SlideShare uma empresa Scribd logo
A c i d e n t e s e A c i d e n t e d e t r a b a l h o
| 4/6
Causas e consequências
Diversos fatores podem provocar acidentes de trabalho como falta de
manutenção do maquinário, não utilização de equipamentos de segurança e
até mesmo falta de organização. No entanto, as causas desses tipos de
acidentes podem ser classificadas em três grupos principais: ato abaixo do
padrão, condição abaixo do padrão e fator pessoal de insegurança. Vamos
conhecer melhor cada um deles?
 Ato inseguro (ato abaixo do padrão): são aqueles que dependem das
ações dos homens como fontes causadoras de acidentes. Ex: deixar de
usar equipamento de proteção individual, entrar em áreas não
permitidas e operar máquinas sem estar habilitado.
 Condição insegura (condição abaixo do padrão): são as condições
físicas no ambiente de trabalho que podem gerar acidentes. Ex: piso
escorregadio, ferramentas em mau estado de conservação e iluminação
e ventilação inadequadas.
 Fator pessoal de insegurança: As pessoas cometem atos inseguros ou
criam condições inseguras ou colaboram para que elas continuem
existindo, pelo seu modo de agir. Ex: desconhecimento dos riscos de
acidentes, treinamento inadequado, excesso de confiança, etc.
A ocorrência dos acidentes de trabalho, independente do tipo que ele seja,
pode gerar conseqüências para a empresa, o trabalhador e a sociedade. Para
o trabalhador, por exemplo, pode causar sofrimento físico, desamparo à família
e incapacidade para o trabalho. Já a empresa pode sofrer com a perda de
faturamento, gasto com serviços médicos e perda de tempo e produtos. Quanto
à sociedade, podem existir impactos como: aumento de impostos e do custo
de vida e perda de elementos produtivos.
Doença ocupacional
A doença ocupacional está diretamente ligada à modificação na saúde do
trabalhador por causa da atividade desempenhada por ele ou da condição de
trabalho às quais ele está submetido. Dessa forma, ela pode ser classificada
como Doença Profissional ou Doença do Trabalho.
A Doença Profissional é a modificação na saúde do trabalhador,
desencadeada pelo exercício da sua atividade profissional. Por exemplo,
um motorista de caçamba que fica com um problema de coluna por causa de
problemas de postura ao conduzir o veículo.
A Doença do Trabalho é a modificação na saúde do trabalhador,
desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é
realizado e com ele se relaciona diretamente. Por exemplo, um motorista de
caminhão que adquire um problema respiratório, porque trabalha em uma
mineradora e acaba respirando muita poeira.
A c i d e n t e s e A c i d e n t e d e t r a b a l h o
| 6/6
Gerenciamento de Risco
Para controlar a ocorrência de acidentes de trabalho e, dessa forma, preservar
a saúde dos funcionários e, conseqüentemente, a produtividade da empresa; é
necessário fazer o gerenciamento de risco. Esse tipo de gerenciamento visa à
identificação e avaliação de todos os perigos atuais e futuros ocorridos no
ambiente de trabalho.
Atualmente, diversas técnicas de identificação de perigos e avaliações de
riscos são utilizadas em todo o mundo. As mais conhecidas são:
 Análise preliminar de riscos (APR);
 Hazard and Operability Studies (HAZOP);
 Análise de Árvore de Falhas (AAF).
Essas metodologias vão auxiliar a descobrir que tipo de riscos o funcionário da
empresa corre no ambiente de trabalho, bem como o que fazer para eliminar
esses riscos e diminuir as possíveis situações de perigo.
A identificação de perigo e a avaliação de riscos são de fundamental
importância para a empresa, pois, se mal feitas, todas as ações decorrentes
serão realizadas de forma inadequada ou incompleta. E isso pode significar
perdas materiais e/ou pessoais.
Resumo
Acidente de trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho, a serviço
da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados especiais,
provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte do
trabalhador, a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade
para o trabalho (invalidez). É muito importante observar que um acidente não é
simples obra do acaso e pode trazer conseqüências indesejáveis. Em outras
palavras: acidentes podem ser previstos.
E, se podem ser previstos, podem ser evitados!
R i s c o s a m b i e n t a i s
| 1/8
Introdução
Sabendo de tudo que aconteceu com João e seus colegas de trabalho na
oficina, nesta unidade, você vai precisar identificar que tipo de riscos ele correu
ao circular pelo local sem atender às medidas de segurança e o que ele
precisaria fazer para evitar os acidentes.
Para isso, é necessário que você aprenda a identificar os riscos de uma tarefa;
perceba a possibilidade de existência desses riscos; quantifique-os e, por fim,
aprenda como minimizá-los e eliminá-los do local.
Mas o que são riscos? Que tipo de coisas podem causar acidentes como o
sofrido por João e os colegas de trabalho na oficina?
R i s c o s a m b i e n t a i s
| 2/8
De acordo com o minidicionário Houaiss, o termo risco significa probabilidade
de perigo ou probabilidade de insucesso. Aqui, você vai aprender um pouco
mais sobre os riscos ambientais existentes nos locais de trabalho.
Os riscos ambientais são aqueles causados por agentes físicos, químicos ou
biológicos que, a depender de sua natureza, concentração, intensidade ou
tempo de exposição, podem comprometer a segurança e a saúde dos
funcionários, bem como a produtividade da empresa.
Quando não são controlados ou previamente avaliados, os riscos ambientais
afetam o trabalhador a curto, médio e longo prazo, podendo provocar acidentes
com lesões imediatas e/ou doenças chamadas profissionais ou do trabalho,
que se podem ser comparadas aos acidentes do trabalho.
Os riscos ambientais são classificados segundo a sua natureza e forma com
que atuam no organismo humano. Dessa forma, podem ser físicos, químicos,
biológicos, ergonômicos e de acidentes.
R i s c o s a m b i e n t a i s
| 4/8
Agentes físicos
Os agentes de riscos físicos podem ser definidos como os diversos tipos de
energia aos quais o trabalhador é exposto durante a realização de suas
atividades. Por exemplo, uma temperatura muito baixa ou extremamente alta.
Além desse, podem ser considerados agentes físicos:
 Ruído - as máquinas e equipamentos utilizados pelas empresas
produzem ruídos que podem atingir níveis excessivos, podendo
provocar graves prejuízos à saúde. Os principais efeitos do ruído
excessivo sobre uma pessoa pode ser a surdez total ou parcial, o stress
e/ou a redução do apetite sexual.
 Vibrações mecânicas - na indústria, é comum o uso de máquinas e
equipamentos que produzem vibrações (movimentos) que podem
prejudicar o trabalhador. As vibrações podem ser localizadas ou
generalizadas
 Radiações ionizantes - os operadores de aparelhos de Raios X
freqüentemente estão expostos a esse tipo de radiação que pode afetar
o organismo ou se manifestar nos descendentes. Alguns dos efeitos
produzidos por este agente são anemia, leucemia, câncer e/ou
alterações genéticas.
 Radiações não ionizantes - as radiações infravermelho (presentes em
operações de fornos e de solda oxiacetilênica), raios laser e ultravioleta
(produzida pela solda elétrica) podem causar ou agravar problemas
visuais, além de provocar sobrecarga térmica, queimaduras, câncer de
pele e aumento da atividade da tireóide.
Agentes químicos
Os agentes de riscos químicos podem ser definidos como as substâncias ou
compostos que possam penetrar no organismo do trabalhador. Esses agentes,
quando entram em contato com a pessoa, podem provocar danos à saúde de
forma imediata, há médio ou longo prazo.
O contato dos agentes químicos com as pessoas pode ocorrer de três formas:
 Por via respiratória – os agentes penetram pelo nariz e boca, afetando
a garganta e chegando aos pulmões. Através da circulação sanguínea,
podem seguir para outros órgãos, onde manifestam os seus efeitos
tóxicos, tais como asma, bronquites, pneumoconiose etc.
 Por via cutânea - os ácidos, álcalis e solventes, ao atingirem a pele,
podem ser absorvidos e provocar lesões como alterações na circulação
e oxigenação do sangue, nos glóbulos vermelhos e problemas na
medula óssea.
 Por via digestiva - a contaminação do organismo ocorre pela ingestão
acidental ou não de substâncias nocivas, presentes em alimentos
contaminados, deteriorados ou na saliva. Hábitos inadequados como o
de alimentar-se ou ingerir líquidos no local de trabalho, umedecer lábios
com a língua, usar as mãos para beber água e a falta de higiene
contribuem para a ingestão desse tipo de agente. Conforme o tipo de
produto ingerido, pode ocorrer queimadura na boca, queimadura do
esôfago e estômago etc.
Agentes biológicos
Os agentes de riscos biológicos surgem do contato do homem com certos
micróbios e animais no ambiente de trabalho. Algumas atividades facilitam o
contato dos trabalhadores com esse tipo de agentes como atividades em
hospitais, a coleta do lixo, as indústrias de alimentação, laboratórios, dentre
outros. Esses agentes podem causar doenças como tuberculose, intoxicação
alimentar, brucelose, malária, febre amarela etc.
As medidas preventivas mais comuns para esse tipo de agentes são o controle
médico permanente, o uso de equipamentos de proteção individual, a higiene
rigorosa nos locais de trabalho, os hábitos de higiene pessoal, o uso de roupas
adequadas, a vacinação e o treinamento.
Riscos ergonômicos
Os riscos ergonômicos estão relacionados às condições de trabalho dos
funcionários como cadeiras e mesas adequadas, maquinário moderno,
conscientização dos trabalhadores etc. Esses agentes podem gerar distúrbios
psicológicos e fisiológicos como fadiga, dores musculares, fraquezas,
hipertensão arterial, úlcera duodenal, doenças do sistema nervoso, alterações
do ritmo normal de sono e da libido, acidentes, problemas de coluna,
taquicardia, angina, infarto, diabetes, asma etc.
Para evitar que essas situações comprometam a atividade, é necessário
adequar as condições de trabalho ao homem. Essa adequação pode ser obtida
por meio de modernização de máquinas e equipamentos, uso de ferramentas
adequadas, alterações no ritmo de tarefas, postura adequada, simplificação e
diversificação do trabalho, entre outros.
Riscos mecânicos
Os riscos mecânicos estão relacionados às condições físicas (do ambiente
físico de trabalho) e tecnológicas impróprias, capazes de colocar em perigo a
integridade física do trabalhador. São considerados riscos geradores de
acidentes: arranjo físico deficiente, máquinas e equipamentos sem proteção,
ferramentas inadequadas ou defeituosas, eletricidade, incêndio ou explosão,
animais peçonhentos e armazenamento inadequado.
A principal medida para prevenir os acidentes por riscos mecânicos é realizar
um programa de inspeções de segurança. Por meio de exame criterioso de
todas as máquinas e instalações, é possível evitar acidentes e reparar as
situações de risco potencial. A manutenção preventiva eficiente e sistemática é
a melhor, para eliminar os riscos mecânicos de acidente
Resumo
Os riscos ambientais são aqueles causados por agentes físicos, químicos ou
biológicos que, a depender de sua natureza, concentração, intensidade ou
tempo de exposição, podem comprometer a segurança e a saúde dos
funcionários, bem como a produtividade da empresa.
Quando não são controlados ou previamente avaliados, os riscos ambientais
afetam o trabalhador a curto, médio e longo prazo, podendo provocar acidentes
com lesões imediatas e/ou doenças chamadas profissionais ou do trabalho,
que podem ser comparadas aos acidentes do trabalho.
O r g a n i z a ç ã o d o l o c a l d e t r a b a l h o
| 1/6
Introdução
Nesta unidade, você ficou responsável por reorganizar o ambiente da oficina
em que João trabalha. Dessa forma, você vai precisar saber como identificar os
aspectos que podem ser melhorados, além de como fazer para melhorá-los.
Para conseguir solucionar mais esse desafio, é necessário que você aprenda a
aplicar a política do “5 S”, a realizar o manuseio de materiais de forma segura,
bem como identificar o ambiente a partir das cores e sinalizações de
segurança, como também fazer a orientação das pessoas sobre a forma
correta de como usar escadas e andar em segurança.
Vamos começar!
Um local de trabalho limpo e organizado, com pessoas conscientes de suas
responsabilidades, é fundamental para minimizar os acidentes de trabalho e
impactos ao Meio Ambiente. No entanto, por incrível que pareça, essa não é
uma tarefa fácil. A pressa, os prazos curtos e o estresse do dia-a-dia, muitas
vezes, colaboram para que cada vez mais as pessoas deixem de lado coisas
simples, mas que podem colaborar com a limpeza e organização do local de
trabalho, como limpar a mesa antes de ir para casa, separar o lixo antes de
jogá-lo fora, dentre outras coisas.
Para ajudar nessa difícil tarefa, os orientais desenvolveram um programa que
auxilia na melhoria da qualidade, produtividade, segurança e saúde do trabalho
em equipe e da satisfação dos funcionários no ambiente de trabalho. É o
famoso “5 S” ou Programa dos Cinco Sensos.
Este programa é a porta de entrada para uma boa Gestão Integrada de
Segurança, Qualidade e Meio Ambiente, visto que possibilita uma maior
motivação para a qualidade e apresenta resultados rápidos e visíveis. A prática
contínua do “5 S” permite uma mudança interior que resulta em hábitos de
organização e limpeza saudáveis.
Para começar esta mudança, devemos considerar alguns aspectos importantes
como iluminação do local de trabalho, transporte, armazenamento e manuseio
de materiais, sinalização de segurança, e pisos e escadas. Vamos lá?
Os locais de trabalho devem ter iluminação adequada, natural ou artificial,
apropriada à natureza da atividade. Ou seja, o tipo de iluminação utilizada no
ambiente de trabalho deve estar relacionado ao tipo de atividade que é
realizada ali. Além de ser distribuída e difusa de maneira uniforme (igual), a
iluminação deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento,
reflexos incômodos, sombras e contrastes excessivos.
No ambiente de trabalho, é comum encontrar alguns problemas que precisam
ser evitados como:
 Nível insuficiente de iluminação – esse tipo de problema pode causar
percepção inadequada dos detalhes, queda de rendimento do
trabalhador, além de erros, cansaço etc.;
 Claridade excessiva ou de ofuscamento – gera a fadiga visual;
 Tamanho inadequado de letras e objetos – ocasiona fadiga visual e
posturas forçadas, para enxergar melhor;
 Inexistência de bom contraste dos limites do objeto;
 Uso de lâmpadas de baixa reprodutibilidade cromática como
lâmpadas de vapor de sódio para atividades em que a percepção de
cores é fundamental.
Transporte e armazenamento de materiais
O procedimento de Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de
Materiais estabelece os requisitos de segurança a serem observados nos
locais de trabalho, tanto de forma mecânica quanto manual, e tem o objetivo de
prevenir acidentes.
Veja alguns dos requisitos estabelecidos pelo procedimento na lista abaixo:
 Os equipamentos de transporte motorizados deverão possuir sinal de
advertência sonora (buzina).
 Todos os transportadores industriais serão permanentemente
inspecionados e as peças defeituosas, ou que apresentem deficiências,
deverão ser imediatamente substituídas.
 O peso do material armazenado não poderá exceder a capacidade de
carga calculada para o piso.
 O armazenamento deverá obedecer aos requisitos de segurança
especiais a cada tipo de material.
 O material armazenado deverá ser disposto de forma a evitar a
obstrução de portas, equipamentos contra incêndio, saídas de
emergências etc.
Sinalização de segurança
A sinalização de segurança é fundamental para estabelecer a padronização
das cores a serem utilizadas para classificar o nível de perigo das áreas e,
dessa forma, preservar a saúde e a integridade física dos trabalhadores. Em
função dessa necessidade, através da Norma Regulamentadora NR-26,
padronizou-se a aplicação das cores, de modo que o seu significado seja
sempre o mesmo na área de segurança do trabalho, permitindo, assim, uma
identificação imediata do risco existente.
Clique em cada uma das cores para saber o seu significado no ambiente de
trabalho.
O uso de cores deverá ser o mais reduzido possível, a fim de não ocasionar
distração, confusão e fadiga ao trabalhador. Além disso, o uso de cores não
dispensa o emprego de outras formas de prevenção de acidentes.
OBS: Além destas cores citadas, existem também outras cores como:
azul, lilás, púrpura, preto, laranja, cinza, alumínio e marrom.
Pisos e escadas
Quando se fala em organização e segurança do ambiente de trabalho, é
preciso ter uma atenção especial no que diz respeito ao piso e às escadas.
Muitos acidentes, nos locais de
trabalho, são causados por causa de algumas falhas nesses dois itens do
ambiente.
Vamos saber que tipo de precauções, com esses dois fatores de risco,
podemos ter?
Os pisos dos locais de trabalho não devem apresentar saliências nem
depressões que prejudiquem a circulação de pessoas ou a movimentação de
materiais. As aberturas nos pisos e nas paredes devem ser protegidas de
forma que impeçam a queda de pessoas ou objetos. Os pisos devem oferecer
resistência suficiente para suportar as cargas móveis e fixas para as quais a
edificação se destina.
As escadas devem ser construídas de acordo com as normas técnicas oficiais
e mantidas em perfeito estado de conservação.
As escadas provisórias de uso coletivo devem ser dimensionadas em função
do fluxo de trabalhadores, respeitando-se a largura mínima de 0,80 cm (oitenta
centímetros), devendo ter pelo menos a cada 2,90m (dois metros e noventa
centímetros) de altura um patamar intermediário.
Os patamares intermediários devem ter largura e comprimento, no mínimo,
iguais à largura da escada.
A escada de mão deve ter seu uso restrito para acessos provisórios e serviços
de pequeno porte. É proibido o uso de escada de mão junto a redes e
equipamentos elétricos desprotegidos.
Resumo
O Programa dos Cinco Sensos ou “5 S” é a porta de entrada para uma boa
Gestão Integrada de Segurança, Qualidade e Meio Ambiente, visto que
possibilita uma maior motivação para a qualidade e apresenta resultados
rápidos e visíveis. A prática contínua do “5 S” permite uma mudança interior
que resulta em hábitos de organização e limpeza saudáveis. Para que essa
mudança ocorra, é preciso considerar alguns aspectos importantes como
iluminação do local de trabalho; transporte, armazenamento e manuseio de
materiais; sinalização de segurança; e pisos e escadas.
H i g i e n e e S a ú d e
| 2/4
Princípios de Higiene e Saúde Pessoal
Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não
apenas a ausência de doença. De acordo com a Organização Mundial de
Saúde (OMS), a falta de uma alimentação balanceada, de exercícios físicos
regulares e o tabagismo são os três principais fatores de risco à saúde, mas
podem ser evitados com hábitos de vida saudáveis.
Algumas medidas simples podem ser adotadas no dia-a-dia para garantir
saúde há longo prazo. Clique em cada uma das palavras abaixo para saber um
pouco mais.
 Alimentação;
 Atividade Física;
 Vacinação.
A l i m e n t a ç ã o
Para ter uma vida saudável, você precisa consumir alimentação saudável e
equilibrada, à base de frutas, verduras e legumes; reduzir o consumo de
alimentos gordurosos, optando por alimentos cozidos ou assados, ao invés de
fritos. Além disto, é preciso diminuir a ingestão de sal e alimentos ricos em
açúcar, e sempre preferir água ao invés de refrigerantes e bebidas alcoólicas.
A t i v i d a d e F í s i c a
A atividade física regular tem como finalidade preservar o bem-estar físico,
psíquico e social da pessoa. A falta de atividade física é reconhecida como um
dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares. A atividade
física deve ser praticada pelo menos três vezes por semana, com sessões de,
pelo menos, 30 minutos de duração.
V a c i n a ç ã o
A vacinação pode prevenir as doenças como tétano, febre amarela, hepatite,
gripe, entre outros. Essa é uma importante medida para manutenção da saúde.
Para ter maiores informações, é importante procurar um posto de saúde mais
