SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Corrente Elétrica 1ª Lei de Ohm Resistência Tensão
Diferença de Potencial - Tensão: Maior  Potencial (mais positivo) Menor  Potencial (mais negativo) Numa pilha, a energia química é transformada em energia potencial elétrica ( E p ), que fica armazenada nas cargas elétricas nos pólos positivo e negativo da pilha.  Essa energia por unidade de carga recebe o nome de potencial elétrico  U , e é chamada de tensão, voltagem ou diferença de potencial (ddp). Exemplo : Se uma pilha possui uma tensão (ou voltagem ou diferença de potencial) de 1,5 V, qual é a energia que é transferida para 1 C de cargas para levá-las do pólo negativo para o pólo positivo da pilha? U     Potencial elétrico.  Unidade    volt (V) Símbolo de fonte de tensão: + -
Corrente Elétrica: Uma corrente elétrica é formada quando cargas elétricas se põe em movimento ordenado, produzindo um fluxo resultante de cargas através de uma área. - - - - - - - - - - - - A - - - - - - - - - - - A - - - Fluxo resultante de cargas através da área A é zero. Fluxo resultante de cargas através da área A é diferente de zero. Há uma corrente elétrica no condutor.
Num fio condutor as cargas em movimento são as cargas  Negativas, os elétrons.  Assim, os elétrons se movem no sentido oposto ao da corrente  i . Se uma quantidade de carga   q   atravessa uma área  A  num intervalo de tempo   t , então a corrente   i   que  atravessa essa área é definida como: Unidade de corrente elétrica:
Considere um condutor de área de seção reta  A  e comprimento  l .  Suponha que uma corrente  i  constante esteja passando por esse  condutor. A diferença de potencial (ddp) elétrico entre o lado  esquerdo e o lado direito desse condutor é dada por: R  é a  resistência  oferecida pelo condutor à passagem de corrente elétrica. U f  < U i Resistência Elétrica: i A l U U i U f Resistência Energia Calor (efeito Joule)
A unidade de resistência elétrica é o ohm (  ): O símbolo para a resistência elétrica é:  Exemplo : Uma bateria fornece uma diferença de potencial (ddp) de 9 V a um circuito que possui uma resistência de 18 k  . Qual é a corrente que passa nesse circuito.  +  i i i 9  V 18 k  Ao passar pelo resistor, o potencial elétrico varia de 9 V para 0 V. A ddp no resistor é 9  V . 9  V 0  V i  = 0,5 mA ou
A relação  U = R i  é sempre válida, pois ela é a definição de resistência. Quando a resistência  R  for constante para qualquer ddp  U  e corrente  i , dizemos que o resistor obedece a Lei de Ohm: com  R  = constante U 1ª Lei de Ohm: Lembrando que o aparelho que verifica a tensão no resistor é o Voltímetro .
A potência é a energia por unidade de tempo fornecida ou consumida por um  dispositivo. + - a b ? i i i i i i B No circuito abaixo temos uma bateria  B  conectada  a um dispositivo condutor não especificado. A bateria  mantém uma diferença de potencial  U  entre seus  terminais, sendo que o maior potencial está aplicado  sobre o terminal  a  do dispositivo e o menor sobre o  terminal  b . Uma corrente  i  circula no circuito. A potência elétrica fornecida pela bateria será: Se o dispositivo tiver uma resistência  R , a potência dissipada por essa resistência será. Potência: onde usamos  U ab  = R  i . onde usamos  i  =  U ab  /  R Potência Elétrica:
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],A potência é dada por: onde  P  = 60 W;  U  = 120 V; b) Qual é a resistência do filamento dessa lâmpada ? Sendo a tensão no filamento  U  = 120 V e a corrente  i  = 0,5 A, temos:
Segunda Lei de Ohm: Resistência Natureza do material     resistividade   [  .m] Dimensões do material comprimento  L [m] área da seção transversal S [m 2 ] Exemplo:  potenciômetro
Resistividade do material    depende da temperatura       coeficiente de temperatura em [ºC -1 ] em que:    = resistividade do material, em  [  .m], à temperatura T;  o  = resistividade do material, em [  .m], à uma temperatura de referência To;  T = T - To = variação da temperatura, em [ºC];    = coeficiente de temperatura do material, em [ºC -1 ]. Relação entre as resistências e resistividades envolvidas:  (fragmento da tabela da página 65) Resistência x Temperatura :
OBSERVEM OS DOIS CIRCUITOS
SE COLOCAR-MOS A MESMA RESISTÊNCIA NOS DOIS CIRCUITOS ... ? 50 V 100 V A V A V
VARIANDO A  TENSÃO  E MANTENDO A RESISTÊNCIA FIXA. A  CORRENTE   VARIA NA MESMA PROPORÇÃO 1 A 2 A A V A V 50 V 100 V
OBSERVEM OS DOIS CIRCUITOS NOVAMENTE
SE APLICAR-MOS A MESMA TENSÃO NOS DOIS CIRCUITOS E MUDARMOS A RESISTÊNCIA... ? 100 V 100 V A V A V
MANTENDO A  TENSÃO FIXA  E VARIANDO   A  RESISTÊNCIA A  CORRENTE  VARIA NO SENTIDO OPOSTO R = 50  R = 100   2 A 1 A A V A V 100 V 100 V
QUANTO  MAIOR A TENSÃO MAIOR A CORRENTE ELÉTRICA. QUANTO  MAIOR A RESISTÊNCIA MENOR A CORRENTE ELÉTRICA. CONCLUSÃO
V = I LEI DE OHM I I I V V V R
R = I I V LEI DE OHM
R = I I V LEI DE OHM
R = I V I LEI DE OHM
LEI DE OHM V R V V V I R R R I I I I I I I V = I R V = I R V = I R
PARA OBTER UM  VALOR, BASTA COBRÍ-LO. V = R I LEI DE OHM V I R R  V I R V I
RESISTÊNCIA DE UM CONDUTOR
FAZENDO UMA ANALOGIA COM A ÁGUA
OBSERVE  DOIS CANOS DE ÁGUA. EM QUAL DELES A ÁGUA PASSA COM MAIOR FACILIDADE ?
 
