SlideShare uma empresa Scribd logo
FRENTES AGRÍCOLAS DE
IRRIGAÇÃO e ZONEAMENTO
ECOLÓGICO-ECONÔMICO:
Estudo de caso da Bacia de Entre-Ribeiros - MG
Mestrando: Vitor Vieira Vasconcelos
Orientador: Prof. Dr. Renato Moreira Hadad
Co-orientador: Prof. Dr. Paulo Pereira Martins Junior
Fevereiro de 2010
Pontifícia Universidade Católica – MG
Programa de Pós-graduação em Geografia
Tratamento da Informação Espacial
Evolução do Pensamento Geográfico
Roteiro
• Objetivos
• Revisão Teórica
• Metodologia
• Resultados e Discussão
• Conclusões
Objetivos
Objetivo Geral:
Pesquisar a interação entre os sistemas agrícolas modernos e o
meio ambiente, com estudo de caso sobre a Bacia de Entre-
Ribeiros-MG.
Objetivos Específicos
1) Zoneamento Agro-Econômico da ocupação e vegetação da
bacia em períodos históricos diferenciados.
2) Estudos hidrológicos e de irrigação sobre Entre-Ribeiros, e suas
alterações nas últimas décadas.
3) Estudo sobre os impactos ecológicos e econômicos da
ocupação agropecuária na bacia hidrográfica
Fundamentação Teórica
• Pierre Monbeig
– Ligação entre a Escola Francesa e o estudo
das frentes agrícola brasileiras.
– Paisagem agrícola como complexo dinâmico.
– Relações funcionais do complexo agrícola
com as demais atividades econômicas.
Fundamentação Teórica
• Estudo contemporâneo das Frentes
Agrícolas no Sudeste:
– Sobreposição de ciclos históricos de ocupação.
– Difusão espacial de inovações produtivas.
– Forte influência da iniciativa privada.
Fundamentação Teórica
• Economia Ecológica e Zoneamento
Ecológico-Econômico (ZEE)
• Adaptações metodológicas interescalares:
– Ciclo hidrológico e processo ecológicos
em bacias hidrográficas.
– Dinâmica temporal.
Metodologia
1 - Zoneamento Histórico Agro-econômico da Bacia de
Entre-Ribeiros
– Revisão das pesquisas historiográficas.
– Imagens Landsat de 1975-1989-2008.
• Análise de reflectância por ajuste de Histograma (RGB)
• Para-redução de bandas dos sensores espectrais:
– Análise de Componentes Principais.
– Tasseled Cap.
– Consistência com estudos de uso do solo e dados de campo.
Metodologia
2 - Estudos Hidrológicos sobre Entre-Ribeiros e
Avaliação do Impacto do Uso Consuntivo
– Avaliação dos Estudos de Vazão Não-Regionalizada.
Regionalizada.
– Análise dos dados de eficiência, uso e perda de
recursos hídricos em irrigação na bacia hidrográfica.
– Estimativa do impacto ambiental da irrigação nos
sistemas hídricos.
3 - Estudo dos processos ambientais e econômicos
da ocupação de Entre-Ribeiros
Resultados e Discussão
Localização
Bacia de Entre-Ribeiros
• Até 1970 – Vazio populacional e pecuária extensiva
• Década de 1970 – Incentivos Públicos de Ocupação
• Década de 1980 – Projetos de Irrigação
• Década de 1990 – Endividamento
• Década de 2000 – Refinanciamento, novo
maquinário e aumento de produção
História de Ocupação da Bacia de
Entre-Ribeiros:
Área irrigada por pivôs centrais em Entre Ribeiros.
Localização: 46º19’11”S 17º03’17”W
Vazões médias mensais e anuais de retirada pela irrigação na bacia do Paracatu,
no período de 1970 e 1996. Estimativa por Rodriguez e outros (2004, p. 52).
Sistemas Ecológico-Econômicos
para o Zoneamento
Ecossistema de Cerrado, na Bacia de Entre-Ribeiros. Autor: Luciano Alvarenga, 2008, CETEC.
Ecossistema de campo aberto, do bioma Cerrado, em Entre-Ribeiros. Autor: Luciano Alvarenga, 2008, CETEC.
Exemplo do ecossistema de veredas na Bacia do Ribeirão Entre Ribeiros. (ANDRADE, 2007, p. 86; MARTINS
JUNIOR et al., 2002-2006).
Floresta tropical caducifólia (Mata Seca), razoavelmente bem preservada. Localização: 16º 51’ 27”S 46º 55’33”W
(MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006).
Matas Ciliares do Ribeirão Entre-Ribeiros. (ANDRADE, 2007, p. 77; MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006).
Exemplo típico de uma área cultivada irrigada por pivô central na foz do Ribeirão Entre Ribeiros. (ANDRADE,
2007, p. 105; MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006).
Loteamento de Reforma Agrária, Projeto de Assentamento Belo Vale. Plantação de abacaxi com vista de
uma das casas ao fundo. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA /FUNARBE, 2006, p. 45)
Aspecto de lote com áreas onde houve desmatamento e posterior abandono, com regeneração natural da
vegetação. Projeto de Assentamento XV de Novembro. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA/
FUNARBE, 2005d, p. 30).
Aspecto do relevo ondulado (ao fundo) com pastagem de braquiária e, ao fundo, a floresta tropical
caducifólia. Projeto de Assentamento Belo Vale. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA/FUNARBE,
2003, p. 14).
Entrada de uma plantação de Eucaliptos na Bacia de Entre-Ribeiros, Fazenda Fortaleza. Localização: 16º 57’
32”S 46º 48’ 16”W (MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006)
RGB ACP Tasseled Cap
1975
1989
2008
Imagens de Satélite
Avaliação dos produtos de
Sensoriamento Remoto
Técnica Utilizada Avaliação
Composição RGB • Melhor para comparação entre
imagens de épocas diferentes
• Explicação física da refletância
• Flexibilidade na troca de bandas
• Limite de três bandas por
visualização
Análise de Componentes Principais
(ACP)
• Melhor técnica para analisar
heterogeneidade espacial na
mesma imagem
• Não tão boa para analisar imagens
de épocas diferentes
Tassseled Cap • Boa para analisar heterogeneidade
espacial na mesma imagem
• Boa para comparação entre
imagens de épocas diferentes
