SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
LEIS DE OHM
Resistor e resistência
O resistor é um dispositivo cujas principais funções
são: dificultar a passagem da corrente elétrica e
transformar energia elétrica em energia térmica
por efeito Joule.
Resistor e resistência
A resistência é a dificuldade que o resistor
apresenta à passagem da corrente elétrica.
Unidade de resistência elétrica é chamada ohm eUnidade de resistência elétrica é chamada ohm e
é abreviado pela letra grega ômega .
A resistência de 1,0 é equivalente a 1,0 V/A.
Resistor e resistência
O valor da resistência de um dado resistor é escrito
no seu exterior ou é feito por um código de cores:
as duas primeiras cores representam
os dois primeiros dígitos no valor daos dois primeiros dígitos no valor da
resistência.
a terceira cor representa a potência
de 10 que o valor deve ser
multiplicado.
e a quarta cor é a tolerância no erro
de fabricação.
COR NÚMERO MULTIPLICADOR TOLERÂNCIA (%)
Preto 0 1
Marrom 1 101
Vermelho 2 102
Laranja 3 103
Amarelo 4 104
Verde 5 105
Azul 6 106
Violeta 7 107
Cinza 8 108
Branco 0 109
Ouro 10-1 5
Prata 10-2 10
Sem cor 20
Resistor e resistência
Por exemplo, um resistor cujas quatro cores
são vermelho, verde, laranja e ouro.
2
Têm uma resistência de 25000
ou 25 k , com uma tolerância de
5%.
2
5
103
5%
Leis de Ohm
Físico e matemático alemão
que viveu entre os anos de
1789 e 1854 e realizou
experiências com fios
condutores de diferentescondutores de diferentes
espessuras e comprimentos.
Leis de Ohm
Verificou com as experiências
que:
a resistência elétrica do
condutor era proporcional à
área da secção transversal doárea da secção transversal do
fio e inversamente
proporcional ao seu
comprimento.
existem resistores nos quais a
variação da corrente elétrica é
proporcional à variação da
diferença de potencial (ddp).
Leis de Ohm
A partir de suas observações,
definiu o conceito de
resistência elétrica.
Em 1827, publicou o resultadoEm 1827, publicou o resultado
daquele que se tornou o seu
mais importante trabalho - O
circuito galvânico examinado
matematicamente.
Para aprofundar acesse:
http://www.seara.ufc.br/folclo
re/folclore255.htm
1° Lei de Ohm
Esse trabalho definiu o que conhecemos hoje como
a Lei de Ohm:
“A intensidade da corrente elétrica que percorre um
condutor é diretamente proporcional à diferençacondutor é diretamente proporcional à diferença
de potencial e inversamente proporcional à
resistência elétrica do circuito.”
1° Lei de Ohm
Resistor Ôhmico
São resistores que
obedecem a Lei de Ohm
Resistor não Ôhmico
São resistores que não
obedecem a Lei de Ohm
Exemplo 01
Um resistor ôhmico é percorrido por uma corrente
elétrica de intensidade 5,0 A, quando submetido a
uma d.d.p. de 100 V. Determine:
a) a resistência elétrica do resistor;a) a resistência elétrica do resistor;
b) a intensidade de corrente que percorre o resistor
quando submetido a uma d.d.p. de 150 V;
c) a d.d.p. a que deve ser submetido para que a
corrente que o percorre tenha intensidade 2,0 A.
Exemplo 01
a) Como se trata de um resistor ôhmico, podemos
calcular sua resistência elétrica aplicando a Lei de
Ohm:
U = R . i R = UU = R . i R = U
i
Sendo U = 100 V e i = 5 A, vem:
R = 100
5
R = 20 Ω
Exemplo 01
b) A resistência de um resistor ôhmico é uma
constante, admitindo desprezível a variação de
temperatura. Assim, a d.d.p. e a intensidade de
corrente são diretamente proporcionais (Lei de
Ohm):Ohm):
