SlideShare uma empresa Scribd logo
Prevenção de
Acidentes do
Trabalho
Izaias de Souza Aguiar
A Lei nº 8.213, de 25 de julho de 1991, define acidente
como:
“Art.19. Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício
do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal
ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou
redução, permanente ou temporária da capacidade para o
trabalho.”
Definição Acidente de Trabalho
O acidente que tenha contribuído para o dano de qualquer
natureza;
O acidente sofrido pelo funcionário no local e horário de
trabalho;
A doença proveniente de contaminação acidental do
empregado no exercício de sua atividade;
Considerações sobre Acidentes de Trabalho
O acidente sofrido pelo funcionário, ainda que fora do local e horário de
trabalho:
a) Na prestação de qualquer trabalho, a serviço da empresa;
b) Em viagem a serviço da empresa;
c) No percurso da residência para o local de trabalho ou deste para
aquela, qualquer que seja o meio de locomoção.
Considerações sobre Acidentes de Trabalho
Fatores que comprometem a segurança:
Métodos inseguros;
Desorganização;
Falta de proteção;
Riscos a saúde;
Desinteresse das pessoas sobre o assunto.
Abrindo as Portas para o Acidente
A prevenção de acidentes depende:
Condições seguras de trabalho;
Profissionais habilitados a cuidar da segurança;
Eliminação dos riscos;
Conscientização de todos os funcionários da empresa.
A Prevenção de Acidentes depende
Causa de acidente é qualquer coisa ou tudo que tenha
contribuído para a sua ocorrência;
A improvisação:
Pelo uso de métodos, ferramentas, dispositivos e
procedimentos incompletos, inadequados e certamente
inseguros.
Causas de Acidentes de Trabalho
As Exceções:
Ao serem desabilitados procedimentos, como por exemplo
“só desta vez”, ou “eu acho que podemos fazer assim desta
vez”, etc;
A Dedução:
“Ele já deve ter desligado a rede”
“Isso aqui eu também sei fazer”
“Se fosse perigoso, haveria um aviso”
Causas de Acidentes de Trabalho
O princípio da auto exclusão:
“AHHH!!! Comigo não acontece”
“GRRRR!! Faço isso a dez anos desse jeito.”
A Pressa:
Faz com que se ignorem ou se esqueçam os principais
passos de procedimento.
Causas de Acidentes de Trabalho
Brincadeiras no Trabalho:
“Distrações, sustos, gozações, etc.”
Atirar porcas, espirrar água, dar tapinha nas costas,
comentários que dizem respeito a índole da pessoa.
Desviam a atenção do funcionário, geram insatisfações e,
muitas vezes cria atrito entre colegas de trabalho.
Causas de Acidentes de Trabalho
Uso de Equipamento sem Autorização:
“Se eu mostrar que sei operar esta máquina, mesmo não
tendo recebido treinamento, eu ganharei uma promoção.”
Causas de Acidentes de Trabalho
Falha em não Avisar ou Sinalizar Risco:
“Acidentes trágicos têm ocorrido onde medidas não foram
tomadas.”
Sinalização: fita zebrada para isolar área, placas de avisos,
pisca-pisca, tapumes, etc.
Avisos: “Não mexa, estou limpando a máquina!” “A
máquina esta apresentando defeito é melhor não operá-la.”
Causas de Acidentes de Trabalho
Remover ou desativar proteção de máquinas ou
equipamentos:
Proteções de máquinas nunca são instaladas, a não ser que
um sério risco exija.
- Remover proteções para tornar ajustes e lubrificações mais
simples;
- Desligar reguladores para aumentar velocidade;
- Remover travas ou etiquetas de segurança, antes que o
equipamento esteja seguro.
Causas de Acidentes de Trabalho
Outras Causas:
Uso de Ferramentas ou Equipamentos Defeituosos;
Não Utilizar Equipamento de Proteção Individual;
Excesso de Confiança;
Manipulação insegura de produtos químicos;
Falta de limpeza no local de trabalho;
Manutenção de Equipamento ligados a fonte de energia;
Improvisação.
Causas de Acidentes de Trabalho
“O Acidente não é aleatório na sua chance de
ocorrer, pois persistindo RISCOS, ele ocorrerá.”
“O Acidente é, porem, aleatório no momento de sua
ocorrência e na TIPOLOGIA dos danos
consequentes.”
Atenção aos Acidentes
Existem quatro tipos diferentes de acidentes:
Sem lesões ou quase acidentes;
Lesões Leves;
Lesões graves;
Danos a propriedade.
Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
Danos e consequências:
Contusões;
Cortes;
Distensão muscular;
Entorse;
Escoriações;
Fraturas;
Irritações;
Prensagem;
Queimadura.
Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
Os acidentes com lesões e seus efeitos:
Sofrem as pessoas que se incapacitam total ou parcialmente,
temporária ou permanentemente para o trabalho.
Uma mão amputada, por exemplo, significa uma séria perda
de renda futura.
A indenização nunca é igual ao renda que a pessoa teria, é
menos que a metade.
Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
Os acidentes com lesões e seus efeitos:
Sofre as famílias pelos impactos e desamparos.
Em média 4.196 pessoas morrem, a cada ano, no Brasil, em
decorrência de acidentes de trabalho.
Como resultado há:
Desagregação da família;
Fim de planos e esperança para os filhos;
Redução da renda Familiar.
Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
Os acidentes com lesões e seus efeitos :
Sofrem as empresas:
Com elevação de custos, com suprimentos, perda de tempo
com tratamentos médicos, médicos e hospitalares externos,
etc.
Com programas de produção que são interrompidos,
causando atrasos onerosos.
Com danos a ferramentas, equipamentos e máquinas.
Tais custos podem ser a diferença entre o lucro e o prejuízo.
Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
Os acidentes com lesões e seus efeitos:
Sofre a sociedade:
Com o aumento de inválidos e dependentes da Previdência;
Enfim sofre toda a nação:
Com todas as consequências penosas que os acidentes de trabalho
proporcionam.
Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
Ataque de animais;
Atingido por;
Batida contra;
Contatado por;
Contato com;
Desequilíbrio;
Escorregão;
Exposição;
Preso entre;
Queda.
Tipos Mais Comuns de Acidente de Trabalho
As pessoas não gostam de pensar sobre coisas desagradáveis.
No entanto, é necessário para que todos se interessem em
trabalhar com segurança.
Façamos um Teste:
Fiquem totalmente quietos, com as mãos cobrindo os olhos, por
três minutos.
Alguém consegue enxergar alguma coisa?
Assim vocês vão ficar a vida inteira se perderem a visão.
Usar os três minutos para falar sobre as coisas que nunca mais
enxergariam:
Seus filhos;
Casas;
Amigos e parentes.
Tipos Mais Comuns de Acidente de Trabalho
E, as que nunca mais poderiam fazer:
Guiar um automóvel;
Ir a jogos de futebol;
Ler esta mensagem que esta com vocês.
A Prevenção de acidentes é a resolução de problemas, e isso
envolve dois princípios fundamentais:
1.Descobrir as causas;
2.Eliminar ou anular as causas.
Tipos Mais Comuns de Acidente de Trabalho
Geralmente as pessoas só se preocupam com as causas quando alguma
coisa aconteceu.
E daí que vão querer saber por que, como ou o que causou isto.
Na prevenção de acidente devemos nos preocupar antes e depois que os
