SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
Formação do Auto-conceito Pr. Elias Brenha
1. É um processo lento. Forma-se a partir da: ,[object Object],[object Object],[object Object]
Está intimamente ligado à necessidade de aprovação e aceitação. Ex.: Uma criança que não consegue aprender “nós” e é censurada pelo líder por causa de sua dificuldade, começa a ver o clube como um lugar desagradável, e a si mesmo como pouco inteligente. Ele passa a temer os gestos mais bem intencionados do professor e rejeita todo novo  material, supondo que não poderia aprender, mesmo que tentasse.
Para atingir um auto-conceito, a criança é influenciada em grande parte pelos julgamentos dos outros a respeito dela. Ela incorpora todas as afirmações feitas pelos outros. Autoconeito é o que a Pessoa acredita que é
“ Você não pode terminar as coisas que começa?” “ Algumas vezes eu acho que você não tem nada na cabeça.” “ Mas você não aprende mesmo, heim?” “ Você não tem nada organizado.” “ Seu irmão é melhor que você.” “ Oh, como você é desajeitado!”
Um acumulo dessas mensagens começa a moldar as crenças da criança a respeito de si mesma. Através da censura e da reprovação,  os líderes apenas conseguem convencê-la de que é incapaz e não tem valor.
“ Muito bem! Você fez tudo certinho” “ Parabéns! Que criança inteligente.” “ Estou tão satisfeito com vocês!” “ Isso mesmo! Você acertou...” Precisamos Acentuar o Positivo
No entanto, não se deve ser econômico em elogios, nem tão pouco desperdiçar oportunidades de reforçar positivamente suas crianças. Elogie sempre, nas ocasiões que achar oportunas. O elogio precisa ser feito nas oportunidades adequadas. Se for dado à toa perde o valor de reforço.
Atitudes que inibem o desenvolvimento da Formação do Auto-conceito
Você não tem jeito... Fez um papel muito feio! Garanto que seu amiguinho faria melhor...! Nunca mais quero ver você jogar!
Este líder espera da criança um desempenho que ele não é capaz de ter. Esse tipo de atitude é muito prejudicial para o auto-conceito da criança, que se sente humilhada e incompetente. Tanto faz se a criança vive num ambiente rico ou pobre; o jeito pelo qual ela é tratada pelos adultos e pelos companheiros exerce um papel marcante na formação de seu auto-conceito. O nível sócio econômico também pesa muito. Mas não é suficiente para determinar, por si só, a formação de uma auto imagem positiva ou negativa.
Também quero jogar... CHUIF! CHUIF! CHUIF! CHUIF! ? ? Sujo desse jeito? Você cheira feito bode!
A falta de higiene é um problema muito sério para as famílias pobres, que não podem ter boas condições de moradia. Para a mãe não sobra tempo para atender os filhos, há falta de água e de sanitários. Tudo isso muitas vezes obriga a criança a ir ao clube sujo, e os colegas olham para ele com pouco caso. Às vezes até o líder tem uma atitude de desprezo. Essas condições são muito negativas para o desenvolvimento do auto-conceito.
O diretor disse que hoje tem que levar a mensalidade ou então ir alguém explicar ... Ah! Este mês não dá ...  Também não posso ir ao clube! Não adianta! Ou o dinheiro ou mãe ... Então você não vai ao clube, até eu dar um jeito ...
É comum as crianças pobres apresentarem mais dificuldades para desenvolver um bom auto-conceito. Isto ocorre porque, além das dificuldades próprias da pobreza, o clube ainda faz exigências que a família não pode cumprir. A mãe de João não pode atender ao que o clube pede, e não sabe resolver a situação, por isso, faz o menino abandonar o clube. É claro que essa atitude vai influir no auto-conceito do João. Mesmo que ele volte ao clube, é bem possível que se sinta inferior a seus colegas, abandonado e inseguro. O nível sócio-econômico pesa muito no desenvolvimento do auto-conceito da criança. Mas não é suficiente para determinar por si só a formação de um auto-conceito positivo ou negativo. O jeito pelo qual ela é tratada e o ambiente em que vive exercem um papel marcante.
