SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS
HISTÓRIA A
GUIA DE ESTUDO
MÓDULO 1 – A ROMANIZAÇÃO DA PENÍNSULA IBÉRICA

O processo de aculturação desenvolvido na sequência da chegada das
primeiras legiões romanas à Península Ibérica parece ter tido nos próprios soldados os
principais agentes. A instalação na Península de antigos soldados que aqui tinham
combatido, terão constituído, um primeiro e importante passo em todo o processo.
Por um lado, é evidente que a fixação na Península de antigos soldados
constituiu um importante contributo para a generalização de um novo modo de vida.
No entanto, a participação de auxiliares hispânicos no exército romano terá
contribuído de igual modo para a habitação dos naturais a esta nova existência, a que
não deixaram certamente de ser indiferentes.
Outra componente de agentes de romanização era constituída pelos inúmeros
comerciantes que se encontravam na Península Ibérica, nas proximidades dos
acampamentos militares, durante todo o período da conquista.
O processo de constituição de clientelas locais promovido por diferentes
governadores das províncias hispânicas terá constituído uma outra forma de,
progressivamente, ambientar as populações locais ao modo de vida romano. No
período de guerras civis em Roma, a emigração de romanos para a Hispânia passou a
ter um carácter diferente. Não se tratava já de emigrantes que tentavam a sorte num
novo território ou de representantes dos interesses de ricos patronos, mas sim de
emigrantes políticos, exilados da sua cidade. Tratava-se, pois, de uma emigração de
elite.
O estabelecimento de sólidas alianças com os poderes indígenas locais; a
constituição de uma escola para os filhos dos magnatas peninsulares; a organização de
um exército regular de forte componente indígena constituíram outros factores de
romanização.
Durante o reinado de Augusto [primeiro imperador romano] a instalação de
grandes contingentes com a fundação de diversas colónias; a política de urbanização,
não só das novas cidades, mas também de alguns povoados indígenas, como, por
exemplo, Conímbriga, constitui um outro importante contributo na afirmação de um
novo modo de vida.
A cidade da Antiguidade é, como sempre, um centro de poder político,
administrativo e religioso. Constitui também um pólo territorial, que tira a sua
subsistência e acumula riquezas extraídas de um espaço mais vasto, exercendo uma
natural atracção não só sobre os habitantes desse espaço, mas também sobre os de
paragens mais longínquas. Por tudo isso, concentra-se na cidade uma população
numerosa e heterogénea, que inclui os representantes dos poderes; uma elite
proeminente, com eles relacionada; uma grande multiplicidade de indivíduos, de
diversos níveis sociais, ligados às actividades institucionais; os trabalhadores que se
dedicam ao comércio e ao artesanato; e ainda uma multidão indiferenciada de
escravos, assalariados, militares e marginais.
As cidades são, por outro lado, importantes mercados e centros de
transformação, onde, naturalmente, afluem, por vezes vindos de muito longe, os mais
diversos produtos. Suscitam também o desenvolvimento de vastas áreas agropecuárias nas suas imediações, para garantir o abastecimento dos seus moradores.
Assim, nos locais onde o fenómeno urbano já existia, a romanização consistiu
na progressiva assimilação dos hábitos e instituições romanos, apesar de em muitos
deles os indígenas poderem manter o seu direito, religião e costumes próprios.
Por outro lado, as vias constituem uma das mais famosas e impressionantes
realizações do poder imperial de Roma. Constituíram um dos elementos materiais
mais poderosos da administração romana, para além das cidades. Formavam uma rede
constituída por estradas, pavimentadas com grandes lajes de pedra, frequentemente
pontuadas por colunas cilíndricas – os chamados marcos miliários –, que forneciam
ao viajante indicações sobre as distâncias percorridas ou a percorrer entre os
principais centros urbanos.
A Romanização implicou uma profunda transformação dos modos de vida –
material e cultural – dos povos da região onde se situa o actual território português: a
alteração da propriedade fundiária (que de comunitária passou a individual); a
introdução de novas culturas, como a oliveira e a vinha; a introdução de uma
economia comercial e monetária; o desenvolvimento de actividades ligadas à
exploração mineira, à pesca e à indústria conserveira; a introdução de um novo estilo
de vida, copiado dos Romanos, mais pacífico e civilizado, testemunhado pela
existência de teatros, anfiteatros, estádios, termas, balneários públicos e fóruns; a
difusão da língua latina, falada e escrita, da qual derivou a língua portuguesa,
constitui, porventura, o mais duradouro dos legados da Civilização Romana.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaA economia na Roma antiga
A economia na Roma antiga
Maria Gomes
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
bamp
 
