SlideShare uma empresa Scribd logo
Escultura
Grega
A partir do 3º milénio a.C., nas ilhas Cíclades, no mar Egeu, desenvolveu-se uma enigmática
cultura.
Harpista cicládico
Atenas; Museu Arqueológico Nacional
c. 2400 a. C.
Estátua feminina
Ilha de Siros
c. 2300 a. C.
Ídolo
c. 2800 a. C.
As peças são de tamanho variável (de
poucos cm a c. 1,5m), executadas em
mármore branco, simples e quase
abstractas..
Estátua feminina
Amorgos; Mar Egeu
c. 2400 a. C.
Cabeça
Amorgos; Mar Egeu
c. 2400 a. C.
Algumas peças são de
uma modernidade
surpreendente.
Constantin Brancusi
La Muse; 1912
Solomon R. Guggenheim Museum
Nova Iorque
Na ilha de Creta desenvolveu-se a civilização minóica. A escultura nunca conheceu
dimensões monumentais. Eram peças em bronze ou terracota, pintadas em cores vivas,
com enorme graciosidade . A Deusa-mãe e o minotauro eram os temas principais
Deusa das Serpentes
Crete; Palácio Cnossos
c. 1600 a. C.
Cabeça de Touro
Proveniente de Creta
Museu Arqueológico de Atenas
Máscara de Agamemnon.
Ouro
Achada em 1876, em Micenas, por Heinrich Schliemann
c. 1500 a. C.
Museu Arqueológico de Atenas
Entre 1 600 e 1 100 a. C.,
desenvolve-se a cultura
micénica.
A Porta dos Leões (XIII a. C.) é o mais belo exemplar da escultura
micénica, revelando o gosto pela monumentalidades, rigor e simetria.
Quanto à escultura grega, conhecemos
poucos originais do período clássico,
apenas o Hermes, de Praxíteles.
As estátuas eram de bronze e não
resistiram, tendo sido fundidas no
decorrer dos séculos.
Originais são as estátuas e relevos do
período arcaico, bem com dos frontões,
das métopas e dos frisos de alguns
templos clássicos como o Pártenon.
As principais fontes para o estudo da
escultura grega são as cópias romanas e
referências literárias.
Policleto
Diadoumenos
Cópia romana
c. 450 a. C.
A figura humana é o tema habitual. Os deuses
eram concebidos à imagem do homem. Busca
das proporções ideais. Simetria, equilíbrio,
idealidade, harmonia.
Policleto
Discóforo
Cópia romana
Museu Britânico
Londres
Período pré-arcaico (XI - IX a.C.):
inicialmente, utilizaram como material a
madeira (xoana; sing: xoanon).
Eram estátuas talhadas a partir de um
tronco, em pose hirta, imóvel e com os
braços colados ao corpo. A composição
era simétrica. O sexo masculino era
explicitamente representado, enquanto os
seios femininos eram sugeridos sob as
vestes. Conhecemos apenas descrições
literárias. A peça mais aproximada é a
Hera de Samos.
Estátua do templo Hera em Samos
c. 1,92 m
575-550 a. C.
Museu do Louvre
Estatuetas votivas destinadas a rituais religiosos. Pequenas obras, representando
figuras humanas e animais, em argila, marfim ou bronze.
Estatueta em marfim
Necrópole de Dipylon
Atenas
c. 730 a. C.
Cavalo de bronze
12 cm
Séc. VIII a. C.
Museu do Louvre
Período Arcaico (VII a.C. - VI a.C.):
Estátua de Nesa
Egipto
III milénio a. C.
Museu do Louvre
Dama de Auxerre
Grécia
Séc. VII a. C.
Museu do Louvre
Rei Assunarzipal II
Assíria
Séc. IV a. C.
Museu Britânico
No período arcaico
a pedra tornou-se
o material mais
