SlideShare uma empresa Scribd logo
CIVILIZAÇÃO
Livro dos Espíritos - Questões 790 a 793
Dubai, 16 de Dezembro, 2018
1
2
A CIVILIZAÇÃO É ALGO BOM OU RUIM?
QUAIS OS RESULTADOS DE NOSSA CIVILIZAÇÃO ATÉ HOJE?
TEMOS MAIS RESULTADOS POSITIVOS OU NEGATIVOS?
A CIVILIZAÇÃO É ALGO BOM OU RUIM?
CIVILIZAÇÃO
790 - A civilização é um progresso ou,
conforme alguns filósofos, uma decadência da
humanidade?
– Progresso incompleto; o homem não passa
subitamente da infância à idade adulta.
3
4
O estado de natureza é o estado primitivo e
o ponto de partida do seu desenvolvimento
intelectual e moral. (…) é transitório e o
homem dele sai em razão do progresso
da civilização. […].
L.E Q. 776
O ESTADO DE NATUREZA
5
“Civilização é o mesmo que
progresso social, representado
pela aquisição de elementos
materiais, intelectuais e
espirituais, usufruídos pela
sociedade”
CIVILIZAÇÃO
6
CONHECIMENTO
7
“o conhecimento resulta dos esforços individuais, (…)
pela aquisição de experiências vividas nas sucessivas
reencarnações e nos estágios no plano espiritual, pois o
ser humano foi criado para progredir(…)”
PROGRESSO
8
Os conhecimentos adquiridos em cada
existência não se perdem; (…) Em cada
nova existência o Espírito toma como ponto
de partida aquele em que se encontrava em
sua existência anterior.
(Livro dos Espíritos. Q.218)
NENHUM ESFORÇO SERÁ EM VÃO
9
“o sujeito sai de si; o sujeito está
fora de si; o sujeito reencontra a si
mesmo.”
CONHECE-TE A TI MESMO
SABERES E SENTIMENTOS,
VALORES E AÇÃO
10
“o ato de conhecer implica atividade, em
geral determinada por valores, que relaciona
conhecimento e consciência. (…)”
11
CONTRAMÃO
CIVILIZAÇÃO
790 a - É racional condenar a civilização?
– Primeiramente condenai aqueles que abusam
dela e não a obra de Deus.
12
CIVILIZAÇÃO
791 - A civilização se depurará um dia de
modo a fazer desaparecer os males que tenha
produzido?
– Sim, quando a moral também estiver tão
desenvolvido quanto a inteligência. O fruto
não pode vir antes da flor.
13
“[…] Uma inteligência profunda significa
um imenso acervo de lutas planetárias.
Atingida essa posição, se o homem guarda
consigo uma expressão idêntica de
progresso espiritual, pelo sentimento,
então estará apto a elevar-se (…).
Emmanuel
14
CIVILIZAÇÃO
792 - Por que a civilização não realiza
imediatamente todo o bem que poderia
produzir?
– Porque os homens ainda não estão prontos
nem dispostos a obter esse bem.
15
CIVILIZAÇÃO
792 a - Não seria também porque, ao criar
novas necessidades, ela superexcita novas
paixões?
– Sim, e porque nem todas as faculdades do
Espírito progridem a um só tempo; é preciso
tempo para tudo. Não podeis esperar frutos
perfeitos de uma civilização incompleta.
16
“
Antes de tudo, recorda-se de que o
nosso planeta é uma morada
muito inferior, o laboratório em
que desabrocham as almas ainda
novas nas aspirações confusas e
paixões desordenadas. O senso
profundo da vida lhe aparece com
as acerbas necessidades que a ela
se prendem, é o inicio das
qualidades e energias que
repousam em todo ser. Para que
surjam á tona as forças que jazem
desconhecidas e silenciosas nas
profundezas da alma o precisas
aflições, angustias e lagrimas. Não
ha grandeza sem sofrimento, nem
purificação sem provação. 17
“
Antes de tudo, recorda-se de que o
nosso planeta é uma morada
muito inferior, o laboratório em
que desabrocham as almas ainda
novas nas aspirações confusas e
paixões desordenadas. O senso
profundo da vida lhe aparece com
as acerbas necessidades que a ela
se prendem, é o inicio das
qualidades e energias que
repousam em todo ser. Para que
surjam á tona as forças que jazem
desconhecidas e silenciosas nas
profundezas da alma o precisas
aflições, angustias e lagrimas. Não
ha grandeza sem sofrimento, nem
purificação sem provação. 18
“
Antes de tudo, recorda-se de que o
nosso planeta é uma morada
muito inferior, o laboratório em
que desabrocham as almas ainda
novas nas aspirações confusas e
paixões desordenadas. O senso
profundo da vida lhe aparece com
as acerbas necessidades que a ela
se prendem, é o inicio das
qualidades e energias que
repousam em todo ser. Para que
surjam á tona as forças que jazem
desconhecidas e silenciosas nas
profundezas da alma o precisas
aflições, angustias e lagrimas. Não
há grandeza sem sofrimento,
nem purificação sem provação. 19
20
Uma civilização incompleta é um
estado transitório, que gera males
especiais, desconhecidos do homem no
estado primitivo; mas nem por isso
deixa de constituir um progresso
natural, necessário, que traz consigo
