SlideShare uma empresa Scribd logo
+
INTELIGÊNCIA E
INSTINTO – L.E.
+
Comentário de Kardec: A inteligência é uma
faculdade especial, própria de certas classes de
seres orgânicos aos quais dá, com o
pensamento: ---- a vontade de agir,
 a consciência de sua existência e de sua
individualidade MORAL,
 assim como os meios de estabelecer relações
com o mundo exterior e de prover às suas
necessidades.
+
Podemos fazer a seguinte distinção:
 l.°) os seres inanimados, formados somente de matéria sem
vitalidade nem inteligência: são os corpos brutos;
 2.°) os seres animados não-pensantes, formados de matéria e
dotados de vitalidade, mas desprovidos de inteligência;
 3.°) os seres animados pensantes, formados de matéria,
dotados de vitalidade e tendo ainda um princípio inteligente que
lhes dá a faculdade de pensar.
+OS ANIMAIS AGEM POR INSTINTO
OU TÊM TAMBÉM INTELIGÊNCIA?
Há neles uma espécie de inteligência, mas cujo
exercício é mais precisamente concentrado sobre
os meios de satisfazer às suas necessidades
físicas e prover à conservação;
Os animais não têm senão a inteligência da
vida material;ex: A GÊNESE: o animal carnívoro é
impelido pelo instinto a se alimentar de carne, mas
as precauções que toma para segurar a presa e a
sua previdência das eventualidades são atos da
inteligência.
Nos homens, a inteligência produz a vida moral.
+
73. O instinto é independente da
inteligência?
— Precisamente, não, porque é uma espécie de
inteligência. O instinto é uma inteligência não
racional; é por ele que todos os seres provêm
às suas necessidades.
INSTINTOS: manifestação automática,
dominação, desarmonia, preservação do
corpo;
INTELIGÊNCIA: pensamento lúcido,
argumentos lógicos(expõe), bem-estar,
conquistas.
+
74. Pode-se assinalar um limite entre o
instinto e a inteligência, ou seja, precisar
onde acaba um e onde começa o outro?
—Não, porque eles freqüentemente se
confundem; mas podemos muito bem distinguir
os atos que pertencem ao instinto dos que
pertencem à inteligência.
+
Kardec: ensina que a paixão é como um cavalo; se
o dominarmos ele pode ser muito útil, mas se ele
for selvagem e insubmisso ele se tornará muito
perigoso.
Quando um indivíduo governa sua força sexual, ela
é um instrumento da providência para manutenção
da espécie humana e para harmonização das
relações conjugais, mas se esta força controlar o
homem ela será grande instrumento de
perturbação.
+
+
75. É acertado dizer que as faculdades instintivas
diminuem, a medida que crescem as intelectuais?
— Não. O instinto existe sempre, mas o homem o
negligencia. O instinto pode também conduzir ao
bem; ele nos guia quase sempre, e às vezes mais
seguramente que a razão; ele nunca se engana.
75. a) Por que a razão não é sempre um guia
infalível?
— Ela seria infalível se não existisse falseada pela
má educação, pelo orgulho e egoísmo. O instinto
não raciocina; a razão permite ao homem escolher,
dando-lhe o livre-arbítrio.
+
+
NASCENDO A RAZÃO, O INSTINTO SE
ATROFIA? Comentário de Miramez
O alicerce de uma obra aparentemente
desaparece quando o prédio está pronto; no
entanto, passa a existir com muito mais
segurança do que antes, pela sua solidez no
seio da terra.
O instinto não atrofia ao surgir a razão. Ele
perde o comando mais visível, como existe
no animal, entretanto, ajuda a inteligência
nas suas difíceis soluções, no silêncio da
própria vida, inerente ao seu estado.
+
 Compete a cada Espírito compreender a ordem e
trabalhar para que no mundo da consciência se
estabeleça a harmonia, com todas as suas diretrizes
de amor ;
O instinto é a base da conscientização de todo o
saber; é como que um livro invisível, porém real, onde
estão escritas todas as leis reguladas pelo tempo.
A razão é esse mesmo instinto na feição de
maturidade;
 é o alicerce da inteligência, que se apóia neste
princípio divino, ordenado e estabelecido por Deus,
como sol da vida.
+
Podemos comparar o instinto aos pés dos
homens e a inteligência ao exército da razão.
Apesar dos meios de transportes sofisticados da
época, eles sempre precisam dos pés para tudo
o que fazem.
Mesmo que se lembrem pouco deles, eles são a
base da locomoção dos encarnados.
 A Doutrina dos Espíritos, no seu conjunto
doutrinário, nos oferece muitos meios e métodos
agradáveis, para exercitarmos todos os nossos
dons, de maneira a que eles possam crescer
ampliando seus valores.
+FINALIZANDO COM CHICO XAVIER