utilizado, comum
nas simples
estátuas de
rapazes (Kouros) e
de jovens mulheres
(Koré).
Koré
650 - 625 a. C.
Museu Arqueológico Nacional
Atenas
Kouros
590 a. C.
Frontalidade
Imobilidade
Simetria
Egipto
c. 2 400 a. C.
Os homens eram habitualmente representados nus.
Kleobis e Biton
Delfos
Museu Arqueológico
580 - 570 a. C.
Frontalidade. Esquemas de composição muito rígidos e
compactos: braços unidos ao corpo, ombros largos e
pescoço grosso, olhos salientes, lábios grossos; peitorais
bem marcados; realce dos músculos e articulações;
adiantamento da perna esquerda;
Kouros de Súnio; 600 – 580 a. C.
Museu Arqueológico Nacional
Atenas
Apolo de Milão
Museu Arqueológico Nacional
Kouros Anavyssos
530 – 520 a. C.
Museu Arqueológico
Nacional
Atenas
As mulheres representavam-se vestidas, os cabelos em cortina, estilizados, soltos ou
entrançados; olhos amendoados, túnicas com pregas.
Koré de Peplos
Museu Acrópole
530 – 520 a. C.
Koré de Chios
c. 510 a. C.
Notar os vestígios de pintura
um sorriso forçado: o sorriso arcaico
Rompe com a lei da
frontalidade. São ainda
arcaicos o sorriso, os
olhos amendoados com
as sobrancelhas
prolongando a linha do
nariz e o cabelo.
Cavaleiro Rampin
c. 560 a. C.
Cabeça: Louvre
Corpo: Museu de Atenas
O Moscóforo [transportador de vitelo]
Museu da Acrópole
c. 560 – 570 a. C.
A Koré de Eutídicos [a dama mal
encarada] foi achada na Acrópole.
Contém uma inscrição que diz ter sido
oferecida por Eutídicos, filho de
Taliarcos. É datável do ano de 500 a. C.
e anuncia já a transição para o chamado
estilo severo.
Está exposta no Museu da Acrópole.
Período de transição para a época clássica
(séc. V a. C. c. 480 - 450 a.C.): Período clássico
severo. Apogeu da era arcaica, anunciando a evolução
para o período clássico. A obra mais importante é o
Auriga de Delfos.
470 a. C.
Museu de Delfos
É uma figura de bronze, um condutor de carros dos jogos pan-
helénicos. Integrada num conjunto, fazia parte de uma quadriga.
Esta estátua de Zeus
ou Poseidon foi
achada no fundo do
mar, ao largo do cabo
Artemísio, em 1928. É
dos poucos bronzes
originais. Mede 2,1 m
e data de c. 460 a. C.
Museu Arqueológico
Nacional de Atenas.
Os bronzes de Riace (A e B)
foram achados em 1972 na
costa de Regio Calabria, por um
mergulhador amador em férias.
Museo Nazionale della Magna Grecia
Regio Calabria
Itália
460 – 430 a. C.
O chamado Trono Ludovisi foi achado em Roma, em 1887, durante as obras na Villa Ludovisi.
Data do séc. V a.C. e está exposto no Museo Nazionale Romano. Representa, provavelmente, o
nascimento de Afrodite da espuma do mar.
A peça mais famosa é o Discóbolo
de Míron (450 a. C.) do qual se
desconhece o original, mas
abundam as cópias. Uma obra
equilibrada, cheia de fluidez,
naturalidade e tensão (momento
mirónico), com o corpo em
encenada torção, revela já o
abandono completo dos cânones
arcaicos e anuncia o maravilhoso
esplendor da época clássica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Andrea Dressler
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
Ana Barreiros
 
