SlideShare uma empresa Scribd logo
Grécia Antiga
Prof.ª Viviane Jordão
INTRODUÇÃO
 A Grécia, na Antiguidade, constituem uma grande
influência na formação do pensamento ocidental, a ponto
de ser considerada “berço” da nossa civilização.
 Da Grécia, herdamos uma extensa gama de conhecimentos
científicos, filosóficos e políticos que mobilizamos até
hoje.
 Devemos aos gregos grande parte de nossa filosofia, de
nossas artes plásticas, nosso interesse pelo teatro, um
vasto conhecimento de literatura e muito de nosso
conhecimento político.
FORMAÇÃO DA GRÉCIA ANTIGA
 A Grécia Antiga, ocupava as terras ao sul da península
Balcânica, as ilhas do Egeu, o litoral da Ásia Menor (atual
Turquia) e mais tarde o sul da península Itálica.
 A partir do século XX a.C., em sucessivas migrações, tribos
de origem indo-europeia ocuparam esse território, que já
era habitado.
 Primeiro vieram os aqueus, que fundaram a civilização
micênica e devastaram a civilização minoica da ilha de
Creta. Mais tarde chegaram os jônios, os eólios e, a partir do
século XII a.C. os dórios.
 Esses grupos se autodeterminaram helenos e chamaram de
Hélade o território ocupado. Por isso, a cultura grega é
chamada de helenística.
PERÍODOS DA HISTÓRIA GREGA
 Pré-Homérico ou Micênico (XX a.C. a XII a.C.)
 Homérico (XII a.C. a VIII a.C.)
 Arcaico (VIII a.C. a V a.C.)
 Clássico (V a.C. a IV a.C.)
 Helenístico (IV a.C. a II a.C.)
A SOCIEDADE MINOICA (CRETENSES)
 A arqueologia é a principal fonte dos historiadores para o
conhecimento da civilização minoica. Os palácios, cujas ruínas
foram descobertas e estudas a partir do final do século XIX,
datam um período anterior a 2000 a.C. Minos, do qual deriva
o nome dessa civilização, faz referência a uma dinastia ou a
um título (Rei Minos).
 As ruínas de Cnossos, cidade-palácio, permitem formular a
hipótese da existência de uma monarquia na qual o poder se
fundamentava no domínio do mar, a talassocracia (poderio
político e econômico de um Estado baseado no domínio das
rotas marítimas comerciais; domínio dos mares por um
Estado; império marítimo.)
A SOCIEDADE MINOICA
 A religião era matriarcal,
caracterizada pelo princípio da
fecundidade. A principal divindade
era a Deusa-Mãe, fonte da vida, do
bem e do mal.
 Essa importante civilização
prosperou até o século XVII a.C.
Nesse momento, já havia surgido na
Grécia continental um novo grupo
humano.
PERÍODO PRÉ-HOMÉRICO
(XX a.C – XII a.C)
 Os indo-europeus começaram a chegar à região da Hélade
por volta de 1950 a.C. Os primeiros a chegar foram os
aqueus, arianos de origem indo-europeia, e se
estabeleceram em Micenas, uma cidade da Grécia
Continental.
 Por cerca de dois séculos, houve a miscigenação e contato
entre os cretenses e os aqueus, até que, em 1450 a.C., os
aqueus invadiram a ilha de Creta, e os cretenses foram
dominados pelos aqueus. Micenas passou a ser o centro
econômico, político e cultural da região.
 Não havia unidade política entre os micênicos, e sim reinos
independentes cujos os governantes se dedicavam a guerra.
 Prova dessa atividade guerreira aparece em um dos poemas
épicos atribuídos a Homero, a Ilíada.
 Essa obra relata a guerra travada pelos aqueus contra a
cidade de Troia (atual Turquia). Pesquisas sugerem que de fato
houve uma guerra para saquear a cidade, rica em tesouros,
que foram pilhadas pelos aqueus.
 O domínio micênico perdurou até o século XII a.C. Nesse
momento, uma nova onda de invasões de tribos indo-
europeias (eólios, jônios e dórios), chegaram na região. Mas,
os dórios acabaram com a hegemonia de Micenas e vários
grupos fugiram da região. Esse episódio ficou conhecido como
a Primeira Diáspora.
 O período que chamamos Homérico iniciou-se com a Primeira
Diáspora e sua característica predominante é a organização da
população em comunidades agrícolas pequenas e fundadas no
princípio do coletivismo igualitário, os genos.
 Geno -> unidade econômica, social, política e religiosa. Cada
geno era uma família que produzia de forma coletiva, tudo
pertencia a todos.
 O geno era comandado por um patriarca (pater), um homem
da família considerado mais velho e mais sábio. Responsável
também pelas atividades religiosas.
 No período Homérico predominou a comunidade gentílica.
PERÍODO HOMÉRICO
(XII a.C – VIII a.C.)
 Muitos grupos afetados pelas constantes instabilidades,
sobretudo os mais desfavorecidos, abandonaram a região para
se instalarem em outros locais. Esse episódio é chamado
Segunda Diáspora.
 Vários genos deram origem a diferentes fátrias (associação
dos genos). Porém com a intensidade do crescimento
demográfico, foi necessário um novo processo de fusão.
