SlideShare uma empresa Scribd logo
A INDISCIPLINA E A ESCOLA ATUAL, JÚLIO GROPPA AQUINO: E-BOOK RESUMO E MAPAS MENTAIS 
Rosana Rogeri 
www.docenciainloco.com
ÍNDICE 
Sobre o texto …………………………………………………………………….………….3 
Introdução ……………………………………………………………………..…………… 6 
Mapa mental do texto ………………………………………………………………………9 
A primeira hipótese: o aluno “desrespeitador”………………………………………….10 
Mapa mental aluno desrespeitador ……………………………………………………..12 
A segunda hipótese: o aluno “sem limites” …………………………………………….13 
Mapa mental aluno “sem limites”………………………………………………………..15 
A terceira hipótese: o aluno “desinteressado”…………………………………………..16 
Mapa mental aluno desinteressado …………………………………….......................18 
Uma leitura pedagógica da indisciplina escolar e outros ……………………………..19 
Mapa mental uma leitura pedagógica …………………………..………………………21 
www.docenciainloco.com
SOBRE O TEXTO 
A indisciplina escolar caracteriza-se como um problema discutido em todos os âmbitos educacionais. O professor Julio Groppa Aquino, da faculdade de educação da USP têm vários livros sobre indisciplina publicados sobre o assunto, textos geralmente cobrados em concursos públicos. 
Uma forma interessante de se iniciar no entendimento do pensamento de determinado autor é ler/ver/ouvir entrevistas com ele. Encontrei duas entrevistas que podem nos dar uma pequena ideia do que é defendido por Aquino: uma do Zero Hora , e outra do blog de Rosely Sayão. Vale a pena conferir os comentários também. 
www.docenciainloco.com
Vou fazer aqui um resumo geral de um texto de Aquino de 1997. O Texto tem uma linguagem simples e vocês podem acessá-lo, caso prefiram pegá-lo à unha. Este resumo tem os mapas mentais elaborados a partir da leitura, acredito que é uma forma muito interessante de estudar. 
O texto refere-se à uma versão ampliada do roteiro da vídeo/palestra "A indisciplina e a escola atual" de 1997 na FDE/SP da qual o professor fez parte. 
É uma explanação geral sobre indisciplina, Aquino defende que a indisciplina e o baixo aproveitamento escolar são impasses para a escola no Brasil. Faz uma descrição detalhada do aluno problema e divide esse conceito em três: aluno "desrespeitador", aluno "sem limites" e aluno "desinteressado". 
www.docenciainloco.com
Em cada uma dessas denominações, o autor procura desconstruir as explicações mais comuns nos meios educacionais para a indisciplina, tais como "a estruturação escolar do passado, problemas psicológicos e sociais, a permissividade da família, o desinteresse pela escola, o apelo de outros meios de comunicação etc." 
Após essa desconstrução, em que usa argumentos muito contundentes, Aquino promove uma leitura pedagógica da indisciplina, propõe algumas premissas pedagógicas fundamentais e as cinco regras éticas do trabalho docente. 
www.docenciainloco.com
INTRODUÇÃO 
Na introdução do texto, Aquino propõe uma reflexão sobre a crise da educação. Defendendo que todos sabemos da sua presença, pois observa-se um mal estar geral em relação à educação, mas não sabemos a sua extensão nem a sua razão, pelo menos não a fundo. O indícios dessa crise podem ser analisados pelo fato de que os alunos não cumprem sua escolaridade obrigatória, a maioria das pessoas tem história de inadequação ou insucesso na escola e o fato de os índices brasileiros de evasão e repetência serem semelhantes aos da Nigéria ou Sudão. 
www.docenciainloco.com
Com o que foi exposto acima, verificamos o fracasso escolar (alunos não terminam a escola) e o fracasso dos incluídos (alunos com história de insucesso). O Brasil, em relação à economia, pode ser comparado a países da Europa ou Ásia, enquanto em relação à educação a países da África. Isso gera um mal estar geral e a uma falta aguda de credibilidade no professor enquanto profissional. O autor defende também que sem escola não há cidadania sustentável e o cidadão não tem acesso aos direitos constituídos, além do fato de que o mundo será implacável contra os sem escolaridade. Ao descrever o aluno problema, Aquino diz que esse aluno padece de distúrbios pedagógicos, cognitivos ou comportamentais. Esses problemas geram obstáculos à ação docente: a indisciplina e o baixo rendimento. Segundo o autor, existe uma contradição quando se defende que o sucesso escolar seja fruto da ação docente e o fracasso escolar seja produto de outras instâncias. 
www.docenciainloco.com
Ou tudo, tanto fracasso quanto sucesso, é fruto da ação docente, ou tudo fruto de outras instâncias, o que torna inviável até mesmo o conceito de escola. Na entrevista do Zero hora o autor diz: "Todos dizem que educar virou uma missão impossível. Então, fecha a bodega." Dessa forma, temos um problema ético: seria o mesmo que dizer que o problema da medicina são as novas doenças. 
O aluno problema deveria se configurar como uma oportunidade de crescimento profissional, pois é nas grandes adversidades que todo profissional desenvolve melhor suas habilidades. Precisamos rever nossos conceitos, procurando alternativas e não justificativas para a indisciplina escolar. 
www.docenciainloco.com
www.docenciainloco.com
A PRIMEIRA HIPÓTESE EXPLICATIVA: O ALUNO “DESRESPEITADOR” 
A primeira hipótese a ser desconstruída por Aquino é a do aluno desrespeitador, caracterizada pela crença em que o aluno de antigamente era mais respeitador, a escola tinha mais qualidade e que a escola atual é muito permissiva. 
Para o autor, nossa memória nos prega pessas e ficamos presos a um saudosismo exacerbado, que não condiz com a realidade dos fatos. Não podemos deixar de lado o contexto político de ditadura da escola antes e que ela não tinha essa excelência toda apregoada. 
Antes dos anos 70 a escola era militarizada com: filas, pátio, uniformes, relação de medo, ela era tanto hierarquizada quando hierarquizante (qualquer semelhança com a escola atual não é mera coincidência – comentário meu). Era excludente, elitista, a maioria militar ou religiosa, muito poucas eram leigas. Os anos de escolarização eram poucos e o exame de admissão (que pode ser comparado ao nosso vestibular) era feito já na quinta série. 
www.docenciainloco.com