E você Edna? O que é isso? Que trabalho imundo, cheio de gordura Parabéns! Tudo certinho Muito bem! Que trabalho bem feito!
A família de Edna é pobre. A casa, de um só cômodo, não possui um lugar adequado para ela fazer o trabalho. O número de pessoas é grande. Além disso, os pais não podem comprar todo o material que ela precisa. Em meio a tudo isso, é bem difícil manter. Quando o líder chama atenção para as más condições do material, diante dos colegas, a criança sente-se envergonhado e diminuída. Situações desse tipo influem negativamente na formação de seu auto-conceito.
Já é tarde... Passe logo seu uniforme, você está atrasada! Vá rapidamente à padaria comprar leite e pão. Seu irmão está chorando, veja o que foi! Ai! Você não poderá ir ao clube... Queimou seu uniforme!
Enquanto muitas crianças dessa idade ocupam seu tempo em brincadeiras, Joaninha precisa assumir responsabilidades. Deve cuidar de sua roupa, tomar conta do irmãozinho e ajudar em tarefas da casa. A menina só tem um uniforme. Se ele estiver sujo, molhado ou estragado, não poderá ir ao clube, porque o uniforme é obrigatório. Talvez pudesse ir com outra roupa e tentar conversar com o líder. Mas isso significa também ficar numa posição desagradável e humilhante. Situações desse tipo influem sobre sua auto-imagem de forma bem negativa.
Hora de fazer especialidades. Ploft! Antônio, você não presta atenção? Parece que vive no mundo da lua!
A fome, muito comum em nossos dias, é a causadora dos mais variados problemas entre as crianças. Muitas que passam fome não conseguem manter-se atentos nem interessados, sentem-se cansados e mal dispostos durante a maior parte do tempo. Nessas condições, o fracasso é um resultado bem comum. A criança não consegue sair-se bem no clube e por isso passa a ter  uma imagem negativa de si mesma.
Você  se lembra das cenas desta página? Nelas aparecem crianças cujas famílias apresentam problemas de... ... Falta de condições econômicas para pagar a mensalidade ... Falta de tempo dos pais. Eles não podem ir ao clube, nem atender às necessidades de seus filhos
... Falta de recursos para garantir boas condições de higiene nas casas. ... Falta de espaço para a criança fazer suas lições de casa, guardar e manter bem cuidado seu material do clube. Sujo desse jeito? Você cheira feito bode! E você Edna?
... Fome ou falta de alimentação suficiente e adequada.
Todos esses problemas costumam acontecer em situações de pobreza. A criança  que vive nesse meio, que enfrenta tudo isso em sua casa, em geral não se sente bem sucedida, vencedora. Ao contrário: mostra-se insegura, com medo de situações novas. Não tem uma boa imagem de si mesma. Além disso, se ela também for mal sucedida no clube, seu auto-conceito ficará ainda mais baixo.
Reforço Positivo: Uma Arma Valiosa Muito bem! Você fez tudo certinho! Parabéns! Que criança inteligente Estou satisfeito com vocês... Isso mesmo! Você acertou!
Essas são algumas das frases que você deve usar. São elogios que estimulam e incentivam a criança, atuando como reforço positivo. Como você já viu, o reforço positivo é excelente para desenvolver o auto-conceito da criança. Mas você precisa saber usá-lo, nas situações adequadas. Veja algumas condições:
Só diga muito bem quando você achar que a criança está se esforçando de verdade, fazendo o melhor que pode. Está quase certo... Mas você pode melhorar, tente fazer de novo. Agora sim! Parabéns! E agora? Está bom? Acertei?
O elogio precisa ser pensado e feito em relação a cada criança individualmente. A mesma tarefa pode ser bem fácil para uma criança e muito complicada para outra. Já acabei! Fui a primeira, está bom? Muito bem, Rosa. Agora pode fazer o seu desenho
O elogio precisa ser feito nas oportunidades adequadas. Se for dado à toa perde o valor de reforço. No entanto, você não deve ser econômico em elogios, nem tampouco desperdiçar oportunidades de reforçar positivamente suas crianças. Elogie sempre, nas ocasiões que achar oportunas.
Final apresentação Formação do Auto-conceito