 
OBSERVE O BRILHO DA LÂMPADA DO CONDUTOR LONGO
QUANTO  MAIOR O COMPRIMENTO DO  CONDUTOR MENOR  A INTENSIDADE  DE CORRENTE ELÉTRICA  CIRCULANDO POR ELE.
VAMOS PEGAR MAIS DOIS CANOS DE ÁGUA . EM QUAL DOS DOIS CANOS A ÁGUA PASSA COM MAIOR FACILIDADE ?
OBSERVE O BRILHO DA LÂMPADA DO CONDUTOR FINO
QUANTO MAIOR A SEÇÃO DO CONDUTOR MAIOR A  INTENSIDADE DE CORRENTE ELÉTRICA CIRCULANDO POR ELE.
VAMOS PEGAR MAIS DOIS CANOS DE ÁGUA . EM UM DELES COLOCAREMOS ALGUNS OBJETOS
EM QUAL DELES ÁGUA PASSA COM MAIOR FACILIDADE ?
NIQUEL CROMO COBRE OBSERVE O BRILHO DAS DUAS LÂMPADAS
COBRE NIQUEL CROMO ALGUNS  MATERIAIS OFERECEM  MAIOR OU MENOR RESISTÊNCIA À PASSAGEM DA CORRENTE ELÉTRICA.
A ESTAS  RESISTÊNCIAS  DAMOS O NOME DE  Resistência Específica   OU   Resistividade  ,  REPRESENTADA PELA LETRA GREGA   .
CONCLUSÃO MAIOR O  COMPRIMENTO  DO CONDUTOR –  MAIOR A RESISTÊNCIA MAIOR A  SEÇÃO  DO CONDUTOR –  MENOR A RESISTÊNCIA A  RESISTÊNCIA  DEPENDE DO  MATERIAL
As observações realizadas permitem escrever a seguinte relação: R l s  = ONDE: R - Resistência elétrica do condutor (    );     - Resistividade do condutor (   .mm 2 /m );  l  - Comprimento do condutor ( m) e  s  - Seção do condutor (mm 2 ).  Tabela
Alumínio Bronze Carbono Chumbo Cobre Constantan Estanho Ferro Latão 0,0292 0,067 50,00 0,22 0,0162 0,000005 0,115 0,096 0,067 Manganina Mercúrio Níquel Ouro Prata Platina Tungstênio Zinco 0,48 0,96 0,087 0,024 0,0158 0,106 0,055 0,056 RESISTIVIDADE DOS MATERIAIS MATERIAL MATERIAL  
Resistência em Série: +  i i i U ab R 2 b a R 1 R 3 +  i R eq b a Quando se aplica uma diferença de potencial U ab  entre as extremidades  a  e  b  de um conjunto  de resistências ligadas em série, a corrente  i   que passa pelas resistências é a mesma para todas as resistências .  A soma das diferenças  de potencial entre as extremidades das  resistências é igual à diferença de potencial  aplicada  U ab . U ab
Resistência em Paralelo: i 2 R 2 a i 3 R 3 i 1 R 1  + U ab b i i 2 + i 3 i 2 + i 3 i R eq a  + b i i Quando uma diferença de potencial  U ab é aplicada entre as extremidades de resistências ligadas em paralelo, todas as resistências possuem a mesma diferença de potencial. U ab
Resistência em Paralelo – Casos Particulares: i 2 R 2 a i 1 R 1  + U ab b i i 2 i 1 R  + i i U ab i 1  +  i 2 No caso de dois resistores em paralelo, a  resistência equivalente é dada por: No caso de N resistores  iguais  em paralelo, a  resistência equivalente é dada por: i 2 R i 3 R onde N = 3 neste caso.
Exemplo : No circuito abaixo calcule a resistência equivalente, a corrente que passa em cada resistor e a corrente total fornecida pela bateria.  i 2 a i 3 i 1 40    + 12V b i 60   120   U ab  = 12 V,  R 1  = 40   ,  R 2  = 60   ,  R 3  = 120   .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Corrente Resistores
Corrente ResistoresCorrente Resistores
Corrente Resistores
bruninhablc
 
