SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Cópiaautorizada.
Unidade 8
RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO – HISTÓRIA – 7o
ANO
1.	 É possível citar as seguintes razões para a escolha do açúcar como principal
atividade econômica no Brasil:
•	 Portugal já tinha experiência com a produção açucareira em suas ilhas do
Atlântico;
•	 Portugal contava com banqueiros e grupos comerciais europeus que podiam
financiar o início do cultivo e, depois, comercializar o produto na Europa;
•	 havia terra farta em sua colônia na América, especialmente na faixa litorânea
do Nordeste, região favorecida pela maior proximidade da metrópole, pela
disponibilidade de terras aráveis e pela existência de rios navegáveis, que
facilitavam o transporte do açúcar.
2.	 O mapa faz referência à produção de cana nos séculos XVI e XVII no Brasil
colonial. Nota-se que a produção é litorânea e, no século XVI, ocupava
principalmente a região Nordeste. No século seguinte, a produção passa a
ocupar também a região Sudeste.
3.	
Quando as capitanias hereditárias foram criadas, a Coroa incumbiu os
donatários de distribuir sesmarias aos colonos, para que eles as exploras-
sem economicamente. Essas propriedades ou parte delas ocupavam grandes
áreas, chamadas latifúndios. Caso o detentor dessas propriedades não ti-
vesse condições de explorá-la totalmente, ele podia ceder o uso de terras em
troca de pagamento. Esse regime ficou conhecido como arrendamento.
4.
(C) Lavradores que eram obrigados a moer a cana em um determinado engenho.
(A) Proprietários que possuíam engenhos.
(D)  Lavradores que podiam moer a cana em qualquer engenho.
(E) Plantavam cana nas terras que arrendavam de outros fazendeiros e eram
obrigados a moê-la no engenho do dono da terra.
(B)  Fazendeiros que não tinham engenhos.
5.	 Alternativa D.
Correção: Os holandeses podiam atracar nos portos das colônias portuguesas
para comprar e revender o produto, além de transportá-lo, refiná-lo e distribuí-
lo na Europa.
6.
(F) A União Ibérica teve origem na aliança solicitada por Portugal para se
fortalecer politicamente.
2
Cópiaautorizada.
Correção: A União Ibérica originou-se a partir de uma crise sucessória em
Portugal, pois dom Henrique morrera sem herdeiros diretos, permitindo a
Filipe II da Espanha reclamar o trono.
(V) O rei espanhol Filipe II, que descendia da casa real portuguesa por parte de
mãe, invadiu o vizinho reino português, derrotou pretendentes ao trono e
assumiu o poder.
(V) O reinado de Filipe II estendia-se aos Países Baixos (Holanda e Bélgica).
(F) A região dos Países Baixos (Holanda e Bélgica) aceitou passivamente a
dominação católica da coroa espanhola e as obrigações tributárias impostas.
Correção: Algumas províncias dos Países Baixos, descontentes com o domínio
católico e com a cobrança de pesados tributos, lutavam para se tornar
independentes da Espanha.
(V) A proibição de Filipe II ao comércio da Holanda com as colônias lusitanas
revoltou os holandeses, que invadiram e conquistaram territórios pertencentes
à Espanha, inclusive na América portuguesa.
7.
a)	Os senhores de engenho aceitaram o governo holandês ao perceber que seu
maior interesse era o comércio do açúcar.
b)	Os holandeses garantiram o apoio dos senhores de engenho promovendo
melhorias nas áreas dominadas. A cidade do Recife, sede da administração
holandesa, ganhou ares de cidade europeia, com a introdução de novos
hábitos e costumes e uma política de tolerância religiosa e cultural. Seguidores
do calvinismo, missionários holandeses realizaram um intenso trabalho de
conversão dos índios à igreja reformada, especialmente com os potiguares.
Maurício de Nassau, principal autoridade holandesa no Nordeste entre 1637 e
1644, fez alianças e concedeu empréstimos aos fazendeiros, a fim de retomar
rapidamente a produção de açúcar prejudicada pela guerra.
8.	 O número 1 representa a senzala, que era a moradia dos escravos. Essa
construção, quase sempre precária, contava com divisórias de palha trançada
ou pau a pique, o que dificultava a privacidade.
	 O número 2 representa a casa-grande, que era a residência dos senhores de
engenho e de sua família. Atenção especial era dada ao oratório doméstico ou
à capela, onde ficavam os santos de devoção da família. Em alguns engenhos,
a capela ocupava um prédio próprio, porém era mais comum ela ser integrada à
casa-grande.
	 O número 3 representa a casa de engenho, local onde se fabricava o açúcar.
3
Cópiaautorizada.
9.
             a) F E I T O R E S            
                     b) S E N Z A L A      
               c) C A S A - G R A N D E    
         d) M E S T R E * D E * A Ç Ú C A R
                 e) L A D I N O S          
f) C A S A * D E * E N G E N H O            