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 20122c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
www.historiadasartes.com
 
Arte grega: história da pintura.
Arte grega: história da pintura.Arte grega: história da pintura.
Arte grega: história da pintura.
Professor Gilson Nunes
 
A cerâmica grega tatiana _daiela
A cerâmica grega tatiana _daielaA cerâmica grega tatiana _daiela
A cerâmica grega tatiana _daiela
Mariajosesantos57
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
guestf7402f6
 
Escultura grega antiga
Escultura grega antigaEscultura grega antiga
Escultura grega antiga
duartcr
 
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmicaArte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Professor Gilson Nunes
 
Arte na Grécia Antiga
Arte na Grécia AntigaArte na Grécia Antiga
Arte na Grécia Antiga
Luciano Dias
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
ARTE GREGA
ARTE  GREGAARTE  GREGA
ARTE GREGA
Cristiane Seibt
 
A arte na Grécia Antiga
A arte na Grécia AntigaA arte na Grécia Antiga
A arte na Grécia Antiga
Ana Paula Silva
 
Cerâmica Grega
Cerâmica GregaCerâmica Grega
Cerâmica Grega
artes10n
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega parte 2
Arte grega  parte 2Arte grega  parte 2
Arte grega parte 2
Carla Teixeira
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia
ArtesElisa
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Hca Faro
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Mírian Carlos
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
Isabelle Louise
 

Mais procurados (19)

Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
 
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 20122c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
 
Arte grega: história da pintura.
Arte grega: história da pintura.Arte grega: história da pintura.
Arte grega: história da pintura.
 
A cerâmica grega tatiana _daiela
A cerâmica grega tatiana _daielaA cerâmica grega tatiana _daiela
A cerâmica grega tatiana _daiela
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
Escultura grega antiga
Escultura grega antigaEscultura grega antiga
Escultura grega antiga
 
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmicaArte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
 
Arte na Grécia Antiga
Arte na Grécia AntigaArte na Grécia Antiga
Arte na Grécia Antiga
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
Arte grega
 
ARTE GREGA
ARTE  GREGAARTE  GREGA
ARTE GREGA
 
A arte na Grécia Antiga
A arte na Grécia AntigaA arte na Grécia Antiga
A arte na Grécia Antiga
 
Cerâmica Grega
Cerâmica GregaCerâmica Grega
Cerâmica Grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega parte 2
Arte grega  parte 2Arte grega  parte 2
Arte grega parte 2
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 

Semelhante a Grécia escultura 1

A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
Camila
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Silmara Nogueira
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Adriana Guimarães Manaro
 
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
Mike Piece
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
Carlos Benjoino Bidu
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
Cinthya Nascimento
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
ArtesElisa
 
Gréciapdf
GréciapdfGréciapdf
Gréciapdf
Diana Geraissati
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
chicovalmir
 
Arte Grega
Arte Grega Arte Grega
Arte Grega
Filipa Silva
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Aline Raposo
 
Sete maravilhas da mundo antigo
Sete maravilhas da mundo antigoSete maravilhas da mundo antigo
Sete maravilhas da mundo antigo
Joab Duarte
 
História da arte e do design grecia e roma
História da arte e do design   grecia e romaHistória da arte e do design   grecia e roma
História da arte e do design grecia e roma
Rafael Esnarriaga
 
Aula 4 apresentação arte grega
Aula 4   apresentação arte gregaAula 4   apresentação arte grega
Aula 4 apresentação arte grega
Kívia Silva
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
VIVIAN TROMBINI
 
Arte grega 2017
Arte grega 2017Arte grega 2017
Arte grega 2017
CLEBER LUIS DAMACENO
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
Edenilson Morais
 
Mundo Antigo MarçO2007
Mundo Antigo MarçO2007Mundo Antigo MarçO2007
Mundo Antigo MarçO2007
Maria Luiza Rocha
 
As Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas Do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
Carlos Teles de Menezes Junior
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 

Semelhante a Grécia escultura 1 (20)

A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
 
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
A Arte no Antigo Egito - por Moaccyr K.
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
 
Gréciapdf
GréciapdfGréciapdf
Gréciapdf
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
Arte Grega
Arte Grega Arte Grega
Arte Grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Sete maravilhas da mundo antigo
Sete maravilhas da mundo antigoSete maravilhas da mundo antigo
Sete maravilhas da mundo antigo
 