U = R . i i = U
R
Sendo U = 250 V e R = 20 Ω, vem:
i = 250
20
i = 12,5 A
Exemplo 01
c) Sendo i = 2 A e R = 20 Ω, a d.d.p. U será dada
por:
U = R . i U = 20 . 2 U = 40 V
Exemplo 02
O gráfico da figura mostra
como varia a d.d.p. U nos
terminais de um resistor
ôhmico em função daôhmico em função da
intensidade de corrente que o
atravessa. Determine:
a) a resistência elétrica do resistor;
b) a intensidade de corrente que atravessa o resistor
quando ele é submetido à d.d.p. 51 V.
Exemplo 02
a) No gráfico, a tangente do ângulo de inclinação
da reta θ fornece numericamente a resistência
elétrica do resistor. Assim:
tg θ = C.O tg θ = 9 .tg θ = C.O
C. A.
tg θ = 9 .
0,6
θ
C.O. = 9
C.A. = 0,6
Logo:
R = tg θ = 15 Ω
Exemplo 02
b) Sendo U = 51 V e R = 15 Ω, aplicando a Lei de
Ohm, obtemos a correspondente intensidade de
corrente:
U = R . i i = U
R
i = 51
15
i = 3,4 A
2° Lei de Ohm
A partir de suas experiências com fios condutores
de diferentes espessuras e comprimentos, Ohm
verificou que:
“A resistência elétrica do condutor era proporcional“A resistência elétrica do condutor era proporcional
à área da secção transversal do fio e
inversamente proporcional ao seu comprimento.”
2° Lei de Ohm
2° Lei de Ohm
A resistividade de um material depende da
temperatura, aumentando quando se aquece um
condutor, na maior parte dos casos.
2° Lei de Ohm
O aumento da resistividade e da resistência
elétrica dos metais com a temperatura deve-se
explica-se pelo aumento da agitação térmica dos
átomos que constituem o metal.
Veja algumas exceções:
Grafite onde o efeito é compensado e superado pelo
aumento da quantidade de elétrons livres.
Algumas ligas metálicas onde esses dois efeitos
praticamente se equilibram.
Material ρρρρ A 20°C (ΩΩΩΩ.mm2/m) αααα (°C-1 )
Prata 0,0159 0,0040
Cobre 0,0170 0,0040
Alumínio 0,0270 0,0036
Ferro 0,0970 0,0050
Platina 0,0980 0,0039
Chumbo 0,2100 0,0042Chumbo 0,2100 0,0042
Tungstênio 0,0550 0,0048
Mercúrio 0,9500 0,0009
Constantana 0,49 menor que 10-5
Manganina 0,48 menor que 10-5
Nicromo 1,12 0,00017
Grafite 0,4 a 0,7 -2 . 10-4 a -8 . 10-4
Reostato
O reostato é um dispositivo que apresenta
resistência variável.
Os reostatos podem ser usados para:
ajustar as características de geradores elétricos;
reduzir a intensidade de iluminação;
controlar a velocidade de motores elétricos.
Reostato
Tipos de reostato
Reostato de cursor
Reostato de pontos
Exemplo 03
Um fio metálico é feito de um material cuja
resistividade é 0,20 Ω.mm2/m e tem secção
transversal de área 0,10 mm2. Determine a
resistência desse fio por metro de comprimento.
São dados ρ = 0,20 Ωmm2/m, A = 0,1 mm2 e L =
1m
R = ρ L
A
R = 0,2 . 1
0,1
R = 2 Ω
Referências
Brasil escola. Disponível em:
http://www.brasilescola.com/fisica/georg-simon-
ohm.htm. Acessado em: 01/09/2013.
Efeito Joule. Disponível em:Efeito Joule. Disponível em:
http://www.efeitojoule.com/. Acessado em:
01/09/2013.
Seara da Ciência UFC. Disponível em:
http://www.seara.ufc.br/folclore/folclore255.htm.
Acessado em: 01/09/2013.
Referências
BioMania. Disponível em:
http://www.biomania.com.br/bio/conteudo.asp?co
d=2676. Acessado em: 01/09/2013.
CALÇADA, Caio Sérgio; SAMPAIO, José Luiz. FísicaCALÇADA, Caio Sérgio; SAMPAIO, José Luiz. Física
Clássica – Eletricidade. Ed. Atual. São Paulo, 1985.
Acesse o blog e divirta!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Geradores e receptores
Geradores e receptoresGeradores e receptores
Geradores e receptores
 
Trabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia SlideTrabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia Slide
 
Aula 11 associação de resistores
Aula 11   associação de resistoresAula 11   associação de resistores
Aula 11 associação de resistores
 
Slides eletrostatica
Slides eletrostaticaSlides eletrostatica
Slides eletrostatica
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Força magnética
Força magnéticaForça magnética
Força magnética
 
Cinemática introdução
Cinemática introduçãoCinemática introdução
Cinemática introdução
 
Magnetismo e eletromagnetismo
Magnetismo e eletromagnetismoMagnetismo e eletromagnetismo
Magnetismo e eletromagnetismo
 
Leis De Newton
Leis De NewtonLeis De Newton
Leis De Newton
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Geradores
GeradoresGeradores
Geradores
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
 
Eletrização
EletrizaçãoEletrização
Eletrização
 
Primeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmicaPrimeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmica
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 

Destaque (20)

Lei de ohm
Lei de ohm  Lei de ohm
Lei de ohm
 
Leis de ohm
Leis de ohmLeis de ohm
Leis de ohm
 
Primeira lei de ohm
Primeira lei de ohmPrimeira lei de ohm
Primeira lei de ohm
 
5) lei de ohm
5) lei de ohm5) lei de ohm
5) lei de ohm
 
Lei de Ohm
Lei de OhmLei de Ohm
Lei de Ohm
 
Aula02
Aula02Aula02
Aula02
 
Resistores - Leis de Ohm
Resistores - Leis de OhmResistores - Leis de Ohm
Resistores - Leis de Ohm
 
Lei de ohm
Lei de ohmLei de ohm
Lei de ohm
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
Optica geométrica (espelhos esféricos) sem ppt
Optica geométrica (espelhos esféricos) sem pptOptica geométrica (espelhos esféricos) sem ppt
Optica geométrica (espelhos esféricos) sem ppt
 
Espelhos esfericos
Espelhos esfericosEspelhos esfericos
Espelhos esfericos
 
Desenvolvimento Limpo: uma Nova Cooperação, Portugal-PALOP
Desenvolvimento Limpo: uma Nova Cooperação, Portugal-PALOPDesenvolvimento Limpo: uma Nova Cooperação, Portugal-PALOP
Desenvolvimento Limpo: uma Nova Cooperação, Portugal-PALOP
 
Aula03
Aula03Aula03
Aula03
 
Espelhos esfericos
Espelhos esfericosEspelhos esfericos
Espelhos esfericos
 
Física
FísicaFísica
Física
 
Tabela para conversão de múltiplos e submúltiplos
Tabela para conversão de múltiplos e submúltiplosTabela para conversão de múltiplos e submúltiplos
Tabela para conversão de múltiplos e submúltiplos
 
Lei de ohm
Lei de ohmLei de ohm
Lei de ohm
 
PRIMEIRA LEI DE OHM
PRIMEIRA LEI DE OHMPRIMEIRA LEI DE OHM
PRIMEIRA LEI DE OHM
 
Resistência elétrica
Resistência elétricaResistência elétrica
Resistência elétrica
 
Espelhos Esféricos
Espelhos EsféricosEspelhos Esféricos
Espelhos Esféricos
 

Semelhante a Leis de ohm

Equipamentos elétricos e telecomunicações 2 resistência elétrica
Equipamentos elétricos e telecomunicações   2 resistência elétricaEquipamentos elétricos e telecomunicações   2 resistência elétrica
Equipamentos elétricos e telecomunicações 2 resistência elétricaprofelder
 
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica Cris Santos Tutores
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica Videoaulas De Física Apoio
 
Aula 02 -_noções_de_eletrônica_-_resistores_e_capacitores
Aula 02 -_noções_de_eletrônica_-_resistores_e_capacitoresAula 02 -_noções_de_eletrônica_-_resistores_e_capacitores
Aula 02 -_noções_de_eletrônica_-_resistores_e_capacitoresviktorthedwarf
 
Aula 02 noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
Aula 02   noçoes de eletrônica - resistores e capacitoresAula 02   noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
Aula 02 noçoes de eletrônica - resistores e capacitoresviktordwarf
 
Aula 02 noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
Aula 02   noçoes de eletrônica - resistores e capacitoresAula 02   noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
Aula 02 noçoes de eletrônica - resistores e capacitoresviktordwarf
 
1293122060 aula02
1293122060 aula021293122060 aula02
1293122060 aula02Pelo Siro
 
aula instalações.pptx
aula instalações.pptxaula instalações.pptx
aula instalações.pptxdouglaslima
 
Circuitos lineares de corrente contínua.pptx
Circuitos lineares de corrente contínua.pptxCircuitos lineares de corrente contínua.pptx
Circuitos lineares de corrente contínua.pptxChadidoDiogo1
 
Apresentação - Eletricidade Básica Tensão - Corrente e Resistência.pdf
Apresentação - Eletricidade Básica  Tensão - Corrente e Resistência.pdfApresentação - Eletricidade Básica  Tensão - Corrente e Resistência.pdf
Apresentação - Eletricidade Básica Tensão - Corrente e Resistência.pdfGustavoSousa736241
 