• Explicação física indireta da
refletância
Zoneamento Agro-Econômico - 1975
Zoneamento Agro-Econômico - 1989
Zoneamento Agro-Econômico - 2008
Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico
Pivôs de Irrigação
Progresso da Ocupação – 1975/1989/2008
Classes 1975 1989 2008
Agricultura
Tradicional 3287,91 42387,22 99808,69
Agricultura Irrigada 0,00 14743,63 39131,38
Pecuária 58564,34 107181,11 115452,98
Assentamentos 0,00 0,00 11426,19
Reflorestamento 0,00 0,00 1230,89
Área Alagada 6011,93 1856,74 709,38
Cerrado 285968,28 193797,94 85821,77
Mata 42300,10 36168,39 42555,09
Sub-Total Antrópico 61852,25 164311,96 267050,13
Sub-Total Nativo 334280,32 231823,07 129086,24
Total 396132,57 396135,03 396136,36
Ocupação em Hectares – 1975/1989/2008
Ocupação em % – 1975/1989/2008
Classes
1975 1989 2008
Agricultura
Tradicional 0,83 10,70 25,20
Agricultura Irrigada 0,00 3,72 9,88
Pecuária 14,78 27,06 29,14
Assentamentos 0,00 0,00 2,88
Reflorestamento 0,00 0,00 0,31
Área Alagada 1,52 0,47 0,18
Cerrado 72,19 48,92 21,66
Mata 10,68 9,13 10,74
Sub-Total Antrópico 15,61 41,48 67,41
Sub-Total Nativo 84,39 58,52 32,59
Total 100,00 100,00 100,00
Variação da Ocupação – 1975/1989/2008
Classes Variação
1975-1989
em %
Variação
1989-2008
em %
Variação
1975-2008
em %
Agricultura Tradicional +1189,18 +135,47 +2935,63
Agricultura Irrigada - +165,41 -
Pecuária +83,01 +7,72 +97,14
Assentamentos - - -
Reflorestamento - - -
Área Alagada -69,12 -61,79 -88,20
Cerrado -32,23 -55,72 -69,99
Mata -14,50 +17,66 +0,60
Sub-Total Antrópico +165,65 +62,53 +331,75
Sub-Total Nativo -30,65 -44,32 -61,38
Hidrologia e Irrigação
Estudos de Vazão Não-Regionalizada e Regionalizada
Eficiência de Irrigação
Indicador Eficiência
Geral (Brasil) 60 a 90%
Regionalização –
Paracatu (FAO)
70%
Dados experimentais 41,6 a 45,24% (média de 43,81%)
Dados de campo 28 a 47% (média de 38,75%)
Exemplo de um dos extensos canais de irrigação no Vale de Entre Ribeiros.
Localização: 46º19’11”S 17º03’17”W
Uso de Água por Hectare de
Agricultura Irrigada
Ano Volume derivado
total (m3)
Área Irrigada
(ha)
Uso de água por hectare
(m3ha-1ano-1)
1997 14.117.323 2.343 6.025,32
1998 23.744.618 2.365 10.040,01
1999 22.383.753 2.389 9.369,51
2000 18.053.636 2.434 7.417,27
Média 19.574.833 2.383 8.213,03
Fonte: Cálculo a partir dos dados de Brito, Bastings e Bortolozzo (2003, p. 296-297).
Estimativa de Uso da Água para
Irrigação em Entre-Ribeiros, para
os anos de 1989 e 2008.
• Uso de água por Hectare
• Área Irrigada em 1989 e 2008
• Vazão Q7,10
Porcentagem de
Uso sobre a vazão
Q7,10 em 1989 e
2008
Estimativa de Uso da Água para
Irrigação em Entre-Ribeiros, para
os anos de 1989 e 2008.
Ano Área Irrigada (em ha) Uso de água total
(m3/ano)
Porcentagem de uso
sobre a Q7,10 (em %)
1989 8.390,35 68.910.196,26 37,78
2008 19.118,07 157.017.282,45 86,08
Fonte: Cálculo a partir dos dados de Brito, Bastings e Bortolozzo (2003, p. 296-
297) e Moreira (2006, p. 61).
Variação Temporal do Uso da
Água – Anual, Diária e Horária
Gráfico 7: Vazão de retirada (QR, em m3/s) e vazão unitária de retirada ela irrigação (qr, em Ls-1ha-1,),
precipitação (P, em mm/d), precipitação efetiva (Pe, em mm/d) e evapotranspiração da cultura (ETr, em
mm/d) ao longo do ano de 1996 no município de Unaí. Fonte: Rodriguez (2004, p. 54).
Hidrograma Médio
VAZÕES MÉDIAS MENSAIS
MÉDIO PARACATU
período 1940 - 1994
0,0
200,0
400,0
600,0
800,0
1000,0
1200,0
out nov dez jan fev mar abr maio jun jul ago set
Meses
Vazões(m³/s)
Gráfico 9: Hidrograma representando as vazões médias mensais no Médio
Paracatu entre 1940 e 1994. (RURALMINAS, 1996).
Impactos Ecológicos
e Reflexos Econômicos
(1) desmatamento e fragmentação dos
biomas originais, pelo avanço da
agropecuária
(2) o uso consuntivo de água pela irrigação,
(3) a redução de infiltração da água no solo
por ocupação de zonas de recarga
(4) o impacto da drenagem de veredas,
lagoas marginais e áreas de inundação.
Queimadas e retirada da vegetação nativa para produção de carvão em Entre-Ribeiros. Nesta região
foram observados vários fornos de carvoejamento e usos de moto-serra.
Localização 46º49’34”S 16º57’45”W
Erosão laminar em área de agricultura de sequeiro abandonada e utilizada para pecuária, na Bacia
de Entre-Ribeiros. Localização: 16º58'15,3"S 46º25'52,0"W
Fragmento de Cerrado sem conectividade na região de Paracatu-MG Fonte: IBICT (2008)
Exemplo de retirada da vegetação do curso d’água (Mata Ciliar) para dar lugar à pastagem.
Exemplo de degradação de um ambiente aquático, no caso uma lagoa marginal represada em Entre-Ribeiros.
Barragem construída sobre o ecossistema de Vereda. Percebe-se claramente a descontinuidade e o
comprometimento deste ambiente com a elevação do nível d’água. Localização: 16º57'49,4"S
46º24'23,4"W (MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006; ANDRADE, 2007, p. 109).
Represamento de um ecossistema de Veredas, causando a morte da vegetação original.
Localização: 16º57'49,4"S 46º24'23,4"W.
Conclusões
• Conseqüências da Ocupação Agrícola
– Atendimento à demanda mundial de alimentos e
bioenergia
– Impactos Ambientais
– Externalidades Econômicas
– Custos e limites impostos pelo uso excessivo dos
recursos naturais
Agradecimentos
PPGG-TIE / PUC-MINAS
CETEC
UFV
EMBRAPA
UFOP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
Marcos Paulo Machado Thome
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce
 