O aluno da escola de depois dos anos 70, é fruto da abertura política, do aumento da oferta de vagas (projeto de democratização do ensino que ainda não está consolidado), da escolaridade obrigatória de oito anos (que é um direito adquirido um princípio didático-político do qual não podemos abrir mão), porém de desempenho ainda semelhante que a anterior e tão excludente quanto (logo adiante o autor chama a atenção para a exclusão dos incluídos, e não se refere aqui aos portadore de necessidades especiais, lembrem-se que o texto que analisamos é de 1998). Temos, portanto, um desafio: manter a criança mais tempo na escola com qualidade de ensino. 
O dever da escola nesse contexto é garantir qualidade a todos: indisciplinados ou não, com pré requisitos ou não, com supostos problemas ou não. A INCLUSÃO constitui-se no dever no. 1. 
O autor diferencia também o respeito baseado em hierarquia e superioridade, que cria o professor disciplinador, apassivador, silenciador, repressor e castrador, e o respeito baseado em assimetria e diferença onde o professor se porta como profissional docente. 
www.docenciainloco.com
www.docenciainloco.com
A SEGUNDA HIPÓTESE EXPLICATIVA: O ALUNO “SEM LIMITES” 
A segunda hipótese que Aquino desconstrói no texto é a de que os alunos de hoje não têm limites, não respeitam regras, não reconhecem autoridade, os pais são permissivos e vivemos um déficit moral. Para tanto ele faz dois reparos nas hipóteses, em relação à falta de limites das crianças, diz que, quando brincam entre si, as crianças são até mesmo irredutíveis em relação às regras, que o alunos ingressam na escola sabendo regras e usa um exemplo sobre a linguagem muito interessante. A criança generaliza as regras quando está aprendendo a falar, portanto, noção de regras e limites elas têm. Sobre a permissividade dos pais ele diz que não se pode justapor o âmbito das competências, que pai é pai, professor é professor e os alunos podem ser indisciplinados com um professor e não ser com outro, além do fato de nem sempre o aluno indisciplinado na escola ser em casa. 
www.docenciainloco.com
A família, para Aquino, tem a função de moralizar e ordenar a a conduta da criança, muito diferente da escola, que tem como objetivo primordial o conhecimento sistematizado. A recriação desse conhecimento, a reapropriação do legado cultural da humanidade por meio da ordenação do pensamento. 
A indisciplina é energia desperdiçada, além de um termômetro para a relação professor/aluno, pode ser considerado como um complicador da ação docente e não como um impeditivo. Caso seja vista como impeditivo, caso o professor não possa desempenhar seu papel, observamos um desperdício de tempo e qualificação do docente, um desvio de função e uma quebra do contrato pedagógico. 
www.docenciainloco.com
www.docenciainloco.com
A TERCEIRA HIPÓTESE: O ALUNO “DESINTERESSADO” 
A terceira hipótese que Aquino desconstrói é a da concorrência, ou seja, a sala de aula não é tão atrativa como os outros meios de comunicação, ele cita TV, mas acrescentei Internet (que hoje é muito popular, diferente de 98 quando escreveu o texto). A saída seria modernizar a escola com aparelhos de última geração? 
O autor diz que escola não é meio de comunicação, que ela ensina além da informação, além do que a informação quer dizer, não simplesmente as repassa. Mas o que a escola é então? A escola é lugar de reapropriação do saber acumulado pelas gerações passadas, ou seja, lugar de revisitar respostas sagradas, de refazer a história do conhecimento, da desconstrução e desmontagem da informação por meio do raciocínio lógico conceitual. A escola é lugar de transitoriedade entre o novo e o velho, transorma o pensamento do aluno pelo trabálho árduo, mas nem por isso menos prazeroso. 
www.docenciainloco.com
A mídia tem papel diferente da escola, ela difunde informação entretem e promove o lazer, uma vez que a informação é mais rápida que o conhecimento, e precisa dele para ser entendida e memorizada, está ancorada no presente, enquanto o conhecimento no passado e pode mesmo ser o ponto de partida midiático. O conhecimento é mais lento que a informação, aquilo que a subjaz, que é pré requisito para entendê-la, está no domínio do passado, ponto de chegada didático, ou seja, uma competência congitiva. A inteligência humana é um digestor, um decodificador de informação, nela se transforma informação em conhecimento. O professor, dessa forma, reconstrói o caminho, decodifica informações, conta histórias, não é um difusor de informação, nem um animador de platéia. O aluno, por sua vez, não se constitui como mero expectador ouvinte, mas com sujeito atuante tem a curiosidade e a imaginação bem desenvolvidas como marca registrada, é o co-responsável pela cena pedagógica, parceiro no contrato didático, levando-se tudo isso em consideração, segundo Aquino, não temos motivos para temer a concorrência. 
www.docenciainloco.com
www.docenciainloco.com
UMA LEITURA PEDAGÓGICA DA INDISCIPLINA ESCOLAR E OUTROS 
Aquino conclui seu texto propondo soluções, aquilo que a maioria dos educadores o acusam de não fazer. Acontece que o que ele propõe às vezes dói um pouco de ouvir. Como vimos acima, as hipóteses mais comuns para a indisciplina não se sustentam, são apoiadas em evidências equivocadas, tratam a indisciplina como um problema só do aluno, fogem do estritamente pedagógico e toma a disciplina como pré- requisito para o trabalho didático. Para o autor, a indisciplina sinaliza problema pedagógico, ou seja, a ação docente não se realiza a contento. 
O que o docente pode fazer então? Rever seus posicionamentos, questionar suas crenças, confrontar posicionamentos, debater-se com a realidade, pois o trabalho pedagógico deve prever enfrentamentos para a questão. O fazer do professor é ensinar algo, de alguma forma para alguém, pois existe uma dimensão ética. Devemos responder com nossa prática: escola para que? 
www.docenciainloco.com
O autor encerra seu texto trazendo as premissas do trabalho pedagógico – objeto de ação: conhecimento; distinção entre papéis: professor e aluno; contrato pedagógico explícito e sala de aula: lugar onde a educação escolar acontece – , e as cinco regras éticas do trabalho docente – aluno problema: porta voz das relações; des- idealização do perfil de aluno; fidelidade ao contrato pedagógico; experimentação de novas regras de trabalho; competência e prazer. 
E aí, o que achou das propostas? 
www.docenciainloco.com
www.docenciainloco.com
SIGAM-NOS NAS REDES SOCIAIS 
www.docenciainloco.com 
/docenciainloco 
/user/rosanarogeri2 
@rosanarogeri

