SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
NECESSIDADE DA
VIDA SOCIAL
Livro dos Espíritos - Questões 766 a 768
Dubai, 14 de Outubro, 2018
1
NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL
766 - A vida social é uma obrigação natural?
“– Certamente. Deus fez o homem para viver
em sociedade. Deus deu-lhe a palavra e todas
as demais faculdades necessárias ao
relacionamento”
2
NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL
767 - É contrário à lei da Natureza isolamento
absoluto?
“Sem dúvida, pois que por instinto os homens
buscam a sociedade e todos devem concorrer para
progresso, auxiliando-se mutuamente.”
3
NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL
768 - O homem, ao procurar viver em sociedade,
apenas obedece a um sentimento pessoal, ou há um
objetivo providencial mais geral?
“O homem deve progredir, mas não pode
fazer isso sozinho porque não dispõe de todas
as faculdades; eis por que precisa se
relacionar com outros homens. No
isolamento, se embrutece e se enfraquece.”
4
NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL
Homem nenhum possui faculdades
completas. Mediante a união social é
que elas umas às outras se
completam, para lhe assegurarem o
bem-estar e o progresso.
Por isso é que, precisando uns dos
outros, os homens foram feitos para
viver em sociedade e não isolados.
5
MAS PORQUE É TÃO DIFÍCIL ENTÃO?
6
“O homem solitário (…) é
alguém que se receia encontrar,
que evita descobrir-se, conhecer-
se, assim ocultando a sua
identidade na aparência de
infeliz, de incompreendido e
abandonado.”
(o Homem Integral
- Joanna de Ângelis)
A SOLIDÃO
7
Acaso andarão dois juntos se não
estiverem de acordo?”
Amós 3:3
8
“O homem solidário jamais
se encontra solitário”
9
Pois onde dois ou três estão reunidos em
meu nome, aí estou no meio deles.
Mateus 18:20
10
PERDOAI
ESE, Cap X, Itens 3 e 4
Dubai, 14 de Outubro, 2018
Para que Deus vos Perdoe
11
HUMBERTO
DE CAMPOS
212
Conversa entre Jesus, Pedro e Felipe …
13
- Acaso poderemos colher uvas nos
espinheiros? De modo algum me
empenharia em Nazaré numa contradita
estéril aos meus opositores. Contudo,
procurei ensinar que a melhor réplica é
sempre a do nosso próprio trabalho, do
esforço útil que nos seja possível(…)
14
Alguns dias depois…
15
- Mestre (…) a verdade é que a maioria de
quantos compareceram às rogações de Nazaré
falava mal de vós!
- Mas, não será vaidade exigirmos que toda gente tenha de
nossa personalidade elevado conceito? (…)Agradar a todos é
marchar pelo caminho largo (…). Servir a Deus é tarefa que
deve estar acima de tudo e, por vezes, nesse serviço divino, é
natural que desagrademos aos mesquinhos interesses humanos.
Filipe, sabes de algum emissário de Deus que fosse bem
apreciado no seu tempo? Todos os portadores da verdade do
céu são incompreendidos de seus contemporâneos. Portanto, é
indispensável consideremos que o conceito justo é respeitável,
mas, antes dele, necessitamos obter a aprovação legítima da
consciência, dentro de nossa lealdade para com Deus.
JESUS
16
- (…) nos acontecimentos mais fortes da vida, não
deveremos, então, utilizar as palavras enérgicas e
justas?
- Em toda circunstância, convém naturalmente
que se diga o necessário, porém, é também
imprescindível que não se perca tempo.
17
- Senhor, (…) alguns dos companheiros se revelaram
insuportáveis nessa viagem a Nazaré: uns me
acusaram de brigão e desordeiro; outros, de mau
entendedor de vossos ensinamentos. Se os próprios
irmãos da comunidade apresentam essas falhas, como
há de ser o futuro do Evangelho?
- Estas são perguntas que cada discípulo deve fazer
a si mesmo. Mas, com respeito à comunidade, Filipe,
(…) já edificaste o reino de Deus no íntimo do teu
espírito.
18
- Mas, para perdoar não deveremos aguardar
que o inimigo se arrependa? E que fazer, na
hipótese de o malfeitor assumir a atitude dos
lobos sob a pele da ovelha?
19
- Pedro, o perdão não exclui a necessidade da
vigilância, como o amor não prescinde da verdade.
A paz é um patrimônio que cada coração está obrigado a
defender, para bem trabalhar no serviço divino que lhe foi
confiado. Se o nosso irmão se arrepende e procura o nosso
auxílio fraterno, amparemo-lo com as energias que
possamos despender; mas, em nenhuma circunstância
cogites de saber se o teu irmão está arrependido.
Esquece o male trabalha pelo bem. Quando ensinei que
cada homem deve conciliar-se depressa com o adversário,
busquei salientar que ninguém pode ir a Deus com um
sentimento de odiosidade no coração. Não poderemos