Corrente aula2
Corrente aula2Corrente aula2
Corrente aula2ISJ
 
Corrente aula2
Corrente aula2Corrente aula2
Corrente aula2ISJ
 
34-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét1.pptx
34-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét1.pptx34-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét1.pptx
34-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét1.pptxFranciscoFlorencio6
 

Semelhante a Leis de ohm (20)

Leis de Ohm
Leis de OhmLeis de Ohm
Leis de Ohm
 
Equipamentos elétricos e telecomunicações 2 resistência elétrica
Equipamentos elétricos e telecomunicações   2 resistência elétricaEquipamentos elétricos e telecomunicações   2 resistência elétrica
Equipamentos elétricos e telecomunicações 2 resistência elétrica
 
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica
 
Aula 02 -_noções_de_eletrônica_-_resistores_e_capacitores
Aula 02 -_noções_de_eletrônica_-_resistores_e_capacitoresAula 02 -_noções_de_eletrônica_-_resistores_e_capacitores
Aula 02 -_noções_de_eletrônica_-_resistores_e_capacitores
 
Estudo dos resistores
Estudo dos resistoresEstudo dos resistores
Estudo dos resistores
 
Aula 02 noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
Aula 02   noçoes de eletrônica - resistores e capacitoresAula 02   noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
Aula 02 noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
 
Aula 02 noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
Aula 02   noçoes de eletrônica - resistores e capacitoresAula 02   noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
Aula 02 noçoes de eletrônica - resistores e capacitores
 
1293122060 aula02
1293122060 aula021293122060 aula02
1293122060 aula02
 
1278
12781278
1278
 
Lei(3)
Lei(3)Lei(3)
Lei(3)
 
aula instalações.pptx
aula instalações.pptxaula instalações.pptx
aula instalações.pptx
 
Aula03
Aula03Aula03
Aula03
 
Lei de Ohm
	 Lei de Ohm	 Lei de Ohm
Lei de Ohm
 
Circuitos lineares de corrente contínua.pptx
Circuitos lineares de corrente contínua.pptxCircuitos lineares de corrente contínua.pptx
Circuitos lineares de corrente contínua.pptx
 
Apresentação - Eletricidade Básica Tensão - Corrente e Resistência.pdf
Apresentação - Eletricidade Básica  Tensão - Corrente e Resistência.pdfApresentação - Eletricidade Básica  Tensão - Corrente e Resistência.pdf
Apresentação - Eletricidade Básica Tensão - Corrente e Resistência.pdf
 
Corrente aula2
Corrente aula2Corrente aula2
Corrente aula2
 
Corrente aula2
Corrente aula2Corrente aula2
Corrente aula2
 
34-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét1.pptx
34-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét1.pptx34-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét1.pptx
34-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét1.pptx
 
Relatório de física 3 lei de ohm
Relatório de física 3  lei de ohmRelatório de física 3  lei de ohm
Relatório de física 3 lei de ohm
 

Mais de O mundo da FÍSICA

3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° anoO mundo da FÍSICA
 
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° anoO mundo da FÍSICA
 
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° anoO mundo da FÍSICA
 
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° anoO mundo da FÍSICA
 
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° AnoO mundo da FÍSICA
 
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° AnoO mundo da FÍSICA
 
Exercícios extras_calorimetria
Exercícios extras_calorimetriaExercícios extras_calorimetria
Exercícios extras_calorimetriaO mundo da FÍSICA
 
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_CO mundo da FÍSICA
 
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AMO mundo da FÍSICA
 
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_BO mundo da FÍSICA
 
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BMO mundo da FÍSICA
 
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° AnoO mundo da FÍSICA
 
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° AnoO mundo da FÍSICA
 
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° AnoO mundo da FÍSICA
 

Mais de O mundo da FÍSICA (20)

3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo II_3° ano
 
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_3° ano
 
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
3° etapa_3° avaliaçã_Tipo II_2° ano
 
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
3° etapa_3° avaliação_Tipo I_2° ano
 
Potência e energia
Potência e energiaPotência e energia
Potência e energia
 
Espelho planos
Espelho planosEspelho planos
Espelho planos
 
Reflexão da luz
Reflexão da luzReflexão da luz
Reflexão da luz
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
3° Etapa_2° Avaliação Simulado_3° Ano
 