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aprender e ensinar Matemática no Ensino Fundamental
Aprender e  ensinar Matemática no Ensino FundamentalAprender e  ensinar Matemática no Ensino Fundamental
Aprender e ensinar Matemática no Ensino Fundamental
valdivina
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Dirce Cristiane Camilotti
 
Provas operatórias de piaget
Provas operatórias de piagetProvas operatórias de piaget
Provas operatórias de piaget
Gliciane S. Aragão
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos IniciaisTrabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
luciany-nascimento
 
resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
 resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
Ivanylde Santos
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
Adriana Pereira
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Priscila Gomes
 
Tipos de avaliação
Tipos de avaliaçãoTipos de avaliação
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
Paulo Lima
 
Diagnóstico Psicopedagógico
Diagnóstico PsicopedagógicoDiagnóstico Psicopedagógico
Diagnóstico Psicopedagógico
Rochelle Arruda
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
Renato De Souza Abelha
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
megainfoin
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ritagatti
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
Gislaine
 
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
Seduc MT
 
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTILA IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
cefaprodematupa
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
Profissão Professor
 

Mais procurados (20)

Aprender e ensinar Matemática no Ensino Fundamental
Aprender e  ensinar Matemática no Ensino FundamentalAprender e  ensinar Matemática no Ensino Fundamental
Aprender e ensinar Matemática no Ensino Fundamental
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Provas operatórias de piaget
Provas operatórias de piagetProvas operatórias de piaget
Provas operatórias de piaget
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos IniciaisTrabalhando Matemática nos Anos Iniciais
Trabalhando Matemática nos Anos Iniciais
 
resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
 resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Tipos de avaliação
Tipos de avaliaçãoTipos de avaliação
Tipos de avaliação
 
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
3. Gestão escolar democrática e gestão escolar participativa - Prof. Dr. Paul...
 