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBCUtilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Isabella Aragão Araújo
 
Proposta de Metodologia participativa para recuperação de nascentes
Proposta de Metodologia participativa para recuperação de nascentesProposta de Metodologia participativa para recuperação de nascentes
Proposta de Metodologia participativa para recuperação de nascentes
Agência Peixe Vivo
 
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
Leandro Almeida
 
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentesProteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
Rodrigo Sganzerla
 
APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI (NORMALIZED DIFFERENCE VEGETATION INDEX...
APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI (NORMALIZED DIFFERENCE VEGETATION INDEX...APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI (NORMALIZED DIFFERENCE VEGETATION INDEX...
APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI (NORMALIZED DIFFERENCE VEGETATION INDEX...
Sidney Anderson
 
Projeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidroProjeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidro
Fernando Alan Machado
 
255 762-1-pb
255 762-1-pb255 762-1-pb
255 762-1-pb
Rilson Gomes
 
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalizaçãoBiomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
CBH Rio das Velhas
 
MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...
MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...
MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...
Gabriella Ribeiro
 
Expedição de Reconhecimento ao Purus
Expedição de Reconhecimento ao PurusExpedição de Reconhecimento ao Purus
Expedição de Reconhecimento ao Purus
Elaine Dutra
 
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferramDay 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
The Forests Dialogue
 
Anexo III - Proposta Produtor de Água
Anexo III - Proposta Produtor de Água Anexo III - Proposta Produtor de Água
Anexo III - Proposta Produtor de Água
CBH Rio das Velhas
 
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
fernandameneguzzo
 
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de ÁguaPlano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
CBH Rio das Velhas
 
Painel Rio Doce - Andréa Azevedo - Renova
Painel Rio Doce - Andréa Azevedo - Renova Painel Rio Doce - Andréa Azevedo - Renova
Painel Rio Doce - Andréa Azevedo - Renova
CBH Rio das Velhas
 
Resumo - Projeto Produtor de Água
Resumo - Projeto Produtor de ÁguaResumo - Projeto Produtor de Água
Resumo - Projeto Produtor de Água
CBH Rio das Velhas
 
jornal Correio Popular
jornal Correio Popularjornal Correio Popular
jornal Correio Popular
Agricultura Sao Paulo
 
Documento geral Pacto para a Restauração da Mata Atlântica.
Documento geral Pacto para a Restauração da Mata Atlântica.Documento geral Pacto para a Restauração da Mata Atlântica.
Documento geral Pacto para a Restauração da Mata Atlântica.
Carlos Alberto Monteiro
 

Mais procurados (20)

A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
17/03 - tarde_Mesa 2 - Ricardo de Oliveira Figueiredo
 
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBCUtilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
Utilização de Geotecnologia para o Mapeamento de APPs em SBC
 
Proposta de Metodologia participativa para recuperação de nascentes
Proposta de Metodologia participativa para recuperação de nascentesProposta de Metodologia participativa para recuperação de nascentes
Proposta de Metodologia participativa para recuperação de nascentes
 
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
 
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentesProteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
 
APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI (NORMALIZED DIFFERENCE VEGETATION INDEX...
APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI (NORMALIZED DIFFERENCE VEGETATION INDEX...APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI (NORMALIZED DIFFERENCE VEGETATION INDEX...
APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI (NORMALIZED DIFFERENCE VEGETATION INDEX...
 
Projeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidroProjeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidro
 
255 762-1-pb
255 762-1-pb255 762-1-pb
255 762-1-pb
 
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalizaçãoBiomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
 
MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...
MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...
MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...
 
Expedição de Reconhecimento ao Purus
Expedição de Reconhecimento ao PurusExpedição de Reconhecimento ao Purus
Expedição de Reconhecimento ao Purus
 
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferramDay 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
 
Anexo III - Proposta Produtor de Água
Anexo III - Proposta Produtor de Água Anexo III - Proposta Produtor de Água
Anexo III - Proposta Produtor de Água
 
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
 
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de ÁguaPlano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
 
Painel Rio Doce - Andréa Azevedo - Renova
Painel Rio Doce - Andréa Azevedo - Renova Painel Rio Doce - Andréa Azevedo - Renova
Painel Rio Doce - Andréa Azevedo - Renova
 
Resumo - Projeto Produtor de Água
Resumo - Projeto Produtor de ÁguaResumo - Projeto Produtor de Água
Resumo - Projeto Produtor de Água
 
jornal Correio Popular
jornal Correio Popularjornal Correio Popular
jornal Correio Popular
 
Documento geral Pacto para a Restauração da Mata Atlântica.
Documento geral Pacto para a Restauração da Mata Atlântica.Documento geral Pacto para a Restauração da Mata Atlântica.
Documento geral Pacto para a Restauração da Mata Atlântica.
 