 As diferentes fatrias formara as tribos. Finalmente as tribos
agruparam-se em unidades ainda maiores denominadas demos
(povo em grego).
 O governo dos demos centralizou-se em um único chefe
supremo, o basileu. Deram origem às comunidades
independentes que viriam a ser as pólis.
PERÍODO ARCAICO
(VIII a.C. – V a.C.)
 Formação da pólis: cidade-Estado grega.
 Autarquia (governo próprio), cidades autônomas do ponto
de vista político.
 Embora muito diferentes, as poleis gregas tinham
elementos comuns, como a distribuição espacial.
 No alto da cidade, ficava a Acrópole (espécie de fortaleza
do rei e o templo da divindade local).
 Bem próximo à cidade alta, surgia o Asty, o mercado, que
progressivamente ganhava importância com o fim do
isolamento dos genos.
 Abrigavam também a ágora, praça utilizada para as reuniões
públicas e para a realização de negócios.
 A cidade baixa, com as casas da maioria da população.
 Assim como a economia, a estrutura social também era
bastante diversa na pólis. As terras mais férteis ficavam nas
mãos dos eupátridas (grandes proprietários rurais), e em geral
eram cultivadas por homens livres que prestavam serviços em
troca de moradia e alimentação.
 Estrangeiros e jovens pobres trabalhavam como agregados e
recebiam remuneração. Além desses empregados, havia os
escravos. Na Grécia Antiga, tornava-se escravo aquele que
não conseguia pagar suas dívidas e aqueles que eram
dominados em guerras.
 A camada dominante usufruía do direito da cidadania, da qual
estavam excluídos os camponeses, as mulheres e os escravos.
 Nessa época, aflorou na Grécia um forte sentimento de
identidade cultural.
 Foi somente nesse período que a língua, a religião e outros
padrões comuns a esses quatro povos fizeram com que as
diferenças fossem reduzidas e que os aqueus, eólios, dórios e
jônios passassem a ser considerados um só povo. Esse
sentimento levou-os a se autodesignarem helênicos.
 Criaram as Olimpíadas (séc. VIII a.C. ao século V d.C.), jogos
realizados na Olímpia em homenagem a Zeus, pois buscavam
através dos Jogos Olímpicos a paz e a harmonia entre as
cidades que compunham a civilização grega. Uma forma de
manter a identidade enquanto gregos.
ESPARTA
 Características: militar, xenófoba, agrária e oligárquica.
 Esparta foi uma pólis de origem dórica, fundada na
Lacônia, na Península do Peloponeso.
 Foi governada por oligarquias (poder exercido por um
pequeno grupo de pessoas).
 O Estado era uma diarquia (dois reis, com funções
executivas e militares).
 O Estado era militarizado e o modo de vida rigidamente
regulamentado e hierarquizado.
 O Estado era proprietário de todas as terras e também dos
escravos.
 A educação dos espartanos homens era voltada para a
obediência e aptidão física. Aos 18 anos ingressavam no
exército. As meninas ficavam sempre com a família, mas
tinham uma educação severa e centrada em exercícios físicos.
 A sociedade era formada por três grupos:
-Espartanos (detentores da cidadania e dos privilégios)
-Periecos (sem direitos políticos e dedicado ao pequeno
comércio da cidade)
-Hilotas (propriedades do Estado e presos as terras exploradas
pelos cidadãos).
ATENAS
 Características: democrática, cosmopolita, comercial,
filosofia.
 Atenas era uma pólis situada na Ática, uma península
muito próxima ao mar e a diversas ilhas.
 Sua população descendia dos aqueus, eólios e jônios.
 A população ateniense era composta pelos eupátridas
(grandes proprietários rurais), demiurgos (artesãos e
pequenos proprietários), metecos (estrangeiros que
exerciam a atividade mercantil, mas não tinham direitos
políticos) e os escravos (por dívidas ou por serem
prisioneiros de guerra)
 As leis praticadas na Grécia nesse período eram
transmitidas oralmente e também eram aplicadas pela
aristocracia , o que garantia uma boa dose de parcialidade
e subjetividade em suas aplicações. A maior reivindicação
das camadas populares era por leis escritas.
 A pressão das novas forças sociais abalou as instituições
atenienses. Assim Drácon em 621 a.C, publicou o primeiro
código de leis. Outro importante legislador foi Sólon, que
eliminou a escravidão por dívidas, libertando dos
pequenos proprietários.
Drácon, Sólon e as leis escritas
Tirania
 Definição: A tirania foi uma aliança entre os novos ricos e
os pobres que, voltando-se contra a aristocracia rural,
culminou na derrocada do poder da oligarquia.
 O dirigente com poderes ilimitados, afastava pela força os
setores dominantes tradicionais, mas assegurava uma base
de sustentação ao atender algumas reivindicações
populares.
 Pisístrato, que governou Atenas de 546 a.C. até 527 a.C.
