shields or belts. These zones that encircle the Earth are called Van Allen Belts.
The zones are namec after the physicist James Van Allen, who discovered them in
1958. These belts of intense radiation protect the Earth from blasts of dangerous X-rays and
ultraviolet rays that erupt from the sun.
The Van Allen belts are held in place by the Earth’s magnetic field. They also trap
incoming high energy, charged particles and funnel them in the poles, creating brilliant
displays of shimmering lights, called auroras in regions near the North and South poles.
Pós-Leitura
Answer the questions:
1. What are "Van Allen Belts"?
2. Describe them.
3. What are their usefulness?
Texto 08
Pré-Leitura
1. O que tem feito para preservar nosso solo?
2. As grandes empresas estão fazendo desmatando as florestas. O que fazer?
3. Os homens estão a cada dia poluindo as florestas, punir ou educar?
4. Você está ajudando na preservação da fauna e flora de sua cidade?
26
Leitura
SAVE OUR SOILS
Soil is essential for life, but soil conservation is a world problem today. Many
countries suffer the effects of the excessive pressure of human activities: mining,
accumulation of toxic herbicides and pesticides, pollution, deforestation, and erosion.
Soil can perform many functions, but two of them are particularly important: a
biological function (it contains many plant and animal species), and a nutrition function
because it contains elements necessary for life such as mineral salts, air and water. Plants eat,
drink and breathe what comes from the soil.
Soil is a non-renewable natural resource, just like coal or oil. Nature needs from
3.000 to 12.000 years to form a soil layer equivalent to the length of this page. Humanity
cannot wait so long. We need soil protection now.
Pós-Leitura
Answer the questions:
1. Why is the conservation of the soil important?
2. What are essential elements for the life that soil has?
3. Why is the title of the text “save our soils”?
Texto 09
Pré-Leitura
1. Você gosta de frutas? Qual a sua preferida?
2. Quantas árvores frutíferas você plantou na sua vida?
3. Além das frutas, o que mais as árvores podem nos oferecer?
4. O que fazer para proteger esse bem tão precioso?
Leitura
27
THE TREE MACHINE
The tree is a beautiful machine that works for the benefit of humanity, animal, and
plants. Most forms of life on Earth need oxygen. We do not get oxygen form industrial
machines. We get it from the three machines. Trees make oxygen that we need to take from
the air. Industrial machines pollute the air. Trees do not pollute it. On the contrary, they clean
it. The industrial machine makes a lot of noise. The tree machine does not make any noise. On
the contrary, it filters noise.
The tree machine does not need coal, oil, gas or electricity to work. Its fuel comes
from water, sunlight, and carbon dioxide. When a tree dies, it helps new plants. The
combination of water, insects, and microorganisms in the soil causes the decomposition of the
tree. When a tree dies, it gives nutrients to the soil for other trees to use as fuel. So, the tree
does not die, really. It recycles is substance for the benefit of all animal and plant life.
Please remember: the tree is your friend. Do not destroy it.
Pós-Leitura
Answer the questions:
1. Which are the elements that cause decomposition of the tree?
2. Which gas is necessary to most ways of terrestrial life?
3. Who does a tree help with its death?
4. What is the origin of the “fuel” that the tree needs?
5. Mention two pollution types caused by the industrial machines.
Texto 10
Pré-Leitura
1. O que você sabe sobre as DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis)?
2. Seus familiares lhes dão orientações de como se proteger dessas doenças?
3. O que você sabe sobre AIDS?
4. Você tem contato direto com pessoas que são portadores da AIDS?
5. Discuta relações sexuais seguras X inseguras. O que devemos fazer para evitar a
transmissão do vírus da AIDS?
6. A escola deve abordar esse tema? Por quê?
28
Leitura
WHEN DID AIDS BEGIN?
The year was 1959. Location: the central African city of Leopoldville, now called
Kinshasa, shortly before the waves of violent rebellion that followed the liberation of Belgian
Congo. A seemingly healthy man walked into a hospital clinic to give blood for a Western-
backed study of blood diseases. He walked away and was never heard from again. Doctors
analyzed his sample, froze it in a test tube and forgot about it. A quarter-century later, in the
mid-1980s, researchers studying the growing AIDS epidemic took a second look at the blood
and discovered that it contained HIV, the virus that causes AIDS.
And not just any HIV. The Leopoldville sample is the oldest specimen of the
AIDS virus ever isolated and may now help solve the mystery of how and when the virus
made the leap from animals (monkeys or chimpanzees) to humans. According to a report
published last week in Nature, Dr. David Ho, director of the Aaron Diamond AIDS Research
Center in New York City and one of the study’s authors, says a careful genetic analysis of the
sample’s DNA pushes the putative origin of the AIDS epidemic back at least a decade, to the
early ’50s or even the ’40s.
Pós-Leitura
Answer the questions:
1. Where did epidemic AIDS have its origin?
2. In which city was the first sample of infected blood picked up?
3. Was the first type of HIV found in human beings?
29
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Objetivando contribuir com um trabalho voltado para as necessidades educacionais da
cidade de Apodi/RN, este estudo foi desenvolvido por meio de pesquisa bibliográfica,
tomando como base a importância da aprendizagem da Língua Inglesa e a importância da
leitura no ensino desse idioma. Foram consultados vários autores, conforme consta nas
referências bibliográficas, como embasamento para o desenvolvimento desta monografia.
Esperamos que os textos e atividades constantes de nossa proposta venham a dar suporte no
ensino de língua inglesa para aqueles que vierem a utilizar este trabalho como fonte de
pesquisa e material suplementar no ensino dessa língua.
Assim, acreditamos que este trabalho será de grande utilidade no auxílio do ensino de
Inglês nas escolas públicas do Município de Apodi e que haverá respostas positivas no
desenvolvimento da habilidade da leitura.
30
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
HARMER, J. How to teach English. London: Longman, 1988
BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais: (5ª a 8ª Séries) 3ª impressão 2002: Língua
Estrangeira – MEC/SEF, 2002.
LEFFA, Vilson J. Metodologia do ensino de línguas. BOHN, H . I, VANDRESSEN, P.
Tópicos em lingüística aplicada: O ensino de Línguas Estrangeiras. Florianópolis: Ed. da
UFSC, 1988 p. 211 – 236.
MARTINS-CESTARO, Selma Alas. O Ensino de Língua estrangeira: História e
Metodologia. Universidade Federal do Rio Grande do Norte / USP. Disponível em: http:
www. Hottopos. com. br / viderturg / Selma. htm. Acessado em 13 / 08/ 2006.
KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria e prática. 9 ed. São Paulo: Pontes, 2002.
MOITA LOPES, L.P. da. Oficina de lingüística aplicada. Campinas SP: Mercado de Letras,
1996.
SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6 ed. Porto Alegre: Art Med, 1998.
RICHARD, Jack & RODGERS, Theodore, S. Approaches and Methods in Language
teaching: A description and analysis. New York: Cambridge University, 1986.
FERRARI, Mariza T. Inglês: cursos práticos. São Paulo: Nova Cultural, 1992.
MARQUES, Amadeu. Password Special Edition. 2 ed. São Paulo: Ática, 2001.
TOTIS, Verônica Pakrauskas. Língua Inglesa: Leitura. São Paulo: Cortez, 1991.
31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto Sala de Leitura 2016 - Escola Estadual Dr. Sylvio de Aguiar Maya
Projeto Sala de Leitura 2016 - Escola Estadual Dr. Sylvio de Aguiar MayaProjeto Sala de Leitura 2016 - Escola Estadual Dr. Sylvio de Aguiar Maya
Projeto Sala de Leitura 2016 - Escola Estadual Dr. Sylvio de Aguiar Mayaelianegeraldo
 
Técnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dadosTécnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dadosRaquel Stela de Sá
 
Metodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaMetodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaKelly Moraes
 
Projecto de pesquisa
Projecto de pesquisaProjecto de pesquisa
Projecto de pesquisaBruno Gurué
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraFatima Costa
 
Plano de curso 8 ano inglês
Plano de curso   8 ano inglêsPlano de curso   8 ano inglês
Plano de curso 8 ano inglêsnandatinoco
 
Sociolinguística - Tânia Maria Alkmin
Sociolinguística - Tânia Maria AlkminSociolinguística - Tânia Maria Alkmin
Sociolinguística - Tânia Maria AlkminRaquel Benaion
 
Sugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeSugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeDyone Andrade
 
Projeto Final do Curso Mediadores de Leitura
Projeto Final do Curso Mediadores de LeituraProjeto Final do Curso Mediadores de Leitura
Projeto Final do Curso Mediadores de Leiturabboldrini
 
exemplo-ensaio-academico.pdf
exemplo-ensaio-academico.pdfexemplo-ensaio-academico.pdf
exemplo-ensaio-academico.pdfMaria Silva
 
A leitura em sala de aula de língua inglesa2
A leitura em sala de aula de língua inglesa2A leitura em sala de aula de língua inglesa2
A leitura em sala de aula de língua inglesa2UNEB
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Adriana Pereira
 
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemploFelipe Pereira
 
Avaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
Avaliação Formativa Como Instrumento De AprendizagemAvaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
Avaliação Formativa Como Instrumento De AprendizagemNeide Bittencourt
 

Mais procurados (20)

Resumo da Disciplina Psicolinguística
Resumo da Disciplina PsicolinguísticaResumo da Disciplina Psicolinguística
Resumo da Disciplina Psicolinguística
 
Projeto Sala de Leitura 2016 - Escola Estadual Dr. Sylvio de Aguiar Maya
Projeto Sala de Leitura 2016 - Escola Estadual Dr. Sylvio de Aguiar MayaProjeto Sala de Leitura 2016 - Escola Estadual Dr. Sylvio de Aguiar Maya
Projeto Sala de Leitura 2016 - Escola Estadual Dr. Sylvio de Aguiar Maya
 
Técnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dadosTécnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dados
 
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
 
Metodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaMetodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de língua
 
Projecto de pesquisa
Projecto de pesquisaProjecto de pesquisa
Projecto de pesquisa
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitora
 
Plano de curso 8 ano inglês
Plano de curso   8 ano inglêsPlano de curso   8 ano inglês
Plano de curso 8 ano inglês
 
Sociolinguística - Tânia Maria Alkmin
Sociolinguística - Tânia Maria AlkminSociolinguística - Tânia Maria Alkmin
Sociolinguística - Tânia Maria Alkmin
 
Sugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeSugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidade
 
Projeto leitura
Projeto leituraProjeto leitura
Projeto leitura
 
Projeto Final do Curso Mediadores de Leitura
Projeto Final do Curso Mediadores de LeituraProjeto Final do Curso Mediadores de Leitura
Projeto Final do Curso Mediadores de Leitura
 
exemplo-ensaio-academico.pdf
exemplo-ensaio-academico.pdfexemplo-ensaio-academico.pdf
exemplo-ensaio-academico.pdf
 
A leitura em sala de aula de língua inglesa2
A leitura em sala de aula de língua inglesa2A leitura em sala de aula de língua inglesa2
A leitura em sala de aula de língua inglesa2
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
 
MODELO DE Projeto literatura na escola
MODELO DE Projeto  literatura na escolaMODELO DE Projeto  literatura na escola
MODELO DE Projeto literatura na escola
 
Avaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
Avaliação Formativa Como Instrumento De AprendizagemAvaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
Avaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
 
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃOTCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 

Destaque

A leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesaA leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesaUNEB
 
Artigo tcc conclusão letras inglês
Artigo tcc   conclusão letras inglêsArtigo tcc   conclusão letras inglês
Artigo tcc conclusão letras inglêsAlexandre Dourado
 
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental adriana grade fiori so...
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental   adriana grade fiori so...Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental   adriana grade fiori so...
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental adriana grade fiori so...Concurseiro Audaz
 
Apostila de inglês instrumental com textos complementares
Apostila de inglês instrumental com textos complementaresApostila de inglês instrumental com textos complementares
Apostila de inglês instrumental com textos complementaresNome Sobrenome
 
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomiaO Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomiaUNEB
 
O estrangeirismo
O estrangeirismoO estrangeirismo
O estrangeirismoUNEB
 
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVAMONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVAUNEB
 
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira BatistaTCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira BatistaTiago Batista
 
Ingles Instrumental Apostila Para Estudo
Ingles Instrumental Apostila Para EstudoIngles Instrumental Apostila Para Estudo
Ingles Instrumental Apostila Para EstudoAna
 
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo GiovaneTCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo GiovaneUNEB
 
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...Marcos Santos
 
Netflix incloudsmarch8 2011forwiki
Netflix incloudsmarch8 2011forwikiNetflix incloudsmarch8 2011forwiki
Netflix incloudsmarch8 2011forwikiKevin McEntee
 
Quadro síntese das tendências pedagógicas
Quadro síntese das tendências pedagógicasQuadro síntese das tendências pedagógicas
Quadro síntese das tendências pedagógicasVinicius O Resiliente
 
Quadro Síntese
Quadro SínteseQuadro Síntese
Quadro Síntesemontalegre
 
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...UNEB
 
David Pearl: Analysis Netflix
David Pearl: Analysis NetflixDavid Pearl: Analysis Netflix
David Pearl: Analysis NetflixDavid Pearl
 
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...UNEB
 

Destaque (20)

A leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesaA leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesa
 
Artigo tcc conclusão letras inglês
Artigo tcc   conclusão letras inglêsArtigo tcc   conclusão letras inglês
Artigo tcc conclusão letras inglês
 
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental adriana grade fiori so...
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental   adriana grade fiori so...Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental   adriana grade fiori so...
Leitura em língua inglesa uma abordagem instrumental adriana grade fiori so...
 