próximo de sua casa.
Princípios de Higiene Ambiental
Higiene Ambiental é a ciência e a arte dedicada à antecipação,
reconhecimento, avaliação e controle de fatores e riscos ambientais
originados nos postos de trabalho e que podem causar enfermidades, prejuízos
para a saúde ou bem-estar dos trabalhadores, sem perder de vista, claro, o
impacto na comunidade e no meio ambiente em geral. Vamos conhecer melhor
cada uma das etapas do processo de higiene ambiental.
A antecipação serve para determinar os riscos potenciais existentes,
estudando as modificações das instalações e verificando a introdução de novos
processos ou alterações dos já existentes, incluindo medidas para redução ou
eliminação dos riscos.
A avaliação designa os monitoramentos que serão conduzidos no ambiente de
trabalho para saber a que tipo de riscos os empregados são expostos durante
um período de tempo.
A terceira etapa é o reconhecimento. Nela, é feita toda análise e observação
do ambiente de trabalho, a fim de identificar os agentes existentes, os
potenciais de risco a ele associados e qual a prioridade de controle existe no
local.
O controle, por sua vez, está associado à eliminação ou minimização dos
potenciais de exposição, antecipados, reconhecidos e avaliados no ambiente
de trabalho considerado.
É importante deixar claro que a Higiene Ambiental de uma empresa, como
pôde ser visto por você, está diretamente ligada à administração dos riscos
existentes no ambiente de trabalho e, conseqüentemente, à saúde do
trabalhador e ao sucesso da empresa. Mas você lembra o que são riscos
ambientais?
Riscos ambientais
Como você aprendeu na Unidade 2 deste curso, os riscos ambientais são
aqueles causados por agentes físicos, químicos e biológicos, que, presentes
nos ambientes de trabalho, podem provocar danos à saúde do trabalhador em
função de sua natureza, concentração, intensidade ou tempo de exposição.
Para saber como se prevenir de doenças causadas por esses agentes, clique
nos textos abaixo:
 Prevenção de Doenças Causadas por Agentes Químicos
 Prevenção de Doenças Causadas por Agentes Físicos
 Prevenção de Doenças Causadas por Agentes Biológicos
Veja também algumas formas de prevenção das doenças relacionadas ao
trabalho.
Juntando esse conceito e tudo que você aprendeu sobre reconhecer, prevenir
e eliminar riscos, você está pronto para fazer Higiene Ambiental na empresa
onde trabalha.
Lembre-se que essas coisas são bastante importantes para garantir a saúde e
segurança do trabalhador. Um local de trabalho limpo com pessoas orientadas
quanto à preservação da Saúde e do Meio Ambiente é essencial para manter
seu conforto físico e o equilíbrio mental. Portanto, fique atento e, se ainda tiver
alguma dúvida, volte ao conteúdo sempre que você achar necessário.
P r e v e n ç ã o d e D o e n ç a s C a u s a d a s p o r
A g e n t e s Q u í m i c o s
Os agentes químicos podem causar intoxicações nos trabalhadores se usados
sem os cuidados necessários. Dentre as medidas preventivas das intoxicações
ocupacionais pode-se considerar: o armazenamento; a utilização e o descarte
de produtos químicos da forma correta; a manutenção de ordem e limpeza
rigorosa nos locais de trabalho e de permanência dos trabalhadores; higiene
pessoal rigorosa e o uso de EPIs.
Os agentes químicos tendem a se expandir no ar e atingir as vias
respiratórias dos trabalhadores. Estes agentes químicos, após serem
inalados, podem ser absorvidos, atingir a circulação sanguínea e provocar
danos à saúde.
A absorção digestiva pode resultar da ingestão de resíduos de produtos
químicos presentes nas mãos e unhas sujas, da alimentação no local de
trabalho e de ingestão acidental.
A pele pode ser porta de entrada de agentes químicos no estado líquido pelo
contato direto, ou pelo uso de roupas impregnadas por resíduos químicos.
P r e v e n ç ã o d e D o e n ç a s C a u s a d a s p o r
A g e n t e s F í s i c o s
Agentes físicos são as diferentes formas de energia presentes no local de
trabalho como por exemplo: ruídos, radiações ionizantes e não ionizantes e
temperaturas anormais. Veja abaixo um destes exemplos e seus efeitos à
saúde.
Quando uma pessoa é exposta a um ruído com intensidade superior ao limite
de 85 decibéis/8h, como prevê a legislação vigente, poderá perder sua
capacidade auditiva para sempre. O ruído põe em risco a segurança do
trabalhador, interfere na sua comunicação, dificulta a concentração, causa
irritabilidade, cansaço e alterações no sono.
Medida preventiva adotada nos locais que tenha muito ruído: em primeiro lugar
o isolamento do ruído na fonte de emissão do agente. Caso não seja possível,
a utilização do equipamento de proteção auditiva pelo trabalhador.
Dica: quando o trabalhador realizar atividades por um longo período exposto
ao sol, ele deve utilizar fardamento de manga comprida, creme protetor com
filtro solar e chapéu.
P r e v e n ç ã o d e D o e n ç a s C a u s a d a s p o r
A g e n t e s B i o l ó g i c o s
Os agentes biológicos são microorganismos causadores de doenças, com os
quais pode o trabalhador entrar em contato, no exercício de diversas atividades
profissionais. Os exemplos são: vírus, bactérias, parasitas, fungos, etc. Alguns
profissionais ficam mais expostos devido a característica de suas atividades,
são eles: médicos, enfermeiros, funcionários de laboratórios, lixeiros,
açougueiros, etc.
Dentre inúmeras doenças profissionais causadas por agentes biológicos,
incluem-se, por exemplo: a tuberculose, o tétano, a malária, a febre tifóide e a
febre amarela.
Tais doenças só devem ser consideradas profissionais, quando estiverem
diretamente relacionadas com exposições ocupacionais aos microorganismos
patológicos, isto é, quando causadas diretamente pelas condições de trabalho.
As medidas preventivas mais usuais são:
 limpeza nos locais de trabalho;
 controle médico permanente;
 ventilação adequada;
 rigorosa higiene pessoal;
 controle dos sistemas de ar condicionado;
 controle dos resíduos.
N o r m a s R e g u l a m e n t a d o r a s
| 1/4
Introdução
As Normas Regulamentadoras (NR), no Brasil, são de cumprimento obrigatório
por todas as empresas privadas e públicas que possuam empregados regidos
pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Diante disso, essas normas se
aplicam tanto a empresas públicas quanto privadas de qualquer setor, incluindo
aí a oficina onde João trabalha.
Sabendo disso e de tudo que aconteceu na oficina, você vai precisar destacar
quais NR’s deveriam ser cumpridas para que João e seus colegas de trabalho
fiquem em segurança.
Para isso, no entanto, é preciso que você consiga identificar as Normas
Regulamentadoras e suas áreas de aplicação. Vamos aprender como fazer
isso?
CIPA
Como você pôde ver, as Normas Regulamentadoras (NR) são de cumprimento
obrigatório por todas as empresas privadas e públicas que possuam
empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Dessa
forma, estão inclusas ações de Segurança e Saúde no Trabalho.
Atualmente, existem cerca de 33 NRs previstas para a área de Segurança e
Saúde no Trabalho. Dentre elas, é possível destacar como uma das principais
a NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA.
A NR-05 (CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) estabelece que
as empresas organizem e mantenham uma comissão constituída,
exclusivamente, por empregados com o objetivo de prevenir acidentes no
ambiente de trabalho. Essa comissão é responsável por apresentar sugestões
e recomendações ao empregador para que este melhore as condições de
trabalho, eliminando as possíveis causas de acidentes e doenças
ocupacionais. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá
embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 163 a 165 da CLT.
Mapa de risco
Depois de formada, uma das primeiras ações da CIPA é elaborar um mapa de
risco do local de trabalho. Para isso, a Comissão deve ouvir os trabalhadores
da área e receber orientação do Serviço Especializado em Engenharia de
Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT.
O mapa de risco é a representação gráfica dos riscos existentes nos locais de
trabalho por meio de círculos de diferentes tamanhos e cores. Esse mapa tem
o objetivo de informar e conscientizar dos riscos existentes na empresa para,
dessa forma, prevenir acidentes de trabalho.
Veja um exemplo do Mapa de Risco, clicando no diagrama ao lado.
A CLT determina que todas as empresas com CIPA devem ter o mapa de risco.
Por essa razão, se uma empresa com CIPA contratar uma empreiteira que não
tem CIPA, por exemplo, ela deve fazer um mapa de risco do canteiro de obras
onde trabalham os funcionários dessa contratada.
Outras NRs
Embora a CIPA seja uma das normas mais conhecidas, existem outras NR’s
que também são muito importantes para a manutenção da Saúde e da
Segurança do Trabalhador. Seguem algumas delas:
NR4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em
Medicina do Trabalho: Estabelece que as empresas organizem e mantenham
em funcionamento os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e
em Medicina do Trabalho – SESMT. Este serviço tem a finalidade de promover
a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho. A
fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à
existência desta NR, é o artigo 162 da CLT.
NR6 - Equipamentos de Proteção Individual - EPI: Estabelece e define as
formas de proteção, requisitos de comercialização e responsabilidades em
relação ao empregado, empregador, fabricante, importador e MTE. Tem
objetivo de proteger os trabalhadores dos riscos capazes de ameaçar a
segurança e a saúde no local de trabalho. A fundamentação legal, ordinária e
específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos
166 e 167 da CLT.
NR7 - Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional: Estabelece
que as empresas elaborem e implementem o Programa de Controle Médico de
Saúde Ocupacional – PCMSO. Esse programa tem o objetivo de promover e
preservar a saúde do conjunto dos seus trabalhadores. A fundamentação legal,
ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são
os artigos 168 e 169 da CLT.
NR9 - Programas de Prevenção de Riscos Ambientais: Estabelece que as
empresas elaborem e implementem o Programa de Prevenção de Riscos
Ambientais - PPRA, visando à preservação da saúde e da integridade física
dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e
conseqüente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que
venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção
do meio ambiente e dos recursos naturais. A fundamentação legal, ordinária e
específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos
175 a 178 da CLT.
NR15 - Atividades e Operações Insalubres: Descreve as atividades,
operações e agentes insalubres, inclusive seus limites de tolerância. A
fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à
existência desta NR, são os artigos 189 e 192 da CLT.
NR17 - Ergonomia: Visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação
das condições de trabalho às condições psicofisiológicas dos trabalhadores, de
modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho
eficiente. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento
jurídico à existência desta NR, são os artigos 198 e 199 da CLT.
NR23 - Proteção Contra Incêndios: Estabelece as medidas de proteção
contra incêndios, visando à prevenção da saúde e da integridade física dos
trabalhadores. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá
embasamento jurídico à existência desta NR, é o artigo 200, inciso IV, da CLT.
Resumo
As Normas Regulamentadoras (NR), no Brasil, são de cumprimento obrigatório
por todas as empresas privadas e públicas que possuam empregados regidos
pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Diante disso, essas normas se
aplicam tanto a empresas públicas quanto privadas de qualquer setor.
Atualmente, existem cerca de 33 NR’s previstas para a área de Segurança e
Saúde no Trabalho. Dentre elas, é possível destacar, como uma das principais,
a NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA.
P r e v e n ç ã o e c o m b a t e a i n c ê n d i o
| 1/6
Introdução
No acidente ocorrido na oficina de Pedro, um dos funcionários foi atingido com
produto inflamável, pegando fogo em seu fardamento. Como esse fogo poderia
ter sido controlado, que tipo de precauções deveria ter sido tomado para que
um acidente desse tipo (com fogo) não ocorresse? Essas são as principais
questões que você vai precisar responder nesta unidade do curso.
Para isso, no entanto, você vai precisar aprender o que é um incêndio, como
identificar os pontos de risco de ocorrência de incêndios, além de como
combatê-los e qual é a ferramenta adequada para isso em cada situação.
Vamos lá?
Fogo
Antes de se saber como prevenir e combater um incêndio, é preciso que fique
claro qual é o conceito de fogo e qual a sua importância para humanidade.
O fogo é uma reação química de oxidação (utilizando oxigênio) com a liberação
de luz e calor, que é chamada de combustão ou queima. Essa reação tem uma
importância muito grande para a sobrevivência humana, pois é através dela
que preparamos os alimentos, aquecemos alguns ambientes e, em muitos
casos, realizamos os processos industriais. Você pode até imaginar a vida do
ser humano sem muitos elementos considerados indispensáveis como o
celular, o automóvel e, até mesmo, a internet. Mas você consegue pensar
como viveríamos sem o fogo? Não dá!
Em todas as situações que falamos acima, mostra-se a utilização do fogo pelo
homem, ou seja, o controle do fogo. Quando nos descuidados ou de alguma
forma as chamas saem de controle, acontece um incêndio. Dessa forma, o
fogo se transforma em incêndio, quando não é controlado, tendendo a se
alastrar e causar muita destruição. Vamos aprender um pouco mais!
Princípios básicos
Para compreendermos os princípios em que se baseia a ciência de prevenção
e combate a incêndio, é preciso conhecer as condições que determinam a
ocorrência ou não do fogo.
A existência do fogo só é possível se houver a combinação de quatro
elementos essenciais:
 Fonte de ignição: representa a energia térmica (fagulha, calor, faísca)
necessária para ativar a reação química entre um material combustível
(papel, madeira) e o comburente (oxigênio).
 Comburente: é qualquer substância que mantém uma combustão
(queima). O comburente mais comum é o oxigênio, pois é o mais
abundante. O ar é composto de aproximadamente 21% de oxigênio,
78% de nitrogênio e 1% de outros gases.
 Material Combustível: é toda e qualquer substância sólida, líquida e
gasosa que arde com formação de calor e luminosidade, após atingir a
temperatura de ignição. Como exemplo: gasolina, álcool, madeira, papel
etc.
 Reação em Cadeia: se observarmos o fogo depois de iniciado, o
mesmo passa a alimentar a si próprio, ou seja, o fogo se mantém aceso.
Durante a combustão a reação em cadeia é formada pela liberação de
radicais livres que são os responsáveis pela transferência de energia à
molécula ainda intacta, provocando a propagação do fogo. Temos como
exemplo uma vela, que ao iniciar sua combustão as chamas liberam
calor, consequentemente evapora a cera e essa por sua vez alimenta
novamente as chamas, esse ciclo é chamado de reação em cadeia.
Métodos de extinção de incêndios
Como você viu, o fogo só vai existir com a presença de quatro elementos
essenciais: fonte de ignição, comburente, material combustível, reação em
cadeia. Com a retirada de pelo menos um desses elementos, a combustão não
vai acontecer e, dessa forma, o fogo será apagado. Tendo essa informação
como base, foram desenvolvidos quatro métodos para a extinção de um
incêndio:
1. Resfriamento: é o método da retirada do calor. Significa baixar a
temperatura (resfriando) até que não haja mais a combustão. Este é o
método de extinção mais usado e a água, o agente extintor mais
utilizado no resfriamento. Uma dica importante nesses casos é
interromper o fogo, resfriando as áreas que ainda não foram atingidas,
isolando e limitando o fogo do incêndio até extingui-lo.
2. Abafamento: é o método de extinção que consiste em reduzir a
concentração do oxigênio presente no ar, situado acima da superfície do
combustível. Exemplo: abafar com cobertores de tecido especial (anti-
chama). Qualquer meio de abafamento que consiga reduzir a
quantidade de oxigênio em menos de 13% terá sucesso na extinção.
3. Interferência na Reação em Cadeia: é o método conhecido, também,
como extinção química, em que o agente extintor evita a reação das
substâncias, impedindo a continuidade da combustão.
4. Isolamento (Remoção do Combustível): é a retirada do material ou
controle do combustível. É o método de extinção mais simples na sua
realização, pois não existem aparelhos especializados. Consiste na
retirada, diminuição ou interrupção dos materiais combustíveis que
alimentam o fogo e daquele que ainda não foi atingido por este. Tudo
isso com bastante segurança.
Classificação dos incêndios
Para facilitar os estudos de prevenção e combate a incêndio, é necessário o
entendimento de como o incêndio é classificado. Para isto, considera-se a
existência de quatro classes gerais de incêndios: A, B, C, D. Vamos conhecer
melhor cada uma delas?
Classe A - São os incêndios que ocorrem em material de fácil combustão
com a propriedade de queimarem em sua superfície e profundidade e que
deixam resíduos. Por exemplo: tecido, papel, madeira etc. Para sua extinção,
é necessário o resfriamento, isto é, água ou soluções que reduzam a
temperatura do material em combustão abaixo do seu ponto de ignição.
Classe B - São os que ocorrem em produtos considerados inflamáveis
(gasolina, álcool), que queimam somente em sua superfície, não deixando
resíduo. Para sua extinção, é necessário isolar o material combustível do ar
(abafamento) ou fazer uma interferência na reação em cadeia.
Classe C - São os que ocorrem em materiais elétricos energizados, por
exemplo, motores, transformadores etc. Pra sua extinção, é necessário usar
um agente não condutor de eletricidade como o CO2 e o Pó químico.
Classe D - São os que ocorrem em metais pirofóricos (material que entra
em ignição espontaneamente em contato com o ar em condições normais). Por
exemplo, zinco, alumínio em pó, magnésio, titânio, potássio etc. Essa classe de
incêndio exige, para sua extinção, agentes especiais que se fundem em
contato com o metal combustível, formando uma capa que os isola do ar
atmosférico, interrompendo a combustão.
Providência em caso de incêndio
Se a prevenção falhar e o fogo estiver fora de controle, existem algumas regras
de ações que podem ser tomadas para evitar maiores danos, pondo fim às
chamas. A primeira regra no ataque ao fogo é combatê-lo logo no início,
evitando a sua propagação.
Tão cedo o fogo se manifeste, deve-se:
 Acionar o sistema de alarme;
 Chamar imediatamente o corpo de bombeiros;
 Desligar as máquinas e aparelhos elétricos, quando a operação do
desligamento não envolver riscos adicionais;
 Atacá-lo o mais rapidamente possível, pelos meios adequados.
Para conhecer detalhadamente as providências em incêndio, veja no site do Ministério
do Trabalho e Emprego (www.mte.gov.br), a NR-23 Proteção Contra Incêndio.
Resumo
O fogo é uma reação química de oxidação (utilizando oxigênio) com a liberação
de luz e calor, que é chamada de combustão ou queima. O fogo só vai existir
com a presença de quatro elementos essenciais: fonte de ignição, comburente,
material combustível, reação em cadeia. Com a retirada de pelo menos um
desses elementos, a combustão não vai acontecer e, dessa forma, o fogo será
apagado. Tendo essa informação como base, foram desenvolvidos quatro
métodos para a extinção de um incêndio: Resfriamento, Abafamento,
Interferência na Reação em Cadeia e Isolamento (Remoção do Combustível).
E q u i p a m e n t o s d e p r o t e ç ã o
| 1/6
Introdução
Para que os trabalhadores se protejam de forma correta na realização de suas
atividades, foram criados equipamentos de proteção, que podem ser coletivos
ou individuais. Os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) são usados
