SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora: Germana Eiriz / 3O
                                            (germanaeiriz@hotmail.com)




Técnicas e Práticas de
Comunicação e
Relações Públicas


Módulo 7 - Instrumentos de Comunicação Externa (25H / 33TL)
                                        Início: 5 de novembro de 2012
                                            Final: 8 de janeiro de 2013
Professora: Germana Eiriz / 3O




Todas as organizações necessitam de ter um bom ambiente
interno, todavia, não faz qualquer sentido a existência de uma
organização sem um público externo. Em última instância, os
públicos externos são a razão pela qual se criam as
organizações.

Neste módulo os alunos deverão conhecer quem são estes
públicos externos e a forma como as organizações se dirigem a
eles.


Apresentação
Professora: Germana Eiriz / 3O



•   identificar os diferentes públicos externos;
•   conhecer as diferentes formas de comunicar com o público
    externo;
•   conhecer os diferentes suportes de comunicação externa;
•   aprofundar a relação entre os RP e os media;
•   conhecer o funcionamento dos media;
•   compreender a emergência dos novos media e a sua real
    importância;
•   elaborar um comunicado de imprensa;
•   organizar uma conferência de imprensa;
•   elaborar um dossier de imprensa;
•   efetuar um clipping;
•   realizar um evento.


Objetivos de Aprendizagem
Professora: Germana Eiriz / 3O




1. Comunicação Externa
1.1 Contacto pessoal.
• As Relações Interpessoais.
1.2. Publicações.
1.3. Meios de comunicação de massas.
• Rádio, Cinema e TV.
• Relacionamento com os media ( comunicados, conferências e
   dossiers de imprensa, clipping).
1.4. Os novos Media.
1.5. Realização de eventos


Âmbito dos Conteúdos
Professora: Germana Eiriz / 3O




Avaliação Sumativa:

• Teste de avaliação sumativo: 11 de dezembro

• Apresentação oral de trabalho de pares: 7 de janeiro

Avaliação Formativa:

• Atitudes, valores, comportamento, responsabilidade,
  assiduidade, participação…



Avaliação
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa




     http://gendesignstudio.blogspot.pt/2010_10_01_archive.html
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
Comunicação externa é a troca de
informações entre uma organização e outras
organizações, grupos ou indivíduos fora de
sua estrutura formal. O objetivo da
comunicação externa é facilitar a cooperação
e colaboração com as outras partes
interessadas e apresentar uma imagem
favorável da organização para a sociedade
como um todo.
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
Público Externo (noção):

- é conjunto de indivíduos que são
  segmentados por interesses comuns em
  relação à sociedade, e que, possam estar
  ligados direta ou indiretamente com uma
  organização.
Professora: Germana Eiriz / 3O


    1. Comunicação Externa (continuação)
Público Externo (exemplos):

   Acionistas da organização;
   Comunidade em geral (população);
   Concorrentes;
   Clientes / consumidores;
   Entidades em geral: bancos, sindicatos, escolas, ONGs,
    associações de classe;
   Fornecedores;
   Governo e autarquias locais;
   Imprensa (rádios, jornais, televisões etc);
   Revendedores / distribuidores.
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
As organizações devem ter clareza de propósito e
eficiência na mensagem.

A responsabilidade do bom relacionamento com o
público externo cabe a todos os colaboradores da
empresa.

Cada segmento de público externo deve ter o
tratamento adequado. Assim, a comunidade não
poderá ter o mesmo tratamento que tem o consumidor,
por exemplo.
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
Relações com a comunidade:

- a comunidade vai além dos vizinhos de uma
organização, é uma ampla vizinhança e constitui a
localidade no seu todo; não basta produzir bons
produtos e oferecer bons serviços, é preciso associar
o êxito da organização à comunidade, para que ela
não seja apenas um espectador.
É imprescindível que a organização mostre a este
público, o que faz, como faz e quem faz, pois
certamente assim ela superará qualquer distorção na
sua imagem.
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
Relações com o consumidor:

- é o mais complexo dos públicos, pois exigem das
organizações uma padronização de normas de
comunicação e uma relação amistosa com o cliente. O
novo consumidor não aceita explicações em torno das
desconsiderações oferecidos pelas organizações
públicas e privadas; agora, ele é um questionador
exigente, que não somente compra produtos e
serviços, ele é comunidade, cidadão, funcionário,
formador de opinião.
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
Relações com a imprensa:

- são entre as funções de relações públicas, as que
têm por finalidade adquirir e manter a confiança dos
dirigentes e colaboradores dos diversos órgãos de
divulgação (jornal, revista, rádio e televisão).
Somente através de boas relações com a imprensa, é
que as organizações podem evitar críticas infundadas
ou informações inverídicas que todo jornalista está
sujeito a colher nas fontes de informações.
Professora: Germana Eiriz / 3O


1. Comunicação Externa (continuação)
Relações com os poderes públicos:

- a democratização levou o país a buscar a
descentralização de decisões para aproximá-las ao
cidadão. É este o ponto focal das relações com os
poderes públicos. O lobby é uma atividade essencial
nos regimes democráticos, mas precisa ser feito de
maneira clara e de forma identificável.
Professora: Germana Eiriz / 3O


   1. Comunicação Externa (continuação)

Ferramentas de Comunicação Externa

Comunicação Institucional:

- está relacionada com a imagem pública da organização e
tem como objetivo garantir a influência da organização na
sociedade na qual está inserida. É diretamente relacionada
com a missão, os valores e a visão da organização. Entre
as ferramentas que garantem a comunicação institucional
estão assessoria de imprensa, as relações públicas, o
marketing social e cultural e a comunicação organizacional.
Professora: Germana Eiriz / 3O


    1. Comunicação Externa (continuação)
Ferramentas de Comunicação Externa (continuação)

Assessoria de imprensa:

- divulga as ações da empresa através de press- releases,
coordenação de entrevistas, organização de eventos, entre
outros. Além disso, juntamente com o departamento de
marketing, é responsável pela construção da imagem
institucional perante o seu público externo.
Professora: Germana Eiriz / 3O


    1. Comunicação Externa (continuação)
Ferramentas de Comunicação Externa (continuação)

Comunicação organizacional:

- envolve todas as ações relacionadas com a divulgação dos
produtos e está diretamente ligada ao setor de marketing;
tem como objetivo principal aumentar as vendas e
consequentemente o lucro da empresa. Entre as suas
principais atividades estão o serviço de atendimento ao
cliente, pesquisas de mercado e produtos, promoção de
vendas e propagandas.
Professora: Germana Eiriz / 3O


    1. Comunicação Externa (continuação)
Ferramentas de Comunicação Externa (continuação)

Relações Públicas:

- tem como objetivo, juntamente com as outras áreas que
formam a comunicação institucional, construir e preservar a
imagem da organização perante todo o seu público de
interesse. É responsável pelas pesquisas de mercado e pelo
planeamento estratégico de comunicação na organização.
Professora: Germana Eiriz / 3O


    1. Comunicação Externa (continuação)
Ferramentas de Comunicação Externa (continuação)

Jornalismo organizacional:

- são ações relacionadas com o jornalismo aplicadas na
comunicação organizacional. Isso envolve desde o
relacionamento com a media, até à elaboração de veículos
voltados para a comunicação tanto com o público interno
quanto externo.
1. Comunicação Externa (continuação)    Professora: Germana Eiriz / 3O



Ferramentas de Comunicação Externa (continuação)

Marketing Social e Cultural:

- estão relacionados com o envolvimento da organização
  com questões sociais e culturais na sociedade na qual está
  incorporada. Pode ser apoio a causas ou campanhas
  sociais contra o cancro na mama, o uso de drogas, a
  mortalidade infantil, entre outros. No âmbito cultural, essas
  práticas podem envolver o apoio ou patrocínio ao desporto,
  literatura ou ciência.

http://missaosorriso.continente.pt/

http://sic.sapo.pt/online/sites%20sic/sic%20esperanca
1.1 Contacto pessoal.
As Relações Interpessoais.

    A   comunicação      humana      compreende       variadas
     formas, através das quais os homens transmitem e
     recebem ideias, impressões e imagens de toda
     ordem.
    Comunicação vem da palavras latina “communicare”
     que significa “pôr em comum”.