Apostila de inglês instrumental com textos complementares
Apostila de inglês instrumental com textos complementaresApostila de inglês instrumental com textos complementares
Apostila de inglês instrumental com textos complementares
 
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomiaO Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
 
O estrangeirismo
O estrangeirismoO estrangeirismo
O estrangeirismo
 
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVAMONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
 
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira BatistaTCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
 
Ingles Instrumental Apostila Para Estudo
Ingles Instrumental Apostila Para EstudoIngles Instrumental Apostila Para Estudo
Ingles Instrumental Apostila Para Estudo
 
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo GiovaneTCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
 
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
 
Netflix incloudsmarch8 2011forwiki
Netflix incloudsmarch8 2011forwikiNetflix incloudsmarch8 2011forwiki
Netflix incloudsmarch8 2011forwiki
 
Quadro síntese das tendências pedagógicas
Quadro síntese das tendências pedagógicasQuadro síntese das tendências pedagógicas
Quadro síntese das tendências pedagógicas
 
Quadro Síntese
Quadro SínteseQuadro Síntese
Quadro Síntese
 
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
 
David Pearl: Analysis Netflix
David Pearl: Analysis NetflixDavid Pearl: Analysis Netflix
David Pearl: Analysis Netflix
 
Lafarge
LafargeLafarge
Lafarge
 
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
 
Texto didático
Texto didáticoTexto didático
Texto didático
 
Por que aprender inglês
Por que aprender inglêsPor que aprender inglês
Por que aprender inglês
 

Semelhante a Monografia: A prática da Leitura no Ensino de Lingua Inglesa

O USO DE ATIVIDADES TRADUTÓRIAS COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRA...
O USO DE ATIVIDADES TRADUTÓRIAS COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRA...O USO DE ATIVIDADES TRADUTÓRIAS COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRA...
O USO DE ATIVIDADES TRADUTÓRIAS COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRA...Marione Frömming
 
Universidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahiaUniversidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahiaJucélia Da Hora
 
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Fundação Victor Civita
 
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdfTerra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdfClaudiaEboli
 
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesaA construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesaMarilene dos Santos
 
Metodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguasMetodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguasEduardo Borges
 
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...Tarcisio Wallen
 
Language teaching methodology
Language teaching methodologyLanguage teaching methodology
Language teaching methodologyADRIANA BECKER
 
PRÁTICAS DE ENSINO-aprendizagem de LP para Surdos: uma análise sociointeracio...
PRÁTICAS DE ENSINO-aprendizagem de LP para Surdos: uma análise sociointeracio...PRÁTICAS DE ENSINO-aprendizagem de LP para Surdos: uma análise sociointeracio...
PRÁTICAS DE ENSINO-aprendizagem de LP para Surdos: uma análise sociointeracio...Vanessa Dagostim
 
Resumo inicial inês tavares
Resumo inicial   inês tavaresResumo inicial   inês tavares
Resumo inicial inês tavares'Ines Tavares
 
Textos de apoio linguagem comunicação (2)
Textos de apoio linguagem comunicação (2)Textos de apoio linguagem comunicação (2)
Textos de apoio linguagem comunicação (2)Ana Paula Santos
 
Linguagem comunicacao jardim_infancia
Linguagem comunicacao jardim_infanciaLinguagem comunicacao jardim_infancia
Linguagem comunicacao jardim_infanciaBruna Lopes
 
Oralidade me
Oralidade meOralidade me
Oralidade me6066
 
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...Adilson P Motta Motta
 
METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUAS
METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUASMETODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUAS
METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUASJairo Caetano
 
Leffa, vilson. metodologia doensino de linguas
Leffa, vilson. metodologia doensino de linguasLeffa, vilson. metodologia doensino de linguas
Leffa, vilson. metodologia doensino de linguasDaiane Borduam
 

Semelhante a Monografia: A prática da Leitura no Ensino de Lingua Inglesa (20)

O USO DE ATIVIDADES TRADUTÓRIAS COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRA...
O USO DE ATIVIDADES TRADUTÓRIAS COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRA...O USO DE ATIVIDADES TRADUTÓRIAS COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRA...
O USO DE ATIVIDADES TRADUTÓRIAS COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRA...
 
Universidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahiaUniversidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahia
 
Memorial (1)
Memorial (1)Memorial (1)
Memorial (1)
 
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
 
Didáctica oralidade
Didáctica oralidadeDidáctica oralidade
Didáctica oralidade
 
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdfTerra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
 
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesaA construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
A construçao do conhecimento no ensino da língua inglesa
 
Metodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguasMetodologias Para O Ensino De LíNguas
Metodologias Para O Ensino De LíNguas
 
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
 
Language teaching methodology
Language teaching methodologyLanguage teaching methodology
Language teaching methodology
 
PRÁTICAS DE ENSINO-aprendizagem de LP para Surdos: uma análise sociointeracio...
PRÁTICAS DE ENSINO-aprendizagem de LP para Surdos: uma análise sociointeracio...PRÁTICAS DE ENSINO-aprendizagem de LP para Surdos: uma análise sociointeracio...
PRÁTICAS DE ENSINO-aprendizagem de LP para Surdos: uma análise sociointeracio...
 
PCN- Lingua Estrangeira
PCN- Lingua Estrangeira PCN- Lingua Estrangeira
PCN- Lingua Estrangeira
 
Aula1 cursinho
Aula1 cursinhoAula1 cursinho
Aula1 cursinho
 
Resumo inicial inês tavares
Resumo inicial   inês tavaresResumo inicial   inês tavares
Resumo inicial inês tavares
 
Textos de apoio linguagem comunicação (2)
Textos de apoio linguagem comunicação (2)Textos de apoio linguagem comunicação (2)
Textos de apoio linguagem comunicação (2)
 
Linguagem comunicacao jardim_infancia
Linguagem comunicacao jardim_infanciaLinguagem comunicacao jardim_infancia
Linguagem comunicacao jardim_infancia
 
Oralidade me
Oralidade meOralidade me
Oralidade me
 
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
 
METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUAS
METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUASMETODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUAS
METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUAS
 
Leffa, vilson. metodologia doensino de linguas
Leffa, vilson. metodologia doensino de linguasLeffa, vilson. metodologia doensino de linguas
Leffa, vilson. metodologia doensino de linguas
 

