SlideShare uma empresa Scribd logo
1) Alternativa D
2) Alternativa E
3)a)Tendo por base as afirmações de Gilberto Freyre, é impossível saber os motivos do
êxito da produção de açúcar em Pernambuco ou seu fracasso em São Vicente.
Levando em consideração os conhecimentos históricos, sabe-se que o fator
fundamental é geográfico. Enquanto a capitania de Pernambuco estava mais próxima
do Reino e em sua zona da mata existiam extensas manchas de massapê (terra
propícia ao cultivo da cana-de-açúcar), na Baixada Santista havia um vasto manguezal
(áreas alagadiças, imprópria para o cultivo da cana). Além disso, era muito difícil
ocupar as terras férteis do planalto paulista devido à Serra do Mar, na época
considerada uma “muralha” quase intransponível.
b) Os grandes proprietários rurais, especialmente os senhores de engenho, eram
donos de muitos escravos, de capitais vultosos e de vastos recursos técnicos. Todo
esse poder e essa imensa riqueza permitiam ao empresário colonial um exagerado
comportamento ostentatório. Esse “gênero de vida” era característico da nobreza
européia. Por isso, chamamos a camada dominante colonial das áreas
agroexportadoras de aristocracia agrária.
4) Alternativa C
5) a) O comércio de escravos.
b) A primeira estrofe refere-se às características físicas dos negros; a segunda refere-se
ao que era dado como pagamento em troca dos escravos e o transporte desta mão-de-
obra, como muitas vezes perdia-se vários nesta viagem.
6)a) A crítica de Antonil não chega ao ponto de propor a abolição do sistema
escravista. Mesmo assim, podemos ressaltar no autor uma dimensão que é ao mesmo
tempo humanitária e utilitária. Humanitária porque mostra-se sensível aos maus tratos
sofridos pelos escravos. Utilitária porque, afinal, seu texto não tem os escravos como
público, mas os seus proprietários. No texto, é notável como recomenda aos
proprietários que não destruam a sua fonte de riqueza, que é o trabalho dos escravos.
b)Não existe unanimidade entre os especialistas sobre esta questão. Destacam-se,
entre outros, os seguintes argumentos: havia uma demanda de braços para a lavoura
canavieira, afirma-se que os indígenas, semi-sedentários, estavam dispersos e não
exerciam uma atividade sistemática agrícola;O tráfico de escravos africanos se
constituía em uma fonte adicional de renda para a metrópole;Os colonos europeus
deslocavam-se para a colônia como empresários, a disponibilidade de terras seria um
obstáculo à utilização do trabalho assalariado, daí lançar mão de formas de trabalho
compulsório como a escravidão;Já havia experiências anteriores de escravidão africana
nas ilhas do Atlântico, o que tornava a mesma como uma alternativa plausível para a
agricultura na América portuguesa.
7)Alternativa D
8)Os holandeses comercializavam o açúcar brasileiro na Europa e forneceram todo o
capital necessário para estruturar a produção, além de fornecer a mão-de-obra para o
mesmo.
9)Alternativa A
10)a) Nesse período, os portugueses acabavam de sair da União Ibérica (1580 - 1640),
período da história política do país em que Portugal perdera parte de suas colônias na
África e gastara recursos no conflito que devolveu o trono do país aos portugueses.
Além disso, a produção açucareira no Brasil vivia uma séria crise originada pela
concorrência imposta pelo açúcar produzido pelos holandeses na região das Antilhas.
b) Para superar esse momento de crise, os portugueses ampliaram os mecanismos de
fiscalização na colônia e determinaram a criação de novos impostos que pudessem
ampliar a arrecadação da Coroa em terras brasileiras. Nesse mesmo tempo, várias
expedições oficiais foram realizadas com o objetivo de se encontrar metais e pedras
preciosas no interior do território. De fato, nos fins do século XVII, essas ações oficiais
somadas à ação dos bandeirantes promoveram a descoberta de metais e pedras
preciosas pelo interior do país.
11)Alternativa C
12)Alternativa A
13)Sendo dependente dos produtos fabricados na Inglaterra, Portugal utilizou uma
quantidade significativa de seus recursos financeiros na obtenção de produtos
manufaturados de procedência britânica. Ao mesmo tempo, na medida em que gastou
de forma perdulária (principalmente com a construção de igrejas e palácios) as
riquezas provenientes do Brasil, Portugal intensificou a exploração das minas
brasileiras, que de tão exploradas deixaram como vestígio apenas seus buracos.
14)a) A aspiração de “independência” a qual o autor se refere está relacionada à
quebra do pacto colonial entre Portugal e Brasil, assegurando a emancipação política
da colônia. Contudo, a “unidade”, ou seja, a manutenção do território da América
Portuguesa, não foi um processo que ocorreu concomitantemente à independência,
pois necessitava do reconhecimento das províncias como pertencentes de uma mesma
nação.
b) À independência podemos relacionar a Inconfidência Mineira, primeira grande
revolta emancipacionista, além da própria independência do Brasil. À unidade está
relacionada ao projeto unionista de Dom Pedro I que, em aliança com elites locais do
Centro-Sul, se pautou numa política de tentativa de aproximação com as províncias do
Nordeste, a fim de reprimiras rebeliões do período.
15)A posição secundária da pecuária no conjunto daeconomia colonial brasileira
prende-se ao fato de tersido uma atividade subsidiária de outras mais importantes,
como a produção açucareira e a mineração.Por outro lado, sua expansão no Brasil
Colônia, paraalém do apoio às atividades citadas, foi motivada pelaimportância como
fornecedora de alimento e de meiosde transporte, somada às possibilidades de
interiorização oferecidas tanto pelo sertão nordestino comopelo pampa gaúcho.
16)O processo histórico que culminou no “7 de setembro de 1822”, data em que se
completou a separação entre Brasil e Portugal, foi liderado por setores das elites
aristocráticas identificadas com os grandes proprietários, apoiadas pelo príncipe
português D. Pedro de Bragança. A Independência, assim realizada, assumiu o aspecto
de uma transição conservadora porque manteve inalterada a estrutura de produção
colonial, baseada no latifúndio escravocrata, e também porque não rompeu a
dependência econômica em relação à Inglaterra.
17)Alternativa E