acidentes ocorrem.
Tipos Mais Comuns de Acidente de Trabalho
Analise dos riscos do trabalho: Um trabalho é dividido em
etapas, cada uma destas deve ser analisadas a fim de
identificar os riscos e preveni-los.
Inspeções diárias: Todo acidente é previsível e evitável. Para
tanto é necessário que todos estejam alerta para a sua
existência. Por esta razão que o pessoal da segurança fazem
inspeções de rotina, com o intuito de corrigir atos ou
condições inseguras.
Investigações de acidentes: É através das investigações de
acidente que podemos conduzir ações corretivas, não
previstas nas duas fases anteriores.
Descobrindo o que Leva ao Acidente
É com o apoio da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de
Acidente) e, do área médica, que todos os anos atualizamos um
inventário com informações de perigos e riscos ocupacionais.
A identificação destes riscos servirá de instrumento informativo e
fará parte do Mapa de Riscos.
Para os trabalhadores o Mapa de Risco tem finalidade
informativa, todos têm direito garantido por lei de estar
informado sobre os riscos existente em seu local de trabalho.
E, uma finalidade pedagógica, pois é necessário instruir os
funcionários para que estes venham a corroborar com a
segurança.
Analise dos Riscos do Trabalho
É uma atividade de controle de perigos e riscos na fase
operacional da empresa.
Toda empresa apresenta atividades dinâmicas, ou seja o
processo de produção de hoje poderá sofrer alterações
amanhã.
As inspeções de rotina visam:
Descobrir riscos das atividades desenvolvidas;
Encorajar os empregados a agirem como inspetores da
segurança;
A determinação e aplicação de meios preventivos.
Inspeções de Segurança
Nada se aprende com acidentes não relatados. Riscos,
causas, circunstâncias, todos os aspectos que contribuíram
para o acidente não relatado são nulos.
Em 1969 o Inglês Frank E.Bird Jr., diretor de Segurança de
Serviços de Engenharia da Insurance Company North
América elaborou um completo estudo de acidentes. Deste
estudo surgiu o que conhecemos com “Pirâmide de Bird”.
Investigação de Acidentes
O Controle estatístico pode ser entendido como método de organizar e
estudar os dados e fatos levantados nas investigações de acidente.
Bem elaborado e manejado este instrumento possibilita:
Controle do desempenho da segurança em relação ás ocorrências de
acidente;
Quantificação dos fatores das causas de acidente;
Identificação da incidência de causas;
Divulgação de informações corretas.
Estatísticas de Acidente de Trabalho
O Controle estatístico é atribuição do SESMT, determinado pela NR-4:
(...) 4.12 Compete aos profissionais integrantes do Serviços
Especializadas em Engenharia de Segurança e em Medicina do
Trabalho:
(...) i) registrar mensalmente os dados atualizados de acidentes do
trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade (...), devendo
a empresa encaminhar um mapa contendo avaliação anual dos mesmos
dados á Secretaria de segurança e Medicina do Trabalho até o dia 31 de
janeiro, através do órgão regional do MTb.
Investigação de Acidentes
Através das estatísticas podem adotar métodos como análise de
“Pareto” para solucionar problemas.
O método de análise de Pareto permite:
Dividir um problema grande num grande número de problemas
menores e que são mais fáceis de serem resolvidos;
Como este método é baseado em fatos e dados, ele permite
priorizar projetos;
O método permite o estabelecimento de metas concretas e
atingíveis.
Ex.: A figura a seguir, podemos verificar que existe uma perda de
R$171/mês com acidentes. Após ser feita a análise de Pareto, se
forem atacados três projetos, os ganhos serão:
Meta = 66/171 = 39% de redução das perdas.
Investigação de Acidentes
Investigação de Acidentes
Estabelece o campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras
de Segurança e Medicina do Trabalho do Trabalho, bem como os
direitos e obrigações do Governo, dos empregadores e dos
trabalhadores. Em atendimento esta norma regulamentadora, possuímos
os seguintes Treinamentos:
I - TREINAMENTO DE SEGURANÇA PARA NOVOS
FUNCIONÁRIOS;
II - ORDEM DE SERVIÇO POR ATIVIDADE;
III - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL;
IV - SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS;
V - PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA;
VI - TRABALHO EM ALTURA;
VII - PROTEÇÃO DE MÃOS;
VIII - PREVENÇÃO DE ACIDENTES;
IX - PROTEÇÃO AUDITIVA;
X – ERGONOMIA;
XI – PRINCÍPIO DE COMBATE Á INCÊNDIO
NR 01 DISPOSIÇÕES GERAIS
Estabelece a obrigatoriedade das empresas em possuir o SESMT, formado
hoje pelos seguintes profissionais registrados: 01 (uma) engenheira de
segurança do trabalho, 01 (um) médico do trabalho (tempo parcial), 03 (três)
técnicos de segurança do trabalho.
E possui também ambulatório médico, que tem atendimentos nas áreas de:
psiquiatria, ortopedia, ginecologia, pneumologia e 02 (duas) auxiliares de
enfermagem, e o setor de fisioterapia e um consultório dentário, atendida
pôr uma dentista.
E no setor de serviço social, é assistido pôr uma assistente social.
NR.04- SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE
SEGURANÇA EM MEDICINA DO TRABALHO – SESMT
É de obrigatoriedade das empresas manter o dimensionamento da CIPA
atualizada e registrada no órgão competente e seus componentes
capacitados e tecnicamente atualizados.
A CIPA é composta de 22 (vinte e dois) membros sendo 06 (seis)
representantes titulares do empregador, 05 (cinco) representantes
suplentes do empregador e 06 (seis) representantes titulares dos
empregados e 05 (cinco) representantes suplentes dos empregados.
NR.05 – COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO
DE ACIDENTES – CIPA
Estabelece e define os tipos de EPI's a que as empresas
estão obrigadas a fornecer a seus empregados gratuitamente
de acordo com o risco inerente a cada função, manter
estoque mínimo, desenvolver treinamento sobre o uso
correto, dispor dos CA´s – Certificados de Aprovação de
cada EPI em uso e a ficha técnica de cada EPI.
NR.06 – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL – EPI
O PCMSO tem como objetivo aa promoção e preservação da saúde dos
trabalhadores.
Deve ser elaborado pelo médico coordenador e do trabalho da empresa.
E mantém todos os exames ocupacionais em dia.
É dever Manter o PCMSO devidamente atualizado, com o cronograma
de exames, relatório anual, programa de medicina preventiva e controle
de acompanhamentos.
NR.07 – PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE
SAUDE OCUPACIONAL - PCMSO
Este programa é atualizado anualmente, sua elaboração fica
á cargo do Departamento de Segurança do Trabalho da
empresa.
Todos os riscos contidos neste Programa, devem ser
previstos e implantados através de um cronograma anual.
O PPRA deve ser apresentado a todos os membros da CIPA.
Seu arquivamento será de 20 anos.
NR.09 – PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE
RISCOS AMBIENTAIS – PPRA