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - Os Três Reinos - Rosana De Rosa
Aula - Os Três Reinos - Rosana De RosaAula - Os Três Reinos - Rosana De Rosa
Aula - Os Três Reinos - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
paikachambi
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
home
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Antonino Silva
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do PaiHá Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Sergio Menezes
 
SEDE PERFEITOS
SEDE PERFEITOSSEDE PERFEITOS
SEDE PERFEITOS
Isnande Mota Barros
 
2.4.3 transmigracao progressiva
2.4.3   transmigracao progressiva2.4.3   transmigracao progressiva
2.4.3 transmigracao progressiva
Marta Gomes
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
NatyMadeira
 
Conhecimento Do Princípio Das Coisas 1
Conhecimento Do Princípio Das Coisas 1Conhecimento Do Princípio Das Coisas 1
Conhecimento Do Princípio Das Coisas 1
Grupo Espírita Cristão
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
home
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
Jorge Luiz dos Santos
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
Graça Maciel
 
3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx
Marta Gomes
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Bruno Cechinel Filho
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
home
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Denise Aguiar
 
O Homem No Mundo
O Homem No MundoO Homem No Mundo
O Homem No Mundo
Angelo Baptista
 

Mais procurados (20)

Aula - Os Três Reinos - Rosana De Rosa
Aula - Os Três Reinos - Rosana De RosaAula - Os Três Reinos - Rosana De Rosa
Aula - Os Três Reinos - Rosana De Rosa
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do PaiHá Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
 
SEDE PERFEITOS
SEDE PERFEITOSSEDE PERFEITOS
SEDE PERFEITOS
 
2.4.3 transmigracao progressiva
2.4.3   transmigracao progressiva2.4.3   transmigracao progressiva
2.4.3 transmigracao progressiva
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
 
Conhecimento Do Princípio Das Coisas 1
Conhecimento Do Princípio Das Coisas 1Conhecimento Do Princípio Das Coisas 1
Conhecimento Do Princípio Das Coisas 1
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
 
3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
O Homem No Mundo
O Homem No MundoO Homem No Mundo
O Homem No Mundo
 

Semelhante a Inteligência e instinto

2.11 - Os Tres Reinos.pptx
2.11 - Os Tres Reinos.pptx2.11 - Os Tres Reinos.pptx
2.11 - Os Tres Reinos.pptx
Marta Gomes
 
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animaisEvangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Antonino Silva
 
AULA 08 Curso Básico de Espiritismo 2022
AULA 08 Curso Básico de Espiritismo 2022AULA 08 Curso Básico de Espiritismo 2022
AULA 08 Curso Básico de Espiritismo 2022
fabiopereiratv
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
Alan
 
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Patricia Farias
 
Os animais e o homem
Os animais e o homemOs animais e o homem
Os animais e o homem
Ronaldo Gomes
 
Espiritismo e mediunidade 05
Espiritismo e mediunidade 05Espiritismo e mediunidade 05
Espiritismo e mediunidade 05
Leonardo Pereira
 
Da lei de conservação
Da lei de conservaçãoDa lei de conservação
Da lei de conservação
home
 
3.10 - Lei de Liberdade.pptx
3.10 - Lei de Liberdade.pptx3.10 - Lei de Liberdade.pptx
3.10 - Lei de Liberdade.pptx
Marta Gomes
 
A espiritualidade dos animais...
A espiritualidade dos animais...A espiritualidade dos animais...
A espiritualidade dos animais...
Erik Gabriel Thomazi
 
Discurso do Método - IF.pptx
Discurso do Método - IF.pptxDiscurso do Método - IF.pptx
Discurso do Método - IF.pptx
PallomaSoaresPaulino
 
Animais no mundo espiritual
Animais no mundo espiritualAnimais no mundo espiritual
Animais no mundo espiritual
Helio Cruz
 