Capitulo 4 eletrodinamica
Capitulo 4 eletrodinamicaCapitulo 4 eletrodinamica
Capitulo 4 eletrodinamica
Betine Rost
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
fisicaatual
 
Introducao estudo eletrodinamica
Introducao estudo eletrodinamicaIntroducao estudo eletrodinamica
Introducao estudo eletrodinamica
profsinvaljr
 

Mais procurados (20)

Aula02
Aula02Aula02
Aula02
 
Corrente Resistores
Corrente ResistoresCorrente Resistores
Corrente Resistores
 
Corrente elétrica Fisica
Corrente elétrica FisicaCorrente elétrica Fisica
Corrente elétrica Fisica
 
Aula03
Aula03Aula03
Aula03
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Capitulo 4 eletrodinamica
Capitulo 4 eletrodinamicaCapitulo 4 eletrodinamica
Capitulo 4 eletrodinamica
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica
 
Introducao estudo eletrodinamica
Introducao estudo eletrodinamicaIntroducao estudo eletrodinamica
Introducao estudo eletrodinamica
 
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Corrente e resistores
Corrente e resistoresCorrente e resistores
Corrente e resistores
 
Leis de ohm
Leis de ohmLeis de ohm
Leis de ohm
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Lei de ohm
Lei de ohm  Lei de ohm
Lei de ohm
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
PRIMEIRA LEI DE OHM
PRIMEIRA LEI DE OHMPRIMEIRA LEI DE OHM
PRIMEIRA LEI DE OHM
 
Circuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continuaCircuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continua
 

Semelhante a Corrente aula2

Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
fisicaatual
 
1293122060 aula02
1293122060 aula021293122060 aula02
1293122060 aula02
Pelo Siro
 

Semelhante a Corrente aula2 (20)

Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaCircuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
 
Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1 Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1
 
Resistores elétricos.
Resistores elétricos.Resistores elétricos.
Resistores elétricos.
 