Esta norma fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a
segurança dos empregados que trabalham em instalações elétricas, em
suas diversas etapas, como: operação, manutenção, reforma e ampliação
e, ainda, a segurança de usuários e terceiros.
E para atender todos os requisitos desta norma, a empresa possui todos
os eletricistas qualificados no seu quadro de manutenção, e mantém
organizado e adequado todas as linhas de transmissão de energia
elétrica, painéis de comando, cabinas de primária e secundária de linha
de baixa e alta tensão.
NR.10 – INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM
ELETRICIDADE
Todos os pontos energizados estão sinalizados com placas de
advertências e adesivos de segurança, e lacrando todos os painéis e
cabinas de força, e controlando a entrada através de Livros de Permissão
de acesso em locais considerados perigosos.
E sendo autorizados a entrada, somente os funcionários qualificados,
conforme a NR.10.
NR.10 – INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM
ELETRICIDADE
Estabelece os requisitos de segurança a serem observados nos locais de trabalho,
no que se refere ao transporte, à movimentação, à armazenagem e ao manuseio
de materiais, tanto de forma mecânica quanto manual, objetivando a prevenção
de infortúnios laborais. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá
embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 182 e 183 da CLT.
P - Segurança em Empilhadeiras – O objetivo deste procedimento é estabelecer
os requisitos para garantir uma operação segura de empilhadeiras.
P – Movimentação de Materiais - O objetivo deste procedimento é estabelecer
os requisitos para a movimentação manual repetitiva e de rotina de materiais
para minimizar o potencial de acidentes de trabalho.
NR.11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO,
ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
P - Ordem de Serviço de Segurança do Trabalho para carga e descarga de
materiais – Fixa as condições exigíveis para garantir a segurança dos
empregados que trabalham com a carga e descarga de materiais.
P - Normas de Segurança no abastecimento de gás para empilhadeira e óleo
diesel – fixa as condições exigíveis para garantir a segurança dos empregados
que trabalham com o abastecimento de gás para as empilhadeiras e óleo diesel.
P - Ordem de Serviço (OS) – Operador de Empilhadeira.
NR.11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO,
ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
Conforme o que estabelece a Norma Regulamentadora nº 12 e a C.L.T., do
Art. 184. As máquinas e os equipamentos deverão ser dotados de dispositivos
de partida e parada e outros que se fizerem necessários para a prevenção de
acidentes do trabalho, especialmente quanto ao risco de acionamento acidental.
Parágrafo único. É proibida a fabricação, a importação, a venda, a locação e
ouso de máquinas e equipamentos que não atendam ao disposto neste artigo.
NR.12 – MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
Art. 185. Os reparos, limpeza e ajustes somente poderão ser executados com
as máquinas paradas, salvo se o movimento for indispensável à realização do
ajuste.
Art. 186. O Ministério do Trabalho estabelecerá normas adicionais sobre
proteção e medidas de segurança na operação de máquinas e equipamentos,
especialmente quanto à proteção das partes móveis, distância entre elas, vias de
acesso às máquinas e equipamentos de grandes dimensões, emprego de
ferramentas, sua adequação e medidas de proteção exigidas quando motorizadas
ou elétricas.
NR.12 – MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
Estabelece todos os requisitos técnicos-legais relativos à instalação,
operação e manutenção de caldeiras e vasos de pressão, de modo a se
prevenir a ocorrência de acidentes do trabalho. A fundamentação legal,
ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta
NR, são os artigos 187 e 188 da CLT.
Observações: Manter o pessoal treinado e capacitado, dispondo ainda de
manual de instrução na operação de caldeira com ciente de cada
envolvido, dispor de Laudo atualizado de Inspeção de Caldeiras,
registrado em órgão competente.
NR.13 – CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO
Descreve as atividades, operações e agentes insalubres, inclusive seus
limites de tolerância, definindo, assim, as situações que, quando vivenciadas
nos ambientes de trabalho pelos trabalhadores, ensejam a caracterização do
exercício insalubre, e também os meios de proteger os trabalhadores de tais
exposições nocivas à sua saúde.
A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico
à existência desta NR, são os artigos 189 e 192 da CLT.
Observações: Manter Laudo Técnico das Condições Ambientais,
devidamente atualizado, por setor e função.
NR.15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES
INSALUBRES
São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos
Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR.
O Laudo Técnico, realizado pelo Departamento de Segurança do
Trabalho – segundo a Associação Brasileira de Prevenção de Acidentes
estabelecesse a periculosidade os quais abrangeram os seguintes itens:
Ex: Inflamáveis;
G.L.P.;
Óleo Xisto;
Óleo Diesel;
Energia Elétrica ;
NR.16 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS
Visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de
trabalho às condições psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a
proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho
eficiente.
A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento
jurídico à existência desta NR, são os artigos 198 e 199 da CLT.
Observações: Manter Laudo Técnico Ergonômico, devidamente
atualizado, por setor e função.
NR.17 – ERGONOMIA
Estabelece as medidas de proteção contra Incêndios, estabelece as
medidas de proteção contra incêndio que devem dispor os locais de
trabalho, visando à prevenção da saúde e da integridade física dos
trabalhadores.
A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento
jurídico à existência desta NR, é o artigo 200 inciso IV da CLT.
Observações: Manter brigada de incêndio treinada e atenção especial
com a sinalização e com os aparelhos extintores e hidrantes.
NR.23 – PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS
Estabelece a padronização das cores a serem utilizadas como sinalização
de segurança nos ambientes de trabalho, de modo a proteger a saúde e a
integridade física dos trabalhadores.
A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento
jurídico à existência desta NR, é o artigo 200 inciso VIII da CLT.
NR.26 – SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA
Izaias de Souza Aguiar
Gestor de Saúde, Segurança e Meio Ambiente
Reg.MTE nº 25.482/MG
Até a próxima!
“Existem coisas na vida que não podemos
deixar passar desapercebido, e uma destas
coisas é a nossa Segurança”
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Sergio Silva
 
