SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Módulo 2 – Procura e
Motivações Turísticas
TEMA 1 – A PROCURA TURÍSTICA.
Realizado por:
Sónia Araújo, nº20
Índice
• Introdução
• ProcuraTurística
• Tipos de ProcuraTurística
• Procura Física, Monetária, Geográfica e Global
• ProcuraTurística Global dos Residentes / do País / 2 Grandes Grupos
• Termalismo nos estabelecimentosTermais
• NecessidadesTurísticas
• UtilidadeTurística
• Elasticidade da Procura turística
• Conclusão
• Webgrafia
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 2
Introdução
• Este trabalho foi proposto pelo professor Miguel Monteiro, no âmbito
do módulo 2 da disciplina deTIAT. Iremos abordar alguns aspetos que
remetem para o módulo, tais como a procura turística.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 3
Procura Turística
• Do ponto de vista económico é a quantidade de bens e serviços que
as pessoas que se deslocam adquirem num determinado período de
tempo, ou seja, corresponde a todos os bens e serviços que os
visitantes adquirem para realizar as suas viagens.
Figura 1 – ProcuraTurística.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 4
Tipos de Procura Turística
• A ProcuraTurística pode assumir as seguintes formas:
• Física;
• Monetária;
• Geográfica;
• Global;
• Efetiva; e,
• Suprimida.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 5
Figura 2 – ProcuraTurística.
Procura Física
• É dada pelo número de pessoas que se deslocam para locais
diferentes daqueles em que residem e onde realizam as suas
atividades profissionais remuneradas.
• É constituída pelos fluxos turísticos, que se medem pelas chegadas às
fronteiras de cada país e pelas dormidas nos meios de alojamento.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 6
Procura Monetária
• Na sua expressão monetária a procura turística é traduzida pelo valor
da totalidade dos consumos realizados por visitantes de origem
nacional e estrangeira, ou seja, é disponibilizada pelas receitas
turísticas de origem externa (em moeda estrangeira) e interna
(gastos efetuados pelos residentes nacionais).
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 7
Figura 3 – Procura Monetária.
Procura Geográfica
• Refere-se às origens - localidades onde se geram movimentos
turísticos e aos destinos - locais para onde se dirigem os movimentos
turísticos.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 8
Figura 4 – Explicação.
Procura Global
• A procura global de um país é avaliada pela “taxa de partida” que
exprime a participação da sua população nas viagens.
• A taxa de partida é dada pela relação entre a população desse país
que passa férias e a sua população total e determina a propensão à
viagem desta população.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 9
Procura Turística Global dos Residentes
• São os residentes que partem para férias.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 10
Figura 5 – Designação.
Procura Turística Global do País
• Residentes que partem para férias dentro do seu país (turismo
doméstico) e pela procura dos não residentes (turismo recetor).
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 11
Figura 6 – Fórmula da procura global do país.
Procura Turística – 2 Grandes Grupos
• Procura Efetiva:
• É constituída pelo número de pessoas que num determinado
período participam na atividade turística, ou seja, pessoas que
viajam por razões turísticas.
• Procura Potencial:
• É a parte da população que não viaja por qualquer motivo, mas
que tem condições para viajar no futuro
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 12
Termalistas nos estabelecimentos Termais
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 13
Figura 7 –Turismo termal.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 14
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
Razões pelas quais os Portugueses não gozaram férias
1996 1999 2006
Figura 8 – Motivos de não passar férias, nos anos 1996, 1999 e 2006.
Regiões mais procuradas no Turismo
Nacional
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 15
• O Gerês é uma das regiões que com o passar dos anos, tem sido mais
procurado pelos turistas e como consequência tem cada vez mais
uma maior oferta de lazer.
• No fim-de-semana de Páscoa (principalmente), Alqueva (no distrito
de Évora) é das regiões mais procuradas, para celebrar a época.
• Também na semana de Páscoa, o Cristo-Rei é um dos pontos
turísticos mais procurado, não só pela paisagem, mas devido a
promessas, curiosidade e por muitas vezes um reviver de momentos.
Cidades mais procuradas no Turismo
Mundial