             g) P U R G A D O R            
10.
a)	O capitão do mato anda em um cavalo ao lado do escravo, conduzindo-o
amarrado. Na imagem, ele também é negro, portanto, sua provável origem
social é escrava, podendo ser um liberto ou filho de escravos libertos.
b)	Os castigos provavelmente seriam físicos e eram aplicados para punir os
escravos por desobediência e para servir de exemplo aos outros. Os principais
instrumentos de tortura eram chicotes, gargalheiras, máscaras de flandres,
algemas, correntes e palmatórias.
c)	Alguns escravos evitavam ter filhos ou entravam em um estado de profunda
tristeza e apatia, chamada banzo, que muitas vezes os levava à morte. Outros
reagiam de forma violenta: roubando os pertences do senhor, ou assassinando
feitores, capitães do mato e familiares do senhor.
11.
(F) A escravidão só passou a ser conhecida na África após a chegada dos
europeus no século XV.
Correção: No século XV, a escravidão era praticada em vários reinos africanos.
(V) Os primeiros europeus a desembarcarem na África foram os portugueses,
que construíram feitorias ao longo do litoral e procuraram monopolizar a rede
comercial africana.
(V)	 Em troca de ouro, marfim e escravos, os portugueses ofereciam tecidos,
tabaco, metais, ferramentas, aguardente, cavalos e armas.
(F) Durante todo o período escravocrata apenas os europeus capturaram
africanos para transformá-los em escravos.
Correção: No início eram os mercadores portugueses que capturavam os
africanos. Mais tarde, os próprios chefes africanos passaram a organizar
violentas invasões ao interior.
4
Cópiaautorizada.
(F)	 Por serem considerados mercadorias muito valiosas, os escravos eram
transportados em boas condições para que chegassem ao seu destino fortes
e saudáveis e aptos para trabalhar.
Correção: Os escravos eram trazidos ao Brasil em péssimas condições e o
índice de mortalidade era elevado.
12.
(B) A violência da escravidão explica por que as taxas de mortalidade dos
africanos no Brasil eram elevadas. Por esse motivo, o tráfico negreiro era uma
atividade fundamental na reposição da mão de obra.
(A) Os filhos dos senhores brincavam com as crianças negras, geralmente filhos
dos escravos domésticos que serviam à família dos fazendeiros.
(A) Muitas vezes, crianças brancas dividiam o leite materno com crianças negras,
pois era comum a presença da ama de leite entre as famílias coloniais.
(B) A violência da escravidão também se expressava no grande número de
mestiços. A maioria deles era gerada de uniões fora do casamento, em
que proprietários brancos submetiam escravas negras. Os senhores não
reconheciam seus filhos nascidos de uma escrava, mantendo-os na condição
de cativos.
(A) Era prática comum de homens brancos, inclusive proprietários de terras,
manterem relações sexuais com mulatas ou negras, principalmente escravas,
as quais geravam filhos mestiços.
(B) A legislação proibia que um senhor matasse, mutilasse ou castigasse
demasiadamente um escravo. No entanto, essas práticas eram comuns.
Sabe-se que os raros casos denunciados quase sempre acabaram na
absolvição do fazendeiro.
13.
a)	A imagem 2 é a que melhor se relaciona às ideias de Gilberto Freyre, porque
mostra uma relação harmoniosa, pacífica e integradora entre senhores e
escravos.
b)	A imagem 1 é a que melhor se relaciona às ideias de Jacob Gorender, porque
mostra a grande violência física a que eram submetidos os escravos para
serem dominados.
5
Cópiaautorizada.
14.
a)
Atividade Região em que se destacou
pau-brasil área litorânea, do nordeste
ao sudeste do Brasil.
cana-de-açúcar área litorânea, do nordeste
ao sudeste do Brasil
pecuária Mais ao interior da colônia nas regiões
Nordeste e Sul do Brasil.
tabaco atividade litorânea na região nordeste.
mineração Mais ao interior na região Sudeste, embora
apenas no século XVIII ela venha a ganhar
destaque na região Centro-Oeste.
drogras do sertão região do atual estado do Amazonas.
b)	Pecuária, mineração ou drogas do sertão.
15.
(C) Produto usado principalmente na confecção de redes para dormir e tecidos
rústicos para os escravos e para a população mais pobre.
(A) Nas propriedades, os animais eram utilizados de diversas maneiras: como
meio de tração e para obter o couro, a carne e o leite.
(D) A maior parte dos produtos na colônia tinha origem na cultura indígena, como
a mandioca, o milho e o feijão.
(B) Planta nativa da América, era um produto destinado aos mercados europeus,
nos quais o número de consumidores era crescente. Além disso, era usado na
África como moeda de troca na aquisição de escravos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
O transporte dos escravos
O transporte dos escravosO transporte dos escravos
O transporte dos escravos
Cantacunda
 