Aula epi epc
Aula epi epcAula epi epc
Aula epi epc
Marcos Figueiredo
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
Rapha_Carvalho
 
Conceito Risco x Perigo
Conceito Risco x PerigoConceito Risco x Perigo
Conceito Risco x Perigo
Winer Augusto da Fonseca
 
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
conbetcursos
 
Nr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a práticaNr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a prática
Ana Carolina Castro
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 
Prevenção de acidentes
Prevenção de acidentesPrevenção de acidentes
Prevenção de acidentes
Artur Silva
 
Diferenças entre Perigo x Risco
Diferenças entre Perigo x RiscoDiferenças entre Perigo x Risco
Diferenças entre Perigo x Risco
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
TREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHOTREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Rodrigo Camilo Araujo
 
riscos ambientais
 riscos ambientais riscos ambientais
riscos ambientais
Day Vasconcellos
 
Nr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaNr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completa
Daniel Lira
 
Segurança do Trabalho - Analise de riscos
Segurança do Trabalho - Analise de riscosSegurança do Trabalho - Analise de riscos
Segurança do Trabalho - Analise de riscos
Claudio Cesar Pontes ن
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
Daniel Moura
 
Política de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalhoPolítica de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalho
Gislayne Lemos Fraga
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
Sergio Roberto Silva
 
Acidentes de trabalho
Acidentes de trabalhoAcidentes de trabalho
Acidentes de trabalho
Renato Lopes de Freitas
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
emanueltstegeon
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06
Fabio Sousa
 
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
IBEST ESCOLA
 

Mais procurados (20)

Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
 
Aula epi epc
Aula epi epcAula epi epc
Aula epi epc
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
 
Conceito Risco x Perigo
Conceito Risco x PerigoConceito Risco x Perigo
Conceito Risco x Perigo
 
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
 
Nr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a práticaNr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a prática
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
 
Prevenção de acidentes
Prevenção de acidentesPrevenção de acidentes
Prevenção de acidentes
 
Diferenças entre Perigo x Risco
Diferenças entre Perigo x RiscoDiferenças entre Perigo x Risco
Diferenças entre Perigo x Risco
 
TREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHOTREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
 
riscos ambientais
 riscos ambientais riscos ambientais
riscos ambientais
 
Nr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaNr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completa
 
Segurança do Trabalho - Analise de riscos
Segurança do Trabalho - Analise de riscosSegurança do Trabalho - Analise de riscos
Segurança do Trabalho - Analise de riscos
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
 
Política de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalhoPolítica de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalho
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
Acidentes de trabalho
Acidentes de trabalhoAcidentes de trabalho
Acidentes de trabalho
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06
 
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
 

Semelhante a Prevenção de Acidentes de Trabalho

ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptxACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
sarahmello20
 
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdfSLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
WellingtonOliveira773953
 
Acidente de trabalho modulo 2 thiago,jefferson
Acidente de trabalho modulo 2   thiago,jeffersonAcidente de trabalho modulo 2   thiago,jefferson
Acidente de trabalho modulo 2 thiago,jefferson
Thiago Roque
 
Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012
proftstsergioetm
 
Integração de segurança - modelo completo
Integração de segurança - modelo completoIntegração de segurança - modelo completo
Integração de segurança - modelo completo
ANDRESOUZA199
 
Integraodesegurana janaina
Integraodesegurana janainaIntegraodesegurana janaina
Integraodesegurana janaina
Janáina Vanira
 
Curso de cipa 2015
Curso de cipa 2015Curso de cipa 2015
Curso de cipa 2015
Carlos Alberto Souza Bordin
 
Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1
Cristina Santos
 
Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho
ricardotortora
 
1 apresentação geral
1   apresentação geral1   apresentação geral
1 apresentação geral
Nilton Goulart
 
Treinamento de integração construção civil
Treinamento de integração construção civilTreinamento de integração construção civil
Treinamento de integração construção civil
karlaAlessandra3
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
JairoRodrigues47
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
SANDRARODRIGUESDASIL5
 
treinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxtreinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptx
Talmom Taciano
 
Material curso senai segurança do trabalho - com índice
Material curso senai   segurança do trabalho - com índiceMaterial curso senai   segurança do trabalho - com índice
Material curso senai segurança do trabalho - com índice
Gustavo Henrique
 
