SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
Censo de 2010: 91 milhões de brasileiros se
autodeclarou branco (47,7% da população).
Provenientes da Europa, primeiramente como
colonizadores e depois como imigrantes, os brancos
europeus ocuparam o território e se miscigenaram
os índios, que aqui estavam, dando origem aos
mamelucos, e com os negros, trazidos da África na
condição de escravos, dando origem aos mulatos.
A consequência desses contatos é que temos hoje um
país multicultural e de elevada miscigenação, com
a riqueza e conflitos que isso pode gerar.
Professor Henry
OS BRANCOS
COLONIZADORES
Professor Henry
Utilizando informações históricas e muita imaginação, o pintor
carioca Oscar Pereira da Silva (1867-1939) retratou o desembarque
dos primeiros colonizadores portugueses na região da atual cidade
de Porto Seguro, na Bahia.
A entrada de brancos europeus no território que hoje forma o
Brasil teve início em abril de 1500, com a chegada do navegador
português Pedro Álvares Cabral ao litoral do atual estado da
Bahia.
Portugueses fundaram no litoral as feitorias, que serviam de
postos administrativos da colônia. Muitas delas acabaram se
transformando nas primeiras vilas e cidades do Brasil
Colonial.
Pau-brasil.
Os indígenas retiravam essa árvore da floresta e entregavam
o carregamento aos portugueses. Em troca, recebiam objetos
que para eles eram novidade, mas que tinham pouco valor
para os portugueses, como espelhos, contas de vidro, etc.
Início do processo de destruição da Mata Atlântica.
Professor Henry
1534: Portugal dividiu as terras da
nova colônia em 15 porções,
chamadas capitanias hereditárias.
Elas foram doadas a nobres
portugueses que tinham recursos
para explorá-las e promover seu
povoamento. Com a implantação
desse sistema, lentamente a
população europeia foi ocupando o
litoral, o que resultou na criação de
povoados e vilas.
Observe o mapa:
Os primeiros povoadores europeus eram marinheiros,
soldados, degredados*, funcionários do governo
português, náufragos e invasores estrangeiros que
traficavam pau-brasil.
No início do povoamento, não havia mulheres brancas;
apenas em 1551 as primeiras portuguesas chegaram ao
Brasil.
*Degredado: pessoa condenada por crimes em Portugal,
expulsa do país e enviada para o exterior (no caso, o Brasil).
Professor Henry
Grande miscigenação dos homens brancos com as indígenas:
1. falta de mulheres brancas europeias;
2. algumas tribos indígenas incorporava estranhos à sua
comunidade, dando-lhes uma moça como esposa.
O branco que aceitava esse tipo de casamento passava a ter
laços de parentesco com todos os membros da tribo. Isso foi
chamado de cunhadismo.
Um mesmo homem branco tivesse várias esposas índias.
Por isso, o número de mestiços tornou-se elevado, superando
o de brancos europeus em várias partes do território colonial.
Nascia assim o Brasil mestiço, chave do sucesso da fase inicial
da colonização e o primeiro passo para a formação de nossa
multiculturalidade.
A EXPANSÃO
GEOGRÁFICA
Professor Henry
Segunda metade do século
XVI: Bandeirantes - teve
início o esforço de
penetração dos paulistas
para o interior da colônia.
Professor Henry
Bandeiras Paulistas: expedições reunindo centenas de indígenas e mamelucos sob o comando dos
bandeirantes, interessados em duas coisas: capturar indígenas e encontrar ouro e pedras preciosas.
Os bandeirantes tiveram um importante papel na expansão do
território nacional.
Principais consequências geográficas do bandeirantismo:
• a abertura e/ou o mapeamento dos caminhos coloniais, mais tarde
transformados nas primeiras estradas que seriam percorridas por outros
grupos, facilitando o povoamento do interior;
• o alargamento da fronteira determinada pelo Tratado de Tordesilhas,
incorporando novas áreas que antes pertenciam à Espanha, o que
contribuiu para a formação do atual território brasileiro;
• a fundação de vilas, muitas das quais se transformaram em cidades;
• a descoberta, na região do atual estado de Minas Gerais, de ouro e
pedras preciosas, que se tornariam a maior fonte de riqueza da colônia no
no século XVIII.
Professor Henry
Com a descoberta do ouro, ocorreu uma grande onda
de povoamento do interior.
A economia da colônia também se alterou bastante.
Para ser transportado até Portugal, o ouro era levado
para a cidade do Rio de Janeiro, que assim se
transformou no mais importante centro econômico
colônia.
Por essa razão, a Coroa portuguesa transferiu a sede
do governo-geral (que substituiu o sistema de
capitanias) de Salvador para a cidade do Rio de
transformando-a na nova capital do Brasil. Isso teve
consequências que se estendem até hoje, tornando o
Sudeste a região mais povoada do país.
Professor Henry
OS BRANCOS
IMIGRANTES
Professor Henry
Ao final do período colonial, os portugueses haviam consolidado
seu poder sobre o Brasil, impondo aos indígenas, negros e
mestiços seu domínio político e cultural.
Era muito evidente a influência europeia sobre as instituições
políticas, a educação, a religião e a língua, entre outros aspectos.
Isso não significa que os indígenas e negros não tivessem suas
manifestações culturais, mas sim que o controle político era
português.
1822: com a proclamação da Independência, o Brasil tornou-se
uma nação politicamente independente de Portugal.
A partir de então, as pessoas que entravam no território
brasileiro passaram a ser consideradas imigrantes.