        Comunicação é convivência, baseada no consentimento
                     espontâneo dos indivíduos.
Veículos ou Transmissores



                   Mensagem
 Fonte ou                                       Receptores
 emissor                            Expressão   ou ouvintes
             Voz     Vocabulário
                                     corporal




                       Retorno ou
                       Feed-back




http://www.youtube.com/watch?v=_C3AmzKpJbQ
Feedback
O   feedback      no comportamento humano e nas relações
interpessoais,    é      importante     para   o   controlo    e
desenvolvimento pessoal e relacional. Para tornar-se um
processo realmente útil, precisa ser, tanto quanto possível:
 Dirigido e oportuno.
 Específico ao contrário de geral.
 Solicitado ao contrário de imposto.
 Esclarecido para assegurar comunicação precisa.
 Compatível com as necessidades (motivação) de ambos,
 comunicador e recetor.
Comunicação segundo a quantidade
de pessoas envolvidas no processo

    1. Comunicação                       2. Comunicação
      Interpessoal                         Intrapessoal




    3. Comunicação                       4. Comunicação
       Intragrupal                          Intergrupal




                     5. Comunicação de
                           massa
Relações Interpessoais
               “Em situações de trabalho,
               compartilhadas por duas ou mais
               pessoas, há atividades
               predeterminadas a serem
               executadas, bem como interações e
               sentimentos recomendados, tais
               como: comunicação, cooperação,
               respeito, amizade.”
                                            Fela Moscovici
Quais os elementos que
                                       compõem na
                                  comunicação e a relação
    Os principais elementos são o     interpessoal ?

       VERBAL E NÃO-
            VERBAL




http://www.youtube.com/watch?v=1ow1oDkhkjo
Comunicação Não-Verbal

 Esse canal corresponde às nossas atitudes e sentimentos
 para com os outros. Os signos não-verbais importantes são:


 1. Linguagem do corpo;
 2. Paralinguagens;
 3. Vestuário.
1.        Linguagem do corpo
     Há cinco elementos importantes na
     linguagem corporal, a saber:


     a)    Gestos;
     b)    Toque;
     c)    Expressão;
     d)    Proxêmica.
     e)    Postura do corpo;
2. Paralinguagens
                    Descreve os signos não-verbais

  Haaaaa;           que acompanham a fala. Há
  Éeeeeee
            Hummm
                    reações e emoções muitas vezes

                    imediatas à mensagem do outro. E

                    ela pode sugerir o estado

                    emocional e ou sua alteração

                    neurológica.
3. Vestuário
                Engenheiro
Este signo revela a personalidade, situação,
 status e trabalho das pessoas de certos
 grupos.                   Arquiteto


Como parte do dia-dia é fundamental na
    Professor
 comunicação; o vestuário está presente
 visualmente em todas as pessoas e sociedades.
    Médico

                      Árbitro



                                Advogado
É ideal para descrever ideias, opiniões e argumentos
 que chamamos de abstratas.

A fala é um código de signos regulados por convenções,
 como a sintaxe e a gramática. A fala utiliza idiomas e
 coloquialismos que fazem parte de uma cultura.
Estabelecendo o contacto
Auto – Apresentação
A forma como nos apresentamos para os outros dependerá
  da situação comunicativa.


Estratégias

É uma pequena peça do meio da comunicação, que diz
  respeito ao comportamento ou à interação. Utilizamos
  variadas estratégias a todo momento, mesmo quando não
  percebemos. Algumas podem constituir um hábito e quando
  utilizadas repetidas vezes, tornam-se em rituais.
Estratégias Importantes

  Redundância                       Feedback
  Uso   de     repetição    para
                                    O feedback   pode ser
   enfatizar               ideias
                                     enviado pelos canais
   importantes.
                                     não-verbal e verbal
  Perguntas                          e as respostas são
  As    perguntas      servem        ajustadas             ao
    para certificar o envio          contacto e ao estilo
    da mensagem.                     da comunicação do
                                     emissor e receptor.
Estratégias Importantes (continuação)

    1.  Eliminar a Linguagem Negativa:                  Esta
        linguagem focaliza o que não pode ser feito.
    EX: não posso; não vou; não sou capaz; esqueci de;
        falhei; ignorei; reclamei de; precisei de; tive que;
        deveria; sempre; nunca.

    2.  Substituir a linguagem negativa pela positiva:
        O objetivo é salientar o que pode ser feito,
        alternativas e escolhas.
    EX: se...então; sugestão; ponto de vista; perspetivas;
        opção;     bem-vindo;     concordo;     benefício;
        excelente.
Barreiras na Comunicação
Barreiras à comunicação

  Observa-se entre as pessoas no processo de
  comunicação.

 As   barreiras    são    obstruções,       muitas   vezes
  desencadeadas          pelas     ideias    ou   valores,
  interferências         físicas      ou        limitações
  decorrentes      dos      símbolos        utilizados   na
  comunicação.
Tipos de Barreiras

         Barreira
                                 Barreira
         Física ou
                                Semântica
         Mecânica




                     Barreira
                     Humana
Barreira humana                          Barreira física                     Barreira semântica

Limitações pessoais.                  Espaço físico.                          Interpretação de
                                                                              palavras.
Hábitos de ouvir.                     Distância.
                                                                              Tradução da linguagem.
Emoções.                              Interferência física.
                                                                              Significado de sinais.
Preocupações.                         Falhas mecânicas.
                                                                              Significado de símbolos.
Sentimentos pessoais.                 Ruídos ambientais.
                                                                              Decodificação de gestos.
Motivações.                           Ocorrências locais.
                                                                              Sentido das lembranças.




    Adapatado de CHIAVENATO, Idalberto. Administração e recursos humanos: fundamentos básicos. 2003, p.115.
Barreiras
                                                                           Mensagem
                                          Humanas
                                                                           filtrada




FONTE                                      Barreiras                                    DESTINO
                                            Físicas           Mensagem
                                                              bloqueada


                                          Barreiras
                                         Semânticas                         Mensagem
                                                                            incorreta


Adapatado de CHIAVENATO, Idalberto. Administração e recursos humanos: fundamentos básicos. 2003, p.116.
Barreiras Verbais

        Uso inadequado da língua portuguesa.

        Certos nomes insultuosos embora ditos em tom
         amistoso. Exemplos: boa vida, tubarão, vigarista,
         vagabundo.

        Uso de palavras sérias embora ditas em tom jocoso.
         Exemplos: chefinho, senhor, mestre, meu guia.
Barreiras Não - Verbais

       Proximidade     excessiva       do   interlocutor,    deixando-o
        desconfortável: geralmente mantemos uma distância ao redor
        de um metro, quando falamos com as pessoas.

       Toques e empurrões constantes nos outros, o que faz com
        que o interlocutor se afaste.

       Corpo com desvio de postura.

       Mexer constantemente nas roupas e acessórios.

       Não olhar para o interlocutor ou ter um olhar vago.
Comportamento comunicativo eficiente na relação
interpessoal

 1.   Utilizar estratégias eficazes;
 2.   Estabelecer empatia;
 3.   Apresentarmo-nos de forma clara;
 4.   Perceber a nós mesmos e aos outros;
 5.   Responder positivamente ao feedback
      recebido;
 6.   Mostrar a nossa aprovação aos outros;
 7.   Ser capaz de ouvir efetivamente os
      outros.
1.2. Publicações                        Professora: Germana Eiriz / 3O




• Propõem-se a combater o desconhecimento a respeito da
  organização e a promover a integração dos seus
  públicos, ao mesmo tempo que pretende projetar a
  organização, para internamente assegurar uma boa
  produtividade e externamente aumentar as suas vendas
  e, consequentemente, os seus lucros.
   • Internamente: fortalecem o espirito de solidariedade e
      promovem ideias;
   • Externamente: projetam uma boa imagem da
      organização, mostrando-se, mostrando os seus
      produtos/serviços, a sua qualidade, a sua técnica.
   • Globalmente: contribuem para a conquista do seu
      maior objetivo: lucro.
1.2. Publicações                      Professora: Germana Eiriz / 3O


Características:
• Canal de comunicação instrumental
   • Objetivam     projetar    uma    imagem     e  obter
     comportamentos favoráveis à organização.
• Canal de comunicação unilateral
   • Não permitem um fluxo recíproco e constante entre a
     organização (emissor) e o público (recetor)
• Canal de comunicação descendente
   • Espelha unicamente a informação oficial da
     organização
• Canal de comunicação formal
   • Porta voz oficial da organização
• Canal de comunicação coletivo
   • Destina-se ao grande público, heterogéneo e anónimo
1.2. Publicações                                   Professora: Germana Eiriz / 3O




• Relatórios - são utilizados para o acompanhamento de alguns
  processos organizacionais, tendo uma certa periodicidade para sua
  elaboração, sendo necessária a avaliação de seus dados. Segundo
  Rego (1986, p. 141), eles são elaborados para um público
  especializado.