Eletricidadebasica senai
Eletricidadebasica senaiEletricidadebasica senai
Eletricidadebasica senai
 
Eletricidadebasica
EletricidadebasicaEletricidadebasica
Eletricidadebasica
 
Eletricidade básica
Eletricidade básicaEletricidade básica
Eletricidade básica
 
Física
FísicaFísica
Física
 
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente AlternadaEletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
 
Aula - Corrente e Resistência - Carlos Alexandre.pptx
Aula - Corrente e Resistência - Carlos Alexandre.pptxAula - Corrente e Resistência - Carlos Alexandre.pptx
Aula - Corrente e Resistência - Carlos Alexandre.pptx
 
Leis de Ohm
Leis de OhmLeis de Ohm
Leis de Ohm
 
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
 
Lei de Ohm
	 Lei de Ohm	 Lei de Ohm
Lei de Ohm
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
ELETRODINAMICA CORRENTE ELETRICAnovoooo.ppt
ELETRODINAMICA CORRENTE ELETRICAnovoooo.pptELETRODINAMICA CORRENTE ELETRICAnovoooo.ppt
ELETRODINAMICA CORRENTE ELETRICAnovoooo.ppt
 
Habilidade 05 06_enem_fisica_eletricidade
Habilidade 05 06_enem_fisica_eletricidadeHabilidade 05 06_enem_fisica_eletricidade
Habilidade 05 06_enem_fisica_eletricidade
 
1293122060 aula02
1293122060 aula021293122060 aula02
1293122060 aula02
 

Mais de ISJ

Jogos lavras
Jogos lavrasJogos lavras
Jogos lavras
ISJ
 
Convite
ConviteConvite
Convite
ISJ
 
Convite
ConviteConvite
Convite
ISJ
 
Convite
ConviteConvite
Convite
ISJ
 
7º ano cap 23 mamíferos
7º ano cap 23  mamíferos7º ano cap 23  mamíferos
7º ano cap 23 mamíferos
ISJ
 
7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves
ISJ
 
Will e going to 1º ano -4º bimestre
Will e going to   1º ano -4º bimestreWill e going to   1º ano -4º bimestre
Will e going to 1º ano -4º bimestre
ISJ
 
Relative pronouns 8ª série - 4º bimestre
Relative pronouns   8ª série - 4º bimestreRelative pronouns   8ª série - 4º bimestre
Relative pronouns 8ª série - 4º bimestre
ISJ
 
8ª série make -let - be allowed
8ª série   make -let - be allowed8ª série   make -let - be allowed
8ª série make -let - be allowed
ISJ
 
4º bimestre 3º ano had better
4º bimestre   3º ano had better4º bimestre   3º ano had better
4º bimestre 3º ano had better
ISJ
 
7º ano cap 17 artrópodes
7º ano cap 17  artrópodes7º ano cap 17  artrópodes
7º ano cap 17 artrópodes
ISJ
 
7º ano cap 16 moluscos
7º ano cap 16   moluscos7º ano cap 16   moluscos
7º ano cap 16 moluscos
ISJ
 
7º ano cap 16 anelideos
7º ano cap 16   anelideos7º ano cap 16   anelideos
7º ano cap 16 anelideos
ISJ
 
7º ano cap 18 equinodermos
7º ano  cap 18 equinodermos7º ano  cap 18 equinodermos
7º ano cap 18 equinodermos
ISJ
 
Relative pronouns 3º ano - 3º bimestre
Relative pronouns   3º ano - 3º bimestreRelative pronouns   3º ano - 3º bimestre
Relative pronouns 3º ano - 3º bimestre
ISJ
 
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
ISJ
 
7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados
ISJ
 
7º ano cap 14 cnidários 2012
7º ano  cap 14 cnidários 20127º ano  cap 14 cnidários 2012
7º ano cap 14 cnidários 2012
ISJ
 
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
ISJ
 
6º ano cap 14 a água uma subst especial
6º ano cap 14 a água uma subst especial6º ano cap 14 a água uma subst especial
6º ano cap 14 a água uma subst especial
ISJ
 

Mais de ISJ (20)

