SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
1 
Ananda Helena Nunes Cunha 
Fernanda Pereira Gomes 
TEMAS E DISCUSSÕES PARA INTRODUÇÃO DO MEIO AMBIENTE EM ESCOLAS 
VOLUME 4 - RESÍDUOS SÓLIDOS – COMO REDUZIR O LIXO 
Anápolis – GO 
2014
2 
Resíduos sólidos – como reduzir o lixo 
Apresentação: 
A presente proposta tem como tema auxiliar na compreensão do lixo e de como é importante cuidar do meio ambiente. Este volume faz parte de uma coletânea de 4 volumes. O volume 1 apresenta considerações teóricas e metodológicas sobre educação ambiental, para aprendizagem significativa; o volume 2 traz aspectos relevantes á conservação da natureza, em todas as suas frentes como a vegetação, água e animais; o volume 3 apresenta considerações gerais sobre a água, aborda conceitos, relatos teóricos e metodologias sobre como trabalhar a ferramenta água na educação ambiental. 
Pretende-se colocar o homem como sujeito, aquele que deve e pode agir por meio em que vive. O homem é parte desse meio,e, portanto aquele que deve interagir positivamente em relação a sua parte no meio ambiente reduzindo a produção do lixo. Nesse sentido, serão apresentados conceitos, leis e formas de como reduzir e reaproveitar o lixo.
3 
Sumário 
1. O que é lixo.................................................................................................................................4 
2. Geração de lixo..........................................................................................................................5 
3. Política Nacional de Resíduos Sólidos ...............................................................................6 
4. Tratamento de Resíduos Sólidos............................................................................................6 
5. Alternativas para redução de resíduos...............................................................................7 
6. Reaproveitamento do lixo.........................................................................................................9 
6.1. Incinerador – geração de energia..................................................................................10 
6.2. Compostagem - adubo........................................................................................................11 
6.3. Aterros Sanitários..............................................................................................................11 
6.4. Plasmas Térmicos.................................................................................................................12 
7. Vantagens/desvantagens e argumentos para geração de energia.............................12 
8. Exemplo prático - Projeto Boca do Lixo..........................................................................19 
9. Considerações finais...............................................................................................................22 
10. Referências.........................................................................................................................22
4 
1. O que é lixo 
Conforme a Lei Federal no 12.305 de 2 de agosto de 2010, lixo é material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas (Figura 1) em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d'água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível. 
Figura 1 - Lixo descartado resultante de atividades humanas. Fonte: COSTA, 2014. 
O destino final do lixo, geralmente é o local de tratamento do mesmo, ou seja, aterro sanitário controlado. Quando o lixo não é administrado da forma correta, o destino são os rios (Figura 2), pois, sem controle, os resíduos acabam chegando aos leitos. 
Pereira Neto (1989) afirma que o equacionamento do lixo urbano no nosso país, na maioria dos casos, restringe-se apenas á coleta, seguida da destinação final a céu aberto “gerando as lixeiras, lixões ou monturos de lixo, que se constituem no hábitat propício de vetores biológicos (moscas, mosquitos, baratas, roedores, etc.) responsáveis pela transmissão de doenças infecciosas, como febre tifóide, salmonelas, amebíase, malária, dengue, cólera, leptospirose, etc., além de contribuir sobremaneira com a poluição do solo, do ar e das águas”.
5 
Figura 2 - Lixo contaminando o rio. Fonte: COSTA, 2014. 
2. Geração de lixo 
Os geradores de resíduos sólidos são pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, que geram resíduos sólidos por meio de suas atividades, nelas incluído o consumo (BRASIL, 2010); Gerenciamento de resíduos sólidos (Figura 3): conjunto de ações exercidas, direta ou indiretamente, nas etapas de coleta, transporte, transbordo, tratamento e destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, de acordo com plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos ou com plano de gerenciamento de resíduos sólidos; Gestão integrada de resíduos sólidos (Figura 4): conjunto de ações voltadas para a busca de soluções para os resíduos sólidos, de forma a considerar as dimensões política, econômica, ambiental, cultural e social, com controle social e sob a premissa do desenvolvimento sustentável. 
Figura 3 – Gerenciamento de resíduos sólidos (COSTA, 2014).
6 
Figura 4 – Gestão integrada de resíduos sólidos (COSTA, 2014). 
3. Política Nacional de Resíduos Sólidos (BRASIL, 2012) Essa política procura organizar a forma como o país trata o lixo, incentivando a reciclagem e a sustentabilidade. Com a aprovação da política, foi elaborado o Plano Nacional de Resíduos Sólidos, cujo texto passou por um processo de consulta pública. São três os principais pontos da política: - fechamento de lixões até 2014: até 2014 não devem mais existir lixões a céu aberto no Brasil. - só rejeitos poderão ser encaminhados aos aterros sanitários: Os rejeitos são aquela parte do lixo que não tem como ser reciclado. 
Elaboração de planos de resíduos sólidos nos municípios: os planos municipais serão elaborados para ajudar prefeitos e cidadãos a descartar de forma correta o lixo. 
4. Tratamento de resíduos sólidos 
A crescente urbanização e industrialização das sociedades modernas têm originado uma 
produção exponencial de resíduos sólidos, problema que urge encarar com frontalidade no sentido de encontrarem as melhores soluções técnicas para o minimizar (RUSSO, 2003). Neste caso seria de grande valia estratégias em que fosse eficaz a adoção de sistemas integrados, como: 
• Redução e Reutilização de resíduos;
7 
• Reciclagem; 
• Compostagem; 
• Incineração energética; 
• Aterro energético; 
•Aterro de rejeitos. 