Avaliação 8° ano 2017 - escravidão - bandeiras - jesuítas
Avaliação 8° ano   2017 - escravidão - bandeiras  - jesuítasAvaliação 8° ano   2017 - escravidão - bandeiras  - jesuítas
Avaliação 8° ano 2017 - escravidão - bandeiras - jesuítas
Felipe Nepomuceno
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
Lane94
 
Tráfico Negreiro
Tráfico NegreiroTráfico Negreiro
Tráfico Negreiro
Camila Jachetto
 
Mandinga - Sebastião Pinheiro
Mandinga - Sebastião PinheiroMandinga - Sebastião Pinheiro
Mandinga - Sebastião Pinheiro
Blanco agriCultura
 
Tráfico negreiro
Tráfico negreiroTráfico negreiro
Tráfico negreiro
Pedro Gervásio
 
3180
31803180
Seminário - África e Brasil Africano - Escola Vera Cruz - 2015
Seminário - África e Brasil Africano - Escola Vera Cruz - 2015Seminário - África e Brasil Africano - Escola Vera Cruz - 2015
Seminário - África e Brasil Africano - Escola Vera Cruz - 2015
Francesca Ribeiro
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras Histórias
Carlos Glufke
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
Luís Emílio Racional
 
Hisee
HiseeHisee
Os Tumbeiros - Prof. Altair Aguilar
Os Tumbeiros - Prof. Altair AguilarOs Tumbeiros - Prof. Altair Aguilar
Os Tumbeiros - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Projeto 200 anos
Projeto 200 anosProjeto 200 anos
Projeto 200 anos
sandrabio
 
Aula de história
Aula de históriaAula de história
Aula de história
Vinicius Ferreira Souza
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
Joemille Leal
 
História de minas gerais
História de minas geraisHistória de minas gerais
História de minas gerais
Fabi
 
2 Navio Negreiro
2  Navio Negreiro2  Navio Negreiro
2 Navio Negreiro
Marcas da Luta
 
O escravismo colonial
O escravismo colonialO escravismo colonial
O escravismo colonial
Edenilson Morais
 

Mais procurados (19)

Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
O transporte dos escravos
O transporte dos escravosO transporte dos escravos
O transporte dos escravos
 
Avaliação 8° ano 2017 - escravidão - bandeiras - jesuítas
Avaliação 8° ano   2017 - escravidão - bandeiras  - jesuítasAvaliação 8° ano   2017 - escravidão - bandeiras  - jesuítas
Avaliação 8° ano 2017 - escravidão - bandeiras - jesuítas
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
 
Tráfico Negreiro
Tráfico NegreiroTráfico Negreiro
Tráfico Negreiro
 
Mandinga - Sebastião Pinheiro
Mandinga - Sebastião PinheiroMandinga - Sebastião Pinheiro
Mandinga - Sebastião Pinheiro
 
Tráfico negreiro
Tráfico negreiroTráfico negreiro
Tráfico negreiro
 
3180
31803180
3180
 
Seminário - África e Brasil Africano - Escola Vera Cruz - 2015
Seminário - África e Brasil Africano - Escola Vera Cruz - 2015Seminário - África e Brasil Africano - Escola Vera Cruz - 2015
Seminário - África e Brasil Africano - Escola Vera Cruz - 2015
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras Histórias
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
Hisee
HiseeHisee
Hisee
 