• Muito doTurismo Mundial é realizado pela beleza, pelo encanto de descobrir aquela
cidade maravilhosa, sendo que estas são as 20 cidades mais bonitas e procuradas a
nível mundial.
• Sendo que Portugal não está incluído nas cidades mais bonitas, e em 2012 houve
uma conferência mundial dos representantes dos países,Angela Merkel disse “Se
Portugal tem coisas bonitas têm de mostrar, se têm praias, jardins, florestas, serras
e montanhas, cidades, ruínas, castelos e palácios cheios de história, cultura e
tradição, e gente humilde, bonita e simpática, têm de fotografar e mostrar.
Fotografem e mostrem, ou calem-se para sempre”
• Sendo desta forma, oTurismo de Portugal, desenvolveu um vídeo de resposta,
onde demonstram paisagens e certos locais para visitar.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 16
Necessidades Turísticas
• As necessidades turísticas assumem o caráter de bens de luxo ou
sumptuários.
• No século passado, quando o turismo começou a ser praticado, as
viagens eram consideradas um devaneio e privilégio das classes mais
abastadas.
• Com o desenvolvimento dos transportes o acesso às viagens foi-se
alargando a todas as classes sociais passando a fazer parte das
respetivas pirâmides.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 17
Pirâmide das Necessidades Turísticas
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 18
Figura 9 – Pirâmide de Maslow.
Utilidade Turística
• Define-se utilidade turística, como a qualidade que os bens possuem
para satisfazer desejos e, portanto, um bem ou um serviço é útil
quando é efetivamente desejado por um consumidor que, ao adquiri-
lo, calcula o benefício ou utilidade que obterá com o fim de satisfazer
as suas necessidades objetivas e subjetivas.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 19
Utilidade Turística
• Se um turista permanece num local vários dias é porque encontra
utilidade nele, embora nem todos os indivíduos retirem o mesmo
grau de satisfação de uma estadia no mesmo hotel.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 20
Figura 10 – UtilidadeTurística.
Utilidade Marginal
• Consiste na comparação da utilidade do consumo de um bem com a
utilidade do consumo de uma quantidade adicional desse bem.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 21
Figura 11 – Explicação da Utilidade Marginal.
Elasticidade da Procura Turística
• A procura turística responde às variações do preço dos bens e serviços turísticos
como também responde às variações do rendimento dos consumidores.
• Para poder existir avaliação da intensidade utiliza-se o conceito da elasticidade,
definida da segunda maneira:
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 22
Variação da Procura
Procura
e= ____________________
Variação do Preço
Preço
• Onde o resultado é negativo
dado que os preços e as
quantidades variam em
sentido contrário.
• O cálculo representa a
intensidade da procura
turística.
Elasticidade turística
• Quando a elasticidade é inferior a 1 (Ep<1), diz-se que a procura é rígida ou
inelástica.
• As quantidades procuradas variam muito pouco perante variações muito
fortes dos preços.
• Exemplo:
• O preço cresce 30%, a procura aumenta 10%
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 23
Figura 12 – Procura rígida ou inelástica.
Elasticidade turística
• A elasticidade da procura-rendimento define-se como a variação da quantidade
procurada em resultado de uma determinada variação do rendimento.
• Calcula-se da seguinte forma:
• Representa-se:
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 24
Figura 13 – Cálculo.
Figura 14 – Elasticidade Unitária.
Elasticidade turística
• Quando a elasticidade é superior a 1 (Ep>1), designa-se de procura elásticas,
e diz-se que será muito sensível às variações dos preços.
• Uma pequena redução dos preços leva imediatamente a um aumento muito
superior na procura.
• Exemplo:
• O preço desce 20%, a procura aumenta 40%
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 25
Figura 15 – Procura Elástica.
Conclusão
• Com este trabalho, concluímos que existem vários fatores que
influenciam a procura e a elasticidade turística, sendo que
unicamente abordamos estes dois subtemas, inseridos no nosso
tema.
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 26
Webgrafia
• http://www.turismodeportugal.pt/portugu%C3%AAs/proturismo/est
at%C3%ADsticas/an%C3%A1lisesestat%C3%ADsticas/Pages/An%C3
%A1lisesEstat%C3%ADsticas.aspx
• http://www.turismodeportugal.pt/Portugu%C3%AAs/turismodeportu
gal/publicacoes/Documents/PENT%202012.pdf
• https://www.riac.azores.gov.pt/RIAC/conteudos/servico/servico168.h
tm
Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 27