• Circulares – Tem um formato e tamanho menor que os relatórios, e de
  acordo com Rego (1986, p. 141) "geralmente apresentam mais de uma
  cor; resultados de pesquisas e relatórios", ou seja, as circulares são
  utilizadas para comunicar resultados de pesquisas, relatórios, ações
  que devem ser acompanhadas por seus respetivos responsáveis, e
  geralmente ganham grande credibilidade dentro de uma organização se
  utilizadas de forma correta. Isto significa, com informações pertinentes e
  periodicidade definida.
1.2. Publicações                                  Professora: Germana Eiriz / 3O




• Boletins – é um veículo da área jornalística. Rego (1986, p. 141)
  explica que ele "possui poucas páginas; linguagem média, embora
  possa atingir níveis baixos; texto que pode equilibrar-se com fotos,
  logotipo definido; geralmente impresso em uma só cor" . Os boletins
  podem conter matérias de interesse do público externo, dependendo
  do objetivo estabelecido para o mesmo.

• Folhas soltas – é composta por uma página. Rego (1986, p. 141)
  entende que a folha solta "presta-se a veiculação de avisos e fatos de
  primeira mão; de utilização imediata; matérias curtas, objetivas, alto
  conteúdo". Elas devem ser utilizadas para informação imediata e ter
  um perfil único, fácil de ser identificado, quer seja por seu logotipo ou
  por seu formato.
1.2. Publicações                                Professora: Germana Eiriz / 3O




Folders – é desdobrável e possui tamanho pequeno. Os folders são
utilizados para divulgação de serviços e podem ser elaborados para os
colaboradores, clientes e fornecedores da empresa.

Jornais - pode ter como foco principal tanto o público interno, quanto o
externo dependendo de seu objetivo. Deve abranger matérias
relacionadas a diferentes temas como:
• matérias institucionais que são as normas, regulamentos, avisos,
   produtos / serviços, desenvolvimento de alguma atividade interna,
   orientações sobre a utilização de determinado tipo de manual, etc;
• de motivação apresentando estudos sobre um determinado tema
   recorrente no momento, como concursos, divulgação de prémios entre
   outros;
• (…)
1.2. Publicações                                  Professora: Germana Eiriz / 3O




• (…)
• educativas sobre conhecimentos gerais como história, geografia,
  turismo etc;
• de interesse feminino;
• de entretenimento entre outras.

Deve ter periodicidade definida, fotos e textos distintos para que desperte
interesse em diversos públicos.
1.3. Meios de comunicação de
massas                                  Professora: Germana Eiriz / 3O



https://www.youtube.com/watch?v=LdAixs1TFRg
Modelo de comunicação de Lasswell
Lasswell propõe que a descrição “adequada” de um ato
comunicacional pressupõe respostas às seguintes questões:


a) Quem
b) Diz o quê
c) Através de que canal
d) Com que efeito
1.3. Meios de comunicação de Professora: Germana Eiriz / 3O


massas


Modelo de comunicação
de Lasswell


http://www.youtube.com/wat
ch?v=bibckHFG1Rw
TELEVISÃO                                          Professora: Germana Eiriz / 3O



Vantagens
- Meio audiovisual de grande impacto;
- Possibilita os mais elevados níveis de qualidade e de penetração em
todos os segmentos da população;
- Possibilita uma cobertura nacional e tem capacidade de obter
resultados rápidos, em termos de cobertura e impacto;
- Tem um custo por contacto muito baixo devido à sua eficácia;
- É um excelente veículo para a demonstração do produto.

Desvantagens
- Orçamentos elevados para alcançar um mínimo impacto;
- Dificuldade em alcançar um target muito específico;
- Saturação publicitária do meio e as características técnicas obrigam a
um planeamento a longo prazo;
- O tempo de vida de um spot televisivo é normalmente curto;
- Impossibilidade de regionalização.
IMPRENSA                                       Professora: Germana Eiriz / 3O




Vantagens
- Maior tempo de exposição da comunicação com o alvo;
- Possibilidade de um contacto direto com o público de forma dinâmica;
- Grande flexibilidade (regionalização, possibilidade de segmentação,
variedade de formatos e localizações);
- Possibilidade de uma boa reprodução a cores;
- Não exige elevados orçamentos para um mínimo impacto.

Desvantagens
- Baixos índices de cobertura, sobretudo em alguns segmentos da
população;
- Fidelidade da audiência de cada suporte deste meio obriga a uma
maior diversificação de meios para garantir um mínimo de cobertura;
- Saturação publicitária nos principais suportes e condicionamentos de
ordem técnica obrigam a um planeamento a longo prazo.
RÁDIO                                         Professora: Germana Eiriz / 3O




Vantagens
- Possibilita a obtenção de elevados índices de repetição;
- Custo por contacto baixo;
- Excelente meio no que diz respeito ao diálogo direto com o público;
- Elevada capacidade de exploração musical, tornando-o um
instrumento fundamental na veiculação de um jingle;
- Custo de produção muito baixos e timings de produção muito curtos.

Desvantagens
- Níveis de cobertura muito baixos;
- Fraca identificação / demonstração do produto;
- Rápido esgotamento da comunicação utilizada devido aos elevados
níveis de repetição.
Relacionamento com os media
                                     Professora: Germana Eiriz / 3O




Comunicados de
Imprensa
O comunicado de imprensa ou
press release é uma ferramenta
privilegiada, muito utilizada pelo
assessor para anunciar um
novo produto, uma decisão
importante, o lançamento de
uma campanha, etc

Deve ser redigido sob a forma
de uma notícia, para facilitar a
tarefa ao
jornalista que por norma está
sobrecarregado de trabalho.
Relacionamento com os media
                             Professora: Germana Eiriz / 3O




Conferências de
Imprensa

Quando o assunto que se
pretende comunicar é de
relevância inquestionável
ou suscetível de provocar
questões por parte dos
jornalistas, nestes casos,
pode-se convocar uma
conferência de imprensa
em vez de se enviar
apenas o press release.
Relacionamento com os media
                                 Professora: Germana Eiriz / 3O




Dossiês de Imprensa
É um auxiliar precioso para
qualquer jornalista que se
desloque à conferência, onde
são focados todos os aspetos
da exposição.

Este dossier só deve ser
entregue no fim da conferência
para evitar que os jornalistas
na posse do mesmo resolvam
ausentar-se de imediato.
Relacionamento com os media
                                           Professora: Germana Eiriz / 3O



Clipping

O termo "clipping" é originário do verbo
inglês to clip, que significa "cortar,
reduzir", e pode ter dois significados.

- O primeiro indica tratar-se de um
resumo      das     principais notícias
veiculadas na imprensa sobre tema,
assunto específico, pessoa física ou
jurídica (empresa) indicados por quem
contrata o serviço;

- O segundo designa a própria atividade.
Professora: Germana Eiriz / 3O

1.4. Os novos Media.

http://www.youtube.com/watc
h?v=mv4I7FwQ83g&feature
=related

http://www.webartigos.com/a
rtigos/as-ferramentas-de-
comunicacao-externa-a-
disposicao-das-empresas-
na-internet/20627/
Professora: Germana Eiriz / 3O


1.5. Realização de
eventos
Noção Eventos
“ Acontecimento planeado que ocorre num dado tempo e lugar que
visa promover a relação organização anfitriã e público de interesse,
com vista ao alcance de determinados objetivos”
                                                        (Ana Santiago)
“Momento único no tempo celebrado através de uma cerimónia e
ritual com vista a satisfazer necessidades específicas”
                                                          (J. Goldblatt)
“ Acontecimento único ou pouco frequente que ocorre fora de um
programa normal de atividades de patrocínios”
                                                         (Donald Getz)
“ Para o cliente ou convidado, o evento é uma oportunidade para
usufruir de uma experiência de lazer, cultural, social fora do ciclo
normal da vida diária”
                                                               (Donald Getz)

                                                                Professora: Germana Eiriz /
                                                                1O
Objetivos dos Eventos

a) PARA O PARTICIPANTE
   • É uma experiência única
   • Proporciona momentos de felicidade, alegria, convívio, descontração
   • Desperta interesse e causa impacto

b) PARA O GESTOR DE EVENTOS
   • Tem lugar num curto espaço de tempo
   • Requer um planeamento cuidado
   • Apresenta um elevado grau de risco
   • Deve ser recordado como algo positivo
   • Causa impacto e desperta interesse
   • Permite o contacto com fornecedores/serviços
   • Materializa sonhos

                                                                       Professora: Germana Eiriz /
                                                                       1O
Objetivos dos Eventos (continuação)

c) PARA O PATROCINADOR
  • Atinge o público-alvo

  • Divulga a marca/empresa/produto

  • Potencia vendas

  • Conquista novos mercados

d) PARA OS MEDIA
  • Desperta interesse

  • Causa impacto

  • Procura uma novidade/diferença

  • É uma notícia


                                      Professora: Germana Eiriz /
                                      1O
Objetivos genéricos dos eventos.
                                      CONVIVER
APRESENTAR
                      FIDELIZAR
                                     INAUGURAR
PROMOVER
                      FESTEJAR
                                      ENVOLVER
PARTILHAR
                    AGRADECER
                                   EXPERIMENTAR
DIVULGAR