o remédio para o mal que causa. À
medida que a civilização se aperfeiçoa,
faz cessar alguns dos males que gerou, e
esses males desaparecerão com o
progresso moral.
CIVILIZAÇÃO INCOMPLETA
“De uma civilização incompleta
não se pode esperar perfeição, no
entanto, a civilização atual é um
começo, de maneira a levar a
alma a chegar algum dia a reunir
todos os seus valores e tornar-se
um sol em favor dela mesma.(…)
Miramez
21
Livro - Filosofia Espírita
22
A CAMINHO DA LUZ
O determinismo do amor e do bem é a Lei de
todo o universo e a alma humana emerge de
todas as catástrofes em busca de uma vida
melhor.
CIVILIZAÇÃO COMPLETA
793 - Com que sinais se pode reconhecer
uma civilização completa?
– Vós a reconhecereis pelo desenvolvimento moral.
Acreditais estar bem avançados, pelas grandes
descobertas e invenções maravilhosas, e estais
melhor alojados e vestidos do que os selvagens.
Mas apenas tereis verdadeiramente o direito
de vos dizer civilizados quando tiverdes
banido da sociedade os vícios que a desonram
e viverdes como irmãos praticando a caridade
cristã. Até lá, sois somente povos esclarecidos, que
percorreram apenas a primeira fase da civilização.
23
24
De dois povos que tenham chegado ao mais
alto grau da escala social, somente pode
considerar-se o mais civilizado, na
verdadeira acepção do termo, aquele onde
exista menos egoísmo, menos cobiça e menos
orgulho; onde os hábitos sejam mais
intelectuais e morais do que materiais;
onde a inteligência possa desenvolver-se com
maior liberdade; onde haja mais bondade,
boa-fé, benevolência e generosidade
recíprocas;
CIVILIZAÇÃO COMPLETA
25
…onde os preconceitos de casta e de
nascimento sejam menos arraigados, porque
tais preconceitos são incompatíveis com o
verdadeiro amor ao próximo; onde as leis
não consagrem nenhum privilégio e
sejam as mesmas para todos, tanto para
o último, como para o primeiro; onde a
justiça se exerça com menos parcialidade;
onde o fraco encontre sempre amparo contra
o forte; onde a vida do homem, suas crenças e
opiniões sejam mais bem respeitadas; onde
haja menos infelizes; enfim, onde todo
homem de boa vontade esteja certo de
não lhe faltar o necessário.
CIVILIZAÇÃO COMPLETA
26
“Estamos agora em um novo
período. Estes dias
assinalam uma data muito
especial, a data da mudança
do mundo de provas e
expiações para mundo de
regeneração."
MOMENTO DA GLORIOSA TRANSIÇÃO
(…)A grande noite que se abatia sobre a terra lentamente cede lugar ao
amanhecer de bênçãos. Retroceder não mais é possível. Firmastes, filhas e
filhos da alma, um compromisso com Jesus, antes de mergulhardes na
indumentária carnal, o de servi-lo com abnegação e devotamento. (…)
Mas, além do júbilo que a todos nos domina, tenhamos em mente as graves
responsabilidades que nos exornam (adornam) a existência do corpo ou fora
dele.(…)
Seremos convidados não somente ao aplauso, ao entusiasmo, ao júbilo, mas
também ao testemunho,(…) o testemunho por amor àqueles que não nos
amam, o testemunho de abnegação no sentido de ajudar àqueles que ainda se
comprazem em gerar dificuldades, (…)
27
MOMENTO DA GLORIOSA TRANSIÇÃO
28
Que sejamos nós aqueles Espíritos espíritas que demonstremos a grandeza do
amor de Jesus em nossas vidas. Que outros reclamem, que outros se queixem,
(…) que nós outros guardemos, (…)o compromisso de amar, e amar sempre,
trazendo Jesus de volta (…)Jesus, filhas e filhos queridos, espera por nós. Que
seja o nosso escudo o amor, as nossas ferramentas o amor, e a nossa vida um
hino de amor,(…). Com muito carinho, o servidor humílimo e paternal de
sempre, (…)
Muita paz, filhas e filhos do coração.
Bezerra
MOMENTO DA GLORIOSA TRANSIÇÃO
INDULGÊNCIA
Evangelho segundo o Espiritismo - Cap. X
Dubai, 14 de Outubro, 2018
29
30
INDULGÊNCIA
- Característica de quem ou
daquele que é indulgente.
- Facilidade para perdoar os
erros cometidos pelos outros;
clemência.
- Demonstração de perdão a
um castigo, a uma pena, a
uma ofensa.
- Tolerância às ações ou
particularidades dos outros.
31
Como conciliar a indulgência
com a necessidade de reprimir o
mal?
INDULGÊNCIA X CONIVÊNCIA
“– Toda a autoridade é de Deus. Nós somos
simples instrumentos, meu filho. Ninguém
se diminuirá por ser bom e tolerante.”
32
16. Espíritas, queremos falar-vos hoje da
indulgência, sentimento doce e fraternal
que todo homem deve alimentar para com
seus irmãos, mas do qual bem poucos fazem
uso.
A indulgência não vê os defeitos de
outrem, ou, se os vê, evita falar deles,
divulgá-los. Ao contrário, oculta-os, a fim