Os Tumbeiros - Prof. Altair Aguilar
Os Tumbeiros - Prof. Altair AguilarOs Tumbeiros - Prof. Altair Aguilar
Os Tumbeiros - Prof. Altair Aguilar
 
Projeto 200 anos
Projeto 200 anosProjeto 200 anos
Projeto 200 anos
 
Aula de história
Aula de históriaAula de história
Aula de história
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
 
História de minas gerais
História de minas geraisHistória de minas gerais
História de minas gerais
 
2 Navio Negreiro
2  Navio Negreiro2  Navio Negreiro
2 Navio Negreiro
 
O escravismo colonial
O escravismo colonialO escravismo colonial
O escravismo colonial
 

Semelhante a Hist 7 resp

Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
AEDFL
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Atividades Diversas Cláudia
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
Hist8
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
MairaDeOliveiraPotri
 
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandesesAula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Lucir Antonio de Souza
 
Cap. 15 brasil colônia escravidão-cultura e primeira revoltas
Cap. 15   brasil colônia escravidão-cultura e primeira revoltasCap. 15   brasil colônia escravidão-cultura e primeira revoltas
Cap. 15 brasil colônia escravidão-cultura e primeira revoltas
Gustavo Cuin
 
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano   setembro - gabaritoAvaliação história 7º ano   setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Giselda morais rodrigues do
 
His ano7 uni6_resp
His ano7 uni6_respHis ano7 uni6_resp
His ano7 uni6_resp
julio2012souto
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
Vinicius Yamachita
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
Rodrigo F Menegatti
 
Historia e geografia de portugal Resumos
Historia e geografia de portugal ResumosHistoria e geografia de portugal Resumos
Historia e geografia de portugal Resumos
tixinhatsilva
 
SLIDES_AULA_ESCRAVIDÃO AFRICANA NO BRASIL COLONIAL.pptx
SLIDES_AULA_ESCRAVIDÃO AFRICANA NO BRASIL COLONIAL.pptxSLIDES_AULA_ESCRAVIDÃO AFRICANA NO BRASIL COLONIAL.pptx
SLIDES_AULA_ESCRAVIDÃO AFRICANA NO BRASIL COLONIAL.pptx
JULIOCARVALHO47
 
Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.
Lara Lídia
 
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil coloniaEscravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
GabrielDominguesRoch
 
Colonização das américas
Colonização das américasColonização das américas
Colonização das américas
harlissoncarvalho
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonial
daviprofessor
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Brasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVIIBrasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVII
Bruno E Geyse Ornelas
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Fatima Freitas
 

Semelhante a Hist 7 resp (20)

Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
 
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandesesAula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
 
Cap. 15 brasil colônia escravidão-cultura e primeira revoltas
Cap. 15   brasil colônia escravidão-cultura e primeira revoltasCap. 15   brasil colônia escravidão-cultura e primeira revoltas
Cap. 15 brasil colônia escravidão-cultura e primeira revoltas
 
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano   setembro - gabaritoAvaliação história 7º ano   setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
 
His ano7 uni6_resp
His ano7 uni6_respHis ano7 uni6_resp
His ano7 uni6_resp
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
 
Historia e geografia de portugal Resumos
Historia e geografia de portugal ResumosHistoria e geografia de portugal Resumos
Historia e geografia de portugal Resumos
 
SLIDES_AULA_ESCRAVIDÃO AFRICANA NO BRASIL COLONIAL.pptx
SLIDES_AULA_ESCRAVIDÃO AFRICANA NO BRASIL COLONIAL.pptxSLIDES_AULA_ESCRAVIDÃO AFRICANA NO BRASIL COLONIAL.pptx
SLIDES_AULA_ESCRAVIDÃO AFRICANA NO BRASIL COLONIAL.pptx
 
Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.
 