                                        Professora: Germana Eiriz /
                                        1O
Parceiros de Eventos

  • Organização anfitriã

  • Comunidade local

  • Fornecedores

  • Patrocinadores

  • Media

  • Equipa do evento

  • Participantes e espetadores

                                  Professora: Germana Eiriz /
                                  1O
Classificação dos eventos:

         Periodicidade                 Dimensão
Esporádicos                  Pequeno (até 200 pax)
Periódicos                   Médio (200-600 pax)
De oportunidade              Grande (+ 600 pax)
                             Mega (milhares)
         Abrangência                Natureza/Finalidade
Locais                       Culturais
Regionais                    Comerciais
Nacionais                    Institucionais
Internacionais/Mundiais      Desportivos/de Competição
                             Científicos/Educação
                             Entretenimento/Lazer
                             Políticos/De Estado
                             Sociais/Particulares
                                                  Professora: Germana Eiriz /
                                                  1O
Classificação dos eventos (continuação):


         Zona de Acção               Público-Alvo
Internos à instituição      Corporativos
Externos à instituição      Clientes
                            Fornecedores
                            Crianças
                            Jovens
                            Famílias
                            Seniores
                            Mulheres/Homens




                                                Professora: Germana Eiriz /
                                                1O
Tipos de Eventos

       ENCONTROS TÉCNICOS OU CIENTÍFICOS
Conferência             Meeting
Congresso               Mesa Redonda
Convenção               Painel
Debate                  Palestra ou Colóquio
Follow up               Seminário
Forum                   Simpósio
Jornada                 Workshop




                                               Professora: Germana Eiriz /
                                               1O
Tipos de Eventos (continuação)

               EVENTOS DESPORTIVOS

                      Campeonato
                       Encontro
                        Festival
                        Gincana
                      Olimpíadas
                        Torneio




                                     Professora: Germana Eiriz /
                                     1O
Tipos de Eventos (continuação).
         EVENTOS COMERCIAIS E INSTITUCIONAIS


Exposição                  Concurso
Feira                      Lançamento da 1ª pedra
Lançamento de livro        Inauguração de instalações
Mostra                     Inauguração de estátuas,
Salão                      bustos, retratos
Programa de visitas        Tomada de posse




                                                Professora: Germana Eiriz /
                                                1O

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comunicação Integrada
Comunicação IntegradaComunicação Integrada
Comunicação Integrada
Claudio Toldo
 
Planejamento de comunicacao
Planejamento de comunicacaoPlanejamento de comunicacao
Planejamento de comunicacao
Bruno Mastrocolla
 
Apresentação Comunicação
Apresentação ComunicaçãoApresentação Comunicação
Apresentação Comunicação
Patrícia Ervilha
 
Manual Comunicacao Institucional
Manual Comunicacao InstitucionalManual Comunicacao Institucional
Manual Comunicacao Institucional
Paula Rachado
 
Objectivos e Funções da Publicidade
Objectivos e Funções da PublicidadeObjectivos e Funções da Publicidade
Objectivos e Funções da Publicidade
Jorge Remondes
 
Planejamento Estratégico de Comunicação - Aula 03
Planejamento Estratégico de Comunicação - Aula 03Planejamento Estratégico de Comunicação - Aula 03
Planejamento Estratégico de Comunicação - Aula 03
Davi Rocha
 
Comunicação Empresarial
Comunicação EmpresarialComunicação Empresarial
Comunicação Empresarial
Thais Oliveira
 
Comunicação Interna
Comunicação InternaComunicação Interna
Comunicação Interna
TEMA1
 
Plano de Comunicação
Plano de Comunicação Plano de Comunicação
Plano de Comunicação
Karina Rocha
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação nas organizações
Comunicação nas organizaçõesComunicação nas organizações
Comunicação nas organizações
Paula Miranda
 
Comunicação Institucional
Comunicação InstitucionalComunicação Institucional
Comunicação Institucional
Claudio Toldo
 
Apresentação do Plano de Comunicação
Apresentação do Plano de ComunicaçãoApresentação do Plano de Comunicação
Apresentação do Plano de Comunicação
Cleonaldo
 
Comunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De ComunicaçãoComunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De Comunicação
Adm Pub
 
Processos de Comunicação
Processos de ComunicaçãoProcessos de Comunicação
Processos de Comunicação
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Comunicação interpessoal
Comunicação interpessoalComunicação interpessoal
Comunicação interpessoal
Patricia Silva
 
Aula 1 introdução comunicação
Aula 1 introdução comunicaçãoAula 1 introdução comunicação
Aula 1 introdução comunicação
Tassiany Pereira
 
Os modelos de comunicacao
Os modelos de comunicacaoOs modelos de comunicacao
Os modelos de comunicacao
LeYa
 
Comunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertivaComunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertiva
Gabi1994Dinis
 
Comunicacao interpessoal (1)
Comunicacao interpessoal (1)Comunicacao interpessoal (1)
Comunicacao interpessoal (1)
damaceno87
 

Mais procurados (20)

Comunicação Integrada
Comunicação IntegradaComunicação Integrada
Comunicação Integrada
 
Planejamento de comunicacao
Planejamento de comunicacaoPlanejamento de comunicacao
Planejamento de comunicacao
 
Apresentação Comunicação
Apresentação ComunicaçãoApresentação Comunicação
Apresentação Comunicação
 
Manual Comunicacao Institucional
Manual Comunicacao InstitucionalManual Comunicacao Institucional
Manual Comunicacao Institucional
 
Objectivos e Funções da Publicidade
Objectivos e Funções da PublicidadeObjectivos e Funções da Publicidade
Objectivos e Funções da Publicidade
 
Planejamento Estratégico de Comunicação - Aula 03
Planejamento Estratégico de Comunicação - Aula 03Planejamento Estratégico de Comunicação - Aula 03
Planejamento Estratégico de Comunicação - Aula 03
 
Comunicação Empresarial
Comunicação EmpresarialComunicação Empresarial
Comunicação Empresarial
 
Comunicação Interna
Comunicação InternaComunicação Interna
Comunicação Interna
 
Plano de Comunicação
Plano de Comunicação Plano de Comunicação
Plano de Comunicação
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Comunicação nas organizações
Comunicação nas organizaçõesComunicação nas organizações
Comunicação nas organizações
 
Comunicação Institucional
Comunicação InstitucionalComunicação Institucional
Comunicação Institucional
 
Apresentação do Plano de Comunicação
Apresentação do Plano de ComunicaçãoApresentação do Plano de Comunicação
Apresentação do Plano de Comunicação
 
Comunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De ComunicaçãoComunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De Comunicação
 
Processos de Comunicação
Processos de ComunicaçãoProcessos de Comunicação
Processos de Comunicação
 
Comunicação interpessoal
Comunicação interpessoalComunicação interpessoal
Comunicação interpessoal
 
Aula 1 introdução comunicação
Aula 1 introdução comunicaçãoAula 1 introdução comunicação
Aula 1 introdução comunicação
 
Os modelos de comunicacao
Os modelos de comunicacaoOs modelos de comunicacao
Os modelos de comunicacao
 
Comunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertivaComunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertiva
 
Comunicacao interpessoal (1)
Comunicacao interpessoal (1)Comunicacao interpessoal (1)
Comunicacao interpessoal (1)
 

Destaque

Relações Públicas Internas da Empresa
Relações Públicas Internas da EmpresaRelações Públicas Internas da Empresa
Relações Públicas Internas da Empresa
lacerdadacosta
 
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo IIIFundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
Wilian Fabricio Pereira
 
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
MetsoBrasil
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Leandro A. Machado de Moura
 
Manual de marketing mix
Manual de marketing mixManual de marketing mix
Manual de marketing mix
NorbertoGuilherme
 
5 técnicas de abordagens de vendas externas
5 técnicas de abordagens de vendas externas 5 técnicas de abordagens de vendas externas
5 técnicas de abordagens de vendas externas
Agendor
 

Destaque (6)

Relações Públicas Internas da Empresa
Relações Públicas Internas da EmpresaRelações Públicas Internas da Empresa
Relações Públicas Internas da Empresa
 
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo IIIFundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
 
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
 
Manual de marketing mix
Manual de marketing mixManual de marketing mix
Manual de marketing mix
 
5 técnicas de abordagens de vendas externas
5 técnicas de abordagens de vendas externas 5 técnicas de abordagens de vendas externas
5 técnicas de abordagens de vendas externas
 

Semelhante a Instrumentos de Comunicação Externa

Introdução-------------------comunicação Institucional.docx
Introdução-------------------comunicação Institucional.docxIntrodução-------------------comunicação Institucional.docx
Introdução-------------------comunicação Institucional.docx
DolinickAvontade
 
Fundamentos de relações públicas
Fundamentos de relações públicasFundamentos de relações públicas
Fundamentos de relações públicas
Paulo Marquêz
 