de que se não tornem conhecidos senão dela
unicamente, e, se a malevolência os
descobre, tem sempre pronta uma escusa
para eles, escusa plausível, séria, não das
que, com aparência de atenuar a falta,
mais a evidenciam com pérfida intenção.
BENEVOLÊNCIA E INDULGÊNCIA
33
16. Espíritas, queremos falar-vos hoje da
indulgência, sentimento doce e fraternal
que todo homem deve alimentar para com
seus irmãos, mas do qual bem poucos fazem
uso.
A indulgência não vê os defeitos de
outrem, ou, se os vê, evita falar deles,
divulgá-los. Ao contrário, oculta-os, a fim
de que se não tornem conhecidos senão dela
unicamente, e, se a malevolência os
descobre, tem sempre pronta uma escusa
para eles, escusa plausível, séria, não das
que, com aparência de atenuar a falta,
mais a evidenciam com pérfida intenção.
BENEVOLÊNCIA E INDULGÊNCIA
34
A indulgência jamais se ocupa com os maus
atos de outrem, a menos que seja para prestar
um serviço; mas, mesmo neste caso, tem o cuidado
de os atenuar tanto quanto possível. Não faz
observações chocantes, não tem nos lábios
censuras; apenas conselhos e, as mais das vezes,
velados. Quando criticais, que consequência se há
de tirar das vossas palavras? A de que não tereis
feito o que reprovais, visto que estais a
censurar; que valeis mais do que o culpado. O
homens! quando será que julgareis os vossos
próprios corações, os vossos próprios
pensamentos, os vossos próprios atos, sem
vos ocupardes com o que fazem vossos
irmãos? Quando só tereis olhares severos sobre
vós mesmos?
QUANDO CRITICAIS…
35
A indulgência jamais se ocupa com os maus
atos de outrem, a menos que seja para prestar
um serviço; mas, mesmo neste caso, tem o cuidado
de os atenuar tanto quanto possível. Não faz
observações chocantes, não tem nos lábios
censuras; apenas conselhos e, as mais das vezes,
velados. Quando criticais, que consequência se há
de tirar das vossas palavras? A de que não tereis
feito o que reprovais, visto que estais a
censurar; que valeis mais do que o culpado. O
homens! quando será que julgareis os vossos
próprios corações, os vossos próprios
pensamentos, os vossos próprios atos, sem
vos ocupardes com o que fazem vossos
irmãos? Quando só tereis olhares severos sobre
vós mesmos?
QUANDO CRITICAIS…
36
A indulgência jamais se ocupa com os maus
atos de outrem, a menos que seja para prestar
um serviço; mas, mesmo neste caso, tem o cuidado
de os atenuar tanto quanto possível. Não faz
observações chocantes, não tem nos lábios
censuras; apenas conselhos e, as mais das vezes,
velados. Quando criticais, que consequência se há
de tirar das vossas palavras? A de que não tereis
feito o que reprovais, visto que estais a
censurar; que valeis mais do que o culpado. O
homens! quando será que julgareis os vossos
próprios corações, os vossos próprios
pensamentos, os vossos próprios atos, sem
vos ocupardes com o que fazem vossos
irmãos? Quando só tereis olhares severos sobre
vós mesmos?
QUANDO CRITICAIS…
O PERDÃO
37
Sede, pois, severos para convosco, indulgentes
para com os outros. Lembrai-vos daquele que
julga em última instância, que vê os
pensamentos íntimos de cada coração e que, por
conseguinte, desculpa muitas vezes as faltas que
censurais, ou condena o que relevais, porque
conhece o móvel de todos os atos. Lembrai-vos de
que vós, que clamais em altas vozes: anátema!
tereis, quiçá, cometido faltas mais graves. Sede
indulgentes, meus amigos, porquanto a
indulgência atrai, acalma, ergue, ao passo que
o rigor desanima, afasta e irrita.
— José, Espírito protetor. (Bordéus, 1863.)
O PERDÃO
38
Sede, pois, severos para convosco, indulgentes
para com os outros. Lembrai-vos daquele que
julga em última instância, que vê os
pensamentos íntimos de cada coração e que, por
conseguinte, desculpa muitas vezes as faltas que
censurais, ou condena o que relevais, porque
conhece o móvel de todos os atos. Lembrai-vos de
que vós, que clamais em altas vozes: anátema!
tereis, quiçá, cometido faltas mais graves. Sede
indulgentes, meus amigos, porquanto a
indulgência atrai, acalma, ergue, ao passo que
o rigor desanima, afasta e irrita.
— José, Espírito protetor. (Bordéus, 1863.)
O CREDOR
INCOMPASSIVO
39
Assim também meu Pai celestial vos
fará, se cada um de vós, do íntimo
do coração, não perdoar a seu
irmão.”
(Mateus, 18: 23 a 35.)
Pai, perdoa-lhes, porque não
sabem o que fazem.
Lucas 23:34
ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO
PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS
40
41
42
Dubai, 16 de Dezembro, 2018