Jogos lavras
Jogos lavrasJogos lavras
Jogos lavras
 
Convite
ConviteConvite
Convite
 
Convite
ConviteConvite
Convite
 
Convite
ConviteConvite
Convite
 
7º ano cap 23 mamíferos
7º ano cap 23  mamíferos7º ano cap 23  mamíferos
7º ano cap 23 mamíferos
 
7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves
 
Will e going to 1º ano -4º bimestre
Will e going to   1º ano -4º bimestreWill e going to   1º ano -4º bimestre
Will e going to 1º ano -4º bimestre
 
Relative pronouns 8ª série - 4º bimestre
Relative pronouns   8ª série - 4º bimestreRelative pronouns   8ª série - 4º bimestre
Relative pronouns 8ª série - 4º bimestre
 
8ª série make -let - be allowed
8ª série   make -let - be allowed8ª série   make -let - be allowed
8ª série make -let - be allowed
 
4º bimestre 3º ano had better
4º bimestre   3º ano had better4º bimestre   3º ano had better
4º bimestre 3º ano had better
 
7º ano cap 17 artrópodes
7º ano cap 17  artrópodes7º ano cap 17  artrópodes
7º ano cap 17 artrópodes
 
7º ano cap 16 moluscos
7º ano cap 16   moluscos7º ano cap 16   moluscos
7º ano cap 16 moluscos
 
7º ano cap 16 anelideos
7º ano cap 16   anelideos7º ano cap 16   anelideos
7º ano cap 16 anelideos
 
7º ano cap 18 equinodermos
7º ano  cap 18 equinodermos7º ano  cap 18 equinodermos
7º ano cap 18 equinodermos
 
Relative pronouns 3º ano - 3º bimestre
Relative pronouns   3º ano - 3º bimestreRelative pronouns   3º ano - 3º bimestre
Relative pronouns 3º ano - 3º bimestre
 
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
 
7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados
 
7º ano cap 14 cnidários 2012
7º ano  cap 14 cnidários 20127º ano  cap 14 cnidários 2012
7º ano cap 14 cnidários 2012
 
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
 
6º ano cap 14 a água uma subst especial
6º ano cap 14 a água uma subst especial6º ano cap 14 a água uma subst especial
6º ano cap 14 a água uma subst especial
 

Último

APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
lbgsouza
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 