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 Conceitos Turismo
01    Conceitos  Turismo01    Conceitos  Turismo
01 Conceitos Turismocursotiat
 
TIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turisticoTIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turisticoteresam15
 
Organizaçoes internacionais
Organizaçoes internacionais Organizaçoes internacionais
Organizaçoes internacionais Bruno Oliveira
 
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportivaModulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportivaCarla Canhoto
 
Origem e evolução histórica do turismo
Origem e evolução histórica do turismoOrigem e evolução histórica do turismo
Origem e evolução histórica do turismoAna Paula Walter
 
O Turismo
O TurismoO Turismo
O Turismolidia76
 
Otet módulo 2
Otet módulo 2Otet módulo 2
Otet módulo 2TatyFG
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evoluçãoKarlla Costa
 
Módulo I conceitos e fundamentos do turismo
Módulo I conceitos e fundamentos do turismoMódulo I conceitos e fundamentos do turismo
Módulo I conceitos e fundamentos do turismoMarina Lopes
 
Operadores turísticos
Operadores turísticosOperadores turísticos
Operadores turísticosLua Soriano
 
Conceito Turismo e Tipos de turista
Conceito Turismo e Tipos de turistaConceito Turismo e Tipos de turista
Conceito Turismo e Tipos de turistaMarcos Alves
 
Módulo II procura e motivação turísticas
Módulo II  procura e motivação turísticasMódulo II  procura e motivação turísticas
Módulo II procura e motivação turísticasMarina Lopes
 
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticosTrabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticosTina Lima
 

Mais procurados (20)

01 Conceitos Turismo
01    Conceitos  Turismo01    Conceitos  Turismo
01 Conceitos Turismo
 
TIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turisticoTIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turistico
 
Organizaçoes internacionais
Organizaçoes internacionais Organizaçoes internacionais
Organizaçoes internacionais
 
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportivaModulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
 
Origem e evolução histórica do turismo
Origem e evolução histórica do turismoOrigem e evolução histórica do turismo
Origem e evolução histórica do turismo
 
O Turismo
O TurismoO Turismo
O Turismo
 
Otet módulo 2
Otet módulo 2Otet módulo 2
Otet módulo 2
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
 
Classificações do turismo
Classificações do turismoClassificações do turismo
Classificações do turismo
 
Módulo I conceitos e fundamentos do turismo
Módulo I conceitos e fundamentos do turismoMódulo I conceitos e fundamentos do turismo
Módulo I conceitos e fundamentos do turismo
 
Operadores turísticos
Operadores turísticosOperadores turísticos
Operadores turísticos
 
Conceito Turismo e Tipos de turista
Conceito Turismo e Tipos de turistaConceito Turismo e Tipos de turista
Conceito Turismo e Tipos de turista
 
Módulo II procura e motivação turísticas
Módulo II  procura e motivação turísticasMódulo II  procura e motivação turísticas
Módulo II procura e motivação turísticas
 
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticosTrabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticos
 
Historia do Turismo
Historia do TurismoHistoria do Turismo
Historia do Turismo
 
Módulo+8 iat
Módulo+8   iatMódulo+8   iat
Módulo+8 iat
 
Módulo 1- otet.pptx
Módulo 1- otet.pptxMódulo 1- otet.pptx
Módulo 1- otet.pptx
 
Animação turística
Animação turísticaAnimação turística
Animação turística
 
Modulo 6 iat
Modulo 6 iatModulo 6 iat
Modulo 6 iat
 
Módulo 2 aulas
Módulo 2   aulasMódulo 2   aulas
Módulo 2 aulas
 

Destaque

Procura e oferta turística
Procura e oferta turísticaProcura e oferta turística
Procura e oferta turísticaSonia Silva
 
Conceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismoConceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismoDay Sanalves
 