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Fábio Paiva
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan KardecSonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
marjoriestavismeyer
 
Mediunidade gratuita
Mediunidade gratuitaMediunidade gratuita
Mediunidade gratuita
Ceile Maria Bernardo
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
grupodepaisceb
 
Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17
Unesp
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
CeiClarencio
 
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrerPalestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Divulgador do Espiritismo
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Anjos da Guarda
Anjos da GuardaAnjos da Guarda
Anjos da Guarda
Ponte de Luz ASEC
 
Estudos do evangelho 5
Estudos do evangelho 5Estudos do evangelho 5
Estudos do evangelho 5
Leonardo Pereira
 
Aula lei de destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Aula lei de  destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOSAula lei de  destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Aula lei de destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Oribes Teixeira
 
Perdão
PerdãoPerdão
Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
igmateus
 
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃOLIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
Francisco de Assis Alencar
 
Da lei de conservação
Da lei de conservaçãoDa lei de conservação
Da lei de conservação
home
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
paikachambi
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Marta Gomes
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 

Mais procurados (20)

Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan KardecSonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
Mediunidade gratuita
Mediunidade gratuitaMediunidade gratuita
Mediunidade gratuita
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
 
Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
 
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrerPalestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
 
Anjos da Guarda
Anjos da GuardaAnjos da Guarda
Anjos da Guarda
 
Estudos do evangelho 5
Estudos do evangelho 5Estudos do evangelho 5
Estudos do evangelho 5
 
Aula lei de destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Aula lei de  destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOSAula lei de  destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Aula lei de destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
 
Perdão
PerdãoPerdão
Perdão
 
Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
 
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃOLIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
 
Da lei de conservação
Da lei de conservaçãoDa lei de conservação
Da lei de conservação
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
 

Semelhante a Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - Civilização ( Cap X, item Indulgencia) Espiritismo

LE - 186 Evangelho cap13 item 12
LE - 186 Evangelho cap13 item 12LE - 186 Evangelho cap13 item 12
LE - 186 Evangelho cap13 item 12
Patricia Farias
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
EdsonAguiar30
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareis
Henrique Vieira
 
Resenha espirita on line 154
Resenha espirita on line 154Resenha espirita on line 154
Resenha espirita on line 154
MRS
 
Livro dos Espiritos Q238 ESE cap17 item10
Livro dos Espiritos Q238 ESE cap17 item10Livro dos Espiritos Q238 ESE cap17 item10
Livro dos Espiritos Q238 ESE cap17 item10
Patricia Farias
 
353 semente (chico xavier - emmanuel)
353   semente (chico xavier - emmanuel)353   semente (chico xavier - emmanuel)
353 semente (chico xavier - emmanuel)
Serginho Lopes Ator
 
A genese revisao capitulos 1 2 3
A genese revisao capitulos 1 2  3A genese revisao capitulos 1 2  3
A genese revisao capitulos 1 2 3
Fernando Pinto
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
cak_sacramento
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
Claudio Macedo
 
Estudando André Luiz 1- cap 14.
Estudando André Luiz 1- cap 14.Estudando André Luiz 1- cap 14.
Estudando André Luiz 1- cap 14.
ThiagoPereiraSantos2
 
LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1
Patricia Farias
 
A Mediunidade com Jesus
A Mediunidade com JesusA Mediunidade com Jesus
A Mediunidade com Jesus
Eduardo Henrique Marçal
 
Nova geraçao
Nova geraçaoNova geraçao
Nova geraçao
dijfergs
 
LE 893 ESE_cap13_item11
LE 893 ESE_cap13_item11LE 893 ESE_cap13_item11
LE 893 ESE_cap13_item11
Patricia Farias
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
CEJG
 
Um jeito de ser feliz (richard simonetti)
Um jeito de ser feliz (richard simonetti)Um jeito de ser feliz (richard simonetti)
Um jeito de ser feliz (richard simonetti)
Helio Cruz
 
