SlideShare uma empresa Scribd logo
Períodos da História da Grécia Antiga


Pré-Homérico - entre 2000 e 1.100 a.C

- época de ocupação do território da Grécia. Desenvolvimento das civilizações
Micênica e Cretense. Invasão dos Dórios no final deste período, provocando a
dispersão dos povos da região e ruralização.

Homérico - entre 1.100 e 700 a.C

- conclusão do processo de ruralização das comunidades gentílicas. Nos genos
havia a coletivização da produção e dos bens. No final deste período, com o
crescimento populacional, ocorreu a desintegração dos genos.

Arcaico - entre 700 e 500 a.C

- surgimento das pólis (cidades-estados) com a formação de uma elite social,
econômica e militar que passa a governar as cidades. Neste período ocorreu a
divisão do trabalho e o processo de urbanização. Surge o alfabeto fonético grego
e significativo desenvolvimento literário e artístico.

Clássico - entre 500 e 338 a.C

- época de grande desenvolvimento econômico, cultural, social e político da
Grécia Antiga. Época de grande fortalecimento das cidades-estados gregas como,
por exemplo, Esparta, Atenas, Tebas, Corinto e Siracusa. Foi também uma época
marcada por conflitos externos como, por exemplo, as Guerras Médicas (entre
gregos e persas no século V). Ocorreu também, neste período, a Guerra do
Peloponeso (entre Atenas e Esparta).

Helenístico - entre 338 e 146 a.C

- fase marcada pelo enfraquecimento militar grego e a conquista macedônica na
região. A cultura grega espalha-se pela região, fundindo-se com outras
(helenismo).




GRÉCIA ANTIGA
 A civilização grega, considerada por muitos como a principal matriz da
civilização ocidental, teve como berço à Grécia antiga, uma área de 77.000Km2
que abrangia quatro importantes regiões:
 A Grécia asiática: uma comprida e estreita faixa de terra situada na Ásia
Menor;
 A Grécia Insular: ilhas dos mares Jônio e Egeu;
 A Grécia Continental: sul da península balcânica;
 A Grécia Peninsular: península do pelonopesco.
 PERÍODOS DA HITÓRIA GREGA
 PERÍODO PRÉ-HOMÉRICO
 Esse período foi marcado pela lenta ocupação da Grécia Antiga por quatro povos
do ramo indo-europeu: os aqueus, os jônios, aos eólios, e os dórios.
 Embora tivessem a mesma origem, esses povos chegaram ao território grego em
momentos diferentes. Os primeiros a chegar foram os aqueus, um povo de pastores
nômades que, a partir do século XX a.C., penetrou na península balcânica em
busca de melhores pastagens para os seus rebanhos.
Depois dos aqueus, vieram os jônios, que se estabeleceram na península da Ática,
e os eólios, que se fixaram ao norte, na Tessália.
 A partir do século XII a.C. ocorreram às invasões dos dórios, os últimos, indo-
europeus a ocuparem a Grécia Antiga.Tais invasões foram violentíssimas.
Usando armas superiores as dos aqueus, os dórios arrasaram as principais
cidades aquéias e destruíram quase por completo a prodigiosa civilização
micênica.
 Uma parte dos aqueus, jônios e eólios foi escravizada. A outra, refugiou-se nas
montanhas ou espalhou-se pelas ilhas do Egeu e pela costa da Ásia Menor.
 Na Grécia Continental, houve um acentuado declínio da vida urbana. O comércio,
o artesanato e o uso da escrita quase desapareceram. Com isso, o cultivo de
cereais e a criação de gado, voltaram a ser principalmente as únicas atividades
econômicas.

PERÍODO HOMÉRICO
 Esse período foi compreendido entre os séculos XII e VI a.C. é chamado de
período homérico, por que as principais fontes escritas para o seu conhecimento
são a llíada e a odisséia, dois longos poemas atribuídos a Homero.
 A llíada descreve episódios verídicos e imaginários da Guerra de Tróia. A
Odisséia conta as histórias de Ulisses em sua viagem de volta para casa, depois
de enfrentar deuses e gigantes, e resistir aos encantos das sereias, Ulisses
consegue retornar ‘a sua terra e reencontrar Penélope, sua esposa.
 Escavações arqueológicas feitas a partir de 1870 têm confirmado a veracidade de
alguns fatos e personagens descritos nessa obra.
 Através delas, ficamos sabendo, por exemplo, como era a organização social dos
gregos nos chamados tempos homéricos.
 A sociedade nesse período organizava-se em génos, grandes famílias com
antepassados comuns. Cada géno era chefiado por um patriarca e sua economia era
natural e auto-suficiente. Cultivavam cereais, vinhas, oliveiras, legumes e
árvores frutíferas; criavam bois, cavalos, ovelhas, cabras e porcos. O boi era
usado como medida-padrão de valor ou moeda.
 Quando o crescimento da população superou a produção de alimentos, os conflitos
levaram ‘a divisão das terras e dos bens. Isso levou a desagregação dos génos,
substituídos pela propriedade privada da terra e divisão da sociedade em
classes.
 As primeiras classes sociais que surgiram foram a dos grandes proprietários de
terras, dos pequenos proprietários e a dos sem-terra. Estes últimos passaram a
trabalhar nas grandes propriedades em troca de comida e roupa ou tiveram que se
dedicar ao artesanato.Surgiu também a escravidão. Com a desintegração dos génos,
nasceram centenas de Cidades-estados, como Tebas, Argos, Corinto, Mileto, Atenas
e Esparta.