Último

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 

Monografia: A prática da Leitura no Ensino de Lingua Inglesa

  • 1. INTRODUÇÃO A aprendizagem de uma língua estrangeira nos dias atuais constitui-se veículo poderoso para se estar inserido no mundo globalizado. Todos nós queremos estar presentes em tudo que há de mais novo e moderno; queremos acompanhar as tendências mundiais, ter acesso a mais e mais informações nos diversos setores – educacional, tecnológico, científico etc. Sabemos que, ao mencionar língua estrangeira, destacamos o Inglês como uma língua de fundamental importância na nossa vida, pois é ela que facilitará a inclusão do indivíduo no mundo moderno, por ser o idioma mais adotado em todo o mundo como língua estrangeira. No que diz respeito à educação no Brasil, o ensino de Inglês requer cuidados especiais na forma de ensiná-la. Nesse aspecto, inclui-se a importância da leitura no ensino dessa disciplina, pois esta habilidade será a mais utilizada na vida acadêmica em nosso país. Com o objetivo de contribuir para a educação na cidade de Apodi/RN, já que se percebe que há deficiências nas escolas, quanto ao desempenho satisfatório dos discentes no aprendizado de Língua Inglesa, foi desenvolvido este trabalho de caráter bibliográfico, apresentado em três capítulos. No primeiro, abordamos a importância do aprendizado de línguas estrangeiras, enfatizando o estudo da Língua Inglesa e apresentando os principais métodos de ensino em uma perspectiva histórica. No segundo capítulo, focalizamos o ensino de leitura em Inglês, discutindo estratégias e apresentando as fases de leitura. No terceiro, apresentamos proposta de textos com atividades enfocando as fases de pré-leitura, leitura e pós-leitura, para serem trabalhadas em sala de aula no nível médio, como material suplementar.
  • 2. CAPÍTULO I ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. 1.1 A Importância da Aprendizagem de Línguas Estrangeiras Aprender uma língua estrangeira vai muito além da necessidade de se estar inserido em um mundo que exige cada vez mais o conhecimento de uma segunda língua. A começar pela presença de uma língua estrangeira obrigatória nos exames de vestibulares, em qualquer que seja o curso no qual o candidato pretenda ingressar. A aprendizagem da língua estrangeira atualmente é tão importante quanto aprender uma profissão; é uma possibilidade de aumentar de o estudante aumentar sua auto-percepção como ser ativo e social, capaz de se engajar e engajar outros no discurso, de forma a poder agir no mundo social. No âmbito educacional, podemos destacar sua função interdisciplinar, na qual outras disciplinas, tais como História, Geografia, passam a ter outro significado se apresentadas em atividades conjugadas com o ensino de língua estrangeira. Sua permanência no currículo escolar deixou de ser questão de discussão nos meios acadêmicos, pois, de acordo com os PCNs, a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional prevê língua estrangeira como disciplina obrigatória no ensino fundamental a partir da quinta série. A discussão agora é que língua estrangeira incluir no currículo escolar. Quanto à escolha da língua, seja Espanhol, Francês, Inglês, ou qualquer outra que estiver em questão, os critérios para sua inclusão no currículo escolar devem ser pautados em “Uma reflexão sobre o seu uso efetivo pela população” (PCNs, p.20). No cenário atual, o ensino Inglês torna-se indispensável para a formação do aluno. A escolha de uma língua estrangeira moderna recai sobre a Língua Inglesa, pelo multiculturalismo que ela representa, sendo a língua oficial ou semi-oficial em mais de 60 diferentes países. Portanto, hoje o Inglês é um instrumento de comunicação de grande eficiência em quase todo o mundo por ser a língua da informação científica, além de ser o idioma da tecnologia e das relações internacionais. Há muito o Inglês deixou de ser exclusivo de uma nação ou representar apenas uma cultura, considerando que diferentes países e diferentes culturas se expressam por meio desse idioma. Há no mundo, hoje, mais falantes não nativos de Inglês do que falantes nativos. O Inglês está presente na Internet, nas transações comerciais, na música, isto é, é o idioma internacional que vem conquistando cada vez mais 10
  • 3. usuários, proporcionando a estes a ampliação de seus horizontes. Segundo Totis (1991, p.16), “(...) qualquer pessoa que não se dispuser a conhecer bem a Língua Inglesa estará privada da participação no mundo contemporâneo como um todo (...)”. A essa questão podemos acrescentar o aspecto lingüístico-psicológico, pois a aprendizagem de uma língua estrangeira ajuda a compreender-se melhor a língua materna em seus mecanismos, auxiliando no desenvolvimento de certos processos cognitivos que são aprofundados através da aprendizagem de uma língua estrangeira. 1.2 Métodos e Abordagens: retrospectiva histórica 1.2.1 O Método da Gramática e da Tradução – MGT O Método da Gramática e da Tradução surgiu na Europa em uma época em que o Latim tinha grande importância no mundo. Foi primeiro conhecido nos Estados Unidos como Método Prussiano, apesar de ter recebido muitas críticas, o MGT é um dos mais antigos no mundo, e um dos mais utilizados ao longo dos anos no ensino de línguas. Segundo Leffa (1988: 213), [...] A AGT tem sido a metodologia com mais tempo de uso na história do Ensino de Línguas, e a que mais tem recebido críticas. Surgiu com o interesse pelas culturas gregas e latinas na época do Renascimento e continua sendo empregada até hoje [...]. Como o nome sugere, este método enfatiza o ensino da gramática da língua-alvo, sendo sua técnica principal a prática da tradução e da versão. Toda informação necessária para construir uma frase, entender um texto ou apreciar um autor, é dada por meio da língua materna do aluno. Os três passos essenciais para aprendizagem da língua são: a) memorização prévia de uma lista de palavras; b) conhecimento das regras necessárias para juntar essas palavras em frases; c) exercícios de tradução e versão. Principais características: 1. As aulas são ministradas na língua materna do aluno, havendo pouco uso ativo da língua-alvo. 2. A leitura dos textos clássicos difíceis é feita em estágios iniciais. 3. A tradução da língua-alvo para a língua materna é um exercício típico. 4. Pouca atenção é dada ao conteúdo dos textos, que são tratados como exercício de análise gramatical. 5. Pouca ou nenhuma ênfase é dada à pronúncia. 6. Não é preciso que o professor saiba falar a língua-alvo. 11
  • 4. 1.2.2 O Método Direto – MD Surgido no final do século XIX, o Método Direto, um dos mais conhecidos, é o que tem causado mais controvérsias. O princípio fundamental do MD era o de que a aprendizagem da língua estrangeira deveria se dar em contato direto com a língua em estudo. A língua materna deveria ser excluída da sala de aula. A transmissão dos significados dava-se por meio de gestos, gravuras, fotos, simulação, enfim, tudo o que pudesse facilitar a compreensão, sem jamais recorrer à tradução. Embora frequentemente apontado como resultante de uma reação contra o MGT, o fato é que muitas pessoas vêm aprendendo línguas estrangeiras por este método desde o Império Romano. De acordo com Richards & Rodgers (1986), as principais características do Método Direto são: 1. O conhecimento era transmitido pela língua alvo. 2. Faz uso de atividades de perguntas e respostas no desenvolvimento da habilidade comunicativa. 3. Ensinava a gramática de maneira indutiva. 4. Todo o conhecimento era transmitido de maneira indutiva. 5. Adquiria-se vocabulário através de demonstrações e associações de idéias. 6. O ensino era centrado na compreensão oral e auditiva. 7. Dava-se ênfase a pronúncia e a gramática. 1.2.3 O Método de Leitura-ML Divulgado a partir de 1920, esse método restringe deliberadamente a meta do ensino de línguas ao treinamento das habilidades de compreensão de leitura. Para isso, procura-se criar o máximo de condições que propiciem a leitura, tanto dentro como fora da sala de aula. Como o desenvolvimento do vocabulário é considerado importante, trata-se de expandi-lo o mais rápido possível. Procurava-se utilizar textos com aspectos e construções morfológicas simples e mais comuns da língua, procurando, assim, facilitar a compreensão. A gramática restringe-se ao necessário para a compreensão da leitura, enfatizando os aspectos morfológicos e construções sintáticas mais comuns. Os exercícios mais usados para a aprendizagem da gramática são os de transformação de frases. Ocasionalmente, exercícios de tradução para a língua materna são utilizados. As principais características do método são: 12