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
Paticx
 
Brasil minerio e indep avaliação de historia 3 ano em 2010
Brasil minerio e indep avaliação de historia 3 ano em 2010Brasil minerio e indep avaliação de historia 3 ano em 2010
Brasil minerio e indep avaliação de historia 3 ano em 2010
Keila Caetano
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Edenilson Morais
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Edenilson Morais
 
História de Mato Grosso - A sociedade colonial
História de Mato Grosso - A sociedade colonialHistória de Mato Grosso - A sociedade colonial
História de Mato Grosso - A sociedade colonial
Edenilson Morais
 
Vol i 3_historia_de_mato_grosso
Vol i 3_historia_de_mato_grossoVol i 3_historia_de_mato_grosso
Vol i 3_historia_de_mato_grosso
taigla
 
Gabarito 8ano historia
Gabarito 8ano historiaGabarito 8ano historia
Gabarito 8ano historia
Atividades Diversas Cláudia
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
eebcjn
 
Hist ceara
Hist cearaHist ceara
Hist ceara
Naiara Fernandes
 
Prova de história 1 ano
Prova de história 1 anoProva de história 1 ano
Prova de história 1 ano
Atividades Diversas Cláudia
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
smece4e5
 
Prova de historia 2 ano 4 bimestre
Prova de historia 2  ano 4 bimestreProva de historia 2  ano 4 bimestre
Prova de historia 2 ano 4 bimestre
Atividades Diversas Cláudia
 
Apostila Pre-vestibular Brasil Pré-colonial e Início da Colonização
Apostila Pre-vestibular Brasil Pré-colonial e Início da Colonização Apostila Pre-vestibular Brasil Pré-colonial e Início da Colonização
Apostila Pre-vestibular Brasil Pré-colonial e Início da Colonização
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Maria iracilda
Maria iracildaMaria iracilda
Maria iracilda
Maria Araujo
 