saber se o nosso adversário está disposto à conciliação;
todavia, podemos garantir que nada se fará sem a nossa
boa-vontade o pleno esquecimento dos males recebidos. Se
o irmão infeliz se arrepender, estejamos sempre dispostos
a ampará-lo e, a todo momento, precisamos e devemos
olvidar o mal. 20
- Pedro, o perdão não exclui a necessidade da
vigilância, como o amor não prescinde da verdade.
A paz é um patrimônio que cada coração está obrigado a
defender, para bem trabalhar no serviço divino que lhe foi
confiado. Se o nosso irmão se arrepende e procura o nosso
auxílio fraterno, amparemo-lo com as energias que
possamos despender; mas, em nenhuma circunstância
cogites de saber se o teu irmão está arrependido.
Esquece o mal e trabalha pelo bem. Quando ensinei que
cada homem deve conciliar-se depressa com o adversário,
busquei salientar que ninguém pode ir a Deus com um
sentimento de odiosidade no coração. Não poderemos
saber se o nosso adversário está disposto à conciliação;
todavia, podemos garantir que nada se fará sem a
nossa boa-vontade e o pleno esquecimento dos males
recebidos. Se o irmão infeliz se arrepender, estejamos
sempre dispostos a ampará-lo e, a todo momento,
precisamos e devemos olvidar o mal. 21
- Senhor, quantas vezes pecará meu irmão contra
mim, que lhe hei de perdoar? Será até sete vezes?
- Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
22
4. A misericórdia é o complemento da brandura,
porque aquele que não for misericordioso não
poderá ser brando, nem pacífico. Ela consiste no
esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o
rancor denotam alma sem elevação e sem grandeza.
O esquecimento das ofensas é próprio da alma
elevada, que paira acima dos golpes que lhe possam
desferir. Uma é sempre ansiosa, de sombria
suscetibilidade e cheia de fel; a outra é calma, plena
de mansidão e caridade.
Ai daquele que diz: nunca perdoarei. Esse, se não
for condenado pelos homens, certamente o será por
Deus. Com que direito reclamaria o perdão de suas
próprias faltas, se ele mesmo não perdoa as dos
outros? Jesus nos ensina que a misericórdia não deve
ter limites, quando diz que cada um perdoe ao seu
irmão, não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes.23
4. A misericórdia é o complemento da brandura,
porque aquele que não for misericordioso não
poderá ser brando, nem pacífico. Ela consiste no
esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o
rancor denotam alma sem elevação e sem grandeza.
O esquecimento das ofensas é próprio da alma
elevada, que paira acima dos golpes que lhe possam
desferir. Uma é sempre ansiosa, de sombria
suscetibilidade e cheia de fel; a outra é calma, plena
de mansidão e caridade.
Ai daquele que diz: nunca perdoarei. Esse, se não
for condenado pelos homens, certamente o será por
Deus. Com que direito reclamaria o perdão de suas
próprias faltas, se ele mesmo não perdoa as dos
outros? Jesus nos ensina que a misericórdia não deve
ter limites, quando diz que cada um perdoe ao seu
irmão, não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes.24
4. A misericórdia é o complemento da brandura,
porque aquele que não for misericordioso não
poderá ser brando, nem pacífico. Ela consiste no
esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o
rancor denotam alma sem elevação e sem grandeza.
O esquecimento das ofensas é próprio da alma
elevada, que paira acima dos golpes que lhe possam
desferir. Uma é sempre ansiosa, de sombria
suscetibilidade e cheia de fel; a outra é calma, plena
de mansidão e caridade.
Ai daquele que diz: nunca perdoarei. Esse, se não
for condenado pelos homens, certamente o será por
Deus. Com que direito reclamaria o perdão de suas
próprias faltas, se ele mesmo não perdoa as dos
outros? Jesus nos ensina que a misericórdia não deve
ter limites, quando diz que cada um perdoe ao seu
irmão, não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes.25
4. A misericórdia é o complemento da brandura,
porque aquele que não for misericordioso não
poderá ser brando, nem pacífico. Ela consiste no
esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o
rancor denotam alma sem elevação e sem grandeza.
O esquecimento das ofensas é próprio da alma
elevada, que paira acima dos golpes que lhe possam
desferir. Uma é sempre ansiosa, de sombria
suscetibilidade e cheia de fel; a outra é calma, plena
de mansidão e caridade.
Ai daquele que diz: nunca perdoarei. Esse, se não
for condenado pelos homens, certamente o será por
Deus. Com que direito reclamaria o perdão de
suas próprias faltas, se ele mesmo não perdoa