Destaque

Apresent proj popular pro rio velho quixeré
Apresent proj popular pro rio velho quixeréApresent proj popular pro rio velho quixeré
Apresent proj popular pro rio velho quixeré
Dalvany Alves de Lima
 
Tubulação multiplas saidas aereas para irrigaçao por gotejamento
Tubulação multiplas saidas aereas para irrigaçao por gotejamentoTubulação multiplas saidas aereas para irrigaçao por gotejamento
Tubulação multiplas saidas aereas para irrigaçao por gotejamento
Luiz Andrade
 
Irrigação Bomba 3ano A
Irrigação Bomba 3ano AIrrigação Bomba 3ano A
Irrigação Bomba 3ano A
IF Baiano - Campus Catu
 
Apresent proj popular pro rio velho quixeré
Apresent proj popular pro rio velho quixeréApresent proj popular pro rio velho quixeré
Apresent proj popular pro rio velho quixeré
Dalvany Alves de Lima
 
Adapta sertao irrigaçao 4
Adapta sertao irrigaçao 4Adapta sertao irrigaçao 4
Adapta sertao irrigaçao 4
Saymon Acchile'
 
Adapta sertao kifnet 5
Adapta sertao kifnet 5Adapta sertao kifnet 5
Adapta sertao kifnet 5
Reginaldo Gomes do Nascimento Filho
 
IrrigaçãO Localizada 3º A
IrrigaçãO Localizada 3º AIrrigaçãO Localizada 3º A
IrrigaçãO Localizada 3º A
IF Baiano - Campus Catu
 
IrrigaçãO Localizada 3b
IrrigaçãO Localizada 3bIrrigaçãO Localizada 3b
IrrigaçãO Localizada 3b
IF Baiano - Campus Catu
 
O nordeste
O nordesteO nordeste
O nordeste
CBM
 
Permanência no Campo - por Francisco Neto
Permanência no Campo - por Francisco NetoPermanência no Campo - por Francisco Neto
Permanência no Campo - por Francisco Neto
Rede Jovem Rural
 
Irrigação e drenagem
Irrigação e drenagemIrrigação e drenagem
Irrigação e drenagem
Alex Nunes
 
32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento
Luiz Antonio de Jesus Araujo
 
Aula de Irrigacao 3 - 4 Bimestre
Aula de Irrigacao 3 - 4 BimestreAula de Irrigacao 3 - 4 Bimestre
Aula de Irrigacao 3 - 4 Bimestre
IF Baiano - Campus Catu
 
Permanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Permanência no Campo - por Vilmara FerreiraPermanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Permanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Rede Jovem Rural
 
Manual do projetista de irrigação
Manual do projetista de irrigaçãoManual do projetista de irrigação
Manual do projetista de irrigação
jsanil
 
Dominio Caatinga
Dominio Caatinga Dominio Caatinga
Dominio Caatinga
Laguat
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
Tayza Taveira
 
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31CDomínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Alice Barros
 
Apostila de irrigação_completa
Apostila de irrigação_completaApostila de irrigação_completa
Apostila de irrigação_completa
Francisco Almeida
 
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e FertirrigaçãoSistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
Robson de Aguiar
 

Destaque (20)

Apresent proj popular pro rio velho quixeré
Apresent proj popular pro rio velho quixeréApresent proj popular pro rio velho quixeré
Apresent proj popular pro rio velho quixeré
 
Tubulação multiplas saidas aereas para irrigaçao por gotejamento
Tubulação multiplas saidas aereas para irrigaçao por gotejamentoTubulação multiplas saidas aereas para irrigaçao por gotejamento
Tubulação multiplas saidas aereas para irrigaçao por gotejamento
 
Irrigação Bomba 3ano A
Irrigação Bomba 3ano AIrrigação Bomba 3ano A
Irrigação Bomba 3ano A
 
Apresent proj popular pro rio velho quixeré
Apresent proj popular pro rio velho quixeréApresent proj popular pro rio velho quixeré
Apresent proj popular pro rio velho quixeré
 
Adapta sertao irrigaçao 4
Adapta sertao irrigaçao 4Adapta sertao irrigaçao 4
Adapta sertao irrigaçao 4
 
Adapta sertao kifnet 5
Adapta sertao kifnet 5Adapta sertao kifnet 5
Adapta sertao kifnet 5
 
IrrigaçãO Localizada 3º A
IrrigaçãO Localizada 3º AIrrigaçãO Localizada 3º A
IrrigaçãO Localizada 3º A
 
IrrigaçãO Localizada 3b
IrrigaçãO Localizada 3bIrrigaçãO Localizada 3b
IrrigaçãO Localizada 3b
 
O nordeste
O nordesteO nordeste
O nordeste
 
Permanência no Campo - por Francisco Neto
Permanência no Campo - por Francisco NetoPermanência no Campo - por Francisco Neto
Permanência no Campo - por Francisco Neto
 
Irrigação e drenagem
Irrigação e drenagemIrrigação e drenagem
Irrigação e drenagem
 
32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento
 
Aula de Irrigacao 3 - 4 Bimestre
Aula de Irrigacao 3 - 4 BimestreAula de Irrigacao 3 - 4 Bimestre
Aula de Irrigacao 3 - 4 Bimestre
 
Permanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Permanência no Campo - por Vilmara FerreiraPermanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Permanência no Campo - por Vilmara Ferreira
 
Manual do projetista de irrigação
Manual do projetista de irrigaçãoManual do projetista de irrigação
Manual do projetista de irrigação
 
Dominio Caatinga
Dominio Caatinga Dominio Caatinga
Dominio Caatinga
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
 
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31CDomínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
 
Apostila de irrigação_completa
Apostila de irrigação_completaApostila de irrigação_completa
Apostila de irrigação_completa
 
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e FertirrigaçãoSistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
 

Semelhante a Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico

Trabalho+2013
Trabalho+2013Trabalho+2013
Trabalho+2013
Giovanna Ortiz
 
palestra-prof-hans-Ultima-versao-17-agosto.pptx
palestra-prof-hans-Ultima-versao-17-agosto.pptxpalestra-prof-hans-Ultima-versao-17-agosto.pptx
palestra-prof-hans-Ultima-versao-17-agosto.pptx
MichellinePoncianoSi
 
Expansão urbana e o Meio Ambiente
Expansão urbana e  o  Meio Ambiente Expansão urbana e  o  Meio Ambiente
Expansão urbana e o Meio Ambiente
Chico Macena
 