O que é Relações Públicas?
O que é Relações Públicas?O que é Relações Públicas?
O que é Relações Públicas?
brunaschorn
 
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucionalA comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
Margareth Michel
 
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucionalA comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
Margareth Michel
 
Aula 02 cim comunicação institucional
Aula 02 cim comunicação institucionalAula 02 cim comunicação institucional
Aula 02 cim comunicação institucional
Elizeu Nascimento Silva
 
Guia de comunicacao_para_o_terceiro_setor
Guia de comunicacao_para_o_terceiro_setorGuia de comunicacao_para_o_terceiro_setor
Guia de comunicacao_para_o_terceiro_setor
Charles Monteiro de Oliveira
 
Relações públicas
Relações públicasRelações públicas
Relações públicas
francisco
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
Comunidados
 
Trabalho de teorias das relaes pblicas (2)
Trabalho de teorias das relaes pblicas (2)Trabalho de teorias das relaes pblicas (2)
Trabalho de teorias das relaes pblicas (2)
andreiafcarvalho
 
Públicos e pesquisa em Relações Públicas
Públicos e pesquisa em Relações PúblicasPúblicos e pesquisa em Relações Públicas
Públicos e pesquisa em Relações Públicas
Paulo Marquêz
 
Gestão do Público Interno: A Geração Y Atuando nas Organizações
Gestão do Público Interno: A Geração Y Atuando nas OrganizaçõesGestão do Público Interno: A Geração Y Atuando nas Organizações
Gestão do Público Interno: A Geração Y Atuando nas Organizações
Samantha Machado
 
A importância da comunicação integrada externa e interna para o sucesso da ...
A importância da comunicação integrada   externa e interna para o sucesso da ...A importância da comunicação integrada   externa e interna para o sucesso da ...
A importância da comunicação integrada externa e interna para o sucesso da ...
Luiz Carlos de Almeida
 
A ciência das relações públicas
A ciência das relações públicasA ciência das relações públicas
A ciência das relações públicas
Dragodragons
 
Apresentação James Grunig - Evento FAPCOM 06/08
Apresentação James Grunig - Evento FAPCOM 06/08Apresentação James Grunig - Evento FAPCOM 06/08
Apresentação James Grunig - Evento FAPCOM 06/08
Difusão Editora
 
Media training Marisa Rosa
 Media training Marisa Rosa Media training Marisa Rosa
Media training Marisa Rosa
Margareth Michel
 
Plano de Comunicação Organizacional Integrada - Relatório Final
Plano de Comunicação Organizacional Integrada - Relatório FinalPlano de Comunicação Organizacional Integrada - Relatório Final
Plano de Comunicação Organizacional Integrada - Relatório Final
Laura Matos
 
Comunicação pública.zezé
Comunicação pública.zezéComunicação pública.zezé
Os 4 Rs das Relações Publicas: Reputação
Os 4 Rs das Relações Publicas: ReputaçãoOs 4 Rs das Relações Publicas: Reputação
Os 4 Rs das Relações Publicas: Reputação
marcondes2013-1
 
Profº Uilson - 3ª Aula - Planejamento Comunicação Integrada
Profº Uilson - 3ª Aula - Planejamento Comunicação IntegradaProfº Uilson - 3ª Aula - Planejamento Comunicação Integrada
Profº Uilson - 3ª Aula - Planejamento Comunicação Integrada
Rubens Fructuoso
 

Semelhante a Instrumentos de Comunicação Externa (20)

Introdução-------------------comunicação Institucional.docx
Introdução-------------------comunicação Institucional.docxIntrodução-------------------comunicação Institucional.docx
Introdução-------------------comunicação Institucional.docx
 
Fundamentos de relações públicas
Fundamentos de relações públicasFundamentos de relações públicas
Fundamentos de relações públicas
 
O que é Relações Públicas?
O que é Relações Públicas?O que é Relações Públicas?
O que é Relações Públicas?
 
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucionalA comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
 
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucionalA comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
A comunicação organizacional o jornalismo empresarial e a memória institucional
 
Aula 02 cim comunicação institucional
Aula 02 cim comunicação institucionalAula 02 cim comunicação institucional
Aula 02 cim comunicação institucional
 
Guia de comunicacao_para_o_terceiro_setor
Guia de comunicacao_para_o_terceiro_setorGuia de comunicacao_para_o_terceiro_setor
Guia de comunicacao_para_o_terceiro_setor
 
Relações públicas
Relações públicasRelações públicas
Relações públicas
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
Trabalho de teorias das relaes pblicas (2)
Trabalho de teorias das relaes pblicas (2)Trabalho de teorias das relaes pblicas (2)
Trabalho de teorias das relaes pblicas (2)
 
Públicos e pesquisa em Relações Públicas
Públicos e pesquisa em Relações PúblicasPúblicos e pesquisa em Relações Públicas
Públicos e pesquisa em Relações Públicas
 
Gestão do Público Interno: A Geração Y Atuando nas Organizações
Gestão do Público Interno: A Geração Y Atuando nas OrganizaçõesGestão do Público Interno: A Geração Y Atuando nas Organizações
Gestão do Público Interno: A Geração Y Atuando nas Organizações
 
A importância da comunicação integrada externa e interna para o sucesso da ...
A importância da comunicação integrada   externa e interna para o sucesso da ...A importância da comunicação integrada   externa e interna para o sucesso da ...
A importância da comunicação integrada externa e interna para o sucesso da ...
 
A ciência das relações públicas
A ciência das relações públicasA ciência das relações públicas
A ciência das relações públicas
 
Apresentação James Grunig - Evento FAPCOM 06/08
Apresentação James Grunig - Evento FAPCOM 06/08Apresentação James Grunig - Evento FAPCOM 06/08
Apresentação James Grunig - Evento FAPCOM 06/08
 
Media training Marisa Rosa
 Media training Marisa Rosa Media training Marisa Rosa
Media training Marisa Rosa
 
Plano de Comunicação Organizacional Integrada - Relatório Final
Plano de Comunicação Organizacional Integrada - Relatório FinalPlano de Comunicação Organizacional Integrada - Relatório Final
Plano de Comunicação Organizacional Integrada - Relatório Final
 
Comunicação pública.zezé
Comunicação pública.zezéComunicação pública.zezé
Comunicação pública.zezé
 
Os 4 Rs das Relações Publicas: Reputação
Os 4 Rs das Relações Publicas: ReputaçãoOs 4 Rs das Relações Publicas: Reputação
Os 4 Rs das Relações Publicas: Reputação
 
Profº Uilson - 3ª Aula - Planejamento Comunicação Integrada
Profº Uilson - 3ª Aula - Planejamento Comunicação IntegradaProfº Uilson - 3ª Aula - Planejamento Comunicação Integrada
Profº Uilson - 3ª Aula - Planejamento Comunicação Integrada
 

Mais de Germana Eiriz

Water from PNPG to our homes
Water   from PNPG to our homesWater   from PNPG to our homes
Water from PNPG to our homes
Germana Eiriz
 
8th International Student Camp - French Pupils Report
8th International Student Camp - French Pupils Report8th International Student Camp - French Pupils Report
8th International Student Camp - French Pupils Report
Germana Eiriz
 
8th International Student Camp - Turkish Pupils Report
8th International Student Camp - Turkish Pupils Report8th International Student Camp - Turkish Pupils Report
8th International Student Camp - Turkish Pupils Report
Germana Eiriz
 
Peneda Gerês National Park - I
Peneda Gerês National Park - IPeneda Gerês National Park - I
Peneda Gerês National Park - I
Germana Eiriz
 
Peneda Gerês National Park - II
Peneda Gerês National Park - IIPeneda Gerês National Park - II
Peneda Gerês National Park - II
Germana Eiriz
 
Apresentação PNPG (Georgina)
Apresentação PNPG (Georgina)Apresentação PNPG (Georgina)
Apresentação PNPG (Georgina)
Germana Eiriz
 
Apresentação PNPG (Margarida)
Apresentação PNPG (Margarida)Apresentação PNPG (Margarida)
Apresentação PNPG (Margarida)
Germana Eiriz
 

Mais de Germana Eiriz (7)

Water from PNPG to our homes
Water   from PNPG to our homesWater   from PNPG to our homes
Water from PNPG to our homes
 
8th International Student Camp - French Pupils Report
8th International Student Camp - French Pupils Report8th International Student Camp - French Pupils Report
8th International Student Camp - French Pupils Report
 
8th International Student Camp - Turkish Pupils Report
8th International Student Camp - Turkish Pupils Report8th International Student Camp - Turkish Pupils Report
8th International Student Camp - Turkish Pupils Report
 
Peneda Gerês National Park - I
Peneda Gerês National Park - IPeneda Gerês National Park - I
Peneda Gerês National Park - I
 