Corrente aula2

  • 1. Corrente Elétrica 1ª Lei de Ohm Resistência Tensão
  • 2. Diferença de Potencial - Tensão: Maior Potencial (mais positivo) Menor Potencial (mais negativo) Numa pilha, a energia química é transformada em energia potencial elétrica ( E p ), que fica armazenada nas cargas elétricas nos pólos positivo e negativo da pilha. Essa energia por unidade de carga recebe o nome de potencial elétrico U , e é chamada de tensão, voltagem ou diferença de potencial (ddp). Exemplo : Se uma pilha possui uma tensão (ou voltagem ou diferença de potencial) de 1,5 V, qual é a energia que é transferida para 1 C de cargas para levá-las do pólo negativo para o pólo positivo da pilha? U  Potencial elétrico. Unidade  volt (V) Símbolo de fonte de tensão: + -
  • 3. Corrente Elétrica: Uma corrente elétrica é formada quando cargas elétricas se põe em movimento ordenado, produzindo um fluxo resultante de cargas através de uma área. - - - - - - - - - - - - A - - - - - - - - - - - A - - - Fluxo resultante de cargas através da área A é zero. Fluxo resultante de cargas através da área A é diferente de zero. Há uma corrente elétrica no condutor.
  • 4. Num fio condutor as cargas em movimento são as cargas Negativas, os elétrons. Assim, os elétrons se movem no sentido oposto ao da corrente i . Se uma quantidade de carga  q atravessa uma área A num intervalo de tempo  t , então a corrente i que atravessa essa área é definida como: Unidade de corrente elétrica:
  • 5. Considere um condutor de área de seção reta A e comprimento l . Suponha que uma corrente i constante esteja passando por esse condutor. A diferença de potencial (ddp) elétrico entre o lado esquerdo e o lado direito desse condutor é dada por: R é a resistência oferecida pelo condutor à passagem de corrente elétrica. U f < U i Resistência Elétrica: i A l U U i U f Resistência Energia Calor (efeito Joule)
  • 6. A unidade de resistência elétrica é o ohm (  ): O símbolo para a resistência elétrica é: Exemplo : Uma bateria fornece uma diferença de potencial (ddp) de 9 V a um circuito que possui uma resistência de 18 k  . Qual é a corrente que passa nesse circuito. +  i i i 9 V 18 k  Ao passar pelo resistor, o potencial elétrico varia de 9 V para 0 V. A ddp no resistor é 9 V . 9 V 0 V i = 0,5 mA ou
  • 7. A relação U = R i é sempre válida, pois ela é a definição de resistência. Quando a resistência R for constante para qualquer ddp U e corrente i , dizemos que o resistor obedece a Lei de Ohm: com R = constante U 1ª Lei de Ohm: Lembrando que o aparelho que verifica a tensão no resistor é o Voltímetro .
  • 8. A potência é a energia por unidade de tempo fornecida ou consumida por um dispositivo. + - a b ? i i i i i i B No circuito abaixo temos uma bateria B conectada a um dispositivo condutor não especificado. A bateria mantém uma diferença de potencial U entre seus terminais, sendo que o maior potencial está aplicado sobre o terminal a do dispositivo e o menor sobre o terminal b . Uma corrente i circula no circuito. A potência elétrica fornecida pela bateria será: Se o dispositivo tiver uma resistência R , a potência dissipada por essa resistência será. Potência: onde usamos U ab = R i . onde usamos i = U ab / R Potência Elétrica:
  • 9.
  • 10. Segunda Lei de Ohm: Resistência Natureza do material  resistividade  [  .m] Dimensões do material comprimento L [m] área da seção transversal S [m 2 ] Exemplo: potenciômetro
  • 11. Resistividade do material  depende da temperatura   coeficiente de temperatura em [ºC -1 ] em que:  = resistividade do material, em [  .m], à temperatura T;  o = resistividade do material, em [  .m], à uma temperatura de referência To;  T = T - To = variação da temperatura, em [ºC];  = coeficiente de temperatura do material, em [ºC -1 ]. Relação entre as resistências e resistividades envolvidas: (fragmento da tabela da página 65) Resistência x Temperatura :