História da arte e do design grecia e roma
História da arte e do design   grecia e romaHistória da arte e do design   grecia e roma
História da arte e do design grecia e roma
 
Aula 4 apresentação arte grega
Aula 4   apresentação arte gregaAula 4   apresentação arte grega
Aula 4 apresentação arte grega
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
 
Arte grega 2017
Arte grega 2017Arte grega 2017
Arte grega 2017
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
 
Mundo Antigo MarçO2007
Mundo Antigo MarçO2007Mundo Antigo MarçO2007
Mundo Antigo MarçO2007
 
As Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas Do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 

Mais de António Silva

J arte românica
J arte românicaJ arte românica
J arte românica
António Silva
 
I arte islâmica em portugal
I arte islâmica em portugalI arte islâmica em portugal
I arte islâmica em portugal
António Silva
 
H visigodos e moçárabes
H visigodos e moçárabesH visigodos e moçárabes
H visigodos e moçárabes
António Silva
 
G arte romana em portugal
G arte romana em portugalG arte romana em portugal
G arte romana em portugal
António Silva
 
F bronze final e ferro
F bronze final e ferroF bronze final e ferro
F bronze final e ferro
António Silva
 
E arte levantina
E arte levantinaE arte levantina
E arte levantina
António Silva
 
D megalitismo
D megalitismoD megalitismo
D megalitismo
António Silva
 
C arte paleolítico superior
C arte paleolítico superiorC arte paleolítico superior
C arte paleolítico superior
António Silva
 
A escultura romana
A escultura romanaA escultura romana
A escultura romana
António Silva
 
A arquitectura romana
A arquitectura romanaA arquitectura romana
A arquitectura romana
António Silva
 
B património
B patrimónioB património
B património
António Silva
 
A o que é arte
A o que é arteA o que é arte
A o que é arte
António Silva
 
100 filmes
100 filmes100 filmes
100 filmes
António Silva
 
100 pinturas
100 pinturas100 pinturas
100 pinturas
António Silva
 
Arte islâmica em portugal
Arte islâmica em portugalArte islâmica em portugal
Arte islâmica em portugal
António Silva
 
A pintura portuguesa no séc. xvi
A pintura portuguesa no séc. xviA pintura portuguesa no séc. xvi
A pintura portuguesa no séc. xvi
António Silva
 
A estatuária pública e a escultura monumental
A estatuária pública e a escultura monumentalA estatuária pública e a escultura monumental
A estatuária pública e a escultura monumental
António Silva
 
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reisA escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
António Silva
 
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismoA escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
António Silva
 
Arte Levantina
Arte LevantinaArte Levantina
Arte Levantina
António Silva
 

Mais de António Silva (20)

J arte românica
J arte românicaJ arte românica
J arte românica
 
I arte islâmica em portugal
I arte islâmica em portugalI arte islâmica em portugal
I arte islâmica em portugal
 
H visigodos e moçárabes
H visigodos e moçárabesH visigodos e moçárabes
H visigodos e moçárabes
 
G arte romana em portugal
G arte romana em portugalG arte romana em portugal
G arte romana em portugal
 
F bronze final e ferro
F bronze final e ferroF bronze final e ferro
F bronze final e ferro
 
E arte levantina
E arte levantinaE arte levantina
E arte levantina
 
D megalitismo
D megalitismoD megalitismo
D megalitismo
 
C arte paleolítico superior
C arte paleolítico superiorC arte paleolítico superior
C arte paleolítico superior
 
A escultura romana
A escultura romanaA escultura romana
A escultura romana
 
A arquitectura romana
A arquitectura romanaA arquitectura romana
A arquitectura romana
 