Peneda Gerês National Park - II
Peneda Gerês National Park - IIPeneda Gerês National Park - II
Peneda Gerês National Park - II
 
Apresentação PNPG (Georgina)
Apresentação PNPG (Georgina)Apresentação PNPG (Georgina)
Apresentação PNPG (Georgina)
 
Apresentação PNPG (Margarida)
Apresentação PNPG (Margarida)Apresentação PNPG (Margarida)
Apresentação PNPG (Margarida)
 

Último

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Instrumentos de Comunicação Externa

  • 1. Professora: Germana Eiriz / 3O (germanaeiriz@hotmail.com) Técnicas e Práticas de Comunicação e Relações Públicas Módulo 7 - Instrumentos de Comunicação Externa (25H / 33TL) Início: 5 de novembro de 2012 Final: 8 de janeiro de 2013
  • 2. Professora: Germana Eiriz / 3O Todas as organizações necessitam de ter um bom ambiente interno, todavia, não faz qualquer sentido a existência de uma organização sem um público externo. Em última instância, os públicos externos são a razão pela qual se criam as organizações. Neste módulo os alunos deverão conhecer quem são estes públicos externos e a forma como as organizações se dirigem a eles. Apresentação
  • 3. Professora: Germana Eiriz / 3O • identificar os diferentes públicos externos; • conhecer as diferentes formas de comunicar com o público externo; • conhecer os diferentes suportes de comunicação externa; • aprofundar a relação entre os RP e os media; • conhecer o funcionamento dos media; • compreender a emergência dos novos media e a sua real importância; • elaborar um comunicado de imprensa; • organizar uma conferência de imprensa; • elaborar um dossier de imprensa; • efetuar um clipping; • realizar um evento. Objetivos de Aprendizagem
  • 4. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa 1.1 Contacto pessoal. • As Relações Interpessoais. 1.2. Publicações. 1.3. Meios de comunicação de massas. • Rádio, Cinema e TV. • Relacionamento com os media ( comunicados, conferências e dossiers de imprensa, clipping). 1.4. Os novos Media. 1.5. Realização de eventos Âmbito dos Conteúdos
  • 5. Professora: Germana Eiriz / 3O Avaliação Sumativa: • Teste de avaliação sumativo: 11 de dezembro • Apresentação oral de trabalho de pares: 7 de janeiro Avaliação Formativa: • Atitudes, valores, comportamento, responsabilidade, assiduidade, participação… Avaliação
  • 6. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa http://gendesignstudio.blogspot.pt/2010_10_01_archive.html
  • 7. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Comunicação externa é a troca de informações entre uma organização e outras organizações, grupos ou indivíduos fora de sua estrutura formal. O objetivo da comunicação externa é facilitar a cooperação e colaboração com as outras partes interessadas e apresentar uma imagem favorável da organização para a sociedade como um todo.
  • 8. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação)
  • 9. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação)
  • 10. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação)
  • 11. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Público Externo (noção): - é conjunto de indivíduos que são segmentados por interesses comuns em relação à sociedade, e que, possam estar ligados direta ou indiretamente com uma organização.
  • 12. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Público Externo (exemplos):  Acionistas da organização;  Comunidade em geral (população);  Concorrentes;  Clientes / consumidores;  Entidades em geral: bancos, sindicatos, escolas, ONGs, associações de classe;  Fornecedores;  Governo e autarquias locais;  Imprensa (rádios, jornais, televisões etc);  Revendedores / distribuidores.
  • 13. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) As organizações devem ter clareza de propósito e eficiência na mensagem. A responsabilidade do bom relacionamento com o público externo cabe a todos os colaboradores da empresa. Cada segmento de público externo deve ter o tratamento adequado. Assim, a comunidade não poderá ter o mesmo tratamento que tem o consumidor, por exemplo.
  • 14. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Relações com a comunidade: - a comunidade vai além dos vizinhos de uma organização, é uma ampla vizinhança e constitui a localidade no seu todo; não basta produzir bons produtos e oferecer bons serviços, é preciso associar o êxito da organização à comunidade, para que ela não seja apenas um espectador. É imprescindível que a organização mostre a este público, o que faz, como faz e quem faz, pois certamente assim ela superará qualquer distorção na sua imagem.
  • 15. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Relações com o consumidor: - é o mais complexo dos públicos, pois exigem das organizações uma padronização de normas de comunicação e uma relação amistosa com o cliente. O novo consumidor não aceita explicações em torno das desconsiderações oferecidos pelas organizações públicas e privadas; agora, ele é um questionador exigente, que não somente compra produtos e serviços, ele é comunidade, cidadão, funcionário, formador de opinião.
  • 16. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Relações com a imprensa: - são entre as funções de relações públicas, as que têm por finalidade adquirir e manter a confiança dos dirigentes e colaboradores dos diversos órgãos de divulgação (jornal, revista, rádio e televisão). Somente através de boas relações com a imprensa, é que as organizações podem evitar críticas infundadas ou informações inverídicas que todo jornalista está sujeito a colher nas fontes de informações.
  • 17. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Relações com os poderes públicos: - a democratização levou o país a buscar a descentralização de decisões para aproximá-las ao cidadão. É este o ponto focal das relações com os poderes públicos. O lobby é uma atividade essencial nos regimes democráticos, mas precisa ser feito de maneira clara e de forma identificável.
  • 18. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Ferramentas de Comunicação Externa Comunicação Institucional: - está relacionada com a imagem pública da organização e tem como objetivo garantir a influência da organização na sociedade na qual está inserida. É diretamente relacionada com a missão, os valores e a visão da organização. Entre as ferramentas que garantem a comunicação institucional estão assessoria de imprensa, as relações públicas, o marketing social e cultural e a comunicação organizacional.
  • 19. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Ferramentas de Comunicação Externa (continuação) Assessoria de imprensa: - divulga as ações da empresa através de press- releases, coordenação de entrevistas, organização de eventos, entre outros. Além disso, juntamente com o departamento de marketing, é responsável pela construção da imagem institucional perante o seu público externo.
  • 20. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Ferramentas de Comunicação Externa (continuação) Comunicação organizacional: - envolve todas as ações relacionadas com a divulgação dos produtos e está diretamente ligada ao setor de marketing; tem como objetivo principal aumentar as vendas e consequentemente o lucro da empresa. Entre as suas principais atividades estão o serviço de atendimento ao cliente, pesquisas de mercado e produtos, promoção de vendas e propagandas.
  • 21. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Ferramentas de Comunicação Externa (continuação) Relações Públicas: - tem como objetivo, juntamente com as outras áreas que formam a comunicação institucional, construir e preservar a imagem da organização perante todo o seu público de interesse. É responsável pelas pesquisas de mercado e pelo planeamento estratégico de comunicação na organização.
  • 22. Professora: Germana Eiriz / 3O 1. Comunicação Externa (continuação) Ferramentas de Comunicação Externa (continuação) Jornalismo organizacional: - são ações relacionadas com o jornalismo aplicadas na comunicação organizacional. Isso envolve desde o relacionamento com a media, até à elaboração de veículos voltados para a comunicação tanto com o público interno quanto externo.
  • 23. 1. Comunicação Externa (continuação) Professora: Germana Eiriz / 3O Ferramentas de Comunicação Externa (continuação) Marketing Social e Cultural: - estão relacionados com o envolvimento da organização com questões sociais e culturais na sociedade na qual está incorporada. Pode ser apoio a causas ou campanhas sociais contra o cancro na mama, o uso de drogas, a mortalidade infantil, entre outros. No âmbito cultural, essas práticas podem envolver o apoio ou patrocínio ao desporto, literatura ou ciência. http://missaosorriso.continente.pt/ http://sic.sapo.pt/online/sites%20sic/sic%20esperanca