era extremamente adorado pelo povo e realizou uma série
de medidas que trouxeram prosperidade e embelezaram a
cidade
Democracia
 Clístenes é conhecido como o “pai da democracia”. Em
507 a.C., realizou reformas que tinham como objetivo
acabar de vez com o poder da aristocracia oligárquica e,
para isso, começou um radical reordenamento social.
 Os atenienses foram divididos em 100 circunscrições
territoriais denominadas demos, distribuídas por três
regiões distintas: cidade, costa e interior. Dez demos
formavam uma tribo. Assim, Atenas ficou dividida em 10
tribos. Utilizando o Conselho Político criado por Sólon, a
Bulé, determinou-se que o conselho passasse a ter 500
membros, cabendo a cada tribo eleger 50 deles.
 Participavam das eleições aqueles que eram considerados
cidadãos: homens livres, brancos e detentores de
propriedade. Cabia à Eclésia, a assembleia de todos os
cidadãos, discutir e votar os projetos de lei preparados
pela Bulé. A função judiciária ficava nas mãos do Helieu,
composto por 6 000 cidadãos sorteados.
O período Clássico (V a.C. a IV a.C.)
 Foi durante o governo de Péricles (461 a.C. a 429 a.C.)
que a democracia ateniense alcançou sua plenitude, por
meio do estabelecimento dos princípios da isonomia
(igualdade de todos perante a lei), da isegoria (direito à
fala durante a Assembleia) e isocracia (igualdade de
participação no poder).
 Esse período é considerado o período Clássico (V a.C. a IV
a.C.) da civilização grega, seu momento de esplendor e
prosperidade.
Democracia direta e indireta
 Na democracia ateniense, todos
os cidadãos eram obrigados a
comparecer à Assembleia, que
era um comício ao ar livre aberto
para a fala e o posicionamento de
todos. Nas sociedades atuais,
vigora a democracia
representativa, o que significa
que os cidadãos elegem
representantes que comparecem
aos fóruns de decisão política.
Instituições da democracia ateniense
 Eclésia -> Os cidadãos reuniam-se em praça pública
(ágora), formando a Eclésia (assembleia popular), onde
eram ouvidos os demagogos (orientadores do povo),
votadas as leis. Era também a Eclésia que elegia os
estrategos.
 Magistrados:
- Estrategos –> 10 magistrados eleitos anual e diretamente
pelo povo para chefiar a marinha e o exército. Péricles foi
eleito durante 30 anos.
- Arcontes –> 10 cidadãos sorteados anualmente, a quem
competia funções religiosas e judiciais, como verificar as leis
e presidir aos tribunais.
 Bulé ou Conselho dos 500 – assembleia que tinha por
função preparar as leis que iriam ser votadas pela Eclésia.
Era constituída por 500 cidadãos (50 por tribo) sorteados
anualmente.
 Tribunais:
- Areópago –> tribunal constituído por antigos arcontes,
sorteados anualmente, com competência para julgar crimes
graves e questões religiosas.
- Helieu –> tribunal que julga outras assuntos.
 Os cargos da democracia eram alguns eleitos pela
assembleia e outros sorteados.
Guerra de Peloponeso
(431 a.C. a 404 a.C.)
 Disputa comercial entre Atenas e Corinto, antiga aliada de
Esparta, as duas principais pólis gregas entraram em
conflito direto. Tinha início a Guerra do Peloponeso.
Atenas x Esparta
 Durante a guerra, Atenas foi atingida pela peste, que
acometeu o próprio Péricles. Após vários anos de
combate, Esparta recebeu a ajuda dos persas e Atenas foi
derrotada.
O período Helenístico (IV a.C. a II a.C.)
 A Guerra do Peloponeso acabou por esgotar tanto militar
quanto economicamente as pólis gregas, além de destruir,
obviamente, o sistema democrático. Esparta impôs em
Atenas um regime aristocrático e isso estendeu-se para as
demais pólis da Liga de Delos. Além disso, Esparta já
tinha entrado em conflito com outras cidades, como
Tebas.
 Aproveitando-se da situação, Felipe II – rei da Macedônia,
invadiu a Grécia e, na batalha de Queroneia (338 a.C.),
conquistou as pólis gregas e submeteu-as ao seu domínio.
Quando em 336 a.C., Felipe II morreu assassinado, seu
filho Alexandre, rapidamente, sufocou uma tentativa de
revolta grega.
 Após dominar a Grécia, Alexandre logo partiu para a
conquista de territórios orientais, como o Egito e a Índia.
Alexandre ficou conhecido por formar, rapidamente, um
vasto império que promoveu a integração cultural e a
miscigenação entre diferentes povos.
 Alexandre foi o responsável pela mescla de valores gregos
com os de outros povos dominados. A cultura advinda
desse momento é comumente chamada helenística, pois
combina elementos helênicos (gregos) à cultura de povos
conquistados pelos macedônios.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
cattonia
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Janaína Tavares
 