B património
B patrimónioB património
B património
 
A o que é arte
A o que é arteA o que é arte
A o que é arte
 
100 filmes
100 filmes100 filmes
100 filmes
 
100 pinturas
100 pinturas100 pinturas
100 pinturas
 
Arte islâmica em portugal
Arte islâmica em portugalArte islâmica em portugal
Arte islâmica em portugal
 
A pintura portuguesa no séc. xvi
A pintura portuguesa no séc. xviA pintura portuguesa no séc. xvi
A pintura portuguesa no séc. xvi
 
A estatuária pública e a escultura monumental
A estatuária pública e a escultura monumentalA estatuária pública e a escultura monumental
A estatuária pública e a escultura monumental
 
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reisA escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
 
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismoA escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
 
Arte Levantina
Arte LevantinaArte Levantina
Arte Levantina
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Grécia escultura 1

  • 2. A partir do 3º milénio a.C., nas ilhas Cíclades, no mar Egeu, desenvolveu-se uma enigmática cultura. Harpista cicládico Atenas; Museu Arqueológico Nacional c. 2400 a. C. Estátua feminina Ilha de Siros c. 2300 a. C. Ídolo c. 2800 a. C.
  • 3. As peças são de tamanho variável (de poucos cm a c. 1,5m), executadas em mármore branco, simples e quase abstractas..
  • 4. Estátua feminina Amorgos; Mar Egeu c. 2400 a. C. Cabeça Amorgos; Mar Egeu c. 2400 a. C. Algumas peças são de uma modernidade surpreendente. Constantin Brancusi La Muse; 1912 Solomon R. Guggenheim Museum Nova Iorque
  • 5. Na ilha de Creta desenvolveu-se a civilização minóica. A escultura nunca conheceu dimensões monumentais. Eram peças em bronze ou terracota, pintadas em cores vivas, com enorme graciosidade . A Deusa-mãe e o minotauro eram os temas principais Deusa das Serpentes Crete; Palácio Cnossos c. 1600 a. C. Cabeça de Touro Proveniente de Creta Museu Arqueológico de Atenas
  • 6. Máscara de Agamemnon. Ouro Achada em 1876, em Micenas, por Heinrich Schliemann c. 1500 a. C. Museu Arqueológico de Atenas Entre 1 600 e 1 100 a. C., desenvolve-se a cultura micénica.
  • 7. A Porta dos Leões (XIII a. C.) é o mais belo exemplar da escultura micénica, revelando o gosto pela monumentalidades, rigor e simetria.
  • 8. Quanto à escultura grega, conhecemos poucos originais do período clássico, apenas o Hermes, de Praxíteles. As estátuas eram de bronze e não resistiram, tendo sido fundidas no decorrer dos séculos. Originais são as estátuas e relevos do período arcaico, bem com dos frontões, das métopas e dos frisos de alguns templos clássicos como o Pártenon. As principais fontes para o estudo da escultura grega são as cópias romanas e referências literárias. Policleto Diadoumenos Cópia romana c. 450 a. C.
  • 9. A figura humana é o tema habitual. Os deuses eram concebidos à imagem do homem. Busca das proporções ideais. Simetria, equilíbrio, idealidade, harmonia. Policleto Discóforo Cópia romana Museu Britânico Londres
  • 10. Período pré-arcaico (XI - IX a.C.): inicialmente, utilizaram como material a madeira (xoana; sing: xoanon). Eram estátuas talhadas a partir de um tronco, em pose hirta, imóvel e com os braços colados ao corpo. A composição era simétrica. O sexo masculino era explicitamente representado, enquanto os seios femininos eram sugeridos sob as vestes. Conhecemos apenas descrições literárias. A peça mais aproximada é a Hera de Samos. Estátua do templo Hera em Samos c. 1,92 m 575-550 a. C. Museu do Louvre