as dos outros? Jesus nos ensina que a
misericórdia não deve ter limites, quando diz
que cada um perdoe ao seu irmão, não sete vezes,
mas setenta vezes sete vezes. 26
Há, porém, duas maneiras bem diferentes de
perdoar: uma é grande, nobre, verdadeiramente
generosa, sem segunda intenção, que evita, com
delicadeza, ferir o amor-próprio do adversário,
ainda que a este caiba inteiramente a culpa; a
segunda é quando o ofendido, ou aquele que assim se
julga, impõe ao outro condições humilhantes e lhe
faz sentir o peso de um perdão que irrita, em vez de
acalmar; se estende a mão ao ofensor, não o faz com
benevolência, mas com ostentação, a fim de poder
dizer a todo mundo: vede como sou generoso! Em
tais circunstâncias, é impossível uma reconciliação
sincera de parte a parte. Não, não há aí
generosidade, mas apenas uma forma de satisfazer
ao orgulho. Em toda contenda, aquele que se mostra
mais conciliador, que prova mais desinteresse,
caridade e verdadeira grandeza de alma conquistará
sempre a simpatia das pessoas imparciais.
27
Há, porém, duas maneiras bem diferentes de
perdoar: uma é grande, nobre, verdadeiramente
generosa, sem segunda intenção, que evita, com
delicadeza, ferir o amor-próprio do adversário,
ainda que a este caiba inteiramente a culpa; a
segunda é quando o ofendido, ou aquele que assim se
julga, impõe ao outro condições humilhantes e lhe
faz sentir o peso de um perdão que irrita, em vez de
acalmar; se estende a mão ao ofensor, não o faz com
benevolência, mas com ostentação, a fim de poder
dizer a todo mundo: vede como sou generoso! Em
tais circunstâncias, é impossível uma reconciliação
sincera de parte a parte. Não, não há aí
generosidade, mas apenas uma forma de satisfazer
ao orgulho. Em toda contenda, aquele que se mostra
mais conciliador, que prova mais desinteresse,
caridade e verdadeira grandeza de alma conquistará
sempre a simpatia das pessoas imparciais.
28
Há, porém, duas maneiras bem diferentes de
perdoar: uma é grande, nobre, verdadeiramente
generosa, sem segunda intenção, que evita, com
delicadeza, ferir o amor-próprio do adversário,
ainda que a este caiba inteiramente a culpa; a
segunda é quando o ofendido, ou aquele que assim se
julga, impõe ao outro condições humilhantes e lhe
faz sentir o peso de um perdão que irrita, em vez de
acalmar; se estende a mão ao ofensor, não o faz com
benevolência, mas com ostentação, a fim de poder
dizer a todo mundo: vede como sou generoso! Em
tais circunstâncias, é impossível uma reconciliação
sincera de parte a parte. Não, não há aí
generosidade, mas apenas uma forma de satisfazer
ao orgulho. Em toda contenda, aquele que se mostra
mais conciliador, que prova mais desinteresse,
caridade e verdadeira grandeza de alma conquistará
sempre a simpatia das pessoas imparciais.
29
Há, porém, duas maneiras bem diferentes de
perdoar: uma é grande, nobre, verdadeiramente
generosa, sem segunda intenção, que evita, com
delicadeza, ferir o amor-próprio do adversário,
ainda que a este caiba inteiramente a culpa; a
segunda é quando o ofendido, ou aquele que assim se
julga, impõe ao outro condições humilhantes e lhe
faz sentir o peso de um perdão que irrita, em vez de
acalmar; se estende a mão ao ofensor, não o faz com
benevolência, mas com ostentação, a fim de poder
dizer a todo mundo: vede como sou generoso! Em
tais circunstâncias, é impossível uma reconciliação
sincera de parte a parte. Não, não há aí
generosidade, mas apenas uma forma de satisfazer
ao orgulho. Em toda contenda, aquele que se mostra
mais conciliador, que prova mais desinteresse,
caridade e verdadeira grandeza de alma conquistará
sempre a simpatia das pessoas imparciais.
30
Não sete vezes, mas até setenta vezes sete…
31
Pai, perdoa-lhes, porque não
sabem o que fazem.
Lucas 23:34
ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO
PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS
32
(…)
Quem poderá, com os olhos do corpo físico,
medir a extensão da treva sobre as mãos que se
envolvem no espinheiral do crime? Quem, na
sombra terrestre, distinguirá toda a percentagem
de dor e necessidade que produz o desespero e a
revolta?
Dispõe-te a desculpar hoje, infinitamente, para
que amanhã sejas também desculpado.
(…)
Tudo na vida roga entendimento e caridade para
que a caridade e o entendimento nos orientem as
horas.
Não olvides que a própria noite na Terra é uma
pausa de esquecimento para que aprendamos a
ciência do recomeço, em cada alvorada nova.
“Faze a outrem aquilo que desejas te seja feito”
33
34
Dubai, 14 de Outubro, 2018
35