Diagnóstico Psicopedagógico
Diagnóstico PsicopedagógicoDiagnóstico Psicopedagógico
Diagnóstico Psicopedagógico
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
 
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTILA IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 

Destaque

Indisciplina na escola
Indisciplina na escolaIndisciplina na escola
Indisciplina na escola
Polly Lirio Rocha
 
PROJETO INDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL - justificativa
PROJETO INDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL - justificativaPROJETO INDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL - justificativa
PROJETO INDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL - justificativa
Marceliany Farias
 
Indisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aulaIndisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aula
Natália Lopes
 
Indisciplina Na Sala de aula - Powerpoint
Indisciplina Na Sala de aula - PowerpointIndisciplina Na Sala de aula - Powerpoint
Indisciplina Na Sala de aula - Powerpoint
davidqwerty
 
Indisciplina escolar -_acoes_e_intervencoes
Indisciplina escolar -_acoes_e_intervencoesIndisciplina escolar -_acoes_e_intervencoes
Indisciplina escolar -_acoes_e_intervencoes
Rafaela Freitas
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 

Destaque (6)

Indisciplina na escola
Indisciplina na escolaIndisciplina na escola
Indisciplina na escola
 
PROJETO INDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL - justificativa
PROJETO INDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL - justificativaPROJETO INDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL - justificativa
PROJETO INDISCIPLINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL - justificativa
 
Indisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aulaIndisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aula
 
Indisciplina Na Sala de aula - Powerpoint
Indisciplina Na Sala de aula - PowerpointIndisciplina Na Sala de aula - Powerpoint
Indisciplina Na Sala de aula - Powerpoint
 
Indisciplina escolar -_acoes_e_intervencoes
Indisciplina escolar -_acoes_e_intervencoesIndisciplina escolar -_acoes_e_intervencoes
Indisciplina escolar -_acoes_e_intervencoes
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 

Semelhante a Julio Groppa Aquino - indisciplina na escola

Caldas%2c 2005_Fracasso escolar_reflexões sobre uma história antiga%2c mas at...
Caldas%2c 2005_Fracasso escolar_reflexões sobre uma história antiga%2c mas at...Caldas%2c 2005_Fracasso escolar_reflexões sobre uma história antiga%2c mas at...
Caldas%2c 2005_Fracasso escolar_reflexões sobre uma história antiga%2c mas at...
ThainJaine1
 
Redação - Trabalho
Redação - TrabalhoRedação - Trabalho
Redação - Trabalho
professorakathia
 
Indisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptxIndisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptx
Joana Faria
 
A indisciplina na sala de aula
A indisciplina na sala de aulaA indisciplina na sala de aula
A indisciplina na sala de aula
Cida Queirós
 
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escolaOs desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
primeiraopcao
 
Artigo ana angélica
Artigo   ana angélicaArtigo   ana angélica
Artigo ana angélica
Fátima Noronha
 
Orientação educacional – mediação e intervenção diante da indisciplina escolar
Orientação educacional – mediação e intervenção diante da indisciplina escolarOrientação educacional – mediação e intervenção diante da indisciplina escolar
Orientação educacional – mediação e intervenção diante da indisciplina escolar
Psicanalista Santos
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
christianceapcursos
 
Vii seminário estácio de sá indisciplina uma forma de aprendizagem
Vii seminário estácio de sá   indisciplina uma forma de aprendizagemVii seminário estácio de sá   indisciplina uma forma de aprendizagem
Vii seminário estácio de sá indisciplina uma forma de aprendizagem
Psicanalista Santos
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
primeiraopcao
 
Os desafios da_indisciplina_em_sala_de_aula-e_na_escola_celso_vasconcelos
Os desafios da_indisciplina_em_sala_de_aula-e_na_escola_celso_vasconcelosOs desafios da_indisciplina_em_sala_de_aula-e_na_escola_celso_vasconcelos
Os desafios da_indisciplina_em_sala_de_aula-e_na_escola_celso_vasconcelos
Amorim Albert
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Reflexões após mais de 10 anos de investigação
Reflexões após mais de 10 anos de investigaçãoReflexões após mais de 10 anos de investigação
Reflexões após mais de 10 anos de investigação
apas2013
 
[DireitoFacil.Net] - Sentença - "Professor: Herói"
[DireitoFacil.Net] - Sentença - "Professor: Herói"[DireitoFacil.Net] - Sentença - "Professor: Herói"
[DireitoFacil.Net] - Sentença - "Professor: Herói"
Teamajormar Bezerra de Almeida
 
Análise da música estudo errado
Análise da música estudo erradoAnálise da música estudo errado
Análise da música estudo errado
Wany Goes Dias
 
Análise da música estudo errado
Análise da música estudo erradoAnálise da música estudo errado
Análise da música estudo errado
Wany Goes Dias
 