Livro dos Espiritos Q192 Evangelho Cap 13 item 17
Livro dos Espiritos Q192 Evangelho Cap 13 item 17Livro dos Espiritos Q192 Evangelho Cap 13 item 17
Livro dos Espiritos Q192 Evangelho Cap 13 item 17
Patricia Farias
 

Semelhante a Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - Civilização ( Cap X, item Indulgencia) Espiritismo (20)

LE - 186 Evangelho cap13 item 12
LE - 186 Evangelho cap13 item 12LE - 186 Evangelho cap13 item 12
LE - 186 Evangelho cap13 item 12
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareis
 
Resenha espirita on line 154
Resenha espirita on line 154Resenha espirita on line 154
Resenha espirita on line 154
 
Livro dos Espiritos Q238 ESE cap17 item10
Livro dos Espiritos Q238 ESE cap17 item10Livro dos Espiritos Q238 ESE cap17 item10
Livro dos Espiritos Q238 ESE cap17 item10
 
353 semente (chico xavier - emmanuel)
353   semente (chico xavier - emmanuel)353   semente (chico xavier - emmanuel)
353 semente (chico xavier - emmanuel)
 
A genese revisao capitulos 1 2 3
A genese revisao capitulos 1 2  3A genese revisao capitulos 1 2  3
A genese revisao capitulos 1 2 3
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
 
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
 
Estudando André Luiz 1- cap 14.
Estudando André Luiz 1- cap 14.Estudando André Luiz 1- cap 14.
Estudando André Luiz 1- cap 14.
 
LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1
 
A Mediunidade com Jesus
A Mediunidade com JesusA Mediunidade com Jesus
A Mediunidade com Jesus
 
Nova geraçao
Nova geraçaoNova geraçao
Nova geraçao
 
LE 893 ESE_cap13_item11
LE 893 ESE_cap13_item11LE 893 ESE_cap13_item11
LE 893 ESE_cap13_item11
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
 
Um jeito de ser feliz (richard simonetti)
Um jeito de ser feliz (richard simonetti)Um jeito de ser feliz (richard simonetti)
Um jeito de ser feliz (richard simonetti)
 
Livro dos Espiritos Q192 Evangelho Cap 13 item 17
Livro dos Espiritos Q192 Evangelho Cap 13 item 17Livro dos Espiritos Q192 Evangelho Cap 13 item 17
Livro dos Espiritos Q192 Evangelho Cap 13 item 17
 

Mais de Antonio Braga

Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficenciaConhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Antonio Braga
 
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Antonio Braga
 
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
Antonio Braga
 
(Boa nova) 13 pecado e punicao
(Boa nova) 13   pecado e punicao(Boa nova) 13   pecado e punicao
(Boa nova) 13 pecado e punicao
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
Antonio Braga
 
(Boa nova), Cap 8, Bom Animo
(Boa nova), Cap 8,   Bom Animo(Boa nova), Cap 8,   Bom Animo
(Boa nova), Cap 8, Bom Animo
Antonio Braga
 
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samariaBoa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Antonio Braga
 
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Antonio Braga
 
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of ExistencesThe Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
Antonio Braga
 
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book,   Chap I (part two) - spirit-worldSpirits book,   Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
Antonio Braga
 
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Antonio Braga
 
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova,   Cap 12 - Amor e RenunciaBoa nova,   Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
Antonio Braga
 
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Antonio Braga
 
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Antonio Braga
 
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Antonio Braga
 

Mais de Antonio Braga (20)

Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficenciaConhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficencia
 
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
 
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
 
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
 
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
 
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
 
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
 
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
 
(Boa nova) 13 pecado e punicao
(Boa nova) 13   pecado e punicao(Boa nova) 13   pecado e punicao
(Boa nova) 13 pecado e punicao
 
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
 
(Boa nova), Cap 8, Bom Animo
(Boa nova), Cap 8,   Bom Animo(Boa nova), Cap 8,   Bom Animo
(Boa nova), Cap 8, Bom Animo
 
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samariaBoa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
 
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
 
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of ExistencesThe Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
 
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book,   Chap I (part two) - spirit-worldSpirits book,   Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
 
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
 
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova,   Cap 12 - Amor e RenunciaBoa nova,   Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
 
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
 
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
 
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
 

Último

Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 

Último (10)

Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 

Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - Civilização ( Cap X, item Indulgencia) Espiritismo