Produtos turísticos
Produtos turísticosProdutos turísticos
Produtos turísticosPedro Peixoto
 
Conteúdos distintos e inovadores no turismo
Conteúdos distintos e inovadores no turismoConteúdos distintos e inovadores no turismo
Conteúdos distintos e inovadores no turismoPedro Peixoto
 
Técnicas de acolhimento turistico
Técnicas de acolhimento turisticoTécnicas de acolhimento turistico
Técnicas de acolhimento turisticoRafaela Henriques
 
Animação turística
Animação turísticaAnimação turística
Animação turísticaKaryn XP
 
Palestra Jeanine Pires sobre Indicadores do Turismo - Out 2011
Palestra Jeanine Pires sobre Indicadores do Turismo - Out 2011Palestra Jeanine Pires sobre Indicadores do Turismo - Out 2011
Palestra Jeanine Pires sobre Indicadores do Turismo - Out 2011Jeanine Pires
 
Enriquecimento da Oferta Turística
Enriquecimento da Oferta TurísticaEnriquecimento da Oferta Turística
Enriquecimento da Oferta TurísticaPedro Peixoto
 
Plano estadual de turismo 2013 2033
Plano estadual de turismo 2013 2033Plano estadual de turismo 2013 2033
Plano estadual de turismo 2013 2033Bruno Muniz de Brito
 
Tecnologia Como Diferencial Competitivo
Tecnologia Como Diferencial CompetitivoTecnologia Como Diferencial Competitivo
Tecnologia Como Diferencial CompetitivoJulio Verna
 
Indicadores de cultura, esporte e e turismo
Indicadores de cultura, esporte e e turismo Indicadores de cultura, esporte e e turismo
Indicadores de cultura, esporte e e turismo Durango Duarte
 
Tipos de Cliente no Turismo (SENAC/Mossoró)
Tipos de Cliente no Turismo (SENAC/Mossoró)Tipos de Cliente no Turismo (SENAC/Mossoró)
Tipos de Cliente no Turismo (SENAC/Mossoró)Jailma Oliveira
 

Destaque (20)

Procura e oferta turística
Procura e oferta turísticaProcura e oferta turística
Procura e oferta turística
 
Tipos de Turistas
Tipos de TuristasTipos de Turistas
Tipos de Turistas
 
Conceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismoConceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismo
 
Produtos turísticos
Produtos turísticosProdutos turísticos
Produtos turísticos
 
Conteúdos distintos e inovadores no turismo
Conteúdos distintos e inovadores no turismoConteúdos distintos e inovadores no turismo
Conteúdos distintos e inovadores no turismo
 
Técnicas de acolhimento turistico
Técnicas de acolhimento turisticoTécnicas de acolhimento turistico
Técnicas de acolhimento turistico
 
Tiat módulo 1
Tiat módulo 1Tiat módulo 1
Tiat módulo 1
 
Iat
IatIat
Iat
 
Animação turística
Animação turísticaAnimação turística
Animação turística
 
Módulo 3
Módulo 3Módulo 3
Módulo 3
 
Tipos de Turismo
Tipos de TurismoTipos de Turismo
Tipos de Turismo
 
Potencialidades Turisticas em Alcochete
Potencialidades Turisticas em AlcochetePotencialidades Turisticas em Alcochete
Potencialidades Turisticas em Alcochete
 
Palestra Jeanine Pires sobre Indicadores do Turismo - Out 2011
Palestra Jeanine Pires sobre Indicadores do Turismo - Out 2011Palestra Jeanine Pires sobre Indicadores do Turismo - Out 2011
Palestra Jeanine Pires sobre Indicadores do Turismo - Out 2011
 
Trabalho de turismo
Trabalho de turismo Trabalho de turismo
Trabalho de turismo
 
Enriquecimento da Oferta Turística
Enriquecimento da Oferta TurísticaEnriquecimento da Oferta Turística
Enriquecimento da Oferta Turística
 
Plano estadual de turismo 2013 2033
Plano estadual de turismo 2013 2033Plano estadual de turismo 2013 2033
Plano estadual de turismo 2013 2033
 
Indicadores de sustentabilidade do turismo nos Açores: o papel das opiniões e...
Indicadores de sustentabilidade do turismo nos Açores: o papel das opiniões e...Indicadores de sustentabilidade do turismo nos Açores: o papel das opiniões e...
Indicadores de sustentabilidade do turismo nos Açores: o papel das opiniões e...
 