• Programas de Educação Ambiental 
• Programas de Participação Comunitária. 
Essas estratégias de adoção de sistemas integrados são muito importantes quando o principal objetivo é proporcionar o descarte de cada tipo de resíduos em seu respectivo lugar apropriado, e sempre de acordo com a característica de cada tipo deste, ou seja, garrafas pets e lixos orgânicos têm características diferentes consequentemente necessitam de sistemas integrados diferentes. 
A coleta seletiva, assim como a reciclagem é um método muito importante para o meio ambiente, o qual procura recolher materiais recicláveis, proporcionando organização e a reutilização do mesmo. 
A coleta seletiva funciona, também, como um processo de educação ambiental na medida em que sensibiliza a comunidade sobre os problemas do desperdício de recursos naturais e da poluição causada pelo lixo. 
5. Alternativas para redução de resíduos 
Controle social: conjunto de mecanismos e procedimentos que garantam à sociedade informações e participação nos processos de formulação, implantação e avaliação das políticas públicas relacionadas aos resíduos sólidos; 
Algumas ações podem ser realizadas para a redução da disposição final dos resíduos sólidos, como construção de galpões para separação de materiais ; apoio a Programas de Coleta Seletiva, como caminhões para a coleta.
8 
As Figuras 5 e 6 apresentam a construção de centros de reciclagem e aterros sanitários, que se apresentam como alternativas viáveis para estimular a coleta seletiva e reforçar a atividade dos catadores. 
Figura 5 – Construção de Centros de Reciclagem. 
Figura 6 – Construção de Aterros Sanitários. 
As Figuras 7 e 8 apresentam a coleta seletiva e as triagens de reciclados como atitudes para reduzir a disposição inadequada dos resíduos sólidos e rejeitos em geral. 
Figura 7 – Coleta Seletiva. 
Figura 8 – Triagens de reciclados. 
Auxílio a associações de catadores e pontos de entrega voluntária se apresenta como atividades sociais em desenvolvimento voltadas à preocupação com o meio ambiente (Figuras 9 e 10).
9 
Figura 9 – Associações de catadores. 
Figura 10 – Pontos de Entrega Voluntária. 
Para a destinação final dos resíduos orgânicos podemos observar a compostagem, que é a transformação das cascas de vegetais, restos alimentares e outros que não são recicláveis, como forma de reaproveitamento da forma de adubo (Figura 11). Assim como a transferência de conhecimento para auxiliar a coleta seletiva (Figura 12). 
Figura 11 – Compostagem. 
Figura 12 – Transferência de recursos. 
6. Reaproveitamento do lixo 
A situação do lixo no Brasil é crítica pois a maioria do lixo é descartada incorretamente. A cada 4 sacos de lixo em São Paulo, 1 vai para locais impróprios, tais como lixões a céu aberto ou aterros precários que além de contaminar o ambiente, apresentam riscos para a saúde da população (SILVA E GROTTI, 2014). A ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais) afirma que 11.800 toneladas de resíduos por dia não recebem o tratamento adequado. O destino final dado ao lixo nas cidades brasileiras apresenta um quadro preocupante:
10 
segundo o Ministério do Meio Ambiente, das 150 mil toneladas de lixo produzidas diariamente no Brasil, apenas 13% são destinadas aos aterros sanitários. 
Na tentativa de reverter situações como essa e regulamentar o problema do lixo, existe um projeto de lei chamado Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Um dos princípios desse Plano é que o lixo seja responsabilidade do poder público, dos consumidores e dos produtores, em todas as fases do ciclo de vida do produto. Essa lei também pretende garantir incentivos à indústria da reciclagem e educar a população no sentido de reduzir o lixo e tratá-lo adequadamente. 
Foram feitas quatro propostas: incineradores, compostagem, aterro sanitário e plasma térmico, com finalidade de geração de energia através do lixo urbano. 
6.1. Incinerador – geração de energia; 
É a destruição térmica de materiais em alta temperatura por um determinado tempo,na qual o peso e o volume do lixo são reduzidos (Figura 13). Além disso, a periculosidade e patogenicidade do material também são diminuídas, o que explica seu uso para o descarte de materiais hospitalares, por exemplo. Os subprodutos são cinzas, por vezes tóxicas, que necessitam de disposição específica de acordo com o grau de periculosidade, e energia, que pode ser transformada em eletricidade.
11 
6.2. Compostagem – adubo. 
A compostagem é um processo de decomposição aeróbia controlada de lixo orgânico 
por microorganismos. As usinas de compostagem geram como subproduto do processo o composto de lixo urbano (CLU), que pode ser aplicado para correção do pH do solo e adubo. 
6.3. Aterros Sanitários (SILVA E GROTTI, 2014). 
Consiste na deposição de lixo em uma área impermeabilizada e preparada para a 
eliminação dos gases expelidos no processo de decomposição (Figura 14). 
Atualmente, os aterros têm lona ou argila de proteção, captação de chorume para 
tratamento, geração de energia pelo biogás. O vazamento pode ocorrer mesmo com as impermeabilizações de argila, como mostrado por Henken-Mellies e Gartung (2004). No Brasil, mesmo com geotêxtil (manta impermeável), é possível que ocorram vazamentos e infiltrações. Segundo os estudos de Erickson et al (2002) é o método de disposição final de resíduos que mais elimina CO2.
12 
6.4. Plasma Térmico 
Um equipamento elétrico chamado tocha de plasma provê calor extremamente alto 
para que seja feito o tratamento do lixo (Figura 15). Nesse equipamento, um gás passa por um arco elétrico de altíssima temperatura (1.700 a 10.000 ºC) e dessa forma permite que o tempo de transformação do lixo seja inferior a 1 segundo. O material a ser processado na tocha de plasma pode estar sob a forma de um produto uniforme picado ou produto densificado (briquete). 
Diante dos quatro tipos de reaproveitamento do lixo, o mais importante, porém, é considerar que cada um deles é mais adequado a determinados tipos de lixo, e dessa forma, não existe um processo melhor que os outros: a combinação de todos é que permite o tratamento do lixo da melhor forma, inclusive com maior aproveitamento energético. Não se pode esquecer que esses processos só devem ser colocados em prática após reutilizar e reciclar a maior quantidade de lixo possível. 
7. Vantagens/desvantagens e argumentos para geração de energia 
Foi feito um levantamento das vantagens e desvantagens, bem como argumentos a favor e contrários ao uso de incineradores (Quadros 1 e 2), compostagem (Quadros 3