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce
 
Indicadores peq 1
Indicadores peq 1Indicadores peq 1
Indicadores peq 1
Bio Uneb
 
Artigo bioterra v15_n1_05
Artigo bioterra v15_n1_05Artigo bioterra v15_n1_05
Artigo bioterra v15_n1_05
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Revista Cafeicultura
 
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das LeguminosasZoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Gilberto Fugimoto
 
Recuperacao da area_degradada_pelo_lixao_areia_bra
Recuperacao da area_degradada_pelo_lixao_areia_braRecuperacao da area_degradada_pelo_lixao_areia_bra
Recuperacao da area_degradada_pelo_lixao_areia_bra
João Pedro
 
7ª aula- Gestão ambiental urbana.
7ª aula- Gestão ambiental urbana. 7ª aula- Gestão ambiental urbana.
7ª aula- Gestão ambiental urbana.
Adriely Negrine Azevedo
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce
 
Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.
Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.
Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.
equipeagroplus
 
Sistema agroflorestal
Sistema agroflorestalSistema agroflorestal
Sistema agroflorestal
Jaquelina Nunes
 
Áreas verdes e contaminação do solo
Áreas verdes e contaminação do soloÁreas verdes e contaminação do solo
Áreas verdes e contaminação do solo
Rosa De Maio
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
Gabriella Ribeiro
 
180917_POT_Apresentação_DIAG_AP_V155.pdf
180917_POT_Apresentação_DIAG_AP_V155.pdf180917_POT_Apresentação_DIAG_AP_V155.pdf
180917_POT_Apresentação_DIAG_AP_V155.pdf
Administraoadm4
 
Indicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Indicadores de sustentabilidade para o Grande PortoIndicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Indicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Nuno Quental
 
Conteúdo complementar de geografia 2º ano ensino médio
Conteúdo complementar de geografia 2º  ano ensino médioConteúdo complementar de geografia 2º  ano ensino médio
Conteúdo complementar de geografia 2º ano ensino médio
Atividades Diversas Cláudia
 
CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE CILIAR
CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE CILIARCARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE CILIAR
CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE CILIAR
Moacir Medrado
 
Congeapa/Valm 27/3/18
Congeapa/Valm 27/3/18Congeapa/Valm 27/3/18
Congeapa/Valm 27/3/18
resgate cambui ong
 

Semelhante a Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico (20)

Trabalho+2013
Trabalho+2013Trabalho+2013
Trabalho+2013
 
palestra-prof-hans-Ultima-versao-17-agosto.pptx
palestra-prof-hans-Ultima-versao-17-agosto.pptxpalestra-prof-hans-Ultima-versao-17-agosto.pptx
palestra-prof-hans-Ultima-versao-17-agosto.pptx
 
Expansão urbana e o Meio Ambiente
Expansão urbana e  o  Meio Ambiente Expansão urbana e  o  Meio Ambiente
Expansão urbana e o Meio Ambiente
 
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
 
Indicadores peq 1
Indicadores peq 1Indicadores peq 1
Indicadores peq 1
 
Artigo bioterra v15_n1_05
Artigo bioterra v15_n1_05Artigo bioterra v15_n1_05
Artigo bioterra v15_n1_05
 
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
 
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das LeguminosasZoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
 
Recuperacao da area_degradada_pelo_lixao_areia_bra
Recuperacao da area_degradada_pelo_lixao_areia_braRecuperacao da area_degradada_pelo_lixao_areia_bra
Recuperacao da area_degradada_pelo_lixao_areia_bra
 
7ª aula- Gestão ambiental urbana.
7ª aula- Gestão ambiental urbana. 7ª aula- Gestão ambiental urbana.
7ª aula- Gestão ambiental urbana.
 
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
17/03 - tarde_Mesa 2 - Marx Leandro Naves
 
Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.
Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.
Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.
 
Sistema agroflorestal
Sistema agroflorestalSistema agroflorestal
Sistema agroflorestal
 
Áreas verdes e contaminação do solo
Áreas verdes e contaminação do soloÁreas verdes e contaminação do solo
Áreas verdes e contaminação do solo
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
 
180917_POT_Apresentação_DIAG_AP_V155.pdf
180917_POT_Apresentação_DIAG_AP_V155.pdf180917_POT_Apresentação_DIAG_AP_V155.pdf
180917_POT_Apresentação_DIAG_AP_V155.pdf
 
Indicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Indicadores de sustentabilidade para o Grande PortoIndicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Indicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
 
Conteúdo complementar de geografia 2º ano ensino médio
Conteúdo complementar de geografia 2º  ano ensino médioConteúdo complementar de geografia 2º  ano ensino médio
Conteúdo complementar de geografia 2º ano ensino médio
 
CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE CILIAR
CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE CILIARCARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE CILIAR
CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE CILIAR
 
Congeapa/Valm 27/3/18
Congeapa/Valm 27/3/18Congeapa/Valm 27/3/18
Congeapa/Valm 27/3/18
 