Tecnologia Como Diferencial Competitivo
Tecnologia Como Diferencial CompetitivoTecnologia Como Diferencial Competitivo
Tecnologia Como Diferencial Competitivo
 
Indicadores de cultura, esporte e e turismo
Indicadores de cultura, esporte e e turismo Indicadores de cultura, esporte e e turismo
Indicadores de cultura, esporte e e turismo
 
Tipos de Cliente no Turismo (SENAC/Mossoró)
Tipos de Cliente no Turismo (SENAC/Mossoró)Tipos de Cliente no Turismo (SENAC/Mossoró)
Tipos de Cliente no Turismo (SENAC/Mossoró)
 

Semelhante a Módulo 2 - procura e motivações turísticas.

Tcc favela como segmentação turista final
Tcc   favela como segmentação turista finalTcc   favela como segmentação turista final
Tcc favela como segmentação turista finalCristiano da Silva
 
Fundamentos do turismo, da hotelaria e da
Fundamentos do turismo, da hotelaria e daFundamentos do turismo, da hotelaria e da
Fundamentos do turismo, da hotelaria e daBruno Carvalho
 
Fundamentos do Turismo (I): aulas 18 e 19
Fundamentos do Turismo (I): aulas 18 e 19Fundamentos do Turismo (I): aulas 18 e 19
Fundamentos do Turismo (I): aulas 18 e 19Aristides Faria
 
Kupdf.net tiat modulos-11-12-13
Kupdf.net tiat modulos-11-12-13Kupdf.net tiat modulos-11-12-13
Kupdf.net tiat modulos-11-12-13EuniceFrias1
 
City break
City breakCity break
City breakjmf1972
 
City break
City breakCity break
City breakjmf1972
 
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptxDocumentoDigital
 
Marketing e Turismo: aulas 17 a 19
Marketing e Turismo: aulas 17 a 19Marketing e Turismo: aulas 17 a 19
Marketing e Turismo: aulas 17 a 19Aristides Faria
 
Touring cultural-e-paisagístico
Touring cultural-e-paisagísticoTouring cultural-e-paisagístico
Touring cultural-e-paisagísticoPaulo Carita Semedo
 
4. procura turistica
4. procura turistica4. procura turistica
4. procura turisticaEuniceFrias1
 

Semelhante a Módulo 2 - procura e motivações turísticas. (14)

Tcc favela como segmentação turista final
Tcc   favela como segmentação turista finalTcc   favela como segmentação turista final
Tcc favela como segmentação turista final
 
Fundamentos do turismo, da hotelaria e da
Fundamentos do turismo, da hotelaria e daFundamentos do turismo, da hotelaria e da
Fundamentos do turismo, da hotelaria e da
 
Fundamentos do Turismo (I): aulas 18 e 19
Fundamentos do Turismo (I): aulas 18 e 19Fundamentos do Turismo (I): aulas 18 e 19
Fundamentos do Turismo (I): aulas 18 e 19
 
O Turismo em Bonito-MS
O Turismo em Bonito-MSO Turismo em Bonito-MS
O Turismo em Bonito-MS
 
Kupdf.net tiat modulos-11-12-13
Kupdf.net tiat modulos-11-12-13Kupdf.net tiat modulos-11-12-13
Kupdf.net tiat modulos-11-12-13
 
Destinos
Destinos Destinos
Destinos
 
City breaks
City breaksCity breaks
City breaks
 
City break
City breakCity break
City break
 
City breaks
City breaksCity breaks
City breaks
 
City break
City breakCity break
City break
 
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
 
Marketing e Turismo: aulas 17 a 19
Marketing e Turismo: aulas 17 a 19Marketing e Turismo: aulas 17 a 19
Marketing e Turismo: aulas 17 a 19
 
Touring cultural-e-paisagístico
Touring cultural-e-paisagísticoTouring cultural-e-paisagístico
Touring cultural-e-paisagístico
 
4. procura turistica
4. procura turistica4. procura turistica
4. procura turistica
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 

Módulo 2 - procura e motivações turísticas.