Respostas história
Respostas históriaRespostas história
Respostas história
Atividades Diversas Cláudia
 
Simulado de história do brasil colonial
Simulado de história do brasil colonialSimulado de história do brasil colonial
Simulado de história do brasil colonial
Ricardo Jorge
 
Exercicios periodo colonial gabarito
Exercicios periodo colonial gabaritoExercicios periodo colonial gabarito
Exercicios periodo colonial gabarito
Francidéia Carvalho
 
Atividades Brasil Colônia
Atividades Brasil ColôniaAtividades Brasil Colônia
Atividades Brasil Colônia
Eduardo Mariño Rial
 
Apostila turismohistoriadoceara
Apostila turismohistoriadocearaApostila turismohistoriadoceara
Apostila turismohistoriadoceara
Veras Reis Reis
 
Egito antigo e atualidades 6º ano
Egito antigo e atualidades 6º anoEgito antigo e atualidades 6º ano
Egito antigo e atualidades 6º ano
Acrópole - História & Educação
 

Mais procurados (20)

OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
 
Brasil minerio e indep avaliação de historia 3 ano em 2010
Brasil minerio e indep avaliação de historia 3 ano em 2010Brasil minerio e indep avaliação de historia 3 ano em 2010
Brasil minerio e indep avaliação de historia 3 ano em 2010
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
 
História de Mato Grosso - A sociedade colonial
História de Mato Grosso - A sociedade colonialHistória de Mato Grosso - A sociedade colonial
História de Mato Grosso - A sociedade colonial
 
Vol i 3_historia_de_mato_grosso
Vol i 3_historia_de_mato_grossoVol i 3_historia_de_mato_grosso
Vol i 3_historia_de_mato_grosso
 
Gabarito 8ano historia
Gabarito 8ano historiaGabarito 8ano historia
Gabarito 8ano historia
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
 
Hist ceara
Hist cearaHist ceara
Hist ceara
 
Prova de história 1 ano
Prova de história 1 anoProva de história 1 ano
Prova de história 1 ano
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
 
Prova de historia 2 ano 4 bimestre
Prova de historia 2  ano 4 bimestreProva de historia 2  ano 4 bimestre
Prova de historia 2 ano 4 bimestre
 
Apostila Pre-vestibular Brasil Pré-colonial e Início da Colonização
Apostila Pre-vestibular Brasil Pré-colonial e Início da Colonização Apostila Pre-vestibular Brasil Pré-colonial e Início da Colonização
Apostila Pre-vestibular Brasil Pré-colonial e Início da Colonização
 
Maria iracilda
Maria iracildaMaria iracilda
Maria iracilda
 
Respostas história
Respostas históriaRespostas história
Respostas história
 
Simulado de história do brasil colonial
Simulado de história do brasil colonialSimulado de história do brasil colonial
Simulado de história do brasil colonial
 
Exercicios periodo colonial gabarito
Exercicios periodo colonial gabaritoExercicios periodo colonial gabarito
Exercicios periodo colonial gabarito
 
Atividades Brasil Colônia
Atividades Brasil ColôniaAtividades Brasil Colônia
Atividades Brasil Colônia
 
Apostila turismohistoriadoceara
Apostila turismohistoriadocearaApostila turismohistoriadoceara
Apostila turismohistoriadoceara
 
Egito antigo e atualidades 6º ano
Egito antigo e atualidades 6º anoEgito antigo e atualidades 6º ano
Egito antigo e atualidades 6º ano
 

Destaque

Aula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 9 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 11 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 10 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 13 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Atividade Mestrado _ Joanildo Burity
Atividade Mestrado _ Joanildo BurityAtividade Mestrado _ Joanildo Burity
Atividade Mestrado _ Joanildo Burity
Isaquel Silva
 