  • 1. CIVILIZAÇÃO Livro dos Espíritos - Questões 790 a 793 Dubai, 16 de Dezembro, 2018 1
  • 2. 2 A CIVILIZAÇÃO É ALGO BOM OU RUIM? QUAIS OS RESULTADOS DE NOSSA CIVILIZAÇÃO ATÉ HOJE? TEMOS MAIS RESULTADOS POSITIVOS OU NEGATIVOS? A CIVILIZAÇÃO É ALGO BOM OU RUIM?
  • 3. CIVILIZAÇÃO 790 - A civilização é um progresso ou, conforme alguns filósofos, uma decadência da humanidade? – Progresso incompleto; o homem não passa subitamente da infância à idade adulta. 3
  • 4. 4 O estado de natureza é o estado primitivo e o ponto de partida do seu desenvolvimento intelectual e moral. (…) é transitório e o homem dele sai em razão do progresso da civilização. […]. L.E Q. 776 O ESTADO DE NATUREZA
  • 5. 5 “Civilização é o mesmo que progresso social, representado pela aquisição de elementos materiais, intelectuais e espirituais, usufruídos pela sociedade” CIVILIZAÇÃO
  • 7. 7 “o conhecimento resulta dos esforços individuais, (…) pela aquisição de experiências vividas nas sucessivas reencarnações e nos estágios no plano espiritual, pois o ser humano foi criado para progredir(…)” PROGRESSO
  • 8. 8 Os conhecimentos adquiridos em cada existência não se perdem; (…) Em cada nova existência o Espírito toma como ponto de partida aquele em que se encontrava em sua existência anterior. (Livro dos Espíritos. Q.218) NENHUM ESFORÇO SERÁ EM VÃO
  • 9. 9 “o sujeito sai de si; o sujeito está fora de si; o sujeito reencontra a si mesmo.” CONHECE-TE A TI MESMO
  • 10. SABERES E SENTIMENTOS, VALORES E AÇÃO 10 “o ato de conhecer implica atividade, em geral determinada por valores, que relaciona conhecimento e consciência. (…)”
  • 12. CIVILIZAÇÃO 790 a - É racional condenar a civilização? – Primeiramente condenai aqueles que abusam dela e não a obra de Deus. 12
  • 13. CIVILIZAÇÃO 791 - A civilização se depurará um dia de modo a fazer desaparecer os males que tenha produzido? – Sim, quando a moral também estiver tão desenvolvido quanto a inteligência. O fruto não pode vir antes da flor. 13
  • 14. “[…] Uma inteligência profunda significa um imenso acervo de lutas planetárias. Atingida essa posição, se o homem guarda consigo uma expressão idêntica de progresso espiritual, pelo sentimento, então estará apto a elevar-se (…). Emmanuel 14
  • 15. CIVILIZAÇÃO 792 - Por que a civilização não realiza imediatamente todo o bem que poderia produzir? – Porque os homens ainda não estão prontos nem dispostos a obter esse bem. 15
  • 16. CIVILIZAÇÃO 792 a - Não seria também porque, ao criar novas necessidades, ela superexcita novas paixões? – Sim, e porque nem todas as faculdades do Espírito progridem a um só tempo; é preciso tempo para tudo. Não podeis esperar frutos perfeitos de uma civilização incompleta. 16
  • 17. “ Antes de tudo, recorda-se de que o nosso planeta é uma morada muito inferior, o laboratório em que desabrocham as almas ainda novas nas aspirações confusas e paixões desordenadas. O senso profundo da vida lhe aparece com as acerbas necessidades que a ela se prendem, é o inicio das qualidades e energias que repousam em todo ser. Para que surjam á tona as forças que jazem desconhecidas e silenciosas nas profundezas da alma o precisas aflições, angustias e lagrimas. Não ha grandeza sem sofrimento, nem purificação sem provação. 17
  • 18. “ Antes de tudo, recorda-se de que o nosso planeta é uma morada muito inferior, o laboratório em que desabrocham as almas ainda novas nas aspirações confusas e paixões desordenadas. O senso profundo da vida lhe aparece com as acerbas necessidades que a ela se prendem, é o inicio das qualidades e energias que repousam em todo ser. Para que surjam á tona as forças que jazem desconhecidas e silenciosas nas profundezas da alma o precisas aflições, angustias e lagrimas. Não ha grandeza sem sofrimento, nem purificação sem provação. 18
  • 19. “ Antes de tudo, recorda-se de que o nosso planeta é uma morada muito inferior, o laboratório em que desabrocham as almas ainda novas nas aspirações confusas e paixões desordenadas. O senso profundo da vida lhe aparece com as acerbas necessidades que a ela se prendem, é o inicio das qualidades e energias que repousam em todo ser. Para que surjam á tona as forças que jazem desconhecidas e silenciosas nas profundezas da alma o precisas aflições, angustias e lagrimas. Não há grandeza sem sofrimento, nem purificação sem provação. 19
  • 20. 20 Uma civilização incompleta é um estado transitório, que gera males especiais, desconhecidos do homem no estado primitivo; mas nem por isso deixa de constituir um progresso natural, necessário, que traz consigo o remédio para o mal que causa. À medida que a civilização se aperfeiçoa, faz cessar alguns dos males que gerou, e esses males desaparecerão com o progresso moral. CIVILIZAÇÃO INCOMPLETA