Animais tem espirito?
Animais tem espirito?Animais tem espirito?
Animais tem espirito?
Denise Aguiar
 
Idiotismo e loucura
Idiotismo e loucuraIdiotismo e loucura
Idiotismo e loucura
Wagner Júnior
 
imortalidade da alma.pdf
imortalidade da alma.pdfimortalidade da alma.pdf
imortalidade da alma.pdf
AndrPlez1
 
Deus - Descobrindo
Deus - DescobrindoDeus - Descobrindo
Deus - Descobrindo
Sergio Nalini
 
Os minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homemOs minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homem
Graça Maciel
 
Frater magister o-livro_da_sabedoria
Frater magister o-livro_da_sabedoriaFrater magister o-livro_da_sabedoria
Frater magister o-livro_da_sabedoria
Nunes 777
 
2 pergunta 1
2   pergunta 12   pergunta 1
2 pergunta 1
Fatoze
 
LEIAM SOBRE ANIMAIS
LEIAM SOBRE ANIMAISLEIAM SOBRE ANIMAIS
LEIAM SOBRE ANIMAIS
rosana carvalho
 

Semelhante a Inteligência e instinto (20)

2.11 - Os Tres Reinos.pptx
2.11 - Os Tres Reinos.pptx2.11 - Os Tres Reinos.pptx
2.11 - Os Tres Reinos.pptx
 
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animaisEvangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animais
 
AULA 08 Curso Básico de Espiritismo 2022
AULA 08 Curso Básico de Espiritismo 2022AULA 08 Curso Básico de Espiritismo 2022
AULA 08 Curso Básico de Espiritismo 2022
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
 
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
 
Os animais e o homem
Os animais e o homemOs animais e o homem
Os animais e o homem
 
Espiritismo e mediunidade 05
Espiritismo e mediunidade 05Espiritismo e mediunidade 05
Espiritismo e mediunidade 05
 
Da lei de conservação
Da lei de conservaçãoDa lei de conservação
Da lei de conservação
 
3.10 - Lei de Liberdade.pptx
3.10 - Lei de Liberdade.pptx3.10 - Lei de Liberdade.pptx
3.10 - Lei de Liberdade.pptx
 
A espiritualidade dos animais...
A espiritualidade dos animais...A espiritualidade dos animais...
A espiritualidade dos animais...
 
Discurso do Método - IF.pptx
Discurso do Método - IF.pptxDiscurso do Método - IF.pptx
Discurso do Método - IF.pptx
 
Animais no mundo espiritual
Animais no mundo espiritualAnimais no mundo espiritual
Animais no mundo espiritual
 
Animais tem espirito?
Animais tem espirito?Animais tem espirito?
Animais tem espirito?
 
Idiotismo e loucura
Idiotismo e loucuraIdiotismo e loucura
Idiotismo e loucura
 
imortalidade da alma.pdf
imortalidade da alma.pdfimortalidade da alma.pdf
imortalidade da alma.pdf
 
Deus - Descobrindo
Deus - DescobrindoDeus - Descobrindo
Deus - Descobrindo
 
Os minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homemOs minerais as plantas os animais e o homem
Os minerais as plantas os animais e o homem
 
Frater magister o-livro_da_sabedoria
Frater magister o-livro_da_sabedoriaFrater magister o-livro_da_sabedoria
Frater magister o-livro_da_sabedoria
 
2 pergunta 1
2   pergunta 12   pergunta 1
2 pergunta 1
 
LEIAM SOBRE ANIMAIS
LEIAM SOBRE ANIMAISLEIAM SOBRE ANIMAIS
LEIAM SOBRE ANIMAIS
 

Mais de Izabel Cristina Fonseca

O advento do cristo
O advento do cristoO advento do cristo
O advento do cristo
Izabel Cristina Fonseca
 
Misterios ocultos aos doutos e prudentes
Misterios ocultos aos doutos e prudentesMisterios ocultos aos doutos e prudentes
Misterios ocultos aos doutos e prudentes
Izabel Cristina Fonseca
 
Melodia natalina
Melodia natalinaMelodia natalina
Melodia natalina
Izabel Cristina Fonseca
 
Bem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechadosBem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechados
Izabel Cristina Fonseca
 