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocialmarta12l
 
Você é do tamanho do seu sonho!
Você é do tamanho do seu sonho!Você é do tamanho do seu sonho!
Você é do tamanho do seu sonho!desejosmodaintima
 
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoalAuto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoalCursos Profissionalizantes
 
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmoAuto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmoAna Nery Medeiros
 
Competências e Habilidades Socioemocionais no cotidiano
Competências e Habilidades Socioemocionais no cotidiano Competências e Habilidades Socioemocionais no cotidiano
Competências e Habilidades Socioemocionais no cotidiano inovaDay .
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
AutoconhecimentoDalila Melo
 
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de CriancaBullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de Criancaflaviamazs
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosACTEBA
 
Aula 2 desenvolvimento humano_erickson e piaget
Aula 2 desenvolvimento humano_erickson e piagetAula 2 desenvolvimento humano_erickson e piaget
Aula 2 desenvolvimento humano_erickson e piagetFuturos Medicos
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalpsicologiaazambuja
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãomafertoval
 
Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1pedagogicosjdelrei
 

Mais procurados (20)

Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
Motivação Escolar
Motivação EscolarMotivação Escolar
Motivação Escolar
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
Para Que Estudar?
Para Que Estudar?Para Que Estudar?
Para Que Estudar?
 
Adolescência 213
Adolescência 213Adolescência 213
Adolescência 213
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 
Você é do tamanho do seu sonho!
Você é do tamanho do seu sonho!Você é do tamanho do seu sonho!
Você é do tamanho do seu sonho!
 
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoalAuto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
 
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmoAuto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
 
Competências e Habilidades Socioemocionais no cotidiano
Competências e Habilidades Socioemocionais no cotidiano Competências e Habilidades Socioemocionais no cotidiano
Competências e Habilidades Socioemocionais no cotidiano
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
Palestra sobre bullying
Palestra sobre bullyingPalestra sobre bullying
Palestra sobre bullying
 
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de CriancaBullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
 
Cultura de Paz
Cultura de PazCultura de Paz
Cultura de Paz
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e Desafios
 
Aula 2 desenvolvimento humano_erickson e piaget
Aula 2 desenvolvimento humano_erickson e piagetAula 2 desenvolvimento humano_erickson e piaget
Aula 2 desenvolvimento humano_erickson e piaget
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
 
Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1
 

Semelhante a Formação Autoconceito Fatores Influenciam

Reunião de pais com direção de turma
Reunião de pais com direção de turmaReunião de pais com direção de turma
Reunião de pais com direção de turmaWander Junior
 
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos ILiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos Iguest06a00c
 
ADOLESCENCIA - EBOOK GRATUITO MEU FILHO CRESCEU E AGORA?
ADOLESCENCIA - EBOOK GRATUITO MEU FILHO CRESCEU E AGORA?ADOLESCENCIA - EBOOK GRATUITO MEU FILHO CRESCEU E AGORA?
ADOLESCENCIA - EBOOK GRATUITO MEU FILHO CRESCEU E AGORA?Jacqueline Vilela Gomes Kikuti
 
Educacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhosEducacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhosACECTALCT
 
Educacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhosEducacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhosACECTALCT
 
Educacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhosEducacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhosACECTALCT
 
Tema 5 auto imagem e auto estima
Tema 5   auto imagem e auto estimaTema 5   auto imagem e auto estima
Tema 5 auto imagem e auto estimaJoao Rumpel
 
Apresentação livro das famílias
Apresentação livro das famíliasApresentação livro das famílias
Apresentação livro das famíliasCleverton Epormucena
 
A família e a escola formam uma equipe
A família e a escola formam uma equipeA família e a escola formam uma equipe
A família e a escola formam uma equipeAna Maria Borges
 
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhosUma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhosSimoneHelenDrumond
 
Sucesso AcadéMico Expectativas E Resultados
Sucesso AcadéMico Expectativas E ResultadosSucesso AcadéMico Expectativas E Resultados
Sucesso AcadéMico Expectativas E ResultadosSara Brandão
 
Ser empreendedor é-PowerPoint PAP
Ser empreendedor é-PowerPoint PAPSer empreendedor é-PowerPoint PAP
Ser empreendedor é-PowerPoint PAPAndreia Nogueira
 

Semelhante a Formação Autoconceito Fatores Influenciam (20)

Autoestima Infantil
Autoestima InfantilAutoestima Infantil
Autoestima Infantil
 
Enchendo o Saco
Enchendo o SacoEnchendo o Saco
Enchendo o Saco
 
Reunião de pais com direção de turma
Reunião de pais com direção de turmaReunião de pais com direção de turma
Reunião de pais com direção de turma
 
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos ILiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
 
ADOLESCENCIA - EBOOK GRATUITO MEU FILHO CRESCEU E AGORA?
ADOLESCENCIA - EBOOK GRATUITO MEU FILHO CRESCEU E AGORA?ADOLESCENCIA - EBOOK GRATUITO MEU FILHO CRESCEU E AGORA?
ADOLESCENCIA - EBOOK GRATUITO MEU FILHO CRESCEU E AGORA?
 