historia da mesopotamia
historia da mesopotamiahistoria da mesopotamia
historia da mesopotamia
Ewerton Anacleto de Souza
 
Antiga Grecia
Antiga GreciaAntiga Grecia
Antiga Grecia
Susana Losada
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Alexandre Protásio
 
Resumo grécia antiga
Resumo  grécia antigaResumo  grécia antiga
Resumo grécia antiga
Claudenilson da Silva
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Margarida Moreira
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
A CivilizaçãO Grega
A CivilizaçãO GregaA CivilizaçãO Grega
A CivilizaçãO Grega
Sílvia Mendonça
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
Daniel Alves Bronstrup
 
Egito e Kush
Egito e KushEgito e Kush
Egito e Kush
Paulo Alexandre
 
Civilização Grega aula 01
Civilização Grega   aula 01Civilização Grega   aula 01
Civilização Grega aula 01
Daniel Alves Bronstrup
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
cattonia
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Alexandre Tavares
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
thiago2013
 
Grécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homéricoGrécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homérico
Guilherme Drumond
 
3° ano - Grécia Antiga – aula 2
3° ano - Grécia Antiga – aula 23° ano - Grécia Antiga – aula 2
3° ano - Grécia Antiga – aula 2
Daniel Alves Bronstrup
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
historia da mesopotamia
historia da mesopotamiahistoria da mesopotamia
historia da mesopotamia
 
Antiga Grecia
Antiga GreciaAntiga Grecia
Antiga Grecia
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
 
Resumo grécia antiga
Resumo  grécia antigaResumo  grécia antiga
Resumo grécia antiga
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
A CivilizaçãO Grega
A CivilizaçãO GregaA CivilizaçãO Grega
A CivilizaçãO Grega
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
Egito e Kush
Egito e KushEgito e Kush
Egito e Kush
 
Civilização Grega aula 01
Civilização Grega   aula 01Civilização Grega   aula 01
Civilização Grega aula 01
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Grécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homéricoGrécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homérico
 
3° ano - Grécia Antiga – aula 2
3° ano - Grécia Antiga – aula 23° ano - Grécia Antiga – aula 2
3° ano - Grécia Antiga – aula 2
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
 

Destaque

Aula sobre a civilização grega
Aula sobre a civilização gregaAula sobre a civilização grega
Aula sobre a civilização grega
Profª Bruna Morrana
 
A antiguidade clássica
A antiguidade clássicaA antiguidade clássica
A antiguidade clássica
DealdyPony
 
Civilização Grega Antiga - Prof. Medeiros
Civilização Grega Antiga - Prof. MedeirosCivilização Grega Antiga - Prof. Medeiros
Civilização Grega Antiga - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
josafaslima
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
Jackeline Póvoas
 
Civilização grega ii
Civilização grega iiCivilização grega ii
Civilização grega ii
Vagner22005
 
Grécia antiga 1
Grécia antiga 1Grécia antiga 1
Grécia antiga 1
Luis Alberto Bassoli
 
A civilização grega_big6_7ºb
A civilização grega_big6_7ºbA civilização grega_big6_7ºb
A civilização grega_big6_7ºb
luiscontente
 
Civilizações grandes rios
Civilizações grandes riosCivilizações grandes rios
Civilizações grandes rios
Patrícia Morais
 
06 história rafael- grécia antiga
06 história   rafael- grécia antiga06 história   rafael- grécia antiga
06 história rafael- grécia antiga
Rafael Noronha
 
Cretenses
CretensesCretenses
Cretenses
fespiritacrista
 
Civilizacoes dos Grandes Rios
Civilizacoes dos Grandes RiosCivilizacoes dos Grandes Rios
Civilizacoes dos Grandes Rios
Maria Barroso
 
Civilização Micênica
Civilização MicênicaCivilização Micênica
Civilização Micênica
Doug Caesar
 
Grécia clássica e roma
Grécia clássica e romaGrécia clássica e roma
Grécia clássica e roma
Carlos Glufke
 
Grécia
GréciaGrécia
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Paulo Alexandre
 
Capítulo 10 a grécia das origens ao helenismo
Capítulo 10   a grécia das origens ao helenismoCapítulo 10   a grécia das origens ao helenismo
Capítulo 10 a grécia das origens ao helenismo
Isaquel Silva
 