13 
e 4), aterros sanitários (Quadros 5 e 6) e plasma térmico (Quadros 7 e 8), na geração de energia apresentados a seguir. 
Quadro 1 - Vantagens e desvantagens ao uso de incineradores. 
Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
14 
Quadro 2 - Argumentos contrários e a favor ao uso de incineradores. 
Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
15 
Quadro 3 - Vantagens e desvantagens ao uso da compostagem. 
Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
16 
Quadro 4 - Argumentos contrários e a favor ao uso da compostagem. 
Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
17 
Quadro 5 – Vantagens e desvantagens ao uso de aterros sanitários. 
Fonte: SILVA E GROTTI (2014). 
Quadro 6 – Argumentos contrários e a favor ao uso de aterros sanitários. 
Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
18 
Quadro 7 - Vantagens e desvantagens ao uso de plasma térmico. 
Fonte: SILVA E GROTTI (2014). 
Quadro 8 - Argumentos contrários e a favor ao uso de plasma térmico. 
Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
19 
8. Exemplo prático- “Projeto Boca do Lixo” 
O projeto Boca do Lixo é um grupo atuante no Brasil que existe desde 2007, o qual busca incentivar a educação ambiental de uma maneira mais socializável, proporcionando atividades criativas e atrativas, resgatando as culturas tradicionais. 
São organizadas atividades desenvolvidas em redes municipais de educação. Nelas se encontram palestras, shows com palhaços e personagens do próprio projeto e espetáculos culturais assim como oficinas e brinquedos populares, tudo com o objetivo de aprender educando a grande ideia do aproveitamento do lixo. As Figuras 16 e 17 foram tiradas do site do projeto Boca do lixo: http://www.projetobocadolixo.org/. 
Figura 16 - Turnês pelo interior de Goiás e Brasil. 
Figura 17 – Espetáculo do projeto. 
Olhando bem a fundo do projeto, veremos que a todo lugar do país existe uma mobilização com seu grande trabalho, onde estão a todo momento querendo expor à sociedade a importância da Educação Ambiental, assim como da reutilização, e do aproveitamento do lixo, isso é o mais importante. No entanto, o projeto baseia-se em oficinas para fortalecer essa ideia, como:
20 
 Músicas: Iniciando a percussão e construção de instrumentos não convencionais e formação de blocos musicais. 
 Brinquedos populares: Confecção coletiva de berra-boi, bilboquê, traca- traca, currupio e mané-gostoso. 
 Reutilizando o lixo doméstico: Confecção coletiva de puffs, carrinhos, helicópteros, vai-vem, porta treco e carteiras. 
 Cinema: Exibições de vídeos ambientais, seguidas de rodas de conversas para discussão e debates. 
 Palestras show: São trabalhadas de acordo com a demanda do solicitante e aborda os assuntos ambientais solicitados com intervenções artísticas. 
 Consultorias: Prestação de serviços em produção de eventos, feiras, seminários, atividades culturais e projetos socioambientais. 
O Grupo Cultural do Projeto Boca do Lixo trabalha como ferramenta na produção dos espetáculos o Circo, a Música, o Teatro e os Bonecos, tendo como pano de fundo em suas concepções a sustentabilidade. Os espetáculos proporcionam uma viagem pela cultura tradicional brasileira. 
A viola caipira, a percussão não convencional (confeccionados por meio da reutilização do lixo), os bonecos, brinquedos populares, danças folclóricas e poesias são elementos utilizados para abordar temas relevantes. 
O espetáculo CERRADO DAS ANTAS - Circo e Sustentabilidade consiste em uma apresentação que abarca a musica, o teatro e o circo. Na figura 18, mostra que o objetivo é disseminar a cultura socioambiental de forma diferente através deste espetáculo, de forma criativa e ecológica a fim de provar que o lixo é matéria-prima e mostrando as pessoas que a arte é algo nato do ser humano, cabendo a todos descobri-la e utilizá-la.
21 
Figura 18: espetáculo do grupo de desenvolvimento sustentável boca do lixo. 
Na figura 18, vê-se que as roupas dos integrantes, assim como seus instrumentos musicais são todos feitos de materiais oriundos da reutilização de resíduos, que promovem a identidade visual da produção. 
Na figura 19, contém mais um espetáculo, tudo com o intuito de globalizar o excelente trabalho que os integrantes do Projeto Boca do Lixo mostram à sociedade brasileira. 
Figura 19: espetáculo Cerrado Sustentável. Fonte: http://www.projetobocadolixo.org 
O espetáculo é tecido na linguagem cênica e lúdica do Circo, no entanto a denominação de Cerrado e Sustentabilidade se fez presente neste trabalho em função da preocupação com os problemas ambientais pelos quais o mundo passa.
22 
9. Considerações finais 
Assim como a redução de produção de lixo deve passar a ser pensada como uma forma de contribuir para a sustentabilidade do meio ambiente, cada indivíduo deve se sentir parte deste. Sendo assim, a redução e a reutilização poderão auxiliar a recuperação do meio ambiente, pois diminuindo os resíduos depositados no solo, este poderá se recuperar rapidamente. 
O pensamento de que todos fazemos parte do meio ambiente auxilia o desenvolvimento do sujeito ecológico, que passa a motivar a mudança de atitude e cada um pode contribuir para melhorias no âmbito social. 
10. Referências 
BRASIL, Lei Federal no 12.305 de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, 3 de agosto de 2010. 
BRASIL, Política Nacional de Resíduos Sólidos. 2012. Disponível em: http://www.saude.rs.gov.br/upload/1346166430_Lei%2012.305_02082010_politica_residuos_solidos.pdf Acesso em: 19-06-14. 
COSTA, S. S. Política Nacional de Resíduos Sólidos. 2014. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/a3p/_arquivos/1__poltica_nacional_de_resduos_ slidos___silvano_silvrio_36.pdf Acesso em: 19-04-14. 
PEREIRA NETO, J. T. Compostagem: A Grande Solução ao Equacionamento do Lixo Doméstico. Brasil, nº 1, 1989, p.5-6. REVISTA ÉPOCA.
23 
Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro. Prós e Contras da Incineração do Lixo. Série Estudos, nº 62. Julho de 2002. 
Projeto Boca do Lixo. Disponível em: www.projetobocadolixo.org. Acesso em 31-08- 14. 
Russo, M. A. T. (2003). Tratamento dos Resíduos Sólidos. Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Civil. 
SILVA, M. S.; GROTTI, T. M. Geração de energia através do lixo. 2014. Disponível em: http://www.usp.br/fau/cursos/graduacao/arq_urbanismo/disciplinas/aut0221/Trabalhos_Finais_2010/Geracao_de_Energia_Atraves_do_Lixo.pdf. Acesso em: 11-09-14.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...REDERESÍDUO
 