PERÍODO ARCAICO
 A Grécia Antiga não se constituía em estado único, com um governo para todos os
gregos. Era na verdade, um conjunto de cidades-estados independentes (pólis) e,
às vezes rivais. Cada uma tinha suas leis, seus governos e seus costumes. A
população dessas cidades raramente ultrapassavam 30 mil habitantes, exceto nas
grandes, como Atenas e Siracura.
Embora fossem independentes, as cidades gregas apresentavam certa unidade
cultural expressa em elementos como: língua, crenças religiosas, sentimento
comum de que eram diferentes dos povos que falavam a língua grega. Um exemplo da
unidade cultural grega são os jogos olímpicos, dos quais participavam as
diversas cidades.
 Nas cidades-estados, o cidadão grego foi conquistando direitos e contribuindo
para a vida social. Sentia-se como membro da pólis e não como um objeto de
submisso e manobrado pelos governantes. A palavra política, de origem grega,
primeiramente designou o cidadão que participava dos destinos da pólis.
 Dentre as cidades-estados gregas destacaram-se Esparta e Atenas.
 ESPARTA
 A cidade de Esparta, localizada na região sul do pelonopesco, ‘as margens do
rio Eurotas que também era chamada de Lacedemônia. Situada numa área vasta e
muito fértil, dedicava-se ao cultivo de cereais, da vinha e das oliveiras. Sua
origem remonta a invasão dos dórios, no século IX a.C. que submeteram os
habitantes locais e fundaram um centro urbano e de controle e administração.
 Os descendentes dos dórios constituíam a classe dos espartanos, que
monopolizavam o poder do estado. A maioria dos habitantes das cidades porém era
constituída de escravos. Vencidos em guerra eram propriedade do estado que os
cedia a classe dominante juntamente com as terras que trabalhavam.
A sociedade espartana contava ainda com uma categoria composta de pequenos
comerciantes livres, os periecos. Ao que parece esses indivíduos descendiam dos
povos que haviam colaborado com os dórios na conquista da região. Sua
importância social, porém era reduzida.
 O empenho da elite espartana em garantir seus privilégios é fielmente utratado
na explicação sobre a origem das leis que regiam a cidade.
 Militarismo Espartano
 Esparta era governada por uma oligarquia isto é, por uma minoria. Este elemento
reforçou o caráter conservador da sociedade espartana, que era mantida graças a
um sistema de educação voltado para a preparação militar.
 Toda criança ao nascer era examina por um conselho de anciões que avalia sua
constituição física. Caso apresentasse alguma deficiência, seria atirado de um
desfiladeiro. Caso contrário permanecia com os pais que o educaria até os sete
anos. Os meninos eram separados da família e entregues ao estado para cumprir
serviço militar.
 A obrigação da mulher, portanto, era de gerar filhos saudáveis para servir ao
estado, por isso a saúde do corpo também era uma preocupação feminina.
 O casamento, numa sociedade dominada por valores masculinos, visava tão-somente
a reprodução da população para manter os contingentes militares.

ATENAS
 Atenas localiza-se na região da Ática, uma península bastante recortada, com
bons portos onde colinas e montanhas misturam-se a pequenas planícies.
 A sociedade ateniense era dominado pelos eupátridas, grandes propriedades de
terras que detinham o controle sobre o governo. Assim garantiam a manutenção de
seus interesses e privilégios.
Os paralianos, comerciantes do litoral ateniense, contavam com significativo
prestigio social em função do desenvolvimento político comercial conquistado
pela cidade.
 Os camponeses habitantes da região montanhosa da península, compunham a camada
menos favorecida da sociedade ateniense. Sua inferioridade social só era
suplantada pelos escravos e estrangeiros.
O regime oligárquico do governo não era, contudo aceito com tranqüilidade pelos
grupos desprivilegiados da sociedade ateniense. Revoltas populares ocorriam
freqüentemente, para solucionar esses conflitos.
 O primeiro legislador foi Gracon a quem coube redigir as leis que até, então
eram transmitidas apenas oralmente.
 A ineficácia das reformas fizeram com que alguns indivíduos que tomaram o poder
o controle do governo pela força e passassem a exercer o poder de maneira
pessoal, estabelecendo a chamada tirania.