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-pFormar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
Queite Lima
 
Ética na escola.ppt
Ética na escola.pptÉtica na escola.ppt
Ética na escola.ppt
WennerPinheiro1
 
Educadores fora da lei
Educadores fora da leiEducadores fora da lei
Educadores fora da lei
Projeto Criança em Rede
 
38105 texto do artigo-158844-1-10-20170425
38105 texto do artigo-158844-1-10-2017042538105 texto do artigo-158844-1-10-20170425
38105 texto do artigo-158844-1-10-20170425
Nelson Kratsch
 

Semelhante a Julio Groppa Aquino - indisciplina na escola (20)

Caldas%2c 2005_Fracasso escolar_reflexões sobre uma história antiga%2c mas at...
Caldas%2c 2005_Fracasso escolar_reflexões sobre uma história antiga%2c mas at...Caldas%2c 2005_Fracasso escolar_reflexões sobre uma história antiga%2c mas at...
Caldas%2c 2005_Fracasso escolar_reflexões sobre uma história antiga%2c mas at...
 
Redação - Trabalho
Redação - TrabalhoRedação - Trabalho
Redação - Trabalho
 
Indisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptxIndisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptx
 
A indisciplina na sala de aula
A indisciplina na sala de aulaA indisciplina na sala de aula
A indisciplina na sala de aula
 
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escolaOs desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
 
Artigo ana angélica
Artigo   ana angélicaArtigo   ana angélica
Artigo ana angélica
 
Orientação educacional – mediação e intervenção diante da indisciplina escolar
Orientação educacional – mediação e intervenção diante da indisciplina escolarOrientação educacional – mediação e intervenção diante da indisciplina escolar
Orientação educacional – mediação e intervenção diante da indisciplina escolar
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
Vii seminário estácio de sá indisciplina uma forma de aprendizagem
Vii seminário estácio de sá   indisciplina uma forma de aprendizagemVii seminário estácio de sá   indisciplina uma forma de aprendizagem
Vii seminário estácio de sá indisciplina uma forma de aprendizagem
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
 
Os desafios da_indisciplina_em_sala_de_aula-e_na_escola_celso_vasconcelos
Os desafios da_indisciplina_em_sala_de_aula-e_na_escola_celso_vasconcelosOs desafios da_indisciplina_em_sala_de_aula-e_na_escola_celso_vasconcelos
Os desafios da_indisciplina_em_sala_de_aula-e_na_escola_celso_vasconcelos
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
 
Reflexões após mais de 10 anos de investigação
Reflexões após mais de 10 anos de investigaçãoReflexões após mais de 10 anos de investigação
Reflexões após mais de 10 anos de investigação
 
[DireitoFacil.Net] - Sentença - "Professor: Herói"
[DireitoFacil.Net] - Sentença - "Professor: Herói"[DireitoFacil.Net] - Sentença - "Professor: Herói"
[DireitoFacil.Net] - Sentença - "Professor: Herói"
 
Análise da música estudo errado
Análise da música estudo erradoAnálise da música estudo errado
Análise da música estudo errado
 
Análise da música estudo errado
Análise da música estudo erradoAnálise da música estudo errado
Análise da música estudo errado
 
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-pFormar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
Formar professores-como-profissionais-reflexivos-donald-schon-p
 
Ética na escola.ppt
Ética na escola.pptÉtica na escola.ppt
Ética na escola.ppt
 
Educadores fora da lei
Educadores fora da leiEducadores fora da lei
Educadores fora da lei
 
38105 texto do artigo-158844-1-10-20170425
38105 texto do artigo-158844-1-10-2017042538105 texto do artigo-158844-1-10-20170425
38105 texto do artigo-158844-1-10-20170425
 

Mais de Docência "in loco"

Edital processo seletivo para professor de Barretos.
Edital processo seletivo para professor de Barretos.Edital processo seletivo para professor de Barretos.
Edital processo seletivo para professor de Barretos.
Docência "in loco"
 
Avaliarparapromover 090902173845-phpapp02
Avaliarparapromover 090902173845-phpapp02Avaliarparapromover 090902173845-phpapp02
Avaliarparapromover 090902173845-phpapp02
Docência "in loco"
 
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Docência "in loco"
 
Educação especial na ldb 2
Educação especial na ldb 2Educação especial na ldb 2
Educação especial na ldb 2
Docência "in loco"
 
Legislacao inclusao
Legislacao inclusaoLegislacao inclusao
Legislacao inclusao
Docência "in loco"
 
Legislação inclusão
Legislação inclusãoLegislação inclusão
Legislação inclusão
Docência "in loco"
 
Período sensório motor
Período sensório motorPeríodo sensório motor
Período sensório motor
Docência "in loco"
 
Indisciplina
IndisciplinaIndisciplina
Indisciplina
Docência "in loco"
 
Como se resolve a indisciplina
Como se resolve a indisciplinaComo se resolve a indisciplina
Como se resolve a indisciplina
Docência "in loco"
 
Crianca seis anos_opt
Crianca seis anos_optCrianca seis anos_opt
Crianca seis anos_opt
Docência "in loco"
 
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
Docência "in loco"
 
Pontuacaoeheterogeneidade
PontuacaoeheterogeneidadePontuacaoeheterogeneidade
Pontuacaoeheterogeneidade
Docência "in loco"
 

Mais de Docência "in loco" (12)

Edital processo seletivo para professor de Barretos.
Edital processo seletivo para professor de Barretos.Edital processo seletivo para professor de Barretos.
Edital processo seletivo para professor de Barretos.
 