Grécia 2
Grécia 2Grécia 2
Tema 11 O mundo grego (Grecia antiga)
Tema 11 O mundo grego (Grecia antiga)Tema 11 O mundo grego (Grecia antiga)
Tema 11 O mundo grego (Grecia antiga)rubempaul
 

Destaque (20)

Aula sobre a civilização grega
Aula sobre a civilização gregaAula sobre a civilização grega
Aula sobre a civilização grega
 
A antiguidade clássica
A antiguidade clássicaA antiguidade clássica
A antiguidade clássica
 
Civilização Grega Antiga - Prof. Medeiros
Civilização Grega Antiga - Prof. MedeirosCivilização Grega Antiga - Prof. Medeiros
Civilização Grega Antiga - Prof. Medeiros
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
 
Civilização grega ii
Civilização grega iiCivilização grega ii
Civilização grega ii
 
Grécia antiga 1
Grécia antiga 1Grécia antiga 1
Grécia antiga 1
 
A civilização grega_big6_7ºb
A civilização grega_big6_7ºbA civilização grega_big6_7ºb
A civilização grega_big6_7ºb
 
Civilizações grandes rios
Civilizações grandes riosCivilizações grandes rios
Civilizações grandes rios
 
06 história rafael- grécia antiga
06 história   rafael- grécia antiga06 história   rafael- grécia antiga
06 história rafael- grécia antiga
 
Cretenses
CretensesCretenses
Cretenses
 
Civilizacoes dos Grandes Rios
Civilizacoes dos Grandes RiosCivilizacoes dos Grandes Rios
Civilizacoes dos Grandes Rios
 
Civilização Micênica
Civilização MicênicaCivilização Micênica
Civilização Micênica
 
Grécia clássica e roma
Grécia clássica e romaGrécia clássica e roma
Grécia clássica e roma
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Capítulo 10 a grécia das origens ao helenismo
Capítulo 10   a grécia das origens ao helenismoCapítulo 10   a grécia das origens ao helenismo
Capítulo 10 a grécia das origens ao helenismo
 
Grécia 2
Grécia 2Grécia 2
Grécia 2
 
Tema 11 O mundo grego (Grecia antiga)
Tema 11 O mundo grego (Grecia antiga)Tema 11 O mundo grego (Grecia antiga)
Tema 11 O mundo grego (Grecia antiga)
 

Semelhante a Grécia Antiga

Trabalho
TrabalhoTrabalho
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Jonas Araújo
 
Pism
PismPism
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
Juliana Souza Ramos
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
VanessaSilva460656
 
Revisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º anoRevisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º ano
eunamahcado
 
2bimestre-161116215357.pdf
2bimestre-161116215357.pdf2bimestre-161116215357.pdf
2bimestre-161116215357.pdf
Elizeu filho
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
Lara Lídia
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
Giorgia Marrone
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
Darlene Celestina
 
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodosGrécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
GislidaNunez
 
Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011
Carlos Zaranza
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º ano
eunamahcado
 
Antiguida..
Antiguida..Antiguida..
Antiguida..
Gilda Sandes
 
Slide sobre direito grego
Slide sobre direito gregoSlide sobre direito grego
Slide sobre direito grego
ArthurSilva272154
 
Direito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacaoDireito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacao
Tânia Araújo
 
Aula 01 historia antiga
Aula 01   historia antigaAula 01   historia antiga
Aula 01 historia antiga
Ewerton Clemente
 
Grecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº MauricioGrecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº Mauricio
Mauricio da Silva
 
Primeiras Civilizações - Civilização Grega
Primeiras Civilizações - Civilização GregaPrimeiras Civilizações - Civilização Grega
Primeiras Civilizações - Civilização Grega
Diego Bian Filo Moreira
 

Semelhante a Grécia Antiga (20)

Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
 
Pism
PismPism
Pism
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
Revisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º anoRevisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º ano
 
2bimestre-161116215357.pdf
2bimestre-161116215357.pdf2bimestre-161116215357.pdf
2bimestre-161116215357.pdf
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodosGrécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
 
Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º ano
 
Antiguida..
Antiguida..Antiguida..
Antiguida..
 
Slide sobre direito grego
Slide sobre direito gregoSlide sobre direito grego
Slide sobre direito grego
 
Direito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacaoDireito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacao
 
Aula 01 historia antiga
Aula 01   historia antigaAula 01   historia antiga
Aula 01 historia antiga
 
Grecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº MauricioGrecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº Mauricio
 
Primeiras Civilizações - Civilização Grega
Primeiras Civilizações - Civilização GregaPrimeiras Civilizações - Civilização Grega
Primeiras Civilizações - Civilização Grega
 