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos

Relationships among socioeconomic affluence, yard management, and biodiversity
Relationships among socioeconomic affluence, yard management, and biodiversityRelationships among socioeconomic affluence, yard management, and biodiversity
Relationships among socioeconomic affluence, yard management, and biodiversity
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Análise espacial de doenças transmissíveis
Análise espacial de doenças transmissíveisAnálise espacial de doenças transmissíveis
Análise espacial de doenças transmissíveis
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Fishbanks! Jogo de simulação de gestão de recursos renováveis
Fishbanks! Jogo de simulação de gestão de recursos renováveisFishbanks! Jogo de simulação de gestão de recursos renováveis
Fishbanks! Jogo de simulação de gestão de recursos renováveis
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Regimes de Apropriação de Recursos Naturais
Regimes de Apropriação de Recursos NaturaisRegimes de Apropriação de Recursos Naturais
Regimes de Apropriação de Recursos Naturais
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Recursos Comuns e Tragédia dos Comuns
Recursos Comuns e Tragédia dos ComunsRecursos Comuns e Tragédia dos Comuns
Recursos Comuns e Tragédia dos Comuns
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Relações entre sistemas naturais e sociais
Relações entre sistemas naturais e sociaisRelações entre sistemas naturais e sociais
Relações entre sistemas naturais e sociais
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Valoração de Serviços Ecossistêmicos
Valoração de Serviços EcossistêmicosValoração de Serviços Ecossistêmicos
Valoração de Serviços Ecossistêmicos
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Recursos Naturais e Serviços Ecossistêmicos
Recursos Naturais e Serviços EcossistêmicosRecursos Naturais e Serviços Ecossistêmicos
Recursos Naturais e Serviços Ecossistêmicos
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Bases teóricas e conceituais do Planejamento e da Política Ambiental
Bases teóricas e conceituais do Planejamento e da Política AmbientalBases teóricas e conceituais do Planejamento e da Política Ambiental
Bases teóricas e conceituais do Planejamento e da Política Ambiental
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Planejamento territorial
Planejamento territorialPlanejamento territorial
Planejamento territorial
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Coremática e Mapeamento Participativo
Coremática e Mapeamento ParticipativoCoremática e Mapeamento Participativo
Coremática e Mapeamento Participativo
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Cartografia Social
Cartografia SocialCartografia Social
Cartografia Social
Vitor Vieira Vasconcelos
 
MIgrações
MIgraçõesMIgrações
Conflitos fundiários
Conflitos fundiáriosConflitos fundiários
Conflitos fundiários
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Conflitos Territoriais
Conflitos TerritoriaisConflitos Territoriais
Conflitos Territoriais
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Chácara Baronesa - Haras São Bernardo
Chácara Baronesa - Haras São BernardoChácara Baronesa - Haras São Bernardo
Chácara Baronesa - Haras São Bernardo
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Governo e Território
Governo e TerritórioGoverno e Território
Governo e Território
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Segregação e Interação Territorial
Segregação e Interação TerritorialSegregação e Interação Territorial
Segregação e Interação Territorial
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Território e Poder
Território e PoderTerritório e Poder
Território e Poder
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Operações com dados espaciais (Vetor) em R
Operações com dados espaciais (Vetor) em ROperações com dados espaciais (Vetor) em R
Operações com dados espaciais (Vetor) em R
Vitor Vieira Vasconcelos
 

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos (20)

Relationships among socioeconomic affluence, yard management, and biodiversity
Relationships among socioeconomic affluence, yard management, and biodiversityRelationships among socioeconomic affluence, yard management, and biodiversity
Relationships among socioeconomic affluence, yard management, and biodiversity
 
Análise espacial de doenças transmissíveis
Análise espacial de doenças transmissíveisAnálise espacial de doenças transmissíveis
Análise espacial de doenças transmissíveis
 
Fishbanks! Jogo de simulação de gestão de recursos renováveis
Fishbanks! Jogo de simulação de gestão de recursos renováveisFishbanks! Jogo de simulação de gestão de recursos renováveis
Fishbanks! Jogo de simulação de gestão de recursos renováveis
 
Regimes de Apropriação de Recursos Naturais
Regimes de Apropriação de Recursos NaturaisRegimes de Apropriação de Recursos Naturais
Regimes de Apropriação de Recursos Naturais
 
Recursos Comuns e Tragédia dos Comuns
Recursos Comuns e Tragédia dos ComunsRecursos Comuns e Tragédia dos Comuns
Recursos Comuns e Tragédia dos Comuns
 
Relações entre sistemas naturais e sociais
Relações entre sistemas naturais e sociaisRelações entre sistemas naturais e sociais
Relações entre sistemas naturais e sociais
 
Valoração de Serviços Ecossistêmicos
Valoração de Serviços EcossistêmicosValoração de Serviços Ecossistêmicos
Valoração de Serviços Ecossistêmicos
 
Recursos Naturais e Serviços Ecossistêmicos
Recursos Naturais e Serviços EcossistêmicosRecursos Naturais e Serviços Ecossistêmicos
Recursos Naturais e Serviços Ecossistêmicos
 
Bases teóricas e conceituais do Planejamento e da Política Ambiental
Bases teóricas e conceituais do Planejamento e da Política AmbientalBases teóricas e conceituais do Planejamento e da Política Ambiental
Bases teóricas e conceituais do Planejamento e da Política Ambiental
 
Planejamento territorial
Planejamento territorialPlanejamento territorial
Planejamento territorial
 
Coremática e Mapeamento Participativo
Coremática e Mapeamento ParticipativoCoremática e Mapeamento Participativo
Coremática e Mapeamento Participativo
 
Cartografia Social
Cartografia SocialCartografia Social
Cartografia Social
 
MIgrações
MIgraçõesMIgrações
MIgrações
 
Conflitos fundiários
Conflitos fundiáriosConflitos fundiários
Conflitos fundiários
 
Conflitos Territoriais
Conflitos TerritoriaisConflitos Territoriais
Conflitos Territoriais
 
Chácara Baronesa - Haras São Bernardo
Chácara Baronesa - Haras São BernardoChácara Baronesa - Haras São Bernardo
Chácara Baronesa - Haras São Bernardo
 
Governo e Território
Governo e TerritórioGoverno e Território
Governo e Território
 
Segregação e Interação Territorial
Segregação e Interação TerritorialSegregação e Interação Territorial
Segregação e Interação Territorial
 
Território e Poder
Território e PoderTerritório e Poder
Território e Poder
 
Operações com dados espaciais (Vetor) em R
Operações com dados espaciais (Vetor) em ROperações com dados espaciais (Vetor) em R
Operações com dados espaciais (Vetor) em R
 

Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico

  • 1. FRENTES AGRÍCOLAS DE IRRIGAÇÃO e ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO: Estudo de caso da Bacia de Entre-Ribeiros - MG Mestrando: Vitor Vieira Vasconcelos Orientador: Prof. Dr. Renato Moreira Hadad Co-orientador: Prof. Dr. Paulo Pereira Martins Junior Fevereiro de 2010 Pontifícia Universidade Católica – MG Programa de Pós-graduação em Geografia Tratamento da Informação Espacial Evolução do Pensamento Geográfico
  • 2. Roteiro • Objetivos • Revisão Teórica • Metodologia • Resultados e Discussão • Conclusões
  • 3. Objetivos Objetivo Geral: Pesquisar a interação entre os sistemas agrícolas modernos e o meio ambiente, com estudo de caso sobre a Bacia de Entre- Ribeiros-MG. Objetivos Específicos 1) Zoneamento Agro-Econômico da ocupação e vegetação da bacia em períodos históricos diferenciados. 2) Estudos hidrológicos e de irrigação sobre Entre-Ribeiros, e suas alterações nas últimas décadas. 3) Estudo sobre os impactos ecológicos e econômicos da ocupação agropecuária na bacia hidrográfica
  • 4. Fundamentação Teórica • Pierre Monbeig – Ligação entre a Escola Francesa e o estudo das frentes agrícola brasileiras. – Paisagem agrícola como complexo dinâmico. – Relações funcionais do complexo agrícola com as demais atividades econômicas.
  • 5. Fundamentação Teórica • Estudo contemporâneo das Frentes Agrícolas no Sudeste: – Sobreposição de ciclos históricos de ocupação. – Difusão espacial de inovações produtivas. – Forte influência da iniciativa privada.
  • 6. Fundamentação Teórica • Economia Ecológica e Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) • Adaptações metodológicas interescalares: – Ciclo hidrológico e processo ecológicos em bacias hidrográficas. – Dinâmica temporal.
  • 7. Metodologia 1 - Zoneamento Histórico Agro-econômico da Bacia de Entre-Ribeiros – Revisão das pesquisas historiográficas. – Imagens Landsat de 1975-1989-2008. • Análise de reflectância por ajuste de Histograma (RGB) • Para-redução de bandas dos sensores espectrais: – Análise de Componentes Principais. – Tasseled Cap. – Consistência com estudos de uso do solo e dados de campo.
  • 8. Metodologia 2 - Estudos Hidrológicos sobre Entre-Ribeiros e Avaliação do Impacto do Uso Consuntivo – Avaliação dos Estudos de Vazão Não-Regionalizada. Regionalizada. – Análise dos dados de eficiência, uso e perda de recursos hídricos em irrigação na bacia hidrográfica. – Estimativa do impacto ambiental da irrigação nos sistemas hídricos. 3 - Estudo dos processos ambientais e econômicos da ocupação de Entre-Ribeiros
  • 11. • Até 1970 – Vazio populacional e pecuária extensiva • Década de 1970 – Incentivos Públicos de Ocupação • Década de 1980 – Projetos de Irrigação • Década de 1990 – Endividamento • Década de 2000 – Refinanciamento, novo maquinário e aumento de produção História de Ocupação da Bacia de Entre-Ribeiros:
  • 12. Área irrigada por pivôs centrais em Entre Ribeiros. Localização: 46º19’11”S 17º03’17”W
  • 13. Vazões médias mensais e anuais de retirada pela irrigação na bacia do Paracatu, no período de 1970 e 1996. Estimativa por Rodriguez e outros (2004, p. 52).
  • 15. Ecossistema de Cerrado, na Bacia de Entre-Ribeiros. Autor: Luciano Alvarenga, 2008, CETEC.
  • 16. Ecossistema de campo aberto, do bioma Cerrado, em Entre-Ribeiros. Autor: Luciano Alvarenga, 2008, CETEC.
  • 17. Exemplo do ecossistema de veredas na Bacia do Ribeirão Entre Ribeiros. (ANDRADE, 2007, p. 86; MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006).
  • 18. Floresta tropical caducifólia (Mata Seca), razoavelmente bem preservada. Localização: 16º 51’ 27”S 46º 55’33”W (MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006).
  • 19. Matas Ciliares do Ribeirão Entre-Ribeiros. (ANDRADE, 2007, p. 77; MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006).
  • 20. Exemplo típico de uma área cultivada irrigada por pivô central na foz do Ribeirão Entre Ribeiros. (ANDRADE, 2007, p. 105; MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006).
  • 21. Loteamento de Reforma Agrária, Projeto de Assentamento Belo Vale. Plantação de abacaxi com vista de uma das casas ao fundo. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA /FUNARBE, 2006, p. 45)
  • 22. Aspecto de lote com áreas onde houve desmatamento e posterior abandono, com regeneração natural da vegetação. Projeto de Assentamento XV de Novembro. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA/ FUNARBE, 2005d, p. 30).
  • 23. Aspecto do relevo ondulado (ao fundo) com pastagem de braquiária e, ao fundo, a floresta tropical caducifólia. Projeto de Assentamento Belo Vale. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA/FUNARBE, 2003, p. 14).
  • 24. Entrada de uma plantação de Eucaliptos na Bacia de Entre-Ribeiros, Fazenda Fortaleza. Localização: 16º 57’ 32”S 46º 48’ 16”W (MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006)
  • 25. RGB ACP Tasseled Cap 1975 1989 2008 Imagens de Satélite
  • 26. Avaliação dos produtos de Sensoriamento Remoto Técnica Utilizada Avaliação Composição RGB • Melhor para comparação entre imagens de épocas diferentes • Explicação física da refletância • Flexibilidade na troca de bandas • Limite de três bandas por visualização Análise de Componentes Principais (ACP) • Melhor técnica para analisar heterogeneidade espacial na mesma imagem • Não tão boa para analisar imagens de épocas diferentes Tassseled Cap • Boa para analisar heterogeneidade espacial na mesma imagem • Boa para comparação entre imagens de épocas diferentes • Explicação física indireta da refletância