Democracia Ateniense
 A situação era bastante delicada quando Clístenes, político de origem nobre,
assumiu o governo de Atenas, disposto a apresentar reformas políticas profundas.
Durante seu governo, instaurou-se a democracia, ampliando a possibilidade de
participação nas decisões políticas todo cidadão ateniense independente de sua
renda.
 Em Atenas, a democracia repousava sobre o funcionamento de três órgãos
políticos principais: a Bule, a Eclésia, e a Heliae.
 A Bule representava um conselho de quinhentos membros, encarregados de elaborar
projetos de lei. A Eclésia tinha força de assembléia político e dela podiam
participar todos com mais de 18 anos de idade, sua função era aprovar ou não os
projetos exercidos pela Bule, além de eleger dez estrangeiros. Já as Heliae
representavam tribunais de justiça, nos quais cidadãos escolhidos por sorteio
julgavam conflitos, crimes e impasses.
 PERÍODO CLÁSSICO
 Nesse período, a Grécia atingia seu apogeu, marcado por grande desenvolvimento
econômico e esplendor cultural. Nesse período, Atenas e depois, Esparta
tornaram-se as mais importantes cidades gregas. A ascensão econômica trouxe
choques de interesses levando os gregos a lutarem contra outros povos e também
entre si. Entre as principais guerras desse período destacaram-se: as guerras
Médicas e a guerra do pelonopesco.
 PERÍODO HELENISTICO
 As constantes guerras entre as cidades gregas enfraqueceram-nas grandemente,
permitindo a invasão e a conquista do território grego pelos macedônios.
 A dominação da Grécia pela Macedônia (Alexandre Magno)
 Alexandre assumiu o comando do Império quando tinha apenas 20 anos de idade.
Apesar disso sentiu-se preparado para governar.
 Com seu pai, tivera lições práticas de política, e com o seu mestre, o filósofo
grego Aristóteles, aprendera a conhecer e apreciar a arte, a filosofia e as
ciências gregas.
 Logo no início de seu governo, Alexandre reprimiu prontamente duas tentativas
de rebelião promovidas pelas cidades gregas e consolidou-se no poder.
 A seguir, partiu a frente de 40 mil soldados, macedônicos e gregos, em direção
à África e a Ásia.
 Num curto espaço de dez anos, o exercito de Alexandre Magno conquistou a Síria,
a Fenícia, a Palestina, o Egito, as capitais do império persa e parte da Índia.
 O império de Alexandre Magno era o maior até então, estendendo-se desde a
Grécia até a Índia.
 Como seu pai, Alexandre também foi um político habilidoso. Respeitou as
tradições, a religião e a administração dos povos conquistados, admitiu jovens
persas no seu exército; promoveu o casamento de milhares de seus soldados com
mulheres orientais e incentivou ao máximo a troca de informações entre os
diferentes povos de seu império.
 Com isso, Alexandre estimulou os gregos a conhecerem a cultura oriental e
favoreceu a difusão da cultura grega entre os não-gregos.
 Com o tempo a cultura grega foi se fundindo com a cultura oriental e deu origem
a chamada cultura helenística.
 Quando Alexandre morreu, seus generais disputaram o poder entre si.
 O império macedônico ‘ exceto a Índia e a Pérsia ‘ foi dividido em três grandes
reinos: Reino do Egito, Reino da Síria e Reino da Macedônia.
AS GUERRAS MÉDICAS
 As guerras Médicas tiveram como causa principal a disputas entre Gregos e
Persas pela supremacia marítimo-comercial do Mundo Antigo.
 Durante sua expansão em direção ao Ocidente, o poderoso império persa
conquistou diversas colônias gregas na Ásia Menor, entre elas a importante
cidade de Mileto.
 Tempos depois, essas colônias, lideradas por Mileto e contando com a ajuda de
Atenas, tentaram, em vão, liberta-se do domínio persa promovendo uma revolta.
 Foi o que bastou para Dario I, rei dos persas, lançasse seu poderoso exercito
sobre a Grécia Continental, dando inicio as guerras médicas.
 Nesse primeiro confronto, para a surpresa de todos, 10 mil gregos liderados
pelo ateniense Miclíades conseguiram impedir o desembarque de 50 mil persas,
vencendo-os na Batalha de Maratona, no ano 490 a.C.

RIVALIDADE ENTRE AS CIDADES-ESTADOS
 A hegemonia conquistada por Atenas despertou a oposição de Esparta, apoiada por
outras cidades gregas, decidiu enfrentar o poder Ateniense, organizando a Liga
do Pelonopesco e obtendo com isso significativas vitórias sobre o exercito de
Atenas.
 A guerra contra a liga enfraquecia grandemente o poder de Atenas. A cidade teve
de render-se ao exercito Espartanos após ter sido derrotado na batalha de Egos
Pótamos. Esse fato marcaria o fim da democracia em Atenas que passou a ser
dirigida por um governo aristocrático indicado por Esparta.
A cidade de Esparta assim conquistava a hegemonia na Grécia, suscitando a
revolta das cidades que compunham a liga. Seguiram-se violentos conflitos até
que a cidade de Tebas conseguiu vencer os espartanos, estabelecendo o seu
domínio sobre o território grego.
O predomínio tebano teve vida curta, nove anos depois seu exercito foi derrotado
por forças militares de várias cidades gregas.
 A ocorrência constante de conflitos internos propiciou o enfraquecimento do
poderio grego e a invasão dos povos vizinhos.

ASPECTOS CULTURAIS
 Religião: a religião dos antigos   gregos era politeísta.Entre os vários deuses o
mais importante era Zeus, símbolo   da justiça, da razão e da autoridade. Habitava
o monte Olimpo, juntamente com os   outros deuses.
 Os deuses gregos foram criados a   imagem e semelhança dos homens, além de se
casarem entre si, os deuses gregos casavam-se também com seres mortais. Os
filhos desses casamentos era chamado de herói e considerado semideuses.
 Sobre seus deuses e heróis, os gregos contavam muitas lendas que deram origem à
rica mitologia grega.
 Filosofia: em grego quer dizer amor à sabedoria.
 O clima de liberdade e debates existentes nas cidades gregas que adotavam o
regime democrático favoreceu o aparecimento de grandes filósofos, entre eles
Sócrates, Platão e Aristóteles.
 Sócrates, que era um educador, precupou-se mais em conhecer o indivíduo dos
fenômenos naturais.
 Platão, assim como seu mestre Sócrates preucupou-se com a formação moral do
indivíduo.
 Aristóteles, o principal discípulo de Platão, é considerado o filosofo grego
que mais influenciou a civilização ocidental, um dos motivos era o de que ele
dedicava-se aos mais diferentes tipos de conhecimento.
 Teatro: os gregos produziam texto e espetáculos teatrais de excelente qualidade
e foram os inventores da tragédia e da comédia. Esses gêneros teatrais nasceram
nas grandes festas onde se misturavam danças, musicas e coros, em homenagem a
Dionísio, o deus do vinho.
 Entre os gramaturgos gregos que produziam obras imortais, encontram-se Ésquilo,
Sófoles, Eurípedes Aristófanes.
 História: a história também nasceu na Grécia Antiga. Um de seus historiadores
mais famosos foi Heródoto, autor de Histórias, obra na qual narra as guerras
Médicas, mas ele narrou essa história claramente a favor dos gregos.
 Coube ao ateniense Tucídides fundar a história como ciência, apresentando os
fatos históricos de modo objetivo e preciso.
 Medicina: conhecido como o pai da medicina, o grego Hipócrates lançou bases a
clínica médica. Sua maior contribuição foi afirmar que as doenças possuíam
causas naturais e, portanto, não podem ser explicados pela força do destino ou
pela vontade dos deuses. Ainda hoje, médicos recém-formados continuam prestando
o juramento de Hipócrates, através do qual se comprometem a dar o máximo de si
para defender a saúde dos enfermos.
 Matemática: os dois mais importantes matemáticos gregos foram Tales de Mileto e
Pitágoras. Tales formulou por exemplo, o teorema segundo o qual se duas linhas
se cruzam, os ângulos opostos pelo vértice são iguais. Já Pitágoras construiu um
teorema dos números, classificando-os em pares, impares, primos etc., e
descobriu o teorema que, em homenagem a ele foi chamado de teorema de Pitágoras.
 Arquitetura: os gregos construíam templos harmoniosos sustentados por graciosas
colunas. Observando essas colunas, conclui-se que os arquitetos gregos criaram
três principais estilos de construção: o dórico, o jônico e o coríntio.
Escultura: usando principalmente o mármore e o bronze, os escultores gregos
produziram estátuas expressivas, singelas e ao mesmo tempo vigoras.
Entre os mais geniais escultores gregos estão: Fídias, cujas principais obras
foram às estátuas de Atena e de Zeus; Míron autor de Discóbolo; e Praxíteles,
que se notabilizou representado divindades humanizadas.
 Jogos olímpicos: centenas de jovens gregos se reunião em Olímpia para disputar
os jogos em honra aos deuses. A competição que reúne os melhores atletas da
Grécia pretende estimular o maior aprimoramento técnico e intelectual dos jovens
gregos. As olimpíadas eram realizadas de quatro em quatro anos no estádio de
Olímpia.
Cultura helenística: caracterizou-se por apresentar uma arte mais realista,
exprimindo a violência e a dor, componentes constantes dos novos tempos. Na
agricultura predominavam o luxo e grandiosidade, reflexo da imponência do
Império Macedônia. Na escultura, turbulência e agitação eram traços
significativos.