com o objetivo de modificar as condições de trabalho em um determinado
ambiente, promovendo a proteção de todo o grupo. Já os Equipamentos de
Proteção Individual (EPI) são usados por cada trabalhador e se destinam à
proteção do funcionário durante a realização do trabalho.
Diante disso e, com base nas coisas que aconteceram na oficina, você vai
precisar identificar quais EPC’s e EPIs poderiam ter sido usados para evitar ou
diminuir os efeitos do tropeço de João.
Vamos lá! Basta ter atenção a tudo que for dito que rapidinho você vai
conseguir identificar qual é o equipamento adequado para cada atividade e
profissional, bem como os equipamentos funcionam, são conservados e
armazenados.
Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC)
Os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) são usados com o objetivo de
modificar as condições de trabalho em um determinado ambiente, promovendo
a proteção de todo o grupo. São exemplos bastante utilizados de EPC’s, os
chuveiros e lava olhos de emergência, o isolamento acústico de um
equipamento ruidoso, os extintores de incêndio, o guarda corpo, a capela, o
lava olhos, o corrimão e os exaustores.
Do ponto de vista de proteção aos trabalhadores, as medidas de proteção
coletiva são sempre mais eficientes que os equipamentos de proteção
individual. Apesar disso, os EPI’s são mais utilizados, pois, normalmente, há
curto prazo, eles são mais baratos do que fazer modificações no ambiente. No
entanto, há longo prazo, os custos com a manutenção desses equipamentos
podem se tornar mais elevados que as medidas de ordem ambiental e coletiva.
Extintor
Capela
Lava Olhos
Corrimão
Exaustor
Equipamentos de Proteção Individual (EPI)
Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) são usados por cada
trabalhador e se destinam à proteção do funcionário durante a realização do
trabalho. Esse tipo de equipamentos deve ser usado para atender situações de
emergência e sempre que as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente
inviáveis, estiverem em fase de implantação ou não oferecerem completa
proteção.
Para atender às necessidades das empresas e garantir, de fato, a segurança
dos trabalhadores, os EPI’s devem apresentar inscrição do Cadastro de
Registro do Fabricante (CRF) e do Certificado de Aprovação (CA). Além
disso, é ideal que eles se ajustem comodamente ao usuário e ofereçam
proteção efetiva contra os riscos para os quais foi fabricado.
No entanto, para realmente garantir a segurança do trabalhador, é necessário
que os funcionários da empresa sejam treinados para saber como e quando
usar o EPI e quais são suas limitações, que modelo e tipo de equipamento
escolher a depender da situação, além de como limpá-los e armazená-los.
Existem, também, os EPI’s para proteção respiratória; proteção do tronco;
proteção dos membros superiores; proteção dos membros inferiores; proteção
do corpo inteiro; proteção contra quedas com diferença de nível, dentre outros.
Clique nos EPI’s (capacete, óculos e protetor auricular) para conhecê-los
um pouco melhor.
Controle e conservação dos EPI’s
A recomendação do EPI adequado ao risco existente nas atividades realizadas
pela empresa cabe à CIPA ou ao SESMT, quando for o caso. No entanto,
cumprida essa etapa, tanto os funcionários quanto os patrões ainda têm tarefas
a cumprir. Vamos ver?
Cabe ao empregador:
 Adquirir o EPI adequado ao risco de cada atividade;
 Exigir o uso de EPI’s;
 Fornecer ao trabalhador somente o EPI aprovado pelo órgão nacional
competente em matéria de Segurança e Saúde no Trabalho;
 Orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e
conservação do EPI;
 Substituir imediatamente o EPI, quando este for danificado ou
extraviado;
 Responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica dos EPI’s;
 Comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada nos EPI’s.
Cabe ao funcionário:
 Usar o EPI, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina;
 Responsabilizar-se pela guarda e conservação do EPI;
 Comunicar ao empregador qualquer alteração que torne o EPI impróprio
para uso;
 Cumprir as determinações do empregador sobre o uso adequado dos
EPI’s.
De acordo com a CLT - Art. 462, § 1º, se o trabalhador causar qualquer tipo de dano ao
EPI, o patrão pode descontar o valor no salário do funcionário desde que isso tenha sido
acordado anteriormente ou em caso de o funcionário tentar enganar o patrão.
Controle de fornecimento de EPI’s
Quando o funcionário é admitido na Empresa, o Departamento de Segurança
fornece os EPI’s necessários à sua função, inclusive os requeridos para
trânsito nas áreas de risco, e providencia o treinamento para sua utilização. O
controle de entrega desses EPI’s é feito através do formulário Ficha Individual
- Equipamento de Segurança.
Ocorrendo transferência ou demissão do funcionário, bem como danos aos
equipamentos, estes devem ser devolvidos ao Departamento de Segurança,
que providenciará os registros necessários na Ficha Individual - Equipamento
de Segurança.
O registro da entrega e devolução dos EPI’s é feito para permitir um maior
controle por parte da empresa e para atender às Normas Regulamentadoras e
a Consolidação das Leis do Trabalho, relativas à Segurança e Medicina do
Trabalho.
Limpeza de EPI’s
Cada funcionário é responsável pela limpeza dos equipamentos que estão sob
sua responsabilidade e a melhor forma de fazer isso é utilizando água e sabão.
No caso das máscaras, a higienização é feita pelo Departamento de Segurança
ou empresa especializada.
A Área de Segurança mantém um controle para higienização dos EPI’s, onde
consta o tipo de equipamento, sua localização, o nome do funcionário
responsável pela sua utilização e a periodicidade para higienização. Para
verificar se os funcionários estão fazendo a limpeza dos equipamentos de
forma correta, o pessoal responsável pela segurança percorre as áreas
fazendo inspeções.
É importante lembrar que o empregador fornece os EPI’s gratuitamente e ainda
se responsabiliza pelo treinamento dos funcionários em como utilizá-los. Cabe
ao trabalhador usar os equipamentos de maneira correta, para que ele possa
ser protegido e corra menos riscos de sofrer algum tipo de acidente de
trabalho.
Saiba os procedimentos que você deve seguir para higienizar os seus EPI’s.
Resumo
Para que os trabalhadores se protejam de forma correta na realização de suas
atividades, foram criados equipamentos de proteção, que podem ser coletivos
ou individuais. Os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) são usados
com o objetivo de modificar as condições de trabalho em um determinado
ambiente, promovendo a proteção de todo o grupo. Já os Equipamentos de
Proteção Individual (EPI) são usados por cada trabalhador e se destinam à
proteção do funcionário durante a realização do trabalho.
P r i m e i r o s S o c o r r o s
| 2/9
Os Primeiros Socorros são os atendimentos que antecedem a chegada da
equipe médica especializada, prestados a uma vítima de acidente ou portador
de mal súbito, para mantê-lo com vida. Estes atendimentos, quando aplicados
de maneira correta, podem fazer a diferença entre a vida e a morte do
acidentado, já que nas duas primeiras horas, depois de ocorrido o acidente,
são de fundamental importância para a sobrevivência da vítima.
Conheça alguns procedimentos básicos de Primeiros Socorros que podem
ajudar você numa situação de emergência.
Parada respiratória
O ar que respiramos é essencial para nos mantermos vivo. A parada
respiratória se caracteriza pela interrupção da respiração, ou seja, da
entrada e saída de ar dos pulmões. A vítima para de respirar. Pode acontecer,
por exemplo, a partir da obstrução da via respiratória com engasgo por
alimentos, prótese dentária, vômito etc.
Numa situação de emergência, para verificar se a vítima está respirando é
preciso que o socorrista (quem está prestando socorro à vítima) aproxime-se
do rosto da vítima e observe se há movimento do tórax, saída de ar do nariz
ou boca e sons de respiração. Se nenhum desses aspectos for
encontrado e os lábios, línguas e unhas estivem azulados (cianose), o
socorrista pode concluir que a vítima sofreu uma parada respiratória.
Sabendo disso, cabe ao socorrista realizar as ações de primeiros socorros
como Desobstrução das vias aéreas e Método boca-a-boca (boca -
máscara). Clique nos nomes das ações para saber mais sobre cada uma delas
.
Parada cardíaca
A Parada Cardíaca se caracteriza como a parada dos batimentos do coração.
Ela pode provocar , por exemplo, infarto agudo do miocárdio. Os casos de
parada cardíaca exigem ação imediata e podem ser constatados pela
observação dos seguintes sintomas: inconsciência, ausência de pulso,
palidez intensa, extremidades frias e dilatação das pupilas.
Numa situação de emergência, para saber se o coração da vítima está
batendo, o socorrista deve verificar o pulso dele, colocando os dedos,
indicador e médio, bem no meio do pescoço da vítima e deslizando-os
para o lado até encontrar o vão entre a traquéia e o músculo do pescoço.
Se a vítima não apresentar pulsação, pode ter acontecido uma parada
cardíaca.
Tento verificada a ausência de pulsação, a primeira ação que precisa ser
tomada pelo socorrista é a realização da Compressão Cardíaca (massagem
cardíaca). Clique no nome da ação para ver uma animação explicando o
procedimento.
Quando há uma parada cardíaca, a respiração também se interrompe. Dessa forma, se a
vítima não for socorrida a tempo, a falta de oxigênio pode levá-la à morte ou causar
lesões permanentes.
Hemorragias
Hemorragia é a saída de sangue das artérias ou veias, provocados por cortes,
esmagamentos, amputações, fraturas, etc.
Chamamos de hemorragia externa, quando ocorre a saída de sangue dos
vasos para fora do corpo.Ex: Ferimentos, cortes, esmagamentos, etc. Já a
hemorragia interna ocorre a saída do sangue dos vasos, porém o sangue
permanece dentro do corpo. Ex: Ferimentos nos órgãos internos do corpo.
Em geral, a gravidade de uma hemorragia é determinada pelos seguintes
fatores:
 rapidez e quantidade com que o sangue sai dos vasos;
 se o sangramento é externo ou interno;
 local de origem do sangue;
 quantidade de sangue perdida;
 peso, idade e condição geral da vítima;
 se o sangramento afeta a respiração da vitima (vias aéreas)
Mas você sabe o que fazer para socorrer uma vítima com hemorragia? Como o
sangramento pode ser controlado? Vamos ver!
Controlando a hemorragia externa
Existem diversas formas de controlar uma hemorragia externa. Umas são mais
simples e oferecem pouco risco à vítima, e outras mais complexas, com sérios
riscos e contra-indicações. Algumas requerem muito pouco treinamento ou
equipamento, e outras necessitam de material muitas vezes não facilmente
disponível. No entanto, cada uma delas está relacionada a uma situação, a um
caso específico de sangramento. Vamos conhecer alguns desses
procedimentos?
Clique nos links abaixo.
 Compressão sobre a lesão
 Elevação do membro lesado
 Compressão dos pontos arteriais
 Imobilização (método coadjuvante)
 Resfriamento (método coadjuvante)
C o m p r e s s ã o s o b r e a l e s ã o
Compressão sobre a lesão é feita de forma simples, coloca-se um pano limpo,
gaze ou bandagem sobre o ferimento, comprimindo-o, essa é a forma mais
simples e eficaz.
C o m p r e s s ã o d o s p o n t o s a r t e r i a i s
Existem artérias que podem ser apalpadas por estarem mais próximas a
superfície da pele. Através da compressão nos pontos em que se encontram
essas artérias, interrompemos o sangramento do local afetado. Deve-se
comprimir a artéria atingida acima do ferimento.
Veja algumas das regiões recomendadas para compressão das artérias:
E l e v a ç ã o d o m e m b r o l e s a d o
Após ter feito a compressão sobre a lesão, deve-se elevar o membro ferido
para que o fluxo sangüíneo diminua naquela região em que houve o ferimento.
R e s f r i a m e n t o
Consiste em resfriar o local da lesão utilizando saco plástico com gelo. Esse
método diminui a dor e edemas(inchaço) quando ocorre lesão com contusão.
Obs: Esse método é utilizado em combinação com uma das técnicas mencionadas.
I m o b i l i z a ç ã o
A hemorragia pode ocorrer quando o osso perfura a musculatura, tecidos ou
pele. Deve-se imobilizar a vítima para reduzir o risco de hemorragia. Portanto
não deverá haver movimentação contínua nesse local, pois se isso ocorrer,
poderá agravar a hemorragia. Nuca tente colocar o osso de uma fratura
exposta para dentro do ferimento.
A imobilização reduz o sangramento e ajuda na redução da hemorragia
Queimaduras
As queimaduras são lesões causadas quando a pele entra em contato com
temperaturas extremas (fogo ou gelo), produtos químicos (como soda
caustica), eletricidade e radiações.
Em casos de queimaduras, o socorrista deve realizar algumas ações imediatas
como:
 resfriar o local com soro fisiológico ou com água corrente;
 proteger o local da lesão com gaze, pano limpo ou lenço para aliviar a
dor e impedir o contato com o ar;
 retirar relógio, pulseiras, brincos, cintos e adornos em geral, pois, esses
objetos armazenam calor;
 em queimaduras elétricas, verificar a possível presença de parada
cardiorespiratória;
 encaminhar a vítima imediatamente para atendimento médico
especializado.
A depender do agente causador da queimadura, existem ações específicas que
devem ser adotadas.
Clique nos links abaixo para conhecê-las.
 Queimaduras térmicas
 Queimaduras químicas
 Queimaduras elétricas
NUNCA USE pasta de dente, pomadas, ovo, manteiga, óleo de cozinha ou
qualquer outro ingrediente, pois eles podem complicar a queimadura e dificultar
o diagnóstico. Em queimaduras de 2º grau, NÃO rompa as bolhas.
Q u e i m a d u r a s t é r m i c a s
Em caso de queimaduras por temperaturas extremas:
 Utilizar água para apagar o fogo na vítima ou utilizar um cobertor para abafa-la.
 Cobrir o local queimado com um pano limpo ou papel alumínio.
 Retirar anéis, pulseiras, relógios, cintos, etc.
 Não remover as roupas queimadas que grudaram na pele, corte ao redor do local
e retire o restante da roupa que não grudou na pele.
 Não deixar a vítima correr se houver fogo em suas vestes.
 No caso de queimadura nos olhos, cobrir o local com gaze umedecida em soro.
Q u e i m a d u r a s q u í m i c a s
Em caso de queimaduras por agentes químicos:
 Lave o local com água corrente por 30 minutos.
 Identifique qual o produto químico que causou a queimadura.
 Remover a roupa da vítima.
 Caso os olhos forem atingidos, lavar em água corrente (chuveiro, torneira,
bebedouro, etc).
 Verificar via aérea, respiração, circulação, e nível de consciência.
Q u e i m a d u r a s e l é t r i c a s
Em caso de queimaduras por agentes elétricos:
 Não toque na vítima. Desligue a corrente elétrica.
 Queimaduras elétricas graves exigem atenção às vias aéreas e à respiração.
 Todas as lesões elétricas necessitam de atenção médica.
Transporte de acidentados
Ao transportar um acidentado alguns cuidados devem ser tomados para não
agravar lesões existentes. No primeiro momento parece ser fácil transportar
uma vítima, porém, se não for feito corretamente pode deixar seqüelas no
acidentado para o resto de sua vida.
O transporte da vítima só deverá ser feito se for absolutamente necessário, ou
seja, se a vítima estiver em local de perigo iminente como o de desabamento,
incêndio, explosão, etc. caso contrário, deve-se esperar o atendimento médico
no local.
Na existência de várias vítimas no local, o socorrista deve pedir ajuda o mais
rápido possível. O transporte de vítimas mais seguro é o que é feito através de
maca, porém, não tendo uma maca no local, deve-se improvisar utilizando
porta, prancha, tábua, varas e lençóis bem resistentes.
Antes de realizar o transporte, deve-se fazer uma inspeção geral na vítima.
I n s p e ç ã o g e r a l n a v í t i m a
Verificar a existência de lesões, sangramentos, fraturas na vítima. Se não tiver
conhecimento da gravidade da lesão, não movimentar a vítima.
Deve existir preparo técnico e psicológico por parte das pessoas que estão prestando
primeiros socorros, para que vidas não sejam colocadas em perigo.
Transporte de acidentados
Existem várias maneiras de se transportar uma vítima. Irá depender de vários
fatores como: quantidade de pessoas que possam ajudar no transporte; a
situação em que a vítima se encontra; as condições do local, etc.
No entanto, antes de remover uma vítima, é necessário alguns cuidados
especiais:
 controlar a hemorragia;
 manter a respiração;
 imobilizar o pontos de suspeitos de fratura, lembrando de que nunca
devemos colocar ossos em sua posição normal em caso de fraturas
exposta;
 evitar ou controlar o estado de choque;
 Se o ferido estiver em local de perigo, ele deve ser puxado pela direção
da cabeça ou pelos pés, nunca pelos lados;
 Se o ferido estiver em local de perigo, ele deve ser puxado pela direção
da cabeça ou pelos pés, nunca pelos lados, protegendo sempre a
cabeça.
Existem vários métodos de transporte de acidentados, entre eles:
Transporte de apoio Transporte em "cadeirinha"
Transporte em braços
Transporte em tábua com imobilização do
pescoço
Resumo
Os Primeiros Socorros são os atendimentos que antecedem a chegada da
equipe médica especializada, prestados a uma vítima de acidente ou portador
de mal súbito, para mantê-lo com vida. Estes atendimentos, quando aplicados
de maneira correta, podem fazer a diferença entre a vida e a morte do
acidentado, já que nas duas primeiras horas, depois de ocorrido o acidente,
são de fundamental importância para a sobrevivência da vítima.
R e f e r ê n c i a s
 ARAÚJO, Giovanni Moraes de. Normas regulamentadoras
comentadas. 3 ed. rev. Rio de Janeiro: GVC, 2002.
 BENITE, Anderson Glauco. Sistemas de gestão da segurança e
saúde no trabalho. São Paulo: O Nome da Rosa, 2004.
 BRASIL. Lei 8.213/91 de 24 de Julho de 1991. Dispõe sobre os Planos
de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Publicada
no Diário Oficial da União de 25.7.91 e Republicada em 11.4.96 e
14.8.98.Disponível
em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8213cons.htm. Acesso
em: 28 abr. 2008.
 BRASIL. Decreto nº611/92 de 21 de Julho de 1992. Dá nova redação ao
Regulamento dos Benefícios da Previdência Social, aprovado pelo
Decreto nº 357, de 7 de dezembro de 1991, e incorpora as alterações da
legislação posterior.Disponível
em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-
1994/D0611.htm>. Acesso em 28 abr. 2008.
 BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Normas
regulamentadoras. Disponível em:
<http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/default.asp
>. Acesso em: 16 maio. 2008.
 COSTA, Marco Antônio F. da; COSTA, Maria de Fátima Barroso da.
Segurança e saúde no trabalho. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.
 HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro; FRANCO, Francisco Manoel de
Mello. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro:
Objetiva: Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia, 2007.
 SENAC. DN. Primeiros socorros: como agir em situações de
emergência. 2. ed. Rio de Janeiro, 2007.
 SENAI-DR BA. Higiene e segurança ambiental: - Lauro de Freitas:
CETIND,2007. 44p., il. (Ver.00).
 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL.
Departamento Nacional.Curso básico de segurança do trabalho.
Lauro de Freitas: CETIND,2004.
 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL.
Departamento Nacional.Segurança do trabalho. Lauro de Freitas:
CETIND,2006.
 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL.
Departamento Nacional. Curso básico de segurança em instalações e
serviços em eletricidade: noções de primeiros socorros em
serviços com eletricidade / SENAI.DN.Brasília, 2005.
______. ______.______: ______ / SENAI.DN.Brasília, 2007.
 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL.
Departamento Nacional. Curso básico de segurança em instalações e
serviços em eletricidade: princípios básico de prevenção de
incêndio / SENAI.DN.Brasília, 2005.
______. ______.______: ______ / SENAI.DN.Brasília, 2007.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 riscos ocupacionais
Aula 4   riscos ocupacionaisAula 4   riscos ocupacionais
Aula 4 riscos ocupacionais
Daniel Moura
 