  • 5. 1. Os objetivos, em ordem de prioridade, são a) habilidade de leitura e b) o conhecimento atual e histórico do país onde a língua-alvo é falada. 2. De início o desenvolvimento do vocabulário era essencial, e rigorosamente controlado, para ser expandido mais tarde. 3. Atenção mínima é dada à pronúncia. 4. Uso de exercícios escritos, com questionários baseados em textos. 5. Somente é ensinada a gramática relevante e útil à compreensão da leitura. 6. A tradução uma vez mais ganha seu lugar de destaque na sala de aula. . 7. O professor não precisa ter boa influência oral na língua-alvo. 1.2.4 O Método Audiolingual-MA Este método surgiu durante a Segunda Guerra Mundial quando o exército americano necessitava de falantes fluentes de várias línguas estrangeiras e não os encontrou. A solução foi produzir esses falantes de maneira mais rápida possível. Visto como uma reação dos próprios americanos contra o ML, é chamado inicialmente de “Army Method” ou Método do Exercito, que, com o tempo, depois de algumas modificações, evolui para o Método Audiolingual. O Método Audiolingual consiste em apresentar um modelo oral para o aluno, seja através de gravações ou pelo próprio professor, seguido de intensa prática oral, estruturado na psicologia behaviorista, podendo-se chamar de método dos drills. Segundo Leffa (1988), o Método Audiolingual baseava-se nos seguintes princípios fundamentais: 1. A língua é fala, e não a escrita: antes aprendemos a falar e não escrever, dando ênfase à habilidade oral. 2. A língua é um conjunto de hábitos: sendo adquiridos através do estimulo de perguntas e respostas, por meio do se pode aprender a língua sem buscar as regras gramaticais. 3. Ensine a língua, não sobre a língua: a língua não deveria ser ensinada por meio de explicações de regras, mas pela prática. 4. A língua é o que os falantes nativos dizem não o que alguém acha que eles deveriam dizer: o correto não é apenas o que as regras descrevem como certo, mas como os falantes utilizam a língua. 13
  • 6. 1.2.5 A Abordagem Comunicativa A Abordagem Comunicativa surgiu na Europa, em reação ao Audiolingualismo. Basicamente trata-se de uma reviravolta nas prioridades estabelecidas para o ensino de línguas. Nele a aprendizagem é centrada no aluno, tanto em termos de conteúdo, quanto em técnicas usadas em sala de aula. O papel do professor deixa de ser o de autoridade, e sim o de distribuir conhecimento, assumindo o papel de orientador, e deve mostrar interesse nos desejos dos alunos, motivando-os a participarem, acatando suas sugestões. Esse método é, portanto, uma abordagem que entende língua como uso na sociedade, possibilitando o falante interagir com a comunidade lingüística na qual está ou estará inserido. De acordo com Cestaro (s/d) e Richards & Rogers (1986), as principais características da Abordagem Comunicativa são: 1. O aluno procura descobrir as regras de funcionamento da língua por meio da reflexão. 2. A aprendizagem é centrada no aluno no que diz respeito a técnicas usadas em sala de aula. 3. As atividades eram realizadas em grupo. 4. O erro é visto como um processo natural da aprendizagem. 5. O professor deixa de ocupar o papel principal no processo de ensino e aprendizagem e assume o papel de orientador. 6. Diálogos s são usados com a função de comunicação, e não de memorização. 7. A contextualização é uma premissa básica. 8. A língua nativa pode ser utilizada. 14
  • 7. CAPÍTULO II LEITURA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA 2.1 A Priorização da Leitura e sua Importância A prioridade do ensino de leitura em língua estrangeira é uma questão polêmica que vem gerando discussões desde a década de 70 e, com a publicação dos Parâmetros Curriculares Nacionais-PCNs para o ensino fundamental, ela foi reavivada. Na atualidade, a leitura, no ensino de línguas estrangeiras, está sendo defendida por muitos pensadores que, na sua maioria, acreditam que a única habilidade que pode ser ensinada com sucesso, pois ela nos permite ter uma habilidade importante para nosso desenvolvimento na aquisição de uma nova língua. A aprendizagem dessa língua, no caso Língua Inglesa, é de grande relevância para que possamos interagir com o mundo, pois vemos a sociedade globalizada, a interação entre países, o conhecimento cultural sendo compartilhado por todos. Isso é fruto de um ensino amplo e baseado em estratégias que vêm tendo sucesso nas suas abordagens. A leitura amplia os conhecimentos do ser humano e é por meio dela que o indivíduo habilita-se a exercer os conhecimentos culturalmente construídos e, dessa forma, escala com maior facilidade os novos degraus do ensino, e, em conseqüência, atingem também sua realização profissional. 2.2 Estratégias de Leitura As estratégias de leitura são as técnicas utilizadas em sala de aula pelo professor para facilitar a compreensão textual das atividades de leitura. Sabemos que a leitura vai além do texto e começa antes do contato com ele: a noção do texto é aplicada, abre-se para englobar diferentes linguagens. A partir da leitura, o leitor realiza um diálogo com o objeto lido, seja escrito, sonoro, uma imagem, uma situação envolvida nas expectativas do prazer, das descobertas e do reconhecimento de suas vivências. Aprender a ler significa aprender a ler o mundo, dar sentido a ele e a nós mesmos. Solé (1998) afirma que as estratégias podem ajudar de diferentes formas na compreensão de texto, como: 1. Entender os propósitos implícitos e explícitos da leitura. 15
  • 8. 2. Procurar ativar e apontar para a leitura os conhecimentos prévios do aluno, relevantes para o conteúdo de leitura em questão, a partir de uma relação entre o conteúdo expresso pelo texto e sua compatibilidade com o conhecimento prévio e com o “sentido comum”. 3. Buscar, na leitura, o fundamental, em detrimento do que pode parecer mais trivial (em função dos propósitos perseguidos). 4. Buscar relacionar o conteúdo expresso pelo texto e sua compatibilidade com o conhecimento prévio e com o “sentido comum”. 5. Verificar continuamente se a compreensão ocorre mediante a revisão e a recapitulação periódica e a auto-interrogação. 6. Fazer uso de inferências de diversos tipos, como interpretações, hipóteses e previsões e conclusões. No que diz respeito às estratégias de leitura línguas estrangeiras no ensino médio, os PCNs (Brasil, 2002) indicam algumas estratégias, das quais podemos ressaltar duas em particular: skimming e scanning. Skimming: Esta técnica consiste em ler superficialmente entre partes de um texto por meio de elementos de coesão. Em uma rápida leitura na busca de se obter a idéia central do texto, ou seja, através desta, o leitor tem capacidade de predizer o que o texto relata, sem a necessidade de se prender a palavras e estruturas desconhecidas. Scanning: Esta técnica consiste em uma leitura superficial para localização de dados específicos. As atividades de scanning têm grande importância, pois o leitor, ao utilizar esta técnica, por meio da leitura em busca de informações especificas, desenvolve sua compreensão por meio de exercícios pós-textuais que são desenvolvidos sobre o assunto do texto. Dessa forma, vemos que o professor deve fazer o uso dessas técnicas em sala de aula para que o aluno possa ter uma visão mais ampla do sentido do texto, pois devemos estimulá- lo a fazer uso de seus conhecimentos e considerá-los como uma rica forma de se expressar. 2.3 Fases de Leitura É importante trabalharmos as fases da leitura - pré-leitura, leitura e pós-leitura - focando os conhecimentos dos alunos. É de suma importância salientar a necessidade que o professor tem de fazer uma seleção de textos a serem trabalhados, de modo, que a seleção dos textos seja feita em conjunto com a classe, tomando como base sua praticidade e utilidade social. 16