  • 1. Módulo 2 – Procura e Motivações Turísticas TEMA 1 – A PROCURA TURÍSTICA. Realizado por: Sónia Araújo, nº20
  • 2. Índice • Introdução • ProcuraTurística • Tipos de ProcuraTurística • Procura Física, Monetária, Geográfica e Global • ProcuraTurística Global dos Residentes / do País / 2 Grandes Grupos • Termalismo nos estabelecimentosTermais • NecessidadesTurísticas • UtilidadeTurística • Elasticidade da Procura turística • Conclusão • Webgrafia Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 2
  • 3. Introdução • Este trabalho foi proposto pelo professor Miguel Monteiro, no âmbito do módulo 2 da disciplina deTIAT. Iremos abordar alguns aspetos que remetem para o módulo, tais como a procura turística. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 3
  • 4. Procura Turística • Do ponto de vista económico é a quantidade de bens e serviços que as pessoas que se deslocam adquirem num determinado período de tempo, ou seja, corresponde a todos os bens e serviços que os visitantes adquirem para realizar as suas viagens. Figura 1 – ProcuraTurística. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 4
  • 5. Tipos de Procura Turística • A ProcuraTurística pode assumir as seguintes formas: • Física; • Monetária; • Geográfica; • Global; • Efetiva; e, • Suprimida. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 5 Figura 2 – ProcuraTurística.
  • 6. Procura Física • É dada pelo número de pessoas que se deslocam para locais diferentes daqueles em que residem e onde realizam as suas atividades profissionais remuneradas. • É constituída pelos fluxos turísticos, que se medem pelas chegadas às fronteiras de cada país e pelas dormidas nos meios de alojamento. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 6
  • 7. Procura Monetária • Na sua expressão monetária a procura turística é traduzida pelo valor da totalidade dos consumos realizados por visitantes de origem nacional e estrangeira, ou seja, é disponibilizada pelas receitas turísticas de origem externa (em moeda estrangeira) e interna (gastos efetuados pelos residentes nacionais). Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 7 Figura 3 – Procura Monetária.
  • 8. Procura Geográfica • Refere-se às origens - localidades onde se geram movimentos turísticos e aos destinos - locais para onde se dirigem os movimentos turísticos. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 8 Figura 4 – Explicação.
  • 9. Procura Global • A procura global de um país é avaliada pela “taxa de partida” que exprime a participação da sua população nas viagens. • A taxa de partida é dada pela relação entre a população desse país que passa férias e a sua população total e determina a propensão à viagem desta população. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 9
  • 10. Procura Turística Global dos Residentes • São os residentes que partem para férias. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 10 Figura 5 – Designação.
  • 11. Procura Turística Global do País • Residentes que partem para férias dentro do seu país (turismo doméstico) e pela procura dos não residentes (turismo recetor). Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 11 Figura 6 – Fórmula da procura global do país.
  • 12. Procura Turística – 2 Grandes Grupos • Procura Efetiva: • É constituída pelo número de pessoas que num determinado período participam na atividade turística, ou seja, pessoas que viajam por razões turísticas. • Procura Potencial: • É a parte da população que não viaja por qualquer motivo, mas que tem condições para viajar no futuro Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 12
  • 13. Termalistas nos estabelecimentos Termais Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 13 Figura 7 –Turismo termal.
  • 14. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 14 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% Razões pelas quais os Portugueses não gozaram férias 1996 1999 2006 Figura 8 – Motivos de não passar férias, nos anos 1996, 1999 e 2006.
  • 15. Regiões mais procuradas no Turismo Nacional Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 15 • O Gerês é uma das regiões que com o passar dos anos, tem sido mais procurado pelos turistas e como consequência tem cada vez mais uma maior oferta de lazer. • No fim-de-semana de Páscoa (principalmente), Alqueva (no distrito de Évora) é das regiões mais procuradas, para celebrar a época. • Também na semana de Páscoa, o Cristo-Rei é um dos pontos turísticos mais procurado, não só pela paisagem, mas devido a promessas, curiosidade e por muitas vezes um reviver de momentos.