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
161 publicacao07102011101118 ciranda das águasDaniel Oliveira Galdino
 
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...Cepagro
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosSâmara Gomes
 
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMARESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMAHelena Coura
 
Plano de saneamento arroio dos ratos
Plano de saneamento arroio dos ratosPlano de saneamento arroio dos ratos
Plano de saneamento arroio dos ratosSâmara Gomes
 
AmBev lança “Movimento CYAN” pelo
AmBev lança “Movimento CYAN” peloAmBev lança “Movimento CYAN” pelo
AmBev lança “Movimento CYAN” peloambev
 
Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos
Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos
Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos Marcelo Felipozzi
 

Mais procurados (20)

Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]
 
GEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANAGEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANA
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
 
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
 
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
161 publicacao07102011101118 ciranda das águas
 
Artigo bioterra v15_n1_08
Artigo bioterra v15_n1_08Artigo bioterra v15_n1_08
Artigo bioterra v15_n1_08
 
AHPCE - Avaliacao Ecossistêmica Subglobal RBCV
AHPCE - Avaliacao Ecossistêmica Subglobal RBCV AHPCE - Avaliacao Ecossistêmica Subglobal RBCV
AHPCE - Avaliacao Ecossistêmica Subglobal RBCV
 
Artigo bioterra v15_n1_09
Artigo bioterra v15_n1_09Artigo bioterra v15_n1_09
Artigo bioterra v15_n1_09
 
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos Ratos
 
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMARESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
 
Gestão de Residuos
Gestão de ResiduosGestão de Residuos
Gestão de Residuos
 
Ecocidadao
EcocidadaoEcocidadao
Ecocidadao
 
Projeto 21 Doc
Projeto 21 DocProjeto 21 Doc
Projeto 21 Doc
 
Solo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRSSolo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRS
 
Apresentacao tcc
Apresentacao tccApresentacao tcc
Apresentacao tcc
 
Plano de saneamento arroio dos ratos
Plano de saneamento arroio dos ratosPlano de saneamento arroio dos ratos
Plano de saneamento arroio dos ratos
 
AmBev lança “Movimento CYAN” pelo
AmBev lança “Movimento CYAN” peloAmBev lança “Movimento CYAN” pelo
AmBev lança “Movimento CYAN” pelo
 
Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos
Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos
Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos
 
Artigo bioterra v15_n1_10
Artigo bioterra v15_n1_10Artigo bioterra v15_n1_10
Artigo bioterra v15_n1_10
 

Semelhante a Manual de educação ambiental vol 4

ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfSimoneHelenDrumond
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasGiovanna Ortiz
 
Trabalho Educação e Sustentabilidade
Trabalho Educação e SustentabilidadeTrabalho Educação e Sustentabilidade
Trabalho Educação e SustentabilidadeGellars Tavares
 
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo FruetCarta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo FruetJessica Pertile
 
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20Willian Rozendo
 
Cartilha educação ambiental MESTRADO JULLIO PARENTE
Cartilha educação ambiental MESTRADO JULLIO PARENTECartilha educação ambiental MESTRADO JULLIO PARENTE
Cartilha educação ambiental MESTRADO JULLIO PARENTEJullio Parente
 
APRESENTAÇÃO DE Gestão Ambiental - MEIO AMBIENTE.pptx
APRESENTAÇÃO DE Gestão Ambiental - MEIO AMBIENTE.pptxAPRESENTAÇÃO DE Gestão Ambiental - MEIO AMBIENTE.pptx
APRESENTAÇÃO DE Gestão Ambiental - MEIO AMBIENTE.pptxbrunomattos46
 
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃOLIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃOjohnbasadila
 