  • 9. 2.3.1 Pré-Leitura Esta fase é caracterizada pela participação dos alunos, visto que as atividades de pré- leitura abrangem discussões, reflexões e sensibilização do aluno em relação aos possíveis significados na leitura. Devemos ativar o conhecimento prévio e de mundo e estimula o aluno a observar ilustrações, desenhos, fatos, mapas, tabelas, gráficos e outros. Também ativar o seu pré-conhecimento em relação à organização textual, como identificar uma receita, um manual de instruções ou uma propaganda, entre outros e, sem dúvida, evidenciar a leitura como uma prática sócio-interacional. 2.3.2 Leitura Conforme os PCNs (2002), “É nesta fase que o aluno tem de projetar os seus conhecimentos de mundo e da organização textual nos elementos sistêmicos do texto” (BRASIL, 2002). O aluno mantém uma relação entre seu conhecimento de mundo, de organização textual e de elementos sistêmicos. O professor aciona as estratégias de leitura já conhecidas pelo aluno em língua materna, destacando os elementos lingüísticos e lexicais semelhantes/diferentes aos da língua materna. É evidente que, para o aluno atingir o nível de compreensão detalhada, o mais complexo da leitura, ele terá que aprofundar o seu conhecimento sistêmico. Ele deverá também aprender a descobrir o significado de palavras por meio de dicas/pistas e perceber que nem todas as palavras são essenciais para se entender um texto. 2.3.3 Pós-Leitura Nessa fase, o professor deverá criar atividades que levem o aluno a pensar sobre o texto, criticando-o, embora a leitura crítica deva ser estimulada em todas as fases a fim de que haja uma interação entre o mundo do leitor e as idéias do autor. É importante destacar que, muitas vezes, essas estratégias divergem das atividades propostas no material didático em que o ensino é usado apenas para avaliar, deixando assim um problema: o livro didático, no processo de leitura, na maioria dos casos, é a única ferramenta de que os alunos dispõem para manter um contato com uma língua estrangeira. 17
  • 10. CAPÍTULO III PROPOSTA PARA O ENSINO DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA 3.1 Considerações Preliminares Neste capítulo, apresentamos proposta de 10 textos, selecionados e adaptados para serem utilizados no ensino médio, como material suplementar de leitura. Os textos foram retirados de duas fontes. Textos de 01 a 7, de Ferrari (1992), e os de 08 10, de Marques (2001). Estes têm como principal objetivo facilitar a aprendizagem por parte dos estudantes, como base em uma visão discursiva. Os textos são complementados com atividades de pré-leitura, de leitura e pós-leitura. Na fase da pré-leitura, sugerimos ao professor que, antes de iniciar o trabalho com cada texto, faça oralmente as perguntas por nós elaboradas e/ou outras por ele construídas, pois estas têm o objetivo de despertar o interesse do aluno quanto ao tema enfocado na aula.. Concluída a fase da pré-leitura, o professor deve levar a turma à leitura do texto escolhido. Nessa ocasião, ele deve fazer uso da estratégia que melhor se adequar à turma com a qual estiver trabalhando: leitura silenciosa, leitura em grupo, leitura individual etc. É importante que o professor leia o texto, enquanto os alunos ouvem. Em um segundo momento, ele lê o texto e os estudantes repetem a leitura. A seguir, pede que determinado aluno leia parte do texto. Depois, outro aluno e, assim, sucessivamente, até que um número considerável de estudantes tenha lido o texto. Após a fase da leitura, o professor inicia o trabalho com atividades de pós-leitura. Nessa fase, pode solicitar, a princípio, que os alunos identifiquem a mensagem geral do texto ou que localize aspectos específicos deste. E, a seguir, leva os educandos a realizar as atividades de pós-leitura: perguntas acerca do texto, preenchimento de lacunas etc. É importante frisar que cada professor, de acordo com o contexto em que estiver atuando, pode expandir as atividades por nós propostas e elaborar outras, tendo sempre em mente o aluno e seu desenvolvimento intelectual. Além das sugestões acima, é importante que o professor analise as sugestões abaixo a fim de que, ao trabalhar os textos, faça uso delas. Isso, sem dúvida, contribuirá para que os estudantes se sintam motivados para as aulas. Também aqui é necessário dar cara de texto. Afinal, não se trata de receita de bolo. A “receita” abaixo deve vir, na medida do possível, em forma de texto (parágrafo) e, sendo necessário, você numera as estratégias ou dicas. 18
  • 11. Podemos resumir essas estratégias, de forma que teremos três dicas básicas, muito úteis, que podem ser usadas para extrairmos as informações contidas em textos em uma língua estrangeira. Em nosso caso, em Inglês. São elas: 1. Palavras repetidas. 2. Dicas tipográficas: a) Palavras em itálico e/ou em negrito. b) Números: 1980, R$ 20, 00, 55% etc. c) Títulos. d) Letras maiúsculas. e) Nomes próprios: France, Europe, Geography, etc. f) Parágrafos. 3. Palavras que são semelhantes em ambas as línguas. É também importante que o professor faça uso dos conhecimentos de mundo e do assunto abordado no texto, procurando aplicar as sugestões apresentadas por nós, isto é, quanto às fases de leitura já mencionadas nesta monografia. Outro aspecto que deve ser levado em consideração é o fato de as atividades propostas ensejarem o trabalho interdisciplinar, pois acreditamos que o conhecimento se constrói, principalmente, a partir da integração entre as várias áreas e disciplinas presentes na educação. 3.2. Apresentação dos Textos Texto 01 Pré-Leitura 1. De que tipo de jogo de baralho você mais gosta? 2. Quando você vai para uma fazenda, você costuma jogar baralho com seus amigos? 3. Quando alguém tenta trapacear no jogo de baralho o que acontece? 4. Você já se meteu em confusão por causa de jogo? Por quê? 5. Vocês já ouviram falar de um livro chamado A Revolução dos Bichos? Pois bem. O texto que vocês vão ler é desse livro. Procurem ler esse livro ou ver o filme. São sensacionais. 6. Pesquise acerca do autor do livro e das razões por que ele o escreveu? Leitura 19