  • 24. 1.1 Contacto pessoal. As Relações Interpessoais. A comunicação humana compreende variadas formas, através das quais os homens transmitem e recebem ideias, impressões e imagens de toda ordem. Comunicação vem da palavras latina “communicare” que significa “pôr em comum”. Comunicação é convivência, baseada no consentimento espontâneo dos indivíduos.
  • 25. Veículos ou Transmissores Mensagem Fonte ou Receptores emissor Expressão ou ouvintes Voz Vocabulário corporal Retorno ou Feed-back http://www.youtube.com/watch?v=_C3AmzKpJbQ
  • 26. Feedback O feedback no comportamento humano e nas relações interpessoais, é importante para o controlo e desenvolvimento pessoal e relacional. Para tornar-se um processo realmente útil, precisa ser, tanto quanto possível:  Dirigido e oportuno.  Específico ao contrário de geral.  Solicitado ao contrário de imposto.  Esclarecido para assegurar comunicação precisa.  Compatível com as necessidades (motivação) de ambos, comunicador e recetor.
  • 27. Comunicação segundo a quantidade de pessoas envolvidas no processo 1. Comunicação 2. Comunicação Interpessoal Intrapessoal 3. Comunicação 4. Comunicação Intragrupal Intergrupal 5. Comunicação de massa
  • 28. Relações Interpessoais “Em situações de trabalho, compartilhadas por duas ou mais pessoas, há atividades predeterminadas a serem executadas, bem como interações e sentimentos recomendados, tais como: comunicação, cooperação, respeito, amizade.” Fela Moscovici
  • 29. Quais os elementos que compõem na comunicação e a relação Os principais elementos são o interpessoal ? VERBAL E NÃO- VERBAL http://www.youtube.com/watch?v=1ow1oDkhkjo
  • 30. Comunicação Não-Verbal Esse canal corresponde às nossas atitudes e sentimentos para com os outros. Os signos não-verbais importantes são: 1. Linguagem do corpo; 2. Paralinguagens; 3. Vestuário.
  • 31. 1. Linguagem do corpo Há cinco elementos importantes na linguagem corporal, a saber: a) Gestos; b) Toque; c) Expressão; d) Proxêmica. e) Postura do corpo;
  • 32. 2. Paralinguagens Descreve os signos não-verbais Haaaaa; que acompanham a fala. Há Éeeeeee Hummm reações e emoções muitas vezes imediatas à mensagem do outro. E ela pode sugerir o estado emocional e ou sua alteração neurológica.
  • 33. 3. Vestuário Engenheiro Este signo revela a personalidade, situação, status e trabalho das pessoas de certos grupos. Arquiteto Como parte do dia-dia é fundamental na Professor comunicação; o vestuário está presente visualmente em todas as pessoas e sociedades. Médico Árbitro Advogado
  • 34. É ideal para descrever ideias, opiniões e argumentos que chamamos de abstratas. A fala é um código de signos regulados por convenções, como a sintaxe e a gramática. A fala utiliza idiomas e coloquialismos que fazem parte de uma cultura.
  • 35. Estabelecendo o contacto Auto – Apresentação A forma como nos apresentamos para os outros dependerá da situação comunicativa. Estratégias É uma pequena peça do meio da comunicação, que diz respeito ao comportamento ou à interação. Utilizamos variadas estratégias a todo momento, mesmo quando não percebemos. Algumas podem constituir um hábito e quando utilizadas repetidas vezes, tornam-se em rituais.
  • 36. Estratégias Importantes Redundância Feedback Uso de repetição para O feedback pode ser enfatizar ideias enviado pelos canais importantes. não-verbal e verbal Perguntas e as respostas são As perguntas servem ajustadas ao para certificar o envio contacto e ao estilo da mensagem. da comunicação do emissor e receptor.
  • 37. Estratégias Importantes (continuação) 1. Eliminar a Linguagem Negativa: Esta linguagem focaliza o que não pode ser feito. EX: não posso; não vou; não sou capaz; esqueci de; falhei; ignorei; reclamei de; precisei de; tive que; deveria; sempre; nunca. 2. Substituir a linguagem negativa pela positiva: O objetivo é salientar o que pode ser feito, alternativas e escolhas. EX: se...então; sugestão; ponto de vista; perspetivas; opção; bem-vindo; concordo; benefício; excelente.
  • 39. Barreiras à comunicação Observa-se entre as pessoas no processo de comunicação. As barreiras são obstruções, muitas vezes desencadeadas pelas ideias ou valores, interferências físicas ou limitações decorrentes dos símbolos utilizados na comunicação.
  • 40. Tipos de Barreiras Barreira Barreira Física ou Semântica Mecânica Barreira Humana
  • 41. Barreira humana Barreira física Barreira semântica Limitações pessoais. Espaço físico. Interpretação de palavras. Hábitos de ouvir. Distância. Tradução da linguagem. Emoções. Interferência física. Significado de sinais. Preocupações. Falhas mecânicas. Significado de símbolos. Sentimentos pessoais. Ruídos ambientais. Decodificação de gestos. Motivações. Ocorrências locais. Sentido das lembranças. Adapatado de CHIAVENATO, Idalberto. Administração e recursos humanos: fundamentos básicos. 2003, p.115.
  • 42. Barreiras Mensagem Humanas filtrada FONTE Barreiras DESTINO Físicas Mensagem bloqueada Barreiras Semânticas Mensagem incorreta Adapatado de CHIAVENATO, Idalberto. Administração e recursos humanos: fundamentos básicos. 2003, p.116.
  • 43.
  • 44. Barreiras Verbais  Uso inadequado da língua portuguesa.  Certos nomes insultuosos embora ditos em tom amistoso. Exemplos: boa vida, tubarão, vigarista, vagabundo.  Uso de palavras sérias embora ditas em tom jocoso. Exemplos: chefinho, senhor, mestre, meu guia.
  • 45. Barreiras Não - Verbais  Proximidade excessiva do interlocutor, deixando-o desconfortável: geralmente mantemos uma distância ao redor de um metro, quando falamos com as pessoas.  Toques e empurrões constantes nos outros, o que faz com que o interlocutor se afaste.  Corpo com desvio de postura.  Mexer constantemente nas roupas e acessórios.  Não olhar para o interlocutor ou ter um olhar vago.
  • 46. Comportamento comunicativo eficiente na relação interpessoal 1. Utilizar estratégias eficazes; 2. Estabelecer empatia; 3. Apresentarmo-nos de forma clara; 4. Perceber a nós mesmos e aos outros; 5. Responder positivamente ao feedback recebido; 6. Mostrar a nossa aprovação aos outros; 7. Ser capaz de ouvir efetivamente os outros.
  • 47. 1.2. Publicações Professora: Germana Eiriz / 3O • Propõem-se a combater o desconhecimento a respeito da organização e a promover a integração dos seus públicos, ao mesmo tempo que pretende projetar a organização, para internamente assegurar uma boa produtividade e externamente aumentar as suas vendas e, consequentemente, os seus lucros. • Internamente: fortalecem o espirito de solidariedade e promovem ideias; • Externamente: projetam uma boa imagem da organização, mostrando-se, mostrando os seus produtos/serviços, a sua qualidade, a sua técnica. • Globalmente: contribuem para a conquista do seu maior objetivo: lucro.
  • 48. 1.2. Publicações Professora: Germana Eiriz / 3O Características: • Canal de comunicação instrumental • Objetivam projetar uma imagem e obter comportamentos favoráveis à organização. • Canal de comunicação unilateral • Não permitem um fluxo recíproco e constante entre a organização (emissor) e o público (recetor) • Canal de comunicação descendente • Espelha unicamente a informação oficial da organização • Canal de comunicação formal • Porta voz oficial da organização • Canal de comunicação coletivo • Destina-se ao grande público, heterogéneo e anónimo
  • 49. 1.2. Publicações Professora: Germana Eiriz / 3O • Relatórios - são utilizados para o acompanhamento de alguns processos organizacionais, tendo uma certa periodicidade para sua elaboração, sendo necessária a avaliação de seus dados. Segundo Rego (1986, p. 141), eles são elaborados para um público especializado. • Circulares – Tem um formato e tamanho menor que os relatórios, e de acordo com Rego (1986, p. 141) "geralmente apresentam mais de uma cor; resultados de pesquisas e relatórios", ou seja, as circulares são utilizadas para comunicar resultados de pesquisas, relatórios, ações que devem ser acompanhadas por seus respetivos responsáveis, e geralmente ganham grande credibilidade dentro de uma organização se utilizadas de forma correta. Isto significa, com informações pertinentes e periodicidade definida.
  • 50. 1.2. Publicações Professora: Germana Eiriz / 3O • Boletins – é um veículo da área jornalística. Rego (1986, p. 141) explica que ele "possui poucas páginas; linguagem média, embora possa atingir níveis baixos; texto que pode equilibrar-se com fotos, logotipo definido; geralmente impresso em uma só cor" . Os boletins podem conter matérias de interesse do público externo, dependendo do objetivo estabelecido para o mesmo. • Folhas soltas – é composta por uma página. Rego (1986, p. 141) entende que a folha solta "presta-se a veiculação de avisos e fatos de primeira mão; de utilização imediata; matérias curtas, objetivas, alto conteúdo". Elas devem ser utilizadas para informação imediata e ter um perfil único, fácil de ser identificado, quer seja por seu logotipo ou por seu formato.