  • 21. “De uma civilização incompleta não se pode esperar perfeição, no entanto, a civilização atual é um começo, de maneira a levar a alma a chegar algum dia a reunir todos os seus valores e tornar-se um sol em favor dela mesma.(…) Miramez 21 Livro - Filosofia Espírita
  • 22. 22 A CAMINHO DA LUZ O determinismo do amor e do bem é a Lei de todo o universo e a alma humana emerge de todas as catástrofes em busca de uma vida melhor.
  • 23. CIVILIZAÇÃO COMPLETA 793 - Com que sinais se pode reconhecer uma civilização completa? – Vós a reconhecereis pelo desenvolvimento moral. Acreditais estar bem avançados, pelas grandes descobertas e invenções maravilhosas, e estais melhor alojados e vestidos do que os selvagens. Mas apenas tereis verdadeiramente o direito de vos dizer civilizados quando tiverdes banido da sociedade os vícios que a desonram e viverdes como irmãos praticando a caridade cristã. Até lá, sois somente povos esclarecidos, que percorreram apenas a primeira fase da civilização. 23
  • 24. 24 De dois povos que tenham chegado ao mais alto grau da escala social, somente pode considerar-se o mais civilizado, na verdadeira acepção do termo, aquele onde exista menos egoísmo, menos cobiça e menos orgulho; onde os hábitos sejam mais intelectuais e morais do que materiais; onde a inteligência possa desenvolver-se com maior liberdade; onde haja mais bondade, boa-fé, benevolência e generosidade recíprocas; CIVILIZAÇÃO COMPLETA
  • 25. 25 …onde os preconceitos de casta e de nascimento sejam menos arraigados, porque tais preconceitos são incompatíveis com o verdadeiro amor ao próximo; onde as leis não consagrem nenhum privilégio e sejam as mesmas para todos, tanto para o último, como para o primeiro; onde a justiça se exerça com menos parcialidade; onde o fraco encontre sempre amparo contra o forte; onde a vida do homem, suas crenças e opiniões sejam mais bem respeitadas; onde haja menos infelizes; enfim, onde todo homem de boa vontade esteja certo de não lhe faltar o necessário. CIVILIZAÇÃO COMPLETA
  • 26. 26 “Estamos agora em um novo período. Estes dias assinalam uma data muito especial, a data da mudança do mundo de provas e expiações para mundo de regeneração." MOMENTO DA GLORIOSA TRANSIÇÃO
  • 27. (…)A grande noite que se abatia sobre a terra lentamente cede lugar ao amanhecer de bênçãos. Retroceder não mais é possível. Firmastes, filhas e filhos da alma, um compromisso com Jesus, antes de mergulhardes na indumentária carnal, o de servi-lo com abnegação e devotamento. (…) Mas, além do júbilo que a todos nos domina, tenhamos em mente as graves responsabilidades que nos exornam (adornam) a existência do corpo ou fora dele.(…) Seremos convidados não somente ao aplauso, ao entusiasmo, ao júbilo, mas também ao testemunho,(…) o testemunho por amor àqueles que não nos amam, o testemunho de abnegação no sentido de ajudar àqueles que ainda se comprazem em gerar dificuldades, (…) 27 MOMENTO DA GLORIOSA TRANSIÇÃO
  • 28. 28 Que sejamos nós aqueles Espíritos espíritas que demonstremos a grandeza do amor de Jesus em nossas vidas. Que outros reclamem, que outros se queixem, (…) que nós outros guardemos, (…)o compromisso de amar, e amar sempre, trazendo Jesus de volta (…)Jesus, filhas e filhos queridos, espera por nós. Que seja o nosso escudo o amor, as nossas ferramentas o amor, e a nossa vida um hino de amor,(…). Com muito carinho, o servidor humílimo e paternal de sempre, (…) Muita paz, filhas e filhos do coração. Bezerra MOMENTO DA GLORIOSA TRANSIÇÃO
  • 29. INDULGÊNCIA Evangelho segundo o Espiritismo - Cap. X Dubai, 14 de Outubro, 2018 29
  • 30. 30 INDULGÊNCIA - Característica de quem ou daquele que é indulgente. - Facilidade para perdoar os erros cometidos pelos outros; clemência. - Demonstração de perdão a um castigo, a uma pena, a uma ofensa. - Tolerância às ações ou particularidades dos outros.
  • 31. 31 Como conciliar a indulgência com a necessidade de reprimir o mal? INDULGÊNCIA X CONIVÊNCIA “– Toda a autoridade é de Deus. Nós somos simples instrumentos, meu filho. Ninguém se diminuirá por ser bom e tolerante.”