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Casamento na visão espirita
Casamento na visão espiritaCasamento na visão espirita
Casamento na visão espiritaLisete B.
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeCeiClarencio
 
Reforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírioReforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martíriogrupodepaisceb
 
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍciosOrgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍciosGraça Maciel
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)Jorge Luiz dos Santos
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosEduardo Ottonelli Pithan
 
Afabilidade e doçura
Afabilidade e doçuraAfabilidade e doçura
Afabilidade e doçuraLorena Dias
 
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos" Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos" Francisco de Assis Alencar
 

Mais procurados (20)

Casamento na visão espirita
Casamento na visão espiritaCasamento na visão espirita
Casamento na visão espirita
 
Lei de destruição
Lei de destruiçãoLei de destruição
Lei de destruição
 
Lei de destruição livro dos espíritos 2011
Lei de destruição livro dos espíritos 2011Lei de destruição livro dos espíritos 2011
Lei de destruição livro dos espíritos 2011
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
 
A colera
A coleraA colera
A colera
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
 
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrerPalestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
 
Reforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírioReforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírio
 
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍciosOrgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
O DUELO
O DUELOO DUELO
O DUELO
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
 
Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
 
Afabilidade e doçura
Afabilidade e doçuraAfabilidade e doçura
Afabilidade e doçura
 
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos" Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
 
O Homem No Mundo
O Homem No MundoO Homem No Mundo
O Homem No Mundo
 

Semelhante a O verdadeiro significado do perdão segundo Jesus

Bem aventurados aqueles que são misericordiosos
Bem aventurados aqueles que são misericordiososBem aventurados aqueles que são misericordiosos
Bem aventurados aqueles que são misericordiososgrupodepaisceb
 
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"Leonardo Pereira
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiososPalestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiososDivulgador do Espiritismo
 
Evangeliza - Reconciliação
Evangeliza - ReconciliaçãoEvangeliza - Reconciliação
Evangeliza - ReconciliaçãoAntonino Silva
 
12 o perdao na familia
12   o perdao na familia12   o perdao na familia
12 o perdao na familiaPIB Penha
 
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOSBEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOSSergio Menezes
 
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismoPalestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismoPaulo Farias
 
10 Lições de Perdão na Bíblia
10 Lições de Perdão na Bíblia10 Lições de Perdão na Bíblia
10 Lições de Perdão na BíbliaRogerio Sena
 
10 Lições de Perdão na Bíblia
10 Lições de Perdão na Bíblia10 Lições de Perdão na Bíblia
10 Lições de Perdão na Bíbliaweleson fernandes
 
Evangelho cap10 Item1 - Bem-Aventurados os que são misericordiosos
Evangelho cap10 Item1 - Bem-Aventurados os que são misericordiososEvangelho cap10 Item1 - Bem-Aventurados os que são misericordiosos
Evangelho cap10 Item1 - Bem-Aventurados os que são misericordiososPatricia Farias
 
3.2 - Lei de Adoracao.pptx
3.2 - Lei de Adoracao.pptx3.2 - Lei de Adoracao.pptx
3.2 - Lei de Adoracao.pptxMarta Gomes
 
Estudo bíblico PERDOAR PARA SER PERDOADO
Estudo bíblico PERDOAR  PARA SER  PERDOADOEstudo bíblico PERDOAR  PARA SER  PERDOADO
Estudo bíblico PERDOAR PARA SER PERDOADOSamuel Oliveira
 
perdoarparaserperdoado-150621152019-lva1-app6892-170130154609.pdf
perdoarparaserperdoado-150621152019-lva1-app6892-170130154609.pdfperdoarparaserperdoado-150621152019-lva1-app6892-170130154609.pdf
perdoarparaserperdoado-150621152019-lva1-app6892-170130154609.pdfTiago Silva
 

Semelhante a O verdadeiro significado do perdão segundo Jesus (20)

Bem aventurados aqueles que são misericordiosos
Bem aventurados aqueles que são misericordiososBem aventurados aqueles que são misericordiosos
Bem aventurados aqueles que são misericordiosos
 
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
 
Perdão
PerdãoPerdão
Perdão
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiososPalestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
 
Evangeliza - Reconciliação
Evangeliza - ReconciliaçãoEvangeliza - Reconciliação
Evangeliza - Reconciliação
 
Estudos do evangelho 23
Estudos do evangelho 23Estudos do evangelho 23
Estudos do evangelho 23
 