  • 51. 1.2. Publicações Professora: Germana Eiriz / 3O Folders – é desdobrável e possui tamanho pequeno. Os folders são utilizados para divulgação de serviços e podem ser elaborados para os colaboradores, clientes e fornecedores da empresa. Jornais - pode ter como foco principal tanto o público interno, quanto o externo dependendo de seu objetivo. Deve abranger matérias relacionadas a diferentes temas como: • matérias institucionais que são as normas, regulamentos, avisos, produtos / serviços, desenvolvimento de alguma atividade interna, orientações sobre a utilização de determinado tipo de manual, etc; • de motivação apresentando estudos sobre um determinado tema recorrente no momento, como concursos, divulgação de prémios entre outros; • (…)
  • 52. 1.2. Publicações Professora: Germana Eiriz / 3O • (…) • educativas sobre conhecimentos gerais como história, geografia, turismo etc; • de interesse feminino; • de entretenimento entre outras. Deve ter periodicidade definida, fotos e textos distintos para que desperte interesse em diversos públicos.
  • 53. 1.3. Meios de comunicação de massas Professora: Germana Eiriz / 3O https://www.youtube.com/watch?v=LdAixs1TFRg Modelo de comunicação de Lasswell Lasswell propõe que a descrição “adequada” de um ato comunicacional pressupõe respostas às seguintes questões: a) Quem b) Diz o quê c) Através de que canal d) Com que efeito
  • 54. 1.3. Meios de comunicação de Professora: Germana Eiriz / 3O massas Modelo de comunicação de Lasswell http://www.youtube.com/wat ch?v=bibckHFG1Rw
  • 55. TELEVISÃO Professora: Germana Eiriz / 3O Vantagens - Meio audiovisual de grande impacto; - Possibilita os mais elevados níveis de qualidade e de penetração em todos os segmentos da população; - Possibilita uma cobertura nacional e tem capacidade de obter resultados rápidos, em termos de cobertura e impacto; - Tem um custo por contacto muito baixo devido à sua eficácia; - É um excelente veículo para a demonstração do produto. Desvantagens - Orçamentos elevados para alcançar um mínimo impacto; - Dificuldade em alcançar um target muito específico; - Saturação publicitária do meio e as características técnicas obrigam a um planeamento a longo prazo; - O tempo de vida de um spot televisivo é normalmente curto; - Impossibilidade de regionalização.
  • 56. IMPRENSA Professora: Germana Eiriz / 3O Vantagens - Maior tempo de exposição da comunicação com o alvo; - Possibilidade de um contacto direto com o público de forma dinâmica; - Grande flexibilidade (regionalização, possibilidade de segmentação, variedade de formatos e localizações); - Possibilidade de uma boa reprodução a cores; - Não exige elevados orçamentos para um mínimo impacto. Desvantagens - Baixos índices de cobertura, sobretudo em alguns segmentos da população; - Fidelidade da audiência de cada suporte deste meio obriga a uma maior diversificação de meios para garantir um mínimo de cobertura; - Saturação publicitária nos principais suportes e condicionamentos de ordem técnica obrigam a um planeamento a longo prazo.
  • 57. RÁDIO Professora: Germana Eiriz / 3O Vantagens - Possibilita a obtenção de elevados índices de repetição; - Custo por contacto baixo; - Excelente meio no que diz respeito ao diálogo direto com o público; - Elevada capacidade de exploração musical, tornando-o um instrumento fundamental na veiculação de um jingle; - Custo de produção muito baixos e timings de produção muito curtos. Desvantagens - Níveis de cobertura muito baixos; - Fraca identificação / demonstração do produto; - Rápido esgotamento da comunicação utilizada devido aos elevados níveis de repetição.
  • 58. Relacionamento com os media Professora: Germana Eiriz / 3O Comunicados de Imprensa O comunicado de imprensa ou press release é uma ferramenta privilegiada, muito utilizada pelo assessor para anunciar um novo produto, uma decisão importante, o lançamento de uma campanha, etc Deve ser redigido sob a forma de uma notícia, para facilitar a tarefa ao jornalista que por norma está sobrecarregado de trabalho.
  • 59. Relacionamento com os media Professora: Germana Eiriz / 3O Conferências de Imprensa Quando o assunto que se pretende comunicar é de relevância inquestionável ou suscetível de provocar questões por parte dos jornalistas, nestes casos, pode-se convocar uma conferência de imprensa em vez de se enviar apenas o press release.
  • 60. Relacionamento com os media Professora: Germana Eiriz / 3O Dossiês de Imprensa É um auxiliar precioso para qualquer jornalista que se desloque à conferência, onde são focados todos os aspetos da exposição. Este dossier só deve ser entregue no fim da conferência para evitar que os jornalistas na posse do mesmo resolvam ausentar-se de imediato.
  • 61. Relacionamento com os media Professora: Germana Eiriz / 3O Clipping O termo "clipping" é originário do verbo inglês to clip, que significa "cortar, reduzir", e pode ter dois significados. - O primeiro indica tratar-se de um resumo das principais notícias veiculadas na imprensa sobre tema, assunto específico, pessoa física ou jurídica (empresa) indicados por quem contrata o serviço; - O segundo designa a própria atividade.
  • 62. Professora: Germana Eiriz / 3O 1.4. Os novos Media. http://www.youtube.com/watc h?v=mv4I7FwQ83g&feature =related http://www.webartigos.com/a rtigos/as-ferramentas-de- comunicacao-externa-a- disposicao-das-empresas- na-internet/20627/
  • 63. Professora: Germana Eiriz / 3O 1.5. Realização de eventos
  • 64. Noção Eventos “ Acontecimento planeado que ocorre num dado tempo e lugar que visa promover a relação organização anfitriã e público de interesse, com vista ao alcance de determinados objetivos” (Ana Santiago) “Momento único no tempo celebrado através de uma cerimónia e ritual com vista a satisfazer necessidades específicas” (J. Goldblatt) “ Acontecimento único ou pouco frequente que ocorre fora de um programa normal de atividades de patrocínios” (Donald Getz) “ Para o cliente ou convidado, o evento é uma oportunidade para usufruir de uma experiência de lazer, cultural, social fora do ciclo normal da vida diária” (Donald Getz) Professora: Germana Eiriz / 1O
  • 65. Objetivos dos Eventos a) PARA O PARTICIPANTE • É uma experiência única • Proporciona momentos de felicidade, alegria, convívio, descontração • Desperta interesse e causa impacto b) PARA O GESTOR DE EVENTOS • Tem lugar num curto espaço de tempo • Requer um planeamento cuidado • Apresenta um elevado grau de risco • Deve ser recordado como algo positivo • Causa impacto e desperta interesse • Permite o contacto com fornecedores/serviços • Materializa sonhos Professora: Germana Eiriz / 1O
  • 66. Objetivos dos Eventos (continuação) c) PARA O PATROCINADOR • Atinge o público-alvo • Divulga a marca/empresa/produto • Potencia vendas • Conquista novos mercados d) PARA OS MEDIA • Desperta interesse • Causa impacto • Procura uma novidade/diferença • É uma notícia Professora: Germana Eiriz / 1O
  • 67. Objetivos genéricos dos eventos. CONVIVER APRESENTAR FIDELIZAR INAUGURAR PROMOVER FESTEJAR ENVOLVER PARTILHAR AGRADECER EXPERIMENTAR DIVULGAR Professora: Germana Eiriz / 1O
  • 68. Parceiros de Eventos • Organização anfitriã • Comunidade local • Fornecedores • Patrocinadores • Media • Equipa do evento • Participantes e espetadores Professora: Germana Eiriz / 1O
  • 69. Classificação dos eventos: Periodicidade Dimensão Esporádicos Pequeno (até 200 pax) Periódicos Médio (200-600 pax) De oportunidade Grande (+ 600 pax) Mega (milhares) Abrangência Natureza/Finalidade Locais Culturais Regionais Comerciais Nacionais Institucionais Internacionais/Mundiais Desportivos/de Competição Científicos/Educação Entretenimento/Lazer Políticos/De Estado Sociais/Particulares Professora: Germana Eiriz / 1O
  • 70. Classificação dos eventos (continuação): Zona de Acção Público-Alvo Internos à instituição Corporativos Externos à instituição Clientes Fornecedores Crianças Jovens Famílias Seniores Mulheres/Homens Professora: Germana Eiriz / 1O
  • 71. Tipos de Eventos ENCONTROS TÉCNICOS OU CIENTÍFICOS Conferência Meeting Congresso Mesa Redonda Convenção Painel Debate Palestra ou Colóquio Follow up Seminário Forum Simpósio Jornada Workshop Professora: Germana Eiriz / 1O
  • 72. Tipos de Eventos (continuação) EVENTOS DESPORTIVOS Campeonato Encontro Festival Gincana Olimpíadas Torneio Professora: Germana Eiriz / 1O
  • 73. Tipos de Eventos (continuação). EVENTOS COMERCIAIS E INSTITUCIONAIS Exposição Concurso Feira Lançamento da 1ª pedra Lançamento de livro Inauguração de instalações Mostra Inauguração de estátuas, Salão bustos, retratos Programa de visitas Tomada de posse Professora: Germana Eiriz / 1O