Treinamento integração de segurança do trabalho.ppt
Treinamento integração de segurança do trabalho.pptTreinamento integração de segurança do trabalho.ppt
Treinamento integração de segurança do trabalho.ppt
carlos silva Rotersan
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
JORGE BADAUE BADAUE
 
Controle de acidentes
Controle de acidentesControle de acidentes
Controle de acidentes
Luiz Carlos de Almeida
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
silvia da silva de almeida
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
silvia da silva de almeida
 

Semelhante a Prevenção de Acidentes de Trabalho (20)

ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptxACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
 
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdfSLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
 
Acidente de trabalho modulo 2 thiago,jefferson
Acidente de trabalho modulo 2   thiago,jeffersonAcidente de trabalho modulo 2   thiago,jefferson
Acidente de trabalho modulo 2 thiago,jefferson
 
Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012
 
Integração de segurança - modelo completo
Integração de segurança - modelo completoIntegração de segurança - modelo completo
Integração de segurança - modelo completo
 
Integraodesegurana janaina
Integraodesegurana janainaIntegraodesegurana janaina
Integraodesegurana janaina
 
Curso de cipa 2015
Curso de cipa 2015Curso de cipa 2015
Curso de cipa 2015
 
Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1
 
Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho
 
1 apresentação geral
1   apresentação geral1   apresentação geral
1 apresentação geral
 
Treinamento de integração construção civil
Treinamento de integração construção civilTreinamento de integração construção civil
Treinamento de integração construção civil
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
treinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxtreinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptx
 
Material curso senai segurança do trabalho - com índice
Material curso senai   segurança do trabalho - com índiceMaterial curso senai   segurança do trabalho - com índice
Material curso senai segurança do trabalho - com índice
 
Treinamento integração de segurança do trabalho.ppt
Treinamento integração de segurança do trabalho.pptTreinamento integração de segurança do trabalho.ppt
Treinamento integração de segurança do trabalho.ppt
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
 
Controle de acidentes
Controle de acidentesControle de acidentes
Controle de acidentes
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
 

Mais de IZAIAS DE SOUZA AGUIAR

NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Modelo de Ata da CIPA
Modelo de Ata da CIPAModelo de Ata da CIPA
Modelo de Ata da CIPA
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Manual da CIPA
Manual da CIPAManual da CIPA
Manual da CIPA
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
HACCP - Setembro 2014
HACCP -  Setembro 2014HACCP -  Setembro 2014
HACCP - Setembro 2014
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Aula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 04 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Aula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 02 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Aula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 01 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila 3 - Gestão de Equipe
Apostila 3 - Gestão de EquipeApostila 3 - Gestão de Equipe
Apostila 3 - Gestão de Equipe
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila 1 - Liderança e Comunicação
Apostila 1 -  Liderança e Comunicação Apostila 1 -  Liderança e Comunicação
Apostila 1 - Liderança e Comunicação
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila 2 - Gestão de Pessoas
Apostila 2 - Gestão de Pessoas Apostila 2 - Gestão de Pessoas
Apostila 2 - Gestão de Pessoas
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAPAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
NBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificios
NBR 9077 - Saídas de Emergência em EdificiosNBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificios
NBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificios
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
NBR 11785 - Barra Antipanico
NBR 11785 - Barra AntipanicoNBR 11785 - Barra Antipanico
NBR 11785 - Barra Antipanico
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila Completa de Combate a Incêndio
Apostila Completa de Combate a Incêndio Apostila Completa de Combate a Incêndio
Apostila Completa de Combate a Incêndio
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a IncêndioABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e CuidadosNBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Alerta de HSE
Alerta de HSEAlerta de HSE
Alerta de HSE
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 

Mais de IZAIAS DE SOUZA AGUIAR (20)

NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
 
Modelo de Ata da CIPA
Modelo de Ata da CIPAModelo de Ata da CIPA
Modelo de Ata da CIPA
 
Manual da CIPA
Manual da CIPAManual da CIPA
Manual da CIPA
 
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
 
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
 
HACCP - Setembro 2014
HACCP -  Setembro 2014HACCP -  Setembro 2014
HACCP - Setembro 2014
 
Aula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 04 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
 
Aula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 02 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
 
Aula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 01 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
 
Apostila 3 - Gestão de Equipe
Apostila 3 - Gestão de EquipeApostila 3 - Gestão de Equipe
Apostila 3 - Gestão de Equipe
 
Apostila 1 - Liderança e Comunicação
Apostila 1 -  Liderança e Comunicação Apostila 1 -  Liderança e Comunicação
Apostila 1 - Liderança e Comunicação
 
Apostila 2 - Gestão de Pessoas
Apostila 2 - Gestão de Pessoas Apostila 2 - Gestão de Pessoas
Apostila 2 - Gestão de Pessoas
 
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAPAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
 
NBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificios
NBR 9077 - Saídas de Emergência em EdificiosNBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificios
NBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificios
 
NBR 11785 - Barra Antipanico
NBR 11785 - Barra AntipanicoNBR 11785 - Barra Antipanico
NBR 11785 - Barra Antipanico
 
Apostila Completa de Combate a Incêndio
Apostila Completa de Combate a Incêndio Apostila Completa de Combate a Incêndio
Apostila Completa de Combate a Incêndio
 
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a IncêndioABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
 
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e CuidadosNBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
 
Alerta de HSE
Alerta de HSEAlerta de HSE
Alerta de HSE
 
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
 

Último

Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Geagra UFG
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 

Último (7)

Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 

Prevenção de Acidentes de Trabalho

  • 2. A Lei nº 8.213, de 25 de julho de 1991, define acidente como: “Art.19. Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária da capacidade para o trabalho.” Definição Acidente de Trabalho
  • 3. O acidente que tenha contribuído para o dano de qualquer natureza; O acidente sofrido pelo funcionário no local e horário de trabalho; A doença proveniente de contaminação acidental do empregado no exercício de sua atividade; Considerações sobre Acidentes de Trabalho
  • 4. O acidente sofrido pelo funcionário, ainda que fora do local e horário de trabalho: a) Na prestação de qualquer trabalho, a serviço da empresa; b) Em viagem a serviço da empresa; c) No percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que seja o meio de locomoção. Considerações sobre Acidentes de Trabalho
  • 5. Fatores que comprometem a segurança: Métodos inseguros; Desorganização; Falta de proteção; Riscos a saúde; Desinteresse das pessoas sobre o assunto. Abrindo as Portas para o Acidente
  • 6. A prevenção de acidentes depende: Condições seguras de trabalho; Profissionais habilitados a cuidar da segurança; Eliminação dos riscos; Conscientização de todos os funcionários da empresa. A Prevenção de Acidentes depende
  • 7. Causa de acidente é qualquer coisa ou tudo que tenha contribuído para a sua ocorrência; A improvisação: Pelo uso de métodos, ferramentas, dispositivos e procedimentos incompletos, inadequados e certamente inseguros. Causas de Acidentes de Trabalho
  • 8. As Exceções: Ao serem desabilitados procedimentos, como por exemplo “só desta vez”, ou “eu acho que podemos fazer assim desta vez”, etc; A Dedução: “Ele já deve ter desligado a rede” “Isso aqui eu também sei fazer” “Se fosse perigoso, haveria um aviso” Causas de Acidentes de Trabalho
  • 9. O princípio da auto exclusão: “AHHH!!! Comigo não acontece” “GRRRR!! Faço isso a dez anos desse jeito.” A Pressa: Faz com que se ignorem ou se esqueçam os principais passos de procedimento. Causas de Acidentes de Trabalho
  • 10. Brincadeiras no Trabalho: “Distrações, sustos, gozações, etc.” Atirar porcas, espirrar água, dar tapinha nas costas, comentários que dizem respeito a índole da pessoa. Desviam a atenção do funcionário, geram insatisfações e, muitas vezes cria atrito entre colegas de trabalho. Causas de Acidentes de Trabalho
  • 11. Uso de Equipamento sem Autorização: “Se eu mostrar que sei operar esta máquina, mesmo não tendo recebido treinamento, eu ganharei uma promoção.” Causas de Acidentes de Trabalho
  • 12. Falha em não Avisar ou Sinalizar Risco: “Acidentes trágicos têm ocorrido onde medidas não foram tomadas.” Sinalização: fita zebrada para isolar área, placas de avisos, pisca-pisca, tapumes, etc. Avisos: “Não mexa, estou limpando a máquina!” “A máquina esta apresentando defeito é melhor não operá-la.” Causas de Acidentes de Trabalho
  • 13. Remover ou desativar proteção de máquinas ou equipamentos: Proteções de máquinas nunca são instaladas, a não ser que um sério risco exija. - Remover proteções para tornar ajustes e lubrificações mais simples; - Desligar reguladores para aumentar velocidade; - Remover travas ou etiquetas de segurança, antes que o equipamento esteja seguro. Causas de Acidentes de Trabalho
  • 14. Outras Causas: Uso de Ferramentas ou Equipamentos Defeituosos; Não Utilizar Equipamento de Proteção Individual; Excesso de Confiança; Manipulação insegura de produtos químicos; Falta de limpeza no local de trabalho; Manutenção de Equipamento ligados a fonte de energia; Improvisação. Causas de Acidentes de Trabalho
  • 15. “O Acidente não é aleatório na sua chance de ocorrer, pois persistindo RISCOS, ele ocorrerá.” “O Acidente é, porem, aleatório no momento de sua ocorrência e na TIPOLOGIA dos danos consequentes.” Atenção aos Acidentes
  • 16. Existem quatro tipos diferentes de acidentes: Sem lesões ou quase acidentes; Lesões Leves; Lesões graves; Danos a propriedade. Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
  • 17. Danos e consequências: Contusões; Cortes; Distensão muscular; Entorse; Escoriações; Fraturas; Irritações; Prensagem; Queimadura. Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
  • 18. Os acidentes com lesões e seus efeitos: Sofrem as pessoas que se incapacitam total ou parcialmente, temporária ou permanentemente para o trabalho. Uma mão amputada, por exemplo, significa uma séria perda de renda futura. A indenização nunca é igual ao renda que a pessoa teria, é menos que a metade. Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
  • 19. Os acidentes com lesões e seus efeitos: Sofre as famílias pelos impactos e desamparos. Em média 4.196 pessoas morrem, a cada ano, no Brasil, em decorrência de acidentes de trabalho. Como resultado há: Desagregação da família; Fim de planos e esperança para os filhos; Redução da renda Familiar. Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
  • 20. Os acidentes com lesões e seus efeitos : Sofrem as empresas: Com elevação de custos, com suprimentos, perda de tempo com tratamentos médicos, médicos e hospitalares externos, etc. Com programas de produção que são interrompidos, causando atrasos onerosos. Com danos a ferramentas, equipamentos e máquinas. Tais custos podem ser a diferença entre o lucro e o prejuízo. Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
  • 21. Os acidentes com lesões e seus efeitos: Sofre a sociedade: Com o aumento de inválidos e dependentes da Previdência; Enfim sofre toda a nação: Com todas as consequências penosas que os acidentes de trabalho proporcionam. Efeitos Negativos do Acidente de Trabalho
  • 22. Ataque de animais; Atingido por; Batida contra; Contatado por; Contato com; Desequilíbrio; Escorregão; Exposição; Preso entre; Queda. Tipos Mais Comuns de Acidente de Trabalho
  • 23. As pessoas não gostam de pensar sobre coisas desagradáveis. No entanto, é necessário para que todos se interessem em trabalhar com segurança. Façamos um Teste: Fiquem totalmente quietos, com as mãos cobrindo os olhos, por três minutos. Alguém consegue enxergar alguma coisa? Assim vocês vão ficar a vida inteira se perderem a visão. Usar os três minutos para falar sobre as coisas que nunca mais enxergariam: Seus filhos; Casas; Amigos e parentes. Tipos Mais Comuns de Acidente de Trabalho
  • 24. E, as que nunca mais poderiam fazer: Guiar um automóvel; Ir a jogos de futebol; Ler esta mensagem que esta com vocês. A Prevenção de acidentes é a resolução de problemas, e isso envolve dois princípios fundamentais: 1.Descobrir as causas; 2.Eliminar ou anular as causas. Tipos Mais Comuns de Acidente de Trabalho
