Successfully reported this slideshow.

Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração

15.438 visualizações

Publicada em

Publicada em: Meio ambiente

Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração

  1. 1. RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Gestão  Ambiental  –  2014     Aula  12   Prof.  Biól.  Leandro  A.  Machado  de  Moura   lammoura@uol.com.br  
  2. 2. Mineração  é  um  termo  que  abrange  os  processos,  a<vidades  e  indústrias  cujo   obje<vo   é   a   extração   de   substância   minerais   a   par<r   de   depósitos   ou   massas   minerais.       Podem  incluir-­‐se  aqui  a  exploração  de  petróleo  e  gás  natural  e  até  mesmo  água.     Importância     Como  a<vidade  industrial,  a  mineração  é  indispensável  para  a  manutenção  do   nível   de   vida   e   avanço   das   sociedades   modernas   em   que   vivemos.   Desde   os   metais  às  cerâmicas,  dos  combusMveis  aos  plás<cos,  equipamentos  eléctricos  e   eletrônicos,  computadores,  cosmé<cos,  passando  pelas  estradas  e  outras  vias  de   comunicação.     Impactos     A   imagem   um   tanto   nega<va   desta   a<vidade   junto   da   sociedade   em   geral,   notadamente  nas  úl<mas  décadas,  deve-­‐se  sobretudo  aos  profundos  impactos   que  ela  pode  ter  no  ambiente  (sobretudo  os  nega<vos)  e  que  têm  sido  a  causa   de  numerosos  acidentes  ao  longo  dos  tempos.   MINERAÇÃO  
  3. 3. O  processo  de  exploração  de  uma  mina  é  composta  por  um  conjunto  de  etapas  que   se  podem  resumir  a:   1.  Pesquisa  para  localização  do  minério.     2.  Prospecção  para  determinação  da  extensão  e  valor  do  minério  localizado.     3.  Es<ma<va  dos  recursos  em  termos  de  extensão  e  teor  do  depósito.     4.  Planeamento,   para   avaliação   da   parte   do   depósito   economicamente   extraível.     5.  Estudo  de  viabilidade  para  avaliação  global  do  projeto  e  tomada  de  decisão   entre  iniciar  ou  abandonar  a  exploração  do  depósito.     6.  Desenvolvimento  de  acessos  ao  depósito  que  se  vai  explorar.     7.  Exploração,  com  vista  à  extração  de  minério  em  grande  escala.     8.  Recuperação   da   zona   afetada   pela   exploração   de   forma   a   que   tenha   um   possível  uso  futuro.   MINERAÇÃO  
  4. 4. MINERAÇÃO   Chuquicamata  (Chile):  maior  mina  de  cobre  a  céu  aberto.  
  5. 5. MINERAÇÃO   Andorinha-­‐BA  (Brasil):  Extração  subterrânea  de  minério  de  cromo  
  6. 6. Principais  problemas  ambientais  possíveis  são:       •  erosão,     •  subsidência,     •  abandono  de  resíduos  perigosos,     •  perda  de  biodiversidade,  e       •  contaminação  de  aquíferos  e  cursos  de  água.     No   entanto,   as   explorações   mineiras   modernas   têm   prá<cas   que   diminuíram   significa<vamente  a  ocorrência  destes  problemas.     Obs.:  Não  nos  podemos  esquecer  que  a  capacidade  desta  a6vidade  em  fornecer  à   sociedade  os  materiais  que  esta  necessita  não  é  infinita,  pois  muitos  dos  recursos   minerais  explorados  são,  pelo  contrário,  finitos.     MINERAÇÃO  
  7. 7. •  Subsidência       MINERAÇÃO  
  8. 8. MINERAÇÃO   Precipitado   de   hidróxido   de   ferro   num   riacho   recebendo  águas  ácidas  de  uma  mina  de  carvão   no  Missouri  –  E.U.A.   Degradação  ambiental  causada  por  mineração  na   região  de  Guararema  –  SP.    