Educação Ambiental: Resíduos Sólidos e Consumo Infantil
Educação Ambiental: Resíduos Sólidos e Consumo InfantilEducação Ambiental: Resíduos Sólidos e Consumo Infantil
Educação Ambiental: Resíduos Sólidos e Consumo InfantilRonaldo Castange
 
G6 trabalho de física - reciclagem
G6   trabalho de física - reciclagemG6   trabalho de física - reciclagem
G6 trabalho de física - reciclagemcristbarb
 
Caderno Educação Ambiental do Governo do Estado de SP - Resíduos Sólidos -
Caderno Educação Ambiental do Governo do Estado de SP - Resíduos Sólidos - Caderno Educação Ambiental do Governo do Estado de SP - Resíduos Sólidos -
Caderno Educação Ambiental do Governo do Estado de SP - Resíduos Sólidos - Tainá Bimbati
 
Sustentabilidade no Brasil: Domingos Tótora como exemplo
Sustentabilidade no Brasil: Domingos Tótora como exemploSustentabilidade no Brasil: Domingos Tótora como exemplo
Sustentabilidade no Brasil: Domingos Tótora como exemploQuetelim Andreoli
 
A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioLareska Rocha
 
Programa ECO Recicla -
Programa ECO Recicla -  Programa ECO Recicla -
Programa ECO Recicla - Elaine Santos
 

Semelhante a Manual de educação ambiental vol 4 (20)

Cartilha PNRS
Cartilha PNRSCartilha PNRS
Cartilha PNRS
 
Apresentacao tcc
Apresentacao tccApresentacao tcc
Apresentacao tcc
 
Brochure PT
Brochure PTBrochure PT
Brochure PT
 
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
 
Trabalho Educação e Sustentabilidade
Trabalho Educação e SustentabilidadeTrabalho Educação e Sustentabilidade
Trabalho Educação e Sustentabilidade
 
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo FruetCarta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
 
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
 
V17n6a14
V17n6a14V17n6a14
V17n6a14
 
Tcc
TccTcc
Tcc
 
Cartilha educação ambiental MESTRADO JULLIO PARENTE
Cartilha educação ambiental MESTRADO JULLIO PARENTECartilha educação ambiental MESTRADO JULLIO PARENTE
Cartilha educação ambiental MESTRADO JULLIO PARENTE
 
APRESENTAÇÃO DE Gestão Ambiental - MEIO AMBIENTE.pptx
APRESENTAÇÃO DE Gestão Ambiental - MEIO AMBIENTE.pptxAPRESENTAÇÃO DE Gestão Ambiental - MEIO AMBIENTE.pptx
APRESENTAÇÃO DE Gestão Ambiental - MEIO AMBIENTE.pptx
 
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃOLIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
 
A coleta seletiva
A coleta seletivaA coleta seletiva
A coleta seletiva
 
Educação Ambiental: Resíduos Sólidos e Consumo Infantil
Educação Ambiental: Resíduos Sólidos e Consumo InfantilEducação Ambiental: Resíduos Sólidos e Consumo Infantil
Educação Ambiental: Resíduos Sólidos e Consumo Infantil
 
G6 trabalho de física - reciclagem
G6   trabalho de física - reciclagemG6   trabalho de física - reciclagem
G6 trabalho de física - reciclagem
 
Caderno Educação Ambiental do Governo do Estado de SP - Resíduos Sólidos -
Caderno Educação Ambiental do Governo do Estado de SP - Resíduos Sólidos - Caderno Educação Ambiental do Governo do Estado de SP - Resíduos Sólidos -
Caderno Educação Ambiental do Governo do Estado de SP - Resíduos Sólidos -
 
Sustentabilidade no Brasil: Domingos Tótora como exemplo
Sustentabilidade no Brasil: Domingos Tótora como exemploSustentabilidade no Brasil: Domingos Tótora como exemplo
Sustentabilidade no Brasil: Domingos Tótora como exemplo
 
A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meio
 
Programa ECO Recicla -
Programa ECO Recicla -  Programa ECO Recicla -
Programa ECO Recicla -
 

Último

A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Manual de educação ambiental vol 4