  • 25. Geralmente as pessoas só se preocupam com as causas quando alguma coisa aconteceu. E daí que vão querer saber por que, como ou o que causou isto. Na prevenção de acidente devemos nos preocupar antes e depois que os acidentes ocorrem. Tipos Mais Comuns de Acidente de Trabalho
  • 26. Analise dos riscos do trabalho: Um trabalho é dividido em etapas, cada uma destas deve ser analisadas a fim de identificar os riscos e preveni-los. Inspeções diárias: Todo acidente é previsível e evitável. Para tanto é necessário que todos estejam alerta para a sua existência. Por esta razão que o pessoal da segurança fazem inspeções de rotina, com o intuito de corrigir atos ou condições inseguras. Investigações de acidentes: É através das investigações de acidente que podemos conduzir ações corretivas, não previstas nas duas fases anteriores. Descobrindo o que Leva ao Acidente
  • 27. É com o apoio da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidente) e, do área médica, que todos os anos atualizamos um inventário com informações de perigos e riscos ocupacionais. A identificação destes riscos servirá de instrumento informativo e fará parte do Mapa de Riscos. Para os trabalhadores o Mapa de Risco tem finalidade informativa, todos têm direito garantido por lei de estar informado sobre os riscos existente em seu local de trabalho. E, uma finalidade pedagógica, pois é necessário instruir os funcionários para que estes venham a corroborar com a segurança. Analise dos Riscos do Trabalho
  • 28. É uma atividade de controle de perigos e riscos na fase operacional da empresa. Toda empresa apresenta atividades dinâmicas, ou seja o processo de produção de hoje poderá sofrer alterações amanhã. As inspeções de rotina visam: Descobrir riscos das atividades desenvolvidas; Encorajar os empregados a agirem como inspetores da segurança; A determinação e aplicação de meios preventivos. Inspeções de Segurança
  • 29. Nada se aprende com acidentes não relatados. Riscos, causas, circunstâncias, todos os aspectos que contribuíram para o acidente não relatado são nulos. Em 1969 o Inglês Frank E.Bird Jr., diretor de Segurança de Serviços de Engenharia da Insurance Company North América elaborou um completo estudo de acidentes. Deste estudo surgiu o que conhecemos com “Pirâmide de Bird”. Investigação de Acidentes
  • 30. O Controle estatístico pode ser entendido como método de organizar e estudar os dados e fatos levantados nas investigações de acidente. Bem elaborado e manejado este instrumento possibilita: Controle do desempenho da segurança em relação ás ocorrências de acidente; Quantificação dos fatores das causas de acidente; Identificação da incidência de causas; Divulgação de informações corretas. Estatísticas de Acidente de Trabalho
  • 31. O Controle estatístico é atribuição do SESMT, determinado pela NR-4: (...) 4.12 Compete aos profissionais integrantes do Serviços Especializadas em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho: (...) i) registrar mensalmente os dados atualizados de acidentes do trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade (...), devendo a empresa encaminhar um mapa contendo avaliação anual dos mesmos dados á Secretaria de segurança e Medicina do Trabalho até o dia 31 de janeiro, através do órgão regional do MTb. Investigação de Acidentes
  • 32. Através das estatísticas podem adotar métodos como análise de “Pareto” para solucionar problemas. O método de análise de Pareto permite: Dividir um problema grande num grande número de problemas menores e que são mais fáceis de serem resolvidos; Como este método é baseado em fatos e dados, ele permite priorizar projetos; O método permite o estabelecimento de metas concretas e atingíveis. Ex.: A figura a seguir, podemos verificar que existe uma perda de R$171/mês com acidentes. Após ser feita a análise de Pareto, se forem atacados três projetos, os ganhos serão: Meta = 66/171 = 39% de redução das perdas. Investigação de Acidentes
  • 34. Estabelece o campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho do Trabalho, bem como os direitos e obrigações do Governo, dos empregadores e dos trabalhadores. Em atendimento esta norma regulamentadora, possuímos os seguintes Treinamentos: I - TREINAMENTO DE SEGURANÇA PARA NOVOS FUNCIONÁRIOS; II - ORDEM DE SERVIÇO POR ATIVIDADE; III - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL; IV - SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS; V - PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA; VI - TRABALHO EM ALTURA; VII - PROTEÇÃO DE MÃOS; VIII - PREVENÇÃO DE ACIDENTES; IX - PROTEÇÃO AUDITIVA; X – ERGONOMIA; XI – PRINCÍPIO DE COMBATE Á INCÊNDIO NR 01 DISPOSIÇÕES GERAIS
  • 35. Estabelece a obrigatoriedade das empresas em possuir o SESMT, formado hoje pelos seguintes profissionais registrados: 01 (uma) engenheira de segurança do trabalho, 01 (um) médico do trabalho (tempo parcial), 03 (três) técnicos de segurança do trabalho. E possui também ambulatório médico, que tem atendimentos nas áreas de: psiquiatria, ortopedia, ginecologia, pneumologia e 02 (duas) auxiliares de enfermagem, e o setor de fisioterapia e um consultório dentário, atendida pôr uma dentista. E no setor de serviço social, é assistido pôr uma assistente social. NR.04- SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA EM MEDICINA DO TRABALHO – SESMT
  • 36. É de obrigatoriedade das empresas manter o dimensionamento da CIPA atualizada e registrada no órgão competente e seus componentes capacitados e tecnicamente atualizados. A CIPA é composta de 22 (vinte e dois) membros sendo 06 (seis) representantes titulares do empregador, 05 (cinco) representantes suplentes do empregador e 06 (seis) representantes titulares dos empregados e 05 (cinco) representantes suplentes dos empregados. NR.05 – COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES – CIPA
  • 37. Estabelece e define os tipos de EPI's a que as empresas estão obrigadas a fornecer a seus empregados gratuitamente de acordo com o risco inerente a cada função, manter estoque mínimo, desenvolver treinamento sobre o uso correto, dispor dos CA´s – Certificados de Aprovação de cada EPI em uso e a ficha técnica de cada EPI. NR.06 – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPI
  • 38. O PCMSO tem como objetivo aa promoção e preservação da saúde dos trabalhadores. Deve ser elaborado pelo médico coordenador e do trabalho da empresa. E mantém todos os exames ocupacionais em dia. É dever Manter o PCMSO devidamente atualizado, com o cronograma de exames, relatório anual, programa de medicina preventiva e controle de acompanhamentos. NR.07 – PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAUDE OCUPACIONAL - PCMSO