  9. 9. Recuperação       A  recuperação  de  uma  área  degradada  por  um  determinado  empreendimento,   neste  caso  a  mineração,  pode  ser  definida  como  o  conjunto  de  ações  necessárias   para  que  a  área  volte  a  estar  apta  para  algum  uso  produ<vo  em  condições  de   equilíbrio  ambiental.       A  par<cipação  do  homem  deve  iniciar  ao  se  planejar  a  mina  e  finalizar  quando  as   relações   fauna,   flora   e   solo   es<verem   em   equilíbrio   e   em   condições   de   sustentabilidade.     Para  que  seja  possível  obter-­‐se  novo  uso  da  área,  é  necessário  que  ela  apresente:       •  condições  de  estabilidade  csica  (processos  erosivos,  movimentos  de  terrenos)       •  estabilidade  química  (a  área  não  deve  estar  sujeita  a  reações  químicas  que   possam  gerar  compostos  nocivos  à  saúde  humana  e  ao  ecossistema).     MINERAÇÃO  
  10. 10. PRAD  –  Plano  de  Recuperação  de  Áreas  Degradadas       Histórico  -­‐  Aspectos  legais       Lei  6938/81  -­‐  Lei  de  Polí^ca  Nacional  de  Meio  Ambiente     O   poluidor   é   obrigado   a   indenizar   ou   reparar   os   danos   causados   ao   meio   ambiente   e   a   terceiros,   afetados   por   sua   a<vidade   -­‐   recuperação   de   sí<os   degradados   -­‐   criou   o   CONAMA   e   o   SISNAMA   (Regulamentada   pelo   decreto   nº88.351  de  01  Junho  de  1983);       Resolução  CONAMA  nº  001/86     Estabelece   critérios   básicos   e   diretrizes   gerais   para   o   Estudo   de   Impacto   ambiental  (EIA)  e  Relatório  de  Impacto  Ambiental  (RIMA).           Decreto  Federal  97.632/89   Fixou  prazo  de  180  dias  para  minerações  já  existentes  apresentarem  um  Plano  de   Recuperação   de   Área   Degradada   –   PRAD   e   para   futuros   empreendimentos   minerários,  exige  a  apresentação  do  PRAD  juntamente  com  EIA/RIMA.   MINERAÇÃO  
  11. 11. PRAD  –  Plano  de  Recuperação  de  Áreas  Degradadas       Atualmente  as  companhias  mineiras  são  obrigadas  a  cumprir  normas  ambientais,   de  encerramento  e  funcionamento  bastante  restritas,  de  forma  a  assegurar  que   a   área   afetada   pela   exploração   mineira   regressa   à   sua   condição   inicial,   ou   próxima  da  inicial  e  em  alguns  casos  até  melhor  que  a  inicial.       A  recuperação  de  áreas  degradadas  pela  mineração  deve  ser  planejada  antes   da   implantação   do   empreendimento   a   fim   de   prever   a   desa^vação   das   a^vidades  mineiras  e  a  reabilitação  dos  terrenos  remanescente.       INSTRUÇAO   NORMATIVA   nº.   4,   de   13   DE   abril   de   2011   –   estabelece   procedimentos   rela<vos   a   reparação   de   danos   ambientais;   considerando   a   necessidade   de   estabelecer   exigências   mínimas   e   nortear   a   elaboração   de   Projetos  de  Recuperação  de  Áreas  Degradadas  –  PRAD  ou  Áreas  Alteradas.     MINERAÇÃO  