Relação entre Pais e Filhos
Relação entre Pais e Filhos Relação entre Pais e Filhos
Relação entre Pais e Filhos
 
E.M. Genair Ramos Gabriel
E.M. Genair Ramos GabrielE.M. Genair Ramos Gabriel
E.M. Genair Ramos Gabriel
 
e.
e.e.
e.
 
Educacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhosEducacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhos
 
Educacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhosEducacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhos
 
Educacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhosEducacao positiva dos_seus_filhos
Educacao positiva dos_seus_filhos
 
Tema 5 auto imagem e auto estima
Tema 5   auto imagem e auto estimaTema 5   auto imagem e auto estima
Tema 5 auto imagem e auto estima
 
Apresentação livro das famílias
Apresentação livro das famíliasApresentação livro das famílias
Apresentação livro das famílias
 
A família e a escola formam uma equipe
A família e a escola formam uma equipeA família e a escola formam uma equipe
A família e a escola formam uma equipe
 
12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem
 
12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem
 
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhosUma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
 
Sucesso AcadéMico Expectativas E Resultados
Sucesso AcadéMico Expectativas E ResultadosSucesso AcadéMico Expectativas E Resultados
Sucesso AcadéMico Expectativas E Resultados
 
Ser empreendedor é-PowerPoint PAP
Ser empreendedor é-PowerPoint PAPSer empreendedor é-PowerPoint PAP
Ser empreendedor é-PowerPoint PAP
 
Orientando crianças
Orientando criançasOrientando crianças
Orientando crianças
 

Mais de Clube de Lideres Online (20)

Sobreviventes
SobreviventesSobreviventes
Sobreviventes
 
Avioes
AvioesAvioes
Avioes
 
Apresentação Dobrar Bandeiras
Apresentação Dobrar BandeirasApresentação Dobrar Bandeiras
Apresentação Dobrar Bandeiras
 
Perfil Do Instrutor
Perfil Do InstrutorPerfil Do Instrutor
Perfil Do Instrutor
 
Ordem Unida
Ordem UnidaOrdem Unida
Ordem Unida
 
I SemináRio De Ordem Unida
I SemináRio De Ordem UnidaI SemináRio De Ordem Unida
I SemináRio De Ordem Unida
 
Crescimento De Clubes De Desbravadores
Crescimento De Clubes De DesbravadoresCrescimento De Clubes De Desbravadores
Crescimento De Clubes De Desbravadores
 
Autoridades E Prerrogativas
Autoridades E PrerrogativasAutoridades E Prerrogativas
Autoridades E Prerrogativas
 
Comandos Por Gestos
Comandos Por GestosComandos Por Gestos
Comandos Por Gestos
 
A Ordem Unida Na HistóRia
A Ordem Unida Na HistóRiaA Ordem Unida Na HistóRia
A Ordem Unida Na HistóRia
 
ApresentaçãO Dobrar Bandeiras
ApresentaçãO Dobrar BandeirasApresentaçãO Dobrar Bandeiras
ApresentaçãO Dobrar Bandeiras
 
Bandeira Dobra
Bandeira DobraBandeira Dobra
Bandeira Dobra
 
Banderins unidade
Banderins unidadeBanderins unidade
Banderins unidade
 
Julian Beever Desenhos na calada
Julian Beever Desenhos na caladaJulian Beever Desenhos na calada
Julian Beever Desenhos na calada
 
Tres
TresTres
Tres
 
Uma Nova Manha
Uma Nova ManhaUma Nova Manha
Uma Nova Manha
 
Tosse Salvadora
Tosse SalvadoraTosse Salvadora
Tosse Salvadora
 
Teste Dalai Lama(Amor)
Teste Dalai Lama(Amor)Teste Dalai Lama(Amor)
Teste Dalai Lama(Amor)
 
Sentido Do Matrimonio
Sentido Do MatrimonioSentido Do Matrimonio
Sentido Do Matrimonio
 
Perguntas.
Perguntas.Perguntas.
Perguntas.
 