Riscos ambientais
Riscos ambientais   Riscos ambientais
Riscos ambientais
Ythia Karla
 
Controlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionaisControlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionais
Filipa Andrade
 
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Thaysa Brito
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho   Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
Catarina Calçada
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Ghiordanno Bruno
 
riscos ambientais
 riscos ambientais riscos ambientais
riscos ambientais
Day Vasconcellos
 
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptxNR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
AndreLuis202744
 
risco mecânico - cor azul
risco mecânico - cor azul risco mecânico - cor azul
risco mecânico - cor azul
Daniella Benício
 
riscos ocupacionais
 riscos ocupacionais riscos ocupacionais
riscos ocupacionais
Ângela Barro
 
Risco Físico: Iluminação
Risco Físico: IluminaçãoRisco Físico: Iluminação
Risco Físico: Iluminação
Fernando S. S. Barbosa
 
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalhoTeste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Ana Santos
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
Professor Robson
 
Aula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de RiscoAula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de Risco
Ghiordanno Bruno
 
Acidentes de trabalho (causas e consequências)
Acidentes de trabalho   (causas e consequências)Acidentes de trabalho   (causas e consequências)
Acidentes de trabalho (causas e consequências)
Agostinho J. Neto
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de risco
Sara Jaqueline
 
Manual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintariaManual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintaria
Eder Ribeiro
 
Conceito Risco x Perigo
Conceito Risco x PerigoConceito Risco x Perigo
Conceito Risco x Perigo
Winer Augusto da Fonseca
 
Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Power+point+nr+25
Power+point+nr+25
Gil Mendes
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalhoHigiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
Rita Galrito
 

Mais procurados (20)

Aula 4 riscos ocupacionais
Aula 4   riscos ocupacionaisAula 4   riscos ocupacionais
Aula 4 riscos ocupacionais
 
Riscos ambientais
Riscos ambientais   Riscos ambientais
Riscos ambientais
 
Controlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionaisControlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionais
 
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho   Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
 
riscos ambientais
 riscos ambientais riscos ambientais
riscos ambientais
 
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptxNR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
 
risco mecânico - cor azul
risco mecânico - cor azul risco mecânico - cor azul
risco mecânico - cor azul
 
riscos ocupacionais
 riscos ocupacionais riscos ocupacionais
riscos ocupacionais
 
Risco Físico: Iluminação
Risco Físico: IluminaçãoRisco Físico: Iluminação
Risco Físico: Iluminação
 
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalhoTeste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
Teste módulo 3 - Higiene, Saúde e Segurança no trabalho
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Aula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de RiscoAula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de Risco
 
Acidentes de trabalho (causas e consequências)
Acidentes de trabalho   (causas e consequências)Acidentes de trabalho   (causas e consequências)
Acidentes de trabalho (causas e consequências)
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de risco
 
Manual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintariaManual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintaria
 
Conceito Risco x Perigo
Conceito Risco x PerigoConceito Risco x Perigo
Conceito Risco x Perigo
 
Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Power+point+nr+25
Power+point+nr+25
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalhoHigiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
 

Destaque

Riscos profissionais
Riscos profissionaisRiscos profissionais
Riscos profissionais
cattonia
 
Riscos profissionais i
Riscos profissionais iRiscos profissionais i
Riscos profissionais i
isabelourenco
 
3. hst avaliação de riscos
3. hst avaliação de riscos3. hst avaliação de riscos
3. hst avaliação de riscos
Gilson Adao
 
Fundamentos de saúde e segurança do trabalho apostilhas do curso Técnico Segu...
Fundamentos de saúde e segurança do trabalho apostilhas do curso Técnico Segu...Fundamentos de saúde e segurança do trabalho apostilhas do curso Técnico Segu...
Fundamentos de saúde e segurança do trabalho apostilhas do curso Técnico Segu...
Ronivon nascimento
 
Avaliação de riscos profissionais
Avaliação de riscos profissionaisAvaliação de riscos profissionais
Avaliação de riscos profissionais
Marco Oliveira
 
Aula 7 gestão de riscos
Aula 7   gestão de riscosAula 7   gestão de riscos
Aula 7 gestão de riscos
Daniel Moura
 
Riscos Ambientais
Riscos AmbientaisRiscos Ambientais
Riscos Ambientais
HugoDalevedove
 
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de RiscosRiscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Gerlane Batista
 

Destaque (8)

Riscos profissionais
Riscos profissionaisRiscos profissionais
Riscos profissionais
 
Riscos profissionais i
Riscos profissionais iRiscos profissionais i
Riscos profissionais i
 
3. hst avaliação de riscos
3. hst avaliação de riscos3. hst avaliação de riscos
3. hst avaliação de riscos
 
Fundamentos de saúde e segurança do trabalho apostilhas do curso Técnico Segu...
Fundamentos de saúde e segurança do trabalho apostilhas do curso Técnico Segu...Fundamentos de saúde e segurança do trabalho apostilhas do curso Técnico Segu...
Fundamentos de saúde e segurança do trabalho apostilhas do curso Técnico Segu...
 