Estudos do evangelho 23
Estudos do evangelho 23Estudos do evangelho 23
Estudos do evangelho 23
 
Perdao
PerdaoPerdao
Perdao
 
12 o perdao na familia
12   o perdao na familia12   o perdao na familia
12 o perdao na familia
 
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOSBEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
 
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismoPalestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
Palestra sobre capitulo x do evangelho segundo o espiritismo
 
10 Lições de Perdão na Bíblia
10 Lições de Perdão na Bíblia10 Lições de Perdão na Bíblia
10 Lições de Perdão na Bíblia
 
10 Lições de Perdão na Bíblia
10 Lições de Perdão na Bíblia10 Lições de Perdão na Bíblia
10 Lições de Perdão na Bíblia
 
Ramalhete
RamalheteRamalhete
Ramalhete
 
Evangelho cap10 Item1 - Bem-Aventurados os que são misericordiosos
Evangelho cap10 Item1 - Bem-Aventurados os que são misericordiososEvangelho cap10 Item1 - Bem-Aventurados os que são misericordiosos
Evangelho cap10 Item1 - Bem-Aventurados os que são misericordiosos
 
3.2 - Lei de Adoracao.pptx
3.2 - Lei de Adoracao.pptx3.2 - Lei de Adoracao.pptx
3.2 - Lei de Adoracao.pptx
 
Nossolar
NossolarNossolar
Nossolar
 
Motivos Para Desculpar. Jr Cordeiro.
Motivos Para Desculpar. Jr Cordeiro.Motivos Para Desculpar. Jr Cordeiro.
Motivos Para Desculpar. Jr Cordeiro.
 
Estudo bíblico PERDOAR PARA SER PERDOADO
Estudo bíblico PERDOAR  PARA SER  PERDOADOEstudo bíblico PERDOAR  PARA SER  PERDOADO
Estudo bíblico PERDOAR PARA SER PERDOADO
 
perdoarparaserperdoado-150621152019-lva1-app6892-170130154609.pdf
perdoarparaserperdoado-150621152019-lva1-app6892-170130154609.pdfperdoarparaserperdoado-150621152019-lva1-app6892-170130154609.pdf
perdoarparaserperdoado-150621152019-lva1-app6892-170130154609.pdf
 

Mais de Antonio Braga

Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficenciaConhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficenciaAntonio Braga
 
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...Antonio Braga
 
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedroAntonio Braga
 
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do DiscipuloAntonio Braga
 
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de MagdalaAntonio Braga
 
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com DeusAntonio Braga
 
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de TomeAntonio Braga
 
(Boa nova) 13 pecado e punicao
(Boa nova) 13   pecado e punicao(Boa nova) 13   pecado e punicao
(Boa nova) 13 pecado e punicaoAntonio Braga
 
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do MonteAntonio Braga
 
(Boa nova), Cap 8, Bom Animo
(Boa nova), Cap 8,   Bom Animo(Boa nova), Cap 8,   Bom Animo
(Boa nova), Cap 8, Bom AnimoAntonio Braga
 
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samariaBoa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samariaAntonio Braga
 
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...Antonio Braga
 
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of ExistencesThe Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of ExistencesAntonio Braga
 
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book,   Chap I (part two) - spirit-worldSpirits book,   Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-worldAntonio Braga
 
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits Antonio Braga
 
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova,   Cap 12 - Amor e RenunciaBoa nova,   Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova, Cap 12 - Amor e RenunciaAntonio Braga
 
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...Antonio Braga
 
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...Antonio Braga
 
Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - ...
Livro dos Espíritos Questões 790  a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo -  ...Livro dos Espíritos Questões 790  a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo -  ...
Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - ...Antonio Braga
 

Mais de Antonio Braga (20)

Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficenciaConhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficencia
 
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
 
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
 
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
 
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
 
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
 
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
 
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
 
(Boa nova) 13 pecado e punicao
(Boa nova) 13   pecado e punicao(Boa nova) 13   pecado e punicao
(Boa nova) 13 pecado e punicao
 
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
 
(Boa nova), Cap 8, Bom Animo
(Boa nova), Cap 8,   Bom Animo(Boa nova), Cap 8,   Bom Animo
(Boa nova), Cap 8, Bom Animo
 
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samariaBoa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
 
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
 
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of ExistencesThe Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
 
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book,   Chap I (part two) - spirit-worldSpirits book,   Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
 
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
 
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova,   Cap 12 - Amor e RenunciaBoa nova,   Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
 
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
 
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
 
Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - ...
Livro dos Espíritos Questões 790  a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo -  ...Livro dos Espíritos Questões 790  a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo -  ...
Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - ...
 