 < Anterior



Próximo >
[ Voltar ]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pism
PismPism
A grécia antiga
A grécia antigaA grécia antiga
A grécia antiga
Cleide Professora
 
Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011
Carlos Zaranza
 
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturaisGrécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Marilia Pimentel
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
Davi Gonçalves Valério
 
Antiguidade clássica grécia
Antiguidade clássica   gréciaAntiguidade clássica   grécia
Antiguidade clássica grécia
Privada
 
Atenas
AtenasAtenas
Antiguidade Clássica
Antiguidade ClássicaAntiguidade Clássica
Antiguidade Clássica
eiprofessor
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
Juliana Souza Ramos
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
lgreggio10
 
Aula júlia
Aula júliaAula júlia
Aula júlia
aridu18
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
Giorgia Marrone
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
erivonaldo
 
Revisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º anoRevisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º ano
eunamahcado
 
Grécia - Antiguidade Clássica I
Grécia - Antiguidade Clássica IGrécia - Antiguidade Clássica I
Grécia - Antiguidade Clássica I
Valéria Shoujofan
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
Marcelo Freitas
 
1 Free GréCia E Roma
1   Free GréCia E Roma1   Free GréCia E Roma
1 Free GréCia E Roma
celsoidamiano
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
Braulio Santos Pereira
 

Mais procurados (18)

Pism
PismPism
Pism
 
A grécia antiga
A grécia antigaA grécia antiga
A grécia antiga
 
Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011
 
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturaisGrécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
 
Antiguidade clássica grécia
Antiguidade clássica   gréciaAntiguidade clássica   grécia
Antiguidade clássica grécia
 
Atenas
AtenasAtenas
Atenas
 
Antiguidade Clássica
Antiguidade ClássicaAntiguidade Clássica
Antiguidade Clássica
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Aula júlia
Aula júliaAula júlia
Aula júlia
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Revisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º anoRevisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º ano
 
Grécia - Antiguidade Clássica I
Grécia - Antiguidade Clássica IGrécia - Antiguidade Clássica I
Grécia - Antiguidade Clássica I
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
1 Free GréCia E Roma
1   Free GréCia E Roma1   Free GréCia E Roma
1 Free GréCia E Roma
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 

Destaque

producto 1
producto 1producto 1
producto 1
vidita111210
 
default_change.pdf
default_change.pdfdefault_change.pdf
default_change.pdf
sonipradeep
 
SOLUSI komunikasi Anda, GRATIS nelpon 24H, berlaku Nasional
SOLUSI komunikasi Anda, GRATIS nelpon 24H, berlaku NasionalSOLUSI komunikasi Anda, GRATIS nelpon 24H, berlaku Nasional
SOLUSI komunikasi Anda, GRATIS nelpon 24H, berlaku Nasional
Budi Rachmat
 
Propuesta ideas innovadoras rubro hostel
Propuesta ideas innovadoras rubro hostelPropuesta ideas innovadoras rubro hostel
Propuesta ideas innovadoras rubro hostel
Martín Aristía
 
Vigília 2007.márc.20.Jálics F
Vigília 2007.márc.20.Jálics FVigília 2007.márc.20.Jálics F
Vigília 2007.márc.20.Jálics F
Arany Tibor
 
Monitoring Hadoop with Prometheus (Hadoop User Group Ireland, December 2015)
Monitoring Hadoop with Prometheus (Hadoop User Group Ireland, December 2015)Monitoring Hadoop with Prometheus (Hadoop User Group Ireland, December 2015)
Monitoring Hadoop with Prometheus (Hadoop User Group Ireland, December 2015)
Brian Brazil
 
CRIB
CRIBCRIB
Content Curation Best Practices - Infographic
Content Curation Best Practices - Infographic Content Curation Best Practices - Infographic
Content Curation Best Practices - Infographic
k2m2y2
 