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
3° Etapa_2° Avaliação_Simulado_2° Ano
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Exercícios extras_calorimetria
Exercícios extras_calorimetriaExercícios extras_calorimetria
Exercícios extras_calorimetria
 
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
3° Bimestre_2° Avaliação_1° ano_A_B_C
 
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
3° Bimestre_2° Avaliação_2° ano EJA_AM
 
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
3° Bimestre_2° Avaliação_3° ano_A_B
 
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
3° Bimestre_2° Avaliação_3° Ano EJA_AM_BM
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo II_3° Ano
 
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
3° Eetapa_1° Avaliação_Tipo I_3° Ano
 
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
3° Etapa_1° Avaliação_Tipo II_2° Ano
 

Último

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

Leis de ohm

  • 2. Resistor e resistência O resistor é um dispositivo cujas principais funções são: dificultar a passagem da corrente elétrica e transformar energia elétrica em energia térmica por efeito Joule.
  • 3. Resistor e resistência A resistência é a dificuldade que o resistor apresenta à passagem da corrente elétrica. Unidade de resistência elétrica é chamada ohm eUnidade de resistência elétrica é chamada ohm e é abreviado pela letra grega ômega . A resistência de 1,0 é equivalente a 1,0 V/A.
  • 4. Resistor e resistência O valor da resistência de um dado resistor é escrito no seu exterior ou é feito por um código de cores: as duas primeiras cores representam os dois primeiros dígitos no valor daos dois primeiros dígitos no valor da resistência. a terceira cor representa a potência de 10 que o valor deve ser multiplicado. e a quarta cor é a tolerância no erro de fabricação.
  • 5. COR NÚMERO MULTIPLICADOR TOLERÂNCIA (%) Preto 0 1 Marrom 1 101 Vermelho 2 102 Laranja 3 103 Amarelo 4 104 Verde 5 105 Azul 6 106 Violeta 7 107 Cinza 8 108 Branco 0 109 Ouro 10-1 5 Prata 10-2 10 Sem cor 20
  • 6. Resistor e resistência Por exemplo, um resistor cujas quatro cores são vermelho, verde, laranja e ouro. 2 Têm uma resistência de 25000 ou 25 k , com uma tolerância de 5%. 2 5 103 5%
  • 7. Leis de Ohm Físico e matemático alemão que viveu entre os anos de 1789 e 1854 e realizou experiências com fios condutores de diferentescondutores de diferentes espessuras e comprimentos.
  • 8. Leis de Ohm Verificou com as experiências que: a resistência elétrica do condutor era proporcional à área da secção transversal doárea da secção transversal do fio e inversamente proporcional ao seu comprimento. existem resistores nos quais a variação da corrente elétrica é proporcional à variação da diferença de potencial (ddp).
  • 9. Leis de Ohm A partir de suas observações, definiu o conceito de resistência elétrica. Em 1827, publicou o resultadoEm 1827, publicou o resultado daquele que se tornou o seu mais importante trabalho - O circuito galvânico examinado matematicamente. Para aprofundar acesse: http://www.seara.ufc.br/folclo re/folclore255.htm
  • 10. 1° Lei de Ohm Esse trabalho definiu o que conhecemos hoje como a Lei de Ohm: “A intensidade da corrente elétrica que percorre um condutor é diretamente proporcional à diferençacondutor é diretamente proporcional à diferença de potencial e inversamente proporcional à resistência elétrica do circuito.”
  • 11. 1° Lei de Ohm Resistor Ôhmico São resistores que obedecem a Lei de Ohm Resistor não Ôhmico São resistores que não obedecem a Lei de Ohm
  • 12. Exemplo 01 Um resistor ôhmico é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade 5,0 A, quando submetido a uma d.d.p. de 100 V. Determine: a) a resistência elétrica do resistor;a) a resistência elétrica do resistor; b) a intensidade de corrente que percorre o resistor quando submetido a uma d.d.p. de 150 V; c) a d.d.p. a que deve ser submetido para que a corrente que o percorre tenha intensidade 2,0 A.