Avaliarparapromover 090902173845-phpapp02
Avaliarparapromover 090902173845-phpapp02Avaliarparapromover 090902173845-phpapp02
Avaliarparapromover 090902173845-phpapp02
 
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
 
Educação especial na ldb 2
Educação especial na ldb 2Educação especial na ldb 2
Educação especial na ldb 2
 
Legislacao inclusao
Legislacao inclusaoLegislacao inclusao
Legislacao inclusao
 
Legislação inclusão
Legislação inclusãoLegislação inclusão
Legislação inclusão
 
Período sensório motor
Período sensório motorPeríodo sensório motor
Período sensório motor
 
Indisciplina
IndisciplinaIndisciplina
Indisciplina
 
Como se resolve a indisciplina
Como se resolve a indisciplinaComo se resolve a indisciplina
Como se resolve a indisciplina
 
Crianca seis anos_opt
Crianca seis anos_optCrianca seis anos_opt
Crianca seis anos_opt
 
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
 
Pontuacaoeheterogeneidade
PontuacaoeheterogeneidadePontuacaoeheterogeneidade
Pontuacaoeheterogeneidade
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 

Julio Groppa Aquino - indisciplina na escola

  • 1. A INDISCIPLINA E A ESCOLA ATUAL, JÚLIO GROPPA AQUINO: E-BOOK RESUMO E MAPAS MENTAIS Rosana Rogeri www.docenciainloco.com
  • 2. ÍNDICE Sobre o texto …………………………………………………………………….………….3 Introdução ……………………………………………………………………..…………… 6 Mapa mental do texto ………………………………………………………………………9 A primeira hipótese: o aluno “desrespeitador”………………………………………….10 Mapa mental aluno desrespeitador ……………………………………………………..12 A segunda hipótese: o aluno “sem limites” …………………………………………….13 Mapa mental aluno “sem limites”………………………………………………………..15 A terceira hipótese: o aluno “desinteressado”…………………………………………..16 Mapa mental aluno desinteressado …………………………………….......................18 Uma leitura pedagógica da indisciplina escolar e outros ……………………………..19 Mapa mental uma leitura pedagógica …………………………..………………………21 www.docenciainloco.com
  • 3. SOBRE O TEXTO A indisciplina escolar caracteriza-se como um problema discutido em todos os âmbitos educacionais. O professor Julio Groppa Aquino, da faculdade de educação da USP têm vários livros sobre indisciplina publicados sobre o assunto, textos geralmente cobrados em concursos públicos. Uma forma interessante de se iniciar no entendimento do pensamento de determinado autor é ler/ver/ouvir entrevistas com ele. Encontrei duas entrevistas que podem nos dar uma pequena ideia do que é defendido por Aquino: uma do Zero Hora , e outra do blog de Rosely Sayão. Vale a pena conferir os comentários também. www.docenciainloco.com
  • 4. Vou fazer aqui um resumo geral de um texto de Aquino de 1997. O Texto tem uma linguagem simples e vocês podem acessá-lo, caso prefiram pegá-lo à unha. Este resumo tem os mapas mentais elaborados a partir da leitura, acredito que é uma forma muito interessante de estudar. O texto refere-se à uma versão ampliada do roteiro da vídeo/palestra "A indisciplina e a escola atual" de 1997 na FDE/SP da qual o professor fez parte. É uma explanação geral sobre indisciplina, Aquino defende que a indisciplina e o baixo aproveitamento escolar são impasses para a escola no Brasil. Faz uma descrição detalhada do aluno problema e divide esse conceito em três: aluno "desrespeitador", aluno "sem limites" e aluno "desinteressado". www.docenciainloco.com
  • 5. Em cada uma dessas denominações, o autor procura desconstruir as explicações mais comuns nos meios educacionais para a indisciplina, tais como "a estruturação escolar do passado, problemas psicológicos e sociais, a permissividade da família, o desinteresse pela escola, o apelo de outros meios de comunicação etc." Após essa desconstrução, em que usa argumentos muito contundentes, Aquino promove uma leitura pedagógica da indisciplina, propõe algumas premissas pedagógicas fundamentais e as cinco regras éticas do trabalho docente. www.docenciainloco.com
  • 6. INTRODUÇÃO Na introdução do texto, Aquino propõe uma reflexão sobre a crise da educação. Defendendo que todos sabemos da sua presença, pois observa-se um mal estar geral em relação à educação, mas não sabemos a sua extensão nem a sua razão, pelo menos não a fundo. O indícios dessa crise podem ser analisados pelo fato de que os alunos não cumprem sua escolaridade obrigatória, a maioria das pessoas tem história de inadequação ou insucesso na escola e o fato de os índices brasileiros de evasão e repetência serem semelhantes aos da Nigéria ou Sudão. www.docenciainloco.com