Romanização em portugal
Romanização em portugal Romanização em portugal
Romanização em portugal
Soraya Filipa
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
Ana Barreiros
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
Bruno Ganhão
 
Roma imperial.ppt
Roma imperial.pptRoma imperial.ppt
Roma imperial.ppt
Patrícia Alves
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Escoladocs
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
Susana Simões
 
Cultura Romana
Cultura RomanaCultura Romana
Cultura Romana
João França
 
Ficha de apoio
Ficha de apoioFicha de apoio
Ficha de apoio
Mariana Neves
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Roma
RomaRoma
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213
Escoladocs
 
O modelo romano 1415
O modelo romano 1415O modelo romano 1415
O modelo romano 1415
Laboratório de História
 
O império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economiaO império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economia
Lúcia Texeira
 
1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Mundo romano
Mundo romanoMundo romano
Mundo romano
Teresa Maia
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
cattonia
 

Mais procurados (19)

A economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaA economia na Roma antiga
A economia na Roma antiga
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Romanização em portugal
Romanização em portugal Romanização em portugal
Romanização em portugal
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
 
Roma imperial.ppt
Roma imperial.pptRoma imperial.ppt
Roma imperial.ppt
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
 
Cultura Romana
Cultura RomanaCultura Romana
Cultura Romana
 
Ficha de apoio
Ficha de apoioFicha de apoio
Ficha de apoio
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213
 
O modelo romano 1415
O modelo romano 1415O modelo romano 1415
O modelo romano 1415
 
O império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economiaO império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economia
 
1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império
 
Mundo romano
Mundo romanoMundo romano
Mundo romano
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 

Destaque

Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
Laboratório de História
 
Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12
Ana Cristina F
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Maria Gomes
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
cattonia
 

Destaque (7)

Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
 
Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 

Semelhante a Guia de estudo O modelo romano 1324

Cultura do senado resumos
Cultura do senado   resumosCultura do senado   resumos
Cultura do senado resumos
Jorge Hohinho
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
Isabel Mendinhos
 
roma-10 2016 17 A Romanização na Pensínsula Ibérica.pptx
roma-10 2016 17 A Romanização na Pensínsula Ibérica.pptxroma-10 2016 17 A Romanização na Pensínsula Ibérica.pptx
roma-10 2016 17 A Romanização na Pensínsula Ibérica.pptx
Felicianoferro Ferro
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
cattonia
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
José Fernando Rodrigues
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
Joemille Leal
 
O modelo romano 1314
O modelo romano 1314O modelo romano 1314
O modelo romano 1314
Laboratório de História
 
Os Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalOs Romanos em Portugal
Os Romanos em Portugal
Diogo Mota
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
HistN
 
2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica
R C
 
ROMANOS.pptx
ROMANOS.pptxROMANOS.pptx
ROMANOS.pptx
Sílvia Pinto
 
As contribuições da civilização romana para a construção da cultura ocidental...
As contribuições da civilização romana para a construção da cultura ocidental...As contribuições da civilização romana para a construção da cultura ocidental...
As contribuições da civilização romana para a construção da cultura ocidental...
JuniorMadruga2
 
Roma Aspecto Culturais
Roma Aspecto CulturaisRoma Aspecto Culturais
Roma Aspecto Culturais
Kely Cristina Metzker
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
JoTita Gonçalves
 
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
Henrique Rodrigues
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
Maria Cristina Ribeiro
 
cidades romanas
cidades romanascidades romanas
cidades romanas
JulioHerysonSilva
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
crisanadu
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
guestdc4fd36
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
crisanadu
 

Semelhante a Guia de estudo O modelo romano 1324 (20)

Cultura do senado resumos
Cultura do senado   resumosCultura do senado   resumos
Cultura do senado resumos
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
roma-10 2016 17 A Romanização na Pensínsula Ibérica.pptx
roma-10 2016 17 A Romanização na Pensínsula Ibérica.pptxroma-10 2016 17 A Romanização na Pensínsula Ibérica.pptx
roma-10 2016 17 A Romanização na Pensínsula Ibérica.pptx
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
 
O modelo romano 1314
O modelo romano 1314O modelo romano 1314
O modelo romano 1314
 
Os Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalOs Romanos em Portugal
Os Romanos em Portugal
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica
 
ROMANOS.pptx
ROMANOS.pptxROMANOS.pptx
ROMANOS.pptx
 
As contribuições da civilização romana para a construção da cultura ocidental...
As contribuições da civilização romana para a construção da cultura ocidental...As contribuições da civilização romana para a construção da cultura ocidental...
As contribuições da civilização romana para a construção da cultura ocidental...
 