Formação Autoconceito Fatores Influenciam

  • 1. Formação do Auto-conceito Pr. Elias Brenha
  • 2.
  • 3. Está intimamente ligado à necessidade de aprovação e aceitação. Ex.: Uma criança que não consegue aprender “nós” e é censurada pelo líder por causa de sua dificuldade, começa a ver o clube como um lugar desagradável, e a si mesmo como pouco inteligente. Ele passa a temer os gestos mais bem intencionados do professor e rejeita todo novo material, supondo que não poderia aprender, mesmo que tentasse.
  • 4. Para atingir um auto-conceito, a criança é influenciada em grande parte pelos julgamentos dos outros a respeito dela. Ela incorpora todas as afirmações feitas pelos outros. Autoconeito é o que a Pessoa acredita que é
  • 5. “ Você não pode terminar as coisas que começa?” “ Algumas vezes eu acho que você não tem nada na cabeça.” “ Mas você não aprende mesmo, heim?” “ Você não tem nada organizado.” “ Seu irmão é melhor que você.” “ Oh, como você é desajeitado!”
  • 6. Um acumulo dessas mensagens começa a moldar as crenças da criança a respeito de si mesma. Através da censura e da reprovação, os líderes apenas conseguem convencê-la de que é incapaz e não tem valor.
  • 7. “ Muito bem! Você fez tudo certinho” “ Parabéns! Que criança inteligente.” “ Estou tão satisfeito com vocês!” “ Isso mesmo! Você acertou...” Precisamos Acentuar o Positivo
  • 8. No entanto, não se deve ser econômico em elogios, nem tão pouco desperdiçar oportunidades de reforçar positivamente suas crianças. Elogie sempre, nas ocasiões que achar oportunas. O elogio precisa ser feito nas oportunidades adequadas. Se for dado à toa perde o valor de reforço.
  • 9. Atitudes que inibem o desenvolvimento da Formação do Auto-conceito
  • 10. Você não tem jeito... Fez um papel muito feio! Garanto que seu amiguinho faria melhor...! Nunca mais quero ver você jogar!
  • 11. Este líder espera da criança um desempenho que ele não é capaz de ter. Esse tipo de atitude é muito prejudicial para o auto-conceito da criança, que se sente humilhada e incompetente. Tanto faz se a criança vive num ambiente rico ou pobre; o jeito pelo qual ela é tratada pelos adultos e pelos companheiros exerce um papel marcante na formação de seu auto-conceito. O nível sócio econômico também pesa muito. Mas não é suficiente para determinar, por si só, a formação de uma auto imagem positiva ou negativa.
  • 12. Também quero jogar... CHUIF! CHUIF! CHUIF! CHUIF! ? ? Sujo desse jeito? Você cheira feito bode!
  • 13. A falta de higiene é um problema muito sério para as famílias pobres, que não podem ter boas condições de moradia. Para a mãe não sobra tempo para atender os filhos, há falta de água e de sanitários. Tudo isso muitas vezes obriga a criança a ir ao clube sujo, e os colegas olham para ele com pouco caso. Às vezes até o líder tem uma atitude de desprezo. Essas condições são muito negativas para o desenvolvimento do auto-conceito.
  • 14. O diretor disse que hoje tem que levar a mensalidade ou então ir alguém explicar ... Ah! Este mês não dá ... Também não posso ir ao clube! Não adianta! Ou o dinheiro ou mãe ... Então você não vai ao clube, até eu dar um jeito ...
  • 15. É comum as crianças pobres apresentarem mais dificuldades para desenvolver um bom auto-conceito. Isto ocorre porque, além das dificuldades próprias da pobreza, o clube ainda faz exigências que a família não pode cumprir. A mãe de João não pode atender ao que o clube pede, e não sabe resolver a situação, por isso, faz o menino abandonar o clube. É claro que essa atitude vai influir no auto-conceito do João. Mesmo que ele volte ao clube, é bem possível que se sinta inferior a seus colegas, abandonado e inseguro. O nível sócio-econômico pesa muito no desenvolvimento do auto-conceito da criança. Mas não é suficiente para determinar por si só a formação de um auto-conceito positivo ou negativo. O jeito pelo qual ela é tratada e o ambiente em que vive exercem um papel marcante.
  • 16. E você Edna? O que é isso? Que trabalho imundo, cheio de gordura Parabéns! Tudo certinho Muito bem! Que trabalho bem feito!