Lista de exercícios expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Lista de exercícios   expansão marítima ibérica e período pré-colonialLista de exercícios   expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Lista de exercícios expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Felipe Vaitsman
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 12 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Lista de exercícios - 1º semestre
Lista de exercícios - 1º semestreLista de exercícios - 1º semestre
Lista de exercícios - 1º semestre
Felipe Vaitsman
 

Destaque (9)

Aula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 9 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 11 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 10 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 13 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Atividade Mestrado _ Joanildo Burity
Atividade Mestrado _ Joanildo BurityAtividade Mestrado _ Joanildo Burity
Atividade Mestrado _ Joanildo Burity
 
Lista de exercícios expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Lista de exercícios   expansão marítima ibérica e período pré-colonialLista de exercícios   expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Lista de exercícios expansão marítima ibérica e período pré-colonial
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Aula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 12 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Lista de exercícios - 1º semestre
Lista de exercícios - 1º semestreLista de exercícios - 1º semestre
Lista de exercícios - 1º semestre
 

Semelhante a Gabarito - Lista de Exercícios 1º Semestre

04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
Andrei Rita
 
aula economia açucareira brabissimo .pdf
aula economia açucareira brabissimo .pdfaula economia açucareira brabissimo .pdf
aula economia açucareira brabissimo .pdf
RafaelBritto16
 
História – brasil conquista do sertão 01 2014
História – brasil conquista do sertão 01   2014História – brasil conquista do sertão 01   2014
História – brasil conquista do sertão 01 2014
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
MairaDeOliveiraPotri
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Atividades Diversas Cláudia
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
Franciele Marques
 
trabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppttrabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppt
Cleodon Cardoso da Silva
 
Questões discursivas pism i
Questões discursivas pism iQuestões discursivas pism i
Questões discursivas pism i
Acrópole - História & Educação
 
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Gabriel Resende
 
O branco e o negro no brasil açúcar e escravidão.
O branco e o negro no brasil  açúcar e escravidão.O branco e o negro no brasil  açúcar e escravidão.
O branco e o negro no brasil açúcar e escravidão.
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)
Jorge Tales
 
Hist 8 resp
Hist 8 respHist 8 resp
Hist 8 resp
julio2012souto
 
História – brasil no contexto da expansão marítima europeia 01 – 2014 ifba
História – brasil no contexto da expansão marítima europeia 01 – 2014   ifbaHistória – brasil no contexto da expansão marítima europeia 01 – 2014   ifba
História – brasil no contexto da expansão marítima europeia 01 – 2014 ifba
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Td 7 história ii
Td 7   história iiTd 7   história ii
Td 7 história ii
MatheusMesquitaMelo
 
Hist 7 uni8
Hist 7 uni8Hist 7 uni8
Hist 7 uni8
julio2012souto
 
Prova comentada 3 Ano
Prova comentada  3 AnoProva comentada  3 Ano
Prova comentada 3 Ano
KellyCarvalho2011
 
História renata - fernanda - 3ºano - 01
História   renata - fernanda - 3ºano - 01História   renata - fernanda - 3ºano - 01
História renata - fernanda - 3ºano - 01
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
AEDFL
 
Atividade 11 colegial
Atividade 11 colegialAtividade 11 colegial
Atividade 11 colegial
Elisângela Martins Rodrigues
 
Prova diagnostica historia 1 ano
Prova diagnostica  historia 1 anoProva diagnostica  historia 1 ano
Prova diagnostica historia 1 ano
Atividades Diversas Cláudia
 

Semelhante a Gabarito - Lista de Exercícios 1º Semestre (20)

04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
 
aula economia açucareira brabissimo .pdf
aula economia açucareira brabissimo .pdfaula economia açucareira brabissimo .pdf
aula economia açucareira brabissimo .pdf
 
História – brasil conquista do sertão 01 2014
História – brasil conquista do sertão 01   2014História – brasil conquista do sertão 01   2014
História – brasil conquista do sertão 01 2014
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
 
trabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppttrabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppt
 
Questões discursivas pism i
Questões discursivas pism iQuestões discursivas pism i
Questões discursivas pism i
 
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
 
O branco e o negro no brasil açúcar e escravidão.
O branco e o negro no brasil  açúcar e escravidão.O branco e o negro no brasil  açúcar e escravidão.
O branco e o negro no brasil açúcar e escravidão.
 
Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)
 
Hist 8 resp
Hist 8 respHist 8 resp
Hist 8 resp
 
História – brasil no contexto da expansão marítima europeia 01 – 2014 ifba
História – brasil no contexto da expansão marítima europeia 01 – 2014   ifbaHistória – brasil no contexto da expansão marítima europeia 01 – 2014   ifba
História – brasil no contexto da expansão marítima europeia 01 – 2014 ifba
 
Td 7 história ii
Td 7   história iiTd 7   história ii
Td 7 história ii
 
Hist 7 uni8
Hist 7 uni8Hist 7 uni8
Hist 7 uni8
 
Prova comentada 3 Ano
Prova comentada  3 AnoProva comentada  3 Ano
Prova comentada 3 Ano
 
História renata - fernanda - 3ºano - 01
História   renata - fernanda - 3ºano - 01História   renata - fernanda - 3ºano - 01
História renata - fernanda - 3ºano - 01
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
Atividade 11 colegial
Atividade 11 colegialAtividade 11 colegial
Atividade 11 colegial
 
Prova diagnostica historia 1 ano
Prova diagnostica  historia 1 anoProva diagnostica  historia 1 ano
Prova diagnostica historia 1 ano
 

Mais de Felipe Vaitsman

Aula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 8 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 4 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 2 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 1 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 

Mais de Felipe Vaitsman (7)

Aula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 8 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 4 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 2 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 1 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
 