  • 7. Com o que foi exposto acima, verificamos o fracasso escolar (alunos não terminam a escola) e o fracasso dos incluídos (alunos com história de insucesso). O Brasil, em relação à economia, pode ser comparado a países da Europa ou Ásia, enquanto em relação à educação a países da África. Isso gera um mal estar geral e a uma falta aguda de credibilidade no professor enquanto profissional. O autor defende também que sem escola não há cidadania sustentável e o cidadão não tem acesso aos direitos constituídos, além do fato de que o mundo será implacável contra os sem escolaridade. Ao descrever o aluno problema, Aquino diz que esse aluno padece de distúrbios pedagógicos, cognitivos ou comportamentais. Esses problemas geram obstáculos à ação docente: a indisciplina e o baixo rendimento. Segundo o autor, existe uma contradição quando se defende que o sucesso escolar seja fruto da ação docente e o fracasso escolar seja produto de outras instâncias. www.docenciainloco.com
  • 8. Ou tudo, tanto fracasso quanto sucesso, é fruto da ação docente, ou tudo fruto de outras instâncias, o que torna inviável até mesmo o conceito de escola. Na entrevista do Zero hora o autor diz: "Todos dizem que educar virou uma missão impossível. Então, fecha a bodega." Dessa forma, temos um problema ético: seria o mesmo que dizer que o problema da medicina são as novas doenças. O aluno problema deveria se configurar como uma oportunidade de crescimento profissional, pois é nas grandes adversidades que todo profissional desenvolve melhor suas habilidades. Precisamos rever nossos conceitos, procurando alternativas e não justificativas para a indisciplina escolar. www.docenciainloco.com
  • 10. A PRIMEIRA HIPÓTESE EXPLICATIVA: O ALUNO “DESRESPEITADOR” A primeira hipótese a ser desconstruída por Aquino é a do aluno desrespeitador, caracterizada pela crença em que o aluno de antigamente era mais respeitador, a escola tinha mais qualidade e que a escola atual é muito permissiva. Para o autor, nossa memória nos prega pessas e ficamos presos a um saudosismo exacerbado, que não condiz com a realidade dos fatos. Não podemos deixar de lado o contexto político de ditadura da escola antes e que ela não tinha essa excelência toda apregoada. Antes dos anos 70 a escola era militarizada com: filas, pátio, uniformes, relação de medo, ela era tanto hierarquizada quando hierarquizante (qualquer semelhança com a escola atual não é mera coincidência – comentário meu). Era excludente, elitista, a maioria militar ou religiosa, muito poucas eram leigas. Os anos de escolarização eram poucos e o exame de admissão (que pode ser comparado ao nosso vestibular) era feito já na quinta série. www.docenciainloco.com
  • 11. O aluno da escola de depois dos anos 70, é fruto da abertura política, do aumento da oferta de vagas (projeto de democratização do ensino que ainda não está consolidado), da escolaridade obrigatória de oito anos (que é um direito adquirido um princípio didático-político do qual não podemos abrir mão), porém de desempenho ainda semelhante que a anterior e tão excludente quanto (logo adiante o autor chama a atenção para a exclusão dos incluídos, e não se refere aqui aos portadore de necessidades especiais, lembrem-se que o texto que analisamos é de 1998). Temos, portanto, um desafio: manter a criança mais tempo na escola com qualidade de ensino. O dever da escola nesse contexto é garantir qualidade a todos: indisciplinados ou não, com pré requisitos ou não, com supostos problemas ou não. A INCLUSÃO constitui-se no dever no. 1. O autor diferencia também o respeito baseado em hierarquia e superioridade, que cria o professor disciplinador, apassivador, silenciador, repressor e castrador, e o respeito baseado em assimetria e diferença onde o professor se porta como profissional docente. www.docenciainloco.com
  • 13. A SEGUNDA HIPÓTESE EXPLICATIVA: O ALUNO “SEM LIMITES” A segunda hipótese que Aquino desconstrói no texto é a de que os alunos de hoje não têm limites, não respeitam regras, não reconhecem autoridade, os pais são permissivos e vivemos um déficit moral. Para tanto ele faz dois reparos nas hipóteses, em relação à falta de limites das crianças, diz que, quando brincam entre si, as crianças são até mesmo irredutíveis em relação às regras, que o alunos ingressam na escola sabendo regras e usa um exemplo sobre a linguagem muito interessante. A criança generaliza as regras quando está aprendendo a falar, portanto, noção de regras e limites elas têm. Sobre a permissividade dos pais ele diz que não se pode justapor o âmbito das competências, que pai é pai, professor é professor e os alunos podem ser indisciplinados com um professor e não ser com outro, além do fato de nem sempre o aluno indisciplinado na escola ser em casa. www.docenciainloco.com