  • 16. Cidades mais procuradas no Turismo Mundial • Muito doTurismo Mundial é realizado pela beleza, pelo encanto de descobrir aquela cidade maravilhosa, sendo que estas são as 20 cidades mais bonitas e procuradas a nível mundial. • Sendo que Portugal não está incluído nas cidades mais bonitas, e em 2012 houve uma conferência mundial dos representantes dos países,Angela Merkel disse “Se Portugal tem coisas bonitas têm de mostrar, se têm praias, jardins, florestas, serras e montanhas, cidades, ruínas, castelos e palácios cheios de história, cultura e tradição, e gente humilde, bonita e simpática, têm de fotografar e mostrar. Fotografem e mostrem, ou calem-se para sempre” • Sendo desta forma, oTurismo de Portugal, desenvolveu um vídeo de resposta, onde demonstram paisagens e certos locais para visitar. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 16
  • 17. Necessidades Turísticas • As necessidades turísticas assumem o caráter de bens de luxo ou sumptuários. • No século passado, quando o turismo começou a ser praticado, as viagens eram consideradas um devaneio e privilégio das classes mais abastadas. • Com o desenvolvimento dos transportes o acesso às viagens foi-se alargando a todas as classes sociais passando a fazer parte das respetivas pirâmides. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 17
  • 18. Pirâmide das Necessidades Turísticas Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 18 Figura 9 – Pirâmide de Maslow.
  • 19. Utilidade Turística • Define-se utilidade turística, como a qualidade que os bens possuem para satisfazer desejos e, portanto, um bem ou um serviço é útil quando é efetivamente desejado por um consumidor que, ao adquiri- lo, calcula o benefício ou utilidade que obterá com o fim de satisfazer as suas necessidades objetivas e subjetivas. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 19
  • 20. Utilidade Turística • Se um turista permanece num local vários dias é porque encontra utilidade nele, embora nem todos os indivíduos retirem o mesmo grau de satisfação de uma estadia no mesmo hotel. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 20 Figura 10 – UtilidadeTurística.
  • 21. Utilidade Marginal • Consiste na comparação da utilidade do consumo de um bem com a utilidade do consumo de uma quantidade adicional desse bem. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 21 Figura 11 – Explicação da Utilidade Marginal.
  • 22. Elasticidade da Procura Turística • A procura turística responde às variações do preço dos bens e serviços turísticos como também responde às variações do rendimento dos consumidores. • Para poder existir avaliação da intensidade utiliza-se o conceito da elasticidade, definida da segunda maneira: Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 22 Variação da Procura Procura e= ____________________ Variação do Preço Preço • Onde o resultado é negativo dado que os preços e as quantidades variam em sentido contrário. • O cálculo representa a intensidade da procura turística.
  • 23. Elasticidade turística • Quando a elasticidade é inferior a 1 (Ep<1), diz-se que a procura é rígida ou inelástica. • As quantidades procuradas variam muito pouco perante variações muito fortes dos preços. • Exemplo: • O preço cresce 30%, a procura aumenta 10% Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 23 Figura 12 – Procura rígida ou inelástica.
  • 24. Elasticidade turística • A elasticidade da procura-rendimento define-se como a variação da quantidade procurada em resultado de uma determinada variação do rendimento. • Calcula-se da seguinte forma: • Representa-se: Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 24 Figura 13 – Cálculo. Figura 14 – Elasticidade Unitária.
  • 25. Elasticidade turística • Quando a elasticidade é superior a 1 (Ep>1), designa-se de procura elásticas, e diz-se que será muito sensível às variações dos preços. • Uma pequena redução dos preços leva imediatamente a um aumento muito superior na procura. • Exemplo: • O preço desce 20%, a procura aumenta 40% Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 25 Figura 15 – Procura Elástica.
  • 26. Conclusão • Com este trabalho, concluímos que existem vários fatores que influenciam a procura e a elasticidade turística, sendo que unicamente abordamos estes dois subtemas, inseridos no nosso tema. Escola Secundária de Vila Verde - Módulo 2 26