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil coloniaEscravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
 
Colonização das américas
Colonização das américasColonização das américas
Colonização das américas
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonial
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Brasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVIIBrasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVII
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 

Mais de julio2012souto

CADERNO - MUNDO DO TRABALHO.pdf
CADERNO - MUNDO DO TRABALHO.pdfCADERNO - MUNDO DO TRABALHO.pdf
CADERNO - MUNDO DO TRABALHO.pdf
julio2012souto
 
CADERNO - MEIO AMBIENTE.pdf
CADERNO - MEIO AMBIENTE.pdfCADERNO - MEIO AMBIENTE.pdf
CADERNO - MEIO AMBIENTE.pdf
julio2012souto
 
7 ano
7 ano7 ano
4 ano
4 ano4 ano
3 ano adaptada
3 ano adaptada3 ano adaptada
3 ano adaptada
julio2012souto
 
3 ano
3 ano3 ano
2 ano adaptada
2 ano adaptada2 ano adaptada
2 ano adaptada
julio2012souto
 
2 ano
2 ano2 ano
1 ano
1 ano1 ano
0630 parecer ldb (1)
 0630 parecer ldb (1) 0630 parecer ldb (1)
0630 parecer ldb (1)
julio2012souto
 
7 convertido (1)
7 convertido (1)7 convertido (1)
7 convertido (1)
julio2012souto
 
Neandertal1
Neandertal1Neandertal1
Neandertal1
julio2012souto
 
Gibi
GibiGibi
Hotel ruanda
Hotel ruandaHotel ruanda
Hotel ruanda
julio2012souto
 
Geo 6
Geo 6Geo 6
Questoes ciencias 1
Questoes ciencias 1Questoes ciencias 1
Questoes ciencias 1
julio2012souto
 
Respostas ciencias
Respostas cienciasRespostas ciencias
Respostas ciencias
julio2012souto
 
Hist 8 unid_8
Hist 8 unid_8Hist 8 unid_8
Hist 8 unid_8
julio2012souto
 

Mais de julio2012souto (20)

CADERNO - MUNDO DO TRABALHO.pdf
CADERNO - MUNDO DO TRABALHO.pdfCADERNO - MUNDO DO TRABALHO.pdf
CADERNO - MUNDO DO TRABALHO.pdf
 
CADERNO - MEIO AMBIENTE.pdf
CADERNO - MEIO AMBIENTE.pdfCADERNO - MEIO AMBIENTE.pdf
CADERNO - MEIO AMBIENTE.pdf
 
7 ano
7 ano7 ano
7 ano
 
4 ano
4 ano4 ano
4 ano
 
3 ano adaptada
3 ano adaptada3 ano adaptada
3 ano adaptada
 
3 ano
3 ano3 ano
3 ano
 
2 ano adaptada
2 ano adaptada2 ano adaptada
2 ano adaptada
 
2 ano
2 ano2 ano
2 ano
 
1 ano
1 ano1 ano
1 ano
 
0630 parecer ldb (1)
 0630 parecer ldb (1) 0630 parecer ldb (1)
0630 parecer ldb (1)
 
7 convertido (1)
7 convertido (1)7 convertido (1)
7 convertido (1)
 
Neandertal1
Neandertal1Neandertal1
Neandertal1
 
Gibi
GibiGibi
Gibi
 
Hotel ruanda
Hotel ruandaHotel ruanda
Hotel ruanda
 
Negra
NegraNegra
Negra
 
Negro
NegroNegro
Negro
 
Geo 6
Geo 6Geo 6
Geo 6
 
Questoes ciencias 1
Questoes ciencias 1Questoes ciencias 1
Questoes ciencias 1
 
Respostas ciencias
Respostas cienciasRespostas ciencias
Respostas ciencias
 
Hist 8 unid_8
Hist 8 unid_8Hist 8 unid_8
Hist 8 unid_8
 

Último

ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 

Último (13)

ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 

Hist 7 resp

  • 1. 1 Cópiaautorizada. Unidade 8 RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO – HISTÓRIA – 7o ANO 1. É possível citar as seguintes razões para a escolha do açúcar como principal atividade econômica no Brasil: • Portugal já tinha experiência com a produção açucareira em suas ilhas do Atlântico; • Portugal contava com banqueiros e grupos comerciais europeus que podiam financiar o início do cultivo e, depois, comercializar o produto na Europa; • havia terra farta em sua colônia na América, especialmente na faixa litorânea do Nordeste, região favorecida pela maior proximidade da metrópole, pela disponibilidade de terras aráveis e pela existência de rios navegáveis, que facilitavam o transporte do açúcar. 2. O mapa faz referência à produção de cana nos séculos XVI e XVII no Brasil colonial. Nota-se que a produção é litorânea e, no século XVI, ocupava principalmente a região Nordeste. No século seguinte, a produção passa a ocupar também a região Sudeste. 3. Quando as capitanias hereditárias foram criadas, a Coroa incumbiu os donatários de distribuir sesmarias aos colonos, para que eles as exploras- sem economicamente. Essas propriedades ou parte delas ocupavam grandes áreas, chamadas latifúndios. Caso o detentor dessas propriedades não ti- vesse condições de explorá-la totalmente, ele podia ceder o uso de terras em troca de pagamento. Esse regime ficou conhecido como arrendamento. 4. (C) Lavradores que eram obrigados a moer a cana em um determinado engenho. (A) Proprietários que possuíam engenhos. (D)  Lavradores que podiam moer a cana em qualquer engenho. (E) Plantavam cana nas terras que arrendavam de outros fazendeiros e eram obrigados a moê-la no engenho do dono da terra. (B)  Fazendeiros que não tinham engenhos. 5. Alternativa D. Correção: Os holandeses podiam atracar nos portos das colônias portuguesas para comprar e revender o produto, além de transportá-lo, refiná-lo e distribuí- lo na Europa. 6. (F) A União Ibérica teve origem na aliança solicitada por Portugal para se fortalecer politicamente.
  • 2. 2 Cópiaautorizada. Correção: A União Ibérica originou-se a partir de uma crise sucessória em Portugal, pois dom Henrique morrera sem herdeiros diretos, permitindo a Filipe II da Espanha reclamar o trono. (V) O rei espanhol Filipe II, que descendia da casa real portuguesa por parte de mãe, invadiu o vizinho reino português, derrotou pretendentes ao trono e assumiu o poder. (V) O reinado de Filipe II estendia-se aos Países Baixos (Holanda e Bélgica). (F) A região dos Países Baixos (Holanda e Bélgica) aceitou passivamente a dominação católica da coroa espanhola e as obrigações tributárias impostas. Correção: Algumas províncias dos Países Baixos, descontentes com o domínio católico e com a cobrança de pesados tributos, lutavam para se tornar independentes da Espanha. (V) A proibição de Filipe II ao comércio da Holanda com as colônias lusitanas revoltou os holandeses, que invadiram e conquistaram territórios pertencentes à Espanha, inclusive na América portuguesa. 7. a) Os senhores de engenho aceitaram o governo holandês ao perceber que seu maior interesse era o comércio do açúcar. b) Os holandeses garantiram o apoio dos senhores de engenho promovendo melhorias nas áreas dominadas. A cidade do Recife, sede da administração holandesa, ganhou ares de cidade europeia, com a introdução de novos hábitos e costumes e uma política de tolerância religiosa e cultural. Seguidores do calvinismo, missionários holandeses realizaram um intenso trabalho de conversão dos índios à igreja reformada, especialmente com os potiguares. Maurício de Nassau, principal autoridade holandesa no Nordeste entre 1637 e 1644, fez alianças e concedeu empréstimos aos fazendeiros, a fim de retomar rapidamente a produção de açúcar prejudicada pela guerra. 8. O número 1 representa a senzala, que era a moradia dos escravos. Essa construção, quase sempre precária, contava com divisórias de palha trançada ou pau a pique, o que dificultava a privacidade. O número 2 representa a casa-grande, que era a residência dos senhores de engenho e de sua família. Atenção especial era dada ao oratório doméstico ou à capela, onde ficavam os santos de devoção da família. Em alguns engenhos, a capela ocupava um prédio próprio, porém era mais comum ela ser integrada à casa-grande. O número 3 representa a casa de engenho, local onde se fabricava o açúcar.