Último

A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).natzarimdonorte
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequeseanamdp2004
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoRicardo Azevedo
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José OperárioNilson Almeida
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxSebastioFerreira34
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .natzarimdonorte
 
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfO Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfSUELLENBALTARDELEU
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfnatzarimdonorte
 

Último (14)

A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
 
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfO Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
 

O verdadeiro significado do perdão segundo Jesus

  • 1. NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL Livro dos Espíritos - Questões 766 a 768 Dubai, 14 de Outubro, 2018 1
  • 2. NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL 766 - A vida social é uma obrigação natural? “– Certamente. Deus fez o homem para viver em sociedade. Deus deu-lhe a palavra e todas as demais faculdades necessárias ao relacionamento” 2
  • 3. NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL 767 - É contrário à lei da Natureza isolamento absoluto? “Sem dúvida, pois que por instinto os homens buscam a sociedade e todos devem concorrer para progresso, auxiliando-se mutuamente.” 3
  • 4. NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL 768 - O homem, ao procurar viver em sociedade, apenas obedece a um sentimento pessoal, ou há um objetivo providencial mais geral? “O homem deve progredir, mas não pode fazer isso sozinho porque não dispõe de todas as faculdades; eis por que precisa se relacionar com outros homens. No isolamento, se embrutece e se enfraquece.” 4
  • 5. NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL Homem nenhum possui faculdades completas. Mediante a união social é que elas umas às outras se completam, para lhe assegurarem o bem-estar e o progresso. Por isso é que, precisando uns dos outros, os homens foram feitos para viver em sociedade e não isolados. 5
  • 6. MAS PORQUE É TÃO DIFÍCIL ENTÃO? 6
  • 7. “O homem solitário (…) é alguém que se receia encontrar, que evita descobrir-se, conhecer- se, assim ocultando a sua identidade na aparência de infeliz, de incompreendido e abandonado.” (o Homem Integral - Joanna de Ângelis) A SOLIDÃO 7
  • 8. Acaso andarão dois juntos se não estiverem de acordo?” Amós 3:3 8
  • 9. “O homem solidário jamais se encontra solitário” 9
  • 10. Pois onde dois ou três estão reunidos em meu nome, aí estou no meio deles. Mateus 18:20 10
  • 11. PERDOAI ESE, Cap X, Itens 3 e 4 Dubai, 14 de Outubro, 2018 Para que Deus vos Perdoe 11
  • 13. Conversa entre Jesus, Pedro e Felipe … 13
  • 14. - Acaso poderemos colher uvas nos espinheiros? De modo algum me empenharia em Nazaré numa contradita estéril aos meus opositores. Contudo, procurei ensinar que a melhor réplica é sempre a do nosso próprio trabalho, do esforço útil que nos seja possível(…) 14
  • 16. - Mestre (…) a verdade é que a maioria de quantos compareceram às rogações de Nazaré falava mal de vós! - Mas, não será vaidade exigirmos que toda gente tenha de nossa personalidade elevado conceito? (…)Agradar a todos é marchar pelo caminho largo (…). Servir a Deus é tarefa que deve estar acima de tudo e, por vezes, nesse serviço divino, é natural que desagrademos aos mesquinhos interesses humanos. Filipe, sabes de algum emissário de Deus que fosse bem apreciado no seu tempo? Todos os portadores da verdade do céu são incompreendidos de seus contemporâneos. Portanto, é indispensável consideremos que o conceito justo é respeitável, mas, antes dele, necessitamos obter a aprovação legítima da consciência, dentro de nossa lealdade para com Deus. JESUS 16
  • 17. - (…) nos acontecimentos mais fortes da vida, não deveremos, então, utilizar as palavras enérgicas e justas? - Em toda circunstância, convém naturalmente que se diga o necessário, porém, é também imprescindível que não se perca tempo. 17
  • 18. - Senhor, (…) alguns dos companheiros se revelaram insuportáveis nessa viagem a Nazaré: uns me acusaram de brigão e desordeiro; outros, de mau entendedor de vossos ensinamentos. Se os próprios irmãos da comunidade apresentam essas falhas, como há de ser o futuro do Evangelho? - Estas são perguntas que cada discípulo deve fazer a si mesmo. Mas, com respeito à comunidade, Filipe, (…) já edificaste o reino de Deus no íntimo do teu espírito. 18
  • 19. - Mas, para perdoar não deveremos aguardar que o inimigo se arrependa? E que fazer, na hipótese de o malfeitor assumir a atitude dos lobos sob a pele da ovelha? 19