Avaliação de riscos profissionais
Avaliação de riscos profissionaisAvaliação de riscos profissionais
Avaliação de riscos profissionais
 
Aula 7 gestão de riscos
Aula 7   gestão de riscosAula 7   gestão de riscos
Aula 7 gestão de riscos
 
Riscos Ambientais
Riscos AmbientaisRiscos Ambientais
Riscos Ambientais
 
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de RiscosRiscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
 

Semelhante a Livro fundamentos de segurança no trabalho

209 1309-1-pb (1)
209 1309-1-pb (1)209 1309-1-pb (1)
209 1309-1-pb (1)
Rafael Oliveira
 
segurança do trabalho SLIDE.pptx
segurança do trabalho SLIDE.pptxsegurança do trabalho SLIDE.pptx
segurança do trabalho SLIDE.pptx
MarcioGleyber
 
HIGIENE E Proxiadkkfjfirijfafbuhuofhhfafncri
HIGIENE E ProxiadkkfjfirijfafbuhuofhhfafncriHIGIENE E Proxiadkkfjfirijfafbuhuofhhfafncri
HIGIENE E Proxiadkkfjfirijfafbuhuofhhfafncri
malvs7507
 
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptxAula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
SimoneMessiasRodrigu
 
Apostila de seguranca_do_trabalho
Apostila de seguranca_do_trabalhoApostila de seguranca_do_trabalho
Apostila de seguranca_do_trabalho
brenzink
 
Higiene industrial
Higiene industrialHigiene industrial
Higiene industrial
Edna Monteiro
 
Apostila cipa umberto
Apostila cipa umbertoApostila cipa umberto
Apostila cipa umberto
Umberto Reis
 
Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1
Cristina Santos
 
Treinamento de Trabalho para trabalhadores de escritorio
Treinamento de Trabalho para trabalhadores de escritorioTreinamento de Trabalho para trabalhadores de escritorio
Treinamento de Trabalho para trabalhadores de escritorio
AdelmaSilesAzevedo
 
Engenharia de segurança no trabalho
Engenharia de segurança no trabalhoEngenharia de segurança no trabalho
Engenharia de segurança no trabalho
R Gómez
 
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptxBIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
FabianoDoVale
 
1.apostila.analise.de.riscos
1.apostila.analise.de.riscos1.apostila.analise.de.riscos
1.apostila.analise.de.riscos
Zanel EPIs de Raspa e Vaqueta
 
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdfAula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
RuanPaulo5
 
Prevencionista
PrevencionistaPrevencionista
Prevencionista
Moacy Paula Neves
 
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxCOMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
Sandraoliveira116913
 
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhadorACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
AnielleAlvesMarchesi
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
Mona Lisa Oliveira Borges
 
Ergonomia1 introducao
Ergonomia1 introducaoErgonomia1 introducao
Ergonomia1 introducao
Enio Cerqueira
 
2ª aula segurança do trabalho (1) (1)
2ª aula   segurança do trabalho (1) (1)2ª aula   segurança do trabalho (1) (1)
2ª aula segurança do trabalho (1) (1)
graufinanceiro
 
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
artursil
 

Semelhante a Livro fundamentos de segurança no trabalho (20)

209 1309-1-pb (1)
209 1309-1-pb (1)209 1309-1-pb (1)
209 1309-1-pb (1)
 
segurança do trabalho SLIDE.pptx
segurança do trabalho SLIDE.pptxsegurança do trabalho SLIDE.pptx
segurança do trabalho SLIDE.pptx
 
HIGIENE E Proxiadkkfjfirijfafbuhuofhhfafncri
HIGIENE E ProxiadkkfjfirijfafbuhuofhhfafncriHIGIENE E Proxiadkkfjfirijfafbuhuofhhfafncri
HIGIENE E Proxiadkkfjfirijfafbuhuofhhfafncri
 
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptxAula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
 
Apostila de seguranca_do_trabalho
Apostila de seguranca_do_trabalhoApostila de seguranca_do_trabalho
Apostila de seguranca_do_trabalho
 
Higiene industrial
Higiene industrialHigiene industrial
Higiene industrial
 
Apostila cipa umberto
Apostila cipa umbertoApostila cipa umberto
Apostila cipa umberto
 
Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1
 
Treinamento de Trabalho para trabalhadores de escritorio
Treinamento de Trabalho para trabalhadores de escritorioTreinamento de Trabalho para trabalhadores de escritorio
Treinamento de Trabalho para trabalhadores de escritorio
 
Engenharia de segurança no trabalho
Engenharia de segurança no trabalhoEngenharia de segurança no trabalho
Engenharia de segurança no trabalho
 
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptxBIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
 
1.apostila.analise.de.riscos
1.apostila.analise.de.riscos1.apostila.analise.de.riscos
1.apostila.analise.de.riscos
 
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdfAula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
 
Prevencionista
PrevencionistaPrevencionista
Prevencionista
 
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxCOMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
 
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhadorACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
 
Ergonomia1 introducao
Ergonomia1 introducaoErgonomia1 introducao
Ergonomia1 introducao
 
2ª aula segurança do trabalho (1) (1)
2ª aula   segurança do trabalho (1) (1)2ª aula   segurança do trabalho (1) (1)
2ª aula segurança do trabalho (1) (1)
 
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
 

Último

Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 

Último (20)

Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 

Livro fundamentos de segurança no trabalho

  • 1. A c i d e n t e s e A c i d e n t e d e t r a b a l h o | 4/6 Causas e consequências Diversos fatores podem provocar acidentes de trabalho como falta de manutenção do maquinário, não utilização de equipamentos de segurança e até mesmo falta de organização. No entanto, as causas desses tipos de acidentes podem ser classificadas em três grupos principais: ato abaixo do padrão, condição abaixo do padrão e fator pessoal de insegurança. Vamos conhecer melhor cada um deles?  Ato inseguro (ato abaixo do padrão): são aqueles que dependem das ações dos homens como fontes causadoras de acidentes. Ex: deixar de usar equipamento de proteção individual, entrar em áreas não permitidas e operar máquinas sem estar habilitado.  Condição insegura (condição abaixo do padrão): são as condições físicas no ambiente de trabalho que podem gerar acidentes. Ex: piso escorregadio, ferramentas em mau estado de conservação e iluminação e ventilação inadequadas.  Fator pessoal de insegurança: As pessoas cometem atos inseguros ou criam condições inseguras ou colaboram para que elas continuem existindo, pelo seu modo de agir. Ex: desconhecimento dos riscos de acidentes, treinamento inadequado, excesso de confiança, etc. A ocorrência dos acidentes de trabalho, independente do tipo que ele seja, pode gerar conseqüências para a empresa, o trabalhador e a sociedade. Para o trabalhador, por exemplo, pode causar sofrimento físico, desamparo à família e incapacidade para o trabalho. Já a empresa pode sofrer com a perda de
  • 2. faturamento, gasto com serviços médicos e perda de tempo e produtos. Quanto à sociedade, podem existir impactos como: aumento de impostos e do custo de vida e perda de elementos produtivos. Doença ocupacional A doença ocupacional está diretamente ligada à modificação na saúde do trabalhador por causa da atividade desempenhada por ele ou da condição de trabalho às quais ele está submetido. Dessa forma, ela pode ser classificada como Doença Profissional ou Doença do Trabalho. A Doença Profissional é a modificação na saúde do trabalhador, desencadeada pelo exercício da sua atividade profissional. Por exemplo, um motorista de caçamba que fica com um problema de coluna por causa de problemas de postura ao conduzir o veículo. A Doença do Trabalho é a modificação na saúde do trabalhador, desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relaciona diretamente. Por exemplo, um motorista de caminhão que adquire um problema respiratório, porque trabalha em uma mineradora e acaba respirando muita poeira. A c i d e n t e s e A c i d e n t e d e t r a b a l h o | 6/6 Gerenciamento de Risco Para controlar a ocorrência de acidentes de trabalho e, dessa forma, preservar a saúde dos funcionários e, conseqüentemente, a produtividade da empresa; é necessário fazer o gerenciamento de risco. Esse tipo de gerenciamento visa à identificação e avaliação de todos os perigos atuais e futuros ocorridos no ambiente de trabalho. Atualmente, diversas técnicas de identificação de perigos e avaliações de riscos são utilizadas em todo o mundo. As mais conhecidas são:  Análise preliminar de riscos (APR);  Hazard and Operability Studies (HAZOP);  Análise de Árvore de Falhas (AAF). Essas metodologias vão auxiliar a descobrir que tipo de riscos o funcionário da empresa corre no ambiente de trabalho, bem como o que fazer para eliminar esses riscos e diminuir as possíveis situações de perigo.
  • 3. A identificação de perigo e a avaliação de riscos são de fundamental importância para a empresa, pois, se mal feitas, todas as ações decorrentes serão realizadas de forma inadequada ou incompleta. E isso pode significar perdas materiais e/ou pessoais. Resumo Acidente de trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho, a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados especiais, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte do trabalhador, a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho (invalidez). É muito importante observar que um acidente não é simples obra do acaso e pode trazer conseqüências indesejáveis. Em outras palavras: acidentes podem ser previstos. E, se podem ser previstos, podem ser evitados! R i s c o s a m b i e n t a i s | 1/8 Introdução Sabendo de tudo que aconteceu com João e seus colegas de trabalho na oficina, nesta unidade, você vai precisar identificar que tipo de riscos ele correu ao circular pelo local sem atender às medidas de segurança e o que ele precisaria fazer para evitar os acidentes. Para isso, é necessário que você aprenda a identificar os riscos de uma tarefa; perceba a possibilidade de existência desses riscos; quantifique-os e, por fim, aprenda como minimizá-los e eliminá-los do local. Mas o que são riscos? Que tipo de coisas podem causar acidentes como o sofrido por João e os colegas de trabalho na oficina?
  • 4. R i s c o s a m b i e n t a i s | 2/8 De acordo com o minidicionário Houaiss, o termo risco significa probabilidade de perigo ou probabilidade de insucesso. Aqui, você vai aprender um pouco mais sobre os riscos ambientais existentes nos locais de trabalho. Os riscos ambientais são aqueles causados por agentes físicos, químicos ou biológicos que, a depender de sua natureza, concentração, intensidade ou tempo de exposição, podem comprometer a segurança e a saúde dos funcionários, bem como a produtividade da empresa. Quando não são controlados ou previamente avaliados, os riscos ambientais afetam o trabalhador a curto, médio e longo prazo, podendo provocar acidentes com lesões imediatas e/ou doenças chamadas profissionais ou do trabalho, que se podem ser comparadas aos acidentes do trabalho. Os riscos ambientais são classificados segundo a sua natureza e forma com que atuam no organismo humano. Dessa forma, podem ser físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes. R i s c o s a m b i e n t a i s | 4/8 Agentes físicos
  • 5. Os agentes de riscos físicos podem ser definidos como os diversos tipos de energia aos quais o trabalhador é exposto durante a realização de suas atividades. Por exemplo, uma temperatura muito baixa ou extremamente alta. Além desse, podem ser considerados agentes físicos:  Ruído - as máquinas e equipamentos utilizados pelas empresas produzem ruídos que podem atingir níveis excessivos, podendo provocar graves prejuízos à saúde. Os principais efeitos do ruído excessivo sobre uma pessoa pode ser a surdez total ou parcial, o stress e/ou a redução do apetite sexual.  Vibrações mecânicas - na indústria, é comum o uso de máquinas e equipamentos que produzem vibrações (movimentos) que podem prejudicar o trabalhador. As vibrações podem ser localizadas ou generalizadas  Radiações ionizantes - os operadores de aparelhos de Raios X freqüentemente estão expostos a esse tipo de radiação que pode afetar o organismo ou se manifestar nos descendentes. Alguns dos efeitos produzidos por este agente são anemia, leucemia, câncer e/ou alterações genéticas.  Radiações não ionizantes - as radiações infravermelho (presentes em operações de fornos e de solda oxiacetilênica), raios laser e ultravioleta (produzida pela solda elétrica) podem causar ou agravar problemas visuais, além de provocar sobrecarga térmica, queimaduras, câncer de pele e aumento da atividade da tireóide. Agentes químicos Os agentes de riscos químicos podem ser definidos como as substâncias ou compostos que possam penetrar no organismo do trabalhador. Esses agentes, quando entram em contato com a pessoa, podem provocar danos à saúde de forma imediata, há médio ou longo prazo.
  • 6. O contato dos agentes químicos com as pessoas pode ocorrer de três formas:  Por via respiratória – os agentes penetram pelo nariz e boca, afetando a garganta e chegando aos pulmões. Através da circulação sanguínea, podem seguir para outros órgãos, onde manifestam os seus efeitos tóxicos, tais como asma, bronquites, pneumoconiose etc.  Por via cutânea - os ácidos, álcalis e solventes, ao atingirem a pele, podem ser absorvidos e provocar lesões como alterações na circulação e oxigenação do sangue, nos glóbulos vermelhos e problemas na medula óssea.  Por via digestiva - a contaminação do organismo ocorre pela ingestão acidental ou não de substâncias nocivas, presentes em alimentos contaminados, deteriorados ou na saliva. Hábitos inadequados como o de alimentar-se ou ingerir líquidos no local de trabalho, umedecer lábios com a língua, usar as mãos para beber água e a falta de higiene contribuem para a ingestão desse tipo de agente. Conforme o tipo de produto ingerido, pode ocorrer queimadura na boca, queimadura do esôfago e estômago etc. Agentes biológicos Os agentes de riscos biológicos surgem do contato do homem com certos micróbios e animais no ambiente de trabalho. Algumas atividades facilitam o contato dos trabalhadores com esse tipo de agentes como atividades em hospitais, a coleta do lixo, as indústrias de alimentação, laboratórios, dentre outros. Esses agentes podem causar doenças como tuberculose, intoxicação alimentar, brucelose, malária, febre amarela etc. As medidas preventivas mais comuns para esse tipo de agentes são o controle médico permanente, o uso de equipamentos de proteção individual, a higiene rigorosa nos locais de trabalho, os hábitos de higiene pessoal, o uso de roupas adequadas, a vacinação e o treinamento.
  • 7. Riscos ergonômicos Os riscos ergonômicos estão relacionados às condições de trabalho dos funcionários como cadeiras e mesas adequadas, maquinário moderno, conscientização dos trabalhadores etc. Esses agentes podem gerar distúrbios psicológicos e fisiológicos como fadiga, dores musculares, fraquezas, hipertensão arterial, úlcera duodenal, doenças do sistema nervoso, alterações do ritmo normal de sono e da libido, acidentes, problemas de coluna, taquicardia, angina, infarto, diabetes, asma etc. Para evitar que essas situações comprometam a atividade, é necessário adequar as condições de trabalho ao homem. Essa adequação pode ser obtida por meio de modernização de máquinas e equipamentos, uso de ferramentas adequadas, alterações no ritmo de tarefas, postura adequada, simplificação e diversificação do trabalho, entre outros. Riscos mecânicos
  • 8. Os riscos mecânicos estão relacionados às condições físicas (do ambiente físico de trabalho) e tecnológicas impróprias, capazes de colocar em perigo a integridade física do trabalhador. São considerados riscos geradores de acidentes: arranjo físico deficiente, máquinas e equipamentos sem proteção, ferramentas inadequadas ou defeituosas, eletricidade, incêndio ou explosão, animais peçonhentos e armazenamento inadequado. A principal medida para prevenir os acidentes por riscos mecânicos é realizar um programa de inspeções de segurança. Por meio de exame criterioso de todas as máquinas e instalações, é possível evitar acidentes e reparar as situações de risco potencial. A manutenção preventiva eficiente e sistemática é a melhor, para eliminar os riscos mecânicos de acidente Resumo Os riscos ambientais são aqueles causados por agentes físicos, químicos ou biológicos que, a depender de sua natureza, concentração, intensidade ou tempo de exposição, podem comprometer a segurança e a saúde dos funcionários, bem como a produtividade da empresa. Quando não são controlados ou previamente avaliados, os riscos ambientais afetam o trabalhador a curto, médio e longo prazo, podendo provocar acidentes com lesões imediatas e/ou doenças chamadas profissionais ou do trabalho, que podem ser comparadas aos acidentes do trabalho. O r g a n i z a ç ã o d o l o c a l d e t r a b a l h o | 1/6 Introdução
  • 9. Nesta unidade, você ficou responsável por reorganizar o ambiente da oficina em que João trabalha. Dessa forma, você vai precisar saber como identificar os aspectos que podem ser melhorados, além de como fazer para melhorá-los. Para conseguir solucionar mais esse desafio, é necessário que você aprenda a aplicar a política do “5 S”, a realizar o manuseio de materiais de forma segura, bem como identificar o ambiente a partir das cores e sinalizações de segurança, como também fazer a orientação das pessoas sobre a forma correta de como usar escadas e andar em segurança. Vamos começar! Um local de trabalho limpo e organizado, com pessoas conscientes de suas responsabilidades, é fundamental para minimizar os acidentes de trabalho e impactos ao Meio Ambiente. No entanto, por incrível que pareça, essa não é uma tarefa fácil. A pressa, os prazos curtos e o estresse do dia-a-dia, muitas vezes, colaboram para que cada vez mais as pessoas deixem de lado coisas simples, mas que podem colaborar com a limpeza e organização do local de trabalho, como limpar a mesa antes de ir para casa, separar o lixo antes de jogá-lo fora, dentre outras coisas.
  • 10. Para ajudar nessa difícil tarefa, os orientais desenvolveram um programa que auxilia na melhoria da qualidade, produtividade, segurança e saúde do trabalho em equipe e da satisfação dos funcionários no ambiente de trabalho. É o famoso “5 S” ou Programa dos Cinco Sensos. Este programa é a porta de entrada para uma boa Gestão Integrada de Segurança, Qualidade e Meio Ambiente, visto que possibilita uma maior motivação para a qualidade e apresenta resultados rápidos e visíveis. A prática contínua do “5 S” permite uma mudança interior que resulta em hábitos de organização e limpeza saudáveis. Para começar esta mudança, devemos considerar alguns aspectos importantes como iluminação do local de trabalho, transporte, armazenamento e manuseio de materiais, sinalização de segurança, e pisos e escadas. Vamos lá? Os locais de trabalho devem ter iluminação adequada, natural ou artificial, apropriada à natureza da atividade. Ou seja, o tipo de iluminação utilizada no
  • 11. ambiente de trabalho deve estar relacionado ao tipo de atividade que é realizada ali. Além de ser distribuída e difusa de maneira uniforme (igual), a iluminação deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, reflexos incômodos, sombras e contrastes excessivos. No ambiente de trabalho, é comum encontrar alguns problemas que precisam ser evitados como:  Nível insuficiente de iluminação – esse tipo de problema pode causar percepção inadequada dos detalhes, queda de rendimento do trabalhador, além de erros, cansaço etc.;  Claridade excessiva ou de ofuscamento – gera a fadiga visual;  Tamanho inadequado de letras e objetos – ocasiona fadiga visual e posturas forçadas, para enxergar melhor;  Inexistência de bom contraste dos limites do objeto;  Uso de lâmpadas de baixa reprodutibilidade cromática como lâmpadas de vapor de sódio para atividades em que a percepção de cores é fundamental. Transporte e armazenamento de materiais O procedimento de Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais estabelece os requisitos de segurança a serem observados nos locais de trabalho, tanto de forma mecânica quanto manual, e tem o objetivo de prevenir acidentes. Veja alguns dos requisitos estabelecidos pelo procedimento na lista abaixo:  Os equipamentos de transporte motorizados deverão possuir sinal de advertência sonora (buzina).
  • 12.  Todos os transportadores industriais serão permanentemente inspecionados e as peças defeituosas, ou que apresentem deficiências, deverão ser imediatamente substituídas.  O peso do material armazenado não poderá exceder a capacidade de carga calculada para o piso.  O armazenamento deverá obedecer aos requisitos de segurança especiais a cada tipo de material.  O material armazenado deverá ser disposto de forma a evitar a obstrução de portas, equipamentos contra incêndio, saídas de emergências etc. Sinalização de segurança A sinalização de segurança é fundamental para estabelecer a padronização das cores a serem utilizadas para classificar o nível de perigo das áreas e, dessa forma, preservar a saúde e a integridade física dos trabalhadores. Em função dessa necessidade, através da Norma Regulamentadora NR-26, padronizou-se a aplicação das cores, de modo que o seu significado seja sempre o mesmo na área de segurança do trabalho, permitindo, assim, uma identificação imediata do risco existente. Clique em cada uma das cores para saber o seu significado no ambiente de trabalho. O uso de cores deverá ser o mais reduzido possível, a fim de não ocasionar distração, confusão e fadiga ao trabalhador. Além disso, o uso de cores não dispensa o emprego de outras formas de prevenção de acidentes.
  • 13. OBS: Além destas cores citadas, existem também outras cores como: azul, lilás, púrpura, preto, laranja, cinza, alumínio e marrom. Pisos e escadas Quando se fala em organização e segurança do ambiente de trabalho, é preciso ter uma atenção especial no que diz respeito ao piso e às escadas. Muitos acidentes, nos locais de trabalho, são causados por causa de algumas falhas nesses dois itens do ambiente. Vamos saber que tipo de precauções, com esses dois fatores de risco, podemos ter? Os pisos dos locais de trabalho não devem apresentar saliências nem depressões que prejudiquem a circulação de pessoas ou a movimentação de materiais. As aberturas nos pisos e nas paredes devem ser protegidas de forma que impeçam a queda de pessoas ou objetos. Os pisos devem oferecer resistência suficiente para suportar as cargas móveis e fixas para as quais a edificação se destina. As escadas devem ser construídas de acordo com as normas técnicas oficiais e mantidas em perfeito estado de conservação. As escadas provisórias de uso coletivo devem ser dimensionadas em função do fluxo de trabalhadores, respeitando-se a largura mínima de 0,80 cm (oitenta centímetros), devendo ter pelo menos a cada 2,90m (dois metros e noventa centímetros) de altura um patamar intermediário. Os patamares intermediários devem ter largura e comprimento, no mínimo, iguais à largura da escada. A escada de mão deve ter seu uso restrito para acessos provisórios e serviços de pequeno porte. É proibido o uso de escada de mão junto a redes e equipamentos elétricos desprotegidos.
  • 14. Resumo O Programa dos Cinco Sensos ou “5 S” é a porta de entrada para uma boa Gestão Integrada de Segurança, Qualidade e Meio Ambiente, visto que possibilita uma maior motivação para a qualidade e apresenta resultados rápidos e visíveis. A prática contínua do “5 S” permite uma mudança interior que resulta em hábitos de organização e limpeza saudáveis. Para que essa mudança ocorra, é preciso considerar alguns aspectos importantes como iluminação do local de trabalho; transporte, armazenamento e manuseio de materiais; sinalização de segurança; e pisos e escadas. H i g i e n e e S a ú d e | 2/4 Princípios de Higiene e Saúde Pessoal Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a falta de uma alimentação balanceada, de exercícios físicos regulares e o tabagismo são os três principais fatores de risco à saúde, mas podem ser evitados com hábitos de vida saudáveis.