Eu tenho fé - Pescadores Kids (Tatiane Jardim)
Eu tenho fé - Pescadores Kids (Tatiane Jardim)Eu tenho fé - Pescadores Kids (Tatiane Jardim)
Eu tenho fé - Pescadores Kids (Tatiane Jardim)
Rogerio Souza
 

Destaque (10)

producto 1
producto 1producto 1
producto 1
 
default_change.pdf
default_change.pdfdefault_change.pdf
default_change.pdf
 
SOLUSI komunikasi Anda, GRATIS nelpon 24H, berlaku Nasional
SOLUSI komunikasi Anda, GRATIS nelpon 24H, berlaku NasionalSOLUSI komunikasi Anda, GRATIS nelpon 24H, berlaku Nasional
SOLUSI komunikasi Anda, GRATIS nelpon 24H, berlaku Nasional
 
Propuesta ideas innovadoras rubro hostel
Propuesta ideas innovadoras rubro hostelPropuesta ideas innovadoras rubro hostel
Propuesta ideas innovadoras rubro hostel
 
Vigília 2007.márc.20.Jálics F
Vigília 2007.márc.20.Jálics FVigília 2007.márc.20.Jálics F
Vigília 2007.márc.20.Jálics F
 
Monitoring Hadoop with Prometheus (Hadoop User Group Ireland, December 2015)
Monitoring Hadoop with Prometheus (Hadoop User Group Ireland, December 2015)Monitoring Hadoop with Prometheus (Hadoop User Group Ireland, December 2015)
Monitoring Hadoop with Prometheus (Hadoop User Group Ireland, December 2015)
 
CRIB
CRIBCRIB
CRIB
 
Content Curation Best Practices - Infographic
Content Curation Best Practices - Infographic Content Curation Best Practices - Infographic
Content Curation Best Practices - Infographic
 
Oleje castrol
Oleje castrolOleje castrol
Oleje castrol
 
Eu tenho fé - Pescadores Kids (Tatiane Jardim)
Eu tenho fé - Pescadores Kids (Tatiane Jardim)Eu tenho fé - Pescadores Kids (Tatiane Jardim)
Eu tenho fé - Pescadores Kids (Tatiane Jardim)
 

Semelhante a Trabalho

História aula 01 - mundo grego
História   aula 01 - mundo gregoHistória   aula 01 - mundo grego
História aula 01 - mundo grego
Caio César
 
História - Mundo Grego
História -  Mundo GregoHistória -  Mundo Grego
História - Mundo Grego
Carson Souza
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
Viviane Jordão Moro
 
A antiguidade clássica
A antiguidade clássicaA antiguidade clássica
A antiguidade clássica
DealdyPony
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
Isabel Aguiar
 
GRECIA 2013
GRECIA 2013GRECIA 2013
GRECIA 2013
Fabio Salvari
 
Resumo grécia
Resumo gréciaResumo grécia
Resumo grécia
Péricles Penuel
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
Lara Lídia
 
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
VanessaSilva460656
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
Jackeline Póvoas
 
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptxmaterial para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
jeandias52
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
ISJ
 
Grécia show de bola
Grécia show de bolaGrécia show de bola
Grécia show de bola
tigraomd
 
Apostila historia antiga e medieval
Apostila historia antiga e medievalApostila historia antiga e medieval
Apostila historia antiga e medieval
ericksonnb
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenasSemi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
Lú Carvalho
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Alexandre Protásio
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
Victor Melo
 
Trabalho de historia periodo arcaico
Trabalho de historia   periodo arcaicoTrabalho de historia   periodo arcaico
Trabalho de historia periodo arcaico
Jhorlando
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
ISJ
 

Semelhante a Trabalho (20)

História aula 01 - mundo grego
História   aula 01 - mundo gregoHistória   aula 01 - mundo grego
História aula 01 - mundo grego
 
História - Mundo Grego
História -  Mundo GregoHistória -  Mundo Grego
História - Mundo Grego
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
A antiguidade clássica
A antiguidade clássicaA antiguidade clássica
A antiguidade clássica
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
GRECIA 2013
GRECIA 2013GRECIA 2013
GRECIA 2013
 
Resumo grécia
Resumo gréciaResumo grécia
Resumo grécia
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
 
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
 
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptxmaterial para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Grécia show de bola
Grécia show de bolaGrécia show de bola
Grécia show de bola
 
Apostila historia antiga e medieval
Apostila historia antiga e medievalApostila historia antiga e medieval
Apostila historia antiga e medieval
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenasSemi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Trabalho de historia periodo arcaico
Trabalho de historia   periodo arcaicoTrabalho de historia   periodo arcaico
Trabalho de historia periodo arcaico
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 