  • 1. 1 Ananda Helena Nunes Cunha Fernanda Pereira Gomes TEMAS E DISCUSSÕES PARA INTRODUÇÃO DO MEIO AMBIENTE EM ESCOLAS VOLUME 4 - RESÍDUOS SÓLIDOS – COMO REDUZIR O LIXO Anápolis – GO 2014
  • 2. 2 Resíduos sólidos – como reduzir o lixo Apresentação: A presente proposta tem como tema auxiliar na compreensão do lixo e de como é importante cuidar do meio ambiente. Este volume faz parte de uma coletânea de 4 volumes. O volume 1 apresenta considerações teóricas e metodológicas sobre educação ambiental, para aprendizagem significativa; o volume 2 traz aspectos relevantes á conservação da natureza, em todas as suas frentes como a vegetação, água e animais; o volume 3 apresenta considerações gerais sobre a água, aborda conceitos, relatos teóricos e metodologias sobre como trabalhar a ferramenta água na educação ambiental. Pretende-se colocar o homem como sujeito, aquele que deve e pode agir por meio em que vive. O homem é parte desse meio,e, portanto aquele que deve interagir positivamente em relação a sua parte no meio ambiente reduzindo a produção do lixo. Nesse sentido, serão apresentados conceitos, leis e formas de como reduzir e reaproveitar o lixo.
  • 3. 3 Sumário 1. O que é lixo.................................................................................................................................4 2. Geração de lixo..........................................................................................................................5 3. Política Nacional de Resíduos Sólidos ...............................................................................6 4. Tratamento de Resíduos Sólidos............................................................................................6 5. Alternativas para redução de resíduos...............................................................................7 6. Reaproveitamento do lixo.........................................................................................................9 6.1. Incinerador – geração de energia..................................................................................10 6.2. Compostagem - adubo........................................................................................................11 6.3. Aterros Sanitários..............................................................................................................11 6.4. Plasmas Térmicos.................................................................................................................12 7. Vantagens/desvantagens e argumentos para geração de energia.............................12 8. Exemplo prático - Projeto Boca do Lixo..........................................................................19 9. Considerações finais...............................................................................................................22 10. Referências.........................................................................................................................22
  • 4. 4 1. O que é lixo Conforme a Lei Federal no 12.305 de 2 de agosto de 2010, lixo é material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas (Figura 1) em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d'água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível. Figura 1 - Lixo descartado resultante de atividades humanas. Fonte: COSTA, 2014. O destino final do lixo, geralmente é o local de tratamento do mesmo, ou seja, aterro sanitário controlado. Quando o lixo não é administrado da forma correta, o destino são os rios (Figura 2), pois, sem controle, os resíduos acabam chegando aos leitos. Pereira Neto (1989) afirma que o equacionamento do lixo urbano no nosso país, na maioria dos casos, restringe-se apenas á coleta, seguida da destinação final a céu aberto “gerando as lixeiras, lixões ou monturos de lixo, que se constituem no hábitat propício de vetores biológicos (moscas, mosquitos, baratas, roedores, etc.) responsáveis pela transmissão de doenças infecciosas, como febre tifóide, salmonelas, amebíase, malária, dengue, cólera, leptospirose, etc., além de contribuir sobremaneira com a poluição do solo, do ar e das águas”.
  • 5. 5 Figura 2 - Lixo contaminando o rio. Fonte: COSTA, 2014. 2. Geração de lixo Os geradores de resíduos sólidos são pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, que geram resíduos sólidos por meio de suas atividades, nelas incluído o consumo (BRASIL, 2010); Gerenciamento de resíduos sólidos (Figura 3): conjunto de ações exercidas, direta ou indiretamente, nas etapas de coleta, transporte, transbordo, tratamento e destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, de acordo com plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos ou com plano de gerenciamento de resíduos sólidos; Gestão integrada de resíduos sólidos (Figura 4): conjunto de ações voltadas para a busca de soluções para os resíduos sólidos, de forma a considerar as dimensões política, econômica, ambiental, cultural e social, com controle social e sob a premissa do desenvolvimento sustentável. Figura 3 – Gerenciamento de resíduos sólidos (COSTA, 2014).
  • 6. 6 Figura 4 – Gestão integrada de resíduos sólidos (COSTA, 2014). 3. Política Nacional de Resíduos Sólidos (BRASIL, 2012) Essa política procura organizar a forma como o país trata o lixo, incentivando a reciclagem e a sustentabilidade. Com a aprovação da política, foi elaborado o Plano Nacional de Resíduos Sólidos, cujo texto passou por um processo de consulta pública. São três os principais pontos da política: - fechamento de lixões até 2014: até 2014 não devem mais existir lixões a céu aberto no Brasil. - só rejeitos poderão ser encaminhados aos aterros sanitários: Os rejeitos são aquela parte do lixo que não tem como ser reciclado. Elaboração de planos de resíduos sólidos nos municípios: os planos municipais serão elaborados para ajudar prefeitos e cidadãos a descartar de forma correta o lixo. 4. Tratamento de resíduos sólidos A crescente urbanização e industrialização das sociedades modernas têm originado uma produção exponencial de resíduos sólidos, problema que urge encarar com frontalidade no sentido de encontrarem as melhores soluções técnicas para o minimizar (RUSSO, 2003). Neste caso seria de grande valia estratégias em que fosse eficaz a adoção de sistemas integrados, como: • Redução e Reutilização de resíduos;