  • 3. 3 Cópiaautorizada. 9.              a) F E I T O R E S                                  b) S E N Z A L A                      c) C A S A - G R A N D E              d) M E S T R E * D E * A Ç Ú C A R                  e) L A D I N O S           f) C A S A * D E * E N G E N H O                          g) P U R G A D O R             10. a) O capitão do mato anda em um cavalo ao lado do escravo, conduzindo-o amarrado. Na imagem, ele também é negro, portanto, sua provável origem social é escrava, podendo ser um liberto ou filho de escravos libertos. b) Os castigos provavelmente seriam físicos e eram aplicados para punir os escravos por desobediência e para servir de exemplo aos outros. Os principais instrumentos de tortura eram chicotes, gargalheiras, máscaras de flandres, algemas, correntes e palmatórias. c) Alguns escravos evitavam ter filhos ou entravam em um estado de profunda tristeza e apatia, chamada banzo, que muitas vezes os levava à morte. Outros reagiam de forma violenta: roubando os pertences do senhor, ou assassinando feitores, capitães do mato e familiares do senhor. 11. (F) A escravidão só passou a ser conhecida na África após a chegada dos europeus no século XV. Correção: No século XV, a escravidão era praticada em vários reinos africanos. (V) Os primeiros europeus a desembarcarem na África foram os portugueses, que construíram feitorias ao longo do litoral e procuraram monopolizar a rede comercial africana. (V)  Em troca de ouro, marfim e escravos, os portugueses ofereciam tecidos, tabaco, metais, ferramentas, aguardente, cavalos e armas. (F) Durante todo o período escravocrata apenas os europeus capturaram africanos para transformá-los em escravos. Correção: No início eram os mercadores portugueses que capturavam os africanos. Mais tarde, os próprios chefes africanos passaram a organizar violentas invasões ao interior.
  • 4. 4 Cópiaautorizada. (F)  Por serem considerados mercadorias muito valiosas, os escravos eram transportados em boas condições para que chegassem ao seu destino fortes e saudáveis e aptos para trabalhar. Correção: Os escravos eram trazidos ao Brasil em péssimas condições e o índice de mortalidade era elevado. 12. (B) A violência da escravidão explica por que as taxas de mortalidade dos africanos no Brasil eram elevadas. Por esse motivo, o tráfico negreiro era uma atividade fundamental na reposição da mão de obra. (A) Os filhos dos senhores brincavam com as crianças negras, geralmente filhos dos escravos domésticos que serviam à família dos fazendeiros. (A) Muitas vezes, crianças brancas dividiam o leite materno com crianças negras, pois era comum a presença da ama de leite entre as famílias coloniais. (B) A violência da escravidão também se expressava no grande número de mestiços. A maioria deles era gerada de uniões fora do casamento, em que proprietários brancos submetiam escravas negras. Os senhores não reconheciam seus filhos nascidos de uma escrava, mantendo-os na condição de cativos. (A) Era prática comum de homens brancos, inclusive proprietários de terras, manterem relações sexuais com mulatas ou negras, principalmente escravas, as quais geravam filhos mestiços. (B) A legislação proibia que um senhor matasse, mutilasse ou castigasse demasiadamente um escravo. No entanto, essas práticas eram comuns. Sabe-se que os raros casos denunciados quase sempre acabaram na absolvição do fazendeiro. 13. a) A imagem 2 é a que melhor se relaciona às ideias de Gilberto Freyre, porque mostra uma relação harmoniosa, pacífica e integradora entre senhores e escravos. b) A imagem 1 é a que melhor se relaciona às ideias de Jacob Gorender, porque mostra a grande violência física a que eram submetidos os escravos para serem dominados.
  • 5. 5 Cópiaautorizada. 14. a) Atividade Região em que se destacou pau-brasil área litorânea, do nordeste ao sudeste do Brasil. cana-de-açúcar área litorânea, do nordeste ao sudeste do Brasil pecuária Mais ao interior da colônia nas regiões Nordeste e Sul do Brasil. tabaco atividade litorânea na região nordeste. mineração Mais ao interior na região Sudeste, embora apenas no século XVIII ela venha a ganhar destaque na região Centro-Oeste. drogras do sertão região do atual estado do Amazonas. b) Pecuária, mineração ou drogas do sertão. 15. (C) Produto usado principalmente na confecção de redes para dormir e tecidos rústicos para os escravos e para a população mais pobre. (A) Nas propriedades, os animais eram utilizados de diversas maneiras: como meio de tração e para obter o couro, a carne e o leite. (D) A maior parte dos produtos na colônia tinha origem na cultura indígena, como a mandioca, o milho e o feijão. (B) Planta nativa da América, era um produto destinado aos mercados europeus, nos quais o número de consumidores era crescente. Além disso, era usado na África como moeda de troca na aquisição de escravos.