Trabalho

  • 1. Períodos da História da Grécia Antiga Pré-Homérico - entre 2000 e 1.100 a.C - época de ocupação do território da Grécia. Desenvolvimento das civilizações Micênica e Cretense. Invasão dos Dórios no final deste período, provocando a dispersão dos povos da região e ruralização. Homérico - entre 1.100 e 700 a.C - conclusão do processo de ruralização das comunidades gentílicas. Nos genos havia a coletivização da produção e dos bens. No final deste período, com o crescimento populacional, ocorreu a desintegração dos genos. Arcaico - entre 700 e 500 a.C - surgimento das pólis (cidades-estados) com a formação de uma elite social, econômica e militar que passa a governar as cidades. Neste período ocorreu a divisão do trabalho e o processo de urbanização. Surge o alfabeto fonético grego e significativo desenvolvimento literário e artístico. Clássico - entre 500 e 338 a.C - época de grande desenvolvimento econômico, cultural, social e político da Grécia Antiga. Época de grande fortalecimento das cidades-estados gregas como, por exemplo, Esparta, Atenas, Tebas, Corinto e Siracusa. Foi também uma época marcada por conflitos externos como, por exemplo, as Guerras Médicas (entre gregos e persas no século V). Ocorreu também, neste período, a Guerra do Peloponeso (entre Atenas e Esparta). Helenístico - entre 338 e 146 a.C - fase marcada pelo enfraquecimento militar grego e a conquista macedônica na região. A cultura grega espalha-se pela região, fundindo-se com outras (helenismo). GRÉCIA ANTIGA A civilização grega, considerada por muitos como a principal matriz da civilização ocidental, teve como berço à Grécia antiga, uma área de 77.000Km2 que abrangia quatro importantes regiões: A Grécia asiática: uma comprida e estreita faixa de terra situada na Ásia Menor; A Grécia Insular: ilhas dos mares Jônio e Egeu; A Grécia Continental: sul da península balcânica; A Grécia Peninsular: península do pelonopesco. PERÍODOS DA HITÓRIA GREGA PERÍODO PRÉ-HOMÉRICO Esse período foi marcado pela lenta ocupação da Grécia Antiga por quatro povos do ramo indo-europeu: os aqueus, os jônios, aos eólios, e os dórios. Embora tivessem a mesma origem, esses povos chegaram ao território grego em momentos diferentes. Os primeiros a chegar foram os aqueus, um povo de pastores nômades que, a partir do século XX a.C., penetrou na península balcânica em busca de melhores pastagens para os seus rebanhos. Depois dos aqueus, vieram os jônios, que se estabeleceram na península da Ática, e os eólios, que se fixaram ao norte, na Tessália. A partir do século XII a.C. ocorreram às invasões dos dórios, os últimos, indo- europeus a ocuparem a Grécia Antiga.Tais invasões foram violentíssimas.
  • 2. Usando armas superiores as dos aqueus, os dórios arrasaram as principais cidades aquéias e destruíram quase por completo a prodigiosa civilização micênica. Uma parte dos aqueus, jônios e eólios foi escravizada. A outra, refugiou-se nas montanhas ou espalhou-se pelas ilhas do Egeu e pela costa da Ásia Menor. Na Grécia Continental, houve um acentuado declínio da vida urbana. O comércio, o artesanato e o uso da escrita quase desapareceram. Com isso, o cultivo de cereais e a criação de gado, voltaram a ser principalmente as únicas atividades econômicas. PERÍODO HOMÉRICO Esse período foi compreendido entre os séculos XII e VI a.C. é chamado de período homérico, por que as principais fontes escritas para o seu conhecimento são a llíada e a odisséia, dois longos poemas atribuídos a Homero. A llíada descreve episódios verídicos e imaginários da Guerra de Tróia. A Odisséia conta as histórias de Ulisses em sua viagem de volta para casa, depois de enfrentar deuses e gigantes, e resistir aos encantos das sereias, Ulisses consegue retornar ‘a sua terra e reencontrar Penélope, sua esposa. Escavações arqueológicas feitas a partir de 1870 têm confirmado a veracidade de alguns fatos e personagens descritos nessa obra. Através delas, ficamos sabendo, por exemplo, como era a organização social dos gregos nos chamados tempos homéricos. A sociedade nesse período organizava-se em génos, grandes famílias com antepassados comuns. Cada géno era chefiado por um patriarca e sua economia era natural e auto-suficiente. Cultivavam cereais, vinhas, oliveiras, legumes e árvores frutíferas; criavam bois, cavalos, ovelhas, cabras e porcos. O boi era usado como medida-padrão de valor ou moeda. Quando o crescimento da população superou a produção de alimentos, os conflitos levaram ‘a divisão das terras e dos bens. Isso levou a desagregação dos génos, substituídos pela propriedade privada da terra e divisão da sociedade em classes. As primeiras classes sociais que surgiram foram a dos grandes proprietários de terras, dos pequenos proprietários e a dos sem-terra. Estes últimos passaram a trabalhar nas grandes propriedades em troca de comida e roupa ou tiveram que se dedicar ao artesanato.Surgiu também a escravidão. Com a desintegração dos génos, nasceram centenas de Cidades-estados, como Tebas, Argos, Corinto, Mileto, Atenas e Esparta. PERÍODO ARCAICO A Grécia Antiga não se constituía em estado único, com um governo para todos os gregos. Era na verdade, um conjunto de cidades-estados independentes (pólis) e, às vezes rivais. Cada uma tinha suas leis, seus governos e seus costumes. A população dessas cidades raramente ultrapassavam 30 mil habitantes, exceto nas grandes, como Atenas e Siracura. Embora fossem independentes, as cidades gregas apresentavam certa unidade cultural expressa em elementos como: língua, crenças religiosas, sentimento comum de que eram diferentes dos povos que falavam a língua grega. Um exemplo da unidade cultural grega são os jogos olímpicos, dos quais participavam as diversas cidades. Nas cidades-estados, o cidadão grego foi conquistando direitos e contribuindo para a vida social. Sentia-se como membro da pólis e não como um objeto de submisso e manobrado pelos governantes. A palavra política, de origem grega, primeiramente designou o cidadão que participava dos destinos da pólis. Dentre as cidades-estados gregas destacaram-se Esparta e Atenas. ESPARTA A cidade de Esparta, localizada na região sul do pelonopesco, ‘as margens do rio Eurotas que também era chamada de Lacedemônia. Situada numa área vasta e muito fértil, dedicava-se ao cultivo de cereais, da vinha e das oliveiras. Sua origem remonta a invasão dos dórios, no século IX a.C. que submeteram os habitantes locais e fundaram um centro urbano e de controle e administração. Os descendentes dos dórios constituíam a classe dos espartanos, que monopolizavam o poder do estado. A maioria dos habitantes das cidades porém era constituída de escravos. Vencidos em guerra eram propriedade do estado que os cedia a classe dominante juntamente com as terras que trabalhavam.