  • 32. 32 16. Espíritas, queremos falar-vos hoje da indulgência, sentimento doce e fraternal que todo homem deve alimentar para com seus irmãos, mas do qual bem poucos fazem uso. A indulgência não vê os defeitos de outrem, ou, se os vê, evita falar deles, divulgá-los. Ao contrário, oculta-os, a fim de que se não tornem conhecidos senão dela unicamente, e, se a malevolência os descobre, tem sempre pronta uma escusa para eles, escusa plausível, séria, não das que, com aparência de atenuar a falta, mais a evidenciam com pérfida intenção. BENEVOLÊNCIA E INDULGÊNCIA
  • 33. 33 16. Espíritas, queremos falar-vos hoje da indulgência, sentimento doce e fraternal que todo homem deve alimentar para com seus irmãos, mas do qual bem poucos fazem uso. A indulgência não vê os defeitos de outrem, ou, se os vê, evita falar deles, divulgá-los. Ao contrário, oculta-os, a fim de que se não tornem conhecidos senão dela unicamente, e, se a malevolência os descobre, tem sempre pronta uma escusa para eles, escusa plausível, séria, não das que, com aparência de atenuar a falta, mais a evidenciam com pérfida intenção. BENEVOLÊNCIA E INDULGÊNCIA
  • 34. 34 A indulgência jamais se ocupa com os maus atos de outrem, a menos que seja para prestar um serviço; mas, mesmo neste caso, tem o cuidado de os atenuar tanto quanto possível. Não faz observações chocantes, não tem nos lábios censuras; apenas conselhos e, as mais das vezes, velados. Quando criticais, que consequência se há de tirar das vossas palavras? A de que não tereis feito o que reprovais, visto que estais a censurar; que valeis mais do que o culpado. O homens! quando será que julgareis os vossos próprios corações, os vossos próprios pensamentos, os vossos próprios atos, sem vos ocupardes com o que fazem vossos irmãos? Quando só tereis olhares severos sobre vós mesmos? QUANDO CRITICAIS…
  • 35. 35 A indulgência jamais se ocupa com os maus atos de outrem, a menos que seja para prestar um serviço; mas, mesmo neste caso, tem o cuidado de os atenuar tanto quanto possível. Não faz observações chocantes, não tem nos lábios censuras; apenas conselhos e, as mais das vezes, velados. Quando criticais, que consequência se há de tirar das vossas palavras? A de que não tereis feito o que reprovais, visto que estais a censurar; que valeis mais do que o culpado. O homens! quando será que julgareis os vossos próprios corações, os vossos próprios pensamentos, os vossos próprios atos, sem vos ocupardes com o que fazem vossos irmãos? Quando só tereis olhares severos sobre vós mesmos? QUANDO CRITICAIS…
  • 36. 36 A indulgência jamais se ocupa com os maus atos de outrem, a menos que seja para prestar um serviço; mas, mesmo neste caso, tem o cuidado de os atenuar tanto quanto possível. Não faz observações chocantes, não tem nos lábios censuras; apenas conselhos e, as mais das vezes, velados. Quando criticais, que consequência se há de tirar das vossas palavras? A de que não tereis feito o que reprovais, visto que estais a censurar; que valeis mais do que o culpado. O homens! quando será que julgareis os vossos próprios corações, os vossos próprios pensamentos, os vossos próprios atos, sem vos ocupardes com o que fazem vossos irmãos? Quando só tereis olhares severos sobre vós mesmos? QUANDO CRITICAIS…
  • 37. O PERDÃO 37 Sede, pois, severos para convosco, indulgentes para com os outros. Lembrai-vos daquele que julga em última instância, que vê os pensamentos íntimos de cada coração e que, por conseguinte, desculpa muitas vezes as faltas que censurais, ou condena o que relevais, porque conhece o móvel de todos os atos. Lembrai-vos de que vós, que clamais em altas vozes: anátema! tereis, quiçá, cometido faltas mais graves. Sede indulgentes, meus amigos, porquanto a indulgência atrai, acalma, ergue, ao passo que o rigor desanima, afasta e irrita. — José, Espírito protetor. (Bordéus, 1863.)
  • 38. O PERDÃO 38 Sede, pois, severos para convosco, indulgentes para com os outros. Lembrai-vos daquele que julga em última instância, que vê os pensamentos íntimos de cada coração e que, por conseguinte, desculpa muitas vezes as faltas que censurais, ou condena o que relevais, porque conhece o móvel de todos os atos. Lembrai-vos de que vós, que clamais em altas vozes: anátema! tereis, quiçá, cometido faltas mais graves. Sede indulgentes, meus amigos, porquanto a indulgência atrai, acalma, ergue, ao passo que o rigor desanima, afasta e irrita. — José, Espírito protetor. (Bordéus, 1863.)
  • 39. O CREDOR INCOMPASSIVO 39 Assim também meu Pai celestial vos fará, se cada um de vós, do íntimo do coração, não perdoar a seu irmão.” (Mateus, 18: 23 a 35.)
  • 40. Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Lucas 23:34 ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS 40
  • 41. 41
  • 42. 42 Dubai, 16 de Dezembro, 2018