Se a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-a
Se a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-aSe a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-a
Se a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-a
Izabel Cristina Fonseca
 
Misterios ocultos aos prudentes
Misterios ocultos aos prudentesMisterios ocultos aos prudentes
Misterios ocultos aos prudentes
Izabel Cristina Fonseca
 
Poemas
PoemasPoemas
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
Izabel Cristina Fonseca
 
Solidão fonte viva
Solidão   fonte vivaSolidão   fonte viva
Solidão fonte viva
Izabel Cristina Fonseca
 
Simpatia
SimpatiaSimpatia
Progressão e escala espírita
Progressão e escala espíritaProgressão e escala espírita
Progressão e escala espírita
Izabel Cristina Fonseca
 
Palestra lei destruição
Palestra lei destruiçãoPalestra lei destruição
Palestra lei destruição
Izabel Cristina Fonseca
 
Pal janfevmar 2017
Pal janfevmar 2017Pal janfevmar 2017
Pal janfevmar 2017
Izabel Cristina Fonseca
 
Oração nossa
Oração nossaOração nossa
Oração nossa
Izabel Cristina Fonseca
 
O mancebo rico
O mancebo ricoO mancebo rico
O mancebo rico
Izabel Cristina Fonseca
 
O bem e o mal esde - leis divinas
O bem e o mal  esde - leis divinasO bem e o mal  esde - leis divinas
O bem e o mal esde - leis divinas
Izabel Cristina Fonseca
 
Natal palestra
Natal palestraNatal palestra
Natal palestra
Izabel Cristina Fonseca
 
Não desanimar bezerra
Não desanimar   bezerraNão desanimar   bezerra
Não desanimar bezerra
Izabel Cristina Fonseca
 
Incompreensão palestra 2016
Incompreensão   palestra 2016Incompreensão   palestra 2016
Incompreensão palestra 2016
Izabel Cristina Fonseca
 
Firmeza e constância
Firmeza e constânciaFirmeza e constância
Firmeza e constância
Izabel Cristina Fonseca
 

Mais de Izabel Cristina Fonseca (20)

O advento do cristo
O advento do cristoO advento do cristo
O advento do cristo
 
Misterios ocultos aos doutos e prudentes
Misterios ocultos aos doutos e prudentesMisterios ocultos aos doutos e prudentes
Misterios ocultos aos doutos e prudentes
 
Melodia natalina
Melodia natalinaMelodia natalina
Melodia natalina
 
Bem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechadosBem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechados
 
Se a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-a
Se a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-aSe a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-a
Se a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-a
 
Misterios ocultos aos prudentes
Misterios ocultos aos prudentesMisterios ocultos aos prudentes
Misterios ocultos aos prudentes
 
Poemas
PoemasPoemas
Poemas
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
 
Solidão fonte viva
Solidão   fonte vivaSolidão   fonte viva
Solidão fonte viva
 
Simpatia
SimpatiaSimpatia
Simpatia
 
Progressão e escala espírita
Progressão e escala espíritaProgressão e escala espírita
Progressão e escala espírita
 
Palestra lei destruição
Palestra lei destruiçãoPalestra lei destruição
Palestra lei destruição
 
Pal janfevmar 2017
Pal janfevmar 2017Pal janfevmar 2017
Pal janfevmar 2017
 
Oração nossa
Oração nossaOração nossa
Oração nossa
 
O mancebo rico
O mancebo ricoO mancebo rico
O mancebo rico
 
O bem e o mal esde - leis divinas
O bem e o mal  esde - leis divinasO bem e o mal  esde - leis divinas
O bem e o mal esde - leis divinas
 
Natal palestra
Natal palestraNatal palestra
Natal palestra
 
Não desanimar bezerra
Não desanimar   bezerraNão desanimar   bezerra
Não desanimar bezerra
 
Incompreensão palestra 2016
Incompreensão   palestra 2016Incompreensão   palestra 2016
Incompreensão palestra 2016
 
Firmeza e constância
Firmeza e constânciaFirmeza e constância
Firmeza e constância
 

Último

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 

Último (12)