  • 3. A sociedade espartana contava ainda com uma categoria composta de pequenos comerciantes livres, os periecos. Ao que parece esses indivíduos descendiam dos povos que haviam colaborado com os dórios na conquista da região. Sua importância social, porém era reduzida. O empenho da elite espartana em garantir seus privilégios é fielmente utratado na explicação sobre a origem das leis que regiam a cidade. Militarismo Espartano Esparta era governada por uma oligarquia isto é, por uma minoria. Este elemento reforçou o caráter conservador da sociedade espartana, que era mantida graças a um sistema de educação voltado para a preparação militar. Toda criança ao nascer era examina por um conselho de anciões que avalia sua constituição física. Caso apresentasse alguma deficiência, seria atirado de um desfiladeiro. Caso contrário permanecia com os pais que o educaria até os sete anos. Os meninos eram separados da família e entregues ao estado para cumprir serviço militar. A obrigação da mulher, portanto, era de gerar filhos saudáveis para servir ao estado, por isso a saúde do corpo também era uma preocupação feminina. O casamento, numa sociedade dominada por valores masculinos, visava tão-somente a reprodução da população para manter os contingentes militares. ATENAS Atenas localiza-se na região da Ática, uma península bastante recortada, com bons portos onde colinas e montanhas misturam-se a pequenas planícies. A sociedade ateniense era dominado pelos eupátridas, grandes propriedades de terras que detinham o controle sobre o governo. Assim garantiam a manutenção de seus interesses e privilégios. Os paralianos, comerciantes do litoral ateniense, contavam com significativo prestigio social em função do desenvolvimento político comercial conquistado pela cidade. Os camponeses habitantes da região montanhosa da península, compunham a camada menos favorecida da sociedade ateniense. Sua inferioridade social só era suplantada pelos escravos e estrangeiros. O regime oligárquico do governo não era, contudo aceito com tranqüilidade pelos grupos desprivilegiados da sociedade ateniense. Revoltas populares ocorriam freqüentemente, para solucionar esses conflitos. O primeiro legislador foi Gracon a quem coube redigir as leis que até, então eram transmitidas apenas oralmente. A ineficácia das reformas fizeram com que alguns indivíduos que tomaram o poder o controle do governo pela força e passassem a exercer o poder de maneira pessoal, estabelecendo a chamada tirania. Democracia Ateniense A situação era bastante delicada quando Clístenes, político de origem nobre, assumiu o governo de Atenas, disposto a apresentar reformas políticas profundas. Durante seu governo, instaurou-se a democracia, ampliando a possibilidade de participação nas decisões políticas todo cidadão ateniense independente de sua renda. Em Atenas, a democracia repousava sobre o funcionamento de três órgãos políticos principais: a Bule, a Eclésia, e a Heliae. A Bule representava um conselho de quinhentos membros, encarregados de elaborar projetos de lei. A Eclésia tinha força de assembléia político e dela podiam participar todos com mais de 18 anos de idade, sua função era aprovar ou não os projetos exercidos pela Bule, além de eleger dez estrangeiros. Já as Heliae representavam tribunais de justiça, nos quais cidadãos escolhidos por sorteio julgavam conflitos, crimes e impasses. PERÍODO CLÁSSICO Nesse período, a Grécia atingia seu apogeu, marcado por grande desenvolvimento econômico e esplendor cultural. Nesse período, Atenas e depois, Esparta tornaram-se as mais importantes cidades gregas. A ascensão econômica trouxe choques de interesses levando os gregos a lutarem contra outros povos e também entre si. Entre as principais guerras desse período destacaram-se: as guerras Médicas e a guerra do pelonopesco. PERÍODO HELENISTICO As constantes guerras entre as cidades gregas enfraqueceram-nas grandemente,
  • 4. permitindo a invasão e a conquista do território grego pelos macedônios. A dominação da Grécia pela Macedônia (Alexandre Magno) Alexandre assumiu o comando do Império quando tinha apenas 20 anos de idade. Apesar disso sentiu-se preparado para governar. Com seu pai, tivera lições práticas de política, e com o seu mestre, o filósofo grego Aristóteles, aprendera a conhecer e apreciar a arte, a filosofia e as ciências gregas. Logo no início de seu governo, Alexandre reprimiu prontamente duas tentativas de rebelião promovidas pelas cidades gregas e consolidou-se no poder. A seguir, partiu a frente de 40 mil soldados, macedônicos e gregos, em direção à África e a Ásia. Num curto espaço de dez anos, o exercito de Alexandre Magno conquistou a Síria, a Fenícia, a Palestina, o Egito, as capitais do império persa e parte da Índia. O império de Alexandre Magno era o maior até então, estendendo-se desde a Grécia até a Índia. Como seu pai, Alexandre também foi um político habilidoso. Respeitou as tradições, a religião e a administração dos povos conquistados, admitiu jovens persas no seu exército; promoveu o casamento de milhares de seus soldados com mulheres orientais e incentivou ao máximo a troca de informações entre os diferentes povos de seu império. Com isso, Alexandre estimulou os gregos a conhecerem a cultura oriental e favoreceu a difusão da cultura grega entre os não-gregos. Com o tempo a cultura grega foi se fundindo com a cultura oriental e deu origem a chamada