  • 20. - Pedro, o perdão não exclui a necessidade da vigilância, como o amor não prescinde da verdade. A paz é um patrimônio que cada coração está obrigado a defender, para bem trabalhar no serviço divino que lhe foi confiado. Se o nosso irmão se arrepende e procura o nosso auxílio fraterno, amparemo-lo com as energias que possamos despender; mas, em nenhuma circunstância cogites de saber se o teu irmão está arrependido. Esquece o male trabalha pelo bem. Quando ensinei que cada homem deve conciliar-se depressa com o adversário, busquei salientar que ninguém pode ir a Deus com um sentimento de odiosidade no coração. Não poderemos saber se o nosso adversário está disposto à conciliação; todavia, podemos garantir que nada se fará sem a nossa boa-vontade o pleno esquecimento dos males recebidos. Se o irmão infeliz se arrepender, estejamos sempre dispostos a ampará-lo e, a todo momento, precisamos e devemos olvidar o mal. 20
  • 21. - Pedro, o perdão não exclui a necessidade da vigilância, como o amor não prescinde da verdade. A paz é um patrimônio que cada coração está obrigado a defender, para bem trabalhar no serviço divino que lhe foi confiado. Se o nosso irmão se arrepende e procura o nosso auxílio fraterno, amparemo-lo com as energias que possamos despender; mas, em nenhuma circunstância cogites de saber se o teu irmão está arrependido. Esquece o mal e trabalha pelo bem. Quando ensinei que cada homem deve conciliar-se depressa com o adversário, busquei salientar que ninguém pode ir a Deus com um sentimento de odiosidade no coração. Não poderemos saber se o nosso adversário está disposto à conciliação; todavia, podemos garantir que nada se fará sem a nossa boa-vontade e o pleno esquecimento dos males recebidos. Se o irmão infeliz se arrepender, estejamos sempre dispostos a ampará-lo e, a todo momento, precisamos e devemos olvidar o mal. 21
  • 22. - Senhor, quantas vezes pecará meu irmão contra mim, que lhe hei de perdoar? Será até sete vezes? - Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 22
  • 23. 4. A misericórdia é o complemento da brandura, porque aquele que não for misericordioso não poderá ser brando, nem pacífico. Ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o rancor denotam alma sem elevação e sem grandeza. O esquecimento das ofensas é próprio da alma elevada, que paira acima dos golpes que lhe possam desferir. Uma é sempre ansiosa, de sombria suscetibilidade e cheia de fel; a outra é calma, plena de mansidão e caridade. Ai daquele que diz: nunca perdoarei. Esse, se não for condenado pelos homens, certamente o será por Deus. Com que direito reclamaria o perdão de suas próprias faltas, se ele mesmo não perdoa as dos outros? Jesus nos ensina que a misericórdia não deve ter limites, quando diz que cada um perdoe ao seu irmão, não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes.23
  • 24. 4. A misericórdia é o complemento da brandura, porque aquele que não for misericordioso não poderá ser brando, nem pacífico. Ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o rancor denotam alma sem elevação e sem grandeza. O esquecimento das ofensas é próprio da alma elevada, que paira acima dos golpes que lhe possam desferir. Uma é sempre ansiosa, de sombria suscetibilidade e cheia de fel; a outra é calma, plena de mansidão e caridade. Ai daquele que diz: nunca perdoarei. Esse, se não for condenado pelos homens, certamente o será por Deus. Com que direito reclamaria o perdão de suas próprias faltas, se ele mesmo não perdoa as dos outros? Jesus nos ensina que a misericórdia não deve ter limites, quando diz que cada um perdoe ao seu irmão, não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes.24
  • 25. 4. A misericórdia é o complemento da brandura, porque aquele que não for misericordioso não poderá ser brando, nem pacífico. Ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o rancor denotam alma sem elevação e sem grandeza. O esquecimento das ofensas é próprio da alma elevada, que paira acima dos golpes que lhe possam desferir. Uma é sempre ansiosa, de sombria suscetibilidade e cheia de fel; a outra é calma, plena de mansidão e caridade. Ai daquele que diz: nunca perdoarei. Esse, se não for condenado pelos homens, certamente o será por Deus. Com que direito reclamaria o perdão de suas próprias faltas, se ele mesmo não perdoa as dos outros? Jesus nos ensina que a misericórdia não deve ter limites, quando diz que cada um perdoe ao seu irmão, não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes.25