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 

Inteligência e instinto

  • 2. + Comentário de Kardec: A inteligência é uma faculdade especial, própria de certas classes de seres orgânicos aos quais dá, com o pensamento: ---- a vontade de agir,  a consciência de sua existência e de sua individualidade MORAL,  assim como os meios de estabelecer relações com o mundo exterior e de prover às suas necessidades.
  • 3. + Podemos fazer a seguinte distinção:  l.°) os seres inanimados, formados somente de matéria sem vitalidade nem inteligência: são os corpos brutos;  2.°) os seres animados não-pensantes, formados de matéria e dotados de vitalidade, mas desprovidos de inteligência;  3.°) os seres animados pensantes, formados de matéria, dotados de vitalidade e tendo ainda um princípio inteligente que lhes dá a faculdade de pensar.
  • 4. +OS ANIMAIS AGEM POR INSTINTO OU TÊM TAMBÉM INTELIGÊNCIA? Há neles uma espécie de inteligência, mas cujo exercício é mais precisamente concentrado sobre os meios de satisfazer às suas necessidades físicas e prover à conservação; Os animais não têm senão a inteligência da vida material;ex: A GÊNESE: o animal carnívoro é impelido pelo instinto a se alimentar de carne, mas as precauções que toma para segurar a presa e a sua previdência das eventualidades são atos da inteligência. Nos homens, a inteligência produz a vida moral.
  • 5. + 73. O instinto é independente da inteligência? — Precisamente, não, porque é uma espécie de inteligência. O instinto é uma inteligência não racional; é por ele que todos os seres provêm às suas necessidades. INSTINTOS: manifestação automática, dominação, desarmonia, preservação do corpo; INTELIGÊNCIA: pensamento lúcido, argumentos lógicos(expõe), bem-estar, conquistas.
  • 6. + 74. Pode-se assinalar um limite entre o instinto e a inteligência, ou seja, precisar onde acaba um e onde começa o outro? —Não, porque eles freqüentemente se confundem; mas podemos muito bem distinguir os atos que pertencem ao instinto dos que pertencem à inteligência.
  • 7. + Kardec: ensina que a paixão é como um cavalo; se o dominarmos ele pode ser muito útil, mas se ele for selvagem e insubmisso ele se tornará muito perigoso. Quando um indivíduo governa sua força sexual, ela é um instrumento da providência para manutenção da espécie humana e para harmonização das relações conjugais, mas se esta força controlar o homem ela será grande instrumento de perturbação.
  • 8. +
  • 9. + 75. É acertado dizer que as faculdades instintivas diminuem, a medida que crescem as intelectuais? — Não. O instinto existe sempre, mas o homem o negligencia. O instinto pode também conduzir ao bem; ele nos guia quase sempre, e às vezes mais seguramente que a razão; ele nunca se engana. 75. a) Por que a razão não é sempre um guia infalível? — Ela seria infalível se não existisse falseada pela má educação, pelo orgulho e egoísmo. O instinto não raciocina; a razão permite ao homem escolher, dando-lhe o livre-arbítrio.
  • 10. +
  • 11. + NASCENDO A RAZÃO, O INSTINTO SE ATROFIA? Comentário de Miramez O alicerce de uma obra aparentemente desaparece quando o prédio está pronto; no entanto, passa a existir com muito mais segurança do que antes, pela sua solidez no seio da terra. O instinto não atrofia ao surgir a razão. Ele perde o comando mais visível, como existe no animal, entretanto, ajuda a inteligência nas suas difíceis soluções, no silêncio da própria vida, inerente ao seu estado.
  • 12. +  Compete a cada Espírito compreender a ordem e trabalhar para que no mundo da consciência se estabeleça a harmonia, com todas as suas diretrizes de amor ; O instinto é a base da conscientização de todo o saber; é como que um livro invisível, porém real, onde estão escritas todas as leis reguladas pelo tempo. A razão é esse mesmo instinto na feição de maturidade;  é o alicerce da inteligência, que se apóia neste princípio divino, ordenado e estabelecido por Deus, como sol da vida.
  • 13. + Podemos comparar o instinto aos pés dos homens e a inteligência ao exército da razão. Apesar dos meios de transportes sofisticados da época, eles sempre precisam dos pés para tudo o que fazem. Mesmo que se lembrem pouco deles, eles são a base da locomoção dos encarnados.  A Doutrina dos Espíritos, no seu conjunto doutrinário, nos oferece muitos meios e métodos agradáveis, para exercitarmos todos os nossos dons, de maneira a que eles possam crescer ampliando seus valores.