  • 32. Progresso da Ocupação – 1975/1989/2008
  • 33. Classes 1975 1989 2008 Agricultura Tradicional 3287,91 42387,22 99808,69 Agricultura Irrigada 0,00 14743,63 39131,38 Pecuária 58564,34 107181,11 115452,98 Assentamentos 0,00 0,00 11426,19 Reflorestamento 0,00 0,00 1230,89 Área Alagada 6011,93 1856,74 709,38 Cerrado 285968,28 193797,94 85821,77 Mata 42300,10 36168,39 42555,09 Sub-Total Antrópico 61852,25 164311,96 267050,13 Sub-Total Nativo 334280,32 231823,07 129086,24 Total 396132,57 396135,03 396136,36 Ocupação em Hectares – 1975/1989/2008
  • 34. Ocupação em % – 1975/1989/2008 Classes 1975 1989 2008 Agricultura Tradicional 0,83 10,70 25,20 Agricultura Irrigada 0,00 3,72 9,88 Pecuária 14,78 27,06 29,14 Assentamentos 0,00 0,00 2,88 Reflorestamento 0,00 0,00 0,31 Área Alagada 1,52 0,47 0,18 Cerrado 72,19 48,92 21,66 Mata 10,68 9,13 10,74 Sub-Total Antrópico 15,61 41,48 67,41 Sub-Total Nativo 84,39 58,52 32,59 Total 100,00 100,00 100,00
  • 35. Variação da Ocupação – 1975/1989/2008 Classes Variação 1975-1989 em % Variação 1989-2008 em % Variação 1975-2008 em % Agricultura Tradicional +1189,18 +135,47 +2935,63 Agricultura Irrigada - +165,41 - Pecuária +83,01 +7,72 +97,14 Assentamentos - - - Reflorestamento - - - Área Alagada -69,12 -61,79 -88,20 Cerrado -32,23 -55,72 -69,99 Mata -14,50 +17,66 +0,60 Sub-Total Antrópico +165,65 +62,53 +331,75 Sub-Total Nativo -30,65 -44,32 -61,38
  • 36. Hidrologia e Irrigação Estudos de Vazão Não-Regionalizada e Regionalizada
  • 37. Eficiência de Irrigação Indicador Eficiência Geral (Brasil) 60 a 90% Regionalização – Paracatu (FAO) 70% Dados experimentais 41,6 a 45,24% (média de 43,81%) Dados de campo 28 a 47% (média de 38,75%)
  • 38. Exemplo de um dos extensos canais de irrigação no Vale de Entre Ribeiros. Localização: 46º19’11”S 17º03’17”W
  • 39. Uso de Água por Hectare de Agricultura Irrigada Ano Volume derivado total (m3) Área Irrigada (ha) Uso de água por hectare (m3ha-1ano-1) 1997 14.117.323 2.343 6.025,32 1998 23.744.618 2.365 10.040,01 1999 22.383.753 2.389 9.369,51 2000 18.053.636 2.434 7.417,27 Média 19.574.833 2.383 8.213,03 Fonte: Cálculo a partir dos dados de Brito, Bastings e Bortolozzo (2003, p. 296-297).
  • 40. Estimativa de Uso da Água para Irrigação em Entre-Ribeiros, para os anos de 1989 e 2008. • Uso de água por Hectare • Área Irrigada em 1989 e 2008 • Vazão Q7,10 Porcentagem de Uso sobre a vazão Q7,10 em 1989 e 2008
  • 41. Estimativa de Uso da Água para Irrigação em Entre-Ribeiros, para os anos de 1989 e 2008. Ano Área Irrigada (em ha) Uso de água total (m3/ano) Porcentagem de uso sobre a Q7,10 (em %) 1989 8.390,35 68.910.196,26 37,78 2008 19.118,07 157.017.282,45 86,08 Fonte: Cálculo a partir dos dados de Brito, Bastings e Bortolozzo (2003, p. 296- 297) e Moreira (2006, p. 61).
  • 42. Variação Temporal do Uso da Água – Anual, Diária e Horária Gráfico 7: Vazão de retirada (QR, em m3/s) e vazão unitária de retirada ela irrigação (qr, em Ls-1ha-1,), precipitação (P, em mm/d), precipitação efetiva (Pe, em mm/d) e evapotranspiração da cultura (ETr, em mm/d) ao longo do ano de 1996 no município de Unaí. Fonte: Rodriguez (2004, p. 54).
  • 43. Hidrograma Médio VAZÕES MÉDIAS MENSAIS MÉDIO PARACATU período 1940 - 1994 0,0 200,0 400,0 600,0 800,0 1000,0 1200,0 out nov dez jan fev mar abr maio jun jul ago set Meses Vazões(m³/s) Gráfico 9: Hidrograma representando as vazões médias mensais no Médio Paracatu entre 1940 e 1994. (RURALMINAS, 1996).
  • 44. Impactos Ecológicos e Reflexos Econômicos (1) desmatamento e fragmentação dos biomas originais, pelo avanço da agropecuária (2) o uso consuntivo de água pela irrigação, (3) a redução de infiltração da água no solo por ocupação de zonas de recarga (4) o impacto da drenagem de veredas, lagoas marginais e áreas de inundação.
  • 45. Queimadas e retirada da vegetação nativa para produção de carvão em Entre-Ribeiros. Nesta região foram observados vários fornos de carvoejamento e usos de moto-serra. Localização 46º49’34”S 16º57’45”W
  • 46. Erosão laminar em área de agricultura de sequeiro abandonada e utilizada para pecuária, na Bacia de Entre-Ribeiros. Localização: 16º58'15,3"S 46º25'52,0"W
  • 47. Fragmento de Cerrado sem conectividade na região de Paracatu-MG Fonte: IBICT (2008)
  • 48. Exemplo de retirada da vegetação do curso d’água (Mata Ciliar) para dar lugar à pastagem.
  • 49. Exemplo de degradação de um ambiente aquático, no caso uma lagoa marginal represada em Entre-Ribeiros.
  • 50. Barragem construída sobre o ecossistema de Vereda. Percebe-se claramente a descontinuidade e o comprometimento deste ambiente com a elevação do nível d’água. Localização: 16º57'49,4"S 46º24'23,4"W (MARTINS JUNIOR et al., 2002-2006; ANDRADE, 2007, p. 109).
  • 51. Represamento de um ecossistema de Veredas, causando a morte da vegetação original. Localização: 16º57'49,4"S 46º24'23,4"W.
  • 52. Conclusões • Conseqüências da Ocupação Agrícola – Atendimento à demanda mundial de alimentos e bioenergia – Impactos Ambientais – Externalidades Econômicas – Custos e limites impostos pelo uso excessivo dos recursos naturais