  • 26. 4. A misericórdia é o complemento da brandura, porque aquele que não for misericordioso não poderá ser brando, nem pacífico. Ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas. O ódio e o rancor denotam alma sem elevação e sem grandeza. O esquecimento das ofensas é próprio da alma elevada, que paira acima dos golpes que lhe possam desferir. Uma é sempre ansiosa, de sombria suscetibilidade e cheia de fel; a outra é calma, plena de mansidão e caridade. Ai daquele que diz: nunca perdoarei. Esse, se não for condenado pelos homens, certamente o será por Deus. Com que direito reclamaria o perdão de suas próprias faltas, se ele mesmo não perdoa as dos outros? Jesus nos ensina que a misericórdia não deve ter limites, quando diz que cada um perdoe ao seu irmão, não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes. 26
  • 27. Há, porém, duas maneiras bem diferentes de perdoar: uma é grande, nobre, verdadeiramente generosa, sem segunda intenção, que evita, com delicadeza, ferir o amor-próprio do adversário, ainda que a este caiba inteiramente a culpa; a segunda é quando o ofendido, ou aquele que assim se julga, impõe ao outro condições humilhantes e lhe faz sentir o peso de um perdão que irrita, em vez de acalmar; se estende a mão ao ofensor, não o faz com benevolência, mas com ostentação, a fim de poder dizer a todo mundo: vede como sou generoso! Em tais circunstâncias, é impossível uma reconciliação sincera de parte a parte. Não, não há aí generosidade, mas apenas uma forma de satisfazer ao orgulho. Em toda contenda, aquele que se mostra mais conciliador, que prova mais desinteresse, caridade e verdadeira grandeza de alma conquistará sempre a simpatia das pessoas imparciais. 27
  • 28. Há, porém, duas maneiras bem diferentes de perdoar: uma é grande, nobre, verdadeiramente generosa, sem segunda intenção, que evita, com delicadeza, ferir o amor-próprio do adversário, ainda que a este caiba inteiramente a culpa; a segunda é quando o ofendido, ou aquele que assim se julga, impõe ao outro condições humilhantes e lhe faz sentir o peso de um perdão que irrita, em vez de acalmar; se estende a mão ao ofensor, não o faz com benevolência, mas com ostentação, a fim de poder dizer a todo mundo: vede como sou generoso! Em tais circunstâncias, é impossível uma reconciliação sincera de parte a parte. Não, não há aí generosidade, mas apenas uma forma de satisfazer ao orgulho. Em toda contenda, aquele que se mostra mais conciliador, que prova mais desinteresse, caridade e verdadeira grandeza de alma conquistará sempre a simpatia das pessoas imparciais. 28
  • 29. Há, porém, duas maneiras bem diferentes de perdoar: uma é grande, nobre, verdadeiramente generosa, sem segunda intenção, que evita, com delicadeza, ferir o amor-próprio do adversário, ainda que a este caiba inteiramente a culpa; a segunda é quando o ofendido, ou aquele que assim se julga, impõe ao outro condições humilhantes e lhe faz sentir o peso de um perdão que irrita, em vez de acalmar; se estende a mão ao ofensor, não o faz com benevolência, mas com ostentação, a fim de poder dizer a todo mundo: vede como sou generoso! Em tais circunstâncias, é impossível uma reconciliação sincera de parte a parte. Não, não há aí generosidade, mas apenas uma forma de satisfazer ao orgulho. Em toda contenda, aquele que se mostra mais conciliador, que prova mais desinteresse, caridade e verdadeira grandeza de alma conquistará sempre a simpatia das pessoas imparciais. 29
  • 30. Há, porém, duas maneiras bem diferentes de perdoar: uma é grande, nobre, verdadeiramente generosa, sem segunda intenção, que evita, com delicadeza, ferir o amor-próprio do adversário, ainda que a este caiba inteiramente a culpa; a segunda é quando o ofendido, ou aquele que assim se julga, impõe ao outro condições humilhantes e lhe faz sentir o peso de um perdão que irrita, em vez de acalmar; se estende a mão ao ofensor, não o faz com benevolência, mas com ostentação, a fim de poder dizer a todo mundo: vede como sou generoso! Em tais circunstâncias, é impossível uma reconciliação sincera de parte a parte. Não, não há aí generosidade, mas apenas uma forma de satisfazer ao orgulho. Em toda contenda, aquele que se mostra mais conciliador, que prova mais desinteresse, caridade e verdadeira grandeza de alma conquistará sempre a simpatia das pessoas imparciais. 30
  • 31. Não sete vezes, mas até setenta vezes sete… 31
  • 32. Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Lucas 23:34 ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS 32
  • 33. (…) Quem poderá, com os olhos do corpo físico, medir a extensão da treva sobre as mãos que se envolvem no espinheiral do crime? Quem, na sombra terrestre, distinguirá toda a percentagem de dor e necessidade que produz o desespero e a revolta? Dispõe-te a desculpar hoje, infinitamente, para que amanhã sejas também desculpado. (…) Tudo na vida roga entendimento e caridade para que a caridade e o entendimento nos orientem as horas. Não olvides que a própria noite na Terra é uma pausa de esquecimento para que aprendamos a ciência do recomeço, em cada alvorada nova. “Faze a outrem aquilo que desejas te seja feito” 33
  • 34. 34
  • 35. Dubai, 14 de Outubro, 2018 35