  • 39. Este programa é atualizado anualmente, sua elaboração fica á cargo do Departamento de Segurança do Trabalho da empresa. Todos os riscos contidos neste Programa, devem ser previstos e implantados através de um cronograma anual. O PPRA deve ser apresentado a todos os membros da CIPA. Seu arquivamento será de 20 anos. NR.09 – PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS – PPRA
  • 40. Esta norma fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações elétricas, em suas diversas etapas, como: operação, manutenção, reforma e ampliação e, ainda, a segurança de usuários e terceiros. E para atender todos os requisitos desta norma, a empresa possui todos os eletricistas qualificados no seu quadro de manutenção, e mantém organizado e adequado todas as linhas de transmissão de energia elétrica, painéis de comando, cabinas de primária e secundária de linha de baixa e alta tensão. NR.10 – INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
  • 41. Todos os pontos energizados estão sinalizados com placas de advertências e adesivos de segurança, e lacrando todos os painéis e cabinas de força, e controlando a entrada através de Livros de Permissão de acesso em locais considerados perigosos. E sendo autorizados a entrada, somente os funcionários qualificados, conforme a NR.10. NR.10 – INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
  • 42. Estabelece os requisitos de segurança a serem observados nos locais de trabalho, no que se refere ao transporte, à movimentação, à armazenagem e ao manuseio de materiais, tanto de forma mecânica quanto manual, objetivando a prevenção de infortúnios laborais. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 182 e 183 da CLT. P - Segurança em Empilhadeiras – O objetivo deste procedimento é estabelecer os requisitos para garantir uma operação segura de empilhadeiras. P – Movimentação de Materiais - O objetivo deste procedimento é estabelecer os requisitos para a movimentação manual repetitiva e de rotina de materiais para minimizar o potencial de acidentes de trabalho. NR.11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
  • 43. P - Ordem de Serviço de Segurança do Trabalho para carga e descarga de materiais – Fixa as condições exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham com a carga e descarga de materiais. P - Normas de Segurança no abastecimento de gás para empilhadeira e óleo diesel – fixa as condições exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham com o abastecimento de gás para as empilhadeiras e óleo diesel. P - Ordem de Serviço (OS) – Operador de Empilhadeira. NR.11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
  • 44. Conforme o que estabelece a Norma Regulamentadora nº 12 e a C.L.T., do Art. 184. As máquinas e os equipamentos deverão ser dotados de dispositivos de partida e parada e outros que se fizerem necessários para a prevenção de acidentes do trabalho, especialmente quanto ao risco de acionamento acidental. Parágrafo único. É proibida a fabricação, a importação, a venda, a locação e ouso de máquinas e equipamentos que não atendam ao disposto neste artigo. NR.12 – MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
  • 45. Art. 185. Os reparos, limpeza e ajustes somente poderão ser executados com as máquinas paradas, salvo se o movimento for indispensável à realização do ajuste. Art. 186. O Ministério do Trabalho estabelecerá normas adicionais sobre proteção e medidas de segurança na operação de máquinas e equipamentos, especialmente quanto à proteção das partes móveis, distância entre elas, vias de acesso às máquinas e equipamentos de grandes dimensões, emprego de ferramentas, sua adequação e medidas de proteção exigidas quando motorizadas ou elétricas. NR.12 – MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
  • 46. Estabelece todos os requisitos técnicos-legais relativos à instalação, operação e manutenção de caldeiras e vasos de pressão, de modo a se prevenir a ocorrência de acidentes do trabalho. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 187 e 188 da CLT. Observações: Manter o pessoal treinado e capacitado, dispondo ainda de manual de instrução na operação de caldeira com ciente de cada envolvido, dispor de Laudo atualizado de Inspeção de Caldeiras, registrado em órgão competente. NR.13 – CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO
  • 47. Descreve as atividades, operações e agentes insalubres, inclusive seus limites de tolerância, definindo, assim, as situações que, quando vivenciadas nos ambientes de trabalho pelos trabalhadores, ensejam a caracterização do exercício insalubre, e também os meios de proteger os trabalhadores de tais exposições nocivas à sua saúde. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 189 e 192 da CLT. Observações: Manter Laudo Técnico das Condições Ambientais, devidamente atualizado, por setor e função. NR.15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES
  • 48. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. O Laudo Técnico, realizado pelo Departamento de Segurança do Trabalho – segundo a Associação Brasileira de Prevenção de Acidentes estabelecesse a periculosidade os quais abrangeram os seguintes itens: Ex: Inflamáveis; G.L.P.; Óleo Xisto; Óleo Diesel; Energia Elétrica ; NR.16 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS
  • 49. Visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às condições psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 198 e 199 da CLT. Observações: Manter Laudo Técnico Ergonômico, devidamente atualizado, por setor e função. NR.17 – ERGONOMIA
  • 50. Estabelece as medidas de proteção contra Incêndios, estabelece as medidas de proteção contra incêndio que devem dispor os locais de trabalho, visando à prevenção da saúde e da integridade física dos trabalhadores. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, é o artigo 200 inciso IV da CLT. Observações: Manter brigada de incêndio treinada e atenção especial com a sinalização e com os aparelhos extintores e hidrantes. NR.23 – PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS
  • 51. Estabelece a padronização das cores a serem utilizadas como sinalização de segurança nos ambientes de trabalho, de modo a proteger a saúde e a integridade física dos trabalhadores. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, é o artigo 200 inciso VIII da CLT. NR.26 – SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA
  • 52. Izaias de Souza Aguiar Gestor de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Reg.MTE nº 25.482/MG
  • 54. “Existem coisas na vida que não podemos deixar passar desapercebido, e uma destas coisas é a nossa Segurança”