  • 17. A família de Edna é pobre. A casa, de um só cômodo, não possui um lugar adequado para ela fazer o trabalho. O número de pessoas é grande. Além disso, os pais não podem comprar todo o material que ela precisa. Em meio a tudo isso, é bem difícil manter. Quando o líder chama atenção para as más condições do material, diante dos colegas, a criança sente-se envergonhado e diminuída. Situações desse tipo influem negativamente na formação de seu auto-conceito.
  • 18. Já é tarde... Passe logo seu uniforme, você está atrasada! Vá rapidamente à padaria comprar leite e pão. Seu irmão está chorando, veja o que foi! Ai! Você não poderá ir ao clube... Queimou seu uniforme!
  • 19. Enquanto muitas crianças dessa idade ocupam seu tempo em brincadeiras, Joaninha precisa assumir responsabilidades. Deve cuidar de sua roupa, tomar conta do irmãozinho e ajudar em tarefas da casa. A menina só tem um uniforme. Se ele estiver sujo, molhado ou estragado, não poderá ir ao clube, porque o uniforme é obrigatório. Talvez pudesse ir com outra roupa e tentar conversar com o líder. Mas isso significa também ficar numa posição desagradável e humilhante. Situações desse tipo influem sobre sua auto-imagem de forma bem negativa.
  • 20. Hora de fazer especialidades. Ploft! Antônio, você não presta atenção? Parece que vive no mundo da lua!
  • 21. A fome, muito comum em nossos dias, é a causadora dos mais variados problemas entre as crianças. Muitas que passam fome não conseguem manter-se atentos nem interessados, sentem-se cansados e mal dispostos durante a maior parte do tempo. Nessas condições, o fracasso é um resultado bem comum. A criança não consegue sair-se bem no clube e por isso passa a ter uma imagem negativa de si mesma.
  • 22. Você se lembra das cenas desta página? Nelas aparecem crianças cujas famílias apresentam problemas de... ... Falta de condições econômicas para pagar a mensalidade ... Falta de tempo dos pais. Eles não podem ir ao clube, nem atender às necessidades de seus filhos
  • 23. ... Falta de recursos para garantir boas condições de higiene nas casas. ... Falta de espaço para a criança fazer suas lições de casa, guardar e manter bem cuidado seu material do clube. Sujo desse jeito? Você cheira feito bode! E você Edna?
  • 24. ... Fome ou falta de alimentação suficiente e adequada.
  • 25. Todos esses problemas costumam acontecer em situações de pobreza. A criança que vive nesse meio, que enfrenta tudo isso em sua casa, em geral não se sente bem sucedida, vencedora. Ao contrário: mostra-se insegura, com medo de situações novas. Não tem uma boa imagem de si mesma. Além disso, se ela também for mal sucedida no clube, seu auto-conceito ficará ainda mais baixo.
  • 26. Reforço Positivo: Uma Arma Valiosa Muito bem! Você fez tudo certinho! Parabéns! Que criança inteligente Estou satisfeito com vocês... Isso mesmo! Você acertou!
  • 27. Essas são algumas das frases que você deve usar. São elogios que estimulam e incentivam a criança, atuando como reforço positivo. Como você já viu, o reforço positivo é excelente para desenvolver o auto-conceito da criança. Mas você precisa saber usá-lo, nas situações adequadas. Veja algumas condições:
  • 28. Só diga muito bem quando você achar que a criança está se esforçando de verdade, fazendo o melhor que pode. Está quase certo... Mas você pode melhorar, tente fazer de novo. Agora sim! Parabéns! E agora? Está bom? Acertei?
  • 29. O elogio precisa ser pensado e feito em relação a cada criança individualmente. A mesma tarefa pode ser bem fácil para uma criança e muito complicada para outra. Já acabei! Fui a primeira, está bom? Muito bem, Rosa. Agora pode fazer o seu desenho
  • 30. O elogio precisa ser feito nas oportunidades adequadas. Se for dado à toa perde o valor de reforço. No entanto, você não deve ser econômico em elogios, nem tampouco desperdiçar oportunidades de reforçar positivamente suas crianças. Elogie sempre, nas ocasiões que achar oportunas.