cultura helenística. Quando Alexandre morreu, seus generais disputaram o poder entre si. O império macedônico ‘ exceto a Índia e a Pérsia ‘ foi dividido em três grandes reinos: Reino do Egito, Reino da Síria e Reino da Macedônia. AS GUERRAS MÉDICAS As guerras Médicas tiveram como causa principal a disputas entre Gregos e Persas pela supremacia marítimo-comercial do Mundo Antigo. Durante sua expansão em direção ao Ocidente, o poderoso império persa conquistou diversas colônias gregas na Ásia Menor, entre elas a importante cidade de Mileto. Tempos depois, essas colônias, lideradas por Mileto e contando com a ajuda de Atenas, tentaram, em vão, liberta-se do domínio persa promovendo uma revolta. Foi o que bastou para Dario I, rei dos persas, lançasse seu poderoso exercito sobre a Grécia Continental, dando inicio as guerras médicas. Nesse primeiro confronto, para a surpresa de todos, 10 mil gregos liderados pelo ateniense Miclíades conseguiram impedir o desembarque de 50 mil persas, vencendo-os na Batalha de Maratona, no ano 490 a.C. RIVALIDADE ENTRE AS CIDADES-ESTADOS A hegemonia conquistada por Atenas despertou a oposição de Esparta, apoiada por outras cidades gregas, decidiu enfrentar o poder Ateniense, organizando a Liga do Pelonopesco e obtendo com isso significativas vitórias sobre o exercito de Atenas. A guerra contra a liga enfraquecia grandemente o poder de Atenas. A cidade teve de render-se ao exercito Espartanos após ter sido derrotado na batalha de Egos Pótamos. Esse fato marcaria o fim da democracia em Atenas que passou a ser dirigida por um governo aristocrático indicado por Esparta. A cidade de Esparta assim conquistava a hegemonia na Grécia, suscitando a revolta das cidades que compunham a liga. Seguiram-se violentos conflitos até que a cidade de Tebas conseguiu vencer os espartanos, estabelecendo o seu domínio sobre o território grego. O predomínio tebano teve vida curta, nove anos depois seu exercito foi derrotado por forças militares de várias cidades gregas. A ocorrência constante de conflitos internos propiciou o enfraquecimento do poderio grego e a invasão dos povos vizinhos. ASPECTOS CULTURAIS Religião: a religião dos antigos gregos era politeísta.Entre os vários deuses o mais importante era Zeus, símbolo da justiça, da razão e da autoridade. Habitava o monte Olimpo, juntamente com os outros deuses. Os deuses gregos foram criados a imagem e semelhança dos homens, além de se
  • 5. casarem entre si, os deuses gregos casavam-se também com seres mortais. Os filhos desses casamentos era chamado de herói e considerado semideuses. Sobre seus deuses e heróis, os gregos contavam muitas lendas que deram origem à rica mitologia grega. Filosofia: em grego quer dizer amor à sabedoria. O clima de liberdade e debates existentes nas cidades gregas que adotavam o regime democrático favoreceu o aparecimento de grandes filósofos, entre eles Sócrates, Platão e Aristóteles. Sócrates, que era um educador, precupou-se mais em conhecer o indivíduo dos fenômenos naturais. Platão, assim como seu mestre Sócrates preucupou-se com a formação moral do indivíduo. Aristóteles, o principal discípulo de Platão, é considerado o filosofo grego que mais influenciou a civilização ocidental, um dos motivos era o de que ele dedicava-se aos mais diferentes tipos de conhecimento. Teatro: os gregos produziam texto e espetáculos teatrais de excelente qualidade e foram os inventores da tragédia e da comédia. Esses gêneros teatrais nasceram nas grandes festas onde se misturavam danças, musicas e coros, em homenagem a Dionísio, o deus do vinho. Entre os gramaturgos gregos que produziam obras imortais, encontram-se Ésquilo, Sófoles, Eurípedes Aristófanes. História: a história também nasceu na Grécia Antiga. Um de seus historiadores mais famosos foi Heródoto, autor de Histórias, obra na qual narra as guerras Médicas, mas ele narrou essa história claramente a favor dos gregos. Coube ao ateniense Tucídides fundar a história como ciência, apresentando os fatos históricos de modo objetivo e preciso. Medicina: conhecido como o pai da medicina, o grego Hipócrates lançou bases a clínica médica. Sua maior contribuição foi afirmar que as doenças possuíam causas naturais e, portanto, não podem ser explicados pela força do destino ou pela vontade dos deuses. Ainda hoje, médicos recém-formados continuam prestando o juramento de Hipócrates, através do qual se comprometem a dar o máximo de si para defender a saúde dos enfermos. Matemática: os dois mais importantes matemáticos gregos foram Tales de Mileto e Pitágoras. Tales formulou por exemplo, o teorema segundo o qual se duas linhas se cruzam, os ângulos opostos pelo vértice são iguais. Já Pitágoras construiu um teorema dos números, classificando-os em pares, impares, primos etc., e descobriu o teorema que, em homenagem a ele foi chamado de teorema de Pitágoras. Arquitetura: os gregos construíam templos harmoniosos sustentados por graciosas colunas. Observando essas colunas, conclui-se que os arquitetos gregos criaram três principais estilos de construção: o dórico, o jônico e o coríntio. Escultura: usando principalmente o mármore e o bronze, os escultores gregos produziram estátuas expressivas, singelas e ao mesmo tempo vigoras. Entre os mais geniais escultores gregos estão: Fídias, cujas principais obras foram às estátuas de Atena e de Zeus; Míron autor de Discóbolo; e Praxíteles, que se notabilizou representado divindades humanizadas. Jogos olímpicos: centenas de jovens gregos se reunião em Olímpia para disputar os jogos em honra aos deuses. A competição que reúne os melhores atletas da Grécia pretende estimular o maior aprimoramento técnico e intelectual dos jovens gregos. As olimpíadas eram realizadas de quatro em quatro anos no estádio de Olímpia. Cultura helenística: caracterizou-se por apresentar uma arte mais realista, exprimindo a violência e a dor, componentes constantes dos novos tempos. Na agricultura predominavam o luxo e grandiosidade, reflexo da imponência do Império Macedônia. Na escultura, turbulência e agitação eram traços significativos. < Anterior Próximo >