  • 15. Algumas medidas simples podem ser adotadas no dia-a-dia para garantir saúde há longo prazo. Clique em cada uma das palavras abaixo para saber um pouco mais.  Alimentação;  Atividade Física;  Vacinação. A l i m e n t a ç ã o Para ter uma vida saudável, você precisa consumir alimentação saudável e equilibrada, à base de frutas, verduras e legumes; reduzir o consumo de alimentos gordurosos, optando por alimentos cozidos ou assados, ao invés de fritos. Além disto, é preciso diminuir a ingestão de sal e alimentos ricos em açúcar, e sempre preferir água ao invés de refrigerantes e bebidas alcoólicas. A t i v i d a d e F í s i c a A atividade física regular tem como finalidade preservar o bem-estar físico, psíquico e social da pessoa. A falta de atividade física é reconhecida como um dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares. A atividade física deve ser praticada pelo menos três vezes por semana, com sessões de, pelo menos, 30 minutos de duração. V a c i n a ç ã o A vacinação pode prevenir as doenças como tétano, febre amarela, hepatite, gripe, entre outros. Essa é uma importante medida para manutenção da saúde. Para ter maiores informações, é importante procurar um posto de saúde mais próximo de sua casa. Princípios de Higiene Ambiental Higiene Ambiental é a ciência e a arte dedicada à antecipação, reconhecimento, avaliação e controle de fatores e riscos ambientais originados nos postos de trabalho e que podem causar enfermidades, prejuízos para a saúde ou bem-estar dos trabalhadores, sem perder de vista, claro, o impacto na comunidade e no meio ambiente em geral. Vamos conhecer melhor cada uma das etapas do processo de higiene ambiental. A antecipação serve para determinar os riscos potenciais existentes, estudando as modificações das instalações e verificando a introdução de novos processos ou alterações dos já existentes, incluindo medidas para redução ou eliminação dos riscos.
  • 16. A avaliação designa os monitoramentos que serão conduzidos no ambiente de trabalho para saber a que tipo de riscos os empregados são expostos durante um período de tempo. A terceira etapa é o reconhecimento. Nela, é feita toda análise e observação do ambiente de trabalho, a fim de identificar os agentes existentes, os potenciais de risco a ele associados e qual a prioridade de controle existe no local. O controle, por sua vez, está associado à eliminação ou minimização dos potenciais de exposição, antecipados, reconhecidos e avaliados no ambiente de trabalho considerado. É importante deixar claro que a Higiene Ambiental de uma empresa, como pôde ser visto por você, está diretamente ligada à administração dos riscos existentes no ambiente de trabalho e, conseqüentemente, à saúde do trabalhador e ao sucesso da empresa. Mas você lembra o que são riscos ambientais? Riscos ambientais Como você aprendeu na Unidade 2 deste curso, os riscos ambientais são aqueles causados por agentes físicos, químicos e biológicos, que, presentes nos ambientes de trabalho, podem provocar danos à saúde do trabalhador em função de sua natureza, concentração, intensidade ou tempo de exposição. Para saber como se prevenir de doenças causadas por esses agentes, clique nos textos abaixo:  Prevenção de Doenças Causadas por Agentes Químicos  Prevenção de Doenças Causadas por Agentes Físicos  Prevenção de Doenças Causadas por Agentes Biológicos
  • 17. Veja também algumas formas de prevenção das doenças relacionadas ao trabalho. Juntando esse conceito e tudo que você aprendeu sobre reconhecer, prevenir e eliminar riscos, você está pronto para fazer Higiene Ambiental na empresa onde trabalha. Lembre-se que essas coisas são bastante importantes para garantir a saúde e segurança do trabalhador. Um local de trabalho limpo com pessoas orientadas quanto à preservação da Saúde e do Meio Ambiente é essencial para manter seu conforto físico e o equilíbrio mental. Portanto, fique atento e, se ainda tiver alguma dúvida, volte ao conteúdo sempre que você achar necessário. P r e v e n ç ã o d e D o e n ç a s C a u s a d a s p o r A g e n t e s Q u í m i c o s Os agentes químicos podem causar intoxicações nos trabalhadores se usados sem os cuidados necessários. Dentre as medidas preventivas das intoxicações ocupacionais pode-se considerar: o armazenamento; a utilização e o descarte de produtos químicos da forma correta; a manutenção de ordem e limpeza rigorosa nos locais de trabalho e de permanência dos trabalhadores; higiene pessoal rigorosa e o uso de EPIs. Os agentes químicos tendem a se expandir no ar e atingir as vias respiratórias dos trabalhadores. Estes agentes químicos, após serem inalados, podem ser absorvidos, atingir a circulação sanguínea e provocar danos à saúde. A absorção digestiva pode resultar da ingestão de resíduos de produtos químicos presentes nas mãos e unhas sujas, da alimentação no local de trabalho e de ingestão acidental. A pele pode ser porta de entrada de agentes químicos no estado líquido pelo contato direto, ou pelo uso de roupas impregnadas por resíduos químicos. P r e v e n ç ã o d e D o e n ç a s C a u s a d a s p o r A g e n t e s F í s i c o s Agentes físicos são as diferentes formas de energia presentes no local de trabalho como por exemplo: ruídos, radiações ionizantes e não ionizantes e temperaturas anormais. Veja abaixo um destes exemplos e seus efeitos à saúde. Quando uma pessoa é exposta a um ruído com intensidade superior ao limite de 85 decibéis/8h, como prevê a legislação vigente, poderá perder sua
  • 18. capacidade auditiva para sempre. O ruído põe em risco a segurança do trabalhador, interfere na sua comunicação, dificulta a concentração, causa irritabilidade, cansaço e alterações no sono. Medida preventiva adotada nos locais que tenha muito ruído: em primeiro lugar o isolamento do ruído na fonte de emissão do agente. Caso não seja possível, a utilização do equipamento de proteção auditiva pelo trabalhador. Dica: quando o trabalhador realizar atividades por um longo período exposto ao sol, ele deve utilizar fardamento de manga comprida, creme protetor com filtro solar e chapéu. P r e v e n ç ã o d e D o e n ç a s C a u s a d a s p o r A g e n t e s B i o l ó g i c o s Os agentes biológicos são microorganismos causadores de doenças, com os quais pode o trabalhador entrar em contato, no exercício de diversas atividades profissionais. Os exemplos são: vírus, bactérias, parasitas, fungos, etc. Alguns profissionais ficam mais expostos devido a característica de suas atividades, são eles: médicos, enfermeiros, funcionários de laboratórios, lixeiros, açougueiros, etc. Dentre inúmeras doenças profissionais causadas por agentes biológicos, incluem-se, por exemplo: a tuberculose, o tétano, a malária, a febre tifóide e a febre amarela. Tais doenças só devem ser consideradas profissionais, quando estiverem diretamente relacionadas com exposições ocupacionais aos microorganismos patológicos, isto é, quando causadas diretamente pelas condições de trabalho. As medidas preventivas mais usuais são:  limpeza nos locais de trabalho;  controle médico permanente;  ventilação adequada;  rigorosa higiene pessoal;  controle dos sistemas de ar condicionado;  controle dos resíduos.
  • 19. N o r m a s R e g u l a m e n t a d o r a s | 1/4 Introdução As Normas Regulamentadoras (NR), no Brasil, são de cumprimento obrigatório por todas as empresas privadas e públicas que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Diante disso, essas normas se aplicam tanto a empresas públicas quanto privadas de qualquer setor, incluindo aí a oficina onde João trabalha. Sabendo disso e de tudo que aconteceu na oficina, você vai precisar destacar quais NR’s deveriam ser cumpridas para que João e seus colegas de trabalho fiquem em segurança. Para isso, no entanto, é preciso que você consiga identificar as Normas Regulamentadoras e suas áreas de aplicação. Vamos aprender como fazer isso? CIPA
  • 20. Como você pôde ver, as Normas Regulamentadoras (NR) são de cumprimento obrigatório por todas as empresas privadas e públicas que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Dessa forma, estão inclusas ações de Segurança e Saúde no Trabalho. Atualmente, existem cerca de 33 NRs previstas para a área de Segurança e Saúde no Trabalho. Dentre elas, é possível destacar como uma das principais a NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA. A NR-05 (CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) estabelece que as empresas organizem e mantenham uma comissão constituída, exclusivamente, por empregados com o objetivo de prevenir acidentes no ambiente de trabalho. Essa comissão é responsável por apresentar sugestões e recomendações ao empregador para que este melhore as condições de trabalho, eliminando as possíveis causas de acidentes e doenças ocupacionais. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 163 a 165 da CLT. Mapa de risco Depois de formada, uma das primeiras ações da CIPA é elaborar um mapa de risco do local de trabalho. Para isso, a Comissão deve ouvir os trabalhadores da área e receber orientação do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT. O mapa de risco é a representação gráfica dos riscos existentes nos locais de trabalho por meio de círculos de diferentes tamanhos e cores. Esse mapa tem o objetivo de informar e conscientizar dos riscos existentes na empresa para, dessa forma, prevenir acidentes de trabalho.
  • 21. Veja um exemplo do Mapa de Risco, clicando no diagrama ao lado. A CLT determina que todas as empresas com CIPA devem ter o mapa de risco. Por essa razão, se uma empresa com CIPA contratar uma empreiteira que não tem CIPA, por exemplo, ela deve fazer um mapa de risco do canteiro de obras onde trabalham os funcionários dessa contratada. Outras NRs Embora a CIPA seja uma das normas mais conhecidas, existem outras NR’s que também são muito importantes para a manutenção da Saúde e da Segurança do Trabalhador. Seguem algumas delas: NR4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho: Estabelece que as empresas organizem e mantenham em funcionamento os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho – SESMT. Este serviço tem a finalidade de promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, é o artigo 162 da CLT. NR6 - Equipamentos de Proteção Individual - EPI: Estabelece e define as formas de proteção, requisitos de comercialização e responsabilidades em relação ao empregado, empregador, fabricante, importador e MTE. Tem objetivo de proteger os trabalhadores dos riscos capazes de ameaçar a segurança e a saúde no local de trabalho. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 166 e 167 da CLT. NR7 - Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional: Estabelece que as empresas elaborem e implementem o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO. Esse programa tem o objetivo de promover e preservar a saúde do conjunto dos seus trabalhadores. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 168 e 169 da CLT. NR9 - Programas de Prevenção de Riscos Ambientais: Estabelece que as empresas elaborem e implementem o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA, visando à preservação da saúde e da integridade física dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 175 a 178 da CLT.
  • 22. NR15 - Atividades e Operações Insalubres: Descreve as atividades, operações e agentes insalubres, inclusive seus limites de tolerância. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 189 e 192 da CLT. NR17 - Ergonomia: Visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às condições psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 198 e 199 da CLT. NR23 - Proteção Contra Incêndios: Estabelece as medidas de proteção contra incêndios, visando à prevenção da saúde e da integridade física dos trabalhadores. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, é o artigo 200, inciso IV, da CLT. Resumo As Normas Regulamentadoras (NR), no Brasil, são de cumprimento obrigatório por todas as empresas privadas e públicas que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Diante disso, essas normas se aplicam tanto a empresas públicas quanto privadas de qualquer setor. Atualmente, existem cerca de 33 NR’s previstas para a área de Segurança e Saúde no Trabalho. Dentre elas, é possível destacar, como uma das principais, a NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA. P r e v e n ç ã o e c o m b a t e a i n c ê n d i o | 1/6 Introdução No acidente ocorrido na oficina de Pedro, um dos funcionários foi atingido com produto inflamável, pegando fogo em seu fardamento. Como esse fogo poderia ter sido controlado, que tipo de precauções deveria ter sido tomado para que
  • 23. um acidente desse tipo (com fogo) não ocorresse? Essas são as principais questões que você vai precisar responder nesta unidade do curso. Para isso, no entanto, você vai precisar aprender o que é um incêndio, como identificar os pontos de risco de ocorrência de incêndios, além de como combatê-los e qual é a ferramenta adequada para isso em cada situação. Vamos lá? Fogo Antes de se saber como prevenir e combater um incêndio, é preciso que fique claro qual é o conceito de fogo e qual a sua importância para humanidade. O fogo é uma reação química de oxidação (utilizando oxigênio) com a liberação de luz e calor, que é chamada de combustão ou queima. Essa reação tem uma importância muito grande para a sobrevivência humana, pois é através dela que preparamos os alimentos, aquecemos alguns ambientes e, em muitos casos, realizamos os processos industriais. Você pode até imaginar a vida do ser humano sem muitos elementos considerados indispensáveis como o celular, o automóvel e, até mesmo, a internet. Mas você consegue pensar como viveríamos sem o fogo? Não dá! Em todas as situações que falamos acima, mostra-se a utilização do fogo pelo homem, ou seja, o controle do fogo. Quando nos descuidados ou de alguma forma as chamas saem de controle, acontece um incêndio. Dessa forma, o fogo se transforma em incêndio, quando não é controlado, tendendo a se alastrar e causar muita destruição. Vamos aprender um pouco mais! Princípios básicos
  • 24. Para compreendermos os princípios em que se baseia a ciência de prevenção e combate a incêndio, é preciso conhecer as condições que determinam a ocorrência ou não do fogo. A existência do fogo só é possível se houver a combinação de quatro elementos essenciais:  Fonte de ignição: representa a energia térmica (fagulha, calor, faísca) necessária para ativar a reação química entre um material combustível (papel, madeira) e o comburente (oxigênio).  Comburente: é qualquer substância que mantém uma combustão (queima). O comburente mais comum é o oxigênio, pois é o mais abundante. O ar é composto de aproximadamente 21% de oxigênio, 78% de nitrogênio e 1% de outros gases.  Material Combustível: é toda e qualquer substância sólida, líquida e gasosa que arde com formação de calor e luminosidade, após atingir a temperatura de ignição. Como exemplo: gasolina, álcool, madeira, papel etc.  Reação em Cadeia: se observarmos o fogo depois de iniciado, o mesmo passa a alimentar a si próprio, ou seja, o fogo se mantém aceso. Durante a combustão a reação em cadeia é formada pela liberação de radicais livres que são os responsáveis pela transferência de energia à molécula ainda intacta, provocando a propagação do fogo. Temos como exemplo uma vela, que ao iniciar sua combustão as chamas liberam calor, consequentemente evapora a cera e essa por sua vez alimenta novamente as chamas, esse ciclo é chamado de reação em cadeia. Métodos de extinção de incêndios Como você viu, o fogo só vai existir com a presença de quatro elementos essenciais: fonte de ignição, comburente, material combustível, reação em
  • 25. cadeia. Com a retirada de pelo menos um desses elementos, a combustão não vai acontecer e, dessa forma, o fogo será apagado. Tendo essa informação como base, foram desenvolvidos quatro métodos para a extinção de um incêndio: 1. Resfriamento: é o método da retirada do calor. Significa baixar a temperatura (resfriando) até que não haja mais a combustão. Este é o método de extinção mais usado e a água, o agente extintor mais utilizado no resfriamento. Uma dica importante nesses casos é interromper o fogo, resfriando as áreas que ainda não foram atingidas, isolando e limitando o fogo do incêndio até extingui-lo. 2. Abafamento: é o método de extinção que consiste em reduzir a concentração do oxigênio presente no ar, situado acima da superfície do combustível. Exemplo: abafar com cobertores de tecido especial (anti- chama). Qualquer meio de abafamento que consiga reduzir a quantidade de oxigênio em menos de 13% terá sucesso na extinção. 3. Interferência na Reação em Cadeia: é o método conhecido, também, como extinção química, em que o agente extintor evita a reação das substâncias, impedindo a continuidade da combustão. 4. Isolamento (Remoção do Combustível): é a retirada do material ou controle do combustível. É o método de extinção mais simples na sua realização, pois não existem aparelhos especializados. Consiste na retirada, diminuição ou interrupção dos materiais combustíveis que alimentam o fogo e daquele que ainda não foi atingido por este. Tudo isso com bastante segurança. Classificação dos incêndios Para facilitar os estudos de prevenção e combate a incêndio, é necessário o entendimento de como o incêndio é classificado. Para isto, considera-se a existência de quatro classes gerais de incêndios: A, B, C, D. Vamos conhecer melhor cada uma delas?
  • 26. Classe A - São os incêndios que ocorrem em material de fácil combustão com a propriedade de queimarem em sua superfície e profundidade e que deixam resíduos. Por exemplo: tecido, papel, madeira etc. Para sua extinção, é necessário o resfriamento, isto é, água ou soluções que reduzam a temperatura do material em combustão abaixo do seu ponto de ignição. Classe B - São os que ocorrem em produtos considerados inflamáveis (gasolina, álcool), que queimam somente em sua superfície, não deixando resíduo. Para sua extinção, é necessário isolar o material combustível do ar (abafamento) ou fazer uma interferência na reação em cadeia.
  • 27. Classe C - São os que ocorrem em materiais elétricos energizados, por exemplo, motores, transformadores etc. Pra sua extinção, é necessário usar um agente não condutor de eletricidade como o CO2 e o Pó químico. Classe D - São os que ocorrem em metais pirofóricos (material que entra em ignição espontaneamente em contato com o ar em condições normais). Por exemplo, zinco, alumínio em pó, magnésio, titânio, potássio etc. Essa classe de incêndio exige, para sua extinção, agentes especiais que se fundem em contato com o metal combustível, formando uma capa que os isola do ar atmosférico, interrompendo a combustão. Providência em caso de incêndio
  • 28. Se a prevenção falhar e o fogo estiver fora de controle, existem algumas regras de ações que podem ser tomadas para evitar maiores danos, pondo fim às chamas. A primeira regra no ataque ao fogo é combatê-lo logo no início, evitando a sua propagação. Tão cedo o fogo se manifeste, deve-se:  Acionar o sistema de alarme;  Chamar imediatamente o corpo de bombeiros;  Desligar as máquinas e aparelhos elétricos, quando a operação do desligamento não envolver riscos adicionais;  Atacá-lo o mais rapidamente possível, pelos meios adequados. Para conhecer detalhadamente as providências em incêndio, veja no site do Ministério do Trabalho e Emprego (www.mte.gov.br), a NR-23 Proteção Contra Incêndio. Resumo O fogo é uma reação química de oxidação (utilizando oxigênio) com a liberação de luz e calor, que é chamada de combustão ou queima. O fogo só vai existir com a presença de quatro elementos essenciais: fonte de ignição, comburente, material combustível, reação em cadeia. Com a retirada de pelo menos um desses elementos, a combustão não vai acontecer e, dessa forma, o fogo será apagado. Tendo essa informação como base, foram desenvolvidos quatro métodos para a extinção de um incêndio: Resfriamento, Abafamento, Interferência na Reação em Cadeia e Isolamento (Remoção do Combustível).
  • 29. E q u i p a m e n t o s d e p r o t e ç ã o | 1/6 Introdução Para que os trabalhadores se protejam de forma correta na realização de suas atividades, foram criados equipamentos de proteção, que podem ser coletivos ou individuais. Os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) são usados