  • 11. Estatuetas votivas destinadas a rituais religiosos. Pequenas obras, representando figuras humanas e animais, em argila, marfim ou bronze. Estatueta em marfim Necrópole de Dipylon Atenas c. 730 a. C. Cavalo de bronze 12 cm Séc. VIII a. C. Museu do Louvre
  • 12. Período Arcaico (VII a.C. - VI a.C.): Estátua de Nesa Egipto III milénio a. C. Museu do Louvre Dama de Auxerre Grécia Séc. VII a. C. Museu do Louvre Rei Assunarzipal II Assíria Séc. IV a. C. Museu Britânico
  • 13. No período arcaico a pedra tornou-se o material mais utilizado, comum nas simples estátuas de rapazes (Kouros) e de jovens mulheres (Koré). Koré 650 - 625 a. C. Museu Arqueológico Nacional Atenas
  • 15. Os homens eram habitualmente representados nus. Kleobis e Biton Delfos Museu Arqueológico 580 - 570 a. C.
  • 16. Frontalidade. Esquemas de composição muito rígidos e compactos: braços unidos ao corpo, ombros largos e pescoço grosso, olhos salientes, lábios grossos; peitorais bem marcados; realce dos músculos e articulações; adiantamento da perna esquerda; Kouros de Súnio; 600 – 580 a. C. Museu Arqueológico Nacional Atenas Apolo de Milão Museu Arqueológico Nacional Kouros Anavyssos 530 – 520 a. C. Museu Arqueológico Nacional Atenas
  • 17. As mulheres representavam-se vestidas, os cabelos em cortina, estilizados, soltos ou entrançados; olhos amendoados, túnicas com pregas. Koré de Peplos Museu Acrópole 530 – 520 a. C. Koré de Chios c. 510 a. C. Notar os vestígios de pintura
  • 18. um sorriso forçado: o sorriso arcaico Rompe com a lei da frontalidade. São ainda arcaicos o sorriso, os olhos amendoados com as sobrancelhas prolongando a linha do nariz e o cabelo. Cavaleiro Rampin c. 560 a. C. Cabeça: Louvre Corpo: Museu de Atenas
  • 19. O Moscóforo [transportador de vitelo] Museu da Acrópole c. 560 – 570 a. C.
  • 20. A Koré de Eutídicos [a dama mal encarada] foi achada na Acrópole. Contém uma inscrição que diz ter sido oferecida por Eutídicos, filho de Taliarcos. É datável do ano de 500 a. C. e anuncia já a transição para o chamado estilo severo. Está exposta no Museu da Acrópole.
  • 21. Período de transição para a época clássica (séc. V a. C. c. 480 - 450 a.C.): Período clássico severo. Apogeu da era arcaica, anunciando a evolução para o período clássico. A obra mais importante é o Auriga de Delfos. 470 a. C. Museu de Delfos
  • 22. É uma figura de bronze, um condutor de carros dos jogos pan- helénicos. Integrada num conjunto, fazia parte de uma quadriga.
  • 23. Esta estátua de Zeus ou Poseidon foi achada no fundo do mar, ao largo do cabo Artemísio, em 1928. É dos poucos bronzes originais. Mede 2,1 m e data de c. 460 a. C. Museu Arqueológico Nacional de Atenas.
  • 24. Os bronzes de Riace (A e B) foram achados em 1972 na costa de Regio Calabria, por um mergulhador amador em férias. Museo Nazionale della Magna Grecia Regio Calabria Itália 460 – 430 a. C.
  • 25. O chamado Trono Ludovisi foi achado em Roma, em 1887, durante as obras na Villa Ludovisi. Data do séc. V a.C. e está exposto no Museo Nazionale Romano. Representa, provavelmente, o nascimento de Afrodite da espuma do mar.
  • 26. A peça mais famosa é o Discóbolo de Míron (450 a. C.) do qual se desconhece o original, mas abundam as cópias. Uma obra equilibrada, cheia de fluidez, naturalidade e tensão (momento mirónico), com o corpo em encenada torção, revela já o abandono completo dos cânones arcaicos e anuncia o maravilhoso esplendor da época clássica.