  • 12. ANIMAL FARM An uproar of voices was coming from the farmhouse. They rushed back and looked through the window again. Yes, a violent quarrel was in progress. There were shouting, banging on the table, sharp suspicious glances, furious denials. The source of the trouble appeared to be that Napoleon and Mr. Pilkington had each played an ace of spades simultaneously. Twelve voices were shouting in anger, and they were all alike. No question, now, what had happened to the face of the pigs. The creatures outside looked from pig to man, and from man to pig, and from pig to man again; but already it was impossible to say which was which. Pós-Leitura * Choose the correct alternative. 1. According to the text: a) Apparently they were quarreling about Napoleon’s and Mr. Pikington’s cheating at cards. b) They were quarreling about the spades of aces which Napoleon and Mr. Pilkington had. c) The creatures outside saw a violent and bloody scene through the window. d) Mr. Pilkington and Napoleon were playing with spades. e) They were quarreling in low voices. 2. According to the text: a) There were twelve pigs there. b) There faces of the pigs were red with anger. c) The creatures outside were looking with anger from pig man. d) There were six pigs and six men there. e) Pigs and men looked alike. Texto 02 Pré-Leitura 1. Você costuma escrever cartas para seus amigos? 20
  • 13. 2. Geralmente sobre o que você escreve? 3. Quando você escreve costuma falar sobre problemas familiares? 4. Quando você escreve é para pedir conselhos ou para desabafar? Leitura Dear Jennifer I got married a short time ago and my husband and I are now in the midst of an important discussion. Should we have children? To be honest with each other, we both have doubts about the stability of the family as a unit in today’s society. We both came from broken homes, and, to say the least, our families were not ideal. He and I really do want to have children, though. Is there any guarantee that we can make it work? This is how I feel. Sincerely. “Afflicted” Pós-Leitura * Answer the questions: a) What does afflict the sender? b) How does she sign the letter? c) What are her view and that of her husband regarding family as an institution? d) What is the main reason for us to have such a vision? e) What is Jennifer asked in the letter? Texto 03 Pré-Leitura 1. Você já participou de um filme ou de qualquer outra apresentação na TV? 2. Você já se deparou com programas ou cenas de um filme na TV com pessoas pedindo esmolas? 3. Você costuma ajudar essas pessoas? 4. Qual sua reação ao ver pessoas que podem mudar essa realidade e não fazem nada? 21
  • 14. 5. O texto fala de uma cidade Calcutá. Você sabe onde está localizada essa cidade? Conhece alguém famoso de Calcutá? Leitura SOCIAL CONTRASTS Calcutta, said Robert Clive, founder of Britain’s Indian Empire, is “the most wicked place in the universe.” His words still ring true. The city’s elite live in luxurious mansions attended by white-gloved servants. Meanwhile, the poorest of the poor barely survive on the streets; some sell their blood just for a few pennies to get by. Yet something about Calcutta’s grim conflicts and compelling contrasts attracts and inspires a yeasty mix of poets, revolutionaries and romantics. Quips renowned movie director Satyajit Ray, a Calcutta resident: “Who wants to make a film about Geneva?” Pós-Leitura A - Answer the question: a) Whose words about Calcutta still ring true? b) Where can white-gloved servant be found? c) How do some of Calcutta’s poorest people manage to survive on the streets? d) What makes a few groups of people specially attracted by Calcutta? B – Discuta, pesquise e responda. 1. O que a Índia tem em comum com o Brasil? Você sabe o que é BRIC? 2. Um estudioso referiu-se ao Brasil como BELÍNDIA? O que ele quis dizer com isso? Texto 04 Pré-Leitura 1. Qual o seu relacionamento com seus vizinhos e com os filhos deles? 2. Eles costumam pedir coisas emprestadas? 3. E você também costuma pedir coisas emprestadas? 4. Quando você não quer emprestar, o que faz? 22
  • 15. Leitura NEIGHBORS... BORROW OR LEND? Though we became firm friends with our new neighbors, we often had to be irritated by them. We lent them so many things, that we never quite knew whether something had been lost or borrowed. Our garden became an unsafe place: little boys dressed as cowboys or Indians would leap up from behind bushes, point their wooden pistols at us to put hands up. Sometimes our lives were spared; at others, we were shot down pitilessly, in cool blood, with a sharp “Bang Bang”. Pós-Leitura * Choose the correct alternative: The authors were irritated because: a) Their lives were being disturbed. b) Their lives were in danger. c) The Children would often terrify them. d) Their garden was destroyed. e) The children admired cowboys and Indians. Texto 05 Pré-Leitura 1. Qual seu esporte favorito? 2. Você gosta de assistir a esportes violentos? 3. Você já presenciou cenas de morte no esporte? 4. Qual sua opinião sobre esse tipo de esporte? 5. Qual a importância dos esportes na vida das pessoas? 6. Em sua opinião, qual é o esporte mais popular no Brasil? Leitura 23
  • 16. FOOTBALL Important members of football clubs think that buses full of visiting supporters carrying pennants produce an inflammatory effect, and perhaps ought not to be admitted to matches. A certain club has barred flags from its ground, but has not stopped supporters from carrying pennants; even a policeman could not say that a football match is not a problem peculiar to Brazil alone. In many countries throughout the world, serious outbreaks of violence occur at these events, and innocent spectators are often injured. Indeed, loss of life is not unknown and from time to time referees are shot dead. Pós-Leitura A - Write true (T) or false (F) according to the text. ( ) Every bus full of supporters is an offensive weapon in Brazil ( ) When serious outbreaks occur, innocent spectators are usually injured. ( ) From time to time there is violence against referees ( ) Football is considered a violent game. B - Choose the correct alternative: The main idea of the text is: a) Policemen carry weapons in soccer games b) Fans are hurt during soccer games c) Flags are prepared for soccer games d) Weapons are used in soccer games e) There is violence in soccer games Texto 06 Pré-Leitura 1. Você costuma receber convites de amigos para ir a festas? 24
  • 17. 2. Quando seus amigos o convidam, você recusa ou aceita o convite? Por quê? 3. Quando você é convidado, mas seu (a) namorado (a) não o é, o que você faz? Leitura THE GUEST OR THE PARTY The old man, the well-off uncle, arrived early to tea – it was the first of the month, his regular day. But just before his coming, the young couple had themselves been invited to a party for that same afternoon – a “good” party. They stood now in the hall wondering how it would be possible, even at this late hour, to escape from their guest. “After all, my any afternoon does for him”, said the wife, laying her hand on the drawing-room door. “But, darling, do remember – This is quite a red-letter day for the old boy, he gets out so seldom. “Exactly, that’s what I say. It’s all the same to him when he comes.” “It would be idiotic to refuse to offend him.” “It would be idiotic to refuse the Goodwins – it’s just luck our being asked at all, and, if we refuse, they will not think of us again. Pós-Leitura Answer the question: 1. What did the old man use to do on the first of the month? 2. When had the young couple received an invitation to a party? 3. Where did the couple stand while wondering how to escape from their guest? 4. Why did the husband seem inclined to stay with the old man? 5. How did the wife feel about the invitation? Texto 07 Pré-Leitura 1. Você já parou para pensar no que está acontecendo com o nosso Planeta? 25