  • 12. OBSERVEM OS DOIS CIRCUITOS
  • 13. SE COLOCAR-MOS A MESMA RESISTÊNCIA NOS DOIS CIRCUITOS ... ? 50 V 100 V A V A V
  • 14. VARIANDO A TENSÃO E MANTENDO A RESISTÊNCIA FIXA. A CORRENTE VARIA NA MESMA PROPORÇÃO 1 A 2 A A V A V 50 V 100 V
  • 15. OBSERVEM OS DOIS CIRCUITOS NOVAMENTE
  • 16. SE APLICAR-MOS A MESMA TENSÃO NOS DOIS CIRCUITOS E MUDARMOS A RESISTÊNCIA... ? 100 V 100 V A V A V
  • 17. MANTENDO A TENSÃO FIXA E VARIANDO A RESISTÊNCIA A CORRENTE VARIA NO SENTIDO OPOSTO R = 50  R = 100  2 A 1 A A V A V 100 V 100 V
  • 18. QUANTO MAIOR A TENSÃO MAIOR A CORRENTE ELÉTRICA. QUANTO MAIOR A RESISTÊNCIA MENOR A CORRENTE ELÉTRICA. CONCLUSÃO
  • 19. V = I LEI DE OHM I I I V V V R
  • 20. R = I I V LEI DE OHM
  • 21. R = I I V LEI DE OHM
  • 22. R = I V I LEI DE OHM
  • 23. LEI DE OHM V R V V V I R R R I I I I I I I V = I R V = I R V = I R
  • 24. PARA OBTER UM VALOR, BASTA COBRÍ-LO. V = R I LEI DE OHM V I R R V I R V I
  • 25. RESISTÊNCIA DE UM CONDUTOR
  • 26. FAZENDO UMA ANALOGIA COM A ÁGUA
  • 27. OBSERVE DOIS CANOS DE ÁGUA. EM QUAL DELES A ÁGUA PASSA COM MAIOR FACILIDADE ?
  • 28.  
  • 29.  
  • 30. OBSERVE O BRILHO DA LÂMPADA DO CONDUTOR LONGO
  • 31. QUANTO MAIOR O COMPRIMENTO DO CONDUTOR MENOR A INTENSIDADE DE CORRENTE ELÉTRICA CIRCULANDO POR ELE.
  • 32. VAMOS PEGAR MAIS DOIS CANOS DE ÁGUA . EM QUAL DOS DOIS CANOS A ÁGUA PASSA COM MAIOR FACILIDADE ?
  • 33. OBSERVE O BRILHO DA LÂMPADA DO CONDUTOR FINO
  • 34. QUANTO MAIOR A SEÇÃO DO CONDUTOR MAIOR A INTENSIDADE DE CORRENTE ELÉTRICA CIRCULANDO POR ELE.
  • 35. VAMOS PEGAR MAIS DOIS CANOS DE ÁGUA . EM UM DELES COLOCAREMOS ALGUNS OBJETOS
  • 36. EM QUAL DELES ÁGUA PASSA COM MAIOR FACILIDADE ?
  • 37. NIQUEL CROMO COBRE OBSERVE O BRILHO DAS DUAS LÂMPADAS
  • 38. COBRE NIQUEL CROMO ALGUNS MATERIAIS OFERECEM MAIOR OU MENOR RESISTÊNCIA À PASSAGEM DA CORRENTE ELÉTRICA.
  • 39. A ESTAS RESISTÊNCIAS DAMOS O NOME DE Resistência Específica OU Resistividade , REPRESENTADA PELA LETRA GREGA  .
  • 40. CONCLUSÃO MAIOR O COMPRIMENTO DO CONDUTOR – MAIOR A RESISTÊNCIA MAIOR A SEÇÃO DO CONDUTOR – MENOR A RESISTÊNCIA A RESISTÊNCIA DEPENDE DO MATERIAL
  • 41. As observações realizadas permitem escrever a seguinte relação: R l s  = ONDE: R - Resistência elétrica do condutor (  );  - Resistividade do condutor (  .mm 2 /m ); l - Comprimento do condutor ( m) e s - Seção do condutor (mm 2 ). Tabela
  • 42. Alumínio Bronze Carbono Chumbo Cobre Constantan Estanho Ferro Latão 0,0292 0,067 50,00 0,22 0,0162 0,000005 0,115 0,096 0,067 Manganina Mercúrio Níquel Ouro Prata Platina Tungstênio Zinco 0,48 0,96 0,087 0,024 0,0158 0,106 0,055 0,056 RESISTIVIDADE DOS MATERIAIS MATERIAL MATERIAL  
  • 43. Resistência em Série: +  i i i U ab R 2 b a R 1 R 3 +  i R eq b a Quando se aplica uma diferença de potencial U ab entre as extremidades a e b de um conjunto de resistências ligadas em série, a corrente i que passa pelas resistências é a mesma para todas as resistências . A soma das diferenças de potencial entre as extremidades das resistências é igual à diferença de potencial aplicada U ab . U ab
  • 44. Resistência em Paralelo: i 2 R 2 a i 3 R 3 i 1 R 1  + U ab b i i 2 + i 3 i 2 + i 3 i R eq a  + b i i Quando uma diferença de potencial U ab é aplicada entre as extremidades de resistências ligadas em paralelo, todas as resistências possuem a mesma diferença de potencial. U ab
  • 45. Resistência em Paralelo – Casos Particulares: i 2 R 2 a i 1 R 1  + U ab b i i 2 i 1 R  + i i U ab i 1 + i 2 No caso de dois resistores em paralelo, a resistência equivalente é dada por: No caso de N resistores iguais em paralelo, a resistência equivalente é dada por: i 2 R i 3 R onde N = 3 neste caso.
  • 46. Exemplo : No circuito abaixo calcule a resistência equivalente, a corrente que passa em cada resistor e a corrente total fornecida pela bateria. i 2 a i 3 i 1 40   + 12V b i 60  120  U ab = 12 V, R 1 = 40  , R 2 = 60  , R 3 = 120  .