  • 7. 7 • Reciclagem; • Compostagem; • Incineração energética; • Aterro energético; •Aterro de rejeitos. • Programas de Educação Ambiental • Programas de Participação Comunitária. Essas estratégias de adoção de sistemas integrados são muito importantes quando o principal objetivo é proporcionar o descarte de cada tipo de resíduos em seu respectivo lugar apropriado, e sempre de acordo com a característica de cada tipo deste, ou seja, garrafas pets e lixos orgânicos têm características diferentes consequentemente necessitam de sistemas integrados diferentes. A coleta seletiva, assim como a reciclagem é um método muito importante para o meio ambiente, o qual procura recolher materiais recicláveis, proporcionando organização e a reutilização do mesmo. A coleta seletiva funciona, também, como um processo de educação ambiental na medida em que sensibiliza a comunidade sobre os problemas do desperdício de recursos naturais e da poluição causada pelo lixo. 5. Alternativas para redução de resíduos Controle social: conjunto de mecanismos e procedimentos que garantam à sociedade informações e participação nos processos de formulação, implantação e avaliação das políticas públicas relacionadas aos resíduos sólidos; Algumas ações podem ser realizadas para a redução da disposição final dos resíduos sólidos, como construção de galpões para separação de materiais ; apoio a Programas de Coleta Seletiva, como caminhões para a coleta.
  • 8. 8 As Figuras 5 e 6 apresentam a construção de centros de reciclagem e aterros sanitários, que se apresentam como alternativas viáveis para estimular a coleta seletiva e reforçar a atividade dos catadores. Figura 5 – Construção de Centros de Reciclagem. Figura 6 – Construção de Aterros Sanitários. As Figuras 7 e 8 apresentam a coleta seletiva e as triagens de reciclados como atitudes para reduzir a disposição inadequada dos resíduos sólidos e rejeitos em geral. Figura 7 – Coleta Seletiva. Figura 8 – Triagens de reciclados. Auxílio a associações de catadores e pontos de entrega voluntária se apresenta como atividades sociais em desenvolvimento voltadas à preocupação com o meio ambiente (Figuras 9 e 10).
  • 9. 9 Figura 9 – Associações de catadores. Figura 10 – Pontos de Entrega Voluntária. Para a destinação final dos resíduos orgânicos podemos observar a compostagem, que é a transformação das cascas de vegetais, restos alimentares e outros que não são recicláveis, como forma de reaproveitamento da forma de adubo (Figura 11). Assim como a transferência de conhecimento para auxiliar a coleta seletiva (Figura 12). Figura 11 – Compostagem. Figura 12 – Transferência de recursos. 6. Reaproveitamento do lixo A situação do lixo no Brasil é crítica pois a maioria do lixo é descartada incorretamente. A cada 4 sacos de lixo em São Paulo, 1 vai para locais impróprios, tais como lixões a céu aberto ou aterros precários que além de contaminar o ambiente, apresentam riscos para a saúde da população (SILVA E GROTTI, 2014). A ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais) afirma que 11.800 toneladas de resíduos por dia não recebem o tratamento adequado. O destino final dado ao lixo nas cidades brasileiras apresenta um quadro preocupante:
  • 10. 10 segundo o Ministério do Meio Ambiente, das 150 mil toneladas de lixo produzidas diariamente no Brasil, apenas 13% são destinadas aos aterros sanitários. Na tentativa de reverter situações como essa e regulamentar o problema do lixo, existe um projeto de lei chamado Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Um dos princípios desse Plano é que o lixo seja responsabilidade do poder público, dos consumidores e dos produtores, em todas as fases do ciclo de vida do produto. Essa lei também pretende garantir incentivos à indústria da reciclagem e educar a população no sentido de reduzir o lixo e tratá-lo adequadamente. Foram feitas quatro propostas: incineradores, compostagem, aterro sanitário e plasma térmico, com finalidade de geração de energia através do lixo urbano. 6.1. Incinerador – geração de energia; É a destruição térmica de materiais em alta temperatura por um determinado tempo,na qual o peso e o volume do lixo são reduzidos (Figura 13). Além disso, a periculosidade e patogenicidade do material também são diminuídas, o que explica seu uso para o descarte de materiais hospitalares, por exemplo. Os subprodutos são cinzas, por vezes tóxicas, que necessitam de disposição específica de acordo com o grau de periculosidade, e energia, que pode ser transformada em eletricidade.
  • 11. 11 6.2. Compostagem – adubo. A compostagem é um processo de decomposição aeróbia controlada de lixo orgânico por microorganismos. As usinas de compostagem geram como subproduto do processo o composto de lixo urbano (CLU), que pode ser aplicado para correção do pH do solo e adubo. 6.3. Aterros Sanitários (SILVA E GROTTI, 2014). Consiste na deposição de lixo em uma área impermeabilizada e preparada para a eliminação dos gases expelidos no processo de decomposição (Figura 14). Atualmente, os aterros têm lona ou argila de proteção, captação de chorume para tratamento, geração de energia pelo biogás. O vazamento pode ocorrer mesmo com as impermeabilizações de argila, como mostrado por Henken-Mellies e Gartung (2004). No Brasil, mesmo com geotêxtil (manta impermeável), é possível que ocorram vazamentos e infiltrações. Segundo os estudos de Erickson et al (2002) é o método de disposição final de resíduos que mais elimina CO2.
  • 12. 12 6.4. Plasma Térmico Um equipamento elétrico chamado tocha de plasma provê calor extremamente alto para que seja feito o tratamento do lixo (Figura 15). Nesse equipamento, um gás passa por um arco elétrico de altíssima temperatura (1.700 a 10.000 ºC) e dessa forma permite que o tempo de transformação do lixo seja inferior a 1 segundo. O material a ser processado na tocha de plasma pode estar sob a forma de um produto uniforme picado ou produto densificado (briquete). Diante dos quatro tipos de reaproveitamento do lixo, o mais importante, porém, é considerar que cada um deles é mais adequado a determinados tipos de lixo, e dessa forma, não existe um processo melhor que os outros: a combinação de todos é que permite o tratamento do lixo da melhor forma, inclusive com maior aproveitamento energético. Não se pode esquecer que esses processos só devem ser colocados em prática após reutilizar e reciclar a maior quantidade de lixo possível. 7. Vantagens/desvantagens e argumentos para geração de energia Foi feito um levantamento das vantagens e desvantagens, bem como argumentos a favor e contrários ao uso de incineradores (Quadros 1 e 2), compostagem (Quadros 3