  • 18. 2. O que você tem feito para preservar nosso Planeta? 3. O que você faz para se proteger das radiações solares? 4. Você está sempre alerta com o que está acontecendo com o nosso clima? O que fazer para não aumentar o problema? 5. O que vocês sabem acerca de aquecimento global? Leitura PLANET EARTH Three hundred miles above the surface of the Earth are two circular magnetic shields or belts. These zones that encircle the Earth are called Van Allen Belts. The zones are namec after the physicist James Van Allen, who discovered them in 1958. These belts of intense radiation protect the Earth from blasts of dangerous X-rays and ultraviolet rays that erupt from the sun. The Van Allen belts are held in place by the Earth’s magnetic field. They also trap incoming high energy, charged particles and funnel them in the poles, creating brilliant displays of shimmering lights, called auroras in regions near the North and South poles. Pós-Leitura Answer the questions: 1. What are "Van Allen Belts"? 2. Describe them. 3. What are their usefulness? Texto 08 Pré-Leitura 1. O que tem feito para preservar nosso solo? 2. As grandes empresas estão fazendo desmatando as florestas. O que fazer? 3. Os homens estão a cada dia poluindo as florestas, punir ou educar? 4. Você está ajudando na preservação da fauna e flora de sua cidade? 26
  • 19. Leitura SAVE OUR SOILS Soil is essential for life, but soil conservation is a world problem today. Many countries suffer the effects of the excessive pressure of human activities: mining, accumulation of toxic herbicides and pesticides, pollution, deforestation, and erosion. Soil can perform many functions, but two of them are particularly important: a biological function (it contains many plant and animal species), and a nutrition function because it contains elements necessary for life such as mineral salts, air and water. Plants eat, drink and breathe what comes from the soil. Soil is a non-renewable natural resource, just like coal or oil. Nature needs from 3.000 to 12.000 years to form a soil layer equivalent to the length of this page. Humanity cannot wait so long. We need soil protection now. Pós-Leitura Answer the questions: 1. Why is the conservation of the soil important? 2. What are essential elements for the life that soil has? 3. Why is the title of the text “save our soils”? Texto 09 Pré-Leitura 1. Você gosta de frutas? Qual a sua preferida? 2. Quantas árvores frutíferas você plantou na sua vida? 3. Além das frutas, o que mais as árvores podem nos oferecer? 4. O que fazer para proteger esse bem tão precioso? Leitura 27
  • 20. THE TREE MACHINE The tree is a beautiful machine that works for the benefit of humanity, animal, and plants. Most forms of life on Earth need oxygen. We do not get oxygen form industrial machines. We get it from the three machines. Trees make oxygen that we need to take from the air. Industrial machines pollute the air. Trees do not pollute it. On the contrary, they clean it. The industrial machine makes a lot of noise. The tree machine does not make any noise. On the contrary, it filters noise. The tree machine does not need coal, oil, gas or electricity to work. Its fuel comes from water, sunlight, and carbon dioxide. When a tree dies, it helps new plants. The combination of water, insects, and microorganisms in the soil causes the decomposition of the tree. When a tree dies, it gives nutrients to the soil for other trees to use as fuel. So, the tree does not die, really. It recycles is substance for the benefit of all animal and plant life. Please remember: the tree is your friend. Do not destroy it. Pós-Leitura Answer the questions: 1. Which are the elements that cause decomposition of the tree? 2. Which gas is necessary to most ways of terrestrial life? 3. Who does a tree help with its death? 4. What is the origin of the “fuel” that the tree needs? 5. Mention two pollution types caused by the industrial machines. Texto 10 Pré-Leitura 1. O que você sabe sobre as DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis)? 2. Seus familiares lhes dão orientações de como se proteger dessas doenças? 3. O que você sabe sobre AIDS? 4. Você tem contato direto com pessoas que são portadores da AIDS? 5. Discuta relações sexuais seguras X inseguras. O que devemos fazer para evitar a transmissão do vírus da AIDS? 6. A escola deve abordar esse tema? Por quê? 28
  • 21. Leitura WHEN DID AIDS BEGIN? The year was 1959. Location: the central African city of Leopoldville, now called Kinshasa, shortly before the waves of violent rebellion that followed the liberation of Belgian Congo. A seemingly healthy man walked into a hospital clinic to give blood for a Western- backed study of blood diseases. He walked away and was never heard from again. Doctors analyzed his sample, froze it in a test tube and forgot about it. A quarter-century later, in the mid-1980s, researchers studying the growing AIDS epidemic took a second look at the blood and discovered that it contained HIV, the virus that causes AIDS. And not just any HIV. The Leopoldville sample is the oldest specimen of the AIDS virus ever isolated and may now help solve the mystery of how and when the virus made the leap from animals (monkeys or chimpanzees) to humans. According to a report published last week in Nature, Dr. David Ho, director of the Aaron Diamond AIDS Research Center in New York City and one of the study’s authors, says a careful genetic analysis of the sample’s DNA pushes the putative origin of the AIDS epidemic back at least a decade, to the early ’50s or even the ’40s. Pós-Leitura Answer the questions: 1. Where did epidemic AIDS have its origin? 2. In which city was the first sample of infected blood picked up? 3. Was the first type of HIV found in human beings? 29
  • 22. CONSIDERAÇÕES FINAIS Objetivando contribuir com um trabalho voltado para as necessidades educacionais da cidade de Apodi/RN, este estudo foi desenvolvido por meio de pesquisa bibliográfica, tomando como base a importância da aprendizagem da Língua Inglesa e a importância da leitura no ensino desse idioma. Foram consultados vários autores, conforme consta nas referências bibliográficas, como embasamento para o desenvolvimento desta monografia. Esperamos que os textos e atividades constantes de nossa proposta venham a dar suporte no ensino de língua inglesa para aqueles que vierem a utilizar este trabalho como fonte de pesquisa e material suplementar no ensino dessa língua. Assim, acreditamos que este trabalho será de grande utilidade no auxílio do ensino de Inglês nas escolas públicas do Município de Apodi e que haverá respostas positivas no desenvolvimento da habilidade da leitura. 30
  • 23. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS HARMER, J. How to teach English. London: Longman, 1988 BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais: (5ª a 8ª Séries) 3ª impressão 2002: Língua Estrangeira – MEC/SEF, 2002. LEFFA, Vilson J. Metodologia do ensino de línguas. BOHN, H . I, VANDRESSEN, P. Tópicos em lingüística aplicada: O ensino de Línguas Estrangeiras. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1988 p. 211 – 236. MARTINS-CESTARO, Selma Alas. O Ensino de Língua estrangeira: História e Metodologia. Universidade Federal do Rio Grande do Norte / USP. Disponível em: http: www. Hottopos. com. br / viderturg / Selma. htm. Acessado em 13 / 08/ 2006. KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria e prática. 9 ed. São Paulo: Pontes, 2002. MOITA LOPES, L.P. da. Oficina de lingüística aplicada. Campinas SP: Mercado de Letras, 1996. SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6 ed. Porto Alegre: Art Med, 1998. RICHARD, Jack & RODGERS, Theodore, S. Approaches and Methods in Language teaching: A description and analysis. New York: Cambridge University, 1986. FERRARI, Mariza T. Inglês: cursos práticos. São Paulo: Nova Cultural, 1992. MARQUES, Amadeu. Password Special Edition. 2 ed. São Paulo: Ática, 2001. TOTIS, Verônica Pakrauskas. Língua Inglesa: Leitura. São Paulo: Cortez, 1991. 31