  • 30. com o objetivo de modificar as condições de trabalho em um determinado ambiente, promovendo a proteção de todo o grupo. Já os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) são usados por cada trabalhador e se destinam à proteção do funcionário durante a realização do trabalho. Diante disso e, com base nas coisas que aconteceram na oficina, você vai precisar identificar quais EPC’s e EPIs poderiam ter sido usados para evitar ou diminuir os efeitos do tropeço de João. Vamos lá! Basta ter atenção a tudo que for dito que rapidinho você vai conseguir identificar qual é o equipamento adequado para cada atividade e profissional, bem como os equipamentos funcionam, são conservados e armazenados. Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) Os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) são usados com o objetivo de modificar as condições de trabalho em um determinado ambiente, promovendo a proteção de todo o grupo. São exemplos bastante utilizados de EPC’s, os chuveiros e lava olhos de emergência, o isolamento acústico de um equipamento ruidoso, os extintores de incêndio, o guarda corpo, a capela, o lava olhos, o corrimão e os exaustores. Do ponto de vista de proteção aos trabalhadores, as medidas de proteção coletiva são sempre mais eficientes que os equipamentos de proteção individual. Apesar disso, os EPI’s são mais utilizados, pois, normalmente, há curto prazo, eles são mais baratos do que fazer modificações no ambiente. No entanto, há longo prazo, os custos com a manutenção desses equipamentos podem se tornar mais elevados que as medidas de ordem ambiental e coletiva. Extintor Capela Lava Olhos
  • 31. Corrimão Exaustor Equipamentos de Proteção Individual (EPI) Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) são usados por cada trabalhador e se destinam à proteção do funcionário durante a realização do trabalho. Esse tipo de equipamentos deve ser usado para atender situações de emergência e sempre que as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis, estiverem em fase de implantação ou não oferecerem completa proteção. Para atender às necessidades das empresas e garantir, de fato, a segurança dos trabalhadores, os EPI’s devem apresentar inscrição do Cadastro de Registro do Fabricante (CRF) e do Certificado de Aprovação (CA). Além disso, é ideal que eles se ajustem comodamente ao usuário e ofereçam proteção efetiva contra os riscos para os quais foi fabricado. No entanto, para realmente garantir a segurança do trabalhador, é necessário que os funcionários da empresa sejam treinados para saber como e quando usar o EPI e quais são suas limitações, que modelo e tipo de equipamento escolher a depender da situação, além de como limpá-los e armazená-los. Existem, também, os EPI’s para proteção respiratória; proteção do tronco; proteção dos membros superiores; proteção dos membros inferiores; proteção do corpo inteiro; proteção contra quedas com diferença de nível, dentre outros. Clique nos EPI’s (capacete, óculos e protetor auricular) para conhecê-los um pouco melhor.
  • 32. Controle e conservação dos EPI’s A recomendação do EPI adequado ao risco existente nas atividades realizadas pela empresa cabe à CIPA ou ao SESMT, quando for o caso. No entanto, cumprida essa etapa, tanto os funcionários quanto os patrões ainda têm tarefas a cumprir. Vamos ver? Cabe ao empregador:  Adquirir o EPI adequado ao risco de cada atividade;  Exigir o uso de EPI’s;  Fornecer ao trabalhador somente o EPI aprovado pelo órgão nacional competente em matéria de Segurança e Saúde no Trabalho;  Orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação do EPI;  Substituir imediatamente o EPI, quando este for danificado ou extraviado;  Responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica dos EPI’s;  Comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada nos EPI’s. Cabe ao funcionário:  Usar o EPI, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina;
  • 33.  Responsabilizar-se pela guarda e conservação do EPI;  Comunicar ao empregador qualquer alteração que torne o EPI impróprio para uso;  Cumprir as determinações do empregador sobre o uso adequado dos EPI’s. De acordo com a CLT - Art. 462, § 1º, se o trabalhador causar qualquer tipo de dano ao EPI, o patrão pode descontar o valor no salário do funcionário desde que isso tenha sido acordado anteriormente ou em caso de o funcionário tentar enganar o patrão. Controle de fornecimento de EPI’s Quando o funcionário é admitido na Empresa, o Departamento de Segurança fornece os EPI’s necessários à sua função, inclusive os requeridos para trânsito nas áreas de risco, e providencia o treinamento para sua utilização. O controle de entrega desses EPI’s é feito através do formulário Ficha Individual - Equipamento de Segurança. Ocorrendo transferência ou demissão do funcionário, bem como danos aos equipamentos, estes devem ser devolvidos ao Departamento de Segurança, que providenciará os registros necessários na Ficha Individual - Equipamento de Segurança. O registro da entrega e devolução dos EPI’s é feito para permitir um maior controle por parte da empresa e para atender às Normas Regulamentadoras e a Consolidação das Leis do Trabalho, relativas à Segurança e Medicina do Trabalho. Limpeza de EPI’s
  • 34. Cada funcionário é responsável pela limpeza dos equipamentos que estão sob sua responsabilidade e a melhor forma de fazer isso é utilizando água e sabão. No caso das máscaras, a higienização é feita pelo Departamento de Segurança ou empresa especializada. A Área de Segurança mantém um controle para higienização dos EPI’s, onde consta o tipo de equipamento, sua localização, o nome do funcionário responsável pela sua utilização e a periodicidade para higienização. Para verificar se os funcionários estão fazendo a limpeza dos equipamentos de forma correta, o pessoal responsável pela segurança percorre as áreas fazendo inspeções. É importante lembrar que o empregador fornece os EPI’s gratuitamente e ainda se responsabiliza pelo treinamento dos funcionários em como utilizá-los. Cabe ao trabalhador usar os equipamentos de maneira correta, para que ele possa ser protegido e corra menos riscos de sofrer algum tipo de acidente de trabalho. Saiba os procedimentos que você deve seguir para higienizar os seus EPI’s. Resumo
  • 35. Para que os trabalhadores se protejam de forma correta na realização de suas atividades, foram criados equipamentos de proteção, que podem ser coletivos ou individuais. Os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) são usados com o objetivo de modificar as condições de trabalho em um determinado ambiente, promovendo a proteção de todo o grupo. Já os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) são usados por cada trabalhador e se destinam à proteção do funcionário durante a realização do trabalho. P r i m e i r o s S o c o r r o s | 2/9 Os Primeiros Socorros são os atendimentos que antecedem a chegada da equipe médica especializada, prestados a uma vítima de acidente ou portador de mal súbito, para mantê-lo com vida. Estes atendimentos, quando aplicados de maneira correta, podem fazer a diferença entre a vida e a morte do
  • 36. acidentado, já que nas duas primeiras horas, depois de ocorrido o acidente, são de fundamental importância para a sobrevivência da vítima. Conheça alguns procedimentos básicos de Primeiros Socorros que podem ajudar você numa situação de emergência. Parada respiratória O ar que respiramos é essencial para nos mantermos vivo. A parada respiratória se caracteriza pela interrupção da respiração, ou seja, da entrada e saída de ar dos pulmões. A vítima para de respirar. Pode acontecer, por exemplo, a partir da obstrução da via respiratória com engasgo por alimentos, prótese dentária, vômito etc. Numa situação de emergência, para verificar se a vítima está respirando é preciso que o socorrista (quem está prestando socorro à vítima) aproxime-se do rosto da vítima e observe se há movimento do tórax, saída de ar do nariz ou boca e sons de respiração. Se nenhum desses aspectos for encontrado e os lábios, línguas e unhas estivem azulados (cianose), o socorrista pode concluir que a vítima sofreu uma parada respiratória. Sabendo disso, cabe ao socorrista realizar as ações de primeiros socorros como Desobstrução das vias aéreas e Método boca-a-boca (boca - máscara). Clique nos nomes das ações para saber mais sobre cada uma delas . Parada cardíaca A Parada Cardíaca se caracteriza como a parada dos batimentos do coração. Ela pode provocar , por exemplo, infarto agudo do miocárdio. Os casos de parada cardíaca exigem ação imediata e podem ser constatados pela observação dos seguintes sintomas: inconsciência, ausência de pulso, palidez intensa, extremidades frias e dilatação das pupilas.
  • 37. Numa situação de emergência, para saber se o coração da vítima está batendo, o socorrista deve verificar o pulso dele, colocando os dedos, indicador e médio, bem no meio do pescoço da vítima e deslizando-os para o lado até encontrar o vão entre a traquéia e o músculo do pescoço. Se a vítima não apresentar pulsação, pode ter acontecido uma parada cardíaca. Tento verificada a ausência de pulsação, a primeira ação que precisa ser tomada pelo socorrista é a realização da Compressão Cardíaca (massagem cardíaca). Clique no nome da ação para ver uma animação explicando o procedimento. Quando há uma parada cardíaca, a respiração também se interrompe. Dessa forma, se a vítima não for socorrida a tempo, a falta de oxigênio pode levá-la à morte ou causar lesões permanentes. Hemorragias Hemorragia é a saída de sangue das artérias ou veias, provocados por cortes, esmagamentos, amputações, fraturas, etc.
  • 38. Chamamos de hemorragia externa, quando ocorre a saída de sangue dos vasos para fora do corpo.Ex: Ferimentos, cortes, esmagamentos, etc. Já a hemorragia interna ocorre a saída do sangue dos vasos, porém o sangue permanece dentro do corpo. Ex: Ferimentos nos órgãos internos do corpo. Em geral, a gravidade de uma hemorragia é determinada pelos seguintes fatores:  rapidez e quantidade com que o sangue sai dos vasos;  se o sangramento é externo ou interno;  local de origem do sangue;  quantidade de sangue perdida;  peso, idade e condição geral da vítima;  se o sangramento afeta a respiração da vitima (vias aéreas) Mas você sabe o que fazer para socorrer uma vítima com hemorragia? Como o sangramento pode ser controlado? Vamos ver! Controlando a hemorragia externa Existem diversas formas de controlar uma hemorragia externa. Umas são mais simples e oferecem pouco risco à vítima, e outras mais complexas, com sérios riscos e contra-indicações. Algumas requerem muito pouco treinamento ou equipamento, e outras necessitam de material muitas vezes não facilmente disponível. No entanto, cada uma delas está relacionada a uma situação, a um caso específico de sangramento. Vamos conhecer alguns desses procedimentos? Clique nos links abaixo.  Compressão sobre a lesão  Elevação do membro lesado  Compressão dos pontos arteriais  Imobilização (método coadjuvante)  Resfriamento (método coadjuvante)
  • 39. C o m p r e s s ã o s o b r e a l e s ã o Compressão sobre a lesão é feita de forma simples, coloca-se um pano limpo, gaze ou bandagem sobre o ferimento, comprimindo-o, essa é a forma mais simples e eficaz. C o m p r e s s ã o d o s p o n t o s a r t e r i a i s Existem artérias que podem ser apalpadas por estarem mais próximas a superfície da pele. Através da compressão nos pontos em que se encontram essas artérias, interrompemos o sangramento do local afetado. Deve-se comprimir a artéria atingida acima do ferimento. Veja algumas das regiões recomendadas para compressão das artérias: E l e v a ç ã o d o m e m b r o l e s a d o
  • 40. Após ter feito a compressão sobre a lesão, deve-se elevar o membro ferido para que o fluxo sangüíneo diminua naquela região em que houve o ferimento. R e s f r i a m e n t o Consiste em resfriar o local da lesão utilizando saco plástico com gelo. Esse método diminui a dor e edemas(inchaço) quando ocorre lesão com contusão. Obs: Esse método é utilizado em combinação com uma das técnicas mencionadas. I m o b i l i z a ç ã o A hemorragia pode ocorrer quando o osso perfura a musculatura, tecidos ou pele. Deve-se imobilizar a vítima para reduzir o risco de hemorragia. Portanto não deverá haver movimentação contínua nesse local, pois se isso ocorrer,
  • 41. poderá agravar a hemorragia. Nuca tente colocar o osso de uma fratura exposta para dentro do ferimento. A imobilização reduz o sangramento e ajuda na redução da hemorragia Queimaduras As queimaduras são lesões causadas quando a pele entra em contato com temperaturas extremas (fogo ou gelo), produtos químicos (como soda caustica), eletricidade e radiações. Em casos de queimaduras, o socorrista deve realizar algumas ações imediatas como:  resfriar o local com soro fisiológico ou com água corrente;  proteger o local da lesão com gaze, pano limpo ou lenço para aliviar a dor e impedir o contato com o ar;  retirar relógio, pulseiras, brincos, cintos e adornos em geral, pois, esses objetos armazenam calor;  em queimaduras elétricas, verificar a possível presença de parada cardiorespiratória;  encaminhar a vítima imediatamente para atendimento médico especializado.
  • 42. A depender do agente causador da queimadura, existem ações específicas que devem ser adotadas. Clique nos links abaixo para conhecê-las.  Queimaduras térmicas  Queimaduras químicas  Queimaduras elétricas NUNCA USE pasta de dente, pomadas, ovo, manteiga, óleo de cozinha ou qualquer outro ingrediente, pois eles podem complicar a queimadura e dificultar o diagnóstico. Em queimaduras de 2º grau, NÃO rompa as bolhas. Q u e i m a d u r a s t é r m i c a s Em caso de queimaduras por temperaturas extremas:  Utilizar água para apagar o fogo na vítima ou utilizar um cobertor para abafa-la.  Cobrir o local queimado com um pano limpo ou papel alumínio.  Retirar anéis, pulseiras, relógios, cintos, etc.  Não remover as roupas queimadas que grudaram na pele, corte ao redor do local e retire o restante da roupa que não grudou na pele.  Não deixar a vítima correr se houver fogo em suas vestes.  No caso de queimadura nos olhos, cobrir o local com gaze umedecida em soro. Q u e i m a d u r a s q u í m i c a s Em caso de queimaduras por agentes químicos:  Lave o local com água corrente por 30 minutos.  Identifique qual o produto químico que causou a queimadura.  Remover a roupa da vítima.  Caso os olhos forem atingidos, lavar em água corrente (chuveiro, torneira, bebedouro, etc).  Verificar via aérea, respiração, circulação, e nível de consciência. Q u e i m a d u r a s e l é t r i c a s Em caso de queimaduras por agentes elétricos:  Não toque na vítima. Desligue a corrente elétrica.  Queimaduras elétricas graves exigem atenção às vias aéreas e à respiração.  Todas as lesões elétricas necessitam de atenção médica. Transporte de acidentados
  • 43. Ao transportar um acidentado alguns cuidados devem ser tomados para não agravar lesões existentes. No primeiro momento parece ser fácil transportar uma vítima, porém, se não for feito corretamente pode deixar seqüelas no acidentado para o resto de sua vida. O transporte da vítima só deverá ser feito se for absolutamente necessário, ou seja, se a vítima estiver em local de perigo iminente como o de desabamento, incêndio, explosão, etc. caso contrário, deve-se esperar o atendimento médico no local. Na existência de várias vítimas no local, o socorrista deve pedir ajuda o mais rápido possível. O transporte de vítimas mais seguro é o que é feito através de maca, porém, não tendo uma maca no local, deve-se improvisar utilizando porta, prancha, tábua, varas e lençóis bem resistentes. Antes de realizar o transporte, deve-se fazer uma inspeção geral na vítima. I n s p e ç ã o g e r a l n a v í t i m a Verificar a existência de lesões, sangramentos, fraturas na vítima. Se não tiver conhecimento da gravidade da lesão, não movimentar a vítima. Deve existir preparo técnico e psicológico por parte das pessoas que estão prestando primeiros socorros, para que vidas não sejam colocadas em perigo. Transporte de acidentados Existem várias maneiras de se transportar uma vítima. Irá depender de vários fatores como: quantidade de pessoas que possam ajudar no transporte; a situação em que a vítima se encontra; as condições do local, etc. No entanto, antes de remover uma vítima, é necessário alguns cuidados especiais:  controlar a hemorragia;  manter a respiração;
  • 44.  imobilizar o pontos de suspeitos de fratura, lembrando de que nunca devemos colocar ossos em sua posição normal em caso de fraturas exposta;  evitar ou controlar o estado de choque;  Se o ferido estiver em local de perigo, ele deve ser puxado pela direção da cabeça ou pelos pés, nunca pelos lados;  Se o ferido estiver em local de perigo, ele deve ser puxado pela direção da cabeça ou pelos pés, nunca pelos lados, protegendo sempre a cabeça. Existem vários métodos de transporte de acidentados, entre eles: Transporte de apoio Transporte em "cadeirinha" Transporte em braços Transporte em tábua com imobilização do pescoço Resumo Os Primeiros Socorros são os atendimentos que antecedem a chegada da equipe médica especializada, prestados a uma vítima de acidente ou portador de mal súbito, para mantê-lo com vida. Estes atendimentos, quando aplicados de maneira correta, podem fazer a diferença entre a vida e a morte do acidentado, já que nas duas primeiras horas, depois de ocorrido o acidente, são de fundamental importância para a sobrevivência da vítima.
  • 45. R e f e r ê n c i a s  ARAÚJO, Giovanni Moraes de. Normas regulamentadoras comentadas. 3 ed. rev. Rio de Janeiro: GVC, 2002.  BENITE, Anderson Glauco. Sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho. São Paulo: O Nome da Rosa, 2004.  BRASIL. Lei 8.213/91 de 24 de Julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Publicada no Diário Oficial da União de 25.7.91 e Republicada em 11.4.96 e 14.8.98.Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8213cons.htm. Acesso em: 28 abr. 2008.  BRASIL. Decreto nº611/92 de 21 de Julho de 1992. Dá nova redação ao Regulamento dos Benefícios da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 357, de 7 de dezembro de 1991, e incorpora as alterações da legislação posterior.Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990- 1994/D0611.htm>. Acesso em 28 abr. 2008.
  • 46.  BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Normas regulamentadoras. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/default.asp >. Acesso em: 16 maio. 2008.  COSTA, Marco Antônio F. da; COSTA, Maria de Fátima Barroso da. Segurança e saúde no trabalho. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.  HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva: Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia, 2007.  SENAC. DN. Primeiros socorros: como agir em situações de emergência. 2. ed. Rio de Janeiro, 2007.  SENAI-DR BA. Higiene e segurança ambiental: - Lauro de Freitas: CETIND,2007. 44p., il. (Ver.00).  SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Nacional.Curso básico de segurança do trabalho. Lauro de Freitas: CETIND,2004.  SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Nacional.Segurança do trabalho. Lauro de Freitas: CETIND,2006.  SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Nacional. Curso básico de segurança em instalações e serviços em eletricidade: noções de primeiros socorros em serviços com eletricidade / SENAI.DN.Brasília, 2005. ______. ______.______: ______ / SENAI.DN.Brasília, 2007.  SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Nacional. Curso básico de segurança em instalações e serviços em eletricidade: princípios básico de prevenção de incêndio / SENAI.DN.Brasília, 2005. ______. ______.______: ______ / SENAI.DN.Brasília, 2007.