  12. 12. A  seguir  são  apresentadas  algumas  áreas  de  empreendimentos  mineiros  que  devem   ser  tratadas  no  PRAD.     ÁREA  DE  LAVRA       •  Cavas  (secas  ou  inundadas),  frentes  de  lavra  (bancadas  ou  taludes),  trincheiras,   galerias  subterrâneas,  superccies  decapeadas,  etc.       ÁREA  DE  INFRA-­‐ESTRUTURA       •  Áreas  de  funcionamento  de  unidades  de  beneficiamento,  vias  de  circulação,  etc.         ÁREA  DE  DISPOSIÇÃO  DE  REJEITOS     •  Pilhas  ou  corpos  de  bota-­‐fora,  solos  superficiais,  estéreis,  bacias  de  decantação   de  rejeitos  de  beneficiamento         (Proin/Capes  &  Unesp/IGCE,  1999).   MINERAÇÃO  
  13. 13. PRAD  –  Plano  de  Recuperação  de  Áreas  Degradadas       O  PRAD  deve  apresentar,  de  maneira  geral:       •  caracterização   e   avaliação   completas   das   a<vidades   desenvolvidas   ou   a   ser   desenvolvidas  pelo  empreendimento,  assim  como  da  degradação  ambiental;   •  definição  e  análise  das  alterna<vas  tecnológicas  de  recuperação;     •  definição  e  implementação  das  medidas  de  recuperação;  e     •  proposições   para   monitoramento   e   manutenção   das   medidas   corre<vas   implementadas         (Bitar  &  Ortega,  1998).   MINERAÇÃO  
  14. 14. MINERAÇÃO   1996                       1999        Mina  de  Carvão  na  Nova  Escócia,  Canadá.   Recuperação  Ambiental  com  possibilidade  de  reabilitação  da  área.    
  15. 15. MINERAÇÃO   Parque  do  Ibirapuera  –  São  Paulo/SP   An^ga  cava  de  areia   Reabilitação  Ambiental.    
  16. 16. MINERAÇÃO   Garimpo  de  Serra  Pelada,  Curionópolis  -­‐  PA  (1983)  
  17. 17. MINERAÇÃO   Garimpo  de  Serra  Pelada,  Curionópolis  -­‐  PA  (2003)  
  18. 18. MINERAÇÃO   Nova  Mina  Subterrânea  de  Serra  Pelada,  Curionópolis  -­‐  PA  (2011)  
  19. 19. (modificado  de  Proin/Capes  &  Unesp/IGCE,  1999)   Estratégias  de  curto,  médio  e  longo  prazo  
  20. 20. RECUPERAÇÃO  PROVISÓRIA       •  Quando   a   área   degradada   ainda   não   tem   seu   uso   final   definido   (o   que   inviabiliza  sua  reabilitação  no  momento);  ou   •  Quando  o  uso  final  es<ver  planejado  para  longo  prazo  (as  ações  devem  buscar   a  estabilização  dos  processos  atuantes).         RECUPERAÇÃO  DEFINITIVA       •  Quando  o  uso  final  do  solo  es<ver  definido,  o  que  requer  ações  voltadas  à   estabilização   da   área,   em   conformidade   com   a   nova   u<lização   e,   necessariamente,   de   acordo   com   o   Plano   Diretor   do   Município   ou   região.   Neste  caso  evolui-­‐se  para  o  reaproveitamento  da  área  degradada,  ou  seja,  sua   reabilitação.       MINERAÇÃO  
  21. 21. MINERAÇÃO   (Fonte:  ABGE,  apud  SILVA,  2005).  
  22. 22. Desafios     A  recuperação  de  áreas  degradadas  por  mineração  geralmente  envolve  diversos   agentes,  tais  como  o  minerador,  o  poder  público,  a  comunidade  e  o  proprietário   do  terreno.       Geralmente,   uma   área   de   mineração   apresenta   impactos   nega<vos   que   são   permanentes,  como  no  caso  do  relevo  do  terreno,  que  na  grande  maioria  das   vezes,  não  retorna  à  sua  configuração  original.  Neste  contexto,  a  reabilitação  da   área,  dando  um  novo  uso  para  ela,  se  torna  necessária.     Portanto,  o  planejamento  ou  programa  prévio  de  recuperação  é  benéfico  tanto   para   a   comunidade,   poder   público   e   proprietário   do   terreno,   como   para   o   minerador,   que   conduzirá   suas   a<vidades   e   o   desenvolvimento   da   lavra,   de   acordo   com   o   previsto   no   programa   de   recuperação,   economizando   tempo   e   dinheiro.   MINERAÇÃO  