Professor Henry
Nessa época os imigrantes ainda eram poucos.
1870: leis que poriam fim à escravidão começaram
a ser promulgadas. A imigração aumentou, pois os
fazendeiros foram forçados a procurar outros
de mão de obra para suas lavouras.
Desde 1872, ano do primeiro censo, até 2014,
constatamos que entraram no Brasil quase 8
milhões de imigrantes.
Observe o gráfico a seguir:
Professor Henry
O período imigratório mais intenso foi de 1880 a
1929, provocado pela necessidade de mão de
obra para as lavouras de café e pela criação de
zonas de colonização no sul do país. Nessa
época o governo brasileiro incentivou a vinda
de imigrantes dos mais diversos países.
Veja no gráfico as nacionalidades da maioria dos
imigrantes.
Professor Henry
O BRANQUEAMENTO
DO BRASIL
Professor Henry
No final do século XIX, divulgou-se no Brasil o conceito de
superioridade racial, que já tinha grande aceitação no exterior. A
elite brasileira, de origem predominantemente branca e europeia,
passou a defender a ideia de que o país não podia se
desenvolver tendo a maioria de sua população formada por
negros, índios e mestiços.
Com base nessas ideias racistas, muitos passaram a defender a
necessidade de branqueamento da população brasileira.
Nesse quadro, a imigração passou a ser vista não apenas como
uma solução para a falta de mão de obra, mas também como
meio de branquear a população, aumentando a quantidade de
europeus e de seus descendentes.
Professor Henry
Foi nessa direção que o presidente Deodoro da Fonseca, em 1890, assinou um
decreto determinando que a entrada de imigrantes africanos e asiáticos só
poderia ocorrer mediante uma autorização especial do Congresso Nacional.
Outra medida racista foi a aprovação, em 1933, de uma lei de cotas que limitava
a entrada de novos estrangeiros a um máximo de 2% sobre o total de
imigrantes que o país tinha recebido nos últimos 50 anos, com vistas a proibir,
sobretudo, a entrada de japoneses.
Como portugueses estavam fora dessa restrição legal, e italianos e espanhóis já
eram muito numerosos, a lei permitiu que a política de branqueamento
prosseguisse.
Essas medidas, somadas às crises econômicas sucessivas, acabaram por tornar o
Brasil um país pouco atrativo à imigração.
A partir de 1980 o Brasil passou a ser um país emigrante, ou seja, a saída de
brasileiros passou a ser maior que a entrada de estrangeiros.
Professor Henry
IMIGRAÇÃO PARA
O SUL
Professor Henry
No começo do século XIX, o governo
brasileiro estimulou a imigração para o
sul do país a fim de garantir a posse
desse território, que era pouco povoado
e corria o risco de ser ocupado pelos
países vizinhos.
Destacaram-se os grupos de eslavos,
açorianos (portugueses), alemães e
italianos.
Veja no mapa a seguir localização de
algumas das mais importantes cidades
que guardam a história desses grupos:
A ocupação do espaço geográfico e a organização econômica da região Sul até
hoje são marcadas pela forma como ela foi povoada pelos imigrantes.
No início, eles ganharam pequenas áreas de terra, que eram cultivadas pelas
famílias.
Em um segundo momento, passaram a comprar os lotes que eram vendidos
por empresas de colonização.
Isso criou, na que é hoje a região Sul, características muito diferentes das do
resto do Brasil, pois os imigrantes:
• eram proprietários dos lotes de terra;
• introduziram as pequenas propriedades rurais, enquanto no resto do país
predominavam as grandes propriedades (latifúndios);
• passaram a utilizar a mão de obra familiar, quando o mais comum era o
trabalho escravo;
• introduziram hábitos de origem europeia que se adequavam ao clima frio da
região.
Professor Henry
IMIGRAÇÃO PARA O
SUDESTE
Professor Henry
Na segunda metade do século XIX, teve início a imigração
para o sudeste do Brasil, incentivada pelo governo, para
atender aos interesses dos “barões do café”, os grandes
fazendeiros da época, que necessitavam de mão de obra
para substituir os escravos. Destacaram-se os italianos,
portugueses e espanhóis.
Primeiramente, esses imigrantes foram encaminhados para
o trabalho no campo. Na zona rural, em sua maior parte,
eram empregados, ou seja, formaram a mão de obra
assalariada que substituiu os escravos, cada dia mais caros
devido à diminuição do tráfico negreiro.
Professor Henry
Com a proibição do uso de mão de obra escrava e a expansão das
culturas cafeeiras, a entrada de imigrantes, sobretudo italianos, foi
incentivada pelo governo brasileiro. Na foto, lavoura em fazenda de
café no início do século XX.
Mais tarde, parte desses mesmos grupos foi
encaminhada às cidades, em especial São Paulo e Rio
de Janeiro, onde formou a maioria do operariado da
primeira fase da industrialização brasileira.
Professor Henry
Grupos de outras nacionalidades também vieram para
o Brasil, contribuindo para a crescente diversidade de
etnias e culturas de nossa população.
Destacaram-se os japoneses, que aqui chegaram no
início do século XX. Em sua maioria, desenvolveram
pequenas propriedades agrícolas na periferia das
grandes cidades, sobretudo de São Paulo.
Professor Henry
Dúvidas?
Perguntas?
Sugestões?
Opiniões para as próximas
aulas?
Reclamações?
http://blogdoprofessorhenry.blogspot.com.br/
Professor Henry
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alterações nas estruturas sociais
Alterações nas estruturas sociaisAlterações nas estruturas sociais
Alterações nas estruturas sociais
maria40
 
Refugiados Africanos
Refugiados AfricanosRefugiados Africanos
Refugiados Africanos
carlosbidu
 
Africa Contemporanea
Africa ContemporaneaAfrica Contemporanea
Africa Contemporanea
culturaafro
 
Lista de exercícios.pdf manoel
Lista de exercícios.pdf manoelLista de exercícios.pdf manoel
Lista de exercícios.pdf manoel
profnelton
 
Imigração e imigrantes
Imigração e imigrantesImigração e imigrantes
Imigração e imigrantes
Rosa Franco
 
Historia da Colonizacao e Descolonizaçcao da África e da Ásia
Historia da Colonizacao e Descolonizaçcao da África e da ÁsiaHistoria da Colonizacao e Descolonizaçcao da África e da Ásia
Historia da Colonizacao e Descolonizaçcao da África e da Ásia
Thaís Bozz
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
cattonia
 
Aula 2 Intensivo População Frente 2 Sartre
Aula 2 Intensivo População Frente 2 SartreAula 2 Intensivo População Frente 2 Sartre
Aula 2 Intensivo População Frente 2 Sartre
CADUCOC2
 

Mais procurados (20)

Alterações nas estruturas sociais
Alterações nas estruturas sociaisAlterações nas estruturas sociais
Alterações nas estruturas sociais
 
História e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da África
História e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da ÁfricaHistória e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da África
História e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da África
 
Refugiados Africanos
Refugiados AfricanosRefugiados Africanos
Refugiados Africanos
 
Africa Contemporanea
Africa ContemporaneaAfrica Contemporanea
Africa Contemporanea
 
A partilha da africa trabalho geo
A partilha da africa trabalho geoA partilha da africa trabalho geo
A partilha da africa trabalho geo
 
Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)
 
A sociedade industrial e urbana
A sociedade industrial e urbana A sociedade industrial e urbana
A sociedade industrial e urbana
 
Lista de exercícios.pdf manoel
Lista de exercícios.pdf manoelLista de exercícios.pdf manoel
Lista de exercícios.pdf manoel
 
Imperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da ÁfricaImperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da África
 
Economia parte i
 Economia parte i Economia parte i
Economia parte i
 
Imigração e imigrantes
Imigração e imigrantesImigração e imigrantes
Imigração e imigrantes
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Aula sobre Imperialismo
Aula sobre ImperialismoAula sobre Imperialismo
Aula sobre Imperialismo
 
Classes sociais
Classes sociaisClasses sociais
Classes sociais
 
O ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xixO ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xix
 
Classe sociais
Classe sociaisClasse sociais
Classe sociais
 
Historia da Colonizacao e Descolonizaçcao da África e da Ásia
Historia da Colonizacao e Descolonizaçcao da África e da ÁsiaHistoria da Colonizacao e Descolonizaçcao da África e da Ásia
Historia da Colonizacao e Descolonizaçcao da África e da Ásia
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
 
Colonização Africana
Colonização AfricanaColonização Africana
Colonização Africana
 
Aula 2 Intensivo População Frente 2 Sartre
Aula 2 Intensivo População Frente 2 SartreAula 2 Intensivo População Frente 2 Sartre
Aula 2 Intensivo População Frente 2 Sartre
 

Destaque

Modulo 02 - O quadro natural africano
Modulo 02 - O quadro natural africanoModulo 02 - O quadro natural africano
Modulo 02 - O quadro natural africano
Claudio Henrique Ramos Sales
 

Destaque (20)

Modulo 01 - O mundo subdesenvolvido
Modulo 01 - O mundo subdesenvolvidoModulo 01 - O mundo subdesenvolvido
Modulo 01 - O mundo subdesenvolvido
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
 
Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)
Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)
Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
 
Modulo 14 O que é globalização
Modulo 14   O que é globalizaçãoModulo 14   O que é globalização
Modulo 14 O que é globalização
 
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira Hoje
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira Hoje7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira Hoje
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira Hoje
 
7º anos (Geografia) A Distribuição Industrial no Mundo
7º anos (Geografia) A Distribuição Industrial no Mundo7º anos (Geografia) A Distribuição Industrial no Mundo
7º anos (Geografia) A Distribuição Industrial no Mundo
 
As diferentes divisões regionais do Brasil
As diferentes divisões regionais do BrasilAs diferentes divisões regionais do Brasil
As diferentes divisões regionais do Brasil
 
Modulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimento
Modulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimentoModulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimento
Modulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimento
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
 
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multiculturalModulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
 
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
 
Modulo 02 - O quadro natural africano
Modulo 02 - O quadro natural africanoModulo 02 - O quadro natural africano
Modulo 02 - O quadro natural africano
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
 
O mundo subdesenvolvido
O mundo subdesenvolvidoO mundo subdesenvolvido
O mundo subdesenvolvido
 
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - IIAulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
 
Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)
Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)
Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)
 
Modulo 12 - A indústria brasileira
Modulo 12 - A indústria brasileiraModulo 12 - A indústria brasileira
Modulo 12 - A indústria brasileira
 

Semelhante a Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)

Imigrantes
ImigrantesImigrantes
Imigrantes
eloifc
 
Formação da cultura brasileira
Formação da cultura brasileiraFormação da cultura brasileira
Formação da cultura brasileira
Patricia Moreira
 
Formação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7anoFormação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7ano
Suely Takahashi
 
Imigração ao brasil
Imigração ao brasilImigração ao brasil
Imigração ao brasil
andresjacobo
 
história do brasil_ parte1_colônia_império
história do brasil_ parte1_colônia_impériohistória do brasil_ parte1_colônia_império
história do brasil_ parte1_colônia_império
Jorge Miklos
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
eebcjn
 
Uem historia do brasil
Uem   historia do brasilUem   historia do brasil
Uem historia do brasil
Ligia Amaral
 

Semelhante a Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo) (20)

Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
Pqp
PqpPqp
Pqp
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
Imigrantes
ImigrantesImigrantes
Imigrantes
 
Formação da cultura brasileira
Formação da cultura brasileiraFormação da cultura brasileira
Formação da cultura brasileira
 
Aula 12 crise no sistema colonial
Aula 12   crise no sistema colonialAula 12   crise no sistema colonial
Aula 12 crise no sistema colonial
 
Formação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7anoFormação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7ano
 
Imigração ao brasil
Imigração ao brasilImigração ao brasil
Imigração ao brasil
 
história do brasil_ parte1_colônia_império
história do brasil_ parte1_colônia_impériohistória do brasil_ parte1_colônia_império
história do brasil_ parte1_colônia_império
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
 
Pesquisa profª débora c. páises imigrantes
Pesquisa profª débora c. páises imigrantesPesquisa profª débora c. páises imigrantes
Pesquisa profª débora c. páises imigrantes
 
Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1
 
Uem historia do brasil
Uem   historia do brasilUem   historia do brasil
Uem historia do brasil
 
Recuperacao 7o ano
Recuperacao 7o anoRecuperacao 7o ano
Recuperacao 7o ano
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales (20)

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
 
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuáriaModulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
 
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
 
O outro lado do fem
O outro lado do femO outro lado do fem
O outro lado do fem
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
 
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
 
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
 
Modulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhosModulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhos
 
Modulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da populaçãoModulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da população
 
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedadeFeminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
 
Modulo 11 - A população dos Estados Unidos
Modulo 11 - A população dos Estados UnidosModulo 11 - A população dos Estados Unidos
Modulo 11 - A população dos Estados Unidos
 
Modulo 10 - Aspectos naturais da América Anglo-Saxônica
Modulo 10 - Aspectos naturais da América Anglo-SaxônicaModulo 10 - Aspectos naturais da América Anglo-Saxônica
Modulo 10 - Aspectos naturais da América Anglo-Saxônica
 
Modulo 11 - População
Modulo 11 - PopulaçãoModulo 11 - População
Modulo 11 - População
 
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 

Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)

  • 1.
  • 2. Censo de 2010: 91 milhões de brasileiros se autodeclarou branco (47,7% da população). Provenientes da Europa, primeiramente como colonizadores e depois como imigrantes, os brancos europeus ocuparam o território e se miscigenaram os índios, que aqui estavam, dando origem aos mamelucos, e com os negros, trazidos da África na condição de escravos, dando origem aos mulatos. A consequência desses contatos é que temos hoje um país multicultural e de elevada miscigenação, com a riqueza e conflitos que isso pode gerar. Professor Henry
  • 3.
  • 5. Utilizando informações históricas e muita imaginação, o pintor carioca Oscar Pereira da Silva (1867-1939) retratou o desembarque dos primeiros colonizadores portugueses na região da atual cidade de Porto Seguro, na Bahia. A entrada de brancos europeus no território que hoje forma o Brasil teve início em abril de 1500, com a chegada do navegador português Pedro Álvares Cabral ao litoral do atual estado da Bahia.
  • 6. Portugueses fundaram no litoral as feitorias, que serviam de postos administrativos da colônia. Muitas delas acabaram se transformando nas primeiras vilas e cidades do Brasil Colonial. Pau-brasil. Os indígenas retiravam essa árvore da floresta e entregavam o carregamento aos portugueses. Em troca, recebiam objetos que para eles eram novidade, mas que tinham pouco valor para os portugueses, como espelhos, contas de vidro, etc. Início do processo de destruição da Mata Atlântica. Professor Henry
  • 7.
  • 8. 1534: Portugal dividiu as terras da nova colônia em 15 porções, chamadas capitanias hereditárias. Elas foram doadas a nobres portugueses que tinham recursos para explorá-las e promover seu povoamento. Com a implantação desse sistema, lentamente a população europeia foi ocupando o litoral, o que resultou na criação de povoados e vilas. Observe o mapa:
  • 9. Os primeiros povoadores europeus eram marinheiros, soldados, degredados*, funcionários do governo português, náufragos e invasores estrangeiros que traficavam pau-brasil. No início do povoamento, não havia mulheres brancas; apenas em 1551 as primeiras portuguesas chegaram ao Brasil. *Degredado: pessoa condenada por crimes em Portugal, expulsa do país e enviada para o exterior (no caso, o Brasil). Professor Henry
  • 10. Grande miscigenação dos homens brancos com as indígenas: 1. falta de mulheres brancas europeias; 2. algumas tribos indígenas incorporava estranhos à sua comunidade, dando-lhes uma moça como esposa. O branco que aceitava esse tipo de casamento passava a ter laços de parentesco com todos os membros da tribo. Isso foi chamado de cunhadismo. Um mesmo homem branco tivesse várias esposas índias. Por isso, o número de mestiços tornou-se elevado, superando o de brancos europeus em várias partes do território colonial. Nascia assim o Brasil mestiço, chave do sucesso da fase inicial da colonização e o primeiro passo para a formação de nossa multiculturalidade.
  • 12. Segunda metade do século XVI: Bandeirantes - teve início o esforço de penetração dos paulistas para o interior da colônia. Professor Henry
  • 13.
  • 14. Bandeiras Paulistas: expedições reunindo centenas de indígenas e mamelucos sob o comando dos bandeirantes, interessados em duas coisas: capturar indígenas e encontrar ouro e pedras preciosas.
  • 15. Os bandeirantes tiveram um importante papel na expansão do território nacional. Principais consequências geográficas do bandeirantismo: • a abertura e/ou o mapeamento dos caminhos coloniais, mais tarde transformados nas primeiras estradas que seriam percorridas por outros grupos, facilitando o povoamento do interior; • o alargamento da fronteira determinada pelo Tratado de Tordesilhas, incorporando novas áreas que antes pertenciam à Espanha, o que contribuiu para a formação do atual território brasileiro; • a fundação de vilas, muitas das quais se transformaram em cidades; • a descoberta, na região do atual estado de Minas Gerais, de ouro e pedras preciosas, que se tornariam a maior fonte de riqueza da colônia no no século XVIII. Professor Henry
  • 16. Com a descoberta do ouro, ocorreu uma grande onda de povoamento do interior. A economia da colônia também se alterou bastante. Para ser transportado até Portugal, o ouro era levado para a cidade do Rio de Janeiro, que assim se transformou no mais importante centro econômico colônia. Por essa razão, a Coroa portuguesa transferiu a sede do governo-geral (que substituiu o sistema de capitanias) de Salvador para a cidade do Rio de transformando-a na nova capital do Brasil. Isso teve consequências que se estendem até hoje, tornando o Sudeste a região mais povoada do país. Professor Henry
  • 18. Ao final do período colonial, os portugueses haviam consolidado seu poder sobre o Brasil, impondo aos indígenas, negros e mestiços seu domínio político e cultural. Era muito evidente a influência europeia sobre as instituições políticas, a educação, a religião e a língua, entre outros aspectos. Isso não significa que os indígenas e negros não tivessem suas manifestações culturais, mas sim que o controle político era português. 1822: com a proclamação da Independência, o Brasil tornou-se uma nação politicamente independente de Portugal. A partir de então, as pessoas que entravam no território brasileiro passaram a ser consideradas imigrantes. Professor Henry
  • 19. Nessa época os imigrantes ainda eram poucos. 1870: leis que poriam fim à escravidão começaram a ser promulgadas. A imigração aumentou, pois os fazendeiros foram forçados a procurar outros de mão de obra para suas lavouras. Desde 1872, ano do primeiro censo, até 2014, constatamos que entraram no Brasil quase 8 milhões de imigrantes. Observe o gráfico a seguir: Professor Henry
  • 20.
  • 21. O período imigratório mais intenso foi de 1880 a 1929, provocado pela necessidade de mão de obra para as lavouras de café e pela criação de zonas de colonização no sul do país. Nessa época o governo brasileiro incentivou a vinda de imigrantes dos mais diversos países. Veja no gráfico as nacionalidades da maioria dos imigrantes. Professor Henry
  • 22.
  • 24. No final do século XIX, divulgou-se no Brasil o conceito de superioridade racial, que já tinha grande aceitação no exterior. A elite brasileira, de origem predominantemente branca e europeia, passou a defender a ideia de que o país não podia se desenvolver tendo a maioria de sua população formada por negros, índios e mestiços. Com base nessas ideias racistas, muitos passaram a defender a necessidade de branqueamento da população brasileira. Nesse quadro, a imigração passou a ser vista não apenas como uma solução para a falta de mão de obra, mas também como meio de branquear a população, aumentando a quantidade de europeus e de seus descendentes. Professor Henry
  • 25. Foi nessa direção que o presidente Deodoro da Fonseca, em 1890, assinou um decreto determinando que a entrada de imigrantes africanos e asiáticos só poderia ocorrer mediante uma autorização especial do Congresso Nacional. Outra medida racista foi a aprovação, em 1933, de uma lei de cotas que limitava a entrada de novos estrangeiros a um máximo de 2% sobre o total de imigrantes que o país tinha recebido nos últimos 50 anos, com vistas a proibir, sobretudo, a entrada de japoneses. Como portugueses estavam fora dessa restrição legal, e italianos e espanhóis já eram muito numerosos, a lei permitiu que a política de branqueamento prosseguisse. Essas medidas, somadas às crises econômicas sucessivas, acabaram por tornar o Brasil um país pouco atrativo à imigração. A partir de 1980 o Brasil passou a ser um país emigrante, ou seja, a saída de brasileiros passou a ser maior que a entrada de estrangeiros. Professor Henry
  • 27. No começo do século XIX, o governo brasileiro estimulou a imigração para o sul do país a fim de garantir a posse desse território, que era pouco povoado e corria o risco de ser ocupado pelos países vizinhos. Destacaram-se os grupos de eslavos, açorianos (portugueses), alemães e italianos. Veja no mapa a seguir localização de algumas das mais importantes cidades que guardam a história desses grupos:
  • 28. A ocupação do espaço geográfico e a organização econômica da região Sul até hoje são marcadas pela forma como ela foi povoada pelos imigrantes. No início, eles ganharam pequenas áreas de terra, que eram cultivadas pelas famílias. Em um segundo momento, passaram a comprar os lotes que eram vendidos por empresas de colonização. Isso criou, na que é hoje a região Sul, características muito diferentes das do resto do Brasil, pois os imigrantes: • eram proprietários dos lotes de terra; • introduziram as pequenas propriedades rurais, enquanto no resto do país predominavam as grandes propriedades (latifúndios); • passaram a utilizar a mão de obra familiar, quando o mais comum era o trabalho escravo; • introduziram hábitos de origem europeia que se adequavam ao clima frio da região. Professor Henry
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 34. Na segunda metade do século XIX, teve início a imigração para o sudeste do Brasil, incentivada pelo governo, para atender aos interesses dos “barões do café”, os grandes fazendeiros da época, que necessitavam de mão de obra para substituir os escravos. Destacaram-se os italianos, portugueses e espanhóis. Primeiramente, esses imigrantes foram encaminhados para o trabalho no campo. Na zona rural, em sua maior parte, eram empregados, ou seja, formaram a mão de obra assalariada que substituiu os escravos, cada dia mais caros devido à diminuição do tráfico negreiro. Professor Henry
  • 35. Com a proibição do uso de mão de obra escrava e a expansão das culturas cafeeiras, a entrada de imigrantes, sobretudo italianos, foi incentivada pelo governo brasileiro. Na foto, lavoura em fazenda de café no início do século XX.
  • 36. Mais tarde, parte desses mesmos grupos foi encaminhada às cidades, em especial São Paulo e Rio de Janeiro, onde formou a maioria do operariado da primeira fase da industrialização brasileira. Professor Henry
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. Grupos de outras nacionalidades também vieram para o Brasil, contribuindo para a crescente diversidade de etnias e culturas de nossa população. Destacaram-se os japoneses, que aqui chegaram no início do século XX. Em sua maioria, desenvolveram pequenas propriedades agrícolas na periferia das grandes cidades, sobretudo de São Paulo. Professor Henry
  • 41.
  • 42.
  • 43. Dúvidas? Perguntas? Sugestões? Opiniões para as próximas aulas? Reclamações? http://blogdoprofessorhenry.blogspot.com.br/ Professor Henry