Gabarito - Lista de Exercícios 1º Semestre

  • 1. 1) Alternativa D 2) Alternativa E 3)a)Tendo por base as afirmações de Gilberto Freyre, é impossível saber os motivos do êxito da produção de açúcar em Pernambuco ou seu fracasso em São Vicente. Levando em consideração os conhecimentos históricos, sabe-se que o fator fundamental é geográfico. Enquanto a capitania de Pernambuco estava mais próxima do Reino e em sua zona da mata existiam extensas manchas de massapê (terra propícia ao cultivo da cana-de-açúcar), na Baixada Santista havia um vasto manguezal (áreas alagadiças, imprópria para o cultivo da cana). Além disso, era muito difícil ocupar as terras férteis do planalto paulista devido à Serra do Mar, na época considerada uma “muralha” quase intransponível. b) Os grandes proprietários rurais, especialmente os senhores de engenho, eram donos de muitos escravos, de capitais vultosos e de vastos recursos técnicos. Todo esse poder e essa imensa riqueza permitiam ao empresário colonial um exagerado comportamento ostentatório. Esse “gênero de vida” era característico da nobreza européia. Por isso, chamamos a camada dominante colonial das áreas agroexportadoras de aristocracia agrária. 4) Alternativa C 5) a) O comércio de escravos. b) A primeira estrofe refere-se às características físicas dos negros; a segunda refere-se ao que era dado como pagamento em troca dos escravos e o transporte desta mão-de- obra, como muitas vezes perdia-se vários nesta viagem. 6)a) A crítica de Antonil não chega ao ponto de propor a abolição do sistema escravista. Mesmo assim, podemos ressaltar no autor uma dimensão que é ao mesmo tempo humanitária e utilitária. Humanitária porque mostra-se sensível aos maus tratos sofridos pelos escravos. Utilitária porque, afinal, seu texto não tem os escravos como público, mas os seus proprietários. No texto, é notável como recomenda aos proprietários que não destruam a sua fonte de riqueza, que é o trabalho dos escravos. b)Não existe unanimidade entre os especialistas sobre esta questão. Destacam-se, entre outros, os seguintes argumentos: havia uma demanda de braços para a lavoura canavieira, afirma-se que os indígenas, semi-sedentários, estavam dispersos e não exerciam uma atividade sistemática agrícola;O tráfico de escravos africanos se constituía em uma fonte adicional de renda para a metrópole;Os colonos europeus deslocavam-se para a colônia como empresários, a disponibilidade de terras seria um obstáculo à utilização do trabalho assalariado, daí lançar mão de formas de trabalho compulsório como a escravidão;Já havia experiências anteriores de escravidão africana nas ilhas do Atlântico, o que tornava a mesma como uma alternativa plausível para a agricultura na América portuguesa.
  • 2. 7)Alternativa D 8)Os holandeses comercializavam o açúcar brasileiro na Europa e forneceram todo o capital necessário para estruturar a produção, além de fornecer a mão-de-obra para o mesmo. 9)Alternativa A 10)a) Nesse período, os portugueses acabavam de sair da União Ibérica (1580 - 1640), período da história política do país em que Portugal perdera parte de suas colônias na África e gastara recursos no conflito que devolveu o trono do país aos portugueses. Além disso, a produção açucareira no Brasil vivia uma séria crise originada pela concorrência imposta pelo açúcar produzido pelos holandeses na região das Antilhas. b) Para superar esse momento de crise, os portugueses ampliaram os mecanismos de fiscalização na colônia e determinaram a criação de novos impostos que pudessem ampliar a arrecadação da Coroa em terras brasileiras. Nesse mesmo tempo, várias expedições oficiais foram realizadas com o objetivo de se encontrar metais e pedras preciosas no interior do território. De fato, nos fins do século XVII, essas ações oficiais somadas à ação dos bandeirantes promoveram a descoberta de metais e pedras preciosas pelo interior do país. 11)Alternativa C 12)Alternativa A 13)Sendo dependente dos produtos fabricados na Inglaterra, Portugal utilizou uma quantidade significativa de seus recursos financeiros na obtenção de produtos manufaturados de procedência britânica. Ao mesmo tempo, na medida em que gastou de forma perdulária (principalmente com a construção de igrejas e palácios) as riquezas provenientes do Brasil, Portugal intensificou a exploração das minas brasileiras, que de tão exploradas deixaram como vestígio apenas seus buracos. 14)a) A aspiração de “independência” a qual o autor se refere está relacionada à quebra do pacto colonial entre Portugal e Brasil, assegurando a emancipação política da colônia. Contudo, a “unidade”, ou seja, a manutenção do território da América Portuguesa, não foi um processo que ocorreu concomitantemente à independência, pois necessitava do reconhecimento das províncias como pertencentes de uma mesma nação. b) À independência podemos relacionar a Inconfidência Mineira, primeira grande revolta emancipacionista, além da própria independência do Brasil. À unidade está relacionada ao projeto unionista de Dom Pedro I que, em aliança com elites locais do Centro-Sul, se pautou numa política de tentativa de aproximação com as províncias do Nordeste, a fim de reprimiras rebeliões do período.
  • 3. 15)A posição secundária da pecuária no conjunto daeconomia colonial brasileira prende-se ao fato de tersido uma atividade subsidiária de outras mais importantes, como a produção açucareira e a mineração.Por outro lado, sua expansão no Brasil Colônia, paraalém do apoio às atividades citadas, foi motivada pelaimportância como fornecedora de alimento e de meiosde transporte, somada às possibilidades de interiorização oferecidas tanto pelo sertão nordestino comopelo pampa gaúcho. 16)O processo histórico que culminou no “7 de setembro de 1822”, data em que se completou a separação entre Brasil e Portugal, foi liderado por setores das elites aristocráticas identificadas com os grandes proprietários, apoiadas pelo príncipe português D. Pedro de Bragança. A Independência, assim realizada, assumiu o aspecto de uma transição conservadora porque manteve inalterada a estrutura de produção colonial, baseada no latifúndio escravocrata, e também porque não rompeu a dependência econômica em relação à Inglaterra. 17)Alternativa E