Último

JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

Grécia Antiga

  • 2. INTRODUÇÃO  A Grécia, na Antiguidade, constituem uma grande influência na formação do pensamento ocidental, a ponto de ser considerada “berço” da nossa civilização.  Da Grécia, herdamos uma extensa gama de conhecimentos científicos, filosóficos e políticos que mobilizamos até hoje.  Devemos aos gregos grande parte de nossa filosofia, de nossas artes plásticas, nosso interesse pelo teatro, um vasto conhecimento de literatura e muito de nosso conhecimento político.
  • 3. FORMAÇÃO DA GRÉCIA ANTIGA  A Grécia Antiga, ocupava as terras ao sul da península Balcânica, as ilhas do Egeu, o litoral da Ásia Menor (atual Turquia) e mais tarde o sul da península Itálica.  A partir do século XX a.C., em sucessivas migrações, tribos de origem indo-europeia ocuparam esse território, que já era habitado.  Primeiro vieram os aqueus, que fundaram a civilização micênica e devastaram a civilização minoica da ilha de Creta. Mais tarde chegaram os jônios, os eólios e, a partir do século XII a.C. os dórios.  Esses grupos se autodeterminaram helenos e chamaram de Hélade o território ocupado. Por isso, a cultura grega é chamada de helenística.
  • 4. PERÍODOS DA HISTÓRIA GREGA  Pré-Homérico ou Micênico (XX a.C. a XII a.C.)  Homérico (XII a.C. a VIII a.C.)  Arcaico (VIII a.C. a V a.C.)  Clássico (V a.C. a IV a.C.)  Helenístico (IV a.C. a II a.C.)
  • 5. A SOCIEDADE MINOICA (CRETENSES)  A arqueologia é a principal fonte dos historiadores para o conhecimento da civilização minoica. Os palácios, cujas ruínas foram descobertas e estudas a partir do final do século XIX, datam um período anterior a 2000 a.C. Minos, do qual deriva o nome dessa civilização, faz referência a uma dinastia ou a um título (Rei Minos).  As ruínas de Cnossos, cidade-palácio, permitem formular a hipótese da existência de uma monarquia na qual o poder se fundamentava no domínio do mar, a talassocracia (poderio político e econômico de um Estado baseado no domínio das rotas marítimas comerciais; domínio dos mares por um Estado; império marítimo.)
  • 6. A SOCIEDADE MINOICA  A religião era matriarcal, caracterizada pelo princípio da fecundidade. A principal divindade era a Deusa-Mãe, fonte da vida, do bem e do mal.  Essa importante civilização prosperou até o século XVII a.C. Nesse momento, já havia surgido na Grécia continental um novo grupo humano.
  • 7. PERÍODO PRÉ-HOMÉRICO (XX a.C – XII a.C)  Os indo-europeus começaram a chegar à região da Hélade por volta de 1950 a.C. Os primeiros a chegar foram os aqueus, arianos de origem indo-europeia, e se estabeleceram em Micenas, uma cidade da Grécia Continental.  Por cerca de dois séculos, houve a miscigenação e contato entre os cretenses e os aqueus, até que, em 1450 a.C., os aqueus invadiram a ilha de Creta, e os cretenses foram dominados pelos aqueus. Micenas passou a ser o centro econômico, político e cultural da região.
  • 8.  Não havia unidade política entre os micênicos, e sim reinos independentes cujos os governantes se dedicavam a guerra.  Prova dessa atividade guerreira aparece em um dos poemas épicos atribuídos a Homero, a Ilíada.  Essa obra relata a guerra travada pelos aqueus contra a cidade de Troia (atual Turquia). Pesquisas sugerem que de fato houve uma guerra para saquear a cidade, rica em tesouros, que foram pilhadas pelos aqueus.  O domínio micênico perdurou até o século XII a.C. Nesse momento, uma nova onda de invasões de tribos indo- europeias (eólios, jônios e dórios), chegaram na região. Mas, os dórios acabaram com a hegemonia de Micenas e vários grupos fugiram da região. Esse episódio ficou conhecido como a Primeira Diáspora.
  • 9.  O período que chamamos Homérico iniciou-se com a Primeira Diáspora e sua característica predominante é a organização da população em comunidades agrícolas pequenas e fundadas no princípio do coletivismo igualitário, os genos.  Geno -> unidade econômica, social, política e religiosa. Cada geno era uma família que produzia de forma coletiva, tudo pertencia a todos.  O geno era comandado por um patriarca (pater), um homem da família considerado mais velho e mais sábio. Responsável também pelas atividades religiosas.  No período Homérico predominou a comunidade gentílica. PERÍODO HOMÉRICO (XII a.C – VIII a.C.)
  • 10.  Muitos grupos afetados pelas constantes instabilidades, sobretudo os mais desfavorecidos, abandonaram a região para se instalarem em outros locais. Esse episódio é chamado Segunda Diáspora.  Vários genos deram origem a diferentes fátrias (associação dos genos). Porém com a intensidade do crescimento demográfico, foi necessário um novo processo de fusão.  As diferentes fatrias formara as tribos. Finalmente as tribos agruparam-se em unidades ainda maiores denominadas demos (povo em grego).  O governo dos demos centralizou-se em um único chefe supremo, o basileu. Deram origem às comunidades independentes que viriam a ser as pólis.