  • 13. 13 e 4), aterros sanitários (Quadros 5 e 6) e plasma térmico (Quadros 7 e 8), na geração de energia apresentados a seguir. Quadro 1 - Vantagens e desvantagens ao uso de incineradores. Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
  • 14. 14 Quadro 2 - Argumentos contrários e a favor ao uso de incineradores. Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
  • 15. 15 Quadro 3 - Vantagens e desvantagens ao uso da compostagem. Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
  • 16. 16 Quadro 4 - Argumentos contrários e a favor ao uso da compostagem. Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
  • 17. 17 Quadro 5 – Vantagens e desvantagens ao uso de aterros sanitários. Fonte: SILVA E GROTTI (2014). Quadro 6 – Argumentos contrários e a favor ao uso de aterros sanitários. Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
  • 18. 18 Quadro 7 - Vantagens e desvantagens ao uso de plasma térmico. Fonte: SILVA E GROTTI (2014). Quadro 8 - Argumentos contrários e a favor ao uso de plasma térmico. Fonte: SILVA E GROTTI (2014).
  • 19. 19 8. Exemplo prático- “Projeto Boca do Lixo” O projeto Boca do Lixo é um grupo atuante no Brasil que existe desde 2007, o qual busca incentivar a educação ambiental de uma maneira mais socializável, proporcionando atividades criativas e atrativas, resgatando as culturas tradicionais. São organizadas atividades desenvolvidas em redes municipais de educação. Nelas se encontram palestras, shows com palhaços e personagens do próprio projeto e espetáculos culturais assim como oficinas e brinquedos populares, tudo com o objetivo de aprender educando a grande ideia do aproveitamento do lixo. As Figuras 16 e 17 foram tiradas do site do projeto Boca do lixo: http://www.projetobocadolixo.org/. Figura 16 - Turnês pelo interior de Goiás e Brasil. Figura 17 – Espetáculo do projeto. Olhando bem a fundo do projeto, veremos que a todo lugar do país existe uma mobilização com seu grande trabalho, onde estão a todo momento querendo expor à sociedade a importância da Educação Ambiental, assim como da reutilização, e do aproveitamento do lixo, isso é o mais importante. No entanto, o projeto baseia-se em oficinas para fortalecer essa ideia, como:
  • 20. 20  Músicas: Iniciando a percussão e construção de instrumentos não convencionais e formação de blocos musicais.  Brinquedos populares: Confecção coletiva de berra-boi, bilboquê, traca- traca, currupio e mané-gostoso.  Reutilizando o lixo doméstico: Confecção coletiva de puffs, carrinhos, helicópteros, vai-vem, porta treco e carteiras.  Cinema: Exibições de vídeos ambientais, seguidas de rodas de conversas para discussão e debates.  Palestras show: São trabalhadas de acordo com a demanda do solicitante e aborda os assuntos ambientais solicitados com intervenções artísticas.  Consultorias: Prestação de serviços em produção de eventos, feiras, seminários, atividades culturais e projetos socioambientais. O Grupo Cultural do Projeto Boca do Lixo trabalha como ferramenta na produção dos espetáculos o Circo, a Música, o Teatro e os Bonecos, tendo como pano de fundo em suas concepções a sustentabilidade. Os espetáculos proporcionam uma viagem pela cultura tradicional brasileira. A viola caipira, a percussão não convencional (confeccionados por meio da reutilização do lixo), os bonecos, brinquedos populares, danças folclóricas e poesias são elementos utilizados para abordar temas relevantes. O espetáculo CERRADO DAS ANTAS - Circo e Sustentabilidade consiste em uma apresentação que abarca a musica, o teatro e o circo. Na figura 18, mostra que o objetivo é disseminar a cultura socioambiental de forma diferente através deste espetáculo, de forma criativa e ecológica a fim de provar que o lixo é matéria-prima e mostrando as pessoas que a arte é algo nato do ser humano, cabendo a todos descobri-la e utilizá-la.
  • 21. 21 Figura 18: espetáculo do grupo de desenvolvimento sustentável boca do lixo. Na figura 18, vê-se que as roupas dos integrantes, assim como seus instrumentos musicais são todos feitos de materiais oriundos da reutilização de resíduos, que promovem a identidade visual da produção. Na figura 19, contém mais um espetáculo, tudo com o intuito de globalizar o excelente trabalho que os integrantes do Projeto Boca do Lixo mostram à sociedade brasileira. Figura 19: espetáculo Cerrado Sustentável. Fonte: http://www.projetobocadolixo.org O espetáculo é tecido na linguagem cênica e lúdica do Circo, no entanto a denominação de Cerrado e Sustentabilidade se fez presente neste trabalho em função da preocupação com os problemas ambientais pelos quais o mundo passa.
  • 22. 22 9. Considerações finais Assim como a redução de produção de lixo deve passar a ser pensada como uma forma de contribuir para a sustentabilidade do meio ambiente, cada indivíduo deve se sentir parte deste. Sendo assim, a redução e a reutilização poderão auxiliar a recuperação do meio ambiente, pois diminuindo os resíduos depositados no solo, este poderá se recuperar rapidamente. O pensamento de que todos fazemos parte do meio ambiente auxilia o desenvolvimento do sujeito ecológico, que passa a motivar a mudança de atitude e cada um pode contribuir para melhorias no âmbito social. 10. Referências BRASIL, Lei Federal no 12.305 de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, 3 de agosto de 2010. BRASIL, Política Nacional de Resíduos Sólidos. 2012. Disponível em: http://www.saude.rs.gov.br/upload/1346166430_Lei%2012.305_02082010_politica_residuos_solidos.pdf Acesso em: 19-06-14. COSTA, S. S. Política Nacional de Resíduos Sólidos. 2014. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/a3p/_arquivos/1__poltica_nacional_de_resduos_ slidos___silvano_silvrio_36.pdf Acesso em: 19-04-14. PEREIRA NETO, J. T. Compostagem: A Grande Solução ao Equacionamento do Lixo Doméstico. Brasil, nº 1, 1989, p.5-6. REVISTA ÉPOCA.
  • 23. 23 Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro. Prós e Contras da Incineração do Lixo. Série Estudos, nº 62. Julho de 2002. Projeto Boca do Lixo. Disponível em: www.projetobocadolixo.org. Acesso em 31-08- 14. Russo, M. A. T. (2003). Tratamento dos Resíduos Sólidos. Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Civil. SILVA, M. S.; GROTTI, T. M. Geração de energia através do lixo. 2014. Disponível em: http://www.usp.br/fau/cursos/graduacao/arq_urbanismo/disciplinas/aut0221/Trabalhos_Finais_2010/Geracao_de_Energia_Atraves_do_Lixo.pdf. Acesso em: 11-09-14.