  • 13. Exemplo 01 a) Como se trata de um resistor ôhmico, podemos calcular sua resistência elétrica aplicando a Lei de Ohm: U = R . i R = UU = R . i R = U i Sendo U = 100 V e i = 5 A, vem: R = 100 5 R = 20 Ω
  • 14. Exemplo 01 b) A resistência de um resistor ôhmico é uma constante, admitindo desprezível a variação de temperatura. Assim, a d.d.p. e a intensidade de corrente são diretamente proporcionais (Lei de Ohm):Ohm): U = R . i i = U R Sendo U = 250 V e R = 20 Ω, vem: i = 250 20 i = 12,5 A
  • 15. Exemplo 01 c) Sendo i = 2 A e R = 20 Ω, a d.d.p. U será dada por: U = R . i U = 20 . 2 U = 40 V
  • 16. Exemplo 02 O gráfico da figura mostra como varia a d.d.p. U nos terminais de um resistor ôhmico em função daôhmico em função da intensidade de corrente que o atravessa. Determine: a) a resistência elétrica do resistor; b) a intensidade de corrente que atravessa o resistor quando ele é submetido à d.d.p. 51 V.
  • 17. Exemplo 02 a) No gráfico, a tangente do ângulo de inclinação da reta θ fornece numericamente a resistência elétrica do resistor. Assim: tg θ = C.O tg θ = 9 .tg θ = C.O C. A. tg θ = 9 . 0,6 θ C.O. = 9 C.A. = 0,6 Logo: R = tg θ = 15 Ω
  • 18. Exemplo 02 b) Sendo U = 51 V e R = 15 Ω, aplicando a Lei de Ohm, obtemos a correspondente intensidade de corrente: U = R . i i = U R i = 51 15 i = 3,4 A
  • 19. 2° Lei de Ohm A partir de suas experiências com fios condutores de diferentes espessuras e comprimentos, Ohm verificou que: “A resistência elétrica do condutor era proporcional“A resistência elétrica do condutor era proporcional à área da secção transversal do fio e inversamente proporcional ao seu comprimento.”
  • 20. 2° Lei de Ohm
  • 21. 2° Lei de Ohm A resistividade de um material depende da temperatura, aumentando quando se aquece um condutor, na maior parte dos casos.
  • 22. 2° Lei de Ohm O aumento da resistividade e da resistência elétrica dos metais com a temperatura deve-se explica-se pelo aumento da agitação térmica dos átomos que constituem o metal. Veja algumas exceções: Grafite onde o efeito é compensado e superado pelo aumento da quantidade de elétrons livres. Algumas ligas metálicas onde esses dois efeitos praticamente se equilibram.
  • 23. Material ρρρρ A 20°C (ΩΩΩΩ.mm2/m) αααα (°C-1 ) Prata 0,0159 0,0040 Cobre 0,0170 0,0040 Alumínio 0,0270 0,0036 Ferro 0,0970 0,0050 Platina 0,0980 0,0039 Chumbo 0,2100 0,0042Chumbo 0,2100 0,0042 Tungstênio 0,0550 0,0048 Mercúrio 0,9500 0,0009 Constantana 0,49 menor que 10-5 Manganina 0,48 menor que 10-5 Nicromo 1,12 0,00017 Grafite 0,4 a 0,7 -2 . 10-4 a -8 . 10-4
  • 24. Reostato O reostato é um dispositivo que apresenta resistência variável. Os reostatos podem ser usados para: ajustar as características de geradores elétricos; reduzir a intensidade de iluminação; controlar a velocidade de motores elétricos.
  • 25. Reostato Tipos de reostato Reostato de cursor Reostato de pontos
  • 26. Exemplo 03 Um fio metálico é feito de um material cuja resistividade é 0,20 Ω.mm2/m e tem secção transversal de área 0,10 mm2. Determine a resistência desse fio por metro de comprimento. São dados ρ = 0,20 Ωmm2/m, A = 0,1 mm2 e L = 1m R = ρ L A R = 0,2 . 1 0,1 R = 2 Ω
  • 27. Referências Brasil escola. Disponível em: http://www.brasilescola.com/fisica/georg-simon- ohm.htm. Acessado em: 01/09/2013. Efeito Joule. Disponível em:Efeito Joule. Disponível em: http://www.efeitojoule.com/. Acessado em: 01/09/2013. Seara da Ciência UFC. Disponível em: http://www.seara.ufc.br/folclore/folclore255.htm. Acessado em: 01/09/2013.
  • 28. Referências BioMania. Disponível em: http://www.biomania.com.br/bio/conteudo.asp?co d=2676. Acessado em: 01/09/2013. CALÇADA, Caio Sérgio; SAMPAIO, José Luiz. FísicaCALÇADA, Caio Sérgio; SAMPAIO, José Luiz. Física Clássica – Eletricidade. Ed. Atual. São Paulo, 1985.
  • 29. Acesse o blog e divirta!!!