  • 11. PERÍODO ARCAICO (VIII a.C. – V a.C.)  Formação da pólis: cidade-Estado grega.  Autarquia (governo próprio), cidades autônomas do ponto de vista político.  Embora muito diferentes, as poleis gregas tinham elementos comuns, como a distribuição espacial.  No alto da cidade, ficava a Acrópole (espécie de fortaleza do rei e o templo da divindade local).  Bem próximo à cidade alta, surgia o Asty, o mercado, que progressivamente ganhava importância com o fim do isolamento dos genos.
  • 12.  Abrigavam também a ágora, praça utilizada para as reuniões públicas e para a realização de negócios.  A cidade baixa, com as casas da maioria da população.  Assim como a economia, a estrutura social também era bastante diversa na pólis. As terras mais férteis ficavam nas mãos dos eupátridas (grandes proprietários rurais), e em geral eram cultivadas por homens livres que prestavam serviços em troca de moradia e alimentação.  Estrangeiros e jovens pobres trabalhavam como agregados e recebiam remuneração. Além desses empregados, havia os escravos. Na Grécia Antiga, tornava-se escravo aquele que não conseguia pagar suas dívidas e aqueles que eram dominados em guerras.  A camada dominante usufruía do direito da cidadania, da qual estavam excluídos os camponeses, as mulheres e os escravos.
  • 13.  Nessa época, aflorou na Grécia um forte sentimento de identidade cultural.  Foi somente nesse período que a língua, a religião e outros padrões comuns a esses quatro povos fizeram com que as diferenças fossem reduzidas e que os aqueus, eólios, dórios e jônios passassem a ser considerados um só povo. Esse sentimento levou-os a se autodesignarem helênicos.  Criaram as Olimpíadas (séc. VIII a.C. ao século V d.C.), jogos realizados na Olímpia em homenagem a Zeus, pois buscavam através dos Jogos Olímpicos a paz e a harmonia entre as cidades que compunham a civilização grega. Uma forma de manter a identidade enquanto gregos.
  • 14. ESPARTA  Características: militar, xenófoba, agrária e oligárquica.  Esparta foi uma pólis de origem dórica, fundada na Lacônia, na Península do Peloponeso.  Foi governada por oligarquias (poder exercido por um pequeno grupo de pessoas).  O Estado era uma diarquia (dois reis, com funções executivas e militares).  O Estado era militarizado e o modo de vida rigidamente regulamentado e hierarquizado.
  • 15.  O Estado era proprietário de todas as terras e também dos escravos.  A educação dos espartanos homens era voltada para a obediência e aptidão física. Aos 18 anos ingressavam no exército. As meninas ficavam sempre com a família, mas tinham uma educação severa e centrada em exercícios físicos.  A sociedade era formada por três grupos: -Espartanos (detentores da cidadania e dos privilégios) -Periecos (sem direitos políticos e dedicado ao pequeno comércio da cidade) -Hilotas (propriedades do Estado e presos as terras exploradas pelos cidadãos).
  • 16. ATENAS  Características: democrática, cosmopolita, comercial, filosofia.  Atenas era uma pólis situada na Ática, uma península muito próxima ao mar e a diversas ilhas.  Sua população descendia dos aqueus, eólios e jônios.  A população ateniense era composta pelos eupátridas (grandes proprietários rurais), demiurgos (artesãos e pequenos proprietários), metecos (estrangeiros que exerciam a atividade mercantil, mas não tinham direitos políticos) e os escravos (por dívidas ou por serem prisioneiros de guerra)
  • 17.  As leis praticadas na Grécia nesse período eram transmitidas oralmente e também eram aplicadas pela aristocracia , o que garantia uma boa dose de parcialidade e subjetividade em suas aplicações. A maior reivindicação das camadas populares era por leis escritas.  A pressão das novas forças sociais abalou as instituições atenienses. Assim Drácon em 621 a.C, publicou o primeiro código de leis. Outro importante legislador foi Sólon, que eliminou a escravidão por dívidas, libertando dos pequenos proprietários. Drácon, Sólon e as leis escritas
  • 18. Tirania  Definição: A tirania foi uma aliança entre os novos ricos e os pobres que, voltando-se contra a aristocracia rural, culminou na derrocada do poder da oligarquia.  O dirigente com poderes ilimitados, afastava pela força os setores dominantes tradicionais, mas assegurava uma base de sustentação ao atender algumas reivindicações populares.  Pisístrato, que governou Atenas de 546 a.C. até 527 a.C. era extremamente adorado pelo povo e realizou uma série de medidas que trouxeram prosperidade e embelezaram a cidade