Roma Aspecto Culturais
Roma Aspecto CulturaisRoma Aspecto Culturais
Roma Aspecto Culturais
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
 
cidades romanas
cidades romanascidades romanas
cidades romanas
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 

Mais de Laboratório de História

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Laboratório de História
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Laboratório de História
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Laboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
 

Último

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 

Último (20)

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 

Guia de estudo O modelo romano 1324

  • 1. CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS HISTÓRIA A GUIA DE ESTUDO MÓDULO 1 – A ROMANIZAÇÃO DA PENÍNSULA IBÉRICA O processo de aculturação desenvolvido na sequência da chegada das primeiras legiões romanas à Península Ibérica parece ter tido nos próprios soldados os principais agentes. A instalação na Península de antigos soldados que aqui tinham combatido, terão constituído, um primeiro e importante passo em todo o processo. Por um lado, é evidente que a fixação na Península de antigos soldados constituiu um importante contributo para a generalização de um novo modo de vida. No entanto, a participação de auxiliares hispânicos no exército romano terá contribuído de igual modo para a habitação dos naturais a esta nova existência, a que não deixaram certamente de ser indiferentes. Outra componente de agentes de romanização era constituída pelos inúmeros comerciantes que se encontravam na Península Ibérica, nas proximidades dos acampamentos militares, durante todo o período da conquista. O processo de constituição de clientelas locais promovido por diferentes governadores das províncias hispânicas terá constituído uma outra forma de, progressivamente, ambientar as populações locais ao modo de vida romano. No período de guerras civis em Roma, a emigração de romanos para a Hispânia passou a ter um carácter diferente. Não se tratava já de emigrantes que tentavam a sorte num novo território ou de representantes dos interesses de ricos patronos, mas sim de emigrantes políticos, exilados da sua cidade. Tratava-se, pois, de uma emigração de elite. O estabelecimento de sólidas alianças com os poderes indígenas locais; a constituição de uma escola para os filhos dos magnatas peninsulares; a organização de um exército regular de forte componente indígena constituíram outros factores de romanização. Durante o reinado de Augusto [primeiro imperador romano] a instalação de grandes contingentes com a fundação de diversas colónias; a política de urbanização, não só das novas cidades, mas também de alguns povoados indígenas, como, por exemplo, Conímbriga, constitui um outro importante contributo na afirmação de um novo modo de vida. A cidade da Antiguidade é, como sempre, um centro de poder político, administrativo e religioso. Constitui também um pólo territorial, que tira a sua subsistência e acumula riquezas extraídas de um espaço mais vasto, exercendo uma natural atracção não só sobre os habitantes desse espaço, mas também sobre os de paragens mais longínquas. Por tudo isso, concentra-se na cidade uma população numerosa e heterogénea, que inclui os representantes dos poderes; uma elite proeminente, com eles relacionada; uma grande multiplicidade de indivíduos, de diversos níveis sociais, ligados às actividades institucionais; os trabalhadores que se dedicam ao comércio e ao artesanato; e ainda uma multidão indiferenciada de escravos, assalariados, militares e marginais. As cidades são, por outro lado, importantes mercados e centros de transformação, onde, naturalmente, afluem, por vezes vindos de muito longe, os mais diversos produtos. Suscitam também o desenvolvimento de vastas áreas agropecuárias nas suas imediações, para garantir o abastecimento dos seus moradores.
  • 2. Assim, nos locais onde o fenómeno urbano já existia, a romanização consistiu na progressiva assimilação dos hábitos e instituições romanos, apesar de em muitos deles os indígenas poderem manter o seu direito, religião e costumes próprios. Por outro lado, as vias constituem uma das mais famosas e impressionantes realizações do poder imperial de Roma. Constituíram um dos elementos materiais mais poderosos da administração romana, para além das cidades. Formavam uma rede constituída por estradas, pavimentadas com grandes lajes de pedra, frequentemente pontuadas por colunas cilíndricas – os chamados marcos miliários –, que forneciam ao viajante indicações sobre as distâncias percorridas ou a percorrer entre os principais centros urbanos. A Romanização implicou uma profunda transformação dos modos de vida – material e cultural – dos povos da região onde se situa o actual território português: a alteração da propriedade fundiária (que de comunitária passou a individual); a introdução de novas culturas, como a oliveira e a vinha; a introdução de uma economia comercial e monetária; o desenvolvimento de actividades ligadas à exploração mineira, à pesca e à indústria conserveira; a introdução de um novo estilo de vida, copiado dos Romanos, mais pacífico e civilizado, testemunhado pela existência de teatros, anfiteatros, estádios, termas, balneários públicos e fóruns; a difusão da língua latina, falada e escrita, da qual derivou a língua portuguesa, constitui, porventura, o mais duradouro dos legados da Civilização Romana.