  23. 23. Desafios     Surgem  destas  observações  dois  termos  muito  empregados  na  recuperação  de   áreas  degradadas.     REABILITAÇÃO  ORIENTADA  DE  ACORDO  COM  PLANO  PRÉVIO       •  Com   base   em   decisões   expressas   em   documento   previamente   discu<do,   negociado   e   definido   entre   minerador,   poder   público   e   comunidade   diretamente  envolvida,  incluindo  o  proprietário  do  solo.         RECUPERAÇÃO  SIMULTÂNEA  À  EXTRAÇÃO       •  Corresponde   à   incorporação   de   técnicas   disponíveis   nas   várias   etapas   que   compõem  a  mineração.   •  Obje<va  aglu<nar  o  conceito  de  recuperação  ao  co<diano  da  mineração,  não   se  limitando  ao  final  da  a<vidade  de  extração,  o  que  geralmente  dificulta  -­‐  ou   até  inviabiliza  -­‐  financeira  e  logis<camente  a  recuperação  da  área                                                              (Proin/Capes  &  Unesp/IGCE,  1999).   MINERAÇÃO  
  24. 24. MINERAÇÃO   RECUPERAÇÃO  SIMULTÂNEA  À  EXTRAÇÃO     •  A   recuperação   simultânea   à   lavra   é   amplamente   aplicada   principalmente   em   minerações   de   grande   e   médio   portes,   por   facilitar  o  desenvolvimento  da  lavra,  e  principalmente  por  razões   de  ordem  econômica  e  legal.   •  Muitas   minerações   de   pequeno   porte   realizam   seus   planos   de   recuperação  somente  no  papel,  porém,  a  falta  de  uma  decisão  de   implantar   realmente   o   plano,   a   ausência   de   profissionais   qualificados  no  quadro  de  empregados  da  mineração,  entre  outros   problemas,   muitas   vezes   prejudicam   a   recuperação   simultânea,   raramente  sendo  realizada.  
  25. 25. •  Na   recuperação   simultânea   à   extração,   tem-­‐se   que   primeiramente  definir  o  uso  futuro  que  a  área  será   des<nada,  que  deve  levar  em  conta  o  Plano  Diretor   Municipal,  as  intenções  do  proprietário  do  terreno  e   a  viabilidade  econômica  do  projeto.   •  A  comunidade  interagirá  na  definição  de  uso  futuro   do   solo   quando   da   audiência   pública,   no   caso   de   empreendimentos   mineiros   que   tem   exigência   de   elaboração   de   EIA/RIMA,   sendo   que   o   Plano   de   Recuperação  de  Áreas  Degradadas  (PRAD)  deve  ser   englobado  no  EIA/RIMA.   •  O   minerador   terá   de   adequar   suas   a<vidades   e   o   desenvolvimento   da   mina   de   acordo   com   o   programa   de   recuperação.   Portanto,   o   PRAD   deve   ser   inserido   ao   Plano   de   Lavra   e   no   dia-­‐a-­‐dia   da   mineração.   MINERAÇÃO   RECUPERAÇÃO  SIMULTÂNEA  À  EXTRAÇÃO    
  26. 26.     •  Neste   contexto,   a   execução   do   projeto   é   simultânea   à   lavra,   com   todas   as   a<vidades   integradas   à   recuperação,   para   que   a   reabilitação   dessas   áreas   esteja  pra<camente  pronta  à  medida  que  as  frentes  de  lavra  são  desa<vadas.     •  Tal  procedimento  assegura  que  o  custo  da  recuperação  seja  diluído  ao  longo   da  a<vidade  de  extração.   •  Se  esse  procedimento  for  adequadamente  executado,  ao  final  das  a<vidades   de  extração  (exaurida  a  jazida),  a  área  estará  totalmente  reabilitada  para  o   uso  anteriormente  definido.     MINERAÇÃO   RECUPERAÇÃO  SIMULTÂNEA  À  EXTRAÇÃO  -­‐  Resultados    

×