  • 19. Democracia  Clístenes é conhecido como o “pai da democracia”. Em 507 a.C., realizou reformas que tinham como objetivo acabar de vez com o poder da aristocracia oligárquica e, para isso, começou um radical reordenamento social.  Os atenienses foram divididos em 100 circunscrições territoriais denominadas demos, distribuídas por três regiões distintas: cidade, costa e interior. Dez demos formavam uma tribo. Assim, Atenas ficou dividida em 10 tribos. Utilizando o Conselho Político criado por Sólon, a Bulé, determinou-se que o conselho passasse a ter 500 membros, cabendo a cada tribo eleger 50 deles.
  • 20.  Participavam das eleições aqueles que eram considerados cidadãos: homens livres, brancos e detentores de propriedade. Cabia à Eclésia, a assembleia de todos os cidadãos, discutir e votar os projetos de lei preparados pela Bulé. A função judiciária ficava nas mãos do Helieu, composto por 6 000 cidadãos sorteados.
  • 21. O período Clássico (V a.C. a IV a.C.)  Foi durante o governo de Péricles (461 a.C. a 429 a.C.) que a democracia ateniense alcançou sua plenitude, por meio do estabelecimento dos princípios da isonomia (igualdade de todos perante a lei), da isegoria (direito à fala durante a Assembleia) e isocracia (igualdade de participação no poder).  Esse período é considerado o período Clássico (V a.C. a IV a.C.) da civilização grega, seu momento de esplendor e prosperidade.
  • 22. Democracia direta e indireta  Na democracia ateniense, todos os cidadãos eram obrigados a comparecer à Assembleia, que era um comício ao ar livre aberto para a fala e o posicionamento de todos. Nas sociedades atuais, vigora a democracia representativa, o que significa que os cidadãos elegem representantes que comparecem aos fóruns de decisão política.
  • 23. Instituições da democracia ateniense  Eclésia -> Os cidadãos reuniam-se em praça pública (ágora), formando a Eclésia (assembleia popular), onde eram ouvidos os demagogos (orientadores do povo), votadas as leis. Era também a Eclésia que elegia os estrategos.  Magistrados: - Estrategos –> 10 magistrados eleitos anual e diretamente pelo povo para chefiar a marinha e o exército. Péricles foi eleito durante 30 anos. - Arcontes –> 10 cidadãos sorteados anualmente, a quem competia funções religiosas e judiciais, como verificar as leis e presidir aos tribunais.
  • 24.  Bulé ou Conselho dos 500 – assembleia que tinha por função preparar as leis que iriam ser votadas pela Eclésia. Era constituída por 500 cidadãos (50 por tribo) sorteados anualmente.  Tribunais: - Areópago –> tribunal constituído por antigos arcontes, sorteados anualmente, com competência para julgar crimes graves e questões religiosas. - Helieu –> tribunal que julga outras assuntos.  Os cargos da democracia eram alguns eleitos pela assembleia e outros sorteados.
  • 25. Guerra de Peloponeso (431 a.C. a 404 a.C.)  Disputa comercial entre Atenas e Corinto, antiga aliada de Esparta, as duas principais pólis gregas entraram em conflito direto. Tinha início a Guerra do Peloponeso. Atenas x Esparta  Durante a guerra, Atenas foi atingida pela peste, que acometeu o próprio Péricles. Após vários anos de combate, Esparta recebeu a ajuda dos persas e Atenas foi derrotada.
  • 26. O período Helenístico (IV a.C. a II a.C.)  A Guerra do Peloponeso acabou por esgotar tanto militar quanto economicamente as pólis gregas, além de destruir, obviamente, o sistema democrático. Esparta impôs em Atenas um regime aristocrático e isso estendeu-se para as demais pólis da Liga de Delos. Além disso, Esparta já tinha entrado em conflito com outras cidades, como Tebas.  Aproveitando-se da situação, Felipe II – rei da Macedônia, invadiu a Grécia e, na batalha de Queroneia (338 a.C.), conquistou as pólis gregas e submeteu-as ao seu domínio. Quando em 336 a.C., Felipe II morreu assassinado, seu filho Alexandre, rapidamente, sufocou uma tentativa de revolta grega.
  • 27.  Após dominar a Grécia, Alexandre logo partiu para a conquista de territórios orientais, como o Egito e a Índia. Alexandre ficou conhecido por formar, rapidamente, um vasto império que promoveu a integração cultural e a miscigenação entre diferentes povos.  Alexandre foi o responsável pela mescla de valores gregos com os de outros povos dominados. A cultura advinda desse momento é comumente chamada helenística, pois combina elementos helênicos (gregos) à cultura de povos conquistados pelos macedônios.

Notas do Editor

  1. O período anterior a 1200 a.C., caracterizado pela imigração de povos indo-europeus e pela formação da cultura cretomicênica, recebeu a denominação de Pré-Homérico, pois aconteceu antes da suposta existência do poeta Homero.
  2. Os vencedores eram recebidos como heróis em suas cidades e ganhavam uma coroa de louros.