  • 14. A família, para Aquino, tem a função de moralizar e ordenar a a conduta da criança, muito diferente da escola, que tem como objetivo primordial o conhecimento sistematizado. A recriação desse conhecimento, a reapropriação do legado cultural da humanidade por meio da ordenação do pensamento. A indisciplina é energia desperdiçada, além de um termômetro para a relação professor/aluno, pode ser considerado como um complicador da ação docente e não como um impeditivo. Caso seja vista como impeditivo, caso o professor não possa desempenhar seu papel, observamos um desperdício de tempo e qualificação do docente, um desvio de função e uma quebra do contrato pedagógico. www.docenciainloco.com
  • 16. A TERCEIRA HIPÓTESE: O ALUNO “DESINTERESSADO” A terceira hipótese que Aquino desconstrói é a da concorrência, ou seja, a sala de aula não é tão atrativa como os outros meios de comunicação, ele cita TV, mas acrescentei Internet (que hoje é muito popular, diferente de 98 quando escreveu o texto). A saída seria modernizar a escola com aparelhos de última geração? O autor diz que escola não é meio de comunicação, que ela ensina além da informação, além do que a informação quer dizer, não simplesmente as repassa. Mas o que a escola é então? A escola é lugar de reapropriação do saber acumulado pelas gerações passadas, ou seja, lugar de revisitar respostas sagradas, de refazer a história do conhecimento, da desconstrução e desmontagem da informação por meio do raciocínio lógico conceitual. A escola é lugar de transitoriedade entre o novo e o velho, transorma o pensamento do aluno pelo trabálho árduo, mas nem por isso menos prazeroso. www.docenciainloco.com
  • 17. A mídia tem papel diferente da escola, ela difunde informação entretem e promove o lazer, uma vez que a informação é mais rápida que o conhecimento, e precisa dele para ser entendida e memorizada, está ancorada no presente, enquanto o conhecimento no passado e pode mesmo ser o ponto de partida midiático. O conhecimento é mais lento que a informação, aquilo que a subjaz, que é pré requisito para entendê-la, está no domínio do passado, ponto de chegada didático, ou seja, uma competência congitiva. A inteligência humana é um digestor, um decodificador de informação, nela se transforma informação em conhecimento. O professor, dessa forma, reconstrói o caminho, decodifica informações, conta histórias, não é um difusor de informação, nem um animador de platéia. O aluno, por sua vez, não se constitui como mero expectador ouvinte, mas com sujeito atuante tem a curiosidade e a imaginação bem desenvolvidas como marca registrada, é o co-responsável pela cena pedagógica, parceiro no contrato didático, levando-se tudo isso em consideração, segundo Aquino, não temos motivos para temer a concorrência. www.docenciainloco.com
  • 19. UMA LEITURA PEDAGÓGICA DA INDISCIPLINA ESCOLAR E OUTROS Aquino conclui seu texto propondo soluções, aquilo que a maioria dos educadores o acusam de não fazer. Acontece que o que ele propõe às vezes dói um pouco de ouvir. Como vimos acima, as hipóteses mais comuns para a indisciplina não se sustentam, são apoiadas em evidências equivocadas, tratam a indisciplina como um problema só do aluno, fogem do estritamente pedagógico e toma a disciplina como pré- requisito para o trabalho didático. Para o autor, a indisciplina sinaliza problema pedagógico, ou seja, a ação docente não se realiza a contento. O que o docente pode fazer então? Rever seus posicionamentos, questionar suas crenças, confrontar posicionamentos, debater-se com a realidade, pois o trabalho pedagógico deve prever enfrentamentos para a questão. O fazer do professor é ensinar algo, de alguma forma para alguém, pois existe uma dimensão ética. Devemos responder com nossa prática: escola para que? www.docenciainloco.com
  • 20. O autor encerra seu texto trazendo as premissas do trabalho pedagógico – objeto de ação: conhecimento; distinção entre papéis: professor e aluno; contrato pedagógico explícito e sala de aula: lugar onde a educação escolar acontece – , e as cinco regras éticas do trabalho docente – aluno problema: porta voz das relações; des- idealização do perfil de aluno; fidelidade ao contrato pedagógico; experimentação de novas regras de trabalho; competência e prazer. E aí, o que achou das propostas? www.docenciainloco.com
  • 22. SIGAM-NOS NAS REDES SOCIAIS www.docenciainloco.com /docenciainloco /user/rosanarogeri2 @rosanarogeri