Módulo 2 - procura e motivações turísticas.

685 visualizações

Publicada em

Primeira parte do módulo

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
685
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Módulo 2 - procura e motivações turísticas.

  1. 1. Módulo 2 – Procura e Motivações Turísticas TEMA 1 – A PROCURA TURÍSTICA. Realizado por: Sónia Araújo, nº20
  2. 2. Índice • Introdução • ProcuraTurística • Tipos de ProcuraTurística • Procura Física, Monetária, Geográfica e Global • ProcuraTurística Global dos Residentes / do País / 2 Grandes Grupos • Termalismo nos estabelecimentosTermais • NecessidadesTurísticas • UtilidadeTurística • Elasticidade da Procura turística • Conclusão • Webgrafia Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 2
  3. 3. Introdução • Este trabalho foi proposto pelo professor Miguel Monteiro, no âmbito do módulo 2 da disciplina deTIAT. Iremos abordar alguns aspetos que remetem para o módulo, tais como a procura turística. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 3
  4. 4. Procura Turística • Do ponto de vista económico é a quantidade de bens e serviços que as pessoas que se deslocam adquirem num determinado período de tempo, ou seja, corresponde a todos os bens e serviços que os visitantes adquirem para realizar as suas viagens. Figura 1 – ProcuraTurística. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 4
  5. 5. Tipos de Procura Turística • A ProcuraTurística pode assumir as seguintes formas: • Física; • Monetária; • Geográfica; • Global; • Efetiva; e, • Suprimida. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 5 Figura 2 – ProcuraTurística.
  6. 6. Procura Física • É dada pelo número de pessoas que se deslocam para locais diferentes daqueles em que residem e onde realizam as suas atividades profissionais remuneradas. • É constituída pelos fluxos turísticos, que se medem pelas chegadas às fronteiras de cada país e pelas dormidas nos meios de alojamento. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 6
  7. 7. Procura Monetária • Na sua expressão monetária a procura turística é traduzida pelo valor da totalidade dos consumos realizados por visitantes de origem nacional e estrangeira, ou seja, é disponibilizada pelas receitas turísticas de origem externa (em moeda estrangeira) e interna (gastos efetuados pelos residentes nacionais). Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 7 Figura 3 – Procura Monetária.
  8. 8. Procura Geográfica • Refere-se às origens - localidades onde se geram movimentos turísticos e aos destinos - locais para onde se dirigem os movimentos turísticos. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 8 Figura 4 – Explicação.
  9. 9. Procura Global • A procura global de um país é avaliada pela “taxa de partida” que exprime a participação da sua população nas viagens. • A taxa de partida é dada pela relação entre a população desse país que passa férias e a sua população total e determina a propensão à viagem desta população. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 9
  10. 10. Procura Turística Global dos Residentes • São os residentes que partem para férias. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 10 Figura 5 – Designação.
  11. 11. Procura Turística Global do País • Residentes que partem para férias dentro do seu país (turismo doméstico) e pela procura dos não residentes (turismo recetor). Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 11 Figura 6 – Fórmula da procura global do país.
  12. 12. Procura Turística – 2 Grandes Grupos • Procura Efetiva: • É constituída pelo número de pessoas que num determinado período participam na atividade turística, ou seja, pessoas que viajam por razões turísticas. • Procura Potencial: • É a parte da população que não viaja por qualquer motivo, mas que tem condições para viajar no futuro Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 12
  13. 13. Termalistas nos estabelecimentos Termais Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 13 Figura 7 –Turismo termal.
  14. 14. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 14 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% Razões pelas quais os Portugueses não gozaram férias 1996 1999 2006 Figura 8 – Motivos de não passar férias, nos anos 1996, 1999 e 2006.
  15. 15. Regiões mais procuradas no Turismo Nacional Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 15 • O Gerês é uma das regiões que com o passar dos anos, tem sido mais procurado pelos turistas e como consequência tem cada vez mais uma maior oferta de lazer. • No fim-de-semana de Páscoa (principalmente), Alqueva (no distrito de Évora) é das regiões mais procuradas, para celebrar a época. • Também na semana de Páscoa, o Cristo-Rei é um dos pontos turísticos mais procurado, não só pela paisagem, mas devido a promessas, curiosidade e por muitas vezes um reviver de momentos.
  16. 16. Cidades mais procuradas no Turismo Mundial • Muito doTurismo Mundial é realizado pela beleza, pelo encanto de descobrir aquela cidade maravilhosa, sendo que estas são as 20 cidades mais bonitas e procuradas a nível mundial. • Sendo que Portugal não está incluído nas cidades mais bonitas, e em 2012 houve uma conferência mundial dos representantes dos países,Angela Merkel disse “Se Portugal tem coisas bonitas têm de mostrar, se têm praias, jardins, florestas, serras e montanhas, cidades, ruínas, castelos e palácios cheios de história, cultura e tradição, e gente humilde, bonita e simpática, têm de fotografar e mostrar. Fotografem e mostrem, ou calem-se para sempre” • Sendo desta forma, oTurismo de Portugal, desenvolveu um vídeo de resposta, onde demonstram paisagens e certos locais para visitar. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 16
  17. 17. Necessidades Turísticas • As necessidades turísticas assumem o caráter de bens de luxo ou sumptuários. • No século passado, quando o turismo começou a ser praticado, as viagens eram consideradas um devaneio e privilégio das classes mais abastadas. • Com o desenvolvimento dos transportes o acesso às viagens foi-se alargando a todas as classes sociais passando a fazer parte das respetivas pirâmides. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 17
  18. 18. Pirâmide das Necessidades Turísticas Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 18 Figura 9 – Pirâmide de Maslow.
  19. 19. Utilidade Turística • Define-se utilidade turística, como a qualidade que os bens possuem para satisfazer desejos e, portanto, um bem ou um serviço é útil quando é efetivamente desejado por um consumidor que, ao adquiri- lo, calcula o benefício ou utilidade que obterá com o fim de satisfazer as suas necessidades objetivas e subjetivas. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 19
  20. 20. Utilidade Turística • Se um turista permanece num local vários dias é porque encontra utilidade nele, embora nem todos os indivíduos retirem o mesmo grau de satisfação de uma estadia no mesmo hotel. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 20 Figura 10 – UtilidadeTurística.
  21. 21. Utilidade Marginal • Consiste na comparação da utilidade do consumo de um bem com a utilidade do consumo de uma quantidade adicional desse bem. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 21 Figura 11 – Explicação da Utilidade Marginal.
  22. 22. Elasticidade da Procura Turística • A procura turística responde às variações do preço dos bens e serviços turísticos como também responde às variações do rendimento dos consumidores. • Para poder existir avaliação da intensidade utiliza-se o conceito da elasticidade, definida da segunda maneira: Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 22 Variação da Procura Procura e= ____________________ Variação do Preço Preço • Onde o resultado é negativo dado que os preços e as quantidades variam em sentido contrário. • O cálculo representa a intensidade da procura turística.
  23. 23. Elasticidade turística • Quando a elasticidade é inferior a 1 (Ep<1), diz-se que a procura é rígida ou inelástica. • As quantidades procuradas variam muito pouco perante variações muito fortes dos preços. • Exemplo: • O preço cresce 30%, a procura aumenta 10% Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 23 Figura 12 – Procura rígida ou inelástica.
  24. 24. Elasticidade turística • A elasticidade da procura-rendimento define-se como a variação da quantidade procurada em resultado de uma determinada variação do rendimento. • Calcula-se da seguinte forma: • Representa-se: Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 24 Figura 13 – Cálculo. Figura 14 – Elasticidade Unitária.
  25. 25. Elasticidade turística • Quando a elasticidade é superior a 1 (Ep>1), designa-se de procura elásticas, e diz-se que será muito sensível às variações dos preços. • Uma pequena redução dos preços leva imediatamente a um aumento muito superior na procura. • Exemplo: • O preço desce 20%, a procura aumenta 40% Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 25 Figura 15 – Procura Elástica.
  26. 26. Conclusão • Com este trabalho, concluímos que existem vários fatores que influenciam a procura e a elasticidade turística, sendo que unicamente abordamos estes dois subtemas, inseridos no nosso tema. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 26
  27. 27. Webgrafia • http://www.turismodeportugal.pt/portugu%C3%AAs/proturismo/est at%C3%ADsticas/an%C3%A1lisesestat%C3%ADsticas/Pages/An%C3 %A1lisesEstat%C3%ADsticas.aspx • http://www.turismodeportugal.pt/Portugu%C3%AAs/turismodeportu gal/publicacoes/Documents/PENT%202012.pdf • https://www.riac.azores.gov.pt/RIAC